Você está na página 1de 372

Wildson Santos e Gerson Mól (coordenadores)

Química
Manual do

2 a

SÉRIE
Professor

QUÍMICA
ENSINO MÉDIO

CAPA_QUI_2018_Vol2.indd 3 20/5/16 13:23


Coleção Química Cidadã

QUÍMICA
M A N UA L D O
PROFESSOR
Cidadã
VOLUME 2
ENSINO MÉDIO – QUÍMICA – 2-a série
Wildson Luiz Pereira dos Santos (coord.)
Professor Associado do Instituto de Química da Universidade de Brasília (UnB).
Licenciado em Química pela Universidade de Brasília, Mestre em Educação em
Ensino de Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Doutor em Educação em
Ensino de Ciências pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
DIVULGAÇÃO PNLD

Gerson de Souza Mól (coord.)


Professor Associado do Instituto de Química da Universidade de Brasília (UnB).
Bacharel e Licenciado em Química pela Universidade Federal de Viçosa, Mestre em Química Analítica
pela Universidade Federal de Minas Gerais e Doutor em Ensino de Química pela UnB.
Siland Meiry França Dib
Professora do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal.
Licenciada em Química pela Universidade Católica de Brasília (UCB) e Mestre em
Educação pela UCB.
Roseli Takako Matsunaga
Professora do Ensino Médio da Secretaria de Educação do Distrito Federal.
Licenciada em Química pela Universidade Católica de Brasília (UCB) e Mestre em
Ensino de Ciências pela Universidade de Brasília (UnB).
Sandra Maria de Oliveira Santos
Professora do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal.
Licenciada em Química pela Universidade Católica de Brasília (UCB) e Mestre em
Ensino de Ciências pela UnB.
Eliane Nilvana F. de Castro
Professora do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Licenciada em
Química pela Universidade Católica de Brasília (UCB).
Gentil de Souza Silva
Professor do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal e Químico
industrial. Licenciado em Química pela Universidade Estadual da Paraíba e Especialista em
Química pela Universidade Federal de Lavras.
Salvia Barbosa Farias
Professora do Ensino Médio da Secretaria de Educação do Distrito Federal.
Licenciada em Química pela Universidade Católica de Brasília (UCB).

São Paulo – 2016


3ª- edição
Título original: Química Cidadã – Volume 2
© Editora AJS Ltda, 2016

Editores: Arnaldo Saraiva e Joaquim Saraiva


Edição: Artes e Letras
Direção editorial: Antonio Nicolau Youssef
Coordenação editorial: Ana Cristina Mendes Perfetti
Edição de arte: Jorge Okura
Pesquisa iconográfica: Cláudio Perez, M10 Editorial
Editoração eletrônica: Alfredo P. Santana, Juliana Cristina Silva,
Alan P. Santana, Andreas Felix, Candida Haesbaert Bittencourt,
Ademir F. Baptista e Flávio Balmant
Revisão desta edição: Wildson L. P. Santos, Siland M. F. Dib, Sandra M. O. Santos,
Roseli T. Matsunaga, Marcelo S. Azevedo, Mônica d’Almeida,
Alpha Condeixa Simonetti, Carla Martins, Adriano C. Monteiro
Ilustrações: Maspi, Cinthia Yamasaki, Jorge Honda,
Osvaldo Sequetin, AMJ Studio, José Yuji Kuribayashi,
Paulo Cesar Pereira
Capa: Flávio Nigro
Ilustração de capa: Jean Galvão

Impresso no Parque Gráfico da Editora FTD.


CNPJ 61.186.490/0016-33
DIVULGAÇÃO PNLD

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Química cidadã : volume 2 : química : ensino


médio, 2ª série / Wildson Luiz Pereira dos Santos
(coord.). -- 3. ed. -- São Paulo : Editora AJS,
2016. -- (Coleção química cidadã)

Vários autores.
Componente curricular : Química.
Sumplementado pelo manual do professor.
Bibliografia.

ISBN:978-85-8319-127-8 (Aluno)
ISBN:978-85-8319-128-5 (Professor)

1. Química (Ensino médio) I. Série.

16-03472 CDD-540.7
Índices para catálogo sistemático:
1. Química : Ensino médio 540.7

Em respeito ao meio ambiente, as folhas deste livro foram produzidas com fibras
obtidas de árvores de florestas plantadas, com origem certificada.

Editora AJS Ltda. – Todos os direitos reservados


Endereço: R. Xavantes, 719, sl. 632
Brás – São Paulo – SP
CEP: 03027-000
Telefone: (011) 2081-4677
E-mail: editora@editoraajs.com.br
APRESENTAÇÃO

A você, estudante
Na 1a série do Ensino Médio, você viu que a Química é uma Ciência relativamente nova e que a partir
de conhecimentos de outros campos científicos, como o da Física e Biologia, ela tem contribuído para o
desenvolvimento de tecnologias que estão propiciando uma melhor qualidade de vida.
Vamos ver neste livro como o conhecimento químico nos auxilia a compreender o mundo físico que
nos rodeia e como a Química tem contribuído para o desenvolvimento de nossa sociedade. Você tem
aprendido que a Química e as suas tecnologias têm provocado uma grande revolução em nosso modo
de vida, mas que essa revolução, todavia, tem acarretado inevitavelmente mudanças drásticas no meio
ambiente, ocasionando sérias consequências à vida no planeta.
Assim é que temos tratado em todos os volumes desta coleção as relações entre a Química, as suas
tecnologias, a sociedade e o ambiente. Na 1a série você estudou sobre as substâncias e os materiais e viu
exemplos de atitudes no uso de produtos químicos para que sejam reduzidos o seu impacto ambiental.
A discussão dos problemas sociais vinculados à Química tem permitido a você desenvolver uma atitude
comprometida com a justiça e a igualdade social.
DIVULGAÇÃO PNLD

No segundo volume desta coleção, vamos estudar as reações químicas e seus aspectos dinâmicos e
energéticos. Nesse estudo, você consolidará conhecimentos sobre a natureza da matéria e compreenderá
como, a partir desse conhecimento, podemos atuar em nossas atividades profissionais de forma mais
qualificada com ações positivas. O conhecimento dos aspectos dinâmicos e energéticos das reações
químicas permite aos químicos controlarem a sua ocorrência. Da mesma forma, o conhecimento das
atividades em que estivermos engajados no mundo do trabalho permitirá um melhor controle sobre seus
resultados.
Para a consolidação do conhecimento que lhe dará base para prosseguir nos estudos superiores,
vamos retomar conceitos já abordados na 1a série. A metodologia adotada pelos autores desta obra,
com larga experiência no ensino de Química, busca enfatizar a compreensão conceitual. Isso implica a
contextualização teórica de seus enunciados por meio da revisão constante dos conceitos para ampliar
o seu significado. É a capacidade de leitura, interpretação e aplicação conceitual que será cobrada de
você nos exames do Enem, que vão lhe possibilitar a continuidade nos estudos superiores. E é com esse
propósito que este livro foi organizado.
Nossa proposta didático-pedagógica se caracteriza, assim, pela contextualização temática e
aprofundamento conceitual de conteúdos relevantes para a formação dos estudantes. Isso exige uma
nova postura diante do estudo. Desejamos que o seu engajamento na realização de experimentos e na
discussão dos temas seja cada vez mais ativo. Lembre-se de que estudar não se limita a rever conceitos e
resolver exercícios.
Esperamos que a continuidade do seu aprendizado em Química seja muito prazerosa com essa nova
abordagem e que você possa utilizar os conhecimentos químicos aprendidos na construção de um mundo
melhor, com atitudes que possam assegurar a vida de nossas e de futuras gerações, com base no princípio
de justiça e igualdade social.
Um forte abraço.

Os autores
CONHEÇA SEU LIVRO
PARE E PENSE História da Ciência

O ideal é que você desenvolva o hábito de ler o capítulo antes Sempre que você encontrar a chamada História da Ciência,
da aula do professor. Nesta primeira leitura, observe as caixas de leia o texto atentamente e procure observar a contextualização
texto Pare e Pense. Pare a leitura, reflita e tente responder antes histórica do surgimento das definições e conceitos relativos aos
de prosseguir. Procurar explicações e expressá-las com as próprias conteúdos estudados, bem como as circunstâncias sociais em
palavras ajuda a entender melhor o que está sendo ensinado, pois que os cientistas citados contribuíram para o desenvolvimento da
você pode comparar a sua ideia original com os novos conceitos que Química e da Ciência. Entender a História da Ciência é compreender
estão sendo introduzidos. Esta é a melhor forma de compreender a origem dos conceitos e compreender o seu significado.
o assunto novo.

Construção do Conhecimento Exercícios

Descubra o significado de cada conceito compreendendo a O aprendizado dos conceitos da Química ocorre a partir da
sua relação com os fenômenos ou dados que permitiram a sua leitura dos textos e da realização dos Exercícios, apresentados nos
elaboração. Para isso, realize todas as atividades de Construção capítulos. Lembre-se da importância da realização dos exercícios,
do conhecimento, analisando tabelas, imagens e observações mas tenha sempre em mente que o aprendizado depende
de processos. Descobrir os conceitos é a melhor forma de adquirir também das leituras e revisões de todos os textos ao longo do
DIVULGAÇÃO PNLD

uma aprendizagem mais duradora. desenvolvimento do conteúdo.

Atividade Normas de
Revisão para a prova
Experimental Segurança
Nas Atividades Experimentais você se depara com uma Ao terminar o estudo de cada capítulo, faça uma revisão
série de experimentos investigativos. Muitos poderão ser de tudo que aprendeu. Faça uma síntese em seu caderno dos
feitos na própria sala de aula. Todos poderão ajudar o professor principais conceitos estudados em cada seção. Em seguida, resolva
a conseguir os materiais necessários. Ao discutir os resultados, as questões de Revisão para a prova. Nela são revisados os
você aprenderá a usar tabelas e gráficos. Pense sempre sobre as principais conceitos do capítulo, com um estilo muito semelhante
conclusões que poderão ser extraídas de suas observações. Caso ao adotado nas provas do Enem.
seja muito difícil realizar os experimentos, procure analisar os dados
que fornecemos. Aprender a observar e explicar o que está ao seu
redor ajudará você a entender melhor o mundo em que vivemos.
Alertamos para que, ao realizar os experimentos, você siga
rigorosamente as normas de segurança da última página do
livro. Nunca tente fazer qualquer experimento sem a orientação e
supervisão de seu professor. Lembre-se também de usar o mínimo
possível de materiais para gerar poucos resíduos. Assim você estará
contribuindo para a preservação do ambiente.

Participação Ação e Tomada Atitude Questão


Cidadã Cidadania de Decisão Sustentável Sociocientífica
A Química faz parte de sua vida e a todo momento você tem que tomar decisão sobre assuntos relacionados à Química. Para buscar um
mundo melhor é preciso aprender a ter uma participação cidadã nos debates sobre o nosso futuro. Neste livro, esperamos que você participe
o tempo todo apresentando e defendendo suas ideias, além de ouvir e respeitar as de seus colegas. Algumas questões sobre a ciência
são polêmicas entres os próprios cientistas, elas são chamadas de questões sociocientíficas. Aprenda a participar de debates sobre essas
questões que afetam a nossa vida, tentando explicar tudo o que lhe é perguntado com as suas próprias palavras e tendo um posicionamento
sobre atividade de tomada de decisão. Se envolva em atividades para melhorar a sua comunidade desenvolvendo ações de cidadania.
Participe das atividades com espírito de cooperação, solidariedade, responsabilidade, respeito e tolerância à opinião do outro. Assim, você
estará contribuindo para a construção de uma sociedade em que os interesses da coletividade estejam acima dos interesses individuais. Além
de mudanças na comunidade, é preciso também haver mudanças individuais. Em Atitude sustentável você encontra um rico conjunto de
sugestões, cuidados e orientações para a prática da Cidadania, sobretudo no que se refere aos impactos ambientais, nos quais estão envolvidos
diversos conceitos estudados em nosso curso de Química.
SUMÁRIO

Ricardo Azoury/Pulsar Imagens


Sarah Barry/Shutterstock
Moacyr Lopes Junior/Folhapress

CAPÍTULO 1
DIVULGAÇÃO PNLD

UNIDADES DE MEDIDA DA QUÍMICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7


1. Massa atômica e massa molecular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2. Numerosidade e quantidade de matéria ...........................................................................................11
3. Constante de Avogadro ...................................................................................................................15
4. Massa molar e volume molar ........................................................................................................... 22
5. Consumo sustentável: redução, reúso e controle .............................................................................. 28

CAPÍTULO 2
CÁLCULOS QUÍMICOS: ESTEQUIOMETRIA E SOLUÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
1. Produtos químicos domésticos: cuidados no manuseio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2. Balanceamento de equação química ................................................................................................ 45
3. Estequiometria ................................................................................................................................ 53
4. Rendimento das reações ..................................................................................................................61
5. Soluções ......................................................................................................................................... 65
6. Concentração e composição ........................................................................................................... 67
7. Diluição de soluções ........................................................................................................................ 78
8. Propriedades coligativas .................................................................................................................. 83

CAPÍTULO 3
CLASSES DE SUBSTÂNCIAS: FUNÇÕES ORGÂNICAS, ÁCIDOS, BASES E SAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
1. Alimentos e saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2. Substâncias orgânicas e suas funções ............................................................................................ 106
3. Ácidos e bases .............................................................................................................................. 109
4. Chuva ácida .................................................................................................................................. 119
5. Teorias de ácidos e bases ...............................................................................................................121
6. Sais ................................................................................................................................................129
CAPÍTULO 4
CINÉTICA QUÍMICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

1. Cinética química ................................................................................................................... 140


2. Teoria das Colisões .........................................................................................................................145
3. Fatores que influenciam a rapidez das reações ................................................................................149
4. Mecanismos de reação ..................................................................................................................157
5. Catálise ..........................................................................................................................................161
6. Controle de reações químicas: quem controla? ...............................................................................169

CAPÍTULO 5
EQUILÍBRIO QUÍMICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

1. Reversibilidade: ciclo da água e poluição das águas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

2. Reações químicas e reversibilidade ................................................................................................. 190


3. Sistemas químicos reversíveis e equilíbrio químico ...........................................................................193
4. Alterações do estado de equilíbrio ................................................................................................ 200
DIVULGAÇÃO PNLD

5. Princípio de Le Chatelier ................................................................................................................ 206


6. Aspectos quantitativos de equilíbrios químicos ...............................................................................211

CAPÍTULO 6
TERMOQUÍMICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231

1. Energia, sociedade e ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232


2. Termoquímica e calor .................................................................................................................... 244
3. Calorimetria .................................................................................................................................. 250
4. Transformações de energia ............................................................................................................ 256
5. Calor de reação: entalpia ...............................................................................................................259
6. Lei de Hess ................................................................................................................................... 266
7. Espontaneidade das transformações: entropia ................................................................................269
8. Efeito estufa e aquecimento global .................................................................................................275
Ana Blazic Pavlovic/Shutterstock
Unidades de medida
da Química 1

CAPÍTULO
DIVULGAÇÃO PNLD

Bochkarev Photography/Shutterstock

1 MASSA ATÔMICA E MASSA MOLECULAR

2 NUMEROSIDADE E QUANTIDADE DE MATÉRIA


3 CONSTANTE DE AVOGADRO
4 MASSA E VOLUME MOLARES
Diariamente usamos unidades de massa,
5 CONSUMO SUSTENTÁVEL: como o quilograma ou o grama na comercializa-
REDUÇÃO, REÚSO E CONTROLE ção de produtos alimentícios. Da mesma forma,
os químicos estabeleceram unidades adequadas
para medir quantidade de substâncias.

7
1 Massa atômica e massa
Unidades de medida da Química

molecular

O. Sequetin
50 μm
CAPÍTULO 1

4 mm 500 μm 5 μm

50 nm 5 nm 0,2 nm

500 nm

O
Para que um átomo possa ser observável
do tamanho de uma maçã, seria necessário físico estadunidense Richard Feynman [1918-1988] disse, certa
DIVULGAÇÃO PNLD

aumentá-lo cerca de 10 milhões de vezes. A vez, que para que pudéssemos ver o átomo em tamanho ampliado
maçã ampliada nessa proporção ficaria do aproximadamente ao tamanho de uma maçã, essa deveria ser ampliada
tamanho do globo terrestre! para o tamanho do globo terrestre. Para imaginar essa magnitude, foi feita
a comparação das ilustrações acima. Enquanto a maçã e suas sementes
podem ser medidas em mm, a espessura da antena de uma joaninha,
os fios da antena e um grão de pólen são mais bem medidos em µm
(1 3 10-3 mm). Para enxergarmos átomos presentes no pólen seria necessário
ampliar uma ponta do pólen para uma escala de nm (1 3 10-3 µm) e somente
depois de ampliarmos para uma escala de 1/10 do nm (1 Å = 0,1 nm) é que
o átomo, que mede de 1 a 2 Å, poderia ser observável.
Essas medidas são extremamente pequenas para serem manuseáveis
em laboratórios. Assim, os químicos desenvolveram outras unidades de
medidas e grandezas específicas. São três grandezas básicas, com as quais os
químicos trabalham: massa, volume e numerosidade, que são propriedades
inerentes da matéria. As grandezas, massa e volume, você já conhece e
certamente, agora, deve estar se perguntando: O que é numerosidade?
Antes de discutirmos o conceito de numerosidade, vamos entender como
os químicos usam para medir a massa dos átomos, pois esse estudo vai
lhe ajudar a compreender sobre o estudo de numerosidade que vamos
desenvolver.
Um bom padrão de medida é aquele que pode ser comparado, facilmente
com o que se pretende medir. Esse padrão não deve ser nem muito grande
nem muito pequeno em relação às medidas a serem realizadas. Qual seria,
então, um bom padrão para medir a massa de átomos e de substâncias? Uma
substância, que foi utilizada como padrão para determinar a massa de outras
substâncias, foi o hidrogênio. Ela apresentava duas grandes vantagens: é a
mais leve que se conhece e reage com muitas outras substâncias simples.
Assim, atribuiu-se ao hidrogênio o valor unitário de massa. Para determinar
a massa de uma substância, bastaria apenas que se verificasse a proporção
de massa que reagia com o hidrogênio.

8
Foi o cientista inglês John Dalton [1766-1844] quem teve essa brilhante
ideia: ele passou a determinar a massa de diferentes substâncias que reagiam 1
com 1 g de hidrogênio. Assim, propôs a primeira tabela de pesos atômicos
relativos (que hoje chamamos massas atômicas) e apresentou-a, em 1803,
à Sociedade Literária e Filosófica de Manchester. 2
Porém, a tabela de Dalton continha erros, porque naquela época se
considerava que a fórmula da água era HO e não H2O,como a conhecemos
hoje.
Anos depois, o químico sueco Jöns Jacob Berzelius [1779-1848] sugeriu 3
a utilização do oxigênio como padrão de peso atômico, pois reage com a
maioria das substâncias simples para formar óxidos (substâncias constituídas
por átomos de oxigênio e de outro elemento químico). 4
Posteriormente, surgiram divergências entre químicos e físicos na definição
do padrão de massa: os físicos empregavam o oxigênio-16 (relembrando:
isótopo de oxigênio com número de massa 16) e os químicos utilizavam a 5
média ponderada de todos os isótopos (átomos de um mesmo elemento
com diferentes valores de massa) do oxigênio. Isso gerava diferenças nos
valores de massa dos átomos e das substâncias. Na busca de uma unificação
de conceitos e valores, a partir de 1957 a União Internacional de Química 6
Pura e Aplicada (Iupac), organização internacional que congrega sociedades
de Química de diferentes países, adotou, como padrão de medida de massa,
o carbono (mais precisamente átomos de carbono-12). Esse padrão é mais
DIVULGAÇÃO PNLD

estável e mais abundante do que o oxigênio-16, e sua adoção pôs fim à


divergência entre físicos e químicos.

ALGUMAS SUBSTÂNCIAS DA TABELA DE PESO ATÔMICO DE DALTON

Substância Peso Substância Peso Substância Peso Substância Peso Substância Peso
simples atômico simples atômico simples atômico composta atômico composta atômico

Oxigênio 7 Ferro 50 Tungstênio 56 ? Água 8 Ácido nitroso 31


25 ?
Hidrogênio 1 Níquel Titânio 40 ? Ácido muriático 22 Óxido carbônico 12,4
50 ?
Azoto 5 Estanho 50 Cério 45 ? Ácido oximuriático 29 Ácido carbônico 19,4

Carbono 5,4 Chumbo 95 Potássio 42 Gás nitroso 12 Óxido sulfuroso 20

Enxofre 13 Zinco 56 Sódio 28 Óxido nitroso 17 Ácido fosforoso 32

Fósforo 9 Bismuto 68 ? Cal 24 Ácido nítrico 19 Ácido fosfórico 23

Ouro 140 ? Antimônio 40 Manganês 17 Ácido oxinítrico 26 Amônia 6

Platina 100 ? Arsênico 42 ? Barita 68


Obs.: Para Dalton, a massa molecular das substâncias
Prata 100 Cobalto 55 ? Alumina 13 compostas era também chamada de peso atômico. Além disso,
algumas substâncias compostas eram consideradas simples,
Mercúrio 167 Manganês 40 ? Sílica 45
como a cal, a alumina e a sílica.
Cobre 56 Urânio 60 ? Glucínio 30

Preste muita atenção! Esses valores, apesar de sua importância histórica, não coincidem com os valores atualmente tabelados. Qualquer tabela
periódica atual mostra que o valor da massa atômica do oxigênio, por exemplo, é 16 e não 7.

9
A massa dos átomos é dada pela massa atômica. Como os elementos
Unidades de medida da Química

químicos possuem átomos com mais de um valor de massa, a grandeza massa


atômica é obtida pela média ponderada das massas dos átomos dos elementos
químicos encontrados na natureza. Seu símbolo é ma, em que a letra a deve
ser substituída pelo símbolo do elemento em questão. Esses valores, como
Dalton já havia sugerido no início do século passado, são relativos.
Sua definição é:
CAPÍTULO 1

Massa atômica (ma) de um elemento químico é a massa


média ponderada de seus átomos encontrados na natureza.

Como os valores de massa atômica são pequenos demais, difíceis de


PARE E PENSE trabalhar, os químicos resolveram definir uma unidade específica para a massa
É possível medir a massa de um de átomos. Essa unidade de medida da grandeza massa foi estipulada como
átomo na balança? Qual seria o igual a um doze avos (1/12) da massa de um átomo de carbono-12 e recebeu
padrão de medida de massa para o nome unidade de massa atômica, cujo símbolo é u.
os átomos?

1 unidade de massa atômica (u) = 1/12 da massa de um átomo de


carbono-12.
DIVULGAÇÃO PNLD

A maioria das substâncias é formada por grupos de átomos em proporções


bem definidas, os quais chamamos constituintes. Cálculos envolvendo
as substâncias são feitos considerando-se a massa dos constituintes, que
é denominada massa molecular. Esse termo também é utilizado para
substâncias que têm constituintes amoleculares (constituintes formados por
átomos que não fazem ligações covalentes, por exemplo, os sais). Portanto,
massa molecular refere-se à massa da entidade da qual uma substância é feita.
A massa molecular e a massa atômica têm como símbolo ma e são expressas
em unidades de massa atômica – u. A letra a é substituída pelo símbolo
do elemento químico ou pela fórmula da substância. A massa molecular
corresponde ao somatório das massas atômicas dos átomos constituintes da
substância. A definição é:

Massa molecular (m) é a soma das massas atômicas dos átomos


do constituinte de uma substância, podendo representar a massa de uma
molécula ou da fórmula mínima (fórmula que indica a proporção mínima
entre os átomos componentes da substância).

A massa atômica e a massa molecular são pouco utilizadas, porque não


trabalhamos com átomos e moléculas e, sim, com quantidades maiores.
Entretanto, estas são importantes por lidarem com a dimensão atômica e
já começam a ter aplicação prática graças a um novo ramo da ciência, a
Nanotecnologia, relacionada à manipulação da matéria molecular, visando à
criação de novos materiais, substâncias e produtos, com precisão de átomo
a átomo.

10
2 Numerosidade e 1

quantidade de matéria
2

Alistair Berg/Getty Images


3

P
5
ara o químico, além de volume e massa, existe outra grandeza relacionada Contar quantidades enormes de maçãs é
à quantidade, que já está incorporada em sua rotina de trabalho: a muito difícil. Para contar átomos, então, é mais
numerosidade. Vamos ver o que é isso. difícil ainda. Daí o motivo pelo qual os químicos
6
Nos supermercados, podemos encontrar sabão em embalagens com cinco criaram uma grandeza específica para contar
entidades, denominada numerosidade.
barras, o sabão em pó em caixas ou pacotes, sabão líquido em frascos de
500 mL.
Se resolvermos fazer economia de produtos de limpeza em casa, como PARE E PENSE
DIVULGAÇÃO PNLD

faremos as compras do mês?


Qual grandeza você utiliza ao
Imagine que você resolveu fazer uma dieta. Seguindo os conselhos de um(a) comprar frango e peixe?
nutricionista, por meio de um programa de reeducação alimentar, deixará, Em geral, na feira, qual a grandeza
um pouco de lado, biscoitos e chocolates, e comerá mais frutas e verduras. que se usa para vender abacaxi,
Só imagine. Você pega a sacola e, feliz da vida, segue para a feira ou para o laranja e banana, quando o feirante
supermercado mais próximo. Mas que quantidade comprar de cada alimento? não tem balança?
Como podemos quantificar os alimentos?
Frutas, por exemplo, podem ser vendidas medindo-se quantidades de massa, volume ou unidades. Assim, você pode
comprar um quilo de maçãs, um litro de jabuticabas ou uma dúzia de laranjas. Também são vendidos, por unidades
vários outros produtos – geralmente sólidos de tamanhos regulares –, como ovos, tijolos e lápis. A grandeza a que
nos referimos, nesses casos, é a numerosidade, a qual se refere à quantidade em termos de números de espécies
ou entidades (ovo, tijolo, lápis etc.).
Essa grandeza foi criada pelos químicos, pois eles precisam medir a quantidade de entidades existentes na matéria
que são partículas muito pequenas, como os átomos. O significado de numerosidade, no dicionário, é qualidade de
numeroso. Assim, perguntar sobre a numerosidade de uma porção de matéria (uma mostra de qualquer material),
significa que se quer saber quão numerosa essa mostra é em relação a uma dada entidade, por exemplo, em termos
de quantidade de átomos. Como veremos ao longo desta obra, as entidades que constituem as substâncias são
átomos, íons (átomos com carga elétrica) e moléculas (constituintes com átomos unidos por um tipo de ligação
química denominada covalente). Mas os químicos também usam outras entidades físicas no estudo da constituição
das substâncias, como os elétrons. Sendo assim, em Química, numerosidade significa grandeza adotada para medir
numericamente entidades, como átomos, íons, moléculas ou elétrons.
PARE E PENSE
Numerosidade é uma Além do volume e da massa,
grandeza física de medição de o químico utiliza a numerosi- Sabendo que o raio atômi-
espécies químicas (átomos, íons, dade como outra importante co do neônio (Ne) é de 38 pm
moléculas, elétrons). grandeza. (38 · 10 –12 m), seria viável contar os
átomos de Ne? Por quê? Desejando
expressar quantos átomos existem
No dia a dia, usamos várias unidades para a grandeza em uma amostra de neônio (Ne),
numerosidade: saco, lata, dúzia, grosa, copo, milheiro etc. que unidade seria mais viável?

11
Mas nem sempre a numerosidade é uma grandeza apropriada. Imagine
Unidades de medida da Química

uma pessoa querer comprar feijão usando essa grandeza! PARE E PENSE
Da mesma maneira, para os químicos, é inviável contar átomos ou
moléculas. Eles geralmente trabalham medindo massas. Há, todavia, casos em Qual unidade de medida da gran-
que é importante conhecer o número de entidades químicas – sejam átomos, deza massa seria mais recomendável
na comercialização de miçangas? Jus-
íons ou moléculas – presentes em determinadas quantidades de substância ou
tifique a resposta.
material. Por exemplo, nos cálculos de quantidades de substâncias, envolvidas
CAPÍTULO 1

em reações químicas, é fundamental estabelecer as quantidades numéricas dos


constituintes que estão reagindo para a determinação da porção dos produtos a serem formados. Você já imaginou
como isso seria difícil? Mas não se preocupe, pois os químicos encontraram uma maneira simples de fazer essas
contas. Vejamos a seguir.

Construção do Conhecimento
Contando entidades pequenas

Hely Demutti
Vimos no item de massa atômica como foi estabelecida a relação entre as massas
de diferentes substâncias, utilizando uma substância simples como padrão. Entre-
tanto, os químicos tinham, ainda, outro desafio a vencer: como saber o número de
átomos ou entidades químicas presentes nessas quantidades de substâncias? Cer-
tamente, eles não poderiam contá-las da forma como você conta laranjas na feira. Ainda que miçangas possam ser
Ainda que conseguissem desenvolver uma máquina que contasse mil átomos por contadas uma por uma, essa não é tarefa fácil
segundo, esta gastaria, aproximadamente, 20 trilhões de anos para contar todos de ser efetuada no comércio. Como fazer?
DIVULGAÇÃO PNLD

os átomos existentes em 12 g de carbono-12!


Diante de tal impossibilidade, os químicos desenvolveram a grandeza numerosidade. Para compreendê-la, vamos esta-
belecer a comparação com objetos pequenos manuseáveis, como as miçangas empregadas na confecção de bijuterias (veja
a foto acima).
As unidades mais apropriadas na comercialização de miçangas são aquelas que adotam padrões de medida próximos
à quantidade de miçangas, às quais serão comercializadas. Assim, o grama poderia ser uma boa unidade de medida na
venda direta de miçangas ao consumidor, o quilograma para vendas a comerciantes e a tonelada para a venda do produto
a grandes indústrias.
Vamos imaginar que uma pessoa muito meticulosa resolvesse comprar a quantidade exata de miçangas para confeccio-
nar, por exemplo, certo número de colares. Para essa pessoa, a grandeza mais apropriada seria a unidade de medida que
estivesse relacionada ao número de miçangas (número de entidades) e não à massa. No entanto, é muito trabalhoso contar
miçangas uma a uma. Mas, se não é possível usar a unidade simples, que grandeza devemos usar nesse caso?
A forma adequada seria estabelecer um padrão de referência que contivesse a quantidade de fácil manuseio. Como a
balança é um instrumento de medida preciso e bastante comum, a pessoa poderia escolher, como padrão, de medida uma
quantidade de miçangas que pudesse ser determinada com base em sua massa. Que tal escolher 150 g de miçangas de
6 mm de diâmetro como padrão de referência? Essa miçanga não é muito grande, nem muito pequena. Além disso, 150 g
correspondem a uma quantidade razoável, fácil de ser medida.
Adotada essa convenção, poderiam ser determinadas quantas miçangas de 6
mm há em 150 g. De que maneira? Contando uma a uma as miçangas em uma Contar miçangas é muito trabalhoso, mas
amostra de 150 g. medir a massa é muito fácil. Se contarmos
Ou, para facilitar, simplesmente medindo a massa de uma dessas miçangas. a quantidade de miçangas em determinada
Bastaria, depois, dividir 150 g pela massa de uma miçanga. Como curiosidade, massa, saberemos quantas miçangas há em
qualquer outro valor de massa.
fizemos essa conta e obtivemos o resultado de 1 359 miçangas.
Resolvido o problema. Se nosso amigo meticuloso precisasse de 4 077 miçan-
He
ly D
em

gas, bastaria comprar 450 g de miçangas, ou seja, a quantidade contida em 150 g


ut t
i

serviria como base para seus cálculos de unidade. Ela poderia facilitar ainda mais
os cálculos inventando uma grandeza específica para contar a quantidade de mi-
çangas. Essa grandeza poderia se chamar “quantidade de miçangas”, que tal? E,
como toda grandeza tem de ter uma unidade, poderia ser batizada de “miçamol”.
Assim, esse hipotético consumidor não pediria mais 450 g de miçangas, mas,
sim, 3 “miçamols” de miçangas.

12
E se quiséssemos expressar a quantidade de água por numerosidade, como iríamos contar as moléculas de água
dentro do copo? 1
Os constituintes dos materiais (átomos, moléculas, íons etc.) são entidades pequenas demais para serem contadas.
Como, então, podemos conhecer a numerosidade de entidades químicas de substâncias e materiais? Fazendo o
mesmo que nosso amigo detalhista fez para comprar miçangas: estabelecendo um padrão que seja fácil de manusear. 2
Assim como estabelecemos uma unidade padrão para quantificar as miçangas, os químicos também desenvolveram
uma unidade de medida para as entidades constituintes das substâncias. No caso das miçangas, a grandeza usada
foi “quantidade de miçangas”. No caso da Química, a numerosidade de espécies químicas (átomos, íons, moléculas,
elétrons), além de ser expressa por número, foi adotada uma outra grandeza que facilita a contagem de átomos, 3
como foi usada a grandeza para contar a quantidade de miçangas. Essa grandeza é denominada quantidade de
matéria, que é uma grandeza de numerosidade, representada pela letra n, que permite determinar a quantidade de
entidades químicas por unidade que contém uma grande quantidade de espécies. 4

Quantidade de matéria (n) é a grandeza de numerosidade que tem como unidade


de medida a quantidade de entidades de átomos contidos em 0,012 kg de carbono-12.
5

Por analogia, considerando-se as diferenças entre átomos e miçangas, podemos relacionar o conceito de quantidade
de matéria à quantidade de miçangas. Definimos como padrão de quantidade, o número de miçangas contido em 150 g
de miçangas de 6 mm. No caso da Química, o padrão escolhido foi o número de átomos contidos em 12 g de carbono-12 6
(isótopo de carbono de massa 12). A unidade de medida da grandeza quantidade de matéria é o mol – do latim moles,
que significa grande massa compacta. O mol é, portanto, a unidade de numerosidade de entidades químicas.
DIVULGAÇÃO PNLD

Mol é a quantidade de matéria de um sistema que contém tantas entidades


elementares quantos são os átomos contidos em 0,012 kg de carbono-12.

Observe que a grandeza quantidade de matéria refere-se ao padrão adotado para a massa atômica. Vejamos
seu significado. Se a massa atômica dos átomos foi determinada relativamente à massa entre eles, isso significa,
por exemplo, que o carbono-12 é doze vezes mais pesado do que o hidrogênio, que tem massa 1 u; logo, em
uma amostra de 12 gramas de carbono-12 teremos a mesma quantidade de átomos de carbono, que se tem de
átomos de hidrogênio em uma amostra de 1 g de hidrogênio. Nesse sentido, o carbono-12, que foi adotado como
padrão de referência para massa atômica, foi também estabelecido como padrão para contagem de átomos ou
de outras espécies químicas.
Assim, a numerosidade de entidades químicas passou a ser determinada em relação à quantidade de átomos
contidos em 12 gramas de carbono-12, representada por N. A grandeza de numerosidade, que mede a quantidade
de entidades em relação ao padrão de carbono-12, passou a ser denominada quantidade de matéria e a sua unidade
foi convencionada mol.
Quando se utiliza o mol, as entidades elementares devem ser especificadas, podendo ser átomos, constituintes,
íons, elétrons ou outras partículas, bem como agrupamentos especificados dessas partículas.
O símbolo dessa unidade de medida é o mol. Como o símbolo é igual
ao nome, é preciso ter atenção para evitar confusões, visto que os símbolos Se nessa amostra de carvão tivéssemos
não têm plural. Por exemplo, a distância de cem metros é escrita como apenas átomos de carbono-12, obteríamos
100 m. Da mesma forma, a quantidade de matéria correspondente a cem quantidade igual a um mol.
mols deve ser escrita como 100 mol.
Hely Demutti

SÍMBOLOS DE ALGUMAS GRANDEZAS


GRANDEZA UNIDADE DE MEDIDA
Nome Nome (plural) Símbolo (não tem plural)
Massa (m) quilograma (quilogramas) kg
Comprimento (l) metro (metros) m
Quantidade de matéria (n) mol (mols) mol

13
Exercícios
Unidades de medida da Química

FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.

1. Qual é a importância do uso de medidas? b) A massa atômica ou molecular expressa em gramas.


2. Para se preparar uma receita de algum prato, se faz c) Um sinônimo de molécula-grama, átomo-grama ou
necessário conhecer os ingredientes, o modo de preparo e íon-grama.
o domínio de algumas técnicas culinárias. A respeito desse d) A massa de qualquer substância que encerra 12 g de
CAPÍTULO 1

assunto e outros correlatos, considere a alternativa correta: carbono-12.


a) Nas embalagens dos ingredientes são informadas
e) O número de átomos que estão presentes em 1,0 g de
medidas para indicar valores relativos do uso da
qualquer substância elementar, em repouso e no estado
quantidade desses produtos.
b) Uma balança pode ser usada como instrumento menos fundamental.
preciso na determinação da quantidade de massa dos 11. (Vunesp) Na tabela periódica atual, a massa atômica de
ingredientes. cada elemento aparece como número não inteiro porque:
c) São indicadas as mesmas unidades para todos os
a) Há imprecisão nos métodos experimentais empregados.
alimentos utilizados na receita.
d) Na receita, por exemplo, uma grandeza, como a b) É a média aritmética das massas atômicas dos elementos
massa, é representada por um número seguido de uma superior e inferior da mesma família.
unidade de medida. c) É a média aritmética das massas atômicas dos elementos
e) Uma unidade de medida representa quantas vezes uma com igual número de prótons.
grandeza é igual ao padrão de medida. d) É a média ponderada das massas atômicas dos isótopos
3. Que atributo a grandeza numerosidade mede? naturais do elemento.
DIVULGAÇÃO PNLD

4. Para montar um determinado colar, necessita-se de oito e) É sempre múltipla da massa atômica do hidrogênio.
dúzias de miçangas de 6,0 mm e um fio de náilon de 0,60 m.
Passe o fio de náilon pelos buraquinhos das miçangas e
12. (Fuvest-SP-adaptado) A massa atômica do cloro é 35,457.
amarre. Já está pronto o seu colar. Agora responda: O fato de esse número não ser inteiro indica que:
a) Qual é a grandeza usada para contar miçangas? a) No núcleo do átomo de cloro devem existir outras
b) Caso você fique famoso(a) com suas bijuterias e queira partículas além de prótons e nêutrons.
produzir 100 000 colares, pulseiras e adornos, utilizaria b) O cloro apresenta-se na natureza como uma mistura de
a mesma grandeza? Qual seria a melhor grandeza? isótopos.
c) Qual é a grandeza e a unidade de medida do fio de náilon?
c) Há um erro experimental na determinação das massas
5. Identifique a(s) grandeza(s) geralmente utilizada(s) na
atômicas.
comercialização dos seguintes produtos:
a) Sabão em pó. d) Combustível. d) A massa atômica não é uma grandeza.
b) Tecidos. e) Cordas. e) A massa atômica leva em conta a massa dos elétrons.
c) Amaciante de roupas. f) Cerâmica.
13. (Uerj) O esquema, a seguir, representa a distribuição média
6. O que mede a grandeza quantidade de matéria e qual é o
dos elementos químicos presentes no corpo humano.
símbolo de sua unidade?
7. Por que os químicos adotaram a grandeza quantidade 126 átomos de hidrogênio 51 átomos de oxigênio
de matéria para contar as entidades químicas, em vez de
simplesmente contá-las numericamente?
8. De acordo com a teoria atômica de Dalton, em 12 g de
átomos de oxigênio há a mesma quantidade de entidades 19 átomos
de carbono
existentes em 12 g de carbono-12? Justifique a resposta.
3 átomos de
9. Em que amostra há maior quantidade de entidades: em 1 nitrogênio
mol de grãos de milho ou em 1 mol de átomos de carbono? 1 átomo de qualquer outro elemento natural
Justifique a resposta.
O elemento que contribui com a maior massa para a
10. (PUC-RS) Atualmente, o termo “mol” é definido como:
constituição do corpo humano é:
a) A quantidade de matéria de um sistema que contém
tantas entidades elementares quantos são os átomos a) Carbono. c) Nitrogênio
contidos em 0,012 kg de carbono-12. b) Oxigênio. d) Hidrogênio.

14
3 Constante de Avogadro 1

O químico é um profissional detalhista: característica necessária para


quem lida com átomos e moléculas. Muitas vezes, ele precisa saber
as quantidades exatas das substâncias com as quais trabalha, isto é, tem de
PARE E PENSE
2

determinar quantas entidades químicas (átomos, moléculas, íons etc.) existem Como pode ser determinada a
em certa porção de material. quantidade de entidades em um mol?
3
O número de átomos presentes na amostra de 0,012 kg de carbono-12
não é conhecido com toda precisão, mas corresponde a um determinado valor
numérico. Esse valor é expresso em equações matemáticas relacionadas às
4
funções matemáticas vinculadas à quantidade de entidades químicas. Nessas
equações, esse valor é uma constante física que recebe o nome constante
de Avogadro (NA), em homenagem ao químico Amedeo Avogadro [1776-
1856], que estabeleceu os fundamentos para sua determinação. Como os 5
átomos são entidades muito pequenas, o valor numérico é muito grande.
Como determiná-lo?
Como não podiam precisar o valor da constante de Avogadro, vários 6
químicos e físicos (inclusive Albert Einstein) propuseram métodos indiretos
para determiná-lo. Como? Sabendo que muitas propriedades das substâncias
dependem da quantidade de entidades químicas (átomos, moléculas, íons etc.),
apresentaram técnicas específicas para medir tais propriedades e metodologias
DIVULGAÇÃO PNLD

de cálculos, as quais fornecem a constante de Avogadro, ou seja, o número


de entidades presentes em um mol.
Existem vários métodos para determinação da constante de Avogadro, como
o apresentado na próxima página. Com a evolução tecnológica, as técnicas
e os equipamentos foram aperfeiçoados, o que permitiu a determinação de
valores mais precisos da constante de Avogadro, conforme se observa na
tabela a seguir.

Hely Demutti
VALORES DA CONSTANTE DE AVOGADRO OBTIDOS DESDE 1917* Nesse cálice, há 1 mol de água (18 g). Se
fôssemos contar as moléculas de água, quantas
Ano da determinação Constante de Avogadro contaríamos? Essa quantidade (NA) é o que
chamamos constante de Avogadro.
1917 6,062 ⋅ 1023 mol–1

1928 6,061 ⋅ 1023 mol–1

1941 6,0245 ⋅ 1023 mol–1

1949 6,02457 ⋅ 1023 mol–1

1951 6,02544 ⋅ 1023 mol–1

1963 6,02278 ⋅ 1023 mol–1

1976 6,0220941 ⋅ 1023 mol–1


Por enquanto, o valor da constante de
Avogadro é arredondado para 6,02 ∙ 1023,
2004 6,02214179 ⋅ 10 mol 23 –1
mas esse valor muda conforme são
2015** 6,02214082(11) ⋅ 1023 mol–1 aperfeiçoados instrumentos para determinar
o seu valor.
Fonte: * SOUZA, M. Gerson. O uso de analogias no ensino de Química. Brasília: UnB, 1999. Disponível em: <http://www.iop.org/EJ/
abstract/0026-1394/40/5/010/>. Acesso em: 7 fev 2014. ** Journal of Physical and Chemical Reference.
Disponível em: <https://www.aip.org/publishing/journal-highlights more-precise-estimate-avogadros-number-help-redefine-
kilogram>. Acesso em: 21 mar. 2016.

15
Unidades de medida da Química

História da Ciência

Constante de Avogadro

Hulton-Deutsch Collection/Corbis
Lorenzo Romano Amedeo Carlo Avogadro, conde de Queregna e de
CAPÍTULO 1

Cerreto, nasceu na cidade de Turim, em 9 de agosto de 1776. O pai, Fi-


lippo Avogadro, era advogado rico e famoso, com sólida carreira política.
Amedeo seguiu o caminho do pai, formando-se em Direito. Mas, defi-
nitivamente, essa não era sua vocação. Tornou-se cientista e desenvolveu
preciosos estudos em Química e Física, porém não soube divulgar suas
ideias. Isolado em seu laboratório, não viajava e correspondia-se pouco
com os colegas. Seus escritos careciam de brilhantismo e simpatia, mes-
mo quando reportavam importantes descobertas experimentais e ideias
revolucionárias, como a hipótese dos gases, publicada em 1811. Nesse
trabalho, ensaio de uma maneira de determinar a massa relativa de molé- Embora Avogadro não tenha determinado
culas elementares dos corpos e as proporções entre eles nas combinações, o valor da constante que recebe o seu nome,
Amedeo Avogadro defendeu a tese de que volumes de diferentes gases, ele foi o lançador das bases teóricas para a
determinação.
DIVULGAÇÃO PNLD

nas mesmas condições de pressão e temperatura, contêm igual número


de moléculas. Tal afirmação ficou conhecida como “hipótese de Avogadro”.
O cientista propôs que muitos gases são formados por moléculas, as quais contêm mais de um áto-
mo, por exemplo, os gases hidrogênio (H2), oxigênio (O2) e cloro (Cl2). Sabendo que os gases hidrogê-
nio e oxigênio são constituídos por moléculas diatômicas e que a proporção de volumes desses gases para
formar a água é de dois para um, ele concluiu que a proporção entre seus átomos também seria essa, ou
seja, a fórmula deveria ser H2O e não HO, como era considerada até então. Mesmo com dificuldades para
medir a massa dos gases, Avogadro chegou à razão de 15,074 entre as massas dos átomos de oxigênio e
hidrogênio, sendo a última considerada igual a uma unidade. Ele não estabeleceu o valor da constante de
Avogadro, mas lançou as bases teóricas que possibilitaram a determinação. Por isso, em homenagem a ele,
a constante recebeu o seu nome.
Amedeo Avogadro concluiu que, se volumes iguais contêm o mesmo número de moléculas, é pos-
sível determinar as massas moleculares relativas. Dessa forma, tornou possível explicar substâncias
como NH3, NO, NO2 , HCl, CO2 e SO2 , demonstrando como predizer as fórmulas e as massas mo-
lares com grande precisão.
Diversos cientistas desenvolveram métodos para a determinação da constante de Avogadro. Dentre eles
podemos citar o físico francês Jean Baptiste Perrin (1870-1942), o físico-químico escocês James Dewar (1842-
1923) e o físico estadunidense Robert Andrews Millikan (1868-1953), cujo famoso experimento da deter-
minação da relação entre carga e massa do elétron possibilitou a determinação da constante de Avogadro.
Avogadro faleceu em 9 de julho de 1856 e, embora não tenha sido reconhecido pelos cientistas da época,
deixou bases importantíssimas para a Química moderna, sendo considerado um dos fundadores da Físico-
-Química. Somente dois anos depois de sua morte, os colegas reconheceram o quanto sua hipótese ajudava
na resolução de problemas de Química.

16
1
Consulte as normas de segurança no
Atividade Experimental laboratório, na última página deste livro.

Como é possível determinar 2


a constante de Avogadro
Este experimento é para ser feito em grupo, na própria sala de aula, com materiais que você pode conseguir em casa.
Observe um pedaço de ferro ou a água contida em um copo. Temos a impressão de que a matéria é toda contínua. 3
Será que é mesmo? Faça a atividade a seguir e verifique tal ideia utilizando o “método científico” clássico: observe,
elabore hipóteses, teste essas hipóteses e proponha uma teoria ou um modelo para guiar seu pensamento.
4
Materiais
• Dois eletrodos de fio de cobre (encapado) de 2,5 mm de diâmetro
5
• Cronômetro ou relógio
• Bateria de 9 V (podem ser usadas quatro pilhas grandes ou um eliminador de pilhas)
• Duas seringas de 5 mL
6
• Recipiente plástico transparente (ou o fundo de garrafa de refrigerante)
• Amperímetro ou multímetro (comprado em loja de ferramentas)
• Um pedaço de isopor para servir de suporte às seringas
DIVULGAÇÃO PNLD

• Um pouco de silicone ou parafina (vela)


• Fios finos para as conexões
• Solução de hidróxido de sódio a 10 g/L

Procedimento
1. Tapar as pontas das seringas com silicone ou parafina.
2. Fixar as seringas no suporte feito com um pedaço de isopor.
3. Colocar solução de hidróxido de sódio no recipiente até 3/4 de seu volume.
4. Encher também as seringas com solução e colocá-las no recipiente plástico cuidadosamente,
segurando-as pelo fundo (use luvas!), de modo que não se formem bolhas de ar.
5. Colocar os eletrodos de forma que as pontas fiquem sob a parte inferior da seringa.
6. Montar o circuito como mostrado na figura.
7. O valor da corrente (que deve ser constante durante todo o procedimento) deve ficar entre 100 e 30 mA. Para
ajustá-lo, caso necessário, várias modificações podem ser feitas na montagem, por exemplo, a concentração da
solução, o tamanho da parte exposta dos eletrodos, a distância entre eles etc.
seringas
multímetro
J. Yuji

8. Ligar o circuito e disparar o cronômetro no mesmo instante.


isopor
9. Quando o volume de hidrogênio completar 5 mL, interrom-
per o cronômetro e desligar o circuito.
10. Anotar os seguintes dados: temperatura ambiente (T), pres- NaOH 10 g/L
são atmosférica (P) – que pode ser obtida pelo serviço
de meteorologia –, volume de hidrogênio produzido (V) e + –
tempo de eletrólise (t). bateria de 6 V

17
Unidades de medida da Química

Destino dos resíduos


O hidróxido de sódio pode ser guardado para utilização em outras atividades práticas. Para ser descartado, preci-
sa, antes, ser neutralizado com algum ácido indicado pelo professor.

Análise de dados
CAPÍTULO 1

Conhecendo o volume de hidrogênio produzido, pode-se, a partir da equação geral dos gases, determinar
a quantidade de matéria correspondente. A seguir, é apresentada equação simplificada que fornecerá o valor da cons-
tante de Avogadro, utilizando os dados obtidos nesse experimento.

NA = RT it / 2P e V

Em que: NA é a constante de Avogadro; t é o tempo em segundos;


R é a constante dos gases (8,3145 J/K mol); P é a pressão atmosférica em Pa (Pa = Jm–3);
T é a temperatura em Kelvin; V é o volume em m3;
i é a corrente em ampères; e é a carga do elétron (1,6 ⋅ 10 –19 C, C = A.s).

