Você está na página 1de 5

4

Introdução:

Vivemos uma crise ética sem precedentes. A sociedade civil e suas


instituições sofrem cotidianamente o impacto dessa crise. A igreja, por
sua vez, não se mantém ilesa, nem pode se eximir diante dessa situação
tão grave. Mas onde buscar, na Bíblia, respostas para esse dilema que
hoje enfrentamos?

Mesmo não havendo escrito propriamente um manual sobre ética cristã,


Reifler oferece-nos, na primeira parte de seu livro, uma excelente e breve
introdução a esta disciplina teológica. Na segunda divisão, ele nos
mostra porque os dez mandamentos ainda valem hoje para o povo de
Deus. Finalmente, ele dedica a maior parte de seu estudo à exposição
sistemática das leis do Sinai.

Os 10 mandamentos é um modelo de Ética Cristã e parte da revelação


de Deus. A validade moral do decálogo para a igreja é real e sua
observância é recomendada para todos os homens de boa vontade. Jesus
Cristo ordenou a observância do decálogo quando falou sobre os
mandamentos, Ele disse: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu
coração e ao teu próximo como a ti mesmo” (Mat. 22: 39).
5

1 – O PRIMEIRO MANDAMENTO

Ensinam-nos que o conhecimento de Deus e o desejo de servi-lo, expulsam do nosso


coração as ambições e as aspirações inferiores (Dt. 6: 5).

2 – O SEGUNDO MANDAMENTO

Ensina-nos que se nós buscarmos ajudas visíveis ao culto a Deus, isto será para nós um
tropeço espiritual para a verdadeira adoração em espírito e em verdade.
Não devemos inclusive usar imagens de Jesus Cristo, dos anjos, dos apóstolos, dos santos,
nem nada que se compare ao que há em cima nos céus e nem embaixo na terra.

3 – O TERCEIRO MANDAMENTO

Ensina-nos que a nossa linguagem deve ser pura, não devemos usar de linguagem profana,
que é tão comum hoje em dia, dentro de casa, na TV, no rádio, na roda de amigos.
Nos ensina ainda que não devemos cometer o perjúrio, que devemos ser contra a hipocrisia
e ainda contra todo o ensino contrário à verdade de Deus.

4 – O QUARTO MANDAMENTO

Ensina-nos que precisamos de uma parada para cuidarmos de nós e da nossa saúde,
procurarmos viver com qualidade de vida, que precisamos de descanso, de contemplação.
O quarto mandamento fala da santificação do dia do Senhor. Deus designou 6 dias de
trabalho e um dia de descanso para o bem do homem. Todas as mudanças são prejudiciais
à saúde do homem e à harmonia da criação.

Três perguntas precisam ser feitas:


1. Como passo o meu domingo?
2. Qual a minha posição para com o culto dominical?
3. Como sirvo a minha Igreja no dia do Senhor?

A santificação do Dia do Senhor não é idéia humana ou coisa de igreja, não, nasceu com
Deus, para o bem da sociedade como um todo.
A quebra desse mandamento equivale a quebra de qualquer outro como: Não matar, Não
adulterar, dizer falso testemunho ou cobiçar.
6

5 – O QUINTO MANDAMENTO

Os primeiros quatro mandamentos tratam da relação entre o homem e Deus, enquanto que
a partir do quinto mandamento, inicia-se a relação entre o homem e o seu próximo.

- O estudo desse Mandamento é de suma importância, quando vemos os pais sendo


maltratados pelos filhos. Em pesquisas recentes, mais de 50% dos velhinhos que são
internados nos asilos, recebem uma só visita por ano, dos filhos que os abandonaram lá.

- Parece que os velhos não tem mais nenhum valor: são desrespeitados nas filas, são
desrespeitados no trânsito. Uma geração que não reverencia mais os velhos, é uma geração
que não teme mais a Deus. Reverenciar os velhos equivale a temer a Deus.

- O teor principal do quinto mandamento é reverência, obediência e reconhecimento a


qualquer tipo de pais: Pais políticos (magistrados), pais-anciãos ou os velhos em geral, pais
espirituais, pais domésticos, pais educacionais (magistério - professores) e pais naturais.

- Nas Institutas, Calvino pergunta: O que significa obedecer aos pais no Senhor?

