Você está na página 1de 8

Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

ARTIGO DE REVISÃO

Impacto do Programa de
Reanimação Neonatal
Impact of Neonatal Ressuscitation
Program

MANOEL ANTÔNIO DA S. RIBEIRO1


MARIA HELENA I. LOPES2

RESUMO ABSTRACT
Objetivos: Analisar o método de ensino e os Aims: To analyze the teaching method and the results
resultados do Programa de Reanimação Neonatal. of the Neonatal Resuscitation Program.
Fonte de dados: Revisão na base de dados Source of data: A Medline search was conducted to
Medline de artigos referentes ao ensino e avaliação retrieve studies about the teaching and evaluation of
da eficácia e efetividade na prevenção da mortalidade prevention of neonatal mortality and about the acquisition
neonatal e na aquisição e retenção de conhecimento and retention of knowledge provided by Neonatal
do curso do Programa de Reanimação Neonatal, no Resuscitation Programs from 1990 to 2006. The terms
período de 1990 a 2006. Foram utilizados os termos neonatal resuscitation, newborn, and education were used.
neonatal resuscitation, newborn e education. Summary of findings: The Neonatal Resuscitation
Síntese dos dados: O Programa de Reanimação Program provided knowledge and technical skills on
Neonatal propiciou ganho de conhecimentos e assistance to newborns. They also improved the self-
habilidades técnicas na assistência ao recém-nascido. confidence of attending physicians in the delivery room. As
Também melhorou a autoconfiança do médico du- a consequence, the efficacy of care improves, with fewer
rante a assistência em sala de parto. Com isso, a patients presenting neonatal asphyxia and more patients
eficácia no atendimento melhorou, tanto em menor presenting with better 5-minute Apgar scores. However,
número de casos com asfixia neonatal como na the retention of knowledge decreases with time, and further
melhora do índice do Apgar no 5° minuto. Entretanto, training opportunities should be provided.
a retenção dos conhecimentos diminui com o passar Conclusions: The Neonatal Resuscitation Program is
do tempo, mostrando a necessidade de um novo a course that positively affects professional competence and
treinamento. neonatal morbidity and mortality. However, changes in the
Conclusões: O Programa de Reanimação Neo- course should be considered to improve the retention of
natal é um curso que influi positivamente na com- theoretical knowledge and psychomotor skills.
petência profissional e na morbimortalidade neonatal. KEY WORDS: CARDIOPULMONARY RESUSCITATION/
Entretanto, deve-se pensar em sua reestruturação com education; CLINICAL COMPETENCE; INFANT NEWBORN;
o objetivo de proporcionar maior retenção dos co- NEONATAL MORTALITY; META-ANALYSIS.
nhecimentos teóricos e habilidades psicomotoras.
DESCRITORES: RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR/
educação; COMPETÊNCIA CLÍNICA; RECÉM-NASCIDO;
MORTALIDADE NEONATAL; METANÁLISE.

1 Neonatologista do Hospital São Lucas da PUCRS. Mestrando em Pediatria pela Faculdade de Medicina da PUCRS.
2 Professora Adjunta do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da PUCRS. Doutora em Clínica Médica. Especialista
em Educação. Coordenadora do Núcleo de Educação Médica da FAMED-PUCRS.

Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007 79


Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

INTRODUÇÃO levantamento realizado na Disciplina de Pe-


diatria e Neonatologia da Escola Paulista de
A transição da vida intra-uterina para a extra- Medicina entre os anos de 1991 e 1996, o
uterina é, provavelmente, o evento isolado mais conhecimento de 1500 pediatras e 300 enfer-
perigoso que qualquer um de nós deve se meiros sobre conceitos básicos em reanimação
defrontar durante todo o transcorrer de nossa em sala de parto foi menor que 70%, indicando a
vida.1 Estima-se que 4 a 7 milhões anualmente necessidade de um treinamento.8 Do mesmo
necessitam de algum tipo de assistência ao modo, na Austrália, observou-se que 26% dos
nascimento, fazendo com que a ressuscitação médicos e enfermeiros que realizavam assis-
neonatal esteja dentro das intervenções médicas tência em sala de parto em maternidades rurais
mais comumente realizadas.2 As práticas clínicas e 10 a 18% das equipes dos hospitais urbanos não
executadas na sala de parto são guiadas por se sentiam confiantes com o seu treinamento em
declarações de consensos emitidas por experts ressuscitação neonatal, enquanto 10% desses
internacionais e atualizadas a cada cinco anos.3 profissionais nunca haviam recebido nenhum
Estas diretrizes recomendam que pelo menos tipo de treinamento.9
uma pessoa treinada em assistência neonatal Nos últimos anos, o aprendizado em medidas
deveria estar presente em cada nascimento.1 Para de suporte vital vem mudando de maneira
preencher esta necessidade, foram desenvolvidos progressiva, com a concretização do chamado
vários cursos de suporte de vida que ensinam ensino “prático”, em que os alunos treinam
ressuscitação de recém-nascidos.4 os procedimentos em manequins e simulam
A assistência adequada ao recém-nascido na situações reais, complementando o ensino tra-
sala de parto é fundamental para prevenir o dicional. Essa estratégia permite ao aluno realizar
aparecimento das lesões asfíxicas, as quais manobras de reanimação de forma integrada e
podem levar ao óbito neonatal. Dentre as oito em seqüência racional, capacitando-o a aplicá-las
intervenções estratégicas para diminuir a mor- na vida real, além de proporcionar educação
talidade de crianças até cinco anos de idade, a continuada, atualizando o conhecimento dos
reanimação ao nascer tem papel de destaque, profissionais que prestam assistência ao recém-
estimando-se que a aplicação dos procedimentos nascido na sala de parto.6
necessários possa prevenir anualmente a morte Este estudo tem por objetivo analisar o
de 359 mil recém-nascidos em todo o mundo.5 método de ensino do Programa de Reanimação
Além disso, a reanimação neonatal rápida e Neonatal (PRN) e avaliar sua eficácia na pre-
efetiva pode reduzir a presença de seqüelas venção da mortalidade neonatal, bem como na
neurológicas que acarretam prejuízos para a aquisição e na retenção de conhecimentos pelos
qualidade de vida da criança e de sua família, profissionais treinados.
além de elevados custos para a sociedade,
incluindo os gastos com a saúde e a diminuição ORIGEM E EVOLUÇÃO DO PRN
da produtividade do indivíduo afetado.6
No Brasil, durante toda a última década, a A origem do PRN remonta ao ano de 1978,
asfixia perinatal foi a principal causa de morte quando a American Heart Association (AHA)
em cerca de 10% dos óbitos neonatais, sem levar afirmou que a reanimação neonatal necessitava
em conta a contribuição dos processos asfíxicos de uma ênfase diferente da ressuscitação dos
na mortalidade neonatal por outras causas.7 Essa adultos, focalizando a ventilação como eixo
situação torna-se preocupante porque, segundo central e não a desfibrilação. Em 1985, o PRN
um estudo transversal multicêntrico, realizado foi desenvolvido conjuntamente pela Acade-
em 36 maternidades de vinte capitais brasileiras, mia Americana de Pediatria e pela AHA, com
o ensino de reanimação por meio de cursos a missão de ensinar os princípios da assistên-
formais é insuficiente para os alunos de gra- cia ao neonato em sala de parto. Este modelo
duação em Medicina e Enfermagem e hetero- sofreu subseqüentes atualizações em 2000 e
gêneo para os residentes em pediatria e em 2005.1,10
neonatologia, o que significa que um percentual A disseminação do programa tem como
importante de profissionais está sendo formado estratégia inicial o treinamento de instrutores
sem conceitos básicos em relação a um pro- nacionais. Estes por sua vez, conduzem o
cedimento estratégico para reduzir a mortalida- treinamento aos instrutores regionais, os quais
de neonatal.6 Adicionando-se a este fato, em realizam o treinamento de instrutores hospi-

