Você está na página 1de 13

Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

Regimento Interno

TENDA DE UMBANDA VOVÓ MARIA CONGA E PAI JOSÉ DE ANGOLA

TÍTULO I – DOS OBJETIVOS

ARTIGO 1º - Os objetivos do presente Regimento Interno são regulamentar o


funcionamento da TENDA DE UMBANDA VOVÓ MARIA CONGA E PAI JOSÉ DE ANGOLA,
normatizar o comportamento dos Médiuns, Dirigentes e Assistência, bem como,
explicar procedimentos para o exercício pleno dos direitos e deveres dos associados e
médiuns.
Parágrafo 1º – O presente Regimento Interno complementa as orientações e normas
constantes do Terreiro.

TÍTULO II – DAS ORIENTAÇÕES RITUALÍSTICAS

ARTIGO 2º – Preparação para as Giras


1 - Semanalmente os Médiuns deverão acender uma vela branca de 7 dias para o seu
Anjo de Guarda.
2 – Existe a necessidade de preparação para a Gira, assim 24 horas antes dos trabalhos
mediúnicos os Médiuns não deverão ingerir nenhum tipo de bebida alcoólica, comer
carne vermelha e tampouco manter relações sexuais.
3 - A alimentação deve ser leve, ingerindo preferencialmente frutas, verduras e
legumes devendo ser substituída apenas por peixes e frutos do mar.
4 - No dia da Gira, os Médiuns deverão ter acendido fazer seu banho de descarrego
com as ervas correspondentes à linha de trabalho, sempre em número ímpar (1, 3, 5
ou 7 ervas, lembrando sempre de consultar seu dirigente sobre qual banho tomar.
4.1 - O banho de descarrego é feito após a higiene pessoal, jogando-se o produto da
infusão das ervas (por a água para ferver, após a fervura adicionar as ervas e abafar)
sobre os ombros (sempre dos ombros para baixo), para fazer a limpeza do campo
magnético e eliminar as energias negativas.
5 - Para as Giras de desenvolvimento o (a)s Médiuns deverão proceder da mesma
forma.

ARTIGO 3º – Calçado
1 – A área de Gira do Terreiro é solo consagrado, assim, deverá ser evitado o uso dos
mesmos calçados com os quais se veio da rua, por isso, os médiuns deverão
preferencialmente estar descalços.

ARTIGO 4º – Saudações
1 - Na chegada ao Terreiro, deverão ser saudados os Exus, que fazem a guarda e a
proteção do nosso Terreiro, das Giras e de todos os frequentadores durante os
trabalhos.
2 – Logo na entrada do Terreiro, fica a Tronqueira – Casa de Exu, onde se encontram as
firmezas do Sr. Exu Tranca Ruas das Almas, e da Pomba-gira Sete Saias da Calunga
responsável pela proteção do Terreiros.
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

Neste local, deve-se fazer a saudação, pedindo licença para entrar, lembrando-se de
sempre estar de joelho para salda lós.
Saudações para Exu: Laroye exu – Exu é mojuba...Salve senhora pomba-gira – pomba-
gira sarava ...Laroye exu mirim – exu mirim é mojuba... Salve a pomba-gira mirim –
pomba-gira mirim sarava e dar 3 palmas seguidas.
3 - Ao entrar no Terreiro propriamente dito (área de Gira), com o dedo anelar da mão
direita, devem-se bater três vezes no chão (formando uma cruz), pedindo licença e
permissão para entrar no Terreiro e em seguida bater o dedo na cabeça, primeiro
entre as sobrancelhas (fronte), depois acima da orelha (lóbulo parietal) e por último no
final da cabeça, início da nuca (lóbulo occipital), com o objetivo de harmonizar os
planos físicos, períspirito e espírito.
5 - A mesma saudação deve ser feita aos Orixás no altar.
6- Deve- se ser feita a mesma saudação á Curimba (atabaques) caso possua
7 – Deve-se pedir a benção sempre a Mãe-de-Santo do Terreiro (Motumbá – quer dizer
sua benção, e deve-se responder Motumba asé – deus te abençoe) não se esqueçam
de comprimentar com a mesma saudação os seus irmãos do terreiro.

