Você está na página 1de 49

Patriarcado de Lisboa

Formação para o Diaconado Permanente

LITURGIA SACRAMENTAL
Ano Formativo 2017/2018

— texto de apoio compilado por DIÁC. DUARTE JOÃO para uso interno dos formandos —
Patriarcado de Lisboa – Formação para o Diaconado Permanente

LITURGIA SACRAMENTAL – 2017/2018

Formador: Diác. Duarte João

PROGRAMA

1. INTRODUÇÃO À LITURGIA SACRAMENTAL

2. INICIAÇÃO CRISTÃ E BAPTISMO DAS CRIANÇAS

3. CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO

4. CELEBRAÇÃO DAS EXÉQUIAS

5. CELEBRAÇÃO DAS BÊNÇÃOS

6. O DIÁCONO NA CELEBRAÇÃO DO MISTÉRIO EUCARÍSTICO

7. CELEBRAÇÃO DOMINICAL NA AUSÊNCIA DO PRESBÍTERO

8. LITURGIA EPISCOPAL

NA CAPA:
Mosaico da capela «Redemptoris Mater», Vaticano – O sacrifício da cruz é a fonte da economia sacramental da Igreja. Na imagem,
Maria, símbolo da Igreja, com a mão esquerda recolhe do lado aberto de Jesus sangue e água, símbolos dos sacramentos da Igrej a.
LITURGIA SACRAMENTAL 3

BIBLIOGRAFIA ACONSELHADA

– BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

«Enquirídio dos Documentos da Reforma Litúrgica (EDREL)», Secretariado Nacional


de Liturgia, 2.ª edição revista e aumentada, 2014 (Gráfica de Coimbra, 2014)

«Instrução Geral do Missal Romano», Congregação para o Culto Divino e a Disciplina


dos Sacramentos, 3.ª edição típica, 2000 (Gráfica de Coimbra, 2003) [referenciado
adiante, no texto, com a sigla IGMR]

«Cerimonial dos Bispos», Congregação do Culto Divino, 2.ª reimpressão típica, 1995
(Gráfica de Coimbra, 2.ª edição, 2010) [referenciado adiante, no texto, com a sigla CB]

– BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA:

«Ritual Romano – Celebração do Baptismo das Crianças», Sagrada Congregação do


Culto Divino, 2.ª edição típica, 1973 (Gráfica de Coimbra, 2.ª edição, 1994)

«Ritual Romano – Celebração do Matrimónio», Congregação do Culto Divino e da


Disciplina dos Sacramentos, 2.ª edição típica, 1990 (Gráfica de Coimbra, 3.ª edição, 2002)

«Ritual Romano – Celebração das Exéquias», Sagrada Congregação do Culto Divino,


1969 (Gráfica de Coimbra, 3.ª edição, 2006)

«Ritual Romano – Celebração das Bênçãos», Congregação do Culto Divino, 1984


(Gráfica de Coimbra, 1991)

«Missal Romano», Sagrada Congregação do Culto Divino, 2.ª edição típica, 1975
(Gráfica de Coimbra, 1992)

«Oração Universal – Dominical», Comissão Episcopal de Liturgia, 3.ª edição, 2005


(Gráfica de Coimbra, 2006)

«Ritual Romano – Sagrada Comunhão e Culto do Mistério Eucarístico fora da Missa»,


Sagrada Congregação do Culto Divino, 1973 (Gráfica de Coimbra, 2.ª edição, 1995)

«Ritual Romano – Unção e Pastoral dos Doentes», Sagrada Congregação do Culto


Divino, 1972 (Gráfica de Coimbra, 2.ª edição, 1994)

«Celebração Dominical na ausência do Presbítero», Conferência Episcopal Portuguesa,


2006 (Gráfica de Coimbra, 2006)

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 4

CONTEÚDOS

1. INTRODUÇÃO À LITURGIA SACRAMENTAL

1.1. O QUE É A LITURGIA?


1.2. A «ECONOMIA» SACRAMENTAL
1.3. LITURGIA, OBRA DA SANTÍSSIMA TRINDADE
O Pai, fonte e fim da liturgia
Cristo, artífice da acção litúrgica
O Espírito Santo e a Igreja na liturgia
1.4. O MISTÉRIO PASCAL NOS SACRAMENTOS DA IGREJA
Sacramentos de Cristo
Sacramentos da Igreja
Sacramentos da fé
Sacramentos da salvação
Sacramentos da vida eterna
1.5. OS SACRAMENTAIS
1.6. AS EXÉQUIAS CRISTÃS
1.7. ALGUMAS NORMAS E PRINCÍPIOS LITÚRGICOS EM GERAL
Atitudes corporais
Posição das mãos
Sinal da cruz
Rito da paz
Sinais de reverência
Genuflexão
Inclinação
Ósculo
Incensação
1.8. AS VESTES LITÚRGICAS

2. INICIAÇÃO CRISTÃ E BAPTISMO DAS CRIANÇAS

2.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES GERAIS» DO RITUAL DA INICIAÇÃO CRISTÃ


2.2. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DO BAPTISMO DAS CRIANÇAS
2.3. RITO DO BAPTISMO DAS CRIANÇAS
2.4. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

3. CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO

3.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DO MATRIMÓNIO


3.2. RITO DO MATRIMÓNIO SEM MISSA
3.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 5

4. CELEBRAÇÃO DAS EXÉQUIAS

4.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DAS EXÉQUIAS


4.2. RITO DAS EXÉQUIAS SEM MISSA
«Estação» na igreja
«Estação» no cemitério
No caso de cremação do cadáver
No caso das crianças
4.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

5. CELEBRAÇÃO DAS BÊNÇÃOS

5.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES GERAIS» DO RITUAL DAS BÊNÇÃOS


5.2. ORDENAMENTO TÍPICO DO RITO DE UMA CELEBRAÇÃO COMUNITÁRIA DE BÊNÇÃO
5.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

6. O DIÁCONO NA CELEBRAÇÃO DO MISTÉRIO EUCARÍSTICO

6.1. ÍNDICE DA «INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO»


6.2. O DIÁCONO NA 3.ª EDIÇÃO DA «INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO»
6.3. AS FUNÇÕES DO DIÁCONO NA LITURGIA DA MISSA
Ofício do diácono na Missa
Ritos iniciais
Procissão para o presbitério
Reverência ao altar
Demais funções nos ritos iniciais
Liturgia da Palavra
Proclamação das leituras que precedem o Evangelho
Proclamação do Evangelho
Oração universal
Liturgia eucarística
Preparação do altar
Apresentação dos dons
Oração Eucarística
Ritos da Comunhão
Ritos de conclusão
Atitudes corporais do diácono na Missa
6.4. FÓRMULAS A MEMORIZAR PELO DIÁCONO PARA A CELEBRAÇÃO DA MISSA
6.5. ÍNDICE DA 2.ª EDIÇÃO TÍPICA DO «MISSAL ROMANO»
6.6. ÍNDICE DO «DIRECTÓRIO PRÁTICO» DA ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS
6.7. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES GERAIS» DO RITUAL DA SAGRADA COMUNHÃO E CULTO DO
MISTÉRIO EUCARÍSTICO FORA DA MISSA

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 6

6.8. SAGRADA COMUNHÃO FORA DA MISSA


Índice dos «Preliminares»
Rito com celebração mais longa da Palavra de Deus
Rito com celebração breve da Palavra de Deus
6.9. COMUNHÃO E VIÁTICO LEVADO AOS DOENTES
Rito Ordinário da Comunhão dos doentes levada por ministro ordenado
Rito Breve da Comunhão dos doentes levada por ministro ordenado
Rito do Viático fora da Missa administrado pelo diácono
6.10. EXPOSIÇÃO DA SANTÍSSIMA EUCARISTIA
Índice dos «Preliminares»
Rito da exposição e bênção eucarística
6.11. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO
Missa
Sagrada Comunhão fora da Missa
Comunhão e Viático levado aos doentes
Exposição da Santíssima Eucaristia

7. CELEBRAÇÃO DOMINICAL NA AUSÊNCIA DO PRESBÍTERO

7.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DA CELEBRAÇÃO DOMINICAL NA AUSÊNCIA DO


PRESBÍTERO
7.2. RITO DA CELEBRAÇÃO DOMINICAL NA AUSÊNCIA DO PRESBÍTERO
7.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

8. LITURGIA EPISCOPAL

8.1. ÍNDICE DAS «PARTES» DO CERIMONIAL DOS BISPOS

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 7

1. INTRODUÇÃO À LITURGIA SACRAMENTAL

1.1. O QUE É A LITURGIA?

A liturgia é a celebração do Mistério de Cristo e em particular do seu Mistério Pascal. Na


liturgia, pelo exercício da função sacerdotal de Jesus Cristo, a santificação dos homens é
significada e realizada mediante sinais, e é exercido, pelo Corpo místico de Cristo, ou seja
pela Cabeça e pelos membros, o culto público devido a Deus.

A liturgia, acção sagrada por excelência, constitui o cume para onde tendem todas as
acções da Igreja e, simultaneamente, a fonte donde provém toda a sua força vital. Através
da liturgia, Cristo continua na sua Igreja, com ela e por meio dela, a obra da nossa
redenção.

1.2. A «ECONOMIA» SACRAMENTAL

No dia de Pentecostes, pela infusão do Espírito Santo, a Igreja manifestou-se ao mundo. O


dom do Espírito inaugura um tempo novo na «dispensação do mistério»: o tempo da
Igreja, durante o qual Cristo manifesta, torna presente e comunica a sua obra de salvação
pela liturgia da sua Igreja, até que Ele venha (1Cor 11,26). Durante este tempo da Igreja,
Cristo vive e age, agora na sua Igreja e com ela, de modo novo, próprio deste tempo novo.
Age pelos sacramentos e é isso o que a Tradição comum do Oriente e do Ocidente chama
«a economia sacramental».

A economia sacramental consiste, pois, na comunicação, ou «dispensação», dos frutos do


mistério pascal de Cristo na celebração «sacramental» da Igreja.

1.3. LITURGIA, OBRA DA SANTÍSSIMA TRINDADE

O Pai, fonte e fim da liturgia

Na liturgia, o Pai enche-nos das suas bênçãos no Filho encarnado, morto e ressuscitado
por nós, e derrama o Espírito Santo nos nossos corações. Ao mesmo tempo a Igreja bendiz
o Pai, mediante a adoração, o louvor e a acção de graças, e implora o dom do seu Filho e
do Espírito Santo.

Cristo, artífice da acção litúrgica

Na liturgia da Igreja, Cristo significa e realiza principalmente o seu Mistério pascal.


Doando o Espírito Santo aos Apóstolos, concedeu-lhes a eles e aos seus sucessores o poder
de realizar a obra da salvação por meio do Sacrifício eucarístico e dos sacramentos, nos
quais Ele próprio age agora para comunicar a sua graça aos fiéis de todos os tempos e em
todo o mundo.

O Espírito Santo e a Igreja na liturgia

Na liturgia, realiza-se a mais estreita cooperação entre o Espírito Santo e a Igreja. O


Espírito Santo prepara a Igreja para encontrar o seu Senhor; recorda e manifesta Cristo à fé

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 8

da assembleia; torna presente e actualiza o Mistério de Cristo; une a Igreja à vida e à


missão de Cristo e faz frutificar nela o dom da comunhão.

1.4. O MISTÉRIO PASCAL NOS SACRAMENTOS DA IGREJA

Os sacramentos são sinais sensíveis e eficazes da graça, instituídos por Cristo e confiados à
Igreja, mediante os quais nos é concedida a vida divina. Os sacramentos são sete: o
Baptismo, a Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos enfermos, a Ordem e o
Matrimónio.

Sacramentos de Cristo

Os mistérios da vida de Cristo constituem o fundamento do que, de ora em diante, pelos


ministros da sua Igreja, Cristo dispensa nos sacramentos.

O que na vida do nosso Redentor era visível, passou para os ritos sacramentais (São Leão
Magno, séc. V).

Sacramentos da Igreja

Cristo confiou os sacramentos à sua Igreja. Eles são «da Igreja» num duplo sentido:
enquanto acção da Igreja, que é sacramento da acção de Cristo, e enquanto existem «para
ela», ou seja, enquanto edificam a Igreja.

Formando com Cristo-Cabeça como que uma única pessoa mística (Pio XII, Mystici corporis), a
Igreja age nos sacramentos como comunidade sacerdotal organicamente estruturada (Vaticano
II, Lumen Gentium, 11): pelo Baptismo e pela Confirmação, o povo sacerdotal torna-se apto
a celebrar a liturgia; e por outro lado, certos fiéis, assinalados com a sagrada Ordem, ficam
constituídos em nome de Cristo para apascentar a Igreja com a Palavra e a graça de Deus
(Vaticano II, Lumen Gentium, 11).

O ministério ordenado ou sacerdócio ministerial está ao serviço do sacerdócio baptismal.


Ele garante que, nos sacramentos, é de certeza Cristo que age pelo Espírito Santo em favor
da Igreja.

