Você está na página 1de 11

Partido Comunista

bem cotado nas

PerCeBer Informes da Revolução


eleições
democráticas de
domingo na
Venezuela. O PCV
Partido Comunista Brasileiro www.pcb.org.br faz parte da
N° 176 – 23.09.2010
. Revolução
Bolivariana
A estratégia da opressão
Vêm aí grandes sacrifícios A paralisação realizada na
à população: “É necessário”, França contra a reforma
previdenciária foi apenas uma
dirão os governantes globais demonstração do que está por vir
em toda a Europa. A expectativa
dos analistas é de que uma onda
de greves contra as medidas de
austeridade tomará a região nos
próximos meses.
Mas as tais “medidas de
austeridade” não serão tomadas
apenas na Europa nem os
sacrifícios serão exigidos apenas
do povo americano. O Brasil terá
dias difíceis pela frente.
Os grandes interesses estarão protegidos, mas os pobres vão pagar

Embora os “principais” candidatos à proteger os setores com maior poder de


Presidência do Brasil enganem os barganha. No caso do Brasil, os
eleitores, orientados por seus financiadores das campanhas eleitorais
marqueteiros, suas assessorias vencedoras estarão protegidos. Aos
econômicas defendem “ajustes” trabalhadores e os jovens só restará um
similares àqueles que já estão sendo caminho: organizar a luta anticapitalista.
discutidos na Europa em meio a O governo francês testou a resistência
intensos debates. popular com o aumento da idade
Na França e na Grécia, onde o governo mínima para aposentadoria em mais
quer impor à força as medidas, os dois anos, obtendo a aprovação da
trabalhadores e a juventude se proposta no parlamento. Agora, sente-se
mobilizaram energicamente. mais forte para impor novas medidas de
Na Rússia, nos EUA, na Tailândia, em “austeridade”.
Portugal, Espanha e Suécia, onde a O discurso dos governantes será
ultradireita aumentou sua uniforme em todo o mundo: o público
representatividade no Parlamento, os será alvo de campanhas para se
protestos são crescentes. convencer de que os sacrifícios de
O que já está visível em todo o mundo “todos” serão necessários e que os ricos
logo também será visível no Brasil: as também pagarão a conta. Isso é falso:
autoridades dirão que os sacrifícios quem tiver poder de pressão conseguirá
serão “de todos”. No entanto, os controlar os governos e se pôr a salvo
sacrifícios são apenas para os dos “ajustes”. Por isso, nosso dever é
trabalhadores – os mais pobres. O levar adiante a palavra de ordem da
mecanismo dos “ajustes” sempre vai Intersindical:
Nenhum direito a menos, só direitos a mais!
Protesto em Berlim, Alemanha

Manifestantes depositaram centenas de


camisetas em frente ao parlamento de
Berlim na semana passada, no curso de
protestos contra a redução nos gastos
sociais pelo governo alemão. Em slogans,
eles pedem ao governo para tributar as
grandes riquezas do país

