Você está na página 1de 25

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE TERREIROS

SUSPENSOS PARA SECAGEM DE CAFÉ

INFORME TÉCNICO
Belgo-Mineira Bekaert
Arames S.A.
ÍNDICE

1 - INTRODUÇÃO...............................................................................................................................................3

2 - VANTAGENS DOS TERREIROS SUSPENSOS .............................................................................................4

3 - CARACTERÍSTICAS DOS TERREIROS SUSPENSOS ..................................................................................5

4 - ESQUEMA BÁSICO DO TERREIRO SUSPENSO - MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT ...........................9

5 - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO - MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT ....................................14

6 - ESPECIFICAÇÕES DOS PRODUTOS BELGO-MINEIRA BEKAERT APLICÁVEIS


AOS TERREIROS SUSPENSOS .................................................................................................................28

7 - RELAÇÃO DE MATERIAIS ..........................................................................................................................31

8 - OBSERVAÇÕES..........................................................................................................................................34

Produtos para agropecuária Belgo-Mineira Bekaert.

Qualidade do Líder.

Belgo-Mineira Bekaert
2 Arames S.A.
1 - INTRODUÇÃO

Simultaneamente ao lançamento de sua Linha de Arames e Acessórios para a Fruticultura, a Belgo-Mineira Bekaert
vem desenvolvendo, em empresas de pesquisa do Governo e da iniciativa privada, projetos construtivos de vários
tipos de estruturas de cultivo de plantas, visando à racionalização do uso de materiais, maior economia e maior
praticidade de montagem e manutenção. Este Informe Técnico traduz nossa contribuição para o campo, no que diz
respeito a terreiros para secagem de grãos, raspas e outros produtos vegetais. O terreiro suspenso ou secador tipo
telado suspenso, fruto da criatividade do próprio cafeicultor brasileiro, já vem sendo empregado com sucesso nos
principais pólos da cafeicultura nacional.

A qualidade final do café é determinada por vários fatores e etapas, a saber: espécie (potencial genético da planta),
região de cultivo (clima), cuidados pré-colheita (tratos culturais), cuidados e tipo de colheita, cuidados e tipo de
preparo dos grãos, cuidados no armazenamento, cuidados na torrefação, embalagem e preparo da infusão.

Belgo-Mineira Bekaert
3 Arames S.A.
II - VANTAGENS DOS TERREIROS SUSPENSOS

Comparativamente ao método de secagem tradicional em terreiros pavimentados, a utilização dos terreiros


suspensos apresenta as seguintes vantagens:

VANTAGENS MOTIVOS
Melhoria da qualidade (bebida) do café com obtenção de sobre-preço As qualidades organoléticas de um alimento podem ser alteradas pela
no mercado presença de microorganismos e, na maioria dos casos, para pior;
A maior aeração inibe o desenvolvimento destes microorganismos
indesejáveis;
As injúrias causadas aos frutos normalmente provocadas pelo
manuseio do café no terreiro tradicional são reduzidas.
Redução da mão-de-obra de secagem Diminuição da freqüência de revolvimento;
Redução do número de viagens do café em relação a outros tipos de
terreiros;
Secagem mais uniforme e prática em razão da maior aeração.
Secador suspenso mais barato Seu processo construtivo não exige terraplanagem do terreno;
Pode-se trabalhar com até 4% de declividade no sentido longitudinal;
Construção simples e rápida.

Belgo-Mineira Bekaert
4 Arames S.A.
III - CARACTERÍSTICAS DOS TERREIROS SUSPENSOS

Os terreiros suspensos podem ser construídos de várias maneiras.

No quadro abaixo diferenciamos dois modelos: o convencional e o recomendado pela Belgo-Mineira Bekaert.

Características Modelo Convencional Modelo Belgo Comentários

Altura de 20 a 80 cm 0,15 a 0,60 m A faixa de altura de 0,15 a 0,60 m permite maior


ventilação e comodidade ao trabalhador (pode-se
trabalhar com a trava de sustentação bem próxima
ao solo).
Largura útil do 2,8 a 3,0 m 3,0 m A tela de sombreamento é adquirida com a largura
terreiro padrão de 3,0 m. No momento do seu estiramento,
ela acaba alongando um pouco.
Comprimento do variável variável Ideal: de 50 a 100 m
terreiro
Intervalo entre travas 2 a 2,20 m 4,0 m A utilização de fios e cordoalhas de elevada
resistência e ferragens acessórias especiais
possibilitam melhor estiramento e menor
alongamento.

