Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS


CURSO DE LETRAS
1º SEMESTRE / 1º PERÍODO / 2018
DISCIPLINA: LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL
PROFª. DRA. GRAÇA FARIA
ALUNA: AYDA MARIA PEREIRA DE PAIVA

FICHAMENTO COMENTADO

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. São Paulo:


Contexto, 2012, 176 p.

1 Concepções de Texto / 2.Tipos de conhecimento e contextos (pp.16 -28).

No subtítulo 1 a autora baseia-se em dois exemplos para propor a reflexão do


significado do conceito de texto. Sendo o primeiro um gênero notícia sobre o
Enem (composto por palavras, logo texto verbal), já o segundo trata do gênero
anúncio publicitário da empresa Fedex Express ( verbal e não verbal ).Neste
contexto a autora afirma que ambos são textos, pois constituem unidade de
linguagem dotada de sentido e cumprem o objetivo comunicativo aos seus
respectivos leitores. Partindo dessa premissa a estudiosa afirma
“O texto permeia toda a nossa atividade comunicativa”, norteando-se de
concepções de autores como:
Marcuschi, que afirma que texto “é a unidade máxima de funcionamento da
língua” (2008, p. 88);
Beaugrand compreende como “um evento comunicativo em que convergem
ações linguísticas, culturais, sociais e cognitivas” (1997, p. 10) e
Koch conclui que “o conceito de texto varia conforme com o sentido de língua
e sujeito”.(2002)
Seguindo desse pressuposto é apresentado três conceitos de texto:
 Artefato lógico do pensamento: O leitor apenas capta a intenção e
representação mental do autor/produtor.
 Decodificação das ideias - o texto transmite informações a um
interlocutor passivo que exerce o papel de somente de decodificar essa
mensagem, usando como ferramenta somente o domínio do código
linguístico.
 Processo de interação - o texto é evento e os sujeitos são agentes
sociais que utilizam de sua bagagem intelectual ( social, histórico e
cultural) para construção de sentido.
Valendo-se das ideias de Koch (2002) e Costa Val (1999), a autora defende
que a atividade interativa textual não se resume ao cotexto, mas também da
interação locutor-texto-interlocutor onde o mesmo utiliza de seu conhecimento
de mundo, demonstrando através do exemplo 3, o gênero charge “Aniversário
de Brasília”.
No subtítulo 2: Sobre conhecimentos e contextos, Cavalcante aborda as
estratégias sociocognitivas e como os conhecimentos são armazenados em
nossa memória.
Segundo Koch e Elias esses conhecimentos podem ser:
 Linguístico: Conhecimento do leitor do uso das regras da Língua
(Morfossintático,léxico).Exemplificando com o gênero piada o
conhecimento de ambiguidade e justaposição para se alcançar o
entendimento da mensagem do autor.
 Enciclopédico ou de mundo: Obtido tanto formal quanto
informalmente, armazenado em nossa memória permanente. Utilizando
do gênero poema, através de uma paródia – “Oração à Natureza”,
onde o leitor usa de sua capacidade sociocognitiva e informações
socioculturais para correlacionar à “Oração do Pai Nosso”, extraindo
assim o sentido de humor do texto.
 Interacional: Conhecimento que nos habilita compreender o tipo de
texto, seu gênero, nos permite identificar, ainda, o provável meio de
sua circulação, suas intenções etc. A autora utiliza de dois exemplos
para ilustrar esse conhecimento, gênero notícia que informa as
pessoas sobre os fatos do cotidiano por meio do rádio, TV, jornais e
internet. E o gênero crônica, "Brasília! Capital do Desvio Federal" onde
se fazem necessários os três tipos de conhecimentos para a
interpretação do texto.
Mônica Cavalcante declara que cotexto são os elementos linguísticos
expostos na superfície do texto, por outro lado, contexto é "tudo aquilo que, de
alguma forma, contribui para ou determina a construção do sentido”.( Koch e
Elias,2006:59) .Nesse cenário ela ilustra a metáfora de um icerberg para
demonstrar a definição de texto, sendo a ponta do mesmo o cotexto( palavras,
frases, elementos, paralinguísticos) e todo o seu restante submerso o
contexto( conhecimento implícito que necessita ser processado pelo
interlocutor para o total entendimento do sentido do texto)