Você está na página 1de 23

A GEOGRAFIA BÍBLICA

MOISÉS CHAVEZ

Para a maioria das pessoas que lêem a Bíblia regularmente nunca aconteceu uma qualificação, ainda
que elementar, para resolver a cena dos eventos que narra. O resultado é que nós colocamos na
nossa leitura da Bíblia muito da nossa imaginação e nossa compreensão do texto sagrado é
desfigurado. Nosso objetivo é dar uma visão panorâmica e abrangente da geografia bíblica.

GEOGRAFIA E a hermenêutica BÍBLIA


A palavra geografia vem do grego geos , "terra" e ortografia , "description" (escrito ou
gráfico). Estudos de geografia bíblicas são muito úteis para a compreensão do texto da Bíblia, tanto
a leitura devocional e na sua análise hermenêutica.
Um dos cinco tipos de análise hermenêutica de um texto bíblico em particular sofre quando
exegese praticada é a análise geográfica, que está intimamente relacionada com a análise histórica e
análise cultural.
A análise geográfica não é apenas possível, mas também necessária, pois a Bíblia é
um documento histórico que foi produzido no tempo, no espaço e na linguagem humana, o
principal fator de um fenômeno mais complexo em antropologia é conhecido como "cultura". Em
outras palavras, a Bíblia relata eventos que ocorreram em um determinado período da história
(tempo), em uma determinada localização geográfica (espaço) e em um contexto cultural particular.

O texto bíblico e as informações geográficas


As informações geográficas de um determinado texto é dada por certas palavras, algumas das
quais parecem não ter informações importantes ou conotação geográfica:

1 Os nomes dos lugares geográficos


Para os nomes de localizações geográficas são chamados de "nomes de lugar" (gr. topos ,
"lugar", e ONOMA , "nome"). Os nomes de lugares países identificados, cidades, mares, lagos,
montanhas, desertos, etc

2 referências descritivas gerais


Eles são dadas pelas direções das regiões, como o litoral, as montanhas, desertos, bacias
hidrográficas), rios, montanhas, estradas, molas, sepulturas, pilares de fronteira, etc

3 Referências hora
O fenómeno de ao longo do tempo é devido à rotação da terra em torno do seu eixo, por
conseguinte, também têm a ver com a geografia. A maneira de se referir ao tempo está intimamente
relacionado a uma cultura particular. Na cultura hebraica as horas de contagem de um dia começa às
seis da tarde, assim que o primeiro dia é meio escuro e meia luz, em seguida, começa no dia
seguinte ao amanhecer e termina no momento da sol começa quando simultaneamente um outro dia.

Referências 4 meses
Os meses são um resultado da rotação da Lua ao redor da Terra. A sucessão dos meses dá
origem ao calendário lunar que governa o tempo em cultura hebraica. Desde os tempos antigos o
dia que começa a cada mês tem sido comemorado como um marco de férias.

Referências 5 temporadas
As estações do ano são causadas pela rotação da Terra em torno do ciclo anual dom está
intimamente ligado às actividades agrícolas e começa com a queda (setembro) e termina com o
verão. Estas referências incluem as festividades associadas às várias fases do ciclo agrícola, como a
Páscoa, Pentecostes e Tabernáculos.

6 As referências a mudanças climáticas


Estas referências incluem os efeitos das estações do ano, como a precipitação (precoce e tardia),
crises de seca, os efeitos do vento, como o khamsin ou vento quente da Etiópia no lado da
Transjordânia, etc

7 As referências às distâncias
As referências às distâncias entre uma localização geográfica para outra, bem como o tempo
necessário para a cavalo também parte da análise geográfica.

8 Referências recursos geográficos


Estas referências cobrir toda a área da biosfera ou manifestação da vida, incluindo a terra e os
mares. Eles são de três tipos: i) os recursos minerais; ii) Os animais, ou seja, animais que
espalham; iii) A flora, ou seja, a difusão de espécies de plantas.

9 Referências para a população humana


Estas referências incluem a expansão das populações humanas, raças, grupos étnicos e culturais,
nacionalidades, etc

GEOGRAFIA Geografia Física E HISTÓRIA


No que diz respeito aos estudos de geografia diferença entre o estudo da física ou geografia
descritiva e estudo da geografia histórica é. Geografia física se concentra em uma área específica e
suas características físicas, clima, recursos naturais, fauna e flora, sua população humana,
etc Geografia física tem inter-relação com a cronologia, mas apenas quanto às mudanças
substanciais verificados em uma determinada área, como mudanças geológicas, mudanças
climáticas, mudanças de flora ou fauna.
Por outro lado, concentra-se no território geografia histórica como palco de eventos históricos,
como viagens, batalhas, campanhas militares, construção da cidade, moldando as fronteiras
geopolíticas, etc
Nosso artigo não constitui uma abordagem especializada ou tipo, mas abraça ambas as
abordagens.

O MUNDO DA BÍBLIA
O mundo da Bíblia, ou seja, a área geográfica que serviu de pano de fundo para a história
bíblica, abrange o Oriente Médio, e perifericamente, também no Oriente Médio. No entanto, o
mundo da Bíblia é projetado ainda mais longe: da Líbia no norte da África e Espanha, na parte
ocidental da Europa, para a Índia, na Ásia Central; e da Armênia e Rússia no norte da Etiópia, no
sul. No centro dessa vasta área geográfica é a Terra de Israel.
Abaixo estão alguns relacionados com o mundo dos conceitos bíblicos:

1 O Oriente Médio
A área central do mundo da Bíblia é o Oriente Médio, assim chamado para distingui-lo do
Oriente Próximo, que abrange as regiões da Ásia contíguas à Europa, e no Extremo Oriente, que
abrange os países da Ásia Central e Oriental.
O Oriente Médio que vão desde o Irã (antiga Pérsia) e na bacia do Golfo Pérsico, a leste, até a
costa mediterrânea de Israel, o Líbano ea Síria, no oeste; e para a região sul da Turquia para o norte
para o Egito ea Arábia ao sul.
Os actuais países da área do Oriente Médio são: Israel, Egito, Jordânia, Síria, Líbano, Iraque,
Quwait, os países da Península Arábica, Irã e Turquia.
Esta região tem vindo a ser caracterizada por o centro de transmissão da cultura árabe e religião
muçulmana, cujo símbolo é uma crescente.

2 O "Crescente Fértil"
No Oriente Médio, a área que tem uma relação mais próxima com a história bíblica é conhecido
como o "Crescente Fértil" para se parecer com um rosto crescente para baixo e terminar para o leste
e oeste. Esta região é uma área de chuva, rios, ea atividade agrícola e comercial intenso que começa
no leste, ligando as terras baixas do Golfo Pérsico da Mesopotâmia, e termina a oeste, na terra de
Israel, separado da área plantada Delta Nilo por um trecho de deserto ao norte da Península do
Sinai.
A área do Crescente Fértil foi percorrido desde os tempos antigos para as rotas que
permaneceram comunicado aos poderes em ambas as extremidades da região, ou seja, no extremo
leste da Mesopotâmia e Egito, no extremo oeste.
A principal via através do território de Israel a partir de nordeste para sudoeste, atravessando o
vale de Megido, também conhecido como vale de Jezreel ou Armageddon. Este vale tem sido, em
tempos antigos, o ponto focal para o controle da rota durante todo o Crescente Fértil, e tem sido o
local de atrito e confronto dos impérios da Mesopotâmia do Nordeste (Assíria e Babilônia ) para o
Estado de Egito no sudoeste.
Nos tempos antigos, era quase impossível de passar do lado oriental para o extremo oeste do
Crescente Fértil, seguindo uma rota direta, uma vez que ambas as regiões são separadas por
desertos do norte Hauran e da parte norte do deserto da Arábia ao sul do deserto Haurã. Por esta
razão, para viajar de Babilônia (que é, na Mesopotâmia do sul) Israel teve que viajar primeiro para o
norte-oeste, ao longo da estrada abaixo do rio Eufrates, e teve então dirigir para o sul, atravessando
o território primeiro Síria. Assim, nos documentos bíblicos referem-se às invasões dos assírios e
babilônios como vindo "Norte" (Jeremias 1:14), quando na verdade essas pessoas ficam a leste de
Israel, do outro lado do Crescente Fértil .
A região do Crescente Fértil foi o local do surgimento da civilização, na Mesopotâmia e no
Egito e nos territórios dos países vizinhos. Aqui houve as primeiras cidades organizadas e muradas,
primeiro emprego da técnica de cerâmicas e metais, bem como a arte de escrever, tanto no Egito
como ideográficos silábica na Mesopotâmia, e em ordem alfabética, na terra de Canaã, a área onde
também foram estabelecidos os filhos de Israel.
Apesar de Israel não era o mais velho ou o mais significativo na região do povo Crescente
Fértil, é o único que sobreviveu de forma contínua a partir étnica e culturalmente, constituindo o elo
que permitiu redescobrir as civilizações antigas da mundo bíblico, até mesmo aqueles que o
precederam cronologicamente. A história de Israel se expande dentro de 4.000 anos.

PRINCIPAIS ÁREAS DA BÍBLIA MUNDO


Em termos mais amplos, as principais áreas do mundo da Bíblia são a Mesopotâmia, Síria,
território dos hititas, na terra de Canaã ou Israel, da Península do Sinai e Egito. Eles foram criados e
várias cidades e estados desenvolvidos, como mostrado abaixo:

