FRENTE FÍSICO-QUÍMICA 1 (LIVRO-1

)



ALUNO(A):______________________________________________________________________



Professor:
ALEX
1
Módulo-1: (SOLUÇÕES)-Aspectos Qualitativos

INTRODUÇÃO

Por mais perfeita que a natureza seja, quase nunca
encontramos nela substâncias puras. Para obtê-las geralmente
aplicamos métodos de fracionamento. Podemos então concluir
que a Natureza seja formada por misturas, que tecnicamente
iremos denominar dispersões.
As dispersões serão classificadas de acordo com o tamanho de
partícula da fase dispersa nesta mistura.
(*nm=10
-9
m)

No entanto, esta forma de classificar é um tanto técnica e
muito pouco funcional. Iremos portanto empregar uma
classificação generalizada e mais comportamental.

Suspensões: Misturas heterogêneas, cujas fases são
percebidas a olho nu, decantam naturalmente e pode
ser filtrada com o uso de filtros comuns. (ex:
água+óleo; água+ areia)



Dispersões Coloidais ou Colóides: Mistura que a
olho nu parece homogênea e que na verdade tratá-se
de uma mistura heterogênea. De forma geral, para
decantar são usadas ultra-centrífugas, para filtração
ultra-filtros e para visualização microscópios
eletrônicos. (ex: leite, sangue, maionese, tintas)












Soluções: Mistura efetivamente homogênea. São
misturas que não podem ser fracionadas por
centrifugação ou filtração. O tamanho de partícula
não permite visualização por microscopia. (exceto o
microscópio de tunelamento-STM)



COMPOSIÇÃO DAS SOLUÇÕES

Nas soluções a fase dispersa (disperso) será tratada como
soluto e a fase dispersadora (dispersante) será o solvente.

Soluto: Parte da solução que se encontra dissolvida.
Em caso de soluções que envolvem o mesmo estado
de agregação para as espécies, considera-se soluto a
espécie em menor fração molar.

Ex: ouro 18 quilates→ 75% em ouro e 25% cobre
e/ou prata, temos portanto o ouro como solvente e os
outros como soluto.

Solvente: Parte da solução que promove a dissolução
da outra espécie.

CLASSIFICAÇÃO DAS SOLUÇÕES

1) Quanto ao estado de agregação:
A solução será classificada pela fase que prevalece.

Soluções Sólidas→ ex: bronze, amálgama de zinco,
ouro 18 quilates e muitas outras ligas.

Soluções Líquidas→ ex: água potável, vinagre,
perfumes, soro fisiológico, cândida.


Classificação
Tamanho das partículas
dispersas
verdadeira
coloidal
grosseira
Até 1 nm (nanômetro)
*

de 1 nm a 1000 nm
maior que 1000 nm
A olho nu o leite é um material homogêneo,
mas nele existem diversas partículas que podem
ser observadas com instrumentos ópticos de
alta precisão. Por exemplo: cristais de lactose,
são visualizados através de microscópio de luz
polarizada.


2
Soluções Gasosas→ ex: ar , nitrox
*
(N
2
+O
2
), heliox
*

(He+O
2
).



*misturas usadas em mergulho profissional.

2) Quanto à natureza do soluto:
A solução será classificada segundo a capacidade do
soluto em tornar o meio condutor de eletricidade ou
não.

Solução Iônica ou eletrolítica
Solução que apresenta íons “livres” oriundos do
fenômeno da dissociação ou ionização.

Ex: NaCl
(s)
→Na
+
(aq)
+ Cl
-
(aq)
(Dissociação iônica)




A figura mostra que a dissociação é acompanhada pelo
fenômeno da solvatação. Nem toda solvatação promove
dissociação. A dissociação é uma características de
substâncias iônicas.



Ex: HCl + H
2
O → H
3
O
+
+ Cl
-
(Ionização)

A ionização é uma característica de algumas substâncias
moleculares, como ácidos e amônia (NH
3
). Apesar de
substâncias moleculares, em meio aquoso serão tratatas
como soluções iônicas.

Solução molecular ou não eletrolítica
Solução isenta de íons “livres”. Esta solução não
condutora de eletricidade e é compostas por substâncias
moleculares que não sofrem ionização.

Ex: glicose (C
6
H
12
O
6
) em solução aquosa.






3) Quanto à solubilidade:

Devido aos diversos parâmetros envolvidos na
solubilidade de uma substância, é importante criar
mecanismos para quantificar esta solubilidade,
padronizando esta medida experimental segundo alguns
critérios, tais como quantidade de solvente, temperatura,
pressão e outros.

COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE
Quantidade máxima de soluto que satura uma quantidade
padrão de solvente, numa dada temperatura.

Substância
Coeficiente de solubilidade
(g por 100g de água a 20º C)
NaCl
NaBr
KNO3
CaSO4
AgCl
36
73
31,6
0,2
0,0014

Segundo a quantidade de soluto dissolvido numa solução,
classifica-se a solução em:

Insaturada: a quantidade de soluto dissolvida é
inferior ao coeficiente de solubilidade na dada
temperatura.

Saturada: a solução está em equilíbrio com
exatamente a quantidade de soluto máxima expressa
pelo coeficiente de solubilidade na dada temperatura.

Saturada com corpo de fundo: a solução está em
equilíbrio com exatamente a quantidade de soluto
máxima expressa pelo coeficiente de solubilidade na
dada temperatura e ainda apresenta a fase corpo de
chão. O sistema é composto por uma quantidade de
soluto superior ao coeficiente de solubilidade e
portanto deve ser classificado como heterogêneo.

Vale à pena destacar que a condutividade de uma
solução estará vinculada a concentração e a
força dos eletrólitos que formam o sistema.


3



Supersaturada: Através de modificação na
temperatura durante a preparação, dissolve-se uma
quantidade de soluto superior ao coeficiente de
solubilidade. Este sistema é extremamente instável e
é considerado eminência de precipitação.





As figuras mostram uma solução supersaturada de acetato de
sódio sendo preparada e colocada em cima de um cristal do
sal. O acetato de sódio é uma substância solúvel em água, mas
a sua solubilidade não é infinita. Uma vez que a dissolução é
endotérmica, quando a solução é aquecida a solubilidade
aumenta, obtendo assim a solução a supersaturada Após a
solução esfriar, o valor da solubilidade volta a ser menor, mas
a solução não cristaliza a menos que ela sofra uma perturbação
externa que abale o estado da solução.
Assim quando a solução entre em contato com o grão de
acetato o meio sofre uma perturbação e a solução cristaliza.




CURVAS DE SOLUBILIDADE
Gráficos que apresentam a variação da solubilidade de uma
substância em função da temperatura.

Existem substâncias que aumentam a solubilidade com o
aumento da temperatura. Como exemplos têm as substâncias
B e C mostradas no gráfico. A solubilização neste caso é
crescente com a temperatura e é classificada como
endotérmica. Já as substâncias que possuem curva de
solubilidade decrescente, como a substância A mostrada no
gráfico, têm solubilização exotérmica.
As espécies hidratadas irão apresentar em suas curvas de
solubilidade os pontos de inflexão que representam perda de
água em função do aquecimento. Observe a curva de
solubilidade do sulfato de sódio decaidratado. O ponto de
inflexão neste caso expressa a perda de todas as moléculas de
hidratação.




A curva de solubilidade expressa às regiões de leitura que irão
corresponder a uma solução supersaturada e insaturada. A
linha que compõe a curva expressa a saturação em cada
temperatura. Regiões acima da curva expressam
supersaturação e abaixo insaturação. Observe a figura que
mostra a curva de solubilidade do nitrato de potássio (KNO
3
).



4


A SOLUBILIZAÇÃO DE GASES EM LÍQUIDOS

A solubilidade de gases em líquidos, é em geral, muito baixa e
dependerá de condições de solubilização; tais como
temperatura, pressão, reatividade e outras.

Temperatura do líquido: A temperatura tem a ver com o
grau de agitação molecular e quanto mais agitadas, mais
velozes são as moléculas. Quanto mais velozes mais fácil de
romper as "barreiras" que encontram pelo caminho. Quando o
líquido está quente, todas suas moléculas, inclusive as dos
gases dissolvidos, estão mais agitadas, assim fica mais fácil
elas escaparem do líquido e, conseqüentemente, mais difícil
dissolver um gás dentro dele. Por exemplo, no refrigerante um
refrigerante gelado tem mais gás dissolvido que o quente?
Repare pelo número de borbulhas que eles apresentam ou
mesmo pela espuma que produzem quando o colocamos em
um copo. Não confunda uma coisa: borbulhas são constituídas
por gás não dissolvido, ele está na forma gasosa.







Agitação da superfície do líquido: quanto mais agitada
estiver a superfície do líquido, mais fácil para as moléculas do
gás entrarem ou saírem dele (troca gasosa), pois mais fácil
será romper a tensão superficial. É o que acontece quando
abrimos uma garrafa de refrigerante após agitá-la.
Este efeito é utilizado e mal compreendido em aquários.
Quando colocamos uma pedra porosa ligada a uma pequena
bomba de ar no fundo do aquário, muitos pensam que as
bolhas que saem da pedra é que são responsáveis pela
introdução de gás na água. Na verdade essas bolhas servem
para agitar a superfície da água e facilitar a troca gasosa com a
atmosfera.


Pressão do gás: Quanto maior a pressão que um gás exerce,
maior o número e a força das colisões de suas moléculas com
os obstáculos. Se as colisões tornam-se mais fortes e
freqüentes, mais moléculas conseguirão penetrar no líquido.
Lembre-se do que acontece quando você abre uma garrafa de
refrigerante. Ao aliviar a pressão do gás pela abertura da
tampa, menos gás conseguirá ficar dissolvido, daí o
aparecimento imediato das borbulhas no refrigerante.

LEI DE HENRY




















A dissolução de gases é sempre exotérmica.
“A concentração de gás dissolvido em
um líquido é diretamente proporcional
a pressão parcial exercida por este
gás.”
S=k.P

*Sendo k uma constante de proporcionalidade
MAL DO MERGULHADOR
A doença de descompressão (também " mal dos
mergulhadores" mal de descompressão, doença dos
mergulhadores, doença do caixão) é o nome dado à
variedade de sintomas experimentados por uma pessoa
exposta a uma redução da pressão do ar que rodeia o
seu corpo. É um tipo de disbarismo. Os gases
dissolvidos no sangue formam bolhas que obstruem as
vias sangüíneas causando dor e outros sintomas.
Bolhas de ar podem formar-se quando uma pessoa
passa de um ambiente de alta pressão para um de
baixa, o que ocorre durante a emersão em um
mergulho.


5

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

01 - (UFV MG)
A solubilidade do nitrato de potássio (KNO
3
), em função
da temperatura, é representada no gráfico abaixo:



De acordo com o gráfico, assinale a alternativa que indica
CORRETAMENTE a massa de KNO
3
, em gramas,
presente em 750 g de solução, na temperatura de 30 °C:
a) 250
b) 375
c) 150
d) 100
e) 500

02 - (UFRN)
O cloreto de sódio (NaCl), em solução aquosa, tem
múltiplas aplicações, como, por exemplo, o soro
fisiológico, que consiste em uma solução aquosa de
cloreto de sódio (NaCl) a 0,092% (m/v) .

Os pontos (1), (2) e (3) do gráfico ao lado representam,
respectivamente, soluções



a) saturada, não-saturada e supersaturada.
b) saturada, supersaturada e não-saturada.
c) não-saturada, supersaturada e saturada.
d) não-saturada, saturada e supersaturada.

03 - (UFMS)
Preparou-se uma solução saturada de nitrato de potássio
(KNO
3
), adicionando-se o sal a 50 g de água, à
temperatura de 80°C. A seguir, a solução foi resfriada a
40°C. Qual a massa, em gramas, do precipitado formado?
Dados:
O H de /100g KNO de g 60 S C 40 T
O H de /100g KNO de g 180 S C 80 T
2 3
2 3
= ° =
= ° =


04 - (UFPE)
Uma solução composta por duas colheres de sopa de
açúcar (34,2 g) e uma colher de sopa de água (18,0 g) foi
preparada.
Sabendo que:
MMsacarose = 342,0 g mol
− −− −1
,
MMágua = 18,0 g mol
− −− −1
,
Pfsacarose = 184 °C e Pfágua = 0 °C,
podemos dizer que:
1) A água é o solvente, e o açúcar o soluto.
2) O açúcar é o solvente, uma vez que sua massa é
maior que a da água.
3) À temperatura ambiente o açúcar não pode ser
considerado solvente por ser um composto sólido.
Está(ão) correta(s):
a) 1 apenas
b) 2 apenas
c) 3 apenas
d) 1 e 3 apenas
e) 1, 2 e 3

05 - (ITA SP)
Quando submersos em “águas profundas”, os
mergulhadores necessitam voltar lentamente à superfície
para evitar a formação de bolhas de gás no sangue.
i) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de
gás no sangue quando o mergulhador desloca-se de
regiões próximas à superfície para as regiões de
“águas profundas”.
ii) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de
gás no sangue quando o mergulhador desloca-se
muito lentamente de regiões de “águas profundas”
para as regiões próximas da superfície.
iii) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás
no sangue quando o mergulhador desloca-se muito
rapidamente de regiões de “águas profundas” para as
regiões próximas da superfície.

GABARITO:
1) Gab: A
2) Gab: A
3) Gab: 060
4) Gab: D
5) Resolução
I. não há formação de bolhas devido ao aumento da pressão
sobre o mergulhador, aumentando a dissolução de N
2
no
sangue.
II. como o mergulhador volta lentamente, não haverá
formação de bolhas, uma vez que o N
2
dissolvido vai
lentamente sendo lentamente sendo liberado através das trocas
gasosas até atingir o grau de saturação inicial.
III. Isso ocorre devido a um decréscimo muito rápido da
pressão sobre o mergulhador, o que favorece a saída do N
2

dissolvido no sangue (volta ao grau inicial de forma muito
rápido) atingindo a saturação e formando bolhas.











6
Módulo-2: (SOLUÇÕES)-Concentrações Físicas

INTRODUÇÃO
Existem diversas maneiras de expressar a concentração de
uma solução. Quase sempre será mostrada a “quantidade” de
soluto em função da “quantidade” da solução. O fato é temos
diversas maneiras de expressar quantidade, e neste módulo
você irá conhecer as principais. As concentrações serão
divididas em físicas e químicas. Entende-se como
concentração física aquela que independe da massa molar do
soluto.

CONCENTRAÇÃO COMUM (C)
É o quociente entre a massa do soluto e o volume da solução.

C =
V solução da volume
soluto do massa
1
m
=


Ex. A concentração no rótulo abaixo expressa que tem 50g de
NiSO
4
em 1 L de solução.



DENSIDADE (d)
É o quociente entre a massa da solução e o volume da solução.

d =
V solução da volume
solução da massa m
=

Obs.: A densidade geralmente é expressa em gramas por
centímetro cúbico.

Ex. Uma solução de densidade 1,20 g/ cm
3
expressa que
possui 1,20 g de solução por cm
3
de solução.








Leitura: O MAR MORTO
O Mar Morto, também conhecido como lago Asfaltite, situa-se
no Oriente Médio, na região interior da Palestina, banhando
a Jordânia, Israel e Cisjordânia. É alimentado pelo rio
Jordão. Do ponto de vista climático e geográfico, está região
apresenta clima subtropical e semi-árido, com verões de altas
temperaturas e muito seco. A região é praticamente desértica.
Na verdade, o Mar Morto é um lago de formato estreito e
alongado, possuindo 82 quilômetros de comprimento e 18
quilômetros de largura. Ele está a 392 metros abaixo do nível
do Mar Mediterrâneo e 417 metros sob o nível do mar (é o
ponto mais baixo do planeta Terra).
A característica marcante deste lago é a alta concentração de
sal em suas águas (cerca de 300 gramas de sais para cada
litro de água). A quantidade considerada normal para os
oceanos é de 30 gramas para cada litro de água.
Esta característica impossibilita o desenvolvimento de peixes
ou qualquer outra forma de vida. Os peixes, que chegam pelo
rio Jordão, morrem instantaneamente ao entrarem no lago.
Por isso, ele é chamado de Mar Morto.



TÍTULO (τ ττ τ)
O titulo pode ser fração em massa ou fração volumétrica


o FRAÇÃO EM MASSA
É o quociente entre a massa do soluto e a massa da
solução.

τ=
m solução da massa
soluto do massa
1
m
=

A fração em massa é um número adimensional e está
entre zero e um. No geral é expresso em percentual
mássico.

Percentagem em peso (m/m) = % 100
solução peso
soluto peso
x

Ex. O HCl comercial está rotulado 37,0 %, o que implica
percentagem em peso. Sua densidade, também chamada
de gravidade específica, é 1,18 g mL
-1
. Uma solução a 37
% contém 37,0 g de HCl em 100 g de solução. A massa
de 1 L de solução é
(1 000 mL)
| || |
¹ ¹¹ ¹
| || |

\ \\ \
| || |
mL
g
x 1,18
= 1 180 g
A massa de HCl em 1180 g de solução é:


solução g
HCl g
0,370
| || |
| || |
¹ ¹¹ ¹
| || |


\ \\ \
| || |
(1180 g solução) = 437 g HCl



A densidade é uma propriedade específica da
matéria que pode expressar também concentração.
Quanto maior a quantidadede soluto na solução,
maior a densidade da mesma.


7
o FRAÇÃO EM VOLUME
É o quociente entre o volume do soluto e o volume
da solução.

τ=
V solução da volume
soluto do volume
1
V
=


Percentagem em volume (v/v) =
% 100 x
solução volume
soluto volume


PARTES POR MILHÃO E CORRELATOS

Porcentagem não é muito usada para exprimir
concentrações muito pequenas devido, presumivelmente, à
inconveniência de usar zeros ou potencias de 10 para rastrear a
vírgula decimal. Para evitar este inconveniente os químicos
com freqüência mudam o multiplicador à razão do peso ou
volume. Aceitando que % (p/p) pode ser chamado de
PARTES POR CEM, a definição óbvia de PARTES POR
MILHÃO (ppm) é:
ppm =
6
10 x
amostra peso
soluto peso

Observar que as unidades de peso no numerador e
denominador devem concordar. Para concentrações ainda
menores que ppm, usa-se ppb, partes por bilhão ou ppt,
partes por trilhão. O que muda é o multiplicador da razão
entre os pesos:
ppb =
9
10 x
amostra peso
soluto peso

ppt =
12
10 x
amostra peso
soluto peso

Quando a concentração do soluto é da ordem de uns
poucos ppm ou menor, a solução praticamente é pura solvente
e terá uma densidade essencialmente igual àquela do solvente.
Se o solvente é água, sua densidade 1,00 g solução/mL
solução. Isto significa que 1 L de solução pesará 1,0 kg ou
1000 g. Então
ppm =
(L) solução volume
(mg) soluto peso

Ex. uma solução a 25 ppm contém 25 mg de soluto em 1 L de
solução, ou ainda 25g por 10
6
mL.






















EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

01 - (UEG GO)
Um aluno resolveu fazer um suco para aplicar seus
conhecimentos sobre soluções. Ele tinha em mãos um
pacote com preparado sólido, conforme mostra a figura ao
lado. Na preparação do suco, o sólido foi totalmente
transferido para um recipiente e o volume foi completado
para um litro, com água pura.



Com base nas informações do texto, do desenho e em seus
conhecimentos sobre química, é CORRETO afirmar:
a) A diluição do suco para um volume final de 2,0 L,
fará com que a massa do soluto se reduza à metade.
b) O suco é um exemplo de uma mistura azeotrópica.
c) A concentração de soluto no suco preparado é igual a
10000 mg.L
-1
.
d) Caso o aluno utilize açúcar para adoçar o suco,
haverá um aumento da condutividade elétrica da
solução.
TEOR ALCOÓLICO: Percentagem
de álcool medido em graus Gay
Lussac. Mede-se segundo a
quantidade de álcool existente para
cada 100 litros da mistura. Assim,
uma mistura de 11º tem 11 litros de
álcool puro para cada 100 litros de
mistura.
H
2
O
2
(água oxigenada): Existe uma forma especial de
se comercializar soluções de peróxido de hidrogênio.
Expressa-se o número de volumes de oxigênio liberados
nas CNTP para cada litro de solução empregada .
Ex. Água oxigenada 10 volumes









8
02 - (UEPB)
O Vibrio cholerae é uma bactéria, classificada como
vibrião por aparentar-se como uma vírgula, e é encontrado
em águas contaminadas por fezes humanas. A doença
cólera é caracterizada por uma diarréia profusa e bastante
líquida. Uma forma de combater o vibrião é adicionar um
material popularmente conhecido por “cloro líquido”, isto
é, hipoclorito de sódio a 20% (m/v), mantendo o pH
próximo de 7,0 e com uma concentração de 5000 ppm
(m/v) de cloro na água que se quer tratada.

Qual o volume, em mililitros, de “cloro líquido” que se
deve adicionar, no mínimo, para obter um litro de água
não susceptível à presença do vibrião colérico?
a) 10,5 mL
b) 52,5 mL
c) 100 mL
d) 20 mL
e) 1000 mL

03 - (UEPB)
Minamata é uma cidade japonesa que, na década de 50,
sofreu contaminação por mercúrio em sua baía. Aos
efeitos provocados por esses compostos de mercúrio no
organismo humano deu-se o nome de “doença de
Minamata”, em que ocorrem disfunções do sistema
nervoso central, como dormência em braços e pernas,
visão nebulosa, perda de audição e da coordenação
muscular, letargia e irritabilidade. Em Minamata, os
peixes foram os principais bioacumuladores do mercúrio,
na forma de CH
3
HgCl e CH
3
HgOH, que possui como
Dose Referencial de Toxicidade, ingestão diária aceitável,
0,1 micrograma por quilograma de peso corporal por dia.

Quantos gramas de peixe, no máximo, podem ser
consumidos semanalmente por uma pessoa saudável que
pesa 60 kg, se o nível médio do composto de mercúrio no
peixe é de 0,30 ppm?
a) 0,1 kg
b) 0,3 mg
c) 42 g
d) 1 kg
e) 140 g

04 - (FUVEST SP)
Considere duas latas do mesmo refrigerante, uma na
versão “diet” e outra na versão comum. Ambas contêm o
mesmo volume de líquido (300 mL) e têm a mesma massa
quando vazias. A composição do refrigerante é a mesma
em ambas, exceto por uma diferença: a versão comum
contém certa quantidade de açúcar, enquanto a versão
“diet” não contém açúcar (apenas massa desprezível de
um adoçante artificial). Pesando-se duas latas fechadas do
refrigerante, foram obtidos os seguintes resultados:

amostra massa (g)
lata com refrigerante comum 331,2
lata com refrigerante “diet” 316,2

Por esses dados, pode-se concluir que a concentração, em
g/L, de açúcar no refrigerante comum é de,
aproximadamente,
a) 0,020
b) 0,050
c) 1,1
d) 20
e) 50

TEXTO: 1 - Comum à questão: 5

TEXTO II

Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, instituiu o
Código Nacional de Trânsito (CNT). A referida lei prevê
como infração, em seu artigo 165, dirigir sob a influência
de álcool, em nível superior a seis decigramas por litro de
sangue. A infração é considerada gravíssima, com
penalidade de multa e suspensão do direito de dirigir.
Além disso, como medida administrativa, ocorre retenção
do veículo até a apresentação de condutor habilitado e
recolhimento do documento de habilitação.


TEXTO III

As bebidas alcoólicas são classificadas em dois grupos:
as não destiladas e as destiladas. As bebidas não
destiladas apresentam teor alcoólico de, no máximo, 15
ºGL (15 ml de volume de álcool em 100 ml de volume da
solução); já as destiladas apresentam teores alcoólicos
elevados, como a cachaça (40 ºGL), proveniente da
fermentação da cana-de-açúcar. Como exemplo de bebida
não destilada tem-se o vinho (10 ºGL), proveniente da
fermentação alcoólica da uva.

05 - (UEPB)
Sabendo-se que um indivíduo possui 6,0 l de sangue em
seu organismo, qual o volume aproximado mínimo de
vinho, de acordo com o CNT, que um motorista ingerirá
para ser multado?
(Observação: considere a densidade do álcool na
temperatura ambiente de 0,8 g/ml .)
a) 22,5 l m
b) 90,0 l m
c) 45,0 l m
d) 36,0 l m
e) 48,0 l m

GABARITO:

1) Gab: C
2) Gab: B
3) Gab: E
4) Gab: E
Cálculo da massa do açúcar contida no refrigerante comum
tendo em vista que a única diferença entre os refrigerantes é a
presença do açúcar:
m
açúcar
= 331,2 - 316,2 → m
açúcar
= 15g
Logo a concentração será de: C = 15 g açúcar/ 0,3 L
refrigerante =50 g/L
5) Gab: C









9
Módulo-3: (SOLUÇÕES)-Concentrações Químicas

INTRODUÇÃO

Entende-se como concentração química aquela que depende
da massa molar do soluto, ou seja, a concentração que para ser
expressa precisa da especificação da espécie química
envolvida.

CONCENTRAÇÃO EM QUANTIDADE DE
MATÉRIA [ ] ou (µ)

É o quociente entre o número de mols do soluto e o
volume em litros da solução.

µ=
V (L) solução da volume
soluto do mols de número
1
n
=















o Cálculo para concentração de íons

Dependendo do sistema a concentração em
quantidade de matéria pode ser dada em função de um cátion
ou de um ânion. O cálculo desta concentração é dependente da
natureza deste soluto e está vinculado ao grau de dissociação
ou ionização do mesmo.

Ex. Considere a seguinte equação de dissociação de uma
solução 0,2 mol/L de Al
2
(SO
4
)
3
cuja dissociação seja de 100%.

Al
2
(SO
4
)
3
2 Al
3+
+ 3 SO
− 2
4


Como em cada litro há 0,2 mol de sal, as quantidades
de mol de cátions e ânions serão proporcionais aos
coeficientes da equação de dissociação.