Políticos precisam de 10 milhões estão na necessárias para que a


inadimplentes com suas economia volte a se pôr em
de nossos votos, hipotecas. O grosso da marcha?
mas fazem turma da geração baby
boom se aproxima da idade As respostas a essas
campanha com de aposentadoria com pouca perguntas é clara: os
dinheiro dos coisa além do que a políticos trabalham por
Previdência Social para o outra conta. No dia das
grandes grupos seu retiro, agora que o eleições, os políticos
colapso da bolha imobiliária precisam dos nossos votos,
destruiu seu patrimônio em mas não conseguirão
bens imóveis e boa parte do afirmar-se como
resto de suas economias. concorrentes com
possibilidades, a menos
Os danos se tornaram que consigam as
odiosos por duas razões. contribuições financeiras
Primeiro, tratou-se de um necessárias para a sua
desastre sob todos os campanha de parte da
aspectos previsíveis. A canalha dos muito
bolha imobiliária era fácil endinheirados. E a elite
de ver. Os economistas endinheirada vem se
Dean Baker* competentes tinham alertado servindo de seu controle do
Publicação original do para os seus perigos há processo político para
jornal Sin Permiso muito. assegurar-se de que uma
A classe média trabalhadora parcela cada vez maior do
nos Estados Unidos está A segunda razão por que os Produto Interno Bruto se
sendo destruída pela Grande danos foram detestáveis é redistribui para cima, em
Recessão. Quinze milhões que sabemos como tirar a seu benefício.
de pessoas estão sem economia da catástrofe. Só
trabalho; outros 9 milhões precisamos estimular a A razão por que houve
de trabalhadores só podem demanda. Isso pode se fazer pouco interesse em desinflar
encontrar trabalho de meio ou com mais estímulos a bolha imobiliária é que o
expediente e outros milhões públicos e uma política Goldman Sachs, o Citigroup
abandonaram toda monetária mais agressiva do e o resto estavam fazendo
esperança e deixaram de que a do FED, ou uma fortuna com as fraudes
buscar trabalho. Os que têm desvalorizando o dólar para financeiras que alimentavam
a sorte de conservar seu estimular as exportações. a bolha.
emprego é improvável que O antigo secretário do
experimentem aumentos Se o desastre era previsível Tesouro, Robert Rubin
salariais substanciais e se sabíamos como sair embolsou pessoalmente
durante anos. dele, porque nossos mais de 100 milhões de
dirigentes não puseram o dólares nesta farra. Por que
Milhões de proprietários de freio antes de que haveriam de querer que o
casas enfrentam agora a sobreviessem? Por que não Estado se metesse nos seus
perda de seus lares, e mais tomam agora as medidas narizes?
trabalhadores da indústria assistentes de Wall Street é
em competição direta com uma drenagem direta
os trabalhadores mal pagos praticada na economia. O
na China e em outros países mesmo vale para as
em vias de remunerações infladas com
desenvolvimento. Isso não cheques de altos executivos
Nem precisa dizer que, tem nada a ver com uma e de seus conselhos de
quando a bolha finalmente crença no “livre comércio”. diretores lacaios. A
estourou, ameaçando os Não buscaram submeter os esquerda tem de se preparar
bancos com a bancarrota, a advogados, os médicos ou para usar as mesmas táticas,
canalha de Wall Street outros trabalhadores com a fim de trazer para o lado
correu para pedir ajuda ao elevadas remunerações ao de cá a renda dos ricos e dos
Estado. E receberam bilhões mesmo tipo de competição poderosos, as mesmas
de dólares em empréstimos internacional. Só queriam táticas que eles usaram para
e em garantias que se competição internacional reduzir a renda dos demais.
converteriam em vítimas da para pressionar a baixa de Isso significa reestruturar as
crise que eles mesmos salários dos trabalhadores regras da governança
tinham criado. Agora que se das classes médias e baixa, empresarial, para pressionar
recuperaram e que os lucros não aos de cima... a baixa da remuneração dos
e os bônus de Wall Street Essa elite instituiu um altos executivos. Os
voltam a bater recordes, não sistema de governança trabalhadores melhor pagos
veem razão para ocupar-se empresarial que permite aos (médicos, advogados e
das medidas necessárias altos executivos saquear as economistas) têm de se
para pôr o resto da companhias às expensas de submeter à mesma
economia nos trilhos, nossa seus acionistas e de seus competição internacional a
economia. trabalhadores. Os altos que os trabalhadores da
Depois de tudo, os passos executivos só estão indústria estão submetidos.
necessários para revitalizar a submetidos à supervisão de E deveríamos limitar
economia poderiam chegar a um conselho de diretores drasticamente o alcance das
trazer consigo certa que devem suas benesses proteções de patentes e
inflação. Isso reduziria o aos executivos que copyrights exploradas pela
valor da dívida em poder supostamente devem grande indústria
dos credores ricos. E os controlar. E, deve-se dizê- farmacêutica e pelo setor de
ricos não vêem razão para lo, dá-se licença aos barões entretenimento e software.
arriscarem nada de sua de Wall Street para apostas Temos de chamar a atenção
riqueza só pelo bem da de alto risco com a implícita sobre as vias por meio das
economia. promessa de que o governo quais os ricos alteraram as
Temos um longo caminho pagará a conta quando eles regras do jogo e pôr isso no
pela frente, para restaurar perderem. centro do debate político. A
uma economia que funcione Nenhum movimento de batalha de três décadas em
para a grande maioria, mas esquerda fará o menor torno das isenções fiscais
o primeiro passo é saber progresso até que entenda a para os ricos é importante,
onde estamos. A batalha que estamos mas no final das contas é
redistribuição para cima das travando. Nossa renda é secundário. Se os deixamos
últimas três décadas não têm um custo para os ricos. roubar todo o dinheiro desde
nada a ver com o mercado e Eles tratarão de cortar o princípio, não tem
com a fé no tudo o que possam e onde demasiada importância que
“fundamentalismo de possam, sejam salários dos terminem nos deixando
mercado”. Tratou-se de um trabalhadores do setor fiscalizá-los um pouquinho
processo pelo qual o rico e privado, pensões dos mais.
poderoso reescreveu as funcionários ou (*) Dean Baker – Codiretor
regras para se tornar mais seguridade social dos do Center for Economic and
rico e mais poderoso. aposentados. Esse é o seu Policy Research (CEPR).
Escreveram, por exemplo, objetivo. Autor de Plunder and
regras de comércio Na luta em resposta a isso Blunder: The Rise and Fall
concebidas para pressionar a temos de nos servir da of the Bubble Economy, e
baixa dos salários do grosso mesma lógica. Sua renda é de False Profits:
da força de trabalho nosso custo: os bônus Recoverying From the
estadunidense, pondo os multimilionários para os Bubble Economy.
ACL desenvolve projeto literários Jesus, Helena Sória, Jeferson Kaibers, Lauro
Darós, Marcio Couto, Maria Lucia Pereira,
Rejane Pires, Solivan Brugnara e Teresinha
Fedato Tavares.
Parcerias Poéticas, o livro, reunindo a
produção do projeto exposição, em 116
páginas de um livro de arte e poesia, em
cores, capa dura e 106 páginas e papel
especial, em forma de coletânea com os nove
autores já referidos.