1. Utilizando os dados obtidos e a equação acima, calcule o valor da constante de Avogadro. Caso não tenha sido possível
realizar o experimento, use os seguintes dados obtidos em laboratório:

T = 27 K, P = 88 393 Pa, t = 510 s, V = 5 ⋅ 10–6 m3 (V = 5 mL).


DIVULGAÇÃO PNLD

2. Compare o resultado com os apresentados na tabela da página 16 e levante hipóteses para as possíveis diferenças
observadas.

A constante de Avogadro não deve ser comparada a outras medidas, como a dúzia e a centena, porque essas
quantidades são definidas como números e não como grandezas físicas. Uma dúzia corresponde a 12 unidades. Uma
centena corresponde a 100 unidades. Já a constante de Avogadro é definida como o número de átomos presentes
em um mol de carbono-12 (0,012 kg de carbono-12). Quanto é essa grandeza exatamente? Ao longo da História, o
valor vem sendo determinado com precisão cada vez maior, mas dificilmente chegaremos ao valor exato, porque a
constante de Avogadro é obtida experimentalmente; logo, está sujeito a erros.
A unidade da constante de Avogadro (NA) é mol–1, ou seja, o número de entidades por mol.
Para efeito didático em nossos cálculos nesta obra, não necessitamos ser tão precisos quanto os químicos. Assim,
iremos considerar a constante de Avogadro como 6,02 ⋅ 1023 mol–1 em nossos cálculos químicos. Dessa forma, com
o tempo, você guardará que:

1 mol = 6,02 · 1023 entidades (átomos, moléculas etc.).

Notação científica
Antes de estudarmos cálculos com a constante de Avogadro, vamos rever como se expressam as medidas em
notação científica.
Qual é a distância existente entre a Terra e a Lua? Qual é o tamanho de uma célula? Você já deve ter percebido que a
ciência lida com extremos. Para não manipular números cheios de zeros, é mais prático utilizar a notação científica, uma
forma de representação numérica que facilita a indicação de números grandes ou pequenos. Valores como 567 000 000
ou 0,000 002341, por exemplo, podem ser expressos em notação científica por 5,67 ⋅ 108 e 2,341 ⋅ 10–6.
Em notação científica, os números são escritos com apenas um algarismo antes da vírgula e multiplicados por 10,
elevados à potência correspondente.

18
Uma potência positiva indica o número de posições que a vírgula deverá ser deslocada para a direita, a fim de
1
se obter o número em notação comum. Do mesmo modo, a potência negativa indicará o número de vezes que a
vírgula deverá ser deslocada para a esquerda, a fim de fornecer o número em notação comum. Desse modo, quanto
maior a potência, maior será o número.
2
Uma molécula de água tem massa aproximada de 3 ⋅ 10–26 kg.
A massa do Sol, estrela mais próxima do planeta Terra, é estimada
em 1,99 ⋅ 1030 kg.
3

Cálculos com a constante de Avogadro


A partir da constante de Avogadro, podem-se fazer diversas conversões entre quantidades expressas em número 4
de entidades e em quantidade de matéria. Essas conversões podem ser feitas por meio de regra de três ou por fatores
de conversão. Lembre-se que:
1 mol = 6,02 ⋅ 1023 entidades. 5

Dividindo os dois lados da igualdade por 1 mol:

1mol 6,02 ⋅ 10 entidades 23 6


1 mol 6 , 02 ⋅ 10 23  entidades
 =  ou por 6,02 ⋅ 1023 entidades: =
1 mol 1 mol 6,02 ⋅ 1023 entidades 6,02 ⋅ 1023 entidades

1mol 6,02 ⋅ 1023 entidades 6,02 ⋅ 1023 entidades


teremos os seguintes fatores de conversão: = =
DIVULGAÇÃO PNLD

6,02 ⋅ 1023 entidades 1 mol 6,02 ⋅ 1023 entidades


Vejamos alguns exemplos de conversão.
1. Quantos átomos correspondem a 2 mol de átomos de ferro?
Para resolver por fator de conversão, basta multiplicar a quantidade fornecida pelo fator que converte quantidade
de matéria (mol) em número de entidades.

( )
Quantidade de = 2 mols de átomos Fe ⋅ 6,02 ⋅ 10 átomos de Fe = 1,204 ⋅ 1024 átomos de Fe.
23

átomos de Fe 1 mol de átomos de Fe

2. Qual é a quantidade de matéria (n) correspondente a 18,06 ∙ 1030 átomos de enxofre?

n(S) = 18,06 ⋅ 10 átomos de S ⋅


30
(
1 mol de átomos de S
6,02 ⋅ 1023 átomos de S
) 7
= 2,91 ∙ 10 mol de átomos de S

Luminis/Shutterstock
Por meio da constante de Avogadro podemos calcular, por
exemplo, a quantidade de átomos de ferro em uma panela de ferro.

3. Qual é o número de moléculas existente em 2,5 mol de hidrogênio? Por meio da constante de
Avogadro podemos calcular,
6 ,02 ⋅ 10  moléculas H2
23

N (H2 ) = 2,5 mol H 2  ⋅  = 15,05.1023  moléculas de H2 , por exemplo, a quantidade de


1 mol H2 átomos de ferro em uma panela
de ferro.
em notação científica, 1,505 ⋅ 1024 moléculas H2
4. Qual é a quantidade de matéria correspondente a 1,0 ⋅ 1028 moléculas de H2O?
1 mol H2O
N(H2O) = 1,0 ⋅ 10 moléculas de H2O ⋅ 6,02 ⋅ 1023 moléculas H O = 0,166 ⋅ 105 mol de H2O =
28
2

= 0,166 ⋅ 105 em notação científica, 1,66 ⋅ 104 mol H2O

19
Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.
Unidades de medida da Química

14. Que relação há entre a constante de Avogadro e o mol? d) 18 ⋅ 1023 fórmulas mínimas de ferrocianeto de potássio
15. Você acha que o valor da constante de Avogadro, no ano [K4Fe(CN)6].
de 2100, será o mesmo de hoje? Por quê? 21. Calcule o tempo necessário para nascer um mol de pessoas,
16. Por que pode haver mudanças no valor da constante de considerando que a taxa de natalidade mundial atual está
em torno de 3 pessoas por segundo. Compare o valor
CAPÍTULO 1

Avogadro, enquanto o valor da dúzia, por exemplo, não


encontrado com a idade da Terra, que é estimada em
varia?
5 000 000 000 de anos.
17. Para facilitar a realização de cálculos com números de
muitos algarismos utiliza-se a notação científica, uma 22. O enxofre (S) é um elemento classificado como não
forma de representação numérica que facilita a indicação metálico. É, essencialmente, pela presença de seus átomos
de números grandes ou pequenos. Represente os números nos combustíveis que existe o fenômeno das chuvas ácidas.
abaixo em notação científica: Quantos átomos de enxofre existem em 16 mol de enxofre?
a) 100 000. b) 945 000 000. 23. A substância peróxido de hidrogênio (H2O2), mais
c) 5 837 000 000. d) 0,001. conhecida como água oxigenada, é instável e se decompõe
formando água e oxigênio. Esse oxigênio liberado reage
e) 0,000 042. f) 0,000 000 00324.
com a melanina (pigmento que dá cor aos cabelos),
18. O suplemento vitamínico mineral é um medicamento para quebrando as moléculas e alterando a cor dos fios.
uso durante a gravidez e a lactação, períodos de grande Uma pessoa que deseja descolorir os cabelos utilizou
atividade fisiológica, com o aumento das necessidades 0,588 ⋅ 10 –1 mol de água oxigenada. Determine o número
nutricionais diárias. Em certa massa desse suplemento,
de moléculas que ela aplicou nos cabelos.
existem as seguintes quantidades de sais minerais:
24. De acordo com os conceitos de mol e a constante de
DIVULGAÇÃO PNLD

1,5 ⋅ 1022 fórmulas mínimas de carbonato de cálcio (CaCO3) Avogadro, julgue os itens abaixo, considerando C para os
2,0 ⋅ 10 –3 mol de magnésio (Mg) corretos e E para os errados.
1) Um mol de átomos de magnésio contém o mesmo
5,4 ⋅ 1017 fórmulas mínimas de iodeto de potássio (KI) número de átomos que um mol de átomos de sódio.
2) Um mol de água (H2O) contém 6,02 ⋅ 1023 átomos.
0,001 mol de ferro (Fe)
3) O padrão de medida para a quantidade de matéria é
1,35 ⋅ 1017 fórmulas mínimas de óxido de cobre (CuO) o oxigênio-16, por ser mais estável e abundante que o
carbono.
2,6 ⋅ 10 –6 mol de molibdênio (Mo) 4) O número de moléculas de gás cloro contidas em 1,75
1,8 ⋅ 1020 fórmulas mínimas de óxido de zinco (ZnO) mol corresponde a 10,5 ⋅ 1024 moléculas.
5) Em 3,08 ⋅ 10 –1 mol de água estão presentes,
3,16 ⋅ 10 –5 mol de selênio (Se) aproximadamente, 1,85 ⋅ 1023 moléculas.
1,99 · 1019 fórmulas mínimas de sulfato de manganês (MnSO4) 25. Em 3,0 mol de HCl e 5,0 mol de F2, existem, respectivamente:
Dado: constante de Avogadro: 6,02 ∙ 1023 mol-1.
Para essa quantidade de suplemento, calcule: a) 1,8 ⋅ 1024 moléculas e 3,01 ⋅ 1024 moléculas.
a) O número de átomos de Mg, Fe, Mo e Se. b) 3,0 ⋅ 1023 moléculas e 5,0 ⋅ 1023 moléculas.
b) A quantidade de matéria de fórmulas mínimas das c) 1,8 ⋅ 1024 moléculas e 3,01 ⋅ 1024 átomos.
seguintes substâncias: CaCO3, KI, CuO, ZnO e MnSO4. d) 1,8 ⋅ 1024 átomos e 3,01 ⋅ 1024 moléculas.
19. Determine o número de átomos presentes nas quantidades e) 6,02 ⋅ 1023 moléculas e 12,04 ⋅ 1023 moléculas.
de matéria abaixo: 26. (UFU-MG) Assinale a alternativa que contém o maior
a) 0,550 mol de ouro (Au). número de átomos.
b) 15,8 mol de cobre (Cu). a) 3,5 mol de NO2. c) 4 mol de NO.
c) 0,27 mol de alumínio (Al). b) 1,5 mol de N2O3. d) 1 mol de N2O5.
d) 2,88 ⋅ 1018 mol de gás oxigênio (O2).
e) 1,25 ⋅ 1026 mol de ferro (Fe).
27. Em 250 mL de água de coco, há 20 mg de cálcio, 23 mg
de sódio e 156 mg de potássio, além de componentes
20. Calcule o número de átomos, de cada elemento químico químicos. A soma do número de átomos de cálcio, sódio e
existente nas seguintes quantidades de substâncias: potássio existentes nesse volume de água é:
a) 0,8 mol de sulfato de alumínio [Al2(SO4)3]. a) 3,3 ⋅ 1024 átomos. d) 3,3 ⋅ 1021 átomos.
b) 1,5 mol de fosfato de cálcio [Ca3(PO4)2]. b) 2,6 ⋅ 10 átomos.
22
e) 4,0 ⋅ 1023 átomos.
c) 1,02 ⋅ 1025 moléculas de álcool etílico (C2H5OH). c) 1,5 ⋅ 10 átomos.
21

20
28. Em determinado experimento foi medida a massa contida Considerando o elemento arsênio encontrado na lama tó- 1
em três amostras de diferentes substâncias. A este respeito, xica analisada, qual a quantidade desse átomo presentes
julgue os itens abaixo, com C para as corretas e E para as na amostra analisada?
erradas: Dados: MA = 75 g/mol.
2
a) 0,211. b) 2,11 3 1023. c) 0,211 3 1026.
Amostra I II III IV
d) 2,11 3 1027. e) 15,8 3 1023.
Substância H2 O H2 O CO2 CO2 31. Atualmente é utilizado nos aparelhos de ar condicionado, 3
um tipo de gás refrigerante ecológico. Esse gás é chamado
Massa em gramas 18 g 28 g 44 g 28 g de ecológico porque não possui CFCs (clorofluorcarbonos)
– substâncias à base de cloro que são prejudiciais à saúde
1) Em 18 g de H2O estão contidos 6,02 . 1023 moléculas 4
e ao meio ambiente, causando danos à camada de ozônio.
de água.
Ele também não é tóxico e nem inflamável. É formado por
2) A amostra I apresenta a mesma quantidade de entidades
dois gases, o difluormetano (CH2F2) e o pentafluoretano
presentes na amostra III. 5
(CHF2CF3), misturados em uma proporção de 50%/50%
3) Por apresentarem a mesma massa, as amostras II e IV
comercializado em botijões de 11,3 kg. Qual a quantidade
têm a mesma quantidade de moléculas.
de moléculas desses gases, respectivamente, presentes
4) A constante de Avogadro, determinada experimentalmente,
nesse botijão? 6
pode ter seu valor alterado em função do avanço
Dados: MM(CH2F2) = 52 g/mol, MM(CHF2CF3) = 120 g/mol
tecnológico.
5) Nas amostra I e III existem quantidades de átomos a) 0,65 3 1023 e 2,8 3 1023
diferentes. b) 6,5 3 1026 e 2,8 3 1026
DIVULGAÇÃO PNLD

29. Uma das medicações mais atuais e eficientes para c) 6,5 3 1027 e 2,8 3 1027
tratamento de acne severa é a isotretinoína. Essa droga é d) 2,8 3 1027 e 6,5 3 1027
controlada pelo governo, pois apresenta efeitos colaterais e) 2,8 3 1023 e 6,5 3 1023
graves, como a deformidade em fetos. O tratamento é 32. (UFF-RJ) Feromônios são substâncias orgânicas secretadas
longo e depende, também, do peso corporal do paciente. pelas fêmeas de muitos insetos para determinadas funções,
A dose acumulada (soma de todas as cápsulas ingeridas dentre as quais a de acasalamento. Um determinado
ao longo do tratamento) de 120 – 150 mg/kg (3,99 · 10-4 feromônio, utilizado com essa finalidade, tem fórmula
a 4,99 · 10-4 mol/kg) por tratamento. Qual a quantidade de molecular C19H38O e, normalmente, a quantidade secretada
entidades dessa medicação indicada para o tratamento de é cerca de 1,0 3 10-12g.
um indivíduo que pesa 60 kg, respectivamente? Pode-se afirmar que o número de moléculas existentes
a) 2,4 · 10 -23 a 2,39 · 10 -23 entidades. nessa massa é:
b) 2,40 · 10-24 a 2,39 · 10-24 entidades. Dados: C = 12; H = 1; O = 16
c) 2,99 · 10 -4 a 2,39 · 10 -4 entidades. a) 6,0 3 10-23.
d) 2,99 · 10 -5 a 2,39 · 10 -5 entidades. b) 1,7 3 10-17.
e) 2,4 · 10 -24 a 3,0 · 10 -24 entidades. c) 2,1 3 109.
30. Em 2015, um grave acidente, o rompimento das barragens d) 4,3 3 1015.
em Mariana (MG), contaminou o rio Doce e toda a região e) 1,7 3 1020.
com a lama tóxica. 33. (PUCPR) Em 100 g de alumínio, quantos átomos desse
“O resultado da análise laboratorial das amostras de água elemento estão presentes? Dados: M(Al) = 27 g/mol;
coletadas no rio Doce, em Minas Gerais, apontou níveis
1 mol = 6,02 · 1023 átomos.
acima das concentrações aceitáveis de metais pesados,
a) 2,22 · 1024. b) 27,31 · 1023. c) 3,7 · 1023.
como mercúrio, arsênio, ferro e chumbo, na lama que es-
correu para o rio com o rompimento das barragens em d) 27 · 10 .
22
e) 3,7 · 10 .
22

Mariana (MG). O prefeito de Baixo Guandu (ES), confirmou 34. (UFG) O corpo humano necessita diariamente de 12 mg
a informação. de ferro. Uma colher de feijão contém cerca de 2,5 . 1019
‘Para se ter uma ideia, a quantidade de arsênio encontra- átomos de ferro. Quantas colheres de feijão, no mínimo,
da na amostra foi de 2,6394 miligramas e o aceitável é de serão necessárias para que se atinja a dose diária de ferro
no máximo 0,01 miligrama’, afirmou. ‘Encontramos pratica- no organismo? Dado M(Fe) = 56 g/mol.
mente a Tabela Periódica inteira na água’(Estadão, 2015)”. a) 1. b) 3. c) 5. d) 7. e) 9.

21
4 Massa molar e volume molar
Unidades de medida da Química

P ara lidar com quantidades macroscópicas, utilizamos a massa molar,


que se refere à massa de um mol de entidades, pois não é possível
manusear átomos e moléculas isoladas. As entidades das substâncias poderão
SPL DC/Latinstock

ser átomos (55,8 g/mol Fe), moléculas (18 g/mol H2O) ou grupamento de íons
CAPÍTULO 1

(57,5 g/mol NaCl). A massa de um mol de entidades representa a massa da


numerosidade igual ao número de átomos presentes em 12 g de carbono-12,
ou seja, em um mol. Sua definição é:
Vamos entender a que corresponde a massa molar. Obseve os recipientes
nas fotos abaixo, determine a massa molecular das substâncias a partir dos
valores da tabela periódica ao final do livro e identifique o que existe em
comum entre os recipientes.
1 mol de diferentes substâncias terá
massas diferentes, mas o volume no estado
gasoso será o mesmo se estiver nas mesmas
condições de temperatura pressão.

Hely Demutti
DIVULGAÇÃO PNLD

Cloreto de ferro (III) 270,3 g Permanganato de potássio 158 g Cloreto de sódio 58,5 g

1 mol de diferentes sais. Para cada


substância, temos igual número de constituintes,
mas diferentes massas. Sulfato de cobre 249,7 g Nitrato de cobalto 291 g Iodeto de potássio 166 g

Como você já sabe, o padrão utilizado para a determinação das massas


dos átomos dos diferentes elementos químicos é o carbono-12. As substâncias
mostradas aqui, embora em volume e massa diferentes, apresentam algo em
comum: a quantidade de matéria é igual a um mol.
Veja que mol foi definido a partir do valor da massa atômica do carbono-12
expresso em gramas. Nesse sentido, as massas atômicas são relativas, entre
átomos de elementos químicos. Sempre ao se tomar uma quantidade de
substância correspondente ao valor de sua massa molar, teremos aí um mol
de substância.

Massa molar (M) de uma substância é a massa de um


mol dela.

22
A massa molar de uma substância é numericamente igual à sua massa
molecular, mas difere em unidade: a massa molar é dada em gramas por 1
mol (g/mol) e a massa molecular é dada em unidade de massa atômica (u).
A partir da definição de massa molar, podemos determinar a massa em
gramas dos átomos. O valor da massa, em gramas, de um átomo de qualquer 2
elemento químico poderá ser obtido pela divisão da massa molar (massa de
um mol da substância) pela constante de Avogadro, que corresponde ao
número de entidades existentes em um mol (veja a tabela a seguir).
3

VALORES DE MASSA ATÔMICA DE


ALGUNS ELEMENTOS QUÍMICOS 4
Elemento Massa de 6,02 · 10 23
Massa de um átomo
químico átomos
5
Carbono (C) 12,0 g 19,9 ⋅ 10 –24 g

Hidrogênio (H) 1,0 g 1,66 ⋅ 10 –24 g 6

Hélio (He) 4,0 g 6,6 ⋅ 10 –24 g


DIVULGAÇÃO PNLD

Magnésio (Mg) 24,3 g 40,3 ⋅ 10 –24 g

Mercúrio (Hg) 200,6 g 332 ⋅ 10 –24 g

Atualmente, para determinar a massa molar de uma substância, os químicos


utilizam equipamentos chamados espectrômetros de massas. No passado, os
valores de massa das substâncias foram calculados com base nas quantidades
que reagiam com uma massa conhecida de carbono ou outra substância, cuja
massa molar já foi determinada.
Analisando as reações químicas e tendo conhecimento da estrutura atômica
da matéria, é possível encontrar a relação entre as quantidades de massa
das substâncias envolvidas nas reações. Como exemplo, podemos citar a do
dióxido de carbono:

C(s) + O2(g) → CO2(g)

Se conhecermos os valores de massa molar do carbono e a massa


molar do gás oxigênio, a massa molar do dióxido de carbono será a soma
da massa molar do carbono com a do gás oxigênio. Foi a partir de dados
quantitativos de reações químicas, que se foi obtendo a massa molar de
várias substâncias e dessas, a massa molar dos átomos de outros elementos
químicos. Por exemplo, se análises químicas demonstram que o óxido de
magnésio tem como fórmula química MgO e já sabe-se que a sua massa
molar é de 40,30 g e que a massa molar dos átomos de oxigênio é 16 g,
logo, deduz-se que a massa molar dos átomos de magnésio é 24,30 g
(40,30 g - 16 g).

23
No passado, alguns enganos foram cometidos por não serem conhecidas
Unidades de medida da Química

as fórmulas exatas de muitas substâncias. Hoje, com o avanço da Química e


a tecnologia existente, é possível estabelecer a massa molar das substâncias
com grande precisão.
A partir de dados experimentais, os valores de massas atômicas dos átomos
dos elementos químicos foram determinados e estão disponíveis nas tabelas
periódicas. A partir desses valores e conhecendo-se a fórmula química das
CAPÍTULO 1

substâncias, podemos calcular a sua massa molar. Veja como:


A massa molar dos átomos de hidrogênio é 1 g/mol e a dos átomos
de oxigênio é 16 g/mol; logo, pode-se determinar a massa molar do gás
hidrogênio (H2), do gás oxigênio (O2) e da água (H2O).
A massa molar da substância hidrogênio (H2) é igual à massa molar do
hidrogênio multiplicada por dois, visto que as moléculas possuem dois átomos
de hidrogênio:
M(H2) = 2 ⋅ 1 g/mol M(H2) = 2 g/mol
A massa molar da substância oxigênio (O2) é igual à massa molar do
oxigênio multiplicada por dois, visto que as moléculas possuem dois átomos
de oxigênio:
M(O2) = 2 ⋅ 16 g/mol M(O2) = 32 g/mol
A água (H2O) é formada por moléculas que possuem dois átomos de
DIVULGAÇÃO PNLD

hidrogênio e um átomo de oxigênio (H2O); logo, a sua massa molar será:


M(H2O) = 2M(H) + M(O) M(H2O) = 2 ⋅ 1 g/mol + 16 g/mol M(H2O) = 18 g/mol

Volume molar
Conforme estudamos, Amedeo Avogadro postulou a hipótese de que
volumes iguais de gases, sob as mesmas condições de temperatura e pressão,
contêm o mesmo número de constituintes, ou seja, o mesmo número de
moléculas. Essa hipótese de Avogadro tem sido confirmada pelos estudos
desenvolvidos até hoje e, a partir dela, conclui-se que um mol de qualquer gás
vai ocupar sempre o mesmo volume sob as mesmas condições de temperatura
e pressão. É daí que se tem o conceito de volume molar, que corresponde
ao volume ocupado por 1 mol de entidades elementares (átomo, íons ou
moléculas) da substância.

Volume molar (Vm) é o volume ocupado por um mol de


entidades elementares de uma substância.

O volume molar pode se referir também ao volume da substância no


estado sólido, mas, em geral, o interesse nos cálculos químicos está no volume
molar dos gases, por isso, trataremos do volume molar dos gases. Como
já visto, o volume de qualquer gás depende das condições em que ele se
encontra. Assim, é muito importante, quando nos referirmos ao volume
molar, especificarmos a temperatura e a pressão em questão, variáveis que
afetam o volume do gás.
Atualmente, foram definidas como referência a temperatura de 273,15
kelvin (0 °C) e a pressão de 100 000 Pa (0,9869 atm), valores denominados
condições normais de temperatura e pressão (CNTP).

24
Condições Normais de Temperatura e Pressão – CNTP 1
T = 273,15 K ou t = 0 °C
P = 100 000 Pa
Pa = 1 bar = 0,9869 atm = 750,06 mmHg 2

A determinação experimental, reconhecida atualmente, para o volume molar de qualquer gás, nas CNTP, é de
aproximadamente 22,71 L/mol (22,710 953 ± 0,000 021 L ⋅ mol−1). 3

O volume molar (Vm) de qualquer gás nas CNTP é igual


a 22,71 L/mol. 4

Observe que o valor de 22,71 L, para volume molar, é obtido considerando-se as CNTP, como a pressão de
cem mil pascals (100 000 Pa) e a temperatura igual a 273,15 kelvin (0°C). Você encontrará livros e questões de 5
vestibulares antigos que, no entanto, apresentam o volume molar como 22,4 L, por considerar a antiga definição
de pressão-padrão nas CNTP igual a 1 atm (101 325 Pa).
6
Conversões de unidades relacionadas
à quantidade de matéria
DIVULGAÇÃO PNLD

Os químicos normalmente utilizam as grandezas massa, quantidade de matéria e volume para medir os materiais.
Vejamos as principais relações que, em geral, são estabelecidas entre essas grandezas.

Relação entre quantidade de matéria e massa


A conversão de quantidade de matéria (n) para massa (m) é feita pela massa molar (M). Assim, por exemplo, a massa
molar da água é 18 g/mol, o que significa:

18 g de H2O = 1 mol de H2O

Dessa igualdade podemos obter outras duas:


a. dividindo-se os dois termos por 1 mol de H2O; ou
b. dividindo-se os dois termos por 18 g de H2O.

Assim, teremos os seguintes fatores de conversão:

18 g H2O 1 mol H2O


a. =1 b. =1
1 mol H2O 18 g H2O

O primeiro fator de conversão transforma quantidade de matéria em massa. O segundo transforma massa em quanti-
dade de matéria. Para isso, basta multiplicar a grandeza que se quer converter pelo respectivo fator de conversão. Veja os
exemplos a seguir:
1. Qual é a massa de 1,5 mol de água?
18  g  H2 O
)
m ( H2 O   =  1, 5  mol H 2O  ⋅ 
1 mol  H2 O
  =  2
27  g  H2 O

2. Qual é a quantidade de matéria (n) existente em 63 g de água?


1 mol  H2 O
)
n (H2 O   =  63  g  H 2O ⋅  
18  g  H2 O
  =  3 , 5 mol  H2 O

25
Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.
Unidades de medida da Química

Para responder às questões, caso necessário, consulte os no valor de 100 u, isso teria algum efeito sobre a constante
dados de massa atômica na tabela periódica no final do livro. de Avogadro? Explique.
35. Qual é a diferença entre massa molecular e massa molar? 43. Conservantes são substâncias que impedem ou retardam as
36. (EE Mauá-SP) Uma vez que as massas atômicas do oxigênio alterações dos alimentos, provocadas por microrganismos
e do sódio são, respectivamente, 16 u e 23 u, então a massa ou enzimas. Como conservantes antimicrobianos são
utilizadas as substâncias: nitrito de sódio (NaNO2), nitrito
CAPÍTULO 1

de 23 átomos de oxigênio é a mesma que a de 16 átomos


de sódio. Essa afirmativa é verdadeira ou falsa? Justifique. de potássio (KNO2), nitrato de sódio (NaNO3) ou nitrato de
potássio (KNO3). Por lei, no Brasil, o limite máximo desses
37. Quais são os fatores que interferem no volume molar de conservantes é de 0,20% em massa.
um gás? a) Com a tabela periódica em mãos, calcule as massas
38. Anfetamina ou benzedrina (C9H11NH2) é uma droga molares desses conservantes.
que provoca dependência química. A partir da fórmula b) Quantos gramas de cada tipo de conservante podem
molecular, dê a massa molecular e a massa molar. ser adicionados a 1 quilograma de salsicha?
39. O açúcar usado em casa contém sacarose (C12H22O11), substância c) A que quantidade de matéria de cada sal corresponde
vital para as necessidades básicas humanas. É metabolizada essa massa?
pelo organismo rapidamente e é muito energética. No entanto, 44. Clostridium botulinum é a bactéria que provoca intoxicação
por ser muito calórica, algumas pessoas, por motivos estéticos alimentar, o botulismo. Ela produz a toxina chamada botulina,
ou de saúde, devem evitar sua ingestão. muito utilizada com o nome Botox em tratamentos estéticos,
a) Calcule a massa molecular e molar da sacarose. para minimizar rugas e linhas de expressão da face. Para evitar
b) A sacarose e outros açúcares são substituídos por intoxicação, não consuma conservas alimentícias vindas de
adoçantes artificiais. Pesquise o nome de alguns lata estufada ou que tenham odor de ranço, característico
adoçantes mais comuns e quais são as consequências da formação do ácido butírico (H8C4O2). Considerando essas
informações e seus conhecimentos, responda:
DIVULGAÇÃO PNLD

do uso desses produtos.


a) Se a toxina botulina é tão grave para a saúde, como se
40. O sulfato de alumínio [Al2(SO4)3] é uma substância, desde explica a utilização em tratamento estético?
a Antiguidade, usada para o tratamento da água. Essa b) Para o homem, a dose letal (DL50) da ingestão de
substância provoca a aglutinação da matéria suspensa, botulina é cerca de 1 mg. A que quantidade de matéria
formando flocos mais densos que a água e que se de ácido butírico corresponde essa dose?
sedimentam no fundo dos tanques de tratamento. Calcule 45. Consultando a tabela de valores de massa atômica, calcule
a massa molecular e a massa molar dessa substância. a massa molecular das seguintes substâncias:
41. Certos minerais têm resistência ao serem riscados por outro a) Ácido sulfúrico (H2SO4).
material. Essa propriedade é chamada dureza. O mineral b) Hidróxido de cálcio [Ca(OH)2].
de menor dureza tem o valor 1 e o de maior dureza tem c) Fosfato de cálcio [Ca3(PO4)2].
o valor 10. Observe, em alguns minerais, a dureza e a d) Álcool etílico (C2H5OH).
fórmula molecular. e) Ferrocianeto de potássio [K4Fe(CN)6].
f) Cloreto de bário di-hidratado (BaCl2 ⋅ 2H2O).
Dureza Mineral Fórmula
46. As medidas são necessárias à sociedade. No caso de
átomos e moléculas, julgue os itens em C para os corretos
1 Talco Mg3Si4O10(OH)2 e E para os errados:
1) Sabendo que a massa atômica da prata é igual a 108
2 Gipsita CaSO4 · 2 H2O
u, podemos afirmar que um átomo de prata pesa 108
vezes mais que o átomo de 12C.
5 Apatita Ca5(PO4)3
2) A massa molecular é numericamente igual à soma das
9 Coríndon Al2O3 massas atômicas de todos os átomos da molécula.
3) Para lidar com quantidades mais significativas, utiliza-se
a) Consultando a tabela periódica, como você representaria a massa molecular, que se refere à massa de um mol de
a massa atômica de cada elemento, a massa molecular entidades.
e a massa molar de cada substância encontrada no 4) O volume molar de um gás é o volume ocupado por um mol
quadro acima? desse gás, a uma determinada pressão e temperatura, ou
b) Se riscarmos o talco com a gipsita, qual deixará o traço seja, o volume é diretamente proporcional à quantidade
sobre o outro? de matéria de um gás.
c) Qual mineral não deixa o traço em nenhum dos outros 5) Para sólidos e líquidos, o volume molar depende, entre
minerais citados acima? outras coisas, da natureza da substância, mas para
42. Se a escala de massa atômica tivesse sido definida gases ele só dependerá das condições da temperatura,
diferentemente, em que 1 (um) átomo de 126C tivesse massa qualquer que seja a natureza do gás.

26
47. A benzedrina é um remédio utilizado por pacientes que 53. Uma pessoa utiliza 0,5 mol de açúcar (C12H22O11) para 1
sofrem de depressão. A dose diária indicada é de 10 mg adoçar uma garrafa de café. A quantidade de açúcar que
de benzedrina (C9H13N). Empregando os dados da tabela deve ser colocada na garrafa é:
periódica, calcule: Dado: massa molar do açúcar = 342 g/mol.
a) A massa molar da benzedrina. a) 330 g. b) 171 g. c) 165 g. d) 140 g. e) 150 g. 2
b) A quantidade de matéria de benzedrina que se encontra
nos 10 mg.
54. O elemento oxigênio encontra-se na atmosfera na forma
de gás oxigênio (O2) e de gás ozônio (O3). O gás oxigênio é
48. A cafeína é um excitante do sistema nervoso, portanto,
beber café é desaconselhável a pessoas nervosas e o segundo componente mais abundante do ar atmosférico. 3
excitáveis. O Comitê Olímpico Internacional (COI) proíbe Ele corresponde a 21% do volume do ar seco e sem
altas doses de cafeína. Atletas olímpicos com mais de 12 mg poluentes. É impossível a sobrevivência da maioria dos
de cafeína por mL de urina podem ser desqualificados da seres vivos sem oxigênio. Qual o volume ocupado por 5
4
competição. Agora responda às questões a seguir, sabendo mol desse gás nas CNTP?
que a fórmula molecular da cafeína é C8H10O2N4. Dado: volume molar = 22,71 L/mol nas CNTP.
a) Calcule a massa molar da cafeína.
55. Para você temperar a carne, são necessários condimentos 5
b) Qual seria a quantidade de matéria de cafeína encontrada
que a conservem. O alho é importante porque contém uma
em 12 mg de cafeína?
substância, denominada alicina (C6H10OS2), que atua como
c) Em quais produtos podemos encontrar a cafeína?
conservante, inibindo a ação das enzimas que aceleram a
d) Pesquise os pontos positivos e negativos da cafeína na
decomposição da carne. O cravo-da-índia, por exemplo, 6
alimentação diária do ser humano.
contém uma substância conservante, denominada eugenol
49. O boro (B) é encontrado em alimentos, como frutas,
[C3H5C6H3(OH)OCH3], que possui ação antioxidante,
verduras e legumes em quantidades muito pequenas.
prevenindo o ranço (produto da reação entre o oxigênio e
É ótimo para a prevenção contra a osteoporose. São
DIVULGAÇÃO PNLD

recomendados 3 mg diariamente. Mas deve-se tomar a gordura da carne) e evitando o aparecimento de bolor.
cuidado ao ingerir cápsulas de 3 mg de borato de sódio Com os seus conhecimentos, julgue os itens considerando
(Na3BO3), pois podem aumentar a produção de estrogênio C para os corretos e E para os errados.
e testosterona (hormônios sexuais feminino e masculino). 1) Os conservantes e antioxidantes naturais são menos propensos
a) Em que situações é aconselhada a ingestão de cápsulas a causar doenças, como o câncer, no ser humano.
de borato de sódio? 2) As massas molares da alicina e do eugenol são 164 e 162 g/
b) Qual seria a quantidade de matéria de boro em 3 mg? mol, respectivamente.
50. O óxido de zinco (ZnO) é muito útil em preparados 3) Em 1 mol de alicina existe menor quantidade de átomos que
cosméticos, pois tem propriedades antimicrobianas e em 1 mol de eugenol.
cicatrizantes, além de servir como bloqueador solar. Se 4) Normalmente, reações provocadas pela ação do ar, da luz, do
prepararmos bloqueador caseiro e acrescentarmos 10 g de contato com metais etc. deixam o alimento com cheiro ruim
óxido de zinco pulverizado, qual seria a quantidade dessa característico e impróprio para o consumo. O antioxidante
matéria encontrada nesse bloqueador solar? serve para retardar essa reação.
51. Algumas pessoas usam produtos que dão à pele a 56. Vários carros possuem airbag como dispositivo de
tonalidade bronzeada, sem precisar tomar sol. Neles, há uma
segurança. No momento em que ocorrem colisões, a
substância chamada DHA ou di-hidroxiacetona (C3H6O3). O
reação química de decomposição de uma substância
bronzeamento é a combinação química entre o DHA e a
chamada azida de sódio (NaN3) libera grande quantidade
ceratina (proteína encontrada na pele). A seguir responda:
de gás nitrogênio (N2). Acerca desse processo responda
a) Quais as vantagens de se utilizar esse produto?
as questões abaixo:
b) Qual seria o número de moléculas de DHA encontradas em
a) Qual a quantidade de matéria liberada em um airbag, cujo
um recipiente de aproximadamente 120 g desse produto?
volume seja de 12 litros em condições normais de temperatura
52. O ácido sulfúrico (H2SO4) é um líquido incolor, oleoso e e pressão?
muito corrosivo. Apesar de amplamente utilizado na
b) Quantas gramas de gás N2 estarão presentes dentro do
fabricação de fertilizantes, filmes, explosivos, acumuladores
airbag?
de baterias e refino de petróleo, o seu contato com a pele
pode provocar a destruição dos tecidos. Ao ser inalado, 57. O monóxido de carbono (CO) é um gás incolor e inodoro,
causa danos às vias respiratórias do organismo. Qual é a entretanto, sua ingestão pode causar dores de cabeça,
massa, em gramas, existente em 5 mol dessa substância? dificuldades na visão até morte por asfixia. Qual o volume
Dados: S = 32 g/mol; H = 1 g/mol; O = 16 g/mol. ocupado por 33 g de monóxido de carbono em condições
a) 480 g. b) 190 g. c) 290 g. d) 580 g. e) 490 g. normais de temperatura e pressão (CNTP)?

27
5 Consumo sustentável:
Unidades de medida da Química

redução, reúso e controle

Hely Demutti
CAPÍTULO 1

No consumo sustentável segue-se a regra


dos 3 erres: Redução, Reúso e Reciclagem. O
reúso é uma forma de manter os produtos em
circulação.

C omo iremos estudar neste capítulo, a estrutura econômica de nossa


sociedade está organizada de forma a favorecer o consumismo,
afetando o comportamento das pessoas. O paradigma dominante, do ponto
de vista econômico, é de que o crescimento depende do aumento contínuo
da produção e do consumo de bens e serviços, assim como a melhoria da
PARE E PENSE
qualidade de vida.
Como consumir de maneira Podemos dizer que paradigma corresponde aos conteúdos de uma visão
DIVULGAÇÃO PNLD

sustentável? de mundo, os valores e os “preconceitos” que cada um possui em relação a


Que produtos químicos podem es- seu modo de vida e ao entendimento de como funciona a sociedade. Então,
tar sendo desperdiçados em sua resi- o paradigma atual se fundamenta no estímulo constante ao consumismo. O
dência, por erros de cálculos? que estamos desenvolvendo neste livro é exatamente um paradigma ambiental
contrário a esse consumismo. A cada ano, o consumo supera mais rapidamente
a capacidade de regeneração do planeta.
Os efeitos resultantes do consumo excessivo são as mudanças climáticas, a
poluição e o desgaste de diferentes ambientes, além da extinção de espécies
vivas, animais e vegetais. Esses problemas tornam o planeta insustentável
ambientalmente e acirram as desigualdades na distribuição dos bens de consumo.
Gamma

Em geral, o usufruto do consumo fica com uma minoria mais rica e os efeitos
negativos refletem mais diretamente na maioria desprovida de condições para
enfrentar as adversidades provocadas pelas mudanças.
O conceito de consumo sustentável surgiu, em 1992, durante a Conferência
das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de
Janeiro. Consumo sustentável significa saber usar os recursos naturais para
satisfazer as nossas necessidades sem comprometer as necessidades
e aspirações das gerações futuras. Ou seja, saber usar para nunca faltar.
A utilização do termo “recurso” tem sido criticada por ambientalistas, por
passar a ideia de que a Natureza está a serviço da humanidade e não o que
se considera correto: a humanidade é parte da Natureza; não sua “dona”.
Assim, também tem sido criticada a expressão desenvolvimento sustentável,
que passou a ser empregada pelas empresas como justificativa para o aumento
do consumo. À margem dessa discussão, o que se defende é uma sociedade
sustentável igualitária.
“A Terra possui recursos suficientes para prover
Sociedade sustentável significa que todos têm direito ao acesso mínimo
as necessidades de todos, mas não a avidez de às condições que garantam um padrão básico de qualidade de vida digna.
alguns.” Não se pode admitir um padrão superior que comprometa a vida de outros,
Mahatma Gandhi nem é eticamente aceitável e socialmente justo que se pense em um consumo
(1869-1948) em que as pessoas não tenham suas necessidades básicas de vida, educação,

28
saúde, moradia e lazer satisfeitas. Pensar em sociedade sustentável é também

Rodrigo Baleia
defender os direitos de minorias discriminadas e desprotegidas. Para isso, 1
são necessárias ações em diversos níveis, desde o governamental até o
individual. O acesso a bens de consumo essenciais, para garantir os direitos
básicos do cidadão, depende de leis e políticas governamentais. A adoção de 2
tecnologias sustentáveis depende de investimentos e mudanças empresariais
para privilegiar práticas ambientais. Sem mudanças estruturais na política e
na economia, tanto em nível nacional quanto internacional, pouco se muda
globalmente. Porém, a partir de ações individuais da população, podemos 3
pressionar essas mudanças. Elas começam por ações políticas de reivindicação
e pressão aos políticos e aos empresários e passa também por mudanças
em hábitos de consumo. Vejamos algumas mudanças que podemos adotar. 4

Somos todos responsáveis pela preservação


do nosso planeta. Você está fazendo a sua 5
J. Yuji

parte?

Estimativas apontam que, se toda a


6
população mundial tivesse o padrão de vida
médio de alguns povos, seriam necessários
vários planetas para suprir as necessidades.
A princípio, não teria problema se o padrão
DIVULGAÇÃO PNLD

adotado fosse o chinês. No entanto,


eles, assim como todo o Terceiro Mundo,
querem ter padrões parecidos com os dos
americanos franceses ingleses espanhóis alemães japoneses chineses países desenvolvidos. Como ficaria o
5,1 3,1 3,1 3,0 2,5 2,4 0,9 planeta Terra?
Osvaldo Sequetin

Teto de consumo

Piso de consumo

Os consumidores devem adotar, em suas


escolhas de compra, um compromisso ético,
uma consciência e uma responsabilidade quanto
aos impactos sociais e ambientais que suas
escolhas e seus comportamentos podem causar
a ecossistemas e a outros grupos sociais, às
vezes, geográfica e temporariamente distantes.

29
Redução do consumo
Unidades de medida da Química

Devemos colocar limite em nosso consumo: mesmo que tenhamos


AMj Studio

condições financeiras favoráveis. Precisamos mudar de estilo de vida.


Por exemplo, no início dos anos 1970, no mundo, gasolina não era
problema. A ideia que as pessoas tinham era de que o petróleo fosse
uma fonte inesgotável. Os motores dos carros não eram econômicos,
CAPÍTULO 1

alguns carros chegavam a gastar 1 litro de gasolina para rodar três


quilômetros; o que importava era a potência do motor. Um fato
mudou o rumo dessa história! Uma crise no fornecimento de petróleo,
em 1973, provocou grande aumento no seu preço.
A possibilidade da falta de petróleo alterou o comportamento
O preço do desperdício pode ser pago
das pessoas e significou uma mudança em alguns paradigmas. Com
mais rápido do que se imagina. o tempo, os carros econômicos passaram a ser as vedetes do momento,
os modelos mais procurados. Foram desenvolvidos motores com melhor
relação custo-benefício, novas fontes alternativas de combustível, álcool,
biodiesel, entre outros. O paradigma da produção de veículo mudou para o
desenvolvimento de automóveis mais econômicos.
Divulgação
J. F. Diorio/Agência Estado/AE

Rodrigo Baleia/Folhapress
DIVULGAÇÃO PNLD

Carros muito poluentes, motos


caríssimas, joias e casacos de couro Ocorre que isso não mudou o paradigma do modelo econômico para o
são bens de consumo de luxo dispensáveis ambiental. O comportamento dominante das pessoas continua sendo movido
e ambientalmente inadequados em uma mais por condições econômicas do que ambientais. Ou seja, buscam um modo
sociedade sustentável. de vida que traz mais benefícios para elas. O novo paradigma que se quer
implantar é o de se pensar em um modo de vida que não apenas beneficie
economicamente o indivíduo, mas que considere um custo social aceitável.
Há uma atitude simples que você pode adotar, que tem sido chamada por
ambientalistas, de “preciclar”. Não, não está escrito errado, é isto mesmo:
PRECICLAR! Preciclar refere-se à atitude de pensar antes de comprar. Significa
“pensar que a história das coisas não acaba quando as jogamos no lixo.
Tampouco acaba a nossa responsabilidade”.
Hely Demutti

Hely Demutti

Uma forma de saber se o que estamos


consumindo é adequado, é nos habituarmos a ler
os rótulos dos produtos.

30
Reúso 1
Além da redução do consumo, devemos pensar na reutilização de materiais,
o que pode ser feito de diversas maneiras, como a doação a entidades
assistenciais. Pensar em consumo sustentável é pensar em redução de consumo
2
e na reutilização de materiais. Veja outros exemplos no boxe da página 35
que exemplificam atitudes desse tipo.
Como já visto, reutilizar materiais corresponde ao segundo “R” do princípio
de preservação ambiental: reduzir o consumo, reutilizar os materiais e reciclar. 3
Existem diferentes maneiras de reutilizar os materiais: papéis podem ser usados
como rascunho; sacolas plásticas podem ser usadas para condicionar o lixo
doméstico; embalagens de papelão, plásticos e vidros podem ser reaproveitadas
4
para guardar objetos diversos, evitando a compra de embalagens para esse fim.
Um dos principais problemas enfrentados, atualmente, no destino dos
materiais, decorre da política da obsolescência programada, a qual consiste
na prática adotada de planejar estratégias de reduzir a vida útil dos produtos. 5
Introduz-se materiais de pouca durabilidade que impedem, em pouco tempo,

Hely Demutti
o correto funcionamento do produto. Inclui-se, nessa prática, a de fabricar
produtos fechados, de forma que a danificação de qualquer parte exige a 6
substituição de toda a peça que contém materiais em perfeitas condições
de uso. Muitas empresas também se negam a vender peças de reposição,
obrigando o consumidor a substituir todo o equipamento. Para combater
essas práticas, torna-se necessário priorizar a compra de equipamentos que
DIVULGAÇÃO PNLD

permitem a reposição de peças. Deve-se adotar a prática de conserto de


equipamentos, além de mover ações judiciais exigindo a reposição pela
indústria das peças danificadas.
Deve-se destacar que a Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, que instituiu
a Política Nacional de Resíduos Sólidos, estabelece a responsabilidade
compartilhada entre Poder Público, fornecedores de produtos e consumidores,
sobre o ciclo de vida dos produtos, suas embalagens e a forma correta do
descarte de pilhas, pneus, óleos, lâmpadas, produtos eletrônicos e demais
componentes, a fim de evitar não só a Obsolescência Programada, mas
também o manejo incorreto de todo o lixo e sua devida reciclagem. A nossa Atitudes simples fazem a diferença!
mudança de hábito vai obrigar a mudança na política empresarial. Leve sempre sua sacola quando for ao
Esgotada toda a possibilidade de reparo dos equipamentos, deve-se buscar supermercado.
um destino adequado. Muitos aparelhos eletrônicos podem ser usados, por

Eugenio Moraes/Hoje em dia/AE


oficinas, como recurso didático no treinamento de técnicos. Em último caso,
devemos entregar o chamado lixo eletrônico nas oficinas autorizadas que
são obrigadas, por lei, a enviarem às indústrias para que reciclem o que for
possível e destine, adequadamente, o refugo.

Controle do uso de materiais


Quantos quilos de sabão em pó uma família de cinco pessoas gasta por
mês? Qual seria a necessidade básica de consumo mensal de detergente
nessa mesma família? Sabonetes e xampus: será que você gasta mais do
que o necessário? Costuma sobrar comida em seu prato? Por quê? Você já
contabilizou o desperdício em sua casa?
Todos os dias, se desperdiçam grandes quantidades de alimentos, produtos
de limpeza, combustíveis, água, energia elétrica, entre outros motivos, pelo
Doação de roupas a entidades assistenciais
fato de as pessoas não fazerem cálculos corretamente, nem prestarem atenção
deve ser uma atitude constante e não apenas
na importância que o bom uso dos bens materiais apresenta para a saúde em campanhas emergenciais, em situações de
financeira e para o ambiente. calamidade pública.

31
Unidades de medida da Química

AMj Studio

Lalo de Almeida/Folha Imagem


CAPÍTULO 1

Infelizmente, muitas pessoas ainda têm o hábito de lavar calçadas, Se há sobra de comida no prato é porque foi estimada uma
desperdiçando um bem tão precioso. quantidade a ser consumida superior ao que, de fato, era necessário.

De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas


Hely Demutti

(Sebrae), no Brasil, 30% da produção de serviços e bens são desperdiçados


pela falta de qualidade. Nos EUA e no Japão, esse valor varia em torno de
4%. De certa maneira, existe uma cultura brasileira, a cultura da fartura, cujo
princípio é melhor sobrar do que faltar! Conforme a Associação Brasileira de
Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o desperdício
de alimentos no Brasil chega a 40% do que é produzido. O que significa
serem jogados no lixo perto de 60% do que compramos, e representa cerca
DIVULGAÇÃO PNLD

de 26,3 milhões de toneladas de comida jogadas fora. Um exagero para um


país que apresenta altos índices de desnutrição.
O desperdício acontece de várias formas. Uma delas é o consumo de
quantidades maiores do que as necessárias. O descarte de um bem, em boas
condições de uso para substituí-lo por um mais novo, é outro modo comum
Dados da Secretaria de Desenvolvimento
Urbano do Governo Federal brasileiro revelaram
de desperdício. Quantas pessoas trocam de celular só para terem um modelo
que, em 2003, 40% de toda a água tratada mais “moderno”? O desperdício pode ser causado pelo uso inadequado de um
e distribuída foram desperdiçados, o que equipamento ou material. Ligar um aparelho elétrico em uma voltagem maior,
representou prejuízo de 1 bilhão de dólares. não lubrificar engrenagens, e fazer uso inadequado para a função desejada são
exemplos de atitudes que podem ocasionar danos aos equipamentos.
Entre as diversas fontes de desperdício, estão as relacionadas aos erros
de medida, ou até mesmo à falta dessa prática. É nesse sentido, que
Hely Demutti

desperdiçamos materiais de limpeza, quer usando em quantidade inferior à


necessária, o que leva a não alcançar o efeito desejado, quer empregando
quantidade superior, o que provoca até mesmo o risco de acidentes. Daí a
importância do estudo e da prática do uso correto de medidas que iremos
dar continuidade neste e nos próximos capítulos.
Hely Demutti

A medida certa garante boa limpeza e Na construção civil, o desperdício atinge 25%. Isso leva ao aumento em até 10% do
economia. preço final do imóvel.