Al
2
(SO
4
)
3
2 Al
3+
+ 3 SO
− 2
4

coeficientes 1 2 3
concentração
1 . 0,2
MOL/L
2.0,2
MOL/L
3.0,2
MOL/L
Então:
[Al
2
(SO
4
)
3
] = 0,2 mol/L
[Al
3+
] = 0,4 mol/L
[SO
− 2
4
] = 0,6 mol/L

È importante destacar que toda solução iônica é
eletricamente neutra, logo o total de mols de cargas positivas é
igual ao total de mols cargas negativas.

1L solução 0,2 mol/L de Al
2
(SO
4
)
3


Então:

0,4 mol de Al
3+
0,4 mol. (carga+3) = 1,2 mol carga

0,6mol de SO
− 2
4
0,6mol. (carga– 2) = 1,2 mol carga



FRAÇÃO EM QUANTIDADE DE MATÉRIA (X)
A fração molar pode ser definida para o soluto e solvente.

o A fração molar do soluto expressa o número de
mols do soluto em função do número de mols
total da mistura.

X
1
=
n total mols de número
soluto do mols de número
1
n
=

o A fração molar do solvente expressa o número
de mols do solvente em função do número de
mols total da mistura.

X
2
=
n total mols de número
solvente do mols de número
2
n
=

Como é razão da mesma grandeza, trata-se de números puros
(adimensionais) e menores que a unidade.

X
1
+ X
2
=1



Ex. Ao dissolver 40g de NaOH em 162 g de água, temos:

n
1
=m/M= 40/40= 1 mol

n
2
=m/M= 162/18= 9 mol

n= n
1
+ n
2
=10 mol

X
1
=n
1
/n=1/10=0,1 ou 10%

X
2
=n
2
/n=9/10=0,9 ou 90%







Ex. Uma solução de concentração molar 0,1
mol/L de H
2
SO
4
, expressa que existe 0,1 mol
de H
2
SO
4
em cada litro de solução. Sendo a
massa molar do H
2
SO
4
98 g/mol então,
conclui-se que existem 9,8 gramas de H
2
SO
4

em cada litro de solução.
Desde 1971, quando o mol passou a ser considerado
uma unidade de base do Sistema Internacional de
Unidades (SI), o termo molar passou a expressar
apenas a relação g/mol. Antes disso, o termo molar
era usado para expressar a ralação mol/L. Assim,
falava-se comumente em fração molar ou
concentração molar. Atualmente o uso da palavra
molar para expressar a relação mol/L não é
recomendado. Seria mais adequado dizer,
concentração em quantidade de matéria e fração em
quandidade de matéria.


10
MOLALIDADE (W)
É o quociente entre o número de mols do soluto e a massa
de solvente em quilogramas.

W=
2
1
m (kg) solvente de massa
soluto do mols de número n
=


Ex. Uma solução contém 184g de glicerina (C
3
H
8
O
3
) em 800g
de água e apresenta densidade igual a 1,044 g/cm
3
, formará
uma solução 2,5 molal. Significa que existem 2,5 mol de
glicerina em 1 kg de água. Acompanhe os cálculos:


92 800
184 1000

M m
m 1000
W
.
.
.
.
1 2
1
= =
= 2,5 MOLAL











EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

01 - (UERJ)
Em uma estação de tratamento de efluentes, um operador
necessita preparar uma solução de sulfato de alumínio de
concentração igual a 0,1 mol /L, para encher um
recipiente cilíndrico, cujas medidas internas, altura e
diâmetro da base, estão indicadas na figura abaixo.

Considerando 3 = π , a quantidade mínima de massa de
sulfato de alumínio necessária para o operador realizar
sua tarefa é, em gramas, aproximadamente igual a:
a) 3321
b) 4050
c) 8505
d) 9234

02 - (UFOP MG)
Um cubo maciço de chumbo (d
Pb
=11 g.cm
–3
) com 1,0 cm
de aresta é totalmente dissolvido por meio do emprego de
um excesso de ácido clorídrico concentrado (36,5 % m/m
e densidade 1,2 g. mL
–1
). Dado: R = 0,082 L.atm.mol
–1
.K

1

Determine:
a) A concentração em quantidade de matéria (mol/L) da
solução de ácido clorídrico empregada.
b) O volume, em litros, da solução de ácido clorídrico
empregada.
c) O volume, em litros, do gás liberado a 300 K e
pressão de 2,6 atm.

03 - (UFF RJ)
A glicose, com fórmula estrutural C
6
H
12
O
6
, é um açúcar
simples e é também a principal fonte de energia para os
seres humanos e outros vertebrados. Açúcares mais
complexos podem ser convertidos em glicose. Numa série
de reações, a glicose combina-se com o oxigênio que
respiramos e produz, após muitos compostos
intermediários, dióxido de carbono e água com liberação
de energia. A alimentação intravenosa hospitalar consiste
usualmente em uma solução de glicose em água com
adição de sais minerais. Considere que 1,50 g de glicose
sejam dissolvidos em 64,0 g de água.
a) Calcule a molalidade da solução resultante.
b) Calcule as frações molares da glicose e da água nesta
solução.

04 - (ITA SP)
O rótulo de um frasco diz que ele contém solução 1,50
molal de LiNO
3
em etanol. Isto quer dizer que a solução
contém:
a) 1,50 mol de LiNO
3
/ quilograma de solução.
b) 1,50 mol de LiNO
3
/ litro de solução.
c) 1,50 mol de LiNO
3
/ quilograma de etanol.
d) 1,50 mol de LiNO
3
/ litro de etanol.
e) 1,50 mol de LiNO
3
/ mol de etanol.

05 - (UEMS )
Uma solução de 20 mL de fosfato de sódio (Na
3
PO
4
) na
concentração de 0,40 mol.L
–1
apresenta quantos mols de
íons Na
+
?
a) 0,0080
b) 0,024
c) 0,050
d) 0,10
e) 0,20

GABARITO:

1) Gab: D
2) Gab:
a) 12 mol/L
b) 8,81 mL
c) 0,5 L
3) Gab:
a) 0,130 molal
b) glicose = 0,0028; água = 0,9972
4) Gab: C
5) Gab: B












As concentrações tradicionais expressas em g/L ou
mol/L estão relacionadas ao volume e esta grandeza
varia com a temperatura. Assim quando é necessário
grande rigor quanto à relação soluto/solvente e a
temperatura do sistema, utiliza-se a molalidade que,
por ser expressa em relação á massa, não varia com
a temperatura.


11
Módulo-4: (SOLUÇÕES)-Relações entre as concentrações

INTRODUÇÃO
São comuns os exercícios que relacionam um tipo de
concentração ao outro. Este módulo tem, na verdade, o
objetivo de apresentar estas relações e proporcionar a
possibilidade de fixar através de exercícios, as várias formas
de expressar concentrações e o modo de relacioná-las.

CONCENTRAÇÃO COMUM /
CONCENTRAÇÃO EM QUANTIDADE DE
MATÉRIA.

=
µ
C

1 1
1
1
1
1
.
m
M C M
M V
V
m
⋅ = → = µ


CONCENTRAÇÃO COMUM / TÍTULO E
DENSIDADE

=
τ
C
τ
τ
⋅ = → = → = → = d C d
C
d
V
m
V
m
m
V
m
1
1
1
m









As relações acima citadas são as mais importantes e caso seja
necessário demonstrar mais alguma, basta proceder de maneira
análoga. A relação entre as principais concentrações poderá
ser expressa da seguinte forma.

τ µ ⋅ ⋅ = = ⋅ d C M 1000
1



Ex. Uma solução encerra 30g de carbonato de potássio
(K
2
CO
3
) em 270g de água e tem densidade igual a 1,2 g/mL.

Determine:

a) o título em massa da solução;
b) a concentração da solução em g/L;
c) concentração em quantidade de matéria.

RESOLUÇÃO:

a)
0,1
270 30

m m
m

30
= ∴
+
=
+
= τ τ τ
2 1
1



b) C = 1000 . d . τ
C = 1000 x 1,2 x 0,1
C = 120 g/l
c) C=µ . M
1


M
1
=2 . 39+ 12 + 3 . 16= 138 g/ mol

L mol
M
C
/ 87 , 0
138
1
≅ = =
120
µ



EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

01 - (UFF RJ)
O ácido nítrico é um importante produto industrial. Um
dos processos para a obtenção do ácido nítrico é fazer
passar amônia e ar, sob pressão, por um catalisador acerca
de 850ºC, ocorrendo a formação de monóxido de
nitrogênio e água. O monóxido de nitrogênio, em
presença do oxigênio do ar, se transforma no dióxido que
reagindo com a água forma o ácido nítrico e monóxido de
nitrogênio.

a) Escreva as equações balanceadas que representam as
diferentes etapas de produção do ácido nítrico através
do processo mencionado.
b) Uma solução de ácido nítrico concentrado, de
densidade 1.40 g/cm
3
, contém 63.0 % em peso de
ácido nítrico. Informe por meio de cálculos:
I. a molaridade da solução
II. o volume dessa solução que é necessário para
preparar 250.0 mL de solução 0.5 M

02 - (UFPE)
O potássio exerce importante ação na manutenção do
equilíbrio homeostático do ser humano. A diminuição ou
o aumento de sua concentração no sangue pode causar
graves efeitos no sistema neuromuscular. Sabendo-se que
a concentração média de potássio no soro sangüíneo é de
cerca de 0,195g/L, determine a concentração molar
(molaridade) do potássio no sangue. (Dados: massa molar
do Potássio = 39g))
a) 0,001 mol/L
b) 0,005 mol/L
c) 0,195 mol/L
d) 0,390 mol/L
e) 0,760 mol/L

03 - (UEM PR)
Uma solução de H
3
PO
4
apresenta concentração de 9,8
g/L. Calcule sua concentração molar e seu título em
massa, sabendo-se que a densidade da solução é igual a
1,2 g/mL.
(Dados: P = 31; O = 16; H = 1)

04 - (UEM PR)
Assinale a(s) alternativa(s) correta(s).
01. O vinagre é uma solução aquosa que contém, em
média, 5,5% em massa de ácido acético. Desse
modo, pode-se afirmar que cada litro de vinagre
possui 55 g de ácido acético (dados: densidade do
vinagre = 1,0 g/L).
02. A água potável pode conter a quantidade máxima de
1,0 x 10
-4
g de íons Sr
2+
por litro. Portanto pode-se
afirmar que a porcentagem máxima de massa de Sr
2+

por litro de água é 0,001%.
Como a densidade geralmente é dada em g/cm
3
, usa-
se o 1000 na fórmula para transformá-la em g/L.

τ ⋅ ⋅ = d C 1000



12
04. A água oxigenada é uma solução aquosa com
densidade igual a 1,0 g/mL, contendo 3,5% em
massa de peróxido de hidrogênio (H
2
O
2
). Portanto
pode-se afirmar que a concentração de H
2
O
2
na água
oxigenada, em mols/L, é de aproximadamente 10,3
(dados: H = 1; O = 16).
08. Em um balão volumétrico de 600 mL, são colocados
27 g de cloreto de sódio e água suficiente para
atingir a marca de aferimento (volume exato). Com
esse procedimento, prepara-se uma solução de
concentração em NaCl de 45 g/L (dados: Na = 23;
Cl = 35,5).
16. De modo geral, o nível máximo de íons cloreto na
água potável corresponde a 300 mg/L. Esse valor
equivale a uma concentração molar
aproximadamente igual a 8,4 x 10
-9
mol/L
Dados: Cl = 35,5.

TEXTO: 1 - Comum à questão: 5

A qualidade do leite é avaliada através de análises
específicas envolvendo a determinação de densidade, teor
de gordura, rancidez, acidez e presença de substâncias
estranhas usadas para o conservar ou mascarar a adição de
água ao mesmo. A tabela abaixo mostra alguns materiais
que já foram encontrados no leite e suas funções
fraudulentas.

ão deterioraç de estágio em está
leite o quando acidez, de
aumento o ” “Disfarçar
sódio de o Bicarbonat
smos microrgani de ação a evitando
leite o Conservar
boratos e bórico Ácido
densidade a mantendo água
de adição a ” “Disfarçar
Amido
densidade a mantendo água
de adição a ” “Disfarçar
Urina
smos microrgani de ação
a evitando Conservar
Formol
FUNÇÃO MATERIAIS


O formaldeído ou metanal é um gás incolor, com odor
irritante e altamente tóxico. Quando em solução aquosa a
40% é conhecido como formol que, também, é utilizado
como desinfetante. Desta forma, o formaldeído tem a
propriedade de destruir microrganismos.
O bicarbonato de sódio reage com o ácido lático de
acordo com a equação:

↑ + + − − →
→ − − +
) g ( 2 ) ( 2 ) aq ( 3
) aq ( 3 ) aq ( 3
CO O H COONa CHOH C H
COOH CHOH C H NaHCO
l


LISBÔA, J.C.F. e BOSSOLANI, M. Experiências
Lácteas. In Química Nova na Escola nº 6. 1997.[adapt.]

05 - (UFPEL RS)
A acidez do leite pode ser expressa em graus Dornic
sendo que cada ºD corresponde a 0,1g/litro de ácido lático
– um leite é considerado impróprio para o consumo
quando sua acidez é superior a 20 ºD. Isso considerando,
está correto afirmar que um leite não deve ser consumido
quando sua (Massa Molar do ácido lático = 90 g/mol)
a) concentração comum em ácido lático estiver
compreendida entre 1,6 e 2,0 g/litro.
b) concentração comum em ácido lático for inferior a
0,022 mol/litro.
c) concentração comum em ácido lático é igual a 0,022
mol/litro.
d) concentração molar em ácido lático for superior a
0,023 mol/litro.
e) concentração molar em ácido lático estiver
compreendida entre 1,6 e 2,0 g/litro.

GABARITO:

1) Gab:
a) O H 6 NO 4 O 5 NH 4
2 2 3
+ → +

2 2
NO 2 O NO 2 → +
NO HNO 2 O H NO 3
3 2 2
+ → +
b) 14.0 M ; 8.93 mL mL 0 . 9 ≅
2) Gab: B
3) Gab:
M = 0,1 mol⋅L
−1
e
τ = 0,816%
4) Gab: 09
5) Gab: D









































13
Módulo-5: (SOLUÇÕES)-Diluição e Mistura de Soluções
sem Reação Química



DILUIÇÃO:

Alguns produtos comerciais são vendidos em
concentrações superiores ao recomendado para o seu uso,
por questões de viabilidade econômica no transporte, uso
de recipientes e armazenagem. Na hora de empregar a
solução torna-se, portanto, essencial o acréscimo de
solvente e este processo é chamado diluição. A adição de
solvente não altera a quantidade de soluto (m
1
e n
1
), mas
aumenta a quantidade total de solução (massa e volume),
o que provoca uma diminuição na concentração.

Suponha que 50 mL de um suco de laranja de
concentração C
I
(concentração inicial) seja diluído com
água até um volume final de 100 mL:



Perceba que caso seja montada uma regra de três para
calcular C
F
(concentração final), a execução da mesma é
para grandezas inversamente proporcionais, já que o
aumento de volume provoca uma diminuição na
concentração na mesma proporção.

C
I
----------- 50 mL
C
F
-------------100 mL
C
I
. 50 = C
F
. 100 → C
I
= 2. C
F

Outra maneira de tratar a diluição é relacionar de forma direta
a conservação da quantidade de soluto.



Evidentemente a massa do soluto (m
1
) será a mesma
na solução inicial e na final; no entanto, a concentração C irá
diminuir para C’, pois o volume aumentou de V para V’.

Podemos então calcular:

para a solução inicial: C =
V
m
1
m
1
= V. C
para a solução final: C’=
V'
m
1
m
1
= V’ . C’

Uma vez que m
1
é constante temos:


m
1
= m
1
’ CV = C’V’

Demonstrações idênticas podem ser feitas para os outros
tipos de concentrações das soluções, sempre lembrando que a
quantidade do soluto – seja em massa (m
1
), ou em número de
mols (n
1
), permanece constante durante a diluição.

Para concentração em quantidade de matéria:

µ = n
1
/ V (L) → n = µ . V

Considerando que a adição do solvente não altera n
1
, portanto
antes da diluição (µ) e depois da diluição (µ

), tem-se a
expressão.

µ . V = µ

. V



Para título em massa, fração molar do soluto e molaridade da
solução temos, respectivamente:











Ex. Para uma determinada experiência um químico necessita
usar 50 mL de uma solução aquosa de NaOH 0,2 mol/L. No
estoque está disponível apenas um frasco contendo 2,0 L de
NaOH
(aq)
2,0 mol/L. Dessa situação vivida pelo químico,
surge o seguinte problema: que volume de solução aquosa de
NaOH 2,0 mol/L deve ser retirado do frasco para que, após
sua diluição, se obtenha 50mL de solução aquosa de NaOH
0,2 mol/L?

Assim como a diluição, podemos também promover a
concentração de uma solução através da retirada de
solvente. Este processo não é muito comum em
termos práticos, mas se necessário, os cálculos
matemáticos serão exatamente os mesmos.

INTRODUÇÃO

Nem sempre se encontra disponível,
a solução a ser empregada, na
concentração desejada e para que se
obtenha esta solução, muitas vezes é
necessário promover a diluição ou
até a mistura de soluções de
concentrações diferentes.



14

Resolução: µ . V = µ

. V

2 mol/L .V=0,2 mol/L . 50 mL
V=5 mL
Devem ser retirado 5 mL do fraco estoque para preparar a
solução segundo proposto o exemplo acima.


MISTURAS DE SOLUÇÕES SEM REAÇÃO

A mistura de soluções sem reação pode se proceder de duas
maneiras, uma com solutos diferentes entre si e outra a partir
da mistura de soluções de mesmo soluto.

• MESMO SOLUTO
Este caso de mistura de soluções é como se
misturássemos dois copos de suco de maracujá.
Imaginemos que um copo continha um suco "fraco" e
outro copo um suco mais "forte", o suco resultante da
mistura entre os dois copos de suco seria um suco
intermediário entre os dois sucos iniciais, ou seja, mais
forte que o suco fraco, porém mais fraco que o suco forte.
Quando a mistura é de soluções com o mesmo soluto,
observa-se o aumento na quantidade de soluto, solvente e
solução, ou seja, m
1
=m
1

+m
1
’’
e V= V

+V
’’
.

Portanto:
V" V'
m" m'
C
+
+
=
1 1



Então: m
1
=m
1

+m
1
’’


V" V'
C" V" C' V'
C
+
+
=

Perceba que o que na verdade está sendo feito é uma
média ponderada com as concentrações, levando como
peso de medida os volumes misturados.

De forma análoga temos:

V" V'
" V" ' V'

+
+
=
M M
M

" '
" " ' '

m m
m m
+
+
=
τ τ
τ

2 2
2 2
" '
" W" ' W'
W
m m
m m
+
+
=



• SOLUTOS DIFERENTES
Este caso de mistura de soluções é como se
misturássemos um copo de suco de maracujá com um
copo de suco de goiaba, para fazermos um suco de
"goiabajá". O que ocorre na realidade são duas diluições,
ou seja, após a misturas tanto o suco de maracujá como o
suco de goiaba estarão mais fracos, pois na solução final a
massa de maracujá e a massa de goiaba são as mesmas
das soluções iniciais, porém a massa de água é a soma das
massas da água do suco de maracujá com a massa da água
do suco de goiaba, portanto concluí-se que a massa dos
solutos permanecem constantes enquanto a massa da água
aumenta o que caracteriza uma diluição tanto do suco de
maracujá como do suco de goiaba.
Generalizando, podemos dizer que quando são misturadas
três, quatro ou mais soluções de solutos diferentes, mas
que não reagem entre si, cada soluto continuará com sua
“quantidade” constante sofrendo apenas uma diluição do
volume inicial de sua própria solução para o volume total
da solução final.
Observe:



Fazendo a diluição das espécies envolvidas:

o Para o NaCl: CV = C’V’

4 . 150=C

. 500 → C

=1,2 g/L

o Para o K
2
SO
4
: CV = C’V’

10 . 350=C

. 500 → C

=7 g/L










Um caso muito comum de mistura de soluções sem
reação é a mistura de solutos com íon comum.
Ex. mistura de KNO
3
e KCl ou Na
2
SO
4
e H
2
SO
4




15
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

01 - (UERJ)
Uma suspensão de células animais em um meio isotônico
adequado apresenta volume igual a 1 L e concentração
total de íons sódio igual a 3,68 g/L.
A esse sistema foram acrescentados 3 L de água destilada.
Após o processo de diluição, a concentração total de íons
sódio, em milimol/L, é de:
a) 13,0
b) 16,0
c) 23,0
d) 40,0

02 - (UERJ)
Para estudar os processos de diluição e mistura foram
utilizados, inicialmente, três frascos contendo diferentes
líquidos.
A caracterização desses líquidos é apresentada na
ilustração abaixo.



A seguir, todo o conteúdo de cada um dos frascos foi
transferido para um único recipiente.
Considerando a aditividade de volumes e a ionização total
dos ácidos, a mistura final apresentou uma concentração
de íons H
+
, em mol×L
−1
, igual a:
a) 0,60
b) 0,36
c) 0,24
d) 0,12

03 - (UFPR)
Ao se misturar 100 mL de solução aquosa 0,15 mol.L
-1
de
cloreto de potássio com 150 mL de solução aquosa 0,15
mol.L
-1
de cloreto de sódio, a solução resultante
apresentará, respectivamente, as seguintes concentrações
de Na
+
, K
+
e Cl
-
:

a) 0,09 mol.L
-1
, 0,06 mol.L
-1
, 0,15 mol.L
-1

b) 0,05 mol.L
-1
, 0,06 mol.L
-1
, 1,1 mol.L
-1

c) 0,06 mol.L
-1
, 0,09 mol.L
-1
, 0,15 mol.L
-1

d) 0,09 mol.L
-1
, 0,09 mol.L
-1
, 0,09 mol.L
-1

e) 0,15 mol.L
-1
, 0,15 mol.L
-1
, 0,30 mol.L
-1


04 - (MACK SP)
Adicionando-se 600 mL de uma solução 0,25 molar de
KOH a um certo volume (v) de solução 1,5 molar de
mesma base, obtém-se uma solução 1,2 molar. O volume
(v) adicionado de solução 1,5 molar é de:
a) 0,1 L
b) 3,0 L
c) 2,7 L
d) 1,5 L
e) 1,9 L





TEXTO: 1 - Comum à questão: 5

O metanol foi obtido pela primeira vez em 1664, por
Robert Boyle (1627-1691), por meio da destilação seca da
madeira.

05 - (UDESC SC)
Uma solução aquosa de 40% do produto da reação acima
(H
2
CO) forma uma solução utilizada na conservação de
peças anatômicas. Descreva a metodologia utilizada para
preparar 50 mL de uma solução 0,5 M, partindo de uma
solução estoque de concentração 3 M.

GABARITO:
1) Gab: D
2) Gab: C
3) Gab: A
4) Gab:E
5) Gab:
Deve-se retirar uma alíquota de 8,33mL da solução
estoque utilizando uma pipeta graduada. Em seguida, essa
alíquota deve ser transferida para um balão volumétrico,
onde se processará uma diluição, acrescentando 41,67mL
de água destilada sob constante agitação.










































16

EXERCÍCIOS DO CADERNO COMPLEMENTAR

01 - (UFG GO/2009)
A presença de O
2
na água, essencial para a respiração de
espécies aquáticas aeróbicas, deve-se à dissolução do O
2

atmosférico em água. A constante de equilíbrio desse
processo de dissolução é igual à solubilidade do O
2

aquoso, dividida pela pressão parcial do O
2
gasoso. Se ao
nível do mar a pressão atmosférica é de 1 atm e o
oxigênio corresponde a 21% da composição do ar, a
solubilidade do O
2
na água

a) crescerá com o aumento da altitude.
b) decrescerá com o aumento da altitude.
c) crescerá independentemente da pressão atmosférica.
d) decrescerá independentemente da pressão
atmosférica.
e) permanecerá inalterada com a altitude.

02 - (UNESP SP/2009)
No gráfico, encontra-se representada a curva de
solubilidade do nitrato de potássio (em gramas de soluto
por 1000 g de água).



Para a obtenção de solução saturada contendo 200 g de
nitrato de potássio em 500 g de água, a solução deve estar
a uma temperatura, aproximadamente, igual a

a) 12 °C.
b) 17 °C.
c) 22 °C.
d) 27 ºC.
e) 32 °C.

03 - (UNICAMP SP/2009)
A figura abaixo mostra a solubilidade do gás ozônio em
água em função da temperatura. Esses dados são válidos
para uma pressão parcial de 3.000 Pa do gás em contato
com a água. A solubilização em água, nesse caso, pode ser
representada pela equação:

ozônio(g) + H
2
O(l) → ozônio (aq)

a) Esboce, na figura apresentada abaixo, um possível
gráfico de solubilidade do ozônio, considerando, agora,
uma pressão parcial igual a 5.000 Pa. Justifique.
b) Considerando que o comportamento da dissolução,
apresentado na figura abaixo, seja válido para outros
valores de temperatura, determine a que temperatura a
solubilidade do gás ozônio em água seria nula. Mostre
como obteve o resultado.



04 - (PUC SP/2009)
O gráfico a seguir representa a curva de solubilidade do
nitrato de potássio (KNO
3
) em água.


A 70ºC, foram preparadas duas soluções, cada uma
contendo 70g de nitrato de potássio (KNO
3
) e 200g de
água.
A primeira solução foi mantida a 70ºC e, após a
evaporação de uma certa massa de água (m), houve início
de precipitação do sólido. A outra solução foi resfriada a
uma temperatura (t) em que se percebeu o início da
precipitação do sal.
A análise do gráfico permite inferir que os valores
aproximados da massa m e da temperatura t são,
respectivamente,

a) m = 50g e t = 45ºC
b) m = 150g e t = 22ºC
c) m = 100g e t = 22ºC
d) m = 150g e t = 35ºC
e) m = 100g e t = 45ºC

05 - (UNIR RO/2009)
Adicionando diferentes tipos de sais à água é possível
observar a dissolução dessas substâncias, a formação de
sistemas em equilíbrio dinâmico e a precipitação de
partículas sólidas. Analise o gráfico abaixo que representa
a solubilidade de um sal em água.