A Academia Cascavelense de Letras (ACL)


está desenvolvendo os projetos Primavera das Trata-se de uma obra de registro, editada
Letras e Parcerias Poéticas 2010 internamente pela ACL com excelente
O projeto Primavera das Letras anual e se qualidade gráfica, que foi apresentada aos
realiza durante todo o mês de setembro, com convidados na data em que se comemora o
uma programação especial da Academia início da Primavera: 21 de setembro, terça
Cascavelense de Letras, que engloba, há feira, na Sala Verde da Biblioteca Pública
quatro anos, outro projeto: Parcerias Poéticas. Municipal, Sandálio dos Santos, durante sarau
Este ano, os projetos se desdobraram em dois lítero-poetico promovido pela Academia
grandes eventos: Cascavelense de Letras.
Poemas Ilustrados, a restrospectiva, O livro é uma edição dos autores e parte dos
exposição de poemas ilustrados, em exemplares serão disponibilizados aos
andamento (até o dia 30 de setembro) na Sala aficionados pela poesia e colecionadores de
Verde da Biblioteca Pública Sandálio dos livros de arte.
Santos/Secretaria da Cultura, à rua Paraná, em
Cascavel. São painéis com poemas ilustrados
de nove acadêmicos da ACL: Antonio de

Ivan Pinheiro e Amadeu Felipe no Oeste:


