Você está na página 1de 33

Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág.

Jornal Nacional da Umbanda São Paulo, 25 de Junho de 2011. Edição 15 e-mail: contato@jornaldeumbanda.com.br

Não deixem de ver em nosso site:


Jornal Nacional da Umbanda Edição nº 15 www.jornalnacionaldaumbanda.com.br
Os menus TEXTOS ESPECIAIS e
BALUARTES DA UMBANDA, com
Índice de Matérias
textos e imagens. E agora também o
menu Downloads, para baixarem
EDITORIAL
arquivos diversos, além do novo menu
Umbanda de Garagem (Alan Levasseur) pág. 02
MATÉRIAS PUBLICADAS, onde
DOUTRINA
poderão baixar todas as matérias já
Um texto na parede (Nelson Junior) pág. 04
publicadas.
O banquinho do Preto Velho (Carlo Saad Florenzano) pág. 04
Ogan e Zelador da casa (Pai Edson de Oxossi) pág. 05
A vida de um Peregrino Preto Velho (Mauro Cavichiollo) pág. 06 LIVRO DO MÊS:
O perdão, os erros, a culpa e a liberdade (Vânia Rodrigues
Silva) pág. 09.
Do direito de ser religioso (Pablo Araujo) pág. 10
Féducação - Porque educar é um ato de amor (Juliana de Paula)
pág. 11
PSICOGRÁFIAS
Súplica do Exu Tiriri (A. J. CASTRO) pág. 13.
Maria Padilha Rainha do Cabaré (ANA LUCIA SANTANA) pág. 14
BALUARTES DA UMBANDA
Pai Tomé de Angola (Enéas Cardoso) pág. 15
OFERENDAS, MAGIAS E TRABALHOS DE UMBANDA.
Um pouco sobre o uso das ervas (Internet) pág.17
AGENDA DE EVENTOS UMBANDISTAS
Intolerância Religiosa (Edenir Santos) pág. 20
CID – Reconhece influencia de espíritos (Nenl Capc) pág. 20
CADERNO DO LEITOR
Coincidência ou não? (Adroaldo E. R. Santos) pág. 22
Umbanda - Semente de vida e amor no Universo (Arley R. Lobo)
pág. 24.
LAZER E CULTURA
Cantos e toques de Umbanda (Severino Sena) pág. 28
ÚLTIMA PÁGINA
Do carbono ao Cilicio (Andrei Vinicov Kallazans) pág. 31

COLÉGIO DE UMBANDA SAGRADA PAI BENEDITO DE ARUANDA.


Rua Serra de Bocaina, 427 - Belenzinho – SP/Capital.
CURSO DE DOUTRINA TEOLOGIA E SACERDÓCIO UMBANDISTA.
O Colégio de Umbanda, atendendo a vários pedidos de pessoas que não têm como fazer o curso a
noite, decidiu abrir excepcionalmente, um curso de Doutrina, Teologia e Sacerdócio de Umbanda às
quartas-feiras na parte da manhã, no horário das 10h00 às 12h00.
O curso é voltado somente para médiuns incorporantes.
Duração: 18 meses. Mensalidade: R$ 40,00.
Faça sua reserva através do telefone (11) 4221-4288 ou pelo e-mail:
contato@colegiodeumbanda.com.br
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 2

EDITORIAL
Data prevista para inicio: 06 de Julho de 2011

UMBANDA DE GARAGEM
Não faltam adjetivos para comentar sobre a Umbanda. Referências, histórias, curas e graças
alcançadas estão na lista de comentários sobre a Umbanda. No entanto, com seus 100 de fundação ainda há
quem diga que ela é uma religião milenar, negando sua anunciação, sua fundação. O fato é que a Umbanda
começou em uma residência, em um espaço pequeno e particular. Mas atendendo desde seu inicio grande
numero de pessoas, e quando teve um salão próprio para atendimento e trabalhos espirituais, continuou a
fazer o atendimento.
Neste século que se passou, a Umbanda saiu de uma sala, foi para um salão, esteve presente em
garagens, porões, grandes galpões e agora parece seguir rumo ás garagens novamente. É incrível a
notoriedade que a Umbanda teve entre as décadas de 30, 40, 50 e 60.
Teve uma explosão em nível de expansão nestas décadas. Praticadas por muitas pessoas, e
procurada pelas mais diversas classes sociais para resolver os mais variados tipos de problemas e situações.
Em meio a este crescimento, infelizmente abriu-se as portas para os oportunistas que nesta época
encontraram um meio de sobreviver e de viver bem, os chamados charlatões.
Pessoas que usavam do nome “Umbanda” para ganhar dinheiro através de trabalhos, mandinga e
falsas promessas. Foi nesta época que a Umbanda começou a ter em seu meio, pessoas que não eram
religiosas e distorceram e muito sua imagem, sua essência. Atribuindo a ela os tabus que hoje ainda
encontramos em algumas casas. A imagem dela sofreu modificações significativas nestas décadas em
função destes aproveitadores.
Hoje temos uma religião fundamentada, linda, magnifica, mas que depois de um crescimento enorme
nestas décadas, esta sendo sufocada. Com o avanço da tecnologia, e a facilidade que temos em mostrar
nossos trabalhos, nossa religião, tudo deveria ser mais fácil, e não é o que acontece.
A verdade é que com o avanço da tecnologia e as facilidades que a internet nos trás no dia a dia, esta
sendo possível divulgar mais a Umbanda, porém em contra partida, ao passo que sua divulgação avança, os
oportunistas aparecem em maior numero que antes. A facilidade esta para ambos. Lutar para ver a religião
ter seu devido respeito e reconhecimento é um trabalho difícil, mas que com tenacidade e persistência é
possível. Acontece que atualmente estamos encontrando barreiras não na mídia, não no dia a dia, e sim
“dentro” de nossas casas, terreiros e tendas. O umbandista tem sua voz sufocada na sociedade porque ele
mesmo (em termos gerais) cria a imagem de que, se algo for feito contra ele aqui em vida, em vida mesmo
será retribuído, e que seu “poder” o livra de quase tudo e todos. Aviso: “Não mexa com um Umbandista” –
Esta é a imagem que alguns dos frequentadores de nossa religião passam para as pessoas.
“Irmão”? Onde? Cadê? Mostra um “irmão” de fé que eu quero ver! É difícil, mais tem.
Uma religião tão linda como a Umbanda, com bases sólidas, muito bem fundamentadas, vem sendo vitima de
seus frequentadores. Acredite se quiser, mas para muitas pessoas fora da religião e mesmo para muitos
frequentadores dela, a Umbanda é somente o ato de “incorporar” o guia e pronto!
Não conhecem os fundamentos e bases da Umbanda. Não sabem que a Umbanda esta além da
incorporação, não conhecem os chamados “porquês” da Umbanda. Incorporar para dar o passe é o ato e
sublime da religião – assim muitos pensam, tanto fora como dentro da religião - não conhecem a grandeza da
Umbanda. Em função de fiscalização, leis protetoras de reservas ecológicas, poluição sonora (não bastando
o lixo temos a poluição sonora também), e mais algumas novidades criadas pelas câmaras municipais e
estaduais juntamente com leis federais, temos encontrado cada vez mais dificuldades para praticar nossos
atos religiosos. Hora é problema com oferendas na natureza, hora são com o som dos atabaques, com
multidões para atendimentos, dificuldade para locação de imóvel para terreiros e tendas, licenças para
funcionamento... A lista só aumenta, não para. A cada ano que passa um novo item entra na lista para
dificultar sua pratica, que deveria ser livre.
Ai para ajudar essa turma da fiscalização e das dificuldades impostas no dia a dia tem os
“frequentadores”. Sim, verdadeiros gladiadores. Pessoas que deveriam divulgar, propagar e aumentar a
religião, ficam arrumando picuinhas com os chamados irmãos de terreiro. Preocupados com destaques, com
pessoas que estão fazendo o que elas não fazem, com o porquê daquele irmão novo estar conseguindo
destaque e conquistas e ele com anos dentro da religião não sai daquilo.
Já vi muitas matérias sobre ética na religião, moralidade, caridade e doutrina. E confesso, são textos
primorosos, muito bons mesmo. Mas em atos, quase nada se faz. Amo minha religião, e tenho uma
curiosidade enorme quanto ao que ela tem a revelar para os próximos anos. Porque a Umbanda é muito mais
que o ato da incorporação. Mas ao ver com atenção o que vem acontecendo, percebo que aquela frase: “do
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 3

pó viemos e para o pó voltaremos...” é aplicada em quase tudo nesta vida. A Umbanda começou em uma
residência, ganhou salão, galpão e agora corre o serio risco de voltar para a garagem. Os praticantes da
Umbanda, em sua maioria, são a favor de seu crescimento, divulgação e propagação, mas os que de fato o
fazem, são muito poucos.
Comparam outras crenças e religiões, o crescimento e o poder de outras religiões, as conquistas, mas
quando perguntados o que fazem para aumentar sua religião, para divulgar a religião, eles respondem: dou
passe, faço caridade!
Hipócrita! Pra não usar de nomes chulos. Este é um dos muitos que frequentam a Umbanda que não
conhecem sua religião, que não sabe seus fundamentos, não conhece suas bases, e que além de dar este
tipo de resposta medíocre, ainda contribuem de forma significativa para deturpar a imagem e sufocar a
religião.
Não é fazendo passeatas, dando consultas em praças publicas e nem anunciando terreiros em jornais
e revistas que vamos ganhar força e notoriedade. É necessário antes de tudo a conscientização do
umbandista e o comprometimento dele com a religião. Em seguida, precisamos que seja mantida seriedade e
respeito ENTRE os umbandistas, para sim depois, com o resultado de um trabalho serio, ganharmos a
notoriedade e respeito.
É tudo muito lindo, falar de ética, falar de doutrina, do que precisamos e queremos, porém seria mais
bonito, FAZERMOS. Lembrando que ao criticar, comparar ou calcular o poder e força que outras vertentes
religiosas alcançaram com o passar dos anos, é preciso ver em contrapartida o que fazemos de semelhante
pela nossa!
Temos grandes lideranças religiosas, um número grande de divulgadores, e apoio em todas as camadas da
sociedade, não usamos isso a nosso favor tão bem quanto os charlatões usam.
Testemunho é um meio de divulgar a religião. Dentro de uma igreja evangélica, é um meio de fazer
com que o culto daquele dia tenha um significado maior para as pessoas que se identificam com o problema
daquela pessoa, trazendo-a para o seio da religião, trazendo para aquela pessoa uma identificação, um
conforto para o problema dela, tendo em vista que o do testemunho teve solução, tão logo o dela também
terá.
Na Umbanda, não temos e nem precisamos do testemunho. Em contrapartida temos os milagreiros.
Aqueles em que os guias só não ressuscitam mortos porque o trabalho espiritual tinha sido encerrado, se
tivesse mais uns minutinhos de trabalho e isso seria possível. Acredite. Este milagreiro tem aos baldes. Mas o
mais incrível, é que quando ele comenta seus “milagres” em alto e bom som, ele na maioria das vezes
termina dizendo algo do tipo: -“preciso tomar um passe com aquele caboclo ali, dizem que ele é muito bom, e
tenho umas coisas para resolver...”.
Interessante, momentos atrás ele fazia até milagres, mas para ele, o remédio não funciona!
É este tipo de “testemunho” que temos aos montes em casas e terreiros umbandistas, e ao contrario
do que citei acima sobre a religião evangélica, este “testemunho” afasta pessoas, coloca em duvida a nossa
pratica religiosa.
Por que não fazermos igual, de forma diferente?
“- Certa vez um consulente com um problema dessa natureza foi ajudado por um dos guias que
recebo, quem sabe não seria com você a mesma coisa, talvez não pela minha entidade, mas pela de outro
irmão, eles ajudam.”
Isto seria mais humilde e correto.
Desta forma e com outras atitudes diferentes das adotadas por muitos irmãos e frequentadores de
Umbanda, conseguiremos futuramente três coisas muito importantes para nós:
1- Respeito entre os frequentadores e por quem é de fora.
2- Reconhecimento como religião e não culto religioso (apesar de que extra oficialmente isto esta
acontecendo)
3- Não teremos de voltar para porões, e garagens! (esta é a mais importante)

Assim, fica a garagem sendo usada pelo carro, e não para o culto religioso.

Por: Alan Levasseur


E-mail: alan@hakanaa.com
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 4

DOUTRINA
impaciência; falar do outro, contra o outro e
UM TEXTO NA PAREDE colocar palavras na boca de outro, nada mais
é do eu colocar pesos sobre seus próprios
ombros, pois se nosso semelhante não vê
Quando cheguei ao colégio de
nossa falta, Deus a Observa, e também
Umbanda e comecei meus estudos com nosso
nossos Divinos Pais Orixás!
Mestre Rubens Saraceni, notei um quadro na
Chame seu irmão de lado e corrija-o,
parede, escrito “Dogma”, ao lado de outro
sempre que necessário for, mas não o
escrito “As Peneiras de Hiran”, e quando li o
condene; quem julga pede julgamento e quem
dogma senti uma sensação incrível de que ali
aponta supostos pecados, pede que os seus
estava realmente um local diferenciado, pois
lhe sejam apontados, pois a Balança da justiça
nele se condensava e sintetizava tudo, não só
pede equilíbrio, e não punição. Porque quem
o que deveria ser aplicado na Magia, mas tudo
se farta com as punições são os homens que
que deveria ser aplicado na vida e em todas
reconhecem no cálice amargo da vingança o
as áreas, pois o Mestre Seyman Hamisser Yê,
sabor que não é o da Justiça.
um Ogum Megê sete Espadas, manifestou-se
Como pode você, que aponta as falhas
através da mediunidade iluminada do Pai
de seu irmão, olhá-lo nos olhos sem mentir o
Rubens e colocou em linhas escritas todos os
que esta a pensar e sem omitir o que esteve a
melhores sentimentos e as mais nobres
fazer?
atitudes que deveriam ser vividas entre os
Com certeza este texto não esta na
Magos e os Umbandistas:
parede à toa. E, como não esta ali à toa, deve
"Nenhum irmão de egrégora tem o
ser levado em consideração. E quem quiser ler
direito de levantar suspeita, calúnia, vilipêndio
ele por inteiro, acesse o site
contra outro irmão de egrégora, porque se
www.colegiodemagia.com.br. Lá esta na
assim fizer que seja expulso e que o nome
integra o grandioso documento psicografado
dele seja colocado na mandala punitiva,
de nosso amado Pai Ogum Megê sete
porque o que destrói muitos dos grandes
Espadas, pelo Pai Rubens Saraceni, o Mago
esforços humanos empreendidos em todos os
Mestre Iniciador do Sagrado Arco Iris Divino.
cantos deste mundo bendito é a calúnia, o
Mais do que um texto na parede, que o
vilipêndio, a língua ferina daquele que não tem
Dogma seja um documento de vida, porque
coragem de dizer na frente de suas vitimas o
quem atenta contra qualquer principio Divino,
que pensa ou o que o seu interior sombrio
com o tempo aprenderá pelo amor ou pela dor
gera no seu íntimo. Então diz por trás, diz às
o que esteve fazendo, e o que esteve
costas. Se tem algo a dizer, diga na frente, e
quebrando em ética lhe reverterá em carma,
se não tem o que dizer, cale-se.”
pois desrespeitar um Orixá é quebrar a Lei e
O texto continua de forma incrivelmente
embora existam ocasiões em que o lado
incisiva, mas o que todo o texto quer
humano fale demais pela nossa língua, que
demonstrar é, sem dúvida, que quando a
pelo menos entre nós, que temos objetivos em
língua não constrói que não destrua; quando a
comum na senda do bem, este possa se firmar
língua não trás harmonia, que não
como lema.
desarmonize; quando a língua não traz Enviado por: Nelson Junior
solução, que não traga problemas; quando a E-mail: nelsonguitarjunior@hotmail.com
língua não trás paciência, que não traga a

O BANQUINHO DO PRETO VELHO.