Os três sacramentos do Baptismo, Confirmação e Ordem, conferem, além da graça, um


carácter sacramental ou «selo». Este selo espiritual é promessa e garantia da protecção
divina. Em virtude de tal selo, o cristão é configurado a Cristo, participa de diversos
modos no seu sacerdócio, e faz parte da Igreja segundo estados e funções diversas, sendo
pois consagrado ao culto divino e ao serviço da Igreja. Dado que o carácter é indelével, os
sacramentos que o imprimem recebem-se uma só vez na vida.

Sacramentos da fé

Os sacramentos não apenas supõem a fé como também, através das palavras e elementos
rituais, a alimentam, fortificam e exprimem. Ao celebrá-los, a Igreja confessa a fé
apostólica. Daí o adágio antigo: «lex orandi, lex credendi» [«A lei da oração é a lei da fé»],
isto é, a Igreja crê conforme reza.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 9

É por isso que nenhum rito sacramental pode ser modificado ou manipulado ao arbítrio
do ministro ou da comunidade. Nem mesmo a autoridade suprema da Igreja pode mudar
a liturgia a seu bel-prazer, mas somente na obediência da fé e no respeito religioso do
mistério da liturgia.

Sacramentos da salvação

Celebrados dignamente na fé, os sacramentos conferem a graça que significam. Eles são
eficazes ex opere operato [«pelo próprio facto de a acção sacramental ser realizada»], porque
é Cristo que neles age e comunica a graça que significam, independentemente da
santidade pessoal do ministro, ainda que os frutos dos sacramentos dependam também
das disposições de quem os recebe.

Embora nem todos os sacramentos sejam conferidos a cada um dos fiéis, eles são
necessários para a salvação dos que crêem em Cristo, porque conferem as graças
sacramentais, o perdão dos pecados, a adopção de filhos de Deus, a conformação a Cristo
Senhor e a pertença à Igreja. O Espírito Santo cura e transforma aqueles que os recebem.

A graça sacramental é a graça do Espírito Santo, dada por Cristo e própria de cada
sacramento. Tal graça ajuda o fiel, no seu caminho de santidade, bem como a Igreja no seu
crescimento na caridade e no testemunho.

Sacramentos da vida eterna

Nos sacramentos, a Igreja recebe já o penhor da vida eterna, embora aguardando a ditosa
esperança e manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo (Tito 2,13).

1.5. OS SACRAMENTAIS

Os sacramentais são sinais sagrados instituídos pela Igreja, por meio dos quais são
santificadas algumas circunstâncias da vida. Incluem sempre uma oração, muitas vezes
acompanhada do sinal da cruz e de outros sinais.

Eles decorrem do sacerdócio baptismal: todo o baptizado é chamado a ser uma «bênção» e
a abençoar. Por isso há certas bênçãos que podem ser presididas por leigos. Porém, quanto
mais uma bênção disser respeito à vida eclesial e sacramental, tanto mais a sua presidência
será reservada ao ministério ordenado.

Entre os sacramentais, figuram, em primeiro lugar, as bênçãos (de pessoas, da mesa, de


objectos e lugares). Toda a bênção é louvor a Deus e oração para obter os seus dons. Certas
bênçãos têm um alcance duradoiro: são as que têm por finalidade consagrar pessoas a Deus
e dedicar objectos e lugares para usos litúrgicos.

1.6. AS EXÉQUIAS CRISTÃS

O cristão que morre em Cristo chega, no termo da sua existência terrena, à consumação da
nova vida iniciada com o Baptismo, revigorada pela Confirmação e alimentada pela
Eucaristia, antecipação do banquete celeste. O sentido da morte do cristão manifesta-se à

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 10

luz da Morte e da Ressurreição de Cristo, nossa única esperança; o cristão que morre em
Cristo Jesus, vai habitar junto do Senhor (2Cor 5,8).

As exéquias, embora celebradas segundo diferentes ritos correspondentes às situações e às


tradições de cada uma das regiões, exprimem o carácter pascal da morte cristã na
esperança da ressurreição e o sentido da comunhão com o defunto particularmente
mediante a oração pela purificação da sua alma.

Habitualmente as exéquias compreendem quatro momentos principais: o acolhimento da


urna pela comunidade, com palavras de conforto e de esperança; a liturgia da Palavra; o
sacrifício eucarístico; e a «encomendação», com o qual a alma do defunto é confiada a
Deus, fonte de vida eterna, enquanto o seu corpo é sepultado na expectativa da
ressurreição.

1.7. ALGUMAS NORMAS E PRINCÍPIOS LITÚRGICOS EM GERAL

Segundo a doutrina do Concílio Vaticano II, deve procurar-se que os ritos brilhem por
uma nobre simplicidade (cf. Sacrosanctum Concilium, 34).

Antes de abordar cada um dos ritos próprios das diversas celebrações litúrgicas em
particular, convém considerar algumas normas e princípios litúrgicos de carácter mais
geral, que a tradição sancionou e que convém observar.

Atitudes corporais

São várias as atitudes corporais adoptadas na liturgia: de pé, sentado, de joelhos,


prostrado no chão. Nas posições do corpo, atenda-se às indicações dos livros litúrgicos, à
tradição do rito romano e ao que concorre para o bem comum e espiritual do povo de
Deus, e não às inclinações ou arbítrio pessoal.

Como regra geral, está-se de pé durante as orações e para escutar o Evangelho, neste caso
sempre virado para quem o proclama; sentado para escutar as leituras não evangélicas e
durante o silêncio sagrado; de joelhos, em sinal de adoração, diante do Santíssimo
Sacramento, e da Santa Cruz em Sexta-feira Santa; mas igualmente de joelhos, em atitude
de intensa súplica, durante a ladainha dos Santos (excepto aos Domingos e no Tempo
Pascal) que se canta no rito das Ordenações, ou durante a grande oração universal de
Sexta-feira Santa; prostrado no chão ao início da celebração da Paixão do Senhor em Sexta-
-feira Santa, e os ordinandos durante a ladainha dos Santos no rito da sua Ordenação.

Para maior dignidade e beleza do culto, é necessário que as atitudes e movimentos –


andar, sentar, ajoelhar, genuflectir, levantar, inclinar, pôr as mãos, bater no peito, etc. – de
todos em geral, mas dos ministros em particular, sejam executados uniforme e
simultaneamente, em silêncio, tranquilamente e com naturalidade.

Durante as celebrações, os ministros evitem, quanto possível, estar de costas para o altar e
para as pessoas mais elevadas em dignidade, bem como passar entre o presidente e o altar.
Quando se houver de voltar, vire-se cada qual pelo lado da pessoa ou coisa mais digna.
Evite-se ainda falar sem necessidade e olhar para a assembleia escusadamente. Não se

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 11

cruzem as pernas, quer estando de pé, quer sentado. Quando o Santíssimo Sacramento
está exposto, não se saúda ninguém.

Posição das mãos

A posição habitual das mãos, a manter ao longo de todas as celebrações, é ter as mãos
juntas, excepto quando se está sentado ou, evidentemente, quando se tem de segurar
algum objecto ou as rubricas dos livros litúrgicos prescrevem algum outro gesto ou
posição. Conservam-se as mãos juntas, tanto ao deslocar-se como quando se está de pé ou
de joelhos.

A forma mais correcta de ter as mãos juntas é tê-las diante do peito, com as palmas abertas
uma contra a outra, o polegar da mão direita cruzado sobre o da mão esquerda e os
restantes dedos unidos.

Quando se está sentado, pousam-se as palmas das mãos sobre os joelhos.

Quando se segura algum objecto ou se faz algum gesto com uma só mão, coloca-se sobre o
peito a mão que está livre. Mas quando se faz o sinal da cruz sobre si próprio, coloca-se a
mão esquerda ligeiramente abaixo do peito, de modo a que, ao fazer o sinal da cruz com a
mão direita, se possa com ela tocar no peito.

Às palavras da confissão por minha culpa, minha tão grande culpa, bate-se no peito com a
mão direita por duas vezes, colocando-se a mão esquerda ligeiramente abaixo do peito.

Quando o ministro ordenado preside à celebração, habitualmente dirige a Deus as orações


de pé, com os braços e as mãos um tanto elevadas, a não ser que as rubricas dos livros
litúrgicos prescrevam doutro modo. O convite que, por vezes, precede as orações (p.ex.,
Oremos), bem como a fórmula conclusiva das mesmas (p.ex., Por Nosso Senhor Jesus
Cristo…), dizem-se de mãos juntas.

Para dar a bênção solene, e sempre que tal venha indicado nos livros litúrgicos, o ministro
ordenado estende as mãos sobre o povo.

Sinal da cruz

O que faz o sinal da cruz volta para si a palma da mão direita e, com todos os dedos juntos
e estendidos, toca sucessivamente, com as extremidades dos dedos, a fronte, o peito, o
ombro esquerdo e o ombro direito, estando a mão esquerda ligeiramente abaixo do peito.
O sinal da cruz faz-se com a cabeça e o tronco direitos, excepto ao receber a bênção em que
se faz com o corpo inclinado.

Ao início da leitura do Evangelho, durante as palavras Evangelho de Nosso Senhor Jesus


Cristo segundo São N., todos fazem o sinal da cruz, com a extremidade do polegar da mão
direita, na fronte, na boca e no peito, estando os restantes dedos da mesma mão todos
juntos e encurvados para a esquerda e colocando a mão esquerda ligeiramente abaixo do
peito.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 12

Rito da paz

Nas celebrações em que tal está previsto, o sinal da paz deve fazer-se com sobriedade e
apenas entre aqueles que estão mais perto. No caso de ministros diferenciados em
dignidade, o de grau mais elevado dá a paz ao de grau menos elevado, que a recebe.

Aquele que vai dar a paz, volta-se para aquele que vai receber a paz, sem o saudar, e toca
com as palmas das mãos nos ombros deste último; inclina-se para a direita e aproxima a
sua face esquerda da face esquerda daquele que vai receber a paz, dizendo-lhe: A paz esteja
contigo ou A paz do Senhor esteja sempre contigo; depois da resposta dada por aquele que
recebeu a paz, ambos se endireitam e saúdam-se mutuamente com uma inclinação de
cabeça.

Aquele que vai receber a paz, saúda com uma inclinação de cabeça aquele que lhe vai dar
a paz e, com os antebraços fazendo um ângulo recto com os braços, toca com as palmas
das mãos nos cotovelos deste último; inclina-se para a direita e aproxima a face esquerda
da face esquerda daquele que lhe vai dar a paz e, à fórmula de saudação dita por este,
responde: E contigo também ou Amen; depois, ambos se endireitam e saúdam-se
mutuamente com uma inclinação de cabeça.

Sinais de reverência

Genuflexão

A genuflexão significa adoração, pelo que é reservada ao Santíssimo Sacramento, exposto


ou guardado no sacrário, e à Santa Cruz desde a adoração solene na acção litúrgica de
Sexta-feira da Paixão do Senhor até ao início da Vigília Pascal.

Genuflecte-se com a cabeça e o tronco bem direitos, levando a perna direita um pouco
atrás e dobrando o joelho direito até que toque no chão, exactamente ao lado do calcanhar
esquerdo. A genuflexão faz-se pausadamente, mas levantando-se logo que o joelho toque
no chão. Não se inclina a cabeça, não se benze durante a genuflexão, nem se fazem “meias-
-genuflexões” ou genuflexões oblíquas.

A regra geral é que se faz genuflexão sempre que se passa diante do Santíssimo
Sacramento, ou dele nos aproximamos ou afastamos, excepto quando se vai em procissão
e esta passa diante do Santíssimo Sacramento que está guardado, por exemplo, numa
capela lateral ou noutro lugar fora do presbitério.

Mas se o sacrário com o Santíssimo Sacramento estiver no presbitério, ao chegar ao


presbitério, no início da celebração, e ao sair dele, no final da celebração, faz-se genuflexão,
não, porém, no decurso da própria celebração. Todavia, os que, na procissão de entrada ou
de saída, transportam alguma coisa (p.ex., o Evangeliário), não fazem genuflexão.

Genuflecte-se ainda ao Santíssimo Sacramento deposto sobre o altar se se tiver de passar


diante do altar entre a consagração e a Comunhão, embora nesse período melhor seja que
ninguém se desloque.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 13

Quando se coloca o Santíssimo Sacramento no sacrário faz-se genuflexão antes de fechar o


sacrário.

Nas Missas da Anunciação do Senhor (25 de Março) e do Natal do Senhor (25 de


Dezembro), genuflecte-se durante as palavras do Credo: E encarnou... ...e Se fez homem (no
Símbolo dos Apóstolos: que foi concebido... ...nasceu da Virgem Maria).

Inclinação

É um sinal de reverência e de honra que se presta às próprias pessoas ou às suas imagens.

Há duas espécies de inclinações: de cabeça e do corpo, também chamada inclinação


profunda.

