Você está na página 1de 92

FICHA TÉCNICA

renováveis magazine 33
1.º trimestre de 2018

Diretor
Amadeu Borges
amadeub@utad.pt
Corpo Editorial
Diretor Comercial: Júlio Almeida
T. +351 225 899 626
renováveis magazine
revista técnico-profissional de energias renováveis
j.almeida@renovaveismagazine.pt
Redação: Helena Paulino
André Mendes
Tel.: +351 220 933 964
redacao@renovaveismagazine.pt

Design
Daniel Dias
2 editorial nota técnica
Webdesign
Ana Pereira biomassa, uma opção que se impõe 46 maior fiabilidade nos rolamentos de
a.pereira@cie-comunicacao.pt um sistema de suporte do eixo principal
Assinaturas
T. +351 220 104 872 4 espaço APESF
assinaturas@engebook.com case study
www.engebook.com
a terceira coluna
50 matérias-primas para as tecnologias
Conselho Redatorial energéticas hipocarbónicas
Alexandre Fernandes (ISEG) 6 renováveis na lusofonia
Álvaro Rodrigues (FEUP/INEGI) 56 vantagens económicas na aplicação do BioCat
Ana Estanqueiro (LNEG) análise dos dados estatísticos internacionais em ETARs
António Joyce (LNEG) sobre o acesso à energia e às energias
António Sá da Costa (APREN) 58 o que é a tecnologia PERC?
António Lobo Gonçalves (EDP RENOVÁVEIS) renováveis nos países lusófonos – 3.ª Parte
João Abel Peças Lopes (FEUP/Inesc) 60 regulamento geral sobre a proteção de dados
João Bernardo (DGEG) da UE
Joaquim Borges Gouveia (UA) 8 notícias
José Carlos Quadrado (ISEL)
Nuno Moreira (UTAD) reportagem
Maria Teresa Ponce Leão (FEUP/LNEG)
22 dossier sobre biomassa
Rui Castro (IST) 62 grupo Knauf promove conferência
23 a geração elétrica com biomassa, uma tarefa com Carrilho da Graça
Colaboração
Amadeu Borges, Karl Moosdorf, Jorge Herrero, pendente
66 “a Efacec está no centro da revolução
Alba Ortiz Álvarez, Lígia O. Martins,
Ana Cristina Gonçalves, Adélia M. O. Sousa, 24 Javier Díaz: “acredito que o futuro é promissor da mobilidade elétrica”
Isabel Malico, Francisco Gírio, Luís Oliveira, e que o crescimento do nosso setor continuará
Sónia Figo, Teresa Almeida, Luís Gil, em velocidade de cruzeiro”
Mónica Pinheiro, Bradley Baldwin, informação técnico-comercial
Tony Fierro, Jerry Fox, Laurentiu Ionescu, 26 PEF: uma alternativa com futuro 70 Viessmann amplifica a sua gama de bombas
Thierry Pontius, Teresa Rodrigues,
Luís Pitorro Soares, Fernando Nevado, 28 biodegradação e valorização da lenhina, o mais de calor
Bernd Hantsche, Carlos Alberto Costa, abundante polímero aromático na natureza
João Graça Gomes e André Mendes 72 M&M Engenharia Industrial: integração: EPLAN
32 estimação da biomassa aérea com imagens e Melsoft iQ Works
Tiragem de satélite de alta resolução espacial
5000 Exemplares 74 instalação de autoconsumo com bateria
34 avaliação da disponibilidade de resíduos de alta voltagem BYD e inversor híbrido
Periodicidade
Trimestral florestais de pinheiro bravo para produção Kostal PIKOBA
de energia 76 soluções Pick-to-Light e Put-to-Light
Redação, Edição e Administração
CIE – Comunicação e Imprensa Especializada, Lda.® 36 biomassa – uma fonte de energia renovável da Weidmüller
Grupo Publindústria
Tel.: +351 225 899 626/8 . Fax: +351 225 899 629 fundamental no futuro mix energético nacional
geral@cie-comunicacao.pt . www.cie-comunicacao.pt 38 fontes alternativas de biomassa para energia 78 produtos e tecnologias
Propriedade 42 floresta | gestão de combustíveis | biomassa
Publindústria – Produção de Comunicação, Lda.
| energia 86 bibliografia
Empresa Jornalística Registo n.º 243 163
Praça da Corujeira, 38 . Apartado 3825 44 patentes relacionadas com o binómio
4300-144 Porto
Tel.: +351 225 899 620 . Fax: +351 225 899 629 biomassa-energia 88 links

Publicação Periódica
Registo n.º 125808
Depósito Legal: 305733/10
ISSN: 1647-6255

INPI
Registo n.º 452220

Impressão e Acabamento
acd print
Rua Marquesa d´Alorna, 12 A | Bons Dias www.renovaveismagazine.pt
2620-271 Ramada
Aceda ao link através
deste QR Code
Os artigos assinados são da exclusiva
responsabilidade dos seus autores. /renovaveismagazine

Estatuto Editorial disponível em


www.renovaveismagazine.pt
1
editorial

biomassa, uma opção


que se impõe

A procura de energia para satisfazer uma demanda crescente, tem obrigatoriamente de pas-
sar pelo aproveitamento dos recursos endógenos passíveis de resultar em energia útil e que,
de alguma forma, sejam de fácil obtenção e conversão, recorrendo obviamente/naturalmente
Amadeu Borges a tecnologias maduras, sem se correr o risco de entrar no absurdo das fontes de energia que
Diretor têm de ser suportadas mensalmente pelo consumidor, para além do custo real de cada uni-
dade de energia consumida.

No que diz respeito a Portugal em que, para já, e com teores de humidade muito baixos. Pior de incêndios de 2017 e com a necessidade pre-
os recursos fósseis não passam de um processo ainda, o corte sem planeamento de árvores a mente de utilização de fontes de energia reno-
exploratório ao qual acresce um rumo contra- que se assiste nos últimos dias, criando amplas váveis. Conciliam-se todos estes motivos, com
ditório na sua utilização, estes recursos endóge- clareiras que mais parecem desertos, motiva- a necessidade de repensar numa utilização efe-
nos estão bem identificados e a biomassa surge dos por uma legislação que muito dificilmente tiva e eficiente da biomassa existente nos espa-
como o recurso que está disponível para tecno- será solução, mas que parece ser solução finan- ços rurais para efetivar uma política energética
logias de conversão que já deram provas da sua ceira para muitos dos intervenientes neste pro- que explore eficazmente este recurso natural.
eficiente utilização e maturidade. blema. Acresce, ainda, que estes espaços abertos Tendo presente exclusivamente as questões
Portugal, e no que diz respeito exclusivo à sem ponderação se irão constituir como espa- da gestão da floresta e da proteção civil das
biomassa, deu provas da vontade de utilização, ços de maior intensidade de produção de nova populações, qualquer iniciativa que passe por
quando num passado recente foram lançados biomassa de espécies arbustivas, com necessida- tentar resolver os seus principais problemas
a concurso 100 MW, distribuídos por 15 cen- des crescentes de gestão e/ou remoção. passa, antes de mais, e sem qualquer sombra
trais (cujo objetivo era atingir, em 2010, a meta Infelizmente não têm ainda passado de retó- de dúvida, por valorizar estes espaços e, por
de 150 MW de potência instalada baseada em rica as ideias veiculadas para a biomassa aquando encontrar fontes de rendimento para os seus
biomassa). O que falhou para que apenas algu- da definição da Estratégia Nacional para a Ener- proprietários que assim se sintam estimulados
mas unidades estejam atualmente em produção? gia apresentada em 2005 pelo Ministério da à sua gestão efetiva. A valorização da biomassa
A resposta é relativamente fácil/óbvia: faltou pla- Economia e da Inovação. Nessa altura (e bem), pode ser um dos mais impor tantes recur-
neamento e a criação prévia de uma logística de a valorização energética da biomassa era apon- sos que vão fornecendo periodicamente ren-
recolha e de tratamento da muita biomassa dis- tada com um caminho que levaria à diminuição das aos seus proprietários, antes do corte final
ponível no país. Com efeito foi como se tentasse das importações de energia fóssil, à diminuição dos povoamentos, sempre associados a longos
construir uma casa pelo telhado. do risco de incêndio, à criação de emprego e iria períodos de rotação. As regiões do “interior”
Desde 2010, poucas alterações ocorreram contribuir, também, para diminuir a desertifica- podiam, assim, ser valorizadas e permitir a cria-
no panorama da valorização energética da bio- ção nas regiões que frequentemente se iden- ção de dinâmicas de promoção para a criação
massa. No entanto, a biomassa existe e todos os tificam pela tipologia de territórios de interior. de emprego e de riqueza.
anos se torna em combustível que sustenta os Certo que as tecnologias para a valorização Contudo, importa ainda reforçar a ideia de
incêndios florestais. Neste contexto, seria rele- energética da biomassa estão disponíveis para que a biomassa potencial para a valorização
vante fazer-se um exercício sobre a quantidade tempos de retorno de investimento inferiores energética não é só a que advém das florestas.
de energia que é libertada para a atmosfera e a 5 anos (curiosamente coincidentes com os É, também, a que todos os dias é introduzida
que, de nenhuma forma, é valorizada. É óbvio ciclos médios de recorrência de grandes incên- nos aterros sanitários, muita dela sem valoriza-
que um incêndio traz consigo perdas muito dios), ou até menos, questiona-se o que falta ção, ou aquela que é resultante das explorações
dramáticas, quase nunca completamente com- a Portugal para pôr em prática políticas que agropecuárias, que para além de ser valorizada
preendidas na sua intensidade e complexidade conduzam, de forma racional, à diminuição do energicamente, representaria um importante
quando, de forma sistemática (e negligente), dei- combustível disponível para a ocorrência de contributo para reduzir os enormes impactos
xamos combustível espalhado pelas nossas flo- incêndios. ambientais.
restas. Estas tecnologias para a valorização ener- Como conclusão, torna-se urgente a defini-
Em grande medida por força da consciên- gética devem ser ponderadas numa estratégia ção de uma política para a valorização ener-
cia deste problema, Portugal apressou-se a criar integrada de desenvolvimento do interior, cada gética da biomassa, com todas as vantagens
legislação que obriga à limpeza dos espaços flo- vez mais despovoado e abandonado, mas com inerentes para a economia das regiões e para
restais que, de acordo com os entendidos nas um potencial de recursos que podem e devem o seu desenvolvimento sustentável, em detri-
questões da biodiversidade e das florestas, é ser utilizados e geridos, numa visão de necessi- mento de políticas que pouco contribuem para
uma legislação que não tem em conta várias dade de gestão de uma floresta mais dinâmica os problemas identificados, e que, em pouco ou
questões, nomeadamente o destino de toda a e diversa, em prol da segurança das pessoas e nada, contribuem para um progresso sólido e
biomassa que fica assim disponível junto ao solo bens, cuja importância foi tão evidente na época harmonioso do país.

2
PUB.
espaço apesf

a terceira coluna
Durante as últimas décadas foram desenvolvidas em Por- os seus máximos entre abril e novembro, colmatando assim
tugal duas tecnologias renováveis para transformar a força o vazio do verão.
da natureza em eletricidade. Em primeiro lugar, Portugal Até há pouco tempo, o preço elevado dos sistemas foto-
instalou uma capacidade enorme de centrais hídricas. Ini- voltaicos bloqueou este caminho mas, entretanto, este obs-
ciou-se há dezenas de anos e a construção das centrais táculo está ultrapassado. O que faz falta é uma estratégia
que fornecem grande parte da energia elétrica no nosso para instalar sistemas fotovoltaicos, seja em modelos centra-
país ainda não está finalizada. lizados ou descentralizados. No setor residencial, comercial
ou industrial para autoconsumo, através da rentabilização
Mas as centrais hídricas precisam de uma matéria-prima dos telhados, mas também em grandes centrais de produ-
para produzir energia elétrica: água. Os anos recentes mos- ção centralizada, especialmente em locais onde a radiação
tram uma tendência – obviamente em consequência das solar é mais abundante.
Karl Moosdorf
alterações climáticas – de irregularidade na precipitação.
Associação Portuguesa
Este facto torna imprevisível a produção da energia hídrica
das Empresas do Sector
Fotovoltaico e condiciona as estimativas dessa produção. A partir de
abril/maio a produção através da hídrica desce drastica-
mente e esta fonte de energia só recupera a sua capacidade
em novembro/dezembro.
Nos últimos 20 anos foi instalada uma outra tecnolo-
gia renovável de grande capacidade: a eólica. Entretanto, a
produção de eletricidade através de parques eólicos ultra-
passou os valores da hídrica e a tecnologia tornou-se na
fonte renovável mais importante do país. Mas a produção
de energia eólica não consegue resolver o problema da
oscilação da produção hídrica por uma razão simples: tam-
bém a eólica tem uma produção mais baixa no período
entre abril e novembro.

Gráfico 2 De 2008 a 2017, a tecnologia com um maior crescimento em


potência instalada foi a eólica (2,26 GW). No entanto em termos relativos
a tecnologia que mais cresceu foi a fotovoltaica, tendo evoluído de uma
potência instalada residual para 481 MW.

O Gráfico 2 mostra bem que o fotovoltaico, como ter-


ceira coluna, tem uma capacidade de crescimento muito
elevada.
A rede elétrica pode suportar esta capacidade sem
grandes investimentos, se a instalação do fotovoltaico for
acompanhada por várias medidas. Para balancear a rede,
Gráfico 1 podem ser usadas as hídricas para armazenar a energia pro-
duzida durante o dia. Deve ainda ser criado um mercado
que incentiva a utilização da energia elétrica de forma mais
Quem conhece a curva da produção do fotovoltaico eficiente.
sabe de imediato a resposta ao problema descrito ante- O investimento nesta terceira coluna pode ser suportado
riormente. Esta tecnologia, que ainda há poucos anos atrás completamente pela economia privada. Considerando que
se apresentava com preços elevados, entretanto consegue o fotovoltaico consegue produzir a preços competitivos, o
produzir eletricidade mais barata do que qualquer outra apoio do Estado reduzir-se-ia à criação de condições favo-
fonte de energia – seja renovável ou não renovável. E, ao ráveis em termos de legislação e de garantia de modelos de
contrário da hídrica e eólica, o fotovoltaico mostra o seu negócio para períodos prolongados, que permitem a renta-
máximo de produção exatamente na altura em que as bilização dos investimentos.
outras fontes têm pouca capacidade. Estas condições per- O Gráfico 3 mostra a contribuição das energias reno-
mitem a construção de uma terceira coluna para suportar o váveis no cenário de desenvolvimento normal. A instalação
nosso sistema energético. O fotovoltaico – ao nível mundial da terceira coluna podia aumentar drasticamente os valo-
já é a maior tecnologia instalada em 2017 – pode produzir res indicados, criando postos de trabalho não só na própria

4
espaço apesf

indústria fotovoltaica, como também na indústria do alumínio (estruturas),


Ao contrário da hídrica e eólica, o fotovoltaico mostra no setor elétrico com todos os materiais necessários para as instalações,
o seu máximo de produção exatamente na altura em que no setor da construção, entre outros.
as outras fontes têm pouca capacidade. (...) O fotovoltaico O Gráfico 4 demonstra que o setor das renováveis é o que mais contri-
– ao nível mundial já é a maior tecnologia instalada bui para o PIB nacional, do que a média do país.
em 2017 – pode produzir os seus máximos entre abril A indústria fotovoltaica tem as capacidades e as tecnologias para alcançar
e novembro, colmatando assim o vazio do verão. os objetivos descritos acima. O que faz falta? Começar!

Gráfico 3 Estimativa da contribuição total do setor de eletricidade FER para o PIB Nacional
(milhões de euros). Gráfico 4 Evolução do rácio PIB por trabalhador (k€).
PUB.

5
renováveis na lusofonia

análise dos dados estatísticos internacionais


sobre o acesso à energia e às energias
renováveis nos países lusófonos – 3.ª PARTE
O Brasil é destacadamente o país com maior capacidade Numa análise cumulativa por tecnologia, a grande hídrica
renovável instalada, decorrente também da sua dimensão. é a principal contribuidora, seguida da eólica, da pequena
A capacidade total tem vindo a aumentar a um ritmo está- hídrica, da solar e por fim da energia geotérmica que ape-
vel e considerável desde 2000. Portugal é o país seguinte nas é aproveitada em Portugal.
com maior capacidade renovável instalada, o que é mais Olhando para o peso de cada tecnologia no mix por país
www.aler-renovaveis.org
relevante dada a sua pequena dimensão. verifica-se que a hídrica, quer de grande quer de pequena
Analisando o mesmo gráfico, sem a influência dos dois paí- dimensão, perfaz maior parte da capacidade renovável insta-
ses já referidos, seguem-se os dois países africanos de maiores lada em Angola, no Brasil, na Guiné Bissau em Moçambique,
dimensões, isto é, Angola e Moçambique, cujos dados devem São Tomé e Timor Leste. A eólica é expressiva no Brasil, Por-
ser lidos no eixo secundário à direita do gráfico. Enquanto a tugal e Cabo Verde, em que apesar da capacidade instalada
capacidade de Moçambique se tem mantido relativamente seguir esta ordem entre os três países com o Brasil a atingir
estável, com adições e subtrações de pequena dimensão, em uns impressionantes 10,7 GW, o peso no mix segue a ordem
Angola é mais visível os saltos referentes à entrada em fun- inversa. Em termos do solar é de destacar não só o caso de
cionamento de novas centrais. Entre os restantes países é Portugal que tem de longe a maior capacidade instalada, mas
a Guiné Equatorial que apresenta uma maior capacidade também o caso de Cabo Verde, que apesar da sua dimensão
renovável instalada, uma realidade apenas desde 2012. Cabo possui mais capacidade solar instalada do que Angola e ape-
Verde aparece, de seguida, com um aumento desde 2010. nas menos 9 MW do que o Brasil. Os recursos da biomassa
São Tomé e Príncipe viu a sua já diminuta capacidade reno- apenas são aproveitados para a produção da eletricidade em
vável baixar a partir de 2010, e os restantes países não pos- Angola, no Brasil, em Moçambique e em Portugal. Em termos
suem capacidade renovável instalada relevante. do mix geral, Portugal tem aquele mais diversificado e Cabo
Verde destaca-se por possuir apenas as renováveis ditas inter-
mitentes e de mais difícil gestão, agravado pelo facto de esta-
rem distribuídas por sistemas isolados e de pequena dimensão
em cada uma das ilhas, o que consiste um excelente exemplo
e prova que é possível integrar na rede este tipo de renová-
veis sem problema, mesmo em sistemas pequenos.
O RISE (Regulatory Indicators for Sustainable Energy) ape-
nas apresenta dados para 3 dos 9 países lusófonos: Brasil,
Angola e Moçambique.
Nos indicadores gerais o Brasil tem pontuações sempre
acima de 50, recebendo a pontuação máxima para o acesso
à energia. A sua mais baixa pontuação é para a eficiência
energética, o que é comum para os outros dois países. As
pontuações de Angola e Moçambique são muito baixas e
muito inferiores à média regional dos países da África Sub-
Gráfico 13 Capacidade de energia renovável instalada por tecnologia saariana. No caso de Angola, a pontuação mais baixa é para
em 2016. Fonte: IRENA. o indicador das energias renováveis. Esta realidade não é

Gráfico 14 Mix de capacidade de energia renovável instalada por


tecnologia em 2016. Fonte: IRENA. Gráfico 15 Pontuação geral. Fonte: RISE.

6
PUB.
muito abonatória para o desenvolvimento destes mercados e atra-
ção de investimento estrangeiro, pelo que ainda há muito trabalho
a ser desenvolvido e que se insere no âmbito de atuação da ALER.

Gráfico 16 Índices de indicadores de acesso à energia. Fonte: RISE.

Analisando, ao detalhe, os indicadores de acesso à energia verifica-se


que o Brasil recebe pontuação máxima em todos. Já Angola e Moçam-
bique só atingem esta pontuação curiosamente para a capacidade dos
consumidos para pagar a eletricidade, o que provavelmente decorre do
facto das tarifas serem altamente subsidiadas, apesar de não cobrirem
os custos de produção. Angola compara melhor ao nível da existência
de políticas, planos e enquadramento, área em que Moçambique pon-
tua insuficientemente. Todavia, Moçambique recebe pontuações mais
elevadas na avaliação da utility, ao contrário de Angola.

Gráfico 17 Índices dos indicadores de energia renovável. Fonte: RISE.

Para os indicadores de energias renováveis, o Brasil mantém pon-


tuações elevadas, exceto no que diz respeito ao risco da contraparte
e dos preços e monitorização do carbono. Neste último indicador
todos os países lusófonos analisados levam a nota mínima. Angola
está consistentemente abaixo de Moçambique, exceto nas questões
de ligação à rede, que recebem pontuação nula em Moçambique. Este
é, aliás, o indicador em que ambos os países pontuam pior, seguido
daquele relativo ao planeamento. Verifica-se que Angola recebe uma
pontuação nula no que diz respeito ao enquadramento legal para as
energias renováveis e nos atributos dos incentivos fiscais e regulató-
rios, componentes tidas como essenciais para a participação do setor
privado que neste contexto dificilmente se desenvolverá.
notícias

Base de dados de stakeholders Smurfit Kappa em Pitea, Suécia,


na área das Energias Renováveis atualiza os seus sistemas de
Marinhas monitorização da condição com
a nova geração SKF
SKF Portugal – Rolamentos, Lda.
Tel.: +351 214 247 000 � Fax: +351 214 173 650
skf.portugal@skf.com � www.skf.pt

ENGENHARIA aposta na procura das melho-


res soluções, passando por uma seleção de for-
necedores de renome mundial, um bom prazo
de entrega para uma grande variedade de solu-
O MARINERG-i é um projeto europeu do ções e uma assistência técnica, que procura defi-
H2020 no qual o WavEC colabora, e que tem nir a escolha mais adequada para a sua aplicação
como objetivo produzir um plano científico e industrial.
um plano de negócios para uma entidade jurí-
dica independente (ERIC) para infraestru- Para evitar paragens não programadas, a fábrica
turas de teste distribuídas - unidas para criar de papel Smurfit Kappa em Pitea, Suécia, está a
um centro integrado para desenvolver energia F.Fonseca apresenta novo catálogo implementar um sistema de monitorização de
renovável offshore. Ao consolidar experiência, formação 2018 nova geração, o IMx-8 da SKF. O sistema mede
competência, investimento e acesso a infraes- F.Fonseca, S.A. em simultâneo, e emite um alarme à menor alte-
truturas de investigação o MARINERG-i irá pro- Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910 ração no desempenho, aumentando assim o
mover inovação numa gama de tecnologias de ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com nível de controlo sobre a condição do equipa-
energia renovável offshore, e ao longo de várias /FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda mento. Além de vibrações, o sistema pode tam-
fases de desenvolvimento. Sendo a única plata- bém incorporar outros parâmetros do processo,
forma integrada para energia renovável offshore como pressão e temperaturas, para melhorar
nesta escala, estará no epicentro desta indús- ainda mais a perceção da integridade da máquina.
tria emergente. A Smurfit Kappa está a atualizar as unidades de
Neste sentido, o projeto está a criar uma base monitorização LMU existentes da SKF para o
de dados de stakeholders e gostaria de convi- novo IMx-8 e está a ligar as unidades de medi-
dar todos os interessados a subscrever a mailing ção à versão mais recente do software de moni-
list do MARINERG-i para: receber a newsletter; torização, @ptitude Observer, também da SKF.
receber informação sobre oportunidades de Mais de 1000 pontos de medição, nas máqui-
financiamento e convite para eventos ligados ao nas de papel PM1 e PM2, são continuamente
MARINERG-i; participar em inquéritos de forma monitorizados. “A manutenção reativa é quatro
a incluir o feedback dos stakeholder na proposta Todo o trabalho da F.Fonseca é orientado, única vezes mais dispendiosa do que a manutenção pro-
final e no modelo de negócio da futura infraes- e exclusivamente, para a satisfação das orga- gramada, logo a tendência dentro da indústria é
trutura distribuída MARINERG-i. Este tipo de nizações que lhes confiam o desenvolvimento para programar manutenção”, diz Hans Steding,
contacto não será muito frequente, pois a news- pessoal e profissional dos seus colaboradores. Coordenador de Negócios para Monitorização
letter é enviada a cada 6 meses, e pedidos de É grande a responsabilidade de formar e ensi- da Condição da SKF, em Lulea.
informação são pontuais. nar, uma vez que o que fazem pode e deve ter A SKF é pioneira no desenvolvimento de moni-
um impacto positivo na produtividade e rentabi- torização avançada da condição, com ativida-
lidade de profissionais e empresas. des de pesquisa na Suécia, tecnologia testada e
As constantes melhorias que implementam nas comprovada e desempenho documentado em
Stock de válvulas e acessórios ações que promovem, os novos parceiros que muitas fábricas, por todo o mundo. “Ao identifi-
ALPHA ENGENHARIA - Equipamentos procuram e os novos meios pedagógicos que car a causa de uma falha no equipamento, é pos-
e Soluções Industriais adquirem reforçam esse compromisso. Prova sível criar os meios para impedir uma paragem.
Tel. +351 220 136 963 � Tlm. +351 933 694 486 disso é o número de novas ações que promo- Isto aumenta a vida útil da máquina e economiza
info@alphaengenharia.pt � www.alphaengenharia.pt vem relativamente a 2017. São quase 40% do enormes somas em custos de manutenção para a
novo catálogo formação 2018, comprovando empresa”, diz Hans.
A ALPHA ENGENHARIA publica um novo a irrequietude e vitalidade que tanto nos cara- A Smurfit Kappa, em Pitea, é a maior fábrica
folheto na área de válvulas & acessórios para terizam. Este trabalho é fruto de muito envol- de kraftliner da Europa e todos os anos fabrica
promover, junto dos técnicos de manutenção e vimento e grande dedicação de todos os que 700 000 toneladas, de um papel utilizado na pro-
projeto, algumas soluções. integram a equipa da F.Fonseca, colaborado- dução de cartão ondulado de elevada qualidade.
Neste folheto divulgam uma seleção de vál- res e parceiros externos, mas resulta também O kraftliner é feito de novas fibras, material de
vulas de diferentes tipos, como por exemplo da essencial colaboração dos formandos e suas madeira em bruto, o que significa que o papel
válvulas macho esférico, válvulas agulha, vál- organizações que continuamente transmitem tem boa capacidade de impressão, é muito forte
vulas de retenção, válvulas borboleta, válvu- as suas necessidades e expectativas. Peça o seu em ambientes húmidos e é quimicamente e bio-
las pneumáticas, válvulas redutoras de pressão, catálogo gratuitamente através do email forma- logicamente limpo. A Smurfit Kappa em Pitea,
purgadores, eletroválvulas e válvulas de sede cao@ffonseca.com ou faça o download da ver- tem cerca de 510 funcionários. “Aqui na Smur-
inclinada. Desde o primeiro dia que a ALPHA são digital em www.ffonseca.com/downloads. fit Kappa em Pitea, estamos ansiosos pelo novo

8
notícias

sistema, que nos ajudará a automatizar muito do Os Triacs estão disponíveis num pacote Tecnologia ABB permite a expansão
que é atualmente a análise manual da condição TO-220AB isolado em cerâmica, que responde de parque solar no Dubai
do equipamento. Este é um bom próximo passo às necessidades de imunidade e alta comutação, ABB, S.A.
no nosso trabalho de digitalização”, diz Jonas Snäll, oferecendo uma solução económica com boa Tel.: +351 214 256 000 � Fax: +351 214 256 247
Engenheiro de Manutenção da Smurfit Kappa compensação da corrente de surto versus imu- comunicacao-corporativa@pt.abb.com � www.abb.pt
em Pitea. nidade e comutação. O pacote também é com-
patível com RoHS (2002/95/EC).
Os Triacs de 3 quadrantes não podem ser liga-
Phoenix Contact lança dos no quarto quadrante, o que é favorável
novo invólucro para o seu em aplicações com cargas indutivas. Além disso,
minicomputador Raspberry Pi todos os componentes são dispositivos sem snu-
Phoenix Contact, S.A. bber, portanto, não é necessária uma rede resis-
Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769 tiva/capacitiva (se os limites da folha de dados
www.phoenixcontact.pt forem respeitados). A série fornece uma guia
isolada (classificada em 2500 Vrms) e é certifi-
cada pela UL. Os dispositivos são destinados a A ABB recebeu uma encomenda no valor de
circuitos onde elevada e dinâmica dV/dt podem mais de 90 milhões da DEWA (Dubai Electricity
ocorrer. and Water Authority), a principal concessionária de
As suas aplicações incluem comutação de carga energia dos Emirados Árabes Unidos (EAU), para
de linha CA de uso geral, eletrodomésticos, ven- construir a subestação de 400 kV Shams, que
tilador, bomba, solenóide, iluminação, aquecedo- integrará energia solar nas próximas fases do par-
res, circuitos limitadores de corrente de partida que solar Mohammed Bin Rashid Al Maktoum, na
e circuitos de proteção de alavanca de sobre- rede da cidade. Esta será a segunda subestação
tensão. da ABB para o parque, exemplificando o com-
A série UCS-RPI complementa a gama de pro- promisso da empresa de fornecimento de ener-
dutos de invólucros eletrónicos universais e pro- gia fiável aos consumidores e atender ao setor de
tege os modelos de Raspberry Pi B2 e B3, de construção e infraestrutura junto de clientes de
forma fiável, contra influências mecânicas e físi- Campanha Bestsellers Sylvac serviços públicos e industriais.
cas. O invólucro com grau de proteção IP 40 até 31 de julho Para aumentar o fornecimento de energia e
com os tamanhos 125 mm x 87 mm e 145 mm EUROTECNOLOGIA – Máquinas e Equipamentos atingir as metas do uso de fontes renováveis, os
x 125 mm estão disponíveis nas cores cinzento Industriais, Lda. Emirados Árabes Unidos lançaram a ambiciosa
claro ou preto. As paredes laterais intercompa- Tel.: +351 229 377 785 � Fax: +351 229 377 786 Dubai Clean Energy Strategy 2050 para tornar
tíveis dos invólucros eletrónicos possuem, de info@eurotecnologia.pt � www.eurotecnologia.pt a cidade num centro global de energia limpa e
fábrica, aberturas para as ligações padrão dos economia verde. O parque solar Mohammed
módulos Raspberry Pi. Graças aos acessórios bin Rashid Al Maktoum, localizado no interior a
de montagem adequados pode utilizar os invó- 50 km a sul de Dubai, tem sido uma parte cen-
lucros em segurança sobre mesas e em calhas tral da estratégia para a energia renovável do
metálicas, ou montá-los diretamente na parede. Dubai. Quando concluído em 2030, o parque
ocupará 214 km2, irá gerar 5000 MW e reduzirá
as emissões de carbono em cerca de 6,5 milhões
de toneladas. A ABB é responsável pelo projeto,
Nova série T da Snubberless™ Triacs fornecimento, instalação e comissionamento da
e 16 A da STMicroelectronics subestação Shams de 400/132 kV que, uma vez
RUTRONIK Elektronische Bauelemente GmbH Já se encontra em vigor a campanha Bestsellers concluída, terá uma capacidade total de mais
Tel.: +351 252 312 336 � Fax: +351 252 312 338 Sylvac. A marca suíça que se dedica à conceção de 2000 megavolts-amperes (MVA). Quando a
rutronik_pt@rutronik.com � www.rutronik.com e fabrico de sistemas e instrumentos de medi- Fase 3 do projeto for concluída em 2020, o ano
ção digital para uso industrial é representada em em que o Dubai será o anfitrião da Expo 2020,
Portugal pela EUROTECNOLOGIA, e disponibi- a energia solar total gerada por meio da Solar
liza aos seus clientes uma oferta variada de pro- Photovoltaic excederá os 1000 MW e reduzirá
dutos com preços especiais até 31 de julho de as emissões de carbono.
2018. A subestação da ABB inclui o fornecimento
Nesta campanha é possível encontrar produ- de disjuntores isolados a gás de 400 e 132 kV,
tos das várias gamas disponibilizadas pela Sylvac, transformadores de potência, sistemas de pro-
entre eles comparadores digitais, paquímetros, teção, automação e controlo, bem como siste-
micrómetros exteriores e interiores, instru- mas de vigilância e comunicação. A subestação
mentos de pequena e média dimensão, son- também será compatível com a IEC 61850,
Os novos Triacs da série T oferecem mais das e displays digitais, colunas de altura, bancos para suportar a comunicação aberta e contí-
opções para diferentes tipos de cargas. Partes de medição, sistemas óticos, instrumentos com nua com todos os dispositivos inteligentes. Em
da nova série T da ST, o Triac T1635T-8I Snub- Bluetooth e cabos e softwares. É possível conhe- 2017, a ABB entregou a sua primeira subesta-
berless™ 16 A, são projetadas para um número cer toda a gama de produtos em www.sylvac.ch, ção conetando a 2.ª fase do MBR Solar Park
crescente de cargas CA em aplicações de con- e as promoções junto da EUROTECNOLOGIA e integrando 200 megawatts (MW) de ener-
trolo de aparelhos. ou consultando via correio eletrónico. gia à rede.

9
notícias

Rittal tem novo website TI Beckhoff apresenta um novo Built-in informar sobre a periodicidade da recolha, pro-
Rittal Portugal Panel PC cedimentos de deposição, bem como sobre as
Tel.: +351 256 780 210 � Fax: +351 256 780 219 Bresimar Automação, S.A. mais-valias deste novo sistema, nomeadamente o
info@rittal.pt � www.rittal.pt Tel.: +351 234 303 320 apoio a causas sociais.
Tlm.: +351 939 992 222 Com o mote “Reciclar é dar +”, a ação baseia-se
bresimar@bresimar.pt � www.bresimar.com numa abordagem positiva por contacto proativo,
também porta a porta, pela qual se somam e apre-
sentam vantagens individuais (funcionais e financei-
ras) e sociais de adesão a este sistema específico
de recolha de resíduos urbanos: proximidade,
comodidade, sustentabilidade e solidariedade, uma
vez que os resíduos recicláveis recolhidos reverte-
rão a favor dos Bombeiros Voluntários de Valongo
e Bombeiros Voluntários de Ermesinde.
Atualmente, a digitalização de todos os seto- A maior eficiência deste novo sistema – que per-
res de produção, comércio e outras empresas mite menor frequência de recolha e uma maior
requer uma provisão rápida e adequada de solu- A Bresimar Automação já tem disponível o novo qualidade dos fluxos – configura-se como um
ções TI, através de datacenters que podem ser Panel PC da Beckhoff. Uma solução adequada importante investimento de alavancagem de
adquiridos de forma simples e económica, bem para a aplicação em construção de máquinas, oti- poupanças públicas e privadas na gestão dos
como ser operada de forma eficiente e segura. mizado para o software de automação TwinCAT resíduos urbanos, tendo igualmente em vista as
Para selecionar a solução adequada, as empresas 3 em Windows Embedded Compact 7. Das suas metas preconizadas para o país no PERSU 2020.
necessitam de uma ampla gama de opções. A Rit- caraterísticas destacam-se, um processador ARM A ação de sensibilização irá dar suporte à imple-
tal está a demonstrar a sua experiência como um Cortex™ – A8 a 1 GHz com 1GB DDR3 de mentação de circuitos de recolha seletiva porta-
facilitador de soluções de TI inovadoras através RAM, touchscreen de 10,1” (1024 x 600 WSVGA), -a-porta nos municípios abrangidos pela LIPOR,
de uma presença especial na Internet (www.rit- comunicação EtherCAT, proteção frontal IP54, ali- em cerca de 25 mil fogos sinalizados – maiorita-
tal.com/it-solutions/en). As suas soluções variam mentação 24V DC e temperatura de funcio- riamente no setor residencial.
desde racks de TI individuais até datacenters con- namento até 55°C. O Panel PC CP6600 é um
tainers, chave-na-mão, com a máxima modula- equipamento de elevado desempenho que apre-
ridade, escalabilidade e eficiência. Os modelos senta uma ótima relação qualidade/preço.
adicionais de consultoria, serviços e operação Kiev recebe “Ukrainian Energy
permitem que a Rittal e os seus parceiros ofere- Week ‘18”
çam às empresas o melhor suporte ao longo do
ciclo de vida de um datacenter. Recolha seletiva porta a porta
Além das informações do produto no web- no Município de Valongo
site www.rittal.com, os visitantes podem receber LIPOR- Serviço Intermunicipalizado de Gestão de
informações específicas e soluções aos problemas Resíduos do Grande Porto
colocados em apenas alguns cliques. Isto garante Tel.: +351 229 770 100 � Fax: +351 229 756 038
conteúdo abrangente, orientado a soluções e prá- info@lipor.pt � www.lipor.pt
tico, em tópicos tais como Big Data, Cloud Com-
puting e segurança de TI. Os visitantes também
podem, rápida e facilmente, entrar em diálogo com
os especialistas da Rittal e colocar questões indivi- A “Ukrainian Energy Week ’18” será realizada no
duais.“Atualmente, cerca de 75% da tomada de deci- NSC Olimpiyskiy, em Kiev (Ucrânia), entre os
são é baseada em informações na Internet”, explica dias 2 e 4 de outubro de 2018.
Dirk Miller, Vice-Presidente Executivo de Marke- Durante os três dias do evento, os fóruns serão
ting da Rittal.“Com o nosso novo website TI e a nossa o grande destaque da “Ukrainian Energy Week
experiência, estamos a oferecer suporte confiável ’18”, debatendo e colocando em destaque um
aos clientes na decisão de elaboração do processo”. vasto conjunto de temas da atualidade energé-
Além da possibilidade de estabelecer contac- Começou no dia 27 de fevereiro a implemen- tica. Paralelamente aos fóruns, no local estará
tos, a informação está disponível em todos os tação de um novo sistema de recolha seletiva instalada uma plataforma de exposição comer-
tópicos sob a forma de documentos, folhetos e porta a porta, no Município de Valongo. O novo cial, potenciando o encontro e as sinergias entre
referências. As empresas vão encontrar exem- circuito de recolha seletiva decorrerá, regular- empresas, desenvolvedores e investigadores
plos específicos de aplicações (em temas como mente, no setor residencial e também no de ser- ucranianos e estrangeiros, investidores e repre-
a velocidade ou segurança) nas suas respetivas viços, em 3 zonas do concelho: nas cidades de sentantes de diversas organizações.
linhas de negócios. Complementados por refe- Alfena, Ermesinde e Valongo. Assim, reunindo diversos players do mercado da
rências e imagens emocionais, os desafios e as A implementação deste novo sistema será pre- indústria de energia, a semana contará com três
soluções apresentadas tornam-se tangíveis para cedida da distribuição de equipamentos de con- importantes fóruns: IIІ “Ukrainian Renewable Energy
os visitantes. Através do “design responsivo”, os tentorização para recolha dedicada das várias Forum ‘18” no dia 2 de outubro; ІІ “Ukrainian Energy
utilizadores também podem experimentá-lo em frações (papel/cartão, plástico/metal, vidro e indi- Efficiency Forum ’18” a 3 de outubro; ІІІ “Ukrainian Oil
todos os dispositivos móveis e em movimento. ferenciados), a cada um dos fogos abrangidos, em and Gas Investment Forum ‘18” no dia 4 de outubro.
O novo website TI da Rittal está disponível em simultâneo com uma ação de sensibilização, que A revista “renováveis magazine” é media partner
Inglês em www.rittal.com/it-solutions/en. irá introduzir e apelar a uma correta separação, oficial da “Ukrainian Energy Week ’18”.

10
PUB.
notícias

CIRCUTOR formaliza acordo de Para alcançar o maior desempenho nos pro- dos Preços do MIBEL no ano de 2016 tendo
colaboração com a Universidade cessos, a Weidmüller apoia com os serviços em Conta Cenários de Crescimento da Produ-
Salesiana de Sarrià (EUSS) Klippon® Services, todas as fases do processo ção em Regime Especial”. Foram ainda atri-
CIRCUTOR, S.A. de construção dos quadros. Como exemplo a buídas menções honrosas a Inês Barreira do
Tlm.: +351 912 382 971 � Fax: +351 226 181 072 Weidmüller apresenta o Configurator (WMC) Instituto Superior Técnico, e Rita Machado da
www.circutor.com que inclui o novo serviço de entrega rápida para Faculdade de Ciências da Universidade de
a obtenção de uma flexibilidade extra nos pro- Lisboa. O Prémio APREN insere-se nas ini-
jetos. Como software, o WMC não só oferece ciativas levadas a cabo pela Associação, dire-
suporte para as necessidades individuais e parti- cionadas especialmente para os estudantes
culares dos clientes, mas também abrange todos universitários. Em 2015, a APREN criou a
os processos na construção e montagem de marca APREND, onde agrega todas as iniciati-
quadros. vas deste género.