1 Mesopotâmia
O braço oriental do Crescente Fértil cobre toda a terra chamada Mesopotâmia (do grego mesos ,
"meio" e potami , "rio"). Esta região é cortada de norte a sul por dois grandes rios que se encontram
em Shat-el-Arab, pouco antes de desaguar no Golfo Pérsico. Estes rios são o Tigre eo Eufrates. O
Tigre corre a leste da Mesopotâmia e do Eufrates, a oeste. Ambos os rios irrigar e dar vida a esta
região, que de outra forma seria deserto.
Na Mesopotâmia, as seguintes regiões ou territórios dos grupos étnicos: a terra de Sinar,
Babilônia, Assíria, o território do reino de Mitani Mesopotâmia e na Síria.
a) A terra de Sinar
No extremo sul da Mesopotâmia é a terra de Sinar, para a confluência dos rios Tigre e Eufrates
na bacia do Golfo Pérsico. Esta área foi o local de surgimento da civilização mais antiga conhecida:
os sumérios, um povo que surpreendeu o homem com sua tecnologia e seu mundo, a partir do
quarto milênio antes de Cristo.
Parece ter ligação etimológica entre as palavras Sinar , que você chama esta região na Bíblia
e Shumer , que esta região é conhecida escrita suméria e acadiana. Assim, a literatura bíblica
resgatou do esquecimento o nome de um país ou tão antiga quanto as pessoas sumérios.
Os principais centros urbanos do sumério Lagas, Erec, Babel e Ur. (Gen. 10:10). Muitos desses
lugares preservados seus nomes sumérios mesmo após o período sumério, como no caso da
Babilônia, cujo nome em sumério é KA.DINGIR ou "deus porta" (e por isso eu escrevo, mas ler em
acadiano: Báb ilu [Babilônia], o que significa exatamente o mesmo).
Na maioria destes centros destacou os ziqqurats , tipo de pisou pirâmides, um dos quais foi
também o chamado "Torre de Babel", na cidade de Babilônia.
A cidade de Ur é agora conhecido por seu nome árabe de Tel el-Muqayyer (literalmente "monte
de entulho cimentados com pitch") por causa do campo com os sumérios usado para cimentar
tijolos (Gn 11 :. 3). Seu nome sumério significa "cidade" ou "cidade", que atesta seu caráter
metropolitano.
Mesmo nos dias de Abraão não teria sido cidade tão avançado como nos tempos antigos, Ur
ainda manteve algumas de suas remoto passado cultural. O "Ur dos caldeus" designação na época
de Abraão (em hebraico:. Ur Kasdim ) parece referir-se a uma parte da cidade de Ur, que era
habitada por povos de língua aramaica nativas da Síria Mesopotâmia. Sua origem e língua
diferentes dos nativos desta região falam acadiano.
b) Babylon
Na área central da Mesopotâmia, e tendo na terra de Sinar, os babilônios desenvolveram com
seu centro na cidade de Babilônia, às margens do Eufrates. Embora herdeiros de uma cultura mais
antiga, os babilônios formada em VI e VII aC um dos impérios mais poderosos da humanidade. O
povo de Israel retém as experiências amargas de sua história, em relação ao povo de Babilônia.
c) Assíria
A sudeste da Mesopotâmia, no Tigre, os assírios foram inicialmente desenvolvidos com o seu
centro na cidade de Ashur e depois na cidade imperial de Nínive. Assíria também veio para formar
um poderoso império nos tempos bíblicos, para que se referem a ele de forma mais ampla em nosso
artigo História de Israel no período bíblico .
Ambos os assírios e babilônios falou, embora com algumas variações regionais, a mesma
língua, acadiano, que foi preservada em cuneiforme. Muitos destes documentos acadiano ilustrar e
complementar a narrativa da Bíblia.
d) O reino de Mitani
Para o norte da Mesopotâmia Oriental, na fronteira com o território da Assíria, era metade do
segundo milênio aC, o reino de Mitani. Apesar de Nuzi, principalmente o centro político e cultural,
foi ao sul da Assíria e do leste do rio Tigre, no seu auge chegou a este reino até o Eufrates, inclusive
chegando a ser um rival para o Egito.
A população do reino de Mitani foi Horea, e daí a importância desta cidade para o estudo da
história bíblica como os horeus exerceu uma forte influência cultural sobre os descendentes dos
patriarcas de Israel.
Também é notável a presença dos horeus como um dos principais componentes étnicos de
Canaã como enclaves étnicos em Israel, mesmo nos dias do Rei Davi. Tal parece ser o tronco de
Jebusites étnicas no território de Israel. A Jebusites proeminente, cujo nome chegou a aparecer nos
documentos bíblicos, foi Araúna (2 Sam. 24:18), cujo nome significa linguagem Horea
"governante". Isto sugere que o nome tenha sido seu título, em vez de seu nome pessoal. Também é
uma designação Horea o nome da terra de Canaan, como discutido abaixo.
A linguagem horeo tem sido interpretada e trouxe grandes contribuições para o estudo da
Bíblia. O trabalho mais abrangente neste sentido foi publicada por EA Speiser.

2 O território da Síria
a) Aram ou a Síria
O território abrange a região da Síria Mesopotâmia da Síria, a leste do Eufrates, eo Amurru, a
oeste do rio Eufrates, tanto na área atualmente ocupada pelo estado da Síria.
Geralmente os tradutores da Bíblia traduziram o nome Aram como "Síria", um nome que se
espalhou a partir de escritos gregos. Os gregos chamavam os sírios "sírios", porque se misturaram
com os assírios. No entanto, apesar de ter fronteiras e estreitos laços culturais e linguísticos aos
assírios e babilônios, os sírios tinham por idioma aramaico, não acadiano. O aramaico é uma língua
semítica como acadiano, mas está mais próximo do hebraico, que foi o componente de língua
principal.
b) Mesopotâmia Síria
A região da Síria, ao norte da Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates é conhecido na Bíblia
hebraica como Aram Naharayim (literalmente "a Aram entre os dois rios"). A RVA foi traduzido de
forma consistente o termo como "a Síria Mesopotâmia." (Gen. 24:10).
O centro político, cultural e econômico da Síria, a Mesopotâmia simples Padanaram,
mencionado em Gênesis 28: 2 ( Padan significa "simples" em aramaico). Nesta região, que agora
pertence ao território da Síria e da Turquia, Haran, o lar ancestral dos patriarcas de Israel era. O
próprio Abraão veio desta região e, portanto, mudou a sua residência para Ur dos caldeus (ver
acima), onde vivia quando foi chamado por Deus para ir para a terra prometida.
c) A região de Amurru
Os sírios também se espalhou para a região a oeste do rio Eufrates, como eram chamados na
linguagem acadiana do assírios e babilônios, Amurru , que significa "ocidental", sendo a oeste do
rio Eufrates.
O Amurru são os "amorreus", que são também mais estendidos ao sul da terra de Canaã. Eles se
tornaram um dos componentes étnicos dos povos cananeus, tanto a leste e oeste do Jordão. Sua
língua original, o aramaico foi gradualmente substituído pelos cananeus.

3 A terra dos hititas


Na região conhecida como Ásia Menor, que coincide com o atual país da Turquia mundo,
desenvolveu o hitita Império Antigo e no Novo Império hitita, a partir de meados do século XVIII
até meados do século XIII aC. Seu centro político estava na cidade de Hattusas, cujos restos
arqueológicos são cerca de 100 quilômetros a leste da cidade de Ankara, capital da Turquia
moderna.
Os hititas aparecer nas páginas da Bíblia como uma das etnias do povo de
Canaã. Posteriormente, os hititas se tornou um povo poderoso e chegou a ter um confronto militar
com o Egito nos dias de Ramsés II (século XII aC), quando os israelitas ainda estavam cativos no
Egito, pouco antes do Êxodo.
A tecnologia para a fabricação de ferro hitita ficou adotado pelos filisteus, muitos dos quais
vieram a se estabelecer na costa sul de Canaã, depois de atravessar a terra costa dos hititas. Esta
tecnologia marca o início do Período de ferro no mundo da Bíblia.

4 A terra de Canaã
De acordo com a concepção dos antigos impérios da Mesopotâmia e do Egito, na terra de Canaã
incluía a região da bacia do Mediterrâneo a partir do rio Eufrates (nas proximidades de Halab ou
Aleppo, na Síria), no norte, até o início da península Sinai ao sul, na bacia do rio do Egito (Wadi El-
Arish).
No mapa literário de Gênesis 10 aos componentes étnicos de Canaã, de norte a sul está listado e,
novamente, de sul para norte ao longo da bacia do Jordão, como segue:
Canaã gerou a Sidom, seu primogênito, e Hete, os jebuseus, os amorreus, os girgaseus, os
heveus, o araqueo, os sineus, o arvadeus, os zemareus e hamateus. Depois de as famílias dos
cananeus se dispersaram. O termo dos cananeus desde Sidom a Gaza em direção a Gerar; continuou
em direção a Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboyim e continuou até Lasa (Gn 10 15-19).
A terra de Canaã é dividido em duas grandes regiões: a região norte ea região sul (oeste região
do Vale do Jordão).
Entre as cidades que se desenvolveram na terra de Canaã, que o povo de Canaã do Norte (como
são os habitantes de Ugarit e fenícios) e as pessoas do sul de Canaã mencionados em Êxodo 3, 8,
hititas, amorreus, ferezeus, heveus e jebuseus, enclaves étnicos em grande parte de origem
estrangeira (expandir esse versículo abaixo).
Os cananeus desenvolveram sua própria língua, o cananeu, que veio por meio de dialetos
ugarítico, fenício, no sul de Canaã, hebraico, etc
a) As cidades de Canaã do Norte
(1) O povo de Ugarit
No extremo norte da terra de Canaã, um povo cujo dialeto foi desenvolvido como um dos
exemplos mais antigos da língua de Canaã ou os cananeus. Esta região tem levado o nome da
cidade de Ugarit (atual Ras Shamra, na costa mediterrânea da Síria). Este lugar tem descoberto a
maior concentração de textos escritos na terra de Canaã. Muitos desses textos são cuneiforme
alfabética e referir-nos a literatura ea religião dos cananeus antigos. O modo parallelistic seus textos
poéticos é muito semelhante à poesia hebraica encontrada na Bíblia.
O povo de Ugarit não são mencionados na Bíblia, porque tinha deixado de ser um centro de
influência em Canaã muito antes da entrada dos israelitas na terra de Canaã.
(2) O fenícios
Mais ao sul dos habitantes de Ugarit fenícios, estendendo-se concentrada nas cidades ou
metrópoles do Arvad a Tiro eram.
Como se verá adiante, a região costeira foi chamada Canaã pelo Horites e Finikia (Fenícia)
pelos gregos. Ambos os nomes significam "terra roxa", seguindo a indústria fenícia de tingimento
de tecidos com corante roxo. Mas os fenícios se destacou em muitos outros setores, e especialmente
para as suas empresas associadas ao mar.
A história dos fenícios é dividido de acordo com a hegemonia das principais cidades-estados,
como Byblos (Gebal), Sidon e Tiro são.
Os fenícios eram aliados aos israelitas em muitas empresas de construção e navegação durante
os reinados de Davi e Salomão. Mais tarde, durante os dias de Acabe e Omri dinastia, a cultura ea
religião fenícia teve forte influência no reino de Israel.
b) As aldeias do sul de Canaã
A região sul da terra de Canaã dos fenícios também ficou conhecido como "Canaã" pelos horeus
e outros povos antigos. Esta região é o lado ocidental do Jordão.
É muito difícil traçar no mapa do território de cada um dos povos ou componentes étnicos de
Canaã, como muitos sites foram distribuídos em várias regiões do Sul Canaã, e são mencionados
aqui e ali.
Os componentes étnicos do sul de Canaã no prelúdio para a conquista do seu território pelos
israelitas que saíram do Egito são mencionados em Êxodo 3: 8 como o "lugar dos cananeus, heteus,
amorreus, perizeus, heveus e jebuseus." Este, sem dúvida, é uma lista simplificada.
No relatório desanimador dos espiões enviados por Moisés para explorar a terra de Canaã, é
dito: "Os amalequitas habitam na terra do Negev; e na região serrana são os hititas, os jebuseus e
amorreus. Os cananeus habitam junto do mar e ao longo do Jordão "(Nm. 13:29).
À luz destes dois documentos, podemos ter uma idéia mais clara do espectro étnico do sul da
Canaã, de norte a sul:
(1) Os cananeus
Além da designação de qualquer terra como documentos de linguagem Canaã horeo, parece que
o termo "cananeus", também designados os habitantes do extremo norte da terra do sul de Canaã no
território abrangido pela bacia Jordão, na Galiléia alta (compare Qui 18: 7) (. Números 13:29) e
terra costeira do sul dos fenícios.
No mapa oral de Gênesis 10, em que os componentes étnicos de Canaã descrito de norte a sul de
Sidon aparece como a principal metrópole dos cananeus, por isso chamado de "primogênito" de
Canaã. (Gênesis 10:15) .
(2) O hititas
Os hititas são referidos na Bíblia como "os filhos de Heth" ou simplesmente "Het" (compare
Gênesis. 10:15). Anteriormente, vimos que os hititas foram desenvolvidos em território hoje
pertencente à Turquia. No entanto, na narrativa bíblica encontramos um enclave étnico na região
montanhosa ao sul de Jerusalém, tendo como seus principais cidades de Hebron e Beersheba
centros.
No capítulo 23 de Gênesis, lemos a morte eo sepultamento de Sara. Nesta história, os "filhos de
Heth" são os hititas que viviam em Hebron e as terras ao redor. Um dos proprietários e dirigentes
dos hititas foi casualmente Efrom, o hitita (v. 10) que vendeu a fazenda onde Abraão a caverna de
Macpela viria a se tornar o local de sepultamento da família patriarcal.
Aparentemente, ele estava em Beersheba, onde os casamentos de Esaú, filho de Isaque,
mulheres hititas ocorreu, como está escrito em Gênesis 26:34, 35: "Ele tomou por mulher a Judite,
filha de Beeri, o hitita, e Basemat filha de Elon, o hitita . Estes foram uma amargura de espírito para
Isaque e Rebeca ".
Em Gênesis 27:46 diz Rebeca a Isaque: "Eu estou cansado da minha vida por causa das
mulheres hititas. Se Jacó tomar mulher das filhas de Hete, como estas, porque eu deveria viver?
"Estas palavras não devem fazer-nos pensar que os hititas eram as piores pessoas, mas
simplesmente um grupo étnico diferente, mas próximo. Em matéria de relações étnicas, vizinhos
distantes são sempre melhores do que aqueles nas proximidades.
(3) Os amorreus
Já vimos que os amorreus são origem aramaico ocidental. Eles foram distribuídos na área
montanhosa de ambos os lados do Jordão (Nm. 13:29). De acordo com os registros de Gênesis 14: 7
também teve enclaves de amorreus na bacia do Mar Morto. Assim, alguns pesquisadores israelenses
identificar Hazazom-Tamar um enclave amorreus, Ein Gedi-com. Outros localizados ao sul do Mar
Morto.