ARTIGO 5º – Dúvidas
Quando o Médium tiver qualquer dúvida sobre o seu desenvolvimento mediúnico,
sobre o ritual ou sobre os trabalhos, deverá esclarecer somente com sua Mãe-de-
Santo.
Parágrafo 1º – Embora exista muita informação sobre a Umbanda na Internet e em
livros, existe também muita diversidade de ritos e cultos, o que pode confundir
principalmente os médiuns novos, assim a filosofia de trabalho do Terreiro é definida
pelo chefe do Terreiro, com base na sua “raiz” religiosa e aplicada pela sua hierarquia
aos demais médiuns.

ARTIGO 6º – Durante a Gira


“1 – Ao iniciar a Gira, com as firmezas feitas, os médiuns da corrente deveram já estar
em seus lugares, a partir da ai começam a cantar pra despachar egun, momento este
de grande importância para a abertura da gira”.
Após canta-se pra exu “Tranca Rua das Almas “para abrir o terreiro”“.
1.1 – Ao formar a fila para a defumação, os Médiuns deverão estar concentrados.
2 - Todos deverão perfilar-se no seu lugar na corrente mantendo sempre uma atitude
de respeito, cantando e dançando com toda a vontade (Umbanda é som e
movimento). Os pontos cantados são mantras que energizam positivamente o
ambiente, potencializando as energias para ali canalizadas.
2.1 – Inicialmente agora todos os médiuns deverão estar em suas posições na corrente
mediúnica para que possa ser feito o ritual de “bater a cabeça”, cada médium deve ter
seu pano de cabeça e pano da costa na cor branca ou dos orixás regente da gira.
3 - Os médiuns que chegarem atrasados deverá aguardar a permissão do Guia da gira
para a sua entrada. Recebida a permissão, o médium deverá “bater a cabeça” em
frente ao “congá”, cumprimentará a mãe de santo ou o guia chefe e se posicionará na
corrente.
3.1 - Todos os médium deve bater cabeça a “Oxalá e as 7 linhas”
3.2 – Agora os médiuns devem se abaixar e saudar a linha de trabalho do dia e, todos
os médiuns devem permanecer sempre de joelhos em sinal de submissão e cantar o
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

ponto estipulado, sendo assim bater a cabeça quando a “mãe de santo” estiver
incorporando, mostrando assim respeito à hierarquia da casa.
3.3 – Todos os médiuns após o término da gira devem “fechar o terreiro” louvando seu
Tranca Rua das Almas.
4 - Os médiuns para ir ao banheiro o médium deve pedir permissão ao guia chefe.
Parágrafo 1º – É terminantemente proibido aos médiuns:
1 - Estimular a incorporação de outros médiuns da corrente ou da assistência (somente
com a autorização do chefe do terreiro “sacerdotisa”)
2 - Dar consulta ou passe sem a permissão do guia chefe da linha.
Quando o médium é liberado para realizar os mesmo devem ser rápidos, de forma a
possibilitar que aquelas pessoas da assistência, mais necessitadas, recebam-no.
3 - Assim a postura dos médiuns da corrente e a forma como se comportam, falam ou
gesticulam, deve servir como exemplo.
Parágrafo 3º – As Giras se dividirão em duas partes com um rápido intervalo entre elas,
na primeira são realizados os ritos de abertura e firmeza dos trabalhos e o, na segunda
serão dadas consultas individuais aqueles integrantes da assistência que assim
desejarem.
Parágrafo 4º – Caso alguém da assistência incorpore, deve-se solicitar que o mesmo
seja trazido para dentro do congar (dentro da gira), permitindo a incorporação apenas
para descarregar o “cavalo” e após subir. Não se admite a incorporação prolongada e
em hipótese alguma ficar atendendo juntamente com os membros da corrente sem a
permissão do guia chefe.
Parágrafo 5º – É necessário que todos estejam focados e concentrados na Gira para
não ocorrer queda da energia vibratória na corrente o que pode atrapalhar o
andamento dos trabalhos. Mesmo os Médiuns que não incorporam têm um papel
fundamental na sustentação da energia da Gira, “a corrente mediúnica depende de
cada um dos seus elos”.
Parágrafo 6º – A Incorporação e visitação em outra casa gera advertência imediata do
terreiro, entendendo-se que a energia gerada em cada casa tem fundamento, ordem e
acompanhamentos específicos. Desta forma, após 3 advertências, o afastamento por
tempo indeterminado é inevitável.