32
Quando utilizamos produtos químicos em quantidades indevidas,

Hely Demutti
corremos o risco de obter resultados indesejáveis e até desastrosos. 1
Se você acha que usar maior quantidade de sabão, detergente ou qualquer
outro produto de limpeza aumenta a eficácia da limpeza, está enganado...
Pode ocorrer o contrário! 2
O ácido bórico, por exemplo, substância encontrada em loções e
desodorantes, é um eficiente antisséptico: impede a proliferação de
bactérias e fungos responsáveis pelo mau cheiro. Contudo, deve ser utilizado
com cuidado, pois, em altas concentrações, pode provocar irritação na 3
pele, depressão do sistema nervoso central e lesões renais e hepáticas.
É fundamental que estejamos atentos às recomendações descritas nos rótulos
dos produtos, pois, algumas vezes, os fabricantes aconselham o uso em 4
quantidade superior à necessária para estimular o consumo. É nesse sentido,
que aprender a fazer cálculos é essencial. Eles fazem parte do dia a dia, bem
como de todos os processos industriais. Observe, então, que é muito importante,
5
para tomar qualquer decisão e fazer bom uso dos diversos materiais empregados
no cotidiano, que tenhamos conhecimentos básicos sobre a Química neles
envolvida. Daí a necessidade de reconhecer o estudo dos materiais como fonte
de indispensável informação para todo e qualquer cidadão. 6
A maioria dos materiais que nos rodeia é originada de processos químicos
de transformações industriais. A indústria utiliza materiais que são extraídos
de rochas (os metais), vegetais (a celulose), animais (a gelatina), água do mar
DIVULGAÇÃO PNLD

(sal), petróleo (os detergentes) e muitas outras fontes naturais. Os materiais


usados nos processos iniciais e que serão transformados são denominados
matérias-primas, cujas fontes podem ser recursos renováveis ou não renováveis. Todas as embalagens de produtos
devem ter a especificação correta do modo de
O uso indiscriminado de materiais extraídos da natureza tem gerado sérios uso do material, o que deve incluir a finalidade
problemas ambientais. Primeiro, grandes áreas naturais têm sido devastadas, e a quantidade adequada a ser administrada.
ocasionando a morte de espécies biológicas, com o consequente desequilíbrio
ecológico. Segundo, diversos materiais lançados no ambiente provocam transformações de outros materiais, causando
diferentes desequilíbrios ambientais. Além disso, a não renovação dos recursos naturais contribui para o esgotamento
destes, privando as gerações futuras de sua utilização.
Um desafio da indústria, por exemplo, é reduzir o consumo de água. Esta tem sido consumida, atualmente, em
maior quantidade, em atividades da agroindústria e da indústria que não são diretamente relacionadas ao consumo
humano, embora estejam relacionadas à produção de alimentos e de materiais de uso humano. A falta de planejamento
nessas atividades tem contribuído para a escassez de água diretamente para uso humano. Veja os dados dos gráficos,
na próxima página, sobre a quantidade de água consumida em diferentes atividades.
Esse aproveitamento é feito por meio de cálculos precisos sobre a quantidade correta a ser utilizada de cada matéria-
prima no processo industrial. Tais cálculos também devem ser feitos no dia a dia por todos, para racionalizar o consumo
dos produtos químicos. É óbvio, que isso não será feito com a mesma precisão da indústria, mas seguirá o mesmo
princípio de seus cálculos.
Lembre-se, portanto, que o problema do consumo elevado não implica apenas o comprometimento do orçamento
doméstico, mas, sobretudo, o agravamento de problemas ambientais, cujas consequências afetam toda a sociedade.
Hely Demutti

Hely Demutti
Hely Demutti

O petróleo é matéria-prima para diversos


produtos industriais, como óleos lubrificantes,
tintas, esmaltes, detergentes etc. O uso
indiscriminado de seus subprodutos levará ao
esgotamento dessa fonte não renovável, o que
representará um problemão!

33
Unidades de medida da Química

Consumo de água na produção industrial

O. Sequetin
100 000
consumo de água (L)

400 000 L

324 L
CAPÍTULO 1

20 L
250 10 L
10
1 kg de papel 1 kg de aço 1 kg de gasolina 1 carro

100 000
consumo de água (L)

100 000 L
10 850 L

32 L
250
10
1 microchip 1 calça jeans 1 kg de alumínio
DIVULGAÇÃO PNLD

Consumo de água em atividades humanas do cotidiano

O. Sequetin
100 000 Escovação de dentes, Vaso sanitário com caixa Lavagem de rosto por 1 Escovação de dentes por
molhando a escova e acoplada: 3 a 6 L por minuto, com a torneira 5 minutos, com a torneira
fechando a torneira enquanto descarga. meio aberta. não muito aberta.
escova os dentes e enxaguar
consumo de água (L)

a boca com um copo de água.

250

2,5 L 2,5 L 12 L
10 0,5 L

100 000
Vaso sanitário com válvula Banho com chuveiro Lavadora de louças com Banho de ducha por 5
e tempo de acionamento elétrico por 5 minutos, com capacidade para 44 minutos, com o registro
de 6 segundos. o registro meio aberto. utensílios e 40 talheres. meio aberto.
consumo de água (L)

250

15 L 40 L 45 L
12 L
10

Banho com chuveiro Lavar louça com a Banho de ducha por Molhar as plantas
100 000
elétrico por 15 minutos, torneira meio aberta, 15 minutos, com o durante 10 minutos.
com o registro meio aberto. em 15 minutos. registro meio aberto.
consumo de água (L)

250
135 L 186 L
117 L
45 L

10

34
A partir deste capítulo, você vai estudar sobre unidades de medidas

alexdans/iStock
adotadas pelos químicos e verá nos próximos capítulos como os químicos 1
efetuam cálculos precisos para obter a composição ideal dos produtos e como
podemos usá-los diminuindo o desperdício.
Esperamos que, ao longo desse estudo, você reflita sobre essas questões e 2
busque mudança de hábitos para fazer uso mais racional de diferentes produtos
químicos. Faça sua parte: pense sustentável! Se déssemos importância para
pequenos detalhes e mais valor para as coisas, a dinâmica de desperdício
poderia ser modificada. 3
Existe uma diversidade de produtos
de higiene e limpeza à nossa disposição,
mas o uso em excesso agrava os problemas
ambientais, pois os resíduos, em grande parte, 4
são lançados em águas de rios e mares.

5
Atitude Sustentável

Reduzir
6
• Evitar imprimir documentos que podem ser lidos na tela do computador.
• Reduzir o uso de papel, diminuindo margens, tamanho de letras e espaçamento.
• Evitar consumo desnecessário, programando as compras com uma lista de necessidades, não se deixando
levar por promoções, nem anúncios apelativos.
DIVULGAÇÃO PNLD

• Diminuir o consumo de pilhas e utilizar pilhas recarregáveis.


• Substituir materiais descartáveis por materiais duráveis.
• Diminuir o consumo de tudo o que for possível! Pensar antes da compra: será que preciso mesmo disso?

Reutilizar
• Reutilizar tudo o que se puder.
• Consertar objetos e equipamentos em vez de descartá-los.
• Procure trocar, reformar ou vender roupas, móveis, aparelhos eletrodomésticos, brinquedos, objetos de
decoração e outros antes de substituir por novos.
• Fazer doações de roupas, calçados, brinquedos.
• Carregar caneca para evitar o uso de copos descartáveis.
• Utilizar, como rascunho, as folhas que já foram usadas em um lado.
• Reutilizar envelopes.
• Reutilizar potes de vidro e de plástico, embrulhos, embalagens de presente, sacolas plásticas, caixas de
papelão etc.
• Aproveitar cascas de legumes e frutas no preparo de alimentos alternativos ou separá-las para compostagem
de adubo orgânico.

Reciclar
• Favorecer a reciclagem.
• Usar produtos recicláveis. A reciclagem é uma alternativa que demanda menos processo de industrialização e,
consequentemente, menos emissão de gases poluentes.
• Separar os resíduos para sua coleta seletiva.

Contribuir para a educação e as ações de cidadania


• Ajudar a conceber medidas para a sustentabilidade como melhoria que garanta o futuro de todos e não como
limitação, impulsionando o reconhecimento social das medidas positivas.
• Respeitar e fazer respeitar a legislação de proteção do meio ambiente para defesa da biodiversidade.

35
Unidades de medida da Química

• Evitar contribuir para a contaminação sonora, luminosa ou visual.


• Não deixar resíduos em parques, praia, lagos.

Kasia Bialasiewicz/Shutterstock
• Ter cuidado para não danificar a flora e a fauna.
• Reivindicar e apoiar políticas de corresponsabilidade no destino
adequado de resíduos.
• Reivindicar maior durabilidade dos produtos.
• Engajar-se em grupos de consumo ético e solidário.
CAPÍTULO 1

Participação Cidadã
1. De acordo com os princípios da sustentabilidade, devemos trocar um aparelho eletrônico em perfeito funcionamento,
por um mais novo tecnologicamente? Justifique sua resposta.
2. Relacione o maior número possível de materiais descartáveis e monte um quadro identificando o material, a finalidade
de seu uso e possíveis alternativas para substituí-lo por outros não descartáveis, ou medidas para diminuir seu consumo.
3. Relacione possíveis materiais que possam ser reaproveitados e a forma do seu reaproveitamento.
4. Ordene os itens abaixo, considerando o que você julga mais importante na hora de decidir sobre qual material usar:
• bem-estar • segurança • prazer • saúde • preservação do meio ambiente
5. De cada par de materiais apresentados abaixo, qual você escolheria para usar, indicando em que contexto o faria?
Apresente para cada par, o valor (indicado na questão anterior que determinou o uso do material).
DIVULGAÇÃO PNLD

• Copo descartável e copo de vidro.


• Bloco de papel novo e papel com verso já usado (para rascunho ou para anotar recados).
• Embalagem com papel reciclado e embalagem com papel especial.
• Sanduíche de fast-food e sanduíche natural.
6. Quais são as principais dificuldades que você julga que o impede de ter uma atitude sustentável? Como vencer e
superar essas limitações?
7. Enumere dez materiais que são desperdiçados diariamente, em decorrência de mau uso por erro de medidas.
8. O que pode ser feito para a utilização mais racional desses materiais, evitando desperdícios?
9. A posologia de determinado medicamento indica uma dose diária de 0,5 mg/kg a 2,0 mg/kg de peso corporal, dividida
em 2 a 3 doses ou a critério médico (uma gota = 0,5 mg). Calcule a dose mínima a ser administrada, três vezes ao dia
a uma criança de 7 kg.
10. O jornal Gazeta Mercantil publicou a seguinte manchete: “Racionamento de energia elétrica diminui o consumo de
sabonete e aumenta o de sabão em barra”. Você sabe dizer que fatores levaram a essa mudança no padrão de consumo?
11. O prato típico brasileiro, com arroz, feijão e bife, está mudando. Em uma década o consumo de carne de frango
aumentou 26%. Já o da carne bovina caiu 10%.
Disponível em: <http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2015/09/menos-carne-e-mais-frango-precos-estao-mudando-cardapio-do-brasileiro.html> Acesso em: 21 mar 2016.

• Quais podem ter sido os fatores responsáveis pela queda do consumo de carne bovina em nosso país?
• Qual foi a influência dessa queda no consumo de água?
12. Analise os dados de consumo de água em atividades agrícolas, industriais e humanas, apresentados na página 34 do
texto e aponte possíveis medidas que você poderia adotar para reduzir o consumo de água.

Ação e Cidadania
Discuta com a turma ações para melhorar as condições de vida de sua comunidade, por exemplo:
1. Elabore e aplique questionário para pesquisar como tem sido o comportamento das pessoas em relação às atitudes
sustentáveis apresentadas neste livro e discuta os resultados, buscando medidas que possam reduzir os problemas constatados.

36
Revisão para a prova FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.

1. A Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, que instituiu a 3) Na obsolescência programada inclui-se fabricar produtos
Política Nacional de Resíduos Sólidos, estabelece a fechados, de forma que a danificação de qualquer
responsabilidade compartilhada entre Poder Público, parte exige a substituição de toda a peça que contém 2
fornecedores de produtos e consumidores, sobre o ciclo materiais em perfeitas condições de uso.
de vida dos produtos, suas embalagens e a forma correta 4) Na obsolescência programada, muitas empresas também
do descarte de pilhas, pneus, óleos, lâmpadas, produtos se negam a vender peças de reposição, obrigando o
eletrônicos e demais componentes, a fim de evitar: consumidor a substituir todo o equipamento. 3
a) Obsolescência programada. 5) Na obsolescência programada, introduz-se materiais de
b) O manejo incorreto de todo o lixo e sua devida reciclagem. pouca durabilidade que impedem, em pouco tempo, o
c) A nossa mudança de hábito. correto funcionamento do produto.
d) A mudança na política empresarial. 4
5. O consumismo pode ser analisado de vários aspectos.
2. É uma ação perigosa, lesa economicamente qualquer Podemos considerar, por exemplo, o consumo de água,
pessoa que, desprevenida, não se incomoda em prestar energia, a biodiversidade, minerais e bens manufaturados. Os
atenção no uso adequado dos bens materiais manipulados efeitos resultantes desse consumo excessivo são as mudanças 5
diariamente. Coletivamente, o gasto exagerado gera climáticas, a poluição e o desgaste de diferentes ambientes,
enormes problemas ambientais e, sobretudo, desigualdade além da extinção de espécies vivas, animais e vegetais.
e injustiça social. Estimativas apontam que, se toda a população mundial
O tema descrito no texto faz referência: tivesse o padrão de vida médio de alguns povos, seriam 6
a) Ao crime ambiental. b) À corrupção. necessários vários planetas para suprir as necessidades.
c) Ao desperdício. d) Ao endividamento. A respeito do consumismo e suas consequências, julgue os
3. Os efeitos resultantes do modo de vida das sociedades itens com C para os corretos e E para os errados.
atuais são as mudanças climáticas, a poluição e o desgaste 1) O conceito de consumo sustentável surgiu em meio
DIVULGAÇÃO PNLD

de diferentes ambientes, além da extinção de espécies à Segunda Guerra Mundial, quando foi necessário
vivas, animais e vegetais. Esses problemas tornam o planeta diminuir o consumo de todos os bens.
insustentável ambientalmente e acirram as desigualdades 2) Consumo sustentável significa saber usar os recursos
na distribuição dos recursos indispensáveis para a vida. naturais para satisfazer as nossas necessidades, sem
Em geral, o usufruto dos bens de consumo fica com uma comprometer as necessidades e aspirações das gerações
minoria mais rica e os efeitos negativos refletem mais futuras.
diretamente na maioria desprovida de condições para 3) A utilização do termo “recurso” tem sido muito
enfrentar as adversidades provocadas pelas mudanças. empregada por ambientalistas por passar a ideia de
O tema central do texto acima se refere: que a Natureza está a serviço da humanidade e não
a) Ao consumismo. b) À corrupção. o que se considera correto: a humanidade é parte da
c) Ao desperdício. d) Ao padrão de vida das pessoas. Natureza; não sua “dona”.
e) À condição de vida das pessoas mais necessitadas. 4) A expressão desenvolvimento sustentável, que passou
4. A reutilização de materiais corresponde a um dos princípios a ser empregada pelas empresas como justificativa para
de preservação ambiental: reduzir o consumo, reúso de o aumento do consumo, tem sido bem aceita pelos
materiais e reciclar. Existem diferentes maneiras de reutilizar cientistas, que também adotam o termo.
os materiais: papéis podem ser usados como rascunho; 5) Sociedade sustentável significa que todos têm direito ao
sacolas plásticas podem ser usadas para condicionar o acesso mínimo às condições que garantam um padrão
lixo doméstico; embalagens de papelão, plásticos e vidros básico de qualidade de vida digna.
podem ser reaproveitadas para guardar objetos diversos, 6) Os consumidores devem adotar, em suas escolhas de
evitando a compra de embalagens para esse fim. Porém, compra, um compromisso ético, uma consciência e
um dos principais problemas enfrentados, atualmente, no uma responsabilidade quanto aos impactos sociais e
destino dos materiais, decorre da política da obsolescência ambientais que suas escolhas e seus comportamentos
programada. podem causar a ecossistemas e a outros grupos sociais.
A respeito das consequências do alto consumo e das práticas 6. Todos os dias uma quantidade enorme de produtos de
da obsolescência programada na sociedade, julgue os itens limpeza invade as redes de esgoto das cidades. Esses
com C para os corretos e E para os errados. números aumentam pelo descontrole no uso das medidas
1) A reutilização de materiais corresponde ao segundo adequadas. Dados da Secretaria de Desenvolvimento Urbano
“R” do princípio de preservação ambiental: reduzir o do Governo Federal brasileiro revelaram que, em 2003, 40%
consumo, reutilizar materiais e reciclar. de toda a água tratada e distribuída foram desperdiçados, o
2) Política da obsolescência programada consiste na prática que representou prejuízo de 1 bilhão de dólares.
adotada de planejar estratégias de reduzir a vida útil A respeito do desperdício e suas consequências, julgue os
dos produtos. itens com C para os corretos e E para os errados.

37
Unidades de medida da Química

1) É muito importante, para tomar qualquer decisão 2) O processo, em si, de extração dos recursos naturais
e fazer bom uso dos diversos materiais empregados para serem processados nas indústrias, não gera
no cotidiano, que tenhamos conhecimentos básicos muitos desequilíbrios porque possui alta tecnologia na
sobre a Química neles envolvida. Daí a necessidade exploração.
de reconhecer o estudo dos materiais como fonte 3) Os materiais usados nos processos iniciais e que serão
indispensável de informação para todo e qualquer transformados são denominados matérias-primas, cujas
cidadão.
fontes podem ser somente recursos renováveis.
CAPÍTULO 1

2) A utilização das quantidades de materiais indicados


nos rótulos dos produtos de limpeza garante uma boa 4) O uso indiscriminado de materiais extraídos da natureza
eficácia e economia. tem gerado sérios problemas ambientais.
3) O desperdício acontece de várias formas. Uma delas é o 5) Processos de industrialização lançam, no ambiente,
consumo de quantidades maiores do que as necessárias. diversos materiais, que provocam transformações de
4) As diversas fontes de desperdício são relacionadas aos outros materiais, causando diferentes desequilíbrios
erros de medida ou, até mesmo, à falta dessa prática. ambientais.
5) Desperdiçamos materiais de limpeza, quer usando 9. Medidas são, sem dúvida, fundamentais em nossa sociedade.
em quantidade inferior à necessária, o que leva a não Elas estão presentes desde as civilizações pré-históricas
alcançar o efeito desejado, quer empregando quantidade e, atualmente, são a base das atividades comerciais, dos
superior, o que provoca até mesmo o risco de acidentes. processos tecnológicos e uma das ferramentas principais para
7. A leitura precisa dos rótulos dos produtos e o cálculo a elaboração de modelos científicos. Fazemos uso de medidas
correto das quantidades de materiais a serem empregados em calçados, roupas, medicamentos, preparo de alimentos,
tornam-se procedimentos fundamentais. Quando utilizamos produtos de beleza e de limpeza, tempo de nossas atividades
produtos químicos em quantidades indevidas, corremos o etc. Nesses processos, efetuamos medidas de comprimento,
risco de obter resultados indesejáveis e até desastrosos. volume, massa, tempo, entre outras. Tudo isso que podemos
DIVULGAÇÃO PNLD

A respeito do consumo consciente, julgue os itens com C medir é chamado de:


para os corretos e E para os errados. a) Grandeza.
1) Usar maior quantidade de sabão, detergente ou b) Numerosidade.
qualquer outro produto de limpeza aumenta a eficácia c) Propriedades físicas.
da limpeza. d) Propriedades dos materiais.
2) É fundamental que estejamos atentos às recomendações e) Medidas matemáticas.
descritas nos rótulos dos produtos, pois, algumas vezes, 10. Para que um átomo possa ser observável do tamanho de uma
os fabricantes aconselham o uso em quantidade superior maçã, seria necessário aumentá-lo cerca de 10 milhões de
à necessária para estimular o consumo. vezes. E por isso, para os químicos é inviável contar átomos
3) O problema do consumo elevado implica apenas o ou moléculas. Assim, eles geralmente trabalham medindo
comprometimento do orçamento doméstico; quem gasta massas. Há, todavia, alguns casos em que é importante
muito corre o risco de ficar endividado. conhecer o número de entidades químicas – sejam
4) Se as pessoas dessem importância para pequenos átomos, íons ou moléculas – presentes em determinadas
detalhes e mais valor para as coisas, a dinâmica de quantidades de substância ou material. Para isso, usam-se
desperdício poderia ser modificada. algumas grandezas definidas matematicamente e baseadas
em padrões de medidas.
5) Existe uma diversidade de produtos de higiene e limpeza
A respeito das grandezas químicas, julgue os itens com C
à nossa disposição, mas o uso, em excesso, agrava os
para os corretos e E para os errados.
problemas ambientais, pois os resíduos, em grande
parte, são lançados em águas de rios e mares. 1) São três grandezas básicas com as quais os químicos
8. A maioria dos materiais que nos rodeia é originada trabalham: massa, volume e numerosidade, que são
de processos químicos de transformações industriais. propriedades inerentes da matéria.
A indústria utiliza materiais que são extraídos de rochas (os 2) Um bom padrão de medida é aquele que pode ser
metais), vegetais (a celulose), animais (a gelatina), água do comparado, facilmente, com o que se pretende medir.
mar (sal), petróleo (os detergentes) e muitas outras fontes Esse padrão não deve ser nem muito grande, nem muito
naturais. pequeno em relação às medidas a serem realizadas.
A respeito da industrialização dos recursos naturais e do 3) O padrão para medir a massa de átomos e de outras
consumo em nossa sociedade, julgue os itens com C para substâncias é o hidrogênio (1), pois ele é leve e reage
os corretos e E para os errados. com muitas substâncias simples.
1) Com base nesses materiais, a indústria realiza uma série 4) O padrão para medir massa de átomos e de outras
de transformações químicas para produzir o produto na substâncias é o oxigênio (16), pois reage com a maioria
forma final em que será comercializado. das substâncias para formar óxidos.

38
5) O padrão para medir massa de átomos e de outra 14. O número de átomos presentes na amostra de 0,012 kg 1
substâncias é o carbono (12), que não gera muita de carbono-12 é dado por uma constante física que recebe
diferença nos valores de massa dos átomos e das o nome constante de Avogadro (NA), em homenagem ao
substâncias, e é reconhecido pela Iupac. químico Amedeo Avogadro [1776-1856], que estabeleceu
11. Se conseguissem desenvolver uma máquina que contasse os fundamentos para sua criação. Como os átomos são 2
mil átomos por segundo, esta gastaria, aproximadamente, entidades muito pequenas, o valor numérico é muito grande.
20 trilhões de anos para contar todos os átomos existentes A respeito da constante de Avogadro e suas relações
em 12 g de carbono-12! Para resolver o desafio de contar matemáticas, julgue os itens com C para os corretos e E
para os errados. 3
ou quantizar substâncias, os químicos desenvolveram uma
grandeza de numerosidade denominada: 1) Os valores da constante de Avogadro foram variando
conforme a evolução tecnológica, pois as técnicas e os
a) Massa atômica, representada por (A).
equipamentos foram aperfeiçoados, o que permitiu a
b) Número atômico, representado por (Z). 4
determinação de valores mais precisos.
c) Quantidade de matéria, representada por (n).
2) Embora Avogadro não tenha determinado o valor da
d) Grama molar, representada por (g).
constante que recebe seu nome, ele estabeleceu as
12. Os constituintes dos materiais (átomos, moléculas, íons bases teóricas para sua determinação em 1917. 5
etc.) são entidades pequenas demais para serem contadas. 3) 1 mol corresponde a 6,02 ⋅ 1023 entidades (átomos,
Se quiséssemos expressar a quantidade de água por moléculas etc.).
numerosidade, como iríamos contar as moléculas? 4) 1 mol de H2 corresponde a 12,04 ⋅ 1023 moléculas de H2.
A respeito das grandezas químicas, julgue os itens com C 5) 1 mol de C corresponde a 6,02 ⋅ 1023 átomos de C. 6
para os corretos e E para os errados.
15. Imagine um copo de água, antes de beber... Se você fosse
1) Estabelecendo uma unidade padrão específica para um químico e quisesse expressar a quantidade de água
as moléculas de água para quantificar, ou seja, uma por numerosidade, como iríamos contar as moléculas de
grandeza de numerosidade para a água.
DIVULGAÇÃO PNLD

água dentro do copo?


2) Usando a grandeza quantidade de matéria, mol, que A respeito das medidas químicas, julgue os itens com C
equivale ao número de átomos contidos em 12 g de para os corretos e E para os errados.
carbono-12 (isótopo de carbono de massa 12). 1) Usaria a grandeza de numerosidade, representada pela
3) Separando os átomos de hidrogênio dos átomos de letra n, que permite determinar a quantidade de entidades
oxigênio e contando cada um, separadamente, numa químicas por unidade, que contém uma grande quantidade
escala atômica. de espécies denominada quantidade de matéria.
4) Pesando o copo de água numa balança comum, depois
2) Usaria como padrão para a medida da grandeza o
usando as unidades de referência para medida padrão
número de átomos contidos em 12 g de carbono-12
de átomos, ou quantidade de matéria, definidas nas
(isótopo de carbono de massa 12).
teorias científicas.
3) Usaria como unidade de medida da grandeza quantidade
13. A unidade de medida da grandeza quantidade de matéria de matéria a numerosidade.
é o mol – do latim moles, que significa grande massa 4) Usaria o mol como símbolo da unidade de numerosidade
compacta. O mol é, portanto, a unidade de numerosidade das entidades químicas.
de entidades químicas. É a quantidade de matéria de um
5) Usaria uma balança comum para pesar a massa de água
sistema que contém tantas entidades elementares quantos
existente no copo de água e depois fazer os cálculos
são os átomos contidos em 0,012 kg de carbono-12.
usando os padrões de medida da grandeza numerosidade.
Quando se utiliza o mol, as entidades elementares devem
ser especificadas. 16. A partir da definição de massa molar, podemos determinar
A respeito da grandeza quantidade de matéria e suas a massa em gramas dos átomos. O valor da massa, em
relações matemáticas, julgue os itens com C para os gramas, de um átomo de qualquer elemento químico
corretos e E para os errados. poderá ser obtido pela divisão da massa molar (massa de
um mol da substância) pela constante de Avogadro, que
1) Em um mol de elétrons existem mais entidades do que
corresponde ao número de entidades existentes em um mol.
o número de átomos que estão contidos em 12 g de
A respeito das grandezas químicas, julgue os itens com C
carbono.
para os corretos e E para os errados.
2) A quantidade de entidades presentes em 1 mol de H2 é
a mesma em 1 mol de átomos de H. 1) Massa molar de uma substância é numericamente igual
3) Um mol de C é maior que um mol de H, pois o C tem massa à sua massa molecular, mas difere em unidade: a massa
atômica igual a 12 e o H tem massa atômica igual a 1. molar é dada em gramas por mol (g/mol) e a massa
4) 2 mol de O2 (gás oxigênio) é menor que 2 mol de O3 molecular é dada em unidade de massa atômica (u).
(gás ozônio). 2) A massa molar (M) de uma substância é a massa, em
5) 3 mol de H2O é igual a 3 mol de CO2. gramas, presente de um mol da mesma.

39
Unidades de medida da Química

3) Para determinar a massa molar de uma substância, 1) A massa molar da água é 18 g/mol, o que significa que
os químicos utilizam equipamentos chamados 18 g de H2O = 1 mol de H2O.
espectrômetros de massas. 2) A massa de 2,5 mol de água é 65 g.
4) Foi a partir de dados quantitativos de reações químicas, 3) A quantidade de matéria correspondente a 96 g de
que se foi obtendo a massa molar de várias substâncias água é 4,6 mol.
e dessas a massa molar dos átomos de outros elementos
4) O volume molar correspondente a 2 mol de CO2 nas
químicos.
CAPÍTULO 1

CNTP é 55,4 L.
5) Sabendo que: o óxido de magnésio tem como fórmula
5) A massa molar do CO2 é 44 g/mol, o que corresponde
química MgO, massa molar é de 40,30 g e que a massa
molar dos átomos de oxigênio é 16 g, então, a massa a um volume molar de 22,7 L nas CNTP.
molar dos átomos de magnésio é 24,30 g. 20. A partir da constante de Avogadro, podem-se fazer
6) Nem todos os valores de massas atômicas dos átomos diversas conversões entre quantidades expressas em
dos elementos químicos já foram determinados, somente número de entidades e em quantidade de matéria. Essas
os que estão disponíveis nas tabelas periódicas. conversões podem ser feitas por meio de regra de três ou
7) Mesmo sem os valores de massas atômicas dos átomos, por fatores de conversão.
mas com o conhecimento das fórmulas químicas, De acordo com os conceitos de mol e a constante de
podemos calcular a massa molar das substâncias. Avogadro, julgue os itens abaixo, com C para os corretos
17. A partir de dados experimentais, os valores de massas e E para os errados.
atômicas dos átomos dos elementos químicos foram 1) Um mol de átomos de cálcio contém o mesmo número
determinados e estão disponíveis nas tabelas periódicas. de átomos que um mol de átomos de cloro.
A partir desses valores e conhecendo-se a fórmula química 2) Um mol de gás carbônico (CO2) contém 6,02 ⋅ 1023
das substâncias, podemos calcular a sua massa molar. moléculas desse gás.
Sendo assim, a massa molar da substância água (H2O) é:
3) O padrão de medida para a quantidade de matéria é o
DIVULGAÇÃO PNLD

(massa molar de hidrogênio é 1 g/mol, de oxigênio é 16 g/mol)


nitrogênio-14, por ser mais estável e abundante que o
a) 17 g/mol. carbono.
b) 17 moles. 4) O número de moléculas de gás oxigênio (O2) contidas
c) 18 moles. em 3,2 mol corresponde a 10,5 ⋅ 1024 moléculas.
d) 18 g/mol. 5) Em 3,08 ⋅ 10 –1 mol, de água estão presentes
18. Amedeo Avogadro postulou uma hipótese, que tem sido aproximadamente 18,48 ⋅ 1023 moléculas.
confirmada pelos estudos desenvolvidos até hoje sobre 21. A partir da definição de massa molar, podemos determinar a
os volumes de gases. É daí que se tem o conceito de massa em gramas dos átomos. Atualmente, para determinar
volume molar. a massa molar de uma substância, os químicos utilizam
A respeito do volume molar, julgue os itens com C para
equipamentos chamados espectrômetros de massas.
os corretos e E para os errados.
(Dados: C = 12 g/mol, H = 1 g/mol, Hg = 220,6 g/mol)
1) Volumes iguais de gases, sob as mesmas condições de
De acordo com os conceitos de massa molar, julgue os
temperatura, contêm o mesmo número de constituintes,
itens abaixo com C para os corretos e E para os errados.
ou seja, o mesmo número de moléculas.
1) O valor da massa, em gramas, de um átomo de qualquer
2) Um mol de qualquer gás vai ocupar sempre o mesmo
elemento químico poderá ser obtido pela divisão da
volume, sob as mesmas condições de temperatura.
massa molar (massa de um mol da substância) pela
3) Volume molar corresponde ao volume ocupado por 1 mol
constante de Avogadro, que corresponde ao número
de entidades elementares (átomo, íons ou moléculas) da
substância. de entidades existentes em um mol.
4) O volume molar somente pode ser referir ao volume das 2) Por motivos de avanço tecnológico, os valores de massas
substâncias no estado gasoso. atômicas dos átomos dos elementos químicos ainda não
5) A determinação experimental, reconhecida atualmente, foram determinados, mas as pesquisas nessa área estão
para o volume molar de qualquer gás, nas CNTP, é de avançadas e, em breve, saberemos esses valores.
aproximadamente 22,71 L/mol. 3) A partir dos valores das massas atômicas e,
conhecendo-se a fórmula química das substâncias,
19. Os químicos normalmente utilizam as grandezas massa,
podemos calcular a sua massa molar.
quantidade de matéria e volume, para medir os materiais.
A respeito das principais relações que, em geral, são 4) A massa de um átomo de mercúrio (Hg) é 332 ⋅ 10-24 g.
estabelecidas entre essas grandezas, julgue os itens com 5) Um mol de carbono (C) pesa 19,9 ⋅ 10-24 g.
C para os corretos e E para os errados. 6) A massa de 6,02 ⋅ 1023 átomos de hidrogênio é 1,0 g.
(Dados: C = 12 g/mol, O = 16 g/mol, H=1 g/mol) 7) A massa molar do gás metano (CH4) é 16 ⋅ 10-24 g.

40
2
Cálculos químicos:
estequiometria e soluções

Hely Demutti
1 PRODUTOS QUÍMICOS DOMÉSTICOS: 5

CAPÍTULO
SOLUÇÕES
CUIDADOS NO MANUSEIO
6 CONCENTRAÇÃO E COMPOSIÇÃO
2 BALANCEAMENTO DE EQUAÇÃO QUÍMICA
7 DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES
3 ESTEQUIOMETRIA
4 RENDIMENTO DAS REAÇÕES 8 PROPRIEDADES COLIGATIVAS
DIVULGAÇÃO PNLD

Os cálculos são essenciais no


trabalho do químico, assim como
no uso dos produtos químicos.

41
1 Produtos químicos domésticos:
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

cuidados no manuseio

Paul Bradbury/Getty Images


CAPÍTULO 2

A utilização de equipamentos de
proteção individual (EPI) é obrigatória em
toda atividade profissional e até mesmo em
atividades caseiras.

P rodutos químicos não existem somente nos laboratórios industriais.


Milhares deles são utilizados na vida cotidiana. O seu emprego adequado
contribui para melhorar a qualidade de vida.
Existem pelo menos mais de 20 milhões de substâncias diferentes e,
PARE E PENSE aproximadamente, 150 mil delas fazem parte do nosso cotidiano. Xampus,
sabonetes, brinquedos, roupas, produtos de limpeza são apenas alguns
Quais são os cuidados que se deve exemplos de formas de utilização dessas substâncias. No entanto, a maioria
DIVULGAÇÃO PNLD

ter no manuseio de produtos quími- delas não passou por testes adequados para estudo do impacto no ambiente
cos domésticos? e na saúde humana. Alguns dos riscos associados à utilização de produtos
químicos e substâncias são conhecidos e incluem doenças, como câncer,
disfunções hormonais, alergias, problemas respiratórios etc.
O perigo vem cercado da desinformação. Quando nós, consumidores,
adquirimos produtos em supermercados e lojas, muitas vezes, sem saber,
passamos a conviver com muitos riscos, em virtude da falta de clareza quanto
aos perigos envolvidos no uso. Esses perigos vão desde alterações ambientais
até ameaças à nossa saúde, tanto pelo uso quanto pelo descarte dos resíduos.
Dados da Fundação Oswaldo Cruz revelam um fato assustador: 48%
das emergências por intoxicação são causados por produtos agrícolas ou
domésticos. Esses resultados foram obtidos com base no estudo de 70 613
casos de emergência toxicológica, registrados em 2013. Segundo esse estudo,
15% das intoxicações foram provocados por praguicidas. Cerca de 24,7% das
vítimas eram crianças na faixa de 1 a 5 anos, atraídas pelos rótulos coloridos
Hely Demutti

de produtos de limpeza. Mas a faixa etária mais atingida é a que está


entre 21 e 35 anos, com 30,9% dos casos.
Entre as falhas banais que provocam esses acidentes, muitos
desses de graves consequências, estão a falta de lugar adequado para
guardar remédios e outros produtos químicos (que ficam ao alcance das
crianças), o uso de recipientes de alimentos e bebidas para acondicionar
detergentes e desinfetantes ou simplesmente o emprego inadequado do
produto. Por exemplo, produtos de limpeza que deveriam ser diluídos,
se usados na forma concentrada, podem acarretar reações alérgicas.
Alguns produtos químicos domésticos Um dos cuidados básicos para prevenir a intoxicação é ler as instruções
muito consumidos são: produtos de limpeza e
constantes nas embalagens e segui-las corretamente. Os rótulos têm
higiene pessoal, inseticidas, remédios, alvejantes,
desinfetantes, álcool, cloro, soda caústica, informações relevantes: composição do produto, cuidados exigidos para o
formaldeído, refrigerantes, colas, vernizes, uso, perigos potenciais, data de validade, modo de uso e armazenamento
esmaltes, xampus, hidratantes, combustíveis. e formas de contato para ajuda em caso de emergências. Veja o exemplo a
Quais desses você utiliza? seguir de um rótulo de desentupidor de pia.

42
RÓTULO DE DESENTUPIDOR 1

Antes de usar leia todas as instruções. Atenção: manusear o frasco com cuidado. Usar luvas de borracha e óculos
de proteção. Não aplicar em peças de alumínio ou acrílico. Não misturar com outros produtos químicos. Antes de usar,
retire objetos que impeçam o desentupimento, por exemplo, cotonetes, brinquedos etc. Despejar, cuidadosamente, 2
para evitar acidentes. Avisar outros que o local está interditado. Dar descarga para finalizar o desentupimento.
Modo de usar: ralos, retirar toda a água, despejar 1 litro. Vasos entupidos com nível de água normal, despejar
1 litro. Vasos com nível de água acima do normal, despejar 1 a 2 litros. Bloqueio parcial: Quando a água está 3
fluindo é mais difícil e demorado o desentupimento o desentupidor tem pouco contato com o entupimento.
Tempo de espera: o desentupimento ocorrerá em até 6 horas, após dar descargas para limpar a tubulação.
Eficácia: o desentupimento tem ação plena em até 1,5 m da entrada dos líquidos.
4
Composição: hidróxido de sódio.
Precauções de uso: utilizar óculos de proteção e luvas de borrachas. Não utilize o desentupidor com outros
produtos químicos. Usar em local arejado. Ficar afastado durante a aplicação. Avise os outros sobre o uso
do produto. Não adicionar água e nenhuma outra substância na embalagem. 5

Advertência: mantenha fora do alcance de crianças e animais domésticos. Perigo! Causa queimaduras graves.
Veneno! Se inalado ou ingerido. Impedir contato com a pele e roupas, proteja os olhos. Não inalar. Não ingerir.
Em caso de contato com a pele e os olhos, lavar, imediatamente, com água por 15 minutos. Se ingerido, não 6
provoque vômitos.
Acidentes: pele, olhos e ingestão, procure socorro médico imediatamente, ir ao Serviço de Saúde mais próximo,
levar consigo a embalagem. Armazenar o produto em local seguro, fresco e ventilado. Não reutilizar a embalagem.
DIVULGAÇÃO PNLD

Sempre leia todas as instruções de rótulos de produtos químicos.

Deve-se respeitar, rigorosamente, as quantidades a serem usadas e as

Hely Demutti
formas de diluição indicadas nos rótulos. Para manipulação desses produtos,
recomenda-se o uso de luvas de borracha, principalmente se o consumidor
apresentar histórico de alergias. No caso de produtos de limpeza contendo
substâncias voláteis ou que apresentem odores muito fortes, o emprego de
máscara é obrigatório. Outra recomendação é não fazer combinações cujo
efeito se desconheça, ou seja, não se deve misturar o produto “A” com o “B”,
acreditando que se conseguirá limpeza mais eficaz, pois essa mistura poderá
ser prejudicial à saúde.
Cuidado! Produtos químicos, de maneira geral, devem ser comprados
com atenção, em lojas especializadas e com nota fiscal. Produtos piratas,
adquiridos em camelôs ou ambulantes, oferecem grandes riscos, já que,
na maioria das vezes, são fabricados sem cuidados adequados, não têm
registros oficiais que garantam a qualidade, nem a rotulação adequada
com informações de uso.
Se uma pessoa se sente mal após a exposição a um produto, a
recomendação é não perder tempo e procurar logo o médico, levando o rótulo Não deixe produtos químicos e
do produto que pode ter ocasionado a intoxicação. Antes, porém, podem remédios ao alcance de crianças. Muitos
ser tomadas algumas medidas de emergência, como ler o rótulo do produto acidentes acontecem pela falta de lugar
para se certificar de alguns detalhes específicos, lavar a pele com água e os adequado para guardar remédios e outros
olhos com soro fisiológico e, se houve ingestão, não provocar vômito nem produtos químicos.
tampouco tomar água ou qualquer outra substância sem orientação médica,
pois um erro de procedimento nesse momento pode agravar a situação. Nesse
último caso, o melhor mesmo é ligar para o serviço de toxicologia da cidade.
Existem vários serviços telefônicos que funcionam 24 horas por dia, prestando
esclarecimentos de emergência: procure ter esses números na agenda, pois
são tão importantes quanto os telefones da polícia e dos bombeiros. Você já
sabe qual é o número? Se não, descubra.

43
Quanto ao uso de inseticidas domésticos, é preciso cuidado redobrado.
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Shutterstock

Antes de usá-los, é necessário ler com atenção o rótulo. Crianças e animais


domésticos devem ser retirados de casa durante a aplicação. O local deve ser
bem ventilado e as pessoas devem aguardar um tempo antes de retornar ao
ambiente. Todos os utensílios de cozinha deverão ser lavados, antes de serem
usados novamente. Todo cuidado deverá ser tomado, para que as crianças
não levem à boca, nem tenham contato com materiais que possam estar com
resíduos dos produtos aplicados.
É importante lembrar que o uso de inseticida deve sempre ser reduzido
CAPÍTULO 2

ao mínimo possível. Procure usar repelentes naturais para mosquitos, bem


como telas nas janelas e tampas nos ralos e nas saídas de esgotos. Somente
quando essas alternativas não forem eficientes, é que devemos recorrer aos
inseticidas, buscando os que tenham classificação pela Agência Nacional
Quando se lida com substâncias e
de Vigilância Sanitária (Anvisa) como pouco tóxicos e tomando os cuidados
materiais potencialmente tóxicos,
deve-se, obrigatoriamente, utilizar luvas, até
descritos anteriormente.
mesmo em casa. Entretanto, os produtos de limpeza e os inseticidas não são os únicos
vilões dessa história. Os produtos de beleza também já levaram muita gente
ao pronto-socorro. Os mais perigosos são as tinturas e os produtos para modelar cabelos, já que podem provocar
reações alérgicas imediatas ou danos em longo prazo.
Para evitar intoxicações, a recomendação é sempre fazer o teste cutâneo antes de usar o produto. Deve-se passar
um pouquinho do produto na pele e esperar alguns minutos. Se houver vermelhidão ou ardência no local, não deve
ser utilizado. O recomendável é procurar um profissional especializado, em salão de beleza cuja procedência seja
DIVULGAÇÃO PNLD

conhecida, que deverá usar luvas, máscara e manter o ambiente bem arejado.
É necessário cuidado também com as maquiagens. Para evitar problemas, o ideal é não usar cosméticos todos os
dias, fazer boa limpeza cutânea antes de dormir, comprar cosméticos que passam por inspeções mais rigorosas e não
deixar de ler o rótulo, para saber o modo correto de utilização do produto e as possíveis reações.
Tome cuidado! Não use produtos para higiene pessoal e de limpeza em excesso.

Atitude Sustentável

Cuidados para o uso de produtos químicos


} Mantenha fora do alcançe das crianças: medicamentos, produtos de
limpeza, raticidas, inseticidas, combustíveis e outros produtos potencial-
Várias tinturas para cabelo contêm chumbo, mente tóxicos.
amônia e outras substâncias tóxicas. Pessoas } Evite trocar as embalagens dos produtos. Caso necessário, mantenha as
sensíveis podem ter sérias reações informações contidas nas embalagens originais.
alérgicas. Em longo prazo, o chumbo
} Leia o rótulo ou a bula antes de usar quaisquer produtos e siga as
acumulado no organismo pode provocar lesões
instruções do fabricante.
neurológicas, estomacais e até osteoporose.
} Não guarde restos de medicamentos, produtos químicos vencidos ou com
rótulos danificados.
} Guarde em diferentes armários fechados e fora do alcance de crianças os
medicamentos, as bebidas alcoólicas e os produtos de limpeza.
} Não pratique automedicação, pois qualquer tipo de medicamento pode
ser perigoso.
} Não permaneça em locais onde houve aplicação de produtos químicos com
odor forte, como inseticidas, tintas, vernizes, sinteco, colas etc.
} Antes de retornar a locais onde houve aplicação de produtos químicos, como
os listados acima, deixe o ambiente aberto com bastante ventilação.
Shutterstock

44
1
Participação Cidadã
1. Sintetize os principais cuidados que devem ser tomados no manuseio de produtos químicos.
2. Em sua casa, investigue os produtos químicos que possuem algum grau de toxidez, lendo os rótulos e anotando as informações 2
no caderno, em um quadro como o representado abaixo.
LOCAL INSTRUÇÕES EFEITOS QUE CLASSIFICAÇÃO QUANTO
PRODUTO ARMAZENADO EM INGREDIENTES SOBRE CUIDADOS O PRODUTO PODE À TOXIDEZ (IRRITANTE,
SUA CASA ATIVOS COM O PRODUTO CAUSAR CORROSIVO, INFLAMÁVEL ETC.) 3

zzzzz z z z z z z z z z z z z z z z z z z z z zzzzzzzz
3. Em caso de intoxicação por produtos químicos, que procedimentos devem ser adotados? Pesquise, em sua cidade, os números 4
de telefone do centro de informação toxicológica e do pronto-socorro que atenda esse tipo de emergência.
4. Analise como estão armazenados os produtos de limpeza em sua casa e identifique se tem alguma irregularidade. Providencie
para que ela seja sanada. Leia os rótulos dos produtos utilizados e verifique se estão sendo adequadamente usados em 5
sua residência.

Tomada de Decisão
DIVULGAÇÃO PNLD

As grandes corporações capitalistas reduziram o espaço dos artesões, que tiveram o seu trabalho desvalorizado,
quando foram contratados por elas, uma vez que deixaram de ter domínio sobre o processo produtivo controlado pelas
corporações. Nesse processo, houve concentração de capital e aumento das desigualdades sociais. Uma maneira de
reduzir os efeitos desse quadro é por meio da economia solidária, em que as pessoas passam a desenvolver trabalhos
comunitários, coletivamente, com soluções para os seus problemas. Considerando os cuidados que se deve ter com uso de
produtos químicos domésticos, levante argumentos com justificativa se deve ou não ser estimulada a comercialização
de produtos de limpeza preparados, artesanalmente, em residências ou em empresas de fundo de quintal por trabalhadores
informais, indicando o que deve ser feito pela sociedade nesse caso.

2 Balanceamento de equação química


J. Yuji

Balancear uma equação é determinar


os coeficientes (números em vermelho) que
indicam a quantidade proporcional de
4NH3 + 3O2 → 2N2 + 6H2O moléculas presentes na reação, de forma
que o total de átomos dos reagentes seja
igual ao total de átomos dos produtos.

P ara os químicos, o cálculo das quantidades necessárias de cada reagente,


para formar determinado produto, tem importância vital. Esse cálculo,
é chamado estequiométrico (do grego, stoikheîon, “elemento”, e métron,
PARE E PENSE

“medida”). O que você entende por fazer ba-


O cálculo estequiométrico foi desenvolvido graças à teoria atômica de lanceamento de pneu? O que signi-
Dalton, a qual descreve as substâncias por uma combinação de átomos que fica dizer que algo está balanceado?
ocorre em proporções definidas e se conserva durante a reação química,

45
significando que, na equação química representante da reação, a quantidade
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

O. Sequetin

de átomos presentes nos reagentes deve ser igual à quantidade de átomos


nos produtos. A proporção entre as substâncias na equação é estabelecida
por relações numéricas. O número que indica a proporção de cada substância
é denominado coeficiente.
Assim, para que possamos fazer, de modo correto, os cálculos
estequiométricos de uma reação química é necessário, em primeiro lugar,
que a equação que a represente esteja com os coeficientes devidamente
acertados. À determinação dos coeficientes de uma equação química damos
CAPÍTULO 2

o nome balanceamento de equação. As balanças antigas eram constituídas


por dois pratos. Para saber o peso de um material, colocavam-se, no prato
oposto ao do material, pesos padrões até a altura dos pratos se equilibrarem.
Como analogia a esse processo, passou-se a usar o termo balanceamento, no
sentido de indicar que algo está equilibrado. Assim, balancear uma equação
significa equilibrar o número de átomos dos reagentes com o número de
O princípio de medição da massa de um átomos dos produtos.
material, em uma balança, baseia-se no Veja que a determinação da proporção entre os reagentes, em uma reação
equilíbrio entre a massa que se deseja que era determinada experimentalmente, pode ser prevista pelo modelo
medir e a massa padrão conhecida. As atômico de Dalton. Esta é a importância de um modelo propiciar a previsão
forças atuantes no sistema da balança se
de fenômenos. No caso, podemos indicar as proporções das substâncias nas
equilibram quando as massas se igualam e os
reações químicas, sem precisarmos realizá-las experimentalmente.
pratos da balança ficam no mesmo nível.
Embora existam modelos mais avançados para explicar a constituição
DIVULGAÇÃO PNLD

da matéria, o modelo atômico de Dalton é suficiente para expor e prever a


estequiometria das reações químicas. Relembrando, o princípio desse modelo
é que nas reações ocorrem rearranjos dos átomos formando as substâncias;
logo, os átomos dos reagentes são os mesmos dos produtos, ou seja, a
quantidade de átomos de cada elemento químico presente nos reagentes
será igual à quantidade de átomos desse elemento nos produtos.

Hely Demutti

Ao se efetuar uma reação química, os


átomos dos reagentes constituirão os produtos.
Por isso, no balanceamento de equações, o
número de átomos dos reagentes deve ser
igual ao número de átomos dos produtos.

Vejamos: se considerarmos a reação química genérica entre as substâncias


A e B, formando as substâncias C e D, podemos representá-la pela seguinte
equação:
aA + bB → cC + dD

Nessa equação, as letras minúsculas representam os coeficientes de


proporcionalidade de cada substância na referida reação química.
Vale lembrar que em uma equação química, os sinais e a seta têm
significados diferentes dos sinais representados pela Matemática. O sinal +
representa as substâncias que foram colocadas em contato, e a seta → indica
que há uma transformação, produzindo outras substâncias (produtos).

46
1
Ilustrações: J. Yuji
Construção do Conhecimento

Representação Representação da Representação


2
da molécula de molécula de gás da molécula de
gás hidrogênio. oxigênio. água.

