Você está na página 1de 35

Leitura e Produção de Textos I

Aula 4
A Leitura e os Gêneros Multimodais
Prof.ª. Andressa Aparecida
Lopes
Mestre em Estudos da Linguagem
- UEL
Especialista em Língua Portuguesa
– UEL
Graduada em Letras - UEL
Objetivos

Discutir os conceitos de: leitura, letramento e


multiletramentos;
Apresentar as mudanças em relação à leitura,
resultantes do advento da tecnologia;
Discutir a multimodalidade em sala de aula.
Pressupostos teóricos
Concepção de linguagem – perspectiva enunciativo-
discursiva de base bakhtiniana;
Conceitos fundamentais – esferas de atividade e
gêneros do discurso;
Concepção de letramento – Modelo ideológico
Capacidade de leitura – cognitivas e interativas
Concepção de ensino-aprendizagem – perspectiva
sócio-cultural (Vygotsky)
Três relações possíveis do sujeito com o texto
(Orlandi, 1988)

Inteligível: relaciona-se com o processo de


decodificação;
Interpretável: relaciona-se com o estabelecimento
de coesão;
Compreensível: é a atribuição de sentidos
colocando-se em relação o que foi dito com o
contexto de produção, que
cerca, e “atravessa” o ato de
dizer.
O sujeito

No seu trato usual com a linguagem, o


sujeito apreende o inteligível e se constitui
em intérprete. A compreensão, no entanto,
supõe uma relação com a cultura, com a
história, com o social e com a linguagem,
que é atravessada pela reflexão e pela
crítica.” (ORLANDI, 1988).
Leitura de informação

Leitura de informação (rápida) – é a leitura que


fazemos para saber onde estamos, aonde devemos
ir, o que devemos fazer. É a leitura das placas de
sinalização, dos banheiros, das portas de entrada e
saída.
Leitura de consulta

Leitura de consulta – é a leitura, como o próprio


nome diz, para consultar. Uma lista telefônica, um
site de buscas na Internet, um verbete de dicionário
são exemplos deste tipo de leitura.
Leitura para a ação

Leitura para a ação – trata-se da leitura para realizar


atos. As receitas culinárias, as bulas de remédios
são textos cuja leitura serve para nos dizer o que
devemos fazer.
Leitura para a reflexão

Leitura para a reflexão – os textos podem nos levar


a refletir sobre o mundo, sobre a vida; trata-se da
leitura de jornais, romances, artigos acadêmicos,
alguns poemas.
Leitura de distração

Leitura de distração – a fim de relaxar e se distrair,


os quadrinhos, as palavras-cruzadas, os games,
alguns jogos infantis são exemplos deste tipo de
leitura.
Leitura de linguagem poética

Leitura de linguagem poética – os textos poéticos


servem à fruição, à reflexão, ao deleite. A leitura
desses textos tem objetivos amplos e relevantes
para a cultura.
Atividade

De que forma a leitura foi transformada com o


advento da tecnologia?
Mudanças advindas com as novas tecnologias

Conceituação

Multimoda- Advento da Agencia-


lidade Tecnologia mento

Divergência
Vídeo

Evolução da linguagem – Animação em Flash

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=WUuLGQ4OCqo
A conceituação

O primeiro fenômeno relacionado às novas mídias,


a conceituação, remete às novas formas de abstrair
e compreender a semântica do hipertexto, isto é,
como os arquivos, diretórios, links organizam-se
para produzir sentidos na web.
A interatividade
O segundo refere-se à interatividade, o agenciamento,
que as novas tecnologias favoreceram. Os videogames,
por exemplo, permitem um sincretismo de papéis em
que o jogador/personagem assume o ponto de vista do
sujeito da narrativa.
Interatividade

A escrita, inicialmente um exercício solitário, ganha


um aspecto mais coletivo. Os textos podem
apresentar multiautores, com ferramentas como o
Wiki ou o Google Docs.
A divergência