17

A partir dos dados constantes do gráfico, pode-se afirmar:

a) A dissolução do sal é exotérmica.
b) A temperatura não tem influência sobre a
solubilidade do sal.
c) O gráfico representa um sal que sofre modificações
em sua estrutura com a variação da temperatura.
d) A dissolução do sal é endotérmica.
e) A 40º C, para se obter uma solução saturada, com
corpo de fundo (partículas precipitadas), é necessário
dissolver até cerca de 20 g do sal em 100 mL de água
pura.

06 - (UFC CE/2008)
Considere duas soluções de iodo (I
2
), sendo uma em água
(H
2
O) e outra em tetracloreto de carbono (CCl
4
), ambas
com mesma concentração e em volumes iguais. As duas
soluções são misturadas e agitadas por um tempo. Em
seguida, elas são separadas por decantação.
a) Assumindo que a concentração de I
2
nas duas
soluções é inferior ao ponto de saturação nos dois
solventes, o que acontecerá com a concentração do I
2

nas duas soluções após a decantação?
b) Justifique sua resposta ao item A em função das
polaridades dos solventes.

07 - (UEMS /2008)
A presença do oxigênio dissolvido na água se deve, em
parte, à sua dissolução do ar atmosférico para a água,
) aq ( O ) g ( O
2 2


, cuja constante de equilíbrio apropriada é
a constante da Lei de Henry, K
H
. Para o processo de
dissolução do O
2
, K
H
, é definida como
2 2 H
(aq)]/pO [O K = ,
em que p
O2
é a pressão parcial de oxigênio no ar. A figura
a seguir mostra a solubilidade do gás oxigênio em água
em função da temperatura, n a pressão atmosférica de 1
atm (760mmHg).

São feitas as seguintes afirmações a respeito da
solubilidade do gás oxigênio em água:
I. A concentração molar de oxigênio na água, [O
2
(aq)],
é proporcional à pressão parcial de oxigênio no ar
atmosférico.
II. A solubilidade do oxigênio em água decresce
linearmente com o aumento da temperatura.
III. A solubilidade do oxigênio dissolvido em água a 0ºC
e ao nível do mar é pouco superior a 14mg/L.
Pode-se afirmar que:
a) todas são corretas.
b) todas são incorretas.
c) apenas II é incorreta.
d) II e III são incorretas.
e) apenas III é incorreta.

08 - (FGV SP/2008)
Na figura, são apresentadas as curvas de solubilidade de
um determinado composto em cinco diferentes solventes.

Na purificação desse composto por recristalização, o
solvente mais indicado para se obter o maior rendimento
no processo é o

a) I.
b) II.
c) III.
d) IV.
e) V.

09 - (UFRN/2008)
A água, o solvente mais abundante na Terra, é essencial à
vida no planeta. Mais de 60% do corpo humano é formado
por esse líquido. Um dos modos possíveis de reposição da
água perdida pelo organismo é a ingestão de sucos e
refrescos, tais como a limonada, composta de água, açúcar
(glicose), limão e, opcionalmente, gelo.
Um estudante observou que uma limonada fica mais doce
quando o açúcar é dissolvido na água antes de se adicionar
o gelo. Isso acontece porque, com a diminuição da
a) densidade, diminui a solubilidade da glicose.
b) temperatura, aumenta a solubilidade da glicose.
c) temperatura, diminui a solubilidade da glicose.
d) densidade, aumenta a solubilidade da glicose.

10 - (UFMG/2008)
Numa aula no Laboratório de Química, os alunos
prepararam, sob supervisão do professor, duas soluções
aquosas, uma de cloreto de potássio, KCl, e uma de
cloreto de cálcio, CaCl
2
.
Após observarem a variação da temperatura em função do
tempo, durante o preparo de cada uma dessas soluções, os
alunos elaboraram este gráfico:





18
Considerando-se as informações fornecidas por esse
gráfico e outros conhecimentos sobre o assunto, é
CORRETO afirmar que
a) a dissolução do CaCl
2
diminui a energia cinética
média das moléculas de água.
b) a dissolução do KCl é um processo exotérmico.
c) a entalpia de dissolução do CaCl
2
é maior que zero.
d) a solubilidade do KCl aumenta com o aumento da
temperatura.

11 - (UFMG/2008)
À temperatura de 25 ºC e pressão de 1 atm, as substâncias
amônia, NH
3
, dióxido de carbono, CO
2
, e hélio, He, são
gases.
Considerando-se as características de cada uma dessas
substâncias, assinale a alternativa em que a apresentação
dos três gases, segundo a ordem crescente de sua
solubilidade em água líquida, está CORRETA.
a) CO
2
/ He / NH
3

b) CO
2
/ NH
3
/ He
c) He / CO
2
/ NH
3

d) He / NH
3
/ CO
2


12 - (MACK SP/2008)
As curvas de solubilidade têm grande importância no
estudo das soluções, já que a temperatura influi
decisivamente na solubilidade das substâncias.
Considerando as curvas de solubilidade dadas pelo
gráfico, é correto afirmar que

a) há um aumento da solubilidade do sulfato de cério
com o aumento da temperatura.
b) a 0ºC o nitrato de sódio é menos solúvel que o cloreto
de potássio.
c) o nitrato de sódio é a substância que apresenta a maior
solubilidade a 20ºC.
d) resfriando-se uma solução saturada de KClO
3
,
preparada com 100 g de água, de 90ºC para 20ºC,
observa-se a precipitação de 30 g desse sal.
e) dissolvendo-se 15 g de cloreto de potássio em 50 g de
água a 40ºC, obtém-se uma solução insaturada.

13 - (UEM PR/2007)
Um determinado sal X apresenta solubilidade de 12,5
gramas por 100 mL de água a 20ºC. Imagine que quatro
tubos contêm 20 mL de água cada e que as quantidades a
seguir do sal X foram adicionadas a esses tubos:

Tubo 1: 1,0 grama;
Tubo 2: 3,0 gramas;
Tubo 3: 5,0 gramas;
Tubo 4: 7,0 gramas.

Após agitação, mantendo-se a temperatura a 20ºC,
coexistirão solução saturada e fase sólida no(s) tubo(s)
a) 1.
b) 3 e 4.
c) 2 e 3.
d) 2, 3 e 4.
e) 2.

14 - (FATEC SP/2009)
Sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva , a
Lei 11.705/08, chamada de Lei Seca, prevê maior rigor
contra o motorista que ingerir bebidas alcoólicas e dirigir.
A nova lei seca brasileira com limite de 2 decigramas de
álcool por litro de sangue, além de multa de R$ 955, prevê
a perda do direito de dirigir e a retenção do veículo. A
partir de 6 decigramas por litro, a punição será acrescida
de prisão.
Dados: densidade do álcool 0,8 g/cm
3


Fórmula do cálculo de álcool no sangue (g/L):
Gramas de álcool consumidos /(Peso Corporal em kg X
Coeficiente*)
*Coeficiente - 0.7 em homens - 0.6 em mulheres - 1.1 se o
álcool foi consumido nas refeições
(www.drricardoteixeira.wordpress.com, disponível em
03.09.08)

Sabe-se que o vinho tem um teor alcoólico de
aproximadamente 12% em volume, portanto uma taça de
250 mL de vinho consumida no almoço por um homem
de 80 kg provocará uma concentração de álcool no sangue
desse indivíduo, em decigramas de álcool por litro de
sangue de, aproximadamente,

a) 2 8,4.
b) 4,20.
c) 3,80.
d) 2,70.
e) 1,20.

15 - (Unimontes MG/2008)
Geralmente, a cachaça é fabricada usando-se alambiques
de cobre, o que provoca contaminação da bebida pelo
referido metal. A legislação brasileira fixa em 5 mg/L a
quantidade máxima de cobre tolerada na cachaça. Quatro
amostras de cachaça foram analisadas quanto ao teor de
cobre, e os resultados estão apresentados na tabela a
seguir, juntamente com os respectivos preços da bebida.
5
5
5
5
1
10 x 3 , 1 67 , 1 Z
10 x 1 , 9 50 , 1 W
10 x 0 , 1 22 , 1 Y
10 x 9 , 2 89 , 2 X
L Cu/mol
de Teor
litro/R$
por eço Pr
Amostra







A partir das informações dadas e da análise dos
resultados, pode-se concluir que
a) o teor de Cu da cachaça Y é inferior àquele
estabelecido na legislação.


19
b) a cachaça mais cara apresenta a menor quantidade de
cobre.
c) a quantidade de cobre presente na cachaça W não é
prejudicial à saúde.
d) as cachaças X e Z contêm cobre acima do valor
permitido pela lei.

16 - (UNESP SP/2008)
O teor de oxigênio dissolvido na água é um parâmetro
importante na determinação das propriedades químicas e
biológicas da água. Para se determinar a concentração de
oxigênio, pode-se utilizar pequenas porções de palha de
aço. Colocando uma porção de palha de aço em contato
com 1 litro de água, por 5 dias em um recipiente fechado,
observou-se que a massa de ferrugem (óxido de ferro III)
formada foi de 32 mg. Escreva a equação química para a
reação de oxidação do ferro metálico e determine a
concentração, em g.L
–1
, de O
2
na água analisada.
Massas molares, em g.mol
–1
: Fe = 56 e O = 16.

17 - (FGV SP/2008)
No rótulo de uma determinada embalagem de leite
integral UHT, processo de tratamento térmico a alta
temperatura, consta que um copo de 200 mL deste leite
contém 25% da quantidade de cálcio recomendada
diariamente (2,4 × 10
–2
mol). A massa, em mg, de cálcio
(massa molar 40 g/mol) presente em 1 litro desse leite é

a) 1 200.
b) 600.
c) 300.
d) 240.
e) 120.

18 - (UNESP SP/2008)
Visando determinar a concentração de oxigênio
dissolvido, um estudante colocou um pedaço de palha-de-
aço (Fe
0
) de massa conhecida dentro de uma garrafa PET,
completou o volume com uma amostra de água de um
lago e fechou a garrafa. Após uma semana, quando todo
oxigênio dissolvido já havia reagido com parte da palha-
de-aço, o estudante abriu a garrafa e separou todo o sólido
(Fe
0
+ Fe
2
O
3
) por meio de filtração para uma nova
determinação de massa. Os dados do experimento podem
ser assim resumidos:
volume da amostra de água = 2,0 L;
massa inicial de Fe
0
= 3,0 g;
massa final (Fe
0
+ Fe
2
O
3
) = 3,12 g;
massas molares: Fe = 56 g.mol
–1
e O = 16 g.mol
–1
.
Com base nos dados, calcule a concentração de oxigênio
dissolvido na amostra de água, em mg.L
–1
.

19 - (FGV SP/2009)
A concentração crítica de elementos essenciais nas plantas
é a concentração mínima necessária para o seu
crescimento, e pode haver variação de uma espécie para
outra. Sobre as necessidades gerais das plantas, na tabela
são apresentadas as concentrações típicas (massa do
elemento/massa da planta seca) para alguns elementos
essenciais.
1
2
3
3
3
3
4
4
10 5,0 Mn
10 1,0 Fe
10 1,0 S
10 2,0 P
10 2,0 Mg
10 5,0 Ca
10 1,0 K
10 1,5 N
mg/kg elemento
×
×
×
×
×
×
×
×

Dado: constante de Avogadro = 6,0× 10
23
mol
–1

A partir dos dados da tabela, pode-se afirmar que a
concentração típica de manganês e o número aproximado
de átomos de fósforo para 100 kg de planta seca são,
respectivamente,

a) 50 ppm e 1,5× 10
25
.
b) 50 ppm e 3,9× 10
24
.
c) 2 000 ppm e 1,5× 10
25
.
d) 2 000 ppm e 3,9× 10
24
.
e) 5 000 ppm e 3,9× 10
25
.

20 - (UCS RS/2009)
Os íons têm um papel importante nas funções básicas do
nosso organismo. Os íons Na
+
e K
+
, por exemplo, são
responsáveis por manter a pressão osmótica correta em
ambos os lados da membrana celular. Quando uma pessoa
está debilitada pela ausência desses íons, precisa repor
eletrólitos rapidamente no corpo. Nesse caso, é prescrita a
introdução, via venosa, de uma solução NaCl 0,9% (m/v).
A quantidade aproximada de íons sódio, em mol, que a
pessoa poderá absorver após receber 100 mL dessa
solução será de

a) 0,500.
b) 0,015.
c) 0,075.
d) 1,050.
e) 0,950.

21 - (Unimontes MG/2009)
Uma solução aquosa de cloreto de sódio, NaCl, possui
densidade igual a 1,06 g/cm
3
, a 25ºC. Sendo a
percentagem, em massa, de NaCl, nessa solução, de 5,4%,
a quantidade de água, em gramas, presente em 50 mL de
solução, é igual a

a) 50,1.
b) 53,0.
c) 2,7.
d) 47,3.

22 - (UFOP MG/2009)
Durante uma festa, um convidado ingeriu 5 copos de
cerveja e 3 doses de uísque. A cerveja contém 5% v/v de
etanol e cada copo tem um volume de 0,3 L; o uísque
contém 40% v/v de etanol e cada dose corresponde a 30
mL. O volume total de etanol ingerido pelo convidado
durante a festa foi de:

a) 111 mL.
b) 1,11 L.
c) 15,9 mL.
d) 1,59 L.


20
23 - (UERJ/2009)
Muitas jóias são constituídas por ligas feitas de uma
mistura de ouro puro com outros metais.
Uma jóia é considerada de ouro n quilates se
24
n
de sua
massa for de ouro, sendo n um número inteiro, maior ou
igual a 1 e menor ou igual a 24.
Uma aliança de ouro 15 quilates tem massa igual a 4 g.
Para transformar essa aliança em outra, de ouro 18
quilates, mantendo a quantidade dos outros metais, é
necessário acrescentar, em sua liga, uma quantidade de
gramas de ouro puro equivalente a:

a) 1,0
b) 1,5
c) 2,0
d) 3,0

24 - (FMJ SP/2009)
O ácido clorídrico é uma solução aquosa, fortemente
ácida e bastante corrosiva.

O valor que mais se aproxima do teor em massa de HCl
na solução de ácido clorídrico P.A. (pureza analítica) do
frasco representado na figura é

a) 12%.
b) 23%.
c) 30%.
d) 37%.
e) 43%.

25 - (UNICAMP SP/2009)
Na construção do Centro Olímpico de Tianjin, onde
ocorreram os jogos de futebol, o teto foi construído em
policarbonato, um polímero termoplástico menos denso
que o vidro, fácil de manusear, muito resistente e
transparente à luz solar. Cerca de 13.000 m
2
de chapas
desse material foram utilizados na construção.

a) A figura abaixo ilustra a separação de uma mistura de
dois polímeros: policarbonato (densidade 1,20 g/cm
3
) e
náilon (densidade 1,14 g/cm
3
). Com base na figura e no
gráfico identifique os polímeros A e B. Justifique.
b) Qual deve ser a concentração mínima da solução, em
gramas de cloreto de sódio por 100 gramas de água,
para que se observe o que está representado na figura
da esquerda?



26 - (UNIFESP SP/2008)
As lâmpadas fluorescentes estão na lista de resíduos
nocivos à saúde e ao meio ambiente, já que essas
lâmpadas contêm substâncias, como o mercúrio (massa
molar 200 g/mol), que são tóxicas. Ao romper-se, uma
lâmpada fluorescente emite vapores de mercúrio da ordem
de 20 mg, que são absorvidos pelos seres vivos e, quando
lançadas em aterros, contaminam o solo, podendo atingir
os cursos d´água. A legislação brasileira estabelece como
limite de tolerância para o ser humano 0,04 mg de
mercúrio por metro cúbico de ar. Num determinado
ambiente, ao romper-se uma dessas lâmpadas
fluorescentes, o mercúrio se difundiu de forma
homogênea no ar, resultando em 3,0 × 10
17
átomos de
mercúrio por metro cúbico de ar. Dada a constante de
Avogadro 6,0 × 10
23
mol
–1
, pode-se concluir que, para
este ambiente, o volume de ar e o número de vezes que a
concentração de mercúrio excede ao limite de tolerância
são, respectivamente,

a) 50 m
3
e 10.
b) 100 m
3
e 5.
c) 200 m
3
e 2,5.
d) 250 m
3
e 2.
e) 400 m
3
e 1,25.

27 - (UNIFESP SP/2007)
A contaminação de águas e solos por metais pesados tem
recebido grande atenção dos ambientalistas, devido à
toxicidade desses metais ao meio aquático, às plantas, aos
animais e à vida humana. Dentre os metais pesados há o
chumbo, que é um elemento relativamente abundante na
crosta terrestre, tendo uma concentração ao redor de 20
ppm (partes por milhão). Uma amostra de 100 g da crosta
terrestre contém um valor médio, em mg de chumbo,
igual a
a) 20.
b) 10.
c) 5.
d) 2.
e) 1.

28 - (Unimontes MG/2009)
O sal, nitrato de cálcio, foi utilizado por um estagiário
para preparar uma solução aquosa de 0,015mol/L.


21
Quanto aos íons em solução, é CORRETO afirmar que a
concentração em quantidade de matéria de íons

a) cálcio é igual a 0,03mol/L.
b) nitrato é igual a 0,09mol/L.
c) cálcio é igual a 0,0075mol/L.
d) nitrato é igual a 0,03mol/L.

29 - (Unioeste PR/2009)
Deseja-se manter o teor de fluoreto de sódio (NaF) em
dois miligramas por litro (mg L
–1
) em um tanque circular
com diâmetro de oito metros e profundidade de dois
metros. Considerando o valor de π = 3,14, a quantidade de
matéria, em mols, de fluoreto de sódio necessária para
manter o teor de fluoreto neste tanque é,
aproximadamente, de

a) 3,78 mols.
b) 0,48 mols.
c) 4,78 mols.
d) 2,78 mols.
e) 278 mols.

30 - (CEFET PR/2009)
Admitindo-se que a concentração de íons cálcio na água
do mar seja igual a 0,01mol/L, cada litro da água do mar
contém uma massa de cálcio igual a: (M(Ca) = 40 g⋅mol

1
)

a) 0,5g.
b) 0,4g.
c) 0,3g.
d) 0,2g.
e) 0,1g.

31 - (PUC RS/2009)
Três porções de sulfato de magnésio foram obtidas
fazendo-se, em cada caso, a reação total de 200 mL de
solução de ácido sulfúrico 2,0 mol/L, conforme indicado
abaixo:

Reação 1 – 0,2 mol de MgCO
3

Reação 2 – 0,4 mol de MgO
Reação 3 – 300 mL de solução 2 mol/L de MgCl
2


São corretas as relações entre as massas de MgSO
4

obtidas de

a) m
1
< m
2
< m
3

b) m
1
= m
2
< m
3

c) m
1
= m
2
= m
3

d) m
1
> m
2
> m
3

e) m
1
< m
2
= m
3


32 - (UFCG PB/2009)
A vitamina C, ou ácido ascórbico C
6
H
8
O
6
, é muitas vezes
prescrita em caso de gripe ou em período de
convalescença. Ela pode se apresentar na forma de
saquinho contendo entre outras coisas, uma massa de m
1

= 1 g de vitamina C e m
2
= 6 g de sacarose C
12
H
22
O
11
. O
conteúdo destes saquinhos deve ser dissolvido em meio-
copo de água. O volume da solução obtida é V = 100 mL.
Em relação às quantidades de matéria de vitamina C e de
sacarose contidas num saquinho e em relação às
concentrações molares destes solutos na solução, é correto
afirmar que:

a) 1,75 × 10
–2
mol e 5,68 × 10
–3
mol são as quantidades
de matéria de vitamina C e de sacarose,
respectivamente.
b) 5,68 × 10
–2
mol/L e 0,175 mol/L são as concentrações
da sacarose e da vitamina C, respectivamente.
c) A quantidade de matéria de vitamina C e a sua
concentração são, respectivamente, 5,68 × 10
–3
mol e
5,68 × 10
–2
mol/L.
d) A quantidade de matéria de sacarose e a sua
concentração são, respectivamente, 0,175 mol e 1,75
× 10
–2
mol/L.
e) A quantidade de matéria de sacarose no saquinho é 6
vezes maior do que a quantidade de vitamina C.

33 - (UFV MG/2009)
Um estudante preparou uma solução de hidróxido de
sódio dissolvendo-se 2,50 gramas deste material em
100,00 mL de água. A quantidade de hidróxido de sódio,
em mmol, e a concentração, em mol/L, da solução obtida,
são, respectivamente:

a) 6,25 x 10
–2
mmol e 6,25 x 10
–4
mol/L
b) 6,25 x 10
1
mmol e 6,25 x 10
–1
mol/L
c) 6,25 x 10
2
mmol e 2,50 x 10
–2
mol/L
d) 6,25 x 10
2
mmol e 2,50 x 10
1
mol/L

34 - (UNESP SP/2009)
Uma solução foi preparada com 17,5 g de sulfato de
potássio (K
2
SO
4
) e água suficiente para obter 500 mL de
solução.
Determine a concentração em mol·L
–1
dos íons potássio e
dos íons sulfato na solução.
Massas molares em g·mol
–1
: K = 39, S = 32, O = 16.

35 - (UFMT/2009)
Um estudante de química prepara 1 litro de cada solução
aquosa abaixo.

Solução I: Cloreto de sódio (NaCl): 0,26 molar
Solução II: Nitrato de cálcio [Ca(NO
3
)
2
]: 0,15 molar
Solução III: Sulfato de alumínio [Al
2
(SO
4
)
3
]: 0,11 molar

A relação entre as massas dos cátions presentes nas
soluções é bem próxima de:

a) 3: 2: 1
b) 1: 2: 3
c) 2: 3: 4
d) 2: 2: 3
e) 1: 1: 1

36 - (UNIFESP SP/2006)
Em intervenções cirúrgicas, é comum aplicar uma tintura
de iodo na região do corpo onde será feita a incisão. A
utilização desse produto deve-se à sua ação anti-séptica e
bactericida. Para 5 litros de etanol, densidade 0,8 g/mL, a
massa de iodo sólido, em gramas, que deverá ser utilizada
para obter uma solução que contém 0,50 mol de I
2
para
cada quilograma de álcool, será de
a) 635.


22
b) 508.
c) 381.
d) 254.
e) 127.

37 - (UFG GO/2006)
Uma amostra, com 1,00 L de gasolina, possui massa igual
a 720,0 g. A legislação especifica que a gasolina utilizada
como combustível deva ter 22% (em volume) de álcool
anidro. Considere que a densidade do etanol é de 0,78
g.mL
−1
, que a densidade do octano é de 0,70 g.cm
−3
e que
a densidade da água é de 1,00 g.cm
−3
. Determine se a
amostra de gasolina obedece à legislação.
Justifique.

38 - (FGV RJ/2008)
Uma solução contém apenas os quatro íons seguintes nas
concentrações (em mol L
–1
) especificadas:
x SO
08 , 0 Cl
10 , 0 H
15 , 0 Cu
2
4
2
=
=
=
=


+
+

O valor NÃO especificado para a concentração x do
− 2
4
SO
(em mol L
–1
) nessa solução é igual a:
a) 0,24
b) 0,16
c) 0,32
d) 0,48
e) 0,33

39 - (UFRR/2008)
Quantos gramas de sulfato de alumínio, Al
2
(SO
4
)
3
, são
necessários para preparar 6 litros de uma solução 3 molar?
Dados: Al = 27, S = 32, O = 16.
a) 342 g
b) 615 g
c) 567 g
d) 765 g
e) 6156 g

40 - (UFCG PB/2009)
Nos rótulos dos produtos industrializados se encontram
diferentes maneiras de informar a concentração dos seus
ingredientes ou constituintes.
Na primeira coluna da tabela abaixo, são dadas formulas
genéricas de expressar a concentração e na segunda
coluna, os exemplos de produtos com a informação no
rótulo em relação à sua composição. Associe a fórmula
genérica com a informação apropriada e assinale a
alternativa que apresenta a seqüência CORRETA.

Fórmula genérica
1. grama soluto x 100 / grama de solução
2. mililitro de soluto x 100 / mililitro de solução
3. grama de soluto / Litro de solução
4. moles de soluto / Litro de solução
5. miligrama de soluto / kilograma de solução

Informação no rótulo do produto
A. Teor alcoólico de 8,6% a 14% em volume do Vinho
de Mesa.
B. Teor de cafeína de 10mg/100mL de Coca cola
clássica.
C. uma amostra de 10 molar de Ácido muriático
comercial.
D. 340 ppm de enxofre (S) em Gasolina convencional.
E. 6% em massa de Água oxigenada perfumada.

a) 1-D, 2-E, 3-A, 4-B, 5-C.
b) 1-A, 2-B, 3-C, 4-D, 5-E.
c) 1-B, 2-C, 3-D, 4-E, 5-A.
d) 1-C, 2-D, 3-E, 4-A, 5-B.
e) 1-E, 2-A, 3-B, 4-C, 5-D.

41 - (UFLA MG/2009)
A quantidade máxima de mercúrio permitida na água
potável é de 5×10
–4
mg por grama de água. Essa
concentração, quando expressa em porcentagem de
massa, é:

a) 5×10
–4
%
b) 5×10
–2
%
c) 5×10
–5
%
d) 5×10
1
%

42 - (UFPA/2009)
O sulfato de alumínio, Al
2
(SO
4
)
3
, é uma substância
coagulante utilizada em uma das etapas do processo de
tratamento de águas. Uma solução aquosa de sulfato de
alumínio, de densidade 1,30 g/mL, contém 96% de massa
desse sal. Assim, a concentração em quantidade de
matéria por volume (mol/L) da solução do coagulante é,
aproximadamente, igual a

a) 0,1
b) 0,8
c) 1,6
d) 2,8
e) 3,6
Dados: Massas molares (g/mol): O = 16; Al = 27; S = 32

43 - (UECE/2009)
A água mineral com gás é obtida pela injeção de gás
carbônico. O número de mols de CO
2
contidos em uma
garrafa de 2,0 L de água mineral, com concentração de
2,2 g desse gás por litro de solução é, aproximadamente

a) 0,08.
b) 0,10.
c) 0,16.
d) 0,20.