excelente recepção e muitas entrevistas

Eliandro Avancini recebeu Ivan Pinheiro, Amadeu Felipe e Fábio Gonçalves em Foz do
Iguaçu. Eles estiveram antes em Cascavel, onde foram igualmente bem recebidos
A Esquerda contradição: enquanto nos subordinada aos interesses
gabamos de ter alcançado a internacionais. É óbvio que
Brasileira como oitava economia do planeta não poderemos ser
integrante de um (segundo o relatório do FMI maniqueístas e não
Brasil Negado e o para o ano de 2009), nos poderemos esquecer a
Complexo de mantemos em septuagésimo alternativa de uma
quinto em qualidade de vida sociedade excludente com
Mameluco do PSOL (levando em conta o IDH), verniz ambiental
atrás da Albânia e de
Trinidad e Tobago. Temos Neste pleito há ainda uma
Desenvolvimento Humano curiosidade eleitoral: a
inferior a de países a pouco versão protagonizada pelo
atolados em guerras civis PSOL da “Dialética do
como a Croácia e Senhor e do Escravo” que
Montenegro. Na América do poderíamos definir como
Robson de Moraes* Sul estamos mais atrasados uma espécie de Complexo
que o pequeno Uruguai, de Mameluco. Tal qual no
atrás da Argentina, do Chile escrito de Hegel, a
A sociedade brasileira em
e da contestada Cuba. candidatura de Plínio de
seus encontros e
Arruda Sampaio, faz um
desencontros, é retratada em
Já se tornou evidente que enorme esforço de fazer-se
inúmeras obras de diversos
não há “Dois Brasis”, como reconhecido como força
autores da mais diferentes
nos apontou a clássica obra política diante da mídia e do
correntes teóricas. Em
de Jacques Lambert e tão conjunto de seus
algumas destas leituras está
bem criticado por Chico de adversários. Ao privilegiar a
exposto um Brasil profundo,
Oliveira em sua Crítica da busca do reconhecimento no
invisível aos olhos de uma
Razão Dualista, mas uma outro dominante, acaba por
elite que se esforça em
perversa combinação que reconhecê-lo como
desenraizar-se e travestir-se
engloba realidades distintas definidor dos parâmetros e
de moderna e global (no
em um mesmo Território, das normas a serem
duplo sentido do termo, ou
marcado pela adotadas. O Escravo, ao
seja, mundializado e
heterogeneidade de Classes, procurar estabelecer as
midiático), preservando
Etnias, Culturas, Saberes e condições de sua identidade
preconceitos e práticas
Economias. no Senhor, acaba
excludentes de um período
legitimando o papel de
colonial escravocrata, que
O processo eleitoral de 2010 Senhor e consagrando sua
insiste em se manter no ser e
expressa todas estas subalternidade.
fazer presente de nossos
contradições. Há um projeto
dirigentes políticos e
dominante, fundamentado Ao rejeitar a participação no
empresariais. Ensaios como
no aprofundamento da debate, entre as candidaturas
Casa Grande e Senzala
moderna economia (não tão) de esquerda à Presidência da
(Gilberto Freyre), Raízes do
nacional em um mercado República, promovida pelo
Brasil (Sérgio Buarque de
mundial cada vez jornal Brasil de Fato como
Holanda), A Casa e a Rua
tecnologicamente forma amenizar o
(Roberto Da Matta), O Povo
verticalizado e em profundo isolamento promovido pela
Brasileiro (Darcy Ribeiro),
antagonismo com a mídia aos agrupamentos da
entre outros, revelam este
horizontalidade da Esquerda Revolucionária
Brasil negado pelos “Donos
reprodução da vida Brasileira e garantir a
de Poder”, tal qual
cotidiana. Há uma intensa presença em evento do
denominou Raymundo
disputa sobre qual Instituto Ethos (Organização
Faoro.
agrupamento do bloco vinculado ao empresariado
dominante irá conduzir o paulista), o PSOL age como
Em suas centenas de
Brasil ao nosso futuro o mameluco filho de pai
milhões de pessoas, o país é
imediato (Dilma ou Serra ?) português e mãe indígena ou
uma nação inacabada,
de sociedade excludente como um mulato, filho do
efetivada por um Estado
com capacidade de produzir mesmo pai lusitano e de
negador dos Diretos mais
grandes corporações de mãe africana, miscigenação
elementares e inalienáveis,
origem local ou a sociedade esta amplamente divulgada
produtora de uma absurda
excludente completamente e difundida no imaginário
social de nosso povo. Diante Esquerdas, comprometidas hegemonia, que subverta o
de um pai ausente, que cedo com um processo de atual estado de coisas, que
abandonou, o filho faz de transformação elimine os antagonismos
tudo para ter o revolucionária, que dê vigentes, capaz de viver e
reconhecimento do pai, expressão política a milhões prosperar em uma unidade
negando sua condição de deserdados, embrião de da diversidade, que não
materna e afastando-se de um Estado Popular, que renegue a dialética a um
tudo que possa lembrá-la, assista às verdadeiras mero transformismo
desqualificando-a e demandas de nossa gente. adaptativo de camaleão,
desconstruindo quaisquer Pólo aglutinador que possa conciliador por natureza,
laços de aproximação da definitivamente impotente por vocação e
mãe negada, sonhando com compreender, perceber e subalterno por vontade e
uma relação impossível com organizar o brasileiro, não mediocridade.
um pai, que na prática não o como apenas uma
quer. identidade a ter sua estima *Robson de Moraes –
valorizada, mas acima de Geógrafo (membro da
É nesta conjuntura adversa e tudo, como uma forma Associação dos Geógrafos
diante de precaríssimas plural, criativa e inventiva Brasileiros), Professor e
bases é que se impõe a de se colocar no mundo, militante do Partido
tarefa de construção de um arquiteto de um novo Comunista Brasileiro
pólo aglutinador das Projeto e de uma nova