Temos como fundamento nas giras de Umbanda um "trono" material de suma importância e
significado. O banquinho de preto velho é a mais bela hierarquia que nos estimula pensar.
Seu trono com três pés nos apresenta a trindade que devemos cultuar com respeito, fé,
devoção. O significado do seu poder nos atinge a cada gira, a cada momento.
A permanência sólida de valores íntimos e conscienciais, a estabilidade e força, a casa íntima
divina sendo construída dentro de cada médium ao incorporar os sábios e serenos pretos velhos.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 5

Construir nossa liberdade, nossa fé, descarregar o desapego, nos limpar a cada dia de
nossas atitudes e emoções nocivas. O banquinho nos traz a cada gira a razão consciente de que
esse trono não permite nossos disfarces e máscaras, soberba, e orgulho religioso pela falta de
competência de realizarmos um trabalho interno santificado. Se ainda assim mantiverem esses
sentidos mesquinhos serão julgados pelo próprio azar de ser quem são.
O banquinho tem que ser construído pelas vossas conquistas íntimas, que por vezes são
penosas, doloridas, mas catárticas o quanto antes para que esse trono reluza nossa consciência
espiritual divina.
O estado permanente do ser indica o começo dessa purificação e sua estabilidade vem com a
vivência e sabedoria refletida por esse "trono" no momento que sentamos nele incorporados com a
luz sapiente e serena nos conduzindo a todo instante aos jardins de alecrim e rosas.
Aqueles que são dignos, verdadeiros, trabalhadores, brilhantes em seus íntimos serão
acolhidos e assim esse "trono" material se transformará na mais bela construção divina com estacas
sólidas e fincadas nos sentidos mais verdadeiros e puros. Infelizmente teremos algum tempo para
conquistá-los.
Que façam vossa parte hoje, não encarem as verdades como reveses, orgulhosos e
mascarados, deixem entrar, se entender, se resolvam ou não serão dignos de nada, onde no nada,
nada existe, pois a sombra reflete também nossa falta de evolução e mesquinhez. Amados filhos
sejam as lágrimas de Olorum, pois elas lavarão e semearão a terra fria e sombria que se encontra
no íntimo de quase todos os seres encarnados.

PAI JOÃO DA CARIDADE, pelo médium e sacerdote de Umbanda CARLO SAAD FLORENZANO.
E-mail: temploluzcristalina@hotmail

OGAN E ZELADOR DA CASA


Hoje em dia infelizmente dentro de nossa religião existem muitas pessoas que
em vez de somar querem subtrair.
É isso mesmo o que você entendeu: nossa religião só não tem mais espaço pela
mediocridade de muitos que vivem em nosso meio. Seria tudo muito mais fácil e melhor se cada um
enxergasse seu irmão de fé como um irmão de verdade.
Existem, pessoas que nos fazem uma visita com outros fins e não com o de participar da festa
e ser mais um entre nós procurando a paz e a confraternização entre todos, tentando somar suas
energias com as nossas e derrama-las sobre todos os presentes para que estes possam pelo menos
tentar solucionar seus mais profundos problemas e saírem da casa com pensamentos positivos, com
vontade de viver, cheios de esperanças e alegrias.
Além disso, também sofremos muito com inveja e intrigas entre os médiuns dentro da própria
casa. Portanto, não falamos a mesma língua em diversas nações e uns acreditam que são melhores
outros, que têm mais poderes e que sabem mais. Enfim, tudo não passa de uma grande besteira do
ser humano na matéria, pois, espiritualmente falando, não existe este ou aquele que faz mais ou
menos. Existem os mais conscientes dentro dos preceitos e suas obrigações e aí esta a grande
diferença de um templo de verdade e um templo desequilibrado.
Desculpe o desabafo, mas é a realidade que vivemos e o que eu quero dizer com tudo isso?
Vejamos: - É exatamente ali em pé, atrás do couro que se observa tudo isso e vem a ser de onde
temos uma visão de quem entra, de quem sai, de quem trabalha, quem só conversa, de pessoas
que estão ali somente por estar ou aqueles que realmente vêm em busca de ajuda espiritual.
Esta vem a ser uma função extremamente importante do Ogã na casa: ser um observador, ter
um olho clínico e saber exatamente o que esta se passando no decorrer da gira e desta forma
quando notar algo de estranho e diferente, algo que não faz parte do ritual ou do cotidiano da casa,
levar ao conhecimento do seu Zelador ou da Entidade que estiver em terra. Aí você me pergunta: -
mas a entidade não deveria saber? Eu lhe respondo não.
Digamos que a mesma esta dando um passe ou esta em outra sala ou na Tronqueira
conversando com alguém e a gira no salão esta tendo seu procedimento normal, mas, de repente,
algo incomum aconteça. Imagina você ter que avisar o cambone para o mesmo se dirigir ate a
Entidade e só assim saber o que esta se passando.
Seria meio complicado, não acha? Imagina que na hora você não encontrasse o cambone ou
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 6

o mesmo também estaria ocupado, os demais médiuns incorporados atendendo seus consulentes,
então teria que ir até a Tronqueira você mesmo. Teria que parar o couro e, dependendo do que
estivesse acontecendo, seria uma catástrofe você parar. Então como resolveria isso de uma forma
simples, tranquila e de imediato?
O Ogan tem que ter um entendimento com o Zelador e as Entidades do mesmo da seguinte
forma: - Primeiro, tem que haver muito sigilo e atenção no que se faz e quando fizer sempre na
certeza que realmente é por uma razão e um motivo justo, e de que forma isso seria feito?
Simples! Entre ambos se combinaria uma cantiga que somente os dois estivessem na mesma
sintonia e, quando cantada, seria o sinal de que algo diferente das normas da casa estaria
acontecendo. E imediatamente a Entidade em terra ou seu Zelador estaria presente no ato que
você tirasse a cantiga combinada e com certeza resolveria o problema surgido.
É simples, não?
E assim existem muitas outras combinações que podem ser feitas e com certeza terá maior
segurança em seus trabalhos.
Se você não sabe, depois que o Babalorixá dá sua incorporação, o responsável pelo bom
andamento dos trabalhos em geral é o Ogã da casa.
Por estas e outras razões é que eu digo que ser um Ogã não é simplesmente saber bater e cantar
pontos e ter conhecimento fundamento e malicias dentro da casa:- Ogã que vacila nos trabalhos põe
tudo a perder em questão de segundos!
Associação Cacique Cobra Coral
Avenida Sorocabana 6462 - Mongaguá – Jardim Praia Grande. S. P.
Fone - 11-9388-3134 / 13 – 3448-2837 / 13 – 9755-4202 / 13 – 8123-1213 /13-9200-1213
http://accobracoral.blogspot.com/ Pai Edson de Oxossi.

A VIDA DE UM PEREGRINO PRETO VELHO


trabalhos de elevação, a espiritualidade se faz
Tomei a liberdade de transcrever de sempre presente e nos brinda com linimentos
acordo com minha ótica, mais um dia de nossas sutis das mais belas energias de paz e amor e
vidas na Umbanda Sagrada Universal. nos fazem entender e compreender que é muito
Era uma noite fria de outono em Curitiba, necessário estar sempre se atualizando,
quinta feira dia 26 de maio de 2011, dedicado estudando e vivendo em comunhão de
aos estudos e lições da Umbanda nas pensamentos e ações afins.
dependências da Associação Espiritualista, Quando o professor da noite encerrou
Cultural e Filantrópica São Francisco de Assis. sua aula todos entoaram uma prece, escrita por
Osneri, sacerdote e palestrante da noite um Pai Velho, em sinal de respeito e
iniciou sua palestra sobre a corrente astral dos agradecimento. E enquanto as palavras
Pretos Velhos e discorreu sobre a simplicidade, adentravam nos corações dos presentes, Osneri
humildade e verdadeira caridade destes sutilmente se amoldava nas energias de um
abnegados irmãos da espiritualidade que Preto Velho.
passaram por diversas privações e sofrimentos, Seu corpo suavemente se curvava, suas
mas que, sobretudo, encontraram no verdadeiro mãos ficavam trêmulas e pequenos sussurros
amor os linimentos para curarem suas feridas e saiam de sua boca, algo do tipo: Salve Meu Pai,
prosseguirem semeando verdades de perdão Salve as bênçãos de Aruanda... Não tardou e
incondicional. logo todos puderam perceber um Pai Preto na
Todos os presentes escutavam as lições casa a distribuir bênçãos e a pedir a Deus Pai
e sorviam em seu ser as mais belas palavras de proteção a todos os presentes.
sabedoria contida nos diversos escritos dos Ninguém mais sentia frio ou qualquer
livros da Umbanda, tão bem resumidos pelo outro sentimento desencontrado. Era um só
palestrante. Trocavam ideias, visualizavam um sentimento de união e amor tocando a todos.
mundo mais harmônico e recebiam constantes Nestes momentos de pura magia, cânticos
fluxos de energia sutil, repleta de paz e muita saíram da boca dos presentes, falando do fim
ternura o que deixava o ambiente cada vez mais do cativeiro, de Aruanda, de Preto sentado no
consagrado. toco fumando seu cachimbo. Ao todo foram três
Os que conhecem um pouco dos grandes músicas desta portentosa raça cantada por
feitos do Pai Maior, sabem perfeitamente que todos e mais calor emanado no recinto. Ao fim
nos momentos dedicados aos estudos e das canções, Preto Velho sentou no toco,
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 7

acendeu um cigarro de palha e começou a sobreviver e voltar para a cela, onde as feridas
aspergir uma fumaça branca no recinto, eram tratadas com banha e sal e tão logo
limpando ainda mais a tudo e todos, pegou uma aqueles que conseguiam se salvar eram
cabaça e colocou um pouco de cerveja preta, tratados, voltavam para a arena para continuar
sorveu um gole e baixou sua cabeça. a sua saga. Na terceira vez, este nego não
Todos estavam ansiosos para ver e resistiu e veio a morrer e servir de alimento para
escutar palavras daquele Preto Velho e ele, com os Leões.
muita paciência e de uma calma indescritível, Cada palavra que o Pai Preto sussurrava,
começou a falar para todos os presentes: todos os presentes tinham a nítida impressão de
- Nego veio tá muito contente por estar um filme passar em suas mentes, também era
com vocês, este nego num sabe falar bonito, possível visualizar que o narrador lentamente
mas ama muito cada um que aqui está e quer enxugava seus olhos marejados com seu
contar sua história de vida em carne e espírito. semblante transparecendo muito pesar.
Todos que já se encontravam - Nego nesta fase ainda não compreendia
maravilhados com tudo o que havia acontecido, muito bem a questão do desencarne, mas
ficaram extasiados ao escutar estas primeiras quando o corpo morria, não sentia dor, sentia
palavras de um ser muito humilde e que uma leveza, como uma suave brisa a tocar e a
inspirava só com sua presença uma espécie de acariciar a face. Hoje sei que Deus, Zambi
mágica sabedoria e amor incondicional. E “ele” estava sempre cuidando de mim!
continuou: - Voltei a reencarnar na África e digo para
- Este nego veio está aqui para contar um vocês meus filhos que ainda era difícil viver na
pouco de sua história, para que me conheçam amada terra, pois havia tribos distintas e estas
um pouco mais e para que os laços que nos estavam sempre em guerra, umas com as
unem fiquem ainda mais fortes. outras, brigando por terras, comidas e
- Nego já teve muitas vidas na carne, supremacia. Lembro que este negro um dia
assim como todos vocês! Estamos sempre em entrou em luta com outra tribo para proteger e
caminho de algo muito maior chamado evolução foi por ela aprisionado. Fui feito escravo. Por ser
e saibam que isso se dá no interior de cada um forte e já conhecer um pouco de ervas que
pela soma das boas coisas adquiridas. Só curam, fatos adquiridos por viver em profunda
evoluímos quando começamos a compreender sintonia com a natureza e dela retirar o
a imensidão de Zambi. sustento, fui trocado por meros adornos que os
- Todos os seres vivos deste planeta senhores brancos traziam. Não pensem que os
pertencem ao grande continente africano da brancos é que caçavam os Negros. Não, os
vida. Este continente foi o primeiro a tomar próprios negros de outras tribos é que faziam
forma e saibam que a primeira raça humana isso para trocar por espelhos, joias sem valor,
tinha sua pele de cor escura, não era panos e outras porcarias que chamavam a
branquinha como a de vocês. atenção. Os brancos chegavam de navio cheio
- Este negro, em uma de suas vidas se de coisas sem valor e saiam carregados de
encontrava como escravo no império de Roma. negros, negras e crianças negras para servirem
Esta fase era marcada pelo abuso de violência como escravos em suas fazendas. Meses se
e pela saga de poder dos homens. Lembro que passavam para atravessar o mar da África para
fui servir de comida de Leões, pois prevalecia o outros continentes e era muito sofrimento, muita
desejo de sangue dos homens brancos daquela dor. Muitos morriam de doenças causadas pelo
época. Neste tempo, era diferente do que vocês sofrimento das correntes, das chibatas, da
vêm nos filmes ou revistas, eram os negros podridão dos porões destes navios negreiros.
escravos que serviam de brinquedos para os Somente os fortes é que chegavam vivos para
jogos dos romanos na grande arena da morte. serem explorados como animais nas fazendas
Enquanto famintos Leões avançavam e comiam ou nas grandes obras de outrora.
escravos, brancos e ricos senhores davam suas Este Nego Véio soube novamente o que
gargalhadas e vibravam com o sangue que era a dor, mas algo fazia considerar isso tudo
jorrava dos órgãos dilacerados. Um tempo que como aprendizado para suportar as dores da
demonstrava muita crueldade e que muito vida e o nego viveu sob a chibata dos senhores
pouco já foi retratado nos dias de hoje. Este brancos. Como ainda possuía conhecimento de
negro que fala para vocês foi colocado nesta plantas e rezas tribais para curar os males dos
luta pela vida por três vezes. Em duas delas, negros do cativeiro, Zambi deixou este pobre
Nego Véio ficou bastante ferido, mas conseguiu
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 8