80 Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007


Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

talares. Atualmente, este formato de curso é recém-nascido sejam realizadas com alto nível de
ensinado em outros 95 países.1 competência.15
Em 1993, o Ministério da Saúde do Brasil É também enfatizada a presença de pelo
reconheceu a importância da presença do menos um profissional treinado em assistência
pediatra na sala de parto através da Portaria ao recém-nascido em cada parto, além de outra
031/SAS-MS.6 Após isso, a Sociedade Brasileira pessoa habilitada de prontidão, caso seja reque-
de Pediatria entendeu a necessidade de habilitar rida. Deve estar disponível o equipamento
o pediatra para o atendimento ao bebê na sala apropriado e a equipe clínica deve estar fami-
de parto e deu início a uma estratégia de im- liarizada com sua função. Por fim, a familiaridade
plementação do programa de reanimação no com o PRN permite que todos os profissionais
país. Em 1994, membros da Academia Americana envolvidos na reanimação de um recém-nascido
de Pediatria, com o apoio da Organização sejam capazes de trabalhar efetivamente como
Mundial da Saúde, treinaram 20 pediatras de uma equipe.15
vários estados do Brasil para serem os primeiros
multiplicadores desta técnica. A partir daí, o Estruturação do PRN
programa se estruturou, e ao final de 1997,
praticamente todos os estados já possuíam O PRN contém um manual que sugere o
instrutores aptos a multiplicar os conhecimentos formato de aprendizagem passo-a-passo. A
relativos ao atendimento do recém-nascido na sessão introdutória do manual relata a fisiologia
sala de parto.11 da asfixia neonatal, seguida por uma série de
O modelo do programa implementado pela lições sobre as diferentes atividades associadas
Sociedade Brasileira de Pediatria segue uma com a ressuscitação neonatal.1 Cada lição
formatação única em todos os estados, facilitando constrói-se a partir das habilidades aprendidas
sua divulgação, aderência dos treinados ao curso na lição anterior. As lições incluem a avaliação
e uniformidade nas ações. A metodologia, a inicial e o manejo dos recém-nascidos de risco, a
didática e o material usado nas aulas práticas preparação e o uso do equipamento para ven-
são os mesmos recomendados pela Academia tilação assistida, a execução das compressões
Americana de Pediatria, e o material didático torácicas (massagem cardíaca) e da intubação
é apresentado em Português.11 Em 2003, o endotraqueal e a utilização de drogas para o
Conselho Federal de Medicina proibiu o trei- recém-nascido severamente doente.15
namento de profissionais de saúde não médicos O curso do PRN compreende um treinamento
no curso do PRN no formato tradicional. Com de oito horas e está organizado em seis lições,
isto, foi desenvolvido pela Sociedade Brasileira como segue:
de Pediatria o Curso para Auxiliares de Rea- • LIÇÃO 1 – Princípios da reanimação: apre-
nimação Neonatal destinado a estes profissio- senta informações sobre as mudanças
nais.12 fisiológicas que ocorrem no feto ao nascer
Atualmente, o PRN brasileiro conta com 418 e inclui o algoritmo com todos os passos a
instrutores, e foram treinados, nestes doze anos, seguir durante a assistência, como fatores
29.219 profissionais de saúde. Já se observa um que auxiliam na antecipação de quais bebês
impacto significativo nos resultados do escore de possam requerer manobras de ressusci-
Apgar do 5º minuto em hospitais que aderiram tação. Descreve o equipamento e o material
ao programa.13 necessários na sala de parto.
• LIÇÃO 2 – Passos iniciais na reanimação:
OBJETIVOS DO PRN prover calor, tornar as vias aéreas permeá-
veis, secar e realizar estímulo tátil.
O PRN está desenhado para padronizar e • LIÇÃO 3 – Ventilação com pressão positiva.
otimizar a reanimação do recém-nascido.1,14 Suas • LIÇÃO 4 – Massagem cardíaca.
diretrizes enfatizam a importância de inter-
• LIÇÃO 5 – Intubação traqueal.
venções seqüenciais apropriadas: 1) estabelecer
uma via aérea permeável; 2) providenciar ou • LIÇÃO 6 – Indicação e uso de drogas.
apoiar uma respiração efetiva; 3) assegurar uma O PRN enfatiza a rapidez nos passos iniciais
circulação adequada.14 A finalidade dos cursos e na ventilação com pressão positiva e a menor
de treinamento do PRN é possibilitar que as necessidade de massagem cardíaca, intubação e
manobras de ressuscitação necessárias para cada uso de medicações. A maioria dos neonatos

Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007 81


Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

responde a secagem, aquecimento, sucção e es- cardíaca, além de freqüentemente terem sido
timulação tátil; na maioria dos casos, é inde- observados episódios de hipotermia e hiper-
sejável uma ressuscitação invasiva e “cheia de termia pós-ressuscitação. Uma melhor seqüência
energia”.16 de atendimento foi encontrada na equipe que
As lições são apresentadas em duas aulas havia sido certificada pelo PRN.14
teóricas e quatro aulas práticas, com um número A introdução de programas formais de rea-
máximo de oito alunos para cada instrutor, onde nimação neonatal parece ter tido um impacto
são simuladas situações reais, complementan- positivo nos desfechos clínicos neonatais mais
do o ensino teórico. As habilidades técnicas importantes. Na Ucrânia, após a introdução do
ensinadas e exigidas pelo PRN compreendem PRN, houve aumento do índice de sobrevivên-
avaliação inicial do recém-nascido, manejo da cia em 43,6%, a razão de transferência para a
regulação térmica, posicionamento da cabeça, unidade de seguimento diminuiu em seis vezes
aspiração das vias aéreas, estimulação tátil, e a taxa de permanência hospitalar foi diminuída
prevenção da aspiração de mecônio, ventilação em quatro dias.20 Na China, os resultados após a
com balão e máscara, intubação traqueal, mas- implementação do PRN em um único hospital,
sagem cardíaca, uso de medicações e catete- ao final de dois anos, demonstraram diminuição
rização dos vasos umbilicais. As habilidades do coeficiente de mortalidade neonatal em três
comportamentais incluem conhecimento do am- vezes e do coeficiente de seqüelas por asfixia
biente, antecipação do plano de atendimento, neonatal em cinco vezes.21 Na Índia, em 10
liderança, capacidade de solicitar auxílio sempre hospitais universitários, a introdução do PRN
que necessário, comunicação efetiva, distribuição reduziu o coeficiente de mortalidade neonatal
otimizada da carga de trabalho, ordenamento da precoce de 31 para 24 por 1.000 nascidos vivos e
atenção, utilização de todas as informações a incidência de encefalopatia hipóxico-isquêmica
e recursos disponíveis e manutenção de um em 70%.22
ambiente profissional.17 Em um estudo retrospectivo realizado no
Para o treinamento prático existem qua- estado norte-americano de Illinois, foi demons-
tro modelos de manequins, de duas marcas: trada uma melhora significativa do índice de
Laerdal® e Adam-Rovilly®. Estes modelos foram Apgar em recém-nascidos de muito baixo peso
comparados entre si quanto às características após a instituição do PRN. Além disso, foi obser-
físicas e ao feedback perante as competências vado que após a instituição do PRN os neonatos
psicomotoras. Observou-se que nenhum deles foi que apresentavam um escore de Apgar menor
considerado individualmente como possuindo que 6 no primeiro minuto obtiveram escores
características físicas ideais, embora os mane- maiores no quinto minuto.23
quins Laerdal® tenham fornecido a patência de Em estudo realizado por Almeida et al. em
via aérea mais realista e o melhor feedback durante uma maternidade brasileira de nível secundário,
a ventilação com máscara e massagem cardíaca.18 onde os profissionais receberam treinamento
pelo PRN, observou-se que dentre 4.451 recém-
Eficácia do curso do PRN nascidos, 17% receberam oxigênio inalatório,
7,5% foram ventilados com balão auto-inflável e
Há três maneiras de avaliar a eficácia do curso
máscara e somente 0,7% foram intubados.24 Em
do PRN: 1) através de medidas de impacto
outras palavras, com um treinamento adequado,
epidemiológico em uma área regional, tais como
dentro de diretrizes bem definidas, é possível
alterações no coeficiente de mortalidade ou
aumentar a eficácia da assistência neonatal,
algum resultado neonatal específico; 2) através
evitando procedimentos mais agressivos e com
da investigação dos conhecimentos e habilidades
risco de causar danos iatrogênicos.
adquiridos e retidos; 3) através da pesquisa de
satisfação dos participantes após a realização do
Avaliação das habilidades treinadas
curso.19
Em um estudo realizado no Canadá, foram Poucos autores têm avaliado as habilidades
mostradas diferenças importantes entre a prática treinadas no PRN. Estudos sobre a intubação
clínica na assistência ao recém-nascido e as neonatal mostraram que os médicos treinados
normas preconizadas pelo PRN. Foram descritas pelo PRN não obtiveram sucesso dentro do limi-
altas prevalências de não antecipação na rea- te de tempo estipulado para realização deste
nimação, de uso de drogas e de massagem procedimento, ou seja, 20 segundos, nem foram

82 Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007


Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

considerados “competentes”, sendo a competên- Demonstrou-se que o desempenho desses profis-