ARTIGO 7º – Médiuns e Cambones


1 - Os Cambones são auxiliares das Entidades e dos Médiuns quando incorporados e
principalmente fiscais do Terreiro.
2 – A função dos Cambones é auxiliar as Entidades no Terreiro sendo isso de uma
importância muito grande para o desenvolvimento e aprendizado mediúnico, por isso,
a orientação do Diretor de Terreiro é de que todos os médiuns exerçam a função,
como forma de obter o aprimoramento dos seus conhecimentos.
3 – Durante as consultas em caso de dúvida, quanto a “o quê, como, quando e onde
fazer”, o procedimento indicado pela Entidade, deverá ser esclarecido com a mesma,
evitando desta forma que o consulente possa sair com dúvida e acabar por realizar
alguma coisa errada.
4- Cabe aos Médiuns deverão deixar todo o material de uso da Entidade separado
previamente.
5 – Os médiuns e cambones deverão manter a sintonia espiritual e a sua concentração
durante as consultas e trabalhos realizados pela Entidade.
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

6 - Cabe aos médiuns e Cambones do terreiro a postura de honestidade e sigilo


absoluto, guardando como “segredo confessional” tudo o que for dito e ouvido
durante a consulta.
7 - Os Cambones deverão prestar atenção às consultas para que não seja infringida
nenhuma norma ou regulamento da casa, comunicando qualquer irregularidade à
hierarquia e/ou conforme o caso Mãe-de-Santo, por isso não deverá incorporar,
exceto quando autorizado pela Entidade a quem estiver atendendo ou ao final das
consultas para “descarregar a energia”.
8 - Somente guias autorizados pelo chefe do terreiro podem dar ‘passe’ ou “consulta,
por isso sempre se informar se a entidade que ali esta pode executar essas funções”.
9 - Ao locomover-se pelo ambiente do ritual, não furar nem costurar a corrente,
evitando trombar com os médiuns.
10 - Assim que as Entidades incorporarem em seus “cavalos” deverão fazer as devidas
saudações (Terreiro, Entidade chefe do trabalho é hierarquia) e riscar o ponto, e firmar
sua vela.
11 – Após a Entidade riscar o ponto (nesse momento a Entidade deverá estar servida
com todos os seus apetrechos), o Cambono deverá chamar as consultas da assistência
na ordem que for determinada pela Mãe-de-Santo.
12 - Os Cambones terão que ter um material de apoio (kit Cambono) composto de
papel, caneta.
13 - As consultas dos filhos da casa deverão ser feitas somente no final da consulta da
assistência.
14 - Durante os trabalhos, os Médiuns e Cambones não deverão manter conversas
paralelas com os outros médiuns da corrente, tampouco com a assistência.
15 - Os Cambones deverão estar atentos para agilizar as consultas, prestando atenção
no tempo de duração e não permitindo que se estenda desnecessariamente, evitando
também que o consulente se repita ou queira consultar por outras pessoas que não
estão presentes. Os Cambones não podem opinar nas consultas, a não ser que sejam
solicitados, buscando prestar atenção para poder repetir os ensinamentos das
Entidades para esclarecimento do consulente, ou para relatar qualquer situação
constrangedora para a hierarquia.
16 - Ao final das consultas a Entidade deverá “descarregar” o seu cambono e subir.
17 - Pedir licença à Entidade e solicitar orientação com relação às sobras de material
utilizado.
18 - - Sempre que houver a necessidade do consulente acender velas, explicar
corretamente onde isto deverá ser feito.
Cruzeiro é a Cruz das Almas nos cemitérios, não confundir com encruzilhada, que é o
cruzamento de duas ruas, que pode ser em “+” (indicada para entregas para Exus) e
em “T” indicada para entregas para Pomba-gira.
19. - Ao terminar o trabalho, a Entidade deverá orientar claramente ao consulente e
ao Cambone a destinação dos materiais utilizados e a forma, local e momento
apropriado de entrega destes.

ARTIGO 9º – Guias
1 – Cada médium deverá possuir para o seu uso pessoal durante os trabalhos um
mínimo de 05 guias para auxiliar na segurança e proteção. Uma delas é a de Oxalá, a
outra é correspondente ao seu Pai/Mãe-de-cabeça, outra é a dos padrinhos.
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

2 - Nas Giras o correto e ter todas as guias, mas em caso de giras de Cigano, Boiadeiro,
Baiano e Marinheiro somente serão usadas à guia de Oxalá e a guia da linha de
trabalho.
3 - As orientações para a confecção das guias serão dadas pelo respectivo Pai ou Mãe-
de-Santo, dirigente da Gira, sendo banhadas em banho de ervas das 7 linhas e cruzada
pela Entidade chefe da Gira, exceto a guia de esquerda, que será cruzada pelo Exu
chefas da linha de esquerda em cada Gira.

