Você está na página 1de 7

AVALIAÇÃO SENSORIAL

• INTRODUÇÃO

 Os distúrbios do sistema sensorial trazem implicações funcionais significativas


para o paciente;

 Podem estar associado: qualquer doença; traumatismo que afeta o sistema


nervoso em qualquer ponto deste sistema e processo normal de
envelhecimento;

 O conhecimento da deficiência sensorial do paciente: guia o terapeuta quanto


ao modo apropriado de orientação evitando novas lesões.

• 1.1.Propósitos

 Garantir a segurança do paciente e eveitar complicações secundárias –


prevenção de queimaduras durante a aplicação de calor, úlceras de decúbitos...

 Formular metas e planejar o intervenção terapêutica apropriadas.

 Auxiliar na determinação dos efeitos da reabilitação, tratamento médico ou


cirúrgico.

DIRETRIZES GERAIS PARA AVALIAÇÃO SENSORAL

• PROCEDIMENTO

1. Aplicação do estímulo

2. Resposta do paciente ao estímulo.

3. Observar:

 Tipo de sensação afetada;

 Quantidade de envolvimento;

 O grau de envolvimento;

 Localização dos limites exatos do dano sensorial;

 Os sentimento subjetivos do paciente sobre as alterações na sensibilidade.

 A capacidade do paciente em compreender as instruções e em comunicar as


respostas é crucial para a curada realização dos testes sensoriais – estado
cognitivo e acuidade auditiva;
 Deficiências de visão, audição ou fala não afetarão adversamente os resultados
dos testes – necessita adaptação;

 Paciente deve estar numa posição confortável e relaxada, num aposento


tranqüilo;

 A fadiga afeta os resultados de alguns testes sensoriais;

 Um ensaio ou demonstração de cada procedimento dever ser efetuado de


alguns testes sensoriais – orientará o paciente;

 Deve ser utilizado algum método de aclusão da visão do paciente durante os


testes;

 As sensações superficiais (exteroceptivas) são usualmente avaliadas em


primeiro lugar, por consistirem respostas mais primitivas, seguem as sensações
profundas e combinadas.

 Os testes dever ser efetuados seqüencialmente aos principais nervos sensitivos


e ao seu suprimento segmentar (dermátomo);

 Os estímulos deve ser efetuados de modo aleatório e imprevisível, com


variações nos momentos de aplicação.

 Dar atenção ao estado da pele – cicatriz, úlceras, calosidades...

SENSAÇÕES SUPERFICIAIS

• 1. Dor

 Teste – é utilizado um alfinete de cabeça grande. Ambos os estímulos (ponta


aguda e ponta romba) são aplicados de modo aleatório. Para evitar a somação
dos impulsos, os estímulos não devem ser aplicado perto demais uns dos
outros, ou em rápida sucessão.

 Resposta – pede-se ao paciente para indicar quando um estímulo é sentido,


devendo responder: “pé”, “ponta”.

• 2. Temperatura

 Teste – há necessidade de dois tubos de ensaio com rolhas; um deles dever ser
ocupado com água quente (40˚C a 45˚C) e outro com água fria (5˚C a 10˚C). Os
tubos de ensaio são aleatoriamente postos em contato com a região cutânea a
ser testada.

 Resposta – pede-se ao paciente que indique quando um estímulo é sentido:


“quente”, “frio”.
• 3. Tato leve

 Teste – para esse teste emprega-se um pincel de pêlos de camelo, pedaço de


algodão ou pedaço de pano. A área a ser testada é levemente tocada ou
percurtida.

 Resposta – pede-se ao paciente para indicar quando ele reconhece que um


estímulo foi aplicado respondendo: “senti” ou “sim”.

• 4. Pressão

 Teste – o polegar ou ponta do dedo do terapeuta é utilizado na aplicação de


uma firme pressão sobre a superfície da pele, o suficiente para fazer uma
identação da pele, estimulando os receptores profundos.

 Resposta – pede-se ao paciente para indicar quando ele reconhece que um


estímulo foi aplicado respondendo: “senti” ou “sim”.

SENSAÇÕES PROFUNDAS

• 1. Sentido de posição

 Teste – avalia o sentido de posição articular. O membro ou articulação a ser


avaliado é movimento por sua amplitude de movimento, e mantido numa
posição estática.

 Resposta – pede-se ao paciente para que descreva verbalmente a posição, ou


duplique a posição do membro ou articulação com o membro oposto.

• 2. Sentido de movimento

 Teste – avalia a percepção do movimento. O membro ou articulação a ser


avaliada é movimentado passivamente através da amplitude de movimento.

 Resposta – pede-se ao paciente para que indique verbalmente a direção do


movimento, enquanto o membro está se deslocando ou poderá responder pela
duplicação simultânea do movimento, com o membro oposto.

SENSAÇÕES COMBINADAS

• 1. Esterognosia

 Teste – teste para o reconhecimento de objetos exigirá o uso de objetos de


formas e tamanhos diferentes, que seja de fácil obtenção e culturalmente
familiar. Os objetos são colocados individualmente na mão do paciente.
Permite-se que manipule o objeto.

 Resposta – pede-se ao paciente para que nomeie verbalmente o objeto.


• 2. Localização tátil

 Teste – teste avalia a capacidade de localizar a sensação do tato sobre a pele.


Usando a ponta de um dedo, o terapeuta toca diferentes áreas da pele. Após
cada aplicação de um estímulo, dá-se ao paciente tempo de responder.