Cidade, emprego, ambiente, juventude:


por um programa revolucionário
Nenhum direito a menos,
só direitos a mais
Ajude um desempregado: reduza a
jornada de trabalho para 40 horas
Por todo o Brasil, eles No Paraná:
levam o programa PCB Governador - 21 Senador - 211
Presidente – Ivan Amadeu Felipe da Luz Gilberto Carlos Araujo
Pinheiro (sindicalista, Ferreira
advogado) 21

Vice-presidente – Vice – Governador 1º Suplente


Edmilson Costa Gilberto Oliveira Gomes Adriana Aparecida de
(economista, escritor) Oliveira
JORGE LUIS Distrito Federal –
2º Suplente FAGUNDES CHAVES Frank Svensson
Elísio Eduardo Marques – 21789 (governo), Rosana Chaib
(Senado)
Rio de Janeiro –
Eduardo Serra
(governo), Wladimir
Mutt (Senado)
Alagoas – Tony Clóvis
(governo),
Diógenes Paes (Senado)
Santa Catarina –
Deputados Federais Amadeu Hercílio da
SEBASTIÃO ALVES ROBERTO PALHARE, Luz (governo)
PEREIRA – 2145 o Galo di Ouro – 21456 Piauí – José Rodrigues
(governo),
Antonio de Deus
(Senado)
Sergipe – Leonardo
Victor Dias
(governo), Professor
Lula (Senado)
Pernambuco – Roberto
Numeriano
(governo), Délio Mendes
CHRISTOFER (Senado)
RUDOLF BANNACH – 21000 Rio Grande do Sul –
SCHURMANN - 2121 Humberto
Carvalho (governo),
Luis Carlos Drehmer
(Senado)
Rio Grande do Norte –
José Walter Xavier, o
Camarada Leto
(governo)
Minas Gerais – Fábio
Bezerra
(governo), Rafael
MARCO ANTONIO Pimenta (Senado)
Deputados Estaduais DA SILVA - 21888 Goiás – Marta Jane
FÁBIO GONÇALVES (governo),
DOS ANJOS – 21021 Bernardo Bispo
(Senado)
Bahia – Sandro Santa
Bárbara
(governo), Carlos
Sampaio (Senado)
Amazonas – Luiz
Navarro (governo),
Maranhão – Marcos
Igreja (governo),
Josivaldo Correa Ceará – Maria da São Paulo – Igor
(Senado) Natividade, a Nati Grabois (governo),
Paraíba – Chico (governo), Benedito Antonio Carlos Mazzeo
Oliveira (governo), Oliveira e Tarcísio e Ernesto Pichler
Vital Farias e Maria das Leitão (Senado) (Senado)
Dores (Senado)

Lembre-se: em Cascavel,
nós somos a Revolução!
Vote anticapitalista,
vote PCB, Vote 21

Este espaço está sempre aberto para artigos


e manifestações da comunidade

Na Internet, acompanhe o blog do PCB de Cascavel:


http://pcbcascavel.wordpress.com

Veja também o blog de Gilberto Carlos 211:


http://www.gilbertoaraujo.com.br

Twitter:
http://twitter.com/pcbparana

Vídeos revolucionários:
Veja a emocionante homenagem a Che Guevara,
pela cantora
Nathalie Cardone:
http://www.youtube.com/watch?v=NdRip7nmTTo
Os Eremitas e a origem do trabalho:
http://www.youtube.com/watch?v=QEfQhhHNEOE
Vote anticapitalista,
ORKUT: vote PCB, Vote 21
PCB de Cascavel
http://www.orkut.com.br/Profile.aspx?uid=15747947519423185415
Comunidade:
http://www.orkut.com.br/Community.aspx?cmm=54058996