(4) Os enclaves HOREU


Curiosamente, no documento de Êxodo 3: 8 aparecem juntos perizeus, heveus e
jebuseus. Quanto à sua origem pode ter constituído várias tribos dos horeus que vieram da
Mesopotâmia e se estabeleceram na terra de Canaã, de forma semelhante ao caso dos israelitas
assim.
. Perizeus tentativa tem sido explicada a partir da forma da palavra hebraica perizim ,
"perizeus" que eles não eram um grupo étnico, mas os moradores (em hebraico: perizim ). No
entanto, há evidências de que esse nome não é uma palavra hebraica, mas Horea Nas cartas de
Amarna, o emissário do reino de Mitani horeo faraó Amenhotep IV chamado Pirizi.
. Heveus heveu dispersa das encostas do Monte Hermon, no norte do Líbano e da terra dos
fenícios (Josué 11: 3.) a Siquém e Gibeon, na região central da terra de Canaã (Gn 34 2 , Jos 9: 7;
11:19) e para o território de Seir ou Edom leste do Jordão (Gn 36 20-30) ..
Em alguns documentos o nome bíblico hebreu "heveus" é trocado com o nome "horeo", que
poderia acusar a origem horeo do heveu. Assim, em Gênesis 36, versículo 2 fala de Sebeon como
heveus, e no versículo 20 é classificado como um horeo Sebeon.
Em Gênesis 34: 2 e Josué 9: 7 Septuaginta confunde termos horeo e heveus, e muitos têm vindo
a assumir que a palavra "heveu" pode ser uma corrupção de escriba da palavra "horeo".
Os jebuseus. Uma jebuseus são encontrados nos arredores de Jerusalém, que nos dias da
conquista de Canaã pelos israelitas era conhecida como Jebus inclusive (qui 19:10). Como o nome
do governante de Jebus ou Jerusalém (chamado Uru.Salimu nas cartas de Amarna)
foi Abdihepa (horeo nome), bem como o nome do proprietário, dono Monte Moriá nos dias de Davi
foi um homem chamado Araúna (também um é imposta nome horeo que significa "governante") a
teoria de que os jebuseus ter sido outra tribo dos horeus (2 Sam. 24:18).
(5) os amalequitas
Na sequência da nossa turnê do Crescente Fértil, finalmente chegou ao seu final sul-ocidental
que corresponde ao Negev, cujo nome significa "terra sedenta". Esta é uma região desértica, embora
em tempos antigos foi palco de mais movimento humano e da população residência.
A região sul de Canaã, a partir da perspectiva dos israelitas incluiu a Negev, que os amalequitas
ou amalequitas habitada como diz o RVA (em outras edições da Bíblia este adjetivo é escrito como
"amalequitas"). Mas esta era predominantemente povos nômades e seus membros estão bem
estabelecidos em outros lugares, principalmente a leste do rio Jordão e na terra de Canaã.
O fato de sua localização geográfica nas fronteiras de Canaã que melhor descritos como um
povo nômade que tem feito muitas tentativas de penetrar e se estabelecer em território Canaã oeste
do Jordão. Este recurso compartilhado com os midianitas quem Moisés também encontrada nas
portas de Canaã, Transjordânia, formando uma coalizão com o rei Siom (Josué. 13:21).
(6) filisteus
Os filisteus não aparecem mencionados em qualquer uma das listas que consideramos, porque
eles não tinham chegado a terra de Canaã no tempo de Moisés e Josué. Os filisteus chegaram à
região da costa mediterrânea de Canaã, quase um século depois que os israelitas se estabelecer
nessa área, sob o comando de Josué.
As origens dos filisteus estão nas ilhas do mar Egeu. Foram os egípcios, que depois de frustrar
uma invasão dos filisteus para o seu território na época do faraó Ramsés III (século XI aC),
colocado na costa de Canaã sobre o norte-leste do rio do Egito ou Al Wadi -Arish, quase um século
depois de os israelitas conquistaram Canaã.
Os filisteus em diante se comportou como aliados dos egípcios e protegido, e tem trabalhado
para defender os fortes egípcios ao longo da rota norte da Península do Sinai, uma rota que se
tornou conhecido como "o caminho dos filisteus" .
Entre as cidades em torno de Israel, os filisteus foram os mais difíceis de tratar nos primeiros
séculos da existência de Israel dentro de seu fator hostil território.
Estas aldeias foram estabelecidas em várias regiões do sul de Canaã. Os grupos étnicos que
formaram durante a pré-conquista de Canaã pelo período israelitas foram organizados em torno de
cidades-estados chamados "reinos", em sua maioria sujeitos ao domínio do Egito (Josué 12 :. 7-24).

5. pessoas em todo o Jordão


"O outro lado do Jordão", a partir da perspectiva da narrativa bíblica, ou seja, o lado oriental do
Jordão. Há também foram estabelecidas algumas das tribos de Israel (Rúben, Gade e Manassés), no
prelúdio para a conquista de Canaã.
Embora vários dos componentes étnicos da terra de Canaã, também foram definidos sul a leste
do Jordão (amorreus, heveus), que não considera a região como parte de Canaã (comparar Josh
22:24., 25).
A leste do Jordão algumas aldeias que ao longo do tempo veio a tornar-se monarquias,
contemporâneos e politicamente equiparado com os reinos de Judá e Israel foram desenvolvidos. Na
lista de norte a sul, temos as seguintes aldeias:
a) O reino de Basã
Seu território estendeu para a região das Colinas de Golã e em ambos os lados do rio Yarmuk na
atual fronteira entre a Jordânia ea Síria. Nos dias da conquista de Canaã pelos israelitas esta terra
era governada pelo rei Og, a quem os israelitas derrotaram em Edrei (n º 21 33-35).
Posteriormente, o seu vizinho à área da bacia do Jordão foi incorporada como o reino de
Gesur. Foi lá onde o filho de Davi, Absalão fugiu depois de assassinar seu irmão Amnon (2 Sam.
13:37).
Esta área aparece raramente mencionados na Bíblia, porque não era um poderoso reino que iria
competir com Israel.
b) Os amorreus na Transjordânia
Para o sul do reino de Basã, era o reino dos amorreus, que tinha como rei Siom (Num.
21:21). Seu território estendeu ao sul da fronteira de Moabe, no Arnon, que deságua no Dead (Núm.
21:24) mar. Para o norte de sua fronteira não foi definida com o reino de Basã. Para o leste do seu
território limitado no território dos amonitas (Num. 21:24).
Sede ou de capital dos amorreus de Hesbom era a cidade perto do Monte Nebo (Núm. 21:26).
c) O reino de Amon
Os amonitas ou "Ammon" aparecem como hostil a Israel (2 Sam 10 :. 1-5). O território dos
amonitas foi prorrogado para o leste do reino dos amorreus. Sua capital era Rabat-Amon (ou Rabá
dos amonitas), no site de Rabat, a capital do reino atual do Jordão (Dt 03:11, 2 Samuel 11: .. 1).
d) Moab
O território dos moabitas, era sul do território dos amorreus, dos amonitas, ao sul do rio Arnon,
que deságua no Dead (Núm. 21:12) mar. Suas principais cidades foram Dibom, Ar, Kir Medeba (Is
15 :. 1, 2).
Na época da conquista de Canaã pelos israelitas, o rei de Moab era Balac. Pânico de Moab antes
do avanço dos israelitas no leste e os estratagemas de Moabe para nos derrotar sobre episódios de
números, caps.22-25.
e) O Reino de Edom
O reino de Edom é o sul do território de Moabe e leste da planície do deserto, desde o ribeiro de
Zerede à bacia do Golfo de Eilat, no Mar Vermelho. Sua capital, muito famoso por ter sido
esculpido em arenito vermelho, chamado Sela (Petra em registros escritos em grego).
Seus habitantes são chamados de "edomitas." (Gen. 36:43) na AT e "Edom" registos NT. Este
território é chamado de Edom em Marcos 3: 8.
O povo de Edom foram relacionados com os israelitas a partir de um dos descendentes de
Isaque, Esaú, foi estabelecida no território, que na época era conhecida como a terra de Seir (Gn 32:
3). Além disso, os habitantes de Edom foram estabelecidos frequentadores inimigos de Israel,
mesmo em tempos de descendentes dos Macabeus abraçou o judaísmo. Herodes, rei da Judéia, era
de origem edomita.
Uma vez que estes povos linguísticas e étnicas estão intimamente relacionados com o povo de
Israel, o estudo e as descobertas realizadas em seus territórios tem sido uma grande contribuição
para a elucidação da história bíblica.