Associação Portuguesa de Energias Formações na M&M Engenharia


O acordo de colaboração permitirá a coloca- Renováveis lança Prémio APREN Industrial
ção de uma instalação fotovoltaica de 4,0 kW 2018 M&M Engenharia Industrial, Lda.
que servirá como laboratório de ensaio para APREN Tel.: +351 229 351 336 � Fax: +351 229 351 338
os seus alunos. A 13 de fevereiro de 2018 foi Tel.: +351 213 151 621 � Fax: +351 213 151 622 info@mm-engenharia.pt � info@eplan.pt
formalizado o acordo de colaboração com a apren@apren.pt � www.apren.pt www.mm-engenharia.pt � www.eplan.pt
Universidade Salesiana de Sarrià (EUSS) enca-
beçada pelo Presidente de CIRCUTOR, Ramón A M&M Engenha-
Comellas e o Diretor da EUSS, Andreu Moreno; ria Industrial já tem
Acordo mediante o qual a CIRCUTOR atribui à agendado algumas
EUSS vários equipamentos eletrónicos destina- ações de forma-
dos à construção de uma instalação fotovoltaica ção para 2018, a
de 4,0 kW de potência. decorrer nas suas
O objetivo desta instalação é servir como labo- instalações, em
ratório de ensaio para os seus estudantes, tendo Moreira da Maia.
acesso a equipamento comercial e de última As ações de For-
geração. Através dos analisadores e do inversor mação Essencial
híbrido Cirpower, os estudantes tiveram a possi- A APREN – Associação Portuguesa de Ener- EPLAN Electric
bilidade de imitar uma instalação em tempo real, gias Renováveis anuncia a 4.ª edição do Prémio P8 que decorre-
e ensaiaram todos os tipos de configuração dis- APREN 2018, uma iniciativa que pretende divul- ram nos meses de
poníveis (off-grid, on-grid, com acumulação, entre gar e premiar dissertações académicas realizadas fevereiro e março tiveram lotação esgotada e
outros). em instituições de Ensino Superior portuguesas, a que iniciará no dia 9 de abril já tem as inscri-
relacionadas com a eletricidade de origem reno- ções abertas. Até ao final de 2018, a Formação
vável. As candidaturas estão abertas até ao dia Essencial, composta por 8 dias e considerada o
15 de julho. pilar de todas as formações EPLAN, pode ser
Klippon® Services da Weidmüller A edição deste ano, que conta com o apoio encontrada com agendamento para os meses
Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A. da EDP Produção e EDP Renováveis, destina- de junho, outubro e dezembro.
Tel.: +351 214 459 191 � Fax: +351 214 455 871 -se a teses de mestrado e de doutoramento e Abril e junho serão o mês das Formações
weidmuller@weidmuller.pt � www.weidmuller.pt atribuirá, pela primeira vez, prémios monetários EPLAN Avançadas: nos dias 14 e 15 de junho
também aos segundos melhores classificados decorrerá a Formação de Peças, Listas de Mate-
de cada categoria. Todos os trabalhos aceites a rial e Dados Mestres. O verão inicia-se na M&M
concurso serão expostos ao público no âmbito Engenharia com uma Formação EPLAN para
da Conferência anual da Associação, que terá Engenheiros de Manutenção que decorrerá de
lugar a 9 de outubro, na Fundação Oriente, em 9 a 13 de julho e a marcar o ano letivo, uma
Lisboa. Formação Essencial EPLAN Fluid de 10 a 14 de
A APREN, com o apoio da EDF - Energies setembro, uma Formação de Atualização de 17 a
Nouvelles, organizou em 2017 a 3.ª edição 21 e uma Formação Essencial EPLAN Pro Panel
do Prémio APREN, dedicada em exclusivo a de 1 a 4 de outubro.
teses de mestrado. Foram submetidas 23 can- O novo plano de formação para 2018 é a
Como parceiro em Industrial Connectivity, a Weid- didaturas de 5 instituições de ensino supe- garantia contínua de que a M&M Engenha-
müller acredita que a montagem de quadros é rior nacionais, tendo o júri selecionado 22 que ria oferece aos seus formandos uma possibi-
um processo integral que inclui planeamento, foram expostas ao público no âmbito da Con- lidade de crescimento profissional e pessoal
instalação e operação. O melhor exemplo são ferência anual da associação, realizada a 25 de no mercado. Os formadores de todas as ações
os produtos e serviços de suporte da Klippon® outubro. acima apresentadas são especialistas no soft-
Services que oferecem melhorias na produtivi- O primeiro prémio foi atribuído a João Teixeira, ware EPLAN e devidamente certificados. Todas
dade durante todas as etapas do processo de da Faculdade de Engenharia da Universidade as formações requerem inscrição através do
montagem dos quadros. do Por to, graças à sua tese “Comportamento email info@eplan.pt.

12
notícias

Conheça a oferta formativa e um sistema LED (na parte inferior), permi- está a estratégia da concorrência que cada vez
da SEW-EURODRIVE Portugal tindo assim armazenar energia solar durante o mais produz fora e aposta na importação. “Pre-
SEW-EURODRIVE Portugal dia para a iluminação noturna. O sistema é total- cisamos de uma infraestrutura local que satisfaça
Tel.: +351 231 209 670 mente autónomo, carrega a bateria durante o as necessidades da Austrália e da Nova Zelândia.
infosew@sew-eurodrive.pt � www.sew-eurodrive.pt dia e projeta a luz durante a noite. Estes são Portanto, estamos a investir localmente para ofere-
equipamentos adequados para pessoas e enti- cer um melhor serviço aos nossos clientes”, acres-
A SEW-EURODRIVE Portugal é uma empresa dades que necessitam de iluminação noturna e centa Hoiles.
formadora acreditada pela DGERT. Os forma- não têm acesso à rede elétrica. Mas também se A nova fábrica assegura os mais elevados
dores da SEW-EURODRIVE Portugal, Lda., estão destinam a todos os que necessitam de redu- padrões de qualidade, segurança e ambiente.
todos habilitados com CAP (Certificado de zir a fatura energética com a iluminação de rua Possui um alto grau de digitalização, enchimento
Aptidão Profissional). Como entidade certificada e que pretendam aumentar a sustentabilidade automático de alta velocidade e tubagens e tan-
pela Direção Geral do Emprego e das Relações ambiental. Com diferentes modelos ajustados ques resistentes à corrosão. Para além disso,
de Trabalho (DGERT), a formação técnica minis- às necessidades dos clientes mais diferentes, foram instalados painéis solares que geram mais
trada pela SEW-EURODRIVE Portugal possibilita os candeeiros podem ser utilizados para ilumi- de 155 kW de eletricidade e cobrem mais de
aos clientes o acesso aos apoios públicos para nar parques, estradas, jardins, praças, estaciona- 30% das necessidades energéticas da fábrica.
desenvolver as competências dos seus colabo- mento, passeios ou até mesmo bases militares e
radores, nomeadamente no âmbito da medida aeródromos de forma totalmente gratuita, autó-
Cheque-Formação. Esta medida constitui uma noma e sem necessitar de qualquer ligação à
modalidade de financiamento direto da forma- rede elétrica. Schneider Electric lança parceria
ção a atribuir às entidades empregadoras ou aos com a Sustainable Energy for All
ativos empregados (Portaria n.º 229/2015, de 3 (SEforALL)
de agosto). Schneider Electric Portugal
Na Mealhada irão decorrer as seguintes for- FUCHS abre nova fábrica com Tel.: +351 217 507 100 � Fax: +351 217 507 101
mações: MOVITRAC® LT a 23 de maio, MOVI- tecnologia de ponta na Austrália pt-atendimento-cliente@schneider-electric.com
-PLC® a 06 e 07 de junho, MOVIDRIVE® B a 19 FUCHS Lubrificantes Unip. Lda. www.schneider-electric.pt
de setembro, IPOS® Compiler a 26 de setem- Tel.: +351 229 479 360 � Fax: +351 229 487 735
bro, Acionamentos Eletromecânicos a 10 de fuchs@fuchs.pt � www.fuchs.pt
outubro, Sistemas Descentralizados a 17 de
outubro e o MOVITRAC® B a 07 de novem-
bro. Em Lisboa também haverão formações
como: MOVIDRIVE® B a 16 de maio em Lisboa,
MOVITRAC® B a 27 de junho, MOVIDRIVE®
B a 31 de outubro e MOVITRAC® LT a 14 de
novembro.
A pré-inscrição de par ticipantes deverá ser
enviada até 10 dias antes da data da formação, A Schneider Electric pretende reduzir a pobreza
carecendo a mesma de aprovação, a qual ocor- energética e garantir o acesso a energias reno-
rerá no limite até 5 dias antes da data da sessão. A FUCHS PETROLUB SE, fabricante mundial váveis, ao integrar uma parceria de 4 anos com a
O número de participantes por sessão está limi- independente de lubrificantes de alta perfor- Sustainable Energy for All (SEforALL), uma orga-
tado a 12 (exceto MOVI-PLC com um máximo mance e produtos relacionados, abre uma nova nização não-governamental global. Esta parceria
de 8 participantes). Outras sessões de formação fábrica com um laboratório de qualidade e pes- foi assinada a 23 de janeiro de 2018 na Reu-
serão realizadas a pedido. quisa em Beresfield, na Austrália. A fábrica com nião Anual do World Economic Forum, em Davos,
tecnologia de ponta foi construída em 18 meses pela CEO e representante especial do Secre-
e substitui a antiga unidade de produção austra- tário-Geral das Nações Unidas para a Energia
liana da FUCHS a operar desde 1979. A nova Sustentável, Rachel Kyte, e Jean-Pascal Tricoire,
Candeeiros solares da SolarLightek fábrica com 25 000 metros quadrados vai servir Chairman e CEO da Schneider Electric.
SolarLightek os mercados de mineração, agricultura e trans- A agenda de desenvolvimento sustentável das
Investeca, Lda. portes da Austrália e Nova Zelândia. Com uma Nações Unidas define 17 Objetivos de Desen-
Tel.: +351 244 205 965 � Tlm.: +351 919 108 203 elevada flexibilidade na mudança de produtos volvimento Global (SDGs) para cumprir até
info@solarlightek.com � www.solarlightek.com há um menor empate de capital e uma resposta 2030, para eliminar a pobreza, proteger o pla-
mais rápida aos requisitos do cliente. neta e assegurar segurança e prosperidade para
A SolarLightek, marca de uma inovadora gama Stefan Fuchs, o Diretor Executivo da FUCHS todos. O SDG 7 “garante o acesso a energia finan-
de candeeiros a energia solar LED, proporciona PETROLUB SE, inaugurou a fábrica de Beres- ceiramente acessível, sustentável e moderna para
a utilização da energia solar para a iluminação field a 15 de fevereiro de 2018 e destacou a todos” como um pré-requisito para a educação
noturna, através de sistemas solares fotovoltai- estratégia global focada na proximidade com o infantil, qualidade de vida, desenvolvimento eco-
cos de elevada qualidade para reduzir o valor da cliente que engloba o investimento da FUCHS nómico e sistemas de saúde efetivos. Enquanto
fatura de eletricidade e a contribuir para a sus- em novas unidades de produção em todo o mil milhões de pessoas continuarão a depender
tentabilidade do nosso planeta. mundo. “A Austrália é um mercado chave para a de energia poluente em 2030, o SDG 7 ambi-
O candeeiro solar SolarLightek, com um design FUCHS e é por isso que investimos na nova fábrica ciona reduzir este problema com o acesso uni-
elegante em liga de alumínio e vidro tempe- em Beresfield”, disse Stefan Fuchs. Wayne Hoiles, versal a energias limpas. O SDG 7 pretende
rado, reúne num mesmo bloco um painel solar Diretor-Geral da FUCHS Lubricants (Australá- melhorar a eficiência energética mundial, com
fotovoltaico (na parte superior), bateria li-ion sia), considera que, em contraste com a FUCHS o uso generalizado de energias renováveis no

13
notícias

paradoxo energético global. Uma organização na região centro do Alentejo; pinheiro bravo e LIPOR vence Prémio do Kaizen
não-governamental trabalha com líderes gover- eucalipto na região litoral centro), o que nos Institute
namentais, com o setor privado e com a socie- dá indicadores de que as biorefinarias locais, ali- LIPOR – Serviço Intermunicipalizado de Gestão
dade civil para atingir o SDG 7. mentadas de matérias-primas específicas seriam de Resíduos do Grande Porto
Através desta parceria, a Schneider Electric junta- sustentáveis. O valor monetário desta biomassa Tel.: +351 229 770 100 � Fax: +351 229 756 038
-se a empresas como a Enel, Iberdola e a Philips de matérias-primas depende da sua utilização info@lipor.pt � www.lipor.pt
Lighting, assim como a organizações como a Fun- mas se for queimada para produzir energia terá
dação das Nações Unidas e a Associação Glo- um valor claramente inferior caso venha a ser
bal Off-Grid Lighting (GOGLA). Como parceira, utilizada para produzir produtos químicos e
a Schneider Electric compromete-se a poten- outros materiais. A criação de biorefinarias para
ciar o desenvolvimento e a implementar efeti- converterem matérias-primas em produtos quí-
vamente quatro programas: “Building Efficiency micos e outros materiais de valor acrescentado
Accelerator”, “Industrial Energy Efficiency Accelera- com várias finalidades, entre as quais a alimen-
tor”, “People-Centered Accelerator” e o “Electrifi- tação humana e a alimentação animal poderá
cation Accelerator”, garantindo que os recursos requerer investimentos elevados. Por isso é pre-
certos estão disponíveis. ciso definir o negócio e qual o modelo que lhe
A Schneider Electric já nomeou a equipa res- deve corresponder caso-a-caso. A LIPOR foi reconhecida com o 1.º Prémio na
ponsável por cada um destes programas. Para O BIC, o parceiro privado da Bio - Based Indus- categoria PMEs “Excelência no Sistema de Melho-
suportar o trabalho, este Grupo tem acesso tries Joint Undertaking (BBI JU), publicou 3 novos ria Contínua”, na 7.ª edição do Prémio Kaizen
aos recursos da SEforALL, como heat maps – estudos que mapeiam o potencial e identifi- Lean, promovido pelo Kaizen Institute, que dis-
uma ferramenta que ajuda a gerir os recursos cam as oportunidades de expansão das bioin- tingue as entidades nacionais que se destacam
para maximizar o impacto nos vários acessos dústrias em Portugal, na Polónia e na Roménia. pelas iniciativas e resultados na melhoria con-
de energia, eficiência energética e renováveis. Os estudos destacam também os resultados tínua dos seus sistemas e operações. Na ceri-
Os mapas mostram o progresso global na ener- do exercício de mapeamento das fontes locais mónia de entrega dos prémios, que decorreu
gia sustentável baseada em informação de um de biomassa, que poderão ser utilizadas como hoje dia 11 de abril de 2018, no Museu do
conjunto de fontes, incluindo mais de 80 indi- matéria-prima sustentável para as atividades Oriente, em Lisboa, houve ainda oportunidade
cadores (o tipo de energia usada, a qualidade industriais bio-baseadas, bem como os princi- para assistir a uma mesa redonda com o tema
das redes elétricas, os fornecedores de ener- pais atores e os setores mais relevantes em cada “Transformar organizações e sustentar resulta-
gia, entre outros). Esta parceria com a SEforALL país. dos” com a presença de António José Rocha –
reforça o empenho da Schneider Electric em Em Portugal, o potencial das bioindústrias está Diretor de Recursos Humanos da Amorim &
promover o acesso global a energia segura, efi- diretamente relacionado com a ampla ativi- Irmãos; Eduarda Veiga Dias – Diretora de Logís-
ciente e sustentável, de acordo com a sua estra- dade industrial dos setores primários da indús- tica da Sakthi Portugal; e Rui Mota – Diretor do
tégia de sustentabilidade. Desde 2005 que o tria agroalimentar, silvicultura e pescas, a par da Centro de Excelência em melhoria contínua da
Grupo tem monitorizado o seu desempenho produção de produtos de cortiça e de couro. Sonae, onde ficou bem patente a importância da
em torno do desenvolvimento sustentável atra- Além de contribuir significativamente para a implementação de sistemas Lean na organização
vés do seu barómetro “Planet & Society”, que economia nacional, a atividade destes setores e gestão de processos, aumentando a eficiência
inclui um indicador que contabiliza o número de gera quantidades abundantes de fluxos resi- e os resultados das organizações.
pessoas desfavorecidas que tiveram formação duais que constituem uma fonte de poten- No início de 2017 a LIPOR deparou-se com a
sobre empregos na área da energia (150 000 cial matéria-prima para a bioindústria local. As desvalorização do preço por tonelada de plásti-
pessoas entre 2015 e 2017). quantidades em que estes fluxos são produzi- cos diversos, que representam cerca de 40% do
dos justificam a instalação de biorefinarias de material produzido na área da reciclagem de flu-
larga escala para a sua valorização. Neste con- xos de plásticos não-embalagem. Surgiu então a
texto, os desafios que Portugal terá que enfren- necessidade de maximizar o valor destes mate-
Biomassa: oportunidade tar incluem as explorações agrícolas - na sua riais otimizando o respetivo processo de triagem
de crescimento para setor agrícola maioria de pequena dimensão, a sua dispersão e foi lançado o foco na “Reconversão da Plata-
e florestal geográfica e a ausência de políticas nacionais de forma dos Plásticos”. Esta linha estratégica teve
apoio que promovam a adoção mais generali- 2 vertentes de atuação: melhoria do processo
Com mais de 1 milhão de toneladas/ano de zada da bioeconomia, a par da insuficiência de interno com eliminação do desperdício e revi-
resíduos de origem agrícola (fonte: Estudo ações de sensibilização acerca das potencialida- são do posicionamento e abordagem no mer-
Ibero Massa Florestal de 2014 que usa dados des e benefícios da economia circular. O traba- cado. Uma das áreas incidiu na organização dos
de 2007) e de mais de 1,7 milhões de tonela- lho que está em curso para a criação de uma postos de trabalho e criação de dinâmica de reu-
das/ano de resíduos florestais “verdes” + 750 k estratégia nacional para a bioeconomia, será niões para seguimento de indicadores core do
toneladas/ano de resíduos vegetais secos (outro o estímulo necessário ao desenvolvimento da processo, planeamento de trabalho, acompanha-
estudo de 2014 da Ibero Massa Florestal, com bioindústria. Portugal poderá vir a registar um mento de planos de ação e ciclos de melho-
dados de 2006), Portugal tem na biomassa uma aumento muito significativo das atividades das ria. Foi também redesenhado o layout da linha e
nova oportunidade de desenvolvimento e cres- indústrias bio-baseadas a breve trecho, tendo definidos novos procedimentos de operação da
cimento, sobretudo para os setores agrícola e em conta esta nova estratégia nacional para a linha de triagem. Em paralelo, e no outro foco de
florestal, revela um novo estudo do BIC - Bio- bioeconomia, e dado que além de possuir seto- ação, a consulta do mercado e revisão da estra-
-based Industries Consortium. Em Portugal exis- res primários muito fortes, o país já conta com a tégia comercial levou à negociação de melhores
tem também diferentes categorias de biomassa, presença de instituições de investigação de alto soluções comerciais para o material proces-
com maiores concentrações em regiões especí- nível, incluindo centros dedicados à biotecnolo- sado, criando-se vários subfluxos com interesse
ficas (por exemplo, cereais, tomates e azeitonas gia e à produção de microalgas. comercial.

14
notícias

Para a operação da linha de triagem de plásti- como opção. Adicionalmente, o utilizador pode completas de aproveitamento e utilização de
cos e afinação de plásticos rígidos, estima-se um criar a sua própria aplicação usando texto estru- energias renováveis, implementação de siste-
EBITDA 26% superior ao de 2016, o que se tra- turado (código ST). Estes controladores podem mas de eficiência energética e proteção ambien-
duzirá num aumento de 86 000€. Além disso ser convenientemente configurados usando um tal e tratamento de águas e resíduos. A oferta
criou-se um processo de acompanhamento do PC e com a ajuda do programa de instalação da Sotecnisol Power & Water diferencia-se por
mercado de comercialização dos plásticos, o que (incluindo editor de programas e editor ST). uma elevada qualidade dos seus produtos e ser-
permitirá responder de forma mais ágil a flutua- Não é necessária uma alimentação externa para viços, suportada por profissionais com uma larga
ções de mercado e desenvolver novas áreas de a configuração do controlador através da inter- experiência no setor e parceiros de referência
negócio na valorização multimaterial. Este pré- face USB (alimentação por USB). O diraTRON no mercado.
mio é para a LIPOR uma indicação clara de que da Jumo é indicado para diferentes aplicações A Sonervest é o braço financeiro do grupo, dedi-
o caminho percorrido, apesar de longo e atribu- que passam pela indústria cerâmica, engenharia cando-se à promoção de projetos de investi-
lado, é o caminho certo e leva-nos a querer fazer fabril e de máquinas, embalagem e termo for- mento, nomeadamente instalações fotovoltaicas
sempre mais e melhor, em nome da produtivi- mação, controlo de temperatura e processos de para venda de energia à rede ou autoconsumo.
dade e da eficiência dos processos e da susten- secagem, fornos e câmaras de secagem. A Keepon é a empresa do grupo que se dedica
tabilidade da organização. à manutenção e assistência técnica de sistemas
solares térmicos, fotovoltaicos, geradores, unida-
des de cogeração, ar-condicionado, caldeiras, sis-
Sotecnisol Power & Water executa temas de aquecimento e sistemas de tratamento
F.Fonseca apresenta controlador projeto de autoconsumo nas fábricas e elevação de águas de processo, águas de con-
compacto diraTRON da Jumo da Paladin – Mendes Gonçalves, S.A. sumo e águas residuais.
F.Fonseca, S.A. Sotecnisol
Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910 Tel.: +351 219 488 400 � Fax: +351 219 470 490
ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com geral@sotecnisol.pt � www.sotecnisol.pt
/FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda Nova secção de suporte ajustável
em altura da Rittal
Rittal Portugal
Tel.: +351 256 780 210 � Fax: +351 256 780 219
info@rittal.pt � www.rittal.pt

A Sotecnisol Power & Water executou para a


O diraTRON faz parte da nova família de con- Sonervest 2 unidades fotovoltaicas em auto-
troladores compactos universais de processo consumo (UPAC) nas instalações da Mendes
da Jumo, com 5 formatos, controlam tempe- Gonçalves S.A. e Mendes Gonçalves Embala-
ratura, pressão e outras variáveis de processo. gens, Lda, que totalizam uma potência instalada
Os controladores de processo diraTRON cara- de 658,3 kW. Com esta instalação, financiada Os braços de suporte são usados sempre que
terizam-se pela operação simples, claramente a 100% pela Sonervest do grupo Sotecnisol, a as unidades de operação e os terminais precisam
estruturada e suportada por texto. Os valores Mendes Gonçalves beneficiará de uma redução de ser posicionados de forma flexível para o fun-
de processo e os parâmetros são apresentados substancial do custo da eletricidade consumida cionamento da máquina. Para ajustar o terminal
em 2 displays LCD de 18 segmentos. As séries nas suas instalações, uma vez que adquirirá toda do operador precisamente à altura do operador,
702112, 702113 e 702114 estão adicionalmente a energia produzida pelo sistema fotovoltaico à melhorando ainda mais a ergonomia, a Rittal ofe-
equipadas com um display de matriz de pixéis Sonervest com um desconto substancial à tarifa rece agora uma secção de suporte ajustável em
para exibição de texto. Além disso, todos os con- de aquisição à comercializadora de eletricidade, altura para o seu sistema de braços de suporte
troladores possuem elementos de exibição indi- por um prazo de 15 anos. O projeto teve a par- CP. O novo produto está disponível em 2 versões
viduais para informação do estado das saídas ticipação ativa da Profit Energy, parceira de negó- nas faixas de peso de 4 a 30 kg e de 10 a 60 kg. O
digitais, bem como para o modo manual, função cio da Sotecnisol, que desenvolveu tecnicamente peso pode ser ajustado em incrementos dentro
de rampa e temporizador. Os controladores são as soluções adequadas a cada unidade. destes intervalos para garantir que o armário per-
operados através de 4 teclas com membrana e Para Filipe Bello Morais, Diretor-Geral da Sotec- maneça sempre na altura ajustada. A configuração
podem ser usados em ambientes agressivos gra- nisol Power & Water, este é um projeto de sin- do peso também permanece estável por longos
ças ao índice de proteção IP65. gular importância uma vez que envolve uma períodos de operação - o reajuste não é neces-
Dependendo do formato, os controlado- parceria inovadora entre a Sotecnisol, Keepon, sário. Isto foi testado no laboratório de qualidade
res podem ser usados em modo de dois esta- Sonervest e Profit Energy, na conceção, desen- credenciado, Rittal, durante mais de 30 000 ciclos.
dos, três estados, três passos ou em contínuo. volvimento, operação e investimento em solu- A secção de suporte ajustável em altura pode
Os modelos base incluem autotuning, função ções fotovoltaicas para autoconsumo de média/ ser integrada no sistema do braço de suporte
de rampa, um controlador de programa, modo grande potência, num cliente com o prestígio da sem um adaptador. Está sempre montado no
manual, funções de monitorização de valor limite, Mendes Gonçalves S.A., fabricante dos conhe- sistema CP 120 do lado da parede/máquina.
sinais de controlo digitais, várias funções de tem- cidos produtos alimentares Paladin. A Sotecni- Dependendo da categoria de peso, um CP 120
porização e um contador de serviço. As funções sol Power & Water é uma unidade de negócio ou CP 60 pode ser anexado ao lado do ope-
matemáticas e lógicas também estão disponíveis vocacionada para o fornecimento de soluções rador da máquina ou ser reduzido para criar

15
notícias

um sistema menor. Os sistemas de braços de nas áreas relacionadas com o ambiente. Esta ini- Novos webinários online 2018
suporte Rittal CP oferecem espaço suficiente ciativa que agora apoiamos cumpre esse objetivo CIRCUTOR, S.A.
para entrada de cabos. Também é fácil inserir e pretende premiar o talento, o esforço e a dedi- Tlm.: +351 912 382 971 � Fax: +351 226 181 072
cabos pré-montados com conectores no sis- cação dos jovens universitários, nomeadamente www.circutor.com
tema ajustável em altura. A classe de proteção os futuros profissionais da área da Engenharia do
alta (IP 54) significa que os cabos são protegidos Ambiente. Esta é uma área que consideramos de
de forma confiável contra fatores ambientais. A extrema importância para a nossa marca que pro-
classe de proteção permanece tão alta como cura diariamente desenvolver produtos cada vez
sempre com a integração da seção de suporte mais inovadores, eficientes e que contribuam para
ajustável em altura. Os cabos estão separados de uma maior poupança económica e ambiental”.
forma segura das partes móveis do sistema de Júlia Seixas, Presidente do Departamento de
ajuste de altura, portanto, nenhum dano ocor- Ciências e Engenharia do Ambiente e respon-
rerá quando a seção de suporte se mover. Ao sável pela unidade curricular de Energia e Alte-
desenvolver os seus sistemas de suporte, a Rit- rações Climáticas do Mestrado Integrado em
tal atribuiu especial importância à montagem Engenharia do Ambiente da FCT Nova, referiu A CIRCUTOR continua a apostar na formação e
efetuada por uma pessoa. O mesmo se aplica que “este prémio é um estímulo aos estudantes de os cursos especializados para os profissionais do
ao novo braço de suporte ajustável em altura. Engenharia do Ambiente, e à relação virtuosa entre setor, e nesse seguimento irão decorrer novos
O peso do braço de suporte ajustável em altura a universidade e o mundo empresarial. O tema da webinários online gratuitos para dar a conhecer
é ajustado através de um parafuso facilmente energia e alterações climáticas traz oportunidades os últimos desenvolvimentos do setor. Pode rea-
acessível. Mesmo o ajuste do sistema é muito para as empresas que a universidade tem ajudado lizar a inscrição gratuita em http://circutor.es/es/
conveniente. Os parafusos correspondentes nas a explorar. Este prémio vem sublinhar a impor- productos/destacados/4310-nuevos-webinarios-
juntas estão acessíveis de forma fácil do lado de tância que a Vulcano atribui ao tema, ao mesmo -online-2018.
fora mesmo após a montagem. tempo que reconhece o potencial dos estudan- Os 10 novos webinários organizados pela CIR-
tes da Engenharia do Ambiente na construção CUTOR são os seguintes: Gestão da procura
de soluções inovadoras que colocam as empre- (os novos sistemas de controlo e monitorização
sas alinhadas com uma economia sem emissões energética oferecem ferramentas mais fáceis
Vulcano atribui prémio académico de gases com efeito de estufa, como preconizado para ajudar os clientes a reduzir o impacto da
na FCT Nova no Acordo de Paris”. sua fatura elétrica) a 24 de maio; Harmónicos
Vulcano – problemas e soluções (a presença de har-
Tel.: +351 218 500 300 � Fax: +351 218 500 301 mónicos nas redes de distribuição é cada vez
info.vulcano@pt.bosch.com � www.vulcano.pt maior, o que provoca uma série de problemas
/VulcanoPortugal Invólucros eletrónicos de deterioração da qualidade da onda de ten-
para ambientes adversos são, tornando necessário um sobredimensio-
Phoenix Contact, S.A. namento das instalações e provocando perdas
Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769 adicionais significativas) a 07 de junho.
www.phoenixcontact.pt Outros webinários são a hibridização da ener-
gia solar fotovoltaica com redes e grupos ele-
A Phoenix Con- trógenos (assegurar um fornecimento de
tact apresenta energia de qualidade a um custo competi-
novos invólucros tivo na alimentação básica, não depender de
eletrónicos para fontes externas para o crescimento da pro-
condições am- cura energética e nem da potência contra-
A Vulcano atribuiu um prémio ao melhor estu- bientais especial- tada. Permite um melhor controlo nos custos
dante da unidade curricular de Energia e Alte- mente adversas. energéticos a curto e médio prazo. A autoges-
rações Climáticas do Mestrado Integrado em Os invólucros tão permite uma gestão inteligente na gestão
Engenharia do Ambiente da FCT Nova. A atri- robustos da sé- e procura energética) a 24 de abril; soluções
buição do prémio surge na sequência de uma rie ECS com um para o carregamento de veículos elétricos em
parceria entre a Vulcano e a Faculdade de Ciên- grau de prote- estacionamentos interiores (a emergência de
cias e Tecnologia da Universidade Nova de Lis- ção IP69 são ade- veículos elétricos provocou uma grande explo-
boa (FCT Nova), uma iniciativa no âmbito da quados para um são mediática que abarcou aspetos energéti-
política empresarial e de proximidade da marca vasto intervalo de cos, tecnológicos, económicos e ambientais,
com o mundo académico, bem como da cons- temperatura de -40°C a +100°C e protegem que representam uma grande opor tunidade
tante preocupação com questões ambientais. o sistema eletrónico integrado, fiavelmente, e de atuação em todos os campos) no dia 10
O prémio monetário será atribuído ao estu- contra influências físicas. Assim, os invólucros de maio; e a gestão de microrredes alimenta-
dante com a melhor nota global na unidade eletrónicos robustos são uma solução para os das com energias renováveis (a emergência de
curricular do semestre que agora inicia e o pro- seus dispositivos em espaços interiores e exte- veículos, as necessidades energéticas atuais e
cesso de apuramento será efetuado pelos res- riores. Com passagens de parede padronizadas a preocupação com as mudanças climatéricas
petivos docentes. como M20, tecnologia de ligação de placas de provocam uma forte emergência das energias
Para Nadi Batalha, coordenadora do Departa- circuitos impressos como M12 e acessórios op- renováveis que, por seu lado, provocam uma
mento de Marketing da Vulcano, “A Vulcano tem cionais para uma montagem em parede e em profunda transição energética) a 17 de maio;
vindo a promover, ao longo dos anos, vários proje- poste, pode aumentar ainda mais a faixa de apli- e carregamento de veículo elétrico com ener-
tos junto do mundo universitário nomeadamente cação dos robustos invólucros. gia solar fotovoltaica (a diminuição dos custos

16
PUB.
das instalações solares fotovoltaicos, juntamente com o aumento do
custo da energia elétrica suportado pelos consumidores, aliado ao
crescimento de vendas de veículos elétricos estão a permitir o advir
de novas oportunidades para este setor) a 24 de abril.

Portugal cada vez mais “smart”

Decorreu entre os
passados dias 11 e
13 de abril de 2018,
no Centro de Con-
gressos de Lisboa, o
Portugal Smart Cities
Summit by Green
Business Week, um
evento onde con-
vergiram municípios, empresas, startups, agentes individuais e
o meio académico, tudo no mesmo espaço com um único pro-
pósito: debater o futuro das cidades e aprofundar o conceito
emergente de smart cities. Entre sessões de networking, talks e
pitchs, decorreram mais de 10 conferências com a intervenção de
100 oradores. No evento houve também espaço para exposição,
onde foi possível ver e experimentar algumas das ideias que já
estão em prática nas cidades portuguesas, e ainda conhecer pro-
jetos de empresas nacionais e de startups que estão a apostar na
área das smart cities.
No Portugal Smart Cities Summit foram apresentados projetos con-
cretos nas áreas da mobilidade, da energia, gestão de resíduos e
outros aspetos da vida das cidades, que aplicam mais ou menos tec-
nologia mas que contribuem para o desenvolvimento e para uma
maior felicidade para os cidadãos, e um mecanismo para criar valor
para fixar Portugal como um país smart que produz valor e tem
capacidade de exportar.
Os municípios portugueses encontram-se já a aplicar os benefí-
cios das ideias para smart cities, e um estudo apresentado durante o
evento mostra que no último ano os projetos municipais nesta área
passaram de 83 para 106, com domínio das temáticas de energia,
mobilidade, inovação e governação.

Novo grupo de microcontroladores Renesas


na RUTRONIK
RUTRONIK Elektronische Bauelemente GmbH
Tel.: +351 252 312 336 � Fax: +351 252 312 338
rutronik_pt@rutronik.com � www.rutronik.co

A robustez do sensor de toque faz


com que a nova família de micro-
controladores RX130 da Renesas
seja adequada para uma utilização
em ambientes húmidos, como cozi-
nhas ou casas de banho. O sensor
de toque capacitivo recém-inte-
grado apresenta melhor sensibili-
dade e imunidade ao ruído e opera
melhor em condições húmidas. Dessa forma, ele oferece maior capa-
cidade de resposta para aplicativos baseados em toque e, ao mesmo
tempo, permite o uso de teclas sensíveis ao toque em ambientes
húmidos e em materiais não tradicionais, como a madeira.
notícias

Equipados com um novo núcleo RX v2, os 38 em projeto, instalação e manutenção de rolamen- a área de LEAN ENTERPRISE que se dedica à
novos MCUs RX130 prometem um melhor tos, está disponível como um recurso online de organização da qualidade, gestão visual e melho-
desempenho com menos consumo de energia engenharia para fabricantes de equipamentos, dis- ria contínua, através da sua representada Sesa-
do que os modelos anteriores. Outros recursos tribuidores aprovados SKF e outros utilizadores. -Systems.
de hardware incluem um código aprimorado de A nova secção de engenharia inclui um recurso Para o futuro o objetivo passa por continuar
memória flash, recursos de segurança incorpo- de análise térmica que pode ser aplicado para com o trabalho desenvolvido, “motivados com os
rados, suporte a IHM e uma grande memória destacar a influência de perdas por atrito, em novos desafios de um mercado em permanente
de utilizador. A tensão máxima de alimentação folgas. Foi também lançado um novo recurso, evolução”, e solidificar as parcerias com fornece-
é de 5,5 V e são totalmente compatíveis com “Itens populares”. Projetado para acelerar e sim- dores e clientes com o intuito de prestar um ser-
os MCUs de toque RX231/RX230 da empresa. plificar o processo de encomenda de rolamen- viço cada vez melhor.
O grupo RX130 MCU está em conformidade tos de linhas de produto mais comuns da SKF.
com a Norma de segurança IEC/UL60730 para Este usa um ícone especial, que é colocado em
produtos eletrónicos de consumo e, portanto, produtos que estão sempre disponíveis direta-
especialmente adequado para eletrodomésticos mente em armazém, devido à sua popularidade. Mover-se para uma maior
com painéis de toque, mas também pode ser O conteúdo do catálogo online é regularmente rentabilidade e um menor risco
aplicado no setor industrial. atualizado para assegurar que os produtos mais Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A.
A Renesas fornece dois kits para os MCUs: o recentes sejam incluídos e que todos os itens Tel.: +351 214 459 191 � Fax: +351 214 455 871
kit inicial que permite a avaliação completa do obsoletos sejam removidos das tabelas de pro- weidmuller@weidmuller.pt � www.weidmuller.pt
controlador e possui um depurador E2 inte- dutos assim que forem removidos do catálogo.
grado no chip, com controlos deslizantes e Como uma publicação global, o novo Catálogo
teclas de toque capacitivo; e o sistema de ava- Geral de Rolamentos está disponível em vários
liação de toque capacitivo que permite a ava- idiomas, incluindo alemão, espanhol, francês, ita-
liação precisa de várias funções de toque, por liano, polaco, português, russo, checo e chinês
exemplo, o teste de botões, controlos desli- simplificado. Para aceder à versão online em
zantes, rodas, chaves de matriz e sensores de qualquer um destes idiomas, visite www.skf.com.
proximidade. O kit pode ser utilizado como
uma ferramenta de referência no desenvolvi-
mento de placas ou software e permite a cria-
ção de protótipos simples. EUROTECNOLOGIA celebra 29 anos O sistema de monitorização BLADEcontrol®
no mercado demonstrou ser essencial para garantir uma pro-
EUROTECNOLOGIA – Máquinas e Equipamentos dução eficaz de turbinas eólicas e conquistou os
Industriais, Lda. utilizadores em todo o mundo. As pás do rotor
Última edição do catálogo online da Tel.: +351 229 377 785 � Fax: +351 229 377 786 são um dos componentes mais sujeitos a tensão
SKF facilita a escolha de rolamentos info@eurotecnologia.pt � www.eurotecnologia.pt nas turbinas eólicas. As rajadas de vento, as tem-
SKF Portugal – Rolamentos, Lda. pestades, o gelo e os raios de sol podem pro-
Tel.: +351 214 247 000 � Fax: +351 214 173 650 vocar danos leves que apenas são detetados
skf.portugal@skf.com � www.skf.pt durante as verificações de rotina. Em casos gra-
ves os defeitos podem ser tão importantes que
Nesta última edi- tenha de ser efetuada uma substituição das pás
ção do popular do rotor. Por conseguinte, a instalação permane-
Catálogo Geral cerá parada durante semanas, de forma a evitar
de Rolamen- mais danificações e assim não irá gerar nenhuma
tos da SKF, dis- energia. E aqui é onde entra a manutenção pre-
ponível online, os ventiva.
seus autores pre- Presente no mercado há 29 anos, a EUROTEC- O BLADEcontrol® da Weidmüller regista, de
tendem que se NOLOGIA nasceu com o intuito de apresentar forma contínua, o estado de cada lâmina do
torne uma refe- soluções inovadoras aos seus clientes e parceiros rotor de forma separada e até deteta peque-
rência essencial de de negócio nos setores da metrologia e manu- nas mudanças, como peças soltas ou a rutura
engenharia, para tenção industrial. “Durante todos estes anos foi da cobertura da superfície aerodinâmica. Os
utilizadores de alcançado o principal objetivo e os desafios con- danos na estrutura de suporte da lâmina repre-
rolamentos, abordando temas como a seleção, tinuam a ser aliciantes e motivadores”, afirmou o sentam um dano grave. Se estes danos não
configuração e aplicações adequadas, bem como fundador e Diretor da empresa, Luís Marques forem detetados a tempo, aumentam os pos-
fornecendo orientações detalhadas sobre os pro- Saraiva. síveis custos de reparação e o risco de colisão
cedimentos de instalação corretos, para assegu- A EUROTECNOLOGIA centra a sua atividade com a torre ou a rutura da lâmina. De forma
rar uma vida útil livre de problemas. A secção de em três áreas de negócio fundamentais: instru- a detetar alterações, o BLADEcontrol® regista
engenharia foi completamente reescrita e agora mentos de metrologia dimensional e controlo o comportamento natural da vibração da pá
inclui um guia, passo a passo, de seleção de rola- de qualidade, através das marcas representa- do rotor e realiza medições comparativas nas
mentos, o “Processo de seleção de rolamento”, que das Sylvac, Trimos, Wyler, Jenoptik, Möller-Wedel bordas dianteiras e traseiras da lâmina e, além
torna muito mais simples a seleção do arranjo de Optical, FMS, entre outras; ferramentas especiais disso também na superfície da lâmina. Também
rolamentos adequado para o seu equipamento para manutenção industrial com um vasto por- se regista o som originado pela estrutura de
ou projeto específico. Esta nova ferramenta ino- tefólio de produtos das marcas Fixturlaser, Bega toda a lâmina e são utilizados diferentes algo-
vadora, que aproveita a ampla experiência da SKF Special Tools, TPI Europe, entre outras; e ainda ritmos para filtrar quaisquer irregularidades ou

