Você está na página 1de 11
SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 1

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 1 .IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE CURRICULAR Curso: Direito

1.IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE CURRICULAR

Curso: Direito Atividade Curricular/Disciplina: História do Pensamento Jurídico Carga horária total: 60h Período Letivo: 1º

Teórica:

Semestre: 1 Turma: T102018

Professor(a): Prof. Dr. Saulo Monteiro Martinho de Matos

E-mail: saulomdematos@gmail.com Horário de atendimento: mediante marcação por e-mail

Horário: 08:30–12:00

2.OBJETIVOS

O curso visa apresentar aos recém ingressos nos estudos jurídicos as principais vertentes que

constituíram o pensamento jurídico contemporâneo, alcançando suas bases mais remotas, as questões mais imediatas que deram ensejo à ruptura do positivismo jurídico, as linhas de construção desse pensamento no século XIX, finalizando com a síntese operada pela teoria Pura do Direito de Hans Kelsen.

O conteúdo será apresentado mediante uma abordagem cronológica combinada com o enfoque

temático, destacando em recortes temporais determinados à inserção filosófica do fenômeno jurídico, a justiça, a ética, o Estado, mediante os diversos fundamentos do direito natural e as vertentes da formação do pensamento jurídico contemporâneo.

Os principais objetivos específicos são:

(a)

Compreender a formação histórica remota do direito no ocidente, com destaque à relação desse processo com o desafio da filosofia moral.

(b)

Compreender os processos de recepção do direito na era pré-moderna.

(c)

Estudar as relações da origem do direito moderno com a filosofia política;

(d)

Estudar as linhas de formação do pensamento jurídico moderno no Século XIX; a formação da ciência, o problema da interpretação, a permanência do jusnaturalismo.

(e)

Compreender a proposição do positivismo jurídico em Hans Kelsen.

3.COMPETÊNCIAS/HABILIDADES (Res. CNE/CES Nº 9/2004, art. 4º)

Leitura, compreensão e elaboração de textos, atos e documentos jurídicos ou normativos, com a devida utilização das normas técnico-jurídicas; Utilização de raciocínio jurídico, de argumentação, de persuasão e de reflexão crítica; Correta utilização da terminologia jurídica ou da Ciência do Direito.

4. EMENTA

1

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO História do pensamento jurídico. O direito na antiguidade

História do pensamento jurídico. O direito na antiguidade Clássica. A recepção do Direito Romano. A relação do direito com o Soberano. A formação da ciência do Direito. O positivismo jurídico de Hans Kelsen.

5. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: Noções Preliminares

1. Noção de direito.

2. Missão, conteúdo e fontes da história do pensamento jurídico.

3. Limites da disciplina do ponto de vista do seu objeto.

4. As épocas da história do pensamento jurídico.

5. Métodos de exposição da história do pensamento jurídico.

UNIDADE II: Direito na Antiguidade Clássica (Grécia e Roma)

1. O Direito em Atenas.

1.1. Civilização: as formas de resolução de controvérsias. Direito religioso- costumeiro. O direito no teatro grego.

1.2. A ideia do direito natural e a ambiguidade da lei positiva.

1.3. A filosofia do direito de Platão.

1.4. A filosofia do direito de Aristóteles.

2. O Direito em Roma

2.1. Do período arcaico à idade clássica.

2.2. A história das fontes no direito romano. As codificações.

2.3. Justiça, dignidade e propriedade.

UNIDADE III: O Direito na Idade Média

1. História externa do Direito Medieval: costume e fragmentação.

2. Poder espiritual e temporal.

3. Os canonística e sua influência na ciência jurídica profana. A construção da ciência jurídica medieval.

4. Fontes teológicas da Tradição Jurídica Ocidental.

5. Lei natural. Direito e moral. Tomás de Aquino.

6. A ruptura nominalista e o advento do direito subjetivo em Ockham.

UNIDADE IV: O Direito na Modernidade

1. Usus modernus.

2. A época do jusracionalismo.

3. A ligação do jusracionalismo com o iluminismo. Liberdade. Dignidade humana. Direito natural e lei natural na Modernidade.

4. Soberania e contrato social.

5. Os códigos jusracionalistas.

UNIDADE V: O Direito no século XIX.