Parágrafo 4º - Orixás, Dias da Semana, Cor, Ervas para banhos e Sincretismo.

 Oxalá - Sexta feira – cor branco – Saudação Epa Babá (o senhor realiza ou
obrigada meu pai) – 25\12 (Jesus) Olorum (Deus)
 Oiá (Loguna) – todos os dias – cor azul escuro - Saudação Olha o tempo minha
mãe -11\8 – Santa Clara
 Oxum – Sábado – cor amarela ouro ou claro-Saudação Ora ie iê ô (Olhai por nós
mãezinha) – 12\10- Nossa Senhora da Aparecida ou N.S da Conceição.
 Oxumaré – terça feira – cor verde com amarelo ou cor do arco íris –Saudação
Arrobo boi (Salve o Senhor das águas supremas) – 24\8 – São Bartolomeu
 Iansã – quarta feira - cor amarela – Eparrei (Salve o raio, Iansã) – Santa Barbara
– 4\12.
 Xangô- quarta feira – cor marrom com branco – saudação Kaô Kabecilê (salve o
rei que desce a terra ou permita-me velo majestade). - são Joao batista ou são
Jerônimo – 30\9
 Oxóssi – quinta feira – cor verde – saudação: Okê Arô (Salve o grande caçador) -
são Sebastião – 21\1
 Oba –quinta feira – cor magenta – saudação Akiro Obá Yê!( Eu saúdo o seu
conhecimento, Senhora da Terra) Joana d’arc – 30 \5.
 Ergunita ou Oroina– quinta-feira – cor laranja – saudação Kali Yê, minha Mãe
(Salve a Senhora Negra, Minha Mãe) – Santa Sarah – 24\5.
 Ogum – terça feira – cor vermelha com branco ou azul escuro – saudação
Patakori Ogum / Ogum Yê (muita honra em tê-lo em minha cabeça ou Salve o
cortador de cabeças – São Jorge – 23\4
 Obaluae – segunda feira – cor branco com preto – saudação Atotô(Atotô) – São
lazaro -17\12
 Omulu – segunda feira – cor preto com vermelho e branco ou violeta- saudação
Atotô (salve o dono da terra) - São roque -16\8
 Nana buruque – sábado – cor roxo – saudação Saluba Nanã(Salve a Mãe das
águas Pantaneiras) Santa Ana- 26\7
 Iemanjá – sábado – cor azul claro – saudação Odoyá/ Odocyabá (Salve a
Senhora das águas) – nossa senhora dos navegantes- 2\2
 Exu – segunda feira – cor preto – saudação Laroiê Exu / Mojubá (eu te saudo
exu ou eu te respeito exu) Santo Antônio – 13\6
 Pomba-gira – segunda – cor vermelha com preto – saudação Laroie pomba-gira
ou Salve a senhora pomba-gira (eu te saúdo pomba-gira) 8\3
 Eres – domingo – cor rosa e azul – saudação Ibêji – Oni Beijada (ele e dois ou
salve os dois) Cosme e Damiao – 27\9
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

 Boiadeiros – quarta feira – cor marrons ou brancos - saudação “Xetruá”,


“Xetu”, “Marumbaxetú”, “Xetuá Boiadeiro” ou “Ôh Boi (Salve aquele que tem
braço forte, pulso forte).
 Ciganos – todos os dias – cor lilás ou depende do guia-saudação Arriba(pra
cima cigana ou salve os ciganos) 24\5
 Baianos –quarta feira – cor amarela com preto – saudação Salve a Bahia salve o
senhor do Bonfim – 11\1 – Nosso senhor do Bonfim
 Preto Velho – segunda feira – cor preto com branco – saudação Adorei as
Almas – 13\5 –
 Malandros – segunda – cor vermelho com branco – saudação – salve a
malandragem –
 Marinheiros – sábado – cor azul com branco – saudação Eparrei Marujada ou
salve a marujada.