Laterais do terreiro Uso de paus roliços Sem uso de madeira. O tempo de montagem, a manutenção e o custo
intertravados. Uso da cordoalha Belgo- Parreiral e se reduzem.
Frutifio.
Fixação da tela Fixação pelo seu Fixação da tela através do método A recomendação do uso de ripas se dá, quando se
enrolamento em ripas, tradicional ou pela costura da tela deseja remover a tela na entressafra para guardá-
com posterior fixação na cordoalha Belgo-Parreiral. Neste la para outras finalidades.
destas ripas nas laterais e caso, a fixação por ripas se dá
cabeceiras. apenas nas cabeceiras.
Ancoragem dos Confecção de “morto” ou Uso de ferragens apropriadas, O uso de ferragens apropriadas assegura uma
extremos âncora tradicional com Haste e Chapa Âncora Belgo- maior resistência e durabilidade ao conjunto.
uso de arame em contato Mineira Bekaert.
com o solo.
Fios de sustentação Fios de Belgo Z-700 Fios de Frutifio espaçados de 12 cm Como a tela acaba retendo muita umidade,
da tela de espaçados de inclusive da própria mas- sa de grãos, a corrosão
sombreamento do arame tende a ocorrer com maior facilidade,
15 cm
necessitando de um arame com zincagem pesada
como o Frutifio, ou seja, um fio com zincagem tipo
Motto. O espaçamento de 12 cm faz com que a
carga de café fique melhor distribuída, o que
impede a formação de canaletas.
Sistema de estira- Uso de catracas Uso de Gripples pequenos na forma O Sistema Gripple possibilita maior praticidade e
mento dos fios de de laçada agilidade na montagem e nos reestiramentos
sustentação da tela futuros.
Fixação dos fios Grampos Grampos Galvanizados 9 x 1” A fixação dos grampos deve ser feita de forma que
permita o reestiramento dos fios. Entretanto não
devem ficar evidentes na superfície da trava de
sustentação, para evitar danos à tela durante o
revolvimento dos grãos (pode-se fazer uso de um
sulco raso de serrote no local de passagem do
Frutifio).
Tipo de tela usado Tela de sombreamento Tela de sombreamento 30% Telas com 30% de sombreamento possuem a
50% mesma eficiência de secagem e durabilidade, e
um custo inferior às demais telas.

Belgo-Mineira Bekaert
5 Arames S.A.
III - CARACTERÍSTICAS DOS TERREIROS SUSPENSOS

Observação importante:

A parte estrutural dos secadores de café pode ser construída com madeira, peças de concreto armado e estrutura
metálica.

O uso de peças de eucalipto preservado nas construções rurais constitui uma alternativa de grande durabilidade,
alta resistência, uniformidade dimensional e custo atrativo. Entretanto, para sua utilização nos secadores suspensos
de café, é importante observar os seguintes aspectos:

1 - Evitar o uso de peças de eucalipto imunizado com creosoto e derivados. No processo de imunização industrial
com este tipo de preservante, é comum a ocorrência de exudação do óleo creosoto. O creosoto é um composto
químico tóxico, de cheiro forte e persistente. Este odor característico pode ser transferido para os grãos e
qualquer contato com eles seria inaceitável.

2 - Dispensar cuidados às peças de eucalipto preservado com preservantes hidrossolúveis. Estes preservantes,
embora não apresentem cheiro forte, também são tóxicos e não podem estar em contato direto com nenhum
tipo de alimento e água potável. Em se tratando de produto comestível úmido, como os grãos de café que são
transportados da lavoura para os secadores, os cuidados devem ser redobrados, para impedir qualquer contato
direto da madeira tratada com o produto comestível.

3 - Adotar uma cobertura isolante e impermeável localizada entre os grãos de café e a madeira, para viabilizar o
uso da madeira tratada nos secadores de café. Para esta cobertura, pode-se utilizar lona plástica ou tinta
seguida de lona plástica. No caso da utilização de tinta, é importante escolher um produto de boa cobertura,
aderência à madeira e resistência superficial, para que este revestimento não venha a se descascar com o uso.
Além disto, é necessária uma boa manutenção da integridade do filme de cobertura. Com relação às tintas,
sugerimos o uso de tintas asfálticas, por proporcionarem uma camada mais espessa, estável e resistente.