vivente viver por muitos anos, até ficar bem Quilombo dos Palmares. Muitos negros que
velho e morrer naturalmente. fugiram durante a tomada de posse do
Então veio a última encarnação, o negro fazendeiro vizinho, tiveram a oportunidade de
novamente se encontrava na África, nesta vida reaprender a viver em grupo, independente da
era o príncipe da aldeia, jovem alto e forte, origem de sua tribo primitiva. Mas voltando à
conhecedor de todas as plantas da região e dos narrativa:
cultos aos Orixás, este negro novamente se viu Quando o novo senhor das terras
numa guerra de tribos e foi feito escravo por conseguiu seu objetivo, fui levado ao tronco por
eles que mataram de forma violenta nossas ser um negro insurgente e líder de uma possível
crianças, os jovens franzinos, mulheres velhas e revolta, o que não era verdade, mas no
os homens mais fracos. Fui vendido para um pensamento maléfico do senhor branco, ele
senhor feitor de escravos, ele era o dono do acreditava que eu havia assumido a fazenda
navio e tinha grande fazenda na Bahia. Ao me matando o antigo dono e todos os seus
ver chefiando os demais escravos, curando as familiares.
feridas dos doentes e me portando como um No primeiro dia de chibatadas preso ao
líder resolveu que eu ficaria ao seu serviço e pelourinho da fazenda, senti minha carne rasgar
sobre o seu domínio. Nesta fazenda já existiam e o ardor de cada estralo, mas como tinha meus
outros escravos que trabalhavam dia e noite no princípios de príncipe, líder e de símbolo de
plantio e na lida com os animais e aos poucos, resignação, não dei um grito sequer. Revoltados
me unindo a eles e com os que comigo vieram, pela minha postura diante do castigo, os
fui ajudando todos a entenderem da melhor senhores da chibata, ao final do dia,
forma nossa fase de cativeiro e para poder mergulhavam meu corpo em sal. Já no raiar do
pregar o amor aos nossos orixás, tive que segundo dia, amarrado novamente ao tronco, as
igualar “eles” aos santos dos homens brancos. chibatas continuaram a estralar em minha carne
O senhor Joaquim, dono da estância sempre e da mesma forma fui banhado ao final do dia
me observava e se aproximou muito de minha em sal grosso. No terceiro dia, já exausto e
pessoa. Tinha um filho muito querido, que completamente desfigurado pela chibata, ergui
sempre que possível ficava ao meu lado meus olhos aos céus e Zambi me brindou com a
enquanto trabalhava. Este menino foi acometido morte do corpo carnal.
de uma doença muito grave e eu tratei de orar a Imediatamente, sem naquele momento
Zambi por ele, mas não conseguiu sobreviver saber, fui conduzido para uma nova morada,
na carne e em tenra idade veio falecer. Seu repleta de luz e de irmãos diversos e das mais
Joaquim que percebia minha amizade por ele e variadas matizes. Chamavam esta morada de
principalmente pelo seu filho, deixou de ser um Aruanda e cantavam felizes a minha chegada.
feitor e passou a ser um amigo. Ele ficou muito Passado algum tempo, quando recuperei
triste com a perda de seu sucessor e assim totalmente meus sentidos, fui agraciado por
como sua esposa, ficou doente e quando já Zambi por ter sido esta minha última
estava quase morto, em seu leito me chamou e encarnação e pelo novo ofício de Pai Preto
pediu para que eu assumisse o seu nome – Joaquim D’Angola, um professor voltado a
“Joaquim” e que toda a fazenda deveria ser ensinar o homem o que é resignação,
cuidada pela minha pessoa, pois não tinha para simplicidade, humildade e amor universal, além
quem deixar, e na falta de sucessor, ela voltaria de poder distribuir meus aprendizados aos que
para as mãos dos governantes de Portugal. desejam de coração aprender.
Quando de sua morte, passei a cuidar da Sabe aquele menininho, filho do senhor
fazenda e libertei todos os escravos que lá Joaquim, dono da fazenda e meu querido amigo
trabalhavam, dando um pedaço de terra para e irmão? Ele é a criança que sempre está ao
cada um e vivendo em perfeita harmonia por meu lado nos trabalhos.
alguns anos. Todavia, certo dia um fazendeiro Tão logo falou isso, a Pity recebeu as
vizinho veio saber, do que havia acontecido e vibrações da criança que sempre está presente
com armas em punho e muitos soldados tomou em nossa casa e imediatamente foi para o lado
posse das terras, matou alguns escravos e o do Pai Preto demonstrando todo o seu amor e
inferno voltou para meus irmãos. carinho e reluzindo ainda mais o amor de uma
Nesta hora pude observar que todos os criança.
presentes estavam vidrados na conversa do Pai É..., meus queridos amigos, foi uma noite
Preto e em minha mente passava um filme de muito aprendizado e que, infelizmente,
veloz que me dava à nítida noção do início do poucos puderam vivenciar. Mas se vocês se
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 9

desvincularem dos problemas da vida e bons frutos da espiritualidade que procura


imaginarem o que ontem tivemos a graça maior sempre nos orientar na caminhada da vida.
de presenciar, certamente conhecerão mais um Abraços!
grande obreiro do Pai Maior e poderão colher os Mauro Cavichiollo – 27/05/2011
E-mail: mcavichiollo@globo.com

O PERDÃO, OS ERROS, A CULPA E A LIBERDADE.


O Senhor Guardião, um Exu da Capa Preta já me mostrou certa vez que o perdão é uma
chave que abre todas as portas.
Como seria isso, se eu perdoo o outro que me machuca, que me trai, que assalta, que me
magoa, que me agride? Não seria o perdão a chave da prisão desse outro e não da minha?
Se assim for, sou eu a dona da liberdade daquele que erra para comigo e ele depende de mim para
libertar-se.
Pois examinando bem a minha consciência, percebo que o perdão que me dão pelos meus
erros não é condição suficiente para me libertar das culpas que carrego.
Exu, que chave é essa? De onde vem?
É uma chave quase mágica, de poderes ilimitados, diz ele. Então ele me faz ver ao longo de
minha vida, a força e o poder de cada perdão sincero que concedi.
O perdão me liberta das lembranças de todo mal que me foi feito, me limpa a alma. Retira de
mim todo ódio, todo rancor, todo desejo de vingança. Deixa-me leve como uma pluma que flutua.
Olha, filha, ele diz.

E eu olho as manchas que carrego em decorrência de meus atos que atentaram contra as leis
supremas. A cada perdão concedido elas vão se enfraquecendo e já não me consome tanto a culpa
que antes me açoitava o coração. Um peso vai sendo retirado das minhas costas a cada vez que
decido deixar as cobranças com aquele que tem poder e autorização para isso.

Agora veja criança, observa ele mais uma vez. E vai me mostrando a fila de cobradores que
atordoada vai fazendo meia volta e retornando. A lei suprema não permitiu que eles me cobrassem
daqueles erros que eu já fui capaz de perdoar. Respiro aliviada ao sentir que aquilo que me ligava a
eles já não existe mais, meus últimos sentimentos de rancor vão se evaporando e no lugar deles
sinto uma profunda compaixão até mesmo por estes que estavam a me cobrar e que um dia
prejudiquei. Mas, estranho, não sinto mais culpa. Ela se foi...

Olho para esse guardião da longa capa preta e ele me diz; filha estenda os braços agora.

Estendo os dois braços e vejo algemas aprisionando meus pulsos. Ele pega a chave do
perdão que me havia mostrado pouco antes e abre as algemas. Para sempre? Eu pergunto, já sem
conter as lágrimas. E ele responde; enquanto você tiver merecimento para carregar essa chave do
perdão que conquistou, não haverá algemas ou portas que possam lhe prender. Poderá transitar por
todos os lugares sem medo de que alguém venha a lhe cobrar por dívidas que hoje você é capaz de
perdoar. Entende agora, filha?

Entendi Senhor Guardião, naquele dia, que o perdão que eu penso que concedo ao outro é a
mim mesma que eu concedo. Perdoando o outro daquilo que me faz hoje eu perdoo a mim mesma
pelo que fui capaz de fazer aos meus irmãos em tempos remotos, dos quais não me lembro de
mais...
Possa eu carregar essa chave por longos dias.
E possa eu contar essa história a outras pessoas, para que possam refletir sobre a sabedoria
que encerram as palavras do Senhor Exu da Capa Preta.
Salve o Senhor e a sua banda!
Laroyê Exu!
Enviado por: Vânia Rodrigues Silva
E-mail: silvavr@uol,com.br
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 10

DO DIREITO DE SER RELIGIOSO


Temos toda razão quando dizemos que através de sua corte de Seres Divinos e os
religião é propriedade de Deus e se há algo que nomes desses seres pouco importam, mas toda
podemos afirmar é isso. Quanto à forma de tem sua classe de seres divinos ou ao menos
cultuar Deus, existem várias formas, todas um ser que traz em si a manifestação do Pai
envoltas de uma liturgia e pratica exclusiva de Criador e que na religião é sua porta voz.
determinada religião. Porem todos nós Estamos comentando isso para que
religiosos concordamos que religião é reflitam se em religião existe algo realmente
propriedade de Deus, ou seja, religião é um novo?
bem divino que nos foi legado por Ele, o Divino Caros irmãos comentem ao menos uma
Criador, sendo cada um de nós seus religião que foge desse parâmetro que acabei
beneficiários. de descrever. Em toda religião encontra-se algo
Colocamos dessa forma redundante que em comum, por exemplo; toda religião tem um
religião é propriedade de Deus, para iniciarmos ou vários representantes encarnados, seja ele
uma reflexão. um papa, pajé, pastor, rabino, pai no santo,
Sabemos que existem centenas ou profetas, etc, e que são pessoas respeitadas
milhares de religiões ativas ou já recolhidas e em seu meio religioso e tem a missão de
que todas são unânimes em propagar que fornecer conhecimento e fundamentação
aquela religião ou aquele templo é a casa de religiosa a respeito de seu culto.
Deus, onde Ele e sua corte Divina fazem Peço mais uma vez caros irmãos,
morada e manifestam-se em beneficio dos reflitam e perguntem se há alguma diferença
seres sob sua regência. Todas são unânimes em religião. Se não, vejamos mais outra coisa
em dizer que Deus manifesta-se através de em comum, toda religião tem sua Gênese ou
seus Arcontes Divinos ou Divindades, sejam forma de interpretação de como Deus criou o
elas, Santos Católicos (São Jorge, Santa mundo e os seres. Quando falamos em religião
Bárbara, Santo Expedito, Nossa Senhora vale ressaltar que o Judaísmo, o Cristianismo e
Aparecida, etc) ou Divindades Judaicas Cristãs o Islamismo são novos quando sabemos que a
ou Islâmicas na personificação de anjos e religião Egípcia, Grega ou Mesopotâmica,
arcanjos. No Budismo na pessoa de Buda que existe há mais tempo, sem falar nos cultos
no Budismo representa a busca através da milenares chineses e japoneses, culto esses
iluminação ou a santificação do espírito. Temos que se hoje representam festas folclóricas,
na vertente Evangélica, a manifestação de porem sabemos que são restos imortais de
Deus na divindade de Jesus Cristo e a religiões multi milenares como o culto aos
iluminação do espírito na presença do Espírito dragões, culto esse que já foi recolhido no astral
Santo que, se no Budismo é a busca pela e ainda ressonam na mente atual da
iluminação, no Cristianismo o Divino Espírito humanidade. É comum em toda religião a
Santo simboliza a busca pela santificação do idolatria a algo que represente o Criador e toda
ser. religião tem ao menos um símbolo a regê-la,
Na Umbanda e no Candomblé, Deus seja esse símbolo chamado de idolatria ou
também se manifesta através de suas adoração de imagens ou a simbololatria que é a
Divindades denominadas Orixás. E se no adoração a símbolos como altares com
Budismo existe a busca pela iluminação através estrelas, Cruz (esse encontrado em muitas
de Buda, no Cristianismo a busca da igrejas evangélicas), etc. Também temos a
santificação do espírito através de Cristo, na bibliolatria, que é o culto embasado em um livro
Umbanda e no Candomblé existe a busca da santo, que é algo adorado como a manifestação
naturalização do espírito através dos Orixás. do verbo divino ou palavra de Deus. Temos no
Na religião Ameríndia ou Indígena, Cristianismo a Bíblia, no Bramanismo o livro
também existe a manifestação de Deus, sagrado Mahabharata, no Hinduísmo o livro
nomeado nela por Tupã e sua Corte Divina sagrado Rig-Veda, no Islamismo o Alcorão, no
nomeada de espíritos ou Forças da natureza, Zoroastrismo o livro sagrado Zend Avesta, etc.
ou seja, (deus do trovão ou Anhanguera, deusa Sem falarmos no culto a lugares sagrados, tais
da chuva, das arvores, etc). como: Monte das Oliveiras (Cristianismo) Monte
A forma de culto pouco importa, porém Olimpo (Religião Grega), Montanha sagrada
todos são unânimes em dizer que a religião é onde Moises recebeu os mandamentos, as
um dos meios (Fé) por onde Deus manifesta-se Cachoeiras de Oxum, etc.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 11

Irmãos onde esta a diferença entre as religiões? fanatismo etc, imputando todos esses
A diferença se existe, esta somente na sentimentos viciados originados em nós a uma
forma de culto a Deus, e como em Deus tudo é criação mental humana denominada de
infinito, então infinita é sua criação e sua forma demônio, satanás, capeta, anjo caído etc,
de manifestar-se, ou não é verdade que temos repassando para essa criação mental todos os
varias raças, vários trocos linguísticos, tem a motivos de nossos desequilíbrios, buscando
fauna e a flora que são exuberantes e exemplos assim uma fuga para nossos erros.
de diversidade e equilíbrio, têm diversas Caros irmãos, em pleno século XXI, não
espécies de plantas, folhas, ervas, flores, devemos nos deixar envolver por essa malha
arvores, etc, todas com uma finalidade e todas rota de ignorância, pois nós mesmos somos
participantes no equilíbrio e manutenção do templos vivos de Deus e é através do nosso
planeta. No reino animal a diversidade de intimo, de nossas ações virtuosas que Ele
criaturas é infinita e exuberante, uma mais manifesta-se.
incrível que a outra e todas com uma função Vamos a outro exemplo:
especifica no equilíbrio da criação. Entre os Quando ajudamos alguém, essa pessoa
seres humanos existem infinitas culturas cada ajudada geralmente diz: “Nossa você é um anjo
uma com sua lógica e ordem para o equilíbrio e de Deus que apareceu em minha vida”! Vamos
a harmonia do seu povo. refletir no que essa expressão de gratidão quer
A palavra amor pode ser descrita de dizer-nos. Ora, a pessoa ajudada viu em você
várias maneiras, falada em diversas línguas, uma ação virtuosa e se Deus manifesta-se
porem seu sentido e sua essência permanece através de nossas ações virtuosas, então Deus
intocável, inviolável e eterno. manifestou-se através de você para ajudar
Deus pode ser cultuado de diversas formas em aquele seu semelhante e através de sua ação
todas as religiões, porém sua essência deve ele sentiu a bondade de Deus, e você que
permanecer intacta e o Amor, sendo uma das ajudou, em contra partida sentiu o conforto
sete virtudes divinas eternas e imutáveis, deve divino que uma ação positiva proporciona. É
se fazer presente em todas as religiões, claro, isso se você não se sentir “O cara” e seu
virtudes essas que são os sentimentos de ego não engoli-lo vivo.
tolerância, o amor, a fé, a fraternidade, a ética, É isso irmãos! Convido cada um de
a moral, a sabedoria, a humildade, a vocês que lê esse texto a seguinte reflexão:
compaixão, o perdão etc, pois são infinito as Há diferença em religião?
formas virtuosas de Deus manifestar-se a partir Peço a todos que reflitam e deixem cair
do nosso intimo. sobre a terra os dogmas que paralisam e criam
Agora, se existe alguma diferença em essa couraça em suas mentes e unam-se todos
religião, essa diferença esta em nosso vicio em em um ecumenismo verdadeiro. Vamos
julgar algo que nos seja diferente ou estranho, reverenciar Deus através dos seus sentidos
esta em nosso preconceito, intolerância e divinos e, de mãos dadas, vamos celebrar a Fé,
fanatismo, esta em nossos sentimentos viciados o Amor, o Conhecimento, a Razão, a Moral, a
e vazios que invertem a ordem virtuosa e Sabedoria, a Vida e todas as virtudes que eleva
positiva das coisas e, ai sim, desvirtuado, o espírito, pois o direito de ser religioso é o
passamos a externar nossos desequilíbrios em dever de ser virtuoso.
nome de Deus e através de alguma religião,
como cegos passamos a guiar outros cegos e SARAVA UMBANDA
desvirtuados, incitando-os a externarem seus Enviado por Pablo Araújo.
desequilíbrios, tais como ódio, revolta, E-mail: pablo.lokal@hotmail.com

FÉDUCAÇÃO – PORQUE EDUCAR É UM ATO DE AMOR


Espaço semanal dedicado a pais e educadores. Envie suas dúvidas ou sugestões para nosso correio eletrônico
(feducacaobrasil@gmail.com) e participe deste espaço criado especialmente para você.