44 - (UNIFOR CE/2008)
Quantos cm
3
de ácido sulfúrico concentrado, cuja
densidade é igual a 1,84 g/cm
3
, contendo 98% em massa
do ácido, são necessários para preparar 1,00 litro de
solução com concentração igual a 1,50 mol/L?
Dado:
Massa molar do ácido
sulfúrico = 98 g/mol
a) 10,0 cm
3

b) 20,5 cm
3

c) 41,0 cm
3

d) 81,7 cm
3

e) 100 cm
3





23
45 - (UNESP SP/2008)
O teor de vitamina C em uma determinada bebida de soja
com sabor morango foi determinado como sendo de 30
mg em uma porção de 200 mL. Dada a massa molar da
vitamina C, 176 g· mol
–1
, qual a sua concentração nessa
bebida, em mmol L
–1
?
a) 0,15.
b) 0,17.
c) 0,85.
d) 8,5.
e) 17.

46 - (UEMS /2008)
O ácido muriático vendido em casas de materiais de
construção é uma solução aquosa de ácido clorídrico 12
mol/Litro. Logo, sua concentração em grama/Litro é:
a) 0,33
b) 0,44
c) 3,3
d) 44
e) 438

47 - (MACK SP/2008)
Estudo realizado pela Faculdade de Odontologia da USP
de Bauru encontrou em águas engarrafadas,
comercializadas na cidade de São Paulo, níveis de flúor
acima do permitido pela lei.
Se consumido em grande quantidade, o flúor provoca
desde manchas até buracos nos dentes. A concentração
máxima de íons fluoreto na água para beber é de 4,2· 10
–5

mol/L, quantidade essa que corresponde aproximadamente
a
Dado: massa molar do flúor: 19 g/mol
a) 4,2· 10
–2
mg/L.
b) 2,2· 10
–2
mg/L.
c) 1,6· 10
–1
mg/L.
d) 1,9· 10
–4
mg/L.
e) 8,0· 10
–1
mg/L.

48 - (UFJF MG/2007)
Ácido muriático é o nome comercial do ácido clorídrico.
Ele pode ser utilizado para limpeza de calçamentos em
geral. A pessoa encarregada da limpeza recebeu 1,0 L de
uma solução deste ácido, na concentração de 2,0 mol/L, e
a orientação para diluí-la na proporção 1:100. Qual será a
concentração da solução preparada para limpeza em g/L?
a) 0,02.
b) 2,0.
c) 3,65.
d) 0,365.
e) 0,73.

49 - (PUC MG/2006)
Na análise química de um suco de laranja, determinou-se
uma concentração de ácido ascórbico (C
6
H
8
O
6
) igual a
264 mg/L. Nesse suco, a concentração de ácido ascórbico,
em mol/L, é igual a:
a) 3,0 x 10
–2

b) 3,0 x 10
–3

c) 1,5 x 10
–2

d) 1,5 x 10
–3




50 - (UNIMAR SP/2006)
Você se mudou para uma casa nova com uma bonita
banheira de água quente que tem a forma de um coração.
Você precisa saber o volume de água da banheira, mas,
devido à forma irregular desta, não é simples determinar
suas dimensões e calcular o volume. Por causa disso, você
procura resolver o problema usando uma tintura (1,0g de
azul de metileno, C
16
H
18
ClN
3
S, em 50,0mL de água).
Você mistura a tintura com a água da banheira fazendo
uma solução. Depois, retira uma amostra desta solução. E
em um laboratório químico, usando um instrumento,
como um espectrofotômetro, determina que a
concentração da tintura na banheira é 2,5×10
−6
mol/L.
Qual o volume aproximado de água na banheira?
C=12u; H=1u; Cl=35,5u; N=14u e S=32u
a) 500 litros
b) 1000 litros
c) 100 litros
d) 125 litros
e) 1250 litros

51 - (UFTM MG/2009)
Diariamente, diferentes objetos são lavados em nossas
casas como, por exemplo, as louças após as refeições.
Sendo assim, considere uma taça de capacidade igual a
200 mL contendo em suas paredes um “resto” de 2 mL de
um vinho que contém 11% (em volume) de álcool.

a) Sendo a densidade do etanol aproximadamente igual
a 0,8 g.mL
–1
, calcule a massa de álcool presente no
vinho que adere à taça.
b) Para lavar essa taça, de modo a deixar a menor
concentração possível de resíduos, qual dos
procedimentos abaixo traria melhores resultados?
I. Enxaguá-la duas vezes, com duas porções
sucessivas de 200 mL de água.
II. Enxaguá-la dez vezes, com dez porções
sucessivas de 20 mL de água.
Justifique sua resposta, supondo que a cada enxágüe,
permaneçam 2 mL de líquido na taça.

52 - (UFMS/2009)
O volume de HCl concentrado (12 mol/L), necessário
para preparar 500 mL de solução aquosa de HCl de
concentração 0,06 mol/L, é igual a

a) 2,5 mL.
b) 4,0 mL.
c) 5,0 mL.
d) 8,0 mL.
e) 10,0 mL.

53 - (UFRN/2009)
O soro fisiológico é formado por uma solução aquosa de
NaCl a 0,15 mol/L. Sua concentração deve ser controlada
de modo a evitar variações que podem causar danos às
células quando ele é injetado no paciente.

a) Um método para se determinar a concentração de
NaCl no soro consiste numa reação de precipitação
deste com uma solução aquosa de AgNO
3
, com
formação dos compostos NaNO
3
e AgCl. Utilizando
a tabela abaixo, indique que produto irá precipitar
nessa reação. Justifique.


24
0,019 AgCl
93 NaNO
O) H de g 100 em sal do (g
C 25 a de Solubilida de e Coeficient
Composto
3
2


°

b) Uma solução aquosa foi preparada usando-se 29 g de
NaCl em 1L de H
2
O. Determine a concentração
molar dessa solução e explique se ela pode ser usada
como soro fisiológico. Caso contrário, o que deveria
ser feito para utilizá-la como soro fisiológico?
OBS: Considere a massa molar do NaCl = 58 g/mol.

54 - (UNIFOR CE/2008)
Considere uma solução aquosa contendo 40 mg de AgNO
3

por cm
3
de solução. Por diluição, com água, pretende-se
obter uma nova solução aquosa, agora contendo 16 mg de
AgNO
3
por cm
3
de solução. Para isso, cada cm
3
da
solução original deve ser diluída a um volume de
a) 1,5 cm
3

b) 2,0 cm
3

c) 2,5 cm
3

d) 3,0 cm
3

e) 5,0 cm
3


55 - (UNIFESP SP/2008)
No mês de maio de 2007, o governo federal lançou a
Política Nacional sobre Álcool. A ação mais polêmica
consiste na limitação da publicidade de bebidas alcoólicas
nos meios de comunicação. Pelo texto do decreto, serão
consideradas alcoólicas as bebidas com teor de álcool a
partir de 0,5 ºGL. A concentração de etanol nas bebidas é
expressa pela escala centesimal Gay Lussac (ºGL), que
indica a percentagem em volume de etanol presente em
uma solução. Pela nova Política, a bebida alcoólica mais
consumida no país, a cerveja, sofreria restrições na sua
publicidade. Para que não sofra as limitações da
legislação, o preparo de uma nova bebida, a partir da
diluição de uma dose de 300 mL de uma cerveja que
apresenta teor alcoólico 4 ºGL, deverá apresentar um
volume final, em L, acima de

a) 1,0.
b) 1,4.
c) 1,8.
d) 2,0.
e) 2,4.

56 - (Unimontes MG/2008)
Uma solução foi preparada pela mistura de 0,0250 mol de
KH
2
PO
4
com 0,0300 mol de KOH e diluída a 1,00 L. A
concentração total, mol/L, dos íons K
+
, em solução, é
igual a
a) 0,0550.
b) 0,0250.
c) 0,0300.
d) 0,0800.

57 - (UERGS/2009)
O volume em litros de uma solução de HNO
3
0,1 mol.L
–1

que deve ser adicionado a 5 litros de uma solução de
HNO
3
0,5 mol.L
–1
para obter uma concentração final igual
a 0,2 mol.L
–1
é

a) 3.
b) 6.
c) 12.
d) 15.
e) 30.

58 - (Unimontes MG/2008)
As águas salgadas têm maior concentração de íons quando
comparadas àquela encontrada em águas doces.
O encontro das águas dos rios e do mar e o tempo que
determinados íons permanecem no mar podem ser um
indicador de alterações antrópicas.
Admitindo que a concentração média do íon sódio, Na
+
,
em águas doces é de 0,23 x 10
–3
mol/L e que o volume
dessas águas lançado no oceano em todo o planeta é de
3,6 x 10
16
L/ano, pode-se estimar que, em 78 x 10
6
anos
de permanência de íons Na
+
em águas salgadas, a
quantidade armazenada de matéria, mol, desses íons é,
aproximadamente,
a) 8,3 x 10
12
.
b) 6,0 x 10
23
.
c) 6,5 x 10
20
.
d) 4,7 x 10
20
.

59 - (UFG GO/2008)
Para determinar o teor alcoólico da cerveja, compara-se a
sua densidade, antes e após o processo fermentativo.
Nesse processo, a glicose (C
6
H
12
O
6
) é o principal açúcar
convertido em etanol e dióxido de carbono gasoso.
Calcule o teor alcoólico, em porcentagem de álcool por
volume, de uma cerveja cuja densidade inicial era de 1,05
g/mL e a final, de 1,01 g/mL.
Dado: densidade do álcool etílico = 0,79 g/mL

60 - (FEPECS DF/2008)
Em 1980, os médicos Irineu Velasco e Maurício da Rocha
e Silva descobriram que a utilização de soluções
hipertônicas contendo 7.500 mg de cloreto de sódio
dissolvidos em 100 mL de solução aquosa representava
uma alternativa segura e eficiente para o tratamento de
vítimas de choque hemorrágico. Os tratamentos utilizados
até então recomendavam, entre outros procedimentos, a
aplicação de grandes volumes de soro fisiológico
contendo 900 mg de cloreto de sódio em 100 mL de
solução.
Um determinado grupo de pesquisadores decidiu realizar
um estudo utilizando uma nova solução salina, preparada
a partir da combinação da solução hipertônica de Velasco
e Silva com o soro fisiológico convencional.
A razão entre os volumes de soro fisiológico e de solução
hipertônica necessários para preparar uma solução com
concentração igual a 20 g/L de NaCl é igual a:
a) 10;
b) 7,5;
c) 5;
d) 2,5;
e) 1.

61 - (PUC RS/2007)
Uma solução foi preparada misturando-se 200 mL de uma
solução de HBr 0,20 mol/L com 300 mL de solução de
HCl 0,10 mol/L. As concentrações, em mol/L, dos íons
Br

, Cl

e H+ na solução serão, respectivamente,
a) 0,04 0,03 0,04
b) 0,04 0,03 0,07
c) 0,08 0,06 0,06


25
d) 0,08 0,06 0,14
e) 0,2 0,1 0,3

62 - (UFG GO/2007)
Um analista necessita de 100 mL de uma solução aquosa
de NaCl 0,9% (m/v). Como não dispõe do sal puro,
resolve misturar duas soluções de NaCl(aq): uma de
concentração 1,5% (m/v) e outra de 0,5% (m/v). Calcule
o volume de cada solução que deverá ser utilizado para o
preparo da solução desejada.

63 - (UFMS/2007)
A mistura de duas soluções pode resultar em uma reação
química e, conseqüentemente, na formação de outras
soluções, ou simplesmente numa variação na
concentração das espécies presentes. Misturaram-se 50
mL de uma solução 1,0 mol/L AlCl
3
a 50 mL de uma
solução 1,0 mol/L de KCl. Calcule o valor obtido pela
soma das concentrações finais dos íons Al
3+
, K
+
e Cl

na
solução, emmol/L.

64 - (UFAM/2007)
Foram misturados 200 ml de solução aquosa de hidróxido
de sódio de concentração 2 mol/L, com 500 ml de solução
aquosa de cloreto de sódio de concentração 5,85 g/L. A
concentração final de íons sódio será de (Na= 23 g/mol
Cl=35,5 g/mol, O=16 g/mol, H=1 g/mol):
a) 0.32 mol/L
b) 0,71 mol/L
c) 0,38 mol/L
d) 0.64 mol/L
e) 0.35 mol/L

TEXTO: 1 - Comum à questão: 65


Utilizando-se água destilada a 25°C, foram preparadas
quatro soluções aquosas 0,1 mol/L. Em um béquer, os
sólidos foram dissolvidos com cerca de 100 mL de água
destilada, e foram medidas as temperaturas das soluções
imediatamente após a dissolução.





Ao atingir a temperatura de 25°C, as soluções foram
transferidas para um balão volumétrico de 250 mL e o
volume foi completado com água destilada. A 25°C, foi
medido o pH das quatro soluções.

65 - (UFTM MG/2007)
A massa de soluto utilizado na preparação da solução de
sulfato de amônio, massa molar 132 g/mol, e a
classificação da dissolução do hidróxido de sódio quanto
ao calor de dissolução são, respectivamente,
a) 3,3 g e endotérmica.
b) 3,3 g e exotérmica.
c) 6,6 g e endotérmica.
d) 6,6 g e exotérmica.
e) 9,9 g e endotérmica.

TEXTO: 2 - Comum à questão: 66


O crescimento das economias e a melhoria na qualidade
de vida das populações induzem a um maior consumo de
combustíveis. Além do problema de esgotamento das
reservas, outros surgem, como a poluição ambiental, a
logística e o custo de transporte de combustíveis a grandes
distâncias. Tudo isto tem estimulado a busca de
combustíveis alternativos, preferencialmente de fontes
renováveis disponíveis atualmente. Estes combustíveis
devem ser tecnicamente viáveis, economicamente
competitivos e ambientalmente aceitáveis. Vários deles –
álcool, biodiesel, hidrogênio, biomassa, entre outros – já
estão em uso ou poderão estar disponíveis em breve.

Por exemplo, recentemente o Brasil tem incentivado a
produção de biodiesel, que é obtido principalmente pela
transesterificação de óleos vegetais, processo que pode ser
representado pela seguinte equação química:

H
2
C O C
O
R
1
HC O C
O
R
2
H
2
C O C
O
R
3
+ 3 HO
H
2
C CH
3
Óleo Vegetal
(triglicerídeo)
+ Álcool



R
1
C
O
O
H
2
C CH
3
R
2
C
O
O
H
2
C CH
3
R
3
C
O
O
H
2
C CH
3
+
H
2
C O H
HC
H
2
C O
O
H
H
Biodiesel + Glicerina




66 - (UFPE/2007)
A gasolina vendida nos postos do Brasil já contém um
combustível renovável, o etanol anidro (C
2
H
5
OH). O teor
de álcool na gasolina aumentou recentemente de 20%
para 23% do volume total.

Considerando que o etanol anidro adicionado à gasolina
está isento de água, a diferença nas concentrações, em
quantidade de matéria por volume (mols/litro), devido a
este aumento no percentual de álcool anidro, é
Dados:
Densidade do etanol anidro (g/mL): 0,8
Massas molares (g/mol): H = 1; C = 12; O = 16

a) 4,0
b) 3,5
c) 1,0
d) 0,5
e) 0,05


26
TEXTO: 3 - Comum à questão: 67


Segundo projeções da indústria sucroalcooleira, a
produção de açúcar e álcool deverá crescer 50% até 2010,
tendo em vista as demandas internacionais e o
crescimento da tecnologia de fabricação de motores que
funcionam com combustíveis flexíveis. Com isso a
cultura de cana-de-açúcar está se expandido bem como o
uso de adubos e defensivos agrícolas. Aliados a isto, está
o problema da devastação das matas ciliares que tem
acarretado impactos sobre os recursos hídricos das áreas
adjacentes através do processo de lixiviação do solo.
Além disso, no Brasil cerca de 80% da cana-de-açúcar
plantada é cortada a mão, sendo que o corte é precedido
da queima da palha da planta.
A quantificação de metais nos sedimentos de córregos
adjacentes às áreas de cultivo, bem como na atmosfera, é
importante para reunir informações a respeito das
conseqüências ambientais do cultivo da cana-de-açúcar.

67 - (UEL PR/2008)
Uma análise quantitativa do filtrado indicou
contaminação por cobre após a extração ácida de uma
amostra de sedimento e filtração da mistura. A
contaminação por cobre pode ser atribuída à lixiviação de
produtos agrícolas através das chuvas. A concentração de
cobre determinada foi 20, 0 mg de cobre/kg de sedimento
seco. Sabe-se que o filtrado que contém o metal
dissolvido foi obtido a partir de 1, 00 g de sedimento seco
e 25, 0 ml da mistura dos ácidos.
Considerando que o volume do filtrado é de 25, 0 ml, a
concentração molar (mol/l) do metal no filtrado é:
Dado: Massa molar (g/mol) Cu = 64
a) 3, 13 × 10
−4

b) 4, 89 × 10
−2

c) 5, 12 × 10
−2

d) 4, 92 × 10
−3

e) 1, 25 × 10
−5


TEXTO: 4 - Comum à questão: 68


O esmalte que reveste os dentes é constituído pelo mineral
hidroxiapatita, um hidroxifosfato de cálcio. O processo de
mineralização/desmineralização do esmalte do dente pode
ser representado pela seguinte equação:

OH PO 3 Ca x O H OH ) (PO Ca (aq)
(aq)
3
4
(aq)
2
(l) 2
tita Hidroxiapa
(s) 3 4 x
− − + →

+ + +

68 - (UFJF MG/2008)
A ingestão de fluoreto pode minimizar o efeito da
desmineralização do dente. Considerando um adulto
de 65 kg e a concentração limite de 0,06 mg de íons
fluoreto por quilograma de peso corporal, qual seria o
volume de água fluoretada a ser ingerido por esse
adulto para atingir esse limite? Sabe-se que a
concentração de íons fluoreto na água de
abastecimento é de 0,8 ppm e a densidade da água
fluoretada 1,00 g/cm
3
.



TEXTO: 5 - Comum à questão: 69


Uma porção de caldo de carne, um frasco de soro
fisiológico ou um copo de água de coco são exemplos de
soluções aquosas. A expressão “semelhante dissolve
semelhante” é utilizada há muito tempo para explicar a
capacidade da água de dissolver substâncias e formar
soluções.

69 - (UNINOVE SP/2009)
Em uma solução aquosa diluída, a concentração de soluto
é
a) menor do que a solubilidade desse soluto em água.
b) máxima e independe da quantidade de solvente
utilizada.
c) independente da natureza do soluto, pois o solvente é
a água.
d) a máxima possível e está em equilíbrio com soluto
não dissolvido.
e) tão baixa que as propriedades químicas da solução
são idênticas às da água pura.

TEXTO: 6 - Comum à questão: 70


A composição nutricional de uma amostra de água de
coco está descrita na tabela apresentada a seguir.
10,0mg Magnésio
40,0mg Cálcio
320,0mg Potássio
40,0mg Sódio
0g alimentar Fibra
0g Colesterol
0g trans Gorduras
0g saturadas Gorduras
0g totais Gorduras
0g Proteínas
11g os Carboidrat
Quantidade
kJ 189 calórico Valor
COPO) (1 ML 200 DE PORÇÃO
L NUTRICIONA COMPOSIÇÃO


70 - (UNINOVE SP/2009)
Em um copo de água de coco,
a) o potássio e o sódio estão na forma atômica Me.
b) o potássio está na forma de cátion Me
2+
e o sódio
Me
+
.
c) o potássio e o sódio estão presentes na forma de
cátions Me
+
.
d) a adição de gotas de limão provoca a precipitação de
sais de sódio.
e) o número de átomos de sódio é cerca de 10 vezes
menor que o de potássio.

TEXTO: 7 - Comum à questão: 71


O HBr (pK
a
≈ –9) e o HCl (pK
a
≈ –8) são dois ácidos
fortes utilizados na indústria química. Uma solução de
HBr 48% em massa apresenta densidade igual a 1,5 g/mL
a 20 ºC. A solubilidade do HBr em água, em função da
temperatura, é apresentada na tabela.


27
406 70
468 50
533 25
582 10
612 0
água) de HBr/litro de (litro
de Solubilida
C) (º água da
a Temperatur


71 - (FGV SP/2009)
A solução aquosa de HBr a 20 ºC, que tem densidade 1,5
g/mL, apresenta concentração, em mol/L,
aproximadamente igual a

a) 5,8.
b) 7,2.
c) 8,9.
d) 15.
e) 26.

TEXTO: 8 - Comum à questão: 72


A rapadura, um produto sólido de sabor doce,
tradicionalmente consumida pela população do Nordeste
do Brasil, originou-se das crostas presas às paredes dos
tachos, durante a fabricação do açúcar. Atualmente, o
posicionamento da rapadura como “produto natural” ou
“produto rural” é um valor agregado que a diferencia do
açúcar refinado, seu principal concorrente. A produção da
rapadura, a partir do caldo de cana, envolve as etapas
apresentadas a seguir:


72 - (UNCISAL/2009)
Uma partida de cana para fabricação de rapadura foi
cortada após 12 meses de plantio e forneceu um caldo com
concentração de sacarose igual a 16g/100 mL.

Com base nessas informações, afirma-se que
I. a sacarose não contribui para a condutividade elétrica
do caldo de cana;
II. a solubilidade da sacarose em água, a 20º C, é maior
que 16 g/100 g;
III. a densidade do caldo de cana deve ser igual à densidade
da água.

Está correto o contido em
a) I e II, apenas.
b) I e III, apenas.
c) II e III, apenas.
d) I, apenas.
e) I, II e III.



TEXTO: 9 - Comum à questão: 73


Glutaraldeído (OHC–CH
2
–CH
2
–CH
2
–CHO, massa molar
= 100 g⋅mol
–1
) é um potente bactericida utilizado em
hospitais para desinfecção de diferentes materiais,
inclusive em salas de cirurgias. Essa substância é
empregada para tal finalidade sob forma de solução aquosa
de concentração igual a 2 g/100 mL.

73 - (UNCISAL/2009)
A concentração em mol/L dessa solução é, portanto, igual
a

a) 0,1.
b) 0,2.
c) 0,3.
d) 0,4.
e) 0,5.

TEXTO: 10 - Comum à questão: 74


Numa lista de 82 países pesquisados pela International
Center For Alcohol Policies, a nova lei seca brasileira
com limite de 2 decigramas de álcool por litro de sangue e
mais rígida que 63 nações. O método mais antigo para
determinar este limite e utilizando um Bafômetro (ou
Etilômetro), onde o álcool liberado nos pulmões e
assoprado para o interior do equipamento e reage segundo
a equação abaixo:

3CH
3
CH
2
OH+2K
2
Cr
2
O
7
+8H
2
SO
4

→ 3CH
3
COOH+2Cr
2
(SO
4
)
3
+2K
2
SO
4
+11H
2
O

Atualmente, o método mais utilizado e um sensor que
funcionando como uma célula de combustível, formada
por um material cuja condutividade e influenciada pelas
substancias químicas que aderem a sua superfície. A
condutividade diminui quando a substancia e o oxigênio e
aumenta quando se trata de álcool. Entre as composições
preferidas para formar o sensor destacam-se aquelas que
utilizam polímeros condutores ou filmes de óxidos
cerâmicos, como oxido de estanho (SnO
2
), depositados
sobre um substrato isolante.

74 - (Unioeste PR/2009)
Dois decigramas de etanol por litro de ar expirado (2 dg
L
–1
) apresentam, aproximadamente, a concentração molar
de

a) 3,4×10
–3
mol L
–1

b) 4,3×10
–3
mol L
–1

c) 2,0×10
–1
mol L
–1

d) 2,0 mol L
–1

e) 3,4×10
–1
mol L
–1


TEXTO: 11 - Comum à questão: 75


Considere as seguintes informações, extraídas da
embalagem de um suco de manga industrializado:

Ingredientes:


28
água, suco e polpa de manga concentrados; açúcar;
acidulante: ácido cítrico; estabilizante: goma gelana;
antioxidante: ácido ascórbico; aroma idêntico ao natural
de manga.

Informação nutricional:
quantidade por porção de 200 mL (1 copo)

44mg C Vitamina
g 120 A Vitamina
0mg Sódio
0,8g Alimentar Fibra
0g Trans Gorduras
0g Saturadas Gorduras
0g Totais Gorduras
0g Proteínas
24g os Carboidrat
434kJ Energético Valor
µ


75 - (UFTM MG/2009)
A fórmula molecular da vitamina C é C
6
H
8
O
6
. Sendo
assim, a concentração em mol/L dessa vitamina no suco
em questão é, aproximadamente,

a) 1,0 × 10
–6
.
b) 1,8 × 10
–5
.
c) 1,3 × 10
–3
.
d) 4,4 × 10
–2
.
e) 2,2 × 10
–1
.

GABARITO:

1) Gab: B
2) Gab: D
3) Gab:
a)

A curva para a pressão de 5.000 Pa está acima daquela
para a pressão de 3.000 Pa, pois um aumento da
pressão faz aumentar a solubilidade do gás na água.
b) Tomando-se um segmento linear da curva, teremos: y
1

= a x
1
+ b e y
2
= a x
2
+ b. Tomando-se, por exemplo, os
pares (5;22 e 15;16), teremos:
a = (y
2
- y
1
) / (x
2
- x
1
) →
→ a = (22 - 16) / (5 - 15) = a = - 0,60
b = y
1
- a x
1
→ b = 22 – (- 0,60 x 5) = b = 25,0
Assim, a solubilidade será zero para t = 41,7 ºC (- 0,60
x t + 25,0).
Observação- Como a solubilidade não varia
linearmente de forma perfeita com a temperatura,
dependendo do segmento de reta considerado, o
resultado pode variar entre 41,0 e 47,0 ºC.