1. Escola da exegese. Codificação. Fontes do direito.

2

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 2.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 2. A origem da Escola História do Direito. Savigny

2. A origem da Escola História do Direito. Savigny e a querela acerca da codificação alemã. Interpretação.

3. A Jurisprudência dos Conceitos. Sistema.

4. A pandectística e o positivismo científico. Direito público. Direito privado. Metodologia da ciência do direito.

UNIDADE VI: O Direito no século XX

1. Ruptura com a Ciência do Direito do Século XIX: as críticas do segundo Jhering e a Escola Livre do Direito.

2. A Teoria Pura do Direito

2.1. A Norma Fundamental (Grundnorm). Formalismo jurídico.

2.2. Validade e eficácia. Autonomia do direito. Descrição.

2.3. A natureza específica da norma jurídica

2.4. O modelo hermenêutico da Teoria Pura. Neutralidade. Discricionariedade.

6. RECURSOS DIDÁTICOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS

Livros para leitura dirigida. Seminário em grupo seguido de debate.

7. METODOLOGIA

Para que sejam alcançados os objetivos enunciados propomos a execução das seguintes ações didáticas:

Conteúdo

 

Ações Didáticas

Competências e Habilidades

 

Noções Preliminares

Aula expositiva e dialogada Leitura dirigida

Habilidade de leitura de textos científicos.

   

Competência

para

reflexão

crítica

acerca

do

conteúdo

Direito

na antiguidade

Aula expositiva e dialogada. Seminários.

ambíguo

da

lei

antiga

e

Clássica

 

moderna.

O

Direito

na

Idade

Aula expositiva e dialogada.

Capacidade de reflexão crítica aceca das influências do pensamento medieval na formação da ciência moderna do direito.

Média

O

Direito

na

 

Capacidade de persuasão e de reflexão crítica a partir de terminologia da filosofia política moderna.

Modernidade

Aula expositiva e dialogada.

3

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO  

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO     Domínio de tecnologias e métodos para
   

Domínio de tecnologias e métodos para permanente compreensão e aplicação do Direito.

 

Aula expositiva e dialogada Atividade em grupo de

Correta

utilização

da

O

Direito

no

Século

terminologia

da

Ciência

do

XIX

pesquisa e análise das codificações do século XVIII e XIX

Direito.

O Direito no Século XX

Aula expositiva e dialogada Leitura dirigida.

Correta utilização da terminologia jurídica ou da Ciência do Direito Discernir acerca da formulação de Hans Kelsen sobre a natureza do direito, a ordem jurídica, a proposição com a

moral, a ciência, sanção, dever

jurídico, validade interpretação.

e

8. PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO Conforme Regimento Geral da UFPA , arts. 178 a 180, são atribuíveis os seguintes conceitos, equivalentes às notas:

EXC – Excelente (9,0 - 10,0) BOM – Bom (7,0 - 8,9) REG – Regular (5,0 - 6,9) INS – Insuficiente (0 - 4,9) Sendo considerado aprovado o discente que obtiver o conceito REG, BOM ou EXC e pelo menos setenta e cinco por cento (75%) de frequência nas atividades programadas. Complementa o Regulamento do Ensino de Graduação 2013 no art. 96 que o conceito final será resultante do conjunto de procedimentos de avaliação, enunciados no presente plano. Para fins de atribuição de conceitos, os discentes serão avaliados em três momentos:

1ª Avaliação

Critérios

Nota

Prova escrita

Competência

para

articular

os

10

conceitos aprendidos.

 

2ª Avaliação

Critérios

Nota

4

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO  

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO   Paper Ver anexo os critérios de análise do
 

Paper

Ver anexo os critérios de análise do trabalho

5,0

Apresentação em grupo em sala de aula

Ver anexo critérios de análise da apresentação

5,0

3

a Avaliação

Critérios

Nota

Fichas de sistematização de aulas

Conforme itens da ficha anexa e na seguinte proporção quantitativa: 13–15 = 5,0; 10–12 = 4,0; 7–9 = 3,0; 5–6 = 2,0; Abaixo de 5 = 0,0.

5,0

Atividades em sala de aula

Leitura dirigida do livro “Teoria Pura do Direito” de Hans Kelsen, conforme ficha anexa.

5,0

O conceito final será o resultado da soma simples das três avaliações acima, cada uma com valor total de 10,0, dividido por três. Não há atribuição de pontos sem atividades avaliativas correspondentes (arrendondar nota).