A EDUCAÇÃO EM TODAS AS CORES


Em um bate papo dia desses, o também colunista deste jornal, Dauto Barros, sabiamente
falou: “Se um dia você quiser melhorar o mundo, comece educando as crianças. Se um dia você
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 12

quiser piorar o mundo, comece educando as crianças”. Esta é uma grande verdade: a educação é
um dos mais poderosos instrumentos de transformação social: para o “bem” ou para o “mal”.
Embora possa nos parecer que promover a “educação” seja de responsabilidade única e
exclusiva da instituição “escola”, o ato de educar está presente nos diversos segmentos da
sociedade em que vivemos. Isso inclui desde a família até as diferentes mídias, passando pelas
portas do comércio, da indústria e chegando até as instituições religiosas: cada um exercendo o
papel que lhes cabe nestes processos sociais - de acordo com suas escolhas individuais ou
coletivas – para o “bem” ou para o “mal”. E a perpetuação do preconceito, a meu ver, faz parte da
segunda opção.
Esse momento de devaneio reflexivo recorda-me a lei N. 11.645/2008, que inclui no currículo
oficial da rede nacional de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e
Indígena”. Esta magnifica iniciativa das autoridades nacionais, em vigor desde o ano de 2008, só
não é mais bela devido à necessidade do uso da “obrigatoriedade”. É triste pensar que em pleno
século XXI, ainda tenhamos que recorrer a esta palavra para falar de algo do qual deveríamos muito
nos orgulhar: nossa identidade, que também é fruto de raízes africanas e indígenas.
Somos o resultado de uma “mistura” bem democrática: de todas as cores, de todas as etnias,
de todas as culturas, de todos os credos, de todas as religiões. E como tal, devemos entender que
as “conquistas” que tivemos, temos e teremos enquanto povo se deve a esta miscigenação, tão bela
e tão importante. Valorizemos o que vem de todos: sejam brancos, negros, amarelos, vermelhos ou
o nome que você quiser atribuir a cada uma das diferentes etnias da raça humana.
Mesmo com toda esta diversidade, a posição “pré-conceitual” de muitos membros de nossa
sociedade, ainda existe. E para mudar a educação, temos que mudar a forma de pensar de muitas
das pessoas que estão frente a ela – e isso inclui todos os segmentos sociais. Utópico demais para
você, caro leitor? Então resta-nos a velha e boa “esperança” em acreditar que se nós, enquanto
cidadãos, mudarmos nossa postura diante do mundo, a escola e as demais instituições sociais
educativas (formais ou informais) também mudarão, devagar e sempre. Isso permitiria a introdução
de novos conceitos, novas ações e novas perspectivas idealizadas através de uma nova educação
de nossas crianças. Novas formas de educar resultarão em novos olhares, vindos de “novos” ou
“velhos” membros que poderão formar uma sociedade mais justa, mais humana e igualitária. Para
isso deixar de ser um sonho distante para se tornar o começo de uma possível realidade, o primeiro
passo é quebrar nossos antigos e “preconceituosos” paradigmas internos e externos, iniciando-se
pela forma nada amistosa com que muitos de nós vemos as raízes religiosas destes ou de quaisquer
outros povos deste imenso mundo criado por Deus.
Souza e Souza (2008) afirmam que: “O preconceito relativo às práticas religiosas afro-
brasileiras está profundamente arraigado na sociedade brasileira por estas estarem associadas a um
grupo historicamente estigmatizado e excluído, os negros e os índios.” E você leitor, o que pensa
sobre isso? Nós, da Féducação, acreditamos que todas as tradições místicas (religiões) que
praticam a caridade, a bondade e buscam a Deus são sagradas e, portanto, merecem nosso
respeito. E não há como falar das culturas afro-brasileira e indígena sem falar de suas crenças
espirituais que, permitam um comentário à parte, são dignas de nossa admiração.
Mestre Rubens Saraceni, educador nato, Balorixá da Umbanda e médium com mais de 50
livros já publicados, em entrevista cedida ao nosso jornal, dá sua opinião sobre esta evolução no
processo educacional de nosso país: “A cultura negra e a cultura indígena não faz muita separação
no dia-a-dia entre o religioso e o profano. Eles entendem que a vida é o decorrer de um conjunto de
coisas. A comida está associada à religiosidade, os hábitos familiares estão todos associados ao
religioso na vida deste cidadão comum. Ele carrega o dia inteiro o seu colar no pescoço, seu
amuleto de proteção. A vida dele é um todo, não é separado como nós fazemos hoje: à noite vou ao
centro, durante o dia cuido do meu trabalho. Para eles continua sendo um todo (onde se preserva
esta cultura) e as escolas brasileiras que adotarem este ensino. Espero que se aprofundem muito
nestes aspectos. Isso é importantíssimo. Eu me lembro de que quando eu era criança, isso a 50 e
poucos anos atrás porque estou com 60 anos, nós íamos à escola e logo no começo, terceiro ano,
começávamos a estudar história. Tínhamos que saber quem era Napoleão Bonaparte, quem tinha
sido Júlio Cesar, quem tinha sido Alexandre Magno e no ginásio a mesma coisa. Mas ninguém
queria saber de onde vieram estes negros que hoje estão no Brasil, qual a raiz deles, o que
aconteceu lá, suas histórias, porque eles são parte do povo. Tinha um grande estudo sobre a cultura
grega. Claro que é necessário que se continuem esses estudos, eles são importantes, mas que se
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 13

desenvolva um estudo profundo adaptado ao ginásio e ao colegial sobre a cultura africana e a


cultura indígena brasileira e sul americana também. Eu acho muito positivo e parabéns a quem
batalhou por essa iniciativa.”.
As palavras do Mestre Rubens Saraceni nos inspiram a “apreender” uma importante lição:
todos somos iguais perante a lei de Deus e a lei dos homens (a constituição nacional e a declaração
dos direitos humanos nos garante o cumprimento desta segunda). Valorizemos então todas as
“sabedorias” – a educação é de todas as cores. Todos somos importantes, todos temos o que
aprender e ensinar uns aos outros, sem distinção. E viva O RESPEITO à diversidade!

Enviado por: Juliana de Paula*

* Juliana de Paula é Pedagoga pela Universidade de São Paulo. Consultora pedagógica, educomunicadora,
terapeuta naturista, conferencista e responsável pela divulgação no Brasil do Projeto Mundial “Féducação”, um
novo conceito pedagógico criado por ULRICH HARLAN (B. A. Paramadvaiti Swami), baseado no amor, respeito
próprio e liberdade. Acesse: http://feducacaobrasil.blogspot.com/ e http://centrodecuraplanetaria.blogspot.com/

SÚPLICA DE EXU - EXÚ TIRIRI


Súplica psicografada por A.J. Castro da Cabana de Lázaro
Enviado por: Alexandre Cumino
Sou Exú, Senhor!

Pai, permita que assim Te chame, pois na realidade, Tu és como é, meu Criador.
Formastes-me da poeira astral, mas... como tudo provém de Ti, sou real e eterno.
Permite Senhor, que eu possa servir-Te nas mais humildes e desprezíveis tarefas criadas pelos teus
humanos filhos. Os homens me tratam de Anjo Decaído, de Povo Traidor e Rei das Trevas, de
Gênio do Mal e tudo mais em que encontram palavras para exprimir o seu desprezo por mim. No
entanto, nem suspeitam: QUE NADA MAIS SOU QUE O REFLEXO DE SI MESMOS.

Não reclamo. Não me queixo porque esta é a Tua vontade. Sou escorraçado, condenado a habitar
as profundezas escuras da terra e a trafegar pelas sendas tortuosas da provação.
Sou invocado pela inconsciência dos homens a prejudicar o seu semelhante, sou usado como
instrumento para aniquilar aqueles que são odiados, providos pela covardia e maldade humana,
sem, contudo poder negar-me ou recorrer.

Pelos pensamentos dos inconscientes sou arrastado a exercer a descrença, a confusão e a


ignomínia, pois esta é a condição que Tu me impuseste.
Não reclamo Senhor! Mas fico triste por ver Teus filhos, que criaste à Tua imagem e semelhança,
serem envolvidos pelos turbilhões de iniquidades que eles mesmos criam, e eu, por Tua lei inflexível,
delas tenho que participar. No entanto Senhor, na minha infinita pequenez e miséria, como me sinto
grande e feliz, quando encontro em algum coração, um oásis de amor e sou solicitado a ajudar na
prestação de uma caridade.

Aceito sem queixumes Senhor, a lei que na Tua infinita sabedoria e justiça, me impuseste: a do
executor de consciências, mas lamento e sofro mais porque os homens até hoje não conseguiram
compreender-me. Peço-Te, ó Pai infinito, que lhes perdoe.
Peço-Te não por mim, pois sei que tenho que completar o ciclo da minha provação, mas por eles, os
Teus humanos filhos. Perdoa-os e torna-os bons porque somente através da bondade de seus
corações poderei sentir a vibração de Teu amor e a graça do Teu perdão.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 14

MARIA PADILHA RAINHA DO CABARÉ


Esse relato que vou contar é um fato que envolve espiritismo, vidas passadas e o presente no
qual eu vivo. Esse acontecimento me foi revelado há algum tempo e resolvi escrevê-lo.
Dedico esse livro as pessoas que acreditam em reencarnação, para
as que não acreditam porem são sensíveis.
Narrado por: Maria Padilha Rainha do Cabaré.

CAPÍTULO I
Dona do Cabaré
Tudo aconteceu no século XVIII em uma época que as mulheres
eram obrigadas a se casarem com quem os seus pais escolhessem e
sempre alguma não aceitava, fugindo. Geralmente eram apaixonadas por
outro que não eram do agrado de seus pais ou que eram casados.
Quando isso acontecia o fim delas era o Bordel (Prostíbulo). Elas
eram atiradas na rua por seus pais e deserdadas, algumas eram mandadas
para algum convento. As que fugiam ou eram atiradas na rua se tornavam mulheres da vida ainda
bem jovens, com 13, 14, 15,16 anos.
Uma delas faz parte influente na minha história e vida.
Ela se tornou dona de um Cabaré de luxo, onde só frequentavam homens ricos e poderosos
da época; como todas elas, eu era apaixonada por um homem que era casado, mantinha um
romance secreto com ele. Não muito secreto, pois havia alguns que sabiam.
Seu nome era Alice e o dele Matias.
O Bordel dela era riquíssimo e possuía também uma fazenda e outras propriedades, tinha
empregados e escravos, era realmente rica, porém infeliz, pois o que ela mais queria era o seu amor
ao seu lado e esse ela não tinha. Era generosa, boa para quem merecia e muito má para quem não
lhe agradava , sendo inimigo dela. Ao mesmo tempo em que era muito boa, era capaz das piores
maldades com quem lhe atravessasse o caminho.
Talvez fosse por tudo que ela já tinha passado na vida com tão pouca idade, se tornou má
desse jeito.
Quanto sua aparência era alta, esbelta, loira de olhos azuis; muito bonita que encantava com
sua beleza principalmente aos homens e desagradava muito às mulheres casadas e noivas.
Possuía um criado de confiança com quem falava sobre seu amado e lhe servia como pombo
correio levando seus recados e ajudando nos encontros dos dois. Era mais que um empregado era
um amigo, era o capataz da fazenda dela, tomava conta dos escravos e empregados.
Também sabia do seu romance com Matias e era como um amigo para ela. Levava seus
recados e marcava os encontros. Possuía também uma escrava que era sua mucama, cuidava de
seus pertences pessoais, a ouvia e a acompanhava para todos os lugares, era uma amiga para ela.
Por: Ana Lucia Santana
E-mail: ana-lucia-sant@hotmail.com
Continua no site: www.jornalnacionaldaumbanda.com.br no menu:
Textos Especiais

A.U.E.E.S.P.
Você pode se cadastrar na A.U.E.E.S.P., sendo pessoa física ou jurídica.
Pode ser associado individual, núcleo (centro, associação), colaborador jurídico ou colaborador físico.

Se você acredita que vale a pena lutar por nossa religião, venha juntar-se a nós, que nada mais
queremos além de ver a Umbanda crescer e de valorizar nossas práticas religiosas e nosso
sacerdócio.
Falar com Sandra Santos
Fone: (11) 2954-7014
E-mail: sandracursos@hotmail.com
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 15

NÚCLEO UMBANDISTA E MAGIA DIVINA PAI TOMÉ DE ANGOLA

E-mail: nucleopaitome@gmail.com Site: http://paitomedeangola.webnode.com.br

Quando nascemos neste plano material não temos a


noção do que vamos viver ou enfrentar em nossa vida
terrena, apenas temos de viver e caminhar por cada fase
de nossa vida, pois sempre somos guiados por forças
universais e cósmicas que estão interligadas em toda
nossa existência do nosso ser imortal, porém sempre
seguindo os desígnios do Senhor dos Destinos, que é
nosso Divino Criador, pois cada forma existente tem seu
próprio propósito. As fases que vivemos neste plano nos
trazem experiências e o amadurecimento que nos ensina
compreendermos um pouco melhor a nossa existência.
Abaixo descrevo um resumo de fatos importantes
que me marcaram nas fases de meu nascimento, adolescência e maturidade.
Nascimento.
Nasci no dia 11 de maio de1973, na cidade de Americana, interior de São Paulo, no horário
da 00h00min (Meia Noite) do domingo.
Para relatar o meu nascimento tenho que descrever um pouco a jornada de minha Mãe.
Minha mãe desde criança e ao longo da sua vida adulta sempre teve muitos problemas espirituais
como desmaios, fortes dores de cabeça, sintomas desconhecidos e ataques de hostilidades. Minha
avó encontrou uma benzedeira que com suas rezas amenizaram esses eventos, aos 17 anos ela
casou e engravidou, e esses eventos voltaram mais fortes durante toda a gravidez. Do 8º para o 9º
mês se iniciou meu parto que começou às 19 horas e foi até as 00h00min em ponto, sendo um parto
muito difícil, pois na hora do nascimento ocorreram várias complicações: problema com cordão
umbilical, também mudei de posição e acabei ficando preso nas costelas onde tiveram de deslocar a
mesma, numa certa altura do parto os médicos falaram entre si que não teriam sucesso e poderiam
perder os dois, pois nós estávamos correndo sérios riscos. O fato mais estranho e sem explicação
foi quando os médicos estavam prontos para desistirem de tirar-me com vida e minha mãe que
estava adormecida acordou e pediu aos prantos para que eles não desistissem de mim que ela
aguentaria. Sem explicação se manteve acordada até o meu nascimento que acabou ocorrendo a
00h00min, aquele dia coincidiu de ser o domingo do dia das mães, foi muito emocionante e a equipe
médica vibrou com a vitória, tanto que, uma das enfermeiras que estava presente deu-me uma bíblia
que contém a assinatura de todos os que estavam envolvidos no parto, onde guardo até hoje.
Depois de um tempo minha mãe teve mais dois filhos sem problema algum e somos hoje em três
irmãos.

