Você está na página 1de 75
acompanha uma fita | cassete Sumario aac Prefiicio/ Toninho Horta 1S Introdugiio 17 PARTE I: 7 Improvisagao por centros tonais 19 Centos tonais maiores: 21 1.1 Acordes diaténicos a tonalidade maior 2 1.2 Exemplos de progressdes envolvendo um ou mais centros tonais 27 Exemplo 1 : Bossa Nova Exemplo 2: Bolero 1.3 Exercicios para a pritica de improvisagao sobre centros tonais maiores 22 Exereicio 1 : Salsa lenta Exercicio 2 : Swing Centros tonais menores: 23 2.1 Acordes diatdnicos & tonalidade menor 23 2.2. Exemplos de progress6es envolvendo um ou mais centros tonais: 24 Exemplo 3 : Bossa Nova Exemplo 4 : Disco Funk 2.3. Exercicios para a prética de improvisagao sobre centros tonais menores 26 Exercicio 3 : Bossa Nova Exercicio 4 : Samba-cango Exercfcios diatonicos 27 Fung0es harmOnicas 28 4.1.” Notas caracteristicas das fungdes 28 4.2. Acordes caracteristicas das fung6es 29 43. Cadéncia tipica 30 Tensdes diatnicas/notas evitadas 30 5.1. Andlise da escala diatinica sobre os graus diatinicos do centro tonal maior 30 5.2, Andlise da escala diatinica sobre os graus diatSnicos do centro tonal menor 32 Progressbes para a pritica da improvisagiio por centros tonais 33 Progressio 1: Baio 33 Progressiio 2: Bossa Nova 33 Progresso 3 : Swing 34 Progresso 4: Funk 34 PARTE II: Improvisagio sobre V7 secunddrios, alterados e substitutos 35 1 4 Dominante secundério 37 im cadencial 37 Escalas para dominantes secundérios Im cadencial 38 3.1. Preparagdo de acorde maior 38 3.2. Preparagio de acorde menor 38 13 Fraseado para dominantes secundirios 38 V7 (alt) esubV7 40 4.1. Tritono 40 42. Resolugdes do tritono 40 43. Escala alterada <1 44, Escala idiob7 41 —a e Frascado para resolugdes VT(ait) “I ou subV7 2 Progress6es para a pritica da improvisagdo sobre dominantes secundarios, substitutos e alterados 43 Progressio 5: Bossa Nova 43 Progressio 6 : Balada 45 PARTE IIL: Escalas pentatonicas 47 1 Aplicagées das escalas pentatOnicas 47 1.1, Pentatdnicas sobre 0 acorde tipo "7M/6" 49 1.2. PentatOnicas sobre 0 acorde tipo "m7" 50 13. Pentatdnicas sobre o acorde tipo "m7(bS)" 48 1.4, Pentatdnicas sobre 0 acorde tipo "7" 51 Frascado pentat6nico 57 Progress0es para a pritica de improvisaglo pentatOnica $3, Progresso 7: Samba-cangao $3 Progresso 8 : Salsa 53 Progressio 9: Samba 53 PARTE IV: Escalas simétricas 55 1. Escala diminuta 57 1.1, Aplicagdes da escala diminuta 58 1.2, Frascado diminuto 59 2, Escala de tons inteiros 60 2.1. Aplicagdes da escala de tons inteiros 61 2.2. Fraseado sobre aescala de tons inteiros 67 Escala cromética 63 3.1. Alvos 63 3.2. Fraseado cromtico 64 4. Progressbes para a pritica de improvisago com as escalas simétricas 65 Progresso 10: Frevo 66 Progressio 11: Blues 66 Progresso 12: Bossa Nova 67 — om PARTE V: Improvisagio sobre tim? V7 “I7MelIm7(bs)_VF “Im7 op 1. Improvisaglo sobre Him7_VF “ITM 71 ms 1.1, Quattro geral de opgdes de escalas para lin? _ vi n 1.2. Quadro geral de opgBes de escalas pentatdnicas para Tha? al 1.3. Quadro geral de opedes de arpejos (tétrades) para lim? V7 17M 73 os. 1.4. Quadro geral de opgdes de arpejos (wiades) para lim? V7 17M 74 ms. 15. Fraseado para tim? Wi “IM 75 on 2. Improvisagao sobre Him7(b5) VF “Im? 77 a 2.1. Quadro geral de opgdes de escalas para Iim7(bS) VF “Im? 77 a 2.2. Quadro