cia definida como uma intubação efetiva na sionais nas questões do pós-teste referentes à
primeira ou segunda tentativa em 60 a 80% das ventilação com balão e máscara foi pior do que a
vezes. Verificou-se, também, que as maiores taxas observada para os passos iniciais, para a mas-
de sucesso e de rapidez na intubação do recém- sagem cardíaca e para a intubação. Esta cons-
nascido foram obtidas por profissionais mais tatação sugere que o formato do curso ministrado
experientes.25-27 pelo PRN brasileiro deva ser reestruturado a fim
Através da análise de vídeos, foram detecta- de dar maior ênfase a este passo fundamental da
dos inúmeros problemas no funcionamento da reanimação neonatal: a ventilação com pressão
equipe e de seu líder na reanimação neonatal de positiva. Em outro estudo realizado pelos mes-
partos de alto risco, em equipes não treinadas, mos autores, a incorporação de conhecimentos
quando comparadas às equipes treinadas pelo imediatamente após o treinamento em reani-
PRN. Entre os aspectos nos quais foram iden- mação neonatal foi melhor para os estudantes de
tificados os problemas, incluía-se a atividade medicina e enfermeiros, quando comparados aos
de liderança, a preparação, a comunicação e a médicos, independentemente do treinamento
coordenação inapropriadas entre os profissionais prévio em reanimação neonatal.30 Isto sugere que
envolvidos na assistência.28 o PRN precisa ser direcionado às diferentes
No Canadá, realizou-se uma análise pros- necessidades dos vários profissionais de saúde
pectiva em 56 hospitais, com o objetivo de des- envolvidos na reanimação do recém-nascido.6
crever as intervenções realizadas durante a A avaliação do curso do PRN em 190 ber-
reanimação em sala de parto e compará-las com çários mostrou que os profissionais treinados
as recomendações do PRN. Houve 783 recém- tiveram aumento significativo nos seus conhe-
nascidos que necessitaram de algum procedi- cimentos e na performance técnica. Os conheci-
mento de reanimação, sendo todos atendidos por mentos mantiveram-se por seis meses, mas as
pelo menos dois profissionais (destes, 82% eram habilidades psicomotoras diminuíram de forma
certificados pelo PRN). Em 76% dos atendi- importante, sugerindo a necessidade de treina-
mentos, o profissional envolvido na assistência mento periódico.31 Resultados semelhantes foram
neonatal não identificou, antecipadamente, ne- obtidos na avaliação de residentes de Medicina
nhum fator de risco ante ou intraparto. Notaram- de Família.32 Em estudo realizado na Turquia, foi
se vários erros seqüenciais durante a reanimação, demonstrada melhora significativa no escore do
especialmente relacionados com a maior comple- pós-teste ao final do curso, com 72% dos alunos
xidade da assistência. Entre os problemas de- sentindo-se mais seguros quanto à reanimação
tectados, encontrou-se o atraso em alguns mi- após terem realizado o treinamento.33
nutos na iniciação da ventilação com pressão A retenção de conhecimentos sobre reani-
positiva em recém-nascidos com sinais de in- mação neonatal foi analisada em 44 médicos
suficiência respiratória ou bradicardia, o início da residentes de Medicina Comunitária após o curso
massagem cardíaca antes ou sem a assistência de PRN. Os residentes que recebiam sessões de
ventilatória adequada, o uso da massagem car- treinamento supervisionado com manequins
díaca por períodos menores que 15 segundos, foram comparados com os que recebiam uma
o uso simultâneo de oxigênio inalatório e de revisão do curso por vídeo e treinamento não
Naloxone em recém-nascidos bradicárdicos sem supervisionado com manequins e com aqueles
qualquer apoio ventilatório e a administração de que não recebiam sessões de treinamento auxi-
drogas, especialmente o Naloxone, previamente liar. Observou-se não haver benefício no uso das
à ventilação com pressão positiva. Por fim, após técnicas auxiliares com supervisão, quando
a reanimação, foram observados 27% de casos de comparado o grupo supervisionado ao grupo não
hipotermia, especialmente em prematuros me- supervisionado. A deterioração dos conhecimen-
nores do que 28 semanas, e 25% de casos de tos e habilidades através do tempo permaneceu
hipertermia.14 como maior preocupação.34 Em outro estudo,
médicos residentes de Pediatria tiveram um au-
Aquisição e retenção de conhecimentos mento significativo nos conhecimentos adquiri-
e habilidades dos após o treinamento, particularmente na mas-
A aquisição de conceitos foi avaliada por sagem cardíaca e na administração de drogas.
Almeida et al. em um estudo transversal com 448 Entretanto, em seis meses, a manutenção dos
pediatras treinados por meio do PRN no Brasil.29 conhecimentos diminuiu de forma importante.19

Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007 83


Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

Em uma revisão sistemática incluindo estu- O aprendizado através da observação de