5 TÍTULO III – DAS ORIENTAÇÕES ADMINISTRATIVAS

ARTIGO 1º – Cadastramento
Todos os médiuns participantes das Giras da Tenda de Umbanda Vovó Maria conga e
pai José de angola deverão preencher uma ficha para cadastramento dos seus dados
pessoais junto ao Terreiro.
Parágrafo 1º – A ficha de cadastro só será aceita quando entregue com foto 3x4.
ARTIGO 2º – Contribuição mensal
Todos os médiuns deverão contribuir mensalmente com um valor de R$ 30 reais, a que
será utilizado para o pagamento das despesas de funcionamento.
Parágrafo 1º É necessário buscar a conscientização de todos para a manutenção das
mensalidades em dia.
Parágrafo 2º O acerto das mensalidades deverá ser feito IMPRETERÍVELMENTE até o
dia 10 de cada mês.
Parágrafo 3º – Os Médiuns que estiverem em atraso nas mensalidades, a partir da 3ª
mensalidade vencida, não poderão participar das Giras, salvo com expressa
autorização do chefe do Terreiro, após análise dos motivos alegados. O médium so
poderá regressar a gira após saldar sua divida.

ARTIGO 3º – Materiais
Mensalmente serão solicitados materiais (velas, bebidas, etc.) para a manutenção das
firmezas do Terreiro, do Congá e da tronqueira, assim, todos deverão contribuir com o
material pedido.

ARTIGO 4º – Horário das Giras


1 - As Giras do Terreiro deverão iniciar sempre ás 20:00 horas e devem terminar até
24:00 horas.
2. Todo o médium deve chegar ao terreiro sempre as 18:30hs, para que assim possam
se arrumar e verificar seu material de trabalho. Após isso devem permanecer dentro
do terreiro em silencio se preparando para os trabalhos.

ARTIGO 5º –
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

1 – Cabe a cada médium ajudar na limpeza do terreiro e contribuir para que a mesma
seja mantida.
2 - Após as Giras, o Terreiro deverá ser limpo, que consiste em uma varrida na área de
Gira e o retirado de todo o lixo. O princípio aplicado é de que o lixo gerado na Gira
deverá ser limpo pelos médiuns da própria Gira evitando acumulo de energias
negativas.
2. A cada 15 dias é realizada a limpeza geral do terreiro, cabe a todos os médiuns
ajudar.

TÍTULO IV –

1 Pontos Cantados
Cabe a todos os médiuns saberem os pontos cantados das entidades que trabalham no
terreiro principalmente dos guias chefes. Quando for cantado o ponto para subida das
Entidades que estiverem trabalhando, todos devem fazê-lo de imediato, exceto
aqueles que o Pai ou Mãe-de-Santo autorizar a permanência para continuidade dos
trabalhos.
2 – Princípios religiosos
Reafirmam-se os princípios religiosos do TERREIRO de praticar a caridade e propiciar a
paz
3 – Vestuário
O vestuário usado nos trabalhos mediúnicos deverá ser usado exclusivamente para
esse fim, na cor branca.
Homens: calça branca, camiseta ou camisa branca e pano de cabeça branco.
Mulheres: calça branca, saia comprida branca, camiseta ou camisa branca e pano de
cabeça e pano da costa.
Nas Giras de Esquerda e nas Giras de Ciganos, será permitido o uso de roupas
coloridas, desde que autorizadas pelo dirigente.
Parágrafo 1º – É proibida a troca de roupa, inclusive tirar e por saia, na área de Gira,
para isso deverão ser utilizados o banheiro.

TITULO V -Ações passíveis de suspenção/expulsão do corpo mediúnico da sociedade.


1ª Descumprimento das normas contidas no Regimento Interno, no que diz respeito à
vestimenta e/ou comportamentais dentro do templo religioso, ocasionando
constrangimento direto ou indireto a terceiros;
2ª Agressões físicas e verbais a membros da sociedade ou assistência;
3. Ausências não justificadas nas Giras e reuniões e atraso na mensalidade por mais de
90 dias.

Parágrafo 3º - Desligamento do corpo mediúnico


§1ºApós a terceira advertência o médium será desligado do corpo mediúnico durante
tempo indeterminados Sendo assim seus firmamentos deveram ser retirados no prazo
corrido de 15 dias após a comunicação oficial do desligamento. Caso não sejam
retirados dentro do prazo, se fará o descarte energético e físico das firmezas ou
assentamento.

