Você está na página 1de 4

Cartografia, água e doenças

Planejamento para disciplina de Geografia do 6º ano do Ensino Fundamental II.

PLANO DE AULA DO 6º ANO


LIZ GIARETTA
Disciplina
Geografia
Conteúdos
– Poluição e contaminação das águas doces.
– Doenças causadas por águas impróprias para consumo.
– Mapa temático.
Duração
2 aulas de 50 a 60 minutos.
Tema
Cartografia, água e doenças.
Objetivos
– Investigar quais são as doenças causadas pelo uso e consumo de água não tratada.
– Produzir e analisar um mapa temático mostrando a incidência de óbitos ocasionados
pela diarreia e gastroenterite (inflamação da mucosa que envolve o estômago e o
intestino).
– Desenvolver atitudes de cuidado com a saúde.
– Perceber se no lugar onde vive há prestação adequada de serviços públicos essenciais,
como coleta de lixo, captação de esgoto e água tratada.
Materiais
• Cópias de um mapa político do Brasil com divisão estadual;
• lápis de cor.

Atividade motivacional
Solicite aos alunos que:
– observem se no lugar onde vivem há saneamento básico que disponibilize água tratada
para o consumo das famílias e coleta de esgoto e lixo;
– realizem uma pesquisa em livros, revistas e sites sobre as principais doenças causadas
por água contaminada (cólera, febre tifoide, verminoses, diarreia, hepatite A, entre
outras);
– consultem em atlas mapas temáticos que representam os fenômenos utilizando cores.
Conhecimento prévio
– Questione os alunos sobre o que sabem a respeito de doenças causadas pelo uso ou
consumo de água contaminada.
– Verifique se os alunos conhecem algumas regras importantes para evitar doenças. Por
exemplo, tomar água filtrada ou fervida, lavar as mãos antes de se alimentar e após
utilizar o sanitário, etc.
Estratégias
1. Inicie a aula comentando com os alunos que um relatório divulgado pela Organização
das Nações Unidas (ONU) em março de 2010, intitulado: “Água Doente”, informa que
1,8 milhão de crianças menores de cinco anos morre diariamente em todo o mundo em
razão de doenças causadas pelo uso e consumo de água sem tratamento. Essa
quantidade de óbitos é maior do que os óbitos ocasionados por variados tipos de
violência. O Brasil, a despeito de concentrar cerca de 16% de toda a água doce
disponível no planeta, infelizmente, enfrenta o problema da poluição e contaminação de
parte significativa de suas fontes hídricas. A Pesquisa Nacional por Amostra de
Domicílios (PNAD) publicada pelo IBGE demonstra que, em 2008, somente 50% dos
domicílios brasileiros possuíam rede coletora de esgoto. Na Região Norte, onde se
concentra a maior bacia hidrográfica do planeta, apenas 9,5% dos domicílios são
servidos por esse tipo de rede e na Região Nordeste esse percentual é de apenas 11%. As
demais regiões brasileiras, embora apresentem percentual maior de domicílios servidos
por rede coletora de esgoto, estão muito longe de ter o saneamento básico adequado
para evitar que a população seja atingida por doenças causadas por uso e consumo de
água contaminada. Ou seja, ainda há muitos brasileiros que morrem em razão da
precariedade ou ausência de saneamento básico em todo o país. Essa situação ocorre,
sobretudo, nas áreas de maior concentração populacional em que o despejo de esgotos
sem tratamento nas águas ocorre com maior intensidade.
2. Depois de repassar essas informações aos alunos, questione-os sobre como é a
disponibilidade de saneamento básico no lugar onde vivem, se está satisfatória ou se
deve melhorar. Em seguida, informe-lhes que vão produzir um mapa retratando a
incidência de óbitos ocasionados pela diarreia, doença infecciosa causada por água
imprópria para consumo, que mais mata no Brasil, principalmente crianças com menos
de cinco anos de idade.
Para isso, distribua para cada aluno uma cópia de um mapa político com a divisão
estadual somente com o contorno e solicite-lhes que escrevam as siglas dos estados nos
locais adequados.
3. Com base nos dados da tabela a seguir, que retrata a quantidade em números
absolutos de óbitos causados pela diarreia, os alunos vão produzir um mapa temático
usando cores. É importante salientar que a tabela apresenta apenas casos notificados da