dos que avaliaram os resultados de cursos sobre profissionais teoricamente mais experientes pres-
suporte vital ministrados a profissionais de supõe que estes sempre sirvam como modelos-
saúde, Jabbour et al. observaram que a retenção padrão, que seus atributos possam ser incor-
dos conhecimentos e habilidades adquiridos porados às condutas do indivíduo em treina-
pelos participantes dos cursos foi fraca, mas que mento e que uma suficiente variedade de si-
atividades de educação continuada aumentaram tuações possa ser observada. Isto, entretanto, não
a retenção dos conhecimentos.35 é universalmente verdadeiro. Os alunos nem
sempre são hábeis em distinguir os modelos
Pedagogia do Programa de pobres daqueles excelentes, e a assimilação
Reanimação Neonatal de certas atitudes profissionais pode conduzir
à dificuldade de aprendizado para alguns
O curso do PRN está designado para o
deles.17
aprendizado da ressuscitação do recém-nascido Adicionalmente, o treinamento é limitado no
nos críticos primeiros minutos de vida. Os co- tempo e na profundidade, e a experiência obtida
nhecimentos e as habilidades para a reani-
individualmente pelo aluno pode variar gran-
mação neonatal deterioram com o tempo, sendo demente.37 Em outras palavras, o conteúdo e a
que a manutenção das habilidades psicomotoras quantidade de tempo consumido com prática de
é substancialmente menor que a retenção do
habilidades clínicas de um curso influencia na
conhecimento do PRN.34 retenção dos mesmos por um período maior.
Embora este modelo de ensino enfatize os Acrescente-se ainda que os estudantes aprendem
conhecimentos e as destrezas técnicas, ele não
melhor por sua própria experiência do que
aborda formalmente as habilidades em proce- meramente ouvindo e olhando.17
dimentos essenciais a uma performance com- As características do local e do ambiente de
plexa, com sobrecarga de alto-risco. O paradigma
treinamento também podem ter um impacto no
tradicional em educação e treinamento profissio- aluno. A natureza dinâmica na sala de parto
nal consiste de três componentes essenciais: caracteriza-se por ocorrer sob pressão temporal
1) revisão da literatura; 2) observação de outros
intensa, com respostas imprevisíveis e com-
que possuem mais experiência; 3) experiência plexidade de comunicação, além de envolver
prática durante um período de tempo definido, múltiplas pessoas e ser de alto risco. O sucesso
na preparação de uma prática independente.17
de um procedimento nesses ambientes dinâmicos
Apesar de historicamente aceito e adotado, esse requer uso de habilidades e tomadas de decisão
paradigma possui numerosas limitações intrín- que são diferentes daqueles requeridos em am-
secas. A revisão de literatura é necessária, mas
bientes relativamente estáticos, como o que é
não é suficiente para adquirir competências, e a apresentado durante o curso do PRN. Como os
aquisição e retenção de conhecimentos e habi- locais de treinamento do PRN carecem de si-
lidades por adultos são melhor obtidas pela
tuações associadas com ambientes dinâmicos, os
participação ativa do que pela observação pas- profissionais treinados nesses locais podem não
siva.17,36 dispor de oportunidades de adquirir e praticar
Tradicionalmente, o treinamento dos profis-
estas habilidades especiais para a tomada de
sionais em formação nos procedimentos de
decisões.17
reanimação é feito através da observação, pelos
mesmos, da atuação de um especialista na prática
Critérios de competência
clínica. Gradualmente, os profissionais em for-
mação vão assumindo responsabilidade progres- Não está claro como a competência poder ser
siva na execução dos procedimentos em pa- definida ou como pode ser avaliada. Como todo
cientes reais. Estes profissionais, por sua vez, curso de treinamento em suporte de vida, o PRN
passam a ensinar os ainda mais inexperientes, testa os conhecimentos utilizando uma mistura
fechando uma cadeia circular de formação. A de testes escritos e de testes em cenários práticos.
eficácia deste modelo depende da repetição da Mesmo com a aprovação nos testes, o fato de
exposição dos mais inexperientes às diferentes tornar um candidato competente ainda é assunto
situações clínicas que requerem intervenção, de amplos debates.4 Dentro disso, os autores do
assim como da habilidade e competência docente PRN explicitam que a criação de competências
dos mais experientes.37 para a assistência do recém-nascido não é o