Faz-se inclinação de cabeça:


 Quando, ao transportar em procissão a cruz ou os castiçais, ao chegar e ao retirar-se do
presbitério aí estiver o Santíssimo Sacramento, quer guardado no sacrário quer exposto.
 Ao nomear as três Pessoas divinas conjuntamente, ao nome de Jesus, da Virgem Santa
Maria e do Santo em cuja memória se celebra.
 Nos ritos penitenciais, isto é, ao ser aspergido com a água benta ou na imposição das
cinzas.
 Àquele de quem se vai receber a paz e, bem assim, depois de receber ou de dar a paz.
 À cruz da sacristia, no final da celebração.

Faz-se inclinação do corpo, isto é, inclinação profunda:


 Ao altar, se não está lá o Santíssimo Sacramento, ao chegar e ao retirar-se do presbitério
e sempre que se passe diante do altar, excepto quando, em procissão, se transporta
alguma coisa (p.ex., o Evangeliário).
 Ao presidente sempre que se aproximar, retirar ou passar diante dele por motivo de
serviço.
 Às pessoas e às coisas que se vai incensar, antes e depois da incensação.
 Às palavras do Credo: E encarnou... ...e Se fez homem (no Símbolo dos Apóstolos: que foi
concebido... ...nasceu da Virgem Maria), excepto na Anunciação do Senhor e no Natal do
Senhor, casos em que se genuflecte, conforme atrás indicado.
 Quando o sacerdote genuflecte depois da elevação da hóstia e da elevação do cálice à
consagração, no caso de não se estar de joelhos nesse momento (p.ex., porque se está a
ministrar ao livro no altar).
 Quando se recebe a bênção.

Quando a sede do presidente fica situada atrás do altar, saúda-se o altar ou o presidente
consoante se aproxima de um ou de outro; mas evite-se, quanto possível, passar entre o
presidente e o altar, por respeito para com um e para com outro.

Ósculo

Segundo o costume litúrgico tradicional, a veneração do altar e do Evangeliário é


significada pelo ósculo.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 14

O altar é beijado nas seguintes circunstâncias:


 No início da Missa, por todos os ministros ordenados.
 No final da Missa, apenas pelo sacerdote celebrante e seus diáconos assistentes. Os
sacerdotes concelebrantes e os diáconos não assistentes não beijam o altar.
 No início de Laudes e de Vésperas, apenas pelo presidente e seus diáconos assistentes.
 No final de Laudes e de Vésperas, só se o presidente achar oportuno e apenas pelo
presidente e seus diáconos assistentes.
 Na celebração da dedicação do altar o Bispo beija o altar ao início da liturgia eucarística.

O Evangeliário é beijado, após a proclamação do Evangelho, pelo ministro ordenado que o


proclamou ou, se o Bispo preside à celebração e achar conveniente, pelo próprio Bispo, na
sua sede, ao qual é levado o Evangeliário por aquele que proclamou o Evangelho. O Bispo
pode também dar a bênção ao povo com o Evangeliário. A seguir, aquele que proclamou o
Evangelho leva o Evangeliário para a credência ou para outro lugar adequado e digno.
Aquele que beija o Evangeliário diz em silêncio: Por este santo Evangelho, perdoai-nos,
Senhor.

Incensação

A incensação, ou turificação, exprime reverência e oração, como vem significado na


Sagrada Escritura:

Suba até Vós a minha oração como incenso (Salmo 140,2).

Veio outro anjo com um turíbulo de ouro e colocou-se junto do altar. Foram-lhe dadas
muitas espécies de aromas para que os oferecesse com as orações dos santos, sobre o altar de
ouro que está diante do trono de Deus. E das mãos do anjo subiu à presença de Deus o
fumo dos aromas juntamente com as orações dos santos (Ap 8,3-4).

Para pôr incenso no turíbulo, o presidente senta-se, se estiver na sede ou junto de outro
assento; fora disso, põe o incenso de pé. O diácono, ou outro ministro, apresenta-lhe a
naveta aberta com a colher, o presidente tira com ela três vezes incenso da naveta e lança-o
três vezes no turíbulo. Feito isto, coloca a colher na naveta e, com a mão direita, faz o sinal
da cruz, sem dizer nada, sobre o incenso e o turíbulo.

Depois, o diácono, ou directamente o turiferário, entrega o turíbulo àquele que vai


incensar, pondo-lhe na mão esquerda a parte superior das correntes que sustentam o
turíbulo e na mão direita a parte inferior das correntes, junto ao opérculo.

Aquele que incensa, antes e depois da incensação faz inclinação profunda à pessoa ou ao
objecto que é incensado (excepto ao altar e às oblatas para o sacrifício da Missa). Segura a
parte superior das correntes com a mão esquerda, que mantém firme e assente diante do
peito, e com a mão direita segura as correntes perto do opérculo, todas juntas,
sustentando-as à altura do peito. Ao lançar o turíbulo, faça-o com gravidade e decoro, sem
mover o corpo nem a cabeça, movendo, calma e lentamente, a mão e o braço direitos com
o turíbulo.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 15

São de dois tipos os movimentos do turíbulo: o ducto e o icto. O ducto é o movimento de


elevar o turíbulo à altura do rosto e dirigi-lo horizontalmente para a pessoa ou objecto a
incensar; o icto é o ligeiro movimento de oscilação que, a partir da posição anterior, se
imprime ao turíbulo em direcção à mesma pessoa ou objecto. Depois de cada ducto, e
respectivos ictos, traz-se de novo, num só movimento, o turíbulo até perto do rosto e
desce-se até à altura do peito.

Segundo as actuais rubricas, à excepção do altar, que se incensa com ictos sucessivos do
turíbulo, e das relíquias e das imagens dos Santos expostos a pública veneração, que se
incensam com apenas dois ductos (e, na Missa, só no início da celebração após a
incensação da cruz e do altar), tudo o mais é incensado com três ductos do turíbulo: o
Santíssimo Sacramento (incensado sempre de joelhos), a relíquia da Santa Cruz e as
imagens do Senhor solenemente expostas, as oblatas para o sacrifício da Missa, a cruz do
altar, o Evangeliário, o círio pascal, o presidente da celebração (que permanece de pé,
mesmo que esteja junto da sua sede), os concelebrantes (todos ao mesmo tempo), o Bispo
que preside mas não celebra a Missa, a autoridade civil oficialmente presente na
celebração, o coro e o povo, o corpo dum defunto.

Habitualmente, ao incensar-se com três ductos do turíbulo, o primeiro ducto é feito ao


meio, o seguinte à esquerda e o último à direita de quem incensa.

As actuais rubricas são omissas é quanto ao número de ictos que se deve fazer em cada
ducto do turíbulo. Porém, se nos apoiarmos nas rubricas dos antigos cerimoniais e na
prática da liturgia papal em Roma, verifica-se que, para a generalidade dos casos que
interessa actualmente considerar, se deverá incensar sempre com ductos duplos, isto é, de
dois ictos cada um.

Portanto, seguindo tal prática, que nos parece adequada, o altar incensa-se com ictos
sucessivos do turíbulo, as relíquias e imagens dos Santos com dois ductos duplos, e todas
as demais coisas ou pessoas com três ductos duplos.

É certo que, por vezes, se tem observado a prática de alguns de incensar com ductos de
três ictos, sobretudo o Santíssimo Sacramento. Note-se, contudo, que, mesmo antes da
reforma litúrgica, em que as rubricas estabeleciam uma grande diversidade de distinções
quanto ao número de ductos e de ictos, em função da dignidade das pessoas e das coisas,
não estavam prescritos ductos triplos em nenhum caso, mas apenas duplos e simples.

Nas diversas procissões, o turíbulo leva-se à frente, excepto nas procissões com o
Santíssimo Sacramento, nas quais o turíbulo (ou dois turíbulos) precede o Santíssimo
Sacramento.

Quando, na Missa, se incensa o sacerdote celebrante, todos se levantam.

1.8. AS VESTES LITÚRGICAS

No nosso tempo assiste-se, por vezes, à contestação do uso das vestes litúrgicas, como se
ele fosse expressão de luxo e ostentação ou significasse até uma traição à simplicidade
originária do culto cristão. Mas mais frequente ainda é o seu desleixo por razões bem mais

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 16

prosaicas, como o comodismo ou a incúria. A Igreja, porém, insiste na necessidade e


utilidade destes sinais exteriores facilmente reconhecíveis, que aliam às exigências de
practicidade e funcionalidade a conveniência do decoro e o respeito pela dignidade da acção
litúrgica sacramental.

A celebração litúrgica sacramental não é uma acção qualquer. A assembleia litúrgica não é
um simples encontro de amigos, informal e espontâneo. Por sua vez, o ministro tem de
significar – a si próprio e à assembleia litúrgica – que não actua como pessoa privada.
Tudo isto se faz e se exprime de múltiplos modos. Entre eles a Igreja, com a sua sabedoria
e humanismo, quer que se inclua a linguagem da veste que fala de um modo tão imediato,
universal e eloquente.

Em resumo, são principalmente três as funções desempenhadas pelas vestes litúrgicas,


todas elas de altíssimo valor pedagógico:
a) Distinguir e identificar as diversas categorias de ministérios;
b) Contribuir para o decoro e para a beleza da celebração;
c) Introduzir no mistério litúrgico que se celebra.

A veste sagrada comum a todos os ministros ordenados e instituídos, seja qual for o seu
grau, é a alva, que será cingida à cintura por um cíngulo, a não ser que, pelo seu feitio, ela
se ajuste ao corpo sem necessidade de cíngulo. Se a alva não cobrir perfeitamente o traje
comum em volta do pescoço, pôr-se-á o amicto antes de a vestir. A alva não pode ser
substituída pela sobrepeliz, nem sequer quando esta se envergar sobre a veste talar,
quando se deve vestir a casula ou a dalmática, nem quando, segundo as normas, se usa
apenas a estola sem casula ou dalmática (IGMR, 336).

A veste própria do diácono é a dalmática, que se veste sobre a alva e a estola; contudo, por
necessidade ou por menor grau da solenidade, a dalmática pode omitir-se (IGMR, 338).
Porém, para conservar a insigne tradição da Igreja, é recomendável não usar da faculdade
de omitir a dalmática (Redemptionis Sacramentum, 125).

O diácono põe a estola a tiracolo, deixando-a cair do ombro esquerdo, sobre o peito, e
prendendo-a do lado direito do corpo (IGMR, 340).

Desaprova-se o abuso de celebrar a Missa ou até de concelebrar só com a estola sobre a


cógula monástica, ou sobre a veste ordinária clerical, ou traje civil. Também não é lícito
realizar as outras acções sagradas, como impor as mãos durante as ordenações, ou
administrar os outros sacramentos e dar as bênçãos, só com a estola sobre o traje civil
(Liturgicae Instaurationes, 8c).

Quando o diácono preside a uma celebração litúrgica deverá ainda ter em conta aquilo
que cada Ritual prescreve em termos de vestes litúrgicas e que, nos capítulos seguintes, se
indicará para as celebrações aí tratadas.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 17

Leitura recomendada:

• «Catecismo da Igreja Católica»: n. 1066-1134; 1667-1690

Exercício:

1) «O que na vida do nosso Redentor era visível, passou para os ritos sacramentais». Escreva uma
pequena dissertação a propósito desta frase de São Leão Magno. [3]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 18

2. INICIAÇÃO CRISTÃ E BAPTISMO DAS CRIANÇAS

2.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES GERAIS» DO RITUAL DA INICIAÇÃO CRISTÃ

I. Dignidade do Baptismo
II. Funções e ministérios na celebração do Baptismo
III. O que se requer para a celebração do Baptismo
IV. Adaptações que competem às Conferências Episcopais
V. Acomodações que competem ao ministro

2.2. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DO BAPTISMO DAS CRIANÇAS

I.Importância do Baptismo das crianças


II.Ministérios e funções na celebração do Baptismo
III.Tempo e lugar do Baptismo das crianças
IV. Estrutura do rito do Baptismo das crianças
A. Rito do Baptismo celebrado por um ministro ordinário
B. Rito breve do Baptismo
V. Adaptações que as Conferências Episcopais e os Bispos podem fazer
VI. Acomodações que competem ao ministro

2.3. RITO DO BAPTISMO DAS CRIANÇAS

1. ACOLHIMENTO DAS CRIANÇAS


a) Saudação e monição inicial
b) Diálogo com os pais e os padrinhos
c) Sinal da cruz (na fronte ou, no Baptismo de muitas crianças, sobre todas ao mesmo
tempo)
2. CELEBRAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS
a) Leituras bíblicas
b) Homilia
c) Oração dos fiéis
d) Invocação dos Santos (pode omitir-se no Baptismo de muitas crianças)
e) Oração de exorcismo
f) Unção pré-baptismal (no Baptismo de muitas crianças, imposição da mão sobre
todas ao mesmo tempo)
g) Procissão até ao baptistério
3. CELEBRAÇÃO DO BAPTISMO
a) Monição
b) Bênção e invocação de Deus sobre a água
c) Renunciação e profissão de fé
d) Baptismo
4. RITOS EXPLICATIVOS
a) Unção depois do Baptismo
b) Imposição da veste branca
c) Entrega da vela acesa
d) «Effetha» (omite-se no Baptismo de muitas crianças)

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 19

5. CONCLUSÃO DO RITO
a) Procissão até ao altar
b) Oração dominical
c) Bênção e despedida

2.4. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

Alva (ou sobrepeliz sobre a veste talar) e estola de cor branca ou festiva; eventualmente,
pluvial da mesma cor (cf. Ritual, n. 35.74.107).