18
notícias

desvio desses dados. Caso haja gelo, a frequên- standars mundiais para a indústria. O Grupo
cia de vibração da pá do rotor será ligeiramente também está comprometido com a inova-
reduzida devido ao seu peso adicional. Depen- ção de produtos - com base na sua experiên-
dendo da distribuição do gelo, o BLADEcon- cia como fabricante e tecnologia industrial de
trol® pode atingir uma resolução da medição ponta - para trazer novas soluções para o mer-
da espessura do gelo numa faixa milimétrica. cado, tanto para carros como para autocarros.
O elemento chave do sistema da Weidmüller Este compromisso com a inovação permitiu 2
é o sensor de aceleração bidimensional com o lançamentos de produtos nos últimos 2 meses:
seu próprio canal de medição de temperatura. Terra HP, a primeira solução de 150-350 kW
para automóveis elétricos e a solução de carga espaço de oferta mais diversificado que se alarga
inteligente HVC para garagens e terminais de a outras chancelas de conteúdos especializados
autocarros. em diversos domínios do conhecimento.
ABB comemora a cobertura Especialmente adequado para o uso em áreas O novo portal da Publindústria, www.booki.pt,
da infraestrutura de carregamento de paragem e estações de autoestradas, o enquadra-se num processo de restruturação ini-
de veículos elétricos design de Alta Tensão do Terra HP permite car- ciado em 2010 que visa ajustar a oferta de infor-
ABB, S.A. regar veículos de 400 V e 800 V com potên- mação especializada de forma mais segmentada
Tel.: +351 214 256 000 � Fax: +351 214 256 247 cia máxima. Por sua vez, o carregador noturno e cumulativamente potenciar o network do
comunicacao-corporativa@pt.abb.com � www.abb.pt HVC – Overnight Charger possui um armá- grupo que hoje se estende a várias áreas do
rio compacto de potência único e está equi- conhecimento como o ambiente, a agronomia,
pado com três estações de carga que podem o agroalimentar, a saúde, a construção, a ele-
ser estendidas de 50 kW a 100 kW ou 150 kW tricidade e a metalomecânica. O portal Booki
a qualquer momento. incorpora as mais modernas ferramentas de
A ABB Ability™ permite aos operadores da comunicação, marketing e meios de pagamento,
rede elétrica de carregadores controlar algumas e opera segundo as novas obrigações legais
funções através da web, como monitorização decorrentes do novo regulamento de segurança
e configuração remota de pontos de carre- e proteção de dados. O crescente aumento de
gamento, dando assim resposta a alguns dos oferta de ebooks, com segurança drm, em seg-
problemas dos condutores, a serviço do equi- mentos de conhecimento muito especializados
Ao longo da última década, a ABB promoveu pamento, minimizando o tempo de inatividade, é uma aposta estratégica do portal Booki.
os avanços relacionados com a infraestrutura de e a flexibilidade para se conetar a qualquer rede A Publindústria inicia a sua atividade como
carregamento de veículos elétricos (VE), e recen- de carga usando soluções de gestão de energia, empresa jornalística em 1986, tendo então como
temente anunciou que a sua tecnologia já está pagamento ou serviço interno. E para uma tran- objeto a edição de revistas direcionadas para os
disponível em 95% dos países em que circulam quilidade adicional, o serviço ABB Charger Care mercados profissionais de incidência industrial.
este tipo de veículos. Da Austrália ao Azerbaijão pode ser adicionado a todos os produtos de O Grupo Publindústria edita, atualmente, mais
e da Índia à Islândia, as vendas de carregadores carregamento elétrico da ABB. Projetado para de uma dezena de títulos distribuídos pelas suas
rápidos da ABB excederam 6500 unidades na minimizar o tempo de inatividade, o Charger empresas afiliadas e disponiobiliza uma oferta
faixa de 50 a 450 kW, incluindo carregadores de Care oferece vários módulos, incluindo moni- de livros com mais de 8000 títulos, em parceria
alta potência para carros e autocarros. torização proativa, manutenção corretiva e pre- com as principais editoras especializadas euro-
Após 12 anos de pesquisa e desenvolvimento, ventiva, programas de formação e atualizações peias e brasileiras.
a ABB oferece uma ampla gama de produtos de software.
de carregamento com acesso à Internet como
parte do portefólio ABB Ability™ de soluções
conetadas. Respeitando todos os standards glo- Bresimar Automação distinguida
bais de mobilidade elétrica, os carregadores da Novo portal da Publindústria na área de Recursos Humanos
ABB são concebidos para serem duráveis, fiá- para o comércio de livros técnicos Bresimar Automação, S.A.
veis, eficientes e de alta capacidade, com um Booki Tel.: +351 234 303 320 � Fax: +351 234 303 328/9
design projetado para o futuro. A sua constru- Tel.: +351 220 104 872 Tlm.: +351 939 992 222
ção modular garante o funcionamento contínuo info@booki.pt � www.booki.pt bresimar@bresimar.pt � www.bresimar.com
e o uso de componentes industriais prolongam
a sua vida útil e garantem uma operação fiá- A Engebook, conhecida marca da editora Publin- Uma vez mais a Bresimar Automação foi dis-
vel. Como membro fundador da CHAdeMO e dústria, direcionada para o mercado da venda tinguida no Índice da Excelência pelas suas prá-
a aliança CCS, a ABB participou ativamente no online de livros de engenharia e gestão, man- ticas de Recursos Humanos, tendo alcançado
desenvolvimento e implementação de novos terá a sua identidade mas agora integrada num o 1.º lugar no setor da Indústria e o 4.º lugar

EnergizAIR indicadores para a média de janeiro a março de 2018


SOLAR SOLAR EÓLICA
FOTOVOLTAICO TÉRMICO
Portugal Continental Para mais informações sobre cada um dos indicadores
Lisboa: 103% Lisboa: 58% 4 829 888 habitações http://energizair.apren.pt

19
notícias

manutenção, a MULTITEX é guardada no SaCon, digital, cadeias de logística inteligentes, ciberse-


o contentor de segurança da MEWA. A MEWA gurança, ou ideia sem fronteiras ousada para
recolhe o SaCon, lava as esteiras de retenção ser verde (qualquer tópico). “A sustentabilidade
de óleo e devolve-as. A quantidade ideal e o e a inclusão” e “sem fronteiras” têm vindo a ser
ritmo de reutilização são definidos à medida das tópicos populares durante muitos anos. Recen-
necessidades de cada fábrica de maneira a asse- temente adicionadas, as restantes 3 novas
gurar que há esteiras MULTITEX sempre limpas categorias refletem um grande foco na digitali-
e disponíveis. zação, juntamente com uma abordagem “o céu
O sistema da MEWA é prático e facilita o dia- é o limite” para inovar.
no ranking das pequenas empresas. A Bresimar -a-dia das fábricas. A MEWA assume a respon- Oliver Blum, Gestor de Recursos Humanos
orgulha-se da equipa e da cultura que preserva sabilidade pelos óleos e lubrificantes absorvidos da Schneider Electric comentou: “A Schneider
ao longo dos 35 anos de existência e do sen- – e isto de uma forma bem simples: os óleos e Electric tem uma visão ousada para resolver os
timento de união que cultivam internamente lubrificantes são filtrados na lavagem e reutili- paradoxos energéticos do nosso planeta. O Go
todos os dias. zados termicamente. Assim a MEWA consegue Green in the City foi criado como uma plata-
O Índice da Excelência é um estudo do clima cobrir 80% do consumo de energia das suas forma para jovens inovadores fazerem parte
organizacional e desenvolvimento do capital linhas de lavagem e secagem no tratamento dos desta visão, ajudando-os a desenvolver as suas
humano, realizado pela Neves de Almeida|HR panos de limpeza. O sistema de reutilização per- ideias para novas soluções sustentáveis. Assim
Consulting em parceria com a Human Resour- mite aos operários trabalharem de forma mais é possível alavancar a nossa posição na indús-
ces Por tugal, Executive Digest e o INDEG- limpa e mais segura, e além disso, um sistema tria, e é uma forma de acelerar uma mudança
-ISCTE, através do qual se analisam as melhores de reutilização é mais económico e mais eco- positiva.” Este entusiasmo é partilhado pelos
práticas de Recursos Humanos em Portugal e lógico do que soluções descartáveis. O conten- par ticipantes. Raja Jain e Nimisha Gupta da
se premeiam as entidades que mais investem e tor de segurança SaCon, com fecho hermético, IIT Roorkee na Índia alcançaram o primeiro
apostam nesta área. guarda as esteiras de retenção de óleo não só lugar em 2017 na final do Go Green in the
de maneira segura, mas também poupa espaço City com o seu sistema de ar condicionado
e contribui para uma boa organização. A MEWA “Evacool” e referem que “o Go Green in the
oferece o mesmo sistema eficiente para panos City foi um sonho tornado realidade! Ter ganho
MULTITEX para um dia-a-dia mais de limpeza. a competição tem vindo a dar-nos uma grande
fácil e mais flexível nas fábricas sensação de dever cumprido, bem como, uma
MEWA experiência enriquecedora de aprendizagem. Se
Tel.: +351 215 557 518 te importas em como a tecnologia pode pro-
www.mewa.pt Schneider Electric lança Go Green mover práticas verdes e sustentáveis, não terás
in the City 2018 uma oportunidade melhor do que esta!”.
Schneider Electric Portugal As equipas devem ser compostas por 2 estu-
Tel.: +351 217 507 100 � Fax: +351 217 507 101 dantes de instituições de ensino nas áreas da
pt-atendimento-cliente@schneider-electric.com gestão ou engenharia acreditadas no mesmo
www.schneider-electric.pt país durante a competição. Cada equipa
deve incluir um membro do género feminino,
segundo a política de promoção de diversidade
e inclusão da Schneider Electric. O prazo para
submissão de candidaturas é até ao dia 1 de
junho de 2018. Todas as equipas inscritas irão
Esteiras têxteis de retenção de óleo ultra-ab- receber um mentor especializado da Schneider
sorventes com sistema de reutilização – esta é Electric para os orientar no desenvolvimento
a solução que a MEWA oferece com serviço de projetos viáveis de gestão que serão pos-
integrado. Cada fábrica, grande ou pequena, fica teriormente, apresentados numa das 7 semi-
a ganhar com o sistema especializado que se finais durante o verão na Europa, América do
baseia na experiência de 110 anos da MEWA. A Schneider ElectricTM lançou o Go Green in Norte, China, Índia, Ásia, Médio Oriente, África
A empresa alemã é uma referência mundial em the City 2018, o seu concurso global que pro- e América do Sul. Cada um dos vencedores
gestão têxtil de panos de limpeza desde 2011 e cura encontrar ideias inovadoras e ousadas para das 7 regiões irá ser convidado para se pre-
também oferece esteiras de retenção de óleo desenvolver cidades mais inteligentes e ener- parar para a final da competição, juntamente
com sistema de reutilização para indústria e ofi- geticamente mais eficientes. Agora no oitavo com uma ótima equipa feminina, e duas equi-
cinas. ano, o Go Green in the City tornou-se num pas “wild card” (equipas selecionadas entre os
60 x 90 cm2 é quanto mede a esteira que evento mais relevante para estudantes de ges- semifinalistas). Depois desta segunda ronda
traz mais flexibilidade e leveza ao quotidiano tão e engenharia de todo o mundo. Em 2017, de mentoring, as 10 equipas irão encontrar-se
das fábricas: a flexibilidade advém do facto da participaram cerca de 20 000 jovens inovado- na final mundial nos Estados Unidos (cidade
esteira de retenção de óleo superar qualquer res de cerca 3000 universidades, de 180 países, a ser anunciada) durante o outono de 2018.
desafio e adaptar-se facilmente, mesmo nos incluindo 58% de mulheres. À equipa vencedora selecionada pelo júri exe-
sítios onde um cárter de plástico desiste; e traz Em 2018, a competição deverá atrair ainda cutivo irá ser dada a possibilidade de iniciar a
leveza porque esta esteira vem com o sistema mais interesse, devido a uma maior variedade sua carreira na Schneider Electric depois de
de serviço integrado da MEWA. E este funciona de tópicos. Os estudantes são convidados a uma viagem internacional a dois dos locais a
assim: depois de ter servido várias vezes como submeterem as suas ideias dentro de 1 dos 5 nível mundial onde a Schneider Electric tem
base absorvente para trabalhos de reparação e tópicos: sustentabilidade e inclusão, economia escritórios.

20
PUB.
dossier sobre biomassa

a geração elétrica com biomassa,


uma tarefa pendente Javier Díaz: “acredito que o futuro
Jorge Herrero é promissor e que o crescimento
do nosso setor continuará
em velocidade de cruzeiro”
PEF: uma alternativa com futuro
biodegradação e valorização
Alba Ortiz Álvarez

da lenhina, o mais abundante


polímero aromático na natureza
estimação da biomassa aérea Lígia O. Martins

com imagens de satélite de alta


resolução espacial
avaliação da disponibilidade
de resíduos florestais de pinheiro
Ana Cristina Gonçalves, Adélia M. O. Sousa

bravo para produção de energia


biomassa – uma fonte de energia Ana Cristina Gonçalves, Isabel Malico, Adélia Sousa

renovável fundamental no futuro


mix energético nacional
fontes alternativas
de biomassa para energia
Francisco Gírio

floresta | gestão de combustíveis


Luís Oliveira, Amadeu Borges

| biomassa | energia
Sónia Figo, Teresa Almeida patentes relacionadas com
o binómio biomassa-energia
Luís Gil, Mónica Pinheiro

biomassa
22
dossier sobre biomassa

a geração elétrica com biomassa,


uma tarefa pendente

Os dados confirmam, ano após ano, que a progressiva utilização de biomassa térmica em instalações
de aquecimento e água quente já é um fenómeno imparável em Espanha.
Jorge Herrero,
Diretor de Projetos da AVEBIOM *

Sem dúvida que o setor florestal, o meio ambiente e a bioenergia estão a de geração elétrica, entrou em vigor o Decreto-Lei 1/2012 que paralisou
solicitar um quadro adequado que permita, por fim o desenvolvimento da todos os projetos.
biomassa como fonte de energia elétrica. Esta é, sem dúvida, a nossa prin- É fundamental promover a modificação do quadro regulamentar esta-
cipal tarefa ainda pendente. belecido pelo referido Decreto-Lei. Este é um assunto chave para o setor
A biomassa move em Espanha um negócio de 3700 milhões de euros, e para a gestão harmoniosa dos nossos recursos florestais de forma a
o 0,34% do PIB , e a crescer. Nos últimos 15 anos, graças à sua automati- reativar urgentemente os novos projetos de geração elétrica com bio-
zação, a biomassa passou de contribuir com 3,2% a 6% da energia primá- massa, com uma remuneração ao kWh adequada, de forma a que toda
ria consumida em Espanha. Uma percentagem que, embora ainda abaixo a cadeia de valor receba uma compensação justa e que facilite o retorno
dos 10% registados na Europa, é um dos três setores da bioeconomia que dos investimentos.
mais evoluiu. Neste sentido é imprescindível que as administrações apoiem a instala-
Em espanha isto traduz-se em 24 250 empregos dos mais de 500 000 ção a curto prazo de outros 700 MWe, que – com certeza – são MWe
empregos diretos e indiretos dedicados à bioenergia em toda a Europa. renováveis, totalmente gerenciáveis, e que permitam substituir, por exemplo,
Metade deste emprego, no nosso país, está vinculado ao aproveitamento os MWe produzidos com carvão em instalações obsoletas, condenadas ao
florestal e à produção de biocombustíveis. Este é, portanto, um trabalho encerramento, como uma clara aposta na descarbonização.
local sobretudo nas zonas rurais, onde não é nada fácil abrir novas linhas É evidente que todo o setor florestal, ambiental e bioenergético estão
de ocupação. a pedir por um aumento na procura de consumo de biomassa. Mas pedi-
Ou seja, por outras palavras, além de ajudar a manter a população nas mos às administrações que se esqueçam dos “projetos-piloto” e promovam
áreas rurais, uma melhor gestão florestal permite reduzir o risco e o infor- planos de investimentos reais tanto para a utilização da energia térmica
túnio dos incêndios florestais. As nossas florestas, em muitos casos já aban- como elétrica.
donadas, são a nossa fonte de energia renovável; graças à sua gestão são Os territórios rurais, as nossas florestas e os profissionais de Espanha
mais eficazes na luta contra o efeito de estufa e as mudanças climatéricas. estamos preparados para garantir à sociedade a estabilidade no forneci-
Durante os últimos cinco anos, a biomassa térmica manteve um aumento mento de energia renovável, que gere empregos em Espanha, que é muito
constante de mais de 1000 MWt/ano por ano, até superar as 200 000 ins- mais barato e que, ao contrário da energia fóssil, não afete as mudanças
talações em residências, centros de trabalho e edifícios para uma utiliza- climatéricas.
ção coletiva como escolas, centros desportivos, residências culturais, igrejas
e outros. E milhares de famílias, empresas e administrações já economi-
zaram milhões de euros nos seus custos de aquecimento, água quente e *A Associação Espanhola de
calor industrial. Valorização Energética de Bio-
Esta taxa de crescimento poderia ser acelerada se acedessem a algumas massa (AVEBIOM), constituída
das reivindicações formuladas pelo setor, e que a Avebiom abordou publica- em 2004, reune os principais
mente. Entre eles, as medidas fiscais como a redução de 50% do IBI para as atores do setor da bioenergia
vivendas que utilizem biomassa, a redução do IVA para 7% para os combus- ao longo de toda a cadeia de
tívis sólidos (pellets, estilhas e outros) ou a implementação de um imposto valor da biomassa com o fim
de CO2 (o que polui, paga) como acontece noutros países. de promover o desenvolvi-
E além disso acreditamos que é necessário abrir uma linha informativa e mento do setor em Espanha.
educativa que permita desmistificar a biomassa como elemento contami- A AVEBIOM conta, na atuali-
nante. Uma ideia muito enraizada entre a população devido às campanhas dade, com 180 associados, que
que o lobby dos combustíveis fósseis implementou nos últimos 30 anos. empregam 11 355 pessoas e
Outra coisa muito diferente é o desenvolvimento da utilização da bio- geram um volume de negócios de 2200 milhões de euros. O principal
massa como fonte de energia elétrica. Em Espanha quando se começou objetivo da associação é contribuir para aumentar o consumo de biomassa
a ver o resultado positivo na gestão florestal da colocação de instalações para fins energéticos.

23
dossier sobre biomassa

“acredito que o futuro é promissor


e que o crescimento do nosso setor
continuará em velocidade de cruzeiro”
A Associação Espanhola de Valorização Energética da Biomassa (AVEBIOM) é uma união dos
principais atores no setor de bioenergia que abrange toda a cadeia de valor da biomassa. Tem como
principal objetivo aumentar o consumo de biomassa para fins energéticos, e aumentar o volume
de negócios dos seus associados. Em entrevista à “renováveis magazine”, Javier Díaz, Presidente
da AVEBIOM, falou sobre o trabalho desenvolvido por esta associação na promoção e valorização
da biomassa como fonte de energia alternativa.

por André Mendes

“renováveis magazine” (rm): Para os


nossos leitores que não conhecem a AVEBIOM,
quando nasceu a associação e qual é o foco do
trabalho desenvolvido ao longo dos anos?
Javier Díaz (JD): A AVEBIOM foi fundada
em 2004 com o objetivo de promover e estru-
turar o setor de biomassa em Espanha, já que
na época a biomassa era totalmente desco-
nhecida para a grande maioria dos cidadãos
espanhóis, e as poucas empresas que se encon-
travam neste setor atuavam sem qualquer
coordenação, e isso tornou o desenvolvimento
do setor muito difícil.
A entrada em ação da AVEBIOM produziu um
avanço importante ao começar a desenvolver
ações de comunicação e abordar as diferentes
administrações para procurar sinergias para ala-
vancar o nosso setor.
da qualidade dos biocombustíveis sólidos, como na UE, o que dá uma ideia da dimensão do nosso
rm: Quais os projetos e atividades desenvolvi- pellets (ENPlus) ou microplaquetas de madeira setor a nível europeu, que faturou um montante
dos pela AVEBIOM? e outros biocombustíveis sólidos. Cascas de superior a 55 mil milhões de euros e gera mais
JD: Há muitas ações que realizamos todos os frutas secas, caroço de azeitona, entre outros de 500 mil empregos.
anos, mas, sem dúvida, há algumas que são mais (BIOMASUD).
relevantes que outras devido à importância que Agora estamos a trabalhar na implementação rm: Qual a realidade do setor da biomassa em
têm ao nível de comunicação e disseminação, da certificação de instaladores de biomassa, uma Espanha e no mercado ibérico?
como a feira EXPOBIOMASA ou a BIOMASA EN questão de grande importância para alcançar um JD: A verdade é que é desigual em termos de
TU CASA, que se direcionam para diferentes seg- sólido desenvolvimento do nosso setor. uso da biomassa, porque na parte da geração
mentos, como os profissionais em primeira ins- de eletricidade, digamos que esta está estagnada
tância e o público em geral em segunda. rm: Qual a importância da biomassa na reali- devido à legislação atual que torna muito difícil
Também trabalhamos em diferentes projetos, dade do mercado energético global? lançar novos projetos, porque a rentabilidade é
procurando sempre apoiar o setor, nomeada- JD: De acordo com os dados mais recentes, a muito reduzida ou nula em quase todos os casos.
mente em áreas relacionadas com as emissões, biomassa representa 61% de todas as EE.RR pro- Em relação ao uso térmico da biomassa, o
o uso de diferentes biomassas ou a certificação duzidas na UE e 7% de toda a energia produzida setor está a crescer razoavelmente, com mais

24
dossier sobre biomassa

promover a colaboração entre os membros para gerar e desenvolver


De acordo com os dados mais recentes, a biomassa projetos de inovação e desenvolvimento. Os negócios contribuem para
representa 61% de todas as EE.RR produzidas na UE melhorar a competitividade e a capacidade de inovação das empre-
e 7% de toda a energia produzida na UE, o que dá sas participantes e, portanto, do setor de recuperação de energia da
uma ideia da dimensão do nosso setor a nível europeu. biomassa.

rm: A presença na Conferência Ibérica de Produtores de Pellets no


de 1000 MW novos a cada ano, o que nos coloca em condições favorá- mês de março é de maior importância agora que, mais do que nunca,
veis para a consolidação do uso de biomassa para a produção térmica. o compromisso com as energias alternativas é crucial para a sustenta-
Em relação ao pellet, em Espanha temos neste momento um excesso bilidade do planeta?
de capacidade de produção, que em anos como o presente tem sido JD: Não há dúvida de que a interação entre empresas do mesmo
menos palpável do que nos anos anteriores, devido ao crescimento do setor é positiva para o desenvolvimento do mesmo, e estou certo de
consumo derivado do clima e do aumento do preço do diesel. Mas em que este encontro de produtores de pellets em Espanha e em Portugal
todos estes casos esperamos que com o crescimento do consumo, ele trará bons resultados e também serve para esclarecer algumas ques-
atinja um equilíbrio estável. tões, que por vezes têm deturpado as relações entre os produtores
dos dois países.
rm: A criação de parcerias com outras entidades é importante para o
desenvolvimento da AVEBIOM? rm: Quais são as expectativas para o futuro e o que pode ser feito no
JD: Temos acordos de colaboração com muitas entidades com as quais setor de biomassa?
trabalhamos para o interesse das partes e, em geral, são muito positivas JD: Acredito que o futuro é promissor e que o crescimento do nosso
para o nosso setor. setor continuará em velocidade de cruzeiro, monopolizando cada vez
mais parte da “fatia” energética europeia e transformando a biomassa
rm: Em que consiste o AEI CLUSTER BIOENERGÍA AVEBIOM? numa solução muito boa, não só para fornecer energia aos cidadãos, mas
JD: O Grupo de Negócios Inovadores da AVEBIOM (AEI) é oficial- também para continuar a fornecer uma importante atividade para fixar
mente reconhecido no Registro Especial de Grupos Empresariais Ino- a população nas áreas rurais, criando empregos de qualidade e atraindo
vadores do Ministério da Indústria desde 2008 e tem como objetivo investimentos para essas áreas.
PUB.

25
dossier sobre biomassa

PEF: uma alternativa com futuro

Segundo a Associação Europeia de Bioplásticos, a utilização dos bioplásticos representa uma pequena
percentagem dos milhões de toneladas de plástico que são produzidos anualmente.
Alba Ortiz Álvarez
Laboratório Químico de AIMPLAS

Devido ao aumento da procura de plásticos, da necessidade de reduzir a Dentro do Projeto Europeu EnzOx2 (New enzymatic oxidation/oxyfunc-
dependência de compostos de origem fóssil, tal como da necessidade de tionalization technologies for added value bio-based products. BBI, European
obter novos materiais com propriedades avançadas, este mercado atual- Union’s Horizon 2020, grant agreement No 720297) está a trabalhar-se no
mente está no auge, apresentando uma média de crescimento de 20% por desenvolvimento de novas tecnologias bioquímicas baseadas na utilização
ano. Segundo estudos realizados pela Utrecht University (Product overview de enzimas oxidativas para garantir soluções inovadoras na produção de
and market projection of emerging bio-based plastics PRO-BIP 2009), estima- alguns compostos de valor acrescentado a partir de componentes de bio-
-se que no futuro cerca de 85% dos plásticos possam ser substituídos tec- massa. Este projeto tem um grande interesse porque a utilização deste tipo
nicamente por plásticos de origem biológica. Por isso a investigação sobre de enzimas está praticamente inexplorado a nível industrial. A obtenção
a obtenção de novos bioplásticos está a revelar-se de grande importância destes produtos implica várias reações de oxidação e oxifuncionalização
e interesse para as empresas do setor dos plásticos. E também por isso é catalisadas por diferentes tipos de oxireductâncias fúngicas (tais como oxi-
importante definir inicialmente, o que consideramos bioplástico. Um bio- dases e peroxigenasas). Neste contexto, o EnzOx2 tem previsto desenvol-
plástico é definido como toda a família de materiais que diferem dos plás- ver uma conversão enzimática de 100% de 5-hidroximetilfurfural (HMF) ou
ticos convencionais na medida em que são materiais de origem biológica, 5-metoximetilfurfural (MMF) em diformilfurano e ácido 2,5-furandicarbo-
são biodegradáveis ou ambos. Em particular entende-se por material de xílico (FDCA). Outra linha de investigação deste projeto consiste na otimi-
origem biológica aquele material ou produtos que são, em parte, derivados zação da hidroxilação seletiva de lípidos vegetais (tais como ácidos gordos,
da biomassa (plantas). Por outro lado, um material é considerado biode- terpeno e esteróides) de forma a produzir ingredientes de sabor e fragân-
gradável quando, sob certas condições e na presença de microorganismos cia (F&F, ingredientes de sabor e fragância), tal como ingredientes farmacêu-
é capaz de se transformar em substâncias naturais como água, dióxido de ticos ativos (APIs, ingredientes farmacêuticos ativos).
carbono e composto. Dentro do projeto EnzOx2, uma das lineas de trabalho que a AIM-
No gráfico seguinte representa-se um amplo tipo de biopolímeros que PLAS realizará está relacionada com a síntese de derivados de furanoato
estão a ser utilizados na indústria. A AIMPLAS trabalha na síntese e na de polietileno (PEF). Para a obtenção desta família de compostos parte-
modificação de diferentes bioplásticos tais como PLA, PBS, PET, PHA, PEF, -se de um dos monómeros derivados da biomassa, mais especificamente
entre outros. o ácido 2,5-furandicarboxílico (FDCA). Este novo bioplástico, derivado de
PEF, apresenta muitas vantagens sendo um possível candidato para a subs-
tituição de polímeros de origem fóssil como o politereftalato de etileno
(PET) (Figura 3). Algumas das vantagens que se descobriram neste tipo
de biopolímero quando comparado com o PET serão listadas de seguida:
• O PEF apresenta uma pegada de carbono 50% melhor ou menor do
que o PET;
• O polímero PEF apresenta valores de permeabilidade ao oxigénio,
dióxido de carbono e água melhores do que os que a PET apresenta;

Figura 1 Tipos de bioplásticos utilizados atualmente. Fonte: European Bioplastic, Nova-Insti-


tute (2016). Figura 2 PEF versus PET.

26
PUB.
Figura 3 Tecnologia utilizada pela Avantium. Fonte: www.avantium.com/yxy/pro-
ducts-applications/.

• Quando comparado com os valores do PET, o polímero PEF


apresenta uma temperatura de fusão inferior, apesar da tempe-
ratura de transição do vidro ser maior;
• O PEF pode ser processado da mesma forma e na mesma
máquina que o PET;
• O processo de reciclagem é o mesmo do que o do PET.

A partir de 2005, Avantium desenvolveu uma tecnologia paten-


teada (tecnologia YXY) para produzir polímeros à base de biocom-
bustível: PEF a partir de fontes muito variadas tais como plantas, grãos,
lignocelulose (madeira), e até mesmo de produtos descartáveis como
resíduos de papel ou resíduos agrícolas.
As principais vantagens da tecnologia bioquímica EnzOx2 (que
utiliza oxidases e/ou peroxigenases) para a produção de PEF são as
seguintes:
•A  s condições de reação para a obtenção de monómeros são
mais suaves, o que provoca uma redução significativa nos cus-
tos de produção;
• Devido à alta seletividade da tecnologia bioquímica utilizada, a
quantidade de subprodutos de reação, como os monómeros
monofuncionais, é minimizada;
•A   AIMPLAS desenvolve a síntese de compostos derivados do
PEF pelo que podemos avaliar a influência destas modificações
nas propriedades finais (Figura 4).

Figura 4 Derivados de PEF obtidos pela AIMPLAS dentro do Projeto Europeu EnzOx2.

Por isso durante os próximos quatro anos, o consórcio de EnzOx2,


formado por doze participantes de cinco países europeus, trabalhará
para a produção dos produtos de elevado valor acrescentado a par-
tir de biomassa vegetal utilizando tecnologias enzimáticas.
dossier sobre biomassa

biodegradação e valorização
da lenhina, o mais abundante
polímero aromático na natureza
A biomassa vegetal é atualmente considerada uma fonte promissora de químicos, materiais
e combustíveis.
Lígia O. Martins
Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier
Universidade Nova de Lisboa
lmartins@itqb.unl.pt
Website: www.itqb.unl.pt/research/biological-chemistry/microbial-enzyme-technology

As biorefinarias lenhinocelulósicas são plataformas que integram proces- adesivos, dispersantes, polímeros, entre outros) para a Indústria Quí-
sos de conversão de biomassa vegetal, em bio-produtos, bio-energia e bio- mica (6-8). O valor potencial de mercado para bio-produtos com base
-combustíveis (1). Estas plataformas pretendem substituir as tradicionais na lenhina é estimado em cerca de 12 bilhões de euros para o quinqué-
refinarias de petróleo na obtenção de compostos semelhantes e/ou simi- nio 2020-2025, estando os compostos fenólicos e as fibras de carbono,
lares. A implementação das biorefinarias contribui para o estabelecimento posicionados para capturar o maior fatia de mercado (9). Tem sido feita
da tão desejada bio-economia, que se apoia na sustentabilidade econó- uma forte aposta em investigação dedicada à conversão de leninha em
mica e ambiental dos processos industriais, através (i) da substituição de químicos de elevado valor acrescentado e precursores de combustíveis,
matérias-primas fósseis, por renováveis, o que leva a menores emissões utilizando várias aproximações físico-químicas, nomeadamente através
de dióxido de carbono, com repercussões por exemplo, na diminuição do de pirólise, oxidação e hydrotreating (10). No entanto, atualmente estas
aquecimento global, e (ii) da utilização de agentes biológicos na conversão estratégias não se têm revelado muito eficientes na recuperação efe-
destas matérias-primas, micro-organismos ou enzimas, em reações ame- tiva e ambientalmente equilibrada de monómeros aromáticos e novos
nas sob o ponto de vista físico-químico, energeticamente eficientes, e com (bio)processos precisam de ser desenvolvidos e implementados. A bio-
níveis de poluição significativamente reduzidos. catálise, ou seja a utilização de sistemas enzimáticos, oferece uma fer-
Para serem economicamente viáveis as biorefinarias precisam pri- ramenta ambientalmente sustentável para a degradação e valorização
meiramente de superar a recalcitrância do material lenhinocelulósico da lenhina (11,12).
à degradação, isto é têm de ser capazes de separar eficientemente os A biodegradação da lenhina é, em grande contraste com a biodegra-
constituintes de biomassa vegetal vascular (a celulose, a hemicelulose e ção de outros polímeros biológicos abundantes na natureza (como por
a lenhina), para as várias aplicações potenciais, da mesma forma que as exemplo, a celulose ou o amido), realizada por um número relativamente
refinarias de petróleo separam as suas frações. (2) A presença da matriz limitado de microrganismos, utilizando mecanismos extracelulares, não-
de lenhina, na estrutura da parede celular das plantas, onde a celulose e -específicos e não-hidrolíticos (11). O grupo de microrganismos mais
a hemicelulose estão imersas, tem sido reconhecida como o maior obs- bem conhecido, envolvido na degradação de lenhina, são fungos per-
táculo para a desconstrução da parede celular das plantas (3). Esta resis- tencentes ao filo dos Basidiomicota, e designados por fungos da podri-
tência deve-se à composição e à estrutura heterogénea da lenhina, onde dão branca. O branqueamento de biomassa vegetal pelos fungos da
diferentes unidades fenil propanóides, formam uma matriz tridimensio- podridão branca, resulta de reações oxidativas que levam à remoção de
nal, interligada por uma grande variedade de ligações resistentes do tipo lenhina, com retenção da estrutura fibrosa, branca, constituída essen-
éter e carbono-carbono (Figura 1A, 1B) (4). Torna-se assim urgente cialmente por celulose (Figura 1C). Estes fungos produzem uma gama
desenvolver estratégias de degradação eficiente da lenhina, e também alargada de enzimas oxidativas extracelulares, com atividade lenhinolí-
da sua valorização. De facto, a lenhina é atualmente considerado um tica, que incluem lacases, várias peroxidases (de lenhina, de mangané-
bio-resíduo das indústrias lenhinocelulósicas, sendo maioritariamente sio e versátil) e algumas outras enzimas, ditas de auxiliares, que atuam
queimado para obtenção de energia. Por exemplo, embora a indústria sinergisticamente no processo de degradação de lenhina. (13) Os proces-
de pasta de papel produza cerca de 50 milhões de toneladas de lenhina sos biológicos envolvidos na degradação da lenhina são do tipo “combus-
por ano, só cerca de 1 milhão de toneladas chega ao mercado dos quími- tivo”, i.e. uma ação oxidativa não-específica catalisada por enzimas, leva
cos (5). A lenhina é o polímero aromático mais abundante na natureza e a uma degradação subsequente, independente da atividade enzimática.
uma importante fonte renovável de vários compostos químicos aromá- (14) Nas reações de oxidação de grupos funcionais da lenhina, catalisadas
ticos (benzeno, tolueno, xileno, vanilina, ácido vanílico e derivados fenó- pelas lacases ou peroxidases, formam-se tipicamente compostos radica-
licos, entre outros) e materiais (resinas fenólicas, epóxidos, surfactantes, lares, que devido à sua elevada reatividade, propagam uma variedade de

28
dossier sobre biomassa

reações oxidativas não enzimáticas. A oxidação da lenhina pode tam-


bém ser indireta, ou seja, ocorrer através de mediadores redox, molécu-
las orgânicas de baixo peso molecular, que sofrem oxidação enzimática,
formando, por sua vez radicais que vão atuar não enzimaticamente sobre
as unidades da lenhina. Tem sido sugerido que alguns compostos fenóli-
cos funcionam como mediadores “naturais”, uma vez que são abundantes
em ecosistemas onde ocorre a degradação de biomassa vegetal, uma vez
que ao serem oxidados pelas lacases e, também peroxidases, formam,
radicais estáveis passíveis de oxidar unidades não-fenólicas da matriz tri-
dimensional da lenhina, às quais as enzimas por exemplo, não têm acesso
direto por impedimento estereoquímico (15).
Nos últimos anos, o laboratório de Tecnologia Microbiana e Enzimá-
tica do ITQB-UNL tem-se dedicado ao estudo de enzimas lenhinolíticas,
nomeadamente lacases, peroxidases bacterianas e, mais recentemente,
piranoses 2-oxidase. O potencial lenhinolítico bacteriano está bastante
menos estudado do que o dos fungos, mas o interesse das enzimas bac-
terianas prende-se em primeiro lugar, com a maior simplicidade da bio-
logia das bactérias em contraste com a de fungos. Essa simplicidade Figura 1 Estrutura e composição da lenhina (A) e do material lenhinocelulósico (B).
reflete-se em aspetos determinantes para o seu estudo e aplicação Branqueamento de material lenhinocelulósico por fungos da podridão branca (C).
como por exemplo, na maior rapidez de crescimento das bactérias, e
na maior facilidade de clonagem de genes e expressão em hospedeiros
heterólogos. Por outro lado, se considerarmos que a grande maioria das não fenólicas, utilizando duas enzimas com propriedades diferentes, a
enzimas nativas não possui os níveis de atividade ou de robustez neces- CotA-lacase bacteriana e uma enzima de origem fúngica. Concluímos
sária para aplicações industriais, sendo necessário melhorar as suas pro- que mais importante que a enzima utilizada e, portanto que as suas pro-
priedades enzimáticas, aplicando estratégias de engenharia de enzimas, priedades intrínsecas, a capacidade catalítica destas, na conversão das
também aqui, os sistemas bacterianos apresentam vantagens claras, uma unidades não fenólicas, depende essencialmente da natureza química e
vez que existem um maior número ferramentas de biologia molecular das propriedades dos próprios mediadores. O mediador oxidado com
disponibilizadas para o fazer. Assim os objetivos de trabalho do labora- menor eficiência por qualquer das enzimas em estudo, metilseringato,
tório que tenho liderado, têm sido, (1) expandir o número de enzimas foi aquele que resultou em níveis de conversão mais elevados das uni-
lenhinolíticas conhecidas, providenciando a sua caraterização bioquí- dades não-fenólicas de lenhina. Concluímos assim que a capacidade de
mica, cinética e estrutural, e elucidando os seus mecanismos catalíticos conversão depende principalmente da estabilidade dos radicais fenoxil
e, (2) desenhar processos multi-enzimáticos para degradação e conver- formados após oxidação enzimática dos mediadores. Verificámos ainda,
são de compostos aromáticos xenobióticos ou naturais, como a lenhina, que, quanto maior o rácio entre a concentração de mediador e de com-
incluindo a otimização de enzimas através de engenharia de proteínas, posto não fenólico, maiores são os níveis finais de conversão. Isto deve-
nomeadamente por evolução dirigida. -se ao facto de os produtos radicalares formados se envolverem em vias
As lacases são enzimas que têm iões cobre nos seus centros catalí- degradativas competitivas. As enzimas bacterianas pelo facto de apre-
ticos, pertencem família das enzimas designadas por “Multicopper oxi- sentarem um pH ótimo alcalino, por exemplo a CotA-lacase apresenta
dases” e, que, para além de apresentarem uma grande diversidade de ainda atividade a pH de 10-11, apresentam vantagens consideráveis em
substratos, utilizando desde compostos fenólicos, a polifenóis, ami- processos de deslignificação e obtenção de frações de lenhina de baixo
nas aromáticas, tióis, entre outros, requerem unicamente oxigénio peso molecular, solúveis em água, quando comparadas com enzimas de
como co-substrato, o que constitui uma vantagem, face à vasta maio- origem fúngica (22).
ria de enzimas do tipo oxidoreductivo, uma vez que o oxigénio é rela- Identificámos e caraterizámos novas peroxidases hémicas bacteria-
tivamente barato e encontra-se disponível com facilidade (16). Vários nas, pertencentes a uma nova família designado por “Dye-decolouri-
estudos pioneiros permitiram-nos elucidar aspetos fundamentais das sing peroxidases” (DyP-peroxidases) [(23) e referências incluídas], assim
propriedades de lacases bacterianas através de estratégias de investiga- designadas por serem capazes de eficientemente descolorarem corantes
ção multidisciplinares utilizando como sistema modelo a enzima CotA- sintéticos de elevado potencial redox. Esta família de peroxidases tem
-laccase de Bacillus subtilis. Por exemplo, técnicas de mutagénese foram uma sequência primária, estrutura e aparentemente mecanismos cata-
utilizadas para substituir resíduos de aminoácidos catalíticos, e permiti- líticos diferentes de todas as outras peroxidases descritas (24-26). São
ram estudar, o efeito da diferente acessibilidade do solvente aos centros enzimas que também apresentam uma grande variedade de substratos,
de cobre, a importância das interações eletrostáticas na modulação do oxidando não só corantes do tipo antraquinónico e azo, mas também
potencial redox (17), os mecanismos moleculares envolvidos na incorpo- compostos fenólicos e não fenólicos e iões metálicos. Estas caraterísticas
ração de cobre (18), e ainda da redução de oxigénio a água [(19) e refe- fazem pensar que estas enzimas possam substituir as peroxidases fún-
rências incluídas]. A identificação e estudo de lacases de microrganismos gicas lenhinolíticas em aplicações biotecnológicas relacionadas com as
hipertermófilos, que crescem otimamente em habitats onde as tem- biorefinarias. Mais recentemente, caraterizámos pela primeira vez uma
peraturas superam os 80°C, mostrou pela primeira vez, enzimas com piranose 2-oxidase de origem bacteriana (27). As piranose 2-oxidase
uma elevada atividade para a oxidação de metais e uma estabilidade são flavoproteínas, que catalisam a oxidação do carbono 2 de aldopira-
intrínseca elevada, portanto, com potencial para explorar em aplicações noses, como a glucose, galactose ou xilose, com redução concomitante
biotecnológicas [(20) e referências incluídas]. Estudámos ainda a utiliza- de O2 a H2O2 e, que apresentam, um grande interesse biotecnológico;
ção das lacases na degradação de unidades não fenólicas de lenhina, estas enzimas são consideradas enzimas lenhinolíticas “auxiliares”, que a
recorrendo a sistemas de lacases acoplados a mediadores “naturais” par com as glioxal, aril-alcool oxidases, geram peróxido de hidrogénio
(isto é, compostos fenólicos derivados de lenhina) (21); comparámos enzimaticamente, que será utilizado em reações catalisadas pelas pero-
a ação de diferentes mediadores na oxidação de unidades de lenhina xidases na oxidação da lenhina (15).