Vista dos terreiros suspensos construídos em São Roque de Minas - MG.

Belgo-Mineira Bekaert
6 Arames S.A.
IV- ESQUEMA BÁSICO DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

DIMENSÕES MÍNIMAS DAS PEÇAS DE MADEIRA

COMPRIMENTO DA PEÇA (m)


DIÂMETRO DA PEÇA (cm)
PARA POSTE PARA TRAVA

CABECEIRAS - 11 a 13 2,0 3,20

INTERMEDIÁRIAS - 7 a 10 1,5 3,20

Belgo-Mineira Bekaert
7 Arames S.A.
IV- ESQUEMA BÁSICO DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

Belgo-Mineira Bekaert
8 Arames S.A.
IV- ESQUEMA BÁSICO DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

Belgo-Mineira Bekaert
9 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

1 - De posse de uma planta situação, faça a marcação da área de cada secador, com as respectivas posições das
travas de cabeceira e internas, esquadrando-as com o auxílio de uma trena e estacas de marcação:

P1

5m
3m

P2 4m P3

Externamente, a largura de cada terreiro suspenso é de 3,10 m e o comprimento, variável. Sempre que
estendermos uma trena, simulando um triângulo retângulo, com as dimensões acima, estaremos esquadrando o
lado P1P2 (equivalente à largura útil de terreiro) com o lado P2P3 (equi- valente ao intervalo entre as travas de
sustentação).

2 - Faça a seleção das peças de madeira para os postes e travas antes da abertura dos buracos. A seguir,
apresentamos as dimensões mínimas e econômicas destas peças:

Tipos de Travas Diâmetro da peça (cm) Comprimento do poste (m) Comprimento da trava (m)

Travas de Cabeceira 11 a 13 2,00 3,20

Travas Internas 7 a 10 1,50 3,20

3 - Para o preparo dos postes abra um entalhe 20 cm abaixo do topo. Este entalhe deve ter, aproximadamente, 3
cm de profundidade e largura equivalente ao
diâmetro da extremidade da trava. Para o
preparo das travas, faça uma face plana nas
suas extremidades para o perfeito encaixe
nos entalhes dos postes.

Enquanto as travas intermediárias são


construídas com dois postes laterais, as
travas de cabeceira devem ser feitas com
três postes, sendo dois laterais e um central,
com as mesmas dimensões dos laterais.

Belgo-Mineira Bekaert
10 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

As duas travas de cabeceira são preparadas de maneira um pouco diferente. Além do preparo das suas
extremidades, torna-se necessária a abertura de um entalhe raso no meio da peça para sua melhor fixação no
poste central.

4 - Em seguida, abrem-se os buracos dos mourões ou postes das travas, iniciando a operação pelas cabeceiras.
Os mourões de cabeceira devem ser colocados a uma profundidade mínima de 1,20 m e os intermediários a
0,70 m no mínimo. Seguindo esta indicação, os mourões de canto e intermediários nunca ficarão com mais de
0,80 m acima do solo, o que permite a construção de um terreiro com altura máxima de 0,60 m.

5 - Trabalhe preferencialmente com o terreiro nivelado no sentido longitudinal. Visando à redução de custos com
terraplanagem, pode-se trabalhar com até 4% de declividade. Já as travas intermediárias e de cabeceira devem
ser niveladas transversalmente, com a ajuda de um prumo ou mangueira.

6 - Colocados os postes, examine as condições de encaixe das extremidades de cada trava. Firme a trava e faça
um furo no centro da região de encaixe, vazando toda seção da trava e poste. Este furo deve ser feito com
broca bitola 1/2”, para permitir o uso de um parafuso tipo francês, bitola de 3/8”, com arruela e porca. Em
substituição aos parafusos tipo francês, pode-se usar barra roscada galvanizada também com bitola de 3/8”. A
vantagem do uso da barra é que pode-se cortá-la nos segmentos desejados, adequando seu comprimento de
acordo com cada região de fixação. Aparafusada uma das extremidades, adota-se o mesmo procedimento para
a segunda e para as demais travas do terreiro suspenso.

Belgo-Mineira Bekaert
11 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

7 - Fixadas as travas, fazem-se os furos de passagem dos


fios longitudinais de arremate lateral da tela de
sombreamento Sombrax, para os quais recomendamos
o uso da cordoalha de aço Belgo-Parreiral. O Belgo-
Parreiral é uma cordoalha de 3 fios, com carga de
ruptura de, no mínimo, 1.000 Kg e zincagem tipo Motto.