geral de escalas pentat6nicas para lim7(bS) V7 “Im? 78 vat 2.3. Quadro geral de opgdes de arpejos (tétrades) para lIm7(bs) V7 “Im7 79 7 24. Quadro geral de opgOes de arpejos (trfades) para IIm7(bS) V7 Im? $0 mo 2.5. Fraseado para lim7(b5) V7 “Im? 81 ta Progressdes para a prética da improvisag3o sobre tlm? V7 I7Me a Him7(s) V7 “Im 83 Progressiio 13 : Samba-cango 83 Progresso 14: Bossa Nova 84 Progresstio 15: Samba lento 86 PARTE VI: Solos 87 Solo 1; Bossa Nova 89 Solo 2: Swing 90 Solo 3:F Blues 91 Solo 4: Jazz 92 Solo 5: Retornos harmonics 94 Bibliografia 95 a Introducao PN reretnee reese oreealesceese oa adic eres areese tie rane gradativa como inter-relacionamento entre escalas e acordes e desenvolver a arte da improvisagdo no estilo “paso a passo" Este livro € destinado a qualquer instrumentista. Os ajustes de tessitura das frases ¢ transposigao devem ser feitos de acordo com a necessidade de cada instrumento. Na primeira parte, trabalhamos a improvisagdo por centros tonais, que consiste basicamente em tocar a escala do tom do momento (centro tonal) sobre os seus acordes diaténicos. Esta é a primeira etapa de improvisagdo, e exige como pré-requisito que o estudante saiba executar as escalas maiores e as trés formas da escala menor (natural, harménica e mel6dica) no seu instrumento, Caso vocé ainda nfo tenha dominado totalmente estas escalas em todas as tonalidades, utilize-se das progressdes, exemplos ¢ exercicios dados para praticé-las. Na segunda parte, acrescentamos progresses com o uso de dominantes secundérios, alterados ¢ substitutos (sub V7). A partir de entio, as demais partes se desenrolam apresentando opgées de sonoridades para progresses comuns, como o uso de escalas pentatOnicas (parte III), simétricas (cromatica, diminuta e tons inteiros — parte IV), frases para Ilm__Y (um resumo das opgdes de uso das escalas diatonicas, pentatdnicas, simétricas ¢ superposigdes de arpejos — trfades e tétrades — sobre a progressa.mais encontrada em misica popular — parte V) e, na parte VI, temos entio solos escritos sobre progresses standards em jazz e misica brasileira, que exemplificam uma aplicagao prética do material estudado. Junto com o livro,vocé encontra uma fita de apoio didético, que com certeza o auxiliard na assimilagdo do material contido nos captulos. A fita apresenta progressOes, exemplos exercfcios gravados no estilo "sé falta o solista", onde poderé ser praticado 0 uso das escalas. Encontraremos também as frases tocadas no andamento original e em seguida em um andamento mais lento, para que possam ser assimiladas com mais facilidade as nuances de interpretago, No comego de cada lado da fita encontra-se a nota Lé (442 Hz) para ajustar a afinagao do seu instrumento a da fita. E importante dizer que este livro oferece muitas das ferramentas necessdrias para vocé se desenvolver como um bom solista (improvisador), mas que a misica ndo ¢ feita nem de regras nem de clichés; a miisica transcende a estas coisas, ¢ deve ser tocada e estudada tendo sempre este sentido em mente. Em todas as partes deste livro so encontradas sugestdes de progresses com as opges de escala para improvisagao escritas sobre cada acorde. Experimente fazer um estudo gradativo para o domfnio na ‘mudanga das escalas, tocando inicialmente apenas mfnimas, depois