29
dossier sobre biomassa
BIODEGRADAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA LENHINA, O MAIS ABUNDANTE POLÍMERO AROMÁTICO NA NATUREZA

Referências
1. Kamm, B., and Kamm, M. (2004) Principles of biorefineries. Applied
microbiology and biotechnology 64, 137-145.
2. Himmel, M. E., Ding, S. Y., Johnson, D. K., Adney, W. S., Nimlos, M. R.,
Brady, J. W., and Foust, T. D. (2007) Biomass recalcitrance: engineer-
ing plants and enzymes for biofuels production. Science 315, 804-807.
3. Gall, D. L., Ralph, J., Donohue, T. J., and Noguera, D. R. (2017) Bio-
chemical transformation of lignin for deriving valued commodities
from lignocellulose. Curr Opin Biotechnol 45, 120-126.
4. Adler, E. (1977) Lignin Chemistry - Past, Present and Future. Wood
Science and Technology 11, 169-218.
5. Essery, M. (2017) First higher-value chemical derived from lignin to
hit market in 2021. in Lux Research, www.luxresearchinc.com
/n ew s -a n d - eve n t s /p r e s s - r e l e a s e s /r e ad /f i r s t- h ig h e r -v a l u e -
-chemical-derived-lignin-hit-market-2021.
6. Ragauskas, A. J., Beckham, G. T., Biddy, M. J., Chandra, R., Chen, F.,
Davis, M. F., Davison, B. H., Dixon, R. A., Gilna, P., Keller, M., Langan,
P., Naskar, A. K., Saddler, J. N., Tschaplinski, T. J., Tuskan, G. A., and
Wyman, C. E. (2014) Lignin valorization: improving lignin processing
Figura 2 Evolução da enzima DyP-peroxidase; a introdução de 3 mutações após três gera- in the biorefinery. Science 344, 1246843.
ções, resultou numa enzima com propriedades melhoradas sob o ponto de vista de produção, 7. Bruijnincx, P. C. A., and Weckhuyen, B. M. (2014) Biomass conver-
catalítico e de estabilidade (29). sion: Lignin up for break-down. Nature Chemistry 6, 1035-1036.
8. Zakzeski, J., Bruijnincx, P. C., Jongerius, A. L., and Weckhuysen, B.
M. (2010) The catalytic valorization of lignin for the production of
A aplicação de técnicas inovadoras de engenharia de proteínas, renewable chemicals. Chemical reviews 110, 3552-3599.
nomeadamente de evolução dirigida, que combinam a geração de 9. Smith, P., Chem, M., and Cline, S. (2016) Biorefinery value chain out-
diversidade enzimática, através mutagénese aleatória, com um rastreio puts. in Final Report, NARA, USDA.
adequado para uma propriedade de interesse, permitiu-nos modificar 10. Xu, C., Arancon, R. A., Labidi, J., and Luque, R. (2014) Lignin depo-
as propriedades de várias enzimas. Estas aproximações permitiram por lymerisation strategies: towards valuable chemicals and fuels. Chemi-
exemplo, modificar a especificidade de uma metaloxidase hipertermó- cal Society reviews 43, 7485-7500.
fila, que após introdução de 10 mutações, em quatro gerações de muta- 11. Martinez, A. T., Ruiz-Duenas, F. J., Martinez, M. J., del Rio, J. C., and
génese, seguida de rastreio, aumentou 100 vezes a sua especificidade Gutierrez, A. (2009) Enzymatic delignification of plant cell wall: from
para substratos orgânicos, (28) e de uma DyP-peroxidase que após nature to mill. Curr Opin Biotechnol 20, 348-357.
introdução de 3 mutações em três ciclos de evolução, aumentou a sua 12. Chen, Z., and Wan, C. (2017) Biological valorization strategies for
produtividade 2 vezes, apresentou um pH ótimo a 8.5, quatro unidades converting lignin into fuels and chemicals. Renew Sustainable Energy
acima do apresentado pela enzima parental, mostrou resistência à inati- Rev 73, 610-621.
vação por peróxido de hidrogénio e uma atividade 10 a 100 vezes supe- 13. Levasseur, A., Drula, E., Lombard, V., Coutinho, P. M., and Henrissat, B.
rior para compostos fenólicos, aminas aromáticas e lenhina “kraft” (29). (2013) Expansion of the enzymatic repertoire of the CAZy database
Os resultados obtidos utilizando esta estratégia de engenharia têm sido to integrate auxiliary redox enzymes. Biotechnology for biofuels 6, 41.
muito promissores abrindo perspetivas para modificações/evoluções 14. Kirk, T. K., and Farrell, R. L. (1987) Enzymatic “combustion”: the micro-
adicionais de forma a melhorar propriedades consideradas limitantes bial degradation of lignin. Annu Rev Microbiol 41, 465-505.
para a aplicação de enzimas em processos industriais. 15. Ruiz-Duenas, F. J., and Martinez, A. T. (2009) Microbial degradation
Por fim, considerando que as enzimas lenhinolíticas estudadas apre- of lignin: how a bulky recalcitrant polymer is efficiently recycled in
sentam um espetro de atividades alargado, investigámos a utilização nature and how we can take advantage of this. Microbial biotechnol-
destas enzimas na degradação e detoxificação de corantes sintéticos, ogy 2, 164-177.
que são poluentes orgânicos xenobióticos, e que persistem no ambiente 16. Martins, L. O., Durao, P., Brissos, V., and Lindley, P. F. (2015) Laccases
[(30) e referências incluídas] e, numa colaboração estabelecida com a of prokaryotic origin: enzymes at the interface of protein science and
Prof. Maria Paula Robalo (ISEL/IST-UL), foi ainda possível mostrar a utili- protein technology. Cell Mol Life Sci 72, 911-922.
dade das lacases bacterianas na conversão de uma variedade de aminas 17. Durao, P., Bento, I., Fernandes, A. T., Melo, E. P., Lindley, P. F., and
aromáticas, em vários compostos aromáticos homo e heterocíclicos que Martins, L. O. (2006) Perturbations of the T1 copper site in the CotA
apresentam atividade biológica relevante; em antibióticos e outros agen- laccase from Bacillus subtilis: structural, biochemical, enzymatic and
tes antibacterianos, pesticidas, corantes, biosensores, servindo ainda, de stability studies. J Biol Inorg Chem 11, 514-526.
blocos para a síntese de materiais orgânicos semi-condutores ou com 18. Durao, P., Chen, Z., Fernandes, A. T., Hildebrandt, P., Murgida, D. H.,
caraterísticas eletrofotoquímicas (31-35). Todorovic, S., Pereira, M. M., Melo, E. P., and Martins, L. O. (2008)
Copper incorporation into recombinant CotA laccase from Bacillus
Agradecimentos: Agradeço a todos os estudantes e colaboradores que subtilis: characterization of fully copper loaded enzymes. J Biol Inorg
contribuíram para os estudos mencionados. Estes trabalhos foram supor- Chem 13, 183-193.
tados pelos projetos europeus, SOPHIED (FP6-NMP2-CT-2004-505899), 19. Brissos, V., Chen, Z. J., and Martins, L. O. (2012) The kinetic role of
BIORENEW (FP6-2004-NMP-NI-4/026456) e pela Fundação para a carboxylate residues in the proximity of the trinuclear centre in the
Ciência e a Tecnologia (POCI/BIO/57083/2004, PTDC/BIO/72108/2006, O2 reactivity of CotA-laccase. Dalton Trans 41, 6247-6255.
PTDC/AGR-CFL/103840/2008, PEst-OE/EQB/LA0004/2011, PTDC/ 20. Fernandes, A. T., Damas, J., Soares, C. M., Todorovic, S., Huber,
BBBEBB/0122/2014). R., Pogni, R., and Martins, L. O. (2010) The Multicopper Oxidase

30
dossier sobre biomassa

from the Archaeon Pyrobaculum aerophilum shows Nitrous Oxide 28. Brissos, V., Ferreira, M., Grass, G., and Martins, L. O. (2015) Turning
Reductase Activity. FEBS J 277, 3176-3189. a hyperthermostable metallo-oxidase into a laccase by directed evo-
21. Rosado, T., Bernardo, P., Koci, K., Coelho, A. V., Robalo, M. P., and Martins, lution. ACS Catalysis 5, 4932-4941.
L. O. (2012) Methyl syringate: an efficient phenolic mediator for bacte- 29. Brissos, V., Tavares, D., Sousa, A. C., Robalo, M. P., and Martins, L.
rial and fungal laccases. Bioresource Technol 124, 371-378. O. (2017) Engineering a Bacterial DyP-type Peroxidase for Enhanced
22. Hamalainen, V., Gronroos, T., Suonpaa, A., Hekkila, M. W., Romein, B., Oxidation of Lignin-Related Phenolics at Alkaline pH ACS Catalysis 7,
Ihalainen, P., Malandra, S., and Birikh, K. R. (2018) Enzymatic processes to 3454-3465.
unlock the lignin value. Front Bioeng Biotechnol 6. 30. Mendes, S., Robalo, M. P., and Martins, L. O. (2015) Bacterial Enzymes
23. Santos, A., Mendes, S., Brissos, V., and Martins, L. O. (2014) New dye-de- and Multi-Enzymatic Systems for Cleaning-up Dyes from the Envi-
colorizing peroxidases from Bacillus subtilis and Pseudomonas putida ronenment in Microbial Degradation of Synthetic Dyes in Waste Waters
MET94: towards biotechnological applications. Applied microbiology and (Singh, S. N. ed.), Springer. pp 27-55.
biotechnology 98, 2053-2065. 31. Sousa, A. C., Martins, L. O., and Robalo, M. P. (2013) Laccase-cata-
24. Sugano,Y. (2009) DyP-type peroxidases comprise a novel heme perox- lysed homocoupling of primary amines towards the biosynthesis of
idase family. Cell Mol Life Sci 66, 1387-1403. dyes. Adv. Synth. Catal. 355, 1857-1865.
25. Mendes, S., Brissos, V., Gabriel, A., Catarino, T., Turner, D. L., Todorovic, 32. Sousa, A. C., Oliveira, M. C., Martins, L. O., and Robalo, M. P. (2014)
S., and Martins, L. O. (2015) An integrated view of redox and catalytic Towards the rational biosynthesis of substituted phenazines and phe-
properties of B-type PpDyP from Pseudomonas putida MET94 and its noxazinones by laccases. Green Chem. 16, 4127-4136.
distal variants. Archives of biochemistry and biophysics 574, 99-107. 33. Sousa, A. C., Piedade, M. F. M. M., Martins, L. O., and Robalo, M. P.
26. Mendes, S., Catarino, T., Silveira, C., Todorovic, S., and Martins, L. O. (2015) An enzymatic route for the synthesis of carbazole frameworks
(2015) Catalytic mechanism of BsDyP an A-type dye-decolourising using bacterial CotA laccase. Green Chemistry 17, 1429-1433.
peroxidase: neither aspartate nor arginine is individually essential for 34. Sousa, A. C., Piedade, M. F. M. M., Martins, L. O., and Robalo, M. P.
peroxidase activity. Catalysis Science & Technology 5, 5196-5207. (2016) Eco-friendly synthesis of indo dyes mediated by a bacterial lac-
27. Mendes, S., Banha, C., Madeira, J., Santos, D., Miranda, V., Manzanera, M., case. Green Chem. 18, 6063-6070.
Ventura, M. R., van Berkel, W. J. H., and Martins, L. O. (2016) Character- 35. Sousa, A. C., Oliveira, M. C., Martins, L. O., and Robalo, M. P. (2018)
ization of a bacterial pyranose 2-oxidase from Arthrobacter siccitoler- A Sustainable Synthesis of Asymmetric Phenazines and Phenoxazi-
ans. J. Mol. Cat. B: Enzymatic, 10.1016/j.molcatb.2016.1011.1005. nones Mediated by CotA-Laccase. Adv Synth Catal 360, 575-583.
PUB.

31
dossier sobre biomassa

estimação da biomassa aérea


com imagens de satélite de alta
resolução espacial
Nas décadas recentes tem havido um interesse crescente na biomassa florestal como fonte
de energia. Tradicionalmente a biomassa era estimada a partir de funções alométricas, específicas
da espécie e da estação, ao nível da árvore a partir de parcelas de inventário florestal, com
um delineamento estatístico para um determinado valor de erro e métodos de expansão para
a determinação para uma determinada área.
Ana Cristina Gonçalves, Adélia M. O. Sousa
Departamento de Engenharia Rural
Escola de Ciências e Tecnologia
Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas
Instituto de Investigação e Formação Avançada
Universidade de Évora

O desenvolvimento da deteção remota e a dis- espacial com os métodos de segmentação multi- 1) a estimação da biomassa aérea é efetuada
ponibilidade de imagens de satélite de alta resolu- -resolução e classificação de imagem orientada a em toda a área a partir de uma malha qua-
ção espacial, com métodos de análise de imagem objeto (Figura 1a) permite a separação das espé- drada, não havendo necessidade de méto-
têm permitido o desenvolvimento de funções cies com boa precisão, consequentemente pos- dos de extrapolação; 2) é um método simples
de estimação de biomassa a partir do proces- sibilitando a estimação da biomassa aérea com de avaliar a dinâmica da biomassa aérea não
samento de imagens de satélite. Neste âmbito a precisão conforme ilustrada na Figura 1b). necessitando de trabalho de inventário flo-
Universidade de Évora tem vindo a desenvolver Três vantagens podem ser apontadas neste restal; 3) é facilmente implementado num sis-
funções de estimação da biomassa aérea a par- novo método de estimar a biomassa aérea: tema de informação geográfica e pode ser uma
tir de imagens de satélite de alta resolução espa-
cial, para povoamentos de azinheira, sobreiro,
pinheiro manso e pinheiro bravo.
Foram selecionadas três áreas de estudo,
uma composta por povoamentos puros e mis-
tos de azinheira e sobreiro, outra de sobreiro e
pinheiro manso, e outra de povoamentos puros
de pinheiro bravo, em que foram adquiridas as
imagens de satélite (QuickBird e WorldView-2)
e efetuado um inventário florestal, de modo a
gerar uma base de dados com a projeção hori-
zontal da copa derivada das imagens de satélite,
e o diâmetro à altura do peito e a altura total
com o inventário florestal de modo a ser possí-
vel estimar a biomassa por árvore e por parcela
de inventário. Os dados da projeção horizontal
da copa e a biomassa aérea por parcela foram
usados para ajustar funções lineares de biomassa
aérea para as três espécies referidas (Sousa et
al., 2015; Gonçalves et al., 2017a,b; Sousa et al.,
2017).
A projeção horizontal da copa por parcela Figura 1 Projeção horizontal da copa por espécie florestal com base na imagem de satélite (a) e mapa com a biomassa
derivada das imagens de satélite de alta resolução aérea estimada (b).

32
dossier sobre biomassa

Foram selecionadas três áreas de


estudo (...) em que foram adquiridas
as imagens de satélite (QuickBird
e WorldView-2) e efetuado
um inventário florestal.

ferramenta útil para o ordenamento e gestão


florestal.
Este estudo foi desenvolvido no âmbito do
projeto TrustEE - innovative market based Trust Referências bibliográficas
for Energy Efficiency investments in industry [1] Gonçalves, A.C.; Sousa, A.M.O.; Silva, J.R.M.; [3] Sousa, A.M.O.; Gonçalves, A.C.; Mesquita,
(Project ID: H2020 - 696140). Recebeu fundos 2017a. Pinus pinea above ground biomass P.; Silva, J.R.M.; 2015. Biomass estimation
do programa de investigação e inovação Hori- estimation with very high spatial resolution with high resolution satellite images: A case
zonte 2020 da União Europeia no âmbito do satellite images. In: Mediterraneanpine nuts study of Quercus rotundifolia. ISPRS Journal
acordo de subvenção n.º 696140. Este estudo from forest and plantations. I. Carraquinho, of Photogrammetry and Remote Sensing,
reflete apenas a opinião dos autores, sem A.C. Correia, S. Mutke (eds). Options Medi- 101. 69–79 pp.
qualquer responsabilidade por parte da Agên- terranées, 122. 49-54. [4] Sousa, A. M. O.; Gonçalves, A. C.; Silva, J.
cia e da Comissão Europeia para qualquer uti- [2] Gonçalves, A.C.; Sousa, A.M.O.; Mesquita, R. M.; 2017. Above ground biomass esti-
lização que possa ser feita do seu conteúdo. P.G.; 2017b. Estimation and dynamics of mation with high spatial resolution satel-
above ground biomass with very high reso- lite images. In: Biomass Volume Estimation
lution satellite images in Pinus pinaster stands. and Valorization for Energy. Jaya Shankar
Co-funded by the Horizon 2020 Biomass and Bioenergy, 106. 146-154. doi. Tumuluru (ed). InTech. (chapter 3). 47-70
Programme of the European Union org/10.1016/j.biombioe.2017.08.026 pp. DOI: 10.5772/65665.
PUB.

33
dossier sobre biomassa

avaliação da disponibilidade
de resíduos florestais de pinheiro
bravo para produção de energia

A importância da biomassa florestal como fonte de energia é reconhecida e utilizada desde tempos
imemoriais. As pellets derivadas da madeira são um dos produtos com interesse para a produção
de energia, apresentando diversas vantagens em relação à utilização tradicional de lenha.

Ana Cristina Gonçalves1, Isabel Malico2, Adélia Sousa1


1
Departamento de Engenharia Rural, Escola de Ciências e Tecnologia, Instituto de Ciências Agrárias
e Ambientais Mediterrânicas, Instituto de Investigação e Formação Avançada, Universidade de Évora.
2
Universidade de Évora, Escola de Ciências e Tecnologia.

Em 2016 Portugal foi o décimo maior produtor de pellets a nível mun-


dial. Até 2014 a produção de pellets no país aumentou, mas a quanti- A projeção horizontal da copa obtida a partir do
dade de pellets produzida manteve-se praticamente constante a partir processamento das imagens de satélite e os dados
desse ano. Um dos obstáculos que os produtores de pellets nacionais de inventário florestal permitiram desenvolver
enfrentam é a escassez de matéria-prima. A estimativa da quantidade uma função de estimação da biomassa aérea.
de biomassa disponível adquire, por isso, marcada importância. Entre as
espécies com interesse para a produção de resíduos para energia encon-
tra-se o pinheiro bravo.
Na Universidade de Évora foi efetuado um estudo de estimação da operações culturais (desbastes e desramações) correspondiam a 14% da
biomassa residual disponível para a produção de pellets com base numa biomassa aérea. Para o cálculo da eficiência de conversão de resíduos flo-
metodologia de estimação de biomassa aérea a partir de imagens de restais em pellets, primeiro converteu-se a biomassa de resíduos estimada
satélite de alta resolução espacial para o pinheiro bravo (Gonçalves et em peso seco em peso verde, considerando uma percentagem média
al., 2017; Malico et al., 2016). A projeção horizontal da copa obtida a par- de humidade de 50%, como indicado na bibliografia. De seguida, usou-
tir do processamento das imagens de satélite e os dados de inventário -se uma taxa de conversão de 45%, obtida a partir de dados reais de uma
florestal permitiram desenvolver uma função de estimação da biomassa fábrica de pellets existente em Portugal. Para expressar a quantidade de
aérea. Esta função estima a biomassa aérea para uma área de referên- pellets em energia considerou-se ainda um valor médio para o poder calo-
cia (500 m2). A estimação foi efetuada para uma unidade de gestão de rífico inferior da biomassa conforme recebida de 15,6 GJ t-1.
cerca de 1000 hectares na zona de Grândola, em três datas (2004, 2007 O estudo permitiu avaliar a quantidade de biomassa aérea e de resí-
e 2011) a partir de três imagens de satélite de alta resolução espacial duos, com base no processamento de imagens de satélite de alta reso-
(QuickBird, 2004 e 2007, WorldView-2, 2011). Os dados de estimação lução espacial e num sistema de informação geográfica (ver Figura 1).
com esta função e os estimados com as funções alométricas ao nível da A análise da série temporal permite constatar que: 1) o controlo do
árvore obtidos pelo inventário florestal nacional de 2005/2006 dão ori- nemátodo da madeira do pinheiro, através de cortes origina, a curto
gem a estimativas semelhantes, para a região, na ordem de 1,4 t ha-1 ano -1. prazo, um aumento considerável da quantidade de resíduos disponíveis
Na área de estudo observou-se uma redução da biomassa aérea de para a indústria das pellets, mas que a médio e a longo prazo não é sus-
2004 a 2007 e 2007 a 2011, devido fundamentalmente aos cortes de tentável; 2) na área de estudo a regeneração do pinheiro bravo ocorreu
pinheiros bravos adultos para prevenir a disseminação do nemátodo da num período de tempo curto após os incêndios florestais, originando
madeira do pinheiro (Bursaphelenchus xylophilus) e a dois incêndios flo- uma redução no fornecimento de resíduos a curto prazo, mas que a
restais, um em 2005 e outro em 2006, com um total de área ardida de médio prazo pode originar pequenas quantidades de resíduos e maio-
62,3 ha. Os cortes deram origem a uma quantidade considerável de resí- res a longo prazo, em função das operações silvícolas que são efetuadas;
duos no primeiro intervalo de tempo considerado. No segundo período 3) a quantidade de resíduos de povoamentos de pinheiro bravo para a
de tempo (2007-2011) a quantidade de resíduos foi consideravelmente indústria de pellets é relativamente reduzida. O maior obstáculo ao for-
menor, menos cerca de 80%. necimento sustentável de resíduos para a produção das pellets está então
Considerou-se que os resíduos de corte correspondiam a 20% da bio- associado ao seu fornecimento contínuo e aproximadamente constante
massa aérea, ou seja, ao peso dos ramos; e que os resíduos de outras à indústria. Este constrangimento deverá ser equacionado ao nível dos

34
dossier sobre biomassa

O maior obstáculo ao fornecimento sustentável


de resíduos para a produção das pellets está
então associado ao seu fornecimento contínuo
e aproximadamente constante à indústria.

e inovação Horizonte 2020 da União Europeia no âmbito do acordo de


subvenção n.º 696140. Este estudo reflete apenas a opinião dos auto-
res, sem qualquer responsabilidade por parte da Agência e da Comissão
Europeia para qualquer utilização que possa ser feita do seu conteúdo.

Co-funded by the Horizon 2020 Programme of the European Union

Figura 1 Distribuição espacial de biomassa aérea na área de estudo em 2004, 2007 e Referências bibliográficas
2011. A área ardida está delimitada a preto. [1] Gonçalves, A.C.; Sousa, A.M.O.; Mesquita, P.G.; 2017. Estimation and
dynamics of above ground biomass with very high resolution satellite
images in Pinus pinaster stands. Biomass and Bioenergy, 106. 146-154.
modelos de silvicultura e gestão dos povoamentos, com o desenvolvi- doi.org/10.1016/j.biombioe.2017.08.026.
mento de novas estratégias de gestão. [2] Malico, I.; Gonçalves, A.C.; Sousa, A.M.O.; 2016. Assessment of
Este estudo foi desenvolvido no âmbito do projeto TrustEE – innova- the Availability of Forest Biomass for Biofuels Production in Sou-
tive market based Trust for Energy Efficiency investments in industry (Pro- thwestern Portugal. Defect and Diffusion Forum, 371. 121-127. DOI
ject ID: H2020 – 696140). Recebeu fundos do programa de investigação 10.4028/www.scientific.net/DDF.371.121.
PUB.

35
dossier sobre biomassa

biomassa – uma fonte de energia


renovável fundamental no futuro
mix energético nacional

Francisco Gírio
Investigador Principal do LNEG – Laboratório Nacional de Energia e Geologia, I.P.

Portugal é um país com abundantes recursos em biomassa, em particular


biomassa florestal e agrícola, cujo aproveitamento como fonte de ener-
gia renovável representa um contributo não só para o aumento da quota
das renováveis na política energética nacional, mas também um contributo
decisivo na redução das emissões de gases com efeito de estufa, sempre
que esta substitui fontes de origem fóssil. Igualmente, a criação de clus-
ters industriais com base no aproveitamento da biomassa é também uma
oportunidade única de gerar emprego qualificado em ambiente rural, con-
tribuindo para o combate à desertificação populacional de muitas regiões
do interior de Portugal.
Todos os atuais instrumentos públicos, nacionais e europeus, reconhe-
cem que é essencial promover a biomassa para uma utilização na pro-
dução de eletricidade, no aquecimento, arrefecimento e nos transportes,
embora a forma de a promover carece de uma caraterização em termos
socioeconómicos, ambientais e de constrangimentos relacionados com
outras cadeias de valor bem estabelecidas, como é o caso da indústria do
mobiliário de madeira ou da pasta de papel.
Segundo um estudo elaborado por um grupo de trabalho criado no
âmbito do Despacho n.º 9322/2016, de 13 de julho, a energia da bio- Figura 1 Consumo de energia primária em Portugal 2014. Fonte DGEG (2016).
massa, incluindo os biocombustíveis, representava, em 2014, cerca de 13%
do consumo final bruto, sendo assim a fonte de energia renovável com o
maior contributo. Em relação ao consumo de energia primária, a Figura 1 É neste contexto que surgiu a publicação do Plano Nacional para a
mostra que as energias renováveis representam 25,9% e, de entre estas, a Promoção de Biorrefinarias (PNPB) através da RCM n.º 163/2017 de 31
biomassa contribui com 46%, ou seja, é a maior fonte de energia primária de outubro, que visou reforçar a aposta de Portugal na valorização das
renovável em Portugal, fração à qual podem ainda ser adicionados os 5% diversas fontes de energias renováveis, nomeadamente através da uti-
referentes aos biocombustíveis (em 2014). Atualmente, no caso dos bio- lização sustentável de diferentes tipos de biomassa endógena. Preten-
combustíveis, o seu contributo real é até inferior a 2014, 3,8% em 2017, se de-se que o PNPB não distorça outros mercados existentes, e que se
excluirmos a % obtida por dupla contagem inerente aos biocombustíveis constitua no curto e médio prazo um fator de competitividade nacio-
obtidos a partir de resíduos (fonte: ENMC). nal com a criação de empregos qualificados, que reforce a coesão nacio-
Enquanto o contributo da biomassa para a produção de energia elé- nal através da implementação de novas cadeias de valor industriais, em
trica é minoritário, pois representa apenas cerca de 6% do total de ener- particular no interior de Portugal e, em simultâneo vise contribuir para
gia elétrica produzida, é na produção de energia térmica que a biomassa o reforço do esforço nacional de redução de emissões de gases com
possui o seu papel de maior destaque de entre todas as fontes de energia efeito de estufa (GEE) e promova o uso sustentável da biomassa como
renovável. Infelizmente este destaque é à custa das utilizações tradicionais a fonte de energia e matéria-prima renovável contendo carbono mais
da biomassa, para cozinhar e para o aquecimento doméstico, em particu- abundante no Planeta.
lar através do uso da lenha. Sendo a combustão da biomassa uma fonte O pleno desenvolvimento de uma bioeconomia baseada em recursos
poluente de emissões de CO2 para a atmosfera, quer ao nível residencial sustentáveis como alternativa aos atuais recursos de origem fóssil (petró-
(lareiras) quer ao nível de centrais de produção de eletricidade de baixo leo, carvão, gás natural) requer considerar-se a biomassa como parte inte-
rendimento elétrico e sem aproveitamento de calor, facilmente se conclui grante da mudança de paradigma industrial rumo a uma utilização mais
que terá que existir uma mudança de paradigma e de estratégia nacio- racional dos recursos renováveis para diversos setores económicos, tais
nal para a devida valorização desta matéria-prima endógena e renovável. como a agricultura e a alimentação, a floresta e a sua indústria derivada

36
dossier sobre biomassa

(aglomerados, mobiliário, pasta e papel, entre outros), a agroindústria, os


têxteis, os cosméticos, os bioplásticos, os materiais de construção basea- No caso do setor dos transportes, responsável por cerca
dos em biocompósitos, bem como a sua utilização para energia (pellets, de 25% das emissões totais de gases com efeito de estufa,
briquetes, biocombustíveis líquidos e gasosos, eletricidade e calor). Obvia- a biomassa possui um potencial de melhoria da segurança
mente a produção de biomassa para a alimentação humana e animal energética nacional, ontribuindo para a redução das
constitui a principal prioridade na utilização da área agrícola, mas mesmo importações de petróleo, carvão e gás natural, através
aqui, conceitos como a valorização dos resíduos, a melhoria da produ- da sua utilização em cadeias de valor avançadas para
tividade agrícola, a gestão otimizada dos solos, a logística e o armazena- a produção de biocombustíveis gasosos.
mento podem, em muito, aumentar a eficiência da cadeia alimentar e
libertar solos menos produtivos, incultos ou de pousio para usos não-a-
limentares. A bioenergia deve ser considerada uma prioridade no PNPB biocombustíveis gasosos (exemplo: biometano/gás natural sintético), ou
pelo contributo que pode dar aos compromissos nacionais nas áreas da líquidos (substitutos de gasóleo e gasolina). Finalmente convém refe-
economia, ambiente e desenvolvimento rural (que decorrem de Diretivas rir o contributo da biomassa, como uma fonte renovável não-intermi-
Europeias), em particular para os setores dos transportes e para soluções tente, no futuro, para a estabilização das redes elétricas, no âmbito do
estacionárias para a produção renovável de calor e arrefecimento. A nível mix energético nacional, à medida que aumenta a quota das FERs de pro-
europeu, Portugal encontra-se comprometido com as metas da Diretiva dução intermitente (exemplo: eólica e solar) injetadas nas redes elétri-
de promoção das fontes de energias renováveis, RED (2009/28/EC) até cas. Este contributo da biomassa para a produção de eletricidade deve,
2020. Para o período de 2021-2030, a proposta RED II, em discussão, irá no entanto, obedecer a critérios de sustentabilidade quer de eficiência
introduzir critérios de sustentabilidade para toda a biomassa que seja uti- energética quer de redução de emissões de gases de efeito de estufa
lizada para a valorização energética, o que inclui o seu uso para eletrici- significativos. Na área dos biocombustíveis avançados, a aposta na bio-
dade, calor e arrefecimento. massa visa igualmente complementar no curto e médio-prazo a aposta
No caso do setor dos transportes, responsável por cerca de 25% das nacional na mobilidade elétrica, garantindo uma trajetória mais rápida
emissões totais de gases com efeito de estufa, a biomassa possui um de decréscimo das emissões de GEE bem como contribuir como princi-
potencial de melhoria da segurança energética nacional, contribuindo pal FER para a mobilidade nos setores marítimo (navios de mercadorias
para a redução das importações de petróleo, carvão e gás natural, atra- de longo curso), transporte rodoviário de mercadorias de longa distân-
vés da sua utilização em cadeias de valor avançadas para a produção de cia e na aviação.
PUB.

37
dossier sobre biomassa

fontes alternativas
de biomassa para energia

Luís Oliveira
Amadeu Borges, amadeub@utad.pt

Sumário A composição química dos dejetos de suíno depende de vários fato-


O consumo de energia está associado a todas as atividades do ser humano. res como raça e idade do animal, método e tipo de alimentação [4]. Na
O desenvolvimento económico e o crescimento desordenado das popu- Tabela 1 pode ver-se a composição típica dos dejetos de suíno.
lações associado ao estilo de vida da sociedade moderna, levantam uma
grande preocupação com o meio ambiente e as suas fontes de energia.
Existe, por isso, a necessidade de tomar ações no controlo do consumo Kjeldhal
Matéria
Cinzas NDF b ADF c ADL d
NH4/N a orgânica C (%)
energético decorrente da atividade humana bem como no fornecimento N (%) (%) (%) (%) (%)
(%)
adequado e sustentável de energia.
As alterações climáticas estão na ordem do dia. A emissão de gases de Chorume Fresco 0,39 0,74 1,00 0,52 1,16 0,60 0,31 0,16
efeito de estufa (GEE) representa uma grande contribuição na alteração
das caraterísticas físico-químicas da atmosfera, comprometendo o equilí- Fração sólida 0,62 0,45 13,50 6,74 2,59 11,29 6,13 3,10
brio natural da biosfera e da qualidade de vida no Planeta. A busca por
fontes de energia renovável e limpas surge como alternativa para rever- Fração líquida 0,34 0,76 0,60 0,29 0,80 0,17 0,08 0,04
ter, controlar e mitigar os problemas causados pelos GEE. A biomassa é
uma das maiores fontes de energia disponíveis nas áreas rurais e agroin- Fração líquida
0,32 0,88 0,50 0,23 0,69 0,06 0,03 0,02
digerida
dustriais [1].
Denomina-se por biomassa, os resíduos naturais e resultantes da ativi- a NH4 to N Kjeldhal ratio. b Neutral detergent fibre.
dade humana. São biomassa os subprodutos da agropecuária, da floresta c Acid detergent fibre. d Acid detergent lignin.
ou da exploração da indústria da madeira. Procurando soluções para a uti-
lização destes resíduos, com menor impacto ambiental do que as soluções Tabela 1 Composição química típica dos dejetos de suíno [5].
convencionais, a produção de energia útil, limpa e renovável, sob a forma
de biocombustível sólido para utilização em sistemas de aquecimento é, de
facto, a escolha imediata. O teor de carbono e matéria orgânica presentes na biomassa fresca con-
centram-se principalmente na fração sólida, que apresenta o potencial de
ser transformada e utilizada como biomassa sólida.
Biomassa de dejetos de suíno Por comparação com a biomassa florestal (Tabela 2), conclui-se que a
Colatto et al. afirmaram em 2011 que a produção animal é uma das ati- maior preocupação será em reduzir o teor de cinzas, não apresentando, no
vidades de grande impacto ambiental, considerada pelos órgãos de con- entanto, valores elevados de lignina.
trolo ambiental como uma das causadoras de degradação, tendo um
grande potencial poluidor no que diz respeito aos recursos hídricos [2].
Quando dejetos de origem animal são despejados em rios, lagos ou no Matéria orgânica (%) C (%) Cinzas (%) Lignina (%)
meio ambiente, são emitidos GEE para a atmosfera, como o dióxido de car-
bono. Seja pelos aspetos ligados à transmissão de doenças e, portanto, à 5 49 - 50 0,5 28

saúde pública, seja pela contaminação de cursos de água e lençóis freáticos


ou mesmo por questões sociais, esta atividade encontra-se no centro das Tabela 2 Composição química da biomassa florestal [6].
atenções das discussões ambientais. Por essa razão, é incentivada a procura
de soluções que minimizem ou eliminem os fatores negativos decorrentes
da atividade agropecuária, ou seja, transformar problemas como dejetos em Procedimento de análise
produtos menos agressivos para o meio ambiente e economicamente viá- Após a recolha da fração sólida de dejetos de suíno é determinada a ener-
veis. A suinicultura é uma das atividades responsáveis pela aglomeração de gia necessária para a secagem desta biomassa, contendo um teor de humi-
grandes quantidades desta biomassa [3]. dade de aproximadamente 66%. É depois estilhada e triturada antes de
Colatto et al., em 2011, concluíram que o uso da biomassa animal, dimi- determinado o seu poder calorífico.
nui não só a capacidade poluidora das suas fezes, mas também o volume Com a biomassa triturada procede-se à produção de pellets (Figura 1).
diário de GEE emitido pelos mesmos [2]. Tendo em conta o substancial teor de cinzas da utilização de dejetos de

38
dossier sobre biomassa

suíno procura-se, com a incorporação de outras biomassas, reduzir este Resultados


teor para valores comparáveis aos resultantes da combustão de biomassa Foram obtidos, por calorimetria, os valores de PCI (Poder Calorífico Infe-
florestal. rior) na ordem dos 15,87 MJ/kg em pellets, constituídos apenas por deje-
Neste sentido foram considerados diversas fontes de biomassa, entre as tos de suíno.
quais serrim proveniente do corte de madeira de pinho, pó de cortiça resul- No Gráfico 1 verifica-se que a incorporação de outras biomassas na
tante do fabrico de rolhas e biochar obtido a partir da pirólise dos dejetos. base de dejeto de suíno permitiu aumentos dos valores do PCI entre os
Após a incorporação de diferentes biomassas foram analisados os resul- 11 e os 26%, chegando mesmo a atingir os 20 MJ/kg quando introduzido
tados em termos de poder calorífico. biochar e pó de cortiça.

Figura 1 Pellet de dejetos de suíno. Gráfico 1 PCI dos pellets ensaiados.


PUB.

39
dossier sobre biomassa
FONTES ALTERNATIVAS DE BIOMASSA PARA ENERGIA

Potencial energético A Tabela 6 ilustra o potencial de utilização dos dejetos suínos para a pro-
Em Portugal, a produção de suínos ultrapassa os 2 milhões de cabeças por dução de calor, recorrendo a um processo de combustão direta com efi-
ano conforme ilustrado no Gráfico 2. Assim, considerando a produção diá- ciência de 85% ou convertida em eletricidade, considerando um ciclo de
ria de dejetos por animal ilustrada na Tabela 3, e caso fosse possível con- Rankine com 35% de eficiência.
verter a totalidade dos dejetos de suíno em energia, não tendo em conta
a limitação inerente à separação física entre as diversas instalações agro-
pecuárias espalhadas pelo território nacional, poderá avaliar-se o potencial Energia disponível
energético desta biomassa. Produção de calor (MWh) 3.184.763,29

Produção de eletricidade (MWh) 1.311.373,12

Tabela 6 Energia disponível nos subprodutos da exploração suína.

Desta forma, considerando o custo de 0,0633€/kWh seria evitada a


compra de gás natural na ordem dos 201,6 milhões de euros.
Da mesma forma, considerando o preço de 0,1620€/kWh, a utilização
desta biomassa num ciclo de Rankine poderia resultar na venda de cerca de
212,4 milhões de euros em eletricidade de origem renovável.
Consultando a Figura 2, facilmente se pode concluir que o potencial
poderá aumentar se forem consideradas misturas de dejeto com biochar.

Gráfico 2 Produção de suínos em Portugal nos últimos 5 anos [7]. Conclusões


A valorização energética de biomassas como os desperdícios da ativi-
dade agrícola, considerados como resíduos incómodos e pouco amigos do
Tipo de animal Média de produção de dejetos (em kg por dia) ambiente, conduz necessariamente a uma valorização económica, muito à
custa da conversão desses desperdícios em energia térmica e em eletricidade.
Bovinos 10,00 A valorização energética surge como solução para o problema, resul-
tando ainda em ganhos para as empresas.
Suínos 2,25
Tendo por base os resultados obtidos, conclui-se que o potencial energé-
Aviários 0,18 tico da biomassa, resultante da produção de suínos, tem um valor elevado,
sendo este aproximado aos verificados nos pellets existentes no mercado,
Equinos 10,00 quando comparados com os custos inerentes à produção dos mesmos.
Com a incorporação de outras biomassas numa base de dejeto de suíno,
Tabela 3 Produção diária de dejetos por animal [2]. será possível obter valores de PCI iguais ou até mesmo superiores aos veri-
ficados em produtos comerciais.
De referir que, apesar da incorporação de biochar obtido pela pirólise
Considerando a média de produção de cabeças de gado suíno dos últi- dos dejetos aumentar o poder colorífico resultante, a quantidade de maté-
mos 5 anos, a Tabela 4 mostra a quantidade média de biomassa disponível ria seca disponível será menor devido à eliminação de compostos voláteis
para a conversão em energia, após secagem, até uma redução em 50% da durante o processo de pirólise.
massa inicial, continuando a existir cerca de 15% de teor de água no pro-
duto resultante.
Bibliografia
[1] E. L. Batista dos Santos e G. Nardi Junior, “Produção de biogás a partir
Matéria Fresca (Ton/dia) 4753,35 de dejetos de origem animal,” Tekhne e Logos, vol. 4 n.º2, agosto 2013.
[2] L. Colatto e M. Langer,“Biodigestor – Resíduo sólido pecuário para produção
Matéria Seca (Ton/dia) 2329,14 de energia,” Unoesc & Ciência – ACET, vol. 2 n.º2, pp. 119-128, jul./dez. 2011.
[3] G. Pereira, “Viabilidade econômica da instalação de um biodigestor em
Tabela 4 Quantidades de biomassa de origem suína em Portugal. propriedades rurais,” RACI – Revista de Administração e Ciências Contá-
beis do IDEAU, vol. 6 n.º12, jan./jun. 2011.
[4] Z. K. A. Makara, “Pig manure treatment and purification by filtration,”
Assim, o potencial energético dos subprodutos da produção suína são Journal of Environmental Management, vol. 161, pp. 317-324, julho 2015.
avaliados nas quantidades ilustradas na Tabela 5, resultando num total de [5] F. A. L. Z. J. W. v. G. G.V. C. G. Chiara Bertora, “Pig slurry treatment modi-
321 152 Tep. fies slurry composition, N2O, and CO2 emissions after soil incorpora-
tion.,” Soil Biology & Biochemistry, vol. 40, n.º 8, pp. 1999-2001, 2008.
[6] U. Klock, G. I. B. d. Muñiz, J. A. Hernandez e A. S. d. Andrade, Química da
Potencial diário (GJ/dia) Total anual (GJ) Total anual (MWh) Total anual (Tep) Madeira, 3.ª ed., Curitiba: Universidade Federal Do Paraná Setor De Ciên-
cias Agrárias Departamento De Engenharia E Tecnologia Florestal, 2005.
36 954,55 13 488 409,24 3746 780,34 321 152,60 [7] “FAOSTAT – Food And Agriculture Organization Of The United
Nations Statistics,” [Online]. Available: http://faostat.fao.org/. [Acedido
Tabela 5 Potencial energético da biomassa suína em Portugal. em 8 fevereiro 2018].

40
PUB.
dossier sobre biomassa

floresta | gestão de combustíveis


| biomassa | energia

A floresta passou a ser um dos temas mais abordados dos últimos tempos no panorama nacional,
e do muito que se tem falado, há uma conclusão unânime e que ultrapassa todas as correntes de opinião,
e que passa pela indiscutível influência das dinâmicas sociais sobre a floresta. Os incêndios rurais não
são apenas uma questão de ordenamento do território, são também uma questão social.

Sónia Figo (sonia.figo@centrodabiomassa.pt)


Teresa Almeida (teresa.almeida@centrodabiomassa.pt)
Centro da Biomassa para a Energia | Unidade de Biomassa

A progressiva diminuição da população fora dos grandes centros urbanos a diminuição da nossa dependência energética, trazendo inúmeros benefí-
e o seu progressivo envelhecimento aliado ao abandono das áreas de flo- cios ambientais, económicos e energéticos.
resta, que vai crescendo per si, e nas quais escasseia a gestão florestal e a Na Estratégia Nacional para as Florestas, a produção de biomassa para a
implementação de modelos de silvicultura mais adequados, têm em muito energia é identificada como um dos principais bens e serviços prestados pelos
contribuído para a situação a que hoje chegámos. ecossistemas florestais e que contribuem para a satisfação das necessidades da
O abandono dos espaços rurais é uma questão premente, resistente a sociedade. No Plano Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios, no que
praticamente toda e qualquer legislação. Passa, portanto, por criar pólos de respeita à atuação estratégica para o aumento da resiliência do território aos
atratividade pelos espaços rurais, e muito concretamente pelos espaços flo- incêndios florestais e para a recuperação e reabilitação dos ecossistemas flo-
restais, sendo consensual que espaços florestais bem geridos são geradores restais, a gestão sustentável da floresta tem um papel fundamental, nomeada-
de florestas mais resilientes ao fogo. mente através da remoção da elevada carga combustível existente nas florestas.
Uma floresta ao abandono, crescendo à deriva, muitas vezes em sobre- A Estratégia Nacional para a Adaptação às Alterações Climáticas refere o
posição de povoamentos florestais ardidos, cujo material queimado não aumento do risco de incêndio florestal como um dos impactos das altera-
chegou sequer a ser retirado, a inexistência de operações silvícolas con- ções climáticas com maior expressão na região mediterrânea e inclui, entre
ducentes a povoamentos resilientes à passagem do fogo, a inadequação outros objetivos estratégicos, o aumento da resiliência, redução dos riscos
das florestas ao potencial produtivo ou de proteção, conduz ao acumular e manutenção da capacidade de produção de bens e serviços.
explosivo de biomassa nos espaços rurais, potenciando a existência e pro- Acresce a estes instrumentos, no quadro da política energética nacional,
gressão de incêndios cada vez mais devastadores e incontroláveis. enquanto aposta estratégica, nas linhas de ação do PNAER 2020 o estímulo
ao desenvolvimento da utilização energética da biomassa, sobretudo flo-
restal, sendo de sublinhar as medidas específicas para a biomassa florestal,
Rendimento e prevenção relativamente aos setores Elétrico e Aquecimento & Arrefecimento, nomea-
A gestão florestal e o aproveitamento da biomassa resultante das opera- damente “Centrais de biomassa”, “Valorização da biomassa florestal” e “Calor
ções silvícolas são fatores determinantes, não só para a obtenção de um Verde” (ENF, 2015).
rendimento complementar para as populações rurais, mas também na pre- A Reforma das Florestas, mais diretamente através do Decreto-Lei
venção de incêndios, principalmente num momento como o presente, em n.º 64/2017 de 12 de junho, reconhece o contributo que as centrais podem
que a preocupação com o risco de incêndio é muito elevado. Neste con- ter para “a dinamização do mercado dos sobrantes florestais e indiretamente
texto, aproveitar a biomassa para peletizar ou estilhaçar e, em simultâneo, o fomento das boas práticas de gestão e exploração florestal sustentável, e
criar um plano para encorajar a instalação de pontos de consumo a bio- ainda a economia local.”
combustíveis sólidos em edifícios públicos ou privados nos meios rurais Destacam-se ainda, neste contexto, as recentes Resoluções da Assembleia
poderá aliar 2 importantes vetores: a poupança de energia e a diminuição da República n.º 71/2018 de 19 de março e n.º 73/2018 de 20 de março que,
da carga inflamável das florestas, para além do importante contributo ao respetivamente, recomendam ao Governo que desenvolva um programa de
nível da dinamização da atividade nas zonas rurais, podendo tornar-se uma promoção da utilização de biomassa agroflorestal para autoconsumo e a cria-
mais-valia para a fixação ou renovação da população. ção de um programa para redução e controlo da biomassa florestal.

