Você está na página 1de 139

MANUAL DO OPERADOR

NEW HOLLAND
TT55
TT75

84994013
1ª Edição
Impresso no Brasil Português 09.05

NEW HOLLAND É UMA MARCA DA CNH.


CNH: LÍDER EM MÁQUINAS AGRÍCOLAS, MÁQUINAS DE CONSTRUÇÃO E SERVIÇOS FINANCEIROS NA AMÉRICA LATINA
NEW HOLLAND
TT55
TT75
UTILIZAÇÃO
MANUTENÇÃO
ESPECIFICAÇÕES
RELAÇÃO DE SEÇÕES

Seção 1 - Informações Gerais e Segurança

Seção 2 - Comandos, Instrumentos e Operação

Seção 3 - Operação em Campo

Seção 4 - Lubrificação e Manutenção

Seção 5 - Localização de Anomalias

Seção 6 - Armazenagem do Trator

Seção 7 - Especificações

Seção 8 - Índice
CONTEÚDO
Título Página

Seção 1 - Informações Gerais e Segurança

Ao proprietário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-1
Identificação do produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-2
Ecologia e o meio ambiente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-4
Precauções de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-5
Engate de reboques . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-10
Implementos e cargas de reboques recomendados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-10
Decalques gerais e de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-11
Símbolos internacionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-15
Dicas para economizar combustível. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-16
Emissão de Ruído na Atmosfera. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1-17

Seção 2 - Comandos, Instrumentos e Operação

Assento do Operador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2-2


Painel de Instrumentos, Indicadores e Luzes de Advertência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2-3
Comandos Manuais e Interruptores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2-5
Comandos Manuais, Comandos de Pé e Acelerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2-9
Transmissão 8x2 de Engrenamento Constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2-1

Seção 3 - Operação em Campo

Procedimento de Amaciamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-2


Verificações de Pré-Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-2
Partida no Trator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-4
Parada do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-6
Tomada de Força. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-7
Engate de Três Pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-12
Implementos de Reboque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-18
Sistema Hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-20
Regulagem da Bitola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-26
Lastro e Pneus do Trator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-31
Calibragem dos Pneus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3-34

Seção 4 - Lubrificação e Manutenção

Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-1


Quadro de Lubrificação e Manutenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-6
Revisão de 10 horas/Diária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-7
Revisão de 50 horas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-13
Revisão de 300 horas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-19
Revisão de 600 horas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-24
Revisão de 1200 horas/12 meses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-27
Manutenção Geral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4-31
Proteção dos Sistemas Eletrônico/Elétrico Durante Recarga da Bateria e Solda . . . . . . . . . .4-34
Seção 5 - Localização de Anomalias

Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5-2
Sistema Hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5-5
Levantador Hidráulico e Engate de Três Pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5-5
Freios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5-6
Sistema Elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5-6

Seção 6 - Armazenagem do Trator

Armazenagem do Veículo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6-1


Preparo para Uso Após Armazenagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6-1

Seção 7 - Especificações

Dimensões do Trator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-2


Peso do Trator. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-4
Motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-5
Sistema de Arrefecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-6
Sistema de Embreagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-6
Tomada de Força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-6
Engate de Três Pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-6
Sistema Hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-5
Equipamentos Elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-7
Direção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-7
Freios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-7
Capacidades de Lubrificantes e Fluidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7-8

Seção 8 - Índice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8-1


SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

SEÇÃO 1
INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

AO PROPRIETÁRIO SEGURANÇA

As páginas 5 a 9 contêm uma lista de precauções a


GENERALIDADES serem observadas para garantir a sua segurança e
a de outros. Leia as precauções de segurança e
Este Manual foi preparado para ajudar com o siga os conselhos oferecidos antes de operar o
procedimento correto de amaciamento, condução e trator.
operação e para a manutenção do seu trator novo.
O seu trator foi projetado para gerar a sua própria REVISÃO DAS PRIMEIRAS 50 HORAS
energia e propulsão e é previsto para uso em
aplicações agrícolas normais e costumeiras. Depois de operar o trator por 50 horas, leve o seu
trator, junto com o livreto de garantia, ao seu
Leia este Manual cuidadosamente e mantenha-o Concessionário. Eles realizarão a revisão de 50
em local conveniente para futuras referências. Caso horas recomendadas pelo fabricante e preencher o
necessite, a qualquer hora, de aconselhamento em relatório de serviço. Certifique-se do
relação ao seu trator, não hesite em entrar em preenchimento do cupom com a assinatura do
contato com o seu Concessionário New Holland. Gerente de Serviços/Concessionário.
Eles são treinados pela Fábrica e oferecem peças
genuínas do fabricante e possuem os PEÇAS DE SERVIÇO
equipamentos necessários para realizar todas as
suas exigências de serviços. Deve ser ressaltado que as peças originais foram
examinadas e aprovadas pela Fábrica. A instalação
O seu trator foi projetado e construído para fornecer e/ou uso de produtos ‘não originais’ pode ter efeitos
o máximo desempenho, economia e facilidade de negativos nas características do projeto do seu
operação em uma grande variedade de condições trator e, portanto, afetar a sua segurança. A Fábrica
de operação. Antes da entrega, o trator foi não se responsabiliza por quaisquer danos
cuidadosamente inspecionado, tanto na Fábrica provocados pelo uso de peças e acessórios ‘não
quanto pelo seu Concessionário para garantir que originais’.
você o receba em condições ideais. Para manter
esta condição e operação livre de problemas, é Somente peças de reposição Originais New Holland
importante que as revisões de rotina, conforme devem ser usadas. O uso de peças não originais
especificado na Seção 4 deste Manual, sejam poderá invalidar as aprovações legais associadas a
realizadas nos intervalos recomendados. este produto.

LIMPEZA DO TRATOR É proibido realizar quaisquer modificações no trator,


a não ser com autorização específica, por escrito,
Ao limpar o trator, em particular se for utilizar uma do departamento de Pós Vendas da Fábrica.
máquina de alta pressão, deve-se tomar
precauções para proteger os componentes e GARANTIA
conexões elétricos / eletrônicos. A pressão gerada
por algumas destas máquinas é tal que não se pode O seu trator está garantido de acordo com a
garantir uma proteção completa contra o ingresso legislação vigente em seu país e com contratos
de água. acordados com o Concessionário no momento da
venda. Entretanto, a garantia não terá validade se
Ao lavar o trator com uma máquina de alta pressão, as regras e instruções de uso e manutenção do
não fique muito perto do trator e evite direcionar o trator descritas neste Manual não forem seguidas.
jato para as conexões elétricas, respiros, vedações, Para obter mais detalhes da garantia, consulte o
tampas de enchimento, etc. Nunca direcione um Livrete de Garantia fornecido junto com este
jato de água fria para o motor ou escapamento Manual.
quentes.

1-1
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Decalque de Identificação do Trator


Figura 1
Localização - Dentro do Painel Central Direito

A primeira linha representa o número de série e modelo do trator, enquanto que a segunda linha representa o
código da unidade e número de série do motor, seguido pelo número de série da Transmissão. Anotar as
informações na Figura (1) para referência rápida.

Localização da Identificação do Trator (gravada)

Figura 2

O número de série, código da unidade e número do


motor do trator estão gravados no lado esquerdo do
carcaça da transmissão. Estes números são
repetidos no decalque de identificação do veículo
reproduzido acima.

1-2
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

Identificação do Motor

Figura 3

O número de série do motor encontra-se gravado


no lado esquerdo do bloco do cilindro. Este número
é repetido no decalque de identificação do trator,
bem como na caixa da embreagem. Anotar abaixo
o Número de Série do motor para referência rápida.

Número de série do motor ____________________

Identificação da Transmissão

Figura 4

O número de série encontra-se gravado no lado


direito da carcaça da transmissão, abaixo do tanque
de combustível. Figura 4. Esta informação é
repetida do decalque de identificação do trator.
Anotar abaixo o número de série da transmissão
para referência rápida.

Número de série da transmissão_______________

1-3
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

ECOLOGIA E O MEIO AMBIENTE


O solo, o ar e a água são fatores vitais para a 3. Os óleos modernos contêm aditivos. Não
agricultura e para a vida em geral. Onde a queimar combustíveis contaminados e/ou
legislação ainda não dita o tratamento para resíduos de óleo em sistemas de aquecimento
algumas substância que são necessárias para a comuns.
tecnologia avançada, o bom senso deverá governar
o uso e descarte de produtos de natureza química e 4. Evitar derramamentos ao drenar misturas de
petroquímica. arrefecimento do motor, óleos hidráulicos e da
caixa de mudança e do motor, fluidos de freio,
Seguem recomendações que podem ajudar: etc. Não misturar fluidos de freio ou
combustíveis drenados com lubrificantes.
• Aprender e compreender a legislação Armazená-los com segurança até que possam
relacionada aplicável ao seu país. ser descartados de forma adequada para
cumprir com a legislação local e os recursos
• Onde não houver legislação, obter informações disponíveis.
dos fornecedores de óleos, filtros, baterias,
combustíveis, agentes de limpeza, etc. com 5. As misturas de arrefecimento modernas, isto é,
respeito ao seu efeito em pessoas e na anti-congelante e outros aditivos, devem ser
natureza e como armazenar, utilizar e descartar trocadas a cada dois anos. Não se deve
estas substâncias com segurança. permitir que elas contaminem o solo, elas
devem ser recolhidas de descartadas com
DICAS ÚTEIS segurança.

1. Evitar abastecer tanques utilizando recipientes 6. Reparar imediatamente quaisquer vazamentos


abertos ou sistemas pressurizados de ou defeito nos sistemas de arrefecimento do
abastecimento de combustível inapropriados motor e hidráulico.
que podem provocar derramamentos.
7. Não aumentar a pressão em um circuito
2. No geral, evitar contato da pele com todos os pressurizado, pois pode levar o componente a
combustíveis, óleos, ácidos, solventes, etc. A explodir.
maioria deles contém substâncias que podem
ser prejudiciais à saúde. 8. Proteger as mangueiras ao soldar, pois os
respingos de solda podem furar ou enfraquecê-
las, causando perda de óleo, refrigerante, etc.

1-4
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
Operadores cuidadosos são os melhores O TRATOR
operadores. A maior parte dos acidentes pode ser
evitada observando-se certas precauções. Para 1. Ler cuidadosamente este Manual do Operador
ajudar a prevenir acidentes, ler e tomar as antes de utilizar o trator. A falta de
seguintes precauções antes de conduzir, operar ou conhecimentos de operação pode provocar
realizar serviços no trator. O equipamento deverá acidentes.
ser operado somente por pessoas responsáveis e
instruídas para tal. 2. Permitir somente que pessoas devidamente
treinadas e qualificadas operem o trator.
DECLARAÇÕES DE PRECAUÇÃO
3. Para evitar quedas, utilizar os corrimãos e
Por todo este Manual aparecerão textos precedidos
pela palavras NOTA, ATENÇÃO, IMPORTANTE, degraus para subir e descer no trator. Manter
CUIDADO, ADVERTÊNCIA ou PERIGO. Estes os degraus e a plataforma livres de lama e
textos têm o seguinte significado: detritos.

Segurança da Máquina 4. Substituir todos os decalques de segurança


que estiverem faltando, ilegíveis ou
NOTA: Estes textos enfatizam uma técnica ou um danificados.
procedimento de operação correta.
5. Manter os decalques de segurança livres de
ATENÇÃO: Estes textos advertem ao operador sujeira e graxa.
contra danos potenciais à máquina se certos
procedimentos não forem seguidos.

IMPORTANTE: Estes textos informam o leitor de


algo que precisa saber para evitar danos menores à
máquina se certos procedimentos não forem
seguidos.

Segurança Pessoal

CUIDADO
A palavra CUIDADO é utizada onde uma prática
comportamental segura, de acordo com as 6. Não permitir que ninguém, exceto o operador,
instruções de operação e manutenção e práticas ande no trator. Não é seguro levar passageiros.
sensatas, protegerá o operador e os outros contra
acidentes. 7. Manter sempre as crianças afastadas do trator
e de maquinário agrícola.

ADVERTÊNCIA 8. Não modificar ou alterar, nem permitir que


A palavra ADVERTÊNCIA indica um perigo ninguém modifique ou altere o trator ou
potencial ou oculto, que poderia provocar lesões qualquer um de seus componentes, ou
sérias. É utilizada para alertar os operadores e qualquer função do trator sem antes consultar
outros quanto ao uso dos devidos cuidados e o Concessionário.
atenção para evitar serem surpreendidos por um
9. Instalar todas as blindagens antes de dar
acidente.
partida no motor e operar o trator.

10. As rodas do trator são muito pesadas. Seu


PERIGO
manuseio requer cuidado. Certificar-se de que
A palavra PERIGO indica uma prática proibida estejam armazenadas em um local onde não
relacionada a um perigo grave. possam cair e provocar ferimentos.

Não seguir as instruções de CUIDADO,


ADVERTÊNCIA ou PERIGO poderá resultar em
graves ferimentos pessoais ou até mesmo a morte.

1-5
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

CONDUÇÃO DO TRATOR

1. Sempre esteja sentado no assento do operador


ao dar partida no trator.

2. Ao dirigir em vias públicas, ter consideração


com os outros usuários das mesmas. Encostar
no lado direito da via ocasionalmente para dar
passagem para qualquer tráfego. Não exceder
o limite de velocidade legal estabelecido para
tratores agrícolas.

3. Baixar os faróis do trator ao cruzar um veículo


à noite. Certificar-se de que os faróis estejam
regulados para evitar ofuscar o motorista de
algum veículo na direção oposta. 7. Qualquer veículo rebocado cujo peso exceda o
do trator que estiver rebocando deverá estar
4. Reduzir a velocidade antes de virar ou aplicar equipado com freios para um operação segura.
os freios. Aplicar os freios simultaneamente
nas duas rodas em paradas de emergência. 8. Nunca tentar aplicar o bloqueio do diferencial
Certificar-se de que os dois pedais dos freios ao virar. Quando está aplicado, o bloqueio do
estão travados para rodar em velocidades de diferencial não permite que o trator vire.
estrada ou em vias públicas para garantir a
operação correta dos freios do reboque. 9. Sempre verificar o espaço acima,
especialmente quando estiver transportando o
trator. Olhar para onde está indo,
especialmente no final das linhas, em ruas e
em volta de árvores e obstáculos suspensos
baixos.

10. Para evitar capotagens, dirigir o trator com


cuidado e a velocidades compatíveis com a
segurança, especialmente ao operar em
terrenos irregulares, cruzar taipas ou descidas
e ao fazer curvas.

5. Ter cuidado extremo e evitar a aplicação


brusca dos freios do trator quando estiver
rebocando cargas a velocidades de estrada.

6. Manter o trator na mesma marcha em descidas


do que a que seria necessária para subir um
aclive. Não costear nem descer declives com o
trator desengrenado.

11. Ter extremo cuidado ao operar em declives


acentuados.

12. Se o trator ficar atolado ou os pneus


congelarem no solo, sair de ré com o trator
para evitar capotamento.

1-6
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

OPERAÇÃO DO TRATOR

1. Aplicar o freio de estacionamento, colocar o


comando da TDF na posição 'DESLIGADO', a
alavanca do comando do levantador na
posição baixa e as alavancas da transmissão
em neutro, antes de dar partida no trator.

2. Não dar a partida no motor nem operar os


comandos estando ao lado do trator. Sempre
sentar no assento do trator para dar a partida
ou operar os comandos.
10. Não deixe o motor do trator funcionando em
3. Não fazer derivação nos interruptores de local fechado e sem ventilação adequada. Os
partida em neutro da transmissão. Consultar o gases do escapamento são tóxicos e podem
seu Concessionário New Holland se os causar a morte.
comandos de partida em neutro não
funcionarem. 11. Puxar somente pelo engate de reboque, barra
de tração oscilante ou a barra de tração da
4. Usar cabos auxiliares para partida somente da conexão inferior na posição abaixada. Utilizar
maneira recomendada. O uso inadequado somente um pino da barra de tração que trave
pode resultar no trator sair andando sozinho ou no lugar. Puxar pelo eixo traseiro ou qualquer
causar danos à bateria. ponto acima do eixo pode fazer com que o
trator capote.

12. Sempre selecionar Comando de Posição ao


conectar equipamentos e ao transportar
equipamentos. Certificar-se de que os
acopladores hidráulicos estejam corretamente
montados e se desconectarão com segurança
em caso de separação acidental do
implemento.

5. Evitar contato acidental com as alavancas de


mudança de marcha enquanto o motor estiver
funcionando. Um movimento inesperado do
trator poderá resultar de tal contato.

6. Não descer do trator enquanto estiver em


movimento.

7. Antes de sair do trator, estacioná-lo em terreno 13. Se a dianteira do trator tender a levantar-se
nivelado, aplicar o freio de estacionamento, quando implementos pesados são conectados
baixar os implementos conectados até o solo, ao engate de três pontos, instalar lastros na
desengatar a TDF e desligar o motor. dianteira. Não operar o trator com a dianteira
leve.

14. Aplicar a embreagem lentamente ao sair de


uma vala, sulco ou um aclive acentuado.
Desaplicar a embreagem rapidamente se as
rodas dianteiras levantarem do solo.

15. Certificar-se de que quaisquer equipamentos ou


acessórios conectados estejam corretamente
instalados e sejam aprovados para uso com o
trator, não sobrecarreguem o trator e sejam
operados e mantidos de acordo com as
8. Não estacionar o trator em declive íngreme. instruções fornecidas pelo fabricante do
equipamento ou acessório.
9. Não operar o trator com o freio de
estacionamento aplicado

1-7
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

16. Lembrar que o seu trator, se for abusado ou


utilizado incorretamente, pode ser perigoso e
tornar-se um risco tanto para o operador
quanto para outras pessoas. Não
sobrecarregar nem operar com equipamentos
conectados que sejam inseguros, não
projetados para a tarefa em particular ou não
tenham manutenção adequada.

17. Não deixar os equipamentos levantados quando


o veículo estiver parado ou sem assistência.

18. Não dirigir o trator/equipamento perto de


chamas vivas.
5. Certificar-se de que a proteção da TDF esteja
19. Sempre usar máscara de proteção ao trabalhar
em sua posição o tempo todo e sempre
com produtos químicos tóxicos pulverizados.
reinstalar a tampa da TDF quando não estiver
Seguir as instruções no recipiente do produto
em uso.
químico.
SERVIÇOS NO TRATOR
OPERAÇÃO DA TDF

1. Ao operar equipamentos acionados pela TDF,


desligar o motor, desconectar a TDF e
aguardar até que a TDF tenha parado antes de
descer to trator.

1. O sistema de arrefecimento funciona sob


pressão. É perigoso remover a tampa enquanto
o sistema estiver quente. Sempre girar a tampa
lentamente até o primeiro batente para aliviar a
2. Não usar roupas largas ao operar a tomada de pressão antes de remover a tampa totalmente.
força, especialmente quando estiver perto de
equipamentos giratórios. 2. Não fumar quando abastecer o trator.
Mantenha qualquer tipo de chama aberta
3. Ao operar equipamentos estacionários afastada.
acionados pela TDF, sempre aplicar o freio de
estacionamento do trator e calçar as rodas 3. Manter o trator e os equipamentos,
traseiras pela frente e por trás. particularmente os freios e a direção, em
condição confiável e satisfatória para garantir a
4. Para evitar lesões, não limpar, regular, sua segurança e cumprir com os requisitos
desentupir ou realizar serviços em legais.
equipamentos acionados pela TDF com o
motor do trator funcionando. Certificar-se de 4. Desligar o motor antes de realizar qualquer
que a TDF está desligada. serviço no trator.

1-8
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

5. Para prevenir incêndio ou explosão, manter 10. Decartar corretamente todos os fluidos
chamas abertas afastadas da bateria ou de drenados e filtros removidos.
dispositivos de partida a frio. Para evitar
faíscas que possam provocar uma explosão, 11. As rodas do trator são muito pesadas.
utilizar os cabos para partida auxiliares de Manusear com cuidado e garantir que, quando
acordo com as instruções. armazenadas, não possam tombar e provocar
ferimentos.
6. O fluido hidráulico e o óleo combustível do
sistema de injeção funcionam sob pressão.
Vazamentos de fluido hidráulico ou óleo ÓLEO DIESEL
combustível sob pressão podem penetrar na
pele e provocar graves lesões. Pessoas não 1. Em nenhuma circunstância deve-se adicionar
qualificadas não devem remover nem tentar gasolina, álcool ou combustíveis misturados ao
regular bombas, bicos injetores ou qualquer diesel. Estas combinações podem gerar um
outra peça dos sistemas de injeção de risco maior de incêndio ou explosão. Em um
combustível e hidráulico. Se essas instruções recipiente fechado, como um reservatório de
não forem observadas, poderão ocorrer lesões combustível, estas misturas são mais
graves. explosivas do que gasolina pura. Não usar
estas misturas.
• Não usar as mãos para verificar vazamentos.
Usar um pedaço de papelão ou papel para 2. Nunca remover a tampa do reservatório nem
pesquisar vazamentos. abastecer com o motor funcionando ou quente.
• Desligar o motor e aliviar a pressão antes de
conectar e desconectar as linhas.

3. Não fumar quando abastecer o trator nem


quando estiver perto de combustíveis.
• Apertar todas as conexões antes de dar a Mantenha qualquer tipo de chama aberta
partida no motor ou pressurizar as linhas. afastada.

• Se ocorrer a injeção de fluido na pele, obter 4. Não encher o reservatório de combustível até a
assistência médica imediatamente ou poderá sua capacidade máxima. Encher somente até
resultar em gangrena. o fundo do gargalo de enchimento para deixar
espaço para expansão.
7. Não modificar ou alterar, nem permitir que
ninguém modifique ou altere o trator ou 5. Limpar combustível derramado imediatamente.
qualquer um de seus componentes, ou Sempre apertar a tampa do reservatório de
qualquer função do trator sem antes consultar
combustível firmemente.
o Concessionário New Holland.

8. O contato contínuo a longo prazo com óleo de 6. Se a tampa original do reservatório de


motor usado pode provocar câncer de pele. combustível for perdida, substituir por uma
Evitar contato prolongado com óleo de motor tampa aprovada. Uma tampa não aprovada
usado. Lavar a pele rapidamente com sabão e pode não ser segura.
água.
7. Nunca utilizar combustível para fins de
9. Manter os equipamentos limpos e com a limpeza.
devida manutenção.

Sempre que aparecer este símbolo significa: ATENÇÃO!


FIQUE
FIQUE ALERTA!
ALERTA! AA SUA
SUA SEGURANÇA ESTÁ ENVOLVIDA!
ENVOLVIDA!

1-9
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

ENGATE DE REBOQUES
O reboque pode ser engatada ao trator com o auxílio dos acessórios a seguir, disponíveis no seu
Concessionário New Holland.

Acessório de barra de tração oscilante (somente modelo TT 75)

A barra de tração oscilante deverá ser utilizada para rebocar carretas de quatro rodas e implementos
rebocados. Não rebocar carretas de duas rodas, pois poderá provocar o levantamento da dianteira do trator e
causar acidente.

Engate para reboque traseiro regulável

São obtidas três posições diferentes através da regulagem da altura tanto acima quanto abaixo da TDF e
invertendo a estrutura do engate para reboque traseiro.

As alturas de engate variam de 535 a 720 mm (modelo TT 75) e 505 a 690 mm (modelo TT 55)

Quando usar uma carreta de duas rodas, é mais seguro engatar abaixo da linha de centro do eixo traseiro.

NOTA: É recomendável remover o apoio da barra de tração oscilante quando for usar o engate para reboque
traseiro.

IMPLEMENTOS E CARGAS DO REBOQUE RECOMENDADOS

A seguir são fornecidos detalhes de implementos e equipamentos adequados e as marchas recomendadas: I

Implementos
Implementos Adequados TT 55 TT 75
Tipo Marchas Tipo Marchas
Cultivador
Carregado por mola 13 dentes L3, H1 17-19 dentes L3, L4
Dente rígido 11 dentes L3, H1 15-17 dentes L3, L4
Grade de Discos
Rebocado 16 discos L3, H1 24 discos L3, H1
Arado
Arado de Discos 3 discos L2, L4 3-4 discos L2, L4
Arado de Aiveca 1-2 sulcos L2, L4 2-3 sulcos L2, L4
Arado de Cinzel 5-7 dentes L3, L4 7-9 dentes L3, L4
Cultivadora Giratória (Rotavator) 1,8 metros L2, L3 2.3 metros L2, L3
Empoçamento
Rodas de armadura completa 85 cm L2, L3 – –
Rodas de meia armadura – L2, L3 – –

NOTA: As marchas recomendadas podem variar de acordo com as condições do solo, peso do implemento,
etc.