Sobre o Paper objeto da 2 a Avaliação:

Haverá uma oficina, organizada pelos monitores, para explicar os elementos metodológicos que

orientam a atividade. A atividade é individual e o discente deve escolher um dos temas abaixo para escrever o trabalho:

Tópico 1: Modelos de códigos e institutos do direito privado no século XVIII e XIX. Tópico 2: Crimes e punições existentes na Política Criminal do Império Brasileiro no século

XIX.

Tópico 3: Estudo comparado entre os sistemas da civil law e common law.

Cada estudante deve escolher até o dia 16.04.2018 um dos tópicos para elaboração do artigo e apresentação em sala de aula. Por fim, cada discente deverá enviar o seu paper pelo Sigaa até o dia 18.06.2018. Os papers devem obedecer as seguintes regras:

a. Tamanho: até 10 laudas de conteúdo.

b. Resumo e palavras-chave.

c. Fonte: Times new roman, tamanho 12 e espaçamento de 1,5.

d. Citações diretas só serão permitidas para textos legislativos. Demais trechos citados devem ser

parafraseados e com referência.

9. REFERÊNCIAS BÁSICAS

HESPANHA, António Manuel. Cultura jurídica europeia – síntese de um milênio. Coimbra: Almedina, 2012. LOPES, José Reinaldo de Lima. O direito na história: lições introdutórias. 3ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2009. PRODI, Paolo. Uma história da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

5

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 10.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

10. REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES

FACULDADE DE DIREITO 10. REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES ABBOUD, Georges; CARNIO, Henrique Garbellinil; OLIVEIRA,

ABBOUD, Georges; CARNIO, Henrique Garbellinil; OLIVEIRA, Rafael Tomaz. Introdução à teoria e à filosofia do direito. 3.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015. BERMAN, Harold J. Direito e revolução – a formação da tradição jurídica ocidental. São Leopoldo: Unisinos, 2006. MORRISON, Wayne. Filosofia do direito – dos gregos ao pós-modernismo. São Paulo:

Martins Fontes, 2005. SCHIOPPA, Antonio Padoa. História do Direito na Europa. Da Idade Média à Idade Contemporânea. São Paulo: Martins Fontes, 2014. VILLEY, Michel. A formação do pensamento jurídico moderno. São Paulo: Martins Fontes. 2005.

11. CRONOGRAMA (Para fins deste programa, cada aula corresponde a um período de uma

hora e quarenta minutos)

NÃO HAVERÁ AULA NOS DIA 26.03.2018 E 18.06.2018. ESTAS AULA SERÃO REPOSTAS MEDIANTE AULA-EXTRA.

Aula

Conteúdo

Texto base

19.03

Recepção. Uma breve história da universidade. Apresentação do plano de ensino da disciplina.

Plano de ensino da disciplina “História do Pensamento Jurídico”

19.03

Unidade I: Noções Preliminares Noção de direito. A universalidade do fenômeno jurídico. Perspectivas científicas acerca do fenômeno jurídico. Limites da disciplina “história do pensamento jurídico” do ponto de vista do seu objeto. A disciplina “história do pensamento jurídico” no currículo do curso de Bacharelado em Direito da UFPA.

FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao estudo do direito. 4 a ed. São Paulo: Atlas, 2003, cap. 1.

02.04

Unidade I: Noções Preliminares Missão, conteúdo e fontes da história do pensamento jurídico. As épocas da história do pensamento jurídico. Métodos de exposição da história do pensamento jurídico.

LOPES, José Reinaldo de Lima. O direito na história: lições introdutórias. 3ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2009, cap. 1 “Sobre a história do direito: seus métodos e tarefas”.

02.04

Unidade I: Noções Preliminares Desenvolvendo a habilidade de leitura de textos científicos. Análise conceitual.

WILSON, John. Pensar com conceitos. São Paulo: Martins Fontes, 2005, pp. 1–58.

6

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 09.04

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 09.04 Unidade II: Direito na Antiguidade Clássica

09.04

Unidade II: Direito na Antiguidade Clássica

SOUZA, Raquel de. O direito grego antigo. In: WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 77–112.

O

direito em Atenas.