Não tem sido por falta de legislação Centrais e municípios


No contexto das políticas nacionais, a biomassa florestal para a produ- Com a publicação do Decreto-Lei n.º 64/2017 de 12 de junho (aprova o
ção de energia destaca-se fruto da sua importância estratégica, ligando regime para novas centrais de biomassa florestal) e com a devastação pro-
dois importantes pilares da economia: o incremento da gestão florestal e vocada pelos incêndios rurais em 2017, os governantes despertam cada vez

42
PUB.
Figura 1 Central a biomassa de Viseu, atualmente em construção, devendo estar a
produzir em pleno em março de 2019, com um consumo diário de 500 a 600 tonela-
das de biomassa.

mais para o papel que a biomassa poderá vir a ter num futuro pró-
ximo para a revitalização das florestas, e consequente redução do
risco de incêndio, mas também da própria economia local.
Um plano de gestão florestal municipal que contemple a valori-
zação sustentável da biomassa florestal residual, aliado à existência,
num raio economicamente viável, de um consumidor deste tipo de
biocombustível sólido, contribuem para uma maior atratividade pelas
florestas que terá como consequência direta, não a diminuição de
ocorrências mas sim a transformação dos pequenos focos em incon-
troláveis e devastadores incêndios.
Estas centrais têm um papel importantíssimo na economia local, e
mais concretamente para as populações rurais, pois são uma forma
de remunerar as limpezas e outras intervenções silvícolas, cujos pro-
prietários florestais são, muitas vezes, incapazes de suportar, poten-
ciando para além disso, a criação de emprego no setor primário, e a
consequente fixação da população.

Ecopontos Florestais
Há muito que o Centro da Biomassa para a Energia (CBE) tem divul-
gado as vantagens da criação de infraestruturas - parques intermédios
de recolha e processamento da biomassa florestal, com o objetivo
de tornar a atividade viável e economicamente atrativa. Este tipo de
infraestruturas poderia estimular as intervenções silvícolas, dado que
os proprietários, empresas de exploração florestal ou outros agen-
tes com intervenção na floresta, disponibilizavam de um local onde
garantidamente poderiam depositar estes sobrantes para valoriza-
ção energética.
É, neste sentido, que o promotor da central de biomassa de Viseu
em conjunto com o CBE pretendem dinamizar a criação de ecopon-
tos para resíduos florestais nas 25 freguesias do concelho, cujas recei-
tas reverterão a favor das autarquias, cuja iniciativa teve, desde logo,
grande recetividade pelo Município de Viseu.
A ideia base do projeto é a criação de um ecoponto em cada
junta de freguesia, no qual a população poderá depositar os restos
das podas do seu jardim ou da limpeza dos seus terrenos. Para além
disso, os serviços municipais ou das freguesias passam a ter um local
onde deixar os resíduos florestais das limpezas que realizam, sendo
que, posteriormente, é feita a recolha dos ecopontos e o transporte
para uma central de biomassa.
Estas infraestruturas irão gerar uma receita para as freguesias,
tendo ainda como mais-valia evitar as queimadas a céu aberto, que
para além de poluírem o ambiente, muitas vezes se transformam em
grandes incêndios.
dossier sobre biomassa

patentes relacionadas com


o binómio biomassa-energia

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa de patentes a nível nacional e internacional,
numa base de dados nacional e numa base de dados europeia que, de algum modo, se relacionam
com o binómio biomassa-energia.
Luís Gil, Mónica Pinheiro
Direção-Geral de Energia e Geologia/Divisão de Estudos Investigação e Renováveis
luis.gil@dgeg.pt; monica.pinheiro@dgeg.pt

Resumo
As patentes selecionadas referem-se a produtos e processos que, se rela- a) Plataforma de conversão química/bioquímica da biomassa:
cionam com aspetos referentes a métodos de preparação dos vários tipos – Transesterificação para biodiesel e hidrogenação para HVO (óleo vege-
de biomassa existentes, à sua utilização direta na produção de vários tipos tal hidrotratado);
de energia e à sua transformação em diferentes vetores energéticos e uso – Fermentação para substitutos de gasolina [bioetanol, ETBE (éter etí-
dos mesmos. Foi construída uma listagem de 628 patentes neste domínio. lico e terc-butílico)];
A análise dos dados obtidos e a sua discussão permite ter uma perspe- – Digestão anaeróbia para biogás/biometano.
tiva tecnológica e cronológica sobre os desenvolvimentos ocorridos neste
domínio. b) Plataforma de conversão termoquímica da biomassa:
– Combustão de biocombustíveis sólidos para eletricidade e calor;
– Gasificação para gás de síntese;
Introdução – Pirólise para bio-óleos (biolíquidos).
A nível nacional a biomassa desempenha também um papel importante na
produção de energia, prevendo-se o crescimento do seu contributo com Assim, dado o crescente interesse na produção sustentável de energia
as centrais de biomassa que irão entrar em funcionamento e o desenvol- e o forte contributo da biomassa neste domínio, é importante fomentar
vimento do plano nacional de biorrefinarias. De acordo com as Estatísti- o uso eficiente deste recurso na produção de energia. Por isso é necessá-
cas Rápidas da DGEG [1], em 2017 (dados provisórios), foram produzidos rio saber o que existe de oferta tecnológica a nível nacional e internacional
3180 GWh de energia elétrica com recurso ao uso da biomassa [inclui resí- nesta área, nomeadamente tendo como objetivo a utilização dos sistemas
duos vegetais/florestais, licores sulfitivos, biogás e RSU (parte renovável)] mais económicos, eficientes e com melhor desempenho.
e mais de 62% desta produção de energia situava-se na região centro. De Consequentemente é importante saber o potencial tecnológico (levan-
acordo com a mesma fonte [1], em 2016 cerca de 60% da biomassa foi tamento) e comparar com a oferta comercial de tecnologia/produtos ao
transformada noutras formas energéticas, nomeadamente em centrais ter- nível da biomassa para a energia. As novas tecnologias desenvolvidas e
moelétricas e de cogeração, sendo que 55% da produção renovável nacio- ainda não exploradas poderão ter, assim, oportunidade de passar à fase de
nal provém da biomassa. inovação. Para satisfazer esta necessidade uma das vias é efetuar uma pes-
Podem ser identificados 4 grandes tipos de biomassa [2]: biomassa rica quisa de patentes.
em açúcar ou amido, biomassa oleaginosa, biomassa lenho-celulósica, e bio-
massa com um elevado grau de humidade. Além desta divisão pode ainda
referir-se que na designação biomassa para energia podem considerar-se Pesquisa de patentes
essencialmente [não considerando a biomassa algal (exemplos: microalgas Esta pesquisa centra-se em produtos e processos, com base em palavras/
e macroalgas)] 5 classes de matérias-primas: temas-chave definidos existentes no título e conteúdo do resumo, dividin-
1) Material de origem florestal e da indústria de processamento da madeira; do-se as patentes em efetuadas através de pedidos nacionais, pedidos ao
2) Material residual da atividade agrícola e da indústria agroalimentar; nível da patente europeia e outras (WO, nacionais de outros países…).
3) Culturas energéticas; Nesta pesquisa foram consideradas as patentes concedidas ou a aguar-
4) Fração orgânica dos resíduos sólidos urbanos; dar um processo de concessão, em vigência ou já no domínio público, sem
5) Produtos secundários de processos industriais. limite temporal.
A pesquisa foi efetuada com base numa base de dados nacional e numa
A conversão da biomassa ocorre através de processos termoquímicos base de dados internacional (europeia). Deste modo, esta pesquisa foi efe-
(por exemplo: combustão, gaseificação e pirólise) e processos bioquímicos tuada em duas fases:
(fermentação e digestão anaeróbia). Os principais processos de conversão 1.ª fase – Pesquisa usando um serviço online do Instituto Nacional da Pro-
de biomassa em energia podem ser sintetizados da seguinte forma: priedade Industrial (www.inpi.pt àhttp://servicosonline.inpi.pt/pesquisas/

44
dossier sobre biomassa

main/patentes.jsp?lang=PT [3]); foram excluídas as patentes recusadas, mas


foram consideradas as que aguardavam decisões de índole diversa. A pes- As patentes selecionadas constituíram uma
quisa foi efetuada com base em palavras/temas-chave em língua portuguesa listagem (existente na DGEG) em que consta
previamente estabelecidas (ver abaixo); o número da patente, a sua abrangência (nacional,
2.ª fase – Pesquisa efetuada na base de dados ESPACENET do European internacional), o ano de prioridade, se se trata
Patent Office (https://worldwide.espacenet.com/ [4]); as palavras/temas- de uma patente de produto ou de processo, ou
-chave usadas foram as mesmas da 1.ª fase mas traduzidas em língua inglesa ambos, e as palavras/temas-chave sob as quais
e usando a função de smart search. foi detetada. Para a abrangência foi considerado
As palavras/temas-chave usados por ordem alfabética (da língua portu- o código internacional de países.
guesa) foram [1.ª fase (2.ª fase)]:
Bagaço (bagasse energy); Biometano (biomethane); Biocombustível (bio-
fuel from biomass); Biodiesel (biodiesel from biomass); Biodigestor (biodigestor
biodigester); Bioetanol (bioethanol from biomass); Biogás (biogás from bio-
mass); Biomassa (biomass for energy production); Briquetes (briquetes from
biomass); Caldeira (biomass boiler for energy); Carvão vegetal (charcoal for
energy production); Ciclo combinado (combined cycle biomass); Combustão
(biomass combustion for energy); Etanol (etanol from biomass); Gaseificação
(biomass gasification for energy); Lamas (biomass sludge for energy); Peletes
(pellets from biomass); Pirólise (biomass pyrolysis for energy); Resíduos ali-
mentares (food wastes for energy); Resíduos de jardins e agricultura (garden
agriculture wastes); Resíduos florestais (forest wastes and energy); Resíduos
orgânicos (organic wastes for energy).
As patentes selecionadas constituíram uma listagem (existente na DGEG)
em que consta o número da patente, a sua abrangência (nacional, interna-
cional), o ano de prioridade, se se trata de uma patente de produto ou de
processo, ou ambos, e as palavras/temas-chave sob as quais foi detetada.
Para a abrangência foi considerado o código internacional de países [5].

Resultados e discussão
A partir da base de dados constituída obtiveram-se os seguintes resultados: Gráfico 2 Número de patentes por país
– número total de patentes – 628; (código de países em [5]), europeias (EP) ou
– número de patentes de produto – 32/5,1% (ver Gráfico 1); internacionais (WO). Gráfico 3 Número de patentes por ano.
– número de patentes de processo - 497/79,1% (ver Gráfico 1);
– número de patentes processo/produto – 99/15,8% (ver Gráfico 1);
– número de patentes/país/europeias/internacionais – (ver Gráfico 2); Quase 80% das patentes detetadas caiem na categoria de processo rela-
– número de patentes por ano – (ver Gráfico 3). cionadas com métodos de transformação da biomassa em energia ou da
sua preparação para esse fim.
Ao nível de tendências verifica-se que muitas das patentes foram dete- Foram detetadas 100 patentes europeias (EP) e 122 patentes interna-
tadas com base em mais do que uma palavra/tema-chave e que o baixo cionais (WO). Ao nível de países sobressaem os Estados Unidos (US) com
número de patentes em 2016 está relacionado com o facto de provavel- 75 patentes e o Japão (JP) com 64. Assinale-se também o grande número
mente as patentes introduzidas nas bases de dados consultadas não abran- (49) de patentes nacionais (PT) detetadas, porventura, por uma maior faci-
gerem ainda todo esse ano (registos incompletos de 2016). lidade de acesso à base de dados nacional.
No que se refere à evolução cronológica, a primeira patente detetada
foi registada em 1979, tendo-se verificado um grande aumento de paten-
tes registadas no período 2006-2016, com o pico em 2010.
A listagem construída (DGEG) pode ser uma importante ferramenta de
consulta para tecnólogos, empresários e outros interessados, nomeadamente
para avaliarem o estado da arte no domínio do binómio biomassa-energia.

Referências
[1] E statísticas Rápidas: 2017, DGEG, em www.dgeg.gov.pt.
[2] Paz, A. M. (2013). “Biological resources for energy” in Reference Module
in Earth Systems and Environmental Sciences, Elsevier, ISBN: 978-
0-12-409548-9, em www.sciencedirect.com/science/ar ticle/pii/
B9780124095489058814.
[3] Serviço online INPI - Pesquisa de patentes em http://servicosonline.inpi.
pt/pesquisas/main/patentes.jsp?lang=PT.
[4] E spacenet – Paten Search em https://worldwide.espacenet.com/.
[5] Código Internacional de Países, em https://worldwide.espacenet.com/hel-
Gráfico 1 Número de patentes por tipo. p?locale=pt_LP&topic=countrycodes&method=handleHelpTopic.

45
nota técnica

maior fiabilidade nos rolamentos


de um sistema de suporte
do eixo principal

O eixo principal de uma turbina eólica necessita de um rolamento fiável para funcionar. É sabido
que os projetos de rolamentos falham prematuramente, o que resulta em reparações de manutenção
dispendiosas. As recentes atualizações e avanços nos projetos dos rolamentos aumentam a fiabilidade
e garantem a estabilidade do eixo principal. Selecionar o rolamento adequado é benéfico para
o desempenho global de uma turbina eólica.
Bradley Baldwin
Diretor-Geral da Wind Energy
The Timken Company

Os projetos de turbinas eólicas modulares utilizam, habitualmente, rola- Fatores determinantes


mentos autocompensadores de rolos (SRB) para suportar e transportar as Elevada carga axial num rolamento SRB radial: embora não exista um
cargas do eixo principal. O projeto SRB simples, conhecido como um apoio limite máximo oficial, um rácio convencional de carga axial a radial permi-
de 3 pontos que é suportado por um único rolamento principal e dois bra- tida para rolamentos autocompensadores de rolos de duas carreiras situa-
ços de binário reacionários da caixa de engrenagens, é habitualmente sele- -se entre 0,15 e 0,20. Logo, a carga axial deve ser apenas de 15% a 20%
cionada para permitir: da reação radial do rolamento de duas carreiras. Em algumas aplicações,
• Um conjunto de nacelle mais curto; este rácio pode aumentar para 0,30 ou 0,35. Quando tal ocorre, tornam-
• Deflexão e desalinhamento elevados do sistema; -se evidentes vários tipos de falhas que estão relacionados com o desen-
• Uma cadeia de fornecimento comercialmente económica. caixe da carreira do rolamento. Este desencaixe pode afetar a distribuição
da carga entre carreiras, a assimetria dos rolos, a tensão no retentor, a gera-
Infelizmente, alguns operadores sofreram falhas em campo muito mais ção excessiva de calor e o desgaste por deslizamento dos rolos. Na posi-
cedo do que o esperado com alguns projetos SRB simples, o que reduziu ção fixa do eixo principal, este rácio encontra-se frequentemente próximo
significativamente a vida útil. A substituição não planeada de um rolamento de 0,60, o que faz com que apenas uma das duas carreiras suporte a carga
do eixo principal pode custar aos operadores de parques eólicos até radial e axial. Devido a esta reação desigual, o rolamento pode não funcio-
450 000 dólares e tem um impacto evidente no desempenho financeiro. nar como originalmente pretendido ou projetado.

Figura 2 A distribuição desigual da carga ocorre quando o rácio de carga axial a radial
permitida para os rolamentos autocompensadores de duas carreiras aumenta para além de
Figura 1 O projeto SRB com apoio de 3 pontos suporta o rolamento do eixo principal e 0,15 a 0,20. A carreira do rolamento a montante desencaixa, fazendo com que apenas a
dois braços de binário reacionários na caixa de engrenagens. carreira a jusante suporte a carga.

46
PUB.
Geração inadequada da película lubrificante: de um modo geral,
as condições de funcionamento para o rolamento do eixo principal
não são as ideais para a geração de película lubrificante. Com uma
velocidade de funcionamento máxima de cerca de 20 rpm, a velo-
cidade da superfície do rolamento e a geração de película lubrifi-
cante podem ser insuficientes para manter as asperezas entre os
rolos e os anéis separadas. Além disso, as mudanças nos momen-
tos de inclinação das pás e de guinada alteram constantemente, e
de forma quase instantânea, a localização e a direção da zona de
carga. Tal interrompe a formação e a qualidade da película lubrifi-
cante. A alteração é acelerada nos SRB com apoio de 3 pontos, que
funcionam sob folga radial e aumenta o risco de microcorrosão ou
desgaste por deslizamento.

Figura 3 Nas fases iniciais de desgaste nos SRB com apoio de 3 pontos, o nítido
trajeto de desgaste na carreira a jusante poderá corroer a geometria de contacto
projetada, conduzindo a tensões no anel mais elevadas do que o previsto e à potencial
falha do rolamento.

Soluções de conceção para melhorar o desempenho


Felizmente existem atualizações prontamente disponíveis no mer-
cado para as turbinas existentes, bem como soluções de conceção
técnica mais sofisticadas para plataformas de turbinas mais recentes.

Atualizações dos SRB para turbinas existentes


Para uma troca direta nas frotas existentes, a empresa oferece SRB
resistentes ao desgaste que utilizam tecnologia de superfície espe-
cialmente projetada em conjunto com acabamentos de superfície
melhorados. Os rolamentos resistentes ao desgaste aumentam a pro-
teção dos anéis contra microcorrosão através da redução das ten-
sões de corte e interações das asperezas. A superfície especialmente
projetada possui um revestimento duradouro e exclusivo de carbo-
neto de tungsténio, hidrocarboneto amorfo (WC/aC:H). Geralmente,
os revestimentos WC/aC:H são moderadamente mais resistentes do
que o aço HRC60, 1 a 2 micrómetros mais espessos e possuem bai-
xos coeficientes de atrito ao deslizarem contra o aço. A superfície
avançada dos rolos destina-se a polir e reparar os anéis danificados
durante o funcionamento. Com acabamentos de superfície melhora-
dos, a película lubrificante aumenta a espessura, ajudando a melhorar
a superfície de contacto com as asperezas. A superfície especial-
mente projetada reduz as interações das asperezas e as tensões de
corte na superfície que causam desgaste. Os benefícios levam a um
aumento da vida útil do rolamento e também a uma redução no
binário de rotação.
nota técnica
MAIOR FIABILIDADE NOS ROLAMENTOS DE UM SISTEMA DE SUPORTE DO EIXO PRINCIPAL

Figura 5 A disposição de rolamentos do eixo principal 2-TS oferece uma solução cónica
económica em um projeto compacto.

Projetos de rolamentos de rolos cónicos (TNA, TDO


Figura 4 Os SRB resistentes a desgaste da Timken reduzem as tensões de corte e as inte- ou TDI) de carreira dupla
rações das asperezas que protegem contra o desgaste, tal como microcorrosão. O rolamento TNA de grande diâmetro, também chamado TDO quando é
utilizado um espaçador entre os anéis cónicos, tornou-se uma opção com
base no seu desempenho em campo e na facilidade de montagem. Os
ângulos inclinados do anel criam uma elevada rigidez de inclinação num
Caraterísticas e benefícios dos SRB resistentes a desgaste da Timken
espaço axial curto para compensar os momentos aplicados de inclinação
das pás e de guinada. Os componentes separados dos rolamentos podem
Tecnologia Descrição Benefícios ser unificados com vedantes e massa lubrificante para simplificar o manu-
seamento e a instalação. A pré-carga definida de fábrica garante um encaixe
Acabamento Baixa rugosidade, acabamento Redução do contacto e da tensão correto. A construção axial compacta permite aos designers de turbinas
do rolo isotrópico das asperezas reduzirem o comprimento global da nacelle. O rolamento aumenta de diâ-
metro à medida que o tamanho da turbina aumenta (aproximadamente
3,2 metros de diâmetro externo para 5 MW). Esses projetos são particu-
Revestimento Revestimento WC/aC: H com Aumento da resistência ao
do rolo 1 μm de espessura desgaste, à fadiga e a detritos larmente adequados para turbinas eólicas de transmissão direta, mas tam-
bém se encontram em projetos com engrenagens.
Redução da tensão do rolo,
Geometria Conformidade de rolo/IR, folgas
redução da assimetria do rolo,
interna internas
criação de tração favorável

Gaiola Gaiola de bronze maquinado Redução das forças de


bipartida de duas peças funcionamento possíveis

Benefícios dos projetos de rolamentos


de rolos cónicos (TRB)
Um projeto de eixo principal com TRB e as caraterísticas de pré-carga
melhoram o desempenho do grupo propulsor. Os TRBs ajudam a garantir
a estabilidade e rigidez do sistema, a distribuição da carga entre carreiras e
as interações previstas entre rolo e anel. O projeto permite também várias
configurações de rolamentos de rolos cónicos.

Rolamentos de rolos cónicos simples (2-TS)


O modelo 2-TS simples oferece uma solução económica que pode ter
pré-carregamento para um sistema completo com dois TRB diferentes. Os
rolamentos a montante e a jusante são, então, projetados para acomodar a Figura 6 Os ângulos inclinados do anel dos TDO criam uma elevada rigidez de inclinação
carga de aplicação através do ajuste do ângulo de contacto e da capacidade num espaço axial curto para compensar os momentos aplicados de inclinação das pás e de
do rolamento, conforme necessário. Com o centro eficaz generalizado, os guinada. O rolamento pode também atuar como unidade única, adicionando vedantes e massa
rolamentos são normalmente mais compactos e económicos. lubrificante.

48
nota técnica

Os avanços na engenharia impulsionaram


as atualizações em projetos de turbinas
com o apoio de 3 pontos existentes.

do sistema em comparação com um projeto TDO. Além disso, a pré-carga


do rolamento ajuda a mitigar o desgaste por deslizamento, o escorrega-
mento e a microcorrosão. Em alguns casos, um TDI é trocado diretamente
pelo SRB em turbinas de estilo modular.

Resumo
Incentivados pela necessidade de melhorar a sustentabilidade global, os
fabricantes de rolamentos e OEM de turbinas eólicas estão a trabalhar para
projetar sistemas de eixos principais mais fiáveis. Os avanços na engenha-
ria impulsionaram as atualizações em projetos de turbinas com o apoio de
3 pontos existentes. Adicionalmente, os requisitos de fiabilidade para turbi-
Figura 7 Ao contrário de um projeto SRB simples, o TDI consegue acomodar elevadas capa- nas offshore aumentaram a utilização de rolamentos de rolos cónicos pré-
cidades de carga e garante uma distribuição uniforme da carga, o que diminui o desgaste. -carregados. Estas melhorias no projeto do eixo principal podem aumentar
a fiabilidade de todo o sistema propulsor e conduzir a um custo total de
propriedade globalmente mais baixo.
Um TDI simples pré-carregado oferece uma capacidade de carga elevada
e gera a combinação de cargas radiais e axiais em comparação com um Contribuições adicionais: Tony Fierro, Jerry Fox,
Laurentiu Ionescu e Thierry Pontius, da Timken
rolamento autocompensador simples. O TDI garante a distribuição da carga
entre ambas as carreiras do rolamento e tolera um maior desalinhamento Todas as imagens: The Timken Company
PUB.

49
case study

matérias-primas para
as tecnologias energéticas
hipocarbónicas
As matérias-primas necessárias para produzir os materiais que são fatores-chave para as tecnologias
de baixa emissão de carbono (LCE, da sigla em inglês) são o objetivo deste artigo.
Luís Gil
luis.gil@dgeg.pt
Direção-Geral de Energia e Geologia, I.P.

Resumo A crescente procura global de certos minerais nuclear, captura/armazenamento de carbono e


A avaliação de problemas/riscos na cadeia de e metais, adicionada à volatilidade dos seus pre- rede elétrica inteligente [5].
abastecimento destes materiais, incluindo a ços e até mesmo às distorções do mercado, tem Relacionado com estes aspetos, é de referir
identificação de matérias-primas críticas (CRMs, levantado preocupações relativamente à segu- também uma das parcerias europeias “Comu-
da sigla em inglês), são descritas e discutidas rança do mercado e ao abastecimento econó- nidades de Conhecimento e Inovação” (KIC, da
juntamente com algumas iniciativas da União mico das matérias-primas [4]. sigla em inglês) que se concentra na exploração,
Europeia (UE) sobre matérias-primas. São tam- A União Europeia (UE) está, consequente- extração, processamento, substituição e recicla-
bém abordadas a substituição e a reciclagem mente, a tomar medidas para garantir o acesso gem sustentável de matérias-primas [4]. Outra
de novos materiais de alto valor acrescentado às matérias-primas necessárias, nomeadamente iniciativa da CE, a pedido do Parlamento Europeu,
como estratégias de mitigação à sua possível a nível energético. Ao criar um quadro polí- foi a Rede Europeia de Competências em Terras
escassez. tico (ou seja, a Parceria Europeia de Inovação Raras (ERECON, da sigla em inglês) [4]. De refe-
sobre Matérias-Primas, os programas-quadro de rir ainda o projeto “Em Direção a um Fórum Mun-
investigação, como o 7ºPQ e Horizonte 2020, dial sobre Matérias-Primas” (FORAM, da sigla em
1. Introdução entre outros), a Comissão Europeia (CE) está inglês). Este projeto está a desenvolver e esta-
As matérias-primas como componentes de a promover soluções inovadoras e a acelerar a belecer uma plataforma de partes interessadas
produtos são fundamentais para a economia retoma do mercado no campo das matérias-pri- e especialistas internacionais para a cooperação
e, por isso, essenciais para a qualidade de vida mas [4]. Esta ação começou em 2008, quando internacional assim como uma abordagem mais
das pessoas. Como há um número crescente de a CE adotou a “Iniciativa sobre matérias-primas” coerente e unida em relação aos investimentos
materiais utilizados em produtos [1] as cadeias (RMI, da sigla em inglês), que criou um plano e políticas relativos a matérias-primas.
de abastecimento tornam-se cada vez mais integrado a nível europeu destinado a respon- De salientar ainda que a UE foi a primeira
complexas. der a diferentes problemas para obter algumas entidade no mundo a adotar leis específicas para
Paralelamente existem preocupações ambien- matérias-primas [4]. Como resultado, a primeira resíduos de painéis solares. A Diretiva Europeia
tais e de sustentabilidade que nos “empurram” análise crítica das matérias-primas foi publicada 2012/19/EU inclui metas específicas para a reco-
para uma transição para um sistema de ener- em 2010 por um Grupo de Trabalho Ad-Hoc lha e reciclagem de painéis solares em fim de
gia de baixo carbono (hipocarbónica). Para esta onde foram identificadas 14 matérias-primas crí- vida exigindo que os produtores de painéis que
transição, devem ser realçados os objetivos da ticas com base numa lista inicial de 41 materiais fornecem painéis fotovoltaicos para o mercado
UE, ainda em negociação a nível nacional, em [1]. A estratégia da RMI entrou em fase de imple- europeu paguem os custos de recolha e recicla-
matéria de política energética [2] [3]: mentação em 2013 através da “Parceria Europeia gem desses painéis [6] [7].
a) até 2020, uma redução de 20% das emis- de Inovação (EIP, da sigla em inglês) sobre maté-
sões de gases com efeito de estufa, uma rias-primas” [4].
quota de 20% de energia renovável e 20% O Instituto de Energia e Transportes do Joint 2. Abastecimento de matérias-
de aumento da eficiência energética; Research Centre (JRC) publicou um estudo em -primas
b) até 2030, uma diminuição de 40% das emis- 2011, focando, nomeadamente, tecnologias A fim de planear a evolução futura do mercado
sões de gases com efeito de estufa, pelo energéticas estratégicas e materiais críticos rela- no abastecimento de materiais, antes de mais,
menos 27% de energias renováveis ​​e pelo cionados para avaliar a potencial escassez de algumas perspetivas devem ser consideradas, tal
menos um aumento de 27% da eficiência certos metais para seis tecnologias LCE: energia como listado em [8] (conforme se pode ver na
energética. eólica, energia solar fotovoltaica, bioenergia, cisão Tabela 1).

50
case study

Objeto da previsão Crescimento (%) Tempo Dimensões Indicadores

Aplicações de VAMs (setor da energia) 19 Desde 2016 Montante Procura do material


Pilhas de combustível estacionárias 55 2017 Potencial de investimento
Estabilidade do abastecimento
Supercondensadores (energia) 49 2015
Esgotamento das reservas
Equipamento de instalação de biogás 30 2010-2014 Confiança na importação
Adequação do abastecimento
Nanomateriais (catalíticos, estruturais) 29 Desde 2016
Reciclagem
Aplicações de VAMs (setor dos transportes) 15 Desde 2016 Substituição
Supercondensadores (transportes) 35 2015
Jusante Dependência da cadeia de abastecimento
Aplicações de VAMs (veículos elétricos) 20 Desde 2016
Potencial de aquisição
Tecnologias de captura de carbono 63 Desde 2016 Impacto do custo do material

VAM – Material de Valor Acrescentado (VAM, da sigla em inglês)


Tabela 2 Dimensões e indicadores para a avaliação da resiliência dos materiais (com base
Tabela 1 Evolução do mercado para os materiais (com base em [8]). em [9]).

Será também importante que alguns indica- Os indicadores para a avaliação da resiliên-
dores venham a ser desenvolvidos, refletindo cia podem ser agregados em duas dimensões (a
diferentes aspetos da oferta como a disponibili- montante e a jusante) relacionadas com a cadeia
dade dos recursos minerais, fornecedores atuais de abastecimento de materiais a jusante [9] con-
e potenciais de mineração/refinação, dependên- forme listado na Tabela 2.
cia de importações, fatores macroeconómicos, Verifica-se que a adequação do abastecimento
ambientais e geopolíticos e também reciclagem significa que a capacidade de fornecimento pode
e substituição. A procura atual e futura de mate- crescer de forma a lidar de maneira oportuna
riais para essas tecnologias deve ser estimada com a procura. Por exemplo, de acordo com
para avaliar a adequação da oferta [9]. o cenário da Associação Europeia de Energia
De forma exemplificativa, refira-se que um Eólica, estimou-se que as instalações de energia
estudo recente (2016) do JRC, sobre os seto- eólica poderiam aumentar quase 200% até 2030
res eólico, PV e transportes [9], mostra que, a em relação à capacidade de 2014 [3].
nível da UE, houve problemas de resiliência a Deve também ter-se em mente que metais
potenciais estrangulamentos no abastecimento como, por exemplo, alumínio, são negociados em
de alguns materiais (por exemplo): bolsas de valores. No entanto, muitas das maté-
a) Baixa resiliência no caso das terras raras – rias-primas críticas para a UE, como o cobalto, o
neodímio (Nd), praseodímio (Pr) e dispró- Figura 1 Praseodímio [By Jurii (http://images-of-elements. gálio, o índio e as terras raras – comercializadas
sio (Dy) – usado em tecnologias eólicas e com/praseodymium.php) CC BY 3.0 (http://creativecom- em quantidades muito pequenas em compara-
de veículos elétricos, bem como para gra- mons.org/licenses/by/3.0), via Wikimedia Commons]. ção com outros materiais – não são negociadas
fite (C) (baterias recarregáveis ​​em veícu- do mesmo modo conduzindo a um mercado
los elétricos); menos transparente [12]. Para se ter uma ideia
b) Problemas moderados de oferta para índio Nd-Pr, Pt, Sm, Tb e Y. Na etapa 3 foi feito um ras- da incerteza da cadeia de abastecimento neste
(In), prata (Ag) e silício (Si) na tecnologia treio crítico, com base em fatores de mercado campo, é de recordar, por exemplo, como os
fotovoltaica, bem como cobalto (Co) e lítio e geopolíticos e oito materiais com estrangula- preços dos minérios de terras raras subiram for-
(Li) em veículos elétricos. mentos sérios da cadeia de abastecimento foram temente em 2011, atingindo cerca de 100 vezes
identificados (os primeiros sete já existiam na lista o preço que tinham em 2002-3. Estes preços
Assim, o JRC realizou uma análise baseada de CRMs da UE de 2014) como altamente críti- caíram depois rapidamente, mas estabilizaram
numa abordagem ascendente em três passos, cos: Dy, Eu, Ga, Nd, Pr, Tb, Te e Y. em cerca de 2-3 vezes o seu custo pré-crise [5].
em relação às barreiras da cadeia de abasteci- Refira-se que, por definição, as CRMs são aque- É ainda de salientar que, geralmente, as influên-
mento de várias tecnologias LCE na Europa [4] las que apresentam um risco particularmente cias sobre a criticidade neste domínio podem ser
[9] [10]. Pretendeu-se assim obter uma listagem elevado de escassez de suprimentos no futuro divididas em: uso da terra, governança de mine-
das matérias-primas críticas (CRMs, da sigla em próximo e que são notavelmente importantes ração, tipos de minério, concentração de negó-
inglês). para a cadeia de valor considerada [12]. As lis- cios, produção de metal e refinação, oscilação da
Na etapa 1 foram identificados 60 materiais tas de CRMs podem ter implicações políticas, produção, legislação ambiental e alterações nos
(todos os metais, exceto Fe, Al e elementos radioa- por exemplo, ajudando a implementar políticas preços [1].
tivos). Na etapa 2, foi feito um rastreio significativo, industriais e comerciais e mesmo de investiga- De acordo com [4], os principais fornecedo-
reduzindo a primeira lista para 32 materiais usa- ção e de inovação [13]. Estas listas de CRMs res (países que fornecem mais de 50% do con-
dos ​​em quantidades significativas nas tecnologias devem ser atualizadas pelo menos a cada três sumo mundial) para várias CRMs são mostrados
LCE. Esta lista refere-se a Ag, Au, Cd, Cr, Cu, Hf, Li, anos de forma a serem melhoradas e atualizadas na Tabela 3.
Mo, Ni, Pb, Re, Se, Sn, Ta, Tr, V e também materiais devido a desenvolvimentos tecnológicos e de Desta tabela pode ver-se que a China é o prin-
da lista anterior de CRMs da UE de 2014 [11] que mercado ou, por exemplo, a novas informações cipal produtor e refinador de CRMs. Por exem-
incluía Ce, Co, Dy, Eu, Ga, Gd, Ge, grafite, In, La, Nb, sobre o impacto ambiental dos materiais [12]. plo, sabe-se que este país controla uma grande

51
case study
MATÉRIAS-PRIMAS PARA AS TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS HIPOCARBÓNICAS

País Material % elétricos poderia chegar a quase um milhão de de oferta são a substituição, a reciclagem e a
toneladas/ano com base num uso de lítio de até poupança.
Antimónio 87
Coque 51
380 gramas de lítio/kWh. A procura por neodí- A nível da UE, parece que a substituição é a
Espatoflúor 56 mio no mesmo ano foi estimada em mais de 100 medida mais eficaz para melhorar a resiliência
Gálio 69 mil toneladas/ano, com base num peso do mag- ao abastecimento de estrangulamentos, seguida
Germânio 59 neto das viaturas de até 3,6 kg por veículo. da reciclagem e aumento da produção de maté-
Índio 58
Deve ter-se em atenção que o neodímio é rias-primas [9].
China Magnesite 69
Magnésio 86 obtido em mistura com outros metais, como A reciclagem é uma forma de reduzir a pro-
Grafite natural 69 muitos outros metais críticos, tornando a econo- cura de matérias-primas primárias gerando
Terras raras pesadas 99 mia da sua extração dependente desses outros fluxos de materiais secundários. Taxas de reci-
Terras raras leves 87
metais [5]. A UKERC (Centro de Investigação clagem mais elevadas contribuem para reduzir
Silício metálico 56
Tungsténio 85 em Energia do Reino Unido) [14] estimou que a pressão sobre a procura de matérias-primas,
cerca de 20 mil toneladas de óxido de neodímio, ajudando a reutilizar materiais valiosos – desper-
República correspondendo a cerca de 17 mil toneladas de diçados – contribuindo também para reduzir o
Democrática Cobalto 56
do Congo
neodímio, foram produzidas em 2010. consumo de energia e as emissões de gases de
No mercado de baterias de lítio, o Relató- efeito estufa devido à extração e ao processa-
África do Sul
Metais do grupo
61
rio Global do Mercado de Baterias de Ião de mento [12]. As taxas de reciclagem para alguns
da platina Lítio, publicado pela Variant Market Research em materiais são muito baixas, mas espera-se um
2017, prevê que este mercado global deverá aumento significativo nos fluxos secundários.
Brasil Nióbio 92
crescer de US $25 mil milhões em 2016 para Novas tecnologias de reciclagem são necessá-
Estados Unidos US $56 mil milhões até 2024. A produção global rias, além de melhorar as taxas de recolha de
Berílio 90
da América de lítio no ano de 2011 atingiu 34 mil toneladas, produtos em fim de vida. No entanto, as bai-
tendo sido referenciadas reservas de 13 milhões xas concentrações de metal nos fluxos de resí-
Tabela 3 Principais fornecedores de várias CRMs (com de toneladas [14]. duos tornam difícil a recuperação pós-consumo
base em [4]). Em 2015, as vendas de veículos elétricos na de metais críticos, porque os metais críticos são
China foram 50% maiores do que na UE e a geralmente um componente menor num sis-
China planeia um aumento de 10 vezes até 2020 tema complexo de materiais [5]. Além disso, se
parte das reservas das terras raras e introdu- com um forte envolvimento da cadeia de valor o preço do material reciclado for muito superior
ziu mesmo restrições à exportação de algumas das baterias [15]. A Agência Internacional de ao preço do mesmo material recém-extraído,
matérias-primas [5]. Energia estimou em 2010 que, até 2050, as ven- não há incentivo para investir em capacidades
Também de acordo com [4], a estimativa da das anuais de veículos elétricos a bateria atingirão de reciclagem e para desenvolver ou melhorar
procura anual global e da variação percentual cerca de 50 milhões de veículos/ano [5]. as tecnologias de reciclagem [9].
média para CRMs em aplicações de iluminação e Saliente-se ainda que os diferentes mode- Vejamos agora o exemplo do ciclo de vida dos
ecrãs entre 2014 e 2020 mostra uma redução de los de veículos podem ter diferentes requisi- painéis solares que é estimado em cerca de 30
66% em térbio e 40% em európio e um aumento tos. Por exemplo, os veículos elétricos a bateria anos. A capacidade instalada global para a energia
de 244% em gálio e de 38% em índio. O mesmo podem precisar de mais lítio (baterias maiores), fotovoltaica atingiu 222 GW até ao final de 2015
relatório faz uma estimativa da procura anual enquanto os veículos com células de combustí- e deverá aumentar para 4500 GW até o final
global e da variação percentual média de algu- vel podem exigir menos lítio (baterias menores), de 2050. Essa excecional capacidade de cresci-
mas terras raras em turbinas eólicas entre 2015 mas este último tipo de veículos também requer, mento aumentará os resíduos associados. No
e 2020, mostrando o cenário mais extremo (con- por exemplo, platina. Por isso, deve ter-se em final da próxima década, espera-se que a reci-
siderando a substituição), com queda de neodí- consideração se a mudança representa apenas clagem ou reutilização de painéis solares foto-
mio de 55%, redução de 55% no praseodímio, e substituir um metal crítico por outro [5] e que voltaicos em fim de vida comece a aumentar e
uma diminuição do disprósio de 87%. tipo de mobilidade se vai ter no futuro. que possa “redescobrir” matérias-primas e outros
Outra estimativa indica que se todos os Quanto à indústria eólica global um estudo do componentes valiosos com um valor de mercado
550 000 veículos elétricos (a bateria ou híbri- JRC [4] considera que está bem preparada para de €13 mil milhões ou US $15 mil milhões até
dos plug-in) vendidos em todo o mundo em possíveis distúrbios no abastecimento de terras 2050 [6] [7]. De acordo com [6] até 2050, haverá
2015 tivessem sido produzidos com magnetos raras, devido à disponibilidade de substituições um acumulado de 78 milhões de toneladas de
de NdFeB, cerca de 825 toneladas de NdFeB de componentes e melhorias na eficiência de painéis solares obsoletos em todo o mundo.
(representando 1% da produção global de materiais. A procura de neodímio para turbinas Isto representa matéria-prima recuperada bas-
NdFeB em 2015) teriam sido necessárias [3]. eólicas poderá estar na faixa de 600-6000 tone- tante para produzir dois mil milhões de painéis
Isso corresponde a cerca de 200 toneladas de ladas/ano até 2050 [14]. novos (equivalente a 630 GW). O enorme fluxo
neodímio, 60 toneladas de disprósio e 50 tone- de materiais que estarão disponíveis pode ser
ladas de praseodímio necessárias para satisfazer usado para aumentar o stock para futuros pai-
o mercado dos veículos elétricos somente em 3. Reciclagem, substituição néis solares ou ser vendido para outros merca-
2015 [4]. Para se atingir o objetivo de implan- e poupança dos e produtos que dependem deles. A indústria
tação global de 7,2 milhões de vendas deste Várias medidas podem ser consideradas para de reciclagem fotovoltaica permite tipicamente
tipo de veículos em 2020 (previsto pela Agên- reduzir a dependência da oferta, como melho- a recuperação de materiais de vidro, alumínio e
cia Internacional de Energia), a procura anual rar as condições de oferta doméstica, substituir cobre (painéis c-Si) que podem ser recuperados
de magnetos de NdFeB neste setor terá que os recursos por outros necessários, diversificar em mais de 85% da massa total do painel [6].
aumentar em até 14 vezes de 2015 a 2020 [4]. o abastecimento e melhorar a eficiência dos A substituição pode ser uma estratégia susten-
Outra fonte [14] estima que, em 2050, a recursos, incluindo a reciclagem. Assim, três das tável para moderar a procura de alguns mate-
procura de lítio para as baterias dos veículos abordagens para lidar com potenciais restrições riais críticos e assim reduzir a pressão sobre o

52
case study

seu abastecimento, o que pode ser também células solares de perovskite, aumentando sua procura de gálio e índio provavelmente aumen-
uma maneira inovadora para criar diversifica- estabilidade. O ouro usado para o contacto tra- tada [4]. Porém, com a próxima geração da tecno-
ção e contribuir para a resiliência [9]. A substi- seiro e o material orgânico no condutor pode logia de iluminação - o diodo orgânico emissor de
tuição tem sido reconhecida como um elemento ser substituído por filmes de CNT de rede alea- luz (OLED) – não são necessários CRMs (mate-
essencial da estratégia para garantir o abasteci- tória. Os constituintes dos CNTs são abundan- rial de substituição: compostos metálicos-orgâni-
mento de matérias-primas [4]. Refira-se que um tes e baratos. Além disso, a produção de células cos), com exceção do índio [4] [5].
exemplo de tecnologias verdes selecionadas, seus solares de perovskite precisa de menos de um No campo da energia eólica, estão disponí-
elementos críticos associados e potenciais de décimo de tempo de operação para reembolsar veis modelos alternativos de turbinas sem ter-
substituição podem ser vistos na página 23 de [5]. a energia utilizada na produção em comparação ras raras (por exemplo, turbinas tradicionais
A nível de substituição pode ainda referir- com células de silício [16]. com engrenagens baseadas em geradores de
-se, por exemplo, o novo método de armaze- Verifica-se que muitos anos de pesquisa ainda indução, com cobre como material substituto)
namento de energia solar térmica molecular não permitiram a substituição direta e com- e, portanto, sua adoção poderia reduzir a pro-
(MOST, da sigla em inglês) que pode ser combi- pleta (comercialmente disponível) dos CRMs cura futura de CRMs e a longo prazo turbinas
nado com painéis solares térmicos tradicionais. em fluorescência, LEDs e ímãs permanentes eólicas com semicondutores de alta temperatura
Neste sistema, uma determinada molécula, após por outros materiais mais facilmente disponíveis devem ser desenvolvidas [4]. O gerador síncrono
exposição à luz solar é convertida num isómero e menos críticos [4]. Novos desafios se levan- de íman permanente de direcionamento direto
de alta energia. Este isómero pode ser armaze- tam a nível da investigação, como sejam encon- (DD-PMSG), sem terras raras críticas, deverá
nado e libertado quando necessário com rege- trar substitutos para o gálio e o índio que ainda penetrar significativamente no mercado de gran-
neração da molécula original. Não são utilizados são elementos-chave nas aplicações de LED e des turbinas (mais de 5 MW) [4], o que as torna
metais preciosos, uma vez que o ruténio – que ecrãs atuais [4]. disponíveis e prontas para serem adotadas se os
anteriormente desempenhava um papel impor- No que diz respeito à substituição no setor preços das terras raras aumentarem [4].
tante – é agora substituído por elementos à de iluminação, a transição da iluminação fluores- Tecnologias alternativas (sem terras raras)
base de carbono (sistema norbornadieno-qua- cente para o LED e a substituição bem sucedida também já existem para veículos elétricos a
driciclano) [16]. de germânio em LEDs devem conter a procura bateria (BEV, da sigla em inglês), mas não para
Os nanotubos de carbono (CNT, da sigla em de vários materiais (por exemplo, térbio, európio, os híbridos que ainda dominam o setor dos veí-
inglês) também podem ajudar a viabilidade das ítrio, germânio) nos próximos anos, mas com a culos elétricos, onde o futuro poderia ser o uso
PUB.