Leitura recomendada:

• «Ritual Romano – Celebração do Baptismo das Crianças»: Preliminares Gerais da Iniciação


Cristã [n. 1-35], Preliminares do Baptismo das Crianças [n. 1-31] e Capítulo I [n. 32-71]

Exercício:

2) Descreva, de forma sintética mas completa, o rito do Baptismo solene de várias crianças.
[2]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 20

3. CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO

3.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DO MATRIMÓNIO

I. Importância e dignidade do sacramento do Matrimónio


II. Ofícios e ministérios na pastoral e celebração do Matrimónio
III. A celebração do Matrimónio
A preparação
Rito a usar
IV. Adaptações que competem às Conferências Episcopais

3.2. RITO DO MATRIMÓNIO SEM MISSA

1. RITOS INICIAIS
a) Acolhimento dos noivos
b) Sinal da cruz (omite-se no Matrimónio com disparidade de culto)
c) Saudação (omite-se no Matrimónio com disparidade de culto)
d) Admonição
e) Oração colecta (omite-se no Matrimónio com disparidade de culto)
2. LITURGIA DA PALAVRA
a) Leituras bíblicas
b) Homilia
3. RITO DO MATRIMÓNIO
a) Diálogo antes do consentimento
b) União das mãos e consentimento
c) Aceitação do consentimento
d) Bênção e entrega das alianças (pode omitir-se no Matrimónio com disparidade de
culto)
QUANDO NÃO HÁ DISTRIBUIÇÃO DA COMUNHÃO:
e) Oração universal (sem oração conclusiva)
f) Oração dominical
g) Bênção nupcial (no Matrimónio com disparidade de culto pode substituir-se
pela «oração sobre os esposos»)
h) [Rito da paz] (omite-se no Matrimónio com disparidade de culto)
i) Bênção final
QUANDO HÁ DISTRIBUIÇÃO DA COMUNHÃO (não previsto no Matrimónio com
disparidade de culto):
e) Oração universal (com oração conclusiva)
f) Bênção nupcial
g) Deposição do Santíssimo Sacramento sobre o altar
h) Oração dominical
i) [Rito da paz]
j) Felizes os convidados…
k) Sagrada Comunhão
l) Oração depois da Comunhão
m) Bênção final

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 21

3.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

Alva (ou sobrepeliz sobre a veste talar) e estola de cor branca ou festiva; eventualmente,
dalmática da mesma cor (cf. Ritual, n. 80.153).

Leitura recomendada:

• «Ritual Romano – Celebração do Matrimónio»: Preliminares [n. 1-44], Capítulo II [n. 79-117]
e Capítulo IV [n. 152-178]

Exercício:

3) Descreva, de forma sintética mas completa, o rito do Matrimónio entre uma parte
católica e uma parte não baptizada. [2]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 22

4. CELEBRAÇÃO DAS EXÉQUIAS

4.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DAS EXÉQUIAS

I. Importância e dignidade das Exéquias cristãs


II. Ofícios e ministérios nas Exéquias
III. Adaptações confiadas às Conferências Episcopais
IV. Competência do sacerdote para preparar e ordenar a celebração

4.2. RITO DAS EXÉQUIAS SEM MISSA

«Estação» na igreja

1. RITOS INICIAIS
a) Sinal da cruz
b) Saudação
c) [Admonição]
d) Oração colecta
2. LITURGIA DA PALAVRA
a) Leituras bíblicas
b) Homilia
c) Oração dos fiéis
d) Pai nosso ou oração conclusiva
3. ÚLTIMA ENCOMENDAÇÃO E DESPEDIDA (pode fazer-se no cemitério)
a) Admonição
b) [Eventual alocução feita por algum familiar do defunto ou por outra pessoa]
c) Responsório e aspersão [e incensação] do corpo do defunto
d) Oração
4. BÊNÇÃO (só no caso do ministro não acompanhar o corpo do defunto ao cemitério)

Se o rito da Última Encomendação e Despedida se faz no cemitério, terminada a Oração dos


fiéis, com o Pai nosso ou a oração conclusiva, o ministro dirige-se processionalmente, com
os fiéis, para o cemitério.

«Estação» no cemitério

1. BÊNÇÃO DA SEPULTURA (se ainda não está benzida)


a) Oração
b) Aspersão da sepultura e do corpo do defunto (excepto se se fizer neste momento o
rito da Última Encomendação e Despedida)
2. ÚLTIMA ENCOMENDAÇÃO E DESPEDIDA (se não foi feito na igreja)
a) Admonição
b) [Eventual alocução feita por algum familiar do defunto ou por outra pessoa]
c) Responsório, aspersão da sepultura e aspersão [e incensação] do corpo do defunto
d) Oração
3. [BREVE HOMILIA JUNTO DA SEPULTURA]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 23

4A. PROFISSÃO DE FÉ ou 4B. ORAÇÃO DOS FIÉIS


a) Credo a) Convite à oração e preces
b) Oração conclusiva b) Pai nosso
c) Oração conclusiva
4. CONCLUSÃO
a) Versículo responsorial
b) Aclamação final

No caso de cremação do cadáver

A igreja prefere que se conserve o costume tradicional de sepultar os corpos cristãos,


porque com este gesto se imita melhor a sepultura do Senhor. Os fiéis têm, contudo, a
liberdade de preferir a cremação do seu próprio corpo, sem que esta escolha impeça a
celebração dos ritos cristãos.

O facto da cremação do cadáver não comporta por si particulares diferenças rituais, uma
vez que as Exéquias se celebram perante o cadáver, antes da cremação do corpo, e com os
mesmos ritos e fórmulas que se usam nas Exéquias habituais. O rito da Última
Encomendação e Despedida deve celebrar-se na própria igreja, no final da Liturgia da
Palavra, e omite-se a procissão ao lugar da cremação.

Embora seja melhor e mais expressivo celebrar o rito exequial antes da cremação do
cadáver, se a família o preferir e o Ordinário do lugar julgar conveniente, pode permitir-se
também que a cremação tenha lugar antes dos ritos exequiais. Neste caso, o rito pode
celebrar-se perante a urna com as cinzas, segundo o seguinte ordenamento e com os textos
devidamente adaptados às circunstâncias, conforme vem no Ritual das Exéquias, n. 153
ss.:

1. ACOLHIMENTO DAS CINZAS NO ÁTRIO DA IGREJA


a) Recepção das cinzas e dos familiares do defunto
b) Sinal da cruz
c) Saudação
d) [Admonição]
e) [Acendimento do círio pascal]
f) Oração colecta
2. LITURGIA DA PALAVRA
a) Leituras bíblicas
b) Homilia
c) Oração dos fiéis
d) Pai nosso ou oração conclusiva
3. ÚLTIMA ENCOMENDAÇÃO E DESPEDIDA
a) Admonição
b) [Eventual alocução feita por algum familiar do defunto ou por outra pessoa]
c) Responsório e aspersão [e incensação] das cinzas
d) Oração
4. CONCLUSÃO
a) Versículo responsorial
b) Aclamação final

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 24

Se houver algum rito na sala crematória, será segundo o seguinte ordenamento, conforme
vem no Ritual das Exéquias, n. 161 ss.:

1. [ADMONIÇÃO E BREVE HOMILIA]


2A. PROFISSÃO DE FÉ ou 2B. ORAÇÃO DOS FIÉIS
a) Credo a) Convite à oração e preces
b) Oração conclusiva b) Pai nosso
c) Oração conclusiva
3. CONCLUSÃO
a) Versículo responsorial
b) Aclamação final

No caso das crianças

As Exéquias das crianças celebram-se segundo os esquemas das Exéquias dos adultos, mas
usando os textos especiais indicados para o caso das crianças, conforme vem no Ritual das
Exéquias, n. 168 ss.. Se a criança morreu antes do baptismo mas os pais desejavam que
fosse baptizada, conceda-se-lhe Exéquias cristãs, usando os textos próprios indicados no
Ritual das Exéquias para esses casos e, por meio de uma conveniente catequese, procure-se
que não fique ofuscada, na mente dos fiéis, a doutrina sobre a necessidade do Baptismo.

As Exéquias das crianças, mortas antes do uso da razão, celebram-se com paramentos de
cor branca.

4.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

Alva (ou sobrepeliz sobre a veste talar) e estola de cor preta ou roxa no caso das exéquias
dos adultos e de cor branca no caso das exéquias das crianças; eventualmente, pluvial da
mesma cor (cf. Ritual, n. 55.115.138.168).

Leitura recomendada:

• «Ritual Romano – Celebração das Exéquias»: Preliminares [n. 1-26], Capítulo I [n. 27-54],
Capítulo II [n. 55-113], Capítulo V [n. 149-165] e Capítulo VI [n. 166-177; 191-214]

Exercício:

4) Descreva, de forma sintética mas completa, o rito das Exéquias sem Missa com
«estações» na igreja e no cemitério. [2]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 25

5. CELEBRAÇÃO DAS BÊNÇÃOS

5.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES GERAIS» DO RITUAL DAS BÊNÇÃOS

I.A bênção na história da salvação


II.As bênçãos na vida da Igreja
III.Ofícios e ministérios
IV. A celebração da bênção
Estrutura típica
Os sinais a utilizar
Modo de articular a celebração da bênção com outras celebrações ou com outras
bênçãos
Função do ministro na preparação e ordenamento da celebração
As vestes litúrgicas
V. Adaptações que competem às Conferências Episcopais

5.2. ORDENAMENTO TÍPICO DO RITO DE UMA CELEBRAÇÃO COMUNITÁRIA DE BÊNÇÃO

1. RITOS INICIAIS
a) Sinal da Cruz
b) Saudação
c) Admonição
2. LITURGIA DA PALAVRA
a) Leituras bíblicas
b) Breve homilia
3. PRECES (concluídas pelo Pai nosso ou pela própria Oração de bênção)
4. ORAÇÃO DE BÊNÇÃO
a) Oração (por vezes acompanhada do sinal da cruz)
b) [nalguns casos, aspersão ou, por vezes, incensação]
5. CONCLUSÃO
a) Versículo, aclamação, ou bênção final

5.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

Quando a bênção se celebra de forma comunitária, sobretudo na igreja ou com alguma


solenidade externa, alva (ou sobrepeliz sobre a veste talar) e estola de cor branca ou da cor
que estiver mais em consonância com o tempo ou festa litúrgica; eventualmente, pluvial
da mesma cor (cf. Ritual, n. 36-37).

Leitura recomendada:

• «Ritual Romano – Celebração das Bênçãos»: Preliminares Gerais [n. 1-39]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 26

Exercício:

5) Tendo em conta a estrutura típica da celebração das bênçãos, componha o texto


completo de um ritual a ser usado na bênção de uma nova casa. [3]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 27

6. O DIÁCONO NA CELEBRAÇÃO DO MISTÉRIO EUCARÍSTICO

6.1. ÍNDICE DA «INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO»

Proémio
Capítulo I) Importância e dignidade da celebração eucarística
Capítulo II) Estrutura da Missa, seus elementos e suas partes
I. Estrutura geral da Missa
II. Os diversos elementos da Missa
III. As diversas partes da Missa
A) Ritos iniciais
B) Liturgia da Palavra
C) Liturgia eucarística
D) Rito conclusivo
Capítulo III) Ofícios e ministérios na Missa
I. Ofícios da Ordem sacra
II. Funções do povo de Deus
III. Ministérios especiais
IV. A distribuição das funções e a preparação da celebração
Capítulo IV) As diversas formas de celebração da Missa
I. Missa com o povo
A) A Missa sem Diácono
B) A Missa com Diácono
C) Funções do Acólito
D) Funções do Leitor
II. Missa concelebrada
III. Missa com a participação de um só ministro
IV. Algumas normas gerais para todas as formas de celebração da Missa
Capítulo V) Disposição e adorno das igrejas para a celebração da Eucaristia
I. Princípios gerais
II. Disposição do presbitério para a celebração litúrgica
III. A disposição da igreja
Capítulo VI) As coisas necessárias para a celebração da Missa
I. O pão e o vinho para celebrar a Eucaristia
II. Alfaias sagradas em geral
III. Os vasos sagrados
IV. As vestes sagradas
V. Outras alfaias destinadas ao uso da Igreja
Capítulo VII) A escolha da Missa e das suas partes
I. A escolha da Missa
II. A escolha das partes da Missa
Capítulo VIII) Missas e orações para diversas circunstâncias e Missas de defuntos
I. Missas e orações para diversas circunstâncias
II. Missas de defuntos
Capítulo IX) Adaptações que competem aos Bispos e às suas Conferências

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 28

6.2. O DIÁCONO NA 3.ª EDIÇÃO DA «INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO»

Publicada no ano 2000 uma nova edição da Instrução Geral do Missal Romano (IGMR),
foi a mesma, pouco tempo depois, retirada e objecto de diversas correcções que, nalguns
casos, foram até bastante significativas. Em 2002 surge, então, a terceira edição típica latina
do Missal Romano (ainda não disponível entre nós) e, com ela, a versão definitiva da
respectiva Instrução Geral, a qual foi, em 2003, publicada na sua edição oficial portuguesa.

