Você está na página 1de 63

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA

ENGENHARIA CIVIL
HIDRÁULICA

Bombas e Turbinas Hidráulicas

Prof. Dr. Vinicius Masquetti da Conceição

São Carlos, 05 de Maio de 2018


Aula de hoje...

• Bombas e Turbinas Hidráulicas:

• Características;

• Dimensionamento hidráulico das


bombas;

• Instalações elevatórias;

• Exemplo de dimensionamento

2
Máquinas Hidráulicas

Promovem as trocas entre as energias


mecânicas e hidráulicas e se dividem em duas
grandes categorias, de acordo com o sentido da
troca de energia.
Classificação:

• Turbinas
• Bombas

3
Máquinas Hidráulicas

4
Máquinas Hidráulicas

Figura 1 - Esquema de máquina hidráulica (Roma, 2003).


5
Máquinas Hidráulicas

Evolução

6
Máquinas Hidráulicas

7
Descrição e condições
gerais de instalação
de Turbinas
Turbinas Hidráulicas

• As primeiras turbinas surgiram na forma de


toscas rodas d’água, utilizando somente a energia
cinética dos cursos d’água;
• Posteriormente, passou-se também a utilizar a
energia do peso d’água, dando início aos
aproveitamentos das quedas d’água em 1827;
• Melhoramentos substanciais foram realizados
nas rodas d’água, dando origem às turbinas
atualmente empregadas nas centrais
hidrelétricas.
Turbinas Hidráulicas
São constituídas, basicamente de:

1. Distribuidor: orienta a água até o rotor e


regula a vazão turbinada;

2. Rotor: peça dotada de um eixo sobre a qual


estão dispostas pás. Nestas, a água provoca
rotação, movimentando o eixo, gerando a
potência do gerador
Onde elas são aplicadas?

Em instalações como as hidroelétricas


Turbinas Hidráulicas
Nas Figuras abaixo são mostrados os rotores
das turbinas tipo Pelton, Francis e Kaplan.
Turbinas Hidráulicas
 Arranjo das instalações hidrelétricas:

Os principais componentes são:


• Barragem;
• Tomada d’água;
• Conduto forçado;
• Casa de força;
• Canal ou túnel de fuga
Os principais componentes são:
Turbinas Hidráulicas
 Potencial Hidráulico

• A avaliação do potencial hidráulico bruto de um


aproveitamento hidrelétrico é calculado pela
seguinte fórmula:
Turbinas Hidráulicas
 Potencial Hidráulico

• Na prática, verifica-se que a queda bruta (Hb) não é


aproveitada integralmente devido às perdas de carga
(h) existentes na condução da água até a turbina.
• Portanto, a queda efetivamente aproveitada, ou
queda útil (H) é a diferença entre a queda bruta e a
perda de carga:
Turbinas Hidráulicas
 Potencial Hidráulico

• Além da h que ocorrem até a turbina, tem-se que


se considerar também as perdas existentes dentro
desta (perdas por atrito, etc).
• Essa perda é expressa em termos de rendimento da
turbina ().
• Assim, a potência efetivamente transmitida ao
gerador é dada por:
Descrição e condições
gerais de instalação
de Bombas
Bombas

E. Mecânica E. Hidráulica

• Transporte de um fluído de uma posição de menor


potencial para outra de maior potencial.

• Exemplos: Estações elevatórias

19
Bombas Hidráulicas
 Classificação
• Quanto ao processo de transformação de energia no
interior;
• Quanto à trajetória da água no rotor;
• Quanto à estrutura do rotor;
• Quanto ao número de rotores;
• Quanto ao número de entradas;
• Quanto à admissão do líquido;
• Quanto à posição de saída;
• Quanto à velocidade de rotação;
• Quanto à posição na captação;
• Quanto à posição do eixo
20
Bombas Hidráulicas
 Quanto ao processo de transformação de
energia no interior:

• Bombas volumétricas
• Turbobombas
Mais utilizadas  dotadas de
uma parte móvel (rotor), que
se movimentam dentro da
carcaça.
21
Bombas Hidráulicas
 Quanto ao processo de transformação de
energia no interior:

• Bombas volumétricas

22
Bombas Hidráulicas
 Quanto ao processo de transformação de
energia no interior:

• Turbobombas

23
Bombas Hidráulicas
 Quanto à trajetória da água no rotor:

• Radiais ou centrífugas  trajetória normal ao


eixo
• Axiais  segundo o eixo
• Mistas

24
Bombas Hidráulicas
 Quanto ao Nº de rotores sobre o mesmo
eixo:

•Simples estágio
•Múltiplos estágios

25
Bombas Hidráulicas
 Quanto à estrutura do rotor:

Rotores fechado, Semi-aberto ou Aberto

26
Instalações
Elevatórias Típica

27
Válvula de registro
retenção
Motor de
acionamento
Bomba

Válvula de Redução
pé com excêntrica
crivo 28
Quando o eixo da bomba está acima do nível da
água do poço de sucção  sucção positiva. Caso
contrário, sucção negativa ou afogada.
29
Parâmetros Hidráulicos de
uma Instalação de Recalque