53
case study
MATÉRIAS-PRIMAS PARA AS TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS HIPOCARBÓNICAS

de motores de relutância alternada [4]. Além relacionadas com aspetos de mitigação e opor- [6] IRENA & IEA-PVPS 2016. Weekend S.,
disso, a substituição total de terras raras em ímãs tunidades de inovação. Essa lista deve ajudar a Wade A., Heath G. End-of-life management:
NdFeB com elementos não críticos que forne- implementar políticas industriais, fortalecer a Solar Photovoltaic panels.
cem uma potência similar ainda não é possível competitividade industrial, estimular a produ- [7] IRENA 2016a. Solar PV Recycling Offers Sig-
[4]. No entanto, a contribuição da reciclagem ção de CRMs (por exemplo, novas atividades de nificant Untapped Business Opportunity, New
dos veículos elétricos levará algum tempo, pois mineração), priorizar ações, implementar acor- Report Shows – Technical potential of mate-
os materiais podem ser “retidos” em veículos elé- dos comerciais e promover a I&D [13]. rials recovered from end-of-life solar PV panels
tricos por vários anos [5]. É de considerar também que diferentes países could exceed $15 billion by 2050, Munich, 20
Outra forma de proceder a nível da eficiên- ou regiões do mundo devem considerar diferen- de junho de2016.
cia dos recursos é a poupança. Por exemplo, o tes abordagens. Atualmente, por exemplo, a Aus- [8] ORAS 2014. Technology and market pers-
uso de menos material no painel PV [6] pode ser trália está focada na mineração sustentável e o pective for future Value Added Materials- Final
considerado, através de: Canadá na exploração mineira, a China está-se a Report. Oxford Research AS, DG R&I Industrial
a) novas camadas de óxido condutor que concentrar no processamento e na metalurgia, o Technologies, Brussels. Disponível em: http://
integra compostos mais abundantes e mais Japão na substituição e na Coreia do Sul na reci- ec.europa.eu/research/industrial_technolo-
baratos (por exemplo, óxido de estanho clagem [5]. Consequentemente, cada país/zona gies/pdf/technology-market-perspective_
dopado com flúor) podem substituir o deve ter uma política adequada à sua situação. en.pdf accessed on 6th June 2017.
óxido de estanho-índio (elétrodos); Além disso estão a surgir novas oportunida- [9] Blagoeva D.T., Alves Dias P., Marmier A.,
b) c élulas mais finas para reduzir a quantidade des de negócio como, por exemplo, para “fechar Pavel C.C. (Joint Research Center). Assess-
de silício usado em células c-Si (uso de silí- o ciclo” dos painéis solares fotovoltaicos no final ment of potential bottlenecks along the mate-
cio reduzido a metade); de sua vida. Para aproveitar essas oportunida- rials supply chain for the future deployment
c) as células solares c-Si são agora geralmente des, no entanto, os preparativos para o aumento of low-carbon energy and transport techno-
produzidas com contactos de prata impres- da existência de material de fim de vida devem logies in the EU (Wind power, photovoltaic
sos por tela (6% -8% da área da célula); o começar agora. Para lidar com isso, é necessária and electric vehicles technologies, time frame:
progresso nas tecnologias de jato de tinta a adoção de uma regulamentação efetiva de resí- 2015-2030). EUR 28192. Luxembourg
e impressão de tela (permitindo o uso de duos específicos, a expansão da infraestrutura (Luxembourg): Publications Office of the Euro-
outros metais) pode conduzir a uma redu- existente para gestão dos resíduos e a inovação pean Union; 2016. doi: 10.2790/08169
ção significativa da prata nas células. na gestão desses mesmos resíduos [7]. [10] JRC, 2013. Moss, R,L, Tzimas, E, Willis, P,
Verifica-se também que o aumento da reci- Arendorf, J, Tercero Espinosa, L, et. all. Cri-
Além da reciclagem e da substituição, outras clagem de matérias-primas é de maior impor- tical metals in
tecnologias também podem contribuir para tância para reduzir a procura do mercado. Assim, [11] European Commission. Report on critical raw
reduzir o consumo de CRMs. A título de exem- para responder ao desafio das matérias-primas, materials for the EU. Report of the Ad hoc
plo, cite-se a indicada numa publicação na Advan- é necessária mais pesquisa, principalmente no Working Group on defining critical raw mate-
ced Science News em 9 de novembro de 2016, campo da reciclagem e da melhoria da recolha rials, 2014. Disponível em: http://ec.europa.
em que duas empresas japonesas conseguiram a dos novos produtos técnicos. eu/DocsRoom/documents/10010/attach-
aplicação de um íman de neodímio deformado Algumas destas conclusões poderão ser úteis ments/1/translations/en/renditions/pdf ace-
a quente sem terras raras pesadas, mas com alta na definição de políticas relacionadas quer a nível dido a 6 de junho de 2017.
resistência ao calor e alto desempenho magné- institucional e/ou empresarial quer a nível local/ [12] http://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/
tico adequados ao motor de veículos híbridos. nacional ou mesmo mais abrangentes. TXT/?uri=CELEX:52011DC0025 acedido
O método de deformação a quente permite ali- em 23 de maio de 2017.
nhar os grãos de cristal nanométricos para obter [13] http://ec.europa.eu/growth/sectors/raw-
uma estrutura de grãos de cristais finos muito 5. Referências bibliográficas -materials/specific-interest/critical_en ace-
menor do que a de um íman sinterizado e com [1] Oakdene Hollins and Fraunhofer ISI, 2013. dido em 10 de maio de 2017.
maiores propriedades de resistência ao calor. Study on Critical Raw Materials at EU Level [14] UKERC 2013. Materials Availability: Poten-
– Final Report. A report for DG Enterprise and tial constraints to the future low-carbon eco-
Industry. nomy. Working Paper II: Batteries, Magnets
4. Conclusões [2] https://ec.europa.eu/energy/en/topics/ener- and Materials. UK Energy Research Centre,
Verifica-se que para haver estabilidade no abaste- gy-strategy-and-energy-union/2030-energy- UKERC/WP/TPA/2013/003.
cimento de materiais, são necessários desenvol- -strategy accessed on 20rd December 2017. [15] Stassin F. 2017. Establishing the industrial lea-
vimentos no domínio da reciclagem, abordagens [3] Blagoeva D., Alves-Dias P., Marmier A., Pavel dership of Europe in advanced materials for
de substituição e avanços nas produções minei- C. 2017. EU resilience to potential supply the Energy Union. Global Energy 2025, 26
ras. Materiais específicos devem ter diferentes bottlenecks along the rare earths value chain February 2017, San Diego (USA). The path
métodos de mitigação, mas parece indicar que a for the future deployment of wind power. EMR towards the decarbonisation of the EU Energy
substituição é a medida mais eficaz para aumen- 2017 – The III Energy&Materials Research sector. EUR 25994.; 2013. doi: 10.2790/46339.
tar a resiliência. Também devem ser envidados Conference, 5th-7th April 2017, Lisbon. [16] Allen K. 2017. New technologies harness solar
esforços no campo da cooperação, tendo em [4] Pavel C.C., Marmier A., Alves-Dias P., Bla- power. Materials World,Vol. 25, nº 5, p. 14-15. 
mente, por exemplo, o diálogo trilateral de 2011 goeva D., Tzimas E. (Joint Research Center).
entre a UE, o Japão e os EUA para promover Substitution of critical raw materials in low-
a cooperação no campo dos materiais críticos -carbon technologies : lighting, wind turbines Divisão de Estudos, Investigação
e Renováveis
ou o workshop de especialistas UE-EUA sobre and electric vehicles. EUR 28152. Luxembourg
Tel.: +351 217 922 700 / 217 922 800
fluxos de matérias-primas minerais e dados [5]. (Luxembourg): Publications Office of the Euro-
Fax: +351 217 939 540
Deve salientar-se que as listas de CRMs pean Union; 2016. doi:10.2790/793319. energia@dgeg.pt � www.dgeg.gov.pt
podem ter implicações políticas e podem estar [5] Materials for energy. SETIS Magazine, No. 8.

54
PUB.
case study

vantagens económicas na aplicação


do BioCat em ETARs

A digestão anaeróbia compreende uma série de processos biológicos nos quais a matéria
biodegradável é decomposta na ausência de oxigénio. Neste processo ocorre produção de um gás
combustível – biogás – cujo principal componente é o metano, e que pode ser diretamente usado
na produção de eletricidade e/ou calor.
Teresa Rodrigues – Sócia da EcoUP, Lda.
teresa.rodrigues@ecoup.pt

Luís Pitorro Soares – Sócio-Gerente da EcoUP, Lda.


luis.pitorro@ecoup.pt

Ao passar por um processo de remoção de de 8 meses. Neste período é notória a diminui-


CO2 e desulfurização, o biogás bruto transfor- ção da produção de biogás até dezembro de
ma-se num gás com caraterísticas próximas ao 2014, momento em que se re-iniciou o projeto
gás natural, o biometano, e que lhe permitem a (Figura 2). Desde o início de 2015 a unidade de
utilização como combustível veicular ou ser inje- produção de biogás bateu recordes de produção
tado na rede de gás natural, uma realidade já em de biogás e eletricidade. Em 2015 a produção
alguns países europeus. Outras vantagens asso- de biogás aumentou 42% face a anos anterio-
ciadas à digestão anaeróbia incluem a produção res, passando de uma produção de eletricidade
de um subproduto com elevado poder fertili- média de 700 MWh/ano a mais de 1000 MWh/
zante a partir de matéria biodegradável, prove- ano. A tendência de aumento de produção pros-
niente de explorações agropecuárias e indústria seguiu até ao final de 2017 (Figura 2), ano em
alimentar, resíduos domésticos, entre outros. que a instalação registou recordes de produção
A maioria dos digestores anaeróbios existen- mensal de eletricidade, entre 120 e 125 MWh/
tes em Portugal estão integrados em sistemas mês, coincidentes com o período de verão. Por
de tratamento de águas residuais ou de resíduos se localizar numa zona de veraneio, a eficiência
sólidos urbanos. Esta integração permite redu- do sistema de digestão desta ETAR ressente-se
zir os custos de operação pelo facto do biogás pelo facto da carga ser muito variável ao longo
poder ser valorizado. Contudo, a complexidade do ano, para além dos problemas operacionais
biológica do processo de digestão, a variabilidade que por vezes afetaram o processo de digestão
na composição e na alimentação de matéria a ou a produção de eletricidade. Depois do início
estes sistemas e a elevada frequência de proble- da suplementação com BioCat, a eficiência média
mas operacionais nas ETARs, dificultam a manu- Figura 1 Fermentador para preparação da forma ativa do do sistema aumentou cerca de 25% e permitiu
tenção da estabilidade e eficiência do processo. BioCat. uma melhor resposta do sistema a variações de
Em setembro de 2013, a EcoUP, Lda. iniciou um carga. Foi também possível reduzir o tempo de
projeto-piloto na ETAR municipal de Espinho – ciclo médio do processo de digestão de 30 dias
Águas do Centro Litoral, gerida pela Luságua S.A., A performance do sistema foi seguida entre para 22 dias, sem afetar a eficiência do sistema.
cujo objetivo consistiu na avaliação dos benefícios setembro de 2013 até novembro de 2017 e Em resumo, a utilização de BioCat teve um
da suplementação contínua do sistema de digestão comparada com dados retrospetivos, em termos impacto significativo na performance do sistema
anaeróbica de lamas com microrganismos e cata- de produção de biogás e eletricidade (Figuras de digestão anaeróbia demonstrando as seguin-
lisadores biológicos. Para o efeito utilizou-se uma 2, 3 e 4). Desde o início da suplementação com tes vantagens:
mistura proprietária – BioCat – extraída de fon- BioCat em setembro de 2013, o novo micro- • aumento significativo da produção de bio-
tes naturais contendo microrganismos do domí- bioma demorou cerca de 3-4 meses a estabe- gás e produção de eletricidade, permitindo
nio Archaea, micro-nutrientes e co-fatores, entre lecer-se no sistema de digestão e a promover o receitas extraordinárias de eletricidade
outros componentes. A forma ativa do Biocat é aumento de produção de biogás (Figura 2). Em acima dos 42% por ano;
preparada num tanque fermentador (Figura  1) janeiro e fevereiro de 2014, a ETAR sofreu pro- • maior estabilidade do sistema de digestão
com temperatura controlada, e alimentada conti- blemas operacionais devido a uma inundação e e melhor resposta a variações de carga e a
nuamente ao digestor anaeróbio de 2668 m3. o projeto-piloto foi suspenso por um período paragens;

56
PUB.
Figura 2 Produção mensal de biogás na ETAR de Espinho no período de 2012 a 2017.

Figura 3 Produção média mensal de biogás pelo sistema de digestão anaeróbia na


ETAR de Espinho. As barras a cinzento correspondem ao período anterior à aplicação
de BioCat e as barras a verde correspondem ao período posterior.

Figura 4 Produção média mensal de eletricidade pelo sistema de cogeração na ETAR


de Espinho. As barras a cinzento correspondem ao período anterior à aplicação de Bio-
Cat e as barras a verde correspondem ao período posterior.

• diminuição do tempo de ciclo e aumento de 37% de capacidade


de digestão de lamas.

Estes resultados demonstram que a tecnologia BioCat é uma solu-


ção eficaz na resolução dos problemas de eficiência dos sistemas de
digestão anaeróbia, trazendo mais-valias às empresas que operam
estes sistemas.

EcoUP, Lda.
Tlm.: +351 966 195 411
geral@ecoup.pt � www.ecoup.pt
case study

o que é a tecnologia PERC?

Neste artigo abordaremos uma tecnologia que começa a dominar o mercado dos módulos
fotovoltaicos, a tecnologia PERC.
Fernando Nevado
AS Solar Ibérica de S.E.A., S.L.

PERC = Passivated Emitter Rear Cell No entanto estes não são os únicos comprimentos de onda que atin-
Será o mesmo que colocar uma capa refletora (Dielectric Layer) para apro- gem a nossa célula. A luz infravermelha chega mesmo a penetrar abaixo
veitar ao máximo a radiação? Na realidade é uma tecnologia um pouco da camada de base, atingindo a camada superior (BSF), e perdendo essa
mais complexa mas que está a implementar-se com força no mercado atual. energia.

Como é uma célula fotovoltaica convencional? Como é uma célula fotovoltaica PERC?
A célula fotovoltaica standard consiste basicamente em 3 camadas com Se colocarmos um material dielétrico passivo entre a camada de alumínio e
diferentes propriedades elétricas. a camada base de silício podemos conseguir que estes eletrões de luz infra-
• Camada emissora: é uma camada de silício localizada na superfície supe- vermelha não penetrem até à camada de alumínio, mas que sejam refletidos
rior da célula, ou seja, a zona mais exposta à radiação. e permitam gerar corrente entre a camada base e a emissora.
• Camada base: camada intermédia de silício que se encontra em contacto
com a camada emissora e a camada de alumínio.
• Back Surface Field: superfície inferior do alumínio. É a parte mais pro-
funda da célula.

E como todos aprendemos na escola: a luz é uma onda eletromagnética


que pode ter diferentes comprimentos de onda.

Figura 2 Representação das diferentes camadas de uma célula convencional e PERC (Fonte:
REC).

Figura 1 Representação dos diferentes comprimentos de onda que compõem a luz.

Figura 3 Funcionamento de uma célula convencional e PERC.


Tendo em conta o espetro de luz visível podemos olhar para os dois
extremos.
Uma grande parte da luz azul ou o comprimento de onda “curta” é absor- Este aproveitamento da luz infravermelha irá proporcionar à célula PERC
vido pela atmosfera, no entanto a restante quantidade chega à célula com uma maior “sensibilidade” perante longos comprimentos de onda.
uma baixa energia, com a qual apenas poderá penetrar na camada superior
da célula (emissora), gerando eletrões na mesma e, por isso, corrente elétrica.
A luz vermelha, que apresenta um comprimento de onda maior, não é Quais as vantagens dos módulos PERC?
absorvida pela atmosfera e chega com um maior nível de energia à célula, Normalmente estes comprimentos de onda estão mais presentes quando o
e deste modo pode penetrar nesta, chegando à camada base onde tam- sol bate com uma determinada inclinação, ou seja durante as primeiras e as
bém irá gerar corrente. últimas horas do dia ou durante os dias com céu nublado e com pouco sol.

58
PUB.
Figura 4 Comparação de eficiência com diferentes valores de radiância.

Isto permite que os módulos com tecnologia PERC apresentem


uma eficiência superior perante os outros módulos convencionais
(tanto monocristalinos como policristalinos).
Os comprimentos de onda superiores ao infravermelho não
podem penetrar nas células fotovoltaicas, e não podem gerar energia,
mas estas ondas chegam diretamente à camada de alumínio inferior
das células convencionais, sendo absorvidas por esta e aumentando
a temperatura do módulo de modo que gera um efeito negativo
sobre a produção ao aumentar a temperatura. No entanto, nas célu-
las PERC estas ondas são refletidas, enviando-as para fora do painel
e, assim, conseguem atingir uma temperatura mais baixa.

Figura 5 Temperatura dos módulos fotovoltaicos em função da sua tecnologia.

Por último, a passivação do material dielétrico evita que os ele-


trões possam “escapar” para a camada de alumínio, permitindo assim
uma melhor circulação entre as camadas base e as camadas emisso-
ras de silício.
Ou seja, e em resumo, a tecnologia PERC oferece duas vantagens
competitivas:
• Maior produção com uma baixa radiância;
• Menor coeficiente de temperatura.

Atualmente o fabricante Longi possui um registo de eficiência em


células monocristalinas PERC, situando-se em 23,6%.
Acha que esta tecnologia deve ser imposta às nossas instalações
fotovoltaicas?

AS Solar Ibérica de S.E.A., S.L.


Tel.: +351 929 010 590
info-pt@as-iberica.com � www.as-iberica.com
case study

regulamento geral sobre


a proteção de dados da UE

Repensar a segurança.
Bernd Hantsche
Diretor do setor Embedded & Wireless
RUTRONIK Elektronische Bauelemente GmbH

O tema da segurança não nos deixa em paz: as medidas custam dinheiro


e tempo e provocam um maior consumo de energia. Mas já com a inter-
ligação dos aparelhos no âmbito da Industry 4.0, Internet of Things e tec-
nologias de cloud, a mesma urge – sendo também obrigatória nos termos
do regulamento geral sobre a proteção de dados da União Europeia.
O dia 25 de maio de 2018 é o Dia D – nesta data, as empresas deve-
rão ter implementado os requisitos do regulamento geral sobre a prote-
ção de dados da União Europeia, se não quiserem arriscar a ter multas
até 4% ou 20 milhões de euros a descontar do seu volume de vendas
mundial. Isto não se aplica apenas a empresas com sede na União Euro-
peia, basta que exista uma sucursal na União Europeia.
Os artigos determinantes do regulamento geral sobre a proteção de
dados da União Europeia para produtores de hardware e software, assim
como gestores de produtos, são os artigos 25 “Proteção de dados através
da conceção de tecnologias e através de predefinições que protegem a priva-
cidade” e 32 “Segurança do processamento de dados”.
Aqui se determina que o responsável e o subcontratante têm de tomar que podem ser rapidamente adaptados às exigências e cenários de ameaça
medidas técnicas e organizacionais que garantam uma proteção ade- individuais da respetiva aplicação. É, desta forma, que as empresas obtêm
quada para dados pessoais diretos e indiretos. Sendo que as construções rapidamente soluções consoante o regulamento geral sobre a proteção
técnicas têm de estar em conformidade com o “estado da técnica”. O que de dados.
isso significa concretamente fica em aberto, assim como a definição de
dados pessoais diretos e indiretos.
Os produtores de hardware e software, gestores de produtos e com- Microcontroladores padrão com caraterísticas
pradores que desejam apoio na implementação do regulamento geral de segurança
sobre a proteção de dados da União Europeia poderão entrar em con- Enquanto componentes centrais de comando e de regulação, os micro-
tacto com a equipa de competência do regulamento geral sobre a prote- controladores assumem uma posição chave. No caso dos microcontro-
ção de dados da RUTRONIK. Aqui, especialistas dos setores de produtos ladores padrão, que são utilizados prioritariamente dentro da IoT, do
de suportes de armazenamento, comunicação sem fios, placas Embed- Industry 4.0 e da robótica, estão disponíveis diferentes modelos com
ded, sistemas Embedded, módulos de segurança, microcontroladores, viso- caraterísticas de segurança integradas. Por exemplo, a família STM32 dis-
res e sistemas de sensores trabalham em conjunto, abrangendo todos põe de inúmeras funções que estão integradas no chip. Eles garantem a
os departamentos. Eles aconselham os clientes relativamente a todos autenticação robusta, a integridade da plataforma e uma segurança con-
os componentes correspondentes, assim como relativamente a toda a tínua de dados. Desta forma protegem a privacidade do utilizador, garan-
aplicação em todas as camadas ISO/OSI. Eles explicam os conceitos do tindo também a proteção de dados, do IP e da marca.
regulamento geral de proteção de dados que carecem de explicação, rea- A família Optiga Trust da Infineon guarda chaves de segurança, certi-
lizando, quando necessário, formações individuais no cliente sobre os fun- ficados, palavras-passe e dados com a segurança de um cofre. É, desta
damentos de temas como a criptografia, a redundância e protocolos de forma, que os microcontroladores criam a integridade dos sistemas e
redes sem fios. dos dados, não permitindo a manipulação dos sistemas ou dos dados e
Sendo que a RUTRONIK, enquanto distribuidor de uma gama de pro- garantindo atualizações de software e firmware protegidas. A família ofe-
dutos alargada com atividade a nível mundial, pode recorrer a todos os rece para cada nível de segurança necessário a solução certa. Na seleção
componentes e sistemas necessários de fabricantes líderes, assim como ao da solução perfeita e na sua implementação, a Infineon e a RUTRO-
respetivo know-how e uma experiência abrangente resultante de inúmeros NIK trabalham em estreita parceria, uma vez que os chips de segurança
projetos. Assim, a equipa criou também conceitos de sistemas completos, vêm da Infineon com uma chave previamente programada e certificada.

60
case study

Através do wi-fi são enviados muitos dados pessoais, o que o torna


particularmente atrativo para os cibercriminosos. A proteção deverá ser
oferecida pelo protocolo WPA2, mas os investigadores de segurança
mostraram que mesmo dados codificados podem ser lidos e manipula-
dos entre um ponto de acesso e o cliente. Para uma segurança extre-
mo-a-extremo é necessário utilizar adicionalmente SSL/TLS ou outras
camadas de segurança.
Mesmo no caso de soluções sem fios celulares, o risco é relativamente
grande devido à quantidade de utilizadores e de dados enviados. Por este
motivo, os produtores devem pensar também aqui na codificação extre-
mo-a-extremo por meio de TLS/SSL. Para que também os nós terminais
não possam ser atacados, o cartão SIM necessita de um padrão de codi-
É imprescindível que esta se mantenha intacta no caminho para o cliente, ficação atualizado. Um elevado nível de segurança é oferecido sobretudo
caso contrário toda a cadeia de segurança ficaria interrompida. É por isso pela Telit através do seu princípio de “balcão único” (One-Stop-Shopping)
que a Infineon envia os chips como sistema fechado, que a RUTRONIK e o conceito de família. Por exemplo, os módulos sem fios das famílias
encaminha diretamente para o cliente. Em casos muito complexos, um xE910 e xE866 podem ser reunidos com o cartão SIM e o portal Telit IoT
integrador certificado da rede de parceiros da Infineon apoia o cliente na numa solução abrangente, especialmente dirigida à indústria.
implementação da infraestrutura.
Um conceito interessante foi desenvolvido pela Nordic Semiconduc-
tor com o sistema on chip nRF52840: o microcontrolador está baseado
num núcleo ARM Cortex M4F e oferece, além de NFC e IEEE802.15.4 Dica na Internet
com thread, também uma interface de 2,4GHz livremente programável. A RUTRONIK reuniu num livro de competências conhecimentos
Para esta estão disponíveis gratuitamente os Bluetooth 5, ANT e proto- básicos abrangentes com referências práticas a componentes, tec-
colos proprietários. Além da ligação sem fios codificada, o microcontro- nologias e aplicações completas. Os interessados poderão fazer o
lador sem fios dispõe da tecnologia ARM ® TrustZone® Cryptocell-310. download em www.rutronik.com/security-aspects
Esta unidade de coprocessador disponibiliza um gerador de números
aleatórios e permite um trabalho assimétrico, simétrico e hash-criptográ-
fico, aliviando assim a unidade de processamento central.

A segurança vista de forma abrangente


Diferentes tecnologias sem fio exigem diferentes Além de microcontroladores e módulos wireless, são sobretudo as
medidas de segurança memórias, os sensores e os módulos de segurança específicos que con-
Na comunicação sem fios, a mera seleção da tecnologia sem fios já pode tribuem para um conceito de segurança consoante o regulamento geral
ser decisiva para a garantia da segurança. Os protocolos de 2,4 GHz com sobre a proteção de dados. De que componentes se trata, depende da
base em IEEE802.15.4., como ZigBee ou Thread, são bastante resisten- respetiva aplicação e dos riscos associados. De uma forma geral, aplica-se
tes a pequenas interferências de sinal com os seus 16 canais com 5 MHz o seguinte: a segurança de dados não pode ser estabelecida com compo-
de largura de modulação. O wi-fi é ainda mais resistente com os 20 MHz nentes individuais, pois ela resulta sempre da interação entre diferentes
por canal. componentes. Estes não devem ser selecionados apenas de forma pon-
O bluetooth clássico partilha as mesmas frequências em 79 canais de derada, devendo também estar adaptados com precisão entre si. Pois,
1 MHz cada. Para manter a ligação estável, o mesmo muda de canal 1600 entre muitos módulos existem dependências e, em parte, interações
vezes em cada segundo. O Bluetooth EDR (Enhanced Data Rate) utiliza complexas. E cada conceito de segurança é apenas tão forte quanto o
ainda a técnica de salto de frequência adaptativo (AFH), o Forward Error seu elemento mais fraco.
Correction (FEC) e uma codificação AES de 128 bit. A técnica AFH deteta
interferências que ocorrem quando o wi-fi funciona na mesma banda de
frequência e exclui os canais bloqueados. Por meio do FEC é possível dete-
tar e corrigir erros numa transmissão de dados. O Bluetooth Low Energy
(BLE) utiliza, além de AFH e FEC, ainda outras medidas de segurança, por
exemplo a autenticação de dispositivos e a codificação de mensagens.
O Bluetooth 5 oferece com o seu adicional ao nível do alcance ou da
taxa de transferência de dados muitas vantagens em relação ao Blue-
tooth 4.2 – é precisamente isso que, simultaneamente, permite aos ata-
cantes intercetar os dados de forma mais rápida e a partir de uma maior
distância. O mesmo é válido para o Bluetooth Mesh: através da possibili-
dade de construir uma rede com mais nós ao longo de maiores distâncias
do que com outras tecnologias, aumentam também os riscos. Para ate-
nuar estes, os produtores devem verificar outras caraterísticas de segu-
rança, por exemplo a autenticação e codificação de todas as mensagens,
uma separação clara de subredes ou mecanismos contra ataques Replay.
O RFID é ideal para aplicações como pagamento ou identificação, pelo
RUTRONIK Elektronische Bauelemente GmbH
menos quando se trata de RFID de alta frequência. Pois aqui, o alcance
Tel.: +351 252 312 336 � Fax: +351 252 312 338
de leitura do transponder é de apenas alguns centímetros. O mesmo é rutronik_pt@rutronik.com � www.rutronik.com
válido para NFC.

61
reportagem

ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

grupo Knauf promove conferência


com Carrilho da Graça
Construir, demolir, O Grupo Knauf promoveu em Lisboa uma con- da Graça idealizou o acesso público à cobertura,
reciclar para construir ferência dedicada a temas de arquitetura susten- bem como possibilidades de uso para o espaço
tável. O evento realizado no dia 23 de fevereiro que não meramente a circulação de passagei-
de novo. O conceito de no Museu Fundação Oriente, tinha como orador ros que desembarcam ou embarcam nos navios
economia circular promove principal o arquiteto João Luís Carrilho da Graça, de cruzeiro.
autor, entre outros projetos de grande visibili- “Certo dia quando descia do Castelo de São
a valorização económica dade, do novo terminal de cruzeiros de Santa Jorge e parei no miradouro das Portas do Sol, pen-
do que até aqui era ‘lixo’ Apolónia, na zona portuária da capital. sei que esta sensação que a cidade nos dá de uma
da construção. ‘Desconstrução’ “Lisboa, a arquitetura e a sua envolvente” foi o espécie de anfiteatro virado para o rio, podia ter
tema da intervenção de Carrilho da Graça, que como contraponto um edifício que fosse também
é agora a palavra que lidera começou por descrever as diferentes densida- um pequeno anfiteatro. Este foi para mim o ponto
o léxico da sustentabilidade. des geomorfológicas da cidade e as diferentes de partida”, contou Carrilho da Graça.
Uma conferência em Lisboa fases de ocupação urbana, e apresentou depois O terminal de dimensão não intrusiva incor-
alguns dos projetos da sua autoria, incluindo o já pora um miradouro de onde a vista alcança a
debateu o tema. emblemático terminal de Cruzeiros que, apesar cidade para um lado, e o amplo espelho de água
de ainda não estar em funcionamento, é já des- que é o Mar da Palha, para o outro. Uma extensa
texto e fotos por Carlos Alberto Costa crito como um dos mais funcionais da Europa e passerelle suspensa por pilares acompanha toda
o mais seguro do mundo. a parte central virada para o rio, oferecendo har-
Carrilho da Graça explicou que o conceito ini- monia ao conjunto arquitetónico.
cial do projeto a concurso era criar um parque
urbano verde público em redor de um edifício
que correspondesse a altos padrões de eficá-
cia funcional. O arquiteto juntou a essa determi-
nante funcional “uma forte ligação ao uso público”
e a aspetos que demonstrassem afinidade com
a cidade.
Inspirando-se em Pardal Monteiro, o arqui-
teto que concebeu alguns dos mais conheci-
dos edifícios lisboetas, como o Instituto Superior
Técnico, o Hotel Ritz, ou as gares marítimas de
Alcântara e Rocha Conde de Óbidos, Carrilho

62
PUB.
O arquiteto descreveu detalhes das escavações
e da obra e falou ainda de um outro projeto
em que esteve envolvido, este em Genebra,
na edificação de uma escola de música e auditórios.

“Este era o edifício de menor dimensão entre todos os que foram a


concurso, mas com isso obtivemos a redução das necessidades de cli-
matização, reduzindo muito o consumo energético, e propusemos como
contraponto geotérmico a água de um tanque de marés entretanto incor-
porado no projeto”, explicou o arquiteto.
Um dos aspetos técnicos mais interessantes da obra foi a utiliza-
ção de um betão inovador, incorporando pó de cortiça para o tor-
nar mais leve e corantes para conseguir a aproximação cromática ao
betão convencional.
Carrilho da Graça foi também o autor da renovação do Campo
das Cebolas, igualmente na zona ribeirinha da cidade, próximo do
Terreiro do Paço. No decorrer da sua intervenção na conferência, o
arquiteto descreveu detalhes das escavações e da obra e falou ainda
de um outro projeto em que esteve envolvido, este em Genebra, na
edificação de uma escola de música e auditórios.

Para além da vida útil


A conferência contou igualmente com intervenções de Carmen Lima,
Aline Guerreiro, João Marcelino, Paulo Moreira, Pablo Maroto e Oscar
del Rio.
Carmen Lima, coordenadora do Centro de Informação de Resí-
duos da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natu-
reza, abriu o evento com uma intervenção sobre a importância da
gestão de resíduos, salientando a importância de conceber e cons-
truir os edifícios a pensar no futuro, antecipando impactos que ultra-
passam a sua vida útil.
“Temos aprendido ao longo dos anos que não podemos olhar para os
resíduos como lixo, mas devemos vê-los como uma oportunidade. O con-
ceito de desenvolvimento sustentável foi sendo substituído por um outro,
que é o conceito de economia circular, que nos convida a olhar para os
resíduos como um recurso valorizável, ou seja, a substituir um processo
linear por um processo circular”, referiu a oradora.
“A escolha de materiais é muito importante, pois temos que nos
preocupar com os impactos para os utilizadores. A substituição de tais
materiais numa renovação, por exemplo, deve ser uma oportunidade
de gestão. Numa demolição convencional acabava tudo misturado no
vazadouro, agora há que cumprir critérios e obrigatoriedades de recolha
seletiva de resíduos em obra, de os encaminhar para operações de reci-
clagem e de valorização. Temos uma meta comunitária de 70% de reu-
tilização ou de reciclagem para atingir até 2020. Depois, existem outras
metas que já estão em vigor no caso das empreitadas públicas, como o
facto de ser obrigatório recuperar em obra pelo menos 5% de materiais
reutilizáveis ou recicláveis”, explicou Carmen Lima.
“Nos últimos 20 anos temos vivido os impactos ambientais da má ges-
tão de resíduos e estas perspetivas de reutilização e seleção criteriosa
são recentes, mas é um desafio que além de procurar soluções susten-
táveis procura também soluções passíveis de reutilização dos materiais”,
concluiu a responsável da Quercus.

A importância da desconstrução
Aline Guerreiro, Coordenadora do Portal da Construção Sustentá-
vel (PCS), falou sobre a “Economia Circular na Arquitetura” e em par-
ticular de desconstrução, o processo construtivo de desmontagem
reportagem
ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL – GRUPO KNAUF PROMOVE CONFERÊNCIA COM CARRILHO DA GRAÇA

num ciclo de produto que começa com a extra-


Knauf em alta no mercado nacional ção da matéria-prima e a preocupação que temos
“A presença da Knauf em Portugal desde em minimizar a pegada ambiental nesses locais,
1993 tem crescido de forma sustentada, temos nomeadamente reflorestando as minas. Na fábrica
atualmente uma estrutura com dois delegados, temos uma gestão eficiente, uma logística integrada,
no Porto e em Lisboa, e o objetivo é basicamente tentamos que os nossos materiais tenham o mínimo
ir crescendo com um produto de qualidade, não possível de materiais de embalagem, na instalação
por preço. O valor acrescentado dos nossos pro- em obra damos formação para evitar os desper-
dutos é um compromisso com uma arquitetura dícios, preocupamo-nos com a desinstalação, ten-
sustentável”, explica à ‘renováveis magazine’ tamos que os nossos produtos sejam recicláveis
Pablo Maroto, Diretor de Marketing da Knauf. quase a 100% e estamos a trabalhar para que,
Falando sobre as tendências de mercado em Portugal e Espanha, Pablo Maroto considera num futuro próximo, haja possibilidade de reintro-
que “a crise recente afetou os dois países mas o que estamos vendo agora é que Espanha está duzir esses desperdícios no processo de produção”,
a crescer moderadamente e Portugal está a crescer de forma intensa.” explicou Paulo Moreira.
“Diria que em Espanha estamos a falar de um crescimento de 6 a 7% e em Portugal de 15% A Knauf foi o primeiro fabricante de placas
a 16%, ou seja, mais do dobro. Por outro lado vamos introduzindo novos materiais que se vão dife- de gesso a obter o cer tificado de ecodesign
renciando da concorrência. Temos produtos de qualidade com uma forte componente de inova- (Norma ISO14006) que certifica que a empresa
ção e com um forte valor acrescentado. Já não é apenas a placa básica, mas produtos de grande adotou um sistema de gestão para identificar,
capacidade em termos de isolamento acústico ou outros que acompanham as necessidades de controlar e melhorar os aspetos ambientais rela-
uma arquitetura mais global, mas sobretudo sustentável”, refere o Diretor de Marketing da Knauf, cionados com os seus produtos.
admitindo que os negócios no mercado português possam ultrapassar, este ano, as expecta- Oscar del Rio, Diretor-Geral da Knauf Insu-
tivas mais otimistas. lation Iberia, uma empresa do Grupo para o
A Knauf é uma referência mundial no fabrico de placas de gesso laminado e produtos para segmento de coberturas, revestimentos e isola-
a construção em seco. A empresa dispõe atualmente de mais de 150 filiais nos 5 continentes, mentos térmicos e acústicos, falou de isolamento
contando com cerca de 26 mil trabalhadores. sustentável e coberturas verdes.

do edificado que tem como objetivo principal e eficiência energética (com reduções anuncia-
recuperar ao máximo os materiais de forma a das de 75% face a edifícios convencionais), sau-
ser possível reutilizá-los ou reciclá-los para uma dável, confortável, economicamente acessível e
posterior utilização. sustentável.
“A maior fatia da origem dos resíduos está “Falta de ventilação adequada, excesso de humi-
associada à construção nova, a remodelações ou dade ou deficiente desempenho térmico” foram
ampliações. A taxa de reciclagem desses resíduos algumas das caraterísticas negativas salientadas
na Dinamarca, Alemanha, Irlanda e Holanda está pelo orador no parque habitacional em Portu-
acima dos 90%, na Bélgica e Áustria entre os 60% gal, paradoxalmente num país com um dos cli-
e os 70%. Em Portugal não ultrapassa os 40%, por mas mais amenos da Europa.
isso ainda há muito caminho a fazer nesta área”, O código construtivo Passive House implica
lamentou Aline Guerreiro. parâmetros específicos para o isolamento da
Aline Guerreiro considera que “a desconstru- envolvente do edifício, janelas e portas, sistema
ção deve começar a fazer parte do vocabulário dos de ventilação com recuperação de calor e ele-
arquitetos, deve ser encarada como uma forma de vada estanquidade ao ar da envolvente do edifício.
criar valor, promovendo uma construção sustentá- Há, atualmente, mais de 60 mil edifícios com
vel e gerando benefícios económicos por via de um certificação Passive House em todo o mundo e
mercado dinâmico para os materiais usados”. as duas primeiras unidades em Portugal estão
“Os desafios que se colocam nesta área estão situadas em Ílhavo.
muito dependentes das orientações governamen- “O nosso objetivo é fornecer soluções sustentá-
tais, nomeadamente por via legislativa, desencora- veis de qualidade para estar, cada vez mais, perto
jando o uso de materiais não recicláveis, criando Indústria circular das pessoas”, referiu o gestor.
apoios financeiros para a desconstrução e aumen- A intervenção de Paulo Moreira, um dos respon- Um dos produtos estrela da Knauf Insulation é
tando a consciência pública sobre os seus benefí- sáveis comerciais da Knauf em Portugal elencou o sistema de cobertura ajardinada “Urbanscape”,
cios”, referiu a Coordenadora do PCS. algumas das soluções sustentáveis da empresa concebido especialmente para os telhados ver-
que apresenta um portefólio que “vai muito além des em áreas urbanas residenciais, não-resi-
dos materiais de construção.” denciais e industriais. Leve, fácil de instalar, com
Casas eficientes A gama é diversificada, desde as placas de ges- elevada capacidade de retenção de água, este
João Marcelino, Presidente da Passivhaus Por- sos laminado, em fibra, cimento ou lã, isolamentos, sistema constituído por uma membrana anti-
tugal, a associação criada para a implementação perfis e fixações, massas, gessos e pastas. A Knauf -raízes, drenagem com ou sem reservatório de
e desenvolvimento do conceito ‘Passive House’ está também presente na área das embalagens água, um substrato de lã mineral de rocha ori-
em Portugal, explicou as linhas gerais de aplica- para as indústrias alimentar, automóvel e eletrónica. ginal patenteada e uma camada de vegetação
ção e certificação de um conceito construtivo “Temos um grande compromisso com a susten- – tapete de relva, é aplicável para a construção
que define um padrão de elevado desempenho tabilidade e o nosso negócio baseia-se, também, nova e reabilitação de edifícios.