Embora esta nova Instrução não introduza alterações muito profundas em relação àquilo
que já estava em vigor, vem, contudo, esclarecer certos detalhes, precisar melhor algumas
normas e, sobretudo, responder a questões que a prática litúrgica dos 30 anos precedentes
(a primeira edição típica do Missal de Paulo VI entrou em vigor em 1970) foi levantando.

Circunscrevendo-nos àquilo que ao diácono diz respeito, da leitura da nova IGMR ressalta
desde logo que o seu ministério surge agora mais explícito e adequadamente enquadrado,
o que não admira se tivermos em conta que, restaurado o diaconado permanente em 1967
e sendo a primeira edição da IGMR de 1969, só muito dificilmente essa primeira edição
poderia ter traduzido cabalmente a importância e o alcance do exercício do ministério
diaconal na celebração da Eucaristia.

O diácono, que na antiga Instrução poucas vezes era explicitamente referido, aparecendo
quase sempre sob a designação de «os ministros», conjuntamente com o acólito, o leitor e os
demais ministros leigos, é agora claramente reconhecido e tratado pela nova IGMR como
ministro ordenado e, portanto, distinto na sua essência dos ministros leigos. Por isso,
frases como «o sacerdote e os ministros» na antiga Instrução, deram lugar, na nova Instrução,
a «o sacerdote, o diácono e os ministros» ou às vezes «o sacerdote, o diácono e os ministros
leigos».

Por outro lado, é significativa a mudança que se verificou, quer na definição do ofício e
ministério do diácono (n. 94), quer na estrutura do capítulo IV que trata das diversas
formas de celebração da Missa.

Enquanto que a antiga IGMR afirmava simplesmente, no n. 61, que entre os ministros, ocupa
o primeiro lugar o diácono, o n. 94 da actual IGMR (que corresponde ao antigo n. 61)
sublinha que depois do presbítero, o diácono, por força da ordenação recebida, ocupa o
primeiro lugar entre aqueles que servem na celebração da eucarística. E mais adiante, o
mesmo n. 94, vai afirmar que o diácono também serve na celebração do sacrifício, algo
omisso na anterior IGMR.

Quanto à estrutura do capítulo IV, antes era nele definida a chamada “Missa Típica”, que
era aquela que se celebrava com um número reduzido de ministros – um acólito, um leitor
e um cantor – e, nos parágrafos subsequentes ao da descrição da “Missa Típica”,
explicavam-se quais eram as funções do diácono, do acólito e do leitor quando
participassem na celebração. Agora, a IGMR não só abandonou a expressão “Missa
Típica” (de facto pouco feliz, pois a palavra “típica” poderia induzir a ideia de que essa
Missa com reduzido número de ministros era a forma de celebração normativa ou até
mesmo ideal) como introduziu, em seu lugar, a descrição de duas formas diversas de
celebração, a “Missa sem Diácono” e a “Missa com Diácono”, após a descrição das quais

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 29

vai então definir as funções que ao acólito e ao leitor cabem exercer em ambas as formas
de celebração da Missa anteriormente referidas. Neste mesmo capítulo IV é, aliás,
afirmado no n. 116 (antigo n. 78) que, em qualquer celebração da Missa, estando presente um
diácono, este deve desempenhar o seu ministério, enquanto antes apenas se dizia que o
diácono pode tomar parte na celebração.

Vejamos, seguidamente, alguns pontos da descrição da “Missa com Diácono”, feita nos n.
171 a 186 do capítulo IV da nova Instrução Geral (correspondendo, sensivelmente, aos n.
127 a 141 da antiga), os quais oportunamente complementaremos com uma ou outra
referência a alguns outros números da IGMR e do Cerimonial dos Bispos relacionados
com aqueles.

Logo no primeiro número em questão, isto é no n. 171, diz-se agora, de forma imperativa,
que quando está presente na celebração eucarística, o diácono exerce o seu ministério, enquanto
que na antiga IGMR dizia-se se está presente um diácono para exercer o seu ministério, o que,
pelo menos à letra, significava que um diácono poderia estar presente e não exercer o seu
ministério... Ainda no mesmo número, às funções que já lhe eram anteriormente
reconhecidas de assistir ao sacerdote, de ministrar no altar ao cálice e ao livro, e de suprir
as funções dos ministros que não estão presentes, a nova IGMR explicita que também é
próprio do diácono: proclamar o Evangelho e, por mandato do sacerdote celebrante, fazer a
homilia; orientar o povo fiel com oportunas admonições e enunciar as intenções da oração universal;
ajudar o sacerdote celebrante a distribuir a Comunhão e purificar e arrumar os vasos sagrados.

No n. 172 começa-se a descrever os ritos da “Missa com Diácono” e o n. 173 corrige aquilo
que, na antiga IGMR, contrariava a norma geral do n. 70 do Cerimonial dos Bispos (e que,
sendo de publicação posterior à antiga IGMR, tinha precedência sobre esta) segundo a
qual não fazem genuflexão nem inclinação profunda aqueles que transportam os objectos a usar na
celebração que se vai realizar. De facto, o n. 173 da IGMR diz agora que, na procissão de
entrada, se o diácono levar o Evangeliário omite a reverência ao altar, isto é, a inclinação
profunda ou, se o sacrário estiver no presbitério, a genuflexão, venerando o altar apenas
com um beijo após ter colocado sobre ele o Evangeliário. Na procissão de entrada,
esclarece-se agora que o Evangeliário não pode ser substituído pelo Leccionário (n. 120
d) – nem, obviamente, pelo Missal...

Que o lugar do diácono era ao lado do sacerdote já o dizia o antigo n. 130 e repete-o o
actual n. 174. Porém, o n. 310, que trata da cadeira do sacerdote celebrante e dos outros
assentos, acrescenta algo que antes não se dizia e que vem reforçar os números anteriores:
coloque-se o assento do diácono junto da cadeira do celebrante.

O n. 175, que se refere à proclamação do Evangelho, está substancialmente aumentado em


relação ao antigo n. 131, pois dá agora detalhes que, sendo já conhecidos, não estavam tão
bem explicados na antiga IGMR e, além disso, acrescenta coisas novas. É agora sublinhado
que a inclinação que o diácono faz diante do sacerdote quando lhe pede a bênção para
proclamar o Evangelho é uma inclinação profunda; que o diácono se deve benzer com o
sinal da cruz enquanto o sacerdote o abençoa; que ao chegar junto do altar para dele
tomar o Evangeliário deve primeiro fazer uma inclinação ao altar; que, ao dirigir-se para
o ambão, o Evangeliário se leva um pouco elevado; que as palavras O Senhor esteja
convosco não se dizem de braços abertos mas sim de mãos juntas; que, enquanto enuncia o

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 30

título do Evangelho, faz com o polegar o sinal da cruz no livro e se persigna a si próprio
na fronte, na boca e no peito. Depois, uma vez proclamado o Evangelho e feita a
aclamação final, a nova IGMR abre agora duas possibilidades: ou o próprio diácono beija
o livro, dizendo em silêncio as palavras prescritas, ou então, se for o Bispo a presidir (mas
não o presbítero), pode, como alternativa, naturalmente previamente combinada com o
Bispo ou com o mestre de cerimónias, levar o Evangeliário ao Bispo para que seja este a
beijá-lo. Neste segundo caso, é facultada agora ao Bispo a possibilidade, antes reservada
ao Sumo Pontífice, de abençoar o povo com o Evangeliário. A seguir o diácono recebe do
Bispo o Evangeliário e leva-o para a credência ou para outro lugar adequado e digno.

O n. 176 é novo e vem indicar que, no âmbito das funções supletivas do diácono (cf. n. 171
f), se não estiver presente nenhum leitor, é o diácono que deve proferir também as
leituras que precedem o Evangelho.

Durante a liturgia eucarística, em que o diácono desempenha o seu ministério ao altar, o n.


215 chama agora a atenção que o diácono, na medida do possível, colocar-se-á um pouco
atrás dos sacerdotes concelebrantes que estão de pé junto do sacerdote principal. Por seu lado,
são alertados os concelebrantes para que não dificultem ao diácono o acesso ao altar para o
desempenho do seu ministério.

Em sintonia com o n. 155 do Cerimonial dos Bispos, à redacção do antigo n. 134 da IGMR
o agora n. 179 acrescentou que desde a epiclese até à ostensão do cálice, o diácono permanece
habitualmente de joelhos. Este habitualmente, que não vinha no Cerimonial dos Bispos, será
o reconhecimento de que, na prática, é por vezes preferível ou até necessário que o
diácono permaneça de pé, por exemplo, porque está a ministrar ao livro. Por outro lado,
este número vem reforçar a convicção, na linha do Cerimonial dos Bispos, de que não só
os diáconos mas, por maioria de razão, todos os fiéis, ao ajoelharem-se na consagração
devem fazê-lo à epiclese de consagração e não apenas ao início do relato da instituição.
Por outro lado, também para os diáconos vale a regra geral, que foi agora acrescentada no
n. 43 (antigo n. 21), segundo a qual aqueles que não estão de joelhos durante a
consagração, fazem uma inclinação profunda enquanto o sacerdote genuflecte após a
consagração do pão e do vinho.

O convite à paz, se se fizer, é proferido pelo diácono de mãos juntas e voltado para o povo (n.
181). Deve dizer Saudai-vos na paz de Cristo, e não Saudemo-nos. A IGMR introduz agora
uma fórmula de saudação para o gesto da paz que não constava na Instrução antiga e que
é algo diferente da que vinha indicada no n. 103 do Cerimonial dos Bispos: A paz do
Senhor esteja sempre contigo (no Cerimonial dos Bispos: A paz esteja contigo), ao que se
responde Amen (no Cerimonial dos Bispos: E contigo também). O diácono pode dar a paz
aos ministros que estiverem mais perto de si mas, evidentemente, só depois dele próprio a
receber do sacerdote.

À fracção do pão, mormente nas missas concelebradas em que o rito da fracção se pode
prolongar demasiado, está agora previsto que o diácono possa ajudar o sacerdote
celebrante a partir as hóstias para a Comunhão, tanto dos concelebrantes como do povo
(n. 83 e 240).

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 31

A prescrição do antigo n. 137 segundo a qual, quando a Comunhão era distribuída sob as
duas espécies, o diácono seria o último a comungar, isto é, depois do povo, desapareceu. O
que está agora dito no n. 182 é que, depois da Comunhão do sacerdote, o diácono recebe
logo do próprio sacerdote a Comunhão sob as duas espécies, indo depois ajudar o
sacerdote na distribuição da Comunhão ao povo. Naturalmente que, se esta for distribuída
sob a espécie do vinho, o diácono será o ministro do cálice e, neste caso, tenha em conta o
direito que assiste aos fiéis de não quererem comungar do cálice, conforme refere o novo
n. 284: aos fiéis que eventualmente queiram comungar só sob a espécie do pão, dê-se a sagrada
Comunhão desta forma. Uma vez distribuída a comunhão, o diácono consome imediatamente
e com reverência, no altar, todo o Sangue de Cristo que sobrou, ajudado, se necessário, por outros
diáconos e presbíteros. Esta prescrição do n. 182, e que aparece reforçada mais adiante no n.
279, não constava na antiga IGMR.

Segundo os n. 183 e 279, de resto coincidentes neste particular com os antigos n. 138 e 238,
o diácono não purifica o cálice e os outros vasos sagrados no altar mas sim na credência,
ou a seguir à comunhão ou imediatamente depois da Missa.

Se houver bênção solene, o n. 185 explicita agora que o diácono pode fazer o convite
Inclinai-vos para receber a bênção, que já vinha previsto no Missal mas que a IGMR anterior
não referia. O mesmo n. 185 esclarece ainda que a despedida do povo, que pertence ao
diácono fazer, diz-se de mãos juntas e voltado para o povo. A fórmula é Ide em paz e o
Senhor vos acompanhe, e não Vamos em paz e (que) o Senhor nos acompanhe.

Na saída, embora os concelebrantes não o façam (cf. n. 251), está previsto que os diáconos
assistentes do sacerdote celebrante, e só estes, beijem o altar conjuntamente com ele (n.
186 e 251).

Ainda dentro do capítulo IV da nova IGMR, nos n. 273 a 287, que tratam de algumas
normas gerais para todas as formas de celebração da Missa, há alguns pontos que também
vale a pena serem tomados pelo diácono com a devida atenção.

