Você está na página 1de 2

INTEGRAR PARA NÃO EXPIRAR

O papel da liderança na criação de ambientes de aprendizagem organizacional colaborativo e de excelência.


Marcelo Karam Guerra

Ao observar as organizações ao longo dos últimos anos é fácil constatar que muitas empresas não estão
conseguindo criar ambientes profícuos de aprendizagem, integração, inovação e nem formar equipes de
performance. Somados a outros fatores tão importantes como planejamento, organização, processos,
qualidade, sustentabilidade entre outros, as empresas ao longo destes últimos anos avançaram pouco e
produziram resultados aquém da sua capacidade. As pessoas nestas organizações adoeceram neste período,
perderam a motivação e a inspiração para criar e ou reinventar novas formas de fazer mais, melhor e
diferente. Ao contrário do que se esperava o que encontramos são pessoas que se manifestam
individualmente como se elas, e tão somente elas, fossem as únicas responsáveis pelo resultado. Equipes de
performance nascem e permanecem sólidas sob o princípio e a égide do líder de que ninguém é excepcional
o bastante para fazer sozinho o que deve ser feito em equipe, ou seja, ninguém é mais importante que o time
porque juntos somos mais forte. O sucesso de uma equipe é o resultado da simplicidade, seriedade, trabalho
duro, preparação, disciplina, da soma das diferenças, da ética, alegria e do bom humor.

Integrar para não expirar – Expirar o quê? As ideias, o tempo, a criatividade, a inovação, a parceria, a
solidariedade, o clima organizacional saudável, a qualidade de vida no trabalho, as pessoas.

Este é um dos grandes desafios da gestão da empresa moderna.

Pergunta: EU + OUTRO dá o quê? NÓ, entrelaçamento de uma ou duas linhas ou NÓS, da 1ª pessoa do
plural?

Para que NÓS exista é preciso convergência para uma nova entidade. Não é ele, nem o outro, mas NÓS, ou
seja, não é como eu quero nem como você, mas o melhor para nós, para o nosso propósito e objetivo. As
pessoas e os grupos precisam convergir para uma nova entidade que o NÓS encontrando objetivos e
interesses comuns. Convergência, significado e integração é sinônimo de Sinergia.

É fundamental compreender que a necessidade e ou interesse não é de um ou do outro, mas da relação, ou


seja, tem que ser bom para ambas as partes. Para tal é importante encontrar o caminho da convergência, do
dialogo, entendimento e da integração.

Integração é um processo de conhecimento que exige busca e exposição de ideias, fatos, necessidades,
prazos, expectativas, medos, sonhos, desejos entre outros.

Figura 1
Quanto maior a integração, melhor será o clima entre as pessoas, haverá melhores possibilidades de
convergência e de se lidar com as divergências, evitando fantasias, conflitos nocivos, ruídos na comunicação
e possibilitando ao grupo alcançar resultados de excelência (figura 1).

Figura 2

Quando não há uma integração adequada, o que acontece é a expiração das possibilidades e oportunidades
dentro do grupo. Desta forma não haverá convergência de propósitos nem de objetivos e sim, afastamentos,
incompreensões e conflitos. O “eu equipe” prevalecerá na dinâmica de funcionamento do grupo onde as
vaidades e o egoísmo servirão de substrato para a manutenção do sistema tradicional, cartesiano,
fragmentado e autoritário de trabalho em grupo, garantindo assim, a mediocridade dos resultados e a baixa
performance do grupo.

Infelizmente ainda hoje, em muitas organizações temas como integração e ambientes de aprendizagem
organizacional colaborativo não tem a devida atenção e aplicação, resumindo-se a obviedade do cognitivo, a
verborragia no dia a dia desalinhado com a ação, o acaso na aplicação de ferramentas e a leviandade e
displicência na prática. O desafio das organizações que buscam a alta performance é transformar grupos em
equipes, expirar em inspirar, competição em ações colaborativas alinhando o discurso com a ação para que
as pessoas e grupos não sofram como diz o jornalista e filósofo Olavo de Carvalho da síndrome da paralaxe
cognitiva ou seja, do distanciamento entre o que se diz e o que se faz na prática.

As organizações não podem permanecer com a crença de que Nós conseguiremos um dia... ou de ter a Fé de
que as coisas, pura e simplesmente, acontecerão. Gerir desta forma uma organização significa entregar ao
acaso ou a maré. Metaforicamente dizendo, as organizações assim como no esporte precisam assumir o
“comando do barco”, seus remadores terão que aprender a remar juntos de forma sincronizada e harmônica e
para tal será necessária muita aprendizagem coletiva. Aprendizagem em equipe é o processo de alinhamento
e desenvolvimento da capacidade de um grupo de criar o ambiente necessário para construir os resultados
que seus membros realmente desejam (figura 3).

Figura 3

O que desejamos como prática no dia a dia de uma equipe de performance? Que o Líder inspire, desafie,
influencie, reconheça e oriente, ajudando cada membro da equipe a ser o melhor que possa SER. Portanto
lembre-se do mantra: OBSERVAÇÃO, PROXIMIDADE E APOIO.

Boas energias e sucesso para quem tem fé e trabalha duro e sorte para os observadores ou aqueles que
esperam que algo aconteça.