Estes furos devem ser feitos com broca de 1/2”. Esta


bitola permite a colocação de parafusos esticadores
Belgo-Mineira Bekaert nos 4 cantos das travas de
cabeceira. Os furos são feitos no eixo de cada poste, 12
cm acima da borda superior do entalhe.

8 - Colocam-se os 4 parafusos esticadores Belgo-Mineira


Bekaert nas travas de cabeceira, ajustando a porca com o mínimo de rosca possível.

9 - Abrem-se os cachimbos das 6 ancoragens das cabeceiras. A cava do cachimbo deve ser aberta no alinhamento
dos postes, afastada de 2,0 a 2,50 m do respectivo poste de cabeceira, numa profundidade de
aproximadamente 0,70 cm. Terminada a abertura da cava, faz-se o braço do cachimbo, através de uma
escavação inclinada.

Belgo-Mineira Bekaert
12 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

10 - Ao colocar a haste com a chapa âncora Belgo-Mineira Bekaert, com 1,20 m de comprimento, seu olhal aflorará
de 1,0 a 1,5 m do respectivo poste de cabeceira. Para o término da instalação do conjunto haste e chapa
âncora, deve-se proceder da seguinte forma:

a - fixe a chapa na haste âncora;

b - posicione a ferragem na inclinação desejada;

c - crave a metade da chapa âncora no fundo da cava, batendo sobre a região do seu bico ou porca superior
de fixação;

d - jogue terra e faça a compactação por camadas.

11 - Instale os rabichos, usando a alça superformada Belgo-Laço Parreiral, a cordoalha Belgo-Parreiral e o Gripple
Maxi. Na porção inferior, arremate o Belgo-Parreiral com o Belgo-Laço e, na superior, dê uma laçada em torno
do poste de cabeceira e da trava. Tencione um pouco o rabicho com o alicate Grippler.

Observação importante:

Para cada estaiamento, devem-se utilizar rabichos duplos, ou seja, um rabicho sobreposto ao outro. Rabichos
simples só devem ser usados se construídos com cordoalha Cordaço, Belgo-Laço Cordaço e parafuso
esticador Cordaço.

12 - Fure os postes para passagem do primeiro fio lateral de Frutifio. Estes furos podem ser feitos com broca de
1/2”. Os furos são feitos fora do eixo de cada poste, deslocados para dentro do secador, 7,0 cm acima da
borda superior do entalhe.

Belgo-Mineira Bekaert
13 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

13 - Instale os fios internos de Frutifio sobre toda a extensão das travas, espaçando-os entre si em 12 cm. A
instalação destes fios segue o seguinte procedimento:

a - marque o centro da trava de cabeceira, em seguida 6 cm para cada lado, de modo a formar um intervalo
de 12 cm no centro. A partir destes pontos, faça a marcação a cada 12 cm, até atingir aproximadamente
20 cm das bordas internas das travas;

b - inicie a passagem dos fios internos de Frutifio sobre as travas intermediárias, orientado-os através das
marcações das travas de cabeceira;

c - na trava de cabeceira de arremate, faça duas voltas em torno da trava com enrolamento ou “charrua” bem
acabada da ponta restante. Para assegurar o correto espaçamento de 12 cm entre estes fios, pode-se
bater um grampo galvanizado de cerca fixando as voltas de cada fio;

d - na trava de cabeceira de estiramento, arremate os fios na forma de uma laçada utilizando um Gripple
Pequeno por fio. O Gripple deve distar da trava de 30 a 50 cm. Recomenda-se também o uso do grampo
galvanizado como guia de cada laçada;

e - faça o estiramento destes fios com o alicate tensionador Grippler, ferramenta prática que agiliza muito esta
operação;

f - grampeam-se os arames nas travas intermediárias à semelhança do que foi feito nas duas cabeceiras.
Alternativamente, podem-se fazer sulcos rasos com o auxílio de um serrote no local de passagem dos
arames, para evitar a formação de ondulações que possam danificar a tela de sombreamento Sombrax
pela ação do rodo.