sem{nimas, colcheias, etc. E importante {que no haja nenhuma interrupgdo nas mudancas das escalas, forgando o solista ao desenvolvimento da fluéncia no improviso. Gostaria também de lembrar que a improvisago é uma linguagem e deve ser estudada como tal, ou seja, nfo adianta muito sabermos toda a teoria se ndo pararmos um pouco para “ouvir como soa” Espero que este livro contribua para aflorar idéias inovadoras contidas nas pessoas que, muitas vezes por falta de ferramentas, no tém como se expressar. 0s pré-requisitos bésicos para que se tire maior proveito deste livro sio: reconhecimento dos intervalos, formagio das escalas e dos acordes, leitura de cifras e dominio no instrumento, da escala maior e das trés formas da escala menor (natural, harmOnica ¢ mel6dica) em todas as tonalidades. PARTE VI Improvisacgado por centros tonais Nelson Faria 1. Centros tonais maiores ‘Sao formados pelos acordes diat6nicos A tonalidade maior. 1.1. Acordes diaténicos a tonalidade maior (exemplo em D6 maior) SF aa cifra: 7M Dm7 Em7 F7™M. Am7 Bm7(bs) andlise: 17M m7 1m? 1V7M ” VIm7 —_-ViIm7(b5) 1.2, Exemplos de progresses envolyendo um ou mais centros tonais Nos primeiros 4 compassos do exemplo 1 nés temos uma progressio formada por acordes diatonicos & escala de Fé maior, seguidos de mais 4 compassos em Mib maior, 4 compassos em Ré maior e, para finalizar, mais 4 compassos em Fé maior. No exemplo 2 0s centros tonais envolvidos s4o: Dé maior (6 compassos), Fé maior (4 compassos), Lé maior (4 compassos), ¢ finalizando , Dé maior (4 compassos). Para improvisarmos sobre progressdes envolvendo um ou mais centros tonais, devemos tocar as escalas dos centros tonais envolvidos sobre os seus acordes diatdnicos. Com 0 auxilio de um gravador ou colega, experimente improvisar sobre os exemplos abaixo. Exemplo 1: Bossa Nova | sore | tom D/ F# Bm7 inne Vi lem pm a Aaarte da improvisagio Exemplo 2: Bolero vi rT eee a Vim7 la lcm | am7 | sae wae m7 Gm7 - Amaior.... : ant m7 Bm7 C maior. | 1v7M F7M c™ 1.3 Exercicios para a pratica de improvisacdo sobre centros tonais maiores Com auxilio de um gravador ou colega, pratique a improvisago sobre as progressdes abaixo. Pratique 0 suficiente para se sentir confortavel na mudanga das escalas e s6 entio siga & frente no livro. Tenha paciéncia e determinagao. Exercicio 1: Salsa lenta F maior. Eb mai Bb maior.....+. om | o cm | mr | or eae Domaerceesesesegy Gb Bbm7 Bbm7 | ab7 Abm7 | Db7 mao ber, Fem? | 7 m7 | 7 G maior. Em? aq m7 | 2 = Nelson Faria Bb maior. cmt | ¥7 Avuatr © Ghee. see vom | ror | an |e ffl: ator | oor nal. Dios ssseessene 5 rem7 | 07 | em | em | ar | rain Baler, Dim7 | Ge com | ver | Armaior...... om? | F maior. . om | cr em | m7 | wom | x 2. Centros tonais menores ‘Sao formados pelos acordes diatdnicos advindos das trés formas basicas da escala menor: natural, harménica e melédica, 2.1 Acordes diatdnicos a tonalidade menor a) Menor natural: _————— cifra: Cm? Dm7(bs)_—EB7M m7 Gm7 AbTM Bb7 andlise: Im7 Im7(bS)_bIII7M_—sI'Vm7 Vm7 —bVITM_——bVII7 a ee el Centro tan Guest Musical de Aperteigoamento tr7.4428 23 L Rua Direita, 94 (31) Aarte da improvisagao b) Menor harménica: a (SSS cifra: | Cm(7M) — Dm7(bs)_ EbTM(#5)_—Fm7 Ab7M Be andlise: Im(7™M) —Im7(bS)_ bITI7M(#S)_-1Vm7 "7 bvI™M vue c) Menor melédica: = cifra: © Cm(7M) Dm7 Eb7M(#5) 