6 A Península do Sinai
Oeste do Negev e por meio de uma cunha que conecta Ásia e África, a Península do Sinai foi
nas fronteiras orientais do Egito.
Na verdade, o Negev e na região do deserto do Sinai constituem um único que separa o extremo
sul-ocidental do Crescente Fértil, a bacia do rio Nilo, no Egito.
No lado sul da Península do Sinai é delimitada pelos dois braços do Mar Vermelho é dividido. O
braço oeste é o Golfo de Suez e armar o leste é o Golfo de Eilat ou Aqaba.
No lado norte, a Península do Sinai se estende desde o rio do Egito (Wadi El-Arish) para a bacia
do Canal de Suez e da borda ocidental do Delta do Nilo.
A parte norte da Península do Sinai é mais plana. A região montanhosa, casa para o Monte
Sinai, onde Israel recebeu a Lei das mãos do Senhor, é na região sul.
A Península do Sinai é o principal cenário da história do Êxodo.

7 A terra do Egito
A terra do Egito está na África do nordeste, mas também é considerado como o Oriente Médio,
devido à continuidade da cultura árabe. Seu território é atravessado por um grande rio que corre
para o sul para o norte: o Nilo, cuja fonte está localizado em Lake Vitoria, no coração de África. O
Nilo deságua no mar Mediterrâneo após ter sido dividido em numerosos ramos que abastecem a
área do Delta.
O território egípcio é árida, mas o Nilo dá vida ao longo de sua rota e, especialmente, na vasta
região da foz do Delta do Nilo eo Mar Mediterrâneo.
Do ponto de vista geopolítico Egito foi dividido em Alto Egito (sul) e Baixo Egito (norte). O
segundo incluiu a região do delta fértil.
O Egito é o estágio de desenvolvimento de um dos mais poderosos impérios da antiguidade e de
uma cultura que tem sofrido por milhares de anos. O maior sistema dinástico em toda a história da
humanidade é o egípcio.

EXTENSÃO DA TERRA DE CANAÃ


Para entender completamente o conceito da "Terra Prometida" por Deus aos descendentes de
Israel, é essencial para entender as dimensões da terra de Canaã, a partir de três perspectivas.

1 A perspectiva mais antiga


Em primeiro lugar, temos a perspectiva mais antiga, relacionado com as pessoas que deram
origem ao nome "Canaã": o povo da Horites. A palavra "Canaã" é significado Horea "roxo". Tudo
indica que desde meados do segundo milênio aC foi amplamente conhecido que determinada
indústria passou a ser desenvolvido pelos fenícios. Essa foi a indústria de tingimento de tecidos com
corante de um caracol Mediterrâneo conhecida comoMurex Brandaris . O corante veio das lulas
estavam roxos, e em regiões remotas como tecidos finos tingidos pelos fenícios eram acessíveis
apenas às casas reais, a cor tornou-se associado com a realeza.
Parece que o nome Canaã originalmente se referia apenas à costa da Fenícia, e esta tradição veio
para compreender os gregos que nomeou esta região costeira, com um nome grego que não é senão
a tradução da palavra Horea "Canaã": Finikia ( o gr. FINIX , "purple"), ou o país de roxo.
Essa perspectiva antiga também surge na Bíblia. Assim, em Êxodo 3: 8 para os "cananeus" é
mencionado como um dos componentes étnicos que habitaram a Terra Prometida. Obviamente tal
designação é uma referência para a região costeira dos fenícios, embora também pode se referir a
vários enclaves espalhados mercadores fenícios entre os componentes étnicos do sul de
Canaã. Mesmo entre os israelitas era chamado de "Canaã", no sentido de "comerciante", os fenícios
(Prov 31 :. texto hebraico 24 Ver).
Devido à influência dos horeus na área sul da terra dos fenícios, a região também passou a ser
chamado de "Canaã".

2. perspectiva imperial
Tanto a regra do Egito e os impérios da Mesopotâmia, o conceito de Canaã, eventualmente,
região cresceu na costa do Mediterrâneo entre eles. Neste ponto de vista da terra de Canaã se
estendia desde o rio do Egito e Wadi Al-Arish, ao sul, tocando o rio Eufrates, no norte. Uma idéia
de como essa perspectiva estão incluídos na descrição de Canaã étnica e geopolítica que nos dá
Gênesis 10: 15-18: "E Canaã gerou a Sidom, seu primogênito, e Hete, os jebuseus, os amorreus, os
girgaseus, os heveus o araqueo , os sineus, o arvadeus, o zemareus e hamateus. "
Esta lista destaca a hamateus gentio (ou hamateus), que são os habitantes de Hamate na
extremidade norte de Canaã, na região próxima ao Eufrates. Também estão incluídos na lista para
os habitantes da Fenícia, com seus centros em Sidon e Arvad, cuja influência se estendeu para o
âmbito geográfico de Ugarit, na costa do Mediterrâneo. Por outro lado, a menção de Het (ou hititas)
e dos jebuseus (que eram Horites), pode referir-se os enclaves étnicos e hititas Horites na região
montanhosa do que era então o território da tribo de Judá. De acordo com esta lista o raio de
influência dos cananeus não cobrir o Negev.
A promessa de Deus a Abraão em Gênesis 15: 18-21 nos dá um foco geográfico semelhante: "À
tua descendência darei esta terra, desde o rio do Egito até o grande rio Eufrates; a terra dos queneus,
quenezeos, cadmoneu, hititas, perizeus, refains, amorreus, cananeus, girgaseus e jebuseus. "Só neste
texto o foco está mais concentrada na região sul de Canaã, a etapa da peregrinação de Abraão, e
inclui a área de movimento das tribos nômades, como os queneus e quenezeos, no extremo sul da
terra de Canaã.
É provável que aqui a palavra "cananeus" como se referindo exclusivamente à região mais
antiga da Fenícia e Ugarit vezes.
Em diferentes períodos da história desta região de Canaã estava sob a influência de ambos os
egípcios e os assírios e babilônios, sendo constantemente palco de campanhas militares dos faraós
ou os grandes reis da Assíria e da Babilônia.

3 A perspectiva da Terra Prometida


Os conceitos de "Canaã" e "Terra Prometida" geralmente concordam, mas em termos
específicos, os limites da Terra Prometida são indicados em Números 34: 1-12: desde o rio do Egito
e Cades Barnea, no sul, Hamate ao norte ea leste da bacia do Jordão. Limite Norte indicou nesta
fonte atingiu o território do reino de Israel, nos dias de Davi e Salomão.
Esta é a visão bíblica da Terra Prometida, que coincide com a perspectiva imperial egípcia nas
fronteiras de Canaã.
Uma lista abreviada das pessoas que viveram nesta terra é a de Êxodo 3: 8: "Eu desci para livrá-
los da mão dos egípcios e para levá-los para fora daquela terra a uma terra boa e espaçosa, uma terra
que mana leite e mel, para o lugar dos cananeus, heteus, amorreus, perizeus, heveus e jebuseus
"(Comp. v. 17).
Desde os cananeus e fenícios foram os mais importantes do fator político e cultural ponto na
região, são mencionados em primeiro lugar entre os seis componentes étnicos mencionados. Por
outro lado, enfatizar a Horites dos quais três tribos são mencionados de forma breve: perizeus,
heveus (chamado diretamente "horeus" na Septuaginta ou LXX), e os jebuseus, o centro da mais
importante foi a cidade de Jebus, no local de Jerusalém.
Os israelitas que viviam no Egito compartilhou o imperial perpendicular geográfica quanto à
extensão da terra de Canaã, mas a perspectiva dos israelitas quanto à "terra prometida" era muito
mais restrita e foi confinado à área da peregrinação dos Patriarcas .
Os israelitas considerado o limite norte da Terra Prometida como adjacente ao território costeiro
dos fenícios, não incluindo.
No lado oriental da fronteira da Terra Prometida concebeu o rio Jordão, como revelado em
Josué 22: 10-34. Assim, os membros das tribos de Rúben e de Gade, e da tribo de Manassés, que se
estabeleceu em regime de concessão de Moisés através do Jordão, o medo de ser retida pelas outras
tribos consideradas estabelecida fora da Terra prometido, e, portanto, fora da aliança de Deus e
Israel.
No lado sul da Terra Prometida na fronteira com o início do deserto de Negev.
A perspectiva territorial israelense foi baseado em que, nos dias de Moisés, a terra de Canaã foi
um protetorado egípcio do sul. Esta região estava sob forte influência política militar egípcia,
embora o governo não estava centrada nas mãos de funcionários egípcios, mas nas mãos de
pequenos reinos ou cidades-estado, todos os vassalos do faraó. O enfraquecimento do controle
egípcio permitiu que os israelitas se estabelecer na região.
A terra de Canaã, seguindo tenham sido prometido aos descendentes do patriarca Abraão e
finalmente conquistada por tribos de Israel veio a ser chamado em hebraico historiografia Eretz
Israel , ou "terra de Israel".Embora equivalentes do ponto de vista geográfico, este conceito tem
diferenças com a designação anacrônico "Palestina" (veja abaixo) ea designação de "Terra
Santa". Este último se concentra no cenário e locais sagrados que são comuns a ambos o judaísmo
eo cristianismo e da fé muçulmana.

DESCRIÇÃO DA TERRA PROMETIDA


A Terra Prometida é composto pelas seguintes regiões, bem demarcadas:

1. Galiléia
Galiléia, no norte, estendendo-se desde o Mar Mediterrâneo ao norte do Vale do Jordão e do
Lago Kinneret ou Mar da Galiléia. Seu assoalho é formado pelo acúmulo de preto basalto
vulcânico.

2 Vale de Jezreel
O Vale do Jezreel interrompe a continuidade da cadeia de montanhas da Galiléia, no norte, a
cadeia de montanhas que atravessam o território da Judéia e Samaria, ao sul. Esta é uma região de
alta produtividade agrícola.

3 As montanhas de Samaria e Judá


As montanhas de Samaria e Judá estender norte a sul do vale de Jezreel para o início do
Negev. Esta é uma região fértil, mas muito resistente. Subsolo é constituído por formações rochosas
de calcário que permitem o acúmulo de água da chuva em reservatórios subterrâneos que às vezes
vêm para a superfície em nascentes. Estas acumulações de águas subterrâneas é conhecido na
geologia como "águas cársicas".