Atenção: os átomos não se ligam como clipes ou massinha, mas essa analogia permite entender as proporções na reação.
4
Não podemos manipular átomos em sala de aula, mas podemos compará-los a pequenas esferas, como propunha o modelo
atômico de Dalton. Então, por analogia, iremos desenvolver uma atividade em duas etapas para percebermos melhor o significado
dos coeficientes de uma equação. Os únicos materiais necessários serão clipes coloridos (ou outros objetos de cores variadas e fácil
5
manipulação. Lembre-se que a ideia é representar as quantidades de átomos e não as formas).
Parte A
Quais os coeficientes da equação química de formação da água? 6

Como seria a reação entre as substâncias hidrogênio (H2) e oxigênio (O2) para formar a substância água (H2O)?
No modelo que adotaremos, os átomos de hidrogênio serão representados pela cor branca e os de oxigênio
pela cor vermelha.
DIVULGAÇÃO PNLD

1. Utilizando clipes coloridos (ou outros objetos, como tampas coloridas de garrafas), represente quatro moléculas de gás
hidrogênio e quatro moléculas de gás oxigênio e disponha-os sobre uma folha de papel, conforme esquema acima.
2. Imagine que os gases tenham reagido e “monte” a quantidade máxima de moléculas de água, com base nos “átomos” das
“moléculas” de oxigênio e hidrogênio.
3. Reproduza o quadro abaixo no caderno, preencha-o e responda às questões a seguir.

SIMULAÇÃO DA REAÇÃO DE FORMAÇÃO DA ÁGUA


Reagentes Produto
Reação
Hidrogênio Oxigênio Água

Representação das moléculas utilizando as esferas* zzzzzzz zzzzzzz zzzzzzz


Quantidade de átomos envolvidos na reação zzzzzzz zzzzzzz zzzzzzz
Quantidade de constituintes que reagiram (moléculas) zzzzzzz zzzzzzz zzzzzzz
Coeficientes: quantidade mínima de constituintes zzzzzzz zzzzzzz zzzzzzz
* Neste momento, não estamos preocupados com a organização espacial dos átomos nas moléculas constituintes.

a) Quantas moléculas de água puderam ser formadas?


b) Para formar essa quantidade de moléculas de água, quantas moléculas de oxigênio e de hidrogênio foram consumidas?
c) Sobraram moléculas de algum dos reagentes? Por quê?
d) Considerando a equação (aH2 + bO2 → cH2O) da reação de formação da água, quais os valores dos coeficientes a, b e c?
Para tal, considere somente a quantidade de moléculas que reagiram e foram formadas (como estamos representando
a equação da reação, não nos preocuparemos com moléculas que, porventura, não tenham reagido).
e) Ao simplificar os coeficientes, dividindo-os pelo menor deles, quais são os novos valores de a, b e c?
f) Substitua os valores dos coeficientes na equação e você terá a equação química balanceada.

47
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Parte B
A proporção exata para a obtenção do hidróxido de sódio
O hidróxido de sódio, conhecido popularmente como soda cáustica, é uma substância muito utilizada na
indústria química, no preparo de sabão e, em casa, para desentupimento de esgotos. Podem-se obter o hidróxido
de sódio (NaOH) e o carbonato de cálcio (CaCO3) a partir da reação entre o carbonato de sódio (Na2CO3) e o
hidróxido de cálcio [Ca(OH)2].
4. Escolha clipes de diferentes cores para representar cada tipo de átomo (Na, C, O, Ca e H).
5. Represente seis constituintes do carbonato de sódio e seis constituintes do hidróxido de cálcio (saiba que os constituintes
CAPÍTULO 2

não se alteram nessa reação).


6. Siga os procedimentos da parte A, reproduza o quadro e monte a equação química da reação, balanceando-a.

Observe que, nas atividades realizadas, os “produtos” foram formados


com base nas “substâncias” existentes nos reagentes. Isso significa que, na
reação, os átomos dos produtos são os mesmos encontrados nos reagentes,
rearranjados de forma diferente. Por isso, a quantidade de “átomos” dos
produtos tem de ser igual à quantidade de “átomos” dos reagentes.
A equação balanceada, descrita na reação de obtenção do hidróxido de
sódio, indica que o carbonato de sódio reage com o hidróxido de cálcio na
proporção de 1 para 1, formando 2 constituintes do hidróxido de sódio e 1
do carbonato de cálcio.
DIVULGAÇÃO PNLD

Assim, temos a equação química:

Na2CO3 + Ca(OH)2 → 2NaOH + CaCO3

Em uma equação química, representamos as proporções entre reagentes e


produtos. Isso significa que os coeficientes não representam o número de constituintes
que irão reagir, mas, sim, as quantidades relativas entre todas as espécies envolvidas
na reação. Portanto, esses coeficientes correspondem ao número indicativo da
proporção mínima de cada substância envolvida na reação. Para simplificar, os
coeficientes iguais a 1 são omitidos. Essa proporção serve para o número de
constituintes ou para a quantidade de matéria (mols) desses constituintes. Nos
cálculos químicos, denominamos coeficientes estequiométricos os coeficientes
das reações químicas, os quais indicam a proporção em quantidade de matéria em
que os constituintes das substâncias participam da reação.
Observe agora outro exemplo. A água oxigenada, usada como clareador
de cabelos ou antisséptico, decompõe-se a partir de uma reação química
descrita pela equação abaixo:

H2O2(aq) → H2O(l) + 1/2 O2(g)

Nesta equação, o coeficiente do gás oxigênio é a fração 1/2. Isso significa


que a reação ocorre a partir da metade de uma molécula de oxigênio? Seria
possível fazer uma reação a partir da metade de uma molécula? Obviamente,
isto não é possível!
Como os coeficientes estequiométricos indicam as relações entre as
quantidades das substâncias participantes das reações químicas, podem ser
números inteiros ou fracionários, significando que a proporção é metade da
quantidade daquele constituinte, em relação aos demais. No entanto, para
facilitar a compreensão, é melhor não utilizar frações e, sim, os menores
números inteiros possíveis.

48
A equação anterior poderá ter todos os coeficientes multiplicados por dois,
sem alterar as relações entre eles. Dessa maneira, obteremos: 1

2H2O2(aq) → 2H2O(l) + 1O2(g)

Se compararmos as duas equações, veremos que apresentam a mesma 2


proporção entre as substâncias, ou seja, uma determinada quantidade de
matéria de água oxigenada, ao se decompor, produz uma quantidade de matéria
equivalente de água e a metade dessa quantidade de matéria em oxigênio.
3
Nos dois exemplos de equações representados, a quantidade de átomos de
cada elemento químico das substâncias dos reagentes é igual à que está presente
nos produtos. Nesse sentido, dizemos que essas equações estão balanceadas.
4

Balanceamento de equação química é a determinação dos


coeficientes das substâncias envolvidas na reação representada.
5

Veja que, nas representações indicadas abaixo, a proporção sempre é que


a decomposição da água oxigenada leva à obtenção da mesma quantidade
6
de moléculas de água e metade da quantidade de moléculas de oxigênio, em
relação a quantidade inicial de moléculas de água oxigenada. Observe também
que, em todos os exemplos, a quantidade total de átomos de hidrogênio e
oxigênio, antes e depois da reação, é a mesma.
DIVULGAÇÃO PNLD

Antes da reação Depois da reação

J. Yuji
1.

2.

3.

Balanceamento de equações
químicas por tentativa e erro
O balanceamento de equações pode ser feito calculando-se as quantidades
de átomos dos reagentes e dos produtos e determinando-se os coeficientes, de
forma a igualar o número de átomos em reagentes e produtos, para cada elemento
químico. Deve-se processar a contagem dos átomos, elemento por elemento,
começando pelos que tiverem maior índice e que aparecerem apenas em uma
substância de cada lado. Tal procedimento é chamado método de tentativa e
erro e é recomendado para equações simples.
Esse balanceamento pode ser feito seguindo-se diferentes caminhos, mas
para facilitar, recomendam-se os passos subsequentes:
1o Passo
Representar a equação química em estudo. Sempre que possível, deve-se
indicar o estado de agregação das substâncias envolvidas – sólido (s), líquido (l),

49
gás (g) – e, quando se tratar de uma solução aquosa (substância dissolvida
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

em água), usa-se a sigla (aq).


H2(g) + O2(g) → H2O(l)
2o Passo
Escolher um elemento químico que só apareça em um dos reagentes e em
um dos produtos e acertar os coeficientes das substâncias nas quais aparece,
usando o índice do elemento nos reagentes como coeficiente nos produtos
e vice-versa.
CAPÍTULO 2

No caso da reação da água, podemos escolher o oxigênio.


H2(g) + 1O2(g) → 2H2O(l)
3o Passo
Acertar os demais coeficientes, considerando os indicados. O objetivo é
que se tenha, para cada tipo de átomo, a mesma quantidade nos reagentes
e nos produtos (veja abaixo).
2H2(g) + 1O2(g) → 2H2O(l)
Nas equações em que estejam representados vários elementos químicos,
recomenda-se iniciar o balanceamento selecionando a substância que contenha
o elemento químico com maiores índices.
Lembramos não ser possível, em hipótese alguma, a alteração dos índices
DIVULGAÇÃO PNLD

das fórmulas das substâncias. Se alterarmos os índices de uma substância,


estaremos alterando os constituintes e a equação representará uma reação
química diferente da fornecida inicialmente.
Vejamos outros exemplos.
1. Balanceie a equação química em que o alumínio metálico (Al) reage com o gás
oxigênio (O2), produzindo o óxido de alumínio (Al2O3), substância branca sólida.
1o Passo Al(s) + O2(g) ( Al2O3(s)
2 Passo
o
Al(s) + 3O2(g) ( 2Al2O3(s)
3o Passo Considerando que nos produtos já foi identificado o coeficiente do
dióxido de alumínio, podemos, agora, determinar o coeficiente
do alumínio nos reagentes.
4Al(s) + 3O2(g) ( 2Al2O3(s)
2. Balanceie a equação de combustão do gás metano (CH4), que produz gás carbônico
(CO2) e água.
1o Passo CH4(g) + O2(g) ( CO2(g) + H2O(l)
2 Passo
o
Tendo em conta que o oxigênio está presente em duas
substâncias (CO2 e H2O) e que o hidrogênio possui maior
índice, deve-se escolher o hidrogênio como primeiro elemento
a ser balanceado.
2CH4(g) + O2(g) ( CO2(g) + 4H2O(l)
3 Passo
o
Considerando que já foram acertados os coeficientes do CH4 e
da água, deve-se acertar o coeficiente do CO2 e, finalmente, o
do O2. Este é determinado a partir do total de átomos de oxigênio
nos produtos [(2 ⋅ 2) + (4 ⋅ 1)], dividido pelo índice do O2.
2CH4(g) + 4O2(g) ( 2CO2(g) + 4H2O(l)
O que implica: CH4(g) + 2O2(g) ( CO2(g) + 2H2O(l)

50
Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.
1

1. Nas equações químicas, os símbolos e números representam CH4O + O2 → CO2 + H2O


informações significativas para o balanceamento e a e) Octano (componente da gasolina)
determinação da quantidade de reagentes e produtos. 2
C8H18 + O2 → CO2 + H2O
Indique a quantidade de átomos e o estado físico presentes
nas substâncias abaixo: 5. Sobre as fórmulas e equações químicas, julgue os itens a
a) 3H2(g). seguir, com C para os corretos e E para os errados.
b) 2H2SO4(l). 1) Para se obter uma equação equilibrada, a quantidade 3
c) 4Ba(OH)2(s). de matéria dos reagentes tem de ser igual à dos
d) 2Al2(SO4)3(s). produtos.
e) CuSO4 · 5H2O(s). 2) Numa reação química, nenhum dos átomos desaparece; 4
são apenas rearranjados.
2. Escreva a equação balanceada para as reações 3) Como os átomos e as moléculas não podem ser
representadas abaixo:
visualizados, os químicos não possuem métodos que
permitam determinar a quantidade dessas entidades 5
a) + em uma reação química.
4) A fórmula química da glicose é C6H12O6. Isso significa
antes depois que, na glicose, para cada átomo de carbono (C) haverá 6
um átomo de oxigênio (O) e dois átomos de hidrogênio
Elemento H
(H).
Elemento O 5) A reação Na3PO 4 + 3Mg(OH)2 → Mg3(PO 4)2 +
+ 3NaOH está corretamente balanceada.
DIVULGAÇÃO PNLD

+ 6. (Vunesp) Foram analisadas três amostras (I, II e III) de óxidos


b) de enxofre, procedentes de fontes distintas, obtendo-se os
seguintes resultados:
antes depois
Massa de Massa de Massa de
Amostra
Elemento H Elemento N enxofre (g) oxigênio (g) amostra (g)

I 0,32 0,32 0,64


3. Faça o balanceamento das equações abaixo, escolhendo o
método que achar mais fácil. II 0,08 0,08 0,16

a) Cr + O2 → Cr2O3. III 0,32 0,45 0,80

b) HCl + O2 → H2O + Cl2. Esses resultados mostram que:


c) H3PO4 → H4P2O7 + H2O. a) As amostras I, II e III são do mesmo óxido.
d) MnO2 + HCl → MnCl2 + H2O + Cl2. b) Apenas as amostras I e II são do mesmo óxido.
c) Apenas as amostras II e III são do mesmo óxido.
e) Ca(OH)2 + HNO3 → Ca(NO3)2 + H2O.
d) Apenas as amostras I e III são do mesmo óxido.
f) Al2(CO3)3 → Al2O3 + CO2. e) As amostras I, II e III são de óxidos diferentes.
4. A combustão completa pode ser definida como a reação
7. (Mack-SP)
entre um combustível com um comburente, geralmente,
o gás oxigênio. Quando essa reação ocorre de forma
J. Yuji

completa, são liberados gás carbônico e água. Balanceie


as reações de combustão abaixo: X + Y ***( W
a) Gás metano (gás natural)
CH4 + O2 → CO2 + H2O Supondo que os círculos vazios e cheios, respectivamente,
b) Gás propano (presente em botijões de gás) signifiquem átomos diferentes, então o esquema
C3H8 + O2 → CO2 + H2O anterior representará uma reação química balanceada se
c) Etanol (combustível para carros) substituirmos as letras X, Y e W, respectivamente, pelos
C2H5OH + O2 → CO2 + H2O valores:
d) Metanol (utilizado como solvente na indústria de a) 1, 2 e 3. b) 1, 2 e 2. c) 2, 1 e 3.
plásticos, por exemplo) d) 3, 1 e 2. e) 3, 2 e 2.

51
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

8. (UFPE) Considere as reações químicas abaixo. 1) A quantidade de átomos de ferro obtida será a mesma
1) 2K(s) + Cl2(g) → KCl(s). tanto para hematita como para magnetita usados como
reagentes.
2) 2Mg(s) + O2(g) → 2MgO(s). 2) No balanceamento das equações químicas
3) PbSO4(aq) + Na2S(aq) → PbS(s) + Na2SO4(s). determinam-se os índices de cada substância envolvida
4) CH4(g) + 2O2(g) → CO2(g) + 2H2O(l). no processo.
3) A soma dos coeficientes da equação I é diferente da
5) SO2(g) + H2O(l) → H2SO4(aq).
soma da equação II.
Podemos afirmar que: 4) Os coeficientes dos produtos serão iguais nas duas
CAPÍTULO 2

a) Todas estão balanceadas. equações.


5) As reações descritas ocorreram com conservação de
b) 2, 3 e 4 estão balanceadas.
massas e segundo proporções variáveis entre reagentes
c) Somente 2 e 4 estão balanceadas. e produtos.
d) Somente 1 não está balanceada. 11. A equação abaixo descreve a reação do ácido sulfúrico
e) Nenhuma está corretamente balanceada, porque os com o hidróxido de alumínio, denominada de reação de
estados físicos dos reagentes e produtos são diferentes. neutralização. Balanceie a equação abaixo e considere a
alternativa correta.
9. (Unicamp-SP) Sob condições adequadas, uma mistura
___H2SO4 + ___ Al(OH)3 → ___ Al2(SO4)3 + ___ H2O
de nitrogênio gasoso N2(g), e de oxigênio gasoso O2(g)
reage para formar diferentes óxidos de nitrogênio. Se Os menores coeficientes inteiros são, respectivamente:
representarmos o elemento nitrogênio por • e o elemento
a) 2, 3, 1, 6. d) 2, 3, 2, 2.
oxigênio por •, duas dessas reações químicas podem ser
DIVULGAÇÃO PNLD

b) 3, 2, 1, 6. e) 3, 2, 3, 2.
esquematizadas como:
c) 2, 3, 2, 6.
J. Yuji

I– 12. Assinale, dentre as alternativas abaixo, aquela em que o


balanceamento foi feito de forma incorreta:
a) 4Fe + 3O2 → 2Fe2O3.
b) 2H2 + O2 → 2H2O.
II –
c) Mg + HCl → MgCl2 + H2.
d) Al2O3 + 6HCl → 2AlCl3 + 3H2O.
a) Dê a fórmula química da substância formada na reação e) 2Al + 3H2SO4 → Al2(SO4)3 + 3H2.
esquematizada em I. 13. Considere as equações:
b) Escreva a equação química balanceada e representada
no esquema II. I – Ni(CO)4 → Ni + CO.
II – C6H12O6 + O2 → CO2 + H2O.
10. O ferro metálico é obtido a partir dos minérios de ferro,
como hematita (Fe2O3) e magnetita (Fe3O 4), extraídas III – NaOH + H2S → Na2S + H2O.
por mineradoras. O Brasil é um grande exportador de IV – CS2 + O2 → CO2 + SO2.
minérios de ferro. Nas usinas, esses minerais sofrem
A sequência dos coeficientes de reagentes e produtos,
vários processamentos. Um deles é a reação em altos-
necessários para os balanceamentos estequiométricos
fornos com carvão. Em uma das reações ocorridas,
dessas equações será:
formam-se o ferro metálico e o monóxido de carbono,
de acordo com as equações abaixo não balanceadas. A I II III IV
respeito desse assunto, faça o balanceamento e julgue a) 1, 2, 3 / 1, 5, 1, 1 / 1, 1, 2, 2 / 2, 2, 1, 3.
os itens, com C para os corretos e E para os errados.
b) 1, 1, 4 / 1, 5, 2, 3 / 2, 1, 1, 2 / 1, 3, 1, 2.
I) Hematita
d) 1, 4, 3 / 2, 1, 2, 2 / 2, 1, 1, 2 / 2, 1, 2, 2, 2.
Fe2O3(s) + C(s) → Fe(s) + CO(g)
c) 1, 1, 4 / 1, 5, 3, 2 / 2, 1, 2, 2 / 1, 2, 1, 1.
II) Magnetita
Fe3O4(s) + C(s) → Fe(s) + CO(g) e) 1, 4, 2 / 1, 2, 1, 1 / 1, 2, 1, 1 / 3, 2, 1, 1.

52
3 Estequiometria 1

Mavar/Shutterstock
2

A mistura de reagentes em proporções corretas é fundamental na


indústria química.
O sabão, por exemplo, deve passar por um rígido controle de qualidade, a
A produção de remédios é feita a
partir de reações químicas em que
os reagentes devem ser medidos 5
na proporção adequada para obter o
fim de que não haja excesso de reagentes na sua preparação, o que poderia
componente ativo na quantidade correta,
acarretar, além de aumento de custo e perda de qualidade, danos à saúde desejada para a preparação do medicamento
do consumidor, como irritação de pele, alergias etc. na concentração em que foi aprovado. 6
Mas como controlar as proporções dos reagentes ao processar uma reação
química? O primeiro passo para o cálculo correto é identificar a equação
química da reação e, depois, efetuar o balanceamento. PARE E PENSE
DIVULGAÇÃO PNLD

Por exemplo, a reação de obtenção da amônia, importante substância Você já imaginou fazer um bolo re-
utilizada na agricultura no processo de adubação, tem de ser controlada na tirando apenas um dos ingredien-
indústria para evitar desperdício de matéria-prima envolvida. Como se trata de tes da receita, ou aumentando a
reação em escala industrial, que envolve toneladas de substâncias, qualquer quantidade de apenas um dos in-
pequeno erro de cálculo pode causar prejuízos econômicos e ambientais. gredientes em duas ou três vezes?
Para fazer os cálculos, os químicos tomam como ponto de partida a equação Seria possível?
balanceada da reação, que no caso é:

N2(g) + 3H2(g) → 2NH3(g)

Hely Demutti
Com base no conhecimento dessa equação, é possível determinar
as quantidades ideais dos gases hidrogênio e nitrogênio para a reação,
considerando a quantidade de amônia que se pretende obter. Essa
determinação das quantidades é feita por meio do cálculo estequiométrico.
O significado atual de estequiometria, em Química, é medir a quantidade
de uma substância em relação à quantidade de outra substância presente
em uma mesma reação.
Conhecendo as proporções entre os reagentes e os produtos de uma
reação química, podemos saber quanto precisaremos de cada reagente
para formar determinada quantidade de produto. Esses conhecimentos
estequiométricos são aplicados em várias situações cotidianas. A prescrição
de muitos medicamentos, por exemplo, é baseada em doses calculadas a
partir de determinada quantidade do agente ativo do medicamento e que são
necessárias para reagir com certas substâncias em nosso organismo.
Quando utilizamos produtos químicos em quantidades indevidas, corremos
o risco de obter resultados indesejáveis e até desastrosos. Um caso muito
comum se dá com o uso incorreto de produtos de limpeza. De modo geral,
as embalagens dos produtos trazem indicações das medidas que devem ser De olho no consumo: excesso de sabão
usadas para a obtenção dos melhores resultados. No entanto, é sempre bom não garante maior limpeza.

53
prestar atenção em como você usa o produto, pois as recomendações podem
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

não ser adequadas às condições de uso: composição da água, tipo de tecido


ou da sujeira. Em função dessas diferenças, pode ser necessário o uso de
quantidades diferentes da indicada na embalagem.
Para evitar desperdício, os químicos procuram calcular as quantidades
exatas dos materiais usados num processo. Para fazer tais cálculos, precisamos
saber, inicialmente, quais são as proporções das substâncias envolvidas nas
reações químicas.
Ao se preparar um bolo, os ingredientes devem ser adicionados
CAPÍTULO 2

proporcionalmente, ou seja, não se pode retirar um ingrediente ou aumentar


apenas um deles sem acrescentar os demais na mesma proporção. Isto é,
se você aumenta ou diminui a quantidade de um, terá de fazê-lo também
com os outros, na mesma proporção.
Da mesma forma, os cálculos químicos baseiam-se em relações de
proporcionalidade. Vejamos, de novo, a reação de obtenção da amônia.

N2(g) + 3H2(g) → 2NH3(g)


Hely Demutti

Como já estudamos, a grandeza relacionada ao número de partículas é a


quantidade de matéria, cuja unidade de medida é o mol. A equação química
A reação de obtenção da amônia na balanceada para a formação da amônia indica que cada mol de nitrogênio
indústria é feita por meio de rigoroso controle reage com três mols de hidrogênio, para formar dois mol de amônia. Ou seja:
DIVULGAÇÃO PNLD

da quantidade de reagentes e das condições de


pressão e temperatura. 1 mol N2(g) + 3 mol H2(g) → 2 mol NH3(g)

Com base nos coeficientes estequiométricos da equação química


balanceada, podemos estabelecer algumas relações. Veja a seguir:
1. 1 mol N2 = 3 mol H2
Para cada mol de N2 consumido na reação, são consumidos 3 mol H2.
2. 1 mol N2 = 2 mol NH3
Para cada mol de N2 consumido na reação, são formados 2 mol de NH3.
3. 3 mol H2 = 2 mol NH3
Para cada 3 mol de H2 consumidos na reação, são formados 2 mol de NH3.
Essas três igualdades, chamadas relações estequiométricas, indicam as
relações entre as quantidades de matéria das substâncias envolvidas na
reação. Com elas, podemos partir para os cálculos estequiométricos que
veremos a seguir.

Determinando quantidades
O cálculo estequiométrico permite determinar a quantidade de substâncias
participantes de reações químicas, a partir de quantidades conhecidas de
outras substâncias envolvidas. Por meio desses cálculos na indústria, por
exemplo, é possível determinar a quantidade de ferro que será obtida a
partir de determinada quantidade de minério, ou que se pode determinar em
laboratório a quantidade de gás carbônico (CO2) a partir de uma quantidade
de combustível.
Usaremos o método da análise dimensional, que se baseia na conversão
sucessiva das quantidades, utilizando fatores de conversão, até se obter
o resultado desejado. Para isso, é necessário determinar os coeficientes
estequiométricos da equação química. Esse método envolve os passos
subsequentes:

54
1. Identificação da equação química. 1

2. Balanceamento da equação química.

Hely Demutti
3. Identificação das relações estequiométricas envolvidas no cálculo e
na definição dos fatores de conversão. 2
4. Determinação da quantidade de matéria de cada substância, a partir
dos coeficientes estequiométricos.
5. Determinação, se necessário, de valores de massa e volume de 3
substâncias envolvidas na reação.

Assim como os ingredientes de um


De modo geral, os cálculos químicos envolvem massa ou quantidade de bolo devem ser medidos em proporções 4
matéria, que são as grandezas usualmente adotadas em Química. Vamos, ideais, os reagentes devem seguir relações
então, exemplificar alguns cálculos estequiométricos com essas medidas. estequiométricas corretas.

Cálculos estequiométricos da quantidade de matéria de uma


6
substância a partir da quantidade de matéria de outra substância
1. Lembrando o exemplo da obtenção da amônia, calcule a quantidade de matéria do gás nitrogênio (N2) necessária
para reagir com 12 mol de gás hidrogênio (H2), formando amônia (NH3).
DIVULGAÇÃO PNLD

1o Passo
Identificação da equação química, pois é necessário escrevermos a equação envolvida na reação: o nitrogênio reage
com o hidrogênio, formando amônia, segundo a equação:
N2(g) + H2(g) ( NH3(g)
2o Passo
Balanceamento da equação química:

1N2(g) + 3H2(g) ( 2NH3(g)

3o Passo
Identificação da relação estequiométrica envolvida no cálculo em questão e dos fatores de conversão:
1 mol N2 = 3 mol H2
A amônia pode ser obtida a partir do
Dividindo-se essa igualdade por 3 mol de H2, teremos o fator nitrogênio atmosférico e transportada em
de conversão: tanques até indústrias, nas quais é utilizada
1 mol  N 2 como matéria-prima.
  =  1
3  mol  H2

Dividindo-se, ainda, a relação estequiométrica por 1 mol H2, obteremos


outro fator de conversão:
3  mol  H2
  =  1
1 mol  N 2
4o Passo
Determinação da quantidade de matéria desejada, com base no fator de
conversão obtido da relação estequiométrica:

1 mol  N 2
)
n (N 2   =  12 mol  H 2  ⋅  
3  mol  H2
)
  →  n (N2   =  4  mol  N 2
Hely Demutti

( conversão   de   N2   em   H 2 )

55
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Cálculos estequiométricos da quantidade de matéria de uma


substância a partir da massa de outra substância
2. Calcule a massa de cloreto de potássio (KCl) obtida a partir da decomposição de 3 mol de clorato de potássio (KClO3), na qual
também se forma gás oxigênio (O2).
1o Passo
Identificação da equação química que representa a reação:

Hely Demutti
KClO3(s) ( KCl(s) + O2(g)
CAPÍTULO 2

2o Passo
Balanceamento da equação química: 2KClO3(s) ( 2KCl(s) + 3O2(g)
3o Passo
Identificação da relação estequiométrica referente ao cálculo em questão:
1 mol  KCl 1 mol  KClO3 O cloreto de potássio, entre outras
1 mol  KCl  =  1 mol  KClO3   →  1  =     ou  1  =  
1 mol  KClO3 1 mol  KCl aplicações, é utilizado como adubo
químico.
Como desejamos o valor em massa, temos de converter a relação estequiométrica para a unidade de massa, usando, para
isso a massa molar obtida pelos valores de massa atômica:
1 mol  KCl 74 , 6  g  KCl
1 mol  KCl  =  74 , 6  g  KCl  → 1 =    ou  1  =  
74 , 6  g  KCl 1 mol  KCl
4o Passo
Determinação da massa de cloreto de potássio, a partir dos fatores de conversão advindos da relação estequiométrica e da
DIVULGAÇÃO PNLD

massa molar do KCl:


1 mol  KCl 74 , 6  g  KCl
m (KCl)  =  3  mol  KClO3  ⋅    ⋅    →  m (KCl)  =  223, 8  g  K Cl
1 mol  KClO3 1 mol  KCl
( conversão   de   KClO3   em   KCl ) ( conversão   e m   massa )

Cálculos estequiométricos da massa de uma substância a partir


da quantidade de matéria de outra substância
3. Calcule a quantidade de matéria de alumínio necessária para se obter

Hely Demutti
51 g de óxido de alumínio (Al2O3), sabendo-se que este é formado a partir
da reação do alumínio com o gás oxigênio (O2).

1o Passo
Identificação da equação química: Al(s) + O2(g) ( Al2O3(s)
Reciclar alumínio, para fazer latinhas, consome
2o Passo
muito menos energia do que a fabricação a partir do
Balanceamento da equação química: 4Al(s) + 3O2(g) ( 2Al2O3(s) minério de alumínio (Al2O3), a bauxita.
3o Passo
Identificação da relação estequiométrica referente ao cálculo em questão e dos fatores de conversão:
2  mol  Al 1 mol  Al2O 3
2  mol  Al  =  1 mol  Al2 O 3   →  1  =     ou  1  =  
1 mol  Al2 O 3 2   mol  Al
1 mol  Al2O 3 102  g  Al2O 3
1 mol  Al2O 3   =  102  g  Al2O 3   →  1  =     ou  1  =  
102  g  Al2O 3 1 mol  Al2O 3
4o Passo
Determinação da quantidade de matéria desejada, a partir do fator de conversão advindo da relação estequiométrica:
1 mol  Al2O 3 2  mol  Al
)
n ( Al   =  51  g  Al2 O 3  ⋅    ⋅ 
102  g  Al2O 3 1 mol  Al2O 3
  →  n ( Al   =  1 mol  Al )
( conversão   de   ( conversão   de  
massa   em  mol ) Al2O3   em   Al )

56
Cálculos estequiométricos envolvendo conversão de massa 1
de uma substância para massa de outra substância
4. Calcule a massa de zinco (Zn) necessária para reagir com 109,5 g de ácido clorídrico (HCl),
formando cloreto de zinco (ZnCl2) e gás hidrogênio (H2). 2

1o Passo
Identificação da equação química: Zn(s) + HCl(aq) ( ZnCl2(aq) + H2(g)
3
2o Passo
Balanceamento da equação química: Zn(s) + 2HCl(aq) ( ZnCl2(aq) + H2(g)

Hely Demutti
3o Passo 4
Identificação da relação estequiométrica referente ao cálculo em questão e dos fatores de
conversão:
1 mol Zn 2 mol HCl
1 mol Zn = 2 mol HCl → 1 = ou 1 = 5
2 mol HCl 1 mol Zn
1 mol HCl 36 , 5 g HCl
1 mol HCl = 36 , 5 g HCl → 1 = ou 1 =
36 , 5 g HCl 1 mol HCl
6
No tubo de ensaio preso com
65, 5 g Zn 1 mol Zn
1 mol Zn = 65, 5 g Zn → 1 = ou 1 = a garra, um pedaço de zinco reage
1 mol Zn 65, 5 g Zn com o ácido clorídrico, formando
4o Passo cloreto de zinco (sal branco) e gás
DIVULGAÇÃO PNLD

Determinação da quantidade de matéria desejada, a partir do fator de conversão hidrogênio, coletado no tubo de
advindo da relação estequiométrica: ensaio.

1 mol  HCl 1 mol  Zn 65, 5  g   Zn


)
m ( Zn   =  109, 5  g  HCl  ⋅   ⋅   ⋅  
36, 5  g  HCl 2  mol  HCl 1 mol  Zn
)
  →  m ( Zn   =  98, 25  g   Zn
( conversão   de   ( conversão   de ( conversão   de
massa   em  mol ) HCl  em   Zn ) mol   e m   g )

Cálculos para não desperdiçar


Vamos, agora, relacionar os cálculos estequiométricos à produção
de soda cáustica, muito utilizada na fabricação do sabão e em outros
processos químicos. O hidróxido de sódio (NaOH) pode ser obtido a partir da
reação química entre o carbonato de sódio (Na2CO3) e o hidróxido de cálcio
[Ca(OH)2].
Hely Demutti

Calcule a massa de hidróxido de sódio, formada a partir de 111 kg de


hidróxido de cálcio. A seguir, calcule o número de embalagens de 200 g
de hidróxido de sódio, que serão produzidas para comercialização.

Dados fornecidos: m(hidróxido de cálcio) = 111 kg = 111 000 g;


m(embalagem de NaOH) = 200 g.

Dados tabelados: M(Na2CO3) = 106,0 g/mol;


M[Ca(OH)2] = 74,0 g/mol;
M(NaOH) = 40,0 g/mol.
O NaOH, além de ser largamente
Calcula-se, primeiro, qual é a massa de hidróxido de sódio, formada a empregado na indústria, também é um
partir de 111 kg de hidróxido de cálcio, para depois determinar quantas reagente muito usado em laboratórios de
embalagens de hidróxido de sódio, contendo 200 g, serão obtidas. Química.

57
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

1o Passo
Identificação da equação química:
Ca(OH)2(aq) + Na2CO3(aq) ( NaOH(aq) + CaCO3(s)
2o Passo
Balanceamento da equação química:
Ca(OH)2(aq) + Na2CO3(aq) ( 2NaOH(aq) + CaCO3(s)
3o Passo
Identificação da relação estequiométrica referente ao cálculo em questão:
CAPÍTULO 2

74 g Ca (OH) 1 mol Ca (OH)


1 mol Ca (OH ) 2
= 74 g Ca ( OH )
2
→1=
1 mol Ca (OH )
2
ou 1 =
74 g Ca (OH )
2

2 2

40 g NaOH 1 mol NaOH


1 mol NaOH = 40 g NaOH → 1 = ou 1 =
1 mol NaOH 40 g NaOH

2 mol NaO H 1 mol Ca (OH 2 )


1 mol Ca (OH )
2
= 2 mol NaOH → 1 =
1 mol Ca (OH 2
ou 1 =
) 2 mol NaOH

1 emb. NaO H 200 g NaOH


1 emb. NaOH = 200 g NaOH → 1 = ou 1 =
200 g NaOH 1 emb. NaOH
4o Passo
Cálculo da massa de hidróxido de sódio formada.
DIVULGAÇÃO PNLD

1 mol  Ca ( OH ) 2  mol  NaOH 40   g  NaOH


) )
m (NaOH   =  111  000  g Ca( OH 2  ⋅ 
74   g  Ca ( OH )
2
 ⋅  
)
 ⋅  
1 mol  Ca ( OH 2 1 mol  NaOH
2
m(NaOH) = 120 000 g = 120 kg
5o Passo
Cálculo do número de embalagens de hidróxido de sódio obtidas.
1  emb . NaOH
Embalagens   de  NaOH  =  120000  g  NaOH  ⋅     =  600  emb . NaOH
200  g  NaOH
Os exercícios resolvidos até aqui ilustram os principais tipos de problemas envolvendo cálculos estequiométricos. São esses
cálculos que os químicos realizam para manter, nas reações, uma proporção correta dos reagentes.

Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.

Para responder às questões, caso necessário, consulte os 17. O etanol é obtido da sacarose por fermentação, conforme
dados de massa atômica na tabela periódica no final do a equação:
livro. C12H22O11 + H2O → C2H5OH + CO2
14. Qual é a importância do cálculo estequiométrico nos Determine a quantidade de matéria de etanol (C2H5OH)
processos químicos?
a partir de 5 mol de sacarose.
15. O que são os índices e coeficientes de uma equação
química?
18. O gás metano (CH4) pode ser obtido nos tratamentos de
esgoto, por meio de processos biológicos ocorridos nos
16. Qual a quantidade de matéria de gás oxigênio (O2), que biodigestores, e ser aproveitado como combustível. Esse
será produzida a partir de 8 mol de bauxita (Al2O3), no gás, ao reagir com oxigênio (O2), formará gás carbônico
processo de obtenção do alumínio metálico? Sendo dada (CO2) e água (H2O). Com base nos valores de massa atômica
a equação não balanceada: da tabela periódica, faça o que se pede.
Al2O3(s) → Al(s) + O2(g) a) Monte e balanceie a equação.

58
b) Calcule quantas moléculas de gás carbônico são (Fe2O3) com carvão (C), formando ferro (Fe) e gás carbônico 1
liberadas a partir de 13 kg de gás metano. (CO2). Calcule:
19. (Fuvest-SP-adaptado) Uma instalação petrolífera a) A massa de óxido de ferro III (Fe2O3) que, ao reagir com
produz 12,8 kg de SO2 por hora. A liberação desse gás carvão (C), produz 660 kg de dióxido de carbono (CO2).
poluente pode ser evitada usando-se calcário, o qual, por 2
b) A quantidade de ferro, em quilogramas, obtida a partir
decomposição, fornece a cal, que reage com SO2 formando de 2 toneladas de hematita (Fe2O3).
CaSO3, de acordo com as equações:
c) A massa de dióxido de carbono (CO2) liberada na
CaCO3 (s) → CaO(s) + CO2(g)
produção de 1 mol de ferro. 3
CaO(s) + SO2(g) → CaSO3(s) 24. (Unifei-MG-adaptada) A sacarose é metabolizada pelos
Quantas moléculas de CaCO3 são, por hora, necessárias animais, sendo uma das principais fontes de energia para
para eliminar todo o SO2 formado? as células. Esse metabolismo ocorre durante a respiração, 4
Dados: massas molares (g/mol): formando CO2 e H2O como produtos. Dados: massas
SO2 = 64; 6,02 ⋅ 1023 moléculas de CaSO3 = 64 g de SO2 molares (g/mol): H = 1, C = 12, O = 16.

20. A água mineral gaseificada pode ser fabricada pela C12H22O11 + O2 → CO2 + H2O 5
introdução de gás carbônico (CO2) na água, sob pressão a) Qual é a quantidade de matéria de água produzida a
um pouco superior a 1 atm. De acordo com a equação partir de 500 g de sacarose?
química abaixo, calcule, em quilogramas, a massa de b) Quantas moléculas de oxigênio reagirão com 5 mol de
glicose necessária para produzir 100 mol de gás carbônico. 6
sacarose?
C6H12O6(s) → 2C2H5OH(l) + 2CO2(g) 25. O sabão de coco é um produto de grande aceitação nas
21. (UFSCar-SP-adaptado) A termita é uma reação que ocorre lavanderias, por possuir poder de limpeza excelente e não
entre alumínio metálico e diversos óxidos metálicos. A agredir os tecidos mais finos. Um dos componentes do
DIVULGAÇÃO PNLD

reação do Al com óxido de ferro (III), Fe2O3, produz ferro sabão de coco é o laurato de sódio, que pode ser obtido
metálico e óxido de alumínio, Al2O3. Essa reação é utilizada pela seguinte equação simplificada:
na soldagem de trilhos de ferrovias 2Al(s) + Fe2O3(s) → CH3[CH2]10COOH(aq) + NaOH(aq) →
Al2O3(s) + 2Fe(l). → CH3[CH2]10COONa(s) + H2O(l)
A imensa quantidade de calor liberada pela reação
Suponha que uma indústria produza 580 kg de sabão
produz ferro metálico fundido, utilizado na solda.
por dia.
Dadas as massas molares, em g/mol: Al = 27 e
Fe = 56. a) Que quantidade de matéria de laurato de sódio
[CH3(CH2)10COONa] será produzida em 30 dias?
a) Calcule a quantidade de ferro metálico produzido a partir
da reação com 550 g de alumínio metálico. b) Qual é a massa de ácido láurico [CH3(CH2)10COOH]
b) Quantas moléculas de óxido de ferro (III), Fe2O3, são consumida diariamente?
necessárias para reagir com 4 mol de óxido de alumínio, c) Qual é a massa de hidróxido de sódio (NaOH) consumida
Al2O3? em 30 dias de produção?
c) Qual é a quantidade de matéria de alumínio 26. Um produto de cultura milenar é o vinagre. Para a
necessária para produzir 510 g de ferro metálico fundido? fabricação, basta deixar o vinho azedar. Nessa reação, o
22. O titânio (Ti) é considerado o metal do futuro. Na construção etanol (C2H5OH), substância encontrada no vinho, reage
de aviões supersônicos, é o metal que oferece as maiores com o gás oxigênio, produzindo o ácido acético (CH3COOH),
vantagens por causa da sua elevada temperatura de fusão substância encontrada no vinagre e na água.
(1 670 °C), visto que o atrito do ar contra as paredes a) Monte a equação da produção do ácido acético e
metálicas tende a elevar a temperatura de todo o corpo da verifique o balanceamento.
aeronave. A obtenção do metal pode ser representada pela b) Calcule a massa de ácido acético, quando se fermentam
equação não balanceada: TiCl4(s) + Mg(s) → Ti(s) + MgCl2(s). 500 g de etanol.
a) Calcule a massa de titânio obtida a partir de 800 g de
27. A reação de combustão de um dos componentes
cloreto de titânio (TiCl4). do gás de cozinha, o gás butano (C4H10) pode ser
b) Qual é a quantidade de matéria de magnésio (Mg) representada pela equação química não balanceada.
necessária para produzir 191,6 g de titânio (Ti)? Dados: Massas molares (g/mol): H = 1, C = 12, O = 16.
c) Quantos átomos de magnésio (Mg) são consumidos
C4H10(g) + O2(g) → CO2(g) + H2O(g)
por 380 g de cloreto de titânio (TiCl4)?
23. Em uma siderúrgica, a reação global, para obtenção de a) Determine a massa de gás oxigênio consumida na
ferro, ocorre em um alto-forno a partir de óxido de ferro III combustão completa de 174 g do gás butano.

59
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

b) Qual a quantidade de matéria produzida de gás a) Os métodos I e II são igualmente poluentes.


carbônico a partir de 52 g de gás oxigênio? b) Os métodos I e III são igualmente poluentes.
28. Mais de 10 000 anos é o tempo gasto para se decompor c) Os métodos II e III são igualmente poluentes.
o vidro. Para cada tonelada de vidro reciclado, d) O método III é o mais poluente dos três.
economiza-se 1,2 tonelada de matéria-prima. Para a e) O método I é o mais poluente dos três.
produção, a barrilha (Na2CO3) é aquecida com calcário
(CaCO3) e areia (SiO2). É barato porque há abundância 31. A soda cáustica ou hidróxido de sódio (NaOH) é utilizada,
dessas três matérias-primas. Podemos considerar a por exemplo, para desobstruir encanamentos domésticos.
reação, a seguir, como representativa do processo de Industrialmente, essa substância também é usada na
CAPÍTULO 2

fabricação do vidro: fabricação de papel, detergente etc. A sua produção pode


ser descrita pela equação química abaixo.
SiO2(s) + CaCO3(s) + Na2CO3(s) →
→ Na2O(s) + CaO(s) + SiO2(s) + CO2(g) 2Na(s) + 2H2O(ℓ) → 2NaOH(aq) + H2(g)

Dada a equação não balanceada, responda: Quantos quilos de sódio metálico (Na) são necessários
para produzir 500 kg de hidróxido de sódio?
a) Para a produção de uma tonelada de vidro, quantos
mols, aproximadamente, economizaríamos de areia, 32. O trinitrotolueno (TNT) é um sólido amarelo cristalino
carbonato de cálcio e barrilha? bastante utilizado como explosivo. A velocidade de sua
b) Por que há maior consumo de refrigerantes ou cervejas reação é extremamente rápida e ocorre a liberação de gás
em latas de alumínio do que em garrafas? carbônico (CO2), água (H2O) e gás nitrogênio (N2), de acordo
com a equação abaixo.
c) Já que o consumo de latas é maior do que o de vidros,
Dados: massa molar (TNT) = 227,13 g/mol.
por que é mais caro o refrigerante em lata?
29. (FMTM-MG) No motor de um carro a álcool, o vapor 2C7H5N3O6 + 21/2O2 → 14CO2 + 5H2O + 3N2
DIVULGAÇÃO PNLD

do combustível é misturado ao ar e se queima à custa Quantos quilos de água são produzidos a partir da
de faísca elétrica, produzida pela vela no interior do detonação de 10 kg de TNT?
cilindro. A queima do álcool pode ser representada
pela equação: 33. O esmalte dentário é formado por cerca de 97% de
hidroxiapatita [Ca10(PO4)6(OH)2]. Essa substância sofre
C2H6O(g) + 3O2(g) → 2CO2(g) + 3H2O(g) + energia decomposição que pode ser acelerada, por exemplo, pela
A quantidade, em mol, de água formada na combustão ingestão de açúcares.
completa de 138 g de etanol, é igual a: Dados: massas molares (g/mol):
Dado: massa molar C2H6O = 46 g/mol. [Ca10(PO4)6(OH)2] = 1004 ; HPO42– = 96; Ca2+ = 40.
a) 1. d) 9. [ C a 1 0 ( P O 4 ) 6 ( O H ) 2 ] ( s ) + 8 H + ( a q ) →10 C a 2 + ( a q ) +
+ HPO42– (aq) + 2H2O(ℓ)
b) 3. e) 10.
Qual a massa da água, em gramas, que seria formada a
c) 6.
partir da dissolução de 5 mg de hidroxiapatita?
30. (Fuvest-SP) O nitrato de cobre é bastante utilizado nas
indústrias gráficas e têxteis e pode ser preparado por três
34. (Fuvest-SP) O carbono ocorre na natureza como
uma mistura de átomos, dos quais 98,90% são
métodos: 12
C e 1,10% é 13C. Dados: massas atômicas:
Método I: 12
C = 12,000 u; 13C = 13,003 u.
Cu(s) + HNO3(conc.) → Cu(NO3)2(aq) + NO2(g) + a) Explique o significado das representações 12C e 13C.
+ H2O(l) b) Com esses dados, calcule a massa atômica do carbono
natural.
Método II:
35. (EE Mauá-SP) Uma vez que as massas atômicas do
2Cu(s) + O2(g) → 2CuO(s) → 2CuO(s) + HNO3 (dil.) → oxigênio e do sódio são, respectivamente, 16 u e 23 u,
→ 2Cu(NO3)2(aq) + H2O(l) então, a massa de 23 átomos de oxigênio é a mesma que
a de 16 átomos de sódio. Essa afirmativa é verdadeira
Método III:
ou falsa? Justifique.
3Cu(s) + HNO3 (dil.) →
36. (Unifesp-adaptado) Pessoas com pressão arterial elevada
→ 3Cu(NO3)2(aq) + NO(g) + 4H2O(l) → precisam reduzir o teor de sódio de suas dietas. Um dos
2NO(g) + O2(g) → 2NO2(g) meios de se conseguir isso é com o uso do chamado “sal
light”, uma mistura de cloreto de sódio e cloreto de potássio
Para um mesmo consumo de cobre:
sólidos. Dados: massas molares, em g/mol: Na = 23,0;

60
K = 39,1; Cl = 35,5. Calcule a massa molar do cloreto de interior, cerca de 85% de GLP em estado líquido e 15% 1
sódio (NaCl) e do cloreto de potássio (KCl). em estado de vapor. O gás em estado líquido se vaporiza
37. A glicose é um açúcar utilizado pelas células, como à medida que o botijão se esvazia. Qual é a massa molar
fonte de energia para o organismo. É um sólido de sabor do propano e do butano?
Dados: massas molares, em g/mol: C = 12,0; H = 1,0. 2
adocicado, de fórmula molecular C6H12O6. Determine a
massa molar dessa substância. 39. (Mack-SP) O óxido de vanádio é constituído por moléculas
Dados: massas molares, em g/mol: V2Oy. Se a massa molar do V2Oy é 182 g/mol, então, y é
C = 12,0; H = 1,0; O = 16,0 igual a: 3
Dados: massas atômicas: V = 51 u; O = 16 u.
38. O gás liquefeito de petróleo (GLP) é derivado do petróleo
e conhecido como gás de cozinha. É constituído por duas a) 1. d) 5.
substâncias: o propano (C3H8) e o butano (C4H10). Um b) 3. e) 4. 4
botijão, com sua capacidade completa, contém, em seu c) 7.

6
4 Rendimento das reações

Rubens Chaves/Pulsar Imagens


DIVULGAÇÃO PNLD

N ormalmente, em laboratórios e indústrias, a quantidade de produtos


formados é menor do que as previstas em teoria pela estequiometria.
Isso acontece por três motivos principais: primeiro, pela presença de impurezas
Muitas receitas indicam qual o rendimento
que se vai obter, em termos de quantidade de
unidades a serem produzidas. Será que sempre
nos reagentes; segundo, pelo fato de muitas reações serem reversíveis, ou seja, se obtém o rendimento esperado? Por quê?
os produtos reagem entre si, produzindo os reagentes originais; e, por último,
pela possibilidade de reações paralelas que fornecem produtos diferentes dos
desejados. Além disso, a ocorrência da reação depende de determinadas
condições, como a temperatura, que podem variar durante o processo.
PARE E PENSE
Existem, ainda, dificuldades operacionais que acarretam perda de produtos.
Indústrias – como a farmacêutica, a química e a de componentes eletrônicos O que significa o termo rendimento?
– trabalham com materiais de elevada pureza. Outras, como a siderúrgica Como sabemos se uma reação está
(extração de metais) e as fábricas de sabão, não utilizam matéria-prima de tendo um bom rendimento?
pureza tão elevada.
A indústria sempre procura elevar o seu lucro, ou seja, a renda que vai obter
na venda dos bens que produz. Isso significa aumentar o seu rendimento.
No caso da indústria química, o que se deseja é obter na reação o máximo
de produto possível, com pouca perda no processo. Se na indústria não se
obtém o máximo da quantidade esperada, diz-se que a reação não teve um
bom rendimento. Não só na indústria, como também nos laboratórios, os
químicos precisam saber se suas reações estão obtendo um bom rendimento,
ou seja, se estão produzindo o que se espera.

