Você está na página 1de 4

Camaleão

Por Yanna Dias Costa


Graduação em Ciências Biológicas (Unicamp, 2012)
Mestrado Profissional em Conservação da Fauna Silvestre (UFSCar e Fundação Parque
Zoológico de São Paulo, 2015).

Ouça este conteúdo0:0004:26Audima


Camaleão é o nome popular dado às espécies que pertencem à
família Chamaeleonidae. São répteisda ordem Squamata. De acordo com o estudo de
fósseis, esta família se separou da Agamidae há 100 milhões de anos, existindo hoje
mais de 150 espécies, mas apenas 80 estão descritas e a maior parte delas está na África,
ilha de Madagascar, além da península arábica, sul da Espanha, Sri Lanka e Índia.
Conforme a espécie, desenvolve-se em habitas distintos, que vai de desertos e savanas a
florestas tropicais e montanhas. Na Amazônia existem camaleões introduzidos pelos
portugueses não são nativos daqui.

São bem conhecidos popularmente por apresentarem características peculiares, como


girar os olhos independentemente um do outro (seu cérebro consegue associar as duas
imagens recebidas, os olhos podem girar em até 360°, sendo que suas pálpebras são
unidas) e mudar a coloração de sua pele. Nem todas as espécies possuem a capacidade
de mudar de cor. As que mudam, podem fazer isso em 20 segundos. A pele é dividida
em duas camadas sobrepostas, e a mais externa contém células especiais, chamadas
de cromatóforos, que realizam esta mudança. Os tons e as circunstâncias para que ela
ocorra variam entre as espécies, podendo ser para camuflagem, alguma resposta social,
ou às mudanças das condições ambientais. Geralmente as cores mais escuras aparecem
quando estão irritados ou querendo amedrontar outro indivíduo. Quando cortejam as
fêmeas ficam mais coloridos, com cores mais claras.
Camaleão-pantera. Foto: Cathy Keifer / Shutterstock.com

Suas patas possuem dedos fundidos, formando pinças para se agarrarem nas árvores ou
arbustos. Possuem línguas extremamente extensas, falha de pterigoide, redução do
número de costelas esternais, perda da porção gilar e dos poros femorais e as espécies
arbóreas possuem cauda preênsil. As espécies variam de 2,5 cm a 68 cm de
comprimento. Não são surdos, mas a audição não é boa, enxergam a luz ultravioleta,
que os estimula, uma vez que age sobre a glândula pineal.

Camaleões geralmente possuem hábitos diurnos e forrageiam insetos como moscas,


mariposas, joaninhas, gafanhotos e pequenos vertebrados (há registros de aves na dieta
de espécies maiores). A tática é ficar horas esperando aparecer a presa e se deslocar
lentamente até ela. Usam sua língua estendida, que pode alcançar duas vezes o tamanho
do seu corpo, para grudar o inseto na ponta que parece uma ventosa e captura-lo. É
curioso que conseguem fixar um olho na presa, enquanto utiliza o outro para verificar a
presença de animais na sua volta. Possuem dimorfismo sexual, que varia entre as
espécies, mas geralmente machos já são maiores que as fêmeas, além de variar a
coloração e outras características.
A maioria das espécies é ovípara. Não são animais sociais e mudam de cor quando
detectam a presença de outro indivíduo. São animais solitários, juntando-se apenas na
época do acasalamento. As fêmeas depositam os ovos em locais escondidos, enterrados,
por exemplo, e não há cuidado parental.

Camaleão-pantera. Foto: Jan Bures / Shutterstock.com

É comum serem comercializados como animais de estimação em vários lugares do


mundo, inclusive no Brasil. Na Amazônia e no Nordeste existe o lagarto iguana, que é
chamado de camaleão, mas pertence a uma outra família (Iguanidae).

Referências:
http://animaldiversity.org/accounts/Chamaeleonidae/

http://web.archive.org/web/20080820084937/http://magma.nationalgeographic.com/nge
xplorer/0210/articles/mainarticle.html

https://nationalgeographic.sapo.pt/natureza/grandes-reportagens/518-camaleoes-artistas-
da-cor

https://pt.wikipedia.org/wiki/Camaleão

Arquivado em: Répteis