7 GT Am7(b5) Bm7(bS) analise: Im(7M) Tim? bIEI7M(#S) V7 v7 Vim7(bS) — Vm7(b5) 2.2 Exemplos de progressées envolvendo um ou mais centros tonais advindos de uma ou mais formas da escala menor Para improvisarmos sobre progresses envolvendo um ou mais centros tonais menores, a exemplo dos centros tonais maiores, devemos tocar as escalas dos centros tonais envolvidos sobre os seus acordes diaténicos. Com 0 auxilio de um gravador ou colega, experimente improvisar sobre as progressdes dadas. Exemplo 3: Bossa Nova Neste exemplo nds temos uma progressio envolvendo acordes diaténicos a tonalidade de Sol menor advindos, porém, das trés formas da escala: natural (N), harmOnica (H) e melédica (M). Note que a diferenga entre as trés formas da escala menor é sempre de uma ou no maximo duas notas, ¢ que para improvisarmos sobre este tipo de progresso devemos ficar atentos a estas notas. G menor (N). ene Ee My pene sus se (NDE H) Im? ‘Vim7(s) bVIM VT m7 | cme | ems | com pr | ON reer rere are OM) ce en rer eee ea Niee pret Im? IVm7 vir |enr ler | cm | vas | bvI7M Tim70s) v7 | wom | am7es) | or 24 Ma is ue Exemplo 4: Disco Funk Nelson Faria Esta progressio envolve acordes diatOnicos as tonalidades de Dé menor, Sol menor, Fa menor ¢ Mib menor. Em todos os centros tonais envolvidos encontramos acordes advindos das trés formas da escala menor. Obs. C menor (N)... IVm7 } Fm7 ON eer ee = Im7 m7 (MWe seer cesees bITITMGS) Eb7™M (tees 1m(7™M) Gm7™m) (Mp. Tm(7™M) Fm(7™) ees 2.001 (Ha bVIM V7 m7 cmibh | Ab™M GT (N) =acordes advindos da escala menor natural ® (M) \cordes advindos da escala menor harménica .cordes advindos da escala menor melédica cee Pmenor (N).-« .G menor (N)...- Tim7(b5) Am7(b5) Im7(bs) Gm70s) a yuan RTOS gieeeee..-- rns) vt | no7 | Fm7(b5) menor (N)..+-++ Tm7(b5) Dm7(b5) Aarte da improvisagio 2.3 Exercicios para a pratica de improvisacdo sobre centros tonais menores Com o auxilio de um gravador ou colega, pratique a improvisagio sobre as progressdes abaixo, Note que sobre 0 acorde menor nés usamos a forma natural da escala menor e sobre o acorde dominante (tipo 7) nés tocamos a forma harmonica, Pratique o suficiente para se sentir confortével na mudanga das escalas e s6 entdo siga A frente no livro. Tenha paciéncia e determinagio. Exe io 3: Bossa Nova G menor (N)...(H).. D menor (N)..(H). Amenor(N).(H)..... 4x, Dm7 | a7 am? | 7 Emenor(N)..H)...se000. B menor (N)..(H).. F# menor (N)..(H).. x Em? | or Fem? | #7 C# menor (N)...(H)... Eb menor (N)..(H).... ax com? | Ger Bbm7 | B07 Bb menor (N)..(H)..... menor (N)..(H).. im? |r em | oF Exercicio 4: Samba-cangao Neste exercicio usamos as trés formas da escala menor. Natural sobre o segundo grau, harménica sobre o quinto ¢ melédica sobre o primeiro (com 7M ou 6). Cm)..(H).......(M).. Bom (N)..(H)....66.(M)sesseee ones] cr | ems | ons ms) | F7 | pemc7a | Bom Ab MN). (Hee. (Mecceesesseeesees Gbm(N).. (Hee cee. (M eae hms] Bb7 | AbmrTM) | Abme bm7¢05| DbT | Goma) | Gime y Em(N).-(H)eeeeee(M)ocsseeseee DmN)..(H).