Belgo-Mineira Bekaert
14 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

14 - Coloque os dois fios longitudinais laterais de Belgo-Parreiral. Para isso, passe a cordoalha pelos furos
superiores e arremate a ponta inicial no olhal do parafuso com o Belgo-Laço. Com um esticador de corrente ou
moitão, dê uma pré-carga no Belgo-Parreiral. Ainda com a ferramenta armada, corte a cordoalha e arremate a
ponta final da mesma maneira. Desarme a ferramenta de estiramento e termine o tensionamento através do
aperto dos parafusos esticadores nos dois extremos.

Cabeceira de arremate

Nota:

Este desenho mostra o estaiamento com Belgo-Parreiral


individualizado. Lembramos que, para cada poste das cabeceiras,
devemos utilizar dois rabichos sobrepostos.

Belgo-Mineira Bekaert
15 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

Cabeceira de estiramento

Nota:

Este desenho mostra o estaiamento com Belgo-


Parreiral individualizado. Lembramos que, para
cada poste das cabeceiras, devemos utilizar dois
rabichos sobrepostos.

15 - Desenrole a tela de sombreamento Sombrax no sentido do comprimento do secador sobre o aramado de


Frutifio. Recomenda-se a tela de 3,00 x 100 m, com malha classificada em 30% de sombreamento. No sentido
do comprimento, a tela é fixada nas travas com o auxílio de ripas. Pode-se enrolar cada uma das
extremidades da tela numa ripa de 4 x 2 cm x 3,20 m.

Na cabeceira de arremate, apóia-se a ripa sobre os parafusos esticadores, amarrando-a aos postes de
cabeceira com fio Galvanizado BWG - 16. Já na cabeceira de estiramento, fixe a ripa nos primeiros postes
intermediários do lado oposto à cabeceira de estiramento sobre a cordoalha Belgo-Parreiral.

Belgo-Mineira Bekaert
16 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

A fixação da tela Sombrax nas laterais do terreiro pode ser feita com o auxílio de ripas ou simplesmente costurando-
a ao Belgo-Parreiral.

- Fixação por ripas: faz-se a colocação dos frutifios laterais,


através de furos feitos nos postes intermediários a
aproximadamente 5 cm abaixo da cordoalha Belgo-
Parreiral, arrematando-os nos postes laterais das
cabeceiras. Em seguida, enrola-se a tela Sombrax a uma
ripa (4 x 2,5 cm / 3,70 m) aproximadamente 3 voltas. Este
procedimento é repetido em uma das laterais em todos os
intervalos entre os postes. A ripa é passada sobre a
cordoalha Belgo-Parreiral e encaixada entre esta e o
Frutifio. Sua fixação se dá com o auxílio do arame
galvanizado BWG 16, não devendo criar resistência à tela
Sombrax, quando for feito o estiramento na outra lateral.

Terminada a 1ª lateral, faz-se a fixação da tela Sombrax na


outra lateral, repetindo o procedimento anterior. No entanto,
esta etapa é realizada com o auxílio de aproximadamente 5
pessoas, que fazem o estiramento da tela Sombrax por
intervalo.

- Fixação por costura: neste sistema não se faz


necessária a colocação do fio Frutifio lateral abaixo
da Cordoalha Belgo-Parreiral. Para esta costura,
recomenda-se o uso de um cordonel de nylon
próprio para o trabalho com este tipo de tela,
normalmente fabricado pela Tecnofil. Usa-se
agulha de sacaria. Faz-se a costura de uma lateral
na Cordoalha Belgo-Parreiral e em seguida realiza-
se o estiramento e costura da outra lateral.

Belgo-Mineira Bekaert
17 Arames S.A.
V - MONTAGEM DO TERREIRO SUSPENSO MODELO BELGO-MINEIRA BEKAERT

Importante: O perfeito estiramento da tela Sombrax evitará a formação de canaletas entre os Frutifios de apoio da
tela Sombrax, quando o terreiro estiver com a carga de grãos. Caso haja formação de canaletas, a carga pode ser
deslocada para outro intervalo do terreiro, o que possibilita o retiramento da tela Sombrax.

Considerações Finais:

- Apesar da maior aeração dos grãos no terreiro suspenso, o revolvimento periódico da massa de grãos se faz
necessário.

- Deve-se evitar o uso de materiais que danifiquem a tela (latas, enxadas, rodo metálico, etc.).

- Quando o terreiro for construído em declividade, devem-se reforçar as ancoragens da cabeceira superior (uso
de travesseiros nos postes de cabeceira, reforço da compactação das âncoras, etc.).