4) Gab: B

5) Gab: D

6) Gab:
a) A concentração da solução aquosa diminuirá e, na
solução de tetracloreto de carbono, aumentará.
b) Como o I
2
é uma molécula apolar, ela terá maior
solubilidade em solventes apolares. Ao misturar as
duas soluções, haverá remoção do I
2
do meio aquoso
para o meio de tetracloreto de carbono (solvente
apolar) devido à maior solubilidade do I
2
em
tetracloreto de carbono em relação à água.
7) Gab: C
8) Gab: A
9) Gab: C
10) Gab: D
11) Gab: C
12) Gab: E
13) Gab: D
14) Gab: D
15) Gab: A
16) Gab:
(s) 2 3 2 ) ( 2 2(aq) (s)
O nH O Fe 2 O 2nH O 3 Fe 4 ⋅ + +

← l

ou simplificada:
(s) 3 2 2(aq) (s)
O Fe 2 O 3 Fe 4


+
Concentração: L / g 10 6 , 9
3 −

17) Gab: A
18) Gab:
. sol
O mg 60
2
l

19) Gab: B
20) Gab: B
21) Gab: A
22) Gab: A
23) Gab: C
24) Gab: D
25) Gab:
a) O A é o náilon e o B é o policarbonato. O polímero
mais denso submerge na solução de NaCl, e este é o
policarbonato. Isso ocorre porque a solução salina deve
ter uma densidade intermediária entre 1,14 e 1,20 g
cm
3
.
b) − A solução deve ter uma densidade mínima de 1,14
g/cm
3
. De acordo com o gráfico, essa solução tem uma
concentração = 3,7 mol/L.
− Em 1 litro dessa solução tem uma massa de 1.140 g
(1000 x 1,14).
− Nessa solução há 3,7 mols de NaCl, o que
corresponde a uma massa de 216 g de Na Cl (3,7 x
58,5).
− Então há 924 g de água (1.140 – 216).
− A quantidade de NaCl em 100 g de água é de 23,4 g
(216 x 100 /924).
Observação: Em razão da imprecisão do gráfico, o
valor de concentração está numa faixa entre 23,4 e 24,2
gramas de NaCl em 100 g de água.
26) Gab: C
27) Gab:D
28) Gab: D



29
29) Gab: C
30) Gab: B
31) Gab: E
32) Gab: C
33) Gab: B
34) Gab:
[K
+
] = 0,4 mol ⋅ L
-1

[SO
− 2
4
] = 0,2 mol ⋅ L
-1

35) Gab: E
36) Gab: B
37) Gab:
Se a gasolina tem 22% de álcool, logo, tem-se em 1000
mL de gasolina, 220 mL de álcool.
Multiplicando-se os valores em volume da gasolina e do
álcool pelos valores de densidade, tem-se a massa de
gasolina em 1000 mL.
em 1000 mL
¦
¹
¦
´
¦
= ×
= ×


g 546 cm g 70 , 0 mL 780
g 6 , 171 mL g 78 , 0 mL 220
3
1

Somando-se as duas massas temos = 717,6 g em 1000 mL
Pode-se observar que a massa (em gramas) está abaixo do
valor apresentado na questão, que é de 720 g em 1000
mL. Portanto, como a massa é maior do que a
determinada no problema, a amostra deve estar
contaminada.
38) Gab: B
39) Gab: E
40) Gab: E
41) Gab: C
42) Gab: E
43) Gab: B
44) Gab: D
45) Gab: C
46) Gab: E
47) Gab: E
48) Gab: E
49) Gab: D
50) Gab: E
51) Gab:
a) 0,176g de etanol
b) Opção II
Concentração do etanol no resíduo inicial:
L / g 88
L 1
ml 1000
mL 2
g 176 , 0
= |
¹
|

\
|
|
¹
|

\
|



52) Gab: A
53) Gab:
a) AgCl vai precipitar nessa reação por apresentar o
menor coeficiente de solubilidade (ou menor grau de
solubilidade ou por ser menos solúvel ou por ser mais
insolúvel).
AgNO
3
(aq) + NaCl (aq) → AgCl (s) + NaNO
3
(aq),
pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade
(ou menor grau de solubilidade ou por ser menos
solúvel ou por ser mais insolúvel).
ou
AgNO
3
(aq) + NaCl (aq) → AgCl↓ + NaNO
3
(aq),
pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade
(ou menor grau de solubilidade ou por ser menos
solúvel ou por ser mais insolúvel).
ou
Ag
+
(aq) + Cl

(aq) → AgCl (s),
pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade
(ou menor grau de solubilidade ou por ser menos
solúvel ou por ser mais insolúvel).
ou
Ag
+
(aq) + Cl

(aq) → AgCl↓,
pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade
(ou menor grau de solubilidade ou por ser menos
solúvel ou por ser mais insolúvel).
b) Concentração molar,
M = n/V \ M = m/(MMxV) = 29/(58x1) = 0,5 mol/L.
Essa concentração é maior do que a do soro
fisiológico (0,15 mol/L), portanto a solução não pode
ser usada como soro.
Como essa solução está mais concentrada em relação
ao soro fisiológico, o procedimento seria realizar uma
diluição com água para se obter a concentração do
soro fisiológico (0,15 mol/L).
54) Gab: C
55) Gab: E
56) Gab: A
57) Gab: D
58) Gab: C
59) Gab:
0,053 mL de etanol por mL de cerveja, ou 5,3 %.
60) Gab: C
61) Gab: D
62) Gab:
V
Sol2
= 60 mL e V
Sol1
= 40 mL
63) Gab: 03
64) Gab: D
65) Gab:B
66) Gab: D
67) Gab: E
68) Gab: V = 4,9 L
69) Gab: A
70) Gab: C
71) Gab: C
72) Gab: A
73) Gab: B
74) Gab: B
75) Gab: C

Soluções Gasosas→ ex: ar , nitrox* (N2+O2), heliox* (He+O2).

substâncias moleculares, em meio aquoso serão tratatas como soluções iônicas. Solução molecular ou não eletrolítica Solução isenta de íons “livres”. Esta solução não condutora de eletricidade e é compostas por substâncias moleculares que não sofrem ionização. Ex: glicose (C6H12O6) em solução aquosa. Vale à pena destacar que a condutividade de uma solução estará vinculada a concentração e a força dos eletrólitos que formam o sistema.

*misturas usadas em mergulho profissional.

2) Quanto à natureza do soluto: A solução será classificada segundo a capacidade do soluto em tornar o meio condutor de eletricidade ou não. Solução Iônica ou eletrolítica Solução que apresenta íons “livres” oriundos do fenômeno da dissociação ou ionização. Ex: NaCl(s)→Na+(aq) + Cl-(aq) (Dissociação iônica)

3) Quanto à solubilidade: Devido aos diversos parâmetros envolvidos na solubilidade de uma substância, é importante criar mecanismos para quantificar esta solubilidade, padronizando esta medida experimental segundo alguns critérios, tais como quantidade de solvente, temperatura, pressão e outros. COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE Quantidade máxima de soluto que satura uma quantidade padrão de solvente, numa dada temperatura. Coeficiente de solubilidade (g por 100g de água a 20º C) 36 73 31,6 0,2 0,0014

Substância NaCl NaBr KNO3 CaSO4 AgCl A figura mostra que a dissociação é acompanhada pelo fenômeno da solvatação. Nem toda solvatação promove dissociação. A dissociação é uma características de substâncias iônicas.

Segundo a quantidade de soluto dissolvido numa solução, classifica-se a solução em: Insaturada: a quantidade de soluto dissolvida é inferior ao coeficiente de solubilidade na dada temperatura. Saturada: a solução está em equilíbrio com exatamente a quantidade de soluto máxima expressa pelo coeficiente de solubilidade na dada temperatura. Saturada com corpo de fundo: a solução está em equilíbrio com exatamente a quantidade de soluto máxima expressa pelo coeficiente de solubilidade na dada temperatura e ainda apresenta a fase corpo de chão. O sistema é composto por uma quantidade de soluto superior ao coeficiente de solubilidade e portanto deve ser classificado como heterogêneo.

Ex: HCl + H2O → H3O+ + Cl- (Ionização) A ionização é uma característica de algumas substâncias moleculares, como ácidos e amônia (NH3). Apesar de

2

como a substância A mostrada no gráfico. mas a solução não cristaliza a menos que ela sofra uma perturbação externa que abale o estado da solução. A solubilização neste caso é crescente com a temperatura e é classificada como endotérmica. o valor da solubilidade volta a ser menor. quando a solução é aquecida a solubilidade aumenta. obtendo assim a solução a supersaturada Após a solução esfriar. O acetato de sódio é uma substância solúvel em água. mas a sua solubilidade não é infinita.CURVAS DE SOLUBILIDADE Gráficos que apresentam a variação da solubilidade de uma substância em função da temperatura. Observe a figura que mostra a curva de solubilidade do nitrato de potássio (KNO3). Existem substâncias que aumentam a solubilidade com o aumento da temperatura. têm solubilização exotérmica. Supersaturada: Através de modificação na temperatura durante a preparação. Regiões acima da curva expressam supersaturação e abaixo insaturação. Como exemplos têm as substâncias B e C mostradas no gráfico. A curva de solubilidade expressa às regiões de leitura que irão corresponder a uma solução supersaturada e insaturada. O ponto inflexão neste caso expressa a perda de todas as moléculas hidratação. As espécies hidratadas irão apresentar em suas curvas solubilidade os pontos de inflexão que representam perda água em função do aquecimento. Este sistema é extremamente instável e é considerado eminência de precipitação. 3 . dissolve-se uma quantidade de soluto superior ao coeficiente de solubilidade. Observe a curva solubilidade do sulfato de sódio decaidratado. Assim quando a solução entre em contato com o grão de acetato o meio sofre uma perturbação e a solução cristaliza. Uma vez que a dissolução é endotérmica. de de de de de As figuras mostram uma solução supersaturada de acetato de sódio sendo preparada e colocada em cima de um cristal do sal. Já as substâncias que possuem curva de solubilidade decrescente. A linha que compõe a curva expressa a saturação em cada temperatura.

P *Sendo k uma constante de proporcionalidade A dissolução de gases é sempre exotérmica. menos gás conseguirá ficar dissolvido. muito baixa e dependerá de condições de solubilização. o que ocorre durante a emersão em um mergulho. conseqüentemente. Os gases dissolvidos no sangue formam bolhas que obstruem as vias sangüíneas causando dor e outros sintomas. Na verdade essas bolhas servem para agitar a superfície da água e facilitar a troca gasosa com a atmosfera. estão mais agitadas. LEI DE HENRY “A concentração de gás dissolvido em um líquido é diretamente proporcional a pressão parcial exercida por este gás. doença do caixão) é o nome dado à variedade de sintomas experimentados por uma pessoa exposta a uma redução da pressão do ar que rodeia o seu corpo. Lembre-se do que acontece quando você abre uma garrafa de refrigerante. Pressão do gás: Quanto maior a pressão que um gás exerce. Não confunda uma coisa: borbulhas são constituídas por gás não dissolvido. inclusive as dos gases dissolvidos. doença dos mergulhadores. mais moléculas conseguirão penetrar no líquido. Por exemplo.” S=k. assim fica mais fácil elas escaparem do líquido e. Se as colisões tornam-se mais fortes e freqüentes. todas suas moléculas. A SOLUBILIZAÇÃO DE GASES EM LÍQUIDOS A solubilidade de gases em líquidos. pois mais fácil será romper a tensão superficial. tais como temperatura. reatividade e outras. muitos pensam que as bolhas que saem da pedra é que são responsáveis pela 4 . Este efeito é utilizado e mal compreendido em aquários. daí o aparecimento imediato das borbulhas no refrigerante. Ao aliviar a pressão do gás pela abertura da tampa. Bolhas de ar podem formar-se quando uma pessoa passa de um ambiente de alta pressão para um de baixa. Quando colocamos uma pedra porosa ligada a uma pequena bomba de ar no fundo do aquário. pressão. É um tipo de disbarismo. Quanto mais velozes mais fácil de romper as "barreiras" que encontram pelo caminho. no refrigerante um refrigerante gelado tem mais gás dissolvido que o quente? Repare pelo número de borbulhas que eles apresentam ou mesmo pela espuma que produzem quando o colocamos em um copo. mais fácil para as moléculas do gás entrarem ou saírem dele (troca gasosa). MAL DO MERGULHADOR A doença de descompressão (também " mal dos mergulhadores" mal de descompressão.introdução de gás na água. Quando o líquido está quente. ele está na forma gasosa. mais velozes são as moléculas. Temperatura do líquido: A temperatura tem a ver com o grau de agitação molecular e quanto mais agitadas. mais difícil dissolver um gás dentro dele. É o que acontece quando abrimos uma garrafa de refrigerante após agitá-la. maior o número e a força das colisões de suas moléculas com os obstáculos. é em geral. Agitação da superfície do líquido: quanto mais agitada estiver a superfície do líquido.

em gramas. não haverá formação de bolhas.(UFRN) O cloreto de sódio (NaCl). à temperatura de 80°C. Qual a massa. A seguir. III. i) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se de regiões próximas à superfície para as regiões de “águas profundas”. supersaturada e não-saturada.092% (m/v) .0 g) foi preparada. que consiste em uma solução aquosa de cloreto de sódio (NaCl) a 0.(UFPE) Uma solução composta por duas colheres de sopa de açúcar (34.2 g) e uma colher de sopa de água (18. Sabendo que: MMsacarose = 342. Isso ocorre devido a um decréscimo muito rápido da pressão sobre o mergulhador. 3) À temperatura ambiente o açúcar não pode ser considerado solvente por ser um composto sólido. em gramas. supersaturada e saturada.EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 01 . 2) O açúcar é o solvente. 2 e 3 05 . na temperatura de 30 °C: a) 250 b) 375 c) 150 d) 100 e) 500 02 . a solução foi resfriada a 40°C. saturada e supersaturada. ii) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito lentamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície. saturada. o soro fisiológico. respectivamente.(UFMS) Preparou-se uma solução saturada de nitrato de potássio (KNO3). e o açúcar o soluto. De acordo com o gráfico. iii) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito rapidamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície.(ITA SP) Quando submersos em “águas profundas”. em função da temperatura.0 g mol−1. podemos dizer que: 1) A água é o solvente. (2) e (3) do gráfico ao lado representam. não-saturada. adicionando-se o sal a 50 g de água. é representada no gráfico abaixo: 04 . soluções a) b) c) d) saturada. assinale a alternativa que indica CORRETAMENTE a massa de KNO3.0 g mol−1. uma vez que o N2 dissolvido vai lentamente sendo lentamente sendo liberado através das trocas gasosas até atingir o grau de saturação inicial. 03 . em solução aquosa. do precipitado formado? Dados: T = 80 °C S = 180 g de KNO 3 /100g de H 2 O T = 40 °C S = 60 g de KNO 3 /100g de H 2 O 5 . como o mergulhador volta lentamente. por exemplo. uma vez que sua massa é maior que a da água. aumentando a dissolução de N2 no sangue. MMágua = 18. Pfsacarose = 184 °C e Pfágua = 0 °C. presente em 750 g de solução. II. Está(ão) correta(s): a) 1 apenas b) 2 apenas c) 3 apenas d) 1 e 3 apenas e) 1. como. Os pontos (1). não-saturada e supersaturada. tem múltiplas aplicações. não há formação de bolhas devido ao aumento da pressão sobre o mergulhador. os mergulhadores necessitam voltar lentamente à superfície para evitar a formação de bolhas de gás no sangue. GABARITO: 1) Gab: A 2) Gab: A 3) Gab: 060 4) Gab: D 5) Resolução I. o que favorece a saída do N2 dissolvido no sangue (volta ao grau inicial de forma muito rápido) atingindo a saturação e formando bolhas.(UFV MG) A solubilidade do nitrato de potássio (KNO3). não-saturada.

Percentagem em peso (m/m) = peso soluto x 100 % peso solução Ex. Os peixes.18 x g    mL   = 1 180 g O Mar Morto. CONCENTRAÇÃO COMUM (C) É o quociente entre a massa do soluto e o volume da solução. Quanto maior a quantidadede soluto na solução. com verões de altas temperaturas e muito seco. Entende-se como concentração física aquela que independe da massa molar do soluto. A massa de 1 L de solução é (1 000 mL) 1. Na verdade.0 g de HCl em 100 g de solução. Quase sempre será mostrada a “quantidade” de soluto em função da “quantidade” da solução. TÍTULO (τ) τ O titulo pode ser fração em massa ou fração volumétrica o FRAÇÃO EM MASSA É o quociente entre a massa do soluto e a massa da solução.Módulo-2: (SOLUÇÕES)-Concentrações Físicas INTRODUÇÃO Existem diversas maneiras de expressar a concentração de uma solução. ele é chamado de Mar Morto. o que implica A densidade é uma propriedade específica da matéria que pode expressar também concentração. d= τ= massa da solução m = volume da solução V m massa do soluto = 1 massa da solução m Obs. que chegam pelo rio Jordão. Por isso. situa-se no Oriente Médio. Do ponto de vista climático e geográfico. O HCl comercial está rotulado 37. na região interior da Palestina. Leitura: O MAR MORTO percentagem em peso. Uma solução a 37 % contém 37. As concentrações serão divididas em físicas e químicas. maior a densidade da mesma. o Mar Morto é um lago de formato estreito e alongado.370   g solução    6 . No geral é expresso em percentual mássico.20 g de solução por cm3 de solução. É alimentado pelo rio Jordão. Ex.18 g mL-1.: A densidade geralmente é expressa em gramas por centímetro cúbico. A região é praticamente desértica. DENSIDADE (d) É o quociente entre a massa da solução e o volume da solução. A massa de HCl em 1180 g de solução é:  g HCl  (1180 g solução) = 437 g HCl  0. Esta característica impossibilita o desenvolvimento de peixes ou qualquer outra forma de vida. A fração em massa é um número adimensional e está entre zero e um. Ele está a 392 metros abaixo do nível do Mar Mediterrâneo e 417 metros sob o nível do mar (é o ponto mais baixo do planeta Terra). possuindo 82 quilômetros de comprimento e 18 quilômetros de largura. A concentração no rótulo abaixo expressa que tem 50g de NiSO4 em 1 L de solução. Sua densidade. Uma solução de densidade 1. também conhecido como lago Asfaltite. Israel e Cisjordânia.20 g/ cm3 expressa que possui 1. A quantidade considerada normal para os oceanos é de 30 gramas para cada litro de água. m massa do soluto = 1 volume da solução V Ex. morrem instantaneamente ao entrarem no lago. está região apresenta clima subtropical e semi-árido. e neste módulo você irá conhecer as principais. também chamada de gravidade específica.0 %. banhando a Jordânia. O fato é temos diversas maneiras de expressar quantidade. é 1. C= A característica marcante deste lago é a alta concentração de sal em suas águas (cerca de 300 gramas de sais para cada litro de água).

L-1. usa-se ppb. Aceitando que % (p/p) pode ser chamado de PARTES POR CEM. conforme mostra a figura ao lado.00 g solução/mL solução. b) O suco é um exemplo de uma mistura azeotrópica.(UEG GO) Um aluno resolveu fazer um suco para aplicar seus conhecimentos sobre soluções. Observar que as unidades de peso no numerador e denominador devem concordar. partes por bilhão ou ppt. Ele tinha em mãos um pacote com preparado sólido. d) Caso o aluno utilize açúcar para adoçar o suco. a solução praticamente é pura solvente e terá uma densidade essencialmente igual àquela do solvente. o sólido foi totalmente transferido para um recipiente e o volume foi completado para um litro. Quando a concentração do soluto é da ordem de uns poucos ppm ou menor. Ex. H2O2 (água oxigenada): Existe uma forma especial de se comercializar soluções de peróxido de hidrogênio. O que muda é o multiplicador da razão entre os pesos: ppb = peso soluto x 10 9 peso amostra ppt = peso soluto x 1012 peso amostra Com base nas informações do texto. ou ainda 25g por 106 mL. fará com que a massa do soluto se reduza à metade. Isto significa que 1 L de solução pesará 1. sua densidade 1. c) A concentração de soluto no suco preparado é igual a 10000 mg. Para evitar este inconveniente os químicos com freqüência mudam o multiplicador à razão do peso ou volume.0 kg ou 1000 g. presumivelmente.o FRAÇÃO EM VOLUME É o quociente entre o volume do soluto e o volume da solução. Se o solvente é água. Para concentrações ainda menores que ppm. Então ppm = peso soluto (mg) volume solução (L) 7 . Expressa-se o número de volumes de oxigênio liberados nas CNTP para cada litro de solução empregada . uma mistura de 11º tem 11 litros de álcool puro para cada 100 litros de mistura. Assim.0 L. à inconveniência de usar zeros ou potencias de 10 para rastrear a vírgula decimal. Mede-se segundo a quantidade de álcool existente para cada 100 litros da mistura. uma solução a 25 ppm contém 25 mg de soluto em 1 L de solução. a definição óbvia de PARTES POR MILHÃO (ppm) é: ppm = peso soluto x 10 6 peso amostra EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 01 . Água oxigenada 10 volumes Percentagem em volume (v/v) = volume soluto x 100 % volume solução PARTES POR MILHÃO E CORRELATOS Porcentagem não é muito usada para exprimir concentrações muito pequenas devido. do desenho e em seus conhecimentos sobre química. partes por trilhão. é CORRETO afirmar: a) A diluição do suco para um volume final de 2. Na preparação do suco. V volume do soluto = 1 volume da solução V TEOR ALCOÓLICO: Percentagem de álcool medido em graus Gay Lussac. com água pura. haverá um aumento da condutividade elétrica da solução. τ= Ex.

020 b) 0. sofreu contaminação por mercúrio em sua baía. Como exemplo de bebida não destilada tem-se o vinho (10 ºGL).5 mL c) 100 mL d) 20 mL e) 1000 mL 03 . Quantos gramas de peixe.0 ml d) 36. proveniente da fermentação da cana-de-açúcar. As bebidas não destiladas apresentam teor alcoólico de. aproximadamente.02 . em nível superior a seis decigramas por litro de sangue. os peixes foram os principais bioacumuladores do mercúrio.1 micrograma por quilograma de peso corporal por dia.3 mg c) 42 g d) 1 kg e) 140 g 04 . no máximo. Aos efeitos provocados por esses compostos de mercúrio no organismo humano deu-se o nome de “doença de Minamata”.(UEPB) Sabendo-se que um indivíduo possui 6.3 L refrigerante =50 g/L 5) Gab: C Por esses dados. em seu artigo 165. TEXTO III As bebidas alcoólicas são classificadas em dois grupos: as não destiladas e as destiladas. 0. como a cachaça (40 ºGL). que um motorista ingerirá para ser multado? (Observação: considere a densidade do álcool na temperatura ambiente de 0. 15 ºGL (15 ml de volume de álcool em 100 ml de volume da solução). a) 0. 9. Além disso.0 ml GABARITO: 1) Gab: C 2) Gab: B 3) Gab: E 4) Gab: E Cálculo da massa do açúcar contida no refrigerante comum tendo em vista que a única diferença entre os refrigerantes é a presença do açúcar: m açúcar= 331. qual o volume aproximado mínimo de vinho. proveniente da fermentação alcoólica da uva. A composição do refrigerante é a mesma em ambas. no mínimo.1 d) 20 e) 50 TEXTO: 1 . A referida lei prevê como infração. Ambas contêm o mesmo volume de líquido (300 mL) e têm a mesma massa quando vazias. dirigir sob a influência de álcool. A doença cólera é caracterizada por uma diarréia profusa e bastante líquida. uma na versão “diet” e outra na versão comum. Em Minamata.316.(UEPB) O Vibrio cholerae é uma bactéria.Comum à questão: 5 TEXTO II Lei nº.(FUVEST SP) Considere duas latas do mesmo refrigerante. foram obtidos os seguintes resultados: amostra lata com refrigerante comum lata com refrigerante “diet” massa (g) 331.8 g/m l . 05 . A infração é considerada gravíssima. de açúcar no refrigerante comum é de.5 mL b) 52. perda de audição e da coordenação muscular. se o nível médio do composto de mercúrio no peixe é de 0. para obter um litro de água não susceptível à presença do vibrião colérico? a) 10. ingestão diária aceitável. em que ocorrem disfunções do sistema nervoso central.050 8 .(UEPB) Minamata é uma cidade japonesa que.0 e com uma concentração de 5000 ppm (m/v) de cloro na água que se quer tratada.0 l de sangue em seu organismo. Uma forma de combater o vibrião é adicionar um material popularmente conhecido por “cloro líquido”. exceto por uma diferença: a versão comum contém certa quantidade de açúcar. que possui como Dose Referencial de Toxicidade.5 ml b) 90. como dormência em braços e pernas.2 c) 1. podem ser consumidos semanalmente por uma pessoa saudável que pesa 60 kg. visão nebulosa. de “cloro líquido” que se deve adicionar. e é encontrado em águas contaminadas por fezes humanas. na década de 50. enquanto a versão “diet” não contém açúcar (apenas massa desprezível de um adoçante artificial). letargia e irritabilidade. com penalidade de multa e suspensão do direito de dirigir.2 .) a) 22. pode-se concluir que a concentração. de 23 de setembro de 1997.2 316. em g/L. mantendo o pH próximo de 7.2 → m açúcar= 15g Logo a concentração será de: C = 15 g açúcar/ 0. em mililitros. como medida administrativa. na forma de CH3HgCl e CH3HgOH. classificada como vibrião por aparentar-se como uma vírgula.0 ml c) 45.1 kg b) 0. de acordo com o CNT. isto é. Pesando-se duas latas fechadas do refrigerante. no máximo. instituiu o Código Nacional de Trânsito (CNT).30 ppm? a) 0. já as destiladas apresentam teores alcoólicos elevados. ocorre retenção do veículo até a apresentação de condutor habilitado e recolhimento do documento de habilitação.503. Qual o volume.0 ml e) 48. hipoclorito de sódio a 20% (m/v).