Adolescência:
A minha adolescência foi muito difícil, pois era uma criança que sofria de bronquite asmática e
por isso passava a maior parte do tempo internado, porém o pior não era crise de bronquite e sim
uma forte obsessão de espíritos trevosos que tomavam a minha mãe aonde ela chegava a quebrar
várias coisas e muita vez batia em mim e nos meus irmãos, depois desmaiava e chegava há ficar
dois dias desacorda, nessa época ela trabalhava em um terreiro e quando isso ocorria tínhamos de
chamar a Mãe-de-santo dela para fazer uma prece que trazia a preta-velha dela Mãe Maria de
Aruanda, onde as coisas melhoravam por algum tempo. Aos 13 anos eu fui ao terreiro que minha
mãe trabalhava e fui assistido por um guia espiritual dela que se denominava Maria Padilha dos 7
Cruzeiros, e recebi dela a orientação de que eu tinha de pegar a minha bíblia que tinha ganhado em
meu nascimento e ler ela toda em nome das santas almas do cemitério que assim as crises
diminuiriam. Depois daquele trabalho eu e minha mãe começamos a ler, porém foi muito difícil,
algumas vezes, quando minha mãe estava lendo comigo, espíritos trevosos tomavam ela, xingavam
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 16

algum tempo, depois vinha o espírito que se denominava Maria Padilha e ficava até eu ler o trecho
daquele dia. Quando terminava vinha outro espírito, uma Preta-Velha, onde me acalmava porque eu
sempre estava chorando. Isso foi por algum tempo e quando terminamos de ler a bíblia toda,
apareceu na vida de minha mãe uma mulher que benzia. Ela me curou da bronquite, afastou os
espíritos trevosos e por um período de 7 anos minha mãe deixou de ter as crises. Que foi dos meus
15 aos 22 anos.
MATURIDADE

Terreiro de Umbanda/Candomblé
Devido aos acontecimentos na infância e experiências que passei com
minha mãe eu nunca quis desenvolver a espiritualidade e em meados de 1996
conheci uma moça que entrava em minha vida com uma grande importância
(onde namoramos durante sete anos e casamos em 2001). Neste mesmo ano
minha mãe conheceu um Terreiro de Umbanda/Candomblé, onde comecei a
trabalhar. Porém começaram surgir vários problemas e em uma gira de esquerda de
descarrego/desobsessão um médium que estava incorporado com um obsessor chegou a machucar
o braço de minha namorada deixando fortes hematomas e luxações. O centro entrou em
decadências com vários conflitos e confusões. Fora a falta de interesse em dar explicações, pois
tudo não podia ou não era hora para saber e se teimássemos em querer saber tínhamos que deitar
uma camarinha (deitar para o santo) para saber. Certo dia, em uma gira da esquerda, eu incorporei
um espírito que se apresentou como Exu Guardião Marabô onde minha esposa estava cambonando
e disse que tudo ali estava errado e que deveríamos sair e nunca mais voltar. Pediu que
aguardássemos a orientação do Preto-velho que iria passar uma nova jornada para nós em nossa
casa; seguimos a orientação e saímos do centro. Logo em seguida começaram a ocorrerem
diversos problemas: falta de emprego, dificuldades financeiras, minha esposa engravidou algumas
vezes e perdeu todas elas e nós não tínhamos ninguém para nos orientar. Num certo dia se
manifestou o Preto-velho Pai Tomé de Angola onde pediu para trabalharmos a cada quinze dias em
um dos cômodos de nossa casa.
Dois protetores começaram a se manifestar: o Preto Velho Pai Tomé de Angola e a Baiana Maria
Bonita. Eu e minha esposa revezávamos para cambonar e assim foi por um período. Como nós não
íamos a lugar algum, um conhecido nosso tinha falado de um curso das velas que ele tinha feito e
era muito bom e que ficava em São Paulo. Porém devido às grandes dificuldades financeiras não
demos importância.

O encontro com a Magia Divina das 7 Chamas e a


Umbanda Sagrada.
Depois de um tempo em uma determinada reunião, o Preto-velho Pai Tomé disse que nós
deveríamos procurar o curso das velas que um dia tinha nos sido dito e disse também que não seria
fácil, porém deveríamos ser perseverantes, pois passaríamos por novos problemas. Em final do ano
de 2003 e inicio de 2004 conhecemos o Colégio de Umbanda Sagrada Pai Benedito de Aruanda e
começamos a fazer o curso das Sete Chamas Sagradas. Neste mesmo período abriu o curso de
Sacerdócio de Umbanda Sagrada, nós não tínhamos carro e conseguimos ingressar em uma van de
uma cidade do interior que passava em Americana, porém nós vinhamos no sábado de manhã,
entrávamos as 10h00min e saímos as 22h00min era uma verdadeira maratona, fizemos isso nos
dois anos que durou o sacerdócio. Quando pensávamos que enfim encontraríamos a paz e
tranquilidade para seguir a espiritualidade, surgiram outros fortes problemas que nos marcaram
profundamente.

Abandono dos Familiares e amigos, por causa do estudo da Umbanda Sagrada.

Ao iniciarmos no estudo do sacerdócio, começaram surgir fortes problemas, pois alguns


amigos e familiares que trabalhavam em centros em Americana começaram a nos perseguir devido
nós estarmos estudando no Colégio. Essas pessoas falavam que a Umbanda não está nos livros e
médium que é médium, não precisava fazer curso nenhum para trabalhar com os guias. Nós não
discutíamos, simplesmente nos afastamos de todos e continuamos nossa jornada. Os familiares se
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 17

revoltaram porque sempre que tinha uma comemoração dos sábados, nós não estávamos
presentes, pois estávamos em São Paulo. Ai eles não aceitavam e não respeitavam nossa decisão.
Porém não deixamos que esses problemas barrassem nossos objetivos.
As coisas começaram a melhorar gradativamente, porém as dificuldades financeiras ainda
eram grandes, porque a viagem para São Paulo todos os sábado pesava em nosso orçamento.
Neste tempo os protetores começaram trabalhar todas as sextas-feiras com todas as linhas de
trabalho. Os primeiros livros que compramos a pedido do protetor foram Código da Umbanda
Sagrada e Guardião da Meia Noite, onde falaram que tínhamos de estudar, para lá na frente
abrirmos o Núcleo, nós não questionamos, porém achávamos impossível essa ideia se realizar, mas
seguimos toda a orientação à risca.
No inicio de 2006 terminávamos o curso de Sacerdócio e fundamos em 27/07/2006 o Núcleo
Umbandista e Magia Divina Pai Tomé de Angola. Neste inicio não tínhamos nenhum médium, era eu
e a mãe Daiane, que tocava curimba. Devido a diversos problemas acabamos nos separando,
porém mantivemos firme não deixamos que o fim do nosso casamento pudesse atrapalhar a
trajetória e nem a nossa amizade, que é muito forte. O tempo foi passando e cinco anos depois de
termos ingressado na egrégora da Umbanda Sagrada, em 2011, mudamos para um local maior e
hoje temos 56 médiuns. Hoje minha ex-esposa está casada novamente com o seu marido Fábio
Ferreira, e eu estou casado com a minha esposa Rosana N. B. Sousa e todos aqueles problemas
foram superados e nós vivemos hoje em plena paz e harmonia. Continuamos trabalhando todos
juntos. Já alcançamos 16 graus de magia e depois desses anos de prática, ministramos os cursos
da Magia do Fogo, das Ervas e dos Raios e o curso de Teologia de Umbanda Sagrada. Nós somos
gratos pelo grande esforço do Mestre e Pai Rubens de ter acreditado em suas forças divinas, que
através do colégio fomos acolhidos e colocados num caminho que está nos trazendo paz,
prosperidade, amor e solidez.

Enviado por: Enéas Cardoso

OFERENDAS, MAGIAS E TRABALHOS DE UMBANDA.

UM POUCO SOBRE O USO DAS ERVAS


Na liturgia e nos rituais de Umbanda, vemos o uso de ervas seja na forma de amacis,
imantações, banhos de descarga, etc. Isso porque as ervas detêm grande quantidade de energia
vital, no elemento vegetal, que através de suas combinações podem produzir determinado efeito
positivo ou negativo, como tudo que é energia no Universo.
As ervas possuem forte poder para atuarem em nossa aura, em nosso campo energético, fato
este já conhecido pelos indígenas e demais povos ancestrais que já as utilizavam para diversos fins.
Como já dito, através do uso de sua energia as ervas podem ser classificadas quanto aos
seus efeitos, sejam positivos, negativos ou neutros. Diante desse conhecimento, a Umbanda utiliza-
se desse elemento para desenvolver seus rituais, seus descarregos, curas ou fortalecimentos, tudo
comandado pelas entidades espirituais que determinam o uso apropriado do elemento vegetal
conforme o caso.
Uma das formas de utilização das ervas na Umbanda, são na forma de banho. Os banhos de
descarrego são usados para eliminar vibrações negativas, limpando o períspirito de miasmas
negativos, magia negativa ou mesmo da influência de obsessores. Os banhos de fixação, para
adquirir vibrações positivas, vitalizando os chacras do médium de energia positiva para
fortalecimento dos processos mediúnicos ou de ligação do espírito encarnado com seus guias e
entidades atuantes.
Os usos destes banhos são de grande importância e dependem do conhecimento e uso de
ervas e raízes, nas suas diferentes qualidades e afinidades, que devem entrar na composição dos
mesmos, não se podendo facilitar quanto a isso.
Geralmente para banhos deve usar as ervas frescas, e este deve ser preparado dentro de um
ritual, o qual consiste em:
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 18

1. Nunca ferver as folhas junto com a água.


2. As folhas devem ser maceradas ou quinadas e colocadas em vasilhas de louça, ágata ou
potes de barro.
3. Em alguns casos, quando não houver necessidade de água quente, as ervas devem ser
quinadas diretamente sobre a água.
4. É conveniente usar sempre água de boa qualidade, como pôr exemplo: água de mina, de
poço ou água mineral.

Ocorre uma diferenciação, também, na forma em que se deve tomar o banho. No de


descarrego, deve-se molhar do pescoço para baixo, jamais a cabeça; já no banho de fixação, este
deve ser tomado de corpo inteiro. Não se deve enxugar o corpo totalmente após os banhos
indicados na Umbanda, para que haja maior captação ou eliminação da energia propiciada pelas
ervas usadas no banho. Deve-se, após o banho, as ervas utilizadas serem jogadas, de preferência
em lugares de água corrente, como rios ou mar.
Há banhos para todos os Orixás e Entidades e muitos banhos têm dia e hora certos para
tomar. As ervas são também usadas no ritual do amaci.
Amaci é um banho de ervas que se faz no médium iniciante na Umbanda com as ervas
específicas do Orixá de cabeça do médium, este banho é dado inclusive na cabeça do médium e
tem a finalidade de limpar o campo astral e preparar o médium para entrar na corrente mediúnica, é
uma preparação, uma espécie de primeira confirmação do médium na corrente mediúnica, é um
vínculo energético do médium com o seu Orixá, com a casa e com o seu Pai no Santo porque
somente o Pai no Santo pode dar este banho (entendam banho, como sendo a colocação do amaci
na coroa do médium) e colocar a mão na cabeça do médium.
A partir deste ponto o médium é um médium de Umbanda e está energeticamente vinculado
ao seu Orixá.
Também visa propiciar ao médium maior contato com seus Orixás de Coroa, devendo o
dirigente do templo colher as ervas de todos os Orixás, uma de cada pelo menos, e colocá-las
quinadas dentro do preparo que será feito com as quatro águas (mar, cachoeira, chuva e
fonte/mineral), com três dias de antecedência do Ritual do Amaci.
Além do amaci conforme descrito anteriormente, ao qual o médium se submete ao entrar para
um Templo de Umbanda, anualmente é feito este ritual com a finalidade de preparar o médium para
receber as energias vibrantes do terreiro, além de oferecer ao filho de fé a limpeza de seu campo
áurico, bem como, confirmar as entidades trabalhadoras da coroa daquele médium.

AS ERVAS DOS ORIXÁS

Abaixo estão relacionadas as ervas mais conhecidas e usadas na Umbanda para banhos e outras
finalidades.

Oxalá - Boldo ou Tapete de Oxalá; Saião ou Folha da Costa; Manjericão ou Alfavaca Branca; Sândalo;
Patchuli; Colônia; Alfazema; Algodoeiro; Capim Limão; Girassol; Maracujá; Jasmim; Erva Cidreira, entre
outras.
Xangô - Levante ou alevante; Quebra-Pedra; Fortuna; Erva Lírio; Pata de Vaca; Para Raio; Gervão Roxo;
Manjericão Branco; Erva de Santa Maria; Malva Branca; Sucupira; Limoeiro; Café; Alecrim do Mato, entre
outras.
Ogum - Espada de São Jorge; Peregum Folhas Amarelas e Verdes; São Gonçalinho; Aroeira; Vence-
Demanda; Comigo Ninguém Pode; Romã; Jurubeba; Mangueira; Pinheiro; Goiabeira; Abacateiro; Canela,
entre outras.
Obaluaiê (Omulu) - Hera; Canela de Velho; Assa-Peixe; Erva-de-Passarinho; Levante ou Alevante;
Jurubeba; Manjericão Roxo; Camomila; Babosa; Mamona Branca; Aroeira; Jamelão; Carnaúba, entre outras.
Yemanjá - Manjericão; Colônia; Saião; Levante; Jasmim; Malva Rosa; Lágrimas de Nossa Senhora; Pata de
Vaca; Parreira; Camomila ou Macela; Poejo; Trevo; Violeta; Boldo; Alaga Marinha; Gerânio, entre outras.
Oxóssi - Alecrim do Campo; Peregun Verde; Mangueira; Chapéu de Coro; Abre Caminho; Vence-Demandas;
Jureminha; Erva Doce; Pitangueira; Romã; Sabugueiro; Malva Rosa; Levante; Capim Limão; Violeta, entre
outras.
Nanã - Erva Quaresma; Manjericão; Agoniada; Mostarda; Agrião; Bertalha; Espinafre; Hortênsia; Cedinho;
Erva-Cidreira; Camomila; Berinjela; Erva-Mate; Avenca; Jaqueira; Cavalinha, entre outras.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 19

Oxum - Jasmim; Erva Cidreira; Colônia; Agoniada; Camomila; Lágrimas de Nossa Senhora; Erva Doce; Lírio
Amarelo; Mamão; Boldo; Vitória Régia; Gengibre; Melancia; Agrião; Melão; Coentro; Celidônia, entre outras.
Yansã – Para Raio; Dormideira; Erva Santa Bárbara; Cana do Brejo; Erva Prata; Gervão Roxo; Anil; Violeta;
Losna; Arruda; Orquídea; Mal me quer; Alfazema; Anil; Cipó Azougue; Alfazema de Caboclo, entre outras.
Ibeji - Amoreira; Anil; Alfazema; Abre-Caminhos; Parreira; Colônia; Erva-Cidreira; Pitangueira; Camomila;
Erva Doce; Cajá; Morango; Capim Limão; Lírio; Benjoim; Tangerina; Fruta de Conde; Hortelão, entre outras.
Exú - Vassourinha; Fumo; Babosa; Tiririca; Bananeira; Pinhão Roxo; Vence-Demandas; Comigo-Ninguém-
Pode; Jurubeba; Urtiga; Amendoeira; Bambu, entre outras.