Belgo-Mineira Bekaert
18 Arames S.A.
VI - ESPECIFICAÇÕES DOS PRODUTOS BELGO-MINEIRA BEKAERT
APLICÁVEIS AOS TERREIROS SUSPENSOS

A - ARAMES E CORDOALHAS DE AÇO ZINCADO


COMPRIMENTO PESO LÍQUIDO CARGA DE RUPTURA
PRODUTO ZINCAGEM BITOLA (mm)
MÍNIMO (m) APROXIMADO (kg) MÍNIMA (kgf)
FRUTIFIO 500/1.000 13,5/27 500 Camada Pesada 2,10
4,00
BELGO-PARREIRAL 250/500 18/36 1.000 Camada Pesada
(Cordoalha de 3 fios)

B - SISTEMA GRIPPLE NOS ARAMES


CARGA MÁXIMA CARGA MÁXIMA RECOMENDAÇÃO
BITOLAS DE PESO LÍQUIDO ARAMES E
DE TRABALHO EM DE TRABALHO EM DE USO PARA A
PRODUTO TRABALHO APROXIMADO CORDOALHAS
SITUAÇÃO DE SITUAÇÃO DE CONSTRUÇÃO
(mm) (kg) APLICÁVEIS
EMENDA (kgf) LAÇADA (kgf) DAS ESTRUTURAS
GRIPPLE
1,30 a 2,15 0,017 Frutifio 350 400 Emendas
PEQUENO
GRIPPLE Arremates em
2,50 a 4,00 0,060 Belgo-Parreiral 700 1000
MAXI laçadas
ALICATE Qualquer Modelo Estica qualquer um Estica até uma carga Estica até uma Emendas e
2,400
GRIPPLER de Gripple dos fios acima de 300 carga de 300 Arremates

C - OUTROS ACESSÓRIOS BELGO-MINEIRA


BITOLA COMPRIMENTO RESISTÊNCIA PESO LÍQUIDO
PRODUTO ZINCAGEM
(mm) (mm) (kgf) APROXIMADO (kg)
BELGO-LAÇO para cordoalhas
Camada Pesada - 1.200 0,08
PARREIRAL de 4,00
PARAFUSO ESTICADOR C/
Camada Pesada (*) Ø = 10,70 400 2.500 0,45
OLHAL
HASTE ÂNCORA Camada Pesada (*) Ø = 10,70 1.200 2.500 1,10
CHAPA ÂNCORA Camada Pesada (*) 310 x 310 x 2 - 2.500 (**) 1,75
(*) ZINCAGEM A FOGO DE ACORDO COM A NBR 6323.
(**) VALOR QUE DEPENDE DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E DAS CONDIÇÕES DE COMPACTAÇÃO DO SOLO.

Belgo-Mineira Bekaert
19 Arames S.A.
VI - ESPECIFICAÇÕES DOS PRODUTOS BELGO-MINEIRA BEKAERT
APLICÁVEIS AOS TERREIROS SUSPENSOS

SISTEMA GRIPPLE - VEJA COMO USAR

1- Gripple como emendador:

Para unir dois arames, basta enfiá-los no Gripple,


um de cada lado.

Dispensa qualquer tipo de ferramenta.

Obs.: recomendamos uma sobra de arame de,


no mínimo, 5 cm para os dois lados, para o posterior encaixe do Alicate Grippler, caso o usuário queira
utilizar o sistema Gripple como esticador ou tensionador.

2 - Gripple como arremate:

O Gripple também pode ser usado na forma de uma laçada em


torno de uma peça roliça. Nesta situação, o Gripple suporta uma
maior carga de trabalho. Nas laçadas, o Gripple deve distar de 30
a 50 cm da peça roliça.

3 - Gripple como esticador:

Como esticador, o Sistema Gripple funciona através do Alicate Tensionador Grippler. Com o Grippler, consegue-se
aplicar uma carga de estiramento de no máximo 300 kgf. Veja a seguir como usá-lo:

Abra completamente os braços do Alicate Grippler. Mantendo os braços abertos, posicione o Alicate no
arame e deslize em direção do Gripple.