Reboque
Tipo Carga Recom. do Reboque (em toneladas)
TT55 TT75
Duas rodas (Eixo Simples) 6 7
Quatro rodas (Eixo Duplo) 8 10

1-10
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

DECALQUES GERAIS E DE SEGURANÇA

Os decalques reproduzidos nas páginas a seguir foram instalados no seu trator nas posições indicadas nos
desenhos abaixo. Eles são previstos para a sua segurança e de outras pessoas trabalhando em volta. Levar
este Manual e andar em volta do trator observando a localização dos decalques e o seu significado. Revisar
todos os decalques e instruções de operação detalhados neste Manual junto com os operadores de
máquinas. Manter os decalques limpos e legíveis. Se eles forem danificados ou ficarem ilegíveis, obter
reposições do seu Concessionário New Holland.

1-11
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

1. DECALQUE - INSTRUÇÕES DE
SEGURANÇA DO VEÍCULO
Localização : Pára-lama direito no sentido do
lado do operador.

2. DECALQUE - INSTRUÇÕES DE
SEGURANÇA DA TOMADA
DE FORÇA
Localização : Pára-lama direito no sentido do
lado do operador.

3. DECALQUE - OPERAÇÃO
DO LIFT-O-MATIC

Localização : Perto do botão do Lift-O-Matic

4. DECALQUE - OPERAÇÃO DO
BLOQUEIO DO
DIFERENCIAL

Localização : Pára-lama direito no sentido do


lado do operador.

1-12
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

5. DECALQUE - COMANDO DE MUDANÇA


DA TOMADA DE FORÇA

Localização : Abaixo do assento do operador no


sentido do lado dianteiro.

6. DECALQUE - CORTE DE COMBUSTÍVEL

Localização : Acima da chave de partida no


painel traseiro do capô.

7. DECALQUE - INDICADOR DE
VELOCIDADE

Localização : No pára-lama direito.

8. DECALQUE - ADEVERTÊNCIA PARA A


TAMPA DO RADIADOR

Localização : Dentro do lado esquerdo do capô


dianteiro

ADVERTÊNCIA
Sistema de arrefecimento pressurizado Deixar
arrefecer e depois remover a tampa
cuidadosamente. Usar um pano para virar a tampa
até o primeiro batente para permitir que a pressão
reduza antes de remover a tampa completamente.

1-13
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

9. DECALQUE - FREIO DE
ESTACIONAMENTO

Localização : Abaixo do assento do operador no


lado direito, perto do freio de
estacionamento.

10. DECALQUE - SEGURANÇA DA BATERIA

Localização : No suporte frontal na frente da


bateria.

PERIGO
Ácido corrosivo. Use luvas de proteção

11. DECALQUE - ALAVANCA DA TOMADA DE


FORÇA

Localização : Pára-lama esquerdo no sentido do


lado do operador.

1-14
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

SÍMBOLOS INTERNACIONAIS
Abaixo são mostrados os símbolos internacionais com indicações do seu significado. Como guia para a
operação do seu trator, alguns destes símbolos universais foram utilizados nos instrumentos, comandos,
interuptores e caixa de fusíveis. Levar este manual e andar em volta do trator observando os símbolos e
compreendendo o seu significado.

Thermostart Rádio
dispositivo de TDF Controle de Posição
partida

Manter memória Transmissão em


Carga do alternador ativa Controle da tração
neutro

Sinaleiras Conector para


Nível de Direcionais acessórios
combustível Marchas do redutor
Sinaleiras
direcionais - um Conector para
Corte automático de Ajuste lento ou implementos
combustível reboque
baixo
Sinaleiras
direcionais - dois Porcentagem de
patinagem
Rotação do motor reboques Ajuste alto ou rápido
(rev/min x 100)
Lavador/limpador Levantar engate
do pára-brisa (traseiro)
Velocidade de
Horas registradas dianteiro avanço
Abaixar engate
Lavador/limpador (traseiro)
Pressão do óleo do Bloqueio do
motor do pára-brisa
diferencial
traseiro
Limite de altura do
engate (traseiro)
Temp. do líquido de Controle de
Temperatura do óleo
arrefecimento do temperatura do do eixo traseiro
motor aquecedor Limite de altura do
engate (dianteiro)
Ventoinha do Pressão do óleo da
Nível do líquido de aquecedor transmissão
arrefecimento
Engate desativado
Condicionador de Ar
Luzes do trator FWD engatada
Filtro de ar entupido Filtros hidráulicos e
da transmissão

Farol facho alto Freio de FWD desengatada


estacionamento Estender cilindro
remoto

Farol facho baixo Nível do fluido de Advertência!


freio Retrair cilindro
remoto
Luzes de
Luzes de trabalho Freio do Reboque advertência de Flutuar cilindro
perigo remoto

Luzes de parada Luz giratória do teto Defeito! Consultar o


Comando variável Manual do Operador

Advertência! Pressurizado! Abrir


Buzina Substância cuidadosamente Defeito! (símbolo
corrosiva alternativo)

1-15
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

DICAS PARA ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL


PARA OBTER UM RENDIMENTO IDEAL
A manutenção adequada do Trator reduz o 8. Respeitar o procedimento de amaciamento
consumo de combustível consideravelmente. fornecido neste Manual para obter
desempenho ideal do seu trator.
1. Armazenar o combustível em recipientes
devidamente limpos e livres de ferrugem e 9. Não deixar o motor funcionar em condição de
contaminantes. marcha lenta por mais de dois minutos. Pode
resultar em desperdício de combustível.
2. Sempre abastecer o reservatório no final de
cada dia para reduzir a condensação de 10. Não apoiar o pé no pedal da embreagem pois
umidade do ar que ocorre à noite evitando provoracará deslizamento da embreagem,
danos ao sistema de combustível. perda de potência do motor e aumento no
consumo de combustível. Manter a folga
3. Os filtros de combustível devem ser trocados especificada do pedal da embreagem.
de acordo com a programação de tempo
recomendada pois a capacidade de filtragem 11. Sempre dirigir o trator na marcha adequada.
não é mantida após este tempo especificado.
Pode permitir uma contaminação prejudicial e 12. Usar uma marcha mais baixa para dirigir em
danificar o sistema de injeção de combustível. declives e usar os freios moderadamente.
Seguir a programação de manutenção para
drenar a água dos filtros e limpar o filtro da 13. Manter a calibragem correta dos pneus, tanto
bomba de alimentação para trabalho no campo quanto na estrada.
Consulte o quadro de pressão dos pneus
4. Sempre usar filtros originais de combustível, fornecido neste Manual. Pneus gastos
disponíveis dos seus Concessionários New provocam o deslizamento das rodas e
Holland. desperdiçam combustível. Recape ou troque
os pneus se estiverem muito gastos. Faça uso
5. Consertar vazamentos de diesel, se houver, de lastro como e quando necessário para
imediatamente. reduzir o deslizamento das rodas e o consumo
de combustível.
6. Partículas de sujeira que venham a entrar no
motor provocam desgaste prematuro dos 14. Sempre usar implementos adequados para
revestimentos e anéis dos pistões, resultando reduzir o desperdício de diesel. Os
em perda de potência, óleo do motor e no implementos devem ser mantidos em boas
consumo de combustível. Limpar a câmara do condições, pois o uso de implementos
pré-filtro diariamente e trocar o óleo do filtro de desgastados desperdiçará combustível.
ar, coforme mencionado na programação de
manutenção. Certificar-se de que não há 15. Sempre arar no sentido longitudinal e planejar
vazamentos nas mangueiras e que a vedação o deslocamento no campo para reduzir o
da câmara do filtro de ar está em boas consumo de combustível. Regular a bitola das
condições, manter as braçadeiras das rodas de forma adequada para o implemento e
mangueiras apertadas. evitar sobreposição ao trabalhar no campo.

7. Verificar o nível do líquido de arrefec. do 16. Ao usar equipamentos acionados pela TDF,
radiador diariamente e encha somente com deixar o motor funcionando na velocidade
água limpa. As aletas do radiador devem recomendada para reduzir o consumo de
sempre ser mantidas limpas. Caso seja combustível.
necessário trocar a tampa do radiador, usar
somente uma tampa original para a pressão
especificada. Nunca tentar remover o
termostato. Verificar e regular a tensão da
correia do ventilador com freqüência. Não
observar estes itens resultará no
superaquecimento do motor e alto consumo de
diesel.

1-16
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

EMISSÃO DE RUÍDO NA ATMOSFERA

Modelo Nível de ruído no ouvido do operador Nível de ruído de passagem

TT55 2WD 96-98 dB (A) 84-86 dB (A)

TT55 4WD 97-99 dB (A) 85-87 dB (A)

TT75 2WD 96-99 dB (A) 83-85 dB (A)

TT75 4WD 97-99 dB (A) 85-87 dB (A)

1-17
SEÇÃO 1 – INFORMAÇÕES GERAIS E SEGURANÇA

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

1-18
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

SEÇÃO 2
COMANDOS, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO
ANTES DA OPERAÇÃO Assunto Página

CUIDADO Assento do Operador 2-2


Antes de dirigir ou operar o trator, estudar as
Painel de Instrumentos, Indicadores
precauções de segurança na Seção 1 deste
e Luzes de Advertência 2-3
Manual.
Comandos Manuais e Interruptores 2-5
Ler esta seção profundamente. Ela detalha a
localização e operação dos vários instrumentos, Comandos Manuais, Comandos
interruptores e comandos em seu trator. Mesmo de Pé e Acelerador 2-9
que você opere outros tratores, deve ler esta seção
do manual profundamente e certificar-se de estar Transmissão 8 x 2 de
familiarizado com a localização e função de todos Engrenamento Constante 2-11
os recursos do trator.

Não dar a partida no motor, nem tentar dirigir ou


operar o trator sem antes estar totalmente
acostumado com todos os comandos. É tarde
demais para aprender depois que o trator estiver
em movimento. Em caso de dúvidas em relação a
qualquer aspecto da operação do trator, consultar o
seu Concessionário New Holland.

Ter atenção especial com as recomendações de


amaciamento para garantir que o seu trator possa
lhe proporcionar o serviço para o qual foi projetado
por muito tempo e com confiabilidade. Consulte
'Procedimento de Amaciamento' na Página 3-2.

Esta seção foi dividida em 5 assuntos, conforme a


seguir. Onde um recurso exigir ajustes e regulagens
de operação no campo, há instruções detalhadas
na Seção 3, Operação em Campo.

Os requisitos de lubrificação e manutenção estão


na Seção 4. As especificações do trator estão
relacionadas na Seção 7

Há um índice completo no final deste Manual.

2-1
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

ASSENTO DO OPERADOR
Antes de operar o trator, é importante regular o
assento na posição mais confortável. Consultar o
texto e as ilustrações a seguir para obter detalhes.
Regulagem da Suspensão/Peso
Figura 1
A suspensão é regulada através de um manípulo
(1) atrás do encosto do assento. Virar o manípulo
no sentido horário para aumentar a rigidez da
suspensão, que a torna menos macia. Virar o
manípulo no sentido anti-horário para a suspensão
do assento ficar mais macia. A regulagem ideal da
suspensão é atingida quando o indicador (2)
mostrar o seu peso aproximado quando estiver
sentado.
Regulagem de altura
Afrouxar o manípulo (3) e levantar ou abaixar o
assento, conforme necessário, e apertar o
manípulo. Pode ser feita regulagem de altura de 60
mm.
Regulagem do curso
Figura 2
Afrouxar as porcas (1) que prendem a base do
assento na tampa superior da base e movimente o
assento para frente e para trás, conforme
necessário; apertar as porcas. Um movimento
horizontal de 100 mm é possível.

2-2
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

PAINEL DE INSTRUMENTOS, Luz Indicadora de Facho Alto do Farol


INDICADORES E LUZES DE A luz AZUL (3) ficará iluminada quando os faróis do
ADVERTÊNCIA trator estiverem com o facho alto ligado.

Pressão do óleo do motor


O painel de instrumentos, Figura 3, contém Três
indicadores e sete luzes coloridas que fornecem A luz (4) contínua no meio indica baixa pressão do
informações da operação e advertências de óleo. Desligar o motor e investigar a causa. Ver
defeitos nos sistemas. Manutenção (Seção-4).
Os instrumentos ficam iluminados quando a chave
Indicador de Carregamento da Bateria
de partida é virada para a posição - 2 fig (2) na
página 3-5. Há um símbolo de bateria (5) no topo. O símbolo da
bateria se ilumina quando o alternador não estiver
Consulte a Figura 3 e o texto a seguir:
carregando a bateria. Neste caso, verificar o
Indicador de Direção Esquerdo alternador.

A luz VERDE (1) piscando indica a direção de Indicador de Direção Direito


virada para a esquerda. A luz verde pisca junto com
o indicador de direção esquerdo do trator. A luz VERDE (6) piscando indica a direção de
virada para a direita. A luz pisca junto com o
Luzes de Posição indicador de direção direito do trator.

Com a chave de partida ligada, uma luz VERDE (2) Indicador de combustível
indica que as luzes de posição estão ligadas.
O indicador (7) mostra o nível de combustível no
ADVERTÊNCIA reservatório de combustível e funciona somente
com a chave de partida na posição -2
Para evitar ferimentos pessoais, sempre aplicar o
freio de estacionamento antes de sair do assento
do trator.

2-3
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

Tacômetro Indicador de Temperatura do Líquido de Arrefec.

O tacômetro (8) indica a rotação do motor em O indicador (10) indica a temperatura do líquido de
revoluções por minuto (RPM). Cada divisão na arrefecimento do motor. Se a agulha entrar na
escala representa 100 RPM, logo, se o ponteiro seção direita (vermelha) do indicador enquanto o
estier indicando '20', o motor está girando a '2000' motor estiver funcionando, colocar o motor em
RPM. marcha lenta e deixar funcionar por um tempo antes
de desligá-lo e investigar a causa.
Um símbolo TDF na escala de RPM indica a
rotação do motor na qual a rotação padrão da TDF NOTA: Quando o motor for desligado, o ponteiro do
de 540 RPM é obtida a 1967 RPM do motor. indicador tomará a posição inicial.

Horímetro

A leitura no Horímetro (9) indica o número de horas


que o trator já funcionou.

2-4
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

COMANDOS MANUAIS E INTERRUPTORES


Figura 4

Indicador de Direção Interruptor da Chave de Partida/Parada

O interruptor do indicador direcional (1) indica os O interruptor da chave de partida (4) ativa os
sinais direcionais e deve ser movido para a direita equipamentos elétricos, luzes, indicadores e motor
para acionar a luz indicadora direita e para a de partida.
esquerda para acionar a luz indicadora esquerda.
Interruptor do Farol
NOTA: O indicador de direção somente funcionará
O interruptor do farol (5) possui quatro posições
quando o interruptor de partida estiver ligado.
(consultar a página 2-6)
Buzina Interruptor da Luz de Advertência de Perigo

Apertar o botão da buzina (2) para avisar da Este interruptor (6) deve ser usado em
chegada. estacionamento de emergência e tempo nublado
para indicar um sinal de advertência para os
Alavanca do Acelerador Manual veículos que se aproximam e que seguem. Este
interruptor pode ser operado com o interruptor de
A alavanca do acelerador manual (3) deve ser partida na posição Desligado.
usada durante a operação no campo.

Empurre a alavanca para cima para aumentar a


rotação do motor e para baixo para reduzir.

2-5
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

Figura 5

Posições do Interruptor do Farol

O interruptor do farol possui quatro posições,

Posição 1 - Desligado

Posição 2 - Luzes de estacionamento ligadas.

Posição 3 - Facho baixo do farol.

Posição 4 - Facho alto do farol.

2-6
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

ARCO DE SEGURANÇA
(ROPS) (Quando instalado)
Figura 6

O ROPS, ou arco de segurança, é uma estrutura (1)


que fornece um ambiente seguro para o operador
do trator em caso de capotagem.

O arco de segurança deve sempre ser mantido em


condições de serviço.

ADVERTÊNCIA
Não conectar correntes ou cordas ao arco de
segurança para puxar, pois o trator poderá tombar
para trás. Sempre puxar pela barra de tração. Ter
cuidado quando dirigir através de aberturas ou por
baixo de objetos suspensos baixos. Certificar-se de
que haja espaço suficiente acima para o arco de
segurança.

CINTO DE SEGURANÇA
(quando instalado)
Figura 7

ADVERTÊNCIA
Sempre usar o cinto de segurança em uma cabine
de segurança ou com o arco de segurança
instalado. Não usar o cinto de segurança se o trator
não possuir cabine de segurança nem arco de
segurança.

Para colocar o cinto, puxá-lo da bobina e empurrar


a lingüeta (1) para dentro da fivela (2) até ouvir um
clique para indicar que está corretamente engatado.
Apertar o botão de liberação vermelho (3) na fivela
e retirar a lingüeta da mesma.

LIMPEZA DO ASSENTO E DO CINTO DE


SEGURANÇA

O cinto pode ser limpo com uma esponja e água


limpa com sabão. Não usar solventes, alvejante ou
corante no cinto, pois esses produtos químicos
poderão enfraquecer o tecido.

Substituir o cinto quando apresentar sinais de


enfraquecimento, danos ou desgaste em geral.

Não usar solventes para limpar o assento. Usar


somente água morna com um pouco de detergente
ou um limpador de estofado automotivo de marca
conhecida. Evitar molhar o assento mais do que
seja absolutamente necessário.

2-7
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

COMANDOS MANUAIS, COMANDOS DE


PÉ E ACELERADOR
Freio de Estacionamento

Figura 8

O manípulo em forma de 'T' (1) é usado em conjunto


com os freios de pedal. Para aplicar o freio, puxar o
manípulo em T e travar girando-o 90 graus. Depois,
pressionar os pedais do freio com firmeza e liberar
após certificar-se de que a garra do freio de
estacionamento trave em um dos dentes da catraca
da alavanca do pedal do freio.

Para liberar o freio de estacionamento, pressionar o


pedal do freio, girar o manípulo em “T” 90° e liberar o
manípulo e pedal do freio.

IMPORTANTE: Certificar-se de que o freio de


estacionamento foi totalmente liberado antes de
dirigir o trator.

Pedais do Freio de Serviço

Figura 9

Os freios de serviço direito e esquerdo (1 e 2) podem


ser operados de forma independente para ajudar a
virar em espaços confinados, ou travados juntos
para frenagem normal Quando operar no campo, os
pedais do freio podem ficar destravados. Entretanto,
devido à proximidade dos pedais entre si, é possível
aplicar os dois freios juntos quando necessário.

ADVERTÊNCIA
Para a sua segurança, sempre travar os pedais do
freio juntos quando for rodar a velocidades de
transporte em vias públicas e se houver um reboque
conectado ao trator. Para travar os pedais juntos,
deslizar a presilha (3) abaixo do pedal do freio
esquerdo (1) atravessado para prender na fenda.

Acelerador de Pedal

Figura 10

O acelerador de pé (1) pode ser usado de forma


independente da alavanca do acelerador manual
para controlar a velocidade do trator.
Recomendamos usar o acelerador de pé quando
dirigir em uma via pública ou estrada.

IMPORTANTE: Quando usar o acelerador de pé, a


alavanca do acelerador manual deve estar na
posição de marcha lenta (à frente).

2-8
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

Pedal do Bloqueio do Diferencial

Figura 11

Recomendamos bloquear o diferencial


pressionando o pedal (1) nos casos a seguir:

• Ao arar para reduzir o deslizamento da roda do


lado da terra.

• Quando uma das rodas traseiras perder a


aderência devido a solo irregular, desnivelado ou
solto.

ADVERTÊNCIA
A aplicação do bloqueio do diferencial, em
essência, bloqueia as rodas traseiras fazendo-as
girar na mesma velocidade. Portanto, o bloqueio do
diferencial nunca deve ser aplicado a velocidades
de transporte de mais de 8 km/h ou ao virar.

IMPORTANTE: Se uma roda girar mais


rapidamente do que a outra, reduzir a rotação do
motor antes de tentar aplicar o bloqueio do
diferencial. Isto evitará cargas de choque e o risco
de danos aos componentes internos.

Pedal da Embreagem

Figura 12

Quando o pedal da embreagem (1) é pressionado,


o acionamento entre o motor e a transmissão será
desengatado. Usar o pedal da embreagem para
transferir a potência do motor suavemente às rodas
traseiras quando partir de uma posição
estacionária.

Sempre pressionar o pedal da engrenagem antes


de engatar ou desengatar uma marcha.

NOTA: Não usar o pedal da embreagem como


apoio para o pé ao dirigir o trator. Tal ato provocará
o deslizamento da embreagem e falha prematura
da mesma.

DIREÇÃO HIDROSTÁTICA (se instalada)

IMPORTANTE: Nunca segurar o volante de direção


contra qualquer batente (travamento total) por mais
de 10 segundos.
Deixar de observar esta precaução pode resultar
em danos aos componentes do sistema de direção.

2-9
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

TRANSMISSÃO 8 x 2
Figura 13

A transmissão possui oito marchas para frente e


duas para ré. As alavancas de mudança de marcha
funcionam em um padrão em forma de H.

ADVERTÊNCIA
Sempre colocar as duas alavancas da transmissão
em neutro, desligar o motor e aplicar o freio de
estacionamento com firmeza antes de descer do
trator.

Figura 14

A alavanca principal de mudança de marcha (1) é


usada para selecionar qualquer uma das quatro
marchas à frente ou uma para ré. A alavanca do
seletor Alta-Baixa (2) é usada para selecionar a
gama alta ou baixa, o que dobra o número de
marchas disponíveis.

Para mudar de gama de marchas, pressionar o


pedal da embreagem, parar o trator e mover a
alavanca do seletor Alta-Baixa para trás para alta ou
para frente para baixa.

Para mudar de marchas na gama selecionada,


pressionar o pedal da embreagem e mudar a
alavanca principal de marchas do modo normal

A terceira e a quarta marchas nas duas gamas são


sincronizadas (Opcional).

Para selecionar a marcha a ré (R), parar o trator,


selecionar a gama de marcha e mudar a alavanca
principal de marchas.

Selecionar a gama de marchas e mudar a alavanca


principal de marchas.

NOTA: Há um interruptor de partida segura que


previne a operação do motor de partida, a não ser
que a alavanca Alta-Baixa esteja na posição de
neutro (N).

IMPORTANTE: Se for necessário rebocar o trator,


as duas alavancas, do seletor de Alta-Baixa e a
principal de mudança de marchas devem estar em
neutro.

2-10
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

ENGRENAGENS DO REDUTOR (quando


instalado)

Figura 15

Para as operações que requeiram velocidade de


avanço extremamente baixa, há um conjunto de
engrenagens redutoras (engrenagens do redutor)
disponível. O conjunto principal de engrenagens
redutoras está instalado dentro da caixa da
transmissão principal.

Este trator incorpora uma unid. redutora adicional


entre a embreagem e a transmissão de 8 marchas,
o que leva o número de marchas disponíveis para
frente para 12, mais 3 relações para ré.

Para mudar de gama, pressionar a embreagem,


parar o trator e mover a alavanca do redutor. Para
mudar entre marchas da mesma gama, pressionar
a embreagem e mover a alavanca de mudança.

A terceira e a quarta marchas alta, normal e baixa


são sincronizadas (Opcional). Para selecionar a ré
'R' parar o trator.

VELOCIDADES DE AVANÇO
Figura 16

Há um decalque semelhante ao mostrado na Figura


afixado no pára-lama direito. O decalque mostra o
padrão de mudança de marchas e a velocidade de
avanço aproximada nas marchas para frente e a ré
em três diferentes velocidades do motor.

O lado direito do decalque representa as posições


do seletor de Alta-Baixa e da alavanca principal de
mudança. Há vários retângulos brancos à
esquerda, que representam a velocidade de avanço
disponível em cada uma das marchas.

O canto esquerdo de cada retângulo representa


uma rotação do motor de 1500 RPM e o canto
direito, 2500 RPM. Cada retângulo possui um ponto
preto que representa a rotação do motor de 1967
RPM. (a rotação do motor na qual a rotação padrão
de 540 RPM da TDF é obtida).

Exemplo

Para encontrar a velocidade de avanço aproximada


na gama baixa a 1967 RPM do motor em 4ª
marcha, seguir o ponto no 4º retângulo, descendo
até a linha de MPH e subindo até a linha de km/h.
No exemplo mostrado abaixo, a velocidade de
avanço é de aprox. 6.3 km/h.