61
Para isso, os químicos definiram Rendimento Teórico (RT) de uma
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

reação, como a quantidade de um produto que seria obtida a partir de uma


quantidade de reagente se a reação fosse única e ocorresse completamente.
O rendimento teórico fornece, por meio da estequiometria, a quantidade
máxima de produtos que seria obtida se a reação fosse completa.
Para realizarmos os cálculos químicos, precisamos saber que quantidade de
produto será realmente formada. A isso chamamos Rendimento Real (RR),
expresso como uma porcentagem do Rendimento Teórico (RT), conhecido
como rendimento percentual.
CAPÍTULO 2

R% = RR 3 100%
RT
RT, em geral, corresponde à massa teoricamente prevista e RR à massa
realmente produzida.
Veja um exemplo.
Na produção de sabão, uma amostra de 100 g de hidróxido de sódio reage
com a estearina (Est), conforme a equação a seguir:
(C17H35COO)3C3H5(s) + NaOH(aq) → C17H35COONa(s) + C3H5(OH)3(ℓ)
Considerando que, a partir de 100 g de hidróxido de sódio (NaOH), foram
obtidos 512 g de estearato de sódio (principal componente do sabão – EstNa),
qual é o rendimento real do processo?
Levando em conta a proporção entre as substâncias envolvidas na reação,
DIVULGAÇÃO PNLD

teremos a equação balanceada:


(C17H35COO)3C3H5(s) + 3NaOH(aq) → 3C17H35COONa(s) + C3H5(OH)3(ℓ)
Ao identificar a relação estequiométrica existente no cálculo em questão,
temos a relação entre o reagente (hidróxido de sódio) e o produto (estearato
de sódio).
Utilizemos agora o fator de conversão de massa do hidróxido de sódio para
o estearato de sódio. Para facilitar a escrita das equações, representaremos o
estearato de sódio por EstNa.
Peggy Greb/US Department of Agriculture/Science Photo Library

890 g EstNa 120  g  NaOH


3 ⋅ 40 g NaOH = 1⋅ 890 g EstNa  →  1 =    ou  1  =  
120 g NaOH 890  g  EstNa

Agora, vamos determinar a quantidade de material desejada, a partir do


fator de conversão obtido das relações estequiométricas. Para isso, vamos
igualar o símbolo da grandeza solicitada com o da fornecida inicialmente e
fazer as devidas conversões.
Fator de conversão:
890 g EstNa
1 = 
120 g NaOH

Calculando a massa do estearato de sódio que deveria ser produzida:


890 g EstNa
)
m (EstNa = 100  g NaOH   ⋅  
120  g NaO H
)
  →   m (EstNa   ≅  742  g

Para desenvolver as reações químicas Cálculo das conversões de unidade e do valor real do sabão:
em laboratórios e na indústria, os químicos Sendo a massa, realmente produzida, igual a 512 g, e de acordo com a
fazem cálculos precisos sobre quantidades de
equação apresentada, teremos:
reagentes que precisam adicionar no sistema
512 g 
racional. Para isso, fazem cálculos precisos R%=   ⋅  100 %   →   R %  ≅  69 %  
sobre rendimentos de reações. 742 g

62
Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.
1

Para responder às questões, caso necessário, consulte os 43. “Tarde demais! O papo, que estava bom após o primeiro
dados de massa atômica na tabela periódica, no final do livro. copo, fica difícil após quatro doses. Isso acontece porque
o cérebro tem dificuldade para funcionar. Essa quantidade 2
40. Por que, em uma reação química, o rendimento não é igual
afronta não só o raciocínio, como também as restrições
ao teoricamente previsto?
sociais. É quando o tímido consegue passar cantadas
41. A cárie é um processo de desmineralização localizada no esmalte impensáveis quando está sóbrio. ” Superinteressante,
do dente e, em geral, também na dentina, que culmina com a n. 2, fev. 2000. 3
formação de uma cavidade. O fluoreto de sódio (NaF) libera íons Para se obter o álcool por fermentação, a partir da cana-de-
fluoreto (F –), que atuam na prevenção da cárie dentária, porque açúcar, passa-se por alguns processos, sendo a última etapa,
têm a propriedade de substituir os grupos hidróxido (OH –) do C6H12O6(s) → C2H5OH(aq) + CO2(g), chamada fermentação
4
principal constituinte do esmalte dos dentes, a hidroxiapatita alcoólica. De acordo com as informações acima, responda.
[Ca5OH(PO4)3], formando a fluorapatita [Ca5F(PO4)3], que é bem a) Se o rendimento percentual é de 96%, qual é a massa
mais resistente ao ataque de ácidos e bactérias, conforme a de glicose (C6H12O6) necessária para produzir 700 g de
equação balanceada a seguir: etanol (C2H5OH)? 5
Ca5OH(PO4)3(s) + NaF(aq) → Ca5F(PO4)3(s) + NaOH(aq) b) Pela lei brasileira, o máximo permitido é 0,6 g de
Considerando que, a partir de 84 g de fluoreto de sódio, foram álcool por litro de sangue. Será que uma pessoa que
obtidos 252 g de fluorapatita, qual é o rendimento real do tenha 5 litros de sangue e tenha tomado 3 doses de
processo? 50 mL de uísque pode dirigir um carro? Justifique por 6

42. (Enem) Na investigação forense, utiliza-se luminol, uma meio de cálculos, considerando que todo o álcool foi
substância que reage com o ferro presente na hemoglobina para o sangue. Dados: 1 dose de uísque possui cerca
do sangue, produzindo luz que permite visualizar locais de 20 g de álcool.
DIVULGAÇÃO PNLD

contaminados com pequenas quantidades de sangue, 44. Muitas vezes, sentimos azia (queimação no estômago),
mesmo em superfícies lavadas. É proposto que, na reação ou seja, excesso de ácido clorídrico causado por alguma
do luminol (I) em meio alcalino, na presença de peróxido disfunção na digestão, estresse ou consumo exagerado
de hidrogênio (II) e de um metal de transição (Mn+), de alimentos gordurosos. Para aliviar o excesso de acidez
forma-se a substância 3-aminoftalato (III), que sofre no estômago, é necessário ingerir um produto capaz de
uma relaxação, originando o produto final da reação (IV), neutralizar o ácido, chamado antiácido. Um antiácido pode
com liberação de energia (h ) e de gás nitrogênio (N2). ser formado por carbonato ácido de sódio aquoso (NaHCO3)
Dados: massas molares (g/mol). reage com ácido cítrico aquoso [COH(CH2)2(COOH)], para
Luminol = 177 e 3-aminoftalato = 164. produzir citrato de sódio aquoso [COH(CH2)2(COONa)3]
e ácido carbônico aquoso (H2CO3). Como o ácido carbônico
é instável, a formação estável é com o gás carbônico e água.
(I) (III) (IV) Monte a reação balanceada e, com base nas informações
NH2 O
(II)
NH2 O * NH2 O acima, responda.
NH O O a) Sabendo que 5 kg de bicarbonato de sódio reagem
+ H2O2 + Mn+ + hv + N2
NH O O com ácido cítrico, para produzir 2 559,5 g de citrato de
O O O
sódio, determine o rendimento percentual da reação.
b) Por que duas substâncias com ácido no nome são
utilizadas para combater acidez no estômago, visto
que o interior desse órgão já é hiperácido?
Adaptado de: Química nova.
São Paulo: SBQ, v. 25, n. 6, 2002. p. 1003-1011. 45. Um zelador usa ácido muriático (nome comercial da solução
de ácido clorídrico) regularmente para fazer limpeza do
Na verificação de uma amostra biológica para análise piso de mármore do prédio em que trabalha. Sabe-se que
forense, utilizaram-se 54 g de luminol e peróxido o ácido ataca o mármore (formado basicamente por CaCO3),
de hidrogênio em excesso, obtendo-se rendimento liberando gás carbônico, de acordo com a equação:
final de 70%. Sendo assim, a quantidade do produto CaCO3(s) + 2HCl(aq) → CaCl2(s) + H2O(l) + CO2(g).
final (IV) formada na reação foi de: Qual é o volume de gás carbônico formado, nas CNTP, quando
a) 123,9 g. ocorre reação de 50 g de mármore?
b) 114,8 g. 46. O cobre é um metal encontrado na natureza em diferentes
c) 35,0 g. minerais. Um processo de obtenção desse metal pode ser
d) 86,0 g. apresentado pela equação:
e) 16,2 g. Cu2S(s) + 2Cu2O(s) → 6Cu(s) + SO2(g)

63
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Supondo que o processo apresente rendimento de 60%, Utilizando-se 480 g do minério e admitindo-se um
qual é a massa de cobre obtida a partir de 100 g de CuS(s)? rendimento de 80% na reação, qual a quantidade de
ferro produzida nessa reação.
47. (Mack-SP) CaF2 + H2SO4 → CaSO4 + 2HF
O HF é obtido a partir da fluorita (CaF2), segundo a reação 53. (Cesgranrio) O álcool etílico, C2H5OH, usado como
equacionada acima. A massa de HF, obtida na reação de combustível, pode ser obtido industrialmente pela
500,0 g de fluorita de 78% de pureza, é: fermentação da sacarose, representada simplificadamente
Dados: massa molar (g/mol). pelas equações:
Ca = 40, F = 19, H = 1, S = 32, O = 16 C12H22O11+ H2O → 2C6H12O6
a) 390,0 g. 2C6H12O6 → 2C2H5OH + 2CO2
CAPÍTULO 2

b) 304,2 g. Partindo-se de uma quantidade de caldo de cana,


c) 100,0 g. que contenha 500 kg de sacarose, e admitindo-se um
d) 200,0 g. rendimento de 68,4%, a massa de álcool obtida em kg
e) 250,0 g. será: Dados: C = 12 u; H = 1 u; O = 16 u.
48. Existem loções faciais adstringentes que limpam e a) 44.
tonificam a pele, pois penetram profundamente nos poros, b) 46.
removendo o excesso de oleosidade e traços de impurezas. c) 92.
Um dos componentes dessas loções é o etanol. Este pode d) 107.
ser obtido de acordo com a equação abaixo: e) 342.
C12H22O11(s) + H2O(ℓ) → 4C2H5OH(ℓ) + 4CO2(g) 54. (Cesgranrio) O gás hidrogênio pode ser obtido em laboratório
Admitindo-se que essa reação tenha rendimento total (100%) a partir da reação de alumínio com ácido sulfúrico, cuja
e que o etanol produzido seja puro (anidro), qual é a massa equação química não ajustada é dada a seguir:
DIVULGAÇÃO PNLD

de açúcar (C12H22O11) necessária para produzir 100 L de etanol Al + H2SO4 → Al2(SO4)3 + H2


(C2H5OH)? Um analista utilizou uma quantidade suficiente de H2SO4
Dado: álcool = 0,8 g/cm3. para reagir com 5,4 g do metal e obteve 5,71 litros do
49. Ao reagirmos cloreto de cálcio (CaCl2) com nitrato de gás nas CNTP. Nesse processo, o analista obteve um
prata (AgNO3), obtemos um precipitado branco – cloreto rendimento aproximado de: Dados: Al = 27 u.
de prata (AgCl). Sabendo-se que essa reação apresenta a) 75 %.
um rendimento de 90%, calcule a massa do precipitado b) 80 %.
formado a partir de 22,2 g de cloreto de cálcio, conforme c) 85 %.
a equação não balanceada abaixo: d) 90 %.
CaCl2(aq) + AgNO3(aq) → AgCl(s) + Ca(NO3)2(aq) e) 95 %.
55. (ENEM) “No Japão, um movimento nacional para a promoção
50. (UFU-MG) Encontrou-se uma amostra de mármore (CaCO3),
da luta contra o aquecimento global leva o slogan: 1 pessoa,
cuja pureza era de 60%. Decompondo-se 50 g dessa
1 dia, 1 kg de CO2 a menos! A ideia é cada pessoa reduzir
amostra, obtiveram-se cal virgem (CaO) e gás carbônico
em 1 kg a quantidade de CO2 emitida todo dia, por meio
(CO2). Admtindo-se um rendimento de 70% para essa
de pequenos gestos ecológicos, como diminuir a queima
reação, quantos mols de gás carbônico foram conseguidos?
de gás de cozinha. Um hambúrguer ecológico? É pra já!”
Dados: C = 12 u; O = 16 u; Ca = 40 u.
Disponível em: http://lqes.iqm.unicamp.br.
51. O ácido sulfúrico (H2SO4) é bastante usado em processos Acesso em: 24 fev. 2012 (adaptado).
industriais e está presente na bateria de motor de carros. Considerando um processo de combustão completa de
Estabeça uma previsão de quantos quilos de H2SO4 são um gás de cozinha composto exclusivamente por butano
produzidos a partir da reação representada pela equação (C4H10), a mínima quantidade desse gás que um japonês
abaixo, onde são usados 6 000 kg de SO2. Em seguida, deve deixar de queimar para atender à meta diária,
calcule o rendimento dessa reação, sabendo que apenas apenas com esse gesto, é de:
7 700 kg foram produzidos. Dadas as massas molares:
Dados: CO2 (44 g/mol); C4H10 (58 g/mol).
SO2 = 64 g/mol; H2SO4 = 98 g/mol
a) 0,25 kg.
SO2 + 1/2O2 + H2O → H2SO4
b) 0,33 kg.
52. No processo de obtenção de ferro a partir do minério hematita c) 1,0 kg.
(Fe2O3), considere a equação química não-balanceada: d) 1,3 kg.
Fe2O3 + C → Fe + CO e) 3,0 kg.

64
5 Soluções 1

holbox/Shutterstock
2

P
6
Produtos de limpeza são soluções em
ara realizar os cálculos químicos das reações, precisamos tomar, como
que o agente de limpeza está diluído geralmente
referência, as substâncias que estão diretamente envolvidas. Ocorre que em água.
dificilmente as substâncias são encontradas de forma isolada. Elas sempre estão
DIVULGAÇÃO PNLD

disseminadas entre outras substâncias, pois são formadas por constituintes


extremamente pequenos e facilmente interagem com constituintes de outras
substâncias. Nesse sentido, a determinação da quantidade de substâncias
tem de levar em conta a relação entre as substâncias presentes no sistema
reacional. Nesta seção, veremos como são essas relações. Como a maioria PARE E PENSE
das reações ocorre em sistemas aquosos, no qual o reagente está dissolvido,
o estudo dessas reações será em relação às soluções. Pelo que já estudamos, qual a dife-
rença entre solução e mistura?
A palavra solução pode significar a superação de uma dificuldade,
conclusão de um assunto, resultado de um problema. Em Química, solução
é um tipo de material, que se apresenta na forma homogênea somente
dentro do limite de proporção entre as substâncias nele contidas. A solução
é um material homogêneo diferente da mistura, que se apresenta na forma
homogênea independentemente da proporção em que estão as substâncias
nele contidas por exemplo, água e álcool e os gases da atmosfera, os quais,
em quaisquer proporções, sempre constituem um material homogêneo. Por
sua vez, água e cloreto de sódio formam soluções, pois, dependendo da
quantidade de sal, há precipitação.

Solução é um tipo de material homogêneo, cuja


uniformidade é constatada apenas em determinadas
proporções de suas substâncias constituintes.

Mistura é um tipo de material homogêneo, cuja


uniformidade é constatada em qualquer proporção
das suas substâncias constituintes.

Em uma solução, existe sempre pelo menos uma substância dispersa


(dissolvida) em outra. A substância que está dispersa é chamada soluto.

65
A que dispersa, ou seja, que dissolve as outras, é denominada solvente. O
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

solvente é a substância que se apresenta em maior proporção no material. A


dispersão do soluto ocorre no meio do solvente, de maneira que o soluto vai
se dispersando ao poucos até estar homogeneamente distribuído no meio da
solução, como se pode observar na figura abaixo. Após a quantidade máxima
de soluto que consegue se dissolver, a adição de mais soluto precipita no
fundo da solução.
Hely Demutti

MEC | Reprodução
CAPÍTULO 2

Em uma solução, a adição de soluto, numa


quantidade maior do que o solvente consegue Ao dissolver permanganato de potássio em água, o soluto,
dissolver, resultará na precipitação no fundo do permanganato de potássio, aos poucos se mistura com o solvente, a água,
recipiente do soluto em excesso, formando um até formar uma solução. Observe que, no caso, foi adicionado excesso
DIVULGAÇÃO PNLD

material heterogêneo. de soluto, o qual se precipitou no fundo da solução.

A maioria das soluções de interesse no estudo da Química tem como


solvente a água. Em geral, os solutos são substâncias iônicas, mas podem ser
também substâncias moleculares polares.
Do ponto de vista microscópico, os constituintes do soluto vão sendo
envolvidos pelos constituintes do solvente. No caso de um soluto iônico, os
íons do soluto vão se separando e no caso de substâncias moleculares, as
moléculas que vão se separando uma das outras, ao serem envolvidas
por moléculas do solvente, por exemplo, a água. Veja as ilustrações a seguir.
Nas soluções, as minúsculas partículas do soluto estão uniformemente
distribuídas no solvente. Nesse sentido, em tais materiais não é possível
observar as partículas do soluto, mesmo com o auxílio de microscópios. Ocorre,
porém, que – nas soluções – um aumento da proporção do soluto levará à
precipitação dele no recipiente, formando um material heterogêneo. Hely Demutti

Do ponto de vista da Química, só


denominamos materiais como misturas
quando, em qualquer proporção que estejam
as suas substâncias, elas permanecem com
aparência homogênea. Em qualquer
proporção que misturemos os gases da
atmosfera, esta continuará homogênea.
Em qualquer proporção que se misture
água e álcool, esse material permanecerá
homogêneo.

66
Dissolução de cloreto de sódio (sal) em I NaCl(s) → Na+(aq) + Cl– (aq) II 1
água. A figura I ilustra os íons do cloreto de sódio
sendo separados uns dos outros pela água. A
figura II ilustra várias moléculas de água com
sua extremidade negativa ao redor do cátion 2

O. Sequetin

O. Sequetin
Na+, separando-o dos ânions Cl–, envoltos pela
extremidade positiva da água. Dessa forma, os
íons do cloreto de sódio ficam dispersos em água.
Como os íons são extremamente pequenos, o 3
material tem aparência homogênea.

I C12H22O11(s) → C12H22O11(aq) II 4
Dissolução da sacarose (açúcar) em água. A

O. Sequetin
figura I ilustra que a molécula de sacarose (C12H22O11)
possui extremidades positivas e negativas. A figura II
ilustra moléculas de água, atraídas pelos polos das 5
moléculas de sacarose. As moléculas de sacarose,

O. Sequetin
que estavam agrupadas, ficam separadas uma
das outras, formando um material com aparência
homogênea. Milhões e milhões de moléculas de 6
sacarose juntas formam aglomerados visíveis, como
os cristais de açúcar, mas moléculas separadas estão
muito longe de serem perceptíveis à nossa visão.
DIVULGAÇÃO PNLD

6 Concentração e composição
verca/Shutterstock

A s reações químicas, conduzidas em laboratórios geralmente, ocorrem


em soluções aquosas. Dessa forma, um cálculo muito comum pelos
químicos envolve relações quantitativas de soluções. A expressão dessas
Os chamados sucos engarrafados pela
indústria contêm quantidades desprezíveis
dos nutrientes das frutas, alguns apenas os
relações quantitativas é denominada concentração. componentes químicos que imitam o sabor da
fruta. Alguns desses sucos contêm um pouco
O termo concentração é polissêmico. Ele pode ser usado para se referir à mais de suco natural, por isso diz-se que são
preparação de jogadores para uma partida de futebol, para a manifestação concentrados. Será que são? Vamos aprender a
popular, para o grau de atenção de um estudante na prova etc. Em Química, ele fazer os cálculos para nos certificar disso.
assume significado semelhante à ideia que se tem da indicação da existência
de muita ou pouca substância em um material.
Por exemplo, nos referimos a sucos concentrados como aqueles que PARE E PENSE
possuem grande quantidade de extrato do suco por unidade de volume; os Como podemos saber se um suco
diluídos são aqueles que estão misturados com mais água. As garrafas de suco está mais ou menos concentrado,
concentrado devem conter orientações sobre quantas partes de água devem por alguma medida?
ser acrescentadas para o preparo da bebida. É claro que essa é apenas uma

67
recomendação do fabricante, que se baseia no gosto médio da população.
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Sempre há aquele que prefere o suco mais concentrado ou mais diluído,


ou seja, misturado com mais ou menos água. Assim também surgiram as
tradicionais expressões “café forte” ou “chá fraco”. A concentração pode ser
percebida, nesses casos, pela cor do material ou pelo sabor.

Hely Demutti
Copos contendo o mesmo suco. Todos
CAPÍTULO 2

com concentrações diferentes.

A variação da quantidade de soluto dissolvido em uma solução altera as


suas propriedades, que podem ser perceptíveis por cor ou sabor. Mas, em
laboratórios de química, não é possível a identificação da variação dessa
propriedade sem medidas adequadas. Para fazer seus cálculos, os químicos
precisam saber, com precisão, a quantidade de cada substância presente nos
materiais. Assim, em Química, a concentração refere-se às relações entre a
quantidade de uma substância (usualmente denominada soluto) e o volume
total do material (solução). A quantidade do soluto pode ser expressa em
diferentes unidades. Dessa forma, obtemos diferentes tipos de concentração:
• concentração em massa;
• concentração em volume;
DIVULGAÇÃO PNLD

• concentração em quantidade de matéria.


A seguir, vamos estudar as duas formas mais comuns de expressar a
concentração. Nessas expressões, utilizamos grandezas relativas ao soluto, ao
solvente ou à solução. Para facilitar, adotaremos como convenção os seguintes
índices nas grandezas: 1 para o soluto e 2 para o solvente. No caso de solução,
não usaremos índice.

Concentração em massa
A maneira mais comum de se expressar a concentração de soluções é
por meio da massa do soluto (m1) e pelo volume da solução (V). Como
a massa é normalmente expressa em gramas e o volume em litros, teremos
como unidade de medida da concentração g/L. Dependendo da situação,
outras unidades podem ser adotadas, como mg/mL, g/100 mL, g/m3, mg/L etc.

A concentração em massa de uma solução (Cm/V) expressa a relação


entre massa do soluto (m1) e volume da solução (V).

A concentração em massa é expressa da seguinte forma:


m
C=
v
Vejamos um exemplo:
1. Qual será a concentração em, massa, de cloreto de sódio em um soro
fisiológico que possui 9 g desse sal dissolvido em 100 mL de água?
9   g  NaCl 1000  mL 90  g  NaCl
Cm / V  ( NaCl)  =    ⋅    =     =  90  g / L
100  mL 1  L  s olução L  solução

68
Concentração em quantidade de matéria 1
As substâncias reagem em proporções definidas. Essas proporções podem
ser expressas pela grandeza “quantidade de matéria” e são denominadas
proporções estequiométricas. Assim, um mol de ácido clorídrico (HCl) reage 2
com um mol de hidróxido de sódio (NaOH), para formar um mol de cloreto de
sódio (NaCl) e um mol de água (H2O), como indica a equação química abaixo:
HCl(aq) + NaOH(aq) → NaCl(aq) + H2O(ℓ) 3
Em virtude das relações estequiométricas e pelo fato de a maioria das
reações químicas ocorrer em meio aquoso, é muito importante para o químico
conhecer as concentrações das substâncias em quantidade de matéria (Cn/V). 4
Essas são expressas em mol por litro (mol/L) ou seus múltiplos.

A concentração em quantidade de matéria de uma 5


solução (Cn/V) expressa a relação entre a quantidade
de matéria e o volume da solução.
6
Veja os exemplos a seguir:
1. Qual é a concentração da solução preparada pela dissolução de 1 mol de HCl
em meio litro de água?
DIVULGAÇÃO PNLD

A partir da definição de concentração em quantidade de matéria:

quantidade   de  matéria  ( mol) n  ( mol)


Cn / V   =    =  
volume  ( L ) V  ( L )

Substituem-se os valores fornecidos, então se tem:


1 mol  HCl
Cn / V  ( HCl)  =     =  2  mol / L
0 , 5  L  solução

Muitas vezes, o valor disponível é a massa do soluto. Nesse caso,


inicialmente, deve-se calcular a quantidade de matéria do soluto, para depois
se fazer o cálculo da concentração em quantidade de matéria. Vejamos um
exemplo nesse sentido.
2. Qual será a concentração em quantidade de matéria da solução preparada,
dissolvendo-se 20 g de hidróxido de sódio em 2 L de água?
Dados: M(Na) = 23 g/mol, M(O) = 16 g/mol, M(H) = 1 g/mol.
Nesse caso, inicialmente, deve-se calcular a quantidade de matéria (n) do
soluto, a partir da massa molar (M) do soluto (massa molar do NaOH):
M(NaOH) = M(Na) + M(O) + M(H) = 23 g/mol + 16g/mol + 1g/mol = 40 g/mol

m  ( g ) 20  g  NaOH
n  ( NaOH )  =    =     =  0 , 5  mol
M ( g / mol) 40  g / m ol  NaOH

Finalmente, calcula-se a concentração em quantidade de matéria:


n  ( mol) 0 , 5  mol
C( n / V )   =    =     =  0 , 25  m ol / L
V  ( L ) 2  L

Observe que para o cálculo anterior, a quantidade de matéria (n) é


determinada em função da massa do soluto (m1) fornecida e da sua massa

69
molar (M). Portanto, nesse caso, a concentração em quantidade de matéria
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

será calculada pela fórmula:


massa  ( g ) m1  ( g )
Cn / V   =    =  
massa  molar  ( g / mol) ⋅ volume  ( L ) M ( g / mol) ⋅ V  ( L )

Calculando a concentração de algumas soluções


De modo geral, as unidades de concentração mais utilizadas nos cálculos
CAPÍTULO 2

químicos são: concentração em massa e concentração em quantidade de


matéria. Vejamos alguns exemplos de cálculos básicos de concentração de
soluções.

Cálculo de concentração em quantidade de matéria


a partir da massa do soluto
1. As informações a seguir foram retiradas de uma bula de medicamento para reidratação oral:

Modo de usar:
dissolva o conteúdo do envelope em 500 mL de água.
DIVULGAÇÃO PNLD

Composição:
cada envelope contém
cloreto de potássio 75 mg
citrato de sódio di-hidratado 145 mg
cloreto de sódio 175 mg
glicose 10 g

Calcule a concentração em quantidade de matéria de cloreto de potássio, na solução preparada segundo as instru-
ções da bula. Sabendo que, para dados de soluto em massa, a concentração em quantidade de matéria é definida por:

m1  ( g )
Cn / V   =  
M ( g / mol) ⋅ Vsolução ( L )

Inicialmente, calcula-se a massa molar do cloreto de potássio.


Dados: M(K) = 39,1 g/mol, M(Cl) = 35,5 g/mol.
M(KCl) = 39,1 + 35,5 = 74,6 g/mol 75  mg ⋅ 1 g
Em seguida, calcula-se a quantidade de matéria e converte-se M KCl)   =  para litro:
o (volume   =  0 , 075 g
1000  mg

75  mg ⋅ 1 g 500  m L ⋅ 1 L


M( KCl)   =     =  0 , 075 g V  =     =  0 , 5  L
1000  mg 1000  mL

500  m L ⋅ 1 L
V  =     =  0 , 5  L
Determina-se, agora, a concentração
1000  mL em quantidade de matéria, substituindo-se os valores com as unidades
apropriadas:
m1  ( g ) 0 , 075  g
Cn / V   =    =     =  0 , 002 mol / L
M ( g / mol) ⋅ Vsolução ( L ) 74 , 5   g / mol ⋅ 0, 5  L

70
1
Cálculo de concentração em quantidade de matéria
a partir da concentração em massa
2
2. Determine a concentração em massa (g/L) de uma solução de NaOH com a concentração de 2,0 mol/L.
Dados: M(Na) = 23 g/mol; M(O) = 16 g/mol; M(H) = 1,0 g/mol.
Nesse caso, deve-se converter a quantidade de matéria em massa, a partir da massa molar:
M(NaOH) = 23 g/mol + 16 g/mol + 1 g/mol = 40 g/mol 3

) )
m (NaOH   =  n ⋅ M ( NaOH   =  2   mol ⋅ 40  g / mol   =   80  g

Daí: m(NaOH) = n(NaOH) ⋅ M(NaOH) = 2 mol ⋅ 40 g/mol = 80 g 4


Substituindo-se os valores, temos:
m1  ( g ) 80  g
Cn / V   =    =     =  80  g / L
Vsolução ( L ) 1 L 5

6
Composição
Nos materiais em geral são encontradas mais de duas substâncias. Nesse
caso, muitas vezes temos necessidade de conhecer a composição do material,
DIVULGAÇÃO PNLD

ou seja, precisamos identificar todas as substâncias nele contidas e em que


quantidades elas estão presentes. Quando nos referimos à quantidade de
apenas uma das substâncias presentes no material, sem nos interessar pelas
demais, chamamos essa quantidade de teor da substância no material.
Hely Demutti

A concentração dos nutrientes de alimentos sólidos


geralmente é apresentada sob a forma de título (m1/m).

Lembre-se que solução refere-se, em geral, a um material em que se


considera a existência de apenas duas substâncias – o soluto e o solvente,
embora sempre existirão, além do soluto, outras impurezas. Portanto, o
conceito de concentração refere-se a um material homogêneo (solução) com
duas substâncias. Já o teor se refere à relação quantitativa de uma substância
em um material constituído por mais de duas substâncias.
O teor das substâncias deve ser expresso corretamente e suas unidades
identificadas. Como o teor pode ser medido por diferentes unidades, a
composição dos materiais poderá ser expressa conforme os teores de cada
substância, de várias formas. Vejamos, a seguir, alguns tipos.

71
Teor em massa por massa (título — )
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

O título, muito utilizado pela indústria, expressa a concentração em


massa do soluto, ou solutos, por massa da solução. A massa do soluto
(m1) é normalmente expressa em gramas ou miligramas, enquanto
a massa da solução (m) é expressa em grama, quilograma ou dag
(100 g). Dessa forma, as unidades que comumente aparecem são:
g/g, mg/g, mg/kg. A expressão do teor em massa por massa ( ) será:
CAPÍTULO 2

massa   do  soluto  ( g ) m  ( g )
δ  =     =  1
massa   da  solução  ( g ) m  ( g )

Se em um xampu específico existem 2,4 g de cloreto de sódio em cada


100 g de xampu, além de poder expressar o teor de NaCl como 2,4 g/100 g
de xampu, podemos também representá-lo assim:

2 , 4  g
δ ( NaCl)  =     =  24   g / kg
0 ,100  kg
DIVULGAÇÃO PNLD

Outra forma comum de apresentar o título é em percentual.


É usual encontrar a concentração expressa dessa forma em embalagens
de produtos de limpeza, cosméticos, alimentos, medicamentos e outros.
Ela indica a massa (m1, em gramas) de determinada substância existente em
100 g do produto. Por ser em 100 g é que chamamos de porcentagem. Nesse
caso, o teor é denominado fração percentual em massa, que corresponde ao
título multiplicado por 100%.

P(m)% = ⋅ 100%

Teor em partes por milhão (ppm)


Expressar uma concentração em mg/kg significa que para cada 1 000 000 mg
de solução tem-se x mg do soluto, ou seja, x partes por milhão. Outras
combinações de unidades, por exemplo, mg/L, mL/kg ou mL/kL, também
representam essa proporção. Todas elas podem ser representadas por
ppm (partes por milhão).
Essa unidade é muito utilizada para expressar a concentração de
contaminantes, como chumbo, em água. Se na água há 25 ppm de chumbo,
isso significa que haverá 25 g de chumbo em cada metro cúbico (1 m3 = 1 000
L = 1 000 000 mL = 1 000 000 g).

Fração por quantidade de matéria (φ)


A fração por quantidade de matéria (φ) é pouco utilizada para soluções
líquidas, porque a quantidade de matéria do soluto, normalmente, é muito
menor que a quantidade de matéria total da solução. No entanto, ela é
importante porque certas propriedades químicas dependem diretamente
dessa fração dos constituintes, que pode variar de zero a um.

72
quantidade   de  matéria   da  substância  ( moll) n  ( m ol)
φ = 
φ   =   1

Hely Demutti
1
quantidade   de  matéria   total  ( mol) n T  ( mol)
Qual será a fração por quantidade de matéria do açúcar (sacarose —
C12H22O11) quando se dissolvem 171 g em 540 g de água, sabendo que a
massa em quantidade de matéria do açúcar, é igual a 342 g/mol? Para facilitar, 2
vamos calcular, inicialmente, a quantidade de matéria dos dois constituintes
da solução: o açúcar e a água.
m( açúcar ) 171  g 3
n( açúcar )   =    =     =  0 , 5  mol
M( açúcar ) 342  g / mol

m( água ) 540  g
n( água )   =    =     =  30 mol 4
M( água ) 18  g / mol

E a fração por quantidade de matéria será, então:


0 , 5  mol  de  açúcar 5
φ( açúcar )   =     =   0 ,016
30, 5  mol  total
Note que a fração por quantidade de matéria não apresenta unidade O teor de acidez do ácido acético em vinagre
porque, ao final, teremos sempre mol/mol. é, geralmente, expresso em percentual. Esse 6
teor indica a fração percentual em massa.
Qual será a fração por quantidade de matéria da água nessa solução?
Assim, um vinagre com 4% de acidez possui
Fazendo os cálculos, teremos: 4 g de ácido acético em 100 g de vinagre.
30 mol  de   água
DIVULGAÇÃO PNLD

φ( água )   =     =  0 , 984
30, 5  mol  total
Somando as frações por quantidades de matéria, teremos:
φ( açúcar )   +  φ( água )   =  1

A soma das frações por quantidades de matéria de todos os constituintes


de uma solução será sempre igual a um, independentemente, do seu número
de constituintes.
O mesmo cálculo pode ser feito para uma mistura de sólidos, líquidos
ou gases. Calculemos, por exemplo, a fração por quantidade de matéria do
etanol (CH3CH2OH), quando se misturam 500 g deste com 500 g de água:
m(etanol) 500  g
n(etanol)   =    =     ≈  10, 87  mol
M(etanol) 46  g / m ol

m( água ) 500  g
n( água )   =    =     ≈  27, 78  mol
M( água ) 18  g / mol

E a fração por quantidade de matéria do etanol será, então:


Hely Demutti

10, 87  mol  de  etanol


φ(etanol)   =     ≈  0 ,2812
38, 65  mol  tottal

Consequentemente, a fração por quantidade de matéria da água


na mistura será de 0,7188, o que corresponde à diferença 1 – 0,2812.

Utilizados pelos químicos, os espectrofotômetros possibilitam a


determinação de concentrações em ppm e até em ppb (partes por bilhão).

73
Composição de produtos comerciais
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Na comunidade científica, os químicos buscam padronizar suas unidades


Fábio Motta/AE

de medidas e expressá-las corretamente. No caso de soluções, usa-se


concentração em quantidade de matéria. Na indústria, porém, nem sempre
há uma padronização. Por esse motivo, frequentemente são encontrados
nos rótulos dos produtos químicos teores com unidades diferentes das
estudadas aqui. Muitos desses teores não especificam claramente a relação
a que se referem.
Um dos teores utilizados é a fração em volume, usualmente expressa em
CAPÍTULO 2

fração percentual. Essa fração é usada para líquidos e gases. Como na mistura
de líquidos o volume total nem sempre corresponde à soma dos volumes das
substâncias que o compõem, considera-se o total como a soma de cada um
dos volumes separadamente.
Muitos postos de combustíveis adulteram o Por exemplo, a mistura de 50 mL de água com 50 mL de álcool produz
teor de álcool na gasolina, adicionando outros uma solução com volume final inferior a 100 mL, mas, para cálculo da fração
solventes. Inspeções periódicas, para verificar se em volume, consideram-se 100 mL como a soma das duas substâncias.
a composição dos combustíveis está com seus
teores corretos, são feitas por químicos.
Como as embalagens não têm especificação precisa das unidades, muitas
vezes ficamos confusos sobre a que se referem os valores. Por exemplo, quando
na embalagem há informação de que determinado componente ativo tem
Hely Demutti

o teor de 0,50%, fica para nós a seguinte interrogação: esse percentual é


relativo à massa ou ao volume? Por essa razão, os químicos evitam empregar
teores em percentual, mesmo sendo usuais, para expressar a composição,
DIVULGAÇÃO PNLD

em frascos de desinfetantes, água sanitária, álcool etc. Veja outros exemplos


de teores comumente empregados. Nos frascos de água oxigenada, usada
como antisséptico, o teor em fração percentual em volume de peróxido de
hidrogênio (H2O2) é 3%, embora a embalagem indique água oxigenada 10
volumes. Esse teor diz respeito à quantidade de gás oxigênio produzida pela
decomposição do peróxido de hidrogênio. Assim, um frasco de um litro de
água oxigenada 10 volumes produzirá 10 litros de gás oxigênio nas condições
normais de temperatura e pressão (CNTP).
A concentração do álcool comercial é expressa em dois tipos de unidades:
grau GL (Gay-Lussac) e grau INPM (Instituto Nacional de Pesos e Medidas).
O grau GL refere-se à fração percentual em volume, e o INPM, à fração
No Brasil, a fração percentual em percentual em massa. Assim, um álcool 96 graus GL é um álcool que contém,
volume do etanol na gasolina é de em volume, etanol na fração percentual de 96%, ou seja, nesse material há
aproximadamente 24%. A gasolina é
a proporção 960 mL de etanol para cada 40 mL de água.
altamente inflamável e não deve ser
transportada como mostra a foto.
Hely Demutti

Hely Demutti

O álcool mais recomendado Os teores de determinados produtos possuem


para uso doméstico como uma significação diferente das usualmente
desinfetante é o 46º INPM. Esse adotadas. Um frasco de água oxigenada de
álcool, com menor teor de etanol, 10 volumes é assim denominado não porque
não queima tão facilmente tenha 10 volumes de peróxido de hidrogênio,
como o álcool 92,8º INPM, que mas porque um litro desse frasco produz 10
possui maior teor de etanol. litros de gás oxigênio nas CNTP.

74
Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.
1

56. Como podemos identificar os diferentes componentes de peso corporal. Calcule o volume de refrigerante, contendo
uma mistura? ácido fosfórico na concentração em massa de 0,6 g/L, que
2
57. Em uma solução, o que é denominado soluto e o que é uma pessoa de 60 kg deve ingerir para atingir o limite
solvente? máximo de IDA.
58. Foram preparadas, em um laboratório, duas soluções A e B, 62. (UFG-GO) A quantidade diária de cálcio, recomendada a
contendo soluções aquosas. No rótulo da solução A pode-se adultos, é de 1,0 g. Um indivíduo, pela manhã, ingere um 3
ler a concentração que é 0,1 mol/L de NaOH e na solução copo de iogurte integral de 200 g e no almoço, 250 mL de
B no rótulo está escrito 4 g/L de NaOH. Comparando-se as leite, preparado a partir de leite em pó. Que quantidade
duas soluções, qual é a mais concentrada? Dados massa de leite integral deverá ser consumida à noite, para o 4
molar do NaOH: 40 g/mol. indivíduo alcançar a dose diária de cálcio?
59. As ditas “bebidas energéticas” são ricas em cafeína Dados: 400 g de leite em pó produzem 4 L de leite; teores
e agem como poderosos estimulantes. Entretanto médios de cálcio: 145 mg/100 g de iogurte integral; 120
não possuem o poder de nos carregar de energia. mg/100 g de leite integral; 100 mg/100 g de leite em pó. 5
Antes de consumir esse tipo de bebida, convém ler os
63. (Fuvest-SP) Um analgésico, em gotas, deve ser ministrado
rótulos. Veja a composição de uma bebida energética
na quantidade de 3 mg por quilograma de peso corporal,
qualquer: água gaseificada, sacarose, glicose, taurina
(1 000 mg/250 mL), glucoronolactona (60 mg/250 mL), não podendo exceder 200 mg por dose. Cada gota contém 6
cafeína (80 mg/250 mL), inositol (50 mg/250 mL), vitamina, 5 mg de analgésico. Quantas gotas deverão ser ministradas
ácido cítrico, caramelo e aromatizantes. Responda aos itens a um paciente de 80 kg?
a seguir. 64. Calcule a massa (em gramas) do soluto necessária para o
DIVULGAÇÃO PNLD

a) Calcule a concentração em massa (g/L) da cafeína, da preparo das seguintes soluções:


taurina, da glucoronolactona e do inositol. a) 2,0 L de NaCl(aq) 0,20 mol/L.
b) Será que podemos considerar a bebida energética
b) 500 mL de CaCl2(aq) 0,50 mol/L.
como bebida isotônica (que visa reidratar o corpo
c) 250 mL de C6H12O6(aq) 0,315 mol/L.
rapidamente)? Cuidado: bebidas isotônicas são
recomendadas para pessoas que praticam atividade 65. O soro caseiro é um grande aliado no combate à
física intensa. Beber água com frequência é o ideal. desidratação. Uma de suas receitas é: dissolver 1 colher
c) Que pessoas não devem tomar esse tipo de bebida? de chá de sal (NaCl), 2,5 g, e 8 colheres de chá de
Justifique. açúcar, (C12H22O11), 18 g, em um litro de água. Calcule
60. (Fuvest-SP) Considere duas latas do mesmo refrigerante, a concentração em quantidade de matéria de cada
uma na versão diet e outra na versão comum. Ambas componente dessa solução.
contêm o mesmo volume de líquido (300 mL) e têm a 66. (Uerj) Algumas soluções aquosas, vendidas no comércio
mesma massa quando vazias. A composição do refrigerante com nomes especiais, são mostradas a seguir:
é a mesma em ambas, exceto por uma diferença: a versão
comum contém certa quantidade de açúcar, enquanto a FÓRMULA FRAÇÃO
NOME DO
versão diet não contém açúcar (apenas massa desprezível DO SOLUTO PERCENTUAL
PRODUTO
PREDOMINANTE EM MASSA
de um adoçante artificial). Pesando-se duas latas fechadas
do refrigerante, foram obtidos os seguintes resultados:
Soro fisiológico NaCl 0,9
AMOSTRA MASSA (g)
Lata com refrigerante comum 331,2 Vinagre C2H4O2 5

Lata com refrigerante diet 316,2


Água sanitária NaClO 2
Por esses dados, pode-se concluir que a concentração em
massa, em g/L, de açúcar no refrigerante comum é de, Água
H2O2 3
aproximadamente: oxigenada
a) 0,020. c) 1,1. e) 50.
b) 0,050. d) 20. Considerando que a densidade das soluções é de 1,0 g/mL
e que as soluções são formadas exclusivamente pelo soluto
61. (Fuvest-SP) O limite máximo de “ingestão diária aceitável” predominante e pela água, o produto que apresenta a maior
(IDA) de ácido fosfórico, aditivo em alimentos, é de 5 mg/kg de concentração em quantidade de matéria, mol/L, é:

75
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

a) Soro. a) 2,2 ⋅ 10 –6.


b) Vinagre. b) 4,5 ⋅ 10 –4.
c) Água sanitária.
c) 2,3 ⋅ 10 –3.
d) Água oxigenada.
d) 4,5 ⋅ 10 –1.
67. (UFRJ) A sacarina, que tem massa molecular 183 u e
fórmula estrutural conforme ilustração ao lado, é utilizada e) 2,2 ⋅ 10 –1.
em adoçantes artificiais. Cada gota de um certo adoçante 71. (Ufes) Em diabéticos, a ingestão de 80 g de açúcar
contém 4,575 mg de sacarina.
comum (sacarose) eleva a quantidade de glicose no
Foram adicionadas, a um recipiente contendo café com
CAPÍTULO 2

sangue em 1,0 g de glicose para cada litro de sangue.


leite, 40 gotas desse adoçante, totalizando um volume
Considerando-se que a taxa de glicose no sangue dos
de 200 mL.
diabéticos, em condições normais, é de aproximadamente
O
1,4 g/L, a concentração, em quantidade de matéria, de
C
glicose (C6H12O 6) no sangue de uma pessoa diabética,
NH
após o consumo de 100 g de açúcar, será cerca de:
SO2
a) 7,8 ⋅ 10 –3 mol/L.
a) Determine a concentração em quantidade de matéria b) 6,9 ⋅ 10 –3 mol/L.
da sacarina nesse recipiente. c) 6,9 ⋅ 10 –2 mol/L.
b) Quantos mililitros de café com leite devem ser d) 1,5 ⋅ 10 –2 mol/L.
adicionados ao recipiente para que a concentração em
e) 1,5 ⋅ 10 –1 mol/L.
massa da sacarina se reduza a 1/3 da concentração em
massa inicial? 72. (Uerj) Um fertilizante de larga utilização é o nitrato de
DIVULGAÇÃO PNLD

amônio, de fórmula NH4NO3. Para uma determinada cultura,


68. (Vunesp) Alguns produtos de limpeza doméstica consistem,
basicamente, em solução aquosa de amônia. Para reagir o fabricante recomenda a aplicação de 1 L de solução de
completamente com a amônia presente em 5,00 mililitros nitrato de amônio de concentração, em quantidade de
de amostra de um determinado produto de limpeza, foram matéria 0,5 mol ⋅ L–1 por m2 de plantação.
necessários 31,20 mililitros de ácido clorídrico 1,00 mol/L. A figura, a seguir, indica as dimensões do terreno que o
A reação que ocorre é: agricultor utilizará para o plantio.
60 m
NH3(aq) + HCl(aq) → NH4Cl(aq)
J. Yuji

a) Calcule a concentração em quantidade de matéria de 50 m


amônia na amostra.
b) Supondo a densidade da solução de amônia igual a
1 grama por mililitro, calcule a fração percentual em
massa de amônia presente na amostra. 90 m

69. (UFRGS-RS) Um aditivo para radiadores de automóveis é A massa de nitrato de amônio, em quilogramas, que o
composto de uma solução aquosa de etilenoglicol. Sabendo agricultor deverá empregar para fertilizar sua cultura, de
que em um frasco de 500 mL dessa solução existem cerca acordo com a recomendação do fabricante, é igual a:
de 5 mol de etilenoglicol (C2H6O2), a concentração em
a) 120.
massa dessa solução, em g/L, é:
a) 0,010. b) 150.
b) 0,62. c) 180.
c) 3,1. d) 200.
d) 310.
73. (ITA-SP) Para preparar 500 mL de uma solução aquosa 0,2
e) 620. mol/L de NaOH, um indivíduo tem à sua disposição:
70. (PUC-MG-adaptado) De acordo com o laboratório, o suco Frasco I – solução aquosa de NaOH 5,0 mol/L à vontade;
de laranja industrializado apresenta, em 200 mL do suco, Frasco II – balão volumétrico de 500 mL e água destilada
80 mg de vitamina C, cuja massa molar é igual a 176 g/mol. à vontade.
No suco de laranja, a concentração, em quantidade de O procedimento correto será:
matéria (mol/L), de vitamina C, equivale em média a, a) Colocar, no frasco II, 40,0 mL da solução do frasco I e
aproximadamente:
completar os 500 mL com água destilada.

76
b) Colocar, no frasco II, 20,0 mL da solução do frasco I e 77. O rótulo de um álcool em gel apresenta a indicação de 1
completar os 500 mL com água destilada. álcool etílico hidratado: 65° INPM. Nesse tipo de notação,
c) Colocar, no frasco II, 460 mL de água destilada e o número indica a porcentagem do volume de álcool. Isso
completar os 500 mL com solução do frasco I. significa que, para cada 100 mL desse produto, 65 mL são
de álcool. Qual o volume de álcool em 1 L de álcool gel? 2
d) Colocar, no frasco II, 480 mL de água destilada e
Classifique o material.
completar os 500 mL com solução do frasco I.
e) Colocar, no frasco II, 460 mL de água destilada e 78. No rótulo de uma água mineral natural fluoretada, consta
sua composição química: 2,21 mg/L de NaF (fluoreto de
completar os 500,0 mL de solução do frasco I. 3
sódio). Será que essa água possui quantidade suficiente de
74. O café tomado por grande parte da população, possui flúor para proteger a dentição das crianças, sabendo que o
como uma das principais substâncias de sua composição teor recomendado de íons fluoreto, na água mineral, para
a cafeína (1,3,7-trimetilxantina). Embora haja divergência o combate às cáries é de 0,8 ppm?
4
entre os especialistas, a quantidade máxima de consumo
79. Sabendo-se que uma solução foi preparada pela
diário gira em torno de quatro xícaras de café. Cada xícara dissolução de 0,50 mol de cloreto de sódio em
contém um volume de 200 mL. Sabendo que cada 36 g de água, calcule a fração por quantidade de matéria
xícara contém, em média, 80 mg de cafeína (massa molar do cloreto de sódio e da água. 5
igual a 194 g/mol), qual a concentração em mol/L de
cafeína usada diariamente? 80. Considerando que em 100 g de ar existem 75,4 g de
nitrogênio (N 2), 23,3 g de oxigênio (O 2) e 1,3 g de
75. Conforme a quantidade de essência utilizada, os perfumes argônio (Ar), calcule a fração por quantidade de matéria 6
podem ser classificados em: desses gases.
mL DE 81. (UFPA) Uma solução contém 30 g de NaI, 48 g de NaOH e
% da ESSÊNCIA
COMPOSIÇÃO 702 g de água. As frações por quantidade de matéria do
Classificação essên- POR
DO SOLVENTE
cia NaI e do NaOH são, respectivamente:
DIVULGAÇÃO PNLD

LITRO DE
PERFUME
a) 0,5 e 0,3.
950 mL de álcool
entre 15 entre 150 e
Perfume etílico e 50 mL de b) 0,005 e 0,03.
e 30 300
água

900 mL de álcool
c) 5 e 5.
entre 8
Loção perfumada entre 80 e 150 etílico e 100 mL d) 0,05 e 0,3.
e 15
de água

800 mL de álcool e) 0,005 e 0,3.