84 Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007


Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

objetivo deste curso.1 Além de não assegurar CONCLUSÕES


competência, o PRN não garante submissão aos
cuidados padronizados de assistência.14 O treinamento em reanimação neonatal
Não há dados que indiquem qual o número constitui-se em estratégia relativamente simples
de reanimações necessárias para promover a e não onerosa para diminuir a mortalidade
competência de um profissional. Intuitivamente, neonatal precoce. Dentre as várias maneiras de
espera-se que o uso freqüente das habilidades aperfeiçoar o conhecimento dos profissionais
adquiridas no PRN possa aumentar a retenção no tema, a mais bem sucedida é o PRN, uma
das mesmas. Entretanto, há evidências que proposta do Comitê Internacional de Reanimação
sugerem que o uso freqüente das técnicas de Neonatal. O PRN é um curso que permite mu-
reanimação cardiorrespiratória não aumenta danças na competência profissional, propiciando
a retenção destas habilidades, provavelmente ganhos de conhecimentos e habilidades técnicas
porque a performance de reanimação ocorre sem necessárias para a assistência ao recém-nascido,
o benefício de correção dos erros.17 além de possibilitar uma melhora na auto-
confiança do médico durante a assistência em
O PRN e a autoconfiança sala de parto.
Onde o PRN foi implementado houve me-
Conforme postulado por Maibach et al., lhora na eficácia ao atendimento, evidenciada
mesmo aqueles profissionais com capacitação pelo menor número de casos com asfixia neonatal
técnica, se não acreditarem realmente nas suas e pela melhora do índice de Apgar do quinto
capacidades, podem falhar na aplicação das minuto. Entretanto, a retenção dos conheci-
técnicas de reanimação.38 O grau de auto- mentos e habilidades diminui com o passar do
confiança influencia uma mudança comporta- tempo, mostrando a necessidade de um novo
mental, determina o quanto de esforço e per- treinamento. Por isso, deve-se pensar em sua
sistência são necessários para aprender novos e reestruturação, com o objetivo de permitir maior
difíceis procedimentos, permite estabelecer um retenção dos conhecimentos teóricos e habili-
padrão de raciocínio e propicia o controle emo- dades psicomotoras. Novos modelos de treina-
cional. Em termos de reanimação, a autocon- mento de ressuscitação neonatal vêm sendo
fiança pode diminuir a dificuldade no apren- desenvolvidos, combinando cursos já estrutu-
dizado e na aplicação de um procedimento, pode rados com treinamento de atendimento ao recém-
encorajar a visualização do êxito na assistência, nascido em sala de parto, os quais minimizariam
pode permitir ao profissional responder aos algumas das limitações associadas com os mé-
problemas através de um raciocínio analítico ao todos tradicionais.
invés de apresentar uma resposta emocional e Algumas perguntas ainda permanecem para
pode influenciar no controle do medo que estudos futuros: qual é a melhor forma e qual é o
prejudicaria a eficácia da reanimação. No caso do tempo necessário para adquirir competência no
PRN, pode aumentar a confiança dos médicos em atendimento ao neonato em sala de parto? Como
suas próprias habilidades para, posteriormente, avaliar os conhecimentos e as habilidades trei-
aplicá-las efetivamente em uma situação de nadas? Com qual freqüência devem ser pra-
emergência. ticadas estas habilidades após serem adquiridas?
Como disponibilizar de forma ideal este trei-
Avaliação nos cursos do PRN namento? Como escolher e avaliar os instrutores?
Em que período de tempo deve ocorrer uma nova
No PRN são aplicados pré e pós-testes que
certificação e um novo treinamento?
avaliam os conhecimentos teóricos sobre a
assistência ao recém-nascido em sala de parto, o
desempenho em cada procedimento treinado e REFERÊNCIAS
julgamentos subjetivos sobre a qualidade e 1. Kattwinkel J. Textbook of neonatal ressucitation. 5th ed.
utilidade do curso. A aprovação nos testes Elk Grove Village: American Academy of Pediatrics.
permite a certificação no curso. No entanto, não American Heart Association; 2006.
existem métodos objetivos validados, padroni- 2. Saugstad OD. Practical aspects of resuscitating
asphyxiated newborn infants. Eur J Pediatr. 1998;157
zados e uniformemente aceitos para acessar a (Suppl 1):s11-5.
competência nas habilidades técnicas e com- 3. Contributors and Reviewers for the Neonatal Re-
portamentais exigidas pelo PRN. suscitation Guidelines. International Guidelines for

Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007 85


Impacto do Programa de Reanimação Neonatal Ribeiro MAS, Lopes MHI

Neonatal Resuscitation: an excerpt from the Guidelines 22. Deorari AK, Paul VK, Singh M, et al. Impact of
2000 for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency education and training on neonatal resuscitation
Cardiovascular Care: International Consensus on practices in 14 teaching hospitals in India. Ann Trop
Science. Pediatrics. 2000;106:e29. Paediatr. 2001;21:29-33.
4. O’Donnell CP, Stewart MJ, Mildenhall LF. Neonatal 23. Patel D, Piotrowski ZH, Nelson MR, et al. Effect of a
resuscitation in Australia and New Zealand. J Paediatr statewide neonatal resuscitation training program on
Child Health. 2006;42:4-5. Apgar scores among high-risk neonates in Illinois.
5. Jones G, Steketee RW, Black RE, et al. How many child Pediatrics. 2001;107:648-55.
deaths can we prevent this year? Lancet. 20035;362:65-71. 24. Almeida MFB, Yada M, Guinsburg R, Instrutores de
6. Almeida MF, Guinsburg R, Costa JO, et al. Ensino da reanimação neonatal da Sociedade Brasileira de Pedia-
reanimação neonatal em maternidades públicas das tria. Manobras necessárias na reanimação em sala de
capitais brasileiras. J Pediatr (Rio J). 2005;81:233-9. parto. In: XV Congresso Brasileiro de Perinatologia e
7. Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de XII Reunião de Enfermagem Perinatal. Belo Horizonte;
Saúde. Mortalidade infantil. Brasília: O Ministério; 2001. 1996.
8. Almeida MFB, Guinsburg R. Reanimação neonatal em 25. Lane B, Finer N, Rich W. Duration of intubation
sala de parto. In: Rugolo LMSS, editor. Manual de attempts during neonatal resuscitation. J Pediatr. 2004;
neonatologia. Rio de Janeiro: Revinter; 2000. p. 24-9. 145:67-70.
9. Foster K, Craven P, Reid S. Neonatal resuscitation 26. O’Donnell CP, Kamlin CO, Davis PG, e al. Endotracheal
educational experience of staff in New South Wales and intubation attempts during neonatal resuscitation:
Australian Capital Territory hospitals. J Paediatr Child success rates, duration, and adverse effects. Pediatrics.
Health. 2006;42:16-9. 2006;117:e16-21.
10. The International Liaison Committee on Resuscitation 27. Falck AJ, Escobedo MB, Baillargeon JG, et al. Proficiency
(ILCOR) consensus on science with treatment re- of pediatric residents in performing neonatal endo-
commendations for pediatric and neonatal patients: tracheal intubation. Pediatrics. 2003;112:1242-7.
neonatal resuscitation. Pediatrics. 2006;117:e978-88. 28. Finer NN, Rich W. Neonatal resuscitation: toward
11. Almeida MFB, Guinsburg R. Histórico dos cursos de improved performance. Resuscitation. 2002;53:47-51.
treinamento para a reanimação neonatal. In: Rego JD, 29. Almeida MFB, Guinsburg R, Costa JO, et al. Instructors
editor. Reanimação neonatal. São Paulo: Atheneu; 2004. of Neonatal Resuscitation Program. Brazilian neonatal
p. 173-8. ressucitation program: factors that interfere with
12. Sociedade Brasileira de Pediatria. Programa de reani- knowledge gain after training [abstract]. J Perinatol.
mação neonatal. Auxiliares da reanimação neonatal: 2002;22(suppl.2):608-9.
manual do instrutor. Rio de Janeiro: A Sociedade; 2003. 30. Guinsburg R, Almeida MFB, Costa JO, et al. Program
13. Sociedade Brasileira de Pediatria. Sobre o Programa de IoNR. Is Brazilian resuscitaion training of ventilation
Reanimação Neonatal. A importância do atendimento adequate[abstract]? J Perinatol. 2002;22(suppl.2):608.
adequado ao recém-nascido na sala de parto. [mo- 31. Dunn S, Niday P, Watters NE, McGrath P, Alcock D.
nografia na internet]. Rio de Janeiro: A Sociedade; The provision and evaluation of a neonatal resuscitation
2007. [capturado em 08 ago.]. Disponível em: http:// program. J Contin Educ Nurs. 1992;23:118-26.
www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria= 32. Levitt C, Kaczorowski J, Outerbridge E, Jimenez V,
24&id_detalhe=863&tipo_detalhe=s Connolly B, Slapcoff B. Knowledge gained following
14. Mitchell A, Niday P, Boulton J, et al. A prospective Neonatal Resuscitation Program courses. Fam Med.
clinical audit of neonatal resuscitation practices in 1996;28:403-6.
Canada. Adv Neonatal Care. 2002;2:316-26. 33. Ergenekon E, Koc E, Atalay Y, Soysal S. Neonatal re-
15. Tudehope DI, Osuch M. Practical aims to maintain suscitation course experience in Turkey. Resuscitation.
neonatal resuscitation skills. J Paediatr Child Health. 2000;45:225-7.
2001;37:103-4. 34. Kaczorowski J, Levitt C, Hammond M, Outerbridge E,
16. Wolkoff LI, Davis JM. Delivery room resuscitation of Grad R, Rothman A, et al. Retention of neonatal
the newborn. Clin Perinatol. 1999;26:641-58. resuscitation skills and knowledge: a randomized
17. Halamek LP, Kaegi DM, Gaba DM, et al. Time for a new controlled trial. Fam Med. 1998;30:705-11.
paradigm in pediatric medical education: teaching 35. Jabbour M, Osmond MH, Klassen TP. Life support
neonatal resuscitation in a simulated delivery room courses: are they effective? Ann Emerg Med. 1996;
environment. Pediatrics. 2000;106:e45. 28:690-8.
18. Howells R, Madar J. Newborn resuscitation training; 36. Slamecka NJ, Graf P. The generation effect: delineation
which manikin. Resuscitation. 2002;54:175-81. of a phenomenon. J Exp Psychol Hum Learn. 1978;4:592-
19. Trevisanuto D, Ferrarese P, Cavicchioli P, et al. 604.
Knowledge gained by pediatric residents after neonatal 37. Hall JG. See one, do one, teach one. Pediatrics. 1999;
resuscitation program courses. Paediatr Anaesth. 103:155-6.
2005;15:944-7.
38. Maibach EW, Schieber RA, Carroll MF. Self-efficacy in
20. Oborin AN, Uspenskii BA. Some results of implemen- pediatric resuscitation: implications for education and
tation of the Neonatal Advanced Life Support Program performance. Pediatrics. 1996;97:94-9.
(NALS) into practice of obstetrical department. Re-
suscitation. 1996;31:43.
Endereço para correspondência:
21. Zhu XY, Fang HQ, Zeng SP, et al. The impact of the MANOEL ANTÔNIO DA SILVA RIBEIRO
neonatal resuscitation program guidelines (NRPG) on Avenida 15 de Janeiro, 504, Centro
CEP 92010300, Canoas, RS, Brasil
the neonatal mortality in a hospital in Zhuhai, China. Fone: (51) 3472-6858 e 3472-1317
Singapore Med J. 1997;38:485-7. E-mail: anraquel@terra.com.br

86 Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2007