A seguir, um dos capítulos da cartilha de Marxismo


e uma página colecionável de O Capital em quadrinhos
1

Curso Básico de Marxismo


A saída para as crises será o Socialismo
16 O capitalista tem a urgência de estar sempre
aumentando a produção, para obter mais lucros.
Ao contrário dos ganhos dos capitalistas,
porém, os rendimentos da população não
aumentam ou, se aumentam, é com muita
lentidão e para pagar custos mais altos dos
produtos e serviços.
Isso causa uma crise de oferta e procura: a
procura de mercadorias vai se tornando inferior
à sua produção (oferta).
O capitalismo tem ânsia de provocar o consumo excessivo

Esse atraso da procura em acompanhar a oferta acarretará a acumulação de


produtos que não terão procura. E isto leva à ruína os pequenos e médios
produtores e, por vezes, aumenta vertiginosamente o desemprego e se
reduzem os salários (achatamento ou arrocho).
Após a II Guerra Mundial, provocada pela crise de 1929/30, o capitalismo
foi atingido por uma nova e grave crise. Em 1975, a produção industrial nos
países capitalistas foi forçada a se reduzir em mais de 11% em relação ao ano
anterior.
Todos os ramos da indústria foram
afetados pela crise e, em maior grau, a
indústria de automóveis e a fundição de
aço, que retrocederam aos níveis de 1969 e
1970.
Depois dessa, vieram muitas outras
crises, como a de 2008, que causou uma
pane financeira no mundo.
As crises criam uma onda de desemprego
e menor qualidade de vida da população:
ambiente poluído, insegurança, violência,
preços altos de comida, educação, remédios
e transporte.
O “monstro” da superprodução gera crise e conflitos
2
As crises econômicas, portanto, são um exemplo claríssimo do caráter
antinatural da produção capitalista, que sentimos na própria pele.
Como se vê, as diversas medidas anticrise adotadas pela burguesia não
foram capazes de acabar com as causas profundas desse fenômeno, que tem
origem nos próprios fundamentos do capitalismo, em que a produção não
atende aos interesses dos homens, que são todos, mas à obtenção de lucros
por uma pequena minoria de exploradores. Como resistir às crises e vencê-
las?
A consciência e o grau de organização
do operariado fazem dele a classe mais
revolucionária, ou seja, desejosa e capaz
de promover mudanças.
A outra parte da classe trabalhadora –
o campesinato – também está submetida
a uma cruel exploração. Mas como
alguns camponeses têm o “seu” bocado
de terra, chocam-se em sua consciência
os pontos de vista de trabalhador e de
proprietário. Os operários, em
contrapartida, não têm nenhuma ilusão
que os afaste da luta: de seu, só possuem
a força de trabalho.
I só tem sua força de trabalho
O operário
“O principal da doutrina de Marx,” escreveu Lênin, “é o esclarecimento
do papel histórico mundial do proletariado como o criador da sociedade
socialista”.
Existindo em seu território nacional, o proletariado participa da criação e
manutenção do idioma. Da cultura e das tradições históricas da Nação.
Pertencendo à classe revolucionária, que reúne em torno de si a maioria do
povo trabalhador, o operário é o principal porta-voz dos interesses e das
aspirações da Nação.
Ao mesmo tempo, as condições de vida dos operários os levam à
compreensão de que só podem vencer o capitalismo com a ajuda mútua –
comum a todos, e por isso ter o nome de comunista − em escala internacional.
Eis porque a palavra de ordem principal do movimento operário se tornou a
expressão final do Manifesto do Partido Comunista, de Marx e Engels:
“Proletários de todos os países, uni-vos!”
A seguir: Os inimigos da democracia
Lições de Comunismo
número 56

A cada edição do PerCeBer você terá uma nova


página colecionável de O Capital em quadrinhos