2-11
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

VELOCIDADE DE AVANÇO (km/h) EM MARCHAS E RPM DO MOTOR DIFERENTES

NH TT 55 2WD com pneu traseiro tamanho 13.6 x 28 (km/h)


Gama Engrenagem RPM do Motor
1800 1900 2000 2100 2200 2300 2400 2500
L 1 2.07 2.18 2.30 2.41 2.53 2.64 2.76 2.87
L 2 3.11 3.28 3.46 3.63 3.80 3.97 4.15 4.32
L 3 4.56 4.81 5.06 5.31 5.57 5.82 6.07 6.33
L 4 5.88 6.21 6.54 6.86 7.19 7.52 7.84 8.17
H 5 7.44 7.86 8.27 8.68 9.10 9.51 9.92 10.34
H 6 11.20 11.82 12.44 13.07 13.69 14.31 14.93 15.55
H 7 16.40 17.31 18.22 19.13 20.04 20.95 21.86 22.78
H 8 21.18 22.36 23.53 24.71 25.89 27.07 28.24 29.42
L R 2.97 3.14 3.30 3.47 3.63 3.80 3.96 4.13
H R 10.69 11.29 11.88 12.48 13.07 13.67 14.26 14.85

Engrenagens do redutor (Quando instalado)


C 1 0.67 0.71 0.74 0.78 0.82 0.86 0.89 0.93
C 2 1.01 1.06 1.12 1.18 1.23 1.29 1.34 1.40
C 3 1.48 1.56 1.64 1.72 1.80 1.88 1.97 2.05
C 4 1.91 2.01 2.12 2.22 2.33 2.43 2.54 2.65
C R 0.96 1.02 1.07 1.12 1.18 1.23 1.28 1.34

NH TT 55 2WD com pneu traseiro tamanho 14.9 x 28 (km/h)


Gama Engrenagem RPM do Motor
1800 1900 2000 2100 2200 2300 2400 2500
L 1 2.17 2.29 2.41 2.53 2.65 2.77 2.89 3.01
L 2 3.26 3.45 3.63 3.81 3.99 4.17 4.35 4.53
L 3 4.78 5.04 5.31 5.58 5.84 6.11 6.37 6.64
L 4 6.17 6.52 6.86 7.20 7.54 7.89 8.23 8.57
H 5 7.81 8.24 8.68 9.11 9.54 9.98 10.41 10.85
H 6 11.75 12.40 13.06 13.71 14.36 15.01 15.67 16.32
H 7 17.21 18.16 19.12 20.07 21.03 21.98 22.94 23.90
H 8 22.22 23.46 24.69 25.93 27.16 28.40 29.63 30.87
L R 3.12 3.29 3.46 3.64 3.81 3.98 4.16 4.33
H R 11.22 11.84 12.47 13.09 13.71 14.34 14.96 15.58

Engrenagens do redutor (Quando instalado)


C 1 0.70 0.74 0.78 0.82 0.86 0.90 0.94 0.98
C 2 1.06 1.12 1.17 1.23 1.29 1.35 1.41 1.47
C 3 1.55 1.63 1.72 1.81 1.89 1.98 2.06 2.15
C 4 2.00 2.11 2.22 2.33 2.44 2.55 2.67 2.78
C R 1.01 1.07 1.12 1.18 1.23 1.29 1.35 1.40

2-12
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

NH TT 55 2WD com pneu traseiro tamanho 16.9 x 28 (km/h)


Gama Engrenagem RPM do Motor
1800 1900 2000 2100 2200 2300 2400 2500
L 1 2.27 2.40 2.52 2.65 2.78 2.90 3.03 3.15
L 2 3.42 3.61 3.80 3.99 4.18 4.37 4.56 4.75
L 3 5.00 5.28 5.56 5.84 6.12 6.39 6.67 6.95
L 4 6.46 6.82 7.18 7.54 7.90 8.26 8.62 8.98
H 5 8.18 8.63 9.08 9.54 9.99 10.45 10.90 11.35
H 6 12.30 12.98 13.67 14.35 15.03 15.72 16.40 17.08
H 7 18.01 19.01 20.01 21.01 22.01 23.01 24.02 25.02
H 8 23.26 24.56 25.85 27.14 28.43 29.73 31.02 32.31
L R 3.26 3.44 3.63 3.81 3.99 4.17 4.35 4.53
H R 11.75 12.40 13.05 13.70 14.36 15.01 15.66 16.31

Engrenagens do redutor (Quando instalado)


C 1 0.74 0.78 0.82 0.86 0.90 0.94 0.98 1.02
C 2 1.11 1.17 1.23 1.29 1.35 1.41 1.48 1.54
C 3 1.62 1.71 1.80 1.89 1.98 2.07 2.16 2.25
C 4 2.09 2.21 2.33 2.44 2.56 2.67 2.79 2.91
C R 1.06 1.12 1.17 1.23 1.29 1.35 1.41 1.47

NH TT 55 4WD com pneu traseiro tamanho 16.9x 28 e dianteiro 9.50 x 24


Gama Engrenagem RPM do Motor
1800 1900 2000 2100 2200 2300 2400 2500
L 1 1.95 2.05 2.16 2.27 2.38 2.49 2.60 2.70
L 2 2.93 3.09 3.25 3.42 3.58 3.74 3.90 4.07
L 3 4.29 4.53 4.76 5.00 5.24 5.48 5.72 5.96
L 4 5.54 5.85 6.15 6.46 6.77 7.08 7.39 7.69
H 5 7.01 7.40 7.79 8.18 8.56 8.95 9.34 9.73
H 6 10.54 11.13 11.71 12.30 12.89 13.47 14.06 14.64
H 7 15.44 16.30 17.15 18.01 18.87 19.73 20.58 21.44
H 8 19.94 21.05 22.16 23.26 24.37 25.48 26.59 27.70
L R 2.80 2.95 3.11 3.26 3.42 3.57 3.73 3.88
H R 10.07 10.63 11.19 11.75 12.31 12.87 13.42 13.98

Engrenagens do redutor (Quando instalado)


C 1 0.63 0.67 0.70 0.74 0.77 0.81 0.84 0.88
C 2 0.95 1.00 1.05 1.11 1.16 1.21 1.26 1.32
C 3 1.39 1.47 1.54 1.62 1.70 1.77 1.85 1.93
C 4 1.79 1.89 1.99 2.09 2.19 2.29 2.39 2.49
C R 0.91 0.96 1.01 1.06 1.11 1.16 1.21 1.26

2-13
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

NH TT 55 2WD/4WD com pneu traseiro tamanho 16.9 x 30 (km/h)


Gama Engrenagem RPM do Motor
1800 1900 2000 2100 2200 2300 2400 2500
L 1 2.15 2.27 2.39 2.51 2.63 2.74 2.86 2.98
L 2 3.23 3.41 3.59 3.77 3.95 4.13 4.31 4.49
L 3 4.73 4.99 5.26 5.52 5.78 6.05 6.31 6.57
L 4 6.11 6.45 6.79 7.13 7.47 7.81 8.15 8.49
H 5 7.73 8.16 8.59 9.02 9.45 9.88 10.31 10.74
H 6 11.63 12.28 12.93 13.57 14.22 14.87 15.51 16.16
H 7 17.04 17.98 18.93 19.87 20.82 21.77 22.71 23.66
H 8 22.00 23.23 24.45 25.67 26.89 28.12 29.34 30.56
L R 3.09 3.26 3.43 3.60 3.77 3.94 4.11 4.29
H R 11.11 11.73 12.34 12.96 13.58 14.20 14.81 15.43

Engrenagens do redutor (Quando instalado)


C 1 0.70 0.73 0.77 0.81 0.85 0.89 0.93 0.97
C 2 1.05 1.10 1.16 1.22 1.28 1.34 1.40 1.45
C 3 1.53 1.62 1.70 1.79 1.87 1.96 2.04 2.13
C 4 1.98 2.09 2.20 2.31 2.42 2.53 2.64 2.75
C R 1.00 1.05 1.11 1.17 1.22 1.28 1.33 1.39

CUIDADO
Não acionar a tração dianteira acima de 8 km/h.
Não acionar a tração dianteira nas marchas H3/H4.

2-14
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

TOMADA DE FORÇA

Figura 17

A alavanca (1) é utilizada para engatar ou


desengatar a transmissão de força para o eixo
traseiro da TDF a partir do motor. Mover a alavanca
para trás para engatar a TDF e para frente para
desengatar.

TRAÇÃO NAS QUATRO RODAS

Uso da Tração nas Quatro Rodas

Figura 18 e 19

A tração dianteira aumenta a aderência do trator na


superfície; seus benefícios são particularmente
observados ao trabalhar em superfícies irregulares,
lamacentas ou escorregadias, em solo arado ou em
condições difíceis.

O engate/desengate da tração dianteira é realizado


através da alavanca (1), fig. 19, com o trator
andando devagar e, de preferência, nas baixas
rotações do motor.

Evite realizar esta operação sob tensão. Se a


manobra ficar difícil com o trator andando em linha
reta, mantenha a alavanca na posição engatada,
vire o volante levemente para os dois lados até que
o mecanismo de controle engate.

CUIDADO
Não use a tração dianteira em superfícies duras
para evitar o desgaste prematuro dos pneus. O
desgaste anormal dos pneus também pode ser
causado por calibragem incorreta.

Para engatar a tração dianteira, empurre a alavanca


(1), fig. 18, para frente.

Nesta posição, a tração dianteira ficará sempre


ligada.

Para desengatar, empurre a alavanca para trás, fig.


19.

2-15
SEÇÃO 2 – CONTROLES, INSTRUMENTOS E OPERAÇÃO

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

2-16
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

SEÇÃO 3
OPERAÇÃO NO CAMPO
ANTES DA OPERAÇÃO Assunto Página

CUIDADO Procedimento de Amaciamento 3-2


Antes de dirigir ou operar o trator, estudar as
precauções de segurança na Seção 1 deste Verificações de Pré-Operação 3-2
Manual.

Leia cuidadosamente esta seção para uma boa Partida do Trator 3-4
compreensão dos requisitos operacionais. Mesmo
que você opere outros tratores, deve ler esta seção
Parada do Motor 3-6
do manual profundamente e certificar-se de estar
familiarizado com a localização e função de todos
os controles deste trator. Tomada de Força 3-7

Não dar a partida no motor e nem tentar dirigir ou


operar o trator sem antes estar totalmente Engate de Três Pontos 3-12
acostumado com todos os comandos. É tarde
demais para aprender depois que o trator estiver Acessórios de Reboque 3-18
em movimento. Em caso de dúvidas em relação a
qualquer aspecto da operação do trator, consultar o
seu Concessionário New Holland. Sistema Hidráulico 3-20

Consultar a seção 4 para obter os requisitos de Ajustes da Bitola 3-26


manutenção. As especificações do trator
encontram-se na Seção 7.
Lastro do Trator 3-31

Calibragem dos Pneus 3-34

3-1
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

PROCEDIMENTO DE AMACIAMENTO VERIFICAÇÕES DE PRÉ-OPERAÇÃO

O seu trator terá uma vida útil prolongada e Antes de operar o trator, certificar-se de estar
confiável se receber os cuidados adequados bastante familiarizado com a localização e
durante as primeiras 50 horas do período de operação dos controles.
amaciamento e a manutenção nos intervalos
recomendados. Realizar as operações de lubrificação e
manutenção diárias conforme a Seção 4.
Evitar sobrecarregar a máquina. A operação em
uma marcha alta com carga pesada poderá Após concluir as operações de manutenção diária,
provocar sobrecarga do motor. A sobrecarga ocorre dar uma volta no trator para realizar uma inspeção
quando o motor não responde a um aumento da visual do trator. Dar atenção especial e verificar os
aceleração. itens a seguir:

Não operar o motor sem carga. É tão prejudicial ao i. Correia do ventilador quanto a rachaduras.
motor quanto a sobrecarga. Certificar-se de que o
motor seja submetido a cargas pesadas e leves ii. Área do motor quanto ao acúmulo de detritos.
durante o período de amaciamento.
ii. Mangueiras, linhas e conectores quanto a
Usar as marchas mais baixas ao puxar cargas vazamentos e danos.
pesadas e evitar operar continuamente a rotações
constantes do motor. Operar o trator em uma iv. Pneus quanto a danos.
marcha baixa com carga leve e alta rotação do
motor desperdiça combustível. A seleção das v. Parafusos, porcas e fixações quanto ao
marchas corretas para uma operação específica aperto.
economiza combustível e minimiza o desgaste do
motor. vi. Vazamentos nas uniões.

Verificar os instrumentos com freqüência e manter o Fazer os reparos necessários antes de usar o trator.
radiador e os outros reservatórios de óleo cheios
até os níveis recomendados.

3-2
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

REBOQUE DO TRATOR CARREGAR O TRATOR EM UM


TRANSPORTADOR
IMPORTANTE: O trator somente deverá ser
rebocado a uma distância curta, como para fora de Transportar o trator com a quatro rodas sobre uma
um prédio. Não rebocar em estradas nem como um carreta ou caminhão de transporte. Acorrentar o
método de transporte. trator firmemente ao transportador.
IMPORTANTE: Se for necessário rebocar o trator,
todas as alavancas de marchas devem ser IMPORTANTE: Não colocar a corrente em volta do
colocada na posição de neutro antes de parar o eixo da tração dianteira, cilindros de direção, eixo
motor, do contrário podem ocorrer danos aos da tração dianteira ou outros componentes podem
componentes da transmissão. Se as engrenagens ser danificados pela corrente ou por carga pesada.
do redutor (conjunto de engrenagens redutoras)
estiverem instaladas, o seletor deverá estar na Usar o suporte da barra de tração como um ponto
posição de desligado. de fixação traseiro.

Usar uma corrente resistente para rebocar o trator. IMPORTANTE: Cobrir a saída do silencioso para
Rebocar o trator por trás utilizando somente a barra que o vento não faça girar o turbocompressor (se
de tração, engate de reboque traseiro ou engate de equipado) danificando os mancais.
três pontos. Rebocar o trator pela frente utilizando o
pino de reboque na frente dos pesos ou o suporte
dianteiro. Deverá haver um operador para dirigir e
frear o trator.

Para evitar danos à transmissão ou outros


componentes giratórios que não são lubrificados
durante o reboque, observar o seguinte

• Somente rebocar distâncias curtas

• Manter a velocidade abaixo dos 8 km/h

• Se for possível, ligar o motor para lubrificar


a transmissão e a direção hidráulica.

CUIDADO
Não rebocar o trator acima de 8 km/h. A direção fica
mais lenta e o esforço para virar o volante é bem
maior sem o motor funcionando.

ADVERTÊNCIA
Não usar cabos ou cordas para rebocar o trator. Se
o cabo ou a corda romperem ou escorregarem,
poderão provocar sérios ferimentos como um
chicote. Ao usar uma corrente, conectar a corrente
com o lado aberto do gancho virado para cima. Se o
gancho escorregar, ele cairá ao invés de voar para
cima.

3-3
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

PARTIDA DO TRATOR COM CABOS


AUXILIARES

Figura - 1

ADVERTÊNCIA
Sempre esteja sentado no assento do motorista
para operar o motor de partida. Se o interruptor de
partida for desviado e o trator estiver engatado,
poderá haver movimento repentino e inesperado do
trator ou o trator poderá sair andando, o que
poderia provocar ferimentos graves. Usar proteção
nos olhos para dar partida com cabos auxiliares ou
carregar a bateria.

Se for necessário usar cabos auxiliares para dar


partida no trator, usar somente cabos para serviço
pesado (Consulte a Figura 1) e proceder da
seguinte maneira:

• Conectar um lado do cabo auxiliar vermelho no


terminal positivo (+) da bateria do trator e o
outro lado no terminal positivo (+) da bateria
auxiliar.

• Conectar um lado do cabo auxiliar preto no


terminal negativo (-) da bateria do trator e o
outro lado no terminal negativo (-) da bateria
auxiliar. Seguir com o procedimento de partida
descrito anteriormente.

• Quando o motor ligar, deixá-lo funcionando na


marcha lenta. Ligar todos os equipamentos
elétricos (luzes, etc.) e desconectar os cabos
auxiliares, negativo (preto) primeiro, depois o
positivo (vermelho). Isto ajudará a proteger o
alternador de um possível dano por mudanças
na carga.

IMPORTANTE: Quando for usar uma bateria


auxiliar para dar partida no motor, certificar-se de
que a polaridade dos cabos auxiliares está correta -
positivo com positivo, negativo com negativo,
do contrário, poderá danificar o alternador. Usar
somente uma bateria auxiliar se as baterias do
trator estiverem descarregadas. A corrente
excessiva (acima de 1600 cca) poderá danificar o
motor de partida. Na eventualidade das baterias
estarem excessivamente descarregadas, onde a
tensão nos terminais estiver abaixo de 7 volts, a
recuperação exigirá um procedimento especial de
recarga. Consultar o seu Concessionário New
Holland.

3-4
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

PARTIDA NO MOTOR
Antes de dar a partida no motor, seguir o
procedimento abaixo:

• Subir no trator somente pelo lado esquerdo.

• Sentar no assento do operador.

• Verificar se as duas alavancas de mudança de


marchas estão em neutro.

• Verificar se a TDF está desengatada.

• Pressionar o pedal da embreagem.

IMPORTANTE: Nunca empurrar ou rebocar o trator


para dar partida no motor. Isto poderá
sobrecarregar o trem de força.

NOTA: O interruptor de partida em neutro impede a


operação do motor de partida a não ser que as
alavancas de marcha estejam na posição de
neutro.

Figura 2

O interruptor de partida possui três posições. As


posições do interruptor de partida são as seguintes:

Posição 1 Equipamentos elétricos Desligados

Posição 2 Acessórios Ligado (Farol,


Instrumentos combinados, buzina e
indicadores, luzes do freio,
indicadores de direção)

Posição 3 Motor de partida acionado

Partida em clima quente ou com o motor quente

• Colocar a alavanca do acelerador na posição


intermediária, verificar se as duas alavancas
de marcha estão em neutro, pressionar a
embreagem e girar o interruptor de partida no
sentido horário até a posição (3) para acionar
o motor de partida. Não acionar o motor de
partida por mais que 10 segundos. Quando o
motor ligar, deixar a chave voltar para a
posição (2).

• Retornar a alavanca do acelerador manual


para a posição de marcha lenta e verificar se
todas as luzes de advertência estão apagadas
e as leituras dos indicadores, normais.

3-5
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Partida em clima frio

CUIDADO
Quando der a partida no trator após longos
períodos, evitar o uso imediato do sistema
hidráulico. É necessário um tempo para que haja
lubrificação suficiente em todas as peças móveis
antes de submetê-las a cargas de trabalho,
especialmente se a temperatura externa estiver
próxima de zero grau Celsius (0°C). Deixar o motor
funcionar entre 1300 e 1500 rpm por cerca de 5
minutos para levar o óleo do eixo traseiro até a
temperatura normal de operação.

• Antes de dar a partida no trator após um longo


período ou em climas frios, acionar a bomba
de alimentação de combustível cerca de vinte
vezes.
• Colocar a alavanca do acelerador manual
totalmente para baixo e girar a chave de
partida para a posição (4) para acionar o motor
de partida. Virar o motor até dar a partida, mas
não operar o motor de partida por mais de 10
segundos. Quando o motor ligar, deixar a
chave voltar para a posição (3).
• Se o motor não der partida, repetir o
procedimento acima acionando o motor de
partida por até 10 segundos. Se o motor ainda
não der partida, repetir todo o procedimento
após 4-5 minutos.
• Quando o motor der a partida, retornar a
alavanca do acelerador manual para a posição
de marcha lenta e verificar se todas as luzes
de advertência estão apagadas e as leituras
dos indicadores, normais.
• Não remover a válvula termostática, pois pode
causar problemas no motor.
• Não cobrir o motor nem o radiador em clima
frio.
PARADA DO MOTOR

Figura - 3
Para parar o motor, seguir o procedimento abaixo:
• Permanecer no assento do operador.
• Colocar a alavanca do acelerador manual para
a posição de marcha lenta.
• Verificar se as duas alavancas de mudança de
marcha e a alavanca da TDF estão na posição
desengatada.
• Acionar o freio de estacionamento.
• Mover a alavanca de Controle de Posição do
levantador hidráulico totalmente para a frente
para baixar todos os equipamentos hidráulicos
até o solo. ADVERTÊNCIA
• Colocar o interruptor de partida na posição 1. Verificar a área abaixo dos equipamentos para
certificar-se de não provocar ferimentos ou danos
ao baixar os mesmos.

3-6
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

TOMADA DE FORÇA
Figura 4

A tomada de força (TDF) transfere a potência do


motor diretamente para os equipamentos montados
ou rebocados através de um eixo entalhado (1) na
traseira do trator.

O sistema da TDF é independente, ou seja, a TDF


pode ser engatada ou desengatada tanto com o
trator em movimento ou estacionário. A rotação do
eixo da TDF não é afetada pela embreagem
principal nem pela velocidade do trator, mas está
diretamente relacionada com a rotação do motor.

O sistema utiliza o sistema padrão de 6 entalhes


projetado para operar a 540 rpm, a velocidade na
qual a maioria dos equipamentos acionados pela
TDF é projetada para funcionar.

A rotação padrão de 540 rpm é obtida a 1967 rpm


do motor.

Figura 5

A TDF é engatada e desengatada através da


alavanca (1).

Conexão de Equipamentos Acionados pela TDF

ADVERTÊNCIA
Antes de conectar ou desconectar equipamentos ou
trocar o eixo da TDF:

• Verificar se as duas alavancas de mudança de


marcha estão em neutro e a alavanca da TDF
na posição desengatada.

• Acionar o freio de estacionamento.

• Desligar o motor.

• Verificar se o eixo da TDF parou de girar antes


de sair do trator.

Montar ou engatar o equipamento no trator


conforme descrito em "CONEXÃO DE
EQUIPAMENTOS DE 3 PONTOS', Figuras 13 e 14,
Página 3-12.

3-7
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Figura 6
Há uma proteção basculante (1) da TDF,
disponível como opcional. Esta proteção serve
como apoio para proteções da linha de
acionamento usadas com os equipamentos
acionados pela TDF e para sua segurança. Não
modificar a proteção. Poderá ser necessário
removê-la para facilitar a instalação de
equipamentos acionados pela TDF. Caso seja
necessário, extrair os quatro parafusos que
prendem a proteção ao alojamento do eixo traseiro
e levantá-la.

Figura 7
Também há uma tampa de metal (1) fornecida que
sempre deverá estar instalada sobre o eixo quando
a TDF não estiver em uso.
IMPORTANTE: Depois de conectar equipamentos
montados, levantar e baixar cuidadosamente com a
alavanca de Controle de Posição para verificar o
espaço livre, a faixa de deslizamento do eixo da
TDF e o encaixe correto. Quando conectar
equipamentos rebocados, certificar-se de que a
barra de tração está corretamente ajustada.

3-8
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Precauções de Operação da TDF

ADVERTÊNCIA
Sempre que for operar equipamentos com a TDF,
observar as seguinte precauções:

• Verificar se está utilizando a rotação correta da


TDF para o implemento. Seguir as instruções
para o operador no manual do operador do
equipamento.

• Certificar-se de que a proteção da TDF está


instalada quando usar equipamentos
acionados pela TDF.

Figura 8

• Não usar roupas folgadas quando operar


equipamentos acionados pela TDF,

• Acionar firmemente o freio de estacionamento,


colocar todas as alavancas de marchas em
neutro e calçar as quatro rodas antes de
operar qualquer equipamento estacionário
com a TDF.

Figura 9

• Não se aproximar, limpar nem ajustar


equipamentos acionados pela TDF enquanto
o motor estiver funcionando. Parar o motor e
aguardar até que a TDF e o equipamento
parem de girar antes de sair do trator ou antes
de trabalhar na TDF ou no equipamento.

• Com o motor parado, o freio da TDF é liberado


e o eixo pode ser girado com a mão para
facilitar a instalação ou remoção do eixo da
TDF do implemento

3-9
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Para acionar a TDF, proceder da seguinte forma:

Figura 10

• Desengatar a embreagem da TDF puxando a


alavanca (1) para trás até travar no rebaixo
adequado.

• Mover a alavanca (2), para trás.

• Empurrar a alavanca (1) levemente para frente


para apoiar no rebaixo adequado.

NOTA: Também há a opção de embreagem única


sem a embreagem da TDF.

IMPORTANTE: Quando a TDF não estiver em uso,


desengatar a TDF para evitar o aumento no
desgaste dos componentes.

ADVERTÊNCIA
Antes de usar implementos acionados pela TDF,
verificar se a embreagem de segurança dos
mesmos está funcionando. (p.ex., ela desliza e não
transmite potência devido a sobrecarga)

ADVERTÊNCIA
Sempre mover a alavanca (2) para neutro e
proteger o eixo entalhado da TDF com a tampa
quando não houver nenhum implemento conectado.