Água de toalete entre 4 e 8 entre 40 e 80 etílico e 200 mL
de água 82. (UFMG) Uma dona de casa, em um supermercado, se depara
com as seguintes informações sobre detergentes à base
700 mL de álcool
Água-de-
entre 3 e 4 entre 30 e 40 etílico e 300 mL de amoníaco:
colônia
de água
700 mL de álcool Concentração de
Deocolônia entre 1 e 3 entre 10 e 30 etílico e 300 mL Conteúdo da Preço do
amoníaco em
de água Detergente embalagem produto
porcentagem
(mL) (R$)
volume/volume
Responda às questões a seguir.
a) Esta é a duração média do cheiro dos perfumes na I 500 5 2,50

pele: meia hora aproximadamente, 1 hora e meia, 4


horas, 6 a 8 horas, 8 horas a dois dias. Correlacione II 500 10 4,00
a duração com a classificação. Justifique.
III 1 000 5 5,00
b) Se colocarmos 0,6 g ( = 0,9 g/mL) de essência em 800
mL de solvente, obteremos um perfume concentrado?
IV 1 000 10 9,00
Qual será a sua concentração em massa (g/L)?
76. Em um envelope de adoçante dietético de 1 g há, em
massa, frações percentuais de: aspartame (edulcorante Considerando-se os dados da tabela, a alternativa que
indica o detergente com o menor preço por quantidade de
artificial) – 3,8%; lactose alfamonoidratada (diluente) –
95,7%; dióxido de silício coloidal (antiumectante) – 0,5%. amoníaco em solução é:
a) Calcule a massa de cada soluto. a) I. c) III.
b) Pesquise o significado das palavras: edulcorante, b) II. d) IV.
diluente e antiumectante.

77
7 Diluição de soluções
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Vereshchagin Dmitry/Shutterstock
CAPÍTULO 2

Diluir produtos concentrados é uma


prática comum no cotidiano.

E m suas atividades, o químico necessita preparar soluções com


concentração conhecida. Isso pode ser feito a partir da medida precisa
da massa do soluto e do volume da solução, conforme a técnica apresentada
no experimento da página seguinte. Outro procedimento seria diluir soluções
de concentração conhecida.
O processo de diluição é muito usual no nosso cotidiano. Isso ocorre
com materiais de limpeza, medicamentos, tintas etc. O processo de diluição
DIVULGAÇÃO PNLD

consiste no acréscimo de solvente à solução. Ao fazermos isso, a quantidade


PARE E PENSE do soluto permanece constante, mas a concentração (razão entre quantidade de
soluto e volume da solução) altera-se.
O que significa diluição? Como diluí-
mos um suco concentrado? Assim, poderemos ter as seguintes relações, diferenciando-se a solução
inicial da final, utilizando, respectivamente, os índices i e f:

mi m
Ci   =      e    Cf   =   f
Vi Vf

Como a quantidade de soluto não varia com a diluição, podemos, então,


afirmar que mi é igual a mf. Igualando as equações anteriores, teremos:

Ci ⋅ Vi
mi = mf ( Ci ⋅ Vi = Cf ⋅ Vf ( Cf =
Vf

O mesmo raciocínio pode ser empregado para soluções, cujas concentrações


são expressas em quantidade de matéria por litro (mol/L). Nesse caso, igualando
as quantidades de matéria iniciais e finais, obteremos a equação:

ni ⋅ Vi
n f  =  
Vf

Esse raciocínio permite-nos fazer cálculos para preparar soluções a partir


de soluções concentradas por diluições.

78
1
Atividade Experimental

Como preparar uma solução 2


Uma atividade muito comum no laboratório de química é a preparação de solução. A técnica envolve a pesagem cui-
dadosa do soluto, a medida rigorosa de seu volume, a transferência correta do soluto e o acréscimo da quantidade exata
do solvente. O rigor exige materiais de laboratório bem calibrados, como balão volumétrico e balança. Este experimento 3
deve ser feito no laboratório da escola. Na ausência dos materiais indicados, eles poderão ser substituídos por materiais
caseiros. Nesse caso, o experimento poderá ser desenvolvido em casa. Com ele, você vai aprender a técnica utilizada pe-
los químicos na preparação de soluções. 4

Materiais
• Água destilada (ou filtrada) 5

• Béquer (ou copo de vidro)


• Permanganato de potássio (KMnO4) – 1 envelope de 0,1 g
6
• 5 balões volumétricos (ou pipetas, ou seringas descartáveis) de 100 mL
• Pipeta (ou seringa) de 10 mL
DIVULGAÇÃO PNLD

Procedimento

MEC | Reprodução
1. Dissolva completamente 0,1 grama de permanganato de
potássio (KMnO4) em um béquer com água destilada.
2. Transfira, quantitativamente, para um balão de 100 mL.
3. Lave, por duas vezes, o béquer com um pouco de água
destilada e transfira-a para o balão.
4. Adicione água ao balão até a marca do volume e
homogeneíze.
5. Verta um pouco da solução para um béquer e retire, com
auxílio de uma pipeta, 10 mL. Montagem do experimento.

6. Adicione os 10 mL da solução a um balão de 100 mL contendo água até a metade de seu volume, homogeneíze e
complete o volume.
7. Repita o procedimento anterior, retirando 10 mL de cada solução e diluindo novamente para 100 mL, até obter uma
solução incolor.

Destino dos resíduos


1. Os resíduos desta prática podem ser descartados na pia, sob água corrente.

Análise de dados

1. A última solução (a que não apresentou cor) também possui soluto? Justifique sua resposta.
2. Calcule a concentração em massa (Cm/ V) e em quantidade de matéria (Cn/V) para cada uma das soluções preparadas.
3. O fato de a solução ser incolor significa que ela não possui soluto?

79
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

4. Qual será a concentração final da solução obtida pela diluição de 5,0 mL de solução aquosa de NaOH 2,0 mol/L, a qual
se adiciona água destilada até completar 50 mL?
Para facilitar a resolução dos problemas, é melhor trabalharmos com as unidades-padrão.
Nesse caso, utilizaremos os volumes em litro, a partir da expressão:

Ci ⋅ Vi
Cf   =  
Vf
CAPÍTULO 2

2  mol / L ⋅ 0, 005 L i
Substituindo os valores, temos: Cf   =     =  0 , 2  mol / L
0 , 050  L
ou então: Cf = 0,2 mol/L

5. Um técnico tem 500 mL de solução de um detergente de concentração 1,2 mol/L e precisa diluir sua concentração a 1/4
desse valor. Como esse técnico deve proceder?
A concentração final desejada pelo técnico é de 0,3 mol/L (1/4 de 1,2). Precisamos conhecer, então, qual será o volume
final. Da relação de igualdade entre a quantidade de matéria das duas soluções, temos:
Ci ⋅ Vi
ni   =  n f   →   Ci ⋅ Vi   =  Cf ⋅ Vf   →   Vf   =
Cf

Ci ⋅ Vi
ni  o=volume
o que nos fornece  n f   →   final:
Ci ⋅ Vi   =  Cf ⋅ Vf   →   Vf   =
Cf
DIVULGAÇÃO PNLD

Substituindo os valores, temos: 1, 2  mol / L ⋅ 0, 5 L


Vf   =   =  2 , 0  L
0 , 3  mol / L

Para obter dois litros de solução, partindo de meio litro, o técnico deverá adicionar 1 500 mL de água aos 500 mL
do detergente.

Diluições de produtos domésticos


Muitos produtos domésticos de uso cotidiano devem ser diluídos antes de
Hely Demutti

ser usados. Porém, cada produto que precisa ser diluído possui uma forma
específica de diluição que, geralmente, vem expressa nos rótulos. Veja na
página seguinte alguns produtos de uso doméstico, com suas aplicações e
também as diferentes formas de diluição identificadas em seus rótulos.
Alguns rótulos de desinfetante sugerem que o produto seja diluído em
água na proporção de 1 para 3, o que significa que para cada parte do produto
devem-se acrescentar 3 partes de água.
Você segue as recomendações dos fabricantes dos produtos que utiliza?
Nem todas as pessoas o fazem, o que pode trazer desperdício ou prejuízo à
Na limpeza doméstica, muitos produtos economia doméstica ou ao ambiente. Por exemplo, se você dilui um produto
devem ser diluídos em água antes de ser de limpeza mais do que deveria, pode estar perdendo dinheiro. Em vez de
utilizados. Para isso, devem-se usar medidores fazer o seu produto “render mais”, como muita gente pensa, a diluição
para que a diluição ocorra na concentração excessiva impede sua eficácia.
correta. Resultado: você gasta o produto sem atingir o objetivo desejado.
Entretanto, quando se usa uma quantidade superior à recomendada, além
de desperdiçar dinheiro, você estará agredindo a natureza, pois o destino de
todos os produtos de limpeza é o ralo, que os conduz aos rios e mares. Então,
quanto menos produtos químicos jogarmos no ralo, melhor.

80
Exemplos de rótulos de produtos químicos de uso diário preparados na forma de soluções* 1

Fotos: Hely Demutti


Tipo do 2
produto:
sabão em pó.
Função: 3
lavar roupas.
Unidade de medida
Tipo do produto:
de dosagem:
detergente em pó. 4
copo americano (180 mL). Conforme a
marca da máquina, a quantidade pode Função:
variar. lavar louças.
Recomendações do fabricante: Unidade de medida de dosagem:
5
dissolver o produto na máquina antes de reservatório da máquina ou medida indicada pelo fabricante.
colocar a roupa. Recomendações do fabricante:
Outras informações importantes: ——
em caso de roupas muito sujas, deixar Outras informações importantes: 6
de molho por 1 ou 2 horas. não deve ser utilizado para lavagem manual de louças.
DIVULGAÇÃO PNLD

Tipo do produto:
sais de banho.
Tipo do produto: Função:
amaciante de roupas. Tipo do produto: relaxar e perfumar
Função: amaciar e enxaguador bucal. o corpo.
perfumar as roupas. Função: Unidade de medida
Unidade de medida antisséptico bucal: é exterminador de de dosagem:
de dosagem: microrganismos (bactérias, 100 g na água de uma
meio copo americano fungos e outros). banheira pequena.
(90 mL) para cada máquina de roupa. Unidade de medida de dosagem: Recomendações
Recomendações do fabricante: medida de uma tampa (15 mL), sem do fabricante:
dissolver o produto na água de enxágue diluir em água. ——
das roupas. Recomendações do fabricante: Outras informações
Outras informações importantes: não ingerir, pois pode causar danos importantes:
não despejar diretamente em cima das à flora intestinal (microrganismos para banho de chuveiro,
roupas; diluir em um pouco de água antes benéficos que vivem no intestino dissolva primeiro em água.
de colocar na máquina. do organismo).
* Exemplos ilustrativos de alguns rótulos. Siga as instruções que estão neles!

A observação do efeito do produto em relação à sua diluição será bom indicador para determinar, na prática, a
melhor dosagem a ser utilizada. Para isso, é bom sempre fazer diluições usando alguma medida. Dessa forma, você
terá uma ideia de quanto deverá diluir da próxima vez. Siga as recomendações do fabricante e, tendo alguma dúvida,
entre em contato com ele.

81
Exercícios
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.

83. Um aluno resolveu preparar um litro de solução de 94. Uma marca de suco de caju traz a seguinte informação no
hidróxido de sódio, substância utilizada na fabricação seu rótulo: para o preparo do refresco, dilua uma parte do
do sabão, com concentração de 50 g/L. Ele fez o seguinte: suco em nove partes de água. Que volume desse suco, em
colocou 50 g de hidróxido de sódio (NaOH) e dissolveu mL, deve-se utilizar para o preparo de 1,5 L de refresco?
diretamente em um litro de água. Responda:
a) Que erro o aluno cometeu na preparação da solução? 95. No tratamento de pneumonia, pode ser utilizado um
antibiótico que traz a seguinte informação: 80 mg de
CAPÍTULO 2

b) A solução preparada tem concentração em massa


igual, menor ou maior do que 50 g/L? amoxicilina, em gramas por mL. Que quantidade
de amoxicilina, em gramas, irá ingerir uma pessoa que
84. O que acontece com a quantidade de matéria total de
tenha de tomar 3 mL, duas vezes ao dia, após 7 dias
soluto quando um volume pequeno de uma solução é
de tratamento?
diluído em um volume maior?
85. Analise as seguintes soluções: a primeira foi obtida 96. (Unitau-SP) Deseja-se diluir um litro da solução de H2SO4
dissolvendo-se 0,01 mol de soluto em água para um com fração percentual de 80% e de densidade 2,21 g/cm3
volume final de 500 mL, enquanto a segunda solução tem até o volume de cinco litros. As concentrações em
um décimo de mol do mesmo soluto por litro de solução. quantidade de matéria do H2SO4, antes e depois da
Qual das soluções é a mais concentrada? Justifique. diluição, são, respectivamente, em mol/litro:
86. Tendo-se 900 mL de uma solução 0,6 mol/L, que volume a) 10,1 e 5,2.
de solvente deve-se adicionar para que se obtenha uma b) 12,0 e 4,0.
DIVULGAÇÃO PNLD

solução 0,2 mol/L?


c) 4,0 e 11,3.
87. Qual é a concentração em quantidade de matéria das d) 18,0 e 3,6.
soluções resultantes das diluições abaixo?
e) 22,5 e 10,5.
a) 400 mL de HCl 12 mol/L + 200 mL de H2O
b) 30,0 mL de ZnSO4 0,30 mol/L + 500 mL de H2O 97. (Uerj) Diluição é uma operação muito empregada no
nosso dia a dia, quando, por exemplo, preparamos um
88. Em que volume devem ser diluídos 250 mL de uma
refresco a partir de um suco concentrado. Considere 100
solução de 40 g de H2SO4 para se obter uma solução
0,10 mol/L? mL de determinado suco, em que a concentração em
quantidade de matéria do soluto seja 0,4 mol ⋅ L–1.
89. Dilui-se uma amostra de 20 mL de HNO3, 16 mol/L para
O volume de água, em mL, que deverá ser acrescentado
500 mL. Qual é a concentração em quantidade de matéria
para que a concentração em quantidade de matéria do
final da solução?
soluto caia para 0,04 mol ⋅ L–1 será de:
90. A água sanitária (hipoclorito de sódio) é muito
a) 1 000.
utilizada na limpeza doméstica. Que volume de
água deve-se adicionar a 400 mL de solução, b) 900.
10 mol/L de água sanitária para torná-la 0,5 mol/L? c) 500.
91. Calcule a massa de água que deve ser acrescentada a d) 400.
3,0 kg de uma solução de KOH(aq), com fração percentual
98. (Cesgranrio-RJ) Para se preparar 1,2 litro de solução 0,4
em massa de 40%, para convertê-la em uma solução com
mol/L de HCl, a partir do ácido concentrado (16 mol/L), o
fração percentual em massa de 15%.
volume de água, em litros, a ser utilizado será de:
92. Qual será a concentração em quantidade de matéria a) 0,03.
da solução preparada, acrescentando 180 mL de água a
250 mL de solução de HCl a 0,85 mol/L? b) 0,47.
c) 0,74.
93. Qual a importância de observar as orientações dos
fabricantes em relação à diluição de produtos químicos d) 1,03.
(remédios, produtos de limpeza etc.)? e) 1,17.

82
Carlos Restrepo/Shutterstock
8 Propriedades coligativas 1

Na cozinha podemos controlar as 4


propriedades das substâncias como sua
temperatura de ebulição, variando a pressão
ou a concentração de sal na água. Esses são
5
exemplos de propriedades coligativas.

A s propriedades químicas e físicas dos materiais dependem das


substâncias que os compõem. As propriedades das substâncias
que estudamos até aqui, neste capítulo, dependem da natureza das forças
6

intermoleculares.
Existem, no entanto, algumas propriedades que estão relacionadas à
PARE E PENSE
quantidade de constituintes presentes em soluções e não à natureza das
DIVULGAÇÃO PNLD

forças intermoleculares. Por que a água filtrada congela


Já aprendemos, que as soluções, como outros materiais, apresentam quando é colocada no congelador
propriedades diferentes das substâncias que as originam. Ao estudar a da geladeira, e a água com sal não
variação dessas propriedades com a concentração dos solutos, os químicos congela? Será que a água pode
observaram que algumas propriedades dependem da proporção entre seus permanecer líquida em temperatura
constituintes (concentração) e não da natureza do soluto. acima de 100 °C?
O que acontece com a temperatura
As propriedades das soluções que dependem do solvente e da concentração
de ebulição da água em um local
do soluto, e não da natureza deste, são denominadas propriedades coligativas.
bem acima do nível do mar?
Essas propriedades têm várias aplicações práticas e são utilizadas na O que acontece com a água que
determinação de outras propriedades das substâncias. está iniciando a ferver quando
Do ponto de vista químico, as propriedades coligativas mais importantes acrescentamos sal ou açúcar?
são:

• abaixamento da pressão de vapor;


• abaixamento da temperatura de fusão;
• elevação da temperatura de ebulição;
• variação da pressão de osmose.

Como as propriedades coligativas estão relacionadas às soluções, é


importante conhecer bem as propriedades dos solventes em questão. Duas
propriedades do solvente, importantes nesse estudo, são:

• a pressão de vapor e a temperatura de ebulição.

Mas o que é pressão de vapor? É o que veremos a seguir!

83
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Atividade Experimental

Os líquidos evaporam com a mesma rapidez?


A evaporação, passagem da fase líquida para a fase gasosa, ocorre lentamente na superfície dos líquidos. Este expe-
rimento, que poderá ser feito em grupo em sala de aula, tem como objetivo observar se as evaporações de diferentes
líquidos ocorrem na mesma intensidade.
Materiais
CAPÍTULO 2

• Água

Hely Demutti
• Álcool
• Solvente para limpeza de esmalte
• Três colheres (de sopa)
• Três conta-gotas
Procedimento
1. Coloque as colheres próximas.
2. Pingue dez gotas de água na primeira colher, dez gotas de álcool na segunda colher e dez gotas de solvente
para limpeza de esmalte na terceira colher.
3. Observe e marque o tempo que cada material gasta para evaporar completamente.
Destino dos resíduos
DIVULGAÇÃO PNLD

Os resíduos desta prática podem ser descartados na pia.


Análise de dados
1. Qual é a ordem de evaporação dos líquidos
observada no experimento? Pressão/mmHg
2. Analisando os dados e o gráfico ao lado, éter dietílico
justifique as diferenças das curvas de evaporação propanona (acetona)
apresentadas no gráfico. álcool etílico
água
760

A uma mesma temperatura, líquidos


diferentes apresentam distintos valores
34,6 54,5 78,4 100 Temperatura (°C)
de pressões de vapor.

Pressão de vapor
Após a chuva, formam-se, no chão, poças de água que, com o tempo,
PARE E PENSE desaparecem. Normalmente, não enxergamos a evaporação da água, mas
sabemos que ela acontece.
Será que em uma garrafa fechada
há água na forma de vapor? Provavelmente, a maioria das pessoas sabe que a tendência da água,
Qual é a diferença entre as bolhas contida em um recipiente aberto, é evaporar-se. E que quanto maior sua
formadas ao aquecermos água e as temperatura, maior será a rapidez dessa evaporação! Em um sistema
existentes no interior de um copo fechado, como uma garrafa de água tampada, muitas moléculas passam da
com refrigerante? fase líquida para a fase gasosa (evaporam). Nesse caso, não há diminuição
do líquido, porque muitas fazem o inverso: passam da fase gasosa para a
líquida (condensam).

84
J. Yuji
1

2
vapor

4
líquido

Na superfície de um líquido há passagem constante de moléculas da fase líquida para a 5


gasosa e vice-versa.
Quando na superfície de um líquido as fases gasosa e líquida permanecem
constantes, dizemos que o sistema está em equilíbrio dinâmico, pois nele há 6
passagem constante de moléculas de uma fase para outra. Nesse equilíbrio,
a pressão da fase gasosa sobre a fase líquida apresenta valor constante, que
é denominado pressão de vapor do líquido.
DIVULGAÇÃO PNLD

Pressão de vapor de um líquido, a uma dada temperatura, é a pressão


exercida pelo vapor quando as fases estão em equilíbrio.

Pressão de vapor de um líquido, a uma dada temperatura, é a


pressão exercida pelo vapor quando as fases estão em equilíbrio.

A pressão de vapor de uma substância depende da temperatura e das


interações intermoleculares. Consequentemente, a pressão de vapor de um
líquido, ou seja, sua volatilidade é proporcional à temperatura e inversamente
proporcional à intensidade das interações intermoleculares. A 25 °C, a água
apresenta pressão de vapor igual a 3172 Pascals (0,03131 atmosferas).
J. Yuji

água a 10 °C água a 40 °C água a 80 °C


pressão = 1211 Pa pressão = 7281 Pa pressão = 44 078 Pa

A pressão de vapor de um líquido aumenta


com a elevação da temperatura.

Para cada substância, assim como se pode atingir equilíbrio entre a fase
líquida e a gasosa, também se pode atingir equilíbrio entre a fase sólida e
a líquida e entre a fase gasosa e a sólida. Os valores de temperatura, nos quais
ocorrem esses equilíbrios, dependem da pressão. Os gráficos que indicam
essas variações são denominados diagramas de fases.
Observe que a curva TC – entre os pontos T e C – representa valores de
pressão e temperatura, nos quais o líquido ferve. Nessa curva, o ponto C
corresponde à temperatura mais alta, na qual o gás pode ser liquefeito; é a

85
chamada temperatura crítica. Acima desse ponto, existe
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

J. Yuji

Pressão
apenas uma fase: gás. Observe que a fase gasosa pode
B C
estabelecer equilíbrio com a fase líquida de duas formas:
diminuindo a temperatura ou aumentando a pressão.
1⋅105 Pa
Acima da temperatura crítica, não há equilíbrio entre as
fases gasosa e líquida.
líquido Note que abaixo do ponto T (607,95 Pa) não é possível
ter água líquida: ela sublima. O ponto T é denominado
sólido gás ponto tríplice e indica os valores de pressão e temperatura,
CAPÍTULO 2

nos quais coexistem os três estados de agregação.


T Quando aquecemos água, observamos a formação de
vapor bolhas, e isso ocorre por dois motivos. Inicialmente, formam-
A
se bolhas por causa da liberação de gases nela dissolvidos.
0 °C 100 °C São essas bolhas que percebemos em um copo de água
Temperatura ou refrigerante retirado da geladeira e colocado sobre uma
mesa. Durante o aquecimento de um líquido, quando a
Nesse diagrama de fases da água,
a linha violeta representa a fusão; a linha
temperatura se aproxima da temperatura de ebulição (para a água: 100 ºC
laranja, a evaporação; e a azul, a sublimação. a 105 Pa), inicia-se a formação de bolhas por causa da passagem da fase
Observe que, ao nível do mar (1⋅105 Pa), as líquida para a gasosa.
temperaturas de fusão e ebulição da água são,
respectivamente, 0 ºC e 100 ºC. Alterando
essas pressões, esses valores também mudam.
DIVULGAÇÃO PNLD
J. Yuji

pressão
atmosférica
líquido em
ebulição

pressão da camada líquida


(desprezível)

líquido em Pv Um líquido entra em ebulição quando


ebulição
a pressão de vapor (PV ) se iguala à pressão
atmosférica (pressão exercida sobre sua
superfície). Ao nível do mar, a pressão é de
100 000 Pa, e a água entra em ebulição
a 100 °C.
Ao atingir a temperatura de ebulição, a pressão de vapor no interior do
líquido torna-se igual à pressão sobre a superfície do líquido. A continuidade
Hely Demutti

do aquecimento faz com que mais moléculas passem da fase líquida para
a fase gasosa. Todavia, se o sistema estiver aberto, a pressão é constante e
a temperatura do líquido não varia, porque a energia fornecida ao sistema
é consumida no processo de vaporização. Veja esquema ilustrativo acima.
A temperatura de ebulição de um líquido varia conforme a pressão externa
exercida sobre sua superfície. Quanto menor for a pressão externa, menor
será a temperatura de ebulição. Ao nível do mar, a água ferve a 100 °C. Se
você mora no litoral, é fácil constatar esse fato. Se, por outro lado, você mora
no interior, muito provavelmente a altitude é maior que a do nível do mar
e, consequentemente, a pressão atmosférica é menor. Nesse caso, a água Na preparação de pudim em banho-maria,
ferve a temperaturas inferiores a 100 °C. a temperatura do recipiente, que está imerso
Em cidades como Belo Horizonte, Cuiabá, Teresina, São Paulo, Brasília e no banho, não ultrapassa a temperatura de
Manaus, a água entra em ebulição a valores de temperatura próximos de 98 °C. ebulição da água do banho.

86
Observe as fotos abaixo. Em qual desses lugares a temperatura de ebulição é menor?
1

Patrick Grosner/Folhapress
Malucs /Dreamstime

4
Monte Everest, na cordilheira do Himalaia, na Ásia. Brasília, situada no Planalto Central do Brasil.

Relação pressão × altitude


5
9 8,373
Altitude (km)

8 7,392
Monte Everest
7 6,503
5,688
6 4,947 6
5 4,265
3,629
4 3,025
3 2,452
1,917
2 1,406
0,676 0,914
1
DIVULGAÇÃO PNLD

0
1000 900 800 700 600 500 400 Pressão (hPa)
Fonte: Disponível em: <www.inpe.br>. Acesso em: 12 maio 2016 (dados fornecidos por correio eletrônico, em resposta à consulta sobre o tema).

Quanto maior a altitude do local, menor a pressão atmosférica e, portanto, menor será a temperatura
de ebulição.

Poucos são os lugares com altitude abaixo do nível do mar. O mar Cáspio

Hely Demutti
– mar interior da Ásia que banha a Rússia, o Daguestão, o Azerbaijão, o
Turcomenistão, o Cazaquistão e o Irã – tem altitude de 28 metros abaixo do
nível do mar. Nas margens do mar Cáspio, a água ferve a uma temperatura
maior do que 100 °C.
Como o mar Cáspio é do outro lado do planeta, não podemos observar a
água ferver a uma temperatura superior a 100 ºC? Podemos sim! Na verdade,
isso acontece, com muita frequência, em nossas casas.
Até o momento, estávamos falando de sistemas abertos e,
consequentemente, de pressão atmosférica. Entretanto, quando preparamos
um alimento em uma panela de pressão devidamente fechada, a água ferve a
temperaturas superiores a 100 ºC. Como o sistema é fechado, o aquecimento
provoca aumento da pressão interna, fazendo com que a temperatura
Praia do Farol, Ilha do Mel (PR), 2007: a
de ebulição seja maior do que em uma panela normal. Esse aumento de altitude é igual a zero. Qual será a temperatura
temperatura acelera as transformações físicas e químicas, que ocorrem durante de ebulição nesse local?
o cozimento de alimentos.

Abaixamento da pressão de vapor


A adição de um soluto não volátil, como o sal e o açúcar, a uma solução (no caso, a água que usamos em nossa
casa é uma solução, pois não é pura) diminui a pressão de vapor de água, retardando a ebulição. Por isso, a água
para de ferver ao adicionarmos sal ou açúcar.
Esse fenômeno é observado também em outros sistemas. Diversos estudos demonstraram que esse abaixamento
da temperatura de ebulição está relacionado à quantidade de partículas, que é adicionada ao sistema e não depende
da natureza de suas partículas constituintes.

87
O estudo da variação da pressão de vapor de um solvente,
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

pela adição de um soluto não volátil, é denominado tonometria


Pressão

ou tonoscopia.
líquido
A variação da pressão de vapor pode ser representada pelo
gráfico ao lado.

gás
Elevação da temperatura de ebulição
A diminuição da pressão de vapor do solvente, causada pela
CAPÍTULO 2

Temperatura dissolução de um soluto não volátil, provoca o aumento da


A linha vermelha representa os valores de temperatura e temperatura de ebulição. Quanto maior a concentração em
pressão, em que um solvente puro passa de líquido para gás. A quantidade de matéria do soluto, maior será a variação da
linha azul representa esses valores quando uma dada quantidade de temperatura.
soluto é acrescentada ao solvente. Observe que, para uma mesma Se colocarmos iguais quantidades de partículas de diferentes
temperatura (linha tracejada), a pressão de vapor da solução é solutos não voláteis, dissolvidos em recipientes diferentes, com
menor que a do solvente. a mesma quantidade de água, obteremos o mesmo aumento
de temperatura de ebulição.
O efeito do aumento da temperatura de ebulição pode ser
Pressão

observado quando, por exemplo, cozinhamos alimentos em


água com sal ou açúcar. Ao elevar a temperatura de ebulição,
líquido
os alimentos são cozidos mais rapidamente. Nesse sentido, todo
cuidado deve ser tomado na cozinha, pois uma queimadura com
DIVULGAÇÃO PNLD

calda de um doce será muito mais séria do que se for com água.
gás A variação da temperatura de ebulição pode ser representada
pelo gráfico ao lado.

Temperatura
Abaixamento da temperatura de fusão
A linha vermelha representa os valores de temperatura e
pressão, em que um solvente puro passa de líquido para gás. A Nos países não tropicais, é comum, no inverno, a temperatura
linha azul representa esses valores, quando uma dada quantidade ambiente atingir valores inferiores a 0 °C. Isso pode causar
de soluto é acrescentada ao solvente. Observe que, para uma diversos problemas por causa do congelamento da água:
mesma pressão (linha tracejada), a temperatura de ebulição encanamentos podem romper-se, motores de automóveis
da solução é maior que a do solvente. podem não funcionar adequadamente etc.
Como evitar problemas desse tipo? No caso de água para
refrigeração dos motores, alguns produtos químicos comerciais podem ser
PARE E PENSE acrescentados para evitar seu congelamento. Esses aditivos têm a finalidade
de diminuir a temperatura de fusão do líquido de refrigeração, evitando
Por que as águas dos oceanos não
congelam, mesmo em locais muito que o carro amanheça com o motor congelado. Além disso, o aditivo eleva
frios, com a temperatura abaixo de a temperatura de ebulição do líquido de refrigeração, dificultando que ele
0 °C? ferva se o motor se aquecer além do normal.
Por que se acrescenta sal ao gelo Vamos, agora, voltar ao caso dos oceanos. Como o sal diminui a
utilizado para gelar bebidas mais temperatura de solidificação da água, o mar não se congela em locais perto
rapidamente? dos polos, apesar de a temperatura ali atingir valores inferiores a 0 °C. Isso
pode ser observado no experimento a seguir.
Hely Demutti

A correta utilização dos diversos tipos de aditivos e fluidos, existentes no mercado, ajuda na
redução de gastos com a manutenção dos veículos. Devido a suas propriedades físico-químicas,
esses produtos ajudam a manter os sistemas mecânicos em boas condições de funcionamento.

88
1
Atividade Experimental

Que líquido apresenta maior temperatura de fusão: água ou água com sal?
2
Pare, pense e procure responder a pergunta do título desta atividade e justifique porque ocorre diferença na
temperatura de fusão entre essas duas soluções. Depois, realize a atividade a seguir e observe o que ocorre.
Materiais 3

Hely Demutti
• Dois tubos de ensaio (ou saquinhos plásticos)
• Um béquer (ou copo)
• Gelo 4
• Água destilada (ou filtrada)
• Cloreto de sódio (sal de cozinha)
Procedimento Montagem do experimento.
5
1. Coloque gelo picado no béquer até a metade de seu volume.
2. Adicione sal equivalente a um terço da quantidade de gelo e misture bem.
3. Em um tubo de ensaio, coloque água até a metade de seu volume. 6
4. No outro tubo de ensaio, coloque uma solução saturada de cloreto de sódio (solução com sal depositado no fundo do
recipiente) até a metade de seu volume.
5. Mergulhe, simultaneamente, os dois tubos no gelo do béquer e observe por cinco minutos.
DIVULGAÇÃO PNLD

Destino dos resíduos


1. Os resíduos desta prática podem ser descartados na pia, sob água corrente.
Análise de dados
1. O que aconteceu com cada líquido?
2. Como você explica a diferença observada?

Diferentes quantidades de solutos não

Juca Martins/Olhar Imagem


voláteis, quando dissolvidos em água ou em
outro solvente, causam diversas variações da
temperatura de congelamento das soluções.
Entretanto, se dissolvermos a mesma quantidade
de matéria, de diferentes solutos não voláteis, a
variação na temperatura de fusão será sempre
a mesma.
A partir dessa constatação, podemos
concluir que a variação de temperatura está
relacionada à quantidade de espécies dissolvidas
e não à sua natureza. Essa informação permite
estimar a massa molar de substâncias, em
função da variação na temperatura de fusão
que determinada quantidade do soluto provoca.
A variação da temperatura de fusão pode
ser representada pelo gráfico 1 (pg. 90).
No preparo de sorvetes e picolés,
O estudo da variação da temperatura de fusão de um solvente, pela adição
utiliza-se uma mistura de água e sal –
de um soluto não volátil, é denominado criometria ou crioscopia. salmoura – ou água e álcool, com a finalidade
O gráfico 2 (pg. 90) representa as variações de pressão de vapor e de obter uma temperatura mais baixa, na
temperaturas de fusão e ebulição causadas pela adição de um soluto não qual a calda possa se congelar dentro de
volátil à água. formas.

89
1 2
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

Pressão

Pressão
ΔT crioscopia
líquido ΔT ebulioscopia
líquido

sólido
sólido

ΔP tonoscopia
CAPÍTULO 2

P
Temperatura gás

A linha vermelha do gráfico representa os valores de P solução


temperatura e pressão, nos quais um solvente puro passa de Temperatura
líquido para sólido e vice-versa. A linha verde representa esses
valores quando uma dada quantidade de soluto é acrescentada As linhas tracejadas no gráfico representam os valores de pressão e
ao solvente. Observe que para uma mesma pressão (linha temperatura, para uma solução preparada com o solvente indicado na
tracejada) a temperatura de fusão da solução é menor que linha contínua. Nele, também são indicadas as respectivas propriedades
a do solvente. coligativas.

Osmose
Uma das maneiras de aumentar o tempo de conservação dos alimentos
PARE E PENSE é desidratá-los. Isso pode ser feito de duas formas básicas: salgando ou
colocando em calda de açúcar.
DIVULGAÇÃO PNLD

O que acontece quando se coloca sal


sobre um pedaço de carne? No caso da salga, o objetivo é retirar o máximo de água possível para evitar
O que acontece com um pedaço a proliferação de fungos e bactérias, que se desenvolvem em alimentos. O sal
de fruta desidratada dentro de um desidrata os alimentos, porque a água neles contida passa pelas membranas
recipiente com água? desses alimentos de maneira mais fácil do que o sal. A saída de água compensa a
diferença de concentração entre os dois meios do alimento: o externo e o interno.
Quando uma fruta é colocada numa calda – solução aquosa concentrada de
Hely Demutti

açúcar –, a água se movimenta da fruta (solução diluída de açúcar) para a calda


(solução concentrada) até que os dois meios fiquem com iguais concentrações
de açúcar. Consequentemente, a fruta fica com uma consistência mais rígida e
adocicada que a fruta natural. A alta concentração de açúcar no fruto dificulta
o desenvolvimento de microrganismos, que causariam sua deterioração.
Esse processo de movimentação de líquidos, através de uma membrana
A salga é muito utilizada na conservação é denominado osmose.
de carnes.
Osmose é o fluxo de solvente, através de uma membrana semipermeável,
de uma solução diluída (ou de um solvente puro) para uma solução mais
concentrada.
J. Yuji

RECIPIENTE 1 RECIPIENTE 2
solução diluída de glicose solução concentrada de glicose
Hely Demutti

A calda ajuda a
conservar as frutas.

A membrana semipermeável impede


membrana
a passagem de solutos, mas permite a
passagem de água, do meio mais diluído para moléculas de água moléculas de glicose
o mais concentrado.

90
Diferentes membranas são permeáveis a diversas substâncias químicas,

Andre Seale/Pulsar Imagens


iônicas ou moleculares. As espécies químicas irão atravessar a membrana, 1
ou não, em função de propriedades, como tamanho, carga, polaridade etc.
Organismos vivos utilizam membranas que controlam a concentração de espécies
químicas, como íons sódio e potássio, fundamentais para a sobrevivência.
2
Para que haja equilíbrio entre as concentrações nos dois meios, algumas
espécies químicas atravessam a membrana, passando do meio mais concentrado
para o mais diluído.
Logo, a diferença entre as concentrações de uma mesma espécie química, Os peixes possuem organismos adaptados 3
nos dois lados de uma membrana semipermeável (permeável ao solvente, mas ao meio aquático. Se não existisse essa
não ao soluto), faz com que o líquido passe do lado mais diluído para o mais adaptação, a osmose poderia provocar a saída
concentrado. Para interromper esse fluxo, é necessário exercer uma pressão da água das células para a água do mar, no caso 4
sobre ela. Essa pressão é denominada pressão osmótica. dos peixes marinhos.
Alguns exemplos de membranas semipermeáveis, de uso comum, são: bexiga de porco, tripa de carneiro, papel
celofane etc. As membranas são essenciais para diversos processos vitais de animais e plantas. No processo de nutrição
5
das plantas, a água e os nutrientes passam do solo para as raízes por processos de osmose.
A osmose é muito comum em sistemas biológicos celulares. As paredes das células funcionam como membranas
semipermeáveis. Nutrientes, água, oxigênio e outros gases entram e saem da célula através da membrana.
6
J. Yuji

estado inicial estado final

Inicialmente, no lado esquerdo do tubo em


DIVULGAÇÃO PNLD

pressão forma de U há uma solução mais concentrada


osmótica que a solução do lado direito, ambas separadas
tempo para por uma membrana semipermeável. Com
estabelecer o o passar do tempo, o solvente atravessa a
equilíbrio membrana, aumentando o volume do lado
membrana permeável ao esquerdo e a pressão em sua base. A diferença
solvente de pressão entre os dois lados é dada pela
diferença de altura das duas colunas.

Quando dois meios têm a mesma concentração de espécies químicas,

Renato Spencer/JC Imagem


diz-se que são isotônicos. No processo de nutrição das plantas, a água e os
nutrientes passam do solo para as raízes por processos de osmose. Atualmente,
encontramos em prateleiras de supermercados algumas bebidas denominadas
isotônicas. Elas recebem essa denominação, por apresentar sais minerais nas
mesmas concentrações em que eles aparecem nos fluidos do organismo. Dessa
forma, são fácil e rapidamente absorvidos pelo organismo. Um bom exemplo
de bebida isotônica natural é a água de coco.
A administração de soluções de concentrações muito diferentes das de
nosso organismo pode causar diversos problemas. Veja um exemplo: a pressão Equipamentos de dessalinização
osmótica do sangue é controlada por hormônios. Ao bebermos muita água, há produzem, anualmente, bilhões de litros de
diminuição na produção de hormônios e produção de urina, restabelecendo o água potável no mundo inteiro. (Dessalinizadora
equilíbrio osmótico. Quando não bebemos água, os hormônios liberados evitam do Real Hospital Português, em Recife, PE).
a excreção de urina pelos rins e surge a sensação de sede. Se o plasma sanguíneo
não for isotônico, como as hemácias, elas poderão murchar ou explodir.
Uma importante aplicação tecnológica da osmose está no desenvolvimento de dessalinizadores. Ao se colocar água
salgada em contato com água doce – porém, separadas por uma membrana semipermeável, que permite a passagem de
água, mas não de íons cloreto e sódio –, a água migrará para o recipiente de água salgada, para diminuir essa concentração.
Todavia, se a água salgada for injetada nesse sistema de alta pressão, teremos a osmose reversa, na qual as moléculas
de água atravessam a membrana e os íons ficam retidos. A dessalinização por osmose reversa é também utilizada para
outras finalidades, como em sistemas centrais de purificação de água para aparelhos de hemodiálise e para a indústria
alimentícia.

91
Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

99. Para analisar a natureza e características das soluções, a II. Quando o líquido borbulha, a temperatura de ebulição
Química estabelece modelos que buscam compreender as da água é atingida.
suas propriedades. Sendo assim, explique: o que interfere III. A água entra em ebulição quando a pressão de vapor
no efeito coligativo em uma solução? é maior que a pressão atmosférica.
100.Considere o diagrama de fases da água à pressão de a) I e II. b) II e III. c) I, II e III. d) I e III. e) I e II.
1 atm e a respeito do assunto, julgue os itens com C para 104. Na geladeira, para evitar que alguns alimentos
os corretos e E para os errados: transfiram seu odor para outros, é comum a utilização
CAPÍTULO 2

de desodorizadores (por exemplo, carvão ativado).


Pv (mmHg)
sólido líquido líquido vapor Explique qual propriedade coligativa está relacionada
760 a esse fenômeno.
A B Fase C D E
líquida 105. O que acontece ao adicionarmos açúcar à água em
Fase sólida
ebulição? Justifique.
Ponto triplo 106. Explique por que uma porção de arroz demora mais a
sólido
Fase vapor cozinhar em locais de altitudes elevadas, mesmo que a
vapor água esteja fervendo.
0 100 t (°C) 107. Nos países em que durante o inverno se formam camadas de
1) No ponto indicado pela intersecção das três curvas é o gelo nas ruas e sobre casas e carros, costuma-se utilizar aditivos
ponto triplo que indica uma condição única onde as três nos radiadores dos automóveis para que a água não congele.
fases encontram-se em equilíbrio. Com base nos conhecimentos adquiridos, o que ocorre com
2) Diminuindo a temperatura do ponto D até o ponto B, o a temperatura de congelamento da água dos radiadores?
DIVULGAÇÃO PNLD

líquido começa a congelar. A temperatura representada 108. Ao se colocar, no congelador, duas formas com líquidos
pelo ponto B é a temperatura de congelamento da água. diferentes, para fazer picolé de suco de fruta, explique qual delas
3) Aumentando-se a temperatura do ponto C até o ponto D, congelará primeiro: a que contém certa quantidade de água
o líquido começa condensar. A temperatura representada e 100 mL de suco de fruta ou a que contém iguais quantidades
pelo ponto D é a temperatura de ebulição da água. de água e suco de fruta, acrescida de 34 g de açúcar?
4) No ponto B, estão em equilíbrio as fases sólida e líquida. 109. A salga da carne serve para conservá-la, desidratar o
Já no ponto E, toda água encontra-se no estado de vapor.
alimento. Como explicar esse processo?
5) O diagrama de fases permite prever o estado físico da
água, de acordo com a pressão e a temperatura aplicadas 110. Os médicos aconselham as mães a dar soro caseiro para
no sistema. os filhos quando estes estão com diarreia ou vômito,
pois isso faz com que o organismo das crianças perca
101. Caracterize as seguintes propriedades coligativas: muita água. Para fazer o soro caseiro, a mãe mistura, em
a) Tonoscopia. b) Ebulioscopia.
um litro de água fervida, uma colher de chá de açúcar
c) Crioscopia. d) Osmose.
e meia colher de chá de sal. É importante seguir essas
102. Relacione o fenômeno à sua respectiva propriedade medidas porque:
coligativa: a) O processo de desidratação ocorre como absorção de
Coluna 1 líquidos pelo organismo.
I. A água do mar não congela quando a temperatura b) A criança irá aumentar a quantidade de açúcar no
ambiente é de 0 ºC. organismo e ficará hidratada.
II. Ao preparar um café, primeiro, a água é aquecida para
c) A criança irá obter uma pequena quantidade de sal
depois se adicionar açúcar.
no organismo, que servirá para desidratá-la.
III. A água de alguns alimentos pode ser retirada e seus
d) A criança irá absorver certa quantidade de líquido,
nutrientes são conservados.
que, juntamente com as demais substâncias, será
IV. Utiliza-se uma panela de pressão para cozinhar feijão.
Coluna 2 essencial para hidratá-la.
a) Tonoscopia. c) Ebulioscopia. 111. A dessalinização é um processo, no qual se separa o sal
b) Osmose. d) Crioscopia. da água do mar para obtenção de água potável. Que
103. Ao colocar uma vasilha com água para ferver, observamos propriedade coligativa é utilizada nesse processo?
alguns fenômenos. Em relação às afirmações abaixo, são 112. Explique o que acontece com uma folha de alface se
corretas: a colocarmos em contato com um molho de salada
I. Na água ocorrem a formação, inicialmente, de pequenas preparado com sal e vinagre, e com outra folha de alface,
bolhas devido à liberação de gases. colocada em água pura e fresca.

92
113. No preparo de compotas (doces de frutas), o processo de Com as informações anteriores, responda aos itens 1
osmose ocorre entre a fruta e a calda açucarada. Explique seguintes.
o que acontece quando se atinge o equilíbrio osmótico. a) Qual o ponto onde coexistem as três fases de equilíbrio
114. Por que o processo de cristalização diminui o volume das do gás carbônico? Explique.
frutas? b) É impossível encontrar vapor de CO2 abaixo de -56 °C? 2
115. Explique como funciona uma membrana semipermeável c) Podemos encontrar o CO2 sólido em temperaturas acima
quando colocada entre água pura e uma solução de açúcar de -56 °C, desde que a pressão seja suficientemente
a 10%. baixa?
116. Explique por que uma pessoa poderá morrer de 3
d) Em que estado estará o CO2, se a temperatura for de
desidratação celular se beber, continuamente a água do -60 °C e a pressão, 7 atm?
mar.
117. Explique o que é pressão osmótica. 121. As propriedades coligativas são percebidas quando um
4
118. As propriedades coligativas explicam uma série de soluto não volátil é adicionado a um solvente. A natureza
fenômenos que observamos em nosso dia a dia. A respeito do soluto não volátil não influencia na intensidade das
desse assunto, julgue os itens abaixo como correto C ou propriedades, apenas quantidade de soluto. A este respeito
errado E. considere C para as alternativas corretas e E para as 5
1) Quando colocamos gelo dentro de um copo e o erradas.
colocamos sobre a mesa, num dia quente de verão, a 1) A adição de açúcar ou sal não provoca mudanças na
água que aparece na superfície externa do copo deve-se temperatura de ebulição e nem na temperatura de
6
a um fenômeno conhecido como osmose. congelamento dos solventes.
2) Ao dissolvermos, em água do mar, um pouco de açúcar, 2) Conservar pêssegos em caldas faz com que a água
a pressão de vapor de água diminui. da calda migre para a fruta. Por isso eles ficam mais
3) A adição de aditivos na água de refrigeração torna volumosos e menos doces.
DIVULGAÇÃO PNLD

possível a diminuição da temperatura dos sistemas. 3) A adição de sal a uma panela no fogo faz com que a
4) Em certas regiões do interior é comum salgar pedaços pressão de vapor de água desse líquido aumente, o que
de carne, pois, em presença do sal, por osmose, a água adianta o processo de ebulição.
atravessa a membrana celular, desidratando o alimento. 4) Adicionar açúcar a um copo com água faz com que as
119. Em relação às propriedades coligativas, julgue os itens moléculas desse líquido tenham mais dificuldade de ir
como corretos C ou errados E. para o estado gasoso.
1) As propriedades coligativas de uma solução dependem 5) Adicionar etilenoglicol aos radiadores de motores de
do número de partículas do soluto dissolvido na solução. carros diminui a temperatura de fusão da água, evitando
2) Uma solução aquosa, que congela abaixo de 0 °C, terá que esta congele e cause danos aos motores.
uma temperatura de ebulição normal superior a 100 °C.
3) Uma solução isotônica salina tem pressão osmótica igual 122.O gráfico abaixo representa o experimento realizado
à do plasma sanguíneo. anteriormente. Com as informações que você obteve no
4) A osmose atua em muitos processos biológicos e em experimento e a análise do gráfico, julgue os itens como
membranas semipermeáveis. Um exemplo é a sua corretos C ou errados E.
atuação no movimento de subida da seiva nas árvores.
Pressão de vapor/mmHg

120. O gás carbônico é um dos principais gases que


34,6 56,5 70,4 100,0
contribuem para o aquecimento global da Terra. Apesar 800
760 mmHg
de, recentemente, o seu aumento na atmosfera estar 600 éter acetona álcool água

provocando um desequilíbrio ambiental no planeta, 400


existe um equilíbrio entre as mudanças de fases dessa 200
substância, como demonstra o gráfico abaixo.
20°C 40°C 60°C 80°C 100°C
Pressão

L Temperatura

5,1 atm
1) A água é a substância que possui maior pressão de vapor.
S G 2) Entre as substâncias acima, o álcool é o que possui maior
pressão de vapor.
3) A acetona é mais volátil que o éter.
4) À medida que a temperatura diminui, a pressão de vapor
também se reduz.
1,0 atm
–56 °C
5) As interações intermoleculares do éter são mais fracas
Temperatura que as da água.