-...6(M)eveees [fre90s{ 97 [ema | me :iffemras| a7 | mc | ms: 26 3. Exercicios diaténicos Estes exercicios so importantes néo apenas por dar ao instrumentista habilidades técnicas, mas também por proporcionar subsidios melédicos para a improvisago diatdnica. O exercicio esta apresentado em duas células basicas (ascendente ¢ descendente), que devem ser executadas sobre toda a extensio da escala, trabalhando-as no maior niimero possivel de digitagdes. ‘Transponha estas idéias para todas as 12 tonalidades ¢ para as trés formas da escala menor. ascendente descendente Aarte da improvisagao etc... By. 5 SS ire be —— = ; ee. - _ —— eye r : en GP ee | seers re ov 4. Fungdes harmonicas ete... etc, > A tonalidade pode ser dividida em trés “sensagdes” bdsicas, as quais damos 0 nome de “fungdes”: a) Ténica (T): estavel e de sentido conclusivo; b) Dominante (D): instdvel, tensa, sentido suspensivo, pede resolugio na ténica; e ) Subdominante (S): sentido suspensivo mas nao tenso, faz. cadéncia normalmente para a dominante. 4.1 Notas caracteristicas das fungdes (exemplo em D6) a) Tom maior: 4.2 Acordes caracteristicos das fungdes (exemplo em D6) a) Tom maior: SS = [eel ite ef as pe b) Tom menor: ‘Natural: fd eect [ant i erases Seana Obs.: O grau Vm? tem funcao especial —dominante menor —, sendo mais usado no contexto modal ou como acorde de empréstimo. Harménico: fut és =] MimT5)1¥m7AVITM mt) amas) v7 vue aioe genet wee Melédico: = SS ee et ee Im7 IVT ‘Vim7(bS) Im(7M) bITI7M(#5) V7 Vilm7(bS) jot male haat, Obs.: O grau IIm7 é usado apenas em contexto modal (dérico) e os graus IV7 e Vim7(bS) sdo parte de uma Juncado especial — subdominante maior —, que se confunde com a t6nica. Exemplo: Am?(bS) = C6, F7 = Cm6(11).. arte da improvisagao 4.3. Cadéncia tipica A tendéncia naturalda-harmonia tonal € de fazer cadéncias inigiadas e terminadas na funcio ténica, preparada pela dominante precedida pela subdominante. Fr Re DT Exemplos: > sp >D. >T. . vim? Him? v7 1™ 16 | am7 |pm7 |or | cm |e > sp > D—————-> T = 17 Tm70s) V7 Im) Im7 | m7 Fm/eb [Dm7bs) | G7 | emer [em7 5. Tensoes diaténicas/notas evitadas Para melhor compreendermos o inter-relacionamento entre acordes ¢ escalas, classificaremos as notas da scala em trés categorias bisicas: a) Notas de acorde: so as notas da escala que formam 0 som bisico (1, 3, 5, 7) do acorde sobre 0 qual estamos improvisando em um determinado momento, b) Tensao diaténica: so as notas da escala nfo pertencentes ao som bisico do acorde (T9, T11, T13). evitada: é a nota que caracteriza a fungdo por vir na cadéncia tipica. Exemplo: No centro tonal de Dé maior, temos no acorde G7 as notas Sol, Si, Ré, Fé como “notas de acorde”, as notas Mi e La como “tensdes diatdnicas” ¢ a nota Dé como “nota evitada”. 670,13) eno) S$ TI3 v7 5.1 Anilise da escala diat6nica sobre os graus diatnicos do centro tonal maior (exemplo em D6) Neste t6pico nés temos os 7 graus da escala maior (Inico, Dérico, Frigio, Lidio, Mixolidio, Eélio e Lécrio) analisados quanto s suas notas de acorde (notas brancas), tensOes diat6nicas (notas pretas) e notas evitadas (notas pretas entre parénteses). E importante que vocé se familiarize com os nomes dados aos graus da escala que sio largamente empregados na diddtica da harmonia e da improvisago. Experimente tocar cada um dos acordes apresentados seguidos de suas respectivas escalas, procurando sentir 0 efeito de cada uma das categorias de notas (de acorde, tenso ou a evitar). Tonico: C7M/6 (9) ores 5s o6 7 ree Obs.: No acorde tipo “7M" consideramos T13 como nota de acorde “6” por ser esta intercambidvel com a sétima maior. 30