CUIDADO
Antes de sair do assento do trator, quando estiver
usando implementos acionados pela TDF,
desengatar a alavanca da embreagem da TDF (1)
para a direita para desengatar o acionamento da
TDF e parar o motor.

3-10
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

TDF RELACIONADA À VELOCIDADE DE


AVANÇO (Quando instalado)

Figura 11

Utilizada principalmente com reboques com eixo


ativo.

NOTA: O tamanho do pneu e as relações de


redução do reboque deverão ser escolhidos de
acordo com a rotação da TDF relacionada à
velocidade de avanço.

A TDF vinculada à velocidade de avanço é


acionada pela transmissão. Quando o trator estiver
estacionário, a TDF com velocidade de avanço não
gira; ao passar de marcha de avanço para ré, a
direção de rotação é invertida. PERIGO
Para operar a TDF relacionada à velocidade de Não ativar a TDF relacionada à velocidade de
avanço, desengatar a embreagem da TDF, puxar a avanço com o trator em movimento.
alavanca (1) para trás e engatar a embreagem.

PERIGO
Antes de começar a trabalhar com implementos
acionados pela TDF, desengatar a alavanca de
embreagem associada (2) horizontalmente, mover
a alavanca (1) e engatar.

PERIGO
Para liberar a embreagem da TDF, puxar a
alavanca (2) totalmente, Para engatar a
embreagem da TDF, pressionar o topo da alavanca
(2) para soltar e empurrar .
TDF Vinculada à Velocidade de Avanço
Gama Marcha RPM do motor
1500 1967 2500
L 1 97.3 127.7 162.2
L 2 146.5 192.1 244.1
L 3 214.5 281.2 357.7
L 4 277.0 363.3 461.7
H 5 350.4 459.5 584.1
H 6 527.3 691.4 878.8
H 7 772.1 1012.4 1286.8
H 8 997.2 1307.7 1662.1
L R 139.9 183.4 233.1
H R 503.5 660.3 839.2
Marchas do redutor (Quando instalado)
C 1 31.5 41.3 52.5
C 2 47.4 62.2 79.9
C 3 69.4 91.1 115.7
C 4 89.7 117.6 149.5
C R 45.3 59.4 75.5

3-11
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

ENGATE DE TRÊS PONTOS


Figura 12
NOTA: Antes de conectar algum equipamento, ler o
texto abaixo com atenção.
IMPORTANTE: Certificar-se de que as correntes de
retenção estejam ajustadas para combinar com o
equipamento. Remover a barra de tração oscilante
se for conectar equipamentos montados próximos.
Descrição

O engate de três pontos permite que implementos


semi-montados e totalmente montados sejam
conectados ao trator e sejam controlados pelo
sistema hidráulico do trator. O engate consiste de
dois braços inferiores (1) conectados ao alojamento
do eixo traseiro. As extremidades traseiras dos
braços inferiores são conectadas aos pinos dos
engates inferiores no implemento.
Os braços inferiores são levantadas e baixadas por
meio das hastes de levantamento (2) conectadas
aos braços de levantamento. A haste de
levantamento direita já vem ajustada para facilitar a
conexão dos implementos e para nivelar o
implemento depois de conectado.
O braço superior (3) é conectado a um suporte no
alojamento do levantador hidráulico. A parte de trás
do braço superior deverá ser conectado ao pino de
engate superior em um implemento montado. O
braço superior também é ajustável para facilitar o
ajuste o implemento.

ADVERTÊNCIA
Sempre usar a Alavanca de Controle de Posição ao
fazer a conexão, desengatar ou transportar
equipamentos, quando não houver equipamentos
conectados ao trator, ou sempre que não estiver
usando a Alavanca de Controle da Tração.

CONEXÃO DE EQUIPAMENTOS DE 3 PONTOS


Figuras 13 e 14
A maior parte dos equipamentos pode ser
conectada conforme segue:

1. Posicionar o trator de modo que os pontos de


engate dos braços inferiores fiquem nivelados
e um pouco à frente dos pinos de engate do
implemento. Conduzir cuidadosamente o trator
para trás para combinar os pontos de engate
do trator com os do implemento. Primeiro
conectar o braço inferior esquerdo e depois,
ajustando a caixa de nivelamento, conectar o
braço inferior direito.

CUIDADO
Acionar o freio de estacionamento antes de sair do
trator para realizar as conexões.

3-12
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

2. Aumentar ou reduzir o comprimento do braço


superior até que o pino superior do
implemento possa ser inserido através do
olhal e do braço superior do implemento.

3. Conectar os cilindros remotos (se equipado).

4. Para desconectar os equipamentos, o


procedimento é o inverso da conexão. As
dicas a seguir tornam a desconexão mais fácil
e segura.

• Sempre estacionar os equipamentos em


superfícies niveladas e firmes.

• Os equipamentos devem estar apoiados de


modo que não possam tombar ou cair quando
forem desconectados do trator.

• Sempre aliviar toda a pressão hidráulica de


quaisquer cilindros remotos antes de
desconectar (se equipado).

IMPORTANTE: Quando conectar equipamentos


semi-montados ou montados ao engate de três
pontos, certificar-se de que haja espaço livre
suficiente entre o implemento e a traseira do trator.
Os espaços livres na posição elevada devem ser
verificados levantando o equipamento
cuidadosamente com a Alavanca de Controle de
Posição. Com o implemento totalmente levantado,
deverá haver pelo menos 10 mm de espaço livre
entre o implemento e a parte mais próxima do
trator.

HASTES DE LEVANTAMENTO, BRAÇOS


INFERIORES E LIGAÇÃO SUPERIOR

CUIDADO

Antes de desconectar uma haste de levantamento


do braço inferior, parar o motor e baixar o
equipamento conectado até o solo. Certificar-se de
que o equipamento esteja devidamente apoiado e
que não haja pressão restante no sistema hidráulico
antes de remover o pino de fixação da haste de
levantamento.

Mover as alavancas de controle do levantador


hidráulico totalmente para baixo para aliviar
qualquer pressão restante.

Ao ajustar o comprimento das hastes de


levantamento, certificar-se de que pelo menos 40
mm da rosca permaneça engatada no tubo da
haste de levantamento.

3-13
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Haste de Levantamento Esquerda

Figura 15

NOTA: A haste de levantamento esquerda não


pode ser ajustada quando estiver conectada entre o
braço de levantamento e o braço inferior.

A altura padrão da haste de levantamento esquerda


é de 457 mm. Para ajustar o comprimento, remover
o pino de fixação (1) e girar o tubo da haste de
levantamento (2) para aumentar ou diminuir o
comprimento do conjunto da haste de
levantamento, conforme desejado.

Haste de Levantamento Direita

Figura 16

NOTA: A haste de levantamento direita é totalmente


ajustável, mesmo quando estiver conectada entre o
braço de levantamento e o braço inferior.

Para aumentar ou diminuir o comprimento da haste


de levantamento do lado direito, destravar a
alavanca (1) e girar no sentido horário para reduzir
e anti-horário para aumentar o comprimento.

A Cat. I e a Cat. II (para o trator TT 55) podem ser


obtidas com o uso de buchas e espaçadores
fornecidos junto com o kit de ferramentas.

Braço Superior

Figura 17

Para ajustar o comprimento do braço, segurar a sua


extremidade (1) e girar a luva (2) para aumentar ou
diminuir o comprimento do braço superior, apertar a
trava (3) contra a luva do braço superior para evitar
que a mesma gire sozinha durante a operação.

3-14
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Balancim do Levantador Hidráulico

Figura 18

Quando estiver operando em Controle de Tração,


os sinais da tração são transmitidos através do
braço superior e do balancim do levantador
hidráulico (1) para controlar a válvula interna do
sistema hidráulico.

Balancim de três furos

Existem três furos (2) para conectar o braço


superior. Usar os furos do centro ou inferior quando
estiver usando o Controle de Posição ou de Tração.
Com o braço superior no furo inferior, o sistema fica
mais sensível aos sinais da tração do que no furo
do centro.

IMPORTANTE: Durante o transporte, o braço


superior deverá estar no furo superior.

Correntes de Retenção Ajustáveis

Figura 19

Há correntes de retenção externas instaladas como


equipamento padrão que podem ser ajustadas para
controlar o movimento lateral dos equipamentos
conectados ao engate de três pontos.

Para ajustar, girar a Fivela Giratória (1) no sentido


horário para apertar e no sentido anti-horário para
afrouxar a corrente.

As correntes de retenção devem ser ajustadas com


o implemento levantado. Ajustar as correntes de
retenção para certificar-se de que os braços
inferiores não obstruam os pneus traseiros e que
nenhuma parte do implemento encoste nos pára-
lamas.

3-15
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Válvula Hidráulica Auxiliar (se equipado)


Figura 20
A válvula hidráulica opcional usa o óleo do sistema
hidráulico para acionar cilindros de ação simples ou
dupla.

As válvulas são operadas pela alavanca (1)


localizada à direita do assento do operador.

Cada válvula de controle possui dois acoplamento


fêmea de conexão rápida com 0,5 polegada (2),
adequados para os acoplamentos macho de
conexão rápida do implemento.

IMPORTANTE: Quando não estiver em uso, os


acoplamentos deverão estar protegidos pelas
tampas plásticas fornecidas.
- Parada do motor.
- Baixando quaisquer implementos conectados
ao levantador
- Limpeza profunda dos acoplamentos.

CUIDADO
As válvulas hidráulicas auxiliares podem ser de
ação simples ou dupla.

3-16
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Válvula de Controle Remoto (se equipado)


Figura 21
O seu trator pode estar equipado com válvulas de
controle remoto que empregam o óleo do
levantador hidráulico para controlar remotamente
os cilindros.
Se o seu trator estiver equipado com:
– uma válvula, pode ser convertido para simples/
dupla ação.
– duas válvula, uma pode ser convertida para
simples/dupla ação e outra de dupla ação

Cada válvula de controle é fornecida com dois


acoplamentos fêmeas de desconexão rápida com a
metade de empurrar e puxar adequados para
conectar meio-acoplamentos machos de empurrar,
disponíveis sob pedido como opcionais.
As linhas dos cilindros auxiliares podem ser
conectadas com uma mão.

IMPORTANTE: Quando não estiver em uso, os


conectores dos acoplamentos deverão estar
protegidos pelas tampas plásticas fornecidas.
Empurrar para conectar e puxar para desconectar
depois de:
– Parar o motor
– Baixar quaisquer implementos conectados ao
levantador.
– Limpar profundamente os acoplamentos.
As válvulas de controle remoto podem ser de
simples ou dupla ação. Para mudar para:
– Ação simples – afrouxar completamente o
parafuso (1), figura 21.
– Ação dupla – apertar completamente o parafuso
(1), figura 21.
O acoplamento no qual o implemento deverá ser
conectado quando usar a válvula de ação simples é
aquele cuja conexão da linha está mais distante do
parafuso de mudança.

Cilindro Auxiliar (se equipado)

Figura 22
Há um cilindro externo fornecido para aumentar a
capacidade de levantamento do trator. Este recurso
é opcional no TT75.

3-17
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

IMPLEMENTOS DE REBOQUE

ADVERTÊNCIA
• O engate do reboque deve ser selecionado de
acordo com o tipo de reboque ou implemento
sendo rebocado e de acordo com
regulamentos locais.
• A dirigibilidade e a segurança do trator
dependem fortemente do ajuste correto do
engate do reboque. Evitar rebocar cargas ou
reboques com excesso de peso.
• Depois de dar a partida, liberar a embreagem
lentamente para evitar saltos repentinos do
reboque ou implemento.
• Se o reboque for equipado com freios, frear
primeiro o reboque, depois o trator.

Barra de Tração Oscilante


(se equipado)

Figuras 23, 24 e 25

Usar a barra de tração oscilante para rebocar


implementos agrícolas e reboques com quatro
rodas, mas não para reboques com duas rodas.

O comprimento da barra de tração oscilante pode


ser ajustado inserindo o pino nos furos, Figura 23

A oscilação pode ser ajustada por meio dos pinos


limitadores.

As posições das forquilhas da barra oscilante em


relação ao eixo da TDF são mostradas na Figura
24. Ajustar a altura da barra de tração selecionando
na Figura 25. Ajustar a altura da barra de tração
selecionando os locais apropriados da estrutura de
suporte ou invertendo a forquilha da barra de
tração.

3-18
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Engate para Reboque Traseiro

NOTA: O engate para reboque traseiro não é


equipamento padrão. Encontra-se disponível como
acessório.

Figuras 26 e 27

O engate para reboque traseiro é adequado para


rebocar todos os tipos de reboques, inclusive os de
duas rodas. Ele pode ser instalado no trator em
duas posições (A e B) como mostra a Figura 26.
Um total de oito alturas diferentes do ponto de
engate acima do solo (quatro para cada posição)
variando de 505 mm a 690 mm (modelo TT55) e
533 mm a 729 mm (modelo TT75) podem ser
obtidas levantando ou baixando o engate dentro do
suporte. Figura 27

ADVERTÊNCIA

Não tracionar pelos braços inferiores. Sempre usar


a barra de tração ou a posição inferior do engate
recolhedor para trabalhos de tração, do contrário, o
trator poderá virar para trás.

CUIDADO
O ponto de engate acima do centro do eixo traseiro
é perigoso. Pode provocar o levantamento da frente
do trator e causar acidente.

3-19
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

SISTEMA HIDRÁULICO

Este é um sistema hidráulico ativo, no qual há uma


bomba hidráulica do tipo de engrenagens montada
diretamente na caixa de distribuição. O óleo de
lubrificação da transmissão também é usado como
o óleo hidráulico. O sistema descrito aqui possui
sensores mecânicos de alterações no
carregamento da tração através do braço superior
do engate de três pontos. O sistema permite ao
operador selecionar o Controle de Posição,
Controle de Tração, Posição Combinada e Controle
de Tração e Sensibilidade.

CUIDADO
O filtro hidráulico deve ser trocado a intervalos
regulares conforme recomendado. As peças do
hidráulico e da transmissão podem ser danificadas
se o filtro ficar entupido. Sempre usar Filtros
Originais New Holland.

Figuras 28 e 29

O sistema é operado pela alavanca de Controle de


Tração (1), alavanca de Controle de Posição (2),
botões do Lift-O-Matic (3), controle de Resposta (4),
controle de Sensibilidade (5) e válvula de serviço
Externa (Tap-off) (6).
Verificações de Pré-Operação

PERIGO
Antes de dar partida no motor, sempre verificar se o
botão de levantamento rápido do Lift-O-Matic está
pressionado para evitar levantar inadvertidamente o
engate de três pontos.

IMPORTANTE: Alguns equipamentos montados ou


semi-montados podem interferir e danificar a lataria
do trator. Para evitar danos, verificar o espaço livre
entre o trator e os implementos.

3-20
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Operação do Controle de Posição

Figura 30

O Controle de Posição fornece um controle preciso


de implementos como pulverizadores, ancinhos,
cultivadoras giratórias, etc. que operam sobre o
solo. Depois de ajustado, o Controle de Posição
manterá a altura selecionada para o implemento.

IMPORTANTE: Sempre ajustar o sistema em


Controle de Posição quando não estiver operando o
Controle de Tração, como quando conectar ou
transportar equipamentos ou quando não houver
nenhum equipamento conectado.

Mover a alavanca de Controle de Tração (1)


totalmente para a frente.

Ajustar a posição do implemento acima ou abaixo


do solo movendo a alavanca (2) para frente para
baixar e para trás para levantar. O movimento do
implemento será proporcional ao curso da
alavanca.

Há um batente ajustável (3) para que a alavanca


possa ser retornada à posição de trabalho exigida.

Operação do Controle da Tração

Figura - 31

O Controle de Tração é mais adequado para


implementos montados ou semi-montados que
operam dentro do solo. Mudanças de profundidade
de trabalho ou de resistência do solo farão com que
o carregamento da tração sobre o implemento
aumente ou diminua.

Ao iniciar o trabalho, abrir totalmente a válvula de


Controle de Resposta e mover a alavanca de
Controle de Posição (2) totalmente para frente.
Baixar o implemento para o trabalho com a
alavanca de Controle de Tração (1). Empurrar a
alavanca para frente para aumentar o carregamento
da tração. Puxar para trás para reduzir o
carregamento da tração. O movimento para frente
da alavanca do Controle de Tração aumentará a
profundidade do implemento e para trás, reduzirá.

Depois de ajustado, o sistema hidráulico


automaticamente ajustará a profundidade do
implemento para manter uma resistência uniforme
contra o trator e minimizar o deslizamento das
rodas.

3-21
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Operação Combinada do Controle de Tração e


Posição

Figura - 32

Baixar o implemento até a profundidade desejada


conforme descrito para o Controle de Tração.

Quando o implemento estabilizar-se na


profundidade desejada, movimentar
progressivamente a alavanca do Controle de
Posição (2) para trás até que os braços de
levantamento tendam a subir.

O sistema hidráulico opera no Controle de Tração,


mas, ao mesmo tempo, impede que o implemento
afunde excessivamente na eventualidade de uma
redução na resistência do solo, o que poderia fazer
com que solo indesejado subisse para a superfície.

CUIDADO
Quando dirigir em estradas com implementos
levantados, o braço superior deve ter o
funcionamento impedido através da cunha de
travamento. (1), Figura 38, Página 3-24.

Operação de Flutuação

Figura - 33

Movimentar a alavanca do Controle de Posição (2)


e a alavanca do Controle de Tração (1) totalmente
para frente. O engate de 3 pontos ficará agora livre
para ‘flutuar’, ou seguir o contorno do solo, um
recurso útil para lâminas raspadeiras, etc.

3-22
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Lift-O-Matic (Botão de Elevação/Baixamento dos


Braços)
Figura - 34

ADVERTÊNCIA
Quando usar implementos montados e controlados
pelo Lift-O-Matic conectados à TDF, ajustar as
hastes de levantamento até o comprimento máximo
para evitar danos ao eixo de acionamento.

Para elevar o implemento rapidamente sem alterar


a posição das alavancas (2) e (3), Figura 28,
Página 3-20, puxar o controle (1) para trás
conforme mostrado. O controle (2) é liberado no
processo e o implemento levantará totalmente.
Para retornar à posição de trabalho, pressionar o
controle (2).

ADVERTÊNCIA
Não operar o lift-o-matic durante o transporte.
Somente deverá ser usado em operações de
campo.

ADVERTÊNCIA
Não operar o lift-o-matic sem usar os implementos
recomendados engatados nos braços inferiores e
no superior.

O Lift-O-Matic é usado para o reposicionamento


automático do implemento depois de fazer a volta.
Ele ajuda a economizar tempo e é mais confortável
para o operador. Além do mais, mantém a
profundidade uniforme e prepara o solo melhor para
as sementes.

Figura 35

Para elevar o implemento no final de cada passada,


ou sempre que necessário, mover o limitador (1)
para trás para liberar o botão de levantamento
rápido (2). O engate de 3 pontos (e o implemento)
serão levantados até a altura máxima sem a
necessidade de mover as alavancas do Ccontrole
de Posição nem de Tração.
Para baixar o implemento, basta pressionar o botão
de levantamento rápido (2) totalmente e o
implemento baixará até a profundidade pré-
ajustada, definida pela alavanca do Controle de
Posição e a de Tração.

CUIDADO
Quando transportar equipamentos no engate de 3
pontos, levantar o implemento usando a alavanca
do Controle de Posição. O sistema hidráulico
manterá a altura do equipamento ajustada pela
alavanca do Controle de Posição e impedirá que o
equipamento baixe e seja danificado.

3-23
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Controle de Sensibilidade

Figura - 36

Para ajustar a sensibilidade do sistema hidráulico


quando estiver trabalhando com o Controle de
Tração, a alavanca (1) deve ser ajustada.
CIMA - Reduz a sensibilidade
BAIXO - Aumenta a sensibilidade.

Controle de Resposta

Figura - 37

O botão do Controle de Resposta (1) altera a


velocidade de descida dos braços inferiores.

Rotação no sentido HORÁRIO - Aumenta a


velocidade da descida.

Rotação no sentido ANTI-HORÁRIO - Diminui a


velocidade da descida.

IMPORTANTE: Para travar os implementos na


posição de transporte quando andar em estradas,
levantar totalmente a alavanca do Controle de
Posição (2) Figura 28 e girar (no sentido horário) o
botão (1) Figura 37.

Cunha de Travamento

Figura - 38

Durante o transporte, a cunha de travamento (1)


deve ser posicionada corretamente na fenda (deve
estar na posição desengatada por meio da
alavanca de travamento), do contrário, o sistema
sensor de tração será afetado.

Porém, durante as operações do Controle de


Tração, deve ser removida da fenda.

• Para descarregar o óleo do cilindro externo,


mover a alavanca de tração para baixo do
quadrante.

3-24
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Válvula de Desvio e Porta de Suprimento


Externa
Figura - 39

A válvula de desvio (1) é usada para desviar o óleo


que normalmente flui para o cilindro do engate de
três pontos para a porta de suprimento externa. Um
único cilindro pode ser conectado a esta porta
externa e operado pela alavanca do Controle de
Tração.

- Conectar a porta (2) ao cilindro de ação simples.

- Por segurança, baixar completamente os braços


de levantamento colocando as alavancas de
Tração e Posição para baixo para liberar
qualquer pressão do sistema.

- Aperte completamente a válvula de Desvio (1)


para bloquear a passagem para o cilindro do
levantador hidráulico.

- Para ativar o cilindro externo, mover lentamente


a alavanca de Tração para cima do quadrante. O
levantamento começará quando a alavanca de
Tração atingir cerca de 186 mm doquadrante.

- Para parar o movimento do cilindro externo,


mover a alavanca de Tração um pouco para
frente para encontrar a posição de neutro.

- Para descarregar o óleo do cilindro externo,


mover a alavanca de Tração para baixo do
quadrante.

NOTA: Manter a válvula de Desvio (1) totalmente


aberta durante as operações do levantamento
hidráulico do trator.

3-25
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

REGULAGEM DA BITOLA
Regulagem da Bitola das Rodas Dianteiras -
Tração em 2 Rodas
Figura 40
O eixo dianteiro consiste de uma viga com centro
oco (1) e uma seção telescópica (2) em cada
extremidade. Há sete furos com intervalos de 50
mm nas seções telescópicas para fins de ajuste. O
ajuste da bitola da roda dianteira é realizado
estendendo-se igualmente as duas extremidades
do eixo.
Para estender o eixo, aplicar o freio de
estacionamento e colocar calços na frente e atrás
das rodas traseiras. Levantar o eixo dianteiro com
um macaco e colocar sobre suportes de eixo.
Remover os parafusos de fixação (3) que prendem
a seção telescópica esquerda à viga central.
Repetir o mesmo com o lado direito do eixo.

Barra de ligação - Direção Hidrostática


(Lado direito - ilustrado)
(se equipado)

Figura 41

A barra localizada atrás do eixo deve ser


desengatada para permitir seu ajuste. A barra é
telescópica e consiste de um tubo central oco com
uma seção expansível sólida em cada extremidade.
Remover o parafusos de localização (1) das duas
extremidades da barra.
A posição para o ajuste do cilindro da direção
hidrostática também será alterada respectivamente.
Reajustar as seções telescópicas esquerda e direita
do eixo passando os parafusos de fixação através
da viga central e das seções telescópicas,
conforme indicado na Figura 40, consultar o quadro.

Figura 42

A barra de ligação é regulável e consiste de um


tubo central oco com uma seção expansível sólida
em cada extremidade. O lado esquerdo da barra de
ligação possui vários entalhes (1) a intervalos de 50
mm. Um parafuso localizador (2) passa através de
um grampo e um dos seus entalhes na seção sólida
e trava o conjunto da barra de ligação no
comprimento desejado. Também, a extremidade do
lado direito possui rosca (3) para o ajuste fino da
convergência.

Remover o parafuso de localização (2) da


extremidade direita da barra de ligação. Isto
permitirá que a barra de ligação seja estendida ou
retraída livremente.

3-26
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Figura 43

Reajustar as duas seções telescópicas do eixo.


Passar os parafusos de fixação através da viga
central e das seções telescópicas, conforme
indicado na Figura 43 e na Tabela abaixo:

NOTA: Os ajustes de bitola mostrados são


aproximados. Os discos das rodas dianteiros são
deslocados em relação à linha de centro do aro. Os
ajustes de bitola na tabela são com o lado do disco
da roda mais próximo ao cubo do eixo. Se as rodas
dianteiras forem invertidas nos cubos, os ajustes de
bitola mostrados na tabela aumentarão cerca de 30
mm.

Apertar as porcas na extensão do eixo, com torque


de 118 Nm.
Quando as rodas da frente estiverem paralelas,
instalar o parafuso localizador (2) no entalhe de
alinhamento mais próximo da barra de ligação.
Apertar a porca no parafuso localizador com 24,5
Nm.
Verificar novamente as ajustes de torque após 50
horas de operação.