93
Revisão para a prova
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.

1. Em 2013, dados da Fundação Oswaldo Cruz revelam um 3. Produtos químicos, de maneira geral, devem ser comprados
fato assustador: 48% das emergências por intoxicação são com atenção, em lojas especializadas e com nota fiscal.
causados por produtos agrícolas ou domésticos. Cerca de Produtos piratas, adquiridos em camelôs ou ambulantes,
24,7% das vítimas eram crianças na faixa de 1 a 5 anos, oferecem grandes riscos, já que, na maioria das vezes, são
atraídas pelos rótulos coloridos de produtos de limpeza. Mas fabricados sem cuidados adequados, não têm registros
a faixa etária mais atingida é a que está entre 21 e 35 anos, com oficiais que garantam a qualidade nem a rotulação adequada
30,9% dos casos. Entre as falhas banais, que provocam esses com informações de uso. Se uma pessoa se sente mal após
CAPÍTULO 2

acidentes, está o uso de recipientes de alimentos e bebidas a exposição a um produto, a recomendação imediata é:
para acondicionar detergentes e desinfetantes ou simplesmente a) Lavar a pele e os olhos com água em abundância.
o emprego inadequado do produto. Por exemplo, produtos b) Se houve ingestão, provocar vômito e tomar água.
de limpeza que deveriam ser diluídos, se usados na forma
concentrada, podem acarretar reações alérgicas. Um dos c) Procurar logo o médico, levando o rótulo do produto
que pode ter ocasionado a intoxicação.
cuidados básicos para prevenir a intoxicação é:
d) Ligar para o serviço de toxicologia da cidade.
a) Ler as instruções constantes nas embalagens e respeitar,
rigorosamente, as quantidades a serem usadas e as 4. O uso de inseticida deve sempre ser reduzido ao mínimo
formas de diluição indicadas nos rótulos. possível. Órgãos competentes recomendam usar repelentes
naturais para mosquitos, bem como telas nas janelas e
b) Comprar somente produtos com rótulos elaborados
tampas nos ralos e nas saídas de esgotos. Somente quando
pelos fabricantes de marcas conceituadas.
essas alternativas não forem eficientes, é que devemos
c) Verificar a data de validade dos produtos que for usar e recorrer aos inseticidas vendidos nos mercados, buscando
comprar somente aquelas cujas datas irão vencer depois os que tenham classificação pela Agência Nacional de
DIVULGAÇÃO PNLD

de seis meses, no mínimo. Vigilância Sanitária (Anvisa) como pouco tóxicos e tomando
d) Diluir todos os produtos domésticos para aumentar a os cuidados necessários. A respeito do uso de inseticida
economia e a durabilidade do produto, além de evitar nos ambientes domésticos, julgue os itens com C para os
contaminação dele. corretos e E para os errados.
2. Um dos cuidados básicos para prevenir a intoxicação é 1) É preciso cuidado redobrado e, sempre antes de usá-
ler as instruções constantes nas embalagens e segui-las los, é necessário ler com atenção o rótulo.
corretamente. Os rótulos têm informações relevantes: 2) Crianças e animais domésticos devem ser sempre
composição do produto, cuidados exigidos para o uso, retirados de casa durante a aplicação.
perigos potenciais, data de validade, modo de uso e
3) O local onde se vai aplicar o inseticida deve ser bem
armazenamento e formas de contato para ajuda em
ventilado e as pessoas devem aguardar um tempo antes
caso de emergências. A respeito dos cuidados com a
de retornar ao ambiente.
manipulação de produtos químicos domésticos, julgue os
itens com C para os corretos e E para os errados. 4) Todos os utensílios da cozinha, que foram submentidos
a uma dedetização por inseticidas, deverão ser lavados,
1) Deve-se respeitar, rigorosamente, as quantidades a serem
antes de serem usados novamente.
usadas e as formas de diluição indicadas nos rótulos.
5) Para evitar envenenamentos domésticos, a legislação
2) Para manipulação de alguns produtos de limpeza
brasileira somente permite a venda, em supermercados,
doméstica, recomenda-se o uso de luvas de borracha,
dos inseticidas que não fazem mal para humanos.
principalmente se o consumidor apresentar histórico
de alergias. 5. Os produtos de limpeza e os inseticidas não são os únicos vilões
das intoxicações. Os produtos de beleza também já levaram
3) No caso da manipulação de produtos de limpeza
muita gente ao pronto-socorro. Os mais perigosos são as
contendo substâncias voláteis ou que apresentem odores tinturas e os produtos para modelar cabelos, já que podem
muito fortes, o emprego de máscara é obrigatório. provocar reações alérgicas imediatas ou danos em longo prazo.
4) Não fazer combinações de produtos cujo efeito se Para evitar intoxicações, a recomendação é:
desconheça, ou seja, não se deve misturar o produto
a) Lavar a pele e os olhos com água em abundância.
“A” com o “B”, acreditando que se conseguirá uma
limpeza mais eficaz, pois essa mistura poderá ser b) Sempre fazer o teste cutâneo antes de usar o produto.
prejudicial à saúde. c) Comprar cosméticos que passam por inspeções mais
5) Não deixe produtos químicos ao alcance de crianças. rigorosas.
Muitos acidentes acontecem pela falta de lugar adequado d) Ler o rótulo, para saber o modo correto de utilização
para guardar remédios e outros produtos químicos. do produto e as possíveis reações.

94
6. Um cálculo químico muito importante foi desenvolvido reagentes, os quais estão rearranjados de forma diferente. 1
graças à teoria atômica de Dalton, a qual descreve as Sendo assim, a quantidade de átomos presente nos
substâncias por uma combinação de átomos, que ocorre em reagentes é a mesma quantidade de átomos presente
proporções definidas e se conserva durante a reação química, no produto. A respeito das leitura das equações
o que significa que, na equação química representando a química, julgue os itens com C para os corretos e E para 2
reação, a quantidade de átomos presentes nos reagentes os errados.
deve ser igual à quantidade de átomos nos produtos. 1) Na equação Na2CO3 + Ca(OH)2 → 2NaOH + CaCO3, a
A esse respeito, julgue os itens com C para os corretos e soma dos coeficientes da equação é 5.
E para os errados. 3
2) Na equação H2O2(aq) → H2O(l) + 1/2 O2(g). O número de
1) O cálculo das quantidades necessárias de cada átomos de oxigênio, existente nos produtos, é metade
reagente para formar determinado produto, é chamado do número de átomos de oxigênio nos reagentes.
balanceamento de equação. 3) Na equação H2O2(aq) → H2O(l) + 1/2 O2(g), o coeficiente 4
2) A proporção entre as substâncias na equação é do gás oxigênio é a fração 1/2. Isso significa que a
estabelecida por relações numéricas; o número que reação ocorre a partir da metade de uma molécula de
indica a proporção de cada substância é denominado oxigênio.
5
coeficiente. 4) A água oxigenada, usada como clareador de cabelos
3) Para que possamos fazer os cálculos estequiométricos ou antisséptico, decompõe-se a partir de uma reação
de uma reação química é necessário que a equação que química descrita pela equação 2H2O2(aq) → 2H2O(l) +
a represente tenha os coeficientes zerados. + 1O2(g). 6
4) À determinação dos coeficientes de uma equação 5) Equações estão balanceadas quando a quantidade de
química, damos o nome cálculo estequiométrico. átomos de cada elemento químico das substâncias dos
5) Balancear uma equação significa equilibrar o número reagentes é igual à que está presente nos produtos.
DIVULGAÇÃO PNLD

de átomos dos reagentes com o número de átomos 9. A reação de obtenção de muitos produtos industriais
dos produtos. envolve toneladas de substâncias e, qualquer pequeno
6) Podemos indicar as proporções das substâncias erro de cálculo, pode causar prejuízos econômicos e
nas reações químicas, sem precisarmos realizá-las ambientais. Com base no conhecimento das equações,
é possível determinar as quantidades ideais de reagentes
experimentalmente.
para a fabricação desses produtos e essa determinação das
7. Se considerarmos a reação química genérica entre quantidades é feita por meio do cálculo estequiométrico. A
as substâncias A e B, formando as substâncias C e respeito da estequiometria na Química, julgue os itens com
D, podemos representá-la pela seguinte equação: C para os corretos e E para os errados.
aA + bB → cC + dD. A esse respeito, julgue os itens com
1) O significado de estequiometria em Química é medir a
C para os corretos e E para os errados.
quantidade de uma substância em relação à quantidade
1) Nessa equação, as letras maiúsculas representam os de outra substância presente em uma mesma reação.
coeficientes de proporcionalidade de cada substância
2) Conhecendo as proporções entre os reagentes e os
na referida reação química.
produtos de uma reação química, podemos saber
2) Em uma equação química, os sinais e a seta têm quanto precisaremos de cada reagente para formar
significado semelhante aos sinais representados pela determinada quantidade de produto.
Matemática.
3) A prescrição de muitos medicamentos é baseada em
3) O sinal + representa as substâncias que foram doses calculadas a partir de determinada quantidade
colocadas em contato, e a seta → indica que há do agente ativo do medicamento e que são necessárias
uma transformação, produzindo outras substâncias para reagir com certas substâncias em nosso organismo.
(produtos). 4) Para evitar desperdício, precisamos saber, inicialmente,
4) Na equação representada pelo esquema, A e B são quais são as proporções das substâncias envolvidas nas
produtos e C e D são reagentes da equação. reações químicas.
5) Na equação representada pelo esquema, os índices A, 5) Processos de industrialização lançam no ambiente diversas
B, C, D, representam os coeficiente da equação. substâncias, que provocam transformações em outras,
8. A leitura precisa da equação química é fundamental causando diferentes desequilíbrios ambientais.
para a Química. Nelas observa-se que os “produtos” 10. Produtos de limpeza são soluções em que o agente de
foram formados com base nas “substâncias” existentes limpeza está diluído, geralmente, em água. Quando usamos,
nos reagentes. O que significa dizer, que na reação os por exemplo, um sabão líquido concentrado para lavar
átomos dos produtos são os mesmos encontrados nos roupas, no rótulo está especificada qual medida devemos

95
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

usar em determinada quantidade de água. Quimicamente, A foto anterior descreve a dissolução em água. O
o que estamos fazendo é uma diluição, de uma mistura permanganato de potássio, aos poucos, se mistura com
mais concentrada para uma menos concentrada. E disso o solvente, até formar uma solução.
depende uma melhor lavagem de roupas. A respeito desse processo, julgue os itens com C para os
A respeito dos conceitos químicos sobre soluções, julgue os corretos e E para os errados.
itens com C para os corretos e E para os errados. 1) No primeiro frasco, temos uma mistura composta por
1) Solução é um tipo de material homogêneo, cuja água.
uniformidade é constatada em qualquer proporção 2) A maioria das soluções de interesse no estudo da
das suas substâncias constituintes. Química tem como solvente a água.
CAPÍTULO 2

2) A mistura é um material que se apresenta na forma


3) Em geral, os solutos são substâncias iônicas, mas
homogênea, independentemente da proporção em que estão
podem ser também substâncias moleculares polares.
as substâncias nele contidas, por exemplo, água e álcool.
4) Nas soluções, as minúsculas partículas do soluto estão
3) Os gases da atmosfera em quaisquer proporções sempre
uniformemente distribuídas no solvente e não é possível
constituem um material heterogêneo.
observar as partículas do soluto, mesmo com o auxílio
4) Em uma solução, a adição de soluto, numa quantidade de microscópios.
maior do que o solvente consegue dissolver, resultará
5) Nas soluções, como ocorre no último frasco, o aumento
na precipitação no fundo do recipiente do soluto em
excesso, formando um material homogêneo. da proporção do soluto levará à precipitação dele no
recipiente, formando material heterogêneo.
5) Do ponto de vista da Química, só denominamos materiais
como misturas quando, em qualquer proporção que 13. Nos rótulos das garrafas de suco concentrado, devem
estejam as suas substâncias, elas permanecem com conter orientações sobre quantas partes de água devem ser
aparência homogênea. acrescentadas para o preparo da bebida. Ou seja, como deve
DIVULGAÇÃO PNLD

ser diluído. Esses cálculos não são precisos, pois dependem


11. Em nossas atividades cotidianas nos deparamos com
do gosto de cada um; porém, é diferente do que ocorre
muitas soluções, como medicamentos, detergentes,
nos laboratórios químicos, onde é fundamental saber,
alimentos etc. Uma solução, existe sempre pelo menos
uma substância dissolvida em outra, ou seja, trata-se de exatamente, sobre as quantidades nos preparos das soluções.
uma mistura. A respeito dos conceitos químicos sobre A respeito da concentração das soluções, julgue os itens com
soluções, julgue os itens com C para os corretos e E para C para os corretos e E para os errados.
os errados. 1) A variação da quantidade de soluto dissolvido em uma
1) A substância que está dispersa é chamada soluto. solução altera as suas propriedades.
2) A que dispersa, ou seja, que dissolve as outras, é 2) Em Química, a concentração refere-se às relações entre a
denominada solvente. quantidade de uma substância (usualmente denominada
soluto) e o volume total do material (solução).
3) O soluto é a substância que se apresenta em maior
proporção no material. 3) A quantidade do soluto pode ser expressa em diferentes
4) A dispersão do solvente ocorre no meio do soluto, de grandezas como concentração em massa, em volume
maneira que o soluto vai se dispersando aos pouco e em quantidade de matéria.
até estar, homogeneamente, distribuído no meio da 4) A concentração em volume de cloreto de sódio em um
solução. soro fisiológico, que possui 90 g desse sal dissolvido
5) Após a quantidade máxima de soluto que consegue se em 1000 mL de água, pode ser calculada pela fórmula
dissolver, a adição de mais soluto precipita no fundo msoluto (g) m1 (g)
Cm/v = =
da solução. vsolução (L) v (L)
12.
MEC | Reprodução

5) Como a massa é normalmente expressa em gramas e


o volume, em litros, teremos como unidade de medida
da concentração g/L.
14. As substâncias reagem em proporções definidas.
Essas proporções podem ser expressas pela grandeza
“quantidade de matéria” e são denominadas proporções
estequiométricas. Assim, um mol de ácido clorídrico (HCl)
reage com um mol de hidróxido de sódio (NaOH), para
formar um mol de cloreto de sódio (NaCl) e um mol de
água (H2O), como indica a equação química abaixo:

96
HCl(aq) + NaOH(aq) → NaCl(aq) + H2O(l) Assim, um vinagre com 4% de acidez possui 1
4 g de ácido acético em 100 g de vinagre.
Qual é a concentração da solução preparada pela dissolução
2) Nos frascos de água oxigenada, usada como
de 2 mol de NaOH em 0,5 litro de água?
antisséptico, o teor em fração percentual em volume
a) 0,5mol/L. c) 1mol/L. de peróxido de hidrogênio (H2O2) é 3%, embora a 2
b) 2 mol/L d) 4mol/L. embalagem indique água oxigenada 10 volumes.
15. Quando lemos o rótulo ou a bula de alguns produtos, nos 3) A concentração do álcool comercial é expressa em dois
deparamos com mais de duas substâncias, a composição tipos de unidades: grau (GL) Gay-Lussac e grau INPM.
3
do material, ou seja, todas as substâncias nele contidas. 4) O grau GL refere-se à fração percentual em volume,
Ter conhecimentos sobre essas informações é importante assim, um álcool 96 graus GL é um álcool que contém,
principalmente, em situações de contaminação, intoxicação, em volume, etanol na fração percentual de 96%, ou
alergias etc. pois, assim, é possível saber informações seja, nesse material há a proporção 960 mL de etanol 4
sobre a concentração dos componentes dos produtos que para cada 40 mL de água.
consumimos. A respeito da composição e da concentração
5) No Brasil, a fração percentual em volume do etanol na
dos materiais, julgue os itens com C para os corretos e E
gasolina é de, aproximadamente, 24%. 5
para os errados.
6) O álcool mais recomendado para uso doméstico como
1) Concentração dos nutrientes de alimentos sólidos
desinfetante é o 46 oINPM. Esse álcool, com menor teor
geralmente é apresentada sob a forma de título (m1/m).
de etanol, não queima tão facilmente.
2) Quando nos referimos à quantidade de apenas uma das 6
17. O processo de diluição é muito usual no nosso cotidiano.
substâncias presentes no material, sem nos interessar Isso ocorre com materiais de limpeza, medicamentos,
pelas demais, chamamos essa quantidade de teor da tintas etc. O processo de diluição consiste no acréscimo
substância no material. de solvente à solução. Ao fazermos isso, a quantidade do
DIVULGAÇÃO PNLD

3) Solução refere-se, em geral, a um material em que se soluto permanece constante, mas a concentração (razão
considera a existência de muitas substâncias – como entre quantidade de soluto e volume da solução) altera-
soluto e como solvente, embora sempre existirão se. A respeito da diluição, julgue os itens com C para os
outras impurezas. corretos e E para os errados.
4) O conceito de concentração refere-se a qualquer 1) No processo de diluição, a quantidade do soluto
material homogêneo (solução) com duas ou mais permanece constante, depois do acréscimo de solvente
substâncias. à solução. Assim, poderemos ter as seguintes relações,
5) O conceito de teor se refere à relação quantitativa de diferenciando-se a solução inicial da final:
mais de uma substância em um material constituído m m
Ci = i e Cf = f
por várias substâncias. vi vf
6) O título é muito utilizado pela indústria. Expressa a 2) Alguns rótulos de desinfetante sugerem que o produto
concentração em massa do soluto, ou solutos, por massa seja diluído em água, na proporção de 1 para 3,
da solução. Também pode ser expresso em percentual. significando que para cada parte do produto devem-
se acrescentar 3 partes de água.
7) Para expressar a concentração de contaminantes, como
mercúrio, em água, usamos o teor em partes por milhão (ppm). 3) Se você diluir um produto de limpeza mais do que está
indicando o fabricante, irá fazer o seu produto “render mais”.
16. Na comunidade científica, os químicos buscam padronizar
suas unidades de medidas e expressá-las corretamente. 4) Um álcool 96 graus GL é um álcool que contém
Na indústria, porém, nem sempre há padronização. Por 960 mL de água para cada 40 mL de etanol.
esse motivo, frequentemente são encontrados, nos rótulos 5) Para obter dois litros de solução, partindo de meio litro,
dos produtos químicos, teores com unidades diferentes das de um detergente de concentração 1,2 mol/L, devemos
estudadas. Um frasco de água oxigenada de 10 volumes é, adicionar 2 L de água aos 500 mL do detergente.
assim, denominado não porque tenha 10 volumes de 18. Enquanto a proporção salina nos mares é de 35
peróxido de hidrogênio, mas porque um litro desse g/L, no Mar Morto é de 350 g/L a 370 g/L. Suas
frasco produz 10 litros de gás oxigênio nas CNTP. águas são consideradas terapêuticas pelo fato de ter
A respeito das unidades de medidas dos materiais grande concentrado de 21 minerais; 12 deles não são
comerciais, julgue os itens com C para os corretos e E encontrados em outros lugares. Nas águas dos mares há
para os errados. grande quantidade de substâncias dissolvidas, porque a
1) O teor de acidez do ácido acético em vinagre água é um excelente solvente. A respeito da solubilização
é, geralmente, expresso em percentual. Esse dos materiais e dos conceitos químicos, julgue os itens
teor indica a fração percentual em massa. com C para os corretos e E para os errados.

97
Cálculos químicos: estequiometria e soluções

1) A dissolução de um soluto em um líquido independe das A respeito das propriedades coligativas, julgue os itens com
interações entre os constituintes das duas substâncias. C para os corretos e E para os errados.
2) Dependendo das interações moleculares, o soluto 1) A adição de um soluto não volátil, como o sal e o
poderá se dissolver em maior ou menor proporção. açúcar, a uma solução, diminui a pressão de vapor de
Denominamos essa propriedade específica de água, retardando a ebulição. Por isso, a água para de
solubilidade ou coeficiente de solubilidade. ferver ao adicionarmos sal ou açúcar.
3) Solubilidade é a quantidade máxima de uma 2) O estudo da variação da pressão de vapor de um
substância que pode ser dissolvida em determinada solvente, pela adição de um soluto não volátil é
quantidade de solvente, produzindo uma solução
CAPÍTULO 2

denominado criometria ou crioscopia.


estável e sem formação de precipitado.
3) A diminuição da pressão de vapor do solvente, causada
4) Quando se dissolve a quantidade mínima do soluto no
pela dissolução de um soluto não volátil, provoca o
solvente, obtém-se uma solução saturada.
aumento da temperatura de ebulição.
5) Quando em uma solução houver mais soluto do
que o solvente é capaz de dissolver, a solução será 4) Quando cozinhamos alimentos em água com sal ou
denominada solução insaturada. açúcar, elevamos a temperatura de ebulição e os
alimentos são cozidos mais rapidamente.
19. Ao nível do mar, a água ferve a 100 °C. Se você mora no
litoral, é fácil constatar esse fato. Se, por outro lado, você 5) A calda de um doce, por causa da presença de solutos
mora no interior, a água ferve a temperaturas inferiores dissolvidos, apresenta temperatura muito maior que o
a 100 °C. Em cidades, como Belo Horizonte, Cuiabá, vapor da ebulição da água.
Teresina, São Paulo, Brasília e Manaus, a água entra 6) Diferentes quantidades de solutos não voláteis, quando
em ebulição a valores de temperatura próximos de 98 dissolvidos em água ou em outro solvente, causam
°C. Esse fenômeno pode ser explicado pela propriedade
DIVULGAÇÃO PNLD

diferentes variações da temperatura de congelamento


coligativa pressão de vapor.
das soluções.
A respeito da propriedade coligativa pressão de vapor,
7) O estudo da variação da temperatura de fusão de
julgue os itens com C para os corretos e E para os errados.
um solvente pela adição de um soluto não volátil é
1) A propriedade coligativa, pressão de vapor de um
denominado tonometria ou tonoscopia.
líquido, a uma dada temperatura, é a pressão exercida
pelo vapor quando as fases estão em equilíbrio. 8) Em lugares onde neva no inverno, alguns produtos
2) A volatilidade de uma substância é diretamente químicos são acrescentados na água de refrigeração dos
proporcional à temperatura e à intensidade das motores para evitar seu congelamento. Eles diminuem
interações intermoleculares. a temperatura de fusão do líquido de refrigeração,
3) Um líquido entra em ebulição quando a pressão de evitando que o carro tenha problemas no motor.
vapor (PV) se iguala à pressão atmosférica, assim, 9) No preparo de sorvetes e picolés, utiliza-se uma
quanto menor for a pressão externa, menor será a mistura de água e sal – salmoura – ou água e álcool,
temperatura de ebulição. que circundam as formas dentro dos refrigeradores,
4) Quanto maior a altitude do local, maior a pressão com a finalidade de obter uma temperatura mais
atmosférica e, portanto, maior será a temperatura baixa, na qual a calda possa se congelar mais
de ebulição. rapidamente.
5) Em uma panela de pressão (sistema fechado), a 21. Ao se colocar água salgada em contato com água doce –
água ferve a temperaturas superiores a 100 ºC.
porém separadas por uma membrana semipermeável que
O aquecimento provoca aumento da pressão interna,
permite a passagem de água, mas não de íons cloreto e
fazendo com que a temperatura de ebulição seja maior
do que em uma panela normal. sódio –, a água migrará para o recipiente de água salgada,
para diminuir essa concentração. Esse processo é muito
20. As propriedades químicas e físicas dos materiais dependem
comum em sistemas biológicos celulares e é usado em
das substâncias que os compõem. Algumas dependem
da natureza das forças intermoleculares, outras, porém, aparelhos de alta tecnologia para retirar sal da água.
relacionadas à quantidade de constituintes presentes O processo de movimentação de líquidos através de uma
em soluções. Elas foram denominadas propriedades membrana é denominado:
coligativas. Ao estudar a variação das propriedades com a) Dessalinização. d) Tonoscopia.
a concentração dos solutos, os químicos observaram que
algumas propriedades dependem da proporção entre seus b) Dessalga. e) Osmose.
constituintes (concentração) e não da natureza do soluto. c) Crioscopia.

98
Classes de substâncias:
3

Gajus/Shutterstock
funções orgânicas,
ácidos, bases e sais

CAPÍTULO
DIVULGAÇÃO PNLD

1 ALIMENTOS E SAÚDE

2 SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS E SUAS FUNÇÕES

3 ÁCIDOS E BASES

4 CHUVA ÁCIDA

5 TEORIAS DE ÁCIDOS E BASES


6 SAIS A produção agrícola depende da adubação do solo que
é feita por meio de sais minerais.

99
1 Alimentos e saúde
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

Ana Blazic Pavlovic/Shutterstock


CAPÍTULO 3

O
Uma dieta saudável deve incluir poucos
alimentos industrializados, com variedades s alimentos que consumimos hoje, independentemente do local em que
de verduras, legumes, frutas, laticínios, vivemos, são bem diferentes dos que eram consumidos há sete ou oito
além de fontes de carboidratos, proteínas e décadas por nossos antepassados. As mudanças na alimentação ocorreram
água. porque a sociedade mudou: a população cresceu; as pessoas saíram do campo
para as cidades; as mulheres ingressaram no mercado de trabalho formal; o uso
de eletrodomésticos se difundiu; a exportação e a importação de alimentos
PARE E PENSE se tornaram muito maiores; o custo de vida subiu; a produção industrial de
alimentos e a propaganda se intensificaram.
Por que tem aumentado o número
DIVULGAÇÃO PNLD

de pessoas obesas atualmente?

Hely Demutti

Foi-se o tempo em que, para comer um alimento, era necessário conseguir os ingredientes
Zholobov Vadim/Shutterstock

e prepará-lo previamente. Hoje, podemos comprar quase tudo pronto. Essa mudança de hábito,
todavia, exige cuidados para evitar diversos problemas de saúde.

Até por volta de 1950, grande parte das famílias brasileiras produzia
seu próprio alimento. Essas pessoas plantavam, criavam animais, faziam o
queijo, a linguiça, os doces... Os alimentos eram consumidos logo após a sua
obtenção. As aves, como galinhas e patos, eram abatidas e consumidas em
um ou dois dias; animais maiores, como porcos e bois, eram pré-preparados e
conservados em gordura, na forma de embutidos ou defumados, garantindo
Uma alimentação saudável é essencial sua conservação por períodos curtos, além de ter partes distribuídas entre
para o desenvolvimento infantil. Garoto se familiares e vizinhos.
diverte com uma bebida e um pãozinho no Apesar de diferentes processos de conservação de alimentos, como salga,
café da manhã. defumação, conservas de vinagre, geleias, entre outros, já serem conhecidos

100
Hely Demutti
há muito tempo, a preocupação com o armazenamento e a estocagem de
alimentos não era tão grande. Isso porque, de modo geral, eram produzidos 1
para serem consumidos, e não para serem estocados e comercializados.
O êxodo rural e a verticalização e superlotação das cidades fizeram com que
as pessoas se distanciassem mais da produção dos alimentos e precisassem,
2
cada vez mais, comprá-los para poder consumi-los. Associadas a esses fatos,
mudanças econômicas e sociais fizeram com que a comercialização de
alimentos se intensificasse, transformando-os definitivamente em mercadorias.
Essas mudanças levaram a um grande crescimento da indústria alimentícia,
3
já que as pessoas passaram a comprar todo o alimento que consomem: do
arroz à carne, passando pelas verduras e os pães. A produção de alimentos
virou um filão, e a concorrência levou a indústria a desenvolver os alimentos
que hoje compõem a dieta básica da população. 4
Com o desenvolvimento da indústria alimentícia, surgiu a necessidade de
novas tecnologias que possibilitassem aumentar o estoque, a conservação,
a variedade e a facilidade de preparo dos alimentos. Isso estimulou a busca
de novos conhecimentos e novidades tecnológicas que mantivessem ou 5
aumentassem o valor mercadológico dos alimentos.
Nessa situação, a engenharia de alimentos, associada à Química,
desenvolveu-se muito, pois atua no campo da melhoria da qualidade e da A prática de cultivo de hortaliças, que 6
produtividade dos alimentos. Avanços alcançados pela indústria alimentícia era comum em todas as comunidades, hoje é
também tornaram possível a fabricação de alimentos menos perecíveis, geralmente restrita aos grandes produtores.
favorecendo seu transporte e estocagem, e garantindo, assim, a chegada Isso contribuiu para a mudança dos hábitos
desses alimentos às regiões não produtoras. alimentares da população, que consome mais
DIVULGAÇÃO PNLD

Infelizmente, muitos desses produtos mais resistentes, com aspectos alimentos industrializados e menos frutas,
e sabores agradáveis, possuem baixíssimos valores nutritivos, sendo verduras e legumes in natura.
comercializados muito mais por aparência, sabor e odor do que propriamente
pelo seu valor nutritivo. Além disso, para aumentar a venda, as indústrias
adicionaram aos alimentos substâncias que realçam o sabor, estimulam o
consumo, sem oferecer os nutrientes essenciais.
Atualmente, muitas pessoas fazem as suas refeições regularmente, mas
têm problemas de saúde devido à carência de vitaminas e de nutrientes
fundamentais para o bom funcionamento de seu organismo. Isso acontece
até mesmo com pessoas de alto poder aquisitivo. O que importa para uma

Hely Demutti
alimentação saudável é a qualidade e não a quantidade.
Um dos principais problemas tem sido com a obesidade. A sua principal
causa está no consumo excessivo de alimentos industrializados e na pouca
atividade física. Conhecendo um pouco sobre a química dos alimentos, vamos
entender a necessidade da adoção de uma dieta mais saudável, evitando riscos
à saúde trazidos por muitos alimentos industrializados.
Fotos: Hely Demutti

Eletrodomésticos, entre os quais a


O leite é um bom exemplo das mudanças na forma de consumo: inicialmente, era consumido geladeira, mudaram os hábitos alimentares
ao “pé da vaca”; na cidade, era distribuído no mesmo dia em garrafas e frascos de vidro; depois das pessoas. Hoje, muitos alimentos podem
foi a vez do leite em saquinho, para ser consumido em poucos dias; agora é a vez do leite longa ser acondicionados, resfriados e guardados
vida com validade de até seis meses. por mais tempo.

101
Obesidade e anorexia
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

Você se acha magro(a), gordo(a) ou no padrão? Que critério de medida


você usa para responder a essa pergunta? Apenas a imagem que vê refletida
no espelho? Se o espelho for o seu único padrão de referência para medir
a grandeza obesidade, cuidado! A imagem que temos de nós mesmos tem
muito a ver com nosso humor, estado de espírito e autoestima – e esses
atributos não são quantificáveis!
Alexandre Schneider/Folhapress

Você já deve ter ouvido falar de uma doença chamada anorexia, uma
terrível e contínua obsessão pela magreza. Os primeiros sinais são regimes
constantes e a prática exagerada de exercícios físicos. Quem sofre desse mal
tem uma visão distorcida de seu próprio corpo: ao olhar para o espelho,
CAPÍTULO 3

enxerga uma pessoa gorda, mesmo que seu corpo esteja esquelético e
subnutrido, e, por isso, persiste numa dieta de fome que pode até levar à
morte. Essa doença vem atingindo cada vez mais pessoas, incluindo jovens,
e uma das causas é a grande pressão social para que as pessoas mantenham
a forma física.
Por outro lado, quem está obeso deve ficar atento, pois sua saúde corre
risco. Obesidade é uma doença crônica reconhecida pela Organização
Mundial da Saúde (OMS). Ela se caracteriza por excesso de gordura corporal,
que pode ocorrer de duas formas diferentes: pelo número ou pelas dimensões
das células adiposas.
DIVULGAÇÃO PNLD

De maneira geral, o acúmulo de gordura pode surgir quando há um


desequilíbrio energético: a pessoa ingere mais calorias (energia) do que
consome. Muitos fatores podem desencadear esse desequilíbrio: de maus
De acordo com o modelo de beleza atual, hábitos alimentares a fatores genéticos, passando até por problemas
a mulher deve ser dotada de uma magreza emocionais.
que pode até se aproximar, perigosamente, E como saber se estamos obesos? Um padrão de referência confiável para
da subnutrição.
medirmos a obesidade pode ser o índice de massa corporal (IMC), grandeza
que relaciona a altura e a massa de um indivíduo. Para calcular o IMC de
um indivíduo, é necessário dividir sua massa (m), dada em quilogramas, pelo
quadrado de sua altura (h), dada em metros: IMC = m/h2. De modo geral, os
médicos classificam como obesa a pessoa que tem IMC superior a 30 kg/m2,
embora possa haver variações individuais, conforme o biótipo ou constituição
óssea do indivíduo (veja a tabela abaixo).

ESCALA DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC)


Categoria IMC
Abaixo do peso Abaixo de 18,5 kg/m2

Peso normal 18,5 – 24,9 kg/m2

Sobrepeso 25,0 – 29,9 kg/m2

Obesidade Grau I 30,0 – 34,9 kg/m2

Obesidade Grau II 35,0 – 39,9 kg/m2

Obesidade Grau III 40,0 kg/m2 e acima

Fonte: Associação Brasileira para Estudo de Obesidade e Síndrome Metabólica.


Disponível em: <www.abeso.org.br/calcule-seu-imc.shtml>. Acesso em: 12 maio 2016.

102
O importante é diagnosticar a doença e avaliar suas causas para atacá-
1
las, pois a obesidade predispõe o organismo a várias outras doenças graves,
como hipertensão arterial, diabetes, aterosclerose, insuficiência respiratória
ou cardíaca e vários tipos de câncer. Entretanto, lembre-se que só profissionais
especialistas podem indicar tratamentos seguros. 2
Os meios de comunicação social, diariamente, inserem propagandas de
produtos de consumo com a intenção de modificar o estilo de vida e provocar
nas pessoas uma falsa percepção sobre o que vem a ser uma vida saudável. Isso
faz com que a autonomia do indivíduo, na escolha de seus hábitos alimentares, 3
dos vestuários, do cuidado com o corpo e alma acabe se perdendo. Assim,
quem controla o comportamento psíquico coletivo são as indústrias.
4

A informação e a dieta nossa de cada dia

Chiociolla/Shutterstock
Nossa saúde depende da alimentação: regularidade, variedade e valor 5
nutritivo. Nosso organismo precisa de inúmeros nutrientes presentes em
diversos tipos de alimentos. Muitos alimentos são propaganda enganosa.
Não são saudáveis e seu consumo frequente pode até provocar danos à saúde. 6
Daí a importância de saber escolher os alimentos.
Existem muitas teorias e dietas que orientam boas formas e regras de
alimentação, mas cada um deve buscar sua receita, considerando suas
preferências e suas necessidades. Assim, ao fazer nossas opções diárias, O uso de qualquer droga para
DIVULGAÇÃO PNLD

sabemos o que saborear sem comprometer nossa saúde. Para isso, mantenha- emagrecer tem de ser feito sob a orientação
de um especialista.
se informado.
A consulta a um nutricionista é uma fonte mais segura para se

Peter Barritt/Alamy/Latinstock
obter informações sobre a alimentação de acordo com seu tipo
físico. O hábito da leitura dos rótulos dos alimentos é uma prática
fundamental nesse processo. Nele são fornecidas tabelas com a
composição dos principais nutrientes, tanto minerais como os relativos
às principais substâncias bioquímicas essenciais para a nossa saúde.
Muitos alimentos são preparados para atender a pessoas que
possuem alguma restrição alimentar. Os que são diabéticos, por
exemplo, são orientados a consumir alimentos sem açúcar. Esses
são identificados como alimentos diet. Observe, no entanto, que
nem todo alimento diet tem zero por cento de açúcar e o fato
de não ter sido adicionado açúcar não significa que ele possui
zero porcento de glicose (substância presente no açúcar), que
está presente naturalmente em muitos alimentos.
Isso significa que, por um alimento ser diet, não se pode
consumir em demasia. Até porque, estudos atuais demonstram
que os aditivos adicionados aos alimentos, como o ciclamato
de sódio, têm sido responsáveis pelo aumento de incidência de
câncer. Logo, o seu consumo deve ser moderado.
Outros alimentos possuem redução de algum nutriente, como
sal (cloreto de sódio) ou gordura. Esses alimentos são denominados
light. Isso, contudo, não significa que são alimentos mais saudáveis.
Se identificamos que um alimento é light, precisamos saber qual
O padrão estético muda conforme o tempo e o lugar. No
ingrediente que foi reduzido. Um alimento light, por exemplo, Renascimento, a mulher bonita era a mais “cheinha”. Mulheres
que tem apenas redução de gordura e não de açúcar, não é nada com barriguinha e celulite, como as retratadas no quadro
recomendável para quem tem diabetes. Tudo isso só sabemos As Três Graças (óleo sobre tela, 221 cm × 181 cm), de Peter Paul,
lendo os rótulos. eram sinônimo de fertilidade.

103
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

Ilustrações: Osvaldo Sequetin


Pirâmide alimentar

consumir moderadamente arroz branco, pão branco, massas e batatas


manteiga e carne vermelha devem ter consumo moderado

laticínios ou suplementos de
cálcio 1-2 porções

peixes, aves, ovos


CAPÍTULO 3

1-2 porções
nozes, castanhas
e legumes
1-3 porções
frutas 2-3
verduras em porções
abundância

cereais integrais óleos vegetais (azeite


na maioria das de oliva, óleo de
refeições canola, soja, mi-
lho, girassol ou
DIVULGAÇÃO PNLD

amendoim)

A pirâmide alimentar orienta, do ponto de vista nutricional, quais tipos de alimentos devem ser consumidos e as quantidades relativas. Observe
que no topo estão os alimentos de que necessitamos em menor quantidade; perto da base estão os que devemos ingerir em quantidades maiores; e
na base estão os exercícios físicos para assegurar o equilibrado processamento químico de todos os alimentos.

Diversos estudos buscam relacionar o consumo de diferentes tipos de alimentos à incidência de doenças crônicas,
como ataque cardíaco, derrame (acidente vascular cerebral – AVC), câncer, insuficiência renal, entre outras, buscando
estabelecer recomendações para dietas mais saudáveis. Esses estudos são complexos, pois dependem de diversos fatores,
tais como hábitos relacionados às atividades físicas, predisposição genética e condições de vida. Todavia, os princípios
dessas recomendações nutricionais têm ajudado a diminuir, principalmente, a ocorrência de doenças cardiovasculares.
Uma boa orientação na alimentação é dada pela pirâmide alimentar. Na base estarão os alimentos que devem
ser ingeridos em maior quantidade e, no topo, os de menor quantidade. No centro da pirâmide estavam legumes,
verduras, frutas, laticínios, carne, feijões, nozes/castanhas, peixes, aves e ovos.
Ainda, na base da pirâmide estão os exercícios físicos. Estudos evidenciam que a atividade física regula uma série
de funções metabólicas, eliminando toxinas e queimando, por exemplo, o colesterol em excesso no organismo.

A aparência dos alimentos


Nosso corpo possui, instintivamente, alguns mecanismos que ajudam na escolha da comida,
como a percepção do sabor, da aparência e do cheiro. No entanto, isso não é suficiente para
identificar o valor nutricional do alimento.
Hely Demutti

O olfato e a gustação são os únicos sentidos que detectam substâncias na forma gasosa
ou dissolvidas em água, seja no próprio líquido do alimento ou na saliva. Sendo o
sabor uma combinação entre o cheiro e o gosto, ele é percebido pelo olfato e pelas
papilas gustativas, que também detectam a temperatura, a ardência e a textura
do alimento.

Comer bem: um dos


segredos da longevidade!

104
Esse tipo de percepção ajuda a escolher o que comer, o que permite, por exemplo, identificar se um alimento está
estragado ou não. Entretanto, nem sempre isso é suficiente para garantir a qualidade do que comemos, pois o que 1
cheira bem ou tem um gosto agradável nem sempre é rico em nutrientes.
Há estudos que recomendam a inclusão de seis cores na dieta: amarelo ou laranja, branco, vermelho, roxo ou azul,
marrom e verde. Isso implica o consumo de cinco a nove vegetais diferentes ao dia.
Os alimentos, como todo e qualquer material, são constituídos por diversas substâncias. O sabor, a cor, a textura 2
e a forma que eles têm são propriedades que dependem das proporções entre as substâncias presentes. Qualquer
cozinheiro sabe que uma combinação ideal de ingredientes e temperos pode torná-lo um bom gourmet.
Neste capítulo, vamos iniciar o estudo das classes de substâncias, para que você possa compreender como as
propriedades químicas das substâncias estão relacionadas à sua estrutura química. Essas classes têm sido estudadas 3
em dois ramos da Química: Orgânica e Inorgânica. Nos alimentos encontramos uma variedade de substâncias, como,
sais minerais, carboidratos, lipídios e proteínas. É a partir das propriedades dessas substâncias que profissionais da
nutrição recomendam dietas balanceadas, conforme as características físicas de cada um.
4

Atitude Sustentável
5
Dicas para comprar e preparar alimentos mais saudáveis
• Fique atento à quantidade de aditi-
Ilustrações: Osvaldo Sequetin

• Observe como os alimentos estão 6


acondicionados: embalagens rasga- vos acrescentados ao produto a ser
das e amassadas podem prejudicar consumido, principalmente se ele for
seu conteúdo; a falta de resfriamen- destinado às crianças; normalmente
to adequado também compromete a elas não têm a mesma disposição fí-
DIVULGAÇÃO PNLD

qualidade do produto. sica dos adultos.

• Não compre comida com prazo de • Tente consumir alimentos frescos. Al-
validade vencido. Leia atentamente o guns nutrientes de que necessitamos
rótulo, pois geralmente o produto em são originários somente desse tipo
promoção tem validade curta; compre de alimento.
somente se for consumir logo.

• Ao comprar carnes e peixes, verifi- • Lave bem frutas e legumes antes de


que se são realmente frescos; exis- consumi-los. Muitos deles, para ga-
tem algumas regras na embalagem rantir a durabilidade, recebem dose
que devem ser seguidas. maior de aditivos, que ficam deposi-
tados em suas cascas e folhas.
• Leia atentamente o rótulo e a com- • Se tiver alguma manifestação alér-
posição do alimento e considere que gica ou indisposição já sentida an-
a ordem de apresentação dos ingre- teriormente, tente associá-las aos
dientes é proporcional à concentra- alimentos semelhantes que você
ção. Por isso, evite alimentos cuja consumiu nessas ocasiões; pode ser
lista comece com componentes não que algum componente não seja ade-
saudáveis, como gordura, açúcar, sal quado para você.
e outros.

• Informe-se, pesquise, pergunte. Exis- • Não se esqueça: você é responsável


tem muitos sites que fornecem dicas pelo que come!
de alimentação saudável, mas verifi-
que antes a idoneidade do site.

105
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

Participação Cidadã
1. Indique fatores do modo de vida atual que favorecem o consumo de alimentos industrializados, muitas vezes com baixo
teor nutritivo. Cite exemplos de alimentos pouco nutritivos.
2. O que significa dizer que a sociedade industrial trata os alimentos como mercadoria? Cite exemplos de alimentos que
funcionam mais como mercadoria do que como fonte de nutrientes.
3. Dos alimentos industrializados que há em sua casa, identifique quais poderiam ser substituídos por outros de origem
natural.
4. Que mudanças de hábitos alimentares você julga que deva fazer para ter uma dieta mais equilibrada e saudável?
CAPÍTULO 3

Ação e Cidadania
1. Elabore um pequeno manual do consumidor que oriente sobre a compra de produtos alimentícios industrializados, fazendo
observações sobre os rótulos, cuidados na aquisição de produtos resfriados e congelados, condições das embalagens,
entre outros. Levante informações em órgãos competentes em sites confiáveis.
2. Entreviste pessoas de sua comunidade sobre os hábitos alimentares e os cuidados que elas têm ao comprar produtos
industrializados. Debata com os demais colegas as informações obtidas, identificando no debate os hábitos de consumo
que devem ser mudados.
3. Faça uma análise sobre o valor nutritivo dos alimentos da cantina da sua escola ou da merenda fornecida e discuta
com a direção da escola e com os responsáveis pelo fornecimento dos alimentos o que pode ser feito para melhorar a
DIVULGAÇÃO PNLD

qualidade nutricional deles.

2 Substâncias orgânicas e suas funções


Adisa/Shutterstock

N a Língua Portuguesa, existem palavras homônimas, quer dizer que


são pronunciadas da mesma forma, mas que possuem significados
diferentes. Por exemplo, a palavra cedo pode significar doar alguma coisa ou
Alimentos orgânicos são produzidos de
maneira sustentável. São muito saudáveis
e possuem, em sua composição, classes de
ocorrência com antecedência. A palavra manga pode significar o nome de uma substâncias estudadas tanto pela Química
Orgânica quanto pela Química Inorgânica.
fruta ou parte de uma camisa. Que outras palavras homônimas você lembra?
A palavra orgânica tem diferentes significados. Por exemplo, lixo orgânico
e alimento orgânico são completamente diferentes. Enquanto lixo orgânico
relaciona-se ao resíduo de origem de ser vivo, alimento orgânico significa
PARE E PENSE
alimento produzido sem se ter utilizado fertilizantes sintéticos e agrotóxicos,
nem de organismos geneticamente modificados, por meio de práticas que Qual a diferença entre orgânico e
promovem o ciclo natural dos recursos, o equilíbrio ecológico e que conservam inorgânico?
a biodiversidade, e, geralmente, esses alimentos não são processados com

106
recurso recurso como a irradiação, solventes químicos ou aditivos alimentares sintéticos. Já em Química, a palavra
1
orgânica tem um significado diferente dos dois citados anteriormente. Para isso, vejamos como historicamente esse
conceito foi estabelecido.
Em 1807, o químico sueco Jöns J. F. von Berzelius (1779-1848) propôs uma classificação para as substâncias,
separando-as em dois grupos: orgânicas e inorgânicas. De acordo com Berzelius, substâncias orgânicas seriam aquelas 2
obtidas a partir de matéria viva, possuidoras de força vital e, por isso, impossíveis de serem sintetizadas a partir de
materiais inorgânicos. As substâncias desprovidas de força vital, ditas inanimadas, foram denominadas substâncias
inorgânicas e as que possuíam força vital: orgânicas. Essa ideia era amplamente aceita na época e era conhecida
como Teoria da Força Vital ou vitalismo. 3

Durante muito tempo, permaneceu um mistério para os químicos o que diferenciaria as substâncias orgânicas
das inorgânicas. Hoje, sabemos que muitas das propriedades que caracterizam o grande poder de transformações
das substâncias orgânicas não se deve à força vital citada por Berzelius, mas ao fato de elas serem constituídas por 4
moléculas formadas pela união consecutiva de átomos de carbono, também chamadas de cadeias carbônicas. A
classificação proposta por Berzelius entre substâncias orgânicas e inorgânicas continua sendo usada até hoje, mas
considerando a existência de cadeias carbônicas e não a origem da substância. 5
Em 1828, o químico alemão Friedrich Wöhler (1800-1882), ex-aluno de Berzelius, descobriu que, pela evaporação
de uma solução aquosa do cianato de amônio (NH4OCN) – sal inorgânico –, era possível produzir ureia, substância
orgânica, por meio da seguinte reação:
6
A síntese artificial da ureia, por Friedrich Wöhler,
contribuiu para a derrubada da Teoria da Força Vital.
Esse resultado foi surpreendente para a época, por
mostrar a possibilidade de síntese de substâncias orgânicas
DIVULGAÇÃO PNLD

a partir de inorgânicas, sem a interferência de um organismo


vivo, o que foi marcante para a derrubada da teoria da
força vital.
Inicialmente, muitos químicos não ficaram convencidos
dessa síntese, mas, em 1845, o químico alemão Adolph
Wilhelm Hermann Kolbe [1818-1884] demonstrou a síntese
do ácido acético a partir de substâncias inorgânicas, o que
derrubou de vez a teoria da força vital.
Mas muitas questões relativas à formação e à constituição de substâncias orgânicas ainda não estavam esclarecidas.
Estudos posteriores demonstraram que átomos de elementos químicos constituintes de materiais de origem mineral
também estão presentes em seres vivos. Todavia, uma característica da composição química da grande maioria das
substâncias presentes nos seres vivos é a existência de átomos de carbono.
Aos poucos foi se constatando que a proposta de Berzelius de separar o estudo das substâncias dos seres vivos do
estudo das demais substâncias não fazia sentido. Por outro lado, os estudos, que inicialmente foram desenvolvidos
com as substâncias classificadas por Berzelius como orgânicas, levaram à descoberta de uma infinidade de substâncias
com uma característica comum: a presença de cadeias carbônicas.
Diante do número muito grande dessas substâncias e como o seu estudo leva em conta teorias comuns, surgiu
a Química Orgânica, a qual hoje é conceituada como o ramo da Química que estuda as substâncias que contêm
átomos do elemento químico carbono. Observe, no entanto, que, se considerar que a Química Orgânica estuda
substâncias que possuem átomos de carbono, percebe-se que ela não se restringe a estudar apenas as substâncias
originadas dos seres vivos, como havia proposto Berzelius, pois existem substâncias estudadas na Química Orgânica
que não são encontradas em seres vivos e existem muitas substâncias presentes nos seres vivos que não são estudadas
na Química Orgânica.
Historicamente, algumas substâncias que contêm átomos de carbono, como os carbonatos e o dióxido de carbono,
já eram estudadas pela chamada Química Inorgânica de Berzelius e que hoje é denominada ramo da Química que
tem como foco o estudo de substâncias constituídas por átomos dos demais elementos químicos que não o carbono.
Por razões históricas, o estudo dos carbonatos e do dióxido de carbono continua sendo feito na Química Inorgânica.
Deve-se considerar, ainda, que existem substâncias estudadas pela Química Orgânica que não possuem cadeias de
átomos de carbono, como metano (CH4), metanol (CH3OH), entre outras.

107
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

História da Ciência

Berzelius: um dos fundadores da Química


B erzelius trabalhou como assistente de professor de cirurgia e, ao mesmo

Hulton-Deutsch Collection/Corbis
tempo, dedicou-se às investigações químicas. Em 1807, foi contratado
como professor de Química do Instituto Médico de Karolinska. Publicou um
manual, considerado padrão para o estudo da Química e da Física que, mais
tarde, foi traduzido para diversos idiomas.
Berzelius trabalhou em diversas áreas da Química, produzindo inúmeros
trabalhos, dentre os quais destacamos: a descoberta do selênio e da eletrólise; a
CAPÍTULO 3

construção dos conceitos de íon e substâncias iônicas; a determinação da fórmula


de inúmeras substâncias; o desenvolvimento da ideia de combinação química,
a publicação de tabela com valores de peso atômico de 45 elementos, dos 49
conhecidos na época. Pela importância de suas
contribuições, Jöns Jacob
Graças às suas inúmeras contribuições para o desenvolvimento da Química, Berzelius [1779-1848] é também
Berzelius recebeu o título de Barão – conferido pelo rei da Suécia – e homenagens considerado, após Lavoisier, o pai
de 94 academias, universidades e sociedades. da Química.

Funções orgânicas
DIVULGAÇÃO PNLD

Na diversidade das substâncias orgânicas encontram-se uma série de tipos


de substâncias com semelhança entre seus comportamentos químicos. Esses

J. Yuji
tipos de substâncias são classes químicas denominadas funções orgânicas.

Funções orgânicas são classes de substâncias orgânicas que


possuem propriedades químicas semelhantes.

Os hidrocarbonetos correspondem à função mais simples das substâncias


orgânicas. Eles são constituídos apenas por átomos de carbonos ligados a
átomos de hidrogênio, cuja principal fonte natural é o petróleo. As demais A presença de átomos de oxigênio
(vermelho) e nitrogênio (azul), e de outros
funções orgânicas apresentam, em suas moléculas, átomos de outros
elementos, ligados aos átomos de carbono
elementos químicos, além do carbono e do hidrogênio, como o oxigênio, (preto), produz substâncias com propriedades
o nitrogênio e os halogênios. físicas e químicas bem diferentes das substâncias
A presença desses outros átomos, principalmente, oxigênio e nitrogênio, constituídas somente por átomos de carbono e
confere propriedades bem características às moléculas orgânicas, dependendo hidrogênio (cinza).
da posição que ocupam nas moléculas.
Os átomos ou grupos de átomos responsáveis pelas propriedades químicas e físicas comuns das substâncias, em
cujas moléculas estão presentes, são chamados grupos funcionais.

Grupo funcional é o tipo de átomo ou grupo de átomos que caracteriza uma função química.
O grupo funcional está ligado à cadeia carbônica, a qual pode ter natureza e tamanhos variados. A identificação
da cadeia é feita por unidades de grupos de átomos que a compõem. Na Química Orgânica, chamamos de grupo
a uma parte da molécula que tem um conjunto de átomos considerado como unidade.
É interessante destacar que muitas substâncias orgânicas apresentam dois ou mais grupos funcionais em suas
moléculas. Elas são muito comuns nos organismos vivos.
Sob o olhar da Química, os alimentos são constituídos por muitas substâncias, em que estão presentes várias funções
orgânicas, quando formos apresentar as principais substâncias orgânicas que compõem os organismos vivos, como
os carboidratos, os lipídios e as proteínas, as quais apresentam grupos funcionais nas suas estruturas moleculares.