ERVAS PARA AFASTAR MAUS ESPÍRITOS


São usadas para fazer Sacudimentos de Pessoas e Ambientes como: Losna; Cipó; Comigo-
Ninguém-Pode; Fumo; Alho; Crisântemo; Bananeira; Abre-Caminhos; Espada de São Jorge; Pinhão
Roxo; Guiné; Mamona, entre outras.
ERVAS PARA AMULETO
Usadas com a finalidade de Proteção e Segurança, são as seguintes: Alfavaca ou Manjericão;
Guiné; Arruda; Indirí; Alecrim; Canela Preta; Espada de São Jorge, entre outras.
ERVAS CONTRA FEITIÇOS
Betônica; Briônia, entre outras.
ERVAS PARA TRABALHO
Tais como Imantação de Otás, Materiais de Culto, para o ORI, são elas: Obi; Orobô; Urucum;
Dandá; Erva de Passarinho; Pimenta; Bejerecum; Bálsamo de Tolu; Choupo; Amansa-Besta;
Canela; Aridam, entre outras.

O Guardião da Meia-Noite
Por Rubens Saraceni, inspirado por Pai Benedito de Aruanda

Guardião da Meia-Noite, seja bem-vindo!

Leitores, é chegado o momento de conhecer este magnífico


romance de Luz, psicografado pelo grande Mestre Rubens Saraceni,
inspirado por Pai Benedito de Aruanda.

Ao ler esta obra, você estará entrando num mundo que deve ser
sentido, explorado e vivido e que tem a intenção de fazê-lo evoluir na
sabedoria do conhecimento Divino.

A busca de um homem por sua alma perdida nas transgressões à


Lei Divina.

Caminhos de Luz e Trevas rumo ao Criador.

Um nobre rico e poderoso, mas extremamente cruel, paga pelos seus atos.

Seu corpo na morte se converte em sua prisão, julgado pelos vivos e condenado pelos
mortos... Mas das trevas nasce a luz!

O Guardião, sentinela da meia-noite, torna-se por seus méritos um servidor da Lei Divina.
É este o enredo deste maravilhoso trabalho. Leia... você não vai se arrepender!

Site: www.lojadaradio.com.br
E-mail: babatonican@hotmail.com
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 20

DELEGADOS DO RIO PARTICIPAM DE CURSO PARA APRENDER A


LIDAR COM CRIMES DE INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Delegados de Polícia Civil de todo o estado do Rio de Janeiro participaram, no dia 31 de


maio, de um seminário de capacitação, com o objetivo de ensiná-los a lidar com a intolerância
religiosa. O curso foi uma ideia da própria Polícia Civil e da organização não governamental
Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Rio.
Segundo a chefe da Polícia Civil, delegada Martha Rocha, a instituição já conta com um núcleo de
combate à intolerância religiosa, mas o objetivo do seminário é conscientizar todos os delegados
fluminenses sobre a importância de se aplicar a Lei 7.716 de 1989 (Lei Caó), que prevê pena de até
três anos de prisão para aqueles que cometam crimes contra a religião de outras pessoas.
“A verdade é que hoje estamos estendendo a toda a Polícia Civil, de todo o estado, essa
qualificação, para que em todos os lugares do Rio um policial civil seja capaz de identificar um fato
que tenha o viés da intolerância religiosa”, disse Martha Rocha.
Segundo Ivanir dos Santos, representante da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, os
crimes contra a religião têm aumentado nos últimos anos no Brasil e também, especificamente, no
Rio de Janeiro.
“Muitos delegados ainda não sabem como lidar com esse crime. Muitos o minimizam. Alguns,
por sua própria convicção religiosa, acabam não aceitando o crime. Mas o Estado é laico e a polícia
é a mantenedora do Estado Democrático de Direito. A polícia pode contribuir para que esse tipo de
atitude não crie um desequilíbrio na sociedade”, disse Ivanir dos Santos.
Os policiais assistiram a vídeos e palestras e receberam uma cartilha que ensina como os
delegados devem lidar com a intolerância religiosa.

Fonte: Agência Brasil, em 31/05/2011.


Enviado por: EDENIR SANTOS

CÓDIGO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (OMS) INCLUI


INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS.
Enviado por: Nenl Capc
E-mail: edu.abu@globo.com

Medicina reconhece obsessão espiritual


Dr. Sérgio Felipe de Oliveira com a palavra:
Ouvir vozes e ver espíritos não é motivo para tomar remédio de faixa preta
pelo resto da vida. Até que enfim as mentes materialistas estão se abrindo para a
Nova Era; para aqueles que queiram acordar, boa viagem, para os que preferem
ainda não mudar de opinião, boa viagem também.
Uma nova postura da medicina frente aos desafios da espiritualidade.
Vejam que interessante a palestra sobre a glândula pineal do Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico
psiquiatra que coordena a cadeira de Medicina e Espiritualidade na USP:
A obsessão espiritual como doença da alma, já é reconhecida pela Medicina. Em artigos anteriores,
escrevi que a obsessão espiritual, na qualidade de doença da alma, ainda não era catalogada nos
compêndios da Medicina, por esta se estruturar numa visão cartesiana, puramente organicista do Ser e, com
isso, não levava em consideração a existência da alma, do espírito. No entanto, quero retificar, atualizar os
leitores de meus artigos com essa informação, pois desde 1998, a Organização Mundial da Saúde (OMS)
incluiu o bem-estar espiritual como uma das definições de saúde, ao lado do aspecto físico, mental e social.
Antes, a OMS definia saúde como o estado de completo bem-estar biológico, psicológico e social do indivíduo
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 21

e desconsiderava o bem estar espiritual, isto é, o sofrimento da alma; tinha, portanto, uma visão reducionista,
organicista da natureza humana, não a vendo em sua totalidade:
Mente, corpo e espírito.
Mas, após a data mencionada acima, ela passou a definir saúde como o estado de completo bem-
estar do ser humano integral: biológico, psicológico e espiritual.
Desta forma, a obsessão espiritual oficialmente passou a ser conhecida na Medicina como possessão
e estado de transe, que é um item do CID - Código Internacional de Doenças - que permite o diagnóstico da
interferência espiritual Obsessora.
O CID 10, item F.44.3 - define estado de transe e possessão como a perda transitória da identidade
com manutenção de consciência do meio-ambiente, fazendo a distinção entre os normais, ou seja, os que
acontecem por incorporação ou atuação dos espíritos, dos que são patológicos, provocados por doença.
Os casos, por exemplo, em que a pessoa entra em transe durante os cultos religiosos e sessões
mediúnicas não são considerados doença.
Neste aspecto, a alucinação é um sintoma que pode surgir tanto nos transtornos mentais psiquiátricos
- nesse caso, seria uma doença, um transtorno dissociativo psicótico ou o que popularmente se chama de
loucura bem como na interferência de um ser desencarnado, a Obsessão espiritual.
Portanto, a Psiquiatria já faz a distinção entre o estado de transe normal e o dos psicóticos que seriam
anormais ou doentios.
O manual de estatística de desordens mentais da Associação Americana de Psiquiatria - DSM IV -
alerta que o médico deve tomar cuidado para não diagnosticar de forma equivocada como alucinação ou
psicose, casos de pessoas de determinadas comunidades religiosas que dizem ver ou ouvir espíritos de
pessoas mortas, porque isso pode não significar uma alucinação ou loucura.
Na Faculdade de Medicina DA USP, o Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico, que coordena a cadeira
(HOJE OBRIGATÓRIA) de Medicina e Espiritualidade.
Na Psicologia, Carl Gustav Jung, discípulo de Freud, estudou o caso de uma médium que recebia
espíritos por incorporação nas sessões espíritas.
Na prática, embora o Código Internacional de Doenças (CID) seja conhecido no mundo todo,
lamentavelmente o que se percebe ainda é muitos médicos rotularem todas as pessoas que dizem ouvir
vozes ou ver espíritos como psicóticas e tratam-nas com medicamentos pesados pelo resto de suas vidas.
Em minha prática clínica (também praticada por Ian Stevenson), a grande maioria dos pacientes,
rotulados pelos psiquiatras de "psicóticos" por ouvirem vozes (clariaudiência) ou verem espíritos
(clarividência), na verdade, são médiuns com desequilíbrio mediúnico e não com um desequilíbrio mental,
psiquiátrico. (Muitos desses pacientes poderiam se curar a partir do momento que tivermos uma Medicina que
leva em consideração o Ser Integral).
Portanto, a obsessão espiritual como uma enfermidade da alma, merece ser estudada de forma séria
e aprofundada para que possamos melhorar a qualidade de vida do enfermo.

Confira no site: http://cid10.cxpass.net/ E digite no campo “código CID”: f44.3

Adquira o seu CD através do site: www.sambadejorge.com.br pelo e-mail:


produção@sambadejorge.com.br ou pelo telefone: (11) 8105.4700

Produzido por DUDU DU BANJO, COELHO RESENDE E AUGUSTO ALBUQUERQUE


Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 22

COINCIDENCIAS OU NÃO?

Uma rodela de cenoura parece um olho humano. A pupila, a íris e as linhas raiadas são semelhantes
ao do olho humano... E sim, a ciência agora mostra que a cenoura fortalece a circulação sanguínea
e o funcionamento dos olhos.

Um tomate tem quatro câmaras e é vermelho. O coração é vermelho e têm quatro câmaras. Toda a
investigação mostra que o tomate é de fato um puro alimento para o coração e para a circulação
sanguínea.

As uvas crescem em cacho que tem a forma de coração. Cada uva assemelha-se a uma célula
sanguínea e toda a investigação atual mostra que as uvas são também um alimento profundamente
vitalizador para o coração e sangue.

Os feijões são exatamente idênticos aos rins humanos e realmente ajudam na cura e na
manutenção da função renal.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 23

Abacates, berinjelas e peras são parecidos com o ventre e cervix feminino e realmente ajudam à
saúde e funcionamento destes. Atualmente a investigação mostra que quando uma mulher come um
abacate por semana, equilibra os hormônios, não acumula gordura indesejada na gravidez e previne
cancros cervicais. E que profundo é isto?... Demora exatamente 9 meses para cultivar um abacate
da flor a fruta.

Uma noz parece um pequeno cérebro com hemisférios esquerdo e direito, corpo caloso, giros,
sulcos e cerebelo. Agora sabemos que as nozes ajudam na formação de vários neurotransmissores
para o funcionamento do cérebro.

O aipo o ruibarbo e outros são semelhantes a ossos. Estes alimentos atingem especificamente a
força dos ossos. Os ossos são compostos por aproximadamente 23% de cálcio e estes alimentos
têm aproximadamente 23% de cálcio. Se não tiver cálcio suficiente na sua dieta o organismo retira
cálcio dos ossos, deixando-os fracos. Estes alimentos reabastecem as necessidades do esqueleto.

Figos estão cheios de estames e pistilos semelhantes ao espermatozoide que estão pendurados aos
pares quando crescem. Os figos aumentam os números de espermatozoides, aumentam sua
mobilidade assim como ajudam a ultrapassar a esterilidade masculina.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 24

As batatas doces são idênticas ao pâncreas e de fato equilibram o índice glicémico de


diabéticos, principalmente a batata doce yacom.

Azeitonas são semelhantes aos ovários e de fato ajudam na saúde e funcionamento dos
ovários.

Laranjas, toranjas, limão e outros cítricos assemelham-se a glândulas mamárias femininas e realmente
ajudam à saúde das mamas e à circulação linfática, dentro e fora das mamas.