NH TT 75
Ajuste da Bitola Localização do Parafuso de
(mm) Fixação (Consultar a Figura 43)
1410 A C
1510 B D
1610 C E
1710 D F
1810* E G
1910* F H

NH TT 55 (Com Direção Hidráulica)


Direção da Localização do Parafuso de
Bitola (mm) Fixação (Consultar a Figura 43)
1410 A C
1510 B D
1610 C E
1710 D F
1810* E G
NH TT 55
Ajuste da Bitola Localização do Parafuso de
(mm) Fixação (Consultar a Figura 43)
1240 A C
1340 B D
1440 C E
1540 D F
1640* E G
1740* F H
*Valores na Reversão do disco

3-27
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

AJUSTE DA BITOLA, 4WD


Figura 44
As rodas dianteiras podem ser instaladas com a
superfície côncava do disco voltada para dentro ou
para fora.
Podem ser obtidas bitolas de tamanhos diferentes
utilizando estas duas posições do disco, conforme
ilustrado na Figura 45.
Quando for ajustar a bitola da roda, certificar-se de
que os “V’s” das bandas de rodagem dos pneus
fiquem voltadas para a direção de avanço indicada
pela seta na lateral do pneu.
Sempre verificar se as rodas dianteiras e traseiras
estão alinhadas simetricamente em relação ao eixo
longitudinal do trator.
Rodas dianteiras 4WD
O torque de aperto das porcas-trava do disco no
cubo é de 255 Nm - 26 kgm (187,98 lb.ft), e o torque ADVERTÊNCIA
das porcas-trava do disco no aro é de 245 Nm - 25 Selecionar a bitola traseira adequada antes de
kgm (181 lb.ft).
alterar a da frente.
Quando colocar ou ajustar uma roda, apertar os
parafusos com os torques a seguir. Verificar PERIGO
novamente após rodar com o trator 200 m, depois de Quando for remover as rodas, proceder com
1 hora e de 8 horas de operação, e a intervalos de cuidado extremo, usar meios adequados para
50 horas daí em diante. levantar o trator e equipamentos especificados para
mover as peças pesadas.

DIAGRAMA DE BITOLAS DAS RODAS


DIANTEIRAS 4WD

Modelo Dimensões Bitola Padrão de Bitola mm (in)


dos pneus mm (in)
A B C D E
TT 55 9.5 - 24 1445 (57) 1445 1545 1645 1745 1875
TT 75 11.2 - 24 1545 (61) - 1545 1645 1745 1875
NOTA: Para pneus de tamanho maior que 9.5 - 24 para 55 CV o ajuste mínimo da bitola deve ser mantido em
1545 (61 in.)

3-28
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Convergência das Rodas Dianteiras

Figura 46

Depois de reajustar a largura da bitola, a


convergência das rodas dianteiras pode necessitar
de regulagem. Para a operação correta, as rodas
dianteiras devem estar paralelas ou com uma leve
convergência.

Para medir a convergência, proceder da seguinte


forma:

IMPORTANTE: Um ajuste de convergência


incorreto pode resultar em desgaste anormal dos
pneus dianteiros.

Medir a distância (1) entre os aros das rodas na


altura do cubo, na frente das rodas. Girar as duas
rodas dianteiras 180° e verificar as medições
novamente, mas na traseira das rodas (2) desta vez.
Isto eliminará erros de rodagem dos aros das rodas.
O ajuste de convergência correto é de 0 - 5 mm, ou
seja, a medida tomada na frente dos aros deverá ser
igual a da traseira, ou até 5 mm menor.

Caso seja necessário regular a convergência das


rodas dianteiras, proceder da seguinte forma:

Figura 47

Remover a porca (1) na extremidade direita da barra


de ligação e retire a mesma do braço (2). Afrouxar o
parafuso (3) e girar a extremidade rosqueada para
aumentar ou diminuir o comprimento do conjunto da
barra de ligação até que a convergência esteja
correta. Apertar todos parafusos/porcas com
firmeza.

ADVERTÊNCIA
Os proprietários devem certificar-se de que todos os
componentes da direção sejam mantidos em
condições satisfatórias para garantir operação
segura e dentro das exigências legais.

3-29
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Ajuste da Bitola das Rodas Traseiras

Figura 48

CUIDADO
As rodas do trator são muito pesadas. Manusear
com cuidado e garantir que, quando armazenadas,
não possam tombar e provocar ferimentos.

O ajuste da bitola das rodas traseiras é realizado


mudando-se o aro da roda em relação ao disco
central, o aro e/ou o disco em relação ao cubo do
eixo ou intercambiando as rodas traseiras.

Os desenhos seccionados mostrados na tabela


ilustram as posições do aro e do disco da roda vistos
da traseira do trator em relação ao cubo com os
vários ajustes da bitola. A largura da bitola (a
distância entre o centro dos pneus) é nominal e pode
variar até 13 mm.

IMPORTANTE: Ao intercambiar os conjuntos das


rodas esquerdas e direitas, certificar-se de que o 'V'
na banda de rodagem do pneu permanece voltado
para a direção de avanço para obter melhor
aderência.

NOTA: Com certas opções e/ou tamanho de pneus,


ajustes de bitola mais estreitos podem não ser
possíveis devido ao espaço livre mínimo entre os
pneus e os pára-lamas ou equipamentos.

Quando colocar ou ajustar uma roda, apertar os


parafusos com os torques a seguir. Verificar
novamente após rodar com o trator 200 m, depois de
1 hora e de 8 horas de operação, e a intervalos de
50 horas daí em diante:

Parafusos do disco traseiro ao cubo 320 Nm


Porcas do disco traseiro ao aro 235 Nm

Posição do Aro e TT 75 TT 55
do Disco (16.9x30) (14.9x28)
A 60 in 56 in
1519 mm 1430 mm
B 68 in 60 in
1717 mm 1543 mm
C 72 in 64 in
1813 mm 1626 mm
ADVERTÊNCIA
D 76 in 72 in
Nunca operar o trator com o aro ou disco frouxos.
1920 mm 1830 mm
Sempre apertar as porcas com o torque
E 80 in 76 in especificado, nos intervalos recomendados.
2035 mm 1943 mm

3-30
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

LASTRO E PNEUS Para obter o melhor desempenho do trator em


condições de tração pesada, os pesos adicionados
Seleção do lastro ao trator devem ser na forma de lastro líquido, pesos
de ferro fundido ou uma combinação dos dois.
Quando as cargas de potência do trator variam, o
peso ideal do trator também muda. Isto significa que Pode ser necessário colocar lastro na dianteira para
pode ser necessário adicionar ou remover lastro melhor estabilidade e controle da direção quando o
para manter o melhor desempenho do trator. Lastro peso for transferido das rodas da frente para as
adequado melhora muito a operação e o rodar do traseiras quando o implemento é levantado pelo
trator. engate de três pontos do trator.

A quantidade de lastro necessária é afetada por Quando um implemento montado na traseira é


levantado para a posição de transporte, o peso nas
• Peso do trator rodas da frente deve ser pelo menos de 20% do
peso total do trator.
• Condição do solo e de tração

• Tipo de implemento, montado, semi-montado ou Acrescentar lastro dianteiro conforme necessário


rebocado. para melhorar a estabilidade durante a operação e o
transporte. O lastro na dianteira pode nem sempre
• Velocidade de trabalho. fornecer a estabilidade adequada se o trator for
operado a velocidades altas em terreno irregular.
• Carga de potência do trator Reduzir a velocidade do trator pode ser uma cautela
• Tipo e tamanho dos pneus nestas condições.

• Pressão dos pneus Quando usar equipamentos montados na frente,


pode ser necessário acrescentar peso nas rodas
Não usar mais lastro do que necessário. O lastro em traseiras para manter a tração e a estabilidade.
excesso deverá ser removido quando não for
necessário. IMPORTANTE: Somente dever ser acrescentado
peso suficiente para melhorar a tração e a
Lastro insuficiente estabilidade. Acrescentar mais peso do que o
necessário resultará em cargas desnecessárias
• Rodar desconfortável sendo colocadas no trator e maior consumo de
combustível. Ao acrescentar pesos, siga a
• Patinagem excessiva das rodas capacidade máxima de carga do pneu contida nas
• Perda de força tabelas no final desta Seção, Página 3-35. Caso
necessite de mais informações ou assistência para
• Desgaste dos pneus o lastro do trator, consulte o seu Concessionário
New Holland.
• Consumo excessivo de combustível

• Produtividade baixa ADVERTÊNCIA


Se não for possível obter uma estabilidade
Lastro em excesso adequada dentro dos limites de lastro a seguir,
reduzir a carga do trator até restaurar a estabilidade.
• Maiores custos de manutenção

• Desgaste aumentado do trem de força

• Perda de força

• Compactação aumentada do solo

• Consumo excessivo de combustível

• Produtividade baixa

3-31
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Limites de Lastro

O lastro deve ser limitado pela capacidade do pneu


ou do trator. Cada pneu possui uma capacidade de
carga recomendada que não deve ser ultrapassada
(consultar a página 3-35)

IMPORTANTE: Não exceder o peso bruto total do


trator de 3800 kg para o TT75 e 3200 kg para o
modelo TT55. Isto pode provocar uma condição de
sobrecarga que poderá cancelar a garantia e poderá
exceder a classificação de carga dos pneus. O peso
bruto máximo do veículo recomendado é o peso do
trator, mais o lastro, mais qualquer equipamento/
implemento montado na posição levantada.

PESOS DE FERRO FUNDIDO (se equipado)


Pesos da Roda Traseira

Figura 49

As rodas traseiras são equipadas com seis (modelo


TT75) e quatro (modelo TT55) Anéis de Ferro
Fundido (1) com 55 kg cada, com um total de 330 kg
ou 220 kg, respectivamente, em cada lado como
acessório opcional.

Podem ser acrescentados pesos adicionais


conforme necessário.

Torque de aperto:

Peso da roda traseira ao disco da roda traseira: 150


Nm

Peso da roda traseira ao peso da roda traseira: 150


Nm

NOTA: Os pesos de lastro padrão não devem ser


removidos do trator, exceto para operação em
alagados com rodas de armadura completa.

Pesos Dianteiros

Figura 50

Há um suporte de ferro fundido (1) que pesa 55 kg/


70 kg e seis pesos de ferro fundido do tipo
reservatório com 30 kg cada como acessórios
opcionais.

3-32
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

Figura 51

Há pesos em placas de 30 kg disponíveis no seu


Concessionário New Holland que podem ser
montados no suporte. Os pesos em placa podem ser
montados e presos por meio do parafuso (1). O peso
máximo recomendado para o lastro dianteiro é de :-

Carregador Peso em Placa Peso Total


Conjunto
55 kg 6 x 30 = 180 kg 235 kg
70 kg 10 x 30 = 300 kg 370 kg

LASTRO LÍQUIDO

Figura 52

O enchimento dos pneus traseiros com lastro líquido


é um método conveniente de acrescentar peso.

Água pura é recomendada em temperatura


ambiente normal (acima do ponto de congelamento)
ou uma solução de cloreto de cálcio com água para
temperatura ambiente baixa (abaixo do ponto de
congelamento). Uma solução de 0,6 kg de Cloreto
de Cálcio por litro de água protegerá contra o
congelamento em uma temperatura ambiente de -
50° C (-58°F)

É necessário um equipamento especial para lastrear


os pneus com água. Consultar o seu Concessionário
New Holland para obter detalhes.

A Tabela a seguir mostra a quantidade de água pura


necessária para cada opção de tamanho de pneu. A
quantia mencionada na tabela enche 75% do pneu.

Tamanho do Água (Aprox.)


Pneu
(litros) (kg)

14.9-28 - 150

16.9-28 - 200

16.9-30 - 220

3-33
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

CALIBRAGEM DOS PNEUS • Não encher os pneus de direção acima da


pressão máxima recomendada pelo fabricante,
Ao receber o seu trator, verificar a pressão do ar nos mostrada no pneu, ou acima do máximo
pneus e novamente a cada 50 horas ou mostrado nas tabelas de Pressão e Cargas dos
semanalmente. Consultar a tabela a seguir para Pneus se o mesmo não tiver a marca da
obter a pressão dos pneus para operação normal. pressão máxima.

• Não encher um pneu que tenha ficado


totalmente vazio ou seriamente abaixo da
Operação Dianteira Traseira calibragem até que tenha sido inspecionado por
kgf/cm² kgf/cm² danos por uma pessoa qualificada.
(psi) (psi)
• Apertar os parafusos das rodas com o torque
Campo 2.2 0.8-1.1
especificado após a reinstalação da roda.
(32) (10-16)
Verificar o aperto das porcas diariamente até o
Transporte 2.2 1.1-1.8 torque estabilizar.
(32) (16-26)
• Consultar a seção de 'LASTREAMENTO DO
TRATOR' na página 3-31 antes de acrescentar
Consultar as tabelas de ‘PRESSÃO E CARGA DOS lastro nos pneus.
PNEUS’ na página 3-35 para obter mais detalhes.
• Certificar-se de que o macaco esteja em uma
Ao verificar a pressão dos pneus, inspecionar os superfície firme e nivelada.
pneus por danos na banda de rodagem ou na lateral.
A pressão incorreta levará a falha prematura do • Certificar-se de que o macaco tenha
pneu. capacidade adequada para levantar o trator.

Não exceder a carga para as pressões relacionadas. • Usar cavaletes ou outro suporte adequado para
Não encher o pneu demais nem de menos. apoiar o trator enquanto repara os pneus.

• Não ficar com nenhuma parte do corpo sob o


PERIGO trator nem dar partida no motor enquanto o
Calibrar ou realizar serviços em pneus pode ser trator estiver apoiado no cavalete.
perigoso. Sempre que possível, deve ser chamado
pessoal treinado para realizar serviços e instalação • Nunca golpear um pneu ou aro com um martelo.
dos pneus. De qualquer modo, para evitar a
possibilidade de ferimentos graves ou fatais, • Certificar-se de que o aro esteja limpo e livre de
observar as precauções de segurança a seguir. ferrugem ou danos. Não soldar, caldear, reparar
de outro modo, nem usar um aro danificado.

• Não calibrar um pneu a não ser que o aro esteja


montado no trator ou preso de modo que não se
movimente se o pneu ou o aro falharem
repentinamente.

3-34
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

PRESSÕES E CARGAS ADMISSÍVEIS PARA OS PNEUS DIANTEIROS


O quadro a seguir fornece a capacidade de carga dos pneus nas pressões indicadas:
Pressões de Calibragem a Frio - bar (psi)

Pressões de Calibragem a Frio - bar (psi)


1.4 1.6 2.0 2.3 2.5 2.8 3.1 3.4 3.7 4.0 4.2 4.5
Tamanho do Pneu (20.5) (24.5) (29) (33) (36) (40.5) (45) (49.5) (54) (58) (61) (85)
Carga máxima por pneu - kg
6 lonas 340 370 410 450 470 500 530 580 - - - -
6.00-16 8 lonas 340 370 410 450 470 500 530 580 595 625 645 675
6 lonas 500 535 605 660 695 745 - - - - - -
7.50-16 8 lonas 500 535 605 660 695 745 790 830 870 - - -

O quadro acima é para tratores que operam a velocidades de até 32 km/h. Em aplicações com carregador
dianteiro a velocidades de até 8 km/h, as cargas acima podem ser acrescidas de 50% no máximo com a
mesma pressão de calibragem.
Pressões e cargas admissíveis para pneus dianteiros (Pneus com lonas diagonais)

Pressões de Calibragem a Frio - bar (psi)


1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 2.0 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5
Tamanho do Pneu (20.5) (22) (23.5) (25) (26.5) (28) (29.5) (30.7) (32.2) (33.7) (35.2) (36.6)
Carga máxima por pneu - kg
6 lonas 740 770 795 825 855 880 915 940 - - - -
9.5 - 24 8 lonas 740 770 795 825 855 880 915 940 965 990 1015 1040
6 lonas 945 990 1030 1075 1120 - - - - - - -
11.2 - 24 8 lonas 945 990 1030 1075 1120 1155 1190 1220 1255 1290 1320 -

PRESSÕES E CARGAS ADMISSÍVEIS PARA PNEUS DIANTEIROS (PNEUS COM LONAS DIAGONAIS)
O quadro a seguir fornece a capacidade de carga dos pneus traseiros nas pressões indicadas:

Pressões de Calibragem a Frio - bar (psi)


Tamanho 0.9 1.0 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.7 1.6 1.8 1.9 2.0 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6
do Pneu (13) (14.5) (16) (17.5) (19) (20.5) (22) (23) (24.5) (26) (27.5) (29) (30.5) (32) (33) (35) (36) (37)

Carga máxima por pneu - kg


8 lonas - - 1410 1475 1545 1610 1675 1740 1810 1880 - - - - - - - -
14.9-28 10 lonas - - 1410 1475 1545 1610 1675 1740 1810 1880 1930 1975 2020 - - - - -
12 lonas - - 1410 1475 1545 1610 1675 1740 1810 1880 1930 1975 2020 2070 2120 - - -
8 lonas - - 1665 1760 1850 - - - - - - - - - - - - -
16.9-28 10 lonas - - 1665 1760 1850 1930 2010 2095 2180 2265 2350 2430 - - - - - -
12 lonas - - 1665 1760 1850 1930 2010 2095 2180 2265 2350 2430 2500 2580 2655 2725 - -
8 lonas - - 1730 1820 1900 - - - - - - - - - - - - -
16.9-30 10 lonas - - 1730 1820 1900 2000 2100 2200 2300 2370 2435 2500 - - - - - -
12 lonas - - 1730 1820 1900 2000 2100 2200 2300 2370 2435 2500 2575 2650 2725 2800 - -

Para evitar a possibilidade do pneu escorregar (movimentar sobre o aro), não deve-se usar pressão abaixo de
0.9 bar em pneus com lonas diagonais que tiverem uma exigência de torque alto, p. ex., em atoleiros,
transporte pesado, etc. Quando forem usados implementos montados no trator, as cargas podem ser
aumentadas em até 20% sem aumentar a pressão de calibragem dos pneus se for operado a velocidades de
até 6 km/h.
Para serviço de transporte, recomendamos que o pneu seja calibrado com a pressão máxima estipulada na
tabela.
O quadro acima é somente uma orientação. Para obter informações exatas relativas à pressão de calibragem
e cargas para os seus pneus, consultar o seu Concessionário New Holland.

3-35
SEÇÃO 3 – OPERAÇÃO EM CAMPO

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

3-36
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

SEÇÃO 4
LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS Assunto Página

APRESENTAÇÃO Informações gerais 4-1


Esta seção fornece detalhes completos dos
procedimentos de manutenção necessários para Quadro de lubrificação e manutenção 4-6
manter o seu trator com a máxima eficiência. O
quadro de lubrificação e manutenção na página 4-6 Revisão de 10 horas/diária 4-7
fornece uma referência imediata a estes requisitos.
Cada operação é numerada para facilitar a Revisão de 50 horas 4-13
referência. Em caso de dúvidas em relação a
qualquer aspecto de lubrificação e manutenção, Revisão de 300 horas 4-19
consultar o seu Concessionário New Holland.
Revisão de 600 horas 4-24
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
Ler e observar todas as precauções de segurança
Revisão de 1200 horas/12 meses 4-27
relacionadas em Manutenção no Trator e na seção
de Introdução deste Manual.
Manutenção geral 4-31
OBSERVAÇÃO: Descartar adequadamente os
filtros e fluidos usados. Proteção Durante Recarga da
Bateria e Soldagem 4-34
CUIDADO
Não fazer verificações, lubrificação, manutenção ou
ajustes no trator com o motor funcionando.

4-1
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

DURANTE AS PRIMEIRAS 50 HORAS DE FLEXIBILIDADE DOS INTERVALOS DE


OPERAÇÃO MANUTENÇÃO
Além das operações de manutenção regulares Os intervalos relacionados no quadro de lubrificação
relacionadas, verificar os itens a seguir a cada 10 e manutenção são diretrizes a serem seguidas
horas ou diariamente durante as primeiras 50 horas quando operar em condições normais de trabalho.
de operação:
i. Verificar o óleo do motor. Ajustar os intervalos das revisões de acordo com o
ii. Verificar o nível de óleo da Transmissão/ ambiente e condições extremas de trabalho. Os
Hidráulico e da Redução Final. intervalos deverão ser reduzidos em condições de
trabalho adversas (alagadas, lamacentas, arenosas
iii. Aperto das porcas das rodas
ou extremamente empoeiradas).
iv. Níveis de óleo do cubo do eixo dianteiro (tração
nas 4 rodas) QUADRO DE LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO
IMPORTANTE: Estacionar o trator em piso nivelado O quadro na página 4-6 relaciona os intervalos nos
e, quando aplicável, estender todos os cilindros dos quais as verificações, lubrificação, revisões e/ou
dos implementos ou acessórios antes de verificar regulagens de rotina devem ser realizadas. Utilizar o
os níveis de óleo. quadro como uma referência rápida ao fazer
revisões no trator.
REVISÃO DAS PRIMEIRAS 50 HORAS
Na Revisão das Primeiras 50 Horas de serviço, ABASTECIMENTO DO TRATOR
certificar-se de realizar as operações de serviço
adicionais a seguir. Os itens estão relacionados na
lista de verificação da ‘Revisão da Primeiras 50 CUIDADO
Horas’ (Consultar o Livrete de Garantia fornecido Ao manusear óleo diesel, observar o seguinte:
junto com este Manual).
• Verificar e regular a tensão da correia do Não fumar perto do óleo diesel. Em nenhuma
ventilador/alternador. circunstâncias deve-se adicionar gasolina, álcool ou
• Trocar o óleo e o filtro de óleo do motor. querosene ao óleo diesel devido ao risco
• Trocar os filtros de combustível. aumentado de incêndios ou explosões. Em um
• Trocar o filtro do óleo hidráulico. recipiente fechado, como um reservatório de
• Verificar o nível de óleo do diferencial do eixo combustível, estas misturas são mais explosivas do
dianteiro (FWD) que gasolina pura. NÃO usar estas misturas.
• Verificar o nível de óleo do cubo do eixo
dianteiro (FWD)
• Verificar e apertar todas as conexões das • Limpar a área da tampa de enchimento e mantê-
mangueiras do sistema de arrefecimento. la livre de detritos
• Verificar e apertar todas as conexões da
admissão de ar. • O reservatório de combustível deve ser
• Verificar e apertar com o torque específico os completado ao final de cada dia para reduzir a
parafusos dos grampos dos pesos dianteiros condensação durante a noite.
(se equipado)
• Verificar o torque de aperto de todas as porcas
• Nunca retirar a tampa nem abastecer com o
das rodas
• Limpeza do filtro de admissão de ar motor funcionando.

IMPORTANTE: Os itens relacionados na revisão • Manter controle da mangueira de combustível ao


das primeiras 50 horas são importantes. Se não encher o reservatório.
forem executados, pode resultar em falha de
componentes e vida útil reduzida do trator. • Não encher o reservatório até a sua capacidade
máxima. Deixar espaço para expansão. Se a
PREVENÇÃO CONTRA CONTAMINAÇÃO DO tampa original do reservatório de combustível for
SISTEMA perdida, substituir por uma tampa original e
Para evitar a contaminação ao trocar óleos, filtros, apertar firmemente.
etc., sempre limpar a área em torno das tampas de
enchimento, bujões de nível e de drenagem, varetas • Limpar combustível derramado imediatamente.
e filtros antes de removê-los. Para evitar a entrada
de sujeira durante colocação de graxa, limpar a
sujeira nas graxeiras antes de aplicar a graxa.
Limpar o excesso de graxa da graxeira depois de
colocar graxa.

4-2
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

REQUISITOS DO COMBUSTÍVEL NOTA: Quando longos períodos em marcha lenta ou


em condições climáticas abaixo de 0° C (32° F)
A qualidade do combustível usado é um fator forem enfrentados, ou quando operar
importante para desempenho confiável e vida útil continuamente a altitudes acima de 1500 m (5.000
satisfatória do motor. Os combustíveis devem ser ft), usar combustível Número 1-D.
limpos, bem refinados e não corrosivo para as peças
do sistema de combustível. Certificar-se de usar O uso de óleo diesel com teor de enxofre acima de
combustível de qualidade conhecida e de um 0,5% requer mais trocas de óleo e de filtros do que
fornecedor com boa reputação. as relacionadas no programa de manutenção.
Usar o Número 2-D em temperaturas acima de -7° C
O uso de óleo diesel com teor de enxofre acima de
(20° F)
1,3% não é recomendado.
Usar o Número 1-D em temperaturas abaixo de -7°
C (20° F) Para obter a melhor economia de combustível, usar
Para obter uma combustão ideal e o mínimo de o de Número 2-D sempre que a temperatura
desgaste do motor, o combustível selecionado para permitir.
o uso deverá estar em conformidade com a
Não usar o Número 2-D em temperaturas abaixo de
aplicação e os requisitos das suas propriedades
-7° C (20° F) As temperaturas frias engrossam o
descritas no quadro a seguir.
combustível, que pode impedir o funcionamento do
QUADRO DE SELEÇÃO DO DIESEL motor (Se isto ocorrer, entrar em contato com o seu
COMBUSTÍVEL Concessionário New Holland).