4 O Vale do Jordão
O Vale do Jordão se estende tanto ao norte do Mar da Galiléia e sul, até que deságua no Mar
Morto, que separa as regiões de Transjordânia, a leste do Jordão e na Cisjordânia, a oeste do Jordão.

5. Arabá
O Vale do Arabá é o deserto que se estende do sul da Bacia do Rio Jordão até o Golfo de Eilat,
no Mar Vermelho, incluindo o lago de sal no meio é conhecido como o Mar Morto.
Estima-se que um colapso da planície adjacente para o lado sul do Mar Morto ocorreu no
segundo milênio antes de Cristo (nos dias de Abraão), provocando o desaparecimento de várias
cidades, incluindo Sodoma e Gomorra ea extensão da superfície Mar Morto, ao sul.

6 O deserto de Judá
O deserto de Judá está na encosta oriental da cordilheira de Judá projetando para o Mar Morto.

7 A planície
O país é montanhoso baixo para baixo na encosta ocidental da serra do território de Judá, e se
estende até o início da costa do Mar Mediterrâneo.

8 Vale de Sharon
Sharon Valley é o maior território da Terra Prometida, o lado oeste da região montanhosa de
Judá e Samaria fértil planície, ao norte até o seu fim, ao pé da cordilheira Carmelo e Monte
Carmelo.

9 A costa
A costa é faixa arenosa do território de Israel, junto ao Mar Mediterrâneo.

10 O Negev
O Negev é a área de deserto ao sul do território de Judá e ao oeste da planície, até o Golfo de
Eilat.
11 Transjordânia
Considerando que parte da Terra Prometida o território atribuído às tribos de Rúben, Gade e
Manassés na Transjordânia, dizemos que este território se estende na região montanhosa a leste do
vale do Jordão. A sua natureza geológica é arenito rochoso. A cor avermelhada de seu solo rochoso
parece ter dado origem ao nome de Edom (o mesmo que a palavra hebraica adom , "vermelho").

GEOLÓGICO ORIGEM JORDÃO VALE E ARABA


A característica física mais marcante da Terra Prometida é o Vale do Jordão (que corre norte-sul)
e da planície. Ambos fazem parte do Grande Vale do Rift (Inglês: The Great Rift Valley ) produzido
por uma grande falha geológica vários milhões de anos atrás. Esta linha de falha produziu todo o
Vale do Jordão, o lago Kinneret (ou Mar da Galiléia) e do Mar Morto, e ao nivelamento da planície
que se estende ao sul do Golfo de Eilat.
Na região do Mar Morto (em hebraico: Ha-Yam mélaj , "Mar de Sal") Depósitos, esta linha de
falha causou de sais químicos de subsuperfície entrar em contato com a água do Jordão e ser
dissolvido formando uma lago de alta densidade, onde você pode flutuar para cima e ler o jornal
jogado na água.
Mas bacia do Jordão ea planície são apenas uma pequena parte de um enorme rift continental,
que também produziu a Península do Sinai, no Mar Vermelho, Golfo de Aden e os lagos da África
Oriental para o Lago Niassa entre Malawi e Moçambique.

A conquista de Canaã pelos israelitas


A conquista de Canaã pelos israelitas foi realizado sob a liderança de Josué por penetrar o
território no lado oriental, depois de atravessar o Jordão. No passado havia provado penetração
altamente arriscado, na zona sul, na área de Negev (Números 14 :. 39-45). Além disso, ele só teria
levado à conquista momentânea do extremo sul da terra de Canaã, como em uma segunda
campanha no mesmo ambiente geográfico (No. 21 1-3).Por outro lado, a penetração do leste em
direção à área central da terra montanhosa de Canaã decisivamente anulou qualquer chance de o
cananeus Norte aliado do sul.
Depois que o caminho de penetração Gilgal e Jericó procedeu a uma campanha que interrompeu
defesas sul do território (Nm. 6, 8, 10). E após a conquista do sul de Canaã tinha sido feito, Josué
passou a conquistar o norte, com destaque para a campanha fazendo Hazor, a maior cidade cananéia
norte de Confederação (No. 11 :. 1-14).

1 Localização das tribos de Israel


A distribuição da terra entre as tribos foi realizada por sorteio, exceto no caso das tribos de
Rúben, Gade e metade da tribo de Manassés, que sob a permissão de Moisés tinha sido previamente
estabelecida na região leste do Jordão (13 : 15-33, 14: 1-5). Os resultados gerais, conforme
detalhado no livro de Josué, foi o seguinte:
a) Judá e Simeão
No lado sul do território foram estabelecidas as tribos de Judá, Simeão e alguns enclaves étnicos
de origem israelense, como Caleb clã, que foi assimilado Judá (Jos 14: 6-15, 15 1- 63).
Como o território da tribo de Simeão, dentro da tribo de Judá, Simeão estava sendo
gradualmente assimilada pela tribo desaparecer como uma entidade independente (Jos 19 1-9).
b) Benjamin e Dan
No centro foram os territórios de Benjamin leste e oeste de Dan (Josh 18: 11-28, 40-48 19). A
última tribo sofreu tanto a estreiteza de seu território e desgastante esfregando seus vizinhos
costeiras, os filisteus, que posteriormente decidiu mudar-se para o norte para a fronteira com a
Fenícia (qui 18).
c) Efraim e Manassés
No norte, tribo Benjamin fronteira de Efraim era a maior e mais poderosa das tribos do norte
(Josué. 16). Ele também teve parte do seu território além do Jordão, Manassés, cuja metade a outra
é previamente estabelecido a leste do Jordão (Jos. 17).
Estas duas tribos, também chamados de "meia-tribos" são os descendentes de José, que
receberam uma herança tanto separadamente, tanto em tamanho, bem como para completar o
anfictionía ou aliança tribal de doze tribos, ea tribo de Levi não recebeu território separado (Núm.
18:24).
d) Issacar e Zebulom
Mais ao norte, eram as tribos de Issacar e Zebulom (Js 19 17-23; 10-16), e no extremo norte
foram Asher e Naftali (Js 19: 24-39.).
E, como dissemos, todos migraram para o norte da tribo de Dan, depois de ter sofrido muito por
causa da proximidade dos filisteus bélicos no Centro-Oeste (qui 18).
Durante o período dos juízes tribos funcionava como identidades separadas. Embora as alianças
militares entre algumas tribos ou todo, foram, por vezes, eles nunca formaram um Estado
centralizado. Este cenário transparece no Cântico de Débora em Juízes 5: 14-18, passagem referida
ambas as tribos vieram para o evento de Débora para lutar contra os cananeus, como aqueles que
hesitou ou se recusaram a participar da campanha militar .

2 A distribuição dos levitas


Conforme especificado em Números 18:24, os membros da tribo de Levi "receber nenhuma
herança entre os filhos de Israel", porque o Senhor tinha dado os dízimos ", que os filhos de Israel
oferecerem ao Senhor como oferta alçada."
A terra que este texto se refere a um território. Os levitas tinham de se sentir seguro e satisfeito
espalhadas nos territórios de outras tribos ou que vivem em cidades que lhes forem
atribuídas. Nessas cidades mencionadas em Números 35: 1-8. Ele também foi atribuído lhes um
"campo" em torno dessas cidades, para o exercício da agricultura, cujas dimensões foram também
especificado.
Tendo feito o sorteio para as cidades foi a lista das cidades para os levitas estabelecido como
encontrada em Josué 21: 1-42.

O REINO UNIDO de Judá e Israel

1 Davi eo surgimento de Jerusalém como sua capital


Pouco menos os dias do primeiro rei de Israel, Saul, as tribos conseguiu ter um governo central
e unificado (1 Samuel 13 .: 1-7) exército. No entanto, o local de residência do rei, Gibeá de
Benjamim, nunca se tornou um patrimônio líquido (1 Sam 13 .: 2) cidade.
Sob o governo de Davi, sucessor de Saul, foi conseguido ter um capital que é um centro
político-religioso, após a conquista de Jerusalém dos jebuseus (2 Samuel 5: 6-10, 6: 12-19. ) e
construção há loja ou tenda para abrigar a arca (2 Sam. 6:17).
Jerusalém na época dos jebuseus foi chamada Jebus (Juízes 19:11)., E foi um reduto da jebuseus
que glorificava. Certamente, a fortaleza foi chamada de "fortaleza de Jebus", mas para a
historiografia bíblica é a "fortaleza de Sião". Davi tomou a fortaleza de Sião e se tornou a "Cidade
de Davi" (2 Sam. 5: 6-10).
A cidade de Davi tornou-se o núcleo urbano de Jerusalém como capital de Israel. O nome
"Jerusalém" teria sido resgatado da história distante e tradição pelo próprio Davi. Na verdade, antes
desta localização estratégica foi um reduto jebuseu chamado Jebus foi chamado Salem , nos dias do
patriarca Abraão. (Gen. 14:18), e Uru-Salim ("cidade de Salem", escrito em acadiano) em Letras El-
Amarna, datando da mesma época.O último nome, que significa "Cidade da Paz" foi o nome
escolhido pelo rei Davi. Paz teria sido o desejo constante de um homem como Davi; também o
nome de seu filho e sucessor, Salomão, que significa "ter paz."
Jerusalém foi estabelecido como um centro nacional de Salomão, o sucessor de Davi, que se
mudou para a arca da tenda que Davi lhe tinha armado na Cidade de Davi para o templo que ele
construiu sobre a colina conhecida como Monte Moriá (1 Reis 8: 1. Compare 2 Samuel 24:18) ..

2 As políticas territoriais de Salomão


Salomão tinha mais obviamente inspirado pelo desejo de manter a unidade nacional: a primeira
tentativa de limpar fronteiras tribais de Israel. Para que sua reorganização do território de Israel em
doze distritos administrativos não coincide totalmente com os limites territoriais das doze tribos.
Além disso, entre esses distritos não está incluído no território da tribo de Judá, evidentemente,
com a finalidade de isentar a tribo do rei da carga fiscal sobre as outras tribos. Este afloramentos de
1 Reis 4: 7-19, quando você considera que a menção de Judá, em v. 20 não tem nada a ver com esta
lista dos governadores dos distritos administrativos de Salomão, de acordo com o Texto
Massorético.
Salomão foi o único que teve os limites do Reino Unido na sua maior extensão, que vai desde o
Golfo de Eilat (1 Rs. 9:26), no sul de Cades e Tadmor no norte da Síria ao lado do Eufrates (1 Reis
Rio. 4:21). Ele fez a bacia do Jordão, no centro do seu território, para além do Jordão herdou os
territórios de Edom, Moabe e Amom, conquistado por seu pai Davi (2 Sam. 8: 1-14). No entanto,
ele não conseguiu incluir em suas fronteiras do território dos filisteus em Gaza e na costa norte da
Fenícia.