As cebolas parecem células do corpo. A investigação atual mostra que a cebola ajuda a limpar
materiais excedentes de todas as células corporais. Até produzem lágrimas que lavam as
camadas epiteliais dos olhos...
Enviado por: Adroaldo E. R. Santos
E-mail: adrofisio@hotmail.com

UMBANDA – SEMENTE DE VIDA E AMOR NO UNIVERSO

Somos eternos e privilegiados aprendizes das Leis Divinas. Foi-nos permitido aprender
sempre: na escola e em casa, com erros e acertos; com conhecidos e desconhecidos, na alegria e
na dor; com quem menos imaginamos e conosco mesmos; com crianças, velhos e adultos; com
animais e plantas; e, com a vivência em sociedade.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 25

Por merecimento, reencarnamos neste mundo de expiações e provas, com o objetivo de


melhorarmos nossa índole, nossa essência e recebemos a oportunidade de nos conscientizarmos
do prejuízo com o tempo perdido, com guerras, disputas e desentendimentos, para revermos nossas
atitudes, vigiarmos nossos pensamentos, aprimorarmos nossos sentimentos, aprendermos a amar
nossos semelhantes e, ainda, outorgados a dividir com outras pessoas essa maravilhosa
experiência de amar, respeitar e honrar todas as formas de vida.
Nossa vida pode ser traduzida como capítulos de um livro, escrito sem ensaios nem
borrachas, e deve ser conduzida sem pretensões de fartas colheitas no plano terreno.
Um livro com histórias bonitas e com finais felizes. Outras com novas histórias, feias e tristes,
com batalhas desnecessárias, por motivos fúteis que, às vezes, até interrompem,
momentaneamente, nossa evolução, nos desviando de pessoas queridas e do caminho escolhido.
Alguns capítulos que nos honram pela felicidade expressada por gestos simples, inesperados
e delicados. Há alguns que nos envergonham pela estupidez dos nossos atos impensados e
imaturos, mas, todos eles fazem parte do livro que escrevemos, nas páginas entregues a nós, por
Pai Olorum, para darmos continuidade a nossa existência nesse plano terreno, utilizando a bagagem
trazida durante nosso processo evolutivo.
Essa história tem alguns co autores, amigos espirituais que, quando permitimos, nos auxiliam
a não repetirmos tanto os erros passados. São como gotas de luzes coloridas e cristalinas que
aliviam nossas dores e guiam nossa jornada. São Prepostos do Divino Criador, que recebem a feliz
missão de partilhar conosco a nossa caminhada Divina.
Encontramos pelo caminho muitas pessoas, que também são parte do Todo e representam,
assim como nós, uma centelha Divina. Algumas com muitas perguntas e poucas respostas, muitas
verdades e pouca humildade, muita soberbia e pouca sabedoria, muito sucesso e pouco
conhecimento. Outras buscam o brilho das estrelas sem conhecer a noite, sonham com a luz, sem
conhecer o sol, querendo alçar altos voos, sem saber caminhar.
São personalidades distintas: doentes ou saudáveis, delicadas ou cruéis, honestas ou cínicas,
amáveis ou abomináveis, sinceras ou maquiavélicas, leais ou perversas, mas sempre as
encontramos.
As personalidades que se farão presentes ao nosso lado, serão frutos do retorno daquilo que
conseguimos construir em nossa própria existência, daqueles que atraímos e fidelizamos como
nossa companhia.
A Lei da afinidade e a Lei do retorno são realidades. Verdadeiras dádivas do Pai Maior que,
incentivam nossa evolução através do livre arbítrio, que nos permitem identificar, reconhecer e optar
pelas personalidades com quem queremos aprender, conviver e compartilhar a caminhada.
A colheita nem sempre é estável, farta e com resultados abundantes e esperados. Às vezes
não colhemos frutos saudáveis, saborosos e de fácil degustação, mas sempre são atribuídos a nós,
pelas sementes que plantarmos, frutos semelhantes aos que doamos e alimentamos quem se
aproxima, muitas vezes, sedento de luz, implorando uma gota de amor, buscando uma fagulha de
conhecimento, faminto por um gesto de carinho.
Quando as sementes são entregues a nós por Pai Olorum para serem cultivadas, a colheita é
certa. O fruto em desenvolvimento deve ser tratado com amor e cuidado. A opção é dele, mas,
certamente, terá uma oportunidade real para amadurecer e se tornar salutar para alimentar outros
semelhantes com o efeito grandioso dos seus humildes gestos de amor, sentimentos reais de fé e
caridade, assimilados e vivenciados diariamente.
Mas, quando a semente é desprezada e o fruto é mal direcionado ou maltratado, pode não só
se perder no meio da plantação, como contaminar outros imaturos, despreparados e sensíveis às
ervas daninhas.
Aprendemos, com lições muitas vezes duras, a respeitar o limite de cada ser humano, sem
exigir crescimento, desenvolvimento ou que aceitem as nossas verdades, sem exigir o que ele não
consegue nos conceder. Afinal, o ser humano só consegue doar aquilo que tem e não aquilo que
esperamos de cada um.
A reencarnação é isso: uma oportunidade de resgates, de reencontros, de crescimento, de
culto ao amor ao próximo e nos faz acreditar que sempre é tempo de recomeçar e recuperar
espíritos desequilibrados e equivocados, dentro da Lei Maior, da Justiça Divina e do merecimento de
cada um, naturalmente, se esses irmãos, em processo de conscientização, se deixarem conduzir
pelas luzes Divinas enviadas por Pai Olorum, caso contrário, a colheita para eles, também é certa!
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 26

Por isso, meus irmãos, filhos amados da Seara de Pai Olorum, não precisamos conviver,
mas, necessariamente, deixemo-nos contagiar pela arte de amar ao próximo, independente da
condição apresentada por eles, sejam afins ou não aos nossos conceitos de vida, pois, somente
assim, estaremos aprendendo e contribuindo verdadeiramente para a evolução do Todo,
fortalecendo a corrente de amor, do bem, da caridade, da fraternidade, da justiça e da fé difundidos
pela Umbanda Sagrada.
É fácil amar quem nos ama, abraçar quem nos abraça, concordar com quem concorda
conosco; cuidar, zelar e proteger aqueles que estão sob nossos cuidados; e, ensinar quem silencia
diante das nossas palavras.
O mérito está em conseguirmos fazer tudo isso com aqueles que estão desequilibrados,
discordam, questionam, divergem, provocam e desafiam. Aí sim, estaremos participando ativamente
e auxiliando em todo esse processo magnífico de reconstrução astral, de evolução pessoal,
crescimento individual que refletirá diretamente na qualidade das relações humanas, permitindo que
todos façam sua reforma íntima, se conheçam verdadeiramente, busquem melhoramento contínuo,
resgatem seus débitos, não repitam suas falhas e conduzam de maneira equilibrada seus atos,
sentimentos e pensamentos.
Dessa forma, poderemos nos denominar Umbandistas, mensageiros da fé e semeadores do
amor de Pai Oxalá. Isso sim é Umbanda - Semente de Vida e Amor no Universo!

Que Pai Oxalá nos abençoe, guie nossa jornada e nos cubra com o Seu manto Sagrado.

Arley R. Lobo – 18/05/2011


Filha de Fé da Tenda de Caridade Umbandista Pai Oxalá/Mãe Domitilde
tcupaioxala@gmail.com
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 27

Pai Elcio de Oxala

Escola de Curimba - Fone: (11)2231-0520 (11)7255-7481

DODO MARTINS

E-MAIL: FACOPARTEDISSO@GLOBOMAIL.COM
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 28

LAZER E CULTURA
CANTOS E TOQUES NA UMBANDA
POR SEVERINO SENA.

RESUMO DA AULA DADA PELO OGÃ SEVERINO SENA AOS ALUNOS DO CURSO DE
DOUTRINA, TEOLOGIA E SACERDÓCIO DO COLÉGIO DE UMBANDA PAI BENEDITO DE
ARUANDA NO DIA 8 DE JUNHO DE 2011.
Severino iniciou sua aula dizendo que é muito gostoso falar sobre os toques e os cantos e
que ali estava para falar da função do Ogã e da curimba.
Ogã: dentro da casa ele é o segundo poder. O primeiro poder é o dirigente da casa de
Umbanda e o Ogã sempre vai tocar o que é determinado pelo dirigente. Dependendo do dirigente os
pontos são diferentes já que os mesmos são direcionados ao guia-chefe do mesmo. No caso daqui,
por exemplo, onde temos Pai Rubens, Mãe Alzira e muitos pais pequenos que aqui trabalham, eu,
Severino, como Ogã toco para todos eles, mas o primeiro canto sempre é direcionado ao comando
da casa e depois ao comando daquele dia específico de trabalho.
Tenho que estar afinado com o Senhor Arranca-Toco, Senhor Pena Verde e outros guias
espirituais que estão no comando.
Desde o início dos trabalhos, abertura, defumação, etc., o Ogã deve direcionar o canto para a
linha que vai trabalhar naquele dia.
Existem várias formas de se trabalhar nas diferentes casas de Umbanda. O Ogã está lá para
cantar e tocar o ponto certo para movimentar energias dentro daquele trabalho.
O conjunto são três atabaques e seus nomes foram herdados do culto de nação.
São três atabaques de tamanhos e sons diferentes. O maior chama-se Rum e tem o som mais
grave. O médio chama-se Rumpi e o menor deles, com o som agudo chama-se Lê (que é igual a
mi). O número de atabaques pode variar de casa em casa, mas existe uma ordem porque cada um
deles possui a sua afinação, mas o comando está no Rum. Então podemos afirmar que o Rum é o
atabaque direcionado ao comando.
Saudação aos Atabaques: Também existe uma hierarquia ao se fazer a saudação aos
atabaques.
Primeiro fazemos a saudação ao Rum, logo após o Rumpi e por último saúda-se o Lê.
Todo Ogã é considerado um pai no Centro de Umbanda. Todos os cantos, todos os toques são
importantes no trabalho, desde a abertura até o encerramento dos trabalhos. Para ilustrar a
importância do Ogã a vocês, devo dizer que o mesmo está sempre observando tudo, do início ao
encerramento dos trabalhos e isto é uma de suas funções para que tudo transcorra dentro da mais
perfeita ordem, harmonia, de acordo com o dirigente da casa.
Vou citar um exemplo: - No início de um trabalho desta casa notei um irmão que estava no meio dos
médiuns presentes e me causou certo incômodo e, sem que eu dissesse nada, já na defumação a
Mãe Alzira se dirigiu a ele e o retirou da gira porque estava alcoolizado.
O Ogã tem o poder de levantar ou de acabar com um trabalho.
Palmas: podem ajudar “pra caramba” e atrapalhar “pra dedéu”. Se estiver somente cantando, as
palmas ajudam, às vezes, porém com o atabaque as palmas atrapalham porque muitas pessoas
juntas, sem educação musical possuem ritmos diferentes e podem comprometer o trabalho do Ogã.
O Ogã tem que estar ligado a tudo que acontece durante os trabalhos, por isso mesmo ele
encontra-se num piso um pouco mais elevado e vai observando tudo que se passa.
Eu pessoalmente prefiro que cantem e dancem e eu mantenho o tempo musical.
O Ogã deve ter noção, desde a abertura e defumação do tamanho do terreiro, pois, para se
defumar algumas pessoas ele necessita apenas de um canto, mas para se defumar duzentas,
trezentas, quatrocentas pessoas como aqui, ele deve ter mais de um canto, porém todos eles devem
seguir o mesmo toque. Pode-se mudar o toque na hora que a defumação sair da linha dos médiuns
para os assistentes.
Tem dirigente que gosta de cantos lentos, outros de cantos mais rápidos e o Ogã deve
sempre seguir essa preferência do dirigente porque quem manda é ele, o dono da casa.
O ritmo muda de dirigente para dirigente.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 29

O Ogã tem que estar alinhado com os guias do dirigente e isso tem que ter endereço certo
para chegar onde se deseja chegar. Todos os pontos são direcionados em cima de acontecimentos
e o Ogã movimenta energia do primeiro ao último trabalho, cantando para Senhor Arranca Toco,
Senhor Ogum Beira Mar, etc.
Existe uma grande diferença entre tocar atabaque e bater atabaque. Vemos muitas pessoas
que ficam feridas e mal após “bater atabaque”. Por ignorância não observam a altura do mesmo e
batem, literalmente com as mãos nos ferros ou na madeira e se ferem. Outro ponto a observar é que
pessoas muito altas têm que ficar tortas, curvas para tirarem som dos mesmos e dizem depois que o
trabalho estava “pesado” quando na realidade estavam mal posicionadas. Tudo é questão de
aprendizagem. Observem a distância e a altura dos atabaques em relação ao Ogã.
Todo canto e toque são importantes porque têm poder de realização.
Para tocar atabaque observem:

1) Distância do atabaque
2) Altura do atabaque
3) Ogã: deve dosar as energias para chegar ao término dos trabalhos que duram por
vezes mais de 3 horas.

O Ogã, normalmente, não é médium de incorporação, porém, na Umbanda, muitos terreiros são
na casa das pessoas e os médiuns de incorporação tocam e depois incorporam e vão dar passes.
Outro aspecto do Ogã na Umbanda deve-se ao fato de que mulheres podem tocar. Em trabalhos
de nação isso não é permitido. Por quê? São lendas e lendas e não sabemos ao certo a razão disto.
Tocamos diferentes toques para o mesmo Orixá. Na Umbanda temos, por exemplo, vários
toques para Oxum. Tem música que é Ijexá e tem Congo também.
Em cima de cada toque temos uma variação imensa. Temos congo de ouro, congo nagô. O fato
de se usar três atabaques dá uma variação maior ainda e os contra tempos devem ser feitos no
mais agudo deles. Temos ainda toques bem determinados para mamãe Oxum na África e na Bahia,
onde usam afoxé, que deve usar dois atabaques para ser bem correto. Temos na Bahia, nos “Filhos
de Gandhi” o ritmo bem marcado com agogô.
O correto é que o Ogã estude porque ele é um médium também, diferente do incorporante e
deve buscar informações para um melhor desempenho na sua função, mesmo porque tocar e cantar
ao mesmo tempo não é fácil. Em centros de Umbanda, além de tocar, cantar e observar tudo que se
passa no terreiro, o Ogã muitas vezes dá informações rotineiras durante os trabalhos.
Uma pergunta comum que recebo é a seguinte: - Como se descarrega um atabaque?
Não se descarrega um atabaque.
De acordo com o guia chefe da casa o atabaque pode ter firmeza nele, pode ter fitas, ponto riscado
etc.

Curimba

Ao se montar uma curimba em um terreiro devemos distribuir muito bem as funções, inclusive
para que nenhum dos componentes dela cheguem a um cansaço extremo. Um poderá apenas
cantar, outro tocar, mas tudo adequado às necessidades e funções, sempre obedecendo à
hierarquia. Existe um comando a seguir, sempre de acordo com o guia chefe do terreiro, os toques
para abertura, defumação, um específico para o guia chefe que aqui, no caso é o Senhor Ogum
Beira-mar. Somente após a incorporação dele é que os outros Oguns deverão ser incorporados. O
mesmo deve acontecer na desincorporação, onde os médiuns devem ser os primeiros a
desincorporar e o guia chefe o último.
Tem ponto para o guia chefe.
Tem ponto para a falange daquele guia chefe.
Tem ponto para se ajudar alguém necessitado, etc.
O dirigente deve saber como tocar um trabalho dentro de sua casa, então ele pode e deve
fazer um curso de curimba.
Existe uma sequência padrão a ser seguida dentro dos terreiros, porém isso pode mudar de
casa para casa. Temos por exemplo casas que não cantam ponto para se bater a cabeça, como
aqui onde isso é feito no ponto de Oxalá. Existem outras que não tem um dia para se receber as
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 30

crianças, algumas cantam sempre o Hino da Umbanda, outras, nem sempre. Enfim, existe uma
gama imensa de variações dentro das tendas de Umbanda e devemos sempre respeitar as
orientações do chefe do terreiro. Cada casa é um caso; preceitos, obrigações, bebidas (elementos).
Se forem montar uma curimba nos seus terreiros procurem colocar a pessoa mais qualificada para
isso e não simplesmente quem não incorpora. É uma função muito importante, pois movimenta
energia dentro do trabalho, como já foi dito aqui.
O Ogã dentro da Umbanda não tem iniciação. Eu, pessoalmente, tenho. A primeira pessoa
que ensinou a mim, Severino, não teve curso.
Outra coisa importante que foi respondida: no caso de se ter visita no terreiro e a mesma
pedir para tocar o atabaque, o Ogã deve ser responsável e saber que não pode passar o seu
comando a alguém de fora, como já explicado, mas, eventualmente pode deixar que essa pessoa
cante ou toque o Lê, nunca o Rum que é o atabaque principal, o comando da curimba.
Encerramento
Pai Rubens encerrou a aula dizendo que é necessário ter todas as informações possíveis
sobre a nossa religião. Quem quiser conhecer mais a respeito de toques e canto na Umbanda pode
comprar o livro de Severino Sena ou frequentar seu curso.
Todas as religiões têm seu lado de “Magia do Som” como sua personalidade; temos então que ter
um entendimento do conjunto todo; quem toca, quem canta e para que serve o toque.
No início da Umbanda não havia toda essa parte musical muito desenvolvida, mesmo porque
Pai Zélio seguia uma orientação espírita, de acordo com sua formação.
Nós umbandistas devemos saber o que estamos fazendo e por que as coisas acontecem.
Devemos saber conversar e sustentar qualquer diálogo a respeito de nossa religião.
A religiosidade deve ser construída, pois ninguém nasce pronto. Tem que aprender, se
aperfeiçoar, porque isso faz parte de nossa evolução.