O n. 274 vem esclarecer definitivamente a questão das genuflexões ao Santíssimo


Sacramento. Assim, se o sacrário estiver no presbitério, o sacerdote e os ministros que
participam na celebração da Missa só fazem genuflexão ao início da Missa, quando
chegam ao presbitério, e no final, quando dele se retiram. Durante a própria celebração da
Missa não se genuflecte ao sacrário com o Santíssimo Sacramento, mas apenas se
reverencia com uma inclinação o altar e o sacerdote que preside sempre que se passa
diante de um ou de outro (cf. IGMR n. 275 b e Cerimonial dos Bispos n. 72.76-78). Se o
sacrário estiver fora do presbitério, por exemplo numa capela lateral, também não se
genuflecte no caso de se ir em procissão.

Relativamente à incensação, vem agora desenvolvidamente descrita nos n. 276 e 277 que,
de resto, são um resumo daquilo que, no essencial, o Cerimonial dos Bispos já referia nos
n. 84 a 98. Sublinhe-se que a incensação do sacerdote e do povo, depois da preparação dos
dons, bem como a incensação à ostensão da hóstia e do cálice, na consagração, podem ser
feitas por um acólito ou outro ministro, mesmo estando presente o diácono (cf. n. 178-
179).

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 32

Diversas outras notas e chamadas de atenção poderiam ser feitas. Ficámo-nos pelas que se
referem mais directamente ao diácono e, de entre estas, pelas que nos pareceram mais
pertinentes. Mas a nova Instrução Geral do Missal Romano vale a pena ser mais estudada
e aprofundada para um melhor conhecimento da liturgia e da própria teologia da Missa,
não só na perspectiva do exercício dos ministérios litúrgicos mas também para que se
possa instruir e esclarecer cada vez melhor o povo cristão, de modo a conduzi-lo àquela
participação consciente, piedosa, activa e frutuosa na celebração da Eucaristia que vem
expressa na constituição conciliar Sacrosanctum Concilium sobre a sagrada liturgia (cf.
Sacrosanctum Concilium, n. 11 e 48).

6.3. AS FUNÇÕES DO DIÁCONO NA LITURGIA DA MISSA

Ofício do diácono na Missa [IGMR 94.171; CB 26.1191]

Na Missa, são funções próprias do diácono: proclamar o Evangelho e, eventualmente,


pregar a palavra de Deus, enunciar as intenções na oração universal, assistir ao sacerdote,
preparar o altar e servir na celebração do sacrifício, distribuir a Eucaristia aos fiéis,
particularmente sob a espécie do vinho, e eventualmente indicar ao povo os gestos e
atitudes corporais.

Assim, na liturgia da Missa, e como norma geral, o diácono:


 Assiste ao sacerdote e está sempre ao seu lado;
 Proclama o Evangelho e pode, por mandato do sacerdote celebrante, fazer a homilia;
 Orienta o povo fiel com oportunas admonições e enuncia as intenções da oração
universal;
 Ao altar, ministra ao cálice e ao livro;
 Ajuda o sacerdote celebrante a distribuir a Comunhão, e purifica e arruma os vasos
sagrados;
 Ele próprio, segundo as necessidades, realiza os ofícios dos outros ministros, se nenhum
deles estiver presente.

Quando a Missa é presidida pelo Bispo, haverá normalmente, pelo menos, três diáconos:
um para proclamar o Evangelho e servir ao altar, e dois para assistirem ao Bispo. Se forem
mais, distribuirão entre si os ministérios.

Em princípio, o diácono não proclama o Evangelho na Missa da tomada de posse do novo


Pároco, na qual é conveniente que seja este a fazê-lo.

Ritos iniciais

Procissão para o presbitério [IGMR 172; CB 128]

Revestido com as vestes sagradas, o diácono, se levar o Evangeliário, vai à frente do


sacerdote (ou dos sacerdotes concelebrantes, se os houver); caso contrário, vai ao lado
dele.

Se houver vários diáconos, a ordem da procissão é esta:


 Os ministros de grau inferior (leitores, acólitos, etc.), dois a dois;

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 33

 O diácono com o Evangeliário um pouco elevado;


 Os outros diáconos, dois a dois;
 Os sacerdotes concelebrantes, dois a dois;
 O sacerdote que preside, com o diácono assistente ao seu lado direito; se forem dois os
diáconos assistentes, e mormente se aquele que preside é o Bispo, os dois diáconos não
vão ao lado, mas um pouco atrás do presidente.

Se a procissão passar diante do Santíssimo Sacramento, não se pára nem se faz genuflexão.

Reverência ao altar [IGMR 122.173; CB 95.129-131.178]

Ao entrarem no presbitério, todos fazem inclinação profunda ao altar ou, se o Santíssimo


Sacramento se guardar no presbitério, genuflexão, excepto o diácono que leva o
Evangeliário. Este segue directamente para junto do altar, coloca o Evangeliário no centro
do altar, com a capa virada para cima, desloca-se para o lado, espera pelo sacerdote
(eventualmente acompanhado por um segundo diácono) e juntos beijam o altar; mas se
forem vários os diáconos presentes, aquele que leva o Evangeliário, depois de o colocar
sobre o altar, beija logo o altar e retira-se para o seu lugar, e o mesmo farão os demais
diáconos, dois a dois. O diácono, ou diáconos, que assistem ao sacerdote, beijam sempre o
altar juntamente com este.
Se se usa o incenso, o diácono ajuda o sacerdote na imposição do incenso e na incensação
da cruz, do altar e, eventualmente, das relíquias e das imagens sagradas expostas a pública
veneração.

Demais funções nos ritos iniciais [IGMR 174; CB 131-132.136]

Feita a reverência ao altar, os diáconos ocupam os seus lugares no presbitério, lugares


estes cuja disposição há-de manifestar que pertencem a uma ordem distinta da dos
presbíteros.

Os diáconos assistentes colocam-se junto da sede presidencial, dum e doutro lado, e ficam
de pé para ministrar no que seja preciso. Durante os ritos iniciais é preferível que o Missal
seja apresentado ao sacerdote por um acólito, assistido, se for necessário, por um dos
diáconos (para virar as páginas, para indicar ao celebrante as partes que deve ler, etc.). Na
falta do acólito, porém, o próprio diácono apresentará o Missal na oração colecta e, se for
preciso, durante os diversos ritos que a precedem.

Conforme as circunstâncias, e se assim tiver sido combinado, poderá caber ao diácono as


seguintes funções durante os ritos iniciais:
 Depois da saudação inicial do sacerdote, introduzir os fiéis na Missa do dia com
palavras muito breves;
 Quando se utiliza a terceira fórmula do Acto Penitencial, proferir as invocações.
Num e noutro caso, não utilizará o ambão.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 34

Liturgia da Palavra

Proclamação das leituras que precedem o Evangelho [IGMR 176]

Se não estiver presente nenhum leitor idóneo, é o diácono quem profere as leituras da
Missa que precedem o Evangelho.

Proclamação do Evangelho [IGMR 175; CB 74.140-141]

Quando se inicia o cântico de aclamação antes do Evangelho, e se se usar o incenso, o


diácono assiste ao sacerdote na preparação do turíbulo.

Então, o diácono que houver de proclamar o Evangelho, inclina-se profundamente diante


do sacerdote, que permanece sentado na sua sede, e pede a bênção em voz baixa: A vossa
bênção. O sacerdote abençoa-o, dizendo as palavras prescritas e fazendo o sinal da cruz, e o
diácono benze-se e responde: Amen.

O diácono aproxima-se do altar, faz inclinação ao altar, toma com reverência o


Evangeliário e, levando solenemente o livro um pouco elevado e com a capa virada para o
povo, dirige-se para o ambão, eventualmente precedido do turiferário e dos ceroferários.

No ambão, o diácono abre o Evangeliário, junta as mãos e diz: O Senhor esteja convosco.
Depois, durante as palavras Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São N., faz o
sinal da cruz com o polegar da mão direita, primeiro sobre o livro, no início do Evangelho
que vai proclamar, e depois sobre si mesmo na fronte, na boca e no peito.

Se houver incenso, recebe o turíbulo do turiferário, faz uma inclinação ao Evangeliário e


incensa-o com três ductos duplos: ao meio, à esquerda e à direita. Inclina-se de novo e
entrega o turíbulo ao turiferário.

Depois, proclama o Evangelho com as mãos juntas. Durante a proclamação do Evangelho,


todos permanecem de pé e voltados para o ambão.

Terminado o Evangelho, o diácono beija o livro, dizendo em silêncio: Por este santo
Evangelho, perdoai-nos, Senhor. Conforme as circunstâncias, se aquele que preside é o Bispo
e assim tiver sido combinado, o diácono leva o Evangeliário ao Bispo para que seja este a
beijá-lo e a dizer as palavras prescritas e ainda, se for oportuno, para dar a bênção ao povo
com o Evangeliário. Depois, o diácono pode levar o Evangeliáro para a credência ou para
outro lugar adequado e digno.

O diácono regressa, então, ao seu lugar, a não ser que, segundo as circunstâncias, seja o
diácono a fazer a homilia, caso em que permanecerá no ambão.

Oração universal [IGMR 177; CB144]

As intenções da oração universal são proferidas pelo diácono, no ambão ou noutro lugar
conveniente, por exemplo, no lugar que ocupa junto à sede presidencial.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 35

Se o fizer do ambão, já lá se deve encontrar quando o sacerdote faz a monição a convidar


os fiéis à oração; depois da última intenção, permanece junto ao ambão, voltado para o
sacerdote, até que este termine a oração conclusiva.

Liturgia eucarística

Preparação do altar [IGMR 178; CB 145]

Sentando-se o sacerdote, o diácono (ajudado pelos acólitos) coloca no altar o corporal


aberto; fora do corporal, e à sua direita, o sanguíneo, o cálice com o vinho e a patena com
as hóstias; fora do corporal, e à sua esquerda, o Missal (a não ser que um segundo diácono
vá ministrar ao livro, sustentando-o nas mãos). Se houver várias píxides com hóstias,
dispõe-nas de maneira harmoniosa sobre o altar e de modo que estas não venham a
ocultar ao povo o cálice e a patena.

Se tiver havido procissão dos dons, o diácono assiste ao sacerdote na recolha desses
mesmos dons. Leva para o altar o pão e o vinho e, se houver outro tipo de ofertas, levará
estas para lugar conveniente previamente preparado (fora do altar).

Depois prepara o cálice, juntando ao vinho um pouco de água, enquanto diz em silêncio:
Pelo mistério desta água e deste vinho sejamos participantes da divindade d’Aquele que assumiu a
nossa humanidade. Esta preparação do cálice pode ser feita previamente na credência.

Quando tudo estiver preparado, o diácono faz uma inclinação ao sacerdote.

Apresentação dos dons [IGMR 178; CB 96-97.146-147.149-150.153]

Quando o sacerdote chegar junto do altar, o diácono, à sua direita, entrega-lhe a patena
com as hóstias.

A seguir, e caso o não tenha já feito anteriormente durante a preparação do altar, prepara
o cálice, e entrega-o ao sacerdote.

Se se usar incenso, o diácono ajuda o sacerdote na imposição do incenso e na incensação


das oblatas, do altar e da cruz (neste momento não se incensam as relíquias e as imagens
sagradas expostas a pública veneração, as quais, eventualmente, terão sido incensadas no
início da Missa).

Feito isto, todos se levantam, o diácono recebe o turíbulo das mãos do sacerdote e, postado
do lado direito do altar e virado para o sacerdote, faz uma inclinação, incensa o sacerdote
com três ductos duplos e inclina-se de novo.

Do mesmo modo incensará os concelebrantes todos em conjunto, a partir de uma posição


fixa defronte deles, a seguir, se for o caso, o Bispo que preside mas não celebra a Missa, e,
por fim, o povo, a partir da entrada do presbitério ou de outra posição mais conveniente.
No caso dos concelebrantes e do povo, os três ductos duplos serão ao meio, à esquerda e à
direita daquele que incensa.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 36

Se o Chefe do Estado assistir oficialmente à celebração e em lugar distinto dos demais fiéis,
onde for costume será incensado antes do povo com três ductos duplos.

Ao lava-mãos do sacerdote assistem os acólitos, mas, na falta destes, o diácono terá de os


suprir nesse rito.

O diácono providenciará a apresentação do Missal na oração sobre as oblatas, finda a qual,


se aquele que preside é o Bispo, se tira o solidéu ao Bispo.

Oração Eucarística [IGMR 179-180.215; CB 153-156.158]

Durante a Oração Eucarística o diácono permanece ao lado do sacerdote, um pouco atrás,


mas de modo a que não se confunda com os eventuais sacerdotes concelebrantes, e servirá
o sacerdote no que for preciso, nomeadamente ao cálice e ao Missal.

Providenciará a apresentação do Missal no Prefácio e na Prece Eucarística que tiver sido


combinado. Aos eventuais concelebrantes, nos momentos próprios da Prece Eucarística,
apresentará igualmente o Missal ou o livro com os textos das Orações Eucarísticas para os
concelebrantes. Terá ainda em atenção apresentar as intercessões especiais que se inserem
na Oração Eucarística quando da celebração dalguns ritos sacramentais.