2 mol de sal. (carga+3) = 1.2 mol/L de Al2(SO4)3 0.2 MOL/L 3 3. o A fração molar do soluto expressa o número de mols do soluto em função do número de mols total da mistura.4 mol. Ex. Seria mais adequado dizer. o termo molar passou a expressar apenas a relação g/mol. trata-se de números puros (adimensionais) e menores que a unidade. Al2(SO4)3 coeficientes concentração Então: 1 1 . quando o mol passou a ser considerado uma unidade de base do Sistema Internacional de Unidades (SI).8 gramas de H2SO4 em cada litro de solução. o X 2= número de mols do solvente n2 = número de mols total n Como é razão da mesma grandeza.2 mol/L [Al3+] = 0.2 MOL/L 9 .1 mol de H2SO4 em cada litro de solução. Sendo a massa molar do H2SO4 98 g/mol então.2 mol carga Ex.0.6mol de SO 2− 4 número de mols do soluto n1 = volume da solução (L) V 0. expressa que existe 0.1 ou 10% X2=n2/n=9/10=0. Assim.2 mol carga 0.0. Desde 1971. Considere a seguinte equação de dissociação de uma solução 0. (carga– 2) = 1. 0. concentração em quantidade de matéria e fração em quandidade de matéria.2 mol/L de Al2(SO4)3 cuja dissociação seja de 100%.6mol.4 mol/L [SO 2− ] = 0. O cálculo desta concentração é dependente da natureza deste soluto e está vinculado ao grau de dissociação ou ionização do mesmo. logo o total de mols de cargas positivas é igual ao total de mols cargas negativas. as quantidades de mol de cátions e ânions serão proporcionais aos coeficientes da equação de dissociação.4 mol de Al3+ 0. falava-se comumente em fração molar ou concentração molar. conclui-se que existem 9. o termo molar era usado para expressar a ralação mol/L. X 1= número de mols do soluto n1 = número de mols total n A fração molar do solvente expressa o número de mols do solvente em função do número de mols total da mistura. X1 + X2 =1 Dependendo do sistema a concentração em quantidade de matéria pode ser dada em função de um cátion ou de um ânion.Módulo-3: (SOLUÇÕES)-Concentrações Químicas INTRODUÇÃO Entende-se como concentração química aquela que depende da massa molar do soluto.9 ou 90% Como em cada litro há 0. µ= [Al2(SO4)3] = 0.1 mol/L de H2SO4.2 MOL/L 2 Al3+ + 3 SO 2− 4 2 2. Al2(SO4)3 2 Al3+ + 3 SO 2− 4 Ex. ou seja. Uma solução de concentração molar 0. 1L solução 0. temos: n1=m/M= 40/40= 1 mol n2=m/M= 162/18= 9 mol n= n1+ n2=10 mol X1=n1/n=1/10=0. Atualmente o uso da palavra molar para expressar a relação mol/L não é recomendado. Antes disso. CONCENTRAÇÃO EM MATÉRIA [ ] ou (µ) QUANTIDADE DE Então: É o quociente entre o número de mols do soluto e o volume em litros da solução. a concentração que para ser expressa precisa da especificação da espécie química envolvida. o Cálculo para concentração de íons FRAÇÃO EM QUANTIDADE DE MATÉRIA (X) A fração molar pode ser definida para o soluto e solvente.6 mol/L 4 È importante destacar que toda solução iônica é eletricamente neutra. Ao dissolver 40g de NaOH em 162 g de água.

L–1 apresenta quantos mols de íons Na+? a) 0.M 2 1 1 = 1000 . Considerando π = 3 . após muitos compostos intermediários.050 d) 0. 04 .50 mol de LiNO3 / quilograma de etanol. a) Calcule a molalidade da solução resultante.2 g.5 mol de glicerina em 1 kg de água. Significa que existem 2.5 MOLAL As concentrações tradicionais expressas em g/L ou mol/L estão relacionadas ao volume e esta grandeza varia com a temperatura. formará uma solução 2. c) 1. Numa série de reações. aproximadamente igual a: a) 3321 b) 4050 c) 8505 d) 9234 02 . d) 1. com fórmula estrutural C6H12O6.044 g/cm3. por ser expressa em relação á massa. estão indicadas na figura abaixo. Uma solução contém 184g de glicerina (C3H8O3) em 800g de água e apresenta densidade igual a 1.(UERJ) Em uma estação de tratamento de efluentes. 05 .082 L.9972 4) Gab: C 5) Gab: B n número de mols do soluto W= = 1 massa de solvente (kg) m2 Ex. um operador necessita preparar uma solução de sulfato de alumínio de concentração igual a 0.10 e) 0.50 molal de LiNO3 em etanol.cm–3) com 1.0 g de água. b) 1.mol–1. A alimentação intravenosa hospitalar consiste usualmente em uma solução de glicose em água com adição de sais minerais.50 mol de LiNO3 / litro de etanol. c) O volume.50 mol de LiNO3 / quilograma de solução.(UFF RJ) A glicose.6 atm. altura e diâmetro da base.atm. utiliza-se a molalidade que. Dado: R = 0.1 mol /L. é um açúcar simples e é também a principal fonte de energia para os seres humanos e outros vertebrados. Açúcares mais complexos podem ser convertidos em glicose.5 L 3) Gab: a) 0. a glicose combina-se com o oxigênio que respiramos e produz.(UEMS ) Uma solução de 20 mL de fosfato de sódio (Na3PO4) na concentração de 0. 10 .(UFOP MG) Um cubo maciço de chumbo (dPb=11 g. da solução de ácido clorídrico empregada. 184 800 . b) O volume. 03 .40 mol. b) Calcule as frações molares da glicose e da água nesta solução.0 cm de aresta é totalmente dissolvido por meio do emprego de um excesso de ácido clorídrico concentrado (36.(ITA SP) O rótulo de um frasco diz que ele contém solução 1. Considere que 1. cujas medidas internas.0028.0080 b) 0. Acompanhe os cálculos: W= 1000 . dióxido de carbono e água com liberação de energia.50 mol de LiNO3 / mol de etanol.50 g de glicose sejam dissolvidos em 64.K– 1 Determine: a) A concentração em quantidade de matéria (mol/L) da solução de ácido clorídrico empregada.5 molal. água = 0.130 molal b) glicose = 0. e) 1. em gramas.MOLALIDADE (W) É o quociente entre o número de mols do soluto e a massa de solvente em quilogramas. em litros.5 % m/m e densidade 1. Isto quer dizer que a solução contém: a) 1. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 01 . do gás liberado a 300 K e pressão de 2. para encher um recipiente cilíndrico.20 GABARITO: 1) Gab: D 2) Gab: a) 12 mol/L b) 8.50 mol de LiNO3 / litro de solução.81 mL c) 0. Assim quando é necessário grande rigor quanto à relação soluto/solvente e a temperatura do sistema. a quantidade mínima de massa de sulfato de alumínio necessária para o operador realizar sua tarefa é. m m . não varia com a temperatura. 92 = 2. mL–1).024 c) 0. em litros.

Uma solução encerra 30g de carbonato de potássio (K2CO3) em 270g de água e tem densidade igual a 1. b) Uma solução de ácido nítrico concentrado. determine a concentração molar (molaridade) do potássio no sangue.M 1 CONCENTRAÇÃO DENSIDADE COMUM / TÍTULO m1 C V 1 m m C = = → = d → = d → C = d ⋅τ m1 τ τ V V m Como a densidade geralmente é dada em g/cm3.001 mol/L b) 0. A água potável pode conter a quantidade máxima de 1. de densidade 1. Este módulo tem.(UFPE) O potássio exerce importante ação na manutenção do equilíbrio homeostático do ser humano. 02. o objetivo de apresentar estas relações e proporcionar a possibilidade de fixar através de exercícios.760 mol/L 03 .5 M 02 .(UEM PR) Assinale a(s) alternativa(s) correta(s). c) C=µ .87 mol / L M 1 138 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 01 . sob pressão. Determine: a) o título em massa da solução.001%.(UFF RJ) O ácido nítrico é um importante produto industrial. contém 63.40 g/cm3. Informe por meio de cálculos: I. O vinagre é uma solução aquosa que contém. 01. sabendo-se que a densidade da solução é igual a 1.1 C = 120 g/l 11 . Desse modo.0 mL de solução 0.5% em massa de ácido acético.195g/L. A diminuição ou o aumento de sua concentração no sangue pode causar graves efeitos no sistema neuromuscular. M1 M1=2 . E a) Escreva as equações balanceadas que representam as diferentes etapas de produção do ácido nítrico através do processo mencionado.Módulo-4: (SOLUÇÕES)-Relações entre as concentrações INTRODUÇÃO São comuns os exercícios que relacionam um tipo de concentração ao outro. Portanto pode-se afirmar que a porcentagem máxima de massa de Sr2+ por litro de água é 0. se transforma no dióxido que reagindo com a água forma o ácido nítrico e monóxido de nitrogênio. em média. O monóxido de nitrogênio.(UEM PR) Uma solução de H3PO4 apresenta concentração de 9. basta proceder de maneira análoga.005 mol/L c) 0. d .2 g/mL. Calcule sua concentração molar e seu título em massa. b) a concentração da solução em g/L.1 b) C = 1000 . (Dados: P = 31. µ ⋅ M 1 = C = 1000 ⋅ d ⋅τ Ex. usase o 1000 na fórmula para transformá-la em g/L. m1 C V 1 = = M1 → C = µ ⋅ M1 m1 µ V . RESOLUÇÃO: a) τ = m 1 1 2 m +m τ= 30 30 + 270 ∴ τ = 0.195 mol/L d) 0. (Dados: massa molar do Potássio = 39g)) a) 0. H = 1) 04 .0 x 10-4 g de íons Sr2+ por litro. o volume dessa solução que é necessário para preparar 250. em presença do oxigênio do ar. C = 1000 ⋅ d ⋅τ As relações acima citadas são as mais importantes e caso seja necessário demonstrar mais alguma. as várias formas de expressar concentrações e o modo de relacioná-las. c) concentração em quantidade de matéria.0 % em peso de ácido nítrico. CONCENTRAÇÃO COMUM / CONCENTRAÇÃO EM QUANTIDADE DE MATÉRIA. pode-se afirmar que cada litro de vinagre possui 55 g de ácido acético (dados: densidade do vinagre = 1. a molaridade da solução II. na verdade.390 mol/L e) 0. τ C = 1000 x 1. 39+ 12 + 3 .2 g/mL. por um catalisador acerca de 850ºC.2 x 0. Sabendo-se que a concentração média de potássio no soro sangüíneo é de cerca de 0. O = 16. ocorrendo a formação de monóxido de nitrogênio e água. Um dos processos para a obtenção do ácido nítrico é fazer passar amônia e ar.0 g/L). 16= 138 g/ mol µ= 120 C = ≅ 0.8 g/L. 5. A relação entre as principais concentrações poderá ser expressa da seguinte forma.

022 mol/litro. J.0 M .4 x 10-9 mol/L Dados: Cl = 35.1 mol⋅L−1 e τ = 0. com odor irritante e altamente tóxico. rancidez. é de aproximadamente 10.Comum à questão: 5 A qualidade do leite é avaliada através de análises específicas envolvendo a determinação de densidade. TEXTO: 1 . Cl = 35.6 e 2. 16.(UFPEL RS) A acidez do leite pode ser expressa em graus Dornic sendo que cada ºD corresponde a 0. Quando em solução aquosa a 40% é conhecido como formol que. Portanto pode-se afirmar que a concentração de H2O2 na água oxigenada. A tabela abaixo mostra alguns materiais que já foram encontrados no leite e suas funções fraudulentas.5% em massa de peróxido de hidrogênio (H2O2). Desta forma.04. também. Com esse procedimento. A água oxigenada é uma solução aquosa com densidade igual a 1.5. Em um balão volumétrico de 600 mL.93 mL ≅ 9.0 g/litro. Esse valor equivale a uma concentração molar aproximadamente igual a 8. GABARITO: 1) Gab: a) 4 NH 3 + 5 O 2 → 4 NO + 6 H 2 O 2 NO + O 2 → 2 NO 2 3 NO 2 + H 2 O → 2 HNO 3 + NO a) b) 14. teor de gordura. d) concentração molar em ácido lático for superior a 0.0 g/litro.F. 08.022 mol/litro. MATERIAIS Formol Urina Amido Ácido bórico e boratos FUNÇÃO Conservar evitando a ação de microrganismos “Disfarçar” a adição de água mantendo a densidade “Disfarçar” a adição de água mantendo a densidade Conservar o leite evitando a ação de microrganismos “Disfarçar” o aumento de acidez.3 (dados: H = 1.] 05 . 8. contendo 3.0 mL 2) Gab: B 3) Gab: M = 0. e) concentração molar em ácido lático estiver compreendida entre 1.6 e 2. O bicarbonato de sódio reage com o ácido lático de acordo com a equação: NaHCO 3( aq ) + H 3 C − CHOH − COOH ( aq ) → → H 3 C − CHOH − COONa ( aq ) + H 2 O ( l ) + CO 2( g ) ↑ LISBÔA. c) concentração comum em ácido lático é igual a 0. é utilizado como desinfetante.1g/litro de ácido lático – um leite é considerado impróprio para o consumo quando sua acidez é superior a 20 ºD. O = 16). b) concentração comum em ácido lático for inferior a 0.[adapt. M.C. são colocados 27 g de cloreto de sódio e água suficiente para atingir a marca de aferimento (volume exato). prepara-se uma solução de concentração em NaCl de 45 g/L (dados: Na = 23. e BOSSOLANI.816% 4) Gab: 09 5) Gab: D Bicarbonato de sódio O formaldeído ou metanal é um gás incolor. o nível máximo de íons cloreto na água potável corresponde a 300 mg/L.023 mol/litro. quando o leite está em estágio de deterioração concentração comum em ácido lático estiver compreendida entre 1.5). De modo geral. está correto afirmar que um leite não deve ser consumido quando sua (Massa Molar do ácido lático = 90 g/mol) 12 . em mols/L. Isso considerando. acidez e presença de substâncias estranhas usadas para o conservar ou mascarar a adição de água ao mesmo. In Química Nova na Escola nº 6. o formaldeído tem a propriedade de destruir microrganismos. Experiências Lácteas. 1997.0 g/mL.

µ . CI ----------.Módulo-5: (SOLUÇÕES)-Diluição e Mistura de Soluções sem Reação Química INTRODUÇÃO Nem sempre se encontra disponível.0 mol/L. Ex. Podemos então calcular: m para a solução inicial: para a solução final: C= C’= 1 V m m1 = V. Dessa situação vivida pelo químico. A adição de solvente não altera a quantidade de soluto (m1 e n1). muitas vezes é necessário promover a diluição ou até a mistura de soluções de concentrações diferentes. portanto. Na hora de empregar a solução torna-se. V = µ ’ . pois o volume aumentou de V para V’. V Considerando que a adição do solvente não altera n1. por questões de viabilidade econômica no transporte. o que provoca uma diminuição na concentração. já que o aumento de volume provoca uma diminuição na concentração na mesma proporção. podemos também promover a concentração de uma solução através da retirada de solvente. 100 → CI = 2.2 mol/L. os cálculos matemáticos serão exatamente os mesmos. após sua diluição. a execução da mesma é para grandezas inversamente proporcionais. uso de recipientes e armazenagem. a solução a ser empregada. C m1 = V’ . tem-se a expressão. respectivamente: Perceba que caso seja montada uma regra de três para calcular CF (concentração final). 50 = CF . fração molar do soluto e molaridade da solução temos. Para uma determinada experiência um químico necessita usar 50 mL de uma solução aquosa de NaOH 0. Assim como a diluição.50 mL CF -------------100 mL CI . V’ Para título em massa. mas aumenta a quantidade total de solução (massa e volume). Para concentração em quantidade de matéria: µ = n1 / V (L) → n = µ .0 L de NaOH(aq) 2. surge o seguinte problema: que volume de solução aquosa de NaOH 2. a concentração C irá diminuir para C’.0 mol/L deve ser retirado do frasco para que.2 mol/L? 13 . no entanto. CF Outra maneira de tratar a diluição é relacionar de forma direta a conservação da quantidade de soluto. No estoque está disponível apenas um frasco contendo 2. Este processo não é muito comum em termos práticos. sempre lembrando que a quantidade do soluto – seja em massa (m1). Suponha que 50 mL de um suco de laranja de concentração CI (concentração inicial) seja diluído com água até um volume final de 100 mL: m1 = m1’ CV = C’V’ Demonstrações idênticas podem ser feitas para os outros tipos de concentrações das soluções. Evidentemente a massa do soluto (m1) será a mesma na solução inicial e na final. permanece constante durante a diluição. essencial o acréscimo de solvente e este processo é chamado diluição. ou em número de mols (n1). portanto antes da diluição (µ) e depois da diluição (µ ’). na concentração desejada e para que se obtenha esta solução. mas se necessário. se obtenha 50mL de solução aquosa de NaOH 0. C’ 1 V' Uma vez que m1 é constante temos: DILUIÇÃO: Alguns produtos comerciais são vendidos em concentrações superiores ao recomendado para o seu uso.

o suco resultante da mistura entre os dois copos de suco seria um suco intermediário entre os dois sucos iniciais. cada soluto continuará com sua “quantidade” constante sofrendo apenas uma diluição do volume inicial de sua própria solução para o volume total da solução final. porém a massa de água é a soma das massas da água do suco de maracujá com a massa da água do suco de goiaba. mais forte que o suco fraco. ou seja. 500 → C’=7 g/L Perceba que o que na verdade está sendo feito é uma média ponderada com as concentrações.V=0. m1=m1’+m1’’ e V= V’+V’’. Observe: V' + V" Fazendo a diluição das espécies envolvidas: o Então: m1=m1 +m1 ’ ’’ Para o NaCl: CV = C’V’ 4 .2 mol/L . • MESMO SOLUTO Este caso de mistura de soluções é como se misturássemos dois copos de suco de maracujá. pois na solução final a massa de maracujá e a massa de goiaba são as mesmas das soluções iniciais. V’ 2 mol/L .τ= W= τ ' m' + τ " m" m' + m" 2 W' m' + W" m" 2 m' 2 + m" 2 Resolução: µ . porém mais fraco que o suco forte. podemos dizer que quando são misturadas três. levando como peso de medida os volumes misturados. uma com solutos diferentes entre si e outra a partir da mistura de soluções de mesmo soluto. De forma análoga temos: Um caso muito comum de mistura de soluções sem reação é a mistura de solutos com íon comum. Ex. 50 mL V=5 mL Devem ser retirado 5 mL do fraco estoque para preparar a solução segundo proposto o exemplo acima. para fazermos um suco de "goiabajá". solvente e solução. ou seja.2 g/L o Para o K2SO4: CV = C’V’ C= V' C' + V" C" V' + V" 10 . O que ocorre na realidade são duas diluições. MISTURAS DE SOLUÇÕES SEM REAÇÃO A mistura de soluções sem reação pode se proceder de duas maneiras. quatro ou mais soluções de solutos diferentes. observa-se o aumento na quantidade de soluto. 350=C’ . ou seja. após a misturas tanto o suco de maracujá como o suco de goiaba estarão mais fracos. portanto concluí-se que a massa dos solutos permanecem constantes enquanto a massa da água aumenta o que caracteriza uma diluição tanto do suco de maracujá como do suco de goiaba. Portanto: C= m' + m" 1 1 • SOLUTOS DIFERENTES Este caso de mistura de soluções é como se misturássemos um copo de suco de maracujá com um copo de suco de goiaba. Generalizando. V = µ ’ . 150=C’ . mas que não reagem entre si. mistura de KNO3 e KCl ou Na2SO4 e H2SO4 M= V' M ' + V" M " V' + V" 14 . 500 → C’=1. Imaginemos que um copo continha um suco "fraco" e outro copo um suco mais "forte". Quando a mistura é de soluções com o mesmo soluto.

(UERJ) Uma suspensão de células animais em um meio isotônico adequado apresenta volume igual a 1 L e concentração total de íons sódio igual a 3.L-1 0.12 03 . por meio da destilação seca da madeira.15 mol.0 b) 16.Comum à questão: 5 O metanol foi obtido pela primeira vez em 1664. a concentração total de íons sódio.L-1.L-1 0. é de: a) 13.30 mol. 0.L-1 .15 mol.2 molar. 0.25 molar de KOH a um certo volume (v) de solução 1.L-1 04 .15 mol. 0.06 mol. obtém-se uma solução 1.15 mol. partindo de uma solução estoque de concentração 3 M.7 L d) 1.(UDESC SC) Uma solução aquosa de 40% do produto da reação acima (H2CO) forma uma solução utilizada na conservação de peças anatômicas.(UERJ) Para estudar os processos de diluição e mistura foram utilizados.L-1 . respectivamente. 0. O volume (v) adicionado de solução 1.24 d) 0. 1.60 b) 0. A esse sistema foram acrescentados 3 L de água destilada.05 mol.0 02 .68 g/L.9 L 15 .1 L b) 3. a mistura final apresentou uma concentração de íons H+.36 c) 0. a solução resultante apresentará.0 c) 23. em milimol/L. onde se processará uma diluição.06 mol.09 mol.5 M.L-1 de cloreto de sódio.L-1.L-1.09 mol.L-1 de cloreto de potássio com 150 mL de solução aquosa 0.09 mol.33mL da solução estoque utilizando uma pipeta graduada.L-1 0. 0. 05 .15 mol.0 d) 40. todo o conteúdo de cada um dos frascos foi transferido para um único recipiente.L-1 0. três frascos contendo diferentes líquidos.(UFPR) Ao se misturar 100 mL de solução aquosa 0. 0.L-1 . A caracterização desses líquidos é apresentada na ilustração abaixo. por Robert Boyle (1627-1691).5 L e) 1.L-1 .09 mol. 0. Descreva a metodologia utilizada para preparar 50 mL de uma solução 0.1 mol. Em seguida.5 molar de mesma base. acrescentando 41. essa alíquota deve ser transferida para um balão volumétrico.09 mol. Considerando a aditividade de volumes e a ionização total dos ácidos.L-1.(MACK SP) Adicionando-se 600 mL de uma solução 0. inicialmente.5 molar é de: a) 0. A seguir.EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 01 .06 mol. 0.L-1. Após o processo de diluição.L-1 . GABARITO: 1) Gab: D 2) Gab: C 3) Gab: A 4) Gab:E 5) Gab: Deve-se retirar uma alíquota de 8.67mL de água destilada sob constante agitação.15 mol. igual a: a) 0. em mol×L−1.0 L c) 2. as seguintes concentrações de Na+. K+ e Cl-: a) b) c) d) e) 0. 0. TEXTO: 1 .

determine a que temperatura a solubilidade do gás ozônio em água seria nula. Esses dados são válidos para uma pressão parcial de 3.(PUC SP/2009) O gráfico a seguir representa a curva de solubilidade do nitrato de potássio (KNO3) em água. um possível gráfico de solubilidade do ozônio. permanecerá inalterada com a altitude. apresentado na figura abaixo. 17 °C. respectivamente.000 Pa. deve-se à dissolução do O2 atmosférico em água. 32 °C. A outra solução foi resfriada a uma temperatura (t) em que se percebeu o início da precipitação do sal.(UNICAMP SP/2009) A figura abaixo mostra a solubilidade do gás ozônio em água em função da temperatura. a solubilidade do O2 na água a) b) c) d) e) crescerá com o aumento da altitude. decrescerá com o aumento da altitude. a) b) c) d) e) m = 50g e t = 45ºC m = 150g e t = 22ºC m = 100g e t = 22ºC m = 150g e t = 35ºC m = 100g e t = 45ºC 03 . 16 . nesse caso. cada uma contendo 70g de nitrato de potássio (KNO3) e 200g de água. igual a a) b) c) d) e) 12 °C. A constante de equilíbrio desse processo de dissolução é igual à solubilidade do O2 aquoso. uma pressão parcial igual a 5. 02 . decrescerá independentemente da pressão atmosférica. dividida pela pressão parcial do O2 gasoso. houve início de precipitação do sólido. a formação de sistemas em equilíbrio dinâmico e a precipitação de partículas sólidas. essencial para a respiração de espécies aquáticas aeróbicas. A primeira solução foi mantida a 70ºC e. a solução deve estar a uma temperatura.EXERCÍCIOS DO CADERNO COMPLEMENTAR 01 . na figura apresentada abaixo. A solubilização em água. Para a obtenção de solução saturada contendo 200 g de nitrato de potássio em 500 g de água. Analise o gráfico abaixo que representa a solubilidade de um sal em água. b) Considerando que o comportamento da dissolução. 27 ºC. seja válido para outros valores de temperatura. foram preparadas duas soluções.(UNESP SP/2009) No gráfico. crescerá independentemente da pressão atmosférica. A análise do gráfico permite inferir que os valores aproximados da massa m e da temperatura t são. Se ao nível do mar a pressão atmosférica é de 1 atm e o oxigênio corresponde a 21% da composição do ar. 05 .(UFG GO/2009) A presença de O2 na água.(UNIR RO/2009) Adicionando diferentes tipos de sais à água é possível observar a dissolução dessas substâncias. 22 °C. encontra-se representada a curva de solubilidade do nitrato de potássio (em gramas de soluto por 1000 g de água). considerando.000 Pa do gás em contato com a água. 04 . após a evaporação de uma certa massa de água (m). Mostre como obteve o resultado. A 70ºC. agora. pode ser representada pela equação: ozônio(g) + H2O(l) → ozônio (aq) a) Esboce. Justifique. aproximadamente.