Para certificar-se de que o combustível atende às


Classificação Ponto de Índice de Cetano Teor de Enxofre propriedades requisitadas, busque ajuda de um
Geral do Ebulição Final (Mín.) (Máx.)
Combustível (Máx.) fornecedor de óleo combustível com boa reputação.
A responsabilidade por combustível limpo é tanto do
No. 1-D 288° C 45* 0,3%
fornecedor quanto do usuário do combustível.
(550° F)
No. 2-D 357° C 45 0,5%
(675° F)

* Quando for operar continuamente a baixas


temperaturas ou grandes altitudes, é necessário um
índice de cetano mínimo de 45.

4-3
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

ARMAZENAGEM DO COMBUSTÍVEL

Tomar as precauções a seguir para garantir que o


combustível armazenado fique livre de sujeira, água
e outros contaminantes.

1. Armazenar o combustível em reservatórios de


ferro pretos, não galvanizados, pois o
revestimento de zinco reagirá com o combustível
e formará compostos que contaminarão a bomba
injetora e os injetores de combustível.

2. Os reservatórios de armazenagem a granel


devem ficar protegidos do sol Fig. 1. Manter o
reservatório levemente inclinado Fig. 2 de modo
que os sedimentos fiquem acumulados longe do
tubo de saída.

3. Para facilitar a remoção de umidade e


sedimentos, instalar um bujão de drenagem no
ponto mais baixo, do lado contrário do tubo de
saída.

4. Se o combustível não for filtrado no reservatório


de armazenagem, colocar um funil com uma tela
de malha fina no gargalo de enchimento quando Bujão de
abastecer. Drenagem

5. Organize a compra de combustível de modo que


os combustíveis com classificação para o verão
não sejam guardados e usados no inverno.

ENCHIMENTO DO RESERVATÓRIO DE
COMBUSTÍVEL

1. Limpar a área em volta da tampa de enchimento


para evitar a entrada de sujeira, contaminando o
combustível
2. Remover a tampa e colocá-la em uma superfície
limpa ao abastecer.
3. Depois de encher o reservatório, colocar a tampa
de combustível e apertar.
IMPORTANTE: Sempre substituir uma tampa
perdida ou danificada por uma tampa de reposição
original.
Capacidade do Reservatório de Combustível - 62
litros (16.4 U.S. galls)

4-4
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

PROTEÇÕES

Para obter acesso e realizar operações de inspeção,


lubrificação e manutenção, poderá ser necessário
abrir e remover o capô e certos painéis de acesso.
Painéis de acesso
Figura 3
Para obter acesso ao filtro de ar, bateria e radiador,
deslizar a trava (1) para a direita e, com o auxílio do
manípulo (2) levantar o capô.
Figura 4
Para manter o capô na posição levantada, há um
amortecedor a gás (1) instalada sob o capô
provendo acesso à tampa do radiador (2) e ao filtro
de ar (3).

4-5
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

PROGRAMA DE LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

V L L T R D C PÁGINA
E I U R E R O Nº
R M B O G E M
I P R C U N P
F E I A L A L
Intervalo de Operação Requisito de Manutenção I Z F A G E
Manutenção Nº C A I G E T
A C E M A
Ç A M R
à Ç
O Ã
O
1 • Nível de óleo do motor X . . . . . X 4-7
2 • Nível de líquido de arrefecimento do radiador X . . . . . X 4-7
Cada 10 horas
ou diariamente
3 • Pré-filtro de ar X X 4-8
4 • Copo de Óleo do Pré-filtro de Ar (se necessário) . X . . . . X 4-8
5 • Nível de óleo da direção hidrostática X . . . . . X 4-12
6 • Bujão de dreno de água (filtros de combustível) . . . . . X 4-12
7 • Óleo e elemento de tela do pré-filtro de ar . X . . . . X 4-13
8 • Folga do pedal da embreagem X . . . X 4-13

Cada 50 horas
9 • Folga dos pedais do freio X . . . X 4-14

ou
10 • Roda, porcas e parafusos X . . . X 4-15
semanalmente 11 • Pressão dos pneus X . . . X 4-15
12 • Tensão das correias do ventilador/alternador X . . . X 4-15
13 • Todos os pontos de aplicação de graxa . X X 4-16
14 • Nível de eletrólito da bateria X . . . . . X 4-18
15 • Alojamento do eixo dianteiro 4WD X . . . . . X 4-18

16 • Filtro de combustível (Primário) . . X 4-19


17 • Filtro da bomba de alimentação de combustível . X 4-19
18 • Filtro de óleo da direção hidrostática . X . . 4-20
19 • Óleo do motor . . . X 4-20
Cada 300 20 • Filtro de óleo do motor . X 4-21
horas 21 • Nível de óleo da transmissão/daredução final/hidráulico X . . . . X 4-21
22 • Filtro de óleo hidráulico
23 • Redução dos cubos do eixo dianteiro 4WD . . . X 4-22
24 • Rolamentos giratórios do eixo dianteiro 4WD . X . . . . X 4-22
25 • Árvore de acionamento do eixo dianteiro com 4WD . X X 4-22
. X 4-23
26 • Filtro de combustível (Primário e Secundário) . . . X 4-24
27 • Folga das válvulas X . . . X 4-24
Cada 600
horas
28 • Respiro da transmissão . X 4-24
29 • Rolamentos das rodas dianteiras . X X 4-25
30 • Injetores de combustível X . . . X 4-26
31 • Convergência X . . . X 4-26
32 • Óleo da transmissão/hidráulico/redução final . . . X 4-27
Cada 1200 33 • Radiador e líquido de arrefecimento . . . X 4-28
horas ou 12
meses, o que
34 • Óleo da direção . . . X 4-29

ocorrer
35 • Óleo do alojamento do eixo dianteiro 4WD . X . X 4-29
primeiro 36 • Óleo dos cubos do redução final do eixo dianteiro 4WD . . . X 4-30
37 • Redução final, óleo da 4WD. . . . X 4-30

38 • Sangria do sistema de combustível X . . . X 4-31


39 • Marcha lenta do motor X . . . X 4-31
Manutenção
Geral
40 • Regulagem dos faróis e luzes de trabalho . . . X 4-32
41 • Substituição de lâmpadas, se necessário X . . X 4-33
42 • Substituição de fusíveis, se necessário . . . X 4-33

4-6
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

CADA 10 HORAS DE OPERAÇÃO OU


DIARIAMENTE (O que ocorrer primeiro)
Fazer as verificações a seguir:
OPERAÇÃO 1
Verificação do Nível de Óleo do Motor
Figuras 5 e 6
Antes de verificar o nível de óleo, certificar-se de que
o trator está em solo nivelado, desligar o motor e
aguardar um tempo até o óleo escoar de volta para
o cárter.
Verificar o nível de óleo por meio da vareta (1). Se o
nível estiver abaixo da marca de mín., completar
com óleo novo depois de remover a tampa de
enchimento.
Não encher acima da linha superior (máx.). O óleo
em excesso será queimado em um curto tempo e
dará uma impressão falsa de consumo de óleo.
Consultar a Seção 7 para obter as especificações e
a quantidade de óleo.

CUIDADO
Para evitar ferimentos pessoais, sempre manter o
seu corpo afastado do escapamento.

OPERAÇÃO 2
Verificação do Nível do Líquido de Arrefecimento
do Radiador
Figura 7

A operação no pico de potência seguida de uma


redução rápida na exigência de força e rotação do
motor pode provocar a ebulição do líquido de
arrefecimento e sua descarga pelo tubo de
transbordo do radiador. Normalmente, esta perda de
líquido de arrefecimento é pequena e tem poucas
conseqüências, mas perdas repetidas podem baixar
bastante o nível de líquido de arrefecimento e haver
a necessidade de ser completado.

NOTA: Nunca use o trator sem a tampa do radiador


(1), pois isto provocará a ebulição e a evaporação da
água.

4-7
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 3
Limpeza do Pré-Filtro de Ar
Figura 8
A função do pré-filtro é remover palhiço, palha e
materiais maiores do ar antes de passar para o filtro
de ar em si.
Afrouxar a braçadeira (1) e remover o pré-filtro
Limpar e secar todo o conjunto do pré-filtro e instalar.

OPERAÇÃO 4
Limpeza do Copo de Óleo do Pré-Filtro de Ar
Figura 9

O filtro a banho de óleo deve ser verificado


diariamente, ou com mais freqüência quando
trabalhar em condições de muita poeira.

A função do Filtro de Ar é remover as impurezas do


ar e ao mesmo tempo permitir que quantidade
suficiente de ar entre no motor para garantir a
queima completa do combustível.

O filtro de ar somente completará a sua função se for


mantido correta e freqüentemente. Um filtro de ar
com pouca manutenção representa perda de
potência, consumo excessivo de combustível e
redução da vida útil do motor.

Liberar o quatro fechos para afrouxar a pressão no


copo do filtro de ar (1). Remover o conjunto do copo
e o filtro de tela (2). Verificar visualmente as
condições e o nível de óleo na parte interna do copo.
Se houver acúmulo de sedimentos, drenar o óleo e
limpar o copo interno e o copo com um pano. Encher
até a marca de nível. Não encher acima da marca
de nível.

4-8
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

Filtro de Ar Seco (se equipado)


Figura 10 - 17
Revisão do Elemento Externo do Filtro de Ar do
Motor

O filtro de ar seco, que está localizado sob o capô


dianteiro do lado direito do mesmo, possui um
elemento de papel interno e externo dentro de uma
carcaça de metal. Ver a Figura.

1. Destravar as três presilhas de retenção (1)


Figura 10.

2. Levantar a tampa do conjunto do filtro de ar (1).

3. Remover o elemento externo (1) do conjunto do


filtro de ar virando levemente a extremidade do
filtro no sentido horário para soltar a vedação.
Depois, puxar o filtro reto para fora do
alojamento, não inclinar, certificando-se de que o
elemento interno (1) Figura 13 permaneça no
lugar.
IMPORTANTE: Não mexa nem remova o elemento
interno (1), Figura 13.

4. Examinar o interior do elemento externo. Se


houver a presença de poeira, o elemento externo
está com defeito e deve ser substituído. O
elemento interno também deve ser substituído
neste momento.

5. Limpar o elemento externo com o método A, B ou


C, dependendo da condição do elemento.

IMPORTANTE:
Os métodos A ou B devem ser usados para poeira
seca.

O método C deve ser usado se o elemento estiver


fuliginoso, oleoso ou fortemente contaminado, ou
após limpar o elemento cinco vezes com os métodos
A ou B.

NOTA: O elemento externo poderá ser limpo a seco


(métodos A ou B) até 5 vezes ou lavado (método C)
uma vez apenas antes de ser substituído.

4-9
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

Método A

Bater levemente com as extremidades do elemento


na palma da mão. Ver a Figura 14
IMPORTANTE: Não bater o elemento contra uma
superfície dura, pois danifica o elemento.

Método B
Usar ar comprimido, não exceder 2 bar (30 lbf/in2).
Inserir o bico da linha de ar dentro do elemento.
Segurar o bico a 150 mm (6 in.) do elemento e
soprar a poeira de dentro, através do elemento, para
fora. Ver a Figura 15

ADVERTÊNCIA
Usar proteção nos olhos e uma máscara de
proteção para realizar esta operação.

Método C

Submergir o elemento em água morna com uma


pequena quantidade de detergente que não faça
espuma. Deixar na água por pelo menos 15 minutos.
Manter a extremidade aberta do elemento acima da
linha da água.

IMPORTANTE: Nunca usar óleo combustível,


gasolina, solvente ou água mais quente do que a
mão possa suportar, do contrário o filtro será
danificado.

Depois de ficar mergulhado na água, agitar o


elemento na água, cuidando para que a água suja
de fora do elemento não respingue para o interior.

Enxaguar o elemento em água limpa e corrente.


Enxaguar de dentro do elemento para fora até que a
água esteja livre de sujeira. Se usar uma mangueira,
não exceder 2 bar (30 lbf/in2). Um leve filete de água
é o suficiente e garantirá que o elemento não será
rompido. Ver a Figura 16.
Sacudir o excesso de água do elemento e deixar
secar naturalmente. Não usar ar comprimido,
lâmpadas, nem aquecer o elemento para secar.

NOTA: Normalmente, leva de três a cinco dias para


o elemento filtrante secar.

4-10
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

IMPORTANTE: Não tentar secar o elemento com


calor ou ar comprimido e não instalar até que esteja
totalmente seco, pois poderá romper. É
recomendada instalação de um elemento novo ou já
limpo durante esta revisão e que o elemento lavado
seja colocado de lado para instalação na próxima
revisão. O elemento sobressalente deve ser
armazenado em local seco e embrulhado para evitar
contaminação de poeira ou danos.

NOTA: O elemento filtrante externo somente pode


ser lavado uma vez.

6. Examinar se há danos no elemento colocando


uma lâmpada dentro do mesmo. Ver a Figura 17
Descartar o elemento se a luz escapar por
pequenos furos ou se houver áreas onde o papel
parecer fino.
7. Verificar se o material do elemento não está
amarrotado; a carcaça de metal não está
distorcida e a junta de borracha, danificada.
Descartar o elemento filtrante se estiver
danificado.
8. Limpar o interior do alojamento do filtro de ar com
um pano úmido e que não solte fiapos. Não
danificar o elemento filtrante interno. Certificar-se
de que a extremidade interna do alojamento está
limpa e macia para garantir um bom
assentamento da vedação de borracha no
elemento.
9. Instalar o elemento externo lavado ou um novo.
Substituir o conjunto da porca/vedação se estiver
danificado.

4-11
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 5

Nível de Óleo da Direção Hidrostática


(se equipado)
Figura 18
Verificar o nível de óleo através do reservatório
transparente (1). Completar conforme necessário.
Certificar-se de que o respiro na tampa esteja
totalmente limpo.

OPERAÇÃO 6
Drenagem de Água do Filtro de Combustível
Figura 19
IMPORTANTE: Antes de afrouxar ou desconectar
qualquer parte do sistema de injeção de
combustível, limpar completamente a área a ser
trabalhada para evitar contaminação.

Abrir os bujões de dreno nos filtros primário e


secundário afrouxando os botões (1). Deixar o
combustível contaminado drenar até que ele saia
limpo. Coletar os fluidos em um recipiente adequado
e descartar corretamente. Recolocar os dois bujões
de dreno.

NOTA: Não fechar a tampa do reservatório de


combustível para evitar travamento de ar durante
esta operação.

Separador de Água (se equipado)

Figura 20
É fornecido como uma segurança adicional ao
combustível suprido para o motor. Ele separa a água
do combustível.

Abrir o botão (2) sempre que o anel (3) atingir a


marca vermelha para drenar a água misturada com
combustível. Depois de toda a água sair, o anel vai
para o fundo. Fechar o botão

4-12
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

CADA 50 HORAS
Realizar as verificações anteriores, mais as
seguintes:

OPERAÇÃO 7
Limpeza do Óleo do Pré-Filtro de Ar e do
Elemento de Tela.
Proceder conforme a Operação 4, e lavar o filtro de
tela (2), Figura 9, com óleo diesel ou querosene e
secar antes de reinstalar.

OPERAÇÃO 8
Verificação da Folga do Pedal da Embreagem
Figura 21
Verificar a folga do pedal da embreagem; deve ser
de 35 - 40 mm. 35 - 40 mm

Se necessitar de regulagem, afrouxar a porca-trava


(1) remover contra-pino e o garfo (2). Girar o garfo
para aumentar ou diminuir o comprimento da haste
de operação conforme necessário. Prender o
contra-pino do garfo com um pino bipartido novo e
apertar a porca-trava.

O aumento da haste de operação aumenta a folga e


vice-versa.

4-13
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 9
Verificação da Folga dos Pedais do Freio
Figuras 22 e 23

ADVERTÊNCIA
Os proprietários devem ter conhecimento da
regulamentação local relativa aos sistemas de freio.
Manter os freios com regularidade e de acordo com
a legislação local e garanta a sua segurança. Em
caso de dúvida, entre em contato com o seu
Concessionário New Holland.

A folga dos pedais do freio deve ser de 35 - 45 mm.


Quando os pedais do freio estiverem unidos, o trator
deverá parar em linha reta quando se aplicar o freio.

A regulagem é realizada nas hastes de acionamento


sob o trator. Travar as rodas dianteiras e traseiras,
destravar os pedais do freio e liberar a alavanca do
freio de estacionamento.

Consultar a Figura 23 como referência e afrouxar a


porca-trava (1) na haste de acionamento do freio do
lado direito (2) e virar a porca de regulagem até que
a folga do pedal esteja entre 35 - 45 mm. Apertar a
porca-trava.

Repetir o mesmo procedimento para a haste de


acionamento do freio do lado esquerdo.

Travar os pedais do freio e fazer um teste de rua


para garantir que os freios estão balanceados e
param o trator em uma linha reta. Quaisquer outras
regulagens necessárias para equilibrar os freios
devem ser realizadas no freio direito.

Freio de estacionamento
Figura 24
Depois de regular o freio de serviço, certificar-se de
que a alavanca (1) tem um curso livre de 2-4 cliques
quando puxada para cima.

4-14
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 10
Porcas e Parafusos das Rodas
Porcas do disco ao cubo dianteiro (2WD) 320 Nm
Verificar o torque do aperto das porcas das rodas
dianteiras e traseiras. Os valores de torque Porcas do disco para o cubo dianteiro (4WD) 220 Nm
especificado estão na tabela à direita como Parafusos do disco para o cubo traseiro 220 Nm
referência. Porcas do disco para o aro traseiro 150 Nm
Peso da roda traseira para o disco 150 Nm

OPERAÇÃO 11
Pressão e Condição dos Pneus
Verificar e calibrar as pressões dos pneus dianteiros
e traseiros e inspecionar a banda de rodagem e as
laterais por danos. Calibrar as pressões dos pneus
de acordo com a carga.

Consultar PRESSÕES E CARGAS DOS PNEUS na


Seção 3, Página 3-35.

OPERAÇÃO 12
Regulagem da correias do ventilador/alternador
Figura 25
A tensão está certa quanto a correia (1) permitir
deflexão de 10-11 mm no centro do curso. Para
regular, afrouxar as porcas (2) e girar o alternador
em torno do pivô (3). Não alavancar contra o corpo
do alternador.
Apertar o parafuso quando a tensão da correia
estiver correta.

4-15
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 13
Graxeiras
Aplicar graxa com o auxílio de uma pistola de graxa
nas graxeiras, conforme mostram as Figuras 26 - 32.
Usar somente Graxa para Tratores Original da New
Holland (Especificação - NLGI # 2 base de lítio)
NOTA: engraxar diariamente quando operar em
condições adversas, mas sem excesso, pois poderá
danificar as vedações quando houver.

Figura 26
1) Hastes do Levantador Hidráulico

Figura 27
2) Eixo do Pedal da Embreagem

Figura 28
3) Eixo dos Pedais do Freio

4-16
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

Figura 29
4) Manga de Eixo e Cubos das Rodas Dianteiras

Figura 30
5) Pino do Munhão do Eixo Dianteiro e Braços da
Direção Hidráulica

Figura 31
7) Pivô traseiro do eixo dianteiro 4WD

Figura 32
8) Munhão dianteiro do eixo dianteiro 4WD

4-17
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 14
Verificar o Nível do Eletrólito da Bateria
Figura 33
O bateria fica localizada na frente do radiador.
O nível do eletrólito da bateria deve estar entre as
linhas de máx. e mín. no recipiente da bateria.
Se for necessário, completar com água destilada ou
desmineralizada até o nível correto. Não encher
demais. Nunca usar água da torneira ou coletada da
chuva nem de outras fontes.
Para evitar a formação de corrosão, os terminais
devem ser limpos e untado com vaselina apenas,
não deve-se aplicar graxa.
IMPORTANTE: Na eventualidade da bateria estar
excessivamente descarregada, que a tensão nos
terminais estiver abaixo de 7 volts, a recuperação
exigirá um procedimento especial de recarga, entrar
em contato com o seu Concessionário New Holland.

OPERAÇÃO 15
Nível de Óleo do Eixo Dianteiro (somente
modelos 4WD)
Figura 34

Verificar o nível de óleo da seguinte forma:


- Estacionar o trator em superfície nivelada.
- Remover o bujão (1). Deverá fluir um pouco de
óleo pelo furo do bujão.
Se for necessário, completar através do furo do
bujão (1) até transbordar o óleo.

NOTA: Para obter as especificações do óleo,


consultar o quadro de lubrificação.

4-18
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

CADA 300 HORAS

Realizar as verificações anteriores, mais as


seguintes:

OPERAÇÃO 16
Troca do filtro de combustível (Primário)
Figuras 35 e 36
IMPORTANTE: Antes de afrouxar ou desconectar
qualquer parte do sistema de combustível, limpar
completamente a área a ser trabalhada para evitar
contaminação.
Para substituir os elementos do filtro de combustível
proceder da seguinte
maneira:
1. Limpar externamente o conjunto do filtro.
2. Afrouxar o parafuso de sangria (1).
3. Desparafusar o filtro primário de combustível (2)
e descartar
4. Limpar a superfície de montagem do filtro.
Aplicar uma camada fina de óleo limpo no anel
de vedação do filtro de óleo novo e instalá-lo.
Girar até o anel de vedação contatar a superfície
de montagem, depois mais 3/4 de volta até 1
volta completa. Não apertar demasiadamente.
5. Com o parafuso de sangria frouxo, escorve o
sistema de combustível com a bomba manual,
Figura 37.
6. Dar partida no motor e certificar-se de que não
há combustível vazando. 36

OPERAÇÃO 17
Limpeza do Filtro da Bomba de Alimentação de
Combustível
Figura 37
O objetivo principal deste filtro (1) é de proteger a
bomba de alimentação de combustível. Possui um
elemento comparativamente áspero. Ele fica contido
em um copo de fácil remoção e deve ser limpo.
Quando estiver montado novamente, certificar-se da
formação de uma boa junta entre o topo do copo e o
corpo do filtro, pois qualquer vazamento de ar pode
provocar bloqueios de ar no sistema de combustível.
37

4-19
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 18
Filtro de Óleo da Direção Hidrostática
(se equipado)
Figura 38
Limpar o filtro da direção hidrostática com óleo
diesel ou gasolina e secar antes de instalar.
Abastecer o reservatório com óleo até o topo do
bocal de enchimento. Colocar a tampa.
Deixar o motor funcionando e sangrar o sistema
virando o volante da direção de um batente até o
outro várias vezes. Completar o reservatório
conforme necessário.
Usar somente Óleo para Transmissão Original da
New Holland 38
OPERAÇÃO 19
Troca de Óleo do Motor
Figuras 39 e 40
Aquecer o motor até a temperatura de operação.
Parar o motor, remover o bujão de dreno (1), figura
39, e coletar o óleo em um recipiente adequado.
Substituir o bujão de dreno e abastecer o motor com
óleo limpo através do bocal de enchimento (1),
Figuras 40 e 41 (de acordo com os modelos).
Certificar-se de que o trator esteja em piso nivelado.
Deixar o motor funcionar por um minuto, mais ou
menos, para circular o óleo e parar o motor.
Aguardar um tempo curto para permitir que o óleo
flua de volta para o cárter, e verificar o nível de óleo
com a vareta.
Acrescentar óleo limpo conforme necessário até que
fique entre as marcas de máx. e mín. na vareta.
NOTA: Não encher acima da MARCA SUPERIOR
de nível. O óleo em excesso será queimado, criando
fumaça, em um curto tempo e dará uma impressão
falsa de consumo de óleo. Não operar o motor com
o nível de óleo abaixo da marca inferior.
IMPORTANTE: Usar somente Óleo para Motores
Original da New Holland.
NOTA: Sempre trocar o filtro de óleo quando trocar
o óleo do motor.

ADVERTÊNCIA
Cuidado para evitar contato com óleo quente do
motor. Se o óleo estiver muito baixo, permitir que
resfrie até uma temperatura moderada antes de
prosseguir.

