Você está na página 1de 31

1

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

1 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

2

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

Prometeu acorrentado, Leon pallière, gravura. Por ter roubado o fogo dos céus para dá-lo aos
Prometeu acorrentado, Leon pallière, gravura. Por ter roubado o fogo dos céus para
dá-lo aos seres humanos, Prometeu foi castigado por Zeus: uma águia comia seu
fígado imortal, que se constituía à noite, para que o suplício durasse mil anos.
A oferta do fogo simboliza a técnica, que permite a transformação da natureza em
cultura. Promessa de felicidade, o ideal prometéico também pode significar o
desmedido desejo de se igualar aos deuses.

3

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

3 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL 1-GUILLAUME. Paul Manual de psicologia . 3.

4

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

4 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

5

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

2- Consultar também o capítulo 2- Pensamento e linguagem
2- Consultar também o capítulo 2- Pensamento e linguagem

6

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

6 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

7

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

7 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL 13- BERGER Peter L. Perspectivas sociológicas; uma

13- BERGER Peter L. Perspectivas sociológicas; uma visão humanística Petrópolis vozes 1980.p.152.

8

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

8 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

9

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

9 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL execultar a construção, ele a projeta em

execultar a construção, ele a projeta em seu celebro" (Karl Marx)

10

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

10 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL 6. Extraido do jornal Estado de S.

6. Extraido do jornal Estado de S. Paulo, 26 dez. 2002,

11

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

11 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

12

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

12 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

13

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

13 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

14

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

pai, o rosto de um amigo querido. O simples sistema de signos simbólicos que, como
pai, o rosto de um amigo querido. O simples
sistema de signos simbólicos que, como já disse

15

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

15 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

16

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

16 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

17

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

17 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

18

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

18 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL rem com a própria subsistência, dedicam-se ao

rem com a própria subsistência, dedicam-se ao

que todos os trabalhos se equivalem, mas, na

19

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

do comércio e da ciência. recrudescimento da exploração do ploretário.
do comércio e da ciência.
recrudescimento da exploração do ploretário.

20

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

20 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL Metido ao trabalho parcelado e repetitivo. racterizada

Metido ao trabalho parcelado e repetitivo.

racterizada pela linha de montagem e produ-

21

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

21 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL surge o que chamamos de sociedade pós-indus-

surge o que chamamos de sociedade pós-indus-

mas também os esforços de reflexão para que a

22

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

22 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

23

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

23 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

24

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

24 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

25

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

25 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL refere a dois indivíduos que lutam entre

refere a dois indivíduos que lutam entre si e um

vo submetido que tudo faz para o senhor; mas,

26

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

“humanizados”.
“humanizados”.

27

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

27 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL estereotipados. Se não compreendemos o senti- na

estereotipados. Se não compreendemos o senti-

na medida em que desvaloriza o sentimento, a

28

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

28 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL lhes tenha sido negada no trabalho alienado.

lhes tenha sido negada no trabalho alienado.

artificialmente estimuladas, sobretudo pelos meios

29

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

29 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL completa de som, sem se gostar de

completa de som, sem se gostar de musica; com-

da roupa, da joia, da louça fina da rica senhora.

30

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

30 PROFESSORA ELI PINHEIRO – FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL de modo que nada acrescentam de novo,

de modo que nada acrescentam de novo, ao

que pensa e do que só executa, será impossível

31

PROFESSORA ELI PINHEIRO FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL

8
8

do tempo de ócio e da multiplicação das formas de ocupar o tempo livre.