TÍTULO VI – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS


Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

ARTIGO 10º – Quando o trabalho iniciar os Médiuns da corrente deve desligar-se dos
problemas materiais e procurar concentrarem-se no trabalho que está sendo
desenvolvido na Gira, voltando os seus pensamentos apenas para coisas boas e
positivas. Quando se trata de energia espiritual, semelhante atrai semelhante.
ARTIGO 11º – Somente se deve “Bater cabeça” para a Entidade dirigente da Gira, salvo
para as entidades da “mãe de santo” e sempre pedir a benção a entidade.
ARTIGO 12º – É permitido e incentivado que o Médium varie seu posicionamento físico
dentro da corrente, mudando de lugar para interagir com outros irmãos da corrente.
ARTIGO 13º – Ao final dos trabalhos, se algum Médium não estiver se sentindo bem,
deve comunicar de imediato a um do chefe da linha para que se providencie o seu
descarrego, assim todos deverão voltar para a suas casas em melhores condições do
que chegaram.
ARTIGO 14º as reuniões ordinárias da tenda de umbanda vovó Maria conga e pai José
de angola, as quais serão obrigatórias à presença dos membros da instância:
Realiza reuniões ordinárias a cada 60 (Sessenta) dias
a) Uma falta não justificada – advertência;
b) Duas faltas não justificadas – suspensão;
Parágrafo 1º – Cabe a cada médium avisar sua ausência na reunião 48 hs antes da
mesma.
ARTIGO 15º – O presente Regimento Interno entrará em vigor imediatamente, a partir
da sua aprovação na Assembleia Geral Ordinária realizada em 02/06/2018

 DEVERES DO MÉDIUM

1) Dar de graça o que de graça recebeu, Sendo o médium apenas um instrumento


adstrito aos Guias,para que estes por seu intermédio orientem,aconselhem os
irmãos encarnados na trajetória da vida terrena, quando isso merecerem, é
dever do médium dar passes para amenizar sofrimentos, etc.,

2) Estar sempre a postos, no terreiro, nos dias e horas predeterminados pelos


Guias Espirituais, que exigem assiduidade responsabilidade e pontualidade.

3) Deve o médium Guardar preceito nos dias destinados as sessões.

4) Pensar sempre que é um soldado a serviço de Oxalá, e como tal, esforçar-se


por cumprir a Lei do Mestre: Perdão, renúncia, humildade, caridade e amor ao
próximo.

5) Os médiuns deve ter coragem para lutar e vencer; não transferir seus
problemas terrenos para os Guias Espirituais, lembrando-se que estes podem
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

orientar e ajudar o médium no plano espiritual, dependendo tão somente do


esforço de cada um, segundo nos disse Jesus: Faze a tua parte que o céu te
ajudará!

6) * Abster se de Sexo Pelo Menos 24 Hs Antes Das Giras.

* PROCURAR EVITAR AGITAÇÕES E FICAR O MAIS CALMO POSSÍVEL.

* TOMAR BANHO DE DEFESA ANTES DOS TRABALHOS.

* EVITAR BEBIDAS ALCÓOLICAS E FUMAR O MENOS POSSIVÉL.

* PROCURAR DECORAR E CANTAR OS PONTOS DURANTE O RITUAL.

* ESTAR SEMPRE EM SINTONIA E ATENTO AO RITUAL.

* AUXILIAR SEMPRE NO QUE FOR NECESSÁRIO.

* PROCURAR PARTICIPAR E COMPREENDER O RITUAL.

* SER SEMPRE PONTUAL E NÃO FALTAR SEM NECESSIDADE.

* SEMPRE MANTER UM BOM RELACIONAMENTO COM SEUS IRMÃOS DE FÉ.

* EVITAR FOFOCAS, E COMENTÁRIOS DESNECESSÁRIOS E CONVERSAS


IMPRODUTIVAS.