4-20
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 20
Troca do Filtro de Óleo do Motor
Figura 42

Com o óleo do motor drenado, remover o filtro (1)


girando-o no sentido anti-horário e descartar. Antes
de instalar um filtro novo, limpar a entrada e a face
da montagem do filtro. Aplicar óleo limpo em volta da
vedação superior e girar até as faces encostarem.
Depois, girar mais 3/4 de volta. Não apertar
demasiadamente.

O modelo TT75 é equipado com um arrefecedor de


óleo de lubrificação (2), que ajuda a manter a
temperatura do óleo e as suas propriedades de
lubrificação.

O elemento do manômetro dentro do respiro do


motor (3) deve ser limpo com querosene.

OPERAÇÃO 21
Nível de Óleo da Transmissão/Sistema
Hidráulico
Figura 43

O nível de óleo deverá estar entre as marcas de alto


e baixo na vareta de nível (1).

Se for necessário, completar com óleo novo através


do bujão de enchimento de óleo (1), Figura 44, até a
marca superior na vareta de nível. Não encher
demais.

IMPORTANTE: Usar somente Óleo para


Transmissão de Tratores Original da New Holland.

ADVERTÊNCIA
O uso de óleos que não estejam de acordo com as
especificações recomendadas pode provocar ruídos
nos freios e desgaste acelerado das lonas do freio

4-21
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

Nível de Óleo da Redução Final


Figura 45
Verificar se o nível de óleo atinge o bujão (1).
Completar através do bujão conforme necessário.

OPERAÇÃO 22
Filtro de Óleo Hidráulico
Figura 46
O filtro de óleo hidráulico (1) está instalado no lado
direito do motor.
Limpar a área ao redor do filtro. Desparafusar o filtro
e descartar. Limpar a entrada e a face da montagem
do filtro. Aplicar óleo limpo ao redor da vedação de
borracha do filtro novo e instalar no trator. Girar até
as faces entrarem em contato, depois apertar mais
3/4 de volta. Não apertar demasiadamente.

OPERAÇÃO 23
Redução dos Cubos do Eixo Dianteiro 4WD
Figura 47
Verificar o nível de óleo girando a roda até o bujão
(1) ficar na horizontal. Se o óleo não escorrer
quando o bujão for removido, completar através da
abertura e substituir o bujão.
NOTA: Para obter as especificações de óleo,
consultar o quadro de lubrificação.

OPERAÇÃO 24
Rolamentos Giratórios do Eixo Dianteiro 4WD
Figura 48
Bombear graxa original da New Holland nas
graxeiras mostradas (duas de cada lado).

4-22
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 25
Árvore de Acionamento para 4WD
Figura 49
Verificar conforme segue:
- Retirar a proteção da árvore de acionamento do
eixo dianteiro;
- Afrouxar os parafusos (1), para desconectar o
suporte (2) do alojamento de acionamento;
- Remover o anel elástico (4);
- Mover a luva (3) conforme mostra a seta, baixar
a árvore de acionamento até poder remover a
luva e verificar se o entalhado interno não
apresenta sinais de desgaste excessivo.
ADVERTÊNCIA
Se o entalhado interno da luva estiver com desgaste
excessivo, consultar o seu Concessionário New
Holland para uma possível substituição.

4-23
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

CADA 600 HORAS


Realizar as verificações anteriores, mais as
seguintes.
OPERAÇÃO 26
Trocar os filtros de combustível (Primário e
Secundário)
Seguir o mesmo procedimento da Operação 16,
Página 4-19, trocando o filtro secundário junto com
o primário.

OPERAÇÃO 27
Verificar e Regular a Folga das Válvulas
Verificar a folga das válvulas com o motor frio.
A folga correta das válvulas é
Admissão -0,45 + ou - 0,05mm
Escape -0,45 + ou - 0,05mm
IMPORTANTE: O ajuste correto da folga das
válvulas é muito importante. O ajuste incorreto
poderá causar danos potenciais no motor.
Entrar em contato com o seu Concessionário New
Holland ou Centro de Serviços Autorizado para
verificar e regular a folga das válvulas.

OPERAÇÃO 28
Respiro da Transmissão
Figura 50
Entrar em contato com o seu Concessionário New
Holland ou Centro de Serviços Autorizado para
verificar e limpar o Respiro da transmissão

4-24
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 29
Limpar, Engraxar e Regular os Rolamentos das
Rodas Dianteiras
Figura 51
Com o freio de estacionamento aplicado, levantar
uma roda dianteira com um macaco, apoiá-la e
bloquear as outras três rodas. Remover a tampa,
porca, arruela de encosto e rolamento externo.
Remover o conjunto completo da roda e cubo e
remover o retentor de graxa e o rolamento interno.
Limpar bem todas as peças em óleo diesel e deixar
secar.
Inspecionar os rolamentos e as duas pistas dos
rolamentos no cubo da roda por descoloração ou
desgaste. Preencher os rolamentos e o espaço 1. Retentor de graxa
entre as duas pistas dos rolamentos com graxa. 2. Rolamento Interno
Engraxar a manga do eixo da roda. Montar 3. Rolamento Externo
novamente com um retentor de graxa novo e apertar 4. Arruela de Encosto
a porca castelo girando a roda até sentir alguma 5. Porca
resistência. Afrouxar a porca castelo até que a fenda 6. Cupilha
seguinte se alinhe com o orifício do contrapino no 7. Anel O
eixo. Instalar o contrapino. 8. Tampa do cubo

Repetir o procedimento para a outra roda dianteira.


IMPORTANTE: O ajuste correto da pré-carga do
rolamento é muito importante. O ajuste incorreto
poderá causar desgaste prematuro dos rolamentos
e dos pneus. Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland ou Centro de Serviços
Autorizado para ajustar a pré-carga dos rolamentos.

4-25
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 30
Revisão dos Injetores de Combustível

ADVERTÊNCIA
Vazamentos de óleo diesel sob pressão podem
penetrar na pele e provocar graves lesões.
• Não usar as mãos para verificar vazamentos.
Usar um pedaço de papelão ou papel para
pesquisar vazamentos. Usar proteção nos olhos.
• Desligar o motor e aliviar a pressão antes de
conectar e desconectar as linhas.
• Apertar todas as conexões antes de dar a partida
no motor.

IMPORTANTE: Os injetores somente devem ser


limpos e regulados por um Concessionário
Autorizado.

IMPORTANTE: Antes de afrouxar ou desconectar


qualquer parte do sistema de injeção de
combustível, limpar completamente a área a ser
trabalhada.
Usar o procedimento a seguir para remover e
substituir os injetores:
Figura 52
Afrouxar as conexões do tubo de pressão na
extremidade da bomba de injeção.
Desconectar os tubos de pressão e a linha de
retorno nos injetores, descartando as arruelas de
cobre instaladas nos dois lados dos parafusos banjo
da linha de retorno. Remover os injetores após
remover as porcas retentoras.
Extrair a arruela de vedação de cobre de cada
alojamento dos injetores no cabeçote do cilindro.
Usar uma arruela de cobre nova na reinstalação.
Instalar os injetores e apertar as porcas retentoras
uniformemente com torque de 2 kgm.
Conectar a linha de retorno com arruelas novas nos
dois lados das conexões banjo e apertar as porcas
retentoras. Apertar. Conectar a bomba nos tubos de
pressão e apertar.
Depois de instalar os injetores e tubos, sangrar o
sistema conforme explicado anteriormente.
NOTA: Modificação ou regulagem não autorizadas
do equipamento de injeção de combustível fora das
especificações cancelará a garantia.
OPERAÇÃO 31
Convergência
Para a regulagem da convergência, consultar a
Seção 3. Página 3-29.
IMPORTANTE: Ajuste de convergência incorreto
pode resultar em desgaste anormal dos pneus
dianteiros.

4-26
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

CADA 1200 HORAS OU 12 MESES (o


que ocorrer primeiro)
Realizar as verificações de 50, 300, 600 e 900
horas anteriores, mais as seguintes:

OPERAÇÃO 32
Troca de Óleo da Transmissão/Sistema
Hidráulico
Figuras 53 e 54
Antes de trocar o óleo, funcionar o motor e operar os
sistema hidráulico/transmissão até o óleo aquecer.
Estacionar o trator em solo nivelado, baixar o engate
de três pontos e desligar o motor. Aplicar o freio de
estacionamento e bloquear as rodas.

ADVERTÊNCIA
Cuidado para evitar contato com óleo quente. Se o
óleo estiver muito quente, permitir que resfrie até
uma temperatura moderada antes de prosseguir.

Para trocar o óleo:


1. Remover o bujão de dreno (1), Figura 53, e
coletar o óleo em um recipiente adequado.
2. Reinstalar o bujão de dreno depois de drenar o
óleo.
3. Remover a vareta de nível (1), Figure 54, e
encher com óleo novo.
4. Funcionar o motor e operar o sistema hidráulico.
Levantar totalmente o engate de três pontos.
5. Desligar o motor e aguardar alguns minutos para
verificar se há vazamento no sistema.
6. Verificar o nível de óleo. Deverá estar entre as
duas marcas na vareta de nível.
NOTA: Não encher acima da marca superior.
Troca do Óleo da Redução Final
Figura 55
Drenar o óleo abrindo o bujão de dreno (2) instalado
no lado inferior da redução final. Abrir o bujão de
nível (1) e colocar óleo novo através do bujão até o
nível atingir o bujão de nível.

4-27
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 33
RADIADOR
Drenagem e Enchimento do Sistema de
Arrefecimento
Figuras 56 e 57
IMPORTANTE: O uso de uma tampa de pressão
aprovada e original é essencial. Se a tampa for
perdida ou danificada, obter uma reposição do seu
Concessionário New Holland.

Abrir o bujão de dreno do radiador (1) e deixar o


líquido de arrefecimento escoar. (O registro do dreno
encontra-se na traseira, do lado esquerdo do
radiador, atrás de uma tela de malha).
Desparafusar e remover o bujão de dreno e drenar o
líquido de arrefecimento do bloco do motor.
Remover a tampa de pressão do radiador para
aumentar a vazão de drenagem.
Após drenar, enxaguar o sistema de arrefecimento
com água limpa através do bocal do radiador.
Depois de terminado o processo de enxágüe,
instalar a mangueira no radiador com a braçadeira e
instalar o bujão de dreno do motor. Encher o sistema
de arrefecimento através do radiador até o líquido de
arrefecimento ficar 2 cm abaixo do bocal do
reservatório do radiador. Recolocar a tampa de
pressão.
NOTA: É recomendado o uso de água
desmineralizada ou destilada no radiador.
NOTA: Para evitar que ar fique preso no sistema,
encher o radiador o mais lentamente possível para
permitir que qualquer bolsa de ar formada possa
dispersar-se.
NOTA: O nível do líquido de arrefecimento pode
baixar quando for bombeada pelo do sistema de
arrefecimento.
Se o motor não for ser operado imediatamente após
a troca do líquido de arrefecimento, funcionar o
motor por uma hora para assegurar-se que o líquido
de arrefecimento seja distribuído por todo o sistema
de arrefecimento. Deixar o motor esfriar e verificar
novamente para assegurar-se que o nível de líquido
de arrefecimento esteja satisfatório.
Em clima frio (abaixo do ponto de congelamento),
acrescentar uma solução anticongelante.
Acrescentar a solução no radiador com a água da
seguinte maneira:

Graus °C -5 -5 a -18 -18 a -25 -25 a -67


% volume de 25 30 40 50
Anticongelante

4-28
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 34
TROCA DO ÓLEO DA DIREÇÃO
Direção Mecânica
Figura 58
O nível de óleo pode ser verificado removendo o
bujão de nível (1) com o conjunto da direção
instalado no trator, o nível de óleo deve estar até o
bujão de nível.
Para trocar o óleo do conjunto da direção, remover
o conjunto inteiro do trator. Contatar o seu
Concessionário/Centro de Serviços Autorizados da
New Holland para a troca do óleo.
Capacidade do óleo da direção - 1 litro

Direção Hidrostática (se instalada)


Figura 59
Limpar o filtro da direção hidrostática com óleo
diesel ou gasolina e secar antes de instalar.
Instalar e abastecer o reservatório com óleo até o
topo do bocal de enchimento. Colocar a tampa.
Deixar o motor funcionando e sangrar o sistema
girando o volante da direção de um batente até o
outro várias vezes. Completar o reservatório
conforme necessário.
Usar somente Óleo para Transmissão Original da
New Holland
Capacidade de Óleo: 2,0 litros (incl. tubos)

OPERAÇÃO 35
Alojamento do Eixo Dianteiro 4WD
Figura 60
Colocar um recipiente sob o alojamento do eixo,
retirar o bujão (1), deixar o óleo escoar. Encher com
óleo novo através do furo de enchimento/bujão de
nível.

NOTA: Para obter as especificações de óleo,


consultar o quadro de lubrificação.

4-29
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 36
Drenagem do Óleo das Reduções dos Cubos do
Eixo Dianteiro - 4WD
Figura 61
Posicionar o bujão (1) no ponto mais baixo, colocar
um recipiente sob o furo do bujão e drenar o óleo.
Girar a roda até o furo do bujão ficar na horizontal e
encher com óleo novo.

NOTA: Para obter as especificações de óleo,


consultar o quadro de lubrificação

OPERAÇÃO 37
Redução final, 4WD
Figura 62
Colocar um recipiente sob o alojamento da redução
final e drenar o óleo através do furo do bujão (1).

4-30
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUTENÇÃO GERAL
(A ser realizada conforme e quando necessário)
OPERAÇÃO 38
Sangria do Sistema de Combustível
Figura 63
Poderá ser necessário, após a remoção da bomba
injetora, substituir as linhas de alta pressão, ou após
terminar o combustível, purgar o ar do sistema para
poder dar a partida no motor.
Se o motor não der partida após várias tentativas
depois de uma das situações acima ocorrerem,
sangrar o sistema com o procedimento a seguir:
1. Certificar-se de que o trator possui combustível
adequado e a bateria está totalmente carregada.
2. Escorvar o sistema de combustível conforme
descrito na Operação 17, Página 4-19.
3. Afrouxar levemente qualquer uma das porcas (1)
nas linhas de alta pressão. Com a ajuda de um
assistente, girar o motor com o motor de partida
para expelir o ar. Apertar as porcas do injetor
quando o motor começar a funcionar.

OPERAÇÃO 39
Marcha Lenta do Motor
Figura 64
Há um dispositivo para regular a marcha lenta do
motor embaixo do apoio para o pé do lado direito.
Remover o pino (1) do suporte (2) e girar o pino no
sentido horário para aumentar a rotação e anti-
horário para diminuir a rotação.
A rotação máxima sem carga é ajustada na Fábrica
e somente deverá ser regulada, se necessário, por
um Concessionário Autorizado.

4-31
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 40
Faróis
Figura 65
Para não ofuscar os motoristas vindo em sentido
contrário, regular o ângulo dos fachos. Regular o
farol de modo que o facho alto esteja a 100 - 400 mm
abaixo do centro do farol a uma distância de 6
metros.
O facho pode ser ajustado verticalmente
simplesmente regulando os parafusos (1) conforme
necessário.

Farol de Trabalho
Figura 66
Há um farol de trabalho regulável na traseira do
pára-lama direito.
Para regular o farol de trabalho, basta inclinar o
conjunto do farol para cima ou para baixo, ou girar o
conjunto lateralmente. Se for necessário, apertar
levemente as porcas (1) e (2) para manter o
conjunto na posição desejada.

4-32
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

OPERAÇÃO 41
Substituição de Lâmpadas
Luzes do Freio/Direção/Posição
Figura 67
As lâmpadas podem ser acessadas após a remoção
do conjunto de lentes plásticas, remover os dois
parafusos (1) e retirar o conjunto de lentes. As
lâmpadas possuem uma tampa em baioneta
convencional e são removidas apertando-as e
girando aproximadamente 20 graus no sentido anti-
horário. Montar na ordem inversa.
IMPORTANTE: Para reinstalar as lentes, cuidado
para não apertar os parafusos demasiadamente.

OPERAÇÃO 42
Substituição de Fusíveis
Figura 68
A caixa de fusíveis (1) localiza-se abaixo dos
instrumentos combinados. Para verificar ou trocar
os fusíveis, puxa a tampa para obter acesso aos
mesmos.
Há cinco fusíveis em uma fileira. Consultar a tabela
a seguir para obter detalhes dos circuitos protegidos
pelos fusíveis.
IMPORTANTE: Não substituir um fusível queimado
por um de capacidade diferente. Não usar arames
no lugar dos fusíveis.

Fusíveis Ativos

Classificação Circuito

10 amp Conjunto de instrumentos


15 amp Lâmpadas
10 amp Buzina
10 amp Sinaleira direcional
10 amp Farol de trabalho

Fusíveis de Reserva

Classificação Detalhes

15 amp Reserva
10 amp Reserva

4-33
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

PROTEÇÃO DOS SISTEMAS ELETRÔNICOS E Manutenção da Bateria


ELÉTRICOS DURANTE OPERAÇÕES DE 1. Não se deve permitir que as baterias fiquem
RECARGA DA BATERIA OU DE SOLDAGEM totalmente descarregadas. Se o trator for ser
Precauções armazenado por um período acima de 2
Para não danificar os sistemas eletrônicos/elétricos, semanas, a bateria deverá ser removida do trator
sempre observar o seguinte: e armazenada em um local seco, em uma
plataforma de madeira. Faça uma pequena
1. Nunca conectar ou desconectar qualquer parte recarga a cada 2 a 3 semanas para manter a
do circuito de carga quando o motor estiver bateria em boas condições.
funcionando.
2. Certificar-se de que o nível do eletrólito em todas
2. Nunca aterrar qualquer componente do circuito as células da bateria esteja, de preferência, no
de carga. nível máximo. Entretanto, em geral, o nível
3. Não usar uma bateria auxiliar com tensão deverá estar entre as marcas de mínimo e
nominal acima de 12 volts. máximo. Acrescentar água destilada se o nível
4. Sempre observar a polaridade correta ao instalar do eletrólito estiver abaixo do mínimo. Não usar
a bateria ou usar uma bateria auxiliar para dar água de poço/torneira. Não completar com ácido.
partida no motor. Seguir as instruções na Seção 3. A gravidade específica ideal para cada célula da
- 3, Página 3-4 neste Manual. bateria deve estar entre 1.260 - 1.230. Em
5. Sempre desconectar o cabo de aterramento das nenhum momento a gravidade específica nas
baterias antes de realizar soldagem por arco no células deverá cair abaixo de 1.230. Se a leitura
trator ou em qualquer implemento fixado ao estiver abaixo de 1.230, a bateria apresenta
trator. sintomas de estar descarregada. Levar a bateria
ao seu Revendedor de Baterias.
6. Posicionar a garra de aterramento do soldador o
mais perto possível da área de soldagem. 4. Sempre aplicar vaselina nos terminais da bateria
pare evitar fuga de corrente e oxidação. Nunca
7. Nunca permitir que cabos de soldagem fiquem utilizar graxa para este fim.
por cima, próximos ou cruzados em relação a
qualquer fiação elétrica ou componente 5. Sempre desconectar os terminais de
eletrônico durante o serviço. aterramento (terminal negativo) da bateria ao
realizar quaisquer reparos no trator,
8. Sempre desconectar o cabo negativo das especialmente para soldar.
baterias ao recarregar as baterias no trator com
um recarregador. 6. Não girar o motor por mais de 10 segundos por
vez. Aguardar cerca de 30 segundos e girar
novamente.
ADVERTÊNCIA
As baterias contêm ácido sulfúrico. No caso de 7. Nunca aproximar nenhum objeto queimando ou
contato com a pele, lavar a área afetada com água chamas da bateria.
durante cinco minutos. Procurar imediatamente 8. Verificar o aperto dos grampos de fixação da
atendimento médico. Evitar contato com a pele, os bateria periodicamente. Não apertar
olhos ou a roupa, usar proteção nos olhos para demasiadamente, pois poderá danificar o borne
trabalhar perto das baterias. da bateria.

Motor de Partida
IMPORTANTE: 1. As porcas de montagem do motor de partida
Proteção do Alternador devem estar apertadas.
1. Antes de realizar qualquer operação no 2. Aguarde um tempo suficiente entre partidas
alternador, desconectar a bateria. consecutivas.
2. Nunca verificar o funcionamento do alternador 3. Não girar o motor de partida por mais de 10
conectando os terminais positivo e negativo. segundos
3. Não operar o alternador sem a bateria instalada 4. Não operar o motor de partida sem carga.
no circuito.
5. Não operar o motor de partida com a bateria
4. Não usar lâmpadas de alta tensão para luzes de
descarregada.
advertência.

4-34
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

4-35
SEÇÃO 4 – LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

4-36
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

SEÇÃO 5
LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE ANOMALIAS

Esta seção tem como objetivo ajudar a identificar e corrigir algumas anomalias ou defeitos no trator.

Assunto Página

1. Motor 5-2

2. Sistema hidráulico 5-5

3. Levantador hidráulico e engate de 3 pontos 5-5

4. Freios 5-6

5. Sistema elétrico 5-6

5-1
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

MOTOR

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÃO

• O motor não pega ou pega • Procedimento de partida • Consultar o procedimento de


com dificuldade incorreto partida
• Trator está engrenado • Colocar em neutro.
• Nível de combustível baixo ou • Verificar o nível de combustível.
vazio.
• Ar no sistema de combustível • Sangrar o sistema de combustível.
• Sistema de combustível • Entrar em contato com o seu
afogado. Concessionário New Holland.
• Filtro de combustível entupido. • Trocar o filtro.
• Injetor da bomba de • Entrar em contato com o seu
combustível com defeito. Concessionário New Holland.
• Comando de parada do motor • Colocar de volta na posição
acionado (condição Desligado). normal.

• O motor não funciona • Filtro de combustível entupido • Trocar o filtro


corretamente e/ou morre
• Diesel de má qualidade • Drenar o reservatório e abastecer
com diesel filtrado
• Sistema de combustível • Entrar em contato com o seu
afogado. Concessionário New Holland.
• Injetor de combustível com • Entrar em contato com o seu
defeito. Concessionário New Holland.

• Motor não atinge a potência • Motor sobrecarregado. • Reduzir a marcha ou diminuir a


máxima carga.
• Filtro de ar sujo. • Realizar manutenção no filtro de
ar.
• Filtro de combustível entupido. • Trocar o filtro.
• Superaquecimento do motor. • Consultar superaquecimento do
motor.
• Temperatura de operação do • Verificar o termostato.
motor baixa.
• Injetor de combustível com • Pedir para o seu Concessionário
defeito. New Holland verificar os injetores.
• Folga incorreta das válvulas. • Verificar e levar para regulagem no
seu Concessionário New Holland.
• Mecanismo da alavanca do • Entrar em contato com o seu
comando do acelerador com Concessionário New Holland.
defeito

5-2
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

MOTOR (Continuação)

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÃO

• Barulho anormal do motor. • Nível de óleo baixo. • Completar o nível de óleo.


• Pressão do óleo baixa. • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland.
• Motor superaquecido. • Consultar superaquecimento do
motor.
• Ajuste incorreto das válvulas. • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland.

• Temperatura de operação • Termostato com defeito. • Substituir o termostato.


do motor baixa.
• Indicador de temperatura do • Levar para verificação no seu
líquido de arrefecimento com Concessionário New Holland.
defeito

• Luz de advertência da • Nível de óleo baixo. • Completar o nível de óleo


pressão do óleo se acende conforme necessário.
(Pressão do óleo baixa) • Especificação do óleo incorreta. • Drenar e encher com óleo de
especificação e viscosidade
corretas.
• Bomba de óleo com defeito. • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland.

• Consumo excessivo de óleo • Nível de óleo muito alto • Baixar o nível do óleo.
• Especificação do óleo incorreta • Usar óleo de viscosidade correta
• Vazamento de óleo • Levar para verificação no seu
Concessionário New Holland.

• Motor superaquecendo • Tampa do radiador com defeito. • Substituir a tampa.


• Núcleo/aletas do radiador • Limpar
entupidos.
• Motor sobrecarrega. • Reduzir a marcha ou diminuir a
carga.
• Nível de óleo do motor baixo. • Completar o nível de óleo.
• Nível de líquido de • Completar o nível de líquido de
arrefecimento baixo. arrefecimento no reservatório do
radiador, verificar se há
vazamento no sistema. Caso o
vazamento persista, entrar em
contato com o seu Concessionário
New Holland.
• Correia do ventilador/alternador • Verificar a tensão da correia.
deslizando ou desgastada. Substituir a correia se estiver
desgastada.
• Termostato com defeito. • Trocar.

5-3
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

MOTOR (Continuação)

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÃO

• Motor superaquecendo • Sistema de arrefecimento • Lavar sistema de arrefecimento


entupido internamente
• Termostato não está • Verificar o termostato.
funcionando corretamente.
• Vazamento nas mangueiras. • Apertar as conexões das
mangueiras
• Manômetro ou indicador de • Entrar em contato com o seu
temperatura com defeito. Concessionário New Holland.

