Você está na página 1de 94

Sistema

Cardiorrespiratório

aplicado ao Yoga

Prof. Marina Sena

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA

RESPIRATÓRIO

RESPIRAÇÃO

Fornecer O2 e remover CO2 Permitir a fonação Condicionar e filtrar o ar inalado Defesa Administração de fármacos

Sistema Respiratório

Vias Respiratórias

As vias respiratórias são um

conjunto de órgãos

que

captam o ar do exterior e o fazem chegar aos pulmões.

Pulmões

Os pulmões são os órgãos esponjosos e elásticos, de cor rosado, situados na cavidade torácica.

Sistema Respiratório

Vias Aéreas Superiores

  • nariz e cavidade nasal

  • faringe

  • laringe

Sistema Respiratório Vias Aéreas Superiores  nariz e cavidade nasal  faringe  laringe  aquecimento
  • aquecimento e umidificação do