doença, porém, há muitos casos de óbitos ocasionados por diarreia que não são
informados aos órgãos competentes. Há também um percentual expressivo da
população que é acometido por essa doença e consegue, após tratamento adequado,
sobreviver a ela. Em seguida, instrua os alunos a agrupar os valores da tabela a seguir
em classes e a definir cores para representá-las. Sugerimos o estabelecimento de 4
classes, conforme segue: 0 a 100; 101 a 200; 201 a 300; + de 300. Assim, a intensidade
da ocorrência do fenômeno no espaço será demonstrada visualmente no mapa, por meio
de cores ou tonalidades diferentes.
Óbitos ocasionados por diarreia e gastroenterite originária de infecção presumível no
Brasil por unidades da federação (2007)
Unidade da federação Quantidade de óbitos
Região Norte 429
Rondônia 34
Acre 9
Amazonas 122
Roraima 18
Pará 202
Amapá12
Tocantins 32
Região Nordeste 2.279
Maranhão 253
Piauí 170
Ceará 303
Rio Grande do Norte 113
Paraíba 127
Pernambuco 576
Alagoas 209
Sergipe 75
Bahia 453
Região Sudeste 1.121
Minas Gerais 341
Espírito Santo 43
Rio de Janeiro 189
São Paulo 548
Região Sul 384
Paraná 175
Santa Catarina65
Rio Grande do Sul 144
Região Centro-Oeste 273
Mato Grosso do Sul 133
Mato Grosso 47
Goiás 65
Distrito Federal 28
Total do BRASIL 4.486
Fonte: DATASUS. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS –
DATASUS. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br>. Acesso em: 29 mar. 2010.
4. Feito isso, instrua os alunos a escolher uma cor para colorir o mapa, que será mais
clara quando a quantidade de óbitos for menor e mais escura quando for maior, e com
intensidades de cores diferentes para as classes intermediárias. Instrua os alunos a criar
uma legenda para orientar a leitura do mapa e a inserir as partes adequadas (título,
orientação e fonte) nessa representação.
5. Depois que o mapa for concluído pelos alunos, solicite que analisem as informações
retratadas nessa representação. Prepare uma série de questões e perguntas para serem
respondidas por eles.
Exemplo baseado na tabela acima (2007): Quais os estados mais atingidos pela diarreia
no Brasil: Pernambuco, São Paulo, Bahia e Minas Gerais, os três últimos localizados na
Região Sudeste, considerada a mais populosa do país. Então, mesmo sendo a região que
concentra a maior riqueza econômica, a população do Sudeste é atingida por doenças
causadas por água contaminada, o que leva a crer na ausência ou precariedade do
saneamento básico nessa região. Já a Região Norte, que apresenta o menor percentual
de domicílios servidos por rede coletora de esgoto, é a que menos apresenta casos de
óbitos por diarreia. Uma justificativa para esse fato é a baixa densidade demográfica da
região.
Promova outras análises utilizando o mapa e a tabela, por exemplo, verificando quais
regiões são mais atingidas pela diarreia. Também é possível comparar a incidência da
doença no estado em que os alunos vivem em relação a outros estados da região ou do
país, entre outras possibilidades.
6. Você pode trabalhar com a professora de Matemática. Os resultados quantitativos,
pesquisados pelos alunos, possibilita a criação de situações-problema, operações,
porcentagem, etc. em virtude do tipo de análise que está sendo realizada.
Avaliação
Em grupos, os alunos elaboram, com sua orientação, uma “cartilha” sobre as três
principais doenças causadas pelas águas (diarreia, cólera e febre tifoide). Nessa cartilha,
serão inseridos textos escritos, imagens e dados estatísticos pesquisados por eles. Pode
constar, ainda, informações sobre os principais sintomas de cada doença e os cuidados
que cada um deve ter para evitar contraí-la.
Também pode ser avaliado se eles compreenderam a importância do saneamento básico
para a saúde da população e como é esse serviço no lugar onde vivem.
Avalie a necessidade de enfatizar suas explicações sobre a produção e análise dos mapas
temáticos, caso houver necessidade. A autoavaliação dos alunos no que se refere aos
cuidados com a saúde também deve ser considerada.
Quer saber mais? Pesquisa Brasil – Saneamento, Educação, Trabalho e Turismo. (FGV).
Instituto Trata Brasil. Disponível em:
<http://www3.fgv.br/ibrecps/trata_fase2/index.htm>. Acesso em: 1º abr. 2010.