 Resposta – pede-se ao paciente que identifique a localização dos estímulos


pelo tato ou descrição verbal. A distância entre a aplicação do estímulo e o
local indicado pelo paciente deverá ser medida e registrada.

• 3. Discriminação entre dois pontos

 Teste – Avalia a capacidade de perceber dois pontos aplicados


simultaneamente à pele. Está é uma medida de menor distância entre dois
estímulos (aplicados simultaneamente e com igual pressão) que podem ser
ainda percebidos como dois estímulos distintos.

 Resposta – pede-se ao paciente para que identifique a percepção de “um” ou


“dois” estímulos.

• 4. Estimulação bilateral simultânea

 Teste – avalia a capacidade de perceber um estímulo tátil simultâneo em lados


opostos do corpo. O terapeuta simultaneamente (e como igual pressão) aplica
estímulo em locais idênticos em lados opostos do corpo, toca proximal e
distalmente lados opostos do corpo, toca locais proximais e distais do mesmo
lado do corpo.

 Resposta – o paciente verbalmente declara quando ele percebe um estímulo


tátil, e o número de estímulos sentidos.

• 5. Vibração

 Teste – avalia a capacidade de percepção de um estímulo vibratório. A base de


um diapasão é colocada junto a uma protuberância óssea (esterno, cotovelo,
tornozelo...). Deverá ocorrer a aplicação aleatória de estímulos de um diapasão
vibrante e não vibrante. Pode ser usado um protetor de orelhas, visando a
redução das pistas auditivas provenientes do diapasão.

 Resposta – pede-se ao paciente que responda , identificando verbalmente o


estímulo com vibratório ou não-vibratório.

• 6. Barognosia

 Teste – avalia o reconhecimento do peso. Emprega-se uma série de pequenos


objetos do mesmo tamanho, mas pesos diferentes. O terapeuta pode optar
pela aplicação de uma série de pesos diferentes na mesma mão, um por vez, ou
pela colocação de um peso diferente em cada mão, simultaneamente.

 Resposta – pede-se ao paciente que identifique o peso comparativo dos


objetos numa série ou dos dois objetos aplicados simultaneamente,
respondendo: “mais pesado” ou “mais leve”.

• 7. Grafestesia

 Teste – reconhecimento de letras, números ou desenhos traçados sobre a pele.


Uma série ou combinações de letras, números ou desenhos é traçada na palma
da mão do paciente. Entre cada desenho, separadamente, a palma deve ser
suavemente limpada com um tecido macio par que fique claramente indicada
para o paciente uma mudança de figuras – substitui a esterognosia quando a
paralisia impede que o paciente manipule um objeto.

 Resposta – pede-se ao paciente que identifique verbalmente a figura


desenhada sobre a pele.

• 8. Reconhecimento de textura

 Teste – avalia a capacidade de diferenciar entre diversas texturas. Texturas


adequadas são: algodão, lã ou seda. Os itens são colocados individualmente na
mão do paciente. Permite-se que ele manipule a amostra de textura.

 Resposta – pede-se ao paciente que identifique as diferentes texturas, à


medida que são colocadas em sua mão. Podem ser identificadas pelo nome
(seda, algodão...) ou pela textura (áspera, macia...)

ESTESIÔMETRO
(Semmes-Weinstein Monofilaments)
• ESTESIÔMETRO

 Usado atualmente nos testes de sensibilidades;

 Composto de 6 monofilamentos de nylon, cada um com uma cor e pesos


diferentes que graduam a perda da estesia;

 Permite a verificação das alterações precocemente;

 O código de cores indica aproximadamente a força axial necessária para


envergar o filamento.

• 1.Instrução para o uso

 Lugar calmo, em barulho e distrações;

 Aconselhável juntar antecipadamente canetas coloridas e formulários de


mapeamento, que facilitam a interpretação das observações;

 O seguinte procedimento deve ser previamente demonstrado em uma área do


corpo onde há boa sensibilidade.

Método

1. Montagem – retire o filamento do seu tubo protetor e encaixe cuidadosamente no


furo lateral do mesmo. Coloque este conjunto sobre a mesa e repita o processo para
montar os demais filamentos a serem utilizados.

2. Técnica – segure no cabo do aparelho de modo que o filamento de nylon fique


perpendicular à superfície da pele do paciente e pressione levemente até atingir a
força suficiente para curvar o filamento, retirando-o suavemente e mantido durante
aproximadamente um segundo e meio, sem permitir que o filamento deslize sobre a
pele.

3. Procedimento – o teste começa com o filamento mais leve (verde). Evite que o local
do teste seja observado pelo paciente e peça ao mesmo responder “sim” quando
sentir o toque do filamento. Na ausência de resposta, prossiga com o próximo
filamento mais pesado (azul), e assim progressivamente.

 Aplique até 3 vezes em cada local de teste, sendo que uma única resposta
positiva é suficiente para confirmar sensibilidade no nível indicado.

 O intervalo de tempo entre cada contato deve ser variado aleatoriamente;

 Na presença de úlcera, calos, cicatriz ou tecido necrosado, realize o teste em


área próxima, dentro do mesmo território específico.
4. Cuidados gerais – para evitar danos:

 guardar cuidadosamente os filamentos após uso,

 Filamentos danificados, enrugados ou descalibrados dever ser descartados;

 Os filamentos devem ser cuidadosamente limpos com água morna, sabão e


álcool, não devendo ser deixados de molho;

 Não utilizar os filamentos para testar os olhos, tecidos mucosos, nem lesões
abertas.

Pontos de Avaliação das Mãos:

Pontos de Avaliação dos Pés:

Você também pode gostar