Um dos modos possíveis de reposição da água perdida pelo organismo é a ingestão de sucos e refrescos. diminui a solubilidade da glicose. 09 . A partir dos dados constantes do gráfico. em parte. é necessário dissolver até cerca de 20 g do sal em 100 mL de água pura. e) A 40º C. Pode-se afirmar que: 17 . II e III são incorretas. uma de cloreto de potássio. 10 . KH. As duas soluções são misturadas e agitadas por um tempo. aumenta a solubilidade da glicose. cuja constante de equilíbrio apropriada é ← a constante da Lei de Henry.(UEMS /2008) A presença do oxigênio dissolvido na água se deve. aumenta a solubilidade da glicose. 07 . 06 . c) temperatura. Para o processo de dissolução do O2. sendo uma em água (H2O) e outra em tetracloreto de carbono (CCl4). IV. Em seguida. duas soluções aquosas. b) temperatura. elas são separadas por decantação. o solvente mais indicado para se obter o maior rendimento no processo é o a) b) c) d) e) I. Mais de 60% do corpo humano é formado por esse líquido. todas são incorretas. III.(UFRN/2008) A água. KH. A solubilidade do oxigênio dissolvido em água a 0ºC e ao nível do mar é pouco superior a 14mg/L. II. os alunos prepararam. à sua dissolução do ar atmosférico para a água. opcionalmente. apenas III é incorreta. A figura a seguir mostra a solubilidade do gás oxigênio em água em função da temperatura. III.(FGV SP/2008) Na figura. apenas II é incorreta. composta de água. Após observarem a variação da temperatura em função do tempo.a) b) c) d) e) todas são corretas. tais como a limonada. Isso acontece porque. com corpo de fundo (partículas precipitadas). d) densidade. Um estudante observou que uma limonada fica mais doce quando o açúcar é dissolvido na água antes de se adicionar o gelo. KCl. é definida como K H = [O 2 (aq)]/pO 2 . b) A temperatura não tem influência sobre a solubilidade do sal. limão e. n a pressão atmosférica de 1 atm (760mmHg). o que acontecerá com a concentração do I2 nas duas soluções após a decantação? b) Justifique sua resposta ao item A em função das polaridades dos solventes. CaCl2. a) Assumindo que a concentração de I2 nas duas soluções é inferior ao ponto de saturação nos dois solventes. são apresentadas as curvas de solubilidade de um determinado composto em cinco diferentes solventes. com a diminuição da a) densidade. durante o preparo de cada uma dessas soluções. e uma de cloreto de cálcio. Na purificação desse composto por recristalização. d) A dissolução do sal é endotérmica. diminui a solubilidade da glicose. sob supervisão do professor. é essencial à vida no planeta. pode-se afirmar: a) A dissolução do sal é exotérmica. o solvente mais abundante na Terra. gelo. ambas com mesma concentração e em volumes iguais. O 2 (g ) → O 2 (aq) . [O2(aq)]. é proporcional à pressão parcial de oxigênio no ar atmosférico. em que pO2 é a pressão parcial de oxigênio no ar. V. açúcar (glicose). os alunos elaboraram este gráfico: São feitas as seguintes afirmações a respeito da solubilidade do gás oxigênio em água: I.(UFMG/2008) Numa aula no Laboratório de Química. A solubilidade do oxigênio em água decresce linearmente com o aumento da temperatura. II. A concentração molar de oxigênio na água. 08 . c) O gráfico representa um sal que sofre modificações em sua estrutura com a variação da temperatura. para se obter uma solução saturada.(UFC CE/2008) Considere duas soluções de iodo (I2).

coexistirão solução saturada e fase sólida no(s) tubo(s) a) 1.4. NH3. mantendo-se a temperatura a 20ºC. a) CO2 / He / NH3 b) CO2 / NH3 / He c) He / CO2 / NH3 d) He / NH3 / CO2 12 . a) b) c) d) e) 2 8. chamada de Lei Seca. além de multa de R$ 955. juntamente com os respectivos preços da bebida. 13 . assinale a alternativa em que a apresentação dos três gases. pode-se concluir que a) o teor de Cu da cachaça Y é inferior àquele estabelecido na legislação. 3. a cachaça é fabricada usando-se alambiques de cobre. 4.(MACK SP/2008) As curvas de solubilidade têm grande importância no estudo das soluções. é correto afirmar que Tubo 1: 1. a) há um aumento da solubilidade do sulfato de cério com o aumento da temperatura. A partir de 6 decigramas por litro. Tubo 4: 7. 22 1.0. aproximadamente. preparada com 100 g de água. observa-se a precipitação de 30 g desse sal. Tubo 2: 3.80. portanto uma taça de 250 mL de vinho consumida no almoço por um homem de 80 kg provocará uma concentração de álcool no sangue desse indivíduo. disponível em 03.1. de 90ºC para 20ºC. Dados: densidade do álcool 0.8 g/cm3 Fórmula do cálculo de álcool no sangue (g/L): Gramas de álcool consumidos /(Peso Corporal em kg X Coeficiente*) *Coeficiente . são gases.70.0 gramas.6 em mulheres . b) a 0ºC o nitrato de sódio é menos solúvel que o cloreto de potássio.7 em homens . segundo a ordem crescente de sua solubilidade em água líquida. e hélio. Amostra X Y W Z Pr eço por litro/R$ 2. A nova lei seca brasileira com limite de 2 decigramas de álcool por litro de sangue.20.Considerando-se as informações fornecidas por esse gráfico e outros conhecimentos sobre o assunto. e os resultados estão apresentados na tabela a seguir.67 Teor de Cu/mol ⋅ L−1 2.0 gramas.09. a punição será acrescida de prisão.0 gramas. CO2. em decigramas de álcool por litro de sangue de. prevê maior rigor contra o motorista que ingerir bebidas alcoólicas e dirigir.drricardoteixeira. dióxido de carbono. c) 2 e 3. 1. a Lei 11.50 1. prevê a perda do direito de dirigir e a retenção do veículo.(FATEC SP/2009) Sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva . b) a dissolução do KCl é um processo exotérmico. Imagine que quatro tubos contêm 20 mL de água cada e que as quantidades a seguir do sal X foram adicionadas a esses tubos: 15 . Tubo 3: 5.89 1.08) Sabe-se que o vinho tem um teor alcoólico de aproximadamente 12% em volume. Após agitação. é CORRETO afirmar que a) a dissolução do CaCl2 diminui a energia cinética média das moléculas de água.0 x10 −5 9. d) a solubilidade do KCl aumenta com o aumento da temperatura.9 x10 −5 1. Considerando-se as características de cada uma dessas substâncias. 14 .wordpress.(UFMG/2008) À temperatura de 25 ºC e pressão de 1 atm. Considerando as curvas de solubilidade dadas pelo gráfico. o que provoca contaminação da bebida pelo referido metal. d) 2. A legislação brasileira fixa em 5 mg/L a quantidade máxima de cobre tolerada na cachaça.3x10 −5 A partir das informações dadas e da análise dos resultados. e) 2.20.0. Quatro amostras de cachaça foram analisadas quanto ao teor de cobre. 2. já que a temperatura influi decisivamente na solubilidade das substâncias.5 gramas por 100 mL de água a 20ºC.0 grama.com.1 se o álcool foi consumido nas refeições (www.1x10 −5 1. 11 . c) o nitrato de sódio é a substância que apresenta a maior solubilidade a 20ºC.(UEM PR/2007) Um determinado sal X apresenta solubilidade de 12. obtém-se uma solução insaturada. b) 3 e 4. está CORRETA. as substâncias amônia. He. e) dissolvendo-se 15 g de cloreto de potássio em 50 g de água a 40ºC.(Unimontes MG/2008) Geralmente.705/08. d) resfriando-se uma solução saturada de KClO3. 3 e 4. 18 . c) a entalpia de dissolução do CaCl2 é maior que zero.

Quando uma pessoa está debilitada pela ausência desses íons. em g.11 L. 2. de O2 na água analisada. 20 . completou o volume com uma amostra de água de um lago e fechou a garrafa. que a pessoa poderá absorver após receber 100 mL dessa solução será de a) b) c) d) e) 0.9 mL.mol–1. O volume total de etanol ingerido pelo convidado durante a festa foi de: a) b) c) d) 111 mL.(UFOP MG/2009) Durante uma festa. c) a quantidade de cobre presente na cachaça W não é prejudicial à saúde. 5 000 ppm e 3.1.5 × 1025.075.(UNESP SP/2008) O teor de oxigênio dissolvido na água é um parâmetro importante na determinação das propriedades químicas e biológicas da água. Após uma semana.(UCS RS/2009) Os íons têm um papel importante nas funções básicas do nosso organismo. 2 000 ppm e 1. presente em 50 mL de solução. de cálcio (massa molar 40 g/mol) presente em 1 litro desse leite é a) b) c) d) e) 1 200. em g. 53.0 × 10 4 5.9% (m/v). A quantidade aproximada de íons sódio. massas molares: Fe = 56 g. Os íons Na+ e K+. nessa solução. 600. d) as cachaças X e Z contêm cobre acima do valor permitido pela lei.06 g/cm3.5 × 1025.(FGV SP/2008) No rótulo de uma determinada embalagem de leite integral UHT.7. 0. 15.0 × 10 2 5. é igual a a) b) c) d) 50.4 × 10–2 mol).9 × 1024.12 g. Os dados do experimento podem ser assim resumidos: volume da amostra de água = 2.0 × 101 Dado: constante de Avogadro = 6. de 5.(Unimontes MG/2009) Uma solução aquosa de cloreto de sódio. 47. 19 . A cerveja contém 5% v/v de etanol e cada copo tem um volume de 0. pode-se utilizar pequenas porções de palha de aço.L–1. 2 000 ppm e 3.59 L.4%.0 × 10 3 2. em massa. 21 . 19 .(UNESP SP/2008) Visando determinar a concentração de oxigênio dissolvido. Sobre as necessidades gerais das plantas. Nesse caso.050.5 × 10 4 1.(FGV SP/2009) A concentração crítica de elementos essenciais nas plantas é a concentração mínima necessária para o seu crescimento. quando todo oxigênio dissolvido já havia reagido com parte da palhade-aço. o estudante abriu a garrafa e separou todo o sólido (Fe0 + Fe2O3) por meio de filtração para uma nova determinação de massa.b) a cachaça mais cara apresenta a menor quantidade de cobre. massa final (Fe0 + Fe2O3) = 3. elemento N K Ca Mg P S Fe Mn mg/kg 1. A massa. de uma solução NaCl 0. calcule a concentração de oxigênio dissolvido na amostra de água. 1. na tabela são apresentadas as concentrações típicas (massa do elemento/massa da planta seca) para alguns elementos essenciais. em mol. em mg. 300. são responsáveis por manter a pressão osmótica correta em ambos os lados da membrana celular. e pode haver variação de uma espécie para outra. NaCl. 0. de NaCl. 17 . em gramas. Massas molares. pode-se afirmar que a concentração típica de manganês e o número aproximado de átomos de fósforo para 100 kg de planta seca são.500. Colocando uma porção de palha de aço em contato com 1 litro de água. 120. 1. 240. precisa repor eletrólitos rapidamente no corpo.0 g.mol–1: Fe = 56 e O = 16. 1. o uísque contém 40% v/v de etanol e cada dose corresponde a 30 mL. respectivamente. processo de tratamento térmico a alta temperatura. por exemplo. via venosa. 18 . Para se determinar a concentração de oxigênio.015. observou-se que a massa de ferrugem (óxido de ferro III) formada foi de 32 mg. Com base nos dados. um convidado ingeriu 5 copos de cerveja e 3 doses de uísque.950. a 25ºC.0 × 10 3 1. 50 ppm e 3. a quantidade de água.3.L–1.mol–1 e O = 16 g. é prescrita a introdução. consta que um copo de 200 mL deste leite contém 25% da quantidade de cálcio recomendada diariamente (2. Sendo a percentagem. Escreva a equação química para a reação de oxidação do ferro metálico e determine a concentração.0.9 × 1024. um estudante colocou um pedaço de palha-deaço (Fe0) de massa conhecida dentro de uma garrafa PET. massa inicial de Fe0 = 3. 16 . a) b) c) d) e) 50 ppm e 1.0 × 10 3 1.3 L. por 5 dias em um recipiente fechado.9 × 1025. 0.0 L.0 × 10 3 2. em mg. possui densidade igual a 1.0 × 1023 mol–1 A partir dos dados da tabela. 22 .

0 1. uma quantidade de gramas de ouro puro equivalente a: a) b) c) d) 1. A legislação brasileira estabelece como limite de tolerância para o ser humano 0. podendo atingir os cursos d´água.20 g/cm3) e náilon (densidade 1. Cerca de 13. b) 10. devido à toxicidade desses metais ao meio aquático. que são tóxicas. Dada a constante de Avogadro 6. Uma aliança de ouro 15 quilates tem massa igual a 4 g. para este ambiente. 25 . b) Qual deve ser a concentração mínima da solução.5 2.04 mg de mercúrio por metro cúbico de ar. 400 m3 e 1. o volume de ar e o número de vezes que a concentração de mercúrio excede ao limite de tolerância são.14 g/cm3). para que se observe o que está representado na figura da esquerda? 27 .0 × 1017 átomos de mercúrio por metro cúbico de ar. tendo uma concentração ao redor de 20 ppm (partes por milhão). aos animais e à vida humana. como o mercúrio (massa molar 200 g/mol).(Unimontes MG/2009) O sal. 20 .0 3. O valor que mais se aproxima do teor em massa de HCl na solução de ácido clorídrico P. foi utilizado por um estagiário para preparar uma solução aquosa de 0. quando lançadas em aterros.(FMJ SP/2009) O ácido clorídrico é uma solução aquosa. resultando em 3.015mol/L. a) A figura abaixo ilustra a separação de uma mistura de dois polímeros: policarbonato (densidade 1. Justifique.(UNIFESP SP/2007) A contaminação de águas e solos por metais pesados tem recebido grande atenção dos ambientalistas.(UERJ/2009) Muitas jóias são constituídas por ligas feitas de uma mistura de ouro puro com outros metais. 200 m3 e 2. Uma amostra de 100 g da crosta terrestre contém um valor médio. Num determinado ambiente. respectivamente. c) 5.25. de ouro 18 quilates. e) 1. em gramas de cloreto de sódio por 100 gramas de água. fácil de manusear. uma lâmpada fluorescente emite vapores de mercúrio da ordem de 20 mg.0 × 1023 mol–1.A. um polímero termoplástico menos denso que o vidro. mantendo a quantidade dos outros metais.(UNICAMP SP/2009) Na construção do Centro Olímpico de Tianjin. o mercúrio se difundiu de forma homogênea no ar. 37%. (pureza analítica) do frasco representado na figura é a) b) c) d) e) 12%. sendo n um número inteiro. em sua liga.000 m2 de chapas desse material foram utilizados na construção. ao romper-se uma dessas lâmpadas fluorescentes. 250 m3 e 2. 43%. o teto foi construído em policarbonato. d) 2. Com base na figura e no gráfico identifique os polímeros A e B. contaminam o solo.(UNIFESP SP/2008) As lâmpadas fluorescentes estão na lista de resíduos nocivos à saúde e ao meio ambiente. 24 .23 . pode-se concluir que. a) b) c) d) e) 50 m3 e 10. nitrato de cálcio. igual a a) 20.0 26 . Dentre os metais pesados há o chumbo. Uma jóia é considerada de ouro n quilates se n de sua 24 massa for de ouro. onde ocorreram os jogos de futebol. que é um elemento relativamente abundante na crosta terrestre. fortemente ácida e bastante corrosiva.5. 28 . 30%. já que essas lâmpadas contêm substâncias. Ao romper-se. às plantas. 23%. em mg de chumbo. é necessário acrescentar. muito resistente e transparente à luz solar. 100 m3 e 5. maior ou igual a 1 e menor ou igual a 24. Para transformar essa aliança em outra. que são absorvidos pelos seres vivos e.

é CORRETO afirmar que a concentração em quantidade de matéria de íons a) b) c) d) cálcio é igual a 0.68 × 10–3 mol e 5. ou ácido ascórbico C6H8O6.14. 21 . concentrações molares destes solutos na solução.(UFMT/2009) Um estudante de química prepara 1 litro de cada solução aquosa abaixo. que deverá ser utilizada para obter uma solução que contém 0.78 mols. em mol/L. respectivamente. Massas molares em g·mol–1: K = 39. densidade 0.0 mol/L. Determine a concentração em mol·L–1 dos íons potássio e dos íons sulfato na solução. respectivamente. 30 .(UFCG PB/2009) A vitamina C.3g.78 mols. de fluoreto de sódio necessária para manter o teor de fluoreto neste tanque é.01mol/L.50 x 10–2 mol/L 6. c) A quantidade de matéria de vitamina C e a sua concentração são.(UNIFESP SP/2006) Em intervenções cirúrgicas. a reação total de 200 mL de solução de ácido sulfúrico 2.50 x 101 mol/L 29 .09mol/L. conforme indicado abaixo: Reação 1 – 0. será de a) 635.68 × 10–2 mol/L.5 g de sulfato de potássio (K2SO4) e água suficiente para obter 500 mL de solução. Para 5 litros de etanol.75 × 10–2 mol e 5.1g.03mol/L.00 mL de água.4g. O = 16. cálcio é igual a 0. respectivamente. Ela pode se apresentar na forma de saquinho contendo entre outras coisas. é comum aplicar uma tintura de iodo na região do corpo onde será feita a incisão. em cada caso.78 mols.25 x 102 mmol e 2. respectivamente: a) b) c) d) 6.2g. 34 . O volume da solução obtida é V = 100 mL. 0.48 mols. da solução obtida. A quantidade de hidróxido de sódio.4 mol de MgO Reação 3 – 300 mL de solução 2 mol/L de MgCl2 São corretas as relações entre as massas de MgSO4 obtidas de a) b) c) d) e) m1 < m2 < m3 m1 = m2 < m3 m1 = m2 = m3 m1 > m2 > m3 m1 < m2 = m3 32 .(PUC RS/2009) Três porções de sulfato de magnésio foram obtidas fazendo-se.0075mol/L. é muitas vezes prescrita em caso de gripe ou em período de convalescença. e) A quantidade de matéria de sacarose no saquinho é 6 vezes maior do que a quantidade de vitamina C.68 × 10–2 mol/L e 0.50 gramas deste material em 100.8 g/mL. O conteúdo destes saquinhos deve ser dissolvido em meiocopo de água. em mols. nitrato é igual a 0. 278 mols.(CEFET PR/2009) Admitindo-se que a concentração de íons cálcio na água do mar seja igual a 0. de a) b) c) d) e) 3. em gramas.(Unioeste PR/2009) Deseja-se manter o teor de fluoreto de sódio (NaF) em dois miligramas por litro (mg L–1) em um tanque circular com diâmetro de oito metros e profundidade de dois metros.(UFV MG/2009) Um estudante preparou uma solução de hidróxido de sódio dissolvendo-se 2.(UNESP SP/2009) Uma solução foi preparada com 17. Solução I: Cloreto de sódio (NaCl): 0. Em relação às quantidades de matéria de vitamina C e de sacarose contidas num saquinho e em relação às 36 . S = 32. 0. a) 33 .175 mol e 1. uma massa de m1 = 1 g de vitamina C e m2 = 6 g de sacarose C12H22O11. a quantidade de matéria. é correto afirmar que: 1.175 mol/L são as concentrações da sacarose e da vitamina C.68 × 10–3 mol são as quantidades de matéria de vitamina C e de sacarose. nitrato é igual a 0.11 molar A relação entre as massas dos cátions presentes nas soluções é bem próxima de: a) b) c) d) e) 3: 2: 1 1: 2: 3 2: 3: 4 2: 2: 3 1: 1: 1 31 . 2.26 molar Solução II: Nitrato de cálcio [Ca(NO3)2]: 0. e a concentração.15 molar Solução III: Sulfato de alumínio [Al2(SO4)3]: 0.25 x 101 mmol e 6. são. 0.2 mol de MgCO3 Reação 2 – 0.Quanto aos íons em solução. 4. a massa de iodo sólido. 0. Considerando o valor de π = 3.03mol/L.75 × 10–2 mol/L. em mmol.25 x 10–4 mol/L 6.25 x 102 mmol e 2.5g.25 x 10–1 mol/L 6. b) 5. 0. 0. 35 . 5. d) A quantidade de matéria de sacarose e a sua concentração são. respectivamente.25 x 10–2 mmol e 6. cada litro da água do mar contém uma massa de cálcio igual a: (M(Ca) = 40 g⋅mol– 1 ) a) b) c) d) e) 0. aproximadamente.50 mol de I2 para cada quilograma de álcool. A utilização desse produto deve-se à sua ação anti-séptica e bactericida.

moles de soluto / Litro de solução 5.(UECE/2009) A água mineral com gás é obtida pela injeção de gás carbônico. 1-B.8 c) 1. 0.00 g. de densidade 1.(UFRR/2008) Quantos gramas de sulfato de alumínio.78 g.16. 6% em massa de Água oxigenada perfumada. 4-C.10 Cl − = 0.0 cm3 b) 20. Essa concentração. é uma substância coagulante utilizada em uma das etapas do processo de tratamento de águas. 381. 38 .32 d) 0. 5-E. uma amostra de 10 molar de Ácido muriático comercial.20. a concentração em quantidade de matéria por volume (mol/L) da solução do coagulante é. Na primeira coluna da tabela abaixo. 4-B.0 L de água mineral. 127. que a densidade do octano é de 0.15 H + = 0. a) b) c) d) e) 1-D. é: a) b) c) d) 5×10–4 % 5×10–2 % 5×10–5 % 5×101 % O valor NÃO especificado para a concentração x do SO 2 − 4 (em mol L ) nessa solução é igual a: a) 0. Associe a fórmula genérica com a informação apropriada e assinale a alternativa que apresenta a seqüência CORRETA. 2-D. 5-B.16 c) 0. O número de mols de CO2 contidos em uma garrafa de 2. aproximadamente a) b) c) d) 0. Teor de cafeína de 10mg/100mL de Coca cola clássica.70 g. são necessários para preparar 1. Justifique. 5-D. Assim. –1 42 .10.08. C.0 cm3 d) 81. 44 . 3-C.1 b) 0.48 e) 0. Fórmula genérica 1. 1-C. Considere que a densidade do etanol é de 0.(UFPA/2009) O sulfato de alumínio. O = 16. Al = 27. Uma solução aquosa de sulfato de alumínio.cm−3. 3-D.24 b) 0.30 g/mL. 2-B.08 SO 2 − = x 4 41 . 3-B. 4-E.2 g desse gás por litro de solução é. 2-C. D.6 Dados: Massas molares (g/mol): O = 16.0 g. com concentração de 2. 37 . 4-D.(UNIFOR CE/2008) Quantos cm3 de ácido sulfúrico concentrado.00 litro de solução com concentração igual a 1. 5-C.6 d) 2. os exemplos de produtos com a informação no rótulo em relação à sua composição. 5-A. 4-A.6% a 14% em volume do Vinho de Mesa. são dadas formulas genéricas de expressar a concentração e na segunda coluna.5 cm3 c) 41.7 cm3 e) 100 cm3 22 . A legislação especifica que a gasolina utilizada como combustível deva ter 22% (em volume) de álcool anidro. 2-E. possui massa igual a 720. 1-E. contém 96% de massa desse sal. a) 342 g b) 615 g c) 567 g d) 765 g e) 6156 g 40 . igual a a) 0.b) c) d) e) 508.50 mol/L? Dado: Massa molar do ácido sulfúrico = 98 g/mol a) 10.84 g/cm3. S = 32.(UFLA MG/2009) A quantidade máxima de mercúrio permitida na água potável é de 5×10–4 mg por grama de água. contendo 98% em massa do ácido. grama soluto x 100 / grama de solução 2. 3-A. 340 ppm de enxofre (S) em Gasolina convencional.33 39 . Al2(SO4)3.(UFG GO/2006) Uma amostra. Determine se a amostra de gasolina obedece à legislação. B. 0. Teor alcoólico de 8.8 e) 3. são necessários para preparar 6 litros de uma solução 3 molar? Dados: Al = 27.(FGV RJ/2008) Uma solução contém apenas os quatro íons seguintes nas concentrações (em mol L–1) especificadas: Cu 2 + = 0. mililitro de soluto x 100 / mililitro de solução 3. 2-A.cm−3 e que a densidade da água é de 1. 0.00 L de gasolina. Al2(SO4)3. 1-A. E. S = 32 43 .mL−1. 3-E. 254. quando expressa em porcentagem de massa. miligrama de soluto / kilograma de solução Informação no rótulo do produto A. cuja densidade é igual a 1. com 1. grama de soluto / Litro de solução 4. aproximadamente.(UFCG PB/2009) Nos rótulos dos produtos industrializados se encontram diferentes maneiras de informar a concentração dos seus ingredientes ou constituintes.

retira uma amostra desta solução. N=14u e S=32u a) 500 litros b) 1000 litros c) 100 litros d) 125 litros e) 1250 litros 51 . d) 8. determina que a concentração da tintura na banheira é 2.0mL de água). Logo. Sendo a densidade do etanol aproximadamente igual a 0. Justifique sua resposta.5×10−6 mol/L. comercializadas na cidade de São Paulo. Você precisa saber o volume de água da banheira. Qual será a concentração da solução preparada para limpeza em g/L? a) 0.17. calcule a massa de álcool presente no vinho que adere à taça. usando um instrumento. Ele pode ser utilizado para limpeza de calçamentos em geral. com formação dos compostos NaNO3 e AgCl.5u. E em um laboratório químico. não é simples determinar suas dimensões e calcular o volume.2·10–5 mol/L. 8. Você mistura a tintura com a água da banheira fazendo uma solução. 10. em mol/L. c) 3. Sendo assim. a) 53 .15.0 mol/L. é igual a: a) 3. Por causa disso. 52 .(UNIMAR SP/2006) Você se mudou para uma casa nova com uma bonita banheira de água quente que tem a forma de um coração.(PUC MG/2006) Na análise química de um suco de laranja. H=1u. Depois. a) Um método para se determinar a concentração de NaCl no soro consiste numa reação de precipitação deste com uma solução aquosa de AgNO3. A concentração máxima de íons fluoreto na água para beber é de 4.45 . Nesse suco.02. mas. Cl=35. c) 0.2·10–2 mg/L.3 d) 44 e) 438 47 . e a orientação para diluí-la na proporção 1:100. 46 .9·10–4 mg/L. b) 2. Justifique. diferentes objetos são lavados em nossas casas como.mL–1. b) Para lavar essa taça.2·10–2 mg/L.06 mol/L. qual a sua concentração nessa bebida. Utilizando a tabela abaixo. com duas porções sucessivas de 200 mL de água.6·10–1 mg/L. as louças após as refeições.(MACK SP/2008) Estudo realizado pela Faculdade de Odontologia da USP de Bauru encontrou em águas engarrafadas. d) 0.(UFRN/2009) O soro fisiológico é formado por uma solução aquosa de NaCl a 0. 49 .33 b) 0.(UNESP SP/2008) O teor de vitamina C em uma determinada bebida de soja com sabor morango foi determinado como sendo de 30 mg em uma porção de 200 mL. e) 0. considere uma taça de capacidade igual a 200 mL contendo em suas paredes um “resto” de 2 mL de um vinho que contém 11% (em volume) de álcool.0 x 10–3 c) 1.0 L de uma solução deste ácido.(UFMS/2009) O volume de HCl concentrado (12 mol/L).(UEMS /2008) O ácido muriático vendido em casas de materiais de construção é uma solução aquosa de ácido clorídrico 12 mol/Litro.5 mL. sua concentração em grama/Litro é: a) 0. você procura resolver o problema usando uma tintura (1. b) 2.5 x 10–2 d) 1.5 x 10–3 50 . quantidade essa que corresponde aproximadamente a Dado: massa molar do flúor: 19 g/mol a) 4. é igual a a) b) c) d) e) 2.0 mL. permaneçam 2 mL de líquido na taça.65. como um espectrofotômetro. e) 17. Enxaguá-la dez vezes. determinou-se uma concentração de ácido ascórbico (C6H8O6) igual a 264 mg/L. Qual o volume aproximado de água na banheira? C=12u.0 mL. supondo que a cada enxágüe. II.8 g. 176 g·mol–1. por exemplo.(UFJF MG/2007) Ácido muriático é o nome comercial do ácido clorídrico. Enxaguá-la duas vezes. indique que produto irá precipitar nessa reação. c) 1. A pessoa encarregada da limpeza recebeu 1.0g de azul de metileno. 4.85. qual dos procedimentos abaixo traria melhores resultados? I. de modo a deixar a menor concentração possível de resíduos. devido à forma irregular desta.0 mL. o flúor provoca desde manchas até buracos nos dentes. a concentração de ácido ascórbico. e) 8. 5. com dez porções sucessivas de 20 mL de água.73. b) 0. necessário para preparar 500 mL de solução aquosa de HCl de concentração 0. 23 .365.0 mL. Dada a massa molar da vitamina C.(UFTM MG/2009) Diariamente.15 mol/L. d) 1. C16H18ClN3S.44 c) 3.0·10–1 mg/L. níveis de flúor acima do permitido pela lei. em mmol L–1? a) 0. na concentração de 2. Sua concentração deve ser controlada de modo a evitar variações que podem causar danos às células quando ele é injetado no paciente. em 50. 48 . Se consumido em grande quantidade.5.0 x 10–2 b) 3.0.

