Você está na página 1de 3

RESUMO SOBRE TAXONOMIA

Referência Bibliográfica: Bloom et al. (1956), Bloom (1986), Driscoll (2000) e Krathwohl
(2002).

A taxonomia dos objectivos educacionais, também popularizada como taxonomia de Bloom,


é uma estrutura de organização hierárquica de objectivos educacionais. Foi resultado do
trabalho de uma comissão multidisciplinar de especialistas de várias universidades dos EUA,
liderada por Benjamin S. Bloom, na década de 1950.

Apesar de já haver revisões da proposta original (questionando, entre outras coisas, a questão
hierárquica) a taxonomia de Bloom serve para guiar a elaboração e a classificação dos
objectivos educacionais orientando, entre outras acções, o desenho instrucional dos
treinamentos.
A classificação proposta por Bloom dividiu as possibilidades de aprendizagem em três
grandes domínios:

 Cognitivo: abrangendo o conhecimento e o desenvolvimento de habilidades


intelectuais;
 Afectivo: abrangendo a forma como se lida com os problemas emocionalmente,
como: sentimentos, valores, entusiasmo, motivação e atitudes.
 Psicomotor: abrangendo as habilidades motoras em termos de velocidade, precisão,
distância, procedimentos ou técnicas de execução.

Cada um destes domínios tem diversos níveis de profundidade de aprendizado. Por isso a
classificação de Bloom é denominada hierarquia: cada nível é mais complexo e mais
específico que o anterior. O terceiro domínio não foi terminado, e apenas o primeiro foi
implementado em sua totalidade.

Assim, nesse artigo, vamos analisar mais detidamente o Domínio Cognitivo, que é o mais
frequentemente usado nas avaliações.

O Domínio Cognitivo subdivide-se em seis categorias. Cada categoria segue uma linha
hierárquica que, geralmente, exige que o indivíduo domine a anterior antes de atingir a
próxima desejada. Portanto, trata-se de processos intelectuais cumulativos, nos quais uma
categoria em um nível inferior oferece o suporte a uma próxima categoria de nível superior.

1
De acordo com Rodrigues Júnior (1997, apud SANTANA JUNIOR; PEREIRA; LOPES,
2008), cada categoria pode ser, assim, definida:

Conhecimento: Nessa categoria, agrupam-se os processos que requerem que o indivíduo


reproduza com exactidão uma informação que lhe tenha sido dada, seja ela uma data, um
relato, um procedimento, uma fórmula, ou uma teoria. Amostra de verbos: Escreva, Liste,
Rotule, Nomeie, Diga e Defina.

Compreensão: Essa categoria é a primeira que requer elaboração (modificação) de um dado


ou informação original. A elaboração ainda não será de complexidade elevada; o indivíduo
deverá ser capaz de usar uma informação original e ampliá-la, reduzi-la, representá-la de
outra forma ou prever consequências resultantes da informação original. Amostra de verbos:
Explique, Resuma, Parafraseie, Descreva e Ilustre.

Aplicação: É a categoria que reúne processos nos quais o indivíduo transporta uma
informação genérica para uma situação nova e específica. Amostra de verbos: Use, Compute,
Resolva, Demonstre, Aplique e Construa.

Análise: Processos dessa categoria caracterizam-se por separar uma informação em


elementos componentes e estabelecer relações entre eles. Entre outras coisas, o processo de
Análise pressupõe identificar aspectos centrais de uma proposição, verificar a sua validade,
dos mesmos, constatar possíveis incongruências lógicas. Amostra de verbos: Analise,
Categorize, Compare, Contraste e Separe.

Síntese: É a categoria que representa processos nos quais o indivíduo reúne elementos de
informação para compor algo novo que terá, necessariamente, traços individuais distintos.
Amostra de verbos: Crie, Planeje, Elabore hipótese (s), Invente e Desenvolva.

Avaliação: Representa os processos cognitivos mais complexos. Basicamente, o processo de


avaliar consiste na confrontação de um dado, de uma informação, de uma teoria, de um
produto etc., com um critério ou conjunto de critérios, que podem ser internos ao próprio
objecto da avaliação ou externos a ele. Amostra de verbos: Julgue, Recomende, Critique e
Justifique.

A hierarquização entre os dois últimos níveis das categorias do domínio cognitivo da


taxonomia de objectivos educacionais não são consenso, ensejando uma discussão sobre a

2
importância maior entre o ser criativo e o ser crítico, porém são considerados os dois mais
altos níveis de desenvolvimento intelectual.

A exigência dos níveis 5 e 6 da Taxonomia de Bloom é essencial para quem deseja


desenvolver habilidades intelectuais, que levem a uma resolução criativa de problemas
diversos e complexos, os quais em muitas situações ainda não se apresentam de forma
familiar ao indivíduo, que deve ser capaz de identificá-los e, se possível, antecipar-se aos
fatos, encontrando as soluções mais adequadas.

É importante que os objectivos educacionais reflictam o nível de conhecimento desejado para


os alunos dos cursos. Assim, o planeamento e o desenho instrucional poderá ser elaborado e
executado adequadamente de forma a atingir tais objectivos.

A taxonomia de Bloom tem sido um modelo hierárquico seguro, com algumas ressalvas, para
determinarmos em qual nível se encaixam as metas almejadas de modo que podemos
estabelecer um protocolo comum aos envolvidos nas actividades educacionais.