Reinos de Judá e Israel

1 Roboão, ea divisão do reino


a) O território sob Judá
Após a morte de Salomão, em 922 aC, seu reino foi dividido em dois, Judá e Israel, por causa
do sistema de injustiça gerada pela administração real de Salomão, que procurou perpetuar seu
sucessor, Roboão. Os nomes dos reinos resultantes refletir as aspirações políticas de ambos Judá e
Israel.
Judá tomou a dianteira no sul, assim, o reino do sul passa a ser chamado de "Judá". Em seguida,
a tribo de Benjamim e um culto levítico população crescente ligada no templo em Jerusalém eram
aliados com ele (1 Rs 12:20., 21).
b) Efraim e as tribos do norte
Na liderança do norte é assumida pela tribo de Efraim, de sua parte para manter o maior número
de tribos da confederação israelita, assumiu o nome "casa de Israel", ou simplesmente "Israel" (1
Reis 00:21 ).
O termo passou a ser aceita pela historiografia hebraico, no entanto, que em Judá muitas vezes
aparece a designação do reino do norte como "Efraim" ou "José" após o nome de seu antepassado e
minimizando suas pretensões hegemônicas (Ose 5.: 11; Amos 5:15).
Embora o reino de Judá demonstrou uma maior estabilidade política e sua capital Jerusalém,
quis dizer uma adesão cada vez maior, o reino do norte sofreu muito para consolidar a sua capital
em Samaria, uma nova cidade, sem monarquia e cultura (1 Reis tradição. 16 : 24).

2 O fim dos reinos de Israel e Judá


O reino de Israel, após uma série de mudanças dinásticas violentos veio a sucumbir sob o poder
da Assíria. A sua capital, Samaria foi tomada pelos assírios em 722 aC, e grande parte da população
foi feita em cativeiro Mesopotâmia (2 Reis 17 :. 6).
O reino de Judá, sob uma única casa dinástica, da casa de Davi, sobreviveu até o ano 587 aC,
ano em que os exércitos de Babilônia destruiu Jerusalém e do templo. Os judeus foram levados
cativos para a Babilônia, depois de uma deportação anterior, em 597 aC (2 Reis 24 :. 8-25, 21).

O mito do Dez Tribos Perdidas


Após a destruição da Samaria, capital do reino de Israel, e cativeiro que levou os assírios ao
escolhidos dos filhos de Israel população, houve um processo de assimilação destes, tanto na Assíria
e no território de Israel ( . 2 Reis 17: 1-6).
A assimilação total dos israelitas na Assíria categoricamente não pode ser estimado como um
documento encontrado na Babilônia (documento Murashu) indica que os israelitas estavam
mantendo sua identidade étnica e procurou interagir com os judeus cativos na terra da Assíria e
Babilônia.
Por outro lado, a população israelense deixou no seu território pelos assírios, passou a constituir
o principal componente de uma nova comunidade étnica religiosa que estava se formando no
território de Efraim samaritanos.
Como dito acima, o desaparecimento das dez tribos de Israel após o cativeiro assírio é um mito
que deve ser rejeitado pelas seguintes razões:
a) Desde Judá, Simeon (anteriormente era assimilado Judá), Benjamin e Levi não
desapareceram em meio a grupos étnicos estrangeiros, falaria apenas oito tribos perdidas, e não dez.
b) E uma vez que as tribos do leste da Jordânia (Rúben, Gade e metade de Manassés) teve um
processo de assimilação não-violenta outras tribos israelitas muito antes do período de cativeiro
assírio, não estaríamos falando de cerca de oito tribos que têm sido submetido a assimilação de
grupos étnicos estrangeiros pelos assírios, mas apenas seis.
O que realmente aconteceu não é o desaparecimento de tribos, mas um processo gradual de
assimilação que se tornou intertribal apagar distinções tribais. Este processo já foi realizado antes
do cativeiro assírio.
Além da tribo de Levi, que não possuem território demonstrado maior chance de sobrevivência,
mas nenhuma outra tribo perdeu a sua identidade, e Judá finalmente conseguiu assimilar a tribo de
Benjamim.
Este processo levou à assimilação intertribal no judaísmo nem falar da tribo de Judá, mas de
"Israel", nem da tribo de Levi, mas o Cohanim ou "sacerdotes". Isso também levou ao moderno
Estado de Israel herdar o nome na pessoa do patriarca Jacó envolve todas as tribos de Israel.

O ideal de SION
No meio do processo de assimilação e discriminação intertribal binômio homem-terra que
causou o cativeiro babilônico, está entre as ruínas de um marco geográfico na Terra Prometida:
Sion. Este marco representa a identidade nacional e de identificação com a terra.
Sion é o nome da colina sobre a qual está construída a cidade velha de Jerusalém. Esta
montanha para o lado sul é dividida em duas colinas, uma a leste (chamada Monte Moriá) e outra
para o oeste e sul. Ambos os montes foram separados por um pequeno riacho, chamado a partir do
período helenístico Tiropeon Valley.
Monte Sião como um todo é enquadrado pelo vale de Hinom Hinnom ou Guei-oeste e sul, e
leste pelo vale do Cedron (chamado de "Cedron" nas edições espanholas arcaicas da Bíblia). A parte
norte do Vale do Cedron é o vale de Josafá, também chamado de "vale da decisão" em Joel 3:14.
O nome de Sion se torna sinônimo de Jerusalém, e ainda mais: é o lugar certo onde o Deus de
Israel disse (Salmo 65 :. 1, 2), onde você instalou o "rei" (Salmo 2 .: 6), e de onde vai estender o seu
domínio: "Porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor" (Is 2 3).
Talvez também o significado de seu nome fez este olhar montanha e coração dos judeus com
nostalgia e antecipação a subir. "Zion" em hebraico significa sinal ou ponto de referência, marcando
a localização e permanência do lar nacional judaico. Assim, na literatura nacionalista judeu, Sion é
dizer "Terra Prometida". O olhar nostálgico dos judeus retornar a Zion e além depois do cativeiro
babilônico envolveu a consolidação da identidade e identificação com a Terra Prometida. Portanto,
o movimento político do sionismo realmente começa com o retorno dos exilados para Zion na
Assíria-Babilônia (Ver Salmo 137 .: 1-6) judeus.
Desde Sião fez parte da colina sobre a qual a cidade alta de Jerusalém para abrigar o governo
locais administrativas posteriormente edificar, como o Palácio de Herodes, o nome dá o movimento
sionista um quadro político. Por outro lado, o "Monte do Templo" ou Monte Moriá é concentrar as
associações religiosas e de caráter espiritual.

Terra de Judá, no período persa


Judeus que retornaram a Sião após os decretos imperiais dos reis da Pérsia de 538 aC conheceu
suas fronteiras terrestres e encolhidas devastada. Até mesmo seu nome foi encurtado sob
administração persa: de Judátornou-se Yehud . Além disso, a área geográfica de Judá, tinha sido
reduzido a só ter 1.600 km2: menos de 50 km. de leste a oeste por menos de 40 km. de norte a sul.
E em cima do desespero, os que voltaram a Sião é encontrado no chão, com a hostilidade dos
samaritanos, uma mistura dos antigos israelitas com componentes fundo culturais étnicos ídolo
trazida da Mesopotâmia pelos reis assírios Asaradão e Assurbanipal (Esdras 4 .: 2, 10). Os
samaritanos rejeitou a centralidade política e espiritual de Jerusalém.
Judá e Samaria eram apenas pequenas regiões do satrapy da Abar-Nahara ou "Beyond the
River" (isto é, a oeste do rio Eufrates Neemias 2: 7, NVI), cuja capital estava em Damasco.
A área ancestral da terra de Israel a oeste do Jordão, foi dividida de norte a sul nas seguintes
províncias: Galiléia, Samaria, Sharon, Filístia, Judá e Edom. A última província foi ao sul da tribo
de Judá após a destruição de Jerusalém ea evacuação dos judeus foi invadida pelo território
edomitas ou idumeus.
Do outro lado do Jordão foram as províncias de Ashtaroth Carnaim, Gilead e Ammon, e ainda
mais distante no deserto oriental foi a província de Haurã.
Várias cidades na costa do Mediterrâneo tinha um status territorial independente, como uma
cidade estados. Os governantes persas concedidas tais cidades cidades fenícias de Tiro e Sidom, em
troca de serviços prestados ao exército persa. Essa é a cena até o período persa no final do ano 350
aC.

RIVALIDADE DE VIZINHOS DE JUDÁ


A província de Judá, foi cercado por elementos étnicos que eram hostis, ciúmes que caso a partir
de seu território fragmentado, o processo de reconstrução do capital e do seu templo que infundiu
sua inspiração e encorajamento, pode surgir o poderoso reino de outrora (Esdras 4 :. 13-20).
Para o norte Judá adjunto Samaria. Limitada no leste pela Jordânia eo território da "Casa de
Tobias", um poderoso clã amonita. Delimitado ao sul pelo território arrebatou os edomitas Judá, que
veio a ser chamado de "terra dos filhos de Edom." E, no oeste um território limitado sob o controle
da cidade de Ashdod.
Todas essas cidades provou ser amargamente hostil aos judeus que retornaram do cativeiro para
reconstruir sua pátria amada. Mas acima de tudo provou rivalidade feroz com Samaria. Os
samaritanos, consciente e orgulhoso de sua ascendência israelita e sua permanência continuada no
chão, agarrado às tradições patriarcais para mostrar seus direitos nacionais de primogenitura. Eles
centralizaram a sua adoração no monte Garizim, o monte tradicional das Bênçãos (Jos. 8:33). Este
centro de adoração veio para competir ferozmente com Jerusalém (João 4: 20 Ver nota "a" RVA).
Os judeus, por outro lado, mesmo os recém-chegados exílio, exibiu uma pureza étnico-religioso
exclusivista e também se agarrou às tradições associadas com a dinastia de Davi, Jerusalém eo local
do templo no Monte Moriá.
Os elementos de uma rivalidade que tem continuado até hoje eles foram dadas, eo território de
Israel seria, assim, tradicionalmente dividido em Judéia e Samaria. Só Galiléia, ao norte,
permanecia fora dessa rivalidade, tornando-se gradualmente uma comunidade judaica
prósperas. Esta é a paisagem geopolítica atestando o selo do Antigo Testamento, Malaquias dias
depois.