- A resposta é: “que usemos de deferência para com aqueles que o Senhor fez superiores a
nós e os assistamos de honra, de obediência e de grato reconhecimento”.

- No conceito de Calvino existem três expressões de honra: Reverência, Obediência e


Reconhecimento.

6 – O SEXTO MANDAMENTO

O ensino que a Bíblia nos dá aqui é:

- A vida deve ser protegida, “não matarás” (6) - matar corresponde a afrontar a Deus e a
sociedade. Matar significa tomar o lugar de Deus o doador da vida e que deseja que o
homem tenha vida e vida em abundância.

7 – O SÉTIMO MANDAMENTO

- A proteção do corpo, “não adulterarás” (7) – O teor principal do sétimo mandamento é a


proteção e santificação do matrimônio.
- Também condena qualquer imoralidade sexual, seja fornicação, prostituição, adultério,
incesto, homossexualismo, lesbianismo, sodomia.
- Ensina ainda que devemos manter a pureza sexual em ações, palavras e pensamentos.
7

8 – OITAVO MANDAMENTOS

- A proteção da propriedade e do trabalho “não furtarás” (8) – O oitavo mandamento


apresenta a nossa obrigação moral para com o próximo com relação ao dinheiro e a
propriedade. Não furtar, significa não possuir coisa alguma, sem que seja por meios lícitos
e honestos. Furtar é a obtenção oculta do alheio, seja o que for, contra a vontade do seu
legítimo dono.

Modalidades de furtos:

1. Uso de violência para adquirir bens alheios;


2. Fraudulência Comercial;
3. Tirar vantagens comerciais dos fracos e pobres;
4. Preguiça e Indiligência no trabalho;
5. Exploração de preços e impostos;
6. Adulteração de produtos (pirataria);
7. Apropriação indevida de comissões e gorjetas;
8. Suborno;
9. Desvio de verbas públicas;
10. Qualquer tipo de desonestidade pessoal, comercial ou governamental.

9 – NONO MANDAMENTO

- A proteção da Honra. - “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” (9) – João
Calvino disse o seguinte sobre o nono mandamento: “Seu propósito: visto que Deus, que é
a verdade, abomina a mentira, entre nós deve a verdade ser cultivada sem dissimulação. A
síntese, portanto, será que não prejudiquemos o nome de alguém ou com calúnias e
incriminações falsas, ou, pela mentira...”

- Satanás é visto como o grande mentiroso, portanto, os que mentem estão assemelhando-
se ao Diabo. Em João 8: 44 a Bíblia ensina o seguinte:
“Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida
desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele
profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”.

10 – DÉCIMO MANDAMENTO

- A proteção das ambições erradas. – “Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás
a mulher do teu próximo... nem cousa alguma que pertence ao teu próximo” (10) – Este
mandamento inibe a cobiça em geral, especialmente a proibição da cobiça da mulher, do
empregado, da empregada, dos animais e de todos os bens materiais e ideais do meu
próximo.
8

- Em Gen. 3:6, a Bíblia descreve as características principais da cobiça. A árvore da vida


era boa para comer, agradável aos olhos e desejável para o entendimento. A cobiça anima
os desejos culinários, influencia a vista e afeta a mentalidade humana. Eva depois que foi
estimulada nos seus desejos, cedeu à tentação e pecou.

Conclusão:
O decálogo é um modelo para a Ética Cristã, é um fundamento sólido sob o qual
podemos construir a nossa vida moral; é a moldura que ainda precisa ser preenchida
pelo nosso andar diário no Espírito.

A observância do decálogo abre o caminho para a vida abundante, pois o próprio


decálogo contém a promessa de benção: “Faço misericórdia até mil gerações
daqueles que me amam a guardam os meus mandamentos” (Êxodo 20: 6).

Deus escreveu nos corações dos homens aquilo que revelou aos judeus, através de
Moisés.

• A validade moral da segunda tábua é reconhecida em qualquer país civilizado.


• “os dez mandamentos não são recomendados apenas para o púlpito, mas também
para os tribunais de justiça, os palácios dos governadores e as sedes das prefeitura
municipais.” (REIFLER, 1992, p. 42)Dez Mandamentos Expressão clara do bem