108
Martyn F. Chillmaid/SPL/Latinstock
3 Ácidos e bases 1

Na natureza existem substâncias que podem


3
ser extraídas de espécies vegetais e que
funcionam como indicadores naturais. Elas
mudam de cor quando colocadas em contato
com um ácido ou uma base. O mais conhecido 4
é o extrato de repolho roxo, que aparece na
imagem junto a tubos de ensaio e a metade de
um limão.

D
5
enominamos classes de substâncias, àquelas que possuem um

Simone Nicola
comportamento químico semelhante. Vimos que na Química
Orgânica, as classes de substâncias são caracterizadas por um grupo
6
funcional e são chamadas de funções orgânicas, mas existem classes de
substâncias que não apresentam grupo funcional e que são encontradas
tanto em substâncias orgânicas, quanto em inorgânicas, como as classes:
ácidos, bases e sais. Vamos começar a estudar ácidos e bases. A essas classes
DIVULGAÇÃO PNLD

estão associadas duas propriedades: acidez e alcalinidade.


A acidez é uma propriedade das soluções aquosas (embora também
possa ser considerada para outros solventes diferentes da água) que afeta
diretamente toda a vida do planeta. A ela está relacionada outra propriedade:
a alcalinidade. Essas propriedades são mutuamente dependentes e
inversamente proporcionais. Vamos ver como podemos determinar essas Das variadas fontes naturais podem ser
propriedades. extraídas águas ácidas ou básicas. Em São
Lourenço (MG), cidade conhecida por suas fontes
térmicas naturais, localiza-se a fonte Vichy, que
jorra uma água alcalina considerada medicinal.

Atividade Experimental
Como identificar ácidos e bases?
O experimento que realizaremos agora é simples e pode ser feito com outros materiais diferentes dos listados.
Recomenda-se que, por motivo de segurança, as partes A e B sejam feitas pelo professor e os alunos façam, com segurança, a parte C.

Parte A – Preparação do extrato indicador de acidez


Materiais
• Folha de repolho-roxo • 1 filtro de papel ou de pano
• Recipiente para aquecimento • 1 frasco grande com conta-gotas
• Fonte de calor (bico de gás) • Etiqueta
Procedimento
1. Pegue cinco folhas de repolho-roxo e pique em pequenos pedaços.
2. Coloque os pedaços de repolho em um recipiente que possa ir ao fogo e acrescente água destilada ou filtrada
até o dobro do volume ocupado pelo repolho.

109
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

3. Aqueça a água com repolho, deixando ferver até que o volume se reduza à metade do volume inicial.
4. Deixe esfriar e coe com o filtro.
5. Coloque o extrato no frasco com conta-gotas. Rotule e conserve em geladeira.
Destino dos resíduos
A parte sólida deverá ser descartada em um coletor de lixo orgânico.

Parte B – Preparação da escala de acidez


Materiais
• Extrato de repolho-roxo
• Solução de ácido clorídrico 0,1 mol/L (1 mL HCl concentrado em 100 mL de água destilada)
CAPÍTULO 3

• Solução de hidróxido de sódio 0,1 mol/L (4 pastilhas em 100 mL de água destilada)


• 13 tubos de ensaio
• 13 rolhas para os tubos de ensaio
• 2 pipetas (ou seringas) de 10 mL
Procedimento
1. Numere os tubos de 1 a 13.
2. Ao tubo de número 7, adicione 5 mL de água destilada.
3. Ao tubo de número 1, adicione 5 mL de solução 0,1 mol/L de HCl.
4. Ao tubo de número 2, adicione 0,5 mL da solução do tubo 1 e 4,5 mL de água destilada.
5. Ao tubo de número 3, adicione 0,5 mL da solução do tubo 2 e 4,5 mL de água destilada.
DIVULGAÇÃO PNLD

6. Prepare os tubos 4, 5 e 6 a partir das soluções anteriores, conforme os procedimentos 4 e 5.


7. Ao tubo de número 13, adicione 5 mL de solução 0,1 mol/L de NaOH.
8. Ao tubo de número 12, adicione 0,5 mL da solução do tubo 13 e 4,5 mL de água destilada.
9. Ao tubo de número 11, adicione 0,5 mL da solução do tubo 12 e 4,5 mL de água destilada.
10. Prepare os tubos 8, 9 e 10 a partir das soluções anteriores, conforme os procedimentos 8 e 9.
11. Coloque os tubos, em ordem numérica crescente, em um suporte para tubos de ensaio, acrescente 5 gotas do extrato
de repolho-roxo, agite e tampe-os. Pronto, está completa sua escala de acidez. O número do tubo equivale ao pH e a
cor da solução informará o pH de outras soluções contendo repolho-roxo na mesma proporção.
Destino dos resíduos
1. Por se tratar de pequenas quantidades, as soluções preparadas podem ser misturadas com água e drenadas
pela pia.
2. O resíduo sólido deve ser descartado no lixo orgânico.
Parte C – Teste de materiais com extrato indicador
Materiais
• Tubos de ensaio (10 ou mais)
• Extrato indicador produzido na parte A
Hely Demutti

• Conta-gotas
• Materiais a serem testados, como: água de
torneira, solução aquosa de cloreto de sódio,
solução aquosa de açúcar, detergente líquido
incolor, sabão líquido incolor, limpa-alumínio
ou desengordurante, vinagre branco, solu-
ção diluída de limpa-forno, suco de diferen-
tes frutas (caju, limão, laranja, acerola, aba-
caxi etc.), solução de água de bateria diluída a
1/10 (1 mL de solução + 9 mL de água = 10
mL total), comprimido antiácido dissolvido em Diferentes indicadores são utilizados para medir a acidez de soluções
água, água sanitária, leite de magnésia e soda ou mesmo de águas de piscinas, rios etc.
limonada.

110
Procedimento 1

1. Desenhe em seu caderno um quadro, como o apresentado abaixo, contendo uma coluna para cada um dos materiais a
serem testados.
2
MATERIAL 1 2 3 4 ...

Cor inicial z z z z z
Cor final z z z z z 3

Semelhante ao tubo número z z z z z


4
2. Numere os tubos e adicione a cada um deles 5 mL de um dos materiais a serem testados, acrescente 5 mL de água e agite bem.
3. Observe e anote no seu quadro a cor inicial de cada solução.
4. Adicione 10 gotas do extrato de repolho-roxo e agite. Observe e anote a cor final de cada solução.
5. Compare as cores finais dos tubos com os tubos preparados pelo professor e numerados de 1 a 13. Se não for possível 5
preparar a escala descrita na parte B do procedimento, compare seus materiais com a imagem anterior.
Destino dos resíduos
6
1. Por se tratar de pequenas quantidades, as soluções preparadas podem ser misturadas com água e drenadas
pela pia.
Análise de dados
DIVULGAÇÃO PNLD

1. Classifique os materiais testados em dois grupos.


2. Qual dos dois grupos de substâncias você considera que tem propriedades ácidas e qual apresenta propriedades básicas?
3. Com base nos testes, identifique as propriedades dos ácidos e das bases em contato com indicadores.
4. Quais materiais são mais ácidos e quais são mais básicos? Justifique.
5. Qualquer material ácido ou alcalino é prejudicial à saúde?

A palavra ácido vem do latim, acidus, e significa “azedo” ou “picante”. Em geral, as soluções aquosas das
substâncias classificadas como ácidas apresentam as seguintes propriedades químicas: reagem com certos metais
(ferro, zinco etc.), liberando hidrogênio (H2); reagem com bicarbonatos e carbonatos, liberando gás carbônico (CO2);
neutralizam soluções básicas.
A palavra álcali tem origem árabe e significa “cinzas vegetais”. A partir do século XVI, essas substâncias passaram a
ser também denominadas bases, que é atualmente o nome mais difundido. As soluções aquosas de bases apresentam,
geralmente, sensação escorregadia ao tato (cuidado: essas substâncias são corrosivas) e neutralizam ácidos.
Qualitativamente, podemos fazer testes visuais que indicam se os materiais são ácidos ou básicos (alcalinos). A forma
mais simples é utilizar substâncias denominadas indicadores de ácido e base, como o extrato de repolho-roxo
ou indicadores comerciais produzidos por indústrias químicas. Além disso, os químicos contam com equipamentos
que fornecem resultados mais precisos.
Para isso, eles desenvolveram uma grandeza denominada pH, a ser estudada
adiante, fornecendo medidas em uma escala que varia de 0 a 14. De acordo
com essa escala, podemos saber se um material é ácido ou básico.
Materiais que apresentam pH abaixo de 7 são ácidos, a 25 °C, enquanto
Hely Demutti

materiais com valores de pH acima de 7 são básicos, conforme esquema ao lado.


As propriedades de acidez e as de alcalinidade são opostas, ou seja, quanto
maior a acidez, menor será a alcalinidade, e vice-versa. O esquema da próxima
página ilustra bem essa relação.
Os alquimistas foram os descobridores dos ácidos clorídrico, nítrico e Cada solução contendo diferente
sulfúrico, denominados ácidos minerais por se originar de sais de minerais. quantidade de ácido ou base apresentará
A grande reatividade desses ácidos fez deles importantes reagentes para os uma cor diferente quando acrescida de
alquimistas que, segundo relatos, já os utilizavam antes do século X. extrato de repolho-roxo.

111
Já na Idade Média, ao estudar os materiais, os alquimistas perceberam que
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

muitas substâncias e materiais podiam ser classificados quanto à alteração que Variação de acidez e basicidade
produziam na cor de certos extratos vegetais. Essa classificação deu origem de acordo com pH
a dois grupos. Um deles constitui os ácidos e o outro, as bases.
Das ideias do alquimista vitalista belga Johan Baptist van Helmont
[1580-1644] surgiu uma teoria ácido-base que classificava as substâncias
de acordo com esse critério. Ele acreditava que poderia unificar a Química
e a Fisiologia porque a fermentação de produtos da digestão de seres vivos Material ácido Material básico
segrega, ao fim, materiais ácidos ou básicos. Para ele, a relação entre os aumento aumento da
materiais orgânicos e inorgânicos poderia ser explicada pela teoria ácido- da acidez basicidade

base. Ainda segundo essa teoria, toda substância, independentemente de


0 7 14
sua origem, deveria conter um componente ácido ou básico. valores de pH
CAPÍTULO 3

O químico irlandês Robert Boyle [1627-1691] considerava um erro generalizar


que todas as substâncias poderiam ser explicadas pela teoria ácido-alcalino.
Segundo ele, o melhor método para identificar a acidez ou alcalinidade de Qualquer material contendo água líquida
substâncias era por meio de testes químicos bastante difundidos naquela época, apresenta um valor de pH. Quando esse valor
como o da efervescência, do gosto e da mudança de cor. Note que, atualmente, é igual a 7, diz-se que o material é neutro.
é impensável provar o gosto de uma substância ou material desconhecido.
Esses testes deveriam ser estudados em conjunto, e somente substâncias que apresentassem resposta positiva a
todos eles poderiam ser classificadas como ácidas ou alcalinas. O teste da mudança de cor já era bastante difundido,
mas Boyle está entre os primeiros a notar que todos os ácidos, e não apenas alguns, realizavam a mudança de cor
nas substâncias usadas como indicadores. Ele também foi um dos primeiros a perceber que os indicadores poderiam
DIVULGAÇÃO PNLD

ser usados ainda para testar a alcalinidade.

Variação de acidez e basicidade de acordo com pH


Antoine Lavoisier considerava que todos os ácidos eram formados pela combinação de oxigênio, sendo este o
responsável pela acidez. Para ele, todos os ácidos deveriam conter oxigênio. Historicamente, considera-se que elaborou
o primeiro conceito científico para ácidos e bases quando afirmou que “o oxigênio é princípio acidificante”. Anos
depois, Humphry Davy [1778-1829] demonstrou que vários ácidos não possuem oxigênio em suas estruturas.

amarelo de alizarina (10,1 – 12,0)

fenolftaleína (8,2 – 10,0)

azul de bromotimol (6,0 – 7,6)


Cores (aproximadas) de
púrpura de metila (4,8 – 5,4)
alguns indicadores ácido-
base em diferentes valores azul de bromofenol (3,0 – 4,6)
de pH.
azul de timol (1,2 – 2,8)

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 pH
14 13 12 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 pOH

Os alquimistas trabalhavam com


Hulton Archive/Getty Images

vários ácidos. Este é um detalhe do quadro


O Alquimista de David Teniers [1610-1690], que
retrata o ambiente de trabalho dos alquimistas.
Óleo sobre tela, 73 × 92 cm. Grohmann Museum,
Milwaukee, Wisconsin.

112
O extrato de beterraba ou de repolho-roxo que utilizamos no experimento
anterior é um indicador natural, como os usados pelos alquimistas. Você deve 1
ter notado como variava a coloração das diferentes soluções.
Os indicadores são substâncias orgânicas que possuem moléculas grandes
que se alteram em função da acidez do meio. Ao ter suas estruturas moleculares 2
alteradas, as substâncias passam a apresentar cores diferentes. Há diversas
substâncias que servem de indicadores, atuando em diferentes faixas de acidez.
Diversos frutos e flores possuem substâncias que são pigmentos sensíveis à

Fotos: Hely Demutti


variação da acidez do meio. Por isso, frutas maduras normalmente apresentam 3
cores diferentes de quando estão “verdes”.
Desde os tempos dos alquimistas, extratos de tornassol (uma espécie de
Reconhecemos que diferentes frutas estão
líquen) e repolho-roxo são usados na química como indicadores. Esse processo 4
maduras pela cor e pelo sabor que apresentam.
de extração de corantes naturais obteve tal desenvolvimento que se afirma A banana verde “trava” a língua devido à
terem sido eles os verdadeiros precursores da química dos corantes sintéticos. adstringência, característica de álcalis. A laranja
Veja, na figura da página anterior, a coloração de alguns indicadores usados verde é mais azeda, característica de ácidos. 5
em laboratórios.

pH: a escala de acidez


6
A acidez das soluções e materiais é determinada com
VALORES DE pH PARA SOLUÇÕES AQUOSAS
base na escala de pH. A escala de pH está relacionada à
concentração de íons hidrogênio (H+ ou H3O+) presentes Solução aquosa pH
na solução. Essa escala varia de 0 a 14, embora algumas Ácida <7
DIVULGAÇÃO PNLD

soluções possam apresentar valores fora dela. Neutra =7


Para uma solução aquosa, a 25 oC e 1 atm, o pH está
Básica >7
relacionado à acidez, como mostra a tabela ao lado.
Quanto mais ácida (menos básica) a solução, menor será o valor do pH. Quanto menos ácida (mais básica), maior
será o valor do pH. Para que você tenha uma boa ideia do que isso significa, saiba que a numeração dos tubos na
parte A, do experimento anterior, correspondia aos valores de pH.

Ácidos e suas aplicações


A presença dos ácidos é comum em nosso dia a dia. Eles são encontrados em frutas cítricas, produtos de limpeza,
entre outros. Além disso, estão presentes em diversos processos industriais.

Exemplos de aplicação de alguns ácidos comuns


Fotos: Hely Demutti

Ácido clorídrico (HCl) Ácido carbônico (H2CO3) Ácido fluorídrico (HF)


Comercializado como Presente nos Aplicado na gravação
ácido muriático, é refrigerantes de cristais e vidros.
utilizado para limpeza e nas águas
de pisos, formação de minerais
haletos orgânicos (CH3Cl) gaseificadas.
e limpeza de superfícies
metálicas antes do Ácido fosfórico (H3PO4)
processo de soldagem. Fabricação de fertilizantes, em
indústrias de vidro e de tinturaria,
Ácido nítrico (HNO3) na produção de refrigerantes à
base de cola. Ácido acético (CH3COOH)
Fabricação de explosivos (TNT,
pólvora negra e outros) e Utilizado como
fabricação de salitre (NaNO3 condimento culinário
e KNO3), utilizado como (vinagre, solução
fertilizante. aquosa 3% a 7%).

113
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

Exemplos de aplicação de algumas bases comuns


Fotos: Hely Demutti

Ácido sulfúrico (H2SO4) Hidróxido de amônio (NH4OH) Hidróxido


de alumínio
Produção de fertilizantes, Empregado na produção de [Al(OH)3]
soluções de baterias de fertilizantes, explosivos, em
produtos para remover crostas Utilizado
automóveis, em indústrias
de gorduras, em produtos como
de tintas e papéis e no
farmacêuticos e na revelação antiácido
refino de açúcar.
de filmes fotográficos. estomacal.

Hidróxido de cálcio [Ca(OH)2]

Formado pela dissolução de cal em água, é utili-


CAPÍTULO 3

zado na preparação de argamassa e caiação.

Hidróxido de sódio (NaOH) Hidróxido de magnésio [Mg(OH)2]


Utilizado na fabricação de sabão, em indústrias Usado em produtos farmacêuticos
de papel, celulose e corantes. (antiácido e laxante).

Os ácidos e álcalis também participam de diversos fenômenos naturais


Mikadun/Shutterstock

relacionados à atmosfera, aos ambientes aquáticos e ao solo. O metabolismo


DIVULGAÇÃO PNLD

de vários seres vivos depende do controle da acidez, a qual deve estar em


uma faixa ideal para cada sistema. Uma elevação ou abaixamento da acidez
no meio biótico pode levar à morte. Para isso, os seres vivos produzem um
meio tamponante que impede a variação brusca do pH, conforme veremos
no capítulo 5. Por esse motivo, nos aquários o pH deve ser rigorosamente
controlado para evitar a mortandade dos peixes.
Um exemplo de controle de acidez nos sistemas vivos está no nosso
sangue. Ao transportar o gás carbônico, o mesmo produz ácido carbônico
que abaixa a acidez do sangue. Um conjunto de substâncias presentes no
sangue impede a variação brusca do pH. Quando em determinadas situações
há um desequilíbrio, pode ocorrer um aumento da acidez produzindo a
acidose ou aumento da alcalinidade, produzindo a alcalose. Por exemplo,
quando uma pessoa tem determinadas doenças pulmonares, a respiração
A acidez do sangue deve ser controlada. Em
situações de desequilíbrio, pode ocorrer acidose pode ficar deficiente e, como resultado, a pessoa ter dificuldade de expirar
ou alcalose. Em altitudes muito elevadas o CO 2
, elevando sua concentração no sangue e diminuindo o pH sanguíneo.
pode acontecer alcalose com alpinistas. Nesses Nesse caso ocorre a acidose, cujos sintomas são falta de ar e desorientação,
lugares, a pressão atmosférica é menor e a baixa que pode levar ao coma.
pressão parcial do oxigênio aumenta a ventilação Em outros casos pode ocorrer a diminuição de CO2, aumentando o pH
pulmonar, levando à perda excessiva de CO2. do sangue e provocando a alcalose. Contribuem para isso, casos de histeria
e ansiedade, que podem ser provocados pelo uso de drogas, de exercícios
físicos excessivos. Como sintomas da alcalose têm-se respiração ofegante,
entorpecimento, rigidez muscular e convulsões.
Um bom exemplo de processo natural no solo, envolvendo a participação de ácidos, é a formação de cavernas.
No mundo, há diversas regiões ricas em cavernas. Somente no Brasil, existem cerca de 2 800 cavernas cadastradas
pela Sociedade Brasileira de Espeleologia, mas imagina-se que esse número possa ser bem maior. Algumas são pontos
turísticos e atraem multidões de curiosos.
As cavernas são sistemas complexos, formados por reações químicas produzidas, ao longo dos anos, pela ação das
águas em rochas submersas no solo. A maioria delas é formada a partir do calcário, mineral cujo principal constituinte
é o carbonato de cálcio (CaCO3). Além daquelas formadas por outros minerais, como arenito, mármore e granito.

114
As rochas carbonáticas originaram-se, há centenas de milhares de anos,

Rení de Sousa
do acúmulo de carbonato de cálcio em antigos mares. O rebaixamento do 1
fundo marinho e o soterramento ento deram origem a essas rochas em nosso
subsolo.
Está presente na atmosfera terrestre, entre outros gases, o gás carbônico 2
(CO2). Esse gás é parcialmente solubilizado pela água (H2O), produzindo o
ácido carbônico (H2CO3), conforme a equação:

CO2(g) + H2O(l) H2CO3(aq) 3

O contato entre o ácido carbônico, dissolvido em água, e as rochas


carbonatadas produz o bicarbonato de cálcio, Ca(HCO3)2, de acordo com a Vista do interior da Toca da Boa 4
equação a seguir: Vista, localizada em Campo Formoso (BA).
Considerada a maior caverna do hemisfério Sul,
H2CO3(aq) + CaCO3(s) → Ca2+(aq) + 2HCO3– (aq) a Toca já teve mais de 100 km visitados por
pesquisadores. Lá foram encontrados fósseis 5
Considerando as duas equações anteriores, podemos descrever o processo
da fauna extinta da região, além de terem sido
total pela equação: descobertas novas espécies de animais.
CaCO3(s) + CO2(g) + H2O(l) → Ca2+(aq) + 2HCO3– (aq) 6
Como o bicarbonato de cálcio é mais solúvel, permite a dissolução do

Jose Ayrton Labegalini


carbonato de cálcio, removido do solo. Essa remoção permite a formação de
condutos que evoluem, gerando galerias e amplos salões ao longo das cavernas.
DIVULGAÇÃO PNLD

Depois de abertos os espaços subterrâneos, outras reações químicas


acontecem a partir da água que se infiltra pelo teto e paredes das cavernas,
dando origem a uma variedade de fascinantes formas de precipitação,
denominadas espeleotemas, entre as quais estão as estalactites (formadas
no teto) e as estalagmites (formadas no chão).
Na indústria, os ácidos têm papel fundamental. Além de servirem de
matéria-prima, são importantíssimos em processos de manufatura. Ao se
tratar da utilização de ácidos pela indústria, o ácido sulfúrico tem destaque,
pois sua importância é tão grande que seu consumo pode ser utilizado como
termômetro para medir o desenvolvimento de uma nação.
No interior das cavernas ocorre a formação
Com aspecto líquido incolor e viscoso, o ácido sulfúrico (H2SO4) é um de estalagmites, no chão, e de estalactites,
forte oxidante e desidratante. Relativamente barato, é muito utilizado na no teto.
manufatura de couro, como fertilizantes e em uma enorme lista de processos
de diferentes ramos da indústria, como na produção de: corantes, inseticidas,
papel, medicamentos, tintas e explosivos, sendo largamente empregado nas
indústrias petroquímicas e metalúrgicas.
Ricardo Azoury/Pulsar Imagens

Também merecem destaque os ácidos clorídrico (HCl) e nítrico (HNO3).


O ácido clorídrico é muito utilizado pelas indústrias química, metalúrgica,
alimentícia e petroquímica. Esse ácido é comercializado na forma de solução
aquosa, em torno de 35%, já que nas CNTP é um gás (cloreto de hidrogênio).
O ácido nítrico, também gás em CNTP, é comercializado como solução
aquosa em torno de 53%. Esse ácido é muito empregado na purificação de
ouro e prata, na gravação em metais e na produção de adubos nitrogenados.
O ácido fosfórico (H3PO4) tem aplicação na remoção de ferrugens e
é amplamente usado na indústria para produção de vidro, na fabricação
de fosfatos e superfosfatos usados como fertilizantes, na tinturaria, nas O ácido sulfúrico é um dos produtos mais
indústrias farmacêuticas e alimentícias. O ácido fosfórico é encontrado em utilizados na indústria química, como nesta
indústria de papel.
refrigerante do tipo cola.

115
Os ácidos, em geral, são substâncias moleculares e, portanto, encontram-se no estado gasoso ou líquido, pois as
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

interações entre moléculas são mais fracas do que entre íons. Como muitos ácidos são constituídos por átomos de
hidrogênio ligados a átomos do grupo 16 ou 17, suas moléculas, portanto, são polares. Como consequência, os ácidos
são muito solúveis em água. Por isso, a maioria dos ácidos é normalmente utilizada na forma de solução aquosa.

Bases
Assim como os ácidos, os álcalis também têm larga aplicação em nossa sociedade moderna. Em nossa casa, por
exemplo, eles estão presentes em materiais como sabões, detergentes e outros produtos de limpeza. Na indústria,
têm papel fundamental a soda cáustica (hidróxido de sódio comercial), a potassa (hidróxido de potássio comercial)
e a amônia (em solução aquosa). Dessas três, merece destaque, graças à sua importância industrial, o hidróxido de
sódio, que é amplamente empregado, em especial na produção de papel, sabões, têxtil e petroquímica.
CAPÍTULO 3

ALGUMAS BASES UTILIZADAS EM NOSSO DIA A DIA E SUAS FUNÇÕES

Hidróxido de Aplicação

sódio [NaOH] Utilizado na fabricação de sabão, de papel, celulose e corantes.

Formado pela dissolução de cal em água, é utilizado na preparação de argamassa e


cálcio [Ca(OH)2]
caiação.
DIVULGAÇÃO PNLD

magnésio [Mg(OH)2] Usado em produtos farmacêuticos (antiácido e laxante).

Utilizado na produção de fertilizantes, explosivos, em produtos para remover crostas de


amônio [NH4OH]
gorduras, em produtos farmacêuticos e na revelação de filmes fotográficos.

alumínio [Al(OH)3] Utilizado como antiácido estomacal.

As bases são constituídas por íons, logo se apresentam no estado sólido e, em geral, são solúveis em água.
Dependendo do tamanho dos íons constituintes e de seu retículo cristalino, algumas dessas substâncias são pouco
solúveis em água.

Fotos: Hely Demutti

antiácido

cal magnésia líquida soda cáustica


concentrada polidor
antiácido
Os álcalis podem ser encontrados como reagentes de laboratório ou podem participar de materiais comuns de nosso cotidiano.

Nomenclatura de ácidos e bases


O nome de muitas substâncias foi atribuído, historicamente, por razões diversas e alguns tornaram-se tão comuns
que até hoje são usados mesmo no estudo da Química, como ácido fórmico, açúcar, amônia e outros. Os químicos, no
entanto, desenvolveram sistemas de nomenclaturas para as substâncias com regras, as quais são fundamentadas nas
estruturas dos constituintes. Vamos aprender agora as regras gerais dos sistemas usualmente adotados em Química.

116
A regra geral para nomear as substâncias inorgânicas tem como base os nomes dos cátions e dos ânions.
1
Em geral, os cátions são monoatômicos e seu nome é dado pelo próprio nome do elemento químico. Quando
átomos de um mesmo elemento químico podem formar mais de uma espécie de cátion, então indica-se após o nome
do elemento químico, a carga do cátion escrita em algarismo romano entre parênteses. Por exemplo, o nome dos
cátions Fe2+ e Fe3+ são, respectivamente, ferro (II) e ferro (III). Um sistema antigo, mais usual, é o de atribuir nomes 2
a esses cátions com os sufixos -oso e -ico para íons com cargas menores e maiores, respectivamente. No quadro a
seguir são apresentados nomes de alguns cátions.

3
SÍMBOLOS E NOMES DE ALGUNS CÁTIONS

NH+4 Amônio Ba2+ Bário Hg2+ Mercúrio II (mercúrico)


4
H+ Hidrogênio Zn2+ Zinco Au+ Ouro I (auroso)

Li+ Lítio Al3+ Alumínio Au3+ Ouro III (áurico)

Na+ Sódio Fe2+ Ferro II (terroso) Pb2+ Chumbo II (plumboso) 5

K+ Potássio Fe3+ Ferro III (férrico) Pb4+ Chumbo IV (plúmbico)

Ag+ Prata Co2+ Cobalto II (cobaltoso) Ni3+ Níquel 6

Be2+ Berílio Co3+ Cobalto III (cobáltico) Sn2+ Estanho II (estanhoso)

Mg2+ Magnésio Cu+ Cobre I (cuproso) Sn4+ Estanho IV (estânico)


DIVULGAÇÃO PNLD

Ca2+ Cálcio Cu2+ Cobre II (cúprico) Mn2+ Manganês II (manganoso)

Sr2+ Estrôncio Hg+ Mercúrio I (mercuroso) Mn4+ Manganês IV (mangânico)

Observe que o nome de cátions diferentes de um mesmo elemento tem, na sua frente, a indicação de carga em
algarismo romano.
Existem vários ânions que são poliatômicos, por isso, o nome dos ânions envolve mais regras do que o dos cátions.
Desse modo, para a nomenclatura dos ânions é recomendável a utilização de um quadro de nome dos ânions como
o apresentado abaixo.

SÍMBOLOS E NOMES DE ALGUNS ÂNIONS


Halogênios Manganês Nitrogênio

F– Fluoreto MnO–4 Permanganato NO–2 Nitrito

Br – Brometo Crômio NO–3 Nitrato

I– Iodeto CrO2–
4
Cromato Enxofre

Cl– Cloreto Cr2O2–


7
Dicromato S2– Sulfeto

ClO – Hipoclorito Carbono SO2–


3
Sulfito

ClO2– Clorito CN – Cianeto SO2–


4
Sulfato

ClO–3 Clorato H3CCOO – Acetato ou etanoato Oxigênio

ClO–4 Perclorato CO2–


3
Carbonato OH – Hidróxido
Carbonato de hidrogênio ou
Fósforo HCO–3 O2– Óxido
bicarbonato
PO3–
4
Fosfato HCOO – Formiato ou metanoato O2–
2
Peróxido

117
A maioria dos ânions poliatômicos tem átomos de oxigênio e, por isso, são
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

PARE E PENSE chamados oxiânions. Os oxiânions com menor número de oxigênio recebem
o sufixo -ito e os com maior número o sufixo -ato. Assim, os oxiânions NO2–
Observe o quadro a seguir e e NO3– são denominados, respectivamente, nitrito e nitrato. Há ânions com
identifique o que diferencia os ânions composição mais complexa, com regras mais elaboradas incluindo uso de
de um mesmo elemento químico que prefixos, para os quais é preferível fazer uso do quadro, como para os ânions
possuam como sufixo -eto dos ânions
permanganato (MnO4–), hipoclorito (ClO –) e peróxido (O22–). Nossa intenção,
com sufixo -ato ou -ito.
neste momento, é que você comece a se familiarizar com os nomes dos ânions:
para isso, habitue-se a consultar sempre o quadro de ânions.

Nome dos ácidos: ácido + nome do ânion sem sufixo + sufixo do ácido
CAPÍTULO 3

O quadro a seguir apresenta alguns exemplos.

Ânion Sufixo para o ânion Sufixo para o ácido Nome do ácido

cloreto (Cl–) eto ídrico ácido clorídrico


sulfato (SO2–
4
) ato ico ácido sulfúrico
nitrito (NO–2) ito oso ácido nitroso

Os sufixos dos nomes de ânions e ácidos estão relacionados à quantidade de oxigênio presente nos mesmos. Os
DIVULGAÇÃO PNLD

sufixos “eto” e “ídrico” relacionam às espécies que não possuem oxigênio. Os sufixos “ato” e “ico” são utilizados
para ânions que possuem maiores quantidades de oxigênio em sua composição, enquanto “ito” e “oso”, para ânions
que possuem menores quantidades de oxigênio.

Nome das bases: hidróxido de + nome do cátion

A nomenclatura das bases é mais fácil ainda: usa-se a expressão “hidróxido de” e o nome do cátion.
Para diferenciar cátions do mesmo elemento, mas com diferentes cargas, a nomenclatura oficial recomenda
informar entre parênteses a carga do cátion em algarismos romanos. O quadro a seguir apresenta símbolos e nomes
de alguns cátions mais comuns.
Para dar nome, então, a uma base, é necessário apenas saber o nome do cátion e precedê-lo da expressão
“hidróxido de”. Veja alguns exemplos.

Base formada pelo cátion Fórmula da base Nome da base

sódio (Na+) NaOH hidróxido de sódio


ferro (Fe2+) Fe(OH)2 hidróxido de ferro (II)
ferro (Fe3+) Fe(OH)3 hidróxido de ferro (III)
amônio (NH+4 ) NH4OH hidróxido de amônio

Observe que a carga dos cátions é informada entre parênteses e que


o índice que indica o número de hidroxilas (OH –) é o mesmo que indica a
Hely Demutti

quantidade de carga positiva do cátion, já que a hidroxila possui uma carga


negativa e a substância deve ter carga nula.
Embora não seja oficial, é comum também o uso de sufixos para diferenciar
O ácido muriático (nome comercial) é uma cátions de um mesmo elemento: “ico” e “oso”. Utiliza-se o sufixo “ico” para
solução aquosa de ácido clorídrico que contém
impurezas. No rótulo do vinagre está escrito
a menor carga, e “oso” para a maior. Assim, temos:
que um dos componentes é ácido acético, Fe(OH)2 : hidróxido de ferro (II) ou hidróxido férrico
substância cujo nome químico é ácido etanoico. Fe(OH)3 : hidróxido de ferro (III) ou hidróxido ferroso

118
4 Chuva ácida 1

Q uem nunca brincou na chuva? Dançou, pulou, pedalou, namorou ou,


simplesmente, molhou-se de propósito? Quantas recordações a chuva
nos traz? Algumas boas; outras, nem tanto...
PARE E PENSE 2

A chuva, segundo os meteorologistas, nada mais é do que um acúmulo O que é chuva ácida?
de água nas nuvens que cai na superfície terrestre em forma de gotas.
3
A atmosfera não contém somente nuvens. Ela é composta por uma mistura
de gases que contêm, principalmente, nitrogênio e oxigênio.
Outro gás comum na atmosfera é o dióxido de carbono (CO2), também
conhecido como gás carbônico. Esse gás, produzido por plantas, animais e 4
diversos fenômenos naturais, dissolve-se em água, formando o ácido carbônico.
O ácido carbônico, presente na água da chuva, forma íons hidrônio (H3O+),
tornando-a naturalmente ácida. Em condições normais, o gás carbônico 5
presente na atmosfera confere à chuva valores de pH entre 7,0 e 5,6. Porém,
a presença de outros gases pode tornar o pH menor que 5,6. Nesses casos,
dizemos que a chuva é ácida.
6
Delfim Martins/Pulsar Imagens

Nipik/Creative Commons
DIVULGAÇÃO PNLD

De quem é a culpa da devastação dessa


floresta, na República Tcheca? Talvez não
saibamos quem é o culpado, mas sabemos o
motivo: chuva ácida!
A chuva ácida é provocada pelos gases de indústrias; as usinas termoelétricas são
as que mais contribuem na formação de chuva ácida.

acidez alcalinidade

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 pH

chuva ácida mar


Nesta escala, você pode visualizar as faixas
rios
de pH de chuvas, rios e mares. Os peixes não
chuva
normal sobrevivem em valores de pH abaixo de 3 e não
se reproduzem, adequadamente, em águas com
pH abaixo de 5.

119
No nosso planeta, a chuva é fundamental para a vida. Entretanto, quando
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

PARE E PENSE apresenta valores de pH inferiores aos normais, a chuva pode prejudicar a fauna,
a flora e os diferentes ecossistemas. Diversos gases, em diferentes regiões,
A água é uma substância ácida ou gerados por indústrias, veículos e queimadas, têm tornado a chuva mais ácida
básica? que o normal. Essa acidez pode chegar a valores de pH próximos de 2.
Os principais gases que provocam a chuva ácida são o dióxido de carbono
(CO2), o dióxido de enxofre (SO2), o trióxido de enxofre (SO3) e o dióxido de
nitrogênio (NO2).
Vejamos algumas transformações que esses gases sofrem para produzir
ácidos na atmosfera.
I – SO2(g) + O2(g) → 2SO3(g) III – SO3(g) + H2O(l) → H2SO4(aq)
II – NO2(g) + H2O(l) → HNO3(aq) + HNO2(aq)
CAPÍTULO 3

Etapas da poluição da chuva ácida

AMj Studio
dióxido de enxofre

óxidos de nitrogênio

chuva ácida precipitação úmida


precipitação seca
DIVULGAÇÃO PNLD

atmosfera

óxidos de nitrogênio (NOx) → ácido nítrico (HNO3)


dióxido de enxofre (SO2) → ácido sulfúrico (H2SO4)

Os gases da chuva ácida ultrapassam fronteiras, causando efeitos nos poluição


chuva ácida
rios, solos e lagos de outras regiões que não são as geradoras dos gases (automóveis, indústrias etc.)
poluentes. São responsáveis pela destruição de grandes áreas de florestas e
a fi a e a g a
extinção de vidas em muitos rios e lagos.

Os gases que provocam a chuva ácida podem ser transportados pelas


Hely Demutti

correntes de ar para locais distantes de onde foram produzidos. Assim, regiões


que não produzem esses gases também podem sofrer seus efeitos.
A chuva ácida é responsável por diversos problemas ambientais. Com a
acidez elevada, a fotossíntese torna-se mais lenta, podendo causar a morte
de plantas.
Os peixes também são muito afetados, já que o pH normal para a vida
aquática está entre 6,5 e 9,5. Várias espécies de peixes morrem quando a
água apresenta valores de pH inferiores a 6,0. A maior parte da vida aquática
desaparece quando o pH fica abaixo de 5,0. Lagos com valores de pH menores
que 4,0 tornam-se praticamente mortos.
As consequências danosas desses gases não são percebidas somente na
natureza. Na cidade, seus efeitos podem ser percebidos pela deterioração
A criação de peixes em aquários pequenos de monumentos históricos feitos de mármore ou pedra-sabão, corrosão de
ou grandes exige muito cuidado, como o estruturas metálicas, aparecimento de trincas na superfície dos prédios, quebra
controle do pH. de artefatos de náilon, entre outros.

120
Chutima Chaochaiya/Shutterstock
5 Teorias de ácidos e bases 1

Uma grande variedade de produtos de 3


limpeza tem em sua composição algum
ácido. Do ponto de vista químico, o
conceito de ácido é relacional: depende
do reagente com que ele reage e da teoria 4
química que se adota para defini-lo.

C omo você pode saber se uma substância é ácida ou básica? Inicialmente, um critério utilizado para classificar
substâncias em ácidas ou básicas era o sabor: ácidos são azedos e bases são adstringentes (“travam” a língua,
como uma banana verde).
5

Você há de concordar que a comunidade de químicos seria bem menor se esse ainda fosse o critério utilizado,
pois muitos deles não sobreviveriam após provar tantos ácidos e bases. Esse não é um critério científico porque põe 6
em risco à saúde das pessoas e é muito subjetivo (depende da percepção de cada indivíduo).
Como ciência, a Química sempre buscou teorias e modelos que explicassem o comportamento das substâncias,
entre as quais o de ácidos e bases. Veja algumas dessas teorias que foram mais difundidas, entre diversas outras.
DIVULGAÇÃO PNLD

A teoria ácido-base de Arrhenius


Svante August Arrhenius [1859-1927], químico, físico e matemático sueco, desenvolveu, entre 1880 e 1890, a
teoria da dissociação iônica. Segundo essa teoria, o íon de hidrogênio H+, que, na presença de água forma o cátion
hidrônio (H3O+), é responsável pelas propriedades ácidas; enquanto o ânion hidroxila (OH –) é responsável pelas
propriedades básicas.
Para Arrhenius:

Ácido é toda substância que, em água, libera íons

SPL DC/Latinstock
hidrogênio (H+).

Base é toda substância que, em água, libera íons


hidroxila (OH –).

Dessa forma, temos como exemplo as substâncias representadas pelas


equações:
HCl(aq) → H+(aq) + Cl– (aq)
NaOH(aq) → Na+(aq) + OH – (aq)
Os ácidos são substâncias moleculares, sendo assim, o processo da
liberação de íons H+ ocorre por ionização. Ou seja, há rompimento de
ligações covalentes com formação de íons. Isso ocorre devido à diferença de
eletronegatividade entre o hidrogênio e o átomo que ele se liga.
As bases são, geralmente, substâncias iônicas; portanto, o processo de
liberação de íons OH – ocorre por dissociação iônica. Ou seja, ao contato
com a água, os íons separam-se devido à solvatação. As bases moleculares
ionizam-se por processo semelhante ao que ocorre com os ácidos, no qual O conceito mais usual para ácido e base
há quebra de ligação covalente e formação de íons. foi estabelecido pelo químico Arrhenius.

121
O processo de ionização dos ácidos e de algumas bases ocorre devido à diferença de eletronegatividade entre
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

o hidrogênio ionizável e o outro átomo ligante, ou entre o oxigênio da hidroxila e o outro átomo ligante. Há outras
substâncias formadas por ligação covalente com hidrogênio que não sofrem ionização, como acontece, por exemplo,
com o açúcar.
Dissociação iônica do cloreto de sódio

MASPI
Molécula de açúcar

Cristal Na+
Na+
de sal Cl–

Cl–
CAPÍTULO 3

Cristal de açúcar

Representação microscópica da Ionização do ácido clorídrico

MASPI
dissociação iônica (separação de íons) do
cloreto de sódio e da dissolução e ionização Molécula
Molécula
do ácido clorídrico em água. Observe que de HCl
de HCl sendo
na ionização há quebra de ligação entre o quebrada sob
Cátion H+ ação da água
hidrogênio e o cloro do HCl.
(hidratado)
DIVULGAÇÃO PNLD

HCl gasoso
(substância
molecular)
Ânion Cl–
(hidratado)

Vejamos alguns exemplos:


Ionização de ácidos: HNO3(aq) → H+(aq) + NO3– (aq)
H2SO4(aq) → 2H+(aq) + SO42– (aq)
Dissociação de bases: KOH(aq) → K+(aq) + OH – (aq)
Mg(OH)2(aq) → Mg2+(aq) + 2OH – (aq)
Observe que em ambos os casos, ionização de ácidos e dissociação de bases, há formação de soluções eletrolíticas,
as quais conduzem eletricidade. As substâncias moleculares não ionizáveis, quando dissolvidas em água, formam
soluções não eletrolíticas. No caso há apenas dissolução das moléculas, como mostra a ilustração a seguir.
MASPI

As moléculas de sacarose são


dissolvidas em água por moléculas de água
que separam as moléculas de sacarose
uma das outras, sem provocar, todavia,
ionização.

122
Como é comum nas ciências, a explicação de Arrhenius para o 1
comportamento de ácidos e bases foi criticada. A primeira crítica foi sobre a
natureza do próton em solução aquosa: não é correto imaginar dissociação
de ácidos produzindo prótons livres. Então, propôs-se que esses prótons se O
ligariam a moléculas de água, por meio de ligação coordenada, formando o 2
cátion hidrônio (H3O+). Veja a estrutura ao lado.
O próton hidratado (H3O+), chamado de hidrônio, é estável em solução
aquosa. Outras teorias afirmam que também os íons hidrônios não têm 3
Fórmula eletrônica de Lewis do íon hidrônio.
existência isolada e propõem modelos contendo maiores números de moléculas
de água ligadas ao próton. No entanto, para nós, o importante é saber que
na solução aquosa existe, de alguma forma, o próton H+.
4
Uma segunda crítica à teoria de Arrhenius está relacionada às substâncias
que não contêm hidroxila e são bases. Um exemplo é a substância amônia,
que age como base de Arrhenius, mas suas moléculas não possuem hidroxila.
Nesse caso, é possível entender a razão se imaginarmos que a reação ocorra 5
em etapas da seguinte forma:
NH3(aq) + H2O(l) → NH4OH(aq)
6
O hidróxido de amônio (NH4OH), por sua vez, irá se ionizar segundo a
equação:
NH4OH(aq) → NH4+(aq) + OH – (aq) Pelo menos três moléculas de água
interagem com o íon hidrônio, ajudando a
DIVULGAÇÃO PNLD

Assim, podemos representar a reação pela seguinte equação geral:


distribuir a carga do íon.
NH3(aq) + H2O(l) → NH4+(aq) + OH – (aq)

A teoria de Brönsted-Lowry
A teoria de Arrhenius, embora muito útil, era limitada, a soluções aquosas. Para melhor explicar os ácidos e as
bases, em 1923, o dinamarquês Johannes Nicolaus Brönsted [1879-1947] e o neozelandês Thomas Martin Lowry [1874-
1936] propuseram, de forma independente, uma nova teoria que ficou conhecida como teoria de Brönsted-Lowry.
De acordo com essa teoria, ácidos são espécies que tendem a perder prótons e bases são espécies que tendem
a recebê-los. Como exemplos, vamos analisar o caso do ácido clorídrico.
Nessa reação, o átomo de hidrogênio do HCl é transferido para a molécula de água, formando o íon hidrônio.
Daí, podemos dizer que o HCl doou um próton, o íon H+, para a água. Então, segundo Brönsted-Lowry, o HCl é um
ácido e a água é uma base.
HCl(aq) + H2O(aq) → H3O+(aq) + Cl– (aq)
ácido base
J. Yuji

Segundo a teoria de Brönsted-Lowry, o ácido clorídrico é


Cl ácido porque suas moléculas doam prótons para as moléculas
de água. Nesse caso, a água é uma base. A representação de
Lewis ajuda a compreender a reação.

Essa é uma reação reversível, na qual os íons H3O+ e Cl– podem reagir, regenerando os reagentes.

H3O+(aq) + Cl– (aq) → HCl(aq) + H2O(aq)


ácido base

Nessa reação, podemos observar que o íon hidrônio doou um próton, o íon H+, para o ânion Cl–. Portanto, segundo
Brönsted-Lowry, o íon hidrônio é um ácido e o ânion Cl– é uma base.
HCl e Cl–, portanto, formam um par ácido-base conjugado. Ou seja, a espécie HCl é um ácido porque doa um
próton e transforma-se no Cl–.

123
O Cl–, por sua vez, é uma base que pode receber um próton transformando-
Classes de substâncias: funções orgânicas, ácidos, bases e sais

Elfelt/Royal Danish Embassy, Copenhagen

Edgar Fahs Smith Collection


se na espécie HCl. Na reação apresentada, o outro par ácido-base conjugado
é formado pelas espécies H2O e H3O+; sendo a primeira a base, pode receber
próton, e a segunda, o ácido, pode doar próton.
Para diferenciar esse par do outro, eles são designados par conjugado 1
e par conjugado 2.
Veja outro exemplo:
NH3(aq) + H2O(aq) F NH4+(aq) + OH – (aq)
Os químicos Brönsted e Lowry, base 1 ácido 2 ácido 1 base 2

trabalhando em diferentes países, propuseram Para essa reação, as espécies NH3 e NH formam um par ácido-base (1) e
+
4
teorias semelhantes para explicar o as H2O e OH – formam o outro par ácido-base (2).
comportamento dos ácidos e das bases.
Então, de acordo com a teoria de Brönsted-Lowry:
CAPÍTULO 3

Ácido é toda substância que pode doar prótons. Base é toda substância que pode receber prótons.

Observe que, de acordo com Brönsted-Lowry, os conceitos de ácido e base são relativos: dependem da espécie
química com a qual a substância está reagindo para saber se ela é ácida ou básica. Nesse sentido, muitas substâncias
podem ser classificadas como ácidas ou básicas, dependendo da reação na qual estiverem participando. A água, por
exemplo, na reação com ácido clorídrico (HCl), foi classificada como base, mas, na reação com a amônia (NH3), foi
classificada como ácido.
Na primeira reação, as moléculas agem como base e na segunda agem como ácido. Isso pode acontecer com
diversas substâncias. As substâncias que agem dessa forma são denominadas anfóteras.
DIVULGAÇÃO PNLD

No caso da água, podemos escrever a equação química:


H2O(l) + H2O(l) F H3O+(aq) + OH – (aq)
ácido 1 base 2 ácido 2 base 1

Para que uma substância anfótera possa se comportar como ácido, ela deverá estar em
J. Yuji

contato com uma base mais forte que sua base. Para que possa agir como base, deverá
ser colocada em contato com um ácido mais forte que seu ácido.

A teoria de Lewis
A teoria de ácido-base de
Lewis é mais abrangente que a No mesmo ano em que Brönsted e Lowry apresentaram suas teorias sobre ácidos e
teoria de Brönsted-Lowry, que, bases, o químico estadunidense Gilbert Newton Lewis [1875-1946] propôs uma teoria
por sua vez, é mais abrangente sobre ligações químicas que também apresenta definições para ácidos e bases.
que a de Arrhenius. De acordo com Lewis:
Ácidos são espécies capazes de receber pares Bases são espécies capazes de doar
de elétrons. pares de elétrons.
A proposta de Lewis é mais abrangente que as de Brönsted e Lowry, mas não as invalida. Segundo Lewis, uma
reação ácido-base consiste na formação de uma ligação covalente coordenada mais estável. A proposta de Lewis
explica também as reações ácido-base em outros solventes como etanol.
Posteriormente, outras teorias foram apresentadas para explicar o comportamento de ácidos e bases em soluções
aquosas ou não aquosas. Entretanto, para nossos estudos, como veremos logo adiante, as teorias de Arrhenius e
Brönsted-Lowry são suficientes para explicar os processos químicos de ácido-base, tanto do ponto de vista qualitativo
como quantitativo.
O estudo das teorias ácido-base é um bom exemplo de como, na Ciência, convivem diferentes teorias e modelos.
Muitas vezes, teorias menos complexas ou mais restritas são suficientes para explicar sistemas mais simples. Em outros
casos, precisamos de teorias mais elaboradas.
Deve-se destacar que segundo as teorias mais abrangentes apresentadas para ácido e base, a definição de ácido
depende com qual substância se vai reagir. Como vimos, dependendo da reação, a substância poderá ser ácida ou
básica. Por isso, diz-se que o conceito de ácido e base é um conceito relacional.

124
Exercícios FAÇA NO CADERNO. NÃO ESCREVA EM SEU LIVRO.
1

1. Explique por que a Química Orgânica estuda algumas b) Toda espécie que contém o grupo OH – é base de
substâncias que não estão presentes em alguns seres vivos, Arrhenius. 2
enquanto outras, que estão presentes, não são estudadas.
c) Os sais em água liberam o íon Na . +

2. (UFSC) Assinale, abaixo, a(s) subtância(s) tipicamente


orgânica(s). d) Base de Arrhenius é qualquer espécie molecular que,
em solução aquosa, libera H+. 3
e) Ácido de Arrhenius é qualquer espécie molecular
1) 4) hidrogenada que, em água, ioniza, liberando H+.
9. Em um circuito elétrico esquematizado aba