Judá sob SACERDOTES TEOCRACIA


O retorno a Sião não significa a restauração da dinastia davídica, como o povo de Israel e seus
líderes esperavam. A liderança da nação foi colocada nas mãos dos sacerdotes ea sucessão dinástica
salvaguardados Joiada (2 Crônicas 24 2). Mas o governo sacerdotal ou teocracia se perpetuou
durante o período persa e do período helenístico aos dias de Alexander Jannaeus, descendente da
família sacerdotal dos Hasmoneus, que assumiu o título de rei de Judá, apesar de não ser a prole de
Davi (103 a. aC).
Posteriormente usurpar investidura real um homem cuja origem não foi ainda na casa de Davi e
do povo de Israel, Herodes, que era descendente de os edomitas se converteu ao judaísmo no tempo
de Alexandre Janeu.
A lista dos primeiros sacerdotes que dirigiam os destinos de Israel no livro de Neemias 0:10:
Jesuá Joiaquim, Eliasibe, Joiada, Jonathan e Jaddua. O desempenho das pessoas depois deles
aparece na literatura deuterocanônico exposto.

Judéia sob o Alexandre e helenismo


Após o colapso do Império Persa veio a esta parte do mundo, o impacto da cultura e da religião
helenística com a pessoa de Alexandre, o Grande. Depois de derrotar o exército persa na batalha de
Isso na costa sul da Turquia perto do território sírio (o ponto de acesso para o Oriente Médio),
Alexandre prosseguiu para o sul ao longo das costas da Síria e da Fenícia, indo para o Egito via o
território de Judá e de Jerusalém.
Esta campanha militar de Alexandre, o Grande (332-331 a. AC) deixou uma marca indelével na
vida do povo judeu. É depois disso que Judá começa a ser designado Judéia na historiografia, que é
a palavra de helenização "Judá".
Após a morte de Alexandre, seu império foi dividido entre seus herdeiros gerais eo território da
Judéia, portanto, entre o domínio da dinastia dos Ptolomeus no Egito e os Selêucidas na Síria, tanto
religião missionária amargo e Hellenized e cultura grega.
Assim, o poder da Judéia passa para o outro, mas foram os selêucidas que iam acima e além de
privar toda a identidade nacional e religiosa Judéia, especialmente nos dias sombrios do governo
Antíoco IV Epifânio, que produziu o grande revolta dos Macabeus ou Hasmoneans em 167 aC.

A GLÓRIA DE BAIXA JUDEA Hasmonean


Dada a opressão política e religiosa de Antíoco IV Epifânio, rei da Síria, há uma revolta do
sacerdote Matatias da família Hasmonean no ano de 167. BC A aldeia de Modi'in, onde a revolta
eclodiu, desde então se tornou um centro de peregrinação nacional.
Após as vitórias impressionantes de Judas Macabeu e seus irmãos hasmoneus sobre os exércitos
da Síria foram capazes de estabelecer um território judeu independente e mais tarde o reino da
Judéia. O território da Judéia foi gradualmente ampliado durante o reinado dos governantes
Hasmoneus, como segue:
Jônatas, filho do sacerdote Matatias e irmão de Judas Macabeu, conseguiu alargar as fronteiras
da Judéia, além do Jordão, na terra dos amonitas (152-144 a. AC).
Simon, que sucedeu Jonathan estendeu para o oeste para o Mar Mediterrâneo, depois de atingir
grande conquista da cidade portuária de Jope (142-135 a. AC).
Hircano ampliou as fronteiras da Judéia, recuperando todo o território ao sul de Judá, que tinha
assumido Edom, até Berseba (125 a. AC). Em seguida, ele ampliou a costa da Judéia de Apolonia
norte de Ashdod, no sul, e reconquistou tudo Samaria (126-104 a. AC).
Aristóbulo I retomou Galiléia (104-103 a. AC).
Alexander Jannaeus ampliou a costa a Haifa e na região de Carmel, no norte (103-102 a. AC) e
até o rio do Egipto até ao sul (100 a. AC). No lado oriental conquistou todo o território de Moab
(99-95 a. AC). E entre os 83-80 anos conquistou O descanso da terra, além do Jordão na altura de
Banias, ao norte das Colinas de Golã.
Tal era a área territorial do reino da esquerda para Alexander Jannaeus morreu no ano 76
aC. Este é o grande reino nos anos começou a desmembrar os governantes de Roma.

JUDEA AO REINO DA ADVANCE dos romanos


Sem diminuir o grande desempenho dos reis Hasmoneus e governantes, tanto do ponto de vista
da estratégia militar e, do ponto de vista administrativo, devemos mencionar outros dois fatores-
chave para a restauração da glória territorial do povo judeu:
1) Em primeiro lugar é o primeiro enfraquecimento dos Ptolomeus e os Selêucidas após
manifesta na ausência de campanhas militares no território de Judá. Isso ocorreu nos mesmos dias
de Antíoco IV Epifânio.
2) O segundo é a presença cada vez mais sentiu o poder de Roma, no sul do Egito e da Ásia
Menor, no norte. Os romanos tinham chegado nessas regiões após consolidar a sua posição
dominante na Europa e Norte de África e envolveu-se na política dos povos do Oriente Médio
coibir a pretensões hegemônicas dos governantes selêucidas. Os selêucidas já havia testado o poder
de Roma para ser derrotado Antíoco III na Batalha de Magnésia, no ano 189. JC e seu sucessor ser
privado Antíoco IV Epifânio de sua conquista do Egito liderado por uma embaixada romana em 168
Pofilius Lenas. Este oficial romano JC parece ser o "príncipe" mencionado em Daniel 11:18 KJV,
que diz: "Então, ele virará o seu rosto para as ilhas e levará muitos deles, mas um governante vai
parar a sua vergonha e sua vergonha com ele novamente . "
Quanto à intervenção romana na área do reino da Judéia, no começo foi indiretamente e
favoravelmente, para conter as reivindicações amplas sobre os governantes sírios. Mas então
começou a introduzir reformas políticas e territoriais no território da Judéia, para desmembrar
completamente o reino governantes Hasmoneus.

O desmembramento do reino de Judá


Os últimos dias do reino da Judéia testemunhou uma rivalidade sangrenta entre dois irmãos,
descendentes dos governantes Hasmoneus: Hircano II e Aristóbulo II. Para acabar com essa guerra
civil dois irmãos apareceram antes arbitragem Pompeu que estava em Damasco. Pompeu tinha sido
nomeado comandante supremo das forças romanas no Oriente Médio a partir do ano 67. BC, para
lutar contra os inimigos de Roma e de Roma para assegurar o controle sobre o Mar Mediterrâneo e
Ásia Menor.
Em 64 a. AC, Pompeu terminou o reinado dos selêucidas e instituiu, em vez da província da
Síria, com sua capital Damasco. A partir desta cidade interferido nos assuntos do reino de Judá e
seus vizinhos. Pompeu optou por apoiar Hircano, porque ele é subserviente à autoridade
romana. Aristóbulo voltou a Judéia e ficou pronto para a campanha decisiva, mas antes que pudesse
alcançar muito, Pompeu veio para a Judéia, em 63 a.BC e cercou e tomou a fortaleza de Monte
Moriá, onde tinham entrincheirado seguidores de Aristóbulo.
Com a conquista de Jerusalém e do templo fortaleza Judéia perdeu sua independência que
gozava de 78 anos dos governantes Hasmoneus. O novo mestre em crueldade superar os
governantes selêucidas.
Então Pompeu e Gabinius, o governador da Síria, libertou as cidades da costa mediterrânea da
Judéia, e Gaza, Ashdod, Yavne, Jope, Apollonia, e Dor Strata Tower e colocado sob a administração
do procurador da Síria. O mesmo aconteceu com outras cidades da Judéia, tanto no lado ocidental
eo lado oriental do Jordão, criando o território da Decápole. Ele foi arrancado de região Judéia e
Samaria isolado da Judéia Galiléia, povoado por judeus.
Hircano II recebeu a investidura do sumo sacerdote em Jerusalém, embora a administração foi
colocado nas mãos de Antipater. Finalmente, Aristóbulo II foi levado cativo para Roma junto com
sua família.
Esses eventos aconteceram entre os anos 57-55 uma série de revoltas contra os romanos, que
foram colocadas para baixo como o poder político de Antípatro se consolidou na região. Depois
Antípatro foi destacada na campanha de apoio a Júlio César, o sucessor de Pompeu, no Egito,
também ganhando a favor deste novo mestre de Roma.

Intervenção direta na ROMA JUDEA


Após os acontecimentos de Júlio César que fizeram o proprietário da bacia mediterrânea
oriental Hircano II recebeu de Roma o título de ethnarch (não exatamente rei) e recebeu o título de
Antípatro apotropo(espécie de primeiro-ministro), mas, na verdade, Antípatro foi que governou na
região. O Fasael nomeou seu filho mais velho, como governante de Jerusalém, e Herodes, seu filho
mais novo, como governante da Galiléia.Assim, surge a política cena Herodes, que se tornou o
primeiro a receber o título de Rei de Roma.

A época da dinastia de Herodes


O reino desmembrado da Judéia foi arrancada das mãos da Hasmoneans Herodes, filho de
Antípatro. Ele era um homem muito controverso; Foi Idumean mas a religião judaica. Herodes
subiu ao trono com a ajuda de um novo poder que tinha olhado no palco do mundo: Roma.
Em Roma, Herodes recebeu o título de rei do Senado, juntamente com novos territórios para o
seu reino. No entanto, o novo rei teria de lutar muito com os seus inimigos, que tinham vindo para
tomar o poder na região: Antígono, filho de Aristóbulo e todo o povo da Judéia Herodes que
odiavam por ser um "idumeo servo".
Herodes, o porto de Akko, no ano 39. BC e após uma série de campanhas militares conseguiram
conquistar Jerusalém em 37 Antigonos foi executado por ordem de Marco Antônio, o sucessor de
César na região.
Entre 40 e 4 aC e sob a favor de seu novo mestre romano, Otávio (mais tarde assumiu o controle
de todo o império romano, com o título de César Augusto), o território do rei Herodes gradualmente
cresceu para incluir toda a Judéia , Samaria e da Galiléia (excepto o território sob o controle de
Ashkelon, no Mar da Galiléia de Dor e do território sob o controle de Beth Shean). Ele também
tornou-se parte do seu reino tudo o Golan e mais regiões do leste para o território de Hauran, e na
região leste do Jordão, exceto o território da Decápole na região da cidade de Pejal, em frente Beth
Sean. Para o leste do Mar Morto no extremo sul do seu território chegou tão longe como o Arnon.
Esse foi o cenário geográfico no momento em que Jesus nasceu no último ano de vida do rei
Herodes, também conhecido como Herodes, o Grande, no ano 4 antes da era cristã.