*RESPEITANDO E TRATANDO COM CARINHO A TODOS PARA RECEBER O


MESMO TRATAMENTO DOS IRMÃOS DE FÉ.
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

 JURAMENTO DO MEDIUM

Prometo, no desempenho da minha tarefa mediúnica, estudar sempre, iluminando


minha mente com o conhecimento superior, dela fazendo dócil instrumento às
inteligências superiores.
Prometo dedicação ao trabalho, para que a preguiça não enferruje as engrenagens de
minha alma, o que dificultaria a ação dos bons Espíritos junto a mim.
Prometo estar consciente de que sou simples intermediário da espiritualidade, para
que a vaidade não me perturbe.
Prometo colocar-me na posição de quem serve, para que o orgulho não me
enlouqueça.
Prometo não permitir que a dúvida faça morada em meu coração, para que esta víbora
não me envenene, inutilizando-me para o serviço.
Prometo não explorar a mediunidade, oferecendo de graça os frutos originariamente
provindos da Bondade Divina.
Prometo cultivar a disciplina no labor mediúnico, para alcançar sempre maiores
possibilidades de produzir mais e melhor.
Prometo não me distanciar dos que sofrem, para que a minha mediunidade seja fonte
de consolo.
Prometo não fazer da mediunidade tranpolim para a conquista de posições
imerecidas.
Prometo não acreditar no cansaço, para que o desânimo não me vença.
Prometo manter-me sempre integrado ao esforço de equipe para que o isolamento
não me conduza ao personalismo, porta aberta à obsessão.
Prometo esforçar-me ao máximo para ser médium da paz, do amor, da esperança, da
alegria e da vida, para que estes valores se incorporem em mim, garantindo-me a
felicidade que tanto almejo.
Prometo fidelidade a Jesus, para que não me falte orientação e assistência.
Prometo ser sempre médium do Bem, para que o mal não me subjugue a seus odiosos
propósitos.
Prometo cumprir minha humilde tarefa até o fim, com persistência e obediência ao
Senhor, confiando sempre no seu amparo.
"A Doutrina nos ensina a pensar... e não o que pensar..."

 HINO DA UMBANDA

Refletiu a luz divina


Com todo seu esplendor
vem do reino de Oxalá
Onde há paz e amor
Luz que refletiu na terra
Luz que refletiu no mar
Luz que veio de Aruanda
Para tudo iluminar
Umbanda é paz e amor
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

Um mundo cheio de luz


É a força que nos dá vida
e a grandeza nos conduz.
Avante filhos de fé,
Como a nossa lei não há...
Levando ao mundo inteiro
A Bandeira de Oxalá !

 0 APONTAMENTOS DE PAZ
1. Aprenda a desculpar infinitamente para que os seus erros, à frente dos outros,
sejam esquecidos e perdoados.

2. Cale-se, diante do escárnio e da ofensa, sustentando o silêncio edificante, capaz de


ambientar-lhe a palavra fraterna em momento oportuno.

3. Não cultive desafetos, recordando que a aversão por determinada criatura é, quase
sempre, o resultado da aversão que lhe impuseste.

4. Não permita que o egoísmo e a vaidade, o orgulho e a discórdia se enraízem no seu


coração, lembrando que toda a idéia de superestimação dos próprios valores é adubo
nos espinheiros da irritação e do ódio.

5. Perante o companheiro que se rendeu às tentações de natureza inferior, deixe que a


compaixão lhe ilumine os pontos de vista, pensando que, em outras circunstâncias,
poderia você ocupar-lhe a indesejável situação e o lugar triste.

6. Não erga a sua voz demasiado e nem tempere a sua frase com fel para que a sua
palavra não envenene as chagas do próximo.

7. Levante-se, cada dia, com a disposição de servir sem a preocupação de ser servido,
de auxiliar sem retribuição e cooperar sem recompensa, para que a solidariedade
espontânea te favoreça com os créditos e recursos da simpatia.

8. Esqueça a calúnia e a maledicência, a perversidade e as aflições que lhe dilaceram a


alma, entendendo nas dores e obstáculos do mundo as suas melhores oportunidades
de redenção.

9. Lembre-se de que os seus credores estão registrando a linguagem de seus exemplos


e perdoar-lhe-ão as faltas e os débitos, à medida que você se fizer o benfeitor
desinteressado de muitos.

10. Não julgue que o serviço da paz seja mero problema de boca mas, sim, testemunho
de amor e renúncia, regeneração e humildade da própria vida, porque, somente ao
preço de nosso próprio suor, na obra do bem, é que conseguiremos reconciliar-nos,
mais depressa, com os nossos adversários, segundo a lição do Senhor.
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola
Tenda de Umbanda Vovó Maria Conga e Pai José de Angola

Você também pode gostar