30
Parâmetros Hidráulicos de uma
Instalação de Recalque

• Altura manométrica
• Potência e rendimento

31
Parâmetros Hidráulicos de uma
Instalação de Recalque

Altura manométrica  energia de saída


da bomba menos a energia de entrada

Aplicando Bernoulli entre 2 pontos que


contém uma bomba  E1 + Hm = E2

32
Parâmetros Hidráulicos de uma
Instalação de Recalque

Hs  altura manométrica de sucção


Hr  altura manométrica de recalque
hs  altura geométrica de sucção
hs  altura geométrica de recalque
∆Hs  perda de carga na sucção
∆Hr  perda de carga no recalque
33
Hm=Z2-Z1+∆H

Hm=Hg+∆H

Altura geométrica
Hm=Hs+Hr
Hg=hs+hr
∆H=∆Hs+∆Hr

Hs=hs+∆Hs
Hr=hr+∆Hr 34
Potência e rendimento do
conjunto elevatório

35
Potência hidráulica (W)  trabalho
realizado sobre o líquido ao passar
pela bomba em 1 segundo PH = γQHm
γ = 9810 N/m3

Potência hidráulica (cv) PH = γQHm/75


γ = 1000 kgf/m3

36
Energia

Motor = ηM
η =ηM ηB

Bomba = ηB
Energia

Motor
ηB varia bastante, estando normalmente entre 30% e
90%
Perdas na bomba  asperezas da superfície interna,
recirculação do líquido no seu interior, vazamentos
em junções, atrito entre suas partes, energia
dissipada no atrito entre o fluido e a bomba
37
Potência do conjunto elevatório (cv)

γQHm γQHm
P P
75ηMηB 75η
γ = 1000 kgf/m3
Potência do conjunto elevatório (W)

γQHm γQHm
P P
ηMηB η
γ = 9810 N/m3
38
Determinação da tubulação de recalque 
realizada segundo um critério econômico,
considerando não somente a tubulação, mas
todo o conjunto elevatório

Diâmetro mais
conveniente  menor
custo total das instalações
 diâmetro econômico

39
Funcionamento contínuo (24 horas/dia)

Dr  K Q Fórmula de Bresse

K varia entre 0,6 e 1,6  normalmente adota-se K =


1,2  É comum adotar o diâmetro comercial mais
próximo

Funcionamento descontínuo Dr  0,586X Q


1/4

X  No de horas de funcionamento por dia

Quanto ao diâmetro de sucção, é comum adotar o


diâmetro comercial imediatamente superior ao de
recalque 40
Curvas características das
bombas

41
Geradas com diversas informações
obtidas a partir de ensaios

Q x Potência
Qxη
Q x Hm

42
P
N

QxP
Pmín  max

Qxη

43
Bomba KSB
Meganorm
Q x Hm x D
100-200 curvas de
iso-rendimento

Diagrama em
colina QxPxD

Em forma de tabela 44
Bombas em paralelo e
bombas em série

45
Quando não é possível suprir as
exigências somente com 1 bomba 
associação em série ou em paralelo.

Razões técnicas: desnível elevado  rotor de


grande D e alta rotação  acelerações
centrífugas altas e dificuldades na
especificação de materiais.

Razões econômicas: custo de 2 bombas


menores é inferior ao de 1 bomba maior para
fazer o mesmo serviço.
46
Paralelo

47
Série

48
Série
Hm
Paralelo

Q
49
Cavitação

50
Cavitação  formação de cavas no
líquido devido ao abaixamento da
pressão até a pressão vapor.

Pressão ≤ Pressão de vapor

Parte do líquido se vaporiza

Pressão interna > Pressão Pressão interna < Pressão


externa externa

Bolha cresce  pode obstruir Bolha pode colapsar

51
52
Exemplo de
Dimensionamento

53
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
Dados:
1- Cota do nível da água na captação = 96m
2- Cota do nível da água no reservatório= 134m
3- Altitude da casa de bombas = 500m
4- Cota no eixo da bomba = 100m
5- Comprimento da tubulação de sucção = 10m
6- Comprimento da tubulação de recalque = 300m
7- Vazão a ser bombeada = 35m3/h
8- Material da Tubulação = PVC
9- Acessório:
- Sucção: 1 Válvula de pé com crivo, 1 Redução e 1 Curva 90º
- Recalque: 1 Ampliação, 1 Válvula de retenção, 1 Registro de
gaveta e 3 Curvas 90º

54
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque

55
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
- Passos:

1º - Diâmetro de Recalque
2º - Hf no recalque
3º - Altura manométrica de recalque
4º - Diâmetro da sucção
5º - Hf na Sucção
6º - Altura manométrica de sucção
7º - Altura manométrica total
8º - Escolha da bomba
56
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
1º - Diâmetro de Recalque:

57
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
2º - Hf no Recalque:

- Calcular hf com Hazen-Williams

58
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
3º - Altura manométrica de recalque:

HmR = HgR + HfR

4º - Diâmetro da sucção:

Diâmetro da sucção ≥ Diâmetro do recalque

59
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
5º - Hf na Sucção:

- Utilizar Hazen-Williams

60
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
6º - Altura manométrica de sucção:

HmS = HgS + HfS

7º - Altura manométrica total:

HmT = HmS + HmR

61
Projeto de Dimensionamento
de um sistema de recalque
8º - Escolha da bomba:

Dados: HmT = 42,60 mca e Q = 35 m3/h

Bomba escolhida:

KSB ETA 50-33/3, φ=220mm, η=69%, Pot = 10 cv

62
Obrigado!

63