09.04

Unidade II: Direito na Antiguidade Clássica

Atividade de leitura dirigida em sala de

aula sobre textos dramaturgia grega

de filosofia e

O

direito em Atenas.

12.04

Unidade II: Direito na Antiguidade

VÉRAS NETO, Francisco Quintanilha. Direito romano clássico: seus institutos jurídicos e seu legado. In: WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 131–168.

(aula-

Clássica

extra)

O

direito em Roma.

12.04

Unidade II: Direito na Antiguidade Clássica Justiça, dignidade e propriedade

GASSEN, Valcir. A natureza histórica da instituição da propriedade. In:

(aula-

extra)

WOLKMER, Antonio Carlos.

 

Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 169–

194.

16.04

UNIDADE III: O Direito na Idade Média História externa do Direito Medieval:

PRODI, Paolo. Uma história da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2005, cap. 2 “A justiça da Igreja”, pp. 57–110.

costume e fragmentação. Poder espiritual e temporal. Os canonística e sua influência na ciência jurídica profana. A construção da ciência jurídica medieval. Fontes teológicas da Tradição Jurídica Ocidental.

16.04

UNIDADE III: O Direito na Idade Média

PRODI, Paolo. Uma história da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2005, cap. 2 “A justiça da Igreja”, pp. 111–164.

A

lei como problema. Direito natural e

lei natural.

 

23.04

UNIDADE III: O Direito na Idade Média

Inquisição

NASPOLINI, Samyra Haydêe. Aspectos

históricos, políticos e legais da inquisição. In: WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 283–

298.

 

23.04

UNIDADE III: O Direito na Idade Média Modelo jurídico inquisitorial

CARVALHO, Salo de. Revisita à desconstrução do modelo jurídico inquisitorial. In: WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 299–320

7

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 30.04

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO 30.04 UNIDADE III: O Direito na Idade Média

30.04

UNIDADE III: O Direito na Idade Média

EDMUNDSON, William A. Uma introdução aos direitos. São Paulo: Martins Fontes, 2006, pp. 7–58.

A

ruptura nominalista e o advento dos

direitos subjetivos em Ockham.

   

UNIDADE IV: O Direito na Modernidade

A

época do jusracionalismo. A ligação

do jusracionalismo com o iluminismo. Liberdade. Dignidade humana. Direito natural e lei natural na Modernidade. Soberania e contrato social.

30.04

UNIDADE IV: O Direito Modernidade Direitos humanos. A lógica dos direitos subjetivos.

na

EDMUNDSON, William A. Uma introdução aos direitos. São Paulo: Martins Fontes, 2006, pp. 83–136.

07.05

UNIDADE

IV:

O

Direito

na

COLAÇO, Thais Luzia. O direito nas missões jesuíticas na América do Sul. In:

Modernidade

 

A

face da modernidade na América do

WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 443–476.

Sul

07.05

UNIDADE

IV:

O

Direito

na

COLAÇO, Thais Luzia. O direito nas missões jesuíticas na América do Sul. In:

Modernidade

 

A

face da modernidade na América do

WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 443–476.

Sul

14.05

UNIDADE V: O Direito no século

BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico. São Paulo: Ícone, 2006, pp. 45–62.

XIX.

 

Escola da exegese. Codificação. Fontes

 

do direito. A origem da Escola História

do

Direito. Savigny e a querela acerca da

codificação alemã. Interpretação. A Jurisprudência dos Conceitos. Sistema.

A

pandectística e o positivismo

científico. Direito público. Direito

privado. Metodologia da ciência do direito.

14.05

UNIDADE V: O Direito no século

BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico. São Paulo: Ícone, 2006, pp. 63–90.

XIX.

 

Escola da exegese. Codificação. Fontes do direito. A origem da Escola História

 

do

Direito. Savigny e a querela acerca da

codificação alemã. Interpretação. A

Jurisprudência dos Conceitos. Sistema.

A

pandectística e o positivismo

científico. Direito público. Direito

8

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO  

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO   privado. Metodologia da ciência do
 

privado.

Metodologia

da

ciência

do

 

direito.

21.05

UNIDADE V: O Direito no século

Seminário em sala de aula com apresentações em grupo.

XIX.

Modelos de códigos dos séculos XVIII e XIX. Crimes e punições existentes na Política Criminal do Império. Estudo comparado entre os sistemas da civil law e common law.