Divisão do território de Herodes ENTRE SEUS FILHOS


Uma perspectiva histórica detalhadas sobre o nascimento de Jesus nos traz Lucas 2: 1 e 2, o que
nos diz que passou a ser o imperador romano César Augusto e Quirino era governador da Síria ou
solicitador. Por que nos dá a referência a Quirino e na Síria? É porque a Síria ser o próximo
província romana, teve ingerência nos assuntos da Judéia. Isto é como a morte de Herodes, o
Grande sírio recebeu das regiões imperador romano de Gaza, no oeste; parte da Decápole e Golã na
bacia do Jordão e Yarmuk; ea região da Transjordânia, a leste de Hesbom.
Para além destas concessões, ea ameaça de uma rebelião Augusto César decidiu confirmar em
geral a vontade de Herodes, o Grande. Entre ano 4 aC e dC 6 AD realizou as seguintes partições
territoriais entre os filhos de Herodes, o Grande:
1 Arquelau foi nomeado ethnarch ou governador da Judéia e Samaria.
2 Herodes Antipas recebeu a Galiléia e Perea na Transjordânia, dois territórios separados por
região da Decápole.
3 Philip recebeu o Golan norte (região de Banias), Basã Traconites e Hauran, com acesso à
bacia da parte norte do Jordão e do Vale do Hula e limitando ao norte com a província romana da
Síria.
4 Shelo'mith irmã de Herodes, o Grande, recebeu os territórios de Yavne e Ashdod, no Mar
Mediterrâneo, eo pequeno território de Fasaeles lado oeste do Jordão.

Epoca da administração romana


Após dez anos de instabilidade política saturada Arquelau, o ethnarch da Judéia e Samaria, foi
levado cativo para Roma ordenou Gália e ao invés disso ele se tornou o primeiro procurador
romano da Judéia. Assim, a Judéia foi convertido em uma província romana sob a administração
direta do imperador e da supervisão do Procurador Síria.
Os procuradores da Judéia tinha a sua residência na cidade de Cesaréia, no Mar Mediterrâneo, e
chegou a Jerusalém com seus regimentos apenas em circunstâncias de estresse extremo, assim como
concentrações de pessoas nas três festas anuais de peregrinação.
O primeiro foi Copônio procurador da Judéia, mas o mais famoso é o poder de Pôncio Pilatos,
depois de ter sido pego no julgamento de Jesus. Pilatos governou 26-36 d. JC
Este é o panorama geopolítico em que o ministério de Jesus ea igreja do Novo Testamento
desenvolvido.

O REINO DE Agripa I
Após uma série de aventuras e apostas trágicas, o neto de Herodes, o Grande, Agripa I
conseguiu do novo imperador de Roma, Calígula, o título de rei no território de Philippi e no
Distrito de Abel no território da Síria ano 37 d. JC
Em 39 ele foi exilado Antipas e Agripa na Gália eu herdei seus territórios da Galiléia e Perea.
Em 41 ele recebeu do novo imperador romano, Claudius, o território da província da Judéia,
sendo assim a administração romana interrompido dos advogados da região.
Três anos reinou Agripa I sobre tudo isso território (41-44). Estes foram os últimos anos de
glória do reino da Judéia, antes da destruição de Jerusalém e do templo.

O REINO ROMANO DE Agripa II E ADMINISTRAÇÃO


Após a morte de Agripa I em 44 Roma decidiu restabelecer a administração do Ministério
Público, voltando-se para a Judéia uma província romana. No entanto, mas depois de quatro anos
com problemas mais tarde o imperador Claudius e Nero Imperador concedeu seu filho Agripa II até
61 regiões de Tiberíades na Galiléia e Perea Abel para além dos territórios herdados de seu pai
Filipe e seu tio Herodes II em Golan, Basã Traconites, e Abel e Calquis Haurã na Síria. Sobre este
território Agripas II reinou até cerca de 95.
Na Judéia, na parte central da Galiléia e Perea seguido rege os advogados, incluindo Felix, a
quem o apóstolo Paulo apresentou sua defesa (Atos. 23, 24) e Pórcio Festo, o seu sucessor (Atos
24:27)..

A destruição de Jerusalém e do Templo


As últimas advogados antes da revolta judaica-Felix, Pórcio Festo, Albinus e Floro-eram
pessoas muito corruptos e arrogantes. Foram eles que prepararam o caminho para a rebelião da
Judéia contra Roma irrompeu em 66 e produzir uma intervenção militar Vespasiano, na Galiléia e
sua campanha contra a Judéia em 67.
Enquanto na Judéia foram conduzidos enfrentamentos militares ferozes, no ano 68, em Roma o
reinado do imperador Nero era eu zamarreado por uma série de revoltas, até que ele se suicidou
naquele ano. Em 69 Vespasiano foi proclamado imperador e chegou a Roma no ano 70, depois de
enviar seu filho Tito em frente das legiões romanas para reprimir a rebelião na Judeia.
O ano 70 da era cristã foi sitiada e destruída Jerusalém e do Templo pelas forças romanas de
Tito, e em 73 ele foi cercado e capturado o último reduto dos rebeldes judeus: Masada, ao longo da
costa ocidental do mar Morto.

JUDEA após a destruição de Jerusalém


A intervenção militar drástica de Vespasiano e Tito na Judéia, que resultou na destruição de
Jerusalém, o templo e fazer Masada, não se transforma em uma política de aniquilação do povo da
Judéia. Mesmo entre as ruínas de Jerusalém continuou a existir uma pequena população judaica
perto do local da Décima Legião romana. Neste legião foi atribuído o controle de um território
equivalente ao da tribo de Judá na área período bíblico, apenas a sua linha de fronteira ocidental era
muito longe da costa do Mediterrâneo. Sua fronteira, no lado leste era o Mar Morto, Jericó estava
caindo fora de seu controle.
Além do território atribuído ao território Décima Legião da província da Judéia e permaneceu
intacto após a morte do rei Agrippa II em 95 de seus territórios em Perea, no oeste e no norte da
Galiléia Golan passado para aumentar o território da província da Judéia. Cesaréia tornou-se colônia
romana, manteve-se a residência do procurador romano da Judéia.
Assim, as coisas eram arrumados até o ano 130, quando o Imperador Adriano realizou uma
visita à região, a partir de Beritus Transjordânia (hoje Beirute) e atingindo Petra em Edom. De lá,
ele voltou pelo mesmo caminho de Hesbom e atravessaram o rio Jordão na altura de Jericó para ir a
Jerusalém e de lá para Gaza e Egito. Algo muito grave aconteceu quando se aproximou das ruínas
de Jerusalém.

LA Bar Kochba rebelião contra a Roma


O que aconteceu na visita de Adriano para as ruínas de Jerusalém estava expressando seu desejo
de transformar as ruínas em uma nova cidade romana a todos trazer à mente a antiga cidade de
Jerusalém. Isso acendeu nos corações dos judeus o fogo de uma nova rebelião, à frente da qual
estava o rabino Akiva.
Rabbi Akiva, nos anos seguintes fez uma série de viagens na Europa e na Mesopotâmia para
assegurar o apoio dos judeus em todo o mundo para a nova rebelião contra Roma.
O fogo da rebelião sangrenta contra Roma permaneceu nos corações dos judeus se agarrou à sua
terra ancestral e no ano 131-132 Imperador Adriano foi confrontado com uma situação semelhante
70 anos Ahead forças rebeldes foi Bar Kochba, que subiu para a sede do nasi príncipe ou
governante do novo livre Judéia.
As forças rebeldes alcançaram o seu primeiro trabalho foi para libertar Jerusalém e fazendo o
exército romano acampados em que retroceder a Cesaréia.
No entanto, a chegada de muitas legiões de Egito, Arábia, Síria, Misia no Danúbio, para além de
muitos outros reforços feitos os romanos reduzir gradualmente o cerco contra os rebeldes, para
tomar Jerusalém e encurralar os rebeldes no cavernas do deserto da Judéia próximas ao Mar
Morto. Que a metade de um milhão de judeus mortos na revolta contra Roma até 135.

ADRIANO CONTRA DECRETO da identidade judaica


Em 135 Adriano assinou os decretos de destruição contra os judeus, a fim de destruir a sua
identidade nacional e sua relação para anular a terra da Judéia e Israel.
Seguimos para evacuar completamente a população judaica do território que tinha sido
anteriormente atribuído à Décima Legião, ou seja, a área tradicional da antiga tribo de Judá.
Os líderes judeus que apoiaram a rebelião de Bar Kochba foram executados, incluindo o mesmo
rabino Akiva, que foi morto em Cesaréia.
A grande perseguição contra os líderes religiosos de Israel e contra o seu trabalho de instrução
do povo da Torá ou Lei de Deus foi desencadeada.
Na província da Judéia foi rebatizada Síria Palestina Palestina ou apenas um nome derivado do
povo filisteu, o inimigo histórico de Israel nos primeiros séculos de sua existência como uma
política de Estado no período bíblico. Esta designação anacrônico é erroneamente usado até hoje
para se referir a Judéia na época de Jesus, e nos tempos modernos foi tomada pela população árabe
da região, como o nome de um estado utópico que ocupam o local do moderno Estado de Israel . Os
decretos de Adriano continuar a alimentar o ódio contra Israel hoje.
Em Jerusalém foi estabelecida novamente a Décima Legião e todo o acesso a ele é proibido para
os judeus. A partir do ano 135 começou a construir sobre as ruínas da cidade romana Aelia
Capitolina, o nome significava para apagar toda a memória de Jerusalém. Para mim, pessoalmente,
tenho participado em escavações arqueológicas deste período no sítio do palácio de Herodes, tornar-
se o acampamento permanente da Décima Legião Fretensis.
A nova cidade seu nome deriva o nome da família de Adriano, Aelia, eo nome da fortaleza
romana chamada Capitol, que era o centro da adoração da trilogia formada por deuses Júpiter, Juno
e Minerva.
Como tal, a localização do local do Santo dos Santos do templo de Deus foi construído o templo
de Júpiter, no átrio central eo monumento do Imperador Adriano a cavalo estava. Em outras partes
da cidade foram construídas fórum, o templo da deusa Afrodite, ou Vênus, um teatro, um
hipódromo, uma casa de banho e, claro, a rua principal de norte a sul, chamada Kardo, que foi
escavado em virar para o sul no site do atual bairro judeu. Este estado de coisas duraria até o ano
324 da era cristã.

O moderno Estado de Israel


Não foi através da mente de Adriano sobre os escombros de sua Aelia Capitolina foi levantada
novamente a cidade com seu nome antigo, Jerusalém, ou como eles chamam os fiéis
muçulmanos: Os Quds , "Sanctuary", sagrada para judeus, cristãos e muçulmanos. Eu nunca teria
imaginado que em torno de sua cidade moderna vivo e glorioso subiria no dia, como a capital do
moderno Estado de Israel, que sobreviveu ao Império Romano.Ele não gostaria que a sugestão de
que o nome do Estado soberano moderno não era a Palestina, mas Eretz Israel , ou "Terra de Israel",
e que ele se tornou o estado mais poderoso do Oriente Médio. Mas, principalmente, Sion se tornaria
o marco espiritual da qual a Lei ea Palavra de Deus para chegar a todos os cantos do planeta.