Belgo-Mineira Bekaert
20 Arames S.A.
VI - ESPECIFICAÇÕES DOS PRODUTOS BELGO-MINEIRA BEKAERT
APLICÁVEIS AOS TERREIROS SUSPENSOS

Encaixe o Gripple corretamente na abertura que se Realize o movimento de fechamento dos braços
encontra na ponta do Alicate. O braço de encaixe observando sempre a permanência do perfeito
deve permanecer a 90º em relação ao Gripple. encaixe e o posicionamento do braço a 90º. Repita os
passos C e D até atingir a tensão desejada.

Para o tensionamento na laçada, procede-se da mesma maneira.

Belgo-Mineira Bekaert
21 Arames S.A.
VII - RELAÇÃO DE MATERIAIS

Abaixo apresentamos um exemplo de cálculo de materiais para construção de um terreiro suspenso com 3,00 m de
largura por 100 m de comprimento útil, ou seja, com área útil de 300 m2. O comprimento total do secador é de 101
m, já que temos uma faixa de 1 m sem tela. Em termos de espaço para locação, ainda temos que considerar um
prolongamento de mais 2 m de cada extremidade para a execução das ancoragens nas cabeceiras. Assim, para
este exemplo, o terreiro ocupa, na verdade, uma área de, no mínimo, 336 m2 (105 m x 3,2 m). Para efeito de
projeto, há ainda que se considerarem as áreas de circulação de máquinas e pessoas envolvidas no transporte do
café. Para a passagem de uma carreta agrícola, são necessários, no mínimo, 3,0 m.

A - Madeiras:

- Número de postes de cabeceiras............................................................... diâmetro de 11 a 13 cm x 2,0 m


NPC = 6 peças;

- Número de postes internos.........................................................................diâmetro de 7 a 10 cm x 1,5 m


NPI = ( comprimento útil / intervalo entre travas ) * 2
NPI = ( 100 / 4 ) * 2
NPI = 50 peças;

- Número total de postes ............................................................................................................. 56 peças;

- Número de travas de cabeceira ............................................................. diâmetro de 11 a 13 cm x 3,20 m


NTC = 2 peças;

- Número de travas internas ..................................................................... diâmetro de 7 a 10 cm x 3,20 m


NTI = ( comprimento útil / intervalo entre travas )
NTI = 100 / 4
NTI = 25 peças;

- Total de ripas para sistema de costura


Ripas 3,20 m / 4 x 2,5 cm........................................................................................................ 02 unidades

- Total de ripas para sistema de arremate com ripas


Ripas 3,20 m / 4 x 2,5 cm........................................................................................................ 02 unidades
Ripas 3,70 m / 4 x 2,5 cm........................................................................................................ 50 unidades

B - Arames:

- Fios Laterais ...................................................................................................... Cordoalha Belgo-Parreiral


2 x 101 m = 202 m

Belgo-Mineira Bekaert
22 Arames S.A.
VII - RELAÇÃO DE MATERIAIS

- Rabichos duplos das ancoragens ....................................................................... Cordoalha Belgo-Parreiral


6 x 2 m = 12 m
Como são duplos, temos:
12 x 2 m = 24 m
Total de Belgo-Parreiral............................................................................................................ 226 metros
- Fios de sustentação da tela e fixação de ripas ................................................................................. Frutifio
Número de fios de sustentação e fixação = (Largura / 12 cm) + 1
NFSF = 22 fios
Comprimento do fio de sustentação e fixação = Comprimento total do terreiro + 2 metros para arremates
CFSF = 101 + 2
CFSF = 103 metros
Total em metros de Frutifio
TF = 24 x 103
TF = 2.472 metros
- Fixação da ripa na lateral ...........................................................................................Arame DWG16 (3kg)

Obs.: caso a fixação da tela Sombrax seja feita por costura, eliminar 206 m de Frutifio, 3kg de arame DWG16, 02
Gripples pequenos e acrescentar 250 m de fio de nylon para costura.

C - Acessórios:
- Parafusos Esticadores Belgo-Mineira Bekaert ............................................................................... 4 peças
- Haste Âncora Belgo-Mineira Bekaert ............................................................................................ 6 peças
- Chapa para Haste Âncora Belgo-Mineira Bekaert ......................................................................... 6 peças
- Alça Superformada Belgo-Laço Parreiral .....................................................................................16 peças
- Conector Gripple Maxi ................................................................................................................ 12 peças
- Conector Gripple Pequeno ......................................................................................................... 24 peças
- Alicate Grippler ............................................................................................................................. 1 peça
- Grampos Galvanizados 9 x 1” ............................................................................................................ 3 Kg