 

21.05

UNIDADE V: O Direito no século

Seminário em sala de aula com apresentações em grupo.

XIX.

Modelos de códigos e institutos do direito civil nos séculos XVIII e XIX. Crimes e punições existentes na Política

 

Criminal do Império. Estudo comparado entre os sistemas da civil law e common law.

28.05

UNIDADE V: O Direito no século

WEHLING, Arno. O escravo ante a lei civil

XIX.

e

a lei penal no Império (1822–1871). In:

Escravidão. Sujeito de direito. Pessoa

WOLKMER, Antonio Carlos (Org.).

natural e pessoa jurídica.

 

Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 519–

   

540.

28.05

UNIDADE V: O Direito no século

WEHLING, Arno. O escravo ante a lei civil

XIX.

e

a lei penal no Império (1822–1871). In:

Escravidão. Sujeito de direito. Pessoa

WOLKMER, Antonio Carlos (Org.).

natural e pessoa jurídica.

 

Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 519–

   

540.

04.06

Prova Escrita

 

Conteúdo:

 

LOPES, José Reinaldo de Lima. O direito na história: lições introdutórias. 3ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2009, cap. 1 “Sobre a história do direito: seus métodos e tarefas”. SOUZA, Raquel de. O direito grego antigo. In: WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 77–112. VÉRAS NETO, Francisco Quintanilha. Direito romano clássico: seus institutos jurídicos e seu legado. In: WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 131–168.

9

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO  

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO     GASSEN, Valcir. A natureza histórica da
   

GASSEN, Valcir. A natureza histórica da instituição da propriedade. In: WOLKMER, Antonio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 9 a Ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2016, pp. 169–194. PRODI, Paolo. Uma história da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2005, cap. 2 “A justiça da Igreja”, pp. 57–164. EDMUNDSON, William A. Uma introdução aos direitos. São Paulo: Martins Fontes, 2006, pp. 7–58. BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico. São Paulo: Ícone, 2006, pp. 45–90.

11.06

Segunda chamada

Mesmo conteúdo da primeira chamada

25.06

UNIDADE VI: O Direito no século XX Ruptura com a Ciência do Direito do Século XIX: as críticas do segundo Jhering e a Escola Livre do Direito.

ADEODATO, João Maurício. Ética e retórica. 5 a Ed. São Paulo: Saraiva, 2012, pp. 317–338.

25.06

UNIDADE VI: O Direito no século XX A Escola do Recife

Palestra do Prof. Me. Alberto Papaleo (UNAMA/UFPA) sobre a Escola do Recife Texto base: PAIM, Antônio. A escola do Recife: estudos complementares à história das idéias filosóficas no Brasil, pp. 10–52.

Aula-

UNIDADE VI: O Direito no século XX

Leitura dirigida:

extra

A

Teoria Pura do Direito. A Norma

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 8 a Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009, cap. I “Direito e Natureza”

Fundamental (Grundnorm). Formalismo jurídico. Validade e eficácia. Autonomia do direito. Descrição. A natureza específica da norma jurídica

Aula-

UNIDADE VI: O Direito no século XX

Leitura dirigida:

extra

A

Teoria Pura do Direito. A Norma

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 8 a Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009, cap. I “Direito e Natureza”

Fundamental (Grundnorm). Formalismo jurídico. Validade e eficácia. Autonomia do direito. Descrição. A natureza

específica da norma jurídica

 

02.07

UNIDADE VI: O Direito no século XX

Leitura dirigida:

A

Teoria Pura do Direito. A Norma

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 8 a Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009, cap. V “Dinâmica Jurídica”

Fundamental (Grundnorm). Formalismo jurídico. Validade e eficácia. Autonomia do direito. Descrição. A natureza específica da norma jurídica

02.07

UNIDADE VI: O Direito no século XX

Leitura dirigida:

A

Teoria Pura do Direito. A Norma

Fundamental (Grundnorm). Formalismo

10

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO  

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO   jurídico. Validade e eficácia. Autonomia do
 

jurídico. Validade e eficácia. Autonomia do direito. Descrição. A natureza específica da norma jurídica

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 8 a Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009, cap. V “Dinâmica Jurídica”

09.07

Entrega

do

mapa

de

conceitos

e

 

possíveis esclarecimentos

 

11