Texto enviado por: Vera Bueno.


E-mail: vlbmoraes@gmail.com

MAGIA DIVINA – WWW.COLEGIODEUMAGIA.COM.BR


Magia Divina dos 7 Raios Sagrados
Venha fazer esse curso e convide seus amigos, familiares e conhecidos pra faze-lo também,
aprendendo a trabalhar facilmente com problemas de fundo espiritual ou provenientes de magias
negativas. Inicia-se e evolua no campo da magia divina.

Magia Divina das 7 Chamas Sagradas


Primeiro e fundamental grau de Magia é o grau de Magia do Fogo ou Magia Divina das Sete Chamas
Sagradas. Sua simplicidade e facilidade de apreensão são as responsáveis pela sua receptividade
entre os adeptos da Magia, e a sua praticidade abre as portas para seus praticantes trabalharem com
ela onde quer que estejam, já que dispensa paramentos e rituais que dificultariam sua aplicação.

Magia Divina das 7 Pedras Sagradas


O foco deste curso iniciático é o uso magístico e terapêutico das pedras, pois desde tempos
imemoriais elas são usadas como amuletos, talismãs, pentáculos, ornamentos sacerdotais ou como
fonte de poderes nem sempre comprováveis ou possível de ser comprovados

Magia Divina das 7 Ervas Sagradas


A Magia Divina é um das mais fascinantes e nos revela uma das formas de vida, criadas por Deus para
os auxiliar na nossa sobrevivência aqui no Plano material e muitas formas!
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 31

ULTIMA PÁGINA
EXTRAORDINÁRIA NOTÍCIA:
DO CARBONO AO SILÍCIO
Irmãos, Irmãs, agora, não é um passo de um estado evolutivo para
outro, mas, é um salto de uma Dimensão para outra, por isso se
denomina salto Quântico, porque nas anteriores mudanças evolutivas do
Ser Humano, este sempre permaneceu com o seu ADN na base do
elemento carbono, e agora nesta terceira Dimensão, vem a alteração do
ADN para o elemento silício, a Base do Cristal de Quartzo, o ADN cristal,
numa tabela periódica dos elementos químicos, verão que do elemento
carbono ao elemento silício, existem oito passos, uma oitava mais alta,
quer dizer um salto Quântico, isto acontece quando o átomo sofre uma
modificação, devido a forças “externas”, que o “obrigam” a mudar
internamente, e que por fim, transformam-no estruturalmente, alterando a sua morfologia para outros
elementos. As partículas de luz, denominadas fotões, serão as causadoras desta Alteração no
átomo da matéria.
A ASCENSÃO VIBRACIONAL.
A Ascensão é a resposta exata aos acontecimentos, situações, alterações, flutuações e
estados, que a Terra, o Ser Humano e tudo o que a habita, estão sentindo e percebendo hoje em
dia.
A Ascensão não é misticismo, nem esoterismo, nem xamanismo, nem bruxaria, nem algo
religioso (qualquer que seja a vossa religião), nem algo complexo, nem científico, nem histórico, e
muito menos, profético, tampouco é castigo divino ou não divino, nem sequer é algo fortuito,
tampouco milagroso, nem caótico, nem experimental, e por último, não é algo que se possa deter,
não é algo que se deva temer e não é algo que seja obrigatório, quando tendes o Livre Arbítrio.
A Ascensão é um ciclo cósmico, que se Sucede e se representa sempre, em cada região,
lugar, espaço, tempo e parte determinada do Universo…
Nada escapa à Ascensão, nem seres, nem criaturas, nem objetos, nem energias diversas, é
um movimento cíclico em espiral ascendente, baseado em oitavas harmónicas e em sequências
luminosas de energia Luz e Amor.
A Ascensão é um caminho de mudança ascendente, que passo a passo vos aproxima mais
da FONTE ETERNA DE AMOR, seja qual for o nome que lhe dê, pois a Ascensão não distingue
cores, raças, credos, religiões, status, tamanhos, nem idades.
A Ascensão não se iniciará no ano 2012, nem no Solstício de 22 de Dezembro desse ano,
dado que a Ascensão está presente, aqui e agora, na Terra, pois se iniciou há éons no tempo atrás
quando se gerou a vida no Universo.
A Ascensão é Composta de infinitos movimentos em espiral ascendente, e cada movimento,
culmina o seu ciclo na sua anterior espiral, que termina o seu percurso a cada 26.000 anos
aproximadamente, pelo menos a Ascensão que nos corresponde, nesta pequeníssima parte da
nossa Galáxia, onde o nosso sistema solar, quase termina o seu presente movimento em espiral,
através das doze constelações zodiacais, e é então quando se configura uma nova espiral evolutiva,
que é a sequência da anterior, só que numa oitava superior (como as escalas musicais: Dó, Ré, Mi,
Fá, Sol, Lá, Si) de frequência vibratória mais alta, ou seja, de mais Consciência desperta nos seres e
criaturas que experimentamos atualmente a vida aqui.

Não é a mesma Ascensão do que a de uma nova espiral ascendente, pois a Ascensão é a soma do
total das espirais ascendentes, sendo que esta Ascensão dos quase 7.000 milhões de seres
humanos que vivemos atualmente na Terra se iniciou há milhares de milhões de anos, e a cada
26.000 anos, formou-se uma nova espiral ascendente.
A nova espiral ascendente, pertencente à nossa Ascensão, iniciar-se-á no ano 2012, quando
todo o sistema solar no seu conjunto, chegue ao fim do seu percurso anterior de 26.000 anos, e
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 32

inicie um novo percurso, começando na constelação de Aquário, pois estamos saindo da


constelação de Peixes (de fato, estamos viajando já entre as duas constelações) e aqui, por favor,
não pensemos que estamos falando de astrologia nem em nada de ciências esotéricas, nem
exotéricas, nem de misticismo ou xamanismo, estamos somente falando de ciclos cósmicos, e um
ciclo é uma volta através de algo, e se lhe somarmos a palavra Ascensão, converte-se então num
ciclo ascendente, que formará uma nova espiral, “para cima”, só isso, e se o seu movimento é “para
cima”, então por isso adapta-se uma espiral, pois é um círculo que regressa à sua origem, mas mais
“acima” do que onde começou, e isso é o que se denomina Oitava Superior.
Há 200.000 anos mais ou menos, existiam aqui Neandertais, noutra espiral evolutiva,
evoluíram para a raça dos Cro Magnon, posteriormente, há poucos milhares de anos, o Homo
Sapiens, e depois, muito rapidamente, evoluiremos para Homo Sapiens cósmico.
Então, porque tanto interesse por esta nova espiral evolutiva que se aproxima? Simplesmente
porque cada vez, são mais curtos os tempos em que o Ser Humano evolui de um Estágio para outro,
e sempre melhoram em grande escala todos os aspectos Físicos, Emocionais, Mentais e Espirituais,
cada vez que este salto quântico se realiza.
As partículas de Luz, denominadas fótons, afetam o átomo da matéria de terceira Dimensão,
“movendo-a” para uma Dimensão mais sutil e de frequências maiores, onde encontram a sua
ressonância. Por isso, a morfologia do ser humano, mutará para o elemento silício, base do cristal,
que é um elemento altamente inteligente, com a certeza que estamos dando um salto quântico de
elevação de frequência, numa Espiral Fibonacci, que é a base da genética do Ser Humano
composta por estruturas cristalinas.
Salto, onde a mutação do ADN, passa da 3ª Dimensão à 4ª, senão, à quinta, sendo então um
salto da terceira à quinta Dimensão.
Por último, na filosofia mística, a palavra Cristo, significa um altíssimo nível espiritual, um Ser
Crístico, é um nível que se encontra mais para lá do nível fraternal, e chama a atenção que o ADN
mutará para o silício, deixando de ser carbono, e se o silício é a base do cristal, então o nível de
cada átomo que adotará o novo Ser Humano, será de cristal (não confundir com o cristal comum que
conhecemos), será o início para um Ser Crístico, ou seja: que alcançará o nível Cristo que nos
espera na escadaria da Ascensão para perfeição.
Já ninguém duvida de que nos estamos aproximando de um momento inexorável da nossa
história como espécie. Nem os céticos podem negar que algo está acontecendo a nível planetário,
algo que vai mais para além dos conflitos sociais e ecológicos, ou da transformação do paradigma
científico.
Para os que vivemos esta realidade como uma experiência energética de expansão e
conexão, os tempos têm-se acelerado. Crescimentos abruptos, ruptura de vínculos, desaparição de
doenças sem existir tratamento, percepções acrescentadas, sincronicidades sem limite.
Parece que estamos vivendo num parque de diversões monumental, onde de repente se
ativaram todos os efeitos especiais, enquanto nós testamos todos os jogos de uma vez.
Por vezes é divertido, às vezes é chocante, mas continuamos, encontrando-lhe um propósito
a cada experiência, sentindo cada momento como se fosse o último.
Alguns encontraram a sua própria bússola para se manterem no eixo. Outros, recentemente,
estão percebendo de que necessitam de uma, antes que a realidade termine desmoronando-se
sobre as suas cabeças.
Hoje, quero sugerir-lhes doze passos para não sucumbirem ao advento de 2012:

MEDITAÇÃO DIÁRIA. Ontem era recomendável, hoje é imprescindível. A meditação diária é


o combustível do nosso corpo e da nossa alma para percorrer este tempo. Façam-no de maneira
simples: três fases, respiração consciente, relaxamento corporal, chegada de Luz. Quanto mais
simples, mais fácil será incorporá-la como hábito.
INTENÇÃO CLARA. Não podemos continuar vivendo cada dia como quem sobe para um
avião e diz ao piloto: leva-me para onde quiseres. Necessitamos de um mapa, UM GUIA e um
propósito continuado sem interrupção.
REGISTO DE SONHOS. Os nossos sonhos estão-nos guiando na direção da nossa evolução.
Sempre o fizeram, mas agora é necessário que prestemos muito mais atenção ao que significam.
Pratiquem a memória do sonho, tratem de recordar ainda que não o entendam, dividam-no com
outros interessados no mesmo.
Jornalnacionaldaumbanda.com.br São Paulo, 25 de Junho de 2011. contato@jornaldeumbanda.com.br Pág. 33

DESAPEGO RADICAL. Alguns Seres passaram por experiências duras no plano sentimental,
mas tudo isso foi para um propósito, para centrar e equilibrar energias e com isso discernir se a
pessoa que os acompanhava tinha o mesmo propósito de evoluir. Avaliar que acontecimento do
passado afetou a nossa maneira de sentir e de vibrar. Não ficar estancado nesse acontecimento,
transformá-lo. O propósito é simples... Concluir para fechar todas as pontas soltas dessa situação,
portanto, tirar disso todas as experiências que tiveram para nos separarmos e terminar de uma vez
por todas com o que nos impede o nosso crescimento, avaliar o que realmente nos enche
completamente. Despeçam-se verdadeiramente do que não é útil. Descubram que recebem em
troca uma energia extraordinária, se mantenham unidos com os seres que vibram na mesma
frequência para expandir essa Luz de cura da mente de todos os outros seres. Não importa a
experiência que se teve, o importante é o reconhecimento no Agora do que é realmente valioso para
o nosso crescimento interior e tomar a decisão se o nosso parceiro (a) é um obstáculo a isso, se é
de simplesmente deixar ir "Terá a sua própria experiência”, se pelo contrário é um Ser que deseja
mudar/continuar crescendo, será uma grande ajuda para a evolução como um casal.
REDES SOCIAIS. Reúnam-se, somente, com aqueles que dividem esta filosofia de vida. A
mudança vos encontrará reunidos. Participem em práticas de ativação da consciência, se
mantenham bem informados através de sites na internet ou de pessoas que vibrem na mesma
ressonância e que tenham os mesmos objetivos. Não percam tempo com ilusões inúteis e fúteis.
Dispensem a vaidade. Despertem a consciência o quanto antes. Assistam a seminários e
conferências e troquem informações. Façam a gestão das vossas próprias redes de grupos reais ou
virtuais.
COMUNHÃO COM A TERRA. A Mãe Terra está evoluindo juntamente conosco. De fato, ela é
a iniciadora deste movimento e a razão principal de estarmos girando para um destino superior. É a
nave que nos leva através do cosmos. A reverenciamos de maneira mais simples e universal: dando
Amor, a ela e às suas criaturas.
TEMPO NA NATUREZA. Apanhem sol, ainda que seja na varanda uns minutos durante a
manhã, tomem contato com a energia natural em todas as oportunidades que tenham. Caminhem,
observem os sinais do vento, as nuvens. Carreguem-se vitalidade e pureza.
ARTE. Expressem-se criativamente, mesmo quando sintam que não têm capacidade artística.
A arte é uma qualidade inerente à espécie, só que nos condicionaram a aceitarmos somente certas
formas criativas. Permitam que a alma fale no seu próprio código, que é o da arte.
SEGUREM-SE AOS VOSSOS SONHOS. Cada alma tem um sonho, é esse o seu Norte.
Encontrem o que vos torna felizes e sigam o seu rasto. Abandonem definitivamente todos aqueles
preconceitos e crenças limitantes que vos dizem o que “é possível” e o que não é. Quando
chegarmos ao momento que nos espera como espécie, não nos servirá de nada ter feito as coisas
segundo o que “se esperava de nós”. Encontrem o vosso propósito existencial.
LIMPEZA CÁRMICA. Os nossos campos de energia estão cheios de resíduos que já não são
funcionais para o nosso crescimento. Noutras épocas, talvez nos tivesse levado anos a
compreender e a transmutar esses restos de experiências kármicas. Hoje, a aceleração e as
alterações no nosso ADN fazem rebentar as cristalizações antigas. Limpem o que fica delas com o
trabalho dos chakras, cura com sons, desintoxicação do organismo com jejum ou dieta sã, trabalho
com a energia.
DESCANSO. Toda esta evolução produz em nós um desacostumado cansaço. A matéria está
mais lenta na hora de ajustar a sua dinâmica à da consciência. Protejam-se descansando o
suficiente, e mais. Se puderem, façam uma sesta, ou sempre que possam, não importa o momento
do dia. Se não podem, substituam qualquer “compromisso” por tempo para vós, relaxamento e
silêncio reparador. CUIDAR DO CÉREBRO.
PEDIR ASSISTÊNCIA SUPERIOR. Estamos sendo acompanhados por entidades espirituais
de diferentes cores e frequências, mas com o mesmo grande projeto: ser testemunhas do
maravilhoso momento em que uma espécie transita de uma para outra Dimensão. Até certo ponto,
podem ajudar-nos com conexões amorosas, estímulo e inspiração.

“Nós devemos ser a mudança que queremos ver no mundo” Gandhi

Enviado por Andrei Vinicov Kallazans


andreivinicov@hotmail.com