64
PUB.
reportagem

“a Efacec está no centro da


revolução da mobilidade elétrica”
No passado dia 5 fevereiro A sessão de inauguração foi presidida pelo Minis- Plug-In tomorrow
de 2018, a Efacec inaugurou tro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e con- Num espaço onde todos os lugares rapidamente
tou com a presença da acionista maioritária da se ocuparam com os vários convidados, repre-
a sua nova unidade industrial Efacec, Isabel dos Santos, bem como convida- sentantes de empresas e entidades, bem como a
de Mobilidade Elétrica. dos ligados à área da mobilidade elétrica, ener- comunicação social, a Efacec deu início à cerimó-
gia e I&D. nia de inauguração e apresentação do seu novo
Localizada na Zona Industrial A Efacec pretende com este investimento projeto na área da mobilidade elétrica.
da Maia, esta nova unidade afirmar-se como uma empresa exportadora de Para dar início à cerimónia tomou a palavra
permitirá que a empresa dimensão internacional, tendo como objetivo o CEO da Efacec, Ângelo Ramalho, que primei-
primordial atingir um crescimento do volume de ramente se apressou a agradecer a todos pela
aumente a sua capacidade negócios de dois a três dígitos anualmente nos presença neste que foi “um dia importante para
anual de produção para próximos anos, chegando perto da barreira dos a história presente e de futuro da Efacec”. O CEO
3800 carregadores rápidos, 100 milhões de euros. da empresa enalteceu o pioneirismo da empresa
Com este projeto de dimensão internacional, na mobilidade elétrica que há 10 anos investe
com possibilidade de expansão a Efacec pretende também reforçar a sua capa- nesta área, “hoje estratégica para Portugal e para
até 9000 unidades, e prevê criar cidade exportadora, nomeadamente nos Estados a União Europeia”.
mais 340 postos de trabalho Unidos da América e Europa. A capacidade de Com 70 anos de história a Efacec afirma-se
desenvolvimento e produção desta empresa per- como “uma referência mundial em carregadores
associados às novas tecnologias mite-lhes conceber uma gama completa de carre- de carga rápida”, e este novo projeto vem garan-
e padrões de evolução gadores para veículos elétricos para os segmentos tir que dali sairão soluções que contribuirão para
da mobilidade, até 2025. privado, público, rápido, ultrarrápido e wireless. mudar atitudes e comportamentos, com ganhos
Graças a esta capacidade, a Efacec vai instalar ambientais e económicos. Para tal, Ângelo Rama-
400 estações de carga de grande potência nas lho salientou que a Efacec é e continuará a ser
texto e fotos por André Mendes principais autoestradas da Europa e num projeto um grupo dedicado à conceção de produtos e
idêntico nos Estados Unidos, que prevê um inves- serviços para a transmissão e distribuição de
timento de dois mil milhões de dólares nos próxi- energia, sempre com uma presença internacional
mos 10 anos em infraestruturas de carregamento. com equipamentos diferentes para os setores
A revista “o electricista” esteve presente no da energia, ambiente, indústria e, claro, a mobili-
evento de inauguração da nova unidade indus- dade. “Somos e continuaremos a ser uma referên-
trial de Mobilidade Elétrica da Efacec e, junto dos cia mundial do que melhor se faz em engenharia”,
intervenientes, conheceu a importância deste acrescentou.
investimento no panorama económico nacional “Sejam bem-vindos ao futuro, um futuro com
e internacional. mais tecnologia, mais qualidade, mais produtos, mais

66
reportagem

postos de trabalho, mais exportação, é a esta a “A Efacec está no centro da revolução da mobi- conjunto de medidas que visam fazer com que a
receita que a Efacec se propõe a cumprir com esta lidade elétrica juntamente com os seus parceiros”, Maia seja o primeiro território concelhio com
nova unidade industrial”, sublinhou Ângelo Rama- concluiu Isabel dos Santos. balanço de carbono zero. Segundo o edil, encon-
lho, dando assim início à sessão. tram-se em marcha diversos projetos sobre
descarbonização dos projetos produtivos e
A importância da descarbonização logísticos.
“A Efacec é uma empresa repleta de António da Silva Tiago, Presidente da Câmara
história e tradição” Municipal da Maia, teve como base da sua inter-
No momento seguinte tomou a palavra a acio- venção a importância que este projeto da Efa- “A Efacec é um bom exemplo
nista maioritária da Efacec, Isabel dos Santos, que cec poderá trazer para o município da Maia, para a indústria portuguesa”
começou por salientar que este foi “o dia de con- salientando que o Município se revê no alinha- Em representação do Governo por tuguês
cretizar uma visão que nasceu há cerca de três mento estratégico que a Efacec adotou e está a esteve presente na cerimónia de inauguração da
anos. Há 70 anos que é uma empresa à frente concretizar. nova unidade industrial de Mobilidade Elétrica da
do seu tempo. É reconhecida internacionalmente Efacec o Ministro da Economia, Manuel Caldeira
pela sua capacidade de criar, de ultrapassar, de Cabral, que começou por salientar que “a Efacec
se reinventar”, afirmou a empresária, salientando é um bom exemplo para a indústria portuguesa”,
que a Efacec é uma empresa repleta de histó- parabenizando a empresa pela criação de 400
ria e tradição. novos postos de trabalho.
Isabel dos Santos, que em 2015 passou a fazer Na sua intervenção, o governante começou
parte da Efacec, com a visão de contribuir para por salientar que a indústria portuguesa se dis-
um novo ciclo do seu crescimento, sublinhou que tingue hoje pela inovação, pela capacidade de
a tecnologia presente na estrutura da empresa é engenharia, e que esses são valores que com os
o resultado da capacidade de pesquisa dos enge- seus 70 anos de história a Efacec pratica e pro-
nheiros, gestores e colaboradores da Efacec. move. “Em Portugal as exportações estão a cres-
“Para alguns, Portugal é conhecido pelo seu exce- cer, não só no turismo, mas também na indústria, e
lente turismo e agricultura, mas Portugal é muito
mais, é um país de inovação. Portugal é líder mun-
dial num dos setores mais sofisticados e que ditará
uma nova forma de encarar o consumo de energia,
a produção de carregadores rápidos e ultrarrápidos “A inauguração de uma unidade industrial para
para veículos elétricos. É com orgulho que vejo a a Mobilidade Elétrica é um ato que para a Maia
Efacec ser protagonista na alteração do paradigma não se esgota no seu simbolismo, é um ato que
atual e contribuir para o desenvolvimento de solu- adquire significado por ocorrer precisamente num
ções de mobilidade seguras e impares”, afirmou a território em que a descarbonização é encarada
acionista maioritária da Efacec. pelo município como um objetivo estratégico que
A empresária afirmou ainda que caminhamos converge pelo desígnio da sustentabilidade inte-
para um mundo onde o cruzamento de várias gral, desígnio global que integra a sustentabilidade
tecnologias, quando aplicadas a uma utilidade ambiental, a sustentabilidade económica e conse-
única, a um objeto, como por exemplo um veí- quentemente a sustentabilidade social”, afirmou
culo, vão permitir dar saltos tecnológicos muito o autarca.
rápido. A criação da unidade industrial de Mobi- António da Silva Tiago confessou que a Câmara
lidade Elétrica da Efacec é exemplo disso. Municipal da Maia tem vindo a concretizar um

em particular nas indústrias com uma forte com-


ponente de engenharia”, sublinhou, acrescentando
que o Ministério da Economia tem estado atento
com novos mecanismos de financiamento, mas
também com um trabalho muito forte na área
de inovação.
“O ambiente e a competitividade podem andar
de mãos dadas em Portugal, haja para isso solu-
ções tecnológicas, inovadoras, que esta empresa,
com este investimento que reforça a sua posição
como líder mundial nas soluções de mobilidade,
pode e deve contribuir”, afirmou Manuel Caldeira
Cabral, ressalvando que este projeto, juntando-
-se a muitos outros, seja mais um contributo
para o crescimento da economia portuguesa
que foi muito bom em 2017.

67
reportagem
“A EFACEC ESTÁ NO CENTRO DA REVOLUÇÃO DA MOBILIDADE ELÉTRICA”

Plug-in talks – viaturas autónomas, conetividade, eletrificados


Ângelo Ramalho, CEO da Efacec, deu o toque “A Efacec tem estado sempre e partilhados. Rui Bica salientou ainda a impor-
de arranque para a sessão da tarde, dedicada na linha da frente, antecipando tância de as empresas como o BMW Group
a um conjunto de intervenções de especialis- soluções, sendo um dos poucos passarem de fornecedores de produtos a forne-
tas que apresentaram a sua visão sobre o futuro operadores que apresentam soluções cedores de serviços, dando o exemplo de alguns
do setor, representantes de instituições, repre- wireless. Está na linha da frente em serviços disponibilizados pela sua empresa como
sentantes das marcas de automóveis e dos projetos na Europa e Estados Unidos o Drivenow (carsharing), Cargenow (rede con-
principais operadores europeus de mobilidade da América” junta de carregamento), Parknow (serviço de
elétrica, empreendedores e órgãos autárquicos. apoio ao parqueamento) e o Reachnow (aplica-
O CEO da Efacec sublinhou que a empresa ção mobile para aluguer de automóveis da frota
continuará a trabalhar diariamente na procura de explicou Ricardo Tomás, continuando a falar sobre BMW).
soluções de carregamento. “A Efacec tem estado produtos da marca e das apostas que passam por Geral Vogel é o responsável da Innogy, uma
sempre na linha da frente, antecipando soluções, criar um ecossistema, ou seja, soluções, upgrades, utility company que gera, por exemplo, energia
sendo um dos poucos operadores que apresentam e criar relações com o cliente oferecendo novos proveniente de fontes renováveis e garante que
soluções wireless. Está na linha da frente em proje- serviços. Entre estes novos serviços encontra-se o ela chegue às casas dos clientes. Na sua interven-
tos na europa e Estados Unidos da América”. VW ID, uma nova marca para 2020 que aposta na ção mencionou que contruíram redes inteligen-
“Let´s talk”. conetividade e permitirá aceder a todos os ser- tes e oferecem serviços inovadores de energia,
A primeira intervenção da tarde esteve a cargo viços da plataforma da VW, com autonomia até em áreas como tecnologias de armazenamento,
da keynote speaker Helena Braga, docente na 500 km. eletromobilidade e eficiência energética.
Universidade do Texas em Austin e investigadora Anja Van Niersel da ALLEGO Group falou Filipe Sousa Campos, Marketing Sales Director
da Faculdade de Engenharia no Porto. Com a nestes talks sobre as soluções de carregamento da Toyota/Lexus falou da evolução histórica dos
temática sobre o “Futuro da Mobilidade Elétrica”, de veículos elétricos da empresa que conta VE´s, desde o primeiro híbrido há 20 anos até às
Helena Braga falou sobre um projeto de inves- atualmente com cerca de 30 000 carregadores 11 milhões de unidades de carros elétricos ven-
tigação que se encontra a desenvolver, e fez na Europa. Na sua intervenção centrou-se igual- didos até aos dias de hoje. Fez uma breve expli-
uma explicação técnica sobre armazenamento mente na explicação sobre os E-Hubs, por forma cação sobre os diferentes tipos de VE´s (híbrido,
de energia, baterias, ciclos de vida das baterias, a tornar as cidades mais agradáveis. plug-in híbrido, bateria e fuel cell) e falou dos
novos tipos de baterias, entre outros. Danny Clinton da ESB é engenheiro de inte- novos produtos e da parceria com a Efacec.
Pedro Silva, Diretor da Efacec Electric Mobility, gração de tecnologia Charge Point, especializado A representar a Mitsubishi/Fuso esteve Manuel
tomou de seguida a palavra na segunda inter- nas tecnologias necessárias para criar o ecos- Vilhena Júlio, que fez uma apresentação voltada
venção. Primeiramente abordou o percurso da sistema para a mobilidade elétrica nacional na para a presença da marca em Portugal e dos
mobilidade elétrica no mundo e em particular Irlanda. Na sua intervenção falou sobre o projeto seus produtos, mais concretamente VE´s. Salien-
na Efacec. Falou também de novos produtos, dos que permite que toda a infraestrutura de veícu- tou a questão da aposta em veículos de merca-
novos conceitos e da importância das normas e los elétricos seja gerida centralmente e contro- dorias elétricos, mencionando as marcas E-Fuso
certificações para a empresa. “Neste momento lada remotamente para o benefício de todos os e E-Canter, novas gamas de veículos de merca-
estamos a assistir a uma evolução aceleradíssima utilizadores de veículos elétricos. dorias elétricos da empresa.
de potência de carregamento”, confessou Pedro Rui Bica do BMW Group centrou a sua inter- Jorge Teixeira Magalhães do Grupo PSA con-
Silva, realçando a importância dos sistemas de venção nos “The next 100 years”, sublinhando fessou que a estratégia da empresa passa por
gestão de redes de carregamento. Analisando que para atingir os objetivos de redução das criar uma nova oportunidade – novos serviços
o futuro, o Diretor da Efacec Electric Mobility emissões é necessário completar os quatro ases e novas interações que os clientes têm com o
salientou alguns dos pontos chave para o desen- telemóvel. O objetivo, afirmou, passa por “não
volvimento deste setor, nomeadamente apostar pensar apenas em automóveis, mas sim em mobi-
na carga de grade potência, no cluster manage- lidade – viaturas elétricas, mobilidade elétrica”.
ment, na nova norma de veículos e carregadores Rami Syväri, responsável da Fortum Charge
(ISO 13118), em novos modelos, na introdução & Drive, empresa de soluções de carregamento
de novos cabos refrigerados, em novos stan- elétrico, centrou a sua intervenção no futuro da
dards e em Vehicle to Grid Integration. e-mobility e das soluções apresentadas por este
Ricardo Oliveira, fundador da World Shopper player.
e autor do estudo “2025 Automotive 360º Vision” Da Caetano Bus, Joaquim Miranda sublinhou
focou a sua intervenção numa experiência que o ambicioso projeto entre a empresa e a Efacec,
realizou, uma roadtrip de 5000 km de Lisboa a um Ecobus Elétrico, com engenharia e tecnolo-
Frankfurt com um VW Golf elétrico, que encon- gia portuguesa, um novo passo para a evolução
trou alguns percalços no percurso, nomeada- do autocarro elétrico.
mente pela dificuldade em encontrar spots de O Vice-Presidente da Câmara Municipal do
carregamento. Porto, Filipe Araújo, em substituição do Pre-
Ricardo Tomás, Diretor de Comunicação do sidente da Câmara Municipal do Porto, Rui
Grupo SIVA / Volkswagen centrou-se na antevi- Moreira, centrou a sua intervenção nos exem-
são do futuro da mobilidade elétrica. Segundo plos de mobilidade elétrica na cidade do Porto e
o mesmo, em 2021 as emissões não vão poder a procura constante de novas possibilidades e de
exceder os 95 gramas, um contexto que irá permi- novas formas de mobilidade na cidade.
tir que a eletromobilidade se desenvolva. “Quando As Plug-In Talks foram encerradas por Mário
o cliente do futuro é um nativo digital é necessá- Leite da Silva, Presidente do Concelho de Admi-
rio desenvolver a conetividade e a eletromobilidade”, nistração da Efacec.

68
PUB.
informação técnico-comercial

Viessmann amplifica a sua gama


de bombas de calor

Muitas novidades, entre as quais uma nova bomba de calor híbrida: aquecimento inteligente
que ajuda a poupar!
Viessmann, S.L.

Nova bomba de calor para produção quente ao longo do ano, com um rendimento
de A.Q.S Vitocal 060-A interessante proveniente da alternância ou da
Esta nova bomba de calor compacta Vitocal combinação de dois geradores, cada um com um
060-A está equipada com todos os componen- funcionamento complementar. O seu sistema de
tes necessários para a produção eficiente de gestão de energia inteligente Hybrid Pro Control
água quente sanitária (até 62ºC de água quente). seleciona, automaticamente, o modo de funcio-
Além do módulo de bomba de calor, integra um namento mais económico e eficiente em qual-
depósito acumulador de com 250 litros e um quer altura.
sistema de controlo de última geração. A Vitocal A Vitocaldens 222-F tem um funcionamento
060-A pode utilizar tanto o ar exterior como o flexível adaptado às preferências pré-configura-
ar de circulação para o aquecimento eficiente e das: Economia, Ecológico ou Confort. De acordo
económico da água sanitária. Torna-se, assim, na compactas, as unidades interiores podem ser com os dados introduzidos pelo utilizador (por
solução ideal para obras novas ou reabilitações. instaladas facilmente numa cave ou na cozinha. exemplo, preço do gás e da eletricidade ou o
Esta bomba de calor muito silenciosa foi espe- As unidades exteriores podem ser instaladas na fator de energia primária), o sistema de gestão
cialmente desenvolvida para o aproveitamento parede exterior da habitação ou de forma inde- determina de maneira automática qual dos dois
otimizado de energia fotovoltaica. pendente na área exterior. geradores de calor tem preferência, ou se deve
Em combinação com um sistema fotovoltaico, optar por um funcionamento paralelo, tendo em
a corrente produzida pode ser utilizada para ali- conta a temperatura exterior, a potência dese-
mentar a bomba de calor. jada e a temperatura de impulsão necessária.

Nova bomba de calor compacta Aproveite as vantagens


híbrida a gás • Baixos custos de funcionamento das bombas
Por vezes, em construções recentes ou em reno- de calor graças ao valor COP elevado (COP =
vações torna-se difícil escolher o tipo de ener- Coefficient of Performance, Coeficiente de Ren-
gia adequada. A Vitocaldens 222-F dá resposta a dimento) de acordo com a Norma EN 14511;
esta situação, uma vez que é constituída por dois • Ótimo aproveitamento do autoconsumo da
geradores de calor: um aerotermo e uma cal- corrente através dos sistemas fotovoltaicos;
deira de condensação a gás. • Elevado conforto de água quente sanitária gra-
Nova bomba de calor ar-água split O objetivo de uma bomba de calor híbrida ças aos depósitos acumuladores de carga inte-
Vitocal 111-S é assegurar o aquecimento e conforto da água grados com grande capacidade;
A bomba de calor ar-água Split Vitocal 111-S, • Ligação à Internet graças à interface wi-fi Vito-
constituída por uma unidade exterior e uma connect (acessório) para gestão e manuten-
unidade interior, proporciona um elevado ren- ção remota (disponível para Vitocal 111-S e
dimento, tornando assim possível uma elevada Vitocaldens 222-F);
poupança para o utilizador e, simultaneamente, • Tecnologia inovadora Made in Germany.
o respeito pelo ambiente. A unidade interior
é fornecida de fábrica com todos os compo-
nentes hidráulicos, válvula de comutação de 3
Viessmann, S.L.
vias (A.Q.S./aquecimento), bomba circuladora,
Tel.: +351 219 830 886
depósito acumulador de AQS de 210 litros e info@viessmann.pt � www.viessmann.pt
um sistema de controlo inovador. De dimensões

70
PUB.
informação técnico-comercial

integração: EPLAN e Melsoft


iQ Works

Uma realidade com o AutomationML!


M&M Engenharia Industrial, Lda.

A nova solução de integração do EPLAN Electric bem estruturada, mesmo para trabalhos de assis-
P8 com o Melsoft iQ Works da Mitsubishi Electric tência e manutenção. Finalmente, permite a troca
permite associar engenharia elétrica e automação. de dados de várias ferramentas de software, como
Agora, com o atual pacote de software é possível informações de dispositivos, entre fabricantes e
transmitir dados como endereços simbólicos, por utilizadores e a sua integração na documentação
exemplo, de forma bidirecional. Os resultados no de uma forma mais fácil.
EPLAN Electric P8 são impressionantes: esque-
mas válidos, incluindo comunicações entre com-
ponentes de PLC e configurações de hardware de iQ Works
elevada qualidade. A troca bidirecional de dados O Melsoft iQ Works é um pacote de software
de PLC ajuda a otimizar processos em engenha- integrado que consolida os programas necessá-
ria e automação. Com a nova integração entre o rios para programar produtos de automação da
EPLAN Electric P8 e o Melsoft iQ Works, o for- Mitsubishi Electric – GX Works3, MT Works2,
necedor de soluções EPLAN e a Mitsubishi Elec- GT Works3, RT ToolBox2 e FR Configurator2.
tric elevaram esta possibilidade a um novo nível. A integração do software é suportada através
O AutomationML está na base da integração do Navigator, uma interface gráfica fácil de utili-
e abre caminho para a Indústria 4.0 com a sua zar entre o utilizador e a configuração central de
neutralidade e abertura em termos de troca de sistemas. Outra simplificação deve-se à utilização
dados. O conjunto de dados criados no EPLAN abrangente de etiquetas e parâmetros de siste-
constitui a base para a montagem de hardware e mas nos projetos. As vantagens deste poderoso
programação de software de PLC. Uma carate- pacote de software incluem o desenvolvimento
rística especial passa pelo facto dos dados serem simplificado de sistemas graças à necessidade
transmitidos durante todo o processo de desen- consideravelmente inferior de realização de tare-
volvimento de produto como a única fonte da de alterações de última hora é mais fácil e imple- fas repetitivas, o que permite minimizar fontes
verdade. O EPLAN Data Portal fornece os dados mentável de forma mais universal. de erros e reduzir os custos gerais de funciona-
de componentes necessários e juntos aceleram a mento associados a esses erros.
configuração de componentes e o planeamento
de desenvolvimento. Tecnologia AutomationML
O Melsoft iQ Works é um pacote de soft- Enquanto formato de dados baseado em XML Antecedentes
ware integrado que inclui as soluções de software não exclusivo, o AutomationML consegue repre- A EPLAN e a Mitsubishi Electric trabalham juntas
necessárias para programar produtos de auto- sentar informações de design relativas a topologias, numa parceria estratégica há vários anos. O forne-
mação da Mitsubishi Electric. Com a nova inte- estruturas, geometrias e lógica de sistemas. Para cedor de soluções EPLAN pertence à e-F@ctory
gração com a Plataforma EPLAN, Versão 2.7, os apresentar as informações estruturais e topo- Alliance; por seu lado, a Mitsubishi Electric fornece
utilizadores podem trocar, editar posteriormente lógicas, o AutomationML usa o formato CAEX os seus dados no EPLAN Data Portal. O obje-
e sincronizar dados de projetos em qualquer (Computer Aided Engineering Exchange – troca de tivo de ambas as empresas é inequívoco no que
direção em todas as fases dos projetos. Os utili- dados de engenharia assistida por computador), se refere aos seus clientes e utilizadores: aumen-
zadores já não têm que introduzir dados mais do um padrão internacional de formato de dados tar a qualidade dos dados, acelerar os processos
que uma vez, o que ajuda a evitar erros de intro- em conformidade com as Normas IEC 62424 e de engenharia e de fabrico e aumentar a produ-
dução. Também a cooperação entre engenheiros IEC 62714. Esta tecnologia oferece conceitos fun- tividade.
de projetos elétricos e programadores de soft- damentais orientados para objetos que podem
ware é facilitada. Os utilizadores que se dedicam a ser utilizados para representar estruturas de fábri-
projetos elétricos têm ainda vantagens adicionais: cas e sistemas. Adicionalmente, o AutomationML M&M Engenharia Industrial, Lda.
Tel.: +351 229 351 336 � Fax: +351 229 351 338
a alocação de projetos de PLC é transparente. oferece a possibilidade de transmitir estruturas de
info@mm-engenharia.pt � info@eplan.pt
Os projetos podem ser editados mais rapida- sistemas como a montagem em bastidores. Isto
www.mm-engenharia.pt � www.eplan.pt
mente com o suporte de sistemas e a realização permite dispor de documentação ponto a ponto

72
PUB.
informação técnico-comercial

instalação de autoconsumo
com bateria de alta voltagem BYD
e inversor híbrido Kostal PIKOBA
A flexibilidade do armazenamento traz novas oportunidades.
KOSTAL Solar Electric Ibérica, S.L.

O setor do autoconsumo em Portugal está a


entrar num novo ciclo. Desde a entrada em vigor
do Decreto-Lei n.º 153/2014 que permitiu a ins-
talação de painéis fotovoltaicos para autocon-
sumo para empresas e particulares, que o setor
tem vindo a crescer gradualmente. As empre-
sas, principais beneficiários das poupanças con-
seguidas devido aos seus grandes consumos, têm
gradualmente ganho consciência da necessidade
de apostar na produção da sua própria energia.
Atualmente uma nova oportunidade de pou-
pança está a mudar a forma como se encara a
produção e consumo de energia. Um novo ciclo,
um ciclo de produzir para consumir, produzir para
armazenar e armazenar para voltar a consumir.

O estudo dos consumos


O maior desafio colocado à Socalor, responsável
pelo projeto e instalação do sistema, no estudo
dos consumos das instalações da empresa EASY
BREAK resultou da mesma não ser de ocupa-
ção permanente e de possuir uma propriedade
agrícola com consumos pouco regulares. Para proposto o armazenamento de energia com a
além disso o cliente possui um veículo elétrico instalação de uma bateria de alta voltagem de
que carrega sempre que se encontra na habita- lítio da BYD, modelo B-BOX de 6,4 kW. O sis-
ção. Estas variáveis dificultavam a obtenção de tema conta ainda com a instalação de um Piko
um gráfico de cargas, representativo dos perío- BA sensor para a monitorização dos consumos
dos de consumo. da habitação e de otimizadores Tigo TS4-R para
Após a realização da medição dos consumos evitar pontuais perdas resultantes de uma cha- estável, e excetuando a carga do veículo elétrico,
e do levantamento dos equipamentos e potên- miné existente. a instalação assegura o consumo da habitação, e
cias instaladas, foi estabelecido a instalação de 24 das bombas de rega e alfaias agrícolas.
painéis de 260 Wp num único string e de orien- Com uma produção estimada de 10 780 kWh/
tação SE, com um inversor híbrido Kostal Piko Autonomia ao máximo ano e um custo de energia de 0,1903 kW/h, o
10BA. A instalação de um inversor com uma A monitorização dos resultados através do Por- retorno do investimento prevê-se ser de 5 anos
potência superior permitirá ao cliente crescer tal web da Kostal permite verificar o sucesso da e meio.
o sistema, em face das necessidades de equipa- instalação em diferentes períodos, de consumo
mentos que pretende vir a instalar. O material foi e de comportamento. Mesmo em dias de pouca
KOSTAL Solar Electric Ibérica, S.L.
fornecido pela empresa de distribuição Krannich. produção é possível assegurar os consumos da
Tel.: +34 961 824 934 � Fax: +34 961 824 831
Como solução para os diferentes compor- habitação praticamente a 100%. Sendo que nos
www.kostal-solar-electric.com
tamentos de consumo ao longo dos meses, foi restantes períodos e com uma produção solar

74
PUB.
informação técnico-comercial

soluções Pick-to-Light
e Put-to-Light da Weidmüller

Pela primeira vez, a Weidmüller apresenta as suas soluções Pick-to-Light e Put-to-Light para tarefas
de picking e montagem na indústria e intralogística.
Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A.

Os displays de compartimento eletrónicos (DPD) robustos e EMC-resilien-


tes são instalados acima dos locais de armazenamento individuais nas áreas
de Pick e Put, e são conetados ao sistema de informações de produção da
instalação fabril por meio de uma caixa de junção e sistema I/O remoto.
Quando o compartimento exibe a luz, o utilizador é guiado através de uma
sequência de etapas que exigem confirmação dentro de um processo de
trabalho definido com precisão, o que evita erros e aumenta a produtivi-
dade em mais de 50%.
Para soluções Pick-to-Light, os monitores do compartimento são equi-
pados são equipadas com quatro displays numéricos digitais de sete seg-
mentos e um botão de toque com uma lâmpada multicolorida brilhante.
O sistema de informações de produção sinaliza com um botão de toque
colorido iluminado para o qual o local de armazenamento deve ser selecio-
nado pelo utilizador. A luz é facilmente visível a longa distância, garantindo
um planeamento avançado para a sequência de picking. O display numé-
rico indica ao selecionador quantas peças devem ser removidas e em que
compartimento as peças devem ser colocadas no AVG (Automated Gui- Figura 2 As inovadoras soluções Pick-to-Light e Put-to-Light usam um display de sinalização
ded Vehicle). O utilizador reconhece o processo de remoção pressionando com sensor de toque e lâmpada multicolorida brilhante para interação altamente eficiente do
o botão de toque. Uma mudança de cor sinaliza um erro e, ao mesmo utilizador.
tempo, informa um segundo utilizador. Um camião industrial transporta
posteriormente as peças para a linha de montagem, onde são retirados dos
respetivos compartimentos ou recipientes. A solução colaborativa aumenta
a produtividade, evitando erros no picking.
A solução Put-to-Light é construída de forma idêntica e é utilizada na área
de preenchimento de contentores vazios. A funcionalidade é semelhante
à da solução Pick-to-Light. Neste caso, o sistema de informações do pro-
duto envia um comando para preencher o contentor. O contentor é exi-
bido através do botão de toque iluminado e o número de peças a serem
preenchidas através do display numérico. Pressionar o botão de toque con-
clui o processo. Alternativamente, o reconhecimento automático pode ser
configurado para Pick-to-Light e Put-to-Light, onde um sensor externo é
conetado ao display do compartimento através da conexão M8. Ele deteta
automaticamente a remoção ou o preenchimento e envia imediatamente
uma confirmação para o sistema de informações de produção. Esta opção
ajuda a reduzir ainda mais a taxa de erro. As soluções Pick-to-Light e Put-to-
-Light da Weidmüller permitem um melhor processamento do processo de
fornecimento e uma produtividade significativamente otimizada.
Os displays de compartimento da Weidmüller possuem uma proprie-
dade especial, são configurados para serem muito robustos com proteção
IP54 e proteção contra impacto IK05, e também oferecem boa resistên-
Figura 1 As inovadoras soluções Pick-to-Light e Put-to-Light guiam o utilizador através de cia EMC para utilização em ambientes industriais. Os monitores com design
uma sequência de etapas que requerem confirmação dentro de um processo de trabalho defi- compacto com dimensões de 180 x 70 x 75 mm (comprimento x largura x
nido com precisão. Isso evita erros e aumenta a produtividade. altura) podem ser instalados sem ferramentas em pouco tempo.

76
PUB.
Figura 3 A opção de conexão para sensores externos permite a integração de reco-
nhecimento automático no fluxo de trabalho, o que reduz ainda mais as taxas de erro.

Juntamente com as caixas de junção disponíveis como acessórios,


o cliente pode obter uma arquitetura de dispositivos descentralizada
com quase todas as estruturas de comunicação e sistemas de barra-
mento, incluindo Modbus/TCP, PROFINET, EtherCAT e EtherNet/IP. A
conexão de barramento à caixa de junção usa um cabo híbrido blin-
dado com conetor codificado por M12 A. Ao mesmo tempo fornece
os módulos com uma tensão operacional de 24 V a 36 V DC. Uma
conexão plug-in M8 adicional no visor do compartimento permite
que sensores externos sejam conetados para automação. Os displays
do compartimento são projetados para uma temperatura de opera-
ção de 0 a 45ºC a uma humidade de 30 a 80%. A caixa é composta
por plástico PA66 resistente ao impacto.

Figura 4 O robusto IP54, o invólucro protegido IK05 e a cablagem blindada garan-


tem um serviço fiável num ambiente industrial adverso.

A solução Pick-to-Light da Weidmüller permite o fornecimento


oportuno de peças necessárias e suporte à medida para o traba-
lho manual na indústria e intralogística, com taxas de erro reduzidas
e produtividade significativamente melhorada.

Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A.


Tel.: +351 214 459 191  Fax: +351 214 455 871
weidmuller@weidmuller.pt  www.weidmuller.pt
produtos e tecnologias

Infraestrutura do quadro – one-stop shopping Para gerar valor acrescentado a partir do alto volume de dados, a infor-
Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A. mação deve estar disponível para sistemas superordenados. Para facilitar
Tel.: +351 214 459 191 � Fax: +351 214 455 871 a comunicação contínua de dados, a Rittal agora oferece a sua nova inter-
weidmuller@weidmuller.pt � www.weidmuller.pt face IoT, que transforma as unidades de refrigeração e chillers da gama Blue
e+ em dispositivos compatíveis com IoT. A interface IoT pode ser mon-
A Weidmüller expandiu a tada num trilho superior ou diretamente na unidade de refrigeração ou
sua gama de componen- chiller. Os protocolos suportados são OPC-UA, Profinet, SNMP, Modbus e
tes do quadro. As adições CANopen. O número de protocolos suportados torna possível conetar-
ao programa incluem -se a sistemas de monitorização ou gestão de energia superordenados em
canais de cablagem está- praticamente todos os casos. Os dados das unidades de refrigeração e chil-
veis ​​e ventiladores de fil- lers estão disponíveis nestes sistemas em todos os momentos. Também é
tro eficientes em termos possível definir parâmetros e configurar definições através da interface IoT.
energéticos. Estes são As informações dos dispositivos também podem ser usadas para uma
benéficos em quadros e ampla gama de análises. As opções de comunicação disponíveis através das
em soluções para o terciário Weidmüller, por exemplo, para a energia foto- novas interfaces IoT permitem integrar as soluções de controlo de clima
voltaica ou para a indústria de energia eólica. O pacote da solução foi com- em aplicações IoT, preparando o caminho para novas aplicações e solu-
pletado pela adição de componentes de infraestrutura que, no contexto ções de serviços inteligentes. Por exemplo, as opções possibilitam a otimi-
geral do quadro, fornecem uma base importante para um planeamento, ins- zação de manutenção bem como a manutenção de soluções de controlo
talação e operação eficientes. climático, reduzindo os custos operacionais. Outra aplicação importante é
A nova calha cortada de cablagem Weidmüller conta com uma constru- a gestão de dados de energia. Com todos os dados disponíveis em todos
ção sem torção, resultando num roteamento de cabo longo e robusto. os momentos, o nível de eficiência energética aumenta, o que, por sua vez,
Graças aos orifícios perfurados no chão do quadro, dimensionados com ajuda a reduzir os custos.
precisão de acordo com a norma DIN EN 50085-2-3 e colares de reten-
ção de cabos para conetores previamente instalados é possível responder
a todos os requisitos de uma instalação precisa. O mecanismo de bloqueio
com um simples encaixe que garante um assento seguro para a tampa e é Iluminação LED multicor da Banner, combina duas
particularmente prático. funções num único equipamento
Os novos componentes de controlo de temperatura do quadro garantem Bresimar Automação, S.A.
uma gestão térmica fiável em condições diferentes. Os ventiladores do fil- Tel.: +351 234 303 320
tro foram projetados para serem práticos, até ao último detalhe. Com o Tlm.: +351 939 992 222
seu tapete de filtro em forma de ziguezague, por exemplo, a superfície é bresimar@bresimar.pt � www.bresimar.com
ampliada de tal forma que garante um funcionamento até três vezes maior
do que aqueles com produtos convencionais. Além disso, os filtros classifi- A Bresimar Automação já
cam-se bem com o seu consumo de energia otimizado, graças a um fluxo tem disponíveis as novas
de ar aumentado e a um menor consumo de corrente. soluções de iluminação
da Banner Engineering,
uma referência na tec-
nologia para automação
Rittal oferece um novo interface IoT para soluções industrial. Recentemente
de controlo de climatização lançou no mercado lumi-
Rittal Portugal nárias LED multicor
Tel.: +351 256 780 210 � Fax: +351 256 780 219 WLS27 com EZ-STATUS™, que apresentam funções de iluminação e indi-
info@rittal.pt � www.rittal.pt cação para máquinas e estações de trabalho através das várias cores LED
disponíveis. As últimas alterações efetuadas à família WLS27 conjugam a
Uma grande quantidade robustez e compactação da família WLS27 com a presença de várias cores
de informações é gerada LED, que podem ser configuradas para iluminação e indicação do estado
quando se trata de ope- da máquina.
rar soluções modernas A iluminação muito brilhante e uniforme fornecida por LEDs de última
de controlo climático em geração aumenta a visibilidade em toda a sua área de instalação, melho-
armários. Até agora, só rando a produtividade, a eficiência e segurança do operador/máquina.
foi prático registar horas Qualquer alteração da cor de iluminação da máquina é um alerta visual
de execução e a tempe- inconfundível para uma mudança de estado, permitindo assim uma indica-
ratura atual dentro do ção visual e uma resposta rápida à resolução de qualquer evento gerado.
armário. Mas com dispositivos modernos como as novas unidades de refri- Os modelos WLS27 com EZ-STATUS™ estão disponíveis em modelos de
geração e chillers da gama Rittal Blue e+, podem ser medidas e gravadas 3 e 5 cores em combinações de branco, vermelho, amarelo, verde e azul.
uma infinidade de valores e outras informações. Isto inclui as temperaturas Possuem 4 comprimentos possíveis, de 285 mm a 1130 mm e têm um
dentro e fora do armário, as temperaturas do evaporador e do conden- design que economiza espaço para uma utilização em áreas reduzidas e
sador e, quando apropriado, medições de sensores adicionais localizados espaços apertados. As luminárias WLS27 utilizam um conetor M12 padrão
dentro do armário. Em vez de um medidor de horas de execução simples, de 4 pinos e possuem múltiplas opções de montagem para simplificar a
os tempos de execução do compressor e ventilador interno e externo são instalação. Os modelos em cascata podem ser alimentados a partir de uma
gravados separadamente. Existem também mensagens do sistema, dados fonte de alimentação colocada no início da linha, facilitando a implanta-
para a utilização da capacidade e as informações de parametrização atuais. ção rápida da solução e respetiva alimentação. Como em outras luminárias

78
produtos e tecnologias

LED na série WLS27, os modelos multicores com EZ-STATUS™ apresen- possibilitando a produ-
tam uma estrutura interna muito duradora, possuem um invólucro de poli- ção de soluções escalá-
carbonato bastante robusto, anti-choque, para uma vida operacional longa veis para todos os tipos
e sem manutenção. Cada luminária LED na série WLS27 possui uma cons- de conversão e ativando
trução robusta IP66, IP67 e IP69K adequada para uma utilização em aplica- ativamente as aplicações
ções onde a exposição a água de alta pressão, alta temperatura, solventes, de energia com cargas
óleos de corte e produtos químicos corrosivos é comum. A versatilidade resistivas, capacitivas e
e robustez oferecida pelas luminárias WLS27 Multicor LED com EZ-STA- indutivas.
TUS™ facilitam a indicação visual numa ampla gama de equipamentos, Vários fabricantes esta-
áreas de trabalho, entradas e pontos de acesso e em qualquer local onde rão representados no stand da RUTRONIK na PCIM Europe com seus
se beneficie de iluminação e indicação de alta visibilidade. próprios produtos, incluindo a Infineon, Panjit, RECOM, Rohm e STMicroe-
lectronics. Paralelamente, Andreas Mangler, Diretor de Marketing estraté-
gico da RUTRONIK, fará uma palestra intitulada “Gestão térmica de células
de íones de lítio em baterias”.
Biocooler Solar: sem consumo/custo energético
– 100% Solar
Chatron, Lda.
Tel.: +351 256 472 888 � Fax: +351 256 425 794 Reduza as referências de stock com os novos
www.chatron.pt interruptores de posição
ALPHA ENGENHARIA - Equipamentos e Soluções Industriais
2018 coincide com o lan- Tel. +351 220 136 963 � Tlm. +351 933 694 486
çamento das unidades info@alphaengenharia.pt � www.alphaengenharia.pt
Chatron Biocooler Smart
Solar. Este produto vinha A BERNSTEIN AG apre-
a ser pensado e traba- senta a nova série IN62
lhado há já largos meses e IN65 de interruptores
a esta parte. Entretanto de posição, uma solução
foram validados todos os robusta e fiável para apli-
equipamentos e foi lan- cações de segurança e de
çado no mercado no início de 2018. A partir de agora todas as indústrias, posicionamento em dife-
armazéns e grandes áreas em geral podem ter climatização e ventilação a rentes setores industriais.
custo zero, utilizando as unidades Biocooler Solar da Chatron. A principal caraterística
Para tal basta selecionar a quantidade de kits Biocooler Solar necessários da série IN65 é o seu inovador grampo metálico para fixação do atuador
para um bom arrefecimento do espaço. O dimensionamento é exatamente ao corpo do interruptor de posição, em vez de usar os parafusos. Desta
igual ao das unidades Biocooler standards. Temos que saber a área, o pé forma, sem ferramentas, pode-se substituir rapidamente e rodar o atuador
direito e aplicar a fórmula habitual com o número de renovações necessá- em incrementos de 45º.
rias para o tipo de actividade desenvolvida no espaço a arrefecer. A pensar Na nova série IN65, além da ampla gama de atuadores e de contactos elé-
já em todas as situações e nas fábricas que trabalham 24 horas (com neces- tricos do tipo slow-action e snap-action, foi aumentada a vida útil mecânica
sidade de arrefecimento durante a noite), a Chatron desenvolveu o kit de dos contactos com comutações fiáveis mesmo em baixas correntes (24 V,
ligação à rede que permite que quando a quantidade de luz do dia baixe 1 mA). Agora são possíveis 30 milhões de ciclos de comutação em vez dos
a determinado valor, o sistema comute para a rede mantendo o funciona- 10 milhões anteriores. A série IN65 de interruptores de posição com um
mento 24 horas/dia. Estima-se que o retorno do investimento em unidades conceito modular – em que o corpo, o atuador e o sistema de comutação
Biocooler Solar em detrimento das unidades standard seja inferior a 3 anos são intercambiáveis – não só reduz os custos de armazenamento, como
nos casos de média utilização (apenas 5 meses por ano) e inferior a 2 anos permite que cada cliente possa escolher a sua própria solução. Devido à
em fábricas com necessidades permanentes de ventilação e arrefecimento. construção metálica do atuador e do grampo, o interruptor posição IN65
é bastante robusto.