O terceiro fenômeno, a divergência, está


estreitamente ligado às relações sociais. A
interatividade consolida um tipo de relacionamento
menos assimétrico, que favorece a igualdade e a
liberdade, o que, segundo Cope e Kalantzis (2009),
é o resultado de uma cultura fluida, contestável,
aberta.
Multimodalidade

Nessa era digital, os novos dispositivos inauguram


outra revolução: som, linguagem escrita, imagem
fixa, imagem em movimento podem ser colocados
juntos, é possível produzir um texto, utilizando-se
da multimodalidade.
Exemplos de gêneros multimodais

Videoclipe
Filme
Contos digitais
Fanfiction
Multiletramento

O conceito de multiletramento remete à


multiplicidade de linguagem, uma vez que a
produção dos gêneros multimodais envolve
diferentes linguagens, mídias e semioses, bem
como à pluralidade cultural, resultado de uma
sociedade sempre mais multiétnica e multifacetada
(COPE; KALANTZIS, 2009b).
Vídeo

Letramento

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=BJzsA1znReA
Vídeo

Multiletramentos

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=MWjFxhMC8G0
Atividade

Na sua concepção, qual a dificuldade do professor


trabalhar com multiletramento na escola?
Gêneros multimodais

Contexto de Produção;
Situações reais de uso;
Interação;
Vão além dos muros da escola.
Cultura skatista

Costumes
Linguagem
Estilo
Arte
Como ler os gêneros multimodais?

Quais são os novos letramentos que as novas


tecnologias da informação estão tornando tanto
necessários quanto possíveis? Os letramentos
genéricos da Era da Informação certamente
incluirão: habilidades de autoria multimidiáticas,
análise crítica multimidiática, estratégias de
exploração do ciberespaço e habilidades de
navegação no ciberespaço.
(LEMKE, 2010)
Ensinar a ler a imagem

Do mesmo modo, habilidades interpretativas


críticas devem ser estendidas da análise de textos
impressos para vídeo ou filme, de fotos de notícias
e imagens de propagandas [...] Devemos ajudar os
alunos a compreenderem exatamente como ler o
texto de forma diferente e interpretar a imagem de
forma diferente, em função da presença um do
outro. (LEMKE, 2010)
Quadro sistematizado por Rojo (2012)
Conclusões

As nos tecnologias trouxeram um novo modo de ler


e produzir textos;
Gêneros multimodais compartilhados em situações
reais;
Necessidade de ensinar os letramentos críticos.
Metodologia para a leitura de gêneros multimodais.
Vídeo

Z Geração do Agora

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=ssl5VXD_X5I
Referências
BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: WMF
Martins Fontes, 2010.
BUNZEN, Clecio. MENDONÇA, Márcia. Múltiplas linguagens para o
ensino Médio. (org.) Clécio Bunzen e Márcia Mendonça. – São Paulo:
Parábola Editorial, 2013.
COPE, B.; KALANTZIS, M. A grammar of multimodality. International
Journal of Learning, Vol. 16, No.2, 2009b, pp.361-425. Disponível em:
<http://newlearningonline.com/kalantzisa ndcope/research-and-
writing>, acesso em 28/07/2014.
COPE, B.; KALANTZIS, M. New media, new
learning. International Journal of Learning,
Vol. 14, No.1, 2007, pp.75-79. Disponível em:
<http://newlearningonline.com/
kalantzisandcope /research-and-writing/>,
acesso em 05/08/2014.
Referências
DIONISIO, Angela Paiva. Multimodalidades e leituras: funcionamento
cognitivo, recursos semióticos, convenções visuais / Angela Paiva
Dionisio [org.]. - Recife: Pipa comunicação, 2014. 80p. : il.. (série
experimentando teorias em linguagens diversas)
DIONISIO, Angela Paiva; VASCONCELOS, Leila Janot de.
Multimodalidade, gênero textual e leitura. In: Múltiplas linguagens
para o ensino Médio. (org.) BUNZEN, Clecio. MENDONÇA, Márcia. –
São Paulo: Parábola Editorial, 2013.
ROJO, Roxane. Escola conectada os multiletramentos e as TICs.
Roxane Rojo (org.) São Paulo: Parábola, 2013.