• Consumo excessivo de • Filtro de ar sujo ou entupido • Realizar manutenção do filtro de


combustível. ar.
• Motor sobrecarregado. • Reduzir a marcha ou diminuir a
carga.
• Folga incorreta das válvulas. • Verificar e levar para regulagem no
seu Concessionário New Holland.
• Implemento com regulagem • Consultar o Concessionário New
errada. Holland para a operação correta.
• Temperatura do motor muito • Levar os injetores para revisão no
baixa. seu Concessionário New Holland.
• Lastro incorreto • Acrescentar lastro para eliminar
deslizamento das rodas. Contatar
o seu Concessionário New
Holland para obter mais detalhes.
• Injetores de combustível com • Pedir para o seu Concessionário
defeito. New Holland revisar os injetores.
• Pressão excessiva nos pneus/ • Calibrar os pneus com a pressão
deslizamento dos pneus ou recomendada.
lastro incorreto.
• Sistema de freios com defeito/ • Entrar em contato com o seu
emperrado. Concessionário New Holland.

5-4
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

SISTEMA HIDRÁULICO

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÃO

• Sistema hidráulico não funciona • Nível de óleo baixo • Completar o óleo.


bem. • Filtro hidráulico entupido. • Trocar o filtro hidráulico.
• Sistema hidráulico com defeito. • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland.
• Bomba do levantador hidráulico não • Entrar em contato com o seu
funciona bem. Concessionário New Holland.

• Fluido hidráulico • Nível do fluido muito alto ou baixo. • Completar ou diminuir o nível de óleo.
superaquecendo • Elemento do filtro hidráulico • Trocar o filtro.
entupido.
• Engates mecânicos com defeito • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland.

• Comando auxiliar não funciona • Mangueiras mal conectadas • Conectar mangueiras corretamente
• Sobrecarga do sistema • Diminuir a carga ou usar um cilindro
adequado.
• Acoplamentos incorretos • Corrigir acoplamentos.

LEVANTADOR HIDRÁULICO E ENGATE DE TRÊS PONTOS

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÃO

• O engate não levanta quando a • Conexões do engate mal • Entrar em contato com o seu
alavanca de comando é conectadas. Concessionário New Holland.
ativada • Ajuste de pressão baixo. • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland.
• Engate sobrecarregado. • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland.

• Engate não levanta totalmente • Ajuste incorreto dos braços do • Entrar em contato com o seu
levantador hidráulico Concessionário New Holland
• Regulagens internas. • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland

• O engate baixa lentamente. • Engate apertado ou prendendo • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland
• Comando da velocidade de descida • Levar para verificação das válvulas no
ajustado incorretamente. seu Concessionário New Holland.

• O levantador hidráulico opera • Controle combinado de Tração/ • Regular o Controle combinado de


lentamente com Controle de Posição ajustado incorretamente. Tração/Posição.
Tração. • Velocidade de descida muito lenta. • Levar para verificação das válvulas no
seu Concessionário New Holland.
• Implementos não funciona bem • Regular os ajustes do implemento.

• O levantador hidráulico opera • Controle combinado de Tração/ • Levar para verificação das válvulas no
muito rapidamente com Posição ajustado incorretamente. seu Concessionário New Holland.
Controle de Tração.

5-5
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

FREIOS

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÃO

• O freio somente é ativado com • Regulagem do pedal incorreta. • Verificar e regular.


o pedal totalmente
pressionado.

• O trator puxa para um lado • Freios com regulagem desigual. • Regular.


quando os freios são
aplicados.

• Freio com ruído • Contaminação com óleo • Entrar em contato com o seu
Concessionário New Holland

SISTEMA ELÉTRICO

PROBLEMA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÃO


• O sistema elétrico não funciona. • Terminais da bateria frouxos ou • Limpar e apertar os terminais.
corroídos.
• Baterias sulfatadas. • Verificar o nível do eletrólito. Se o
sistema não funcionar. Entrar em
contato com o seu Concessionário
New Holland.
• Gravidade específica baixa ou falta • Trocar ou encher com eletrólito até a
de continuidade gravidade específica.
• Velocidade baixa do motor de • Conexões frouxas ou corroídas. • Apertar/Reparar.
partida e dificuldade para dar • Bateria descarregada. • Verificar o nível do eletrólito/
partida no motor. Recarregar
• Motor de partida não funciona. • Alavanca seletora alta-baixa e • Colocar alavancas de marchas em
alavanca de mudança de marchas neutro.
engatadas.
• Conexões frouxas ou corroídas. • Limpar e apertar as conexões frouxas.
• Bateria totalmente descarregada. • Recarregar ou substituir a bateria
• Motor de partida com defeito • Entrar em contato com o seu
Concessionário Autorizado.
• Luz de advertência do • Velocidade da marcha lenta do • Aumentar a velocidade da marcha
alternador pisca com o motor motor baixa. lenta.
funcionando. • Correia do ventilador/alternador • Verificar a tensão da correia.
frouxa/cortada.
• Bateria com defeito. • Verificar o nível do eletrólito. Caso o
problema persista, entrar em contato
com o seu Concessionário Autorizado.
• Alternador com defeito. • Levar o alternador para verificação no
seu Concessionário Autorizado.
• Bateria não recarrega. • Terminais frouxos ou corroídos. • Limpar e apertar os terminais.
• Baterias sulfatadas. • Verificar o nível do eletrólito
• Correia frouxa ou desgastada. • Verificar a tensão da correia e, se
necessário, substituir a correia.
• Bateria com defeito. • Trocar

5-6
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

5-7
SEÇÃO 5 – LOCALIZAÇÃO DE ANOMALIAS

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

5-8
SEÇÃO 6 – ARMAZENAGEM DO TRATOR

SEÇÃO 6
ARMAZENAGEM DO TRATOR

O texto a seguir é para fins informativos e de orientação. Para obter mais informações relativas a
armazenagem por períodos prolongados do trator, consultar o seu Concessionário New Holland.

ARMAZENAGEM DO TRATOR PREPARO PARA USO APÓS ARMAZENAGEM

Antes de armazenar o trator por um período Após uma armazenagem prolongada, preparar o
prolongado, tomar as precauções a seguir: trator para uso da seguinte maneira:

• Limpar o trator. • Calibrar os pneus com a pressão correta e baixar


o trator até o solo.
• Drenar o motor e transmissão/eixo traseiro e
encher com óleo limpo. • Abastecer o(s) reservatório(s) de combustível.

• Verificar o nível de líquido de arrefecimento do • Verificar o nível de líquido de arrefecimento do


radiador. Se a próxima troca de líquido de radiador.
arrefecimento estiver programada para as
próximas 200 horas trocar, drenar, enxaguar e • Verificar todos os níveis de óleo.
encher o sistema. Consultar a operação 36 nesta
seção • Instalar a bateria totalmente carregada.

4. Funcionar o motor por uma hora para dispersar o • Remover a cobertura da abertura do tubo de
líquido de arrefecimento por todo o sistema. escape.

• Lubrificar todas as graxeiras. • Dar partida no motor e verificar se todos os


instrumentos e comandos funcionam. Usar o
• Usar o sistema hidráulico do trator no Controle de sistema hidráulico do trator no Controle de
Posição para levantar o engate de levantamento Posição para levantar totalmente o engate de
e apoiar os braços de levantamento na posição levantamento e remover os apoios.
levantada.
• Andar com o trator sem carga para certificar-se
• Retirar a bateria e armazenar em um ambiente de que está funcionando satisfatoriamente.
quente e seco. Recarregar periodicamente.

• Levantar o trator e colocar suportes nos eixos


para tirar o peso dos pneus.

• Cobrir a abertura do tubo de escape.

6-1
SEÇÃO 6 – ARMAZENAGEM DO TRATOR

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

6-2
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

SEÇÃO 7
ESPECIFICAÇÕES

As especificações nas páginas seguintes são para Assunto Página


fins informativos e de orientação. Para obter mais
informações relacionadas ao seu trator, consultar o Dimensões Gerais 7-2
seu Concessionário New Holland.
Peso do Trator 7-4

Motor 7-5
A New Holland segue uma política de melhoria
contínua e se reserva o direito de alterar preços, Sistema de Arrefecimento 7-6
especificações ou equipamentos a qualquer hora e
sem aviso prévio. Embreagem 7-6

Todos os dados fornecidos neste Manual estão Tomada de força 7-6


sujeitos a variações entre os produtos. As
dimensões e os pesos são apenas aproximados e Engate de Três Pontos 7-6
as ilustrações não mostram necessariamente os
tratores em condições padrão. Para obter Sistema Hidráulico 7-6
informações precisas sobre um trator específico,
consultar o seu Concessionário New Holland. Equipamentos Elétricos 7-7

Direção 7-7

Freios 7-7

Lubrificantes e Capacidades de Fluidos 7-8

7-1
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

DIMENSÕES GERAIS

*NOTA: As dimensões a seguir são baseadas em tratores padrão equipados com os tamanhos de pneu
mostrados. Deve-se admitir variações para pneus com dimensões maiores ou menores.

TT 75 (2WD) TT 55 (2WD)

As dimensões a seguir são baseadas em Dianteiro 7.50x16 6.00x16


tratores com os tamanhos de pneu Traseiro 16.9x28 16.9x28
mostrados.

A Vão livre até o solo sob o eixo dianteiro mm 500 500


in 19.7 19.7

B Largura da bitola dianteira (Padrão) mm 1410 1340


in 57 53

C Largura da bitola traseira (Padrão) mm 1520 1475


in 60 56.5

D Largura total (Padrão) mm 1990 1850


in 78.5 73

7-2
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

E Altura no topo do escape mm 2375 2200


in 93.5 86.6

F Altura no topo do volante de direção mm 1550 1550


in 61 61

G Vão livre até o solo sob o eixo traseiro mm 555 530


in 22 21

H Entre-eixos mm 2200 2050


in 86.6 80.7

J Comprimento total mm 3775 3400


in 149 134

Raio de giro mínimo mm 3643 3530


(Bitola dianteira padrão e sem frear) in 143 139

*NOTA: Se o seu trator estive equipado com pneus de tamanho diferente, as dimensões acima variam devido
a diferença no raio de rodagem e largura da seção dos pneus instalados.

TT 75 (4WD) TT 55 (4WD)

As dimensões a seguir são baseadas em Dianteiro 11.2x24 9.5x24


tratores com os tamanhos de pneu Traseiro 16.9x30 16.9x28
mostrados.

A Vão livre até o solo sob o eixo dianteiro mm 410 380


in 16 15

B Largura da bitola dianteira (Padrão) mm 1545 1445


in 61 57

C Largura da bitola traseira (Padrão) mm 1520 1475


in 60 58

D Largura total (Padrão) mm 1990 1850


in 78.5 73

E Altura no topo do escape mm 2385 2210


in 94 87

F Altura no topo do volante de direção mm 1650 1650


in 67 67

G Vão livre até o solo sob o eixo traseiro mm 555 530


in 22 21

7-3
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

H Entre-eixos mm 2160 2010


in 85 79

J Comprimento total mm 3775 3400


in 149 134

Raio de giro mínimo mm 5200 5100


(Bitola dianteira padrão e sem frear) in 205 201

*NOTA: Se o seu trator estive equipado com pneus de tamanho diferente, as dimensões acima variam devido
a diferença no raio de rodagem e largura da seção dos pneus instalados.

PESO DO TRATOR – 2WD TT 75 TT 55

No eixo dianteiro kg 950 850

No eixo traseiro kg 1420 1300

Peso total kg 2370 2150

PESO DO TRATOR – 4WD

No eixo dianteiro kg 1105 1010

No eixo traseiro kg 1390 1265

Peso total kg 2495 2275

*NOTA: Os pesos acima se baseiam em unidades de construção padrão, sem lastro nem equipamentos
opcionais e devem ser usados somente como orientação.

7-4
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

MOTOR TT 75 TT 55

Marca Iveco

Tipo 8045.05.700 8035.05.700

Potência CV 75 55

Número de cilindros 4 3

Diâmetro mm 104

Curso mm 115

Capacidade volumétrica cm³ 3908 2931

Taxa de compressão 18:1

Seqüência de injeção 1-3-4-2 1-2-3

Rotação de marcha lenta rpm 650 + ou - 25

Rotação máxima sem carga rpm 2750-2790

Rotação nominal rpm 2500 + ou - 50

Folga das válvulas

Admissão, Escape (frio) mm 0,45 + ou - 0,05

Admissão, Escape (quente) mm 0,30 + ou - 0,05

7-5
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

SISTEMA DE ARREFECIMENTO TT 75 TT 55
Tipo Recirculação pressurizada
derivada

Tipo de termostato Cera


Inicia a abertura a °C 79 + ou - 2
Abertura total a °C 94
Tampa de pressão do radiador bar / p.s.i. 0,88 / 12,76
EMBREAGEM
Tipo Seco duplo
Diâmetro do disco mm 280
Diâmetro do disco da embreagem da mm 280
TDF
Curso livre do pedal mm 40 - 45
TOMADA DE FORÇA (TDF)
Tipo Independente
Rotação com motor para 540 rpm RPM 1967
Controle Alavanca manual
Rotação Sentido horário
( trator visto de trás)
ENGATE DE TRÊS PONTOS
Capacidade máxima de levantamento kg
(c/ cilindro auxiliar) 2155 -

Capacidade máxima de levantamento


1525 1525
(s/ cilindro auxiliar)
Tipo Cat. II Cat. I e II
SISTEMA HIDRÁULICO
Tipo de sistema ADDC ativo
Tipo de Bomba Hidráulica Tipo de engrenagem, acionada pelo motor,
Deslocamento positivo

Pressão da válvula de alívio bar / p.s.i. 186–191/2702–2773


Vazão da bomba litros/min. 34

Dispositivo Lift–O–Matic Controlado por botão, para operação


de levantamento/baixamento rápido

7-6
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TT 75 TT 55

Alternador 14 V, 23 A

Regulador Integral ao alternador

Bateria V 12 12
100 Ah a 20 horas 88 Ah a 20 horas

Engate positivo
Motor de partida
Operado por solenóide

Classificação e tipo das lâmpadas

Farol W 60 / 55

Luzes do freio W 21

Luzes da sinaleira direcional W 21

Luz de estacionamento W 5
Farol de serviço W 55
DIREÇÃO MECÂNICA (onde instalada)

Tipo – Mecânico

Capacidade de óleo ml – 1000


DIREÇÃO HIDROSTÁTICA (onde instalada)

Tipo de bomba Engrenagem, acionado pelo motor

Vazão à rotação nominal litros/min. 28,8


Pressão máxima

2WD bar/p.s.i. 110/1595


4WD bar/p.s.i.
125/1013
Capacidade de Óleo ml
2000
FREIOS

Tipo Disco úmido

No. de discos por lado 4 3

Curso livre do pedal mm 35–45

Freio de estacionamento padrão Tipo Alavanca Manual de Empurrar–Puxar

7-7
LUBRIFICANTES E LÍQUIDOS DE ARREFECIMENTO
A especificação da viscosidade correta do óleo do
motor depende da temperatura ambiente.
Consultar o quadro à direita para selecionar o óleo
para o motor do seu trator.
NOTA: Em áreas com períodos prolongados com
temperaturas extremas, práticas locais de
lubrificação são aceitáveis; como o uso de SAE
5W30 em temperaturas extremamente baixas ou
SAE 50 em temperaturas extremamente altas.
Enxofre no Combustível
O período para troca do óleo do motor consta na
seção 3. Entretanto, o combustível disponível em
alguns locais pode conter um alto teor de enxofre,
em cujo caso o período de troca de óleo do motor
deverá ser adaptado da seguinte maneira:
Teor de Enxofre % Período de Troca de Óleo
Abaixo de 0,5 Normal NOTA: O uso de combustível com teor de enxofre
0,5 – 1,0 Metade do normal acima de 1,3% não é recomendado.
acima de 1.0 Um quarto do normal.

Tabela 1:

FLUIDOS E APLICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO QUANTIDADES


RECOMENDADOS NEW HOLLAND INTERNACIONAL APROXIMADAS
ÓLEO DO MOTOR NH 330G API CF4 10,7 litros (TT75)
AMBRA SUPER GOLD 15W–40 7,5 litros (TT55)
ÓLEO HIDRÁULICO E DA TRANSMISSÃO 29 litros# (TT75)
AMBRA Multi G (SAE 10W–30) NH 410 B API GL4, ISO 32/46 29 litros# (TT55)
ÓLEO DO FILTRO DE AR NH 330G API CF4 1,0 litro (TT75)
AMBRA SUPER GOLD 15W–40 1,0 litro (TT55)
ÓLEO DA REDUÇÃO FINAL DO EIXO NH 520 A API GL5 5,6 litros (TT75)
TRASEIRO SAE 80W–90 9,0 litros (TT55)
AMBRA HYPOIDE 90
GRAXEIRAS/ROLAMENTOS NH 710 A NLGI #2 Conforme
AMBRA GR9 necessário
ÓLEO DA DIREÇÃO (Hidráulica)
AMBRA Multi G NH 410 B API GL4 ISO 32/46 2,0 litros (TT75)
(SAE 10W–30) 2,0 litros (TT55)
ÓLEO DA DIREÇÃO (Mecânica) NH 520 A API GL5 1.0 litros (TT55)
AMBRA HYPOIDE 90 SAE 80W–90
ÓLEO DO DIFERENCIAL DO EIXO 5.5 litro (TT75)
DIANTEIRO NH 410 B API GL4 ISO 32/46 5.5 litros (TT55)
AMBRA Multi G 10W-30
CUBO DO EIXO DIANTEIRO 1.25 litros (TT75)
AMBRA Multi G (SAE 10W–30) NH 410 B API GL4 ISO 32/46 1.25 litros (TT55)
LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO DO
RADIADOR
Capacidade do Sistema 13,4 litros (TT75)
10,3 litros (TT55)
*Água 50%
AMBRA Agriflu NH 900 A 50%
# Na versão NH TT 55 4WD é de 33,0 litros.
Na versão NH TT 75 4WD é de 34,0 litros.
*NOTA: Consultar a Operação 2, Página 4–7 e Operação 33, Página 4–28 para obter mais detalhes antes de
completar ou trocar o líquido de arrefecimento do motor.

7-8
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

7-9
SEÇÃO 7 – ESPECIFICAÇÕES

NOTAS
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

7-10
SEÇÃO 8 – ÍNDICE

SEÇÃO 8
ÍNDICE
A Dicas para economizar combustível 1-16

Acelerador de pedal 2-9 Dicas úteis 1-4

Acessórios de reboque 3-14 Diesel combustível 1-9, 4-3

Ajuste da Correia 4-15 Dimensões gerais 7-2

Ajustes da bitola 3-21 Drenagem de água do filtro de comb. 4-12

Alavanca do acelerador manual 2-5 Durante as primeiras 50 horas de operação 4-2

Anticongelante 4-28 E
Armazenagem de combustível 4-4 Ecologia e o meio ambiente 1-4
Armazenagem do trator 6-1 Emissão de Ruído na Atmosfera 1-17
Armazenagem do veículo 6-1 Engate de reboque 1-10
Assento 2-2 Engate de três pontos 3-12, 5-5, 7-6
B Engate superior 3-11

Balancim do levantador hidráulico 3-15 Engates inferiores 3-13

Bateria 4-18, 4-34 Engrenagens do redutor 2-12

Blindagens 4-5 Especificações da direção 7-7

Botão da buzina 2-5 Especificações da embreagem 7-6

C Especificações da tomada de força 7-5


Especificações do freio 7-7
Caixa de fusíveis 4-33
Especificações do motor 7-5
Capac. - lubr., combustível, refrigerante 7-8
Especificações dos equipamentos elétricos 7-7
Comandos nos pés 2-9
Especificações hidráulicas 7-6
Combustível 4-3
Condução do trator 1-6 F
Conexão de equip. acionados pela TDF 3-7 Faróis 4-3

Conexão de equipamentos com 3 pontos 3-12 Filtro da bomba de alim. combustível 4-19

Contr. combinado de posição e tração 3-22 Filtro de combustível 4-19

Controle de resposta 3-24 Filtro de óleo 7-8

Controle de sensitividade 3-24 Filtro de óleo do motor 4-21

Convergência 3-29 Filtro de óleo hidráulico 4-22

Correntes de retenção 3-15 Flexibilidade dos intervalos de manutenção -2

D Folga da válvula 4-24


Folga do pedal da embreagem 4-13
Decalques de segurança 1-11
Folga do pedal do freio 4-13
Declarações de precaução 1-5
Folga do tucho 4-21
Depurador de ar 4-8, 7-8
Freio de estacionamento 2-7
Desligar o motor 3-6

8-1
SEÇÃO 8 – ÍNDICE

G Óleo da transmissão 4-21, 4-27, 7-8

Garantia 1-1 Óleo do acionamento final 4-22

Graxeiras 4-16 Óleo do motor 4-7, 4-20

H Operação do controle da tração 3-21

Hastes de levantamento 3-13 Operação do controle de posição 3-21

Horímetro 2-3 Operação do Flutuador 3-22

I Operação do trator 1-7

Identificação do Motor 1-2 P


Identificação do produto 1-2 Painel de instrumentos 2-3
Implementos recomendados 1-10 Partida em clima frio 3-6
Informações Gerais 1-1, 4-1 Partida em clima quente 3-5
Injetores de combustível 4-26 Partida no motor 3-5
Instruções de condução 1-6 Partida no motor com cabos de part. direta 3-4
Interruptor da luz de advertência de perigo 2-5 Peças de serviço 1-1
Interruptor da sinaleira direcional 2-6 Peso do trator 7-4
Interruptor de partida 2-5, 3-5 Pesos da roda traseira 3-32
Interruptor do farol 2-5 Pesos de ferro fundido 3-32
L Placa de identificação do veículo 1-2

Lastreamento 3-31 Porta de suprimento externa 3-25

Lastro líquido 3-33 Precauções de segurança 1-1, 1-5

Levantador hidráulico 5-5 Pré-purificador de ar 4-9

Lift-O-matic 3-23 Pressão dos pneus 3-34, 4-15

Limites de Lastro 3-32 Pressão dos pneus e cargas permissíveis 3-35

Limpeza do trator 1-1 Prevenção da contaminação do sistema 4-2

Lubrificação e Manutenção 4-2 Procedimento de amaciamento 3-2

Luz de trabalho 4-32 Programa de revisões 4-7

Luzes do freio/direção/posição 4-33 Proteção do sistema elétrico 4-34

Luzes indicadoras 2-3 Q


M Quadro de Lubrificação e Manutenção 4-6

Manômetro de temperatura da água 2-4 R


Manômetro do óleo do motor 2-3 Refrigerante 4-7
Manômetros 2-3 Refrigerante do radiador 4-7, 4-28
Manutenção geral 4-31 Regulagem da bitola das rodas diant. 3-26
Marcha lenta do motor 4-31 Regulagem da bitola das rodas traseiras 3-30
Medidor de combustível 2-4 Reservatório de combustível 4-4
O Respiro da transmissão 4-24

Óleo da direção 4-29, 7-7 Revisão das primeiras 50 horas 1-1, 4-2

8-2
SEÇÃO 8 – ÍNDICE

Revisões no trator 1-8 Tração nas quatro rodas 3-28


Rolamentos das rodas dianteiras 4-22 Transmissão 8 + 2 2-11
S V
Sangria do sistema de injeção de comb. 4-31 Velocidade de avanço 2-12
Símbolos internacionais 1-15 Verificações de pré-operação 3-2
Sistema de arrefecimento 4-28, 7-6
Índice Numérico
Sistema elétrico 5-6
Sistema hidráulico 3-20 Revisão de 10 horas ou diária 4–7

Solução de prob. engate de três pontos 5-5 Revisão de 50 horas 4–13

Solução de problemas no motor 5-6 Revisão de 300 horas 4–19

Solução de problemas no sist. hidráulico 5-5 Revisão de 600 horas 4–24

Solução de problemas no sistema elétrico 5-6 Revisão de 1200 horas/12 meses 4–27

Solução de problemas nos freios 5-6


Substituição de lâmpadas 4-33
T
Tacômetro 2-4
Tomada de força 3-7
Torques das porcas das rodas 4-15

8-3
A New Holland segue uma política de melhorias contínuas e se reserva o direito de alterar preços,
especificações ou equipamentos a qualquer hora e sem aviso prévio.
Todos os dados fornecidos neste manual estão sujeitos a variações entre os produtos. As dimensões e os
pesos são apenas aproximados e as ilustrações não mostram necessariamente os tratores em condições
padrão. Para obter informações precisas sobre um trator específico, consultar o seu Concessionário New
Holland.