RUTRONIK POWER: Soluções de sistema escaláveis


na PCIM Europe Servocontrolador descentralizado: MOVIAXIS® MMD60B
RUTRONIK Elektronische Bauelemente GmbH SEW-EURODRIVE Portugal
Tel.: +351 252 312 336 � Fax: +351 252 312 338 Tel.: +351 231 209 670
rutronik_pt@rutronik.com � www.rutronik.com infosew@sew-eurodrive.pt � www.sew-eurodrive.pt

A RUTRONIK ocupará o stand 628 no Pavilhão 9 da PCIM Europe em O servocontrolador descentralizado MOVIAXIS® MMD60B concebido
Nuremberga de 5 a 7 de junho, apresentando uma gama de soluções esca- para a instalação no campo, combina a elevada capacidade de sobrecarga
láveis para transformar energia, comutar fases de energia e conetar cargas com uma construção compacta e robusta. É a solução indicada para siste-
resistivas, capacitivas e indutivas. mas com grande extensão com módulos de máquinas encadeados. Os seus
A campanha POWER da RUTRONIK disponibiliza uma gama completa sistemas e módulos de máquinas encadeados apresentam uma extensão
de componentes para várias classes de energia e áreas de aplicação. Com de 10 metros até algumas centenas de metros? Nesse caso, a capacidade
a combinação de peças ativas, passivas e eletromecânicas, o RUTRO- funcional de todas as unidades modulares do sistema é um fator decisivo.
NIK POWER abrange todos os componentes do grupo de montagem, Estes módulos de sistema só são autonomamente funcionais e só podem

79
produtos e tecnologias

ser encadeados com interfaces definidas se e Project Builder, podem agora ser iniciadas diretamente a partir da nuvem.
a modularização não permanecer limitada O registo e a administração de utilizadores são simples por estarem incor-
ao software, aos sensores de Baixa Tensão porados na Plataforma EPLAN. As bibliotecas e configuradores são for-
e aos acionamentos com gamas baixas de necidos pelo Microsoft Azure ou guardados na nuvem para que todas as
potências. O servocontrolador descentrali- pessoas envolvidas tenham sempre acesso à versão mais recente dos pro-
zado MOVIAXIS® MMD60B preenche estas jetos a partir de qualquer local no mundo. Este método de trabalho repre-
lacunas. Este servocontrolador combina senta a mais recente tecnologia. Benefícios adicionais para empresas passam
a elevada capacidade de sobrecarga com pelas tarefas de gestão e de TI, como cópias de segurança, que são transferi-
um elevado desempenho e uma ligação ao das do utilizador para a nuvem - sem qualquer necessidade de hardware de
bus de sistema em tempo real. O conver- servidores ou administração por parte da empresa. Adicionalmente, os utili-
sor de frequência descentralizado próximo zadores trabalham sempre com a versão mais recente do EPLAN Cogineer.
do motor e a instalação descentralizada faci-
litam o trabalho de cablagem. Além disso, a instalação no campo leva a uma
economia de espaço substancial no quadro elétrico, o que permite eco-
nomizar tempo e reduzir custos de instalação, resultando numa constru- Fonte de alimentação potente de pequena dimensão
ção mais simples e rápida de todo o sistema, incluindo possíveis medidas Phoenix Contact, S.A.
de reequipamento. Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769
www.phoenixcontact.pt

A fonte de alimenta-
EPLAN Cogineer brevemente na nuvem ção QUINT POWER
M&M Engenharia Industrial, Lda. da Phoenix Contact ofe-
Tel.: +351 229 351 336 � Fax: +351 229 351 338 rece, pela primeira vez
info@mm-engenharia.pt � info@eplan.pt na gama de potência até
www.mm-engenharia.pt � www.eplan.pt 100 W, uma elevada dis-
ponibilidade da instala-
O EPLAN Cogineer - um software para a cria- ção em dimensões muito
ção simples e rápida de esquemas e desenhos pequenas. A monitoriza-
hidráulicos confere um impulso adicional à ção funcional preventiva e a grande reserva de potência estão disponíveis
automação – foi apresentado pela primeira para as suas aplicações na gama de baixa potência.
vez na Feira de Hannover e faz agora parte Para o arranque de cargas pesadas encontra-se disponível o boost dinâmico
da Plataforma EPLAN. Na Feira SPS IPC até 200% da corrente nominal durante 5 segundos. No caso de dispositi-
Drives, a EPLAN fez uma breve apresenta- vos de 1,3 A e 2,5 A estão também disponíveis para uma extensão simples
ção da primeira aplicação deste software na do sistema o boost estático com 125% da corrente nominal permanente-
nuvem que cria de forma automática esque- mente. A monitorização funcional preventiva indica antecipadamente esta-
mas e desenhos hidráulicos. O EPLAN Cogi- dos operacionais críticos específicos do sistema antes do surgimento de
neer funciona com base no Microsoft Azure falhas. Limiares de potência selecionáveis ou sinalização de DC OK possibi-
e agora também passará a oferecer o valor litam uma monitorização dos parâmetros de saída adaptada à sua aplicação.
acrescentado de uma solução de engenharia Todas as fontes de alimentação QUINT POWER abaixo de 100 W pos-
baseada na nuvem. Este novo produto é uma inovação em termos de auto- suem um elevado grau de eficiência até 93,7% e uma longa vida útil com
mação a todos os níveis e possui componentes adequados para proporcio- uma baixa dissipação de potência e aquecimento reduzido. Graças ao for-
nar todo um novo nível de valor acrescentado – desde o acesso seguro a mato estreito e plano com uma profundidade de 90 mm, os dispositivos
dados globais até ao fornecimento facilitado de infraestruturas de TI abran- são especialmente compactos e podem ser instalados em pequenos qua-
gentes. O Microsoft Azure oferece a possibilidade de guardar, arquivar e con- dros de distribuição. Selecione os pequenos dispositivos com base em três
verter dados sem que os utilizadores tenham que despender tempo para tal classes de potência de tensão de saída de 24 V CC com 1,3 A, 2,5 A e 3,8 A
e sem a necessidade de conhecimentos especializados. Ao mesmo tempo, com ligação push-in e também de parafuso. Além da entrada de vasta gama
a simplicidade do funcionamento do EPLAN Cogineer é uma caraterística CA de 85 V CA a 264 V CA, o amplo intervalo de tensão de entrada CC
fundamental: todos os utilizadores EPLAN podem começar a trabalhar de de 88 V CC a 350 V CC e o grande intervalo de temperatura de -40°C a
imediato, com base em macros existentes e criar conjuntos de regras e con- +70°C garantem uma elevada flexibilidade de utilização.
figurações sem conhecimentos de programação. O conceito de venda da
EPLAN é também pioneiro com a sua nova base de subscrição para licen-
ciamento do software. Os clientes beneficiam da facilidade com que podem
começar a utilizar o EPLAN Cogineer e da liberdade adicional pois não têm F.Fonseca apresenta conversores de protocolo
o risco do investimento. As licenças podem ser usadas de forma dinâmica SG-Gateway Anybus
ou complementadas temporariamente em função das encomendas ou das F.Fonseca, S.A.
necessidades das empresas. Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910
O EPLAN Cogineer está organizado em duas áreas funcionais: Designer e ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com
Project Builder. Este último consiste numa interface de utilizador criada auto- /FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda
maticamente com base em variáveis de configuração. Esta tecnologia é a
primeira deste tipo em engenharia elétrica. Numa recente fase-piloto, os Os novos gateways “Industrial Internet of Things” IIoT da HMS vêm per-
utilizadores do sistema ficaram impressionados com a solução, tendo assim mitir que equipamentos industriais comuniquem com as redes de ener-
confirmado o conceito de desenvolvimento. As áreas funcionais, Designer gia. O Anybus SG-gateway foi desenhado para traduzir e interligar os

80
produtos e tecnologias

protocolos de ener- ainda mais vantagens com a sua função de diagnóstico, que ele usa para
gia presentes nas “Smart detetar erros internos e externos. Os estados de operação e as mensa-
Grid” e os protocolos gens de erro podem então ser avaliados através dos 4 LEDs iluminados.
industriais da fábrica. Isto
significa que uma sala de
controlo central que uti-
liza os protocolos IEC Plano MOVALT para infraestruturas.docPlano MOVALT
pode ligar-se a disposi- para infraestruturas
tivos industriais como CIRCUTOR, S.A.
geradores, variadores, PLCs e equipamentos de proteção. Tlm.: +351 912 382 971 � Fax: +351 226 181 072
Uma vez que os SG-gateways podem atuar tanto como mestre ou escravo, www.circutor.com
também é possível interligar dispositivos eletrónicos inteligentes (LEDs),
que comunicam através de protocolos IEC, a redes industriais, permi-
tindo-lhes serem controlados por PLCs, por exemplo das marcas Sie-
mens, Rockwell ou Mitsubishi. Os Anybus SG-gateways também podem
ser utilizados em aplicações de controlo e gestão de equipamento elétrico
remoto em redes de energia. Os dados são enviados através de Ethernet
ou a rede 3G, utilizando os protocolos IEC, sendo depois apresentados
numa aplicação de software na sala de controlo. Estes conversores de pro-
tocolo SG-Gateway Anybus podem ser aplicados em qualquer indústria, A 28 de dezembro de 2017 foi publicado o Boletín Oficial del Estado
independentemente do setor de atividade. (BOE) com as bases regulatórias para as concessionárias de subvenções
em infraestruturas de carregamento de veículo elétrico. As ajudas do “Plan
MOVALT Infraestructura” ascendem a um total de 15 000 euros.
O Instituto para la Diversificación y Ahorro de la Energía (IDAE) é o orga-
Rittal expande o portefólio do Riline Compact nismo público responsável pela gestão e concessão de ajudas monetá-
Rittal Portugal rias para a aquisição de postos de carregamento de veículos elétricos.
Tel.: +351 256 780 210 � Fax: +351 256 780 219 O sistema telemático de gestão de ajudas do Programa MOVALT
info@rittal.pt � www.rittal.pt Infraestrutura ficará ativo a 23 de janeiro às 10 horas e estará em vigor
até 31 de dezembro de 2018 ou até que se esgote até o pressuposto
Após o lançamento estar aprovado. O acesso à aplicação será feito através da sede eletró-
bem-sucedido do novo nica da IDAE.
sistema de barramento O Plano de Ajuda visa incentivar a mobilidade sustentável, a eletrificação
“RiLine Compact” no iní- dos transportes a nível global, potencia a diversificação energética e reduz
cio do ano, a Rittal está a dependência dos produtos petrolíferos, tal como a redução de CO2 e
agora a expandir ainda outros poluentes, e assim melhoram a qualidade atmosférica nas cidades.
mais o seu por tefólio Os beneficiários da ajuda são as empresas privadas e os outros tipos de
RiLine para incluir com- pessoas jurídicas cujo Número de Identificação Fiscal (NIF) comece por A,
ponentes adicionais. Até B, C, D, E, F, G, J, N, R ou W; as entidades locais e as entidades públicas rela-
agora, o pequeno sistema de barramento, 125-A-max, consistia inteira- cionadas; administrações das comunidades autónomas e entidades públicas
mente em placas protegidas contra choques, que formam o elemento relacionadas; e outras entidades públicas relacionadas com a Administração
básico do sistema, juntamente com componentes de montagem, tais Geral do Estado. O CIRCUTOR tem pontos de carregamento em função
como adaptadores de conexão. Para expandir o seu portefólio de pro- do tipo de carregamento e se a instalação se realizar em ambientes fecha-
dutos, a Rittal está a lançar os novos controladores de motores. Assim, dos ou exteriores: convencional, semi-rápida e pontos de carregamento
tal como os componentes existentes, estas unidades podem ser instala- rápido e ultrarrápida.
das de forma direta e fácil no barramento, conetando mecânica e eletro-
nicamente de uma só vez. A instalação simples do dispositivo, bem como
o circuito interno e a cablagem, minimizam muito o tempo e o esforço
gasto na cablagem. Novo catálogo 2018 Sesa-Systems
A Rittal oferece controladores de motor em três intervalos de fre- EUROTECNOLOGIA – Máquinas e Equipamentos Industriais, Lda.
quência escalonados: 8 A/2,4 A/8 A. Eles executam as funções de arran- Tel.: +351 229 377 785 � Fax: +351 229 377 786
que direto e inversor de arranque, num único dispositivo. Com apenas info@eurotecnologia.pt � www.eurotecnologia.pt
22,5 mm de largura, o design muito fino é impressionante porque sig-
nifica libertar cerca de 50% mais espaço em comparação com o dispo- Com foco na temática da Indústria 4.0, o catálogo de 2018 da Sesa-Systems,
sitivo de comutação padrão de 45 mm, nesta faixa de corrente, e até marca representada pela EUROTECNOLOGIA, conta com mais de 2350
75% mais espaço em comparação com as combinações de reversão de produtos e soluções dedicadas à organização da qualidade, gestão visual
90 mm de largura. e melhoria contínua. Paralelamente apresenta 150 novidades e mostra a
O controlador de motor trifásico é um dispositivo de comutação híbrido todos os clientes as 8 patentes e os 240 modelos registados da empresa.
de alto desempenho com uma função de monitorização atual. Com a sua Todos os produtos apresentados no catálogo incluem garantia de 2 anos
tecnologia híbrida, o dispositivo oferece uma vida útil mais longa e uma do fabricante.
operação de baixa perda. O princípio por trás disto é simples: primeiro, a No catálogo de 2018 é possível encontrar produtos e soluções dispo-
eletrónica é ligada através do sinal de entrada e, em seguida, os contactos nibilizadas dentro da gama LEAN ENTERPRISE, entre elas: RECEPÇÃO
mecânicos assumem a duração principal. O controlador do motor oferece DESIGN, que se destina ao arranjo dos espaços de receção, exposição,

81
produtos e tecnologias

salas de reunião, lojas, Conetores modulares RockStar® ModuPlug


bem como a habitação; Weidmüller – Sistemas de Interface, S.A.
LEAN OFFICE, desti- Tel.: +351 214 459 191 � Fax: +351 214 455 871
nados à simplificação weidmuller@weidmuller.pt � www.weidmuller.pt
da organização admi-
nistrativa com novas Espera-se que a conetivi-
ferramentas originais; dade seja cada vez mais
INDÚSTRIA 4.0, uma eficiente. Isso não só está
linha de produtos dire- relacionado com a trans-
cionada para a digitaliza- ferência segura de dados,
ção da empresa, permitindo integrar a fábrica do futuro; PROTECÇÃO sinais e energia. Tem que
INFORMÁTICA que inclui mobiliário necessário e indispensável para os ser implementada cada
ecrãs e computadores em ambiente industrial; PONTO QUALIDADE vez mais funcionalidade
que permite criar postos de trabalho funcionais integrando a ergonomia no menor dos espaços
e o conceito 5S; 5S/TPM/KANBAN/LEAN que disponibiliza as ferramen- de instalação.
tas para implementação de 5S, seguimento da manutenção preventiva e Com o sistema de conetores modulares RockStar® ModuPlug, a Weidmül-
gestão de produção; ARMAZENAMENTO DINÂMICO, conta com com- ler oferece uma solução de alto desempenho e pronta para o futuro, por
ponentes e acessórios para os operadores graças ao armazenamento forma a possibilitar mais opções e menos esforço de planeamento.
dinâmico padrão universal; GESTÃO VISUAL, que oferece suportes de Um RockStar® é tão versátil e variável quanto o setor industrial no qual ele
informação para apresentação da rentabilidade da empresa assim como é implantado. Por isso, preenche os requisitos exigidos na robótica, como
para os procedimentos; e ELEARNING, um método de formação para acontece nos painéis, nas turbinas eólicas, no material circulante e na fabri-
a melhoria contínua, com ferramentas pedagógicas baseadas em jogos cação do futuro, Indústria 4.0.
educacionais.
Poderá solicitar gratuitamente o catálogo de 2018 da Sesa-Systems através
do endereço de correio eletrónico info@sesa-systems.pt.
Escha tem disponíveis novos repartidores com funções
lógicas integradas
Bresimar Automação, S.A.
MCE-Expocomfort: Chatron concluiu feira internacional Tel.: +351 234 303 320
Chatron, Lda. Tlm.: +351 939 992 222
Tel.: +351 256 472 888 � Fax: +351 256 425 794 bresimar@bresimar.pt � www.bresimar.com
www.chatron.pt
A Bresimar Automação
A primeira par ticipa- já tem disponíveis novos
ção, enquanto exposi- repar tidores de I/O’s
tor, da Chatron na Feira M8x1 com funções lógi-
MCE-Expocomfor t foi cas integradas da ESCHA.
um sucesso. Em primeiro Estes módulos, muito
lugar porque a Chatron compactos, possibilitam
surpreendeu o mercado inteligência per to do
com as suas soluções ino- chão de fabrico, mesmo
vadoras nomeadamente em sensores de campo, transportando sinais pré-processados para ​​ uma uni-
do Biocooler solar, ven- dade central de controlo. Para facilitar uma ligação segura entre repartidores
tiladores solares industriais, painéis SVP Twin e, sobretudo os tubos sola- passivos de I/Os e as unidades de controlo são necessários cabos multipolar.
res Chatron. No caso dos repartidores ativos, que utilizam redes de campo, são necessá-
Com pedidos de contactos agendados em mais de 30 países diferen- rios cabos blindados. Em contrapartida, os repartidores de I/Os, com funções
tes, e a elevada quantidade de pedidos para o mercado italiano, esta lógicas da Escha, oferecem a vantagem de usarem cabos normais de senso-
feira fica para a história como a feira mais internacional em que a Cha- res de 4 ou 5 pólos comuns, não blindados, que podem também ser instala-
tron par ticipou até atualmente, sendo que se esperam a concretização dos de forma muito mais flexível do que um cabo rígido comparável. Desta
de negócios em países terceiros além dos mercados em que a Cha- forma, os custos e o tempo de ligação e mão-de-obra são reduzidos signifi-
tron já vende frequentemente como são os casos da Espanha, França, cativamente, evitando erros de ligação por parte do cliente ou do instalador.
Israel, UAE, América Latina, entre outros. A estratégia de diversifica- Devido ao seu estilo muito robusto e compacto, os novos repartidores
ção de mercados delineada para esta feira foi plenamente conseguida, de I/Os M8x1 da Escha com funções lógicas integradas são especialmente
nesta fase, pelo que se espera a concretização de negócios nos próxi- adaptados para aplicações com condições de espaço reduzido, como fer-
mos meses. ramentas para manipuladores robóticos, robots ou dispositivos de manipu-
A imagem da Chatron saiu reforçada perante todos os clientes atuais e lação automática. Os repartidores podem ser instalados nas mais variadas
mais ainda junto daqueles que os puderam visitar durante o certame. posições de montagem, através dos vários orifícios de fixação que pos-
Alguns já clientes habituais, outros que estavam à espera de os conhe- suem. As suas etiquetas de identificação em todas as suas ligações de I/Os
cer pessoalmente para darem o primeiro passo. Assim, a Chatron agra- facilitam a marcação e a alocação. Estes novos repartidores de I/Os exis-
decem a todos os nossos clientes, fornecedores e amigos que, de uma tem em versões de 4 vias, 8 vias e 10 vias, com várias combinações de
forma ou de outra, os incentivaram e os ajudaram a concretizar mais esta lógica integrada, funções AND e OR. Os repartidores não precisam de ser
feira internacional com sucesso. programados por um técnico, devido a uma lógica predefinida existente

82
produtos e tecnologias

e, portanto, podem ser imediatamente instalados e colocados em serviço. e álcool. Com precisão
Uma exibição de LED de status de comutação por canal e uma exibição de ± 0,12 hPa e TCO de
de LED para a saída lógica, fornecem uma visão geral e rápida das fun- 1,5 Pa/K, o sensor pos-
ções chave. Todos os repartidores contemplam as proteções IP65 e IP67. sui um barómetro muito
preciso. Sensores de alta
resolução e baixo ruído
para medição de humi-
Sistema mecânico de prevenção de excesso de massa dade e temperatura
aumenta a eficiência e a segurança do trabalhador completam o pacote, tor-
SKF Portugal – Rolamentos, Lda. nando-o adequado para novas áreas de aplicação, como automação resi-
Tel.: +351 214 247 000 � Fax: +351 214 173 650 dencial, navegação interna, estações meteorológicas personalizadas ou
skf.portugal@skf.com � www.skf.pt ferramentas de desporto e fitness.
O BME680 suporta os barramentos I²C e SPI (três ou quatro fios), é compa-
A SKF anunciou em início de abril de tível com uma ampla variedade de tensões de alimentação VDD e VDDIO
2018 o lançamento do seu sistema e pode funcionar nos modos padrão, forçado e em modo de espera. Vem
mecânico de prevenção de excesso de totalmente calibrado: um cálculo de pressão de ar também pode ser reali-
massa, da Lincoln. Projetado para evi- zado num estágio posterior usando o software ACP 2.0 da Bosch Sensor-
tar riscos associados ao enchimento tec. O sensor está alojado no pacote LGA, medindo 3,0 x 3,0 x 0,95 mm³.
excessivo do reservatório, este produto O projeto suporta compatibilidade eletromagnética (EMC), longevidade e
melhora a segurança do trabalhador e consumo otimizado de energia em vários modos de operação.
minimiza as preocupações ambientais Para tornar o processo de configuração o mais simples possível, já estão
causadas por este tipo de derrame. Fácil disponíveis configurações padrão para aplicativos comuns, como monitori-
de instalar e simples de operar, o sistema zação do tempo, deteção de escadas/elevadores, navegação interna e dete-
reduz a mão-de-obra necessária para o ção de queda, mas a taxa de dados, ruído, tempo de resposta e consumo
enchimento do reservatório, libertando de energia também podem ser ajustados individualmente.
pessoal para outras tarefas. Além disso, o sistema mecânico de preven-
ção pode ser usado com uma ampla gama de bombas de abastecimento/
enchimento e é compatível com qualquer bomba que utilize um reserva-
tório FlowMaster. MOVITRAC® LTE-B+ com Índice de Proteção IP20 e IP66
Operando mecanicamente sem necessidade de eletricidade, o sistema SEW-EURODRIVE Portugal
apresenta uma construção resistente em aço, com revestimento anticorro- Tel.: +351 231 209 670
sivo, para suportar ambientes adversos. As válvulas de fecho do sistema de infosew@sew-eurodrive.pt � www.sew-eurodrive.pt
alta pressão estão disponíveis em NPT de 1/2 pol. O sistema mecânico de
prevenção de excesso de massa pode ser operado com ou sem um sensor Os conversores de fre-
de nível de massa Lincoln, o que permite que este seja ligado a um medi- quência da série MO-
dor de nível na estação de abastecimento ou na cabine. Com pressões de VITRAC LTE-B são
operação de até 517 bar (7500 psi), o sistema permite uma temperatura adaptados para apli-
operacional de -40 a +65,5°C (-40 a +150°F). O sistema é adequado para cações simples. Foram
aplicações em minas, construção e indústrias, bem como para uma utiliza- desenhados e desenvol-
ção em equipamentos de construção fora da estrada. Componentes opcio- vidos para o controlo de
nais estão disponíveis para uma instalação personalizada. Combinando mais velocidade em motores
de 100 anos de experiência da SKF e da Lincoln, a SKF oferece o porte- síncronos e assíncronos
fólio mais completo da indústria de soluções inovadoras de lubrificação – e são usados para levar a cabo tarefas em aplicações de transporte como
desde lubrificadores manuais e ferramentas, até os mais avançados sistemas pequenos e modulares transportadores de correia, ventiladores e bom-
de lubrificação centralizada e automática. bas, de uma forma muito económica.
O MOVITRAC® LTE-B+ destaca-se pelo Índice de proteção IP20/Nema 1
(quadro elétrico) e IP66/NEMA 4x (instalação no campo); potência nomi-
nal de 0,37 a 11,0 kW, em 3 tamanhos; monofásicos (115 V e 230 V); tri-
Sensor ambiental BME680 da Bosch Sensortec fásicos (230 V e 400 V); pré-configurados para motores assíncronos SEW
RUTRONIK Elektronische Bauelemente GmbH tipo DRN.. (IE3); controlo de motores síncronos tipo DR..J (IE4) (Tecnolo-
Tel.: +351 252 312 336 � Fax: +351 252 312 338 gia LSPM); controlo vetorial simples para motores assíncronos; consola de
rutronik_pt@rutronik.com � www.rutronik.co operação integrada de simples utilização; controlo PI integrado; função de
poupança de energia integrada; ruído extra baixo até 32 kHz (por exemplo
O BME680 é um sensor ambiental integrado, desenvolvido especificamente para locais de operação manual); ligação integrada para SBus, CANopen
para aplicações móveis e portáteis com seu design que economiza espaço e Modbus; ligação a bus de campo via gateways (DFx); ligação a software
e baixa o consumo de energia. Com o BME680, a Bosch Sensortec está a para backup de dados; aprovado segundo os standards C-Tick, cUL, UL508,
expandir o seu portefólio de produtos para incluir um sensor MEMS inte- C22.2 n.º 14.
grado com medição individual, altamente linear, e com precisão na pressão O conversor de frequência MOVITRAC LTE-B convence pela sua gama de
do gás, pressão do ar, humidade e temperatura. funções bem adaptada para aplicações simples. O desenho compacto e a
O sensor de gás do BME680 deteta vários gases diferentes, incluindo com- utilização intuitiva tornam a sua integração rápida e simples em numerosas
postos orgânicos voláteis em tintas contendo formaldeído, vernizes, deca- aplicações, quer na variante IP20 para instalação no quadro elétrico, quer
pantes, agentes de limpeza, móveis, equipamentos de escritório, adesivos na variante IP66 para a instalação no campo.

83
produtos e tecnologias

Sensor Connect, um dia todos os esquentadores serão assim primeiros cobots TM, o fabricante experimentou uma duplicação das ven-
Vulcano das anuais dessas unidades. A Techman Robot selecionou a F.Fonseca como
Tel.: +351 218 500 300 � Fax: +351 218 500 301 representante com base num extenso processo de orientação e seleção.
info.vulcano@pt.bosch.com � www.vulcano.pt � /VulcanoPortugal Até agora, o portefólio de produtos inclui dois modelos, o TM5-700 que
possui um alcance de 700 mm e pode carregar uma carga de até 6 kg e o
A Vulcano marcou a diferença no mercado com mais leve TM5-900, que pode lidar com uma carga máxima de 4 kg com
o lançamento do Sensor Connect, o primeiro um alcance de 900 mm.
Esquentador Termostático compacto com
frente em vidro negro, painel touch e tecnolo-
gia de conectividade, uma aplicação que possi-
bilita o seu controlo através de um smartphone. Distribuição de potencial com economia de espaço
O Vulcano Sensor Connect é um esquenta- em 6 mm
dor termostático compacto com tecnolo- Phoenix Contact, S.A.
gia de conetividade, produzido em Portugal, Tel.: +351 219 112 760 � Fax: +351 219 112 769
com um design exclusivo e inovador. Este www.phoenixcontact.pt
equipamento oferece uma poupança de gás
até 35% e de cerca de 60 litros de água por O disjuntor eletrónico de equipamento de
dia. Através de um controlo remoto, smartphone, permite aos seus con- um canal PTCB da Phoenix Contact com
sumidores definir a temperatura desejada, consultar históricos de consu- uma possibilidade de ajuste de 1 a 8 Amperes
mos de água, gás e custos, entre outras funções. Estas caraterísticas foram é indicado para uma distribuição de potencial
fundamentais para que o Sensor Connect vencesse os Prémios Inova- simples e com economia de espaço.
ção na Construção 2017 e o Green Project Award 2016. Para a Vulcano Graças à possibilidade de ligação em ponte
é importante desenvolver e disponibilizar no mercado soluções de refe- ao portefólio do sistema de réguas de bor-
rência que respondam às necessidades de todos os seus consumidores. nes CLIPLINE Complete, pode utilizar réguas
de bornes padrão e acessórios. Não é neces-
sária a qualificação de novos materiais. Pode
assim complementar aplicações existentes de
F.Fonseca apresenta nova marca de robôs colaborativos forma fácil e rápida. Devido à reduzida largura
– Techman Robot total de seis milímetros, os dispositivos oferecem proteção fiável contra
F.Fonseca, S.A. correntes de sobrecarga e de curto-circuito em pouco espaço. Os valores
Tel.: +351 234 303 900 � Fax: +351 234 303 910 de corrente ajustáveis em cada dispositivo possibilitam diversas aplicações.
ffonseca@ffonseca.com � www.ffonseca.com É possível realizar ajustes mesmo durante a colocação em funcionamento
/FFonseca.SA.Solucoes.de.Vanguarda e reagir, a qualquer altura, a alterações na aplicação. O portefólio de produ-
tos oferece 3 dispositivos ajustáveis com diferentes intervalos de corrente
A Techman Robot e a nominal entre 1 e 8 Amperes. Quatro outros produtos com as correntes
F.Fonseca tornam-se par- nominais fixas de 2, 3, 4 ou 6 Amperes complementam a gama de produ-
ceiros para explorar o tos PTCB.
mercado em Portugal e
acelerar novas opor tu-
nidades em automação.
A F.Fonseca obteve os Nova atualização disponível para Wibeee
direitos para a represen- CIRCUTOR, S.A.
tação em Portugal dos Tlm.: +351 912 382 971 � Fax: +351 226 181 072
robôs colaborativos da Techman Robot. Este fabricante de Taiwan desen- www.circutor.com
volve e produz cobots equipados com visão integrada como standard.
Os cobots são relativamente baratos, podem ser utilizados de forma plug A CIRCUTOR disponibi-
& product, apresentam uma programação fácil de usar e podem ser usados liza a nova atualização da
sem provisões de segurança especiais. Como resultado, os cobots podem plataforma Wibeee com
trabalhar tanto junto às pessoas como com as pessoas. Os cobots estão cada novas funcionalidades
vez mais integrados em linhas de montagem, no carregamento de máquinas e amplia o conjunto de
e outras inúmeras aplicações. Os cobots TM5 são os primeiros cobots equi- possibilidades de gestão
pados com visão integrada como standard e, como resultado, diferenciam-se e controlo do consumo
neste mercado dos restantes fabricantes. Com esta função “Inteligente”, os elétrico da sua instalação,
cobots Techman são capazes de reconhecer padrões e cores, localizar obje- como informações auto-
tos, ler códigos de barras, entre outros. Isso faz com que os cobots Techman máticas por email, personalização de visualização de dados, gestão de clien-
sejam altamente adequados para o desempenho de tarefas precisas dentro tes ou utilizadores e simulação de faturas elétricas.
de um ambiente de elevada personalização e baixo volume. O Wibeee é um analisador de consumos com ligação wireless via wi-fi que
A F.Fonseca venderá os cobots TM5 para integradores e empresas de auto- mostra os dados históricos e instantâneos de consumo elétrico mediante
mação em Portugal. Para isso, as instalações de apoio serão instaladas na qualquer dispositivo como smartphone, tablet ou pc, com a ajuda da app
sede da F.Fonseca em Aveiro para inventário, demonstrações, formação ou do servidor web integrado. Esta é a ferramenta indicada para tornar a
(online) e serviço. A Techman Robot possui uma casa mãe forte e investe sua instalação elétrica eficiente e para controlar e mostrar as suas pou-
grande parte do seu volume de negócios em I&D. Desde a introdução dos panças.

84
PUB.
bibliografia

Energia de Biomassa Florestal

O tema Biomassa Florestal tem uma demanda crescente por conhecimento relativo à sua viabilidade de uso como
fonte de energia, e as informações disponíveis são escassas e muitas vezes controversas. O livro traz informações sobre:
quais são as fontes potenciais de biomassa para a geração de energia quais são as propriedades da biomassa e como
estas influenciam o seu uso como fonte energética quais são as formas de conversão da biomassa em energia e como
€19,13 este combustível pode se tornar viável e eficiente em sistemas de geração de energia.

Índice: Fontes e potencial de uso de biomassa agrícola e florestal para geração de energia. Propriedades da biomassa para a geração de ener-
gia. Formas de obtenção de energia a partir da biomassa agroindustrial. Viabilidade e eficiência na obtenção de energia a partir da biomassa
Autor: Martha Andreia Brand
florestal.
ISBN: 9788571932449
Editora: INTERCIÊNCIA
Número de Páginas: 114
Edição: 2010
Idioma: Português (do Brasil)
Venda online em www.booki.pt

Tecnologías para el uso y transformación de biomasa energética

A Biomassa constitui uma fonte energética de grande interesse, sendo na atualidade o recurso renovável mais utili-
zado no planeta, sobretudo nas suas formas tradicionais. Pelo que se tem tentado desenvolver as técnicas mais avan-
çadas que permitam produzir energia com elevada eficiência, baixas emissões a um custo competitivo. O texto enceta
uma visão compreensiva dos métodos de conversão de biomassa de acordo com os materiais empregues, as transfor-
€29,68
mações necessárias e os produtos energéticos obtidos. São analisados os componentes tecnológicos essenciais, assim
como aspetos relevantes, económicos, ambientas e institucionais.

Índice: Introdução à biomassa energética. Os processos de conversão de biomassa e as suas aplicações energéticas. Política europeia e nacio-
Autor: Jesús Fernandez Gonzalés, Fernando nal de promoção da biomassa energética. Combustão de biomassa I: Introdução e caracterização de biocombustíveis sólidos. Combustão de
Gutierres Martin, Pabloo del Rio González, biomassa II: Aplicações e contaminação. Pirólise e carbonização de biomassa. Introdução à química e à tecnologia de gaseificação de biomassa.
Guillermo San Miguel Al
ISBN: 9788484766742 Gaseificação de biomassa: tratamento e aplicação de gases. Processos bioquímicos: fermentação de biomassa açucarada e amilácea (bioál-
Editora: MUNDIPRENSA cool). Processos químicos: transesterificação e produção de biodiesel. Digestão anaeróbica para a produção de biogás. Produção de hidrogé-
Número de Páginas: 456
nio a partir de biomassa. Biocarburantes de segunda geração. Uso de biocombustíveis em motores.
Edição: 2015
Idioma: Espanhol
Venda online em www.booki.pt

La Biomasa y sus Aplicaciones Energéticas

As energias renováveis são o futuro, ou não haverá futuro. Com o desenvolvimento de países como a China, Brasil,
Índia, entre outros, serão necessários três planetas para manter este desenvolvimento baseado em combustíveis fós-
seis. Já existem energias renováveis que são rentáveis, como a energia solar térmica para calefação e água quente, a
energia eólica e a biomassa, e outras que o serão em breve, como a energia solar fotovoltaica e outras.
€51,30 Neste livro estudam-se as diferentes fontes de biomassa, as tecnologias para a sua transformação e as suas aplicações
energéticas, incluindo estudos internacionais sobre as possibilidades da biomassa.

Índice: Fontes de biomassa. A biomassa: tipos, métodos de transformação, aplicações, unidades de medida e as mudanças climáticas. La bio-
Autor: Antonio Madrid Vicente
massa florestal. Cultivos tradicionais utilizados como fonte de biomassa. Transformação da biomassa em energia. Biocombustíveis de segunda
ISBN: 9788496709898
Editora: AMV geração e plano de ação da União Europeia sobre a biomassa. A biomassa e a eficiência energética nos edifícios. Plano de energias renováveis
Número de Páginas: 242 2011-2020 (PER). Legislação nacional e internacional sobre biomassa. Projetos sobre biomassa. Glossário de termos energéticos.
Edição: 2012
Idioma: Espanhol
Venda online em www.booki.pt

86
bibliografia

La Biomasa. Fundamentos, Tecnologías y Aplicaciones

A maioria das grandes potências defende a necessidade de desenvolver energias limpas e renováveis para substituir os
combustíveis fósseis, havendo como alternativas a energia solar, hidráulica, eólica, geotérmica, pilhas de combustível e a
biomassa. A biomassa é historicamente uma das energias renováveis mais utilizadas pelo homem. Neste sentido, este
livro aborda temas como: as matérias-primas utilizadas como biomassas energéticas, a legislação e normativas aplicá-
€51,30
veis, os modos de transformação da biomassa em energia, os biocombustíveis e os biocarburantes, os aspetos positi-
vos e negativos dos diferentes tipos de biomassa energética, entre outras.

Índice: Definições e generalidades. Fontes de biomassa. Métodos de transformação da biomassa em energia. Biocombustíveis y biocarburan-
Autor: Alain Damien
ISBN: 9788496709171
tes. Situação da biomassa como fonte de energia: a biomassa- energia.
Editora: AMV
Número de Páginas: 267
Edição: 2010
Idioma: Espanhol
Venda online em www.booki.pt

Manual técnico para el aprovechamiento y elaboración de biomassa florestal

Este livro aborda um tema que é de total atualidade e que cada vez mais será levado em conta. O autor é especialista
em temas de aproveitamento florestal e aborda todos os aspetos da biomassa no âmbito florestal. Profusamente ilus-
trado e com fotografias de grande qualidade, esta é uma obra imprescindível para todos os técnicos e interessados na
temática da biomassa, desde os fundamentos de aproveitamento da biomassa florestal ao seu aproveitamento, atin-
€60,10
gindo conclusões sobre as políticas de incentivo de utilização das energias renováveis de origem florestal.

Índice: Fundamentos dos sistemas de aproveitamento de biomassa florestal primária. A maquinaria empregue para o aproveitamento e elabo-
ração de biomassa florestal. Impactos negativos potenciais da extração de biomassa florestal. Práticas recomendáveis por razões de segurança
Autor: Eduardo Tolosana Esteban e saúde. O aproveitamento dos restos de cortes para biomassa. O aproveitamento de tocos como biomassa para usos energéticos. O apro-
ISBN: 9788484763833 veitamento de biomassa florestal de pinheiro. Outras experiências de aproveitamento de biomassa florestal em tratamentos silvícolas. Situa-
Editora: MUNDIPRENSA
Número de Páginas: 348 ção de aproveitamento de biomassa florestal em três países próximos com diferentes políticas: Portugal, França e Itália. Conclusões sobre as
Edição: 2009 políticas de incentivo às energias renováveis de origem florestal.
Idioma: Espanhol
Venda online em www.booki.pt

Guía Completa de la Biomasa y los Biocombustibles

Uma das formas de reduzir o consumo de combustíveis fósseis é o aproveitamento da biomassa, nome dado ao con-
junto de matérias orgânicas procedentes de recursos florestais, plantas terrestres e aquáticas, resíduos e subprodutos
agrícolas, urbanos e industriais. Este livro oferece um estudo completo das diferentes formas de biomassa e dos proces-
sos tecnológicos para estudos de arquitetura, empresas de construção, instaladores, entre outros, abordando também a
€52,80 transformação em biocombustíveis, sendo de interesse para todos os profissionais dos setores ligados a esta temática.

Índice: O panorama das energias renováveis. As fontes de energia de origem renovável. Uma aproximação à biomassa. Tipos de biomassa. A
transformação da biomassa. Biocarburantes: generalidades. Biocarburantes líquidos. Biocombustíveis gasosos e biodigestores. Cultivos energé-
Autor: José María Fernández Salgado
ticos: generalidades. Cultivos energéticos: cultivos florestais. Cultivos energéticos: cultivos agrícolas. Caldeiras de biomassa. As chaminés e estu-
ISBN: 9788496709621
Editora: AMV fas térmicas de biomassa. Utilização industrial da biomassa. Uso doméstico da biomassa.
Número de Páginas: 336
Edição: 2010
Idioma: Espanhol
Venda online em www.booki.pt

www.booki.pt

GRUPO PUBLINDÚSTRIA A S UA L I VRA R I A T ÉC N I CA !


links

AVEBIOM – European Biomass Association


A AVEBIOM é a voz geral do setor da bioenergia e que pretende desenvolver um mercado
sustentável de bioenergia, tendo como base justas condições de negócio.

www.aebiom.org

EUBIA – European Biomass Industry Association


A EUBIA é uma associação internacional sem fins lucrativos e sediada em Bruxelas, na Bélgica.

www.eubia.org/cms/

APEB – Associação dos Produtores de Energia


e Biomassa
A APEB é uma associação de direito privado sem fins lucrativos, que promove a produção de
energia elétrica com origem na utilização de biomassa florestal, agrícola ou afins.

http://apebiomassa.wixsite.com/apeb/biomassa

CBE – Centro da Biomassa para a Energia


É uma associação de direito privado sem fins lucrativos, dotada de Utilidade Pública, que promove
a utilização da biomassa para a produção de energia. Tem um currículo alargado de trabalhos
nacionais e de cooperação europeia, que lhe permite ter hoje o domínio de matérias científicas e
técnicas, adquirido em 20 anos de atividade na área da biomassa.

www.centrodabiomassa.pt

WBA – World Bioenergy Association


A Associação Mundial de Energia apoia e representa a ampla gama de atores no setor da
bioenergia. Os seus membros incluem organizações de bioenergia, instituições, empresas e
profissionais individuais.

http://worldbioenergy.org/

88