D - Telas:
- Tela de Sombreamento 30% ......................................................................................................... 300 m2

Belgo-Mineira Bekaert
23 Arames S.A.
VIII - OBSERVAÇÕES:

1 - Estimativa da mão-de-obra de montagem do terreiro exemplo:

Rendimento Tempo Gasto


Item Descrição da operação Qte.
(horas/homem) (horas/homem)
1 Preparo e colocação dos postes 56 pç 0,50 hh / peça 28 hh
2 Preparo e colocação das travas 27 pç 1,00 hh / peça 27 hh
3 Montagem das ancoragens 6 un 1,00 hh / âncora 6 hh
4 Abertura de furos nos postes 162 un 0,03 hh / furo 5 hh
5 Instalação dos arames 28 un 0,20 hh / fio 6 hh
6 Colocação da tela 100 m 0,08 hh / m 8 hh
Total 80 hh

Considerando uma equipe de 3 trabalhadores, teríamos:


80 horas homem / 3 homens = 26,7 horas da equipe

Admitindo uma jornada de 6 horas/dia, gastaríamos:


26,7 horas / 6 horas/dia = 4,5 dias

Em termos práticos, podemos estimar o tempo de montagem deste terreiro em 5 dias de trabalho de uma equipe
de 3 pessoas experientes.

2 - A faixa inicial de 1,0 m sem cobertura com tela opcionalmente pode servir, também, para sustentar um carretel
de lona plástica para uma eventual necessidade de cobrir o café contra a chuva, enleirando-o no centro do
terreiro. A lona deverá cobrir apenas a leira, para possibilitar a drenagem da água pela tela Sombrax.

3 - Informação técnica:

Para o cálculo da área de terreiros convencionais, em função da produção de café da propriedade, existe a
seguinte fórmula:
Onde:
0,02 x Q x T S: Área do terreiro em m2
S= Q: Quantidade média de café, em litros, colhida anualmente
N T: Tempo médio para secagem em dias
N: Número de dias da colheita.

4 - Informações de cafeicultor usuário de terreiro suspenso:

“cada 150 m2 de secador suspenso pode receber até 100 balaios de 60 litros cada de café”. Isso representa 40
litros de café por m2 de terreiro.

Belgo-Mineira Bekaert
24 Arames S.A.
1) BIBLIOGRAFIA:

Informações técnicas fornecidas pelos pesquisadores Sára Maria Chalfoun de Souza e Sílvio Júlio de Rezende
Chagas, EPAMIG-LAVRAS-MG, nov./97.

2) ELABORAÇÃO/AUTORIA: Belgo-Mineira Bekaert Arames S.A.

Engenheiro Agrônomo Gelmo Chiari Costa

Engenheiro Metalúrgico Claude René Camille Mines

Acadêmico Rodrigo Carrara Peixoto

Engenheiro Agrônomo Marcelo Stehling

Engenheiro Agrícola Eliésio de Oliveira Melo

3) AGRADECIMENTOS

- À EPAMIG - Empresa de Pesquisa agropecuária de Minas Gerais, pela receptividade e apoio;

- À Dra. Sára Maria Chalfoun de Souza e ao Dr. Sílvio Júlio de Resende Chagas, pesquisadores da EPAMIG,
pela disposição, dinamismo e contribuições técnicas;

- Ao Sr. José Carlos da Silva, cafeicultor de Taquarituba-SP, pelo repasse de informações de caráter prático e
criativo.

- Ao Sr. Getúlio Wolf, cafeicultor de São Roque-MG, pela hospitalidade, informações práticas e incentivo.

4) DADOS PARA CONTATOS COM OUTRAS EMPRESAS ANUNCIADAS NESTE MANUAL:


CAF - Santa Bárbara Ltda. EPAMIG - CTSM TECNOFIL - TELAS DE SOMBREAMENTO
Empresa Belgo-Mineira Cx. Postal 176 Av. Marginal Direita, 4802
Unidade de Industrialização de Madeira Lavras - MG - CEP 37200-000 Alphaville - SP - CEP 064550-050
Rodovia MG 164 - km 88 Tel.: (035) 821-6244 Tel.: 0800-14 1555
Martinho Campos - MG - CEP 35606-000 Fax: (035) 821-2231 Fax: (011) 7295-0720
Tel.: (037) 524-1600 - Fax: (037) 524-1660

Belgo-Mineira Bekaert
25 Arames S.A.