A não ser que tenha de sustentar o livro, o diácono (bem como os demais ministros e o
povo) ajoelha-se desde o início da epiclese de consagração até depois da elevação do
cálice.

Se se usar incenso, o diácono (ou um outro ministro), de joelhos em frente do altar e ao


centro do presbitério, e tendo previamente colocado o incenso no turíbulo, incensa a hóstia
e o cálice a cada elevação, com três ductos duplos.

Na doxologia final da Oração Eucarística, o diácono, ao lado do sacerdote, eleva o cálice,


ao mesmo tempo que o sacerdote eleva a patena com a hóstia, até que o povo e o próprio
diácono tenham respondido com a aclamação: Amen.

Ritos da Comunhão [IGMR 181-183.240.244.247;


CB 99-100.102-103.161.164-165]

Terminada a Oração Eucarística, o diácono apresenta o Missal nos ritos da Comunhão.

Depois do sacerdote dizer: A paz do Senhor esteja sempre convosco, com a resposta do povo:
O amor de Cristo nos uniu, o diácono, se assim tiver sido previsto, convida ao sinal da paz
dizendo, de mãos juntas e voltado para o povo: Saudai-vos na paz de Cristo.

O diácono recebe do sacerdote o sinal da paz, do seguinte modo: o sacerdote coloca as


suas mãos nos ombros do diácono, e este toca com as palmas das mãos nos cotovelos do
sacerdote; ambos se inclinam ligeiramente, num movimento da cabeça para a frente e um
pouco para a direita; o sacerdote diz: A paz esteja contigo ou A paz do Senhor esteja sempre
contigo, e o diácono responde: E contigo também ou Amen; ambos se endireitam e fazem
uma inclinação de cabeça.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 37

De modo idêntico, o diácono pode, depois, dar a paz aos ministros que estiverem mais
perto. Se for costume, e disso for incumbido, poderá ser o diácono a dar a paz ao Chefe do
Estado que assista oficialmente à celebração.

Durante a fracção do pão, o diácono, se for necessário, vai ao sacrário buscar a reserva do
Santíssimo Sacramento, coloca a píxide no altar, em cima do corporal, e destapa-a, levando
a tampa para a credência. No caso de serem muitas as hóstias a fraccionar, o diácono pode
ajudar o sacerdote a parti-las.

Depois de comungar, o sacerdote dá ao diácono a Comunhão sob as duas espécies e este,


se for necessário, vai ajudar o sacerdote na distribuição da Comunhão. No caso da
Comunhão do povo se fazer sob as duas espécies, é o diácono quem ministra o cálice aos
comungantes.

Acabada a distribuição da Comunhão sob as duas espécies, ou no caso de uma


concelebração, o diácono consome imediatamente e com reverência, no altar, todo o
Sangue de Cristo que tenha sobrado, ajudado, se necessário, por outros diáconos e
presbíteros.

Depois da distribuição da Comunhão, o diácono leva para o sacrário a eventual reserva do


Santíssimo Sacramento e faz genuflexão antes de fechar o sacrário.

De volta ao altar, o diácono recolhe para dentro do cálice os fragmentos do Corpo do


Senhor que possam existir, ajudado pelos acólitos leva para a credência o cálice, a patena,
as píxides e as bandejas que tenham de ser purificados, e dobra e retira o corporal do altar.

Então, na credência, o diácono purifica os vasos sagrados. Ao beber do cálice a ablução, o


diácono diz em silêncio: O que em nossa boca recebemos, Senhor, seja por nós acolhido em
coração puro, e estes dons da vida temporal se tornem remédio de vida eterna.

Os vasos a purificar também se podem deixar na credência, devidamente cobertos, sendo


purificados imediatamente a seguir à Missa.

Feitas as purificações, ou deixados os vasos na credência, o diácono volta para o seu lugar.

Ritos de conclusão [IGMR 184-186; CB 168-170]

Um acólito, ou na sua falta o próprio diácono, apresenta o Missal ao sacerdote para a


oração depois da Comunhão.

A seguir, poderá ser o diácono a fazer ao povo os eventuais avisos, a não ser que o
sacerdote prefira fazê-los por si próprio. Para o efeito, o diácono não utilizará o ambão.

Se o sacerdote utilizar uma das fórmulas de Bênção Solene ou de Oração de Bênção sobre
o povo, depois do sacerdote saudar o povo, dizendo: O Senhor esteja convosco, e deste
responder: Ele está no meio de nós, o diácono, de mãos juntas e voltado para o povo, pode
fazer o seguinte convite: Inclinai-vos para receber a bênção.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 38

Na bênção, simples ou solene, o diácono (e todos os presentes) inclina-se durante as


invocações e enquanto se benze.

Depois da bênção, o diácono despede os presentes dizendo, de mãos juntas e voltado para
o povo: Ide em paz e o Senhor vos acompanhe. Desde a Vigília Pascal até ao Domingo II da
Páscoa, inclusive, e ainda no Domingo de Pentecostes, a esta fórmula de despedida
acrescenta-se: Aleluia, Aleluia, ao que o povo responde: Graças a Deus. Aleluia, Aleluia.

Então, o diácono e o sacerdote beijam juntamente o altar e, feita uma inclinação profunda
ou, se o Santíssimo Sacramento se guardar no presbitério, uma genuflexão, retiram-se pela
mesma ordem da procissão de entrada.

Se houver vários diáconos, bem como sacerdotes concelebrantes, só beija o altar o


sacerdote que preside e, juntamente com ele, o diácono ou diáconos assistentes. Os
restantes fazem inclinação profunda ao altar, ou genuflexão ao Santíssimo Sacramento.

Ao chegar à sacristia, todos fazem inclinação à cruz, respondem ao versículo que for dito
pelo sacerdote e saúdam-no, todos ao mesmo tempo, com uma inclinação.

Enquanto se arrumam as coisas que serviram na celebração e, a seguir, se tiram as vestes,


haja, da parte de todos, cuidado em guardar silêncio, numa atitude de comum
recolhimento e de respeito para com a santidade da casa de Deus.

Atitudes corporais do diácono na Missa [IGMR 43; CB 74.107.109.155]

Na celebração da Missa, o diácono, como regra geral e a menos que esteja no exercício de
alguma função que lho impeça, está de mãos juntas e observa as atitudes comuns à
assembleia.

Assim, está de pé desde o início da Missa até à oração colecta; senta-se, pousando as
palmas das mãos sobre os joelhos, no momento em que o sacerdote se sentar, para escutar
as leituras que precedem o Evangelho e o salmo responsorial; põe-se de pé quando se
inicia o cântico de aclamação antes do Evangelho e durante a proclamação do Evangelho
fica voltado para quem o proclama; senta-se, pousando as palmas das mãos sobre os
joelhos, para escutar a homilia, e volta a estar de pé durante a profissão de fé e a oração
universal; fica sentado, pousando as palmas das mãos sobre os joelhos, durante a
preparação do altar e a apresentação dos dons, até ao convite à oração que precede a
oração sobre as oblatas (mas se houver incenso, todos se levantam no momento da
incensação do sacerdote); está de pé desde o convite à oração que precede a oração sobre
as oblatas (ou, se houver incenso, desde o momento da incensação do sacerdote) até à
epiclese de consagração; ajoelha desde a epiclese de consagração até depois da elevação do
cálice; volta a estar de pé desde a aclamação a seguir à elevação do cálice, inclusive, até
terminar a distribuição da Comunhão; senta-se, pousando as palmas das mãos sobre os
joelhos, quando o sacerdote se sentar, durante o silêncio sagrado ou o cântico depois da
Comunhão; está de pé desde a oração depois da Comunhão até ao final da Missa.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 39

6.4. FÓRMULAS A MEMORIZAR PELO DIÁCONO PARA A CELEBRAÇÃO DA MISSA

Na celebração da Missa, cabe ao diácono proferir determinadas fórmulas, umas em voz


alta, outras em silêncio, sendo de toda a conveniência que as memorize, pois na maior
parte das vezes não poderá socorrer-se dos respectivos textos. Tais fórmulas são as
seguintes:

 Iniciado o Aleluia ou outro cântico de aclamação antes do Evangelho e, se se usar


incenso, depois do sacerdote colocar o incenso no turíbulo, o diácono inclina-se
profundamente diante do sacerdote, que permanece sentado na sua sede, e pede a bênção
em voz baixa dizendo: A vossa bênção. O sacerdote abençoa-o, dizendo as palavras
prescritas e fazendo o sinal da cruz, e o diácono benze-se e responde: Amen. Antes de
começar a proclamação do Evangelho, o diácono, no ambão, junta as mãos e diz: O Senhor
esteja convosco. Depois, durante as palavras Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo
São N., faz o sinal da cruz com o polegar da mão direita, primeiro sobre o livro, no início
do texto que vai proclamar, e depois sobre si mesmo na fronte, na boca e no peito.
Terminado o Evangelho, e depois de dizer Palavra da salvação, o diácono beija o livro
dizendo em silêncio: Por este santo Evangelho, perdoai-nos, Senhor. Conforme as
circunstâncias, se aquele que preside é o Bispo e assim tiver sido combinado, o diácono
leva o Evangeliário ao Bispo para que seja este a beijá-lo e a dizer as palavras prescritas.

 Na preparação do cálice, seja ela feita no altar ou na credência, enquanto o diácono


junta um pouco de água ao vinho, diz em silêncio: Pelo mistério desta água e deste vinho
sejamos participantes da divindade d’Aquele que assumiu a nossa humanidade.

 Não esquecer que, na doxologia final da Oração Eucarística, quando o diácono eleva o
cálice, ao mesmo tempo que o sacerdote eleva a patena com a hóstia, não compete ao
diácono dizer Por Cristo, com Cristo, em Cristo... mas somente a resposta Amen, juntamente
com o povo.

 O convite ao sinal da paz, se estiver previsto, é feito pelo diácono, de mãos juntas e
voltado para o povo, com a fórmula: Saudai-vos na paz de Cristo. Quando o diácono
recebe do sacerdote o sinal da paz e este lhe diz: A paz esteja contigo ou A paz do Senhor
esteja sempre contigo, o diácono responde: E contigo também ou Amen.

 Na purificação dos vasos sagrados, que o diácono fará na credência depois da


distribuição da comunhão ou imediatamente após a conclusão da Missa, ao beber do cálice
a ablução diz em silêncio: O que em nossa boca recebemos, Senhor, seja por nós acolhido
em coração puro, e estes dons da vida temporal se tornem remédio de vida eterna.

 Se o sacerdote utilizar uma das fórmulas de Bênção Solene ou de Oração de Bênção


sobre o povo, depois do sacerdote saudar o povo, dizendo: O Senhor esteja convosco, e deste
responder: Ele está no meio de nós, o diácono, de mãos juntas e voltado para o povo, pode
fazer o seguinte convite: Inclinai-vos para receber a bênção.

 Depois da bênção, o diácono despede os presentes dizendo, de mãos juntas e voltado


para o povo: Ide em paz e o Senhor vos acompanhe. Desde a Vigília Pascal até ao Domingo
II da Páscoa, inclusive, e ainda no Domingo de Pentecostes, a esta fórmula de despedida
acrescenta-se: Aleluia, Aleluia.