0250 mol de KH2PO4 com 0. sofreria restrições na sua publicidade.0300 mol de KOH e diluída a 1.06 0. a partir da diluição de uma dose de 300 mL de uma cerveja que apresenta teor alcoólico 4 ºGL.5 ºGL. a aplicação de grandes volumes de soro fisiológico contendo 900 mg de cloreto de sódio em 100 mL de solução.3 x 1012. o preparo de uma nova bebida. 2. dos íons K+. entre outros procedimentos.5 mol. A razão entre os volumes de soro fisiológico e de solução hipertônica necessários para preparar uma solução com concentração igual a 20 g/L de NaCl é igual a: a) 10.0550.07 c) 0. deverá apresentar um volume final.0250. pretende-se obter uma nova solução aquosa. Para isso. de 1. Nesse processo.8. agora contendo 16 mg de AgNO3 por cm3 de solução. d) 0. a quantidade armazenada de matéria. 1. c) 6. a) 8. Calcule o teor alcoólico.(UNIFOR CE/2008) Considere uma solução aquosa contendo 40 mg de AgNO3 por cm3 de solução. em L. e) 1. As concentrações.03 0. b) 6. Por diluição.L–1 que deve ser adicionado a 5 litros de uma solução de HNO3 0. a cerveja. o que deveria ser feito para utilizá-la como soro fisiológico? OBS: Considere a massa molar do NaCl = 58 g/mol. dos íons Br–. Na+.4.Composto NaNO3 AgCl Coeficiente de Solubilidade a 25°C (g do sal em 100 g de H 2 O) ≈ 93 ≈ 0.03 0. antes e após o processo fermentativo.L–1 para obter uma concentração final igual a 0.0 cm3 55 . aproximadamente.019 c) 12. b) 7.1 mol. em 78 x 106 anos de permanência de íons Na+ em águas salgadas. 59 . com água. c) 5. b) 6. Os tratamentos utilizados até então recomendavam.0 cm3 e) 5. Caso contrário.5.0.01 g/mL. 54 . serão consideradas alcoólicas as bebidas com teor de álcool a partir de 0.L–1 é a) 3. os médicos Irineu Velasco e Maurício da Rocha e Silva descobriram que a utilização de soluções hipertônicas contendo 7. de uma cerveja cuja densidade inicial era de 1.7 x 1020. que indica a percentagem em volume de etanol presente em uma solução.5. desses íons é. respectivamente. d) 4.00 L.500 mg de cloreto de sódio dissolvidos em 100 mL de solução aquosa representava uma alternativa segura e eficiente para o tratamento de vítimas de choque hemorrágico. em mol/L.0. a glicose (C6H12O6) é o principal açúcar convertido em etanol e dióxido de carbono gasoso. Dado: densidade do álcool etílico = 0. b) 0.4.5 cm3 d) 3. em porcentagem de álcool por volume.10 mol/L. A concentração total. 61 .(Unimontes MG/2008) As águas salgadas têm maior concentração de íons quando comparadas àquela encontrada em águas doces.(UERGS/2009) O volume em litros de uma solução de HNO3 0.(UFG GO/2008) Para determinar o teor alcoólico da cerveja.2 mol.06 b) Uma solução aquosa foi preparada usando-se 29 g de NaCl em 1L de H2O. preparada a partir da combinação da solução hipertônica de Velasco e Silva com o soro fisiológico convencional.79 g/mL 60 . cada cm3 da solução original deve ser diluída a um volume de a) 1. acima de a) b) c) d) e) 1. em águas doces é de 0. e) 30. O encontro das águas dos rios e do mar e o tempo que determinados íons permanecem no mar podem ser um indicador de alterações antrópicas. Cl– e H+ na solução serão.04 0. Pelo texto do decreto. Para que não sofra as limitações da legislação. 58 . a) 0.08 0. 1. mol. compara-se a sua densidade. Pela nova Política. é igual a a) 0.05 g/mL e a final.(FEPECS DF/2008) Em 1980. Determine a concentração molar dessa solução e explique se ela pode ser usada como soro fisiológico. pode-se estimar que. d) 2.0 cm3 c) 2. A concentração de etanol nas bebidas é expressa pela escala centesimal Gay Lussac (ºGL).5 cm3 b) 2. o governo federal lançou a Política Nacional sobre Álcool.(UNIFESP SP/2008) No mês de maio de 2007.6 x 1016 L/ano. 56 . A ação mais polêmica consiste na limitação da publicidade de bebidas alcoólicas nos meios de comunicação.23 x 10–3 mol/L e que o volume dessas águas lançado no oceano em todo o planeta é de 3.04 0. c) 0. 24 . 57 .0300. Admitindo que a concentração média do íon sódio.20 mol/L com 300 mL de solução de HCl 0.(Unimontes MG/2008) Uma solução foi preparada pela mistura de 0. a bebida alcoólica mais consumida no país. mol/L.0800.5 x 1020. d) 15. 2.(PUC RS/2007) Uma solução foi preparada misturando-se 200 mL de uma solução de HBr 0. Um determinado grupo de pesquisadores decidiu realizar um estudo utilizando uma nova solução salina.04 b) 0.0 x 1023. em solução.

Misturaram-se 50 mL de uma solução 1. na formação de outras soluções. A 25°C. conseqüentemente.38 mol/L d) 0. 66 . Além do problema de esgotamento das reservas. Considerando que o etanol anidro adicionado à gasolina está isento de água.1 0.71 mol/L c) 0. Como não dispõe do sal puro. e foram medidas as temperaturas das soluções imediatamente após a dissolução. hidrogênio. as soluções foram transferidas para um balão volumétrico de 250 mL e o volume foi completado com água destilada.08 e) 0. emmol/L.06 0.85 g/L. d) 6.5% (m/v). c) 6. o etanol anidro (C2H5OH).0 mol/L AlCl3 a 50 mL de uma solução 1. e a classificação da dissolução do hidróxido de sódio quanto ao calor de dissolução são.9 g e endotérmica.0 mol/L de KCl. massa molar 132 g/mol.64 mol/L e) 0. O=16 g/mol. que é obtido principalmente pela transesterificação de óleos vegetais. biodiesel. preferencialmente de fontes renováveis disponíveis atualmente.0 3.05 25 .32 mol/L b) 0. em quantidade de matéria por volume (mols/litro). 64 . A concentração final de íons sódio será de (Na= 23 g/mol Cl=35.5 g/mol.5 0. resolve misturar duas soluções de NaCl(aq): uma de concentração 1.(UFPE/2007) A gasolina vendida nos postos do Brasil já contém um combustível renovável. é Dados: Densidade do etanol anidro (g/mL): 0.5 1.9% (m/v).(UFG GO/2007) Um analista necessita de 100 mL de uma solução aquosa de NaCl 0. b) 3. a logística e o custo de transporte de combustíveis a grandes distâncias. Estes combustíveis devem ser tecnicamente viáveis.3 g e endotérmica. K+ e Cl– na solução. H=1 g/mol): a) 0.(UFMS/2007) A mistura de duas soluções pode resultar em uma reação química e. biomassa. foi medido o pH das quatro soluções. 63 . entre outros – já estão em uso ou poderão estar disponíveis em breve.35 mol/L TEXTO: 1 . respectivamente. O teor de álcool na gasolina aumentou recentemente de 20% para 23% do volume total. Em um béquer.d) 0. os sólidos foram dissolvidos com cerca de 100 mL de água destilada. Calcule o volume de cada solução que deverá ser utilizado para o preparo da solução desejada. Tudo isto tem estimulado a busca de combustíveis alternativos. economicamente competitivos e ambientalmente aceitáveis.5% (m/v) e outra de 0.6 g e endotérmica.0 0. com 500 ml de solução aquosa de cloreto de sódio de concentração 5. a) 3. foram preparadas quatro soluções aquosas 0. ou simplesmente numa variação na concentração das espécies presentes. Vários deles – álcool. processo que pode ser representado pela seguinte equação química: O H2C O C O HC O C O H2C O C R3 R2 + 3 HO H2 C CH3 R1 Óleo Vegetal + Álcool (triglicerídeo) O R1 C O R2 C O R3 C O O O H2 C H2 C H2 C CH 3 H 2C CH3 + HC H 2C CH3 + Glicerina O O O H H H Utilizando-se água destilada a 25°C.Comum à questão: 66 62 . devido a este aumento no percentual de álcool anidro.Comum à questão: 65 O crescimento das economias e a melhoria na qualidade de vida das populações induzem a um maior consumo de combustíveis.3 TEXTO: 2 . outros surgem. Calcule o valor obtido pela soma das concentrações finais dos íons Al3+.14 0. 65 .8 Massas molares (g/mol): H = 1. como a poluição ambiental.(UFTM MG/2007) A massa de soluto utilizado na preparação da solução de sulfato de amônio. e) 9.6 g e exotérmica. Por exemplo.3 g e exotérmica.2 0. O = 16 a) b) c) d) e) 4.1 mol/L. a diferença nas concentrações.(UFAM/2007) Foram misturados 200 ml de solução aquosa de hidróxido de sódio de concentração 2 mol/L. recentemente o Brasil tem incentivado a produção de biodiesel. C = 12. Biodiesel Ao atingir a temperatura de 25°C.

b) máxima e independe da quantidade de solvente utilizada. d) a adição de gotas de limão provoca a precipitação de sais de sódio. 0 ml da mistura dos ácidos. O processo de mineralização/desmineralização do esmalte do dente pode ser representado pela seguinte equação: Ca x (PO 4 )3 OH (s) + H 2O(l) → x Ca 2 + (aq) + 3 PO3− (aq) + OH −(aq) ← 4 Hidroxiapa tita 68 . 13 × 10−4 b) 4. Com isso a cultura de cana-de-açúcar está se expandido bem como o uso de adubos e defensivos agrícolas. 92 × 10−3 e) 1.(UEL PR/2008) Uma análise quantitativa do filtrado indicou contaminação por cobre após a extração ácida de uma amostra de sedimento e filtração da mistura. a concentração molar (mol/l) do metal no filtrado é: Dado: Massa molar (g/mol) Cu = 64 a) 3. Considerando um adulto de 65 kg e a concentração limite de 0. c) independente da natureza do soluto. 0 ml. 70 .Comum à questão: 70 A composição nutricional de uma amostra de água de coco está descrita na tabela apresentada a seguir. A concentração de cobre determinada foi 20. tendo em vista as demandas internacionais e o crescimento da tecnologia de fabricação de motores que funcionam com combustíveis flexíveis.TEXTO: 3 .Comum à questão: 71 O HBr (pKa ≈ –9) e o HCl (pKa ≈ –8) são dois ácidos fortes utilizados na indústria química.0mg 40.5 g/mL a 20 ºC. um frasco de soro fisiológico ou um copo de água de coco são exemplos de soluções aquosas. é importante para reunir informações a respeito das conseqüências ambientais do cultivo da cana-de-açúcar. 0 mg de cobre/kg de sedimento seco. Sabe-se que o filtrado que contém o metal dissolvido foi obtido a partir de 1. em função da temperatura.0mg 10.(UNINOVE SP/2009) Em uma solução aquosa diluída. 89 × 10−2 c) 5. 69 . d) a máxima possível e está em equilíbrio com soluto não dissolvido. A solubilidade do HBr em água. Além disso. TEXTO: 7 .Comum à questão: 67 TEXTO: 5 . 00 g de sedimento seco e 25. 67 . qual seria o volume de água fluoretada a ser ingerido por esse adulto para atingir esse limite? Sabe-se que a concentração de íons fluoreto na água de abastecimento é de 0.(UFJF MG/2008) A ingestão de fluoreto pode minimizar o efeito da desmineralização do dente. no Brasil cerca de 80% da cana-de-açúcar plantada é cortada a mão. é apresentada na tabela. e) o número de átomos de sódio é cerca de 10 vezes menor que o de potássio. sendo que o corte é precedido da queima da palha da planta. Considerando que o volume do filtrado é de 25. b) o potássio está na forma de cátion Me2+ e o sódio Me+. 25 × 10−5 TEXTO: 4 . Uma solução de HBr 48% em massa apresenta densidade igual a 1.(UNINOVE SP/2009) Em um copo de água de coco. Aliados a isto.8 ppm e a densidade da água fluoretada 1. um hidroxifosfato de cálcio. bem como na atmosfera. c) o potássio e o sódio estão presentes na forma de cátions Me+. pois o solvente é a água. 12 × 10−2 d) 4. A expressão “semelhante dissolve semelhante” é utilizada há muito tempo para explicar a capacidade da água de dissolver substâncias e formar soluções. e) tão baixa que as propriedades químicas da solução são idênticas às da água pura.0mg 320. 26 .Comum à questão: 69 Segundo projeções da indústria sucroalcooleira. A contaminação por cobre pode ser atribuída à lixiviação de produtos agrícolas através das chuvas. a concentração de soluto é a) menor do que a solubilidade desse soluto em água. está o problema da devastação das matas ciliares que tem acarretado impactos sobre os recursos hídricos das áreas adjacentes através do processo de lixiviação do solo. COMPOSIÇÃO NUTRICIONAL PORÇÃO DE 200 ML (1 COPO) Valor calórico 189 kJ Quantidade Carboidratos Proteínas Gorduras totais Gorduras saturadas Gorduras trans Colesterol Fibra alimentar Sódio Potássio Cálcio Magnésio 11g 0g 0g 0g 0g 0g 0g 40.06 mg de íons fluoreto por quilograma de peso corporal. A quantificação de metais nos sedimentos de córregos adjacentes às áreas de cultivo.0mg O esmalte que reveste os dentes é constituído pelo mineral hidroxiapatita. a produção de açúcar e álcool deverá crescer 50% até 2010.Comum à questão: 68 Uma porção de caldo de carne. a) o potássio e o sódio estão na forma atômica Me.00 g/cm3. TEXTO: 6 .

2. depositados sobre um substrato isolante. 8. a partir do caldo de cana. 0. apenas. Glutaraldeído (OHC–CH2–CH2–CH2 –CHO.2. a nova lei seca brasileira com limite de 2 decigramas de álcool por litro de sangue e mais rígida que 63 nações. Essa substância é empregada para tal finalidade sob forma de solução aquosa de concentração igual a 2 g/100 mL. III.Comum à questão: 72 TEXTO: 10 . a concentração molar de a) b) c) d) e) 3.5. TEXTO: 11 . aproximadamente. formada por um material cuja condutividade e influenciada pelas substancias químicas que aderem a sua superfície. II e III. durante a fabricação do açúcar. originou-se das crostas presas às paredes dos tachos. como oxido de estanho (SnO2). O método mais antigo para determinar este limite e utilizando um Bafômetro (ou Etilômetro). apresenta concentração. 7. envolve as etapas apresentadas a seguir: Numa lista de 82 países pesquisados pela International Center For Alcohol Policies.1. II. Entre as composições preferidas para formar o sensor destacam-se aquelas que utilizam polímeros condutores ou filmes de óxidos cerâmicos. afirma-se que I. A produção da rapadura. em mol/L.(Unioeste PR/2009) Dois decigramas de etanol por litro de ar expirado (2 dg L–1) apresentam. onde o álcool liberado nos pulmões e assoprado para o interior do equipamento e reage segundo a equação abaixo: 3CH3CH2OH+2K2Cr2O7+8H2SO4 → → 3CH3COOH+2Cr2(SO4)3+2K2SO4+11H2O Atualmente. a sacarose não contribui para a condutividade elétrica do caldo de cana. igual a a) b) c) d) e) 0. 0.(UNCISAL/2009) A concentração em mol/L dessa solução é. 73 . Está correto o contido em a) I e II. b) I e III. que tem densidade 1.Comum à questão: 73 71 . inclusive em salas de cirurgias. e) I. TEXTO: 8 .(FGV SP/2009) A solução aquosa de HBr a 20 ºC. 0.0×10–1 mol L–1 2.5 g/mL. o posicionamento da rapadura como “produto natural” ou “produto rural” é um valor agregado que a diferencia do açúcar refinado.9. tradicionalmente consumida pela população do Nordeste do Brasil. seu principal concorrente. extraídas embalagem de um suco de manga industrializado: Ingredientes: 27 da . o método mais utilizado e um sensor que funcionando como uma célula de combustível. A condutividade diminui quando a substancia e o oxigênio e aumenta quando se trata de álcool. Com base nessas informações. portanto.Temperatura da água (º C) 0 10 25 50 70 Solubilidade (litro de HBr/litro de água) 612 582 533 468 406 TEXTO: 9 .3.Comum à questão: 74 A rapadura. a densidade do caldo de cana deve ser igual à densidade da água. é maior que 16 g/100 g. 15. 0. c) II e III.4×10–3 mol L–1 4. a solubilidade da sacarose em água. d) I.4. apenas.4×10–1 mol L–1 72 . um produto sólido de sabor doce. a 20º C. apenas.0 mol L–1 3.Comum à questão: 75 Considere as seguintes informações. aproximadamente igual a a) b) c) d) e) 5.(UNCISAL/2009) Uma partida de cana para fabricação de rapadura foi cortada após 12 meses de plantio e forneceu um caldo com concentração de sacarose igual a 16g/100 mL. Atualmente. apenas. 74 .3×10–3 mol L–1 2. massa molar = 100 g⋅mol–1) é um potente bactericida utilizado em hospitais para desinfecção de diferentes materiais.8. 26.

antioxidante: ácido ascórbico.0 e 47. b) − A solução deve ter uma densidade mínima de 1. 4. aroma idêntico ao natural de manga. 19) Gab: B 20) Gab: B 21) Gab: A 22) Gab: A 23) Gab: C 24) Gab: D 25) Gab: a) O A é o náilon e o B é o policarbonato.0).a x1 → b = 22 – (. Observação. − Nessa solução há 3.0. ela terá maior solubilidade em solventes apolares. estabilizante: goma gelana. os pares (5.60 x 5) = b = 25.14 g/cm3. o que corresponde a uma massa de 216 g de Na Cl (3. 4) Gab: B 5) Gab: D 6) Gab: a) A concentração da solução aquosa diminuirá e. teremos: y1 = a x1 + b e y2 = a x2 + b. 2.000 Pa está acima daquela para a pressão de 3.16) / (5 .8g 0mg 120µg 44mg dependendo do segmento de reta considerado.Como a solubilidade não varia linearmente de forma perfeita com a temperatura.água.7 ºC (. De acordo com o gráfico.15) = a = . a concentração em mol/L dessa vitamina no suco em questão é.140 – 216). 1. Informação nutricional: quantidade por porção de 200 mL (1 copo) Valor Energético Carboidratos Proteínas Gorduras Totais Gorduras Saturadas Gorduras Trans Fibra Alimentar Sódio Vitamina A Vitamina C 434kJ 24g 0g 0g 0g 0g 0.60 b = y1 . a) b) c) d) e) 1. 2 Fe 2 O 3 ⋅ nH 2 O (s) → ← ou simplificada: 4 Fe (s) + 3 O 2(aq) Concentração: 9. aproximadamente.14 e 1.0 × 10–6. a solubilidade será zero para t = 41.22 e 15. e este é o policarbonato. 26) Gab: C 27) Gab:D 28) Gab: D 28 .7 mol/L. O polímero mais denso submerge na solução de NaCl. − A quantidade de NaCl em 100 g de água é de 23. essa solução tem uma concentração = 3. aumentará. b) Tomando-se um segmento linear da curva. pois um aumento da pressão faz aumentar a solubilidade do gás na água. 1. − Em 1 litro dessa solução tem uma massa de 1. na solução de tetracloreto de carbono.0. 7) Gab: C 8) Gab: A 9) Gab: C 10) Gab: D 11) Gab: C 12) Gab: E 13) Gab: D 14) Gab: D 15) Gab: A 16) Gab: 4 Fe (s) + 3 O 2(aq) + 2nH 2 O (l ) → ← 75 .20 g cm3.2 gramas de NaCl em 100 g de água.0 ºC.4 e 24. − Então há 924 g de água (1. suco e polpa de manga concentrados.7 mols de NaCl. haverá remoção do I2 do meio aquoso para o meio de tetracloreto de carbono (solvente apolar) devido à maior solubilidade do I2 em tetracloreto de carbono em relação à água. Tomando-se.8 × 10–5.4 × 10–2.7 x 58.x1) → → a = (22 . o valor de concentração está numa faixa entre 23.000 Pa.0 Assim.16). acidulante: ácido cítrico. por exemplo.4 g (216 x 100 /924). Isso ocorre porque a solução salina deve ter uma densidade intermediária entre 1. Sendo assim.60 x t + 25.0. 2 Fe 2 O 3 (s) GABARITO: 1) Gab: B 2) Gab: D 3) Gab: a) A curva para a pressão de 5.5).140 g (1000 x 1. Observação: Em razão da imprecisão do gráfico. b) Como o I2 é uma molécula apolar.(UFTM MG/2009) A fórmula molecular da vitamina C é C6H8O6.y1) / (x2 .2 × 10–1. Ao misturar as duas soluções. o resultado pode variar entre 41.6 ⋅ 10 −3 g / L 17) Gab: A 18) Gab: 60 mg O 2 l sol.3 × 10–3.14). açúcar. teremos: a = (y2 .

60) Gab: C 61) Gab: D 62) Gab: VSol2 = 60 mL e VSol1 = 40 mL 63) Gab: 03 64) Gab: D 65) Gab:B 66) Gab: D 67) Gab: E 68) Gab: V = 4.053 mL de etanol por mL de cerveja. o procedimento seria realizar uma diluição com água para se obter a concentração do soro fisiológico (0. tem-se a massa de gasolina em 1000 mL. pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade (ou menor grau de solubilidade ou por ser menos solúvel ou por ser mais insolúvel). a amostra deve estar contaminada.6 g em 1000 mL Pode-se observar que a massa (em gramas) está abaixo do valor apresentado na questão.5 mol/L.3 %. pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade (ou menor grau de solubilidade ou por ser menos solúvel ou por ser mais insolúvel). ou Ag+(aq) + Cl– (aq) → AgCl↓. pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade (ou menor grau de solubilidade ou por ser menos solúvel ou por ser mais insolúvel). em 1000 mL  220 mL × 0. pois apresenta o menor coeficiente de solubilidade (ou menor grau de solubilidade ou por ser menos solúvel ou por ser mais insolúvel). que é de 720 g em 1000 mL. M = n/V \ M = m/(MMxV) = 29/(58x1) = 0. 38) Gab: B 39) Gab: E 40) Gab: E 41) Gab: C 42) Gab: E 43) Gab: B 44) Gab: D 45) Gab: C 46) Gab: E 47) Gab: E 48) Gab: E 49) Gab: D 50) Gab: E 51) Gab: a) 0. b) Concentração molar.29) Gab: C 30) Gab: B 31) Gab: E 32) Gab: C 33) Gab: B 34) Gab: [K+] = 0. Como essa solução está mais concentrada em relação ao soro fisiológico. ou AgNO3 (aq) + NaCl (aq) → AgCl↓ + NaNO3 (aq).70 g cm −3 = 546g  Somando-se as duas massas temos = 717.6g  780 mL × 0.176g de etanol b) Opção II Concentração do etanol no resíduo inicial:  0. 54) Gab: C 55) Gab: E 56) Gab: A 57) Gab: D 58) Gab: C 59) Gab: 0. AgNO3 (aq) + NaCl (aq) → AgCl (s) + NaNO3 (aq). Multiplicando-se os valores em volume da gasolina e do álcool pelos valores de densidade. 220 mL de álcool. portanto a solução não pode ser usada como soro. Portanto. logo.78 g mL−1 = 171.4 mol ⋅ L-1 [SO 2 − ] = 0.15 mol/L). tem-se em 1000 mL de gasolina.15 mol/L). ou Ag+(aq) + Cl–(aq) → AgCl (s).2 mol ⋅ L-1 4 35) Gab: E 36) Gab: B 37) Gab: Se a gasolina tem 22% de álcool.9 L 69) Gab: A 70) Gab: C 71) Gab: C 72) Gab: A 73) Gab: B 74) Gab: B 75) Gab: C 29 .176g  1000ml     = 88g / L  2mL  1L  52) Gab: A 53) Gab: a) AgCl vai precipitar nessa reação por apresentar o menor coeficiente de solubilidade (ou menor grau de solubilidade ou por ser menos solúvel ou por ser mais insolúvel). ou 5. Essa concentração é maior do que a do soro fisiológico (0. como a massa é maior do que a determinada no problema.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful