Você está na página 1de 1

“Os atuais desafios de ser professor de Educação Física na Educação

Básica”

Gesielly Henrique de Souza

A Educação Física é um campo que historicamente busca definir sua identidade


dentro do contexto escolar, desde sua introdução nas escolas brasileiras teve um papel
social de doutrinação dos corpos; no início do século XX com a ginástica que
condicionava o corpo à eugenia e a uma moral hegemônica; com a introdução dos
processos tecnicistas de educação no currículo regular, o esporte passou a ser a forma
com a que o sistema e o estado subvertiam as praticas da Educação Física, com intuito
de mascarar a conjuntura da sociedade e manter os corpos fortes e ativos para o
mercado de trabalho; com o final da cooperação do Programa de Assistência Brasileiro-
Americana ao Ensino Elementar (PABAEE) (que foi um intercambio entre o Brasil e os
Estados Unidos da America) o currículo nacional passou a ter como referencias as
ciências humanas e sociais, fazendo com que a Educação Física passasse a ter interesse
em uma formação integral do individuo, ampliando a sua possibilidade de intervenção e
sinalizando uma nova função na sociedade.

Tendo como perspectiva a atuação do professor de Educação Física no Ensino


Básico, a intervenção é variada e ampla, no que se refere às leis que regulamentam o
ensino dessa disciplina, sendo um componente obrigatório dentro do currículo regular
básico. Em contra ponto, vemos que a falta de identidade da área faz com que esses
conteúdos não sejam tratados com a devida importância dentro do currículo regular.

Quando se pensa em uma atuação docente, em um contexto ideal, o professor de


Educação Física tem uma variada possibilidade de temas para utilizar em suas aulas,
como o esporte, a dança, as praticas circenses, a ginástica, as lutas, os jogos, no entanto,
a maioria das escolas não possui recursos para a realização das atividades que o
professor possa desejar fazer. Sendo que esses recursos não são efetivados por questões
burocráticas e hierárquicas, o que faz com que a atuação docente não seja integralmente
efetivada, o que desmotiva o professor, reduz a possibilidade de aprendizagem dos
alunos e mantém as idéias equivocadas a respeito da Educação Física. Mesmo com
essas dificuldades, creio que a atuação docente nessa área é de grande importância para
a formação integral e autônoma do discente, pois temos a possibilidade do trato com o
corpo e sua integralidade, sendo isso singular dentro do currículo.