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 40

6.5. ÍNDICE DA 2.ª EDIÇÃO TÍPICA DO «MISSAL ROMANO»

PRÓPRIO DO TEMPO
Tempo do Advento
Tempo do Natal
Tempo da Quaresma
Semana Santa
Sagrado Tríduo Pascal
Tempo Pascal
Tempo Comum

ORDINÁRIO DA MISSA
Ritos iniciais
Liturgia da Palavra
Liturgia Eucarística
Prefácios
Oração Eucarística I ou Cânone Romano
Oração Eucarística II
Oração Eucarística III
Oração Eucarística IV
Ritos da Comunhão
Ritos de conclusão
Bênçãos solenes
Orações de bênção sobre o povo

ORDINÁRIO DA MISSA COM CANTO


Tom I [mais solene]
Tom II [mais simples]

PRÓPRIO DOS SANTOS


[por ordem cronológica da respectiva celebração]

MISSAS COMUNS
Comum da Dedicação de uma Igreja
Comum de Nossa Senhora
Comum dos Mártires
Comum dos Pastores da Igreja
Comum dos Doutores da Igreja
Comum das Virgens
Comum dos Santos e das Santas

MISSAS RITUAIS
Para os sacramentos da Iniciação Cristã
Para a administração das Ordens Sacras
Para a Unção dos Enfermos
Para o Viático
Para a Missa dos Esposos

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 41

Para a Bênção Abacial


Para a Consagração das Virgens
Para a Profissão Religiosa
No dia da Dedicação de uma igreja ou de um altar

MISSAS E ORAÇÕES PARA DIVERSAS NECESSIDADES


Oração Eucarística V
Pela Santa Igreja
Pela sociedade civil
Em diversas circunstâncias da vida social
Por algumas necessidades particulares

MISSAS VOTIVAS

MISSAS DOS DEFUNTOS


Nas exéquias
No aniversário
Para diversas comemorações
Orações diversas pelos defuntos
Nas exéquias de uma criança baptizada
Nas exéquias de uma criança ainda não baptizada

APÊNDICES
Oração Eucarística da Reconciliação
Oração Eucarística para as Missas com crianças
Ordo Missae
Rito para a aspersão dominical da água benta
Formulários para a oração universal
Rito para designar ocasionalmente um ministro da sagrada Comunhão
Anúncio solene do dia de Páscoa na solenidade da Epifania

6.6. ÍNDICE DO «DIRECTÓRIO PRÁTICO» DA ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS

I. Natureza e importância pastoral da oração universal


II. As partes e os ministros da oração universal
III. A liberdade a ter em conta no uso da oração universal

6.7. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES GERAIS» DO RITUAL DA SAGRADA COMUNHÃO E CULTO DO


MISTÉRIO EUCARÍSTICO FORA DA MISSA

I. Relação entre o culto eucarístico fora da Missa e a celebração eucarística


II. Finalidade da reserva eucarística
III. Lugar da reserva eucarística
IV. Competência das Conferências Episcopais

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 42

6.8. SAGRADA COMUNHÃO FORA DA MISSA

Índice dos «Preliminares»

I. Relação entre a Comunhão fora da Missa e o sacrifício


II. Quando se pode dar a Comunhão fora da Missa
III. Ministro da sagrada Comunhão
IV. Lugar para a Comunhão fora da Missa
V. Algumas normas para a distribuição da sagrada Comunhão
VI. Disposições para receber a sagrada Comunhão

Rito com celebração mais longa da Palavra de Deus

1. RITOS INICIAIS
a) Saudação
b) Acto penitencial
2. LITURGIA DA PALAVRA
a) Leituras bíblicas
b) Oração dos fiéis
3. RITO DA COMUNHÃO
a) Deposição do Santíssimo Sacramento sobre o altar
b) Pai nosso
c) [Rito da paz]
d) Felizes os convidados…
e) Distribuição da Comunhão
f) [Silêncio sagrado, canto de um salmo ou cântico de louvor]
g) Oração depois da Comunhão
4. RITOS DE CONCLUSÃO
a) Bênção (ou, quando se trata de orientador leigo, invocação de bênção)
b) Despedida

Rito com celebração breve da Palavra de Deus

1. RITOS INICIAIS
a) Saudação
b) Acto penitencial
2. LEITURA BREVE DA PALAVRA DE DEUS
3. RITO DA COMUNHÃO
a) Deposição do Santíssimo Sacramento sobre o altar
b) Pai nosso
c) Felizes os convidados…
d) Distribuição da Comunhão
e) [Silêncio sagrado, canto de um salmo ou cântico de louvor]
f) Oração depois da Comunhão
4. RITOS DE CONCLUSÃO
a) Bênção (ou, quando se trata de orientador leigo, invocação de bênção)
b) Despedida

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 43

6.9. COMUNHÃO E VIÁTICO LEVADO AOS DOENTES

O sacerdote e o diácono administram a sagrada Comunhão e o Viático aos doentes


segundo os ritos descritos no Ritual da Unção e Pastoral dos Doentes.

É permitido administrar a Eucaristia apenas sob a espécie do vinho àqueles que não a
podem receber sob a espécie do pão. O Sangue do Senhor deve ser levado ao enfermo num
recipiente de tal modo fechado que se evite todo o perigo de o entornar. Se após a
Comunhão sobrar alguma porção do preciosíssimo Sangue, tome-o o ministro o qual
também fará as abluções devidas.

Rito Ordinário da Comunhão dos doentes levada por ministro ordenado

1. RITOS INICIAIS
a) Saudação
b) [Aspersão]
c) Acto penitencial
2. LEITURA BREVE DA PALAVRA DE DEUS
a) Leitura breve da Sagrada Escritura
b) [Breve explicação da leitura]
3. RITO DA COMUNHÃO
a) Pai nosso
b) Felizes os convidados…
c) Comunhão
d) [Silêncio sagrado]
e) Oração depois da Comunhão
4. RITOS DE CONCLUSÃO
a) Bênção

Rito Breve da Comunhão dos doentes levada por ministro ordenado

Este rito breve destina-se a ser usado quando a sagrada Comunhão é dada a vários
doentes, que se encontram em diferentes quartos ou salas do mesmo edifício, por exemplo,
do mesmo hospital. Podem juntar-se-lhe, se for conveniente, outros elementos do rito
ordinário.

a) Antífona (na capela ou no primeiro quarto)


b) Felizes os convidados… (uma só vez em cada quarto ou para cada doente em particular)
c) Comunhão
d) Oração depois da Comunhão (na capela ou no último quarto)

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 44

Rito do Viático fora da Missa administrado pelo diácono

1. RITOS INICIAIS
a) Saudação
b) [Aspersão]
c) Admonição
d) Acto penitencial
2. LEITURA BREVE DA PALAVRA DE DEUS
a) Leitura breve da Sagrada Escritura
b) [Breve explicação da leitura]
3. [PROFISSÃO DE FÉ BAPTISMAL]
4. [LADAINHA]
5. VIÁTICO
a) Pai nosso
b) Felizes os convidados…
c) Comunhão
d) [Silêncio sagrado]
e) Oração depois da Comunhão
6. RITOS DE CONCLUSÃO
a) Bênção
b) [Sinal da paz dado ao doente]

6.10. EXPOSIÇÃO DA SANTÍSSIMA EUCARISTIA

Índice dos «Preliminares»

I. Relação entre a exposição e a Missa


II. Normas para a exposição eucarística
Exposição prolongada
Exposição breve
Adoração nas comunidades religiosas
III. Ministro da exposição da Santíssima Eucaristia

Rito da exposição e bênção eucarística

1. EXPOSIÇÃO
a) Exposição do Santíssimo Sacramento na custódia ou na píxide, sobre o altar
b) [Incensação do Santíssimo Sacramento]
c) Invocações e louvores iniciais (cf. Ritual, n. 192 ss.)
2. ADORAÇÃO
3. BÊNÇÃO
a) Hino eucarístico (cf. Ritual, n. 260 ss.)
b) [Incensação do Santíssimo Sacramento]
c) Oração (cf. Ritual, n. 98)
d) Sinal da cruz com a custódia ou com a píxide
4. REPOSIÇÃO
a) Reposição do Santíssimo Sacramento no sacrário e invocações (cf. Ritual, n. 266)

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 45

6.11. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

Missa

Alva e estola e dalmática da cor correspondente à celebração; por necessidade ou por


menor grau da solenidade, a dalmática pode omitir-se (cf. IGMR, 338). Porém, para
conservar a insigne tradição da Igreja, é recomendável não usar da faculdade de omitir a
dalmática (Redemptionis Sacramentum, 125), sobretudo aos Domingos e nas celebrações
festivas ou mais solenes.

Sagrada Comunhão fora da Missa

Quando a sagrada comunhão for administrada numa igreja ou oratório, alva (ou
sobrepeliz sobre a veste talar) e estola de cor branca (ou da cor correspondente à
celebração quando se faz o «Rito com celebração mais longa da Palavra de Deus», n. 26-41 do
Ritual).

Quando a sagrada comunhão for administrada fora da igreja ou oratório, traje adequado
às circunstâncias do lugar (cf. Ritual, n. 20).

Comunhão e Viático levado aos doentes

Traje adequado à dignidade deste sagrado ministério (cf. Ritual, n. 49.101).

Exposição da Santíssima Eucaristia

Para a exposição, alva (ou sobrepeliz sobre a veste talar) e estola de cor branca.

Para dar a bênção no fim da adoração, deve pôr também o pluvial e o véu de ombros de
cor branca se a exposição foi feita com a custódia, ou só o véu de ombros se a exposição foi
feita com a píxide (cf. Ritual, n. 92).

Leitura recomendada:

• «Instrução Geral do Missal Romano»


• «Oração Universal – Dominical»: Apresentação [n. 1-14] e Proémio [n. 1-20]
• «Ritual Romano – Sagrada Comunhão e Culto do Mistério Eucarístico fora da Missa»:
Preliminares Gerais [n. 1-12], Capítulo I [n. 13-53] e Capítulo III [n. 79-100]
• «Ritual Romano – Unção e Pastoral dos Doentes»: Preliminares [n. 1-40], Capítulo I [n. 42-
63], Capítulo III [n. 93-96; 100-114] e Capítulo VI [n. 138-151]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 46

Exercício:

6) Um determinado lugar tem São Jorge por padroeiro principal. Redija um ordo no qual se
incluam as orações, leituras e demais partes da Missa festiva a celebrar. O ordo deve ainda
conter todas as indicações e rubricas consideradas pertinentes para uma boa ordenação da
celebração. [4]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 47

7. CELEBRAÇÃO DOMINICAL NA AUSÊNCIA DO PRESBÍTERO

7.1. ÍNDICE DOS «PRELIMINARES» DO RITUAL DA CELEBRAÇÃO DOMINICAL NA AUSÊNCIA DO


PRESBÍTERO

I. A importância do Domingo
II. Condições para as celebrações dominicais na ausência do presbítero
III. A assembleia dominical e os seus ministros
IV. O lugar e as coisas necessárias para a celebração
V. O ordenamento da celebração
Ritos iniciais
Liturgia da Palavra
Acção de graças
Rito da Comunhão
Ritos de conclusão

7.2. RITO DA CELEBRAÇÃO DOMINICAL NA AUSÊNCIA DO PRESBÍTERO

1. RITOS INICIAIS
a) Sinal da cruz
b) Saudação
c) [Admonição]
d) Acto penitencial
e) Oração colecta
2. LITURGIA DA PALAVRA
a) Leitura I
b) Salmo responsorial
c) Leitura II
d) Aclamação ao Evangelho (se não se canta pode omitir-se)
e) Evangelho
f) Homilia (ou, quando se trata de orientador leigo, leitura da homilia escrita pelo
pároco, leitura de algum comentário às leituras previamente aprovado pelo
pároco, ou leitura de algumas frases das leituras propondo-as à consideração dos
fiéis para que eles, se assim o desejarem, possam exprimir o que tais frases lhes
sugerem para as suas vidas)
g) Profissão de fé
h) Oração universal (pedindo com frequência pelas vocações ao sacerdócio)
3. RITO DA COMUNHÃO
a) Deposição do Santíssimo Sacramento sobre o altar
b) Pai nosso
c) [Rito da paz]
d) [Admonição à Comunhão]
e) Felizes os convidados…
f) Distribuição da Comunhão

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 48

g) Acção de graças, feita por meio de um salmo, hino, cântico ou breves preces
litânicas (a acção de graças também se pode fazer a seguir à oração universal –
sobretudo se não há distribuição da Comunhão – ou antes do Pai nosso – diante
do Santíssimo Sacramento colocado sobre o altar)
h) Oração depois da Comunhão
4. RITOS DE CONCLUSÃO
a) [Avisos]
b) Bênção (ou, quando se trata de orientador leigo, invocação de bênção)
c) Despedida
d) [Recolha de ofertas feita à saída da igreja]

Não havendo distribuição da sagrada Comunhão, suprimem-se as partes indicadas nas


alíneas a), d), e), f) e h) do rito da Comunhão. O Pai nosso nunca se omite. A celebração
termina com os ritos de conclusão.

7.3. VESTES LITÚRGICAS DO DIÁCONO

Alva e estola da cor correspondente à celebração; eventualmente, dalmática da mesma cor


(cf. Ritual, n. 25).

Leitura recomendada:

• «Celebração Dominical na ausência do Presbítero»: Preliminares [n. 1-55] e Ritual da


Celebração presidida por um Diácono [n. 1-32]

Exercício:

7) Descreva, de forma sintética mas completa, o rito da Celebração Dominical na ausência


do Presbítero presidida por um diácono. [2]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente


LITURGIA SACRAMENTAL 49

8. LITURGIA EPISCOPAL

8.1. ÍNDICE DAS «PARTES» DO CERIMONIAL DOS BISPOS

Parte I) Liturgia episcopal em geral


Parte II) Missa
Parte III) Liturgia das Horas e celebrações da Palavra de Deus
Parte IV) Celebrações dos Mistérios do Senhor no decurso do ano
Parte V) Sacramentos
Parte VI) Sacramentais
Parte VII) Datas mais importantes na vida do Bispo
Parte VIII) Celebrações litúrgicas relacionadas com actos solenes do ministério episcopal

Leitura recomendada:

• «Cerimonial dos Bispos»: I Parte [n. 1-118], II Parte [n. 119-186] e III Parte [n. 187-226]

Exercício:

8) Indique, de forma sintética mas completa, os momentos da Missa estacional em que está
previsto o Bispo fazer uso do báculo, da mitra e do solidéu. [2]

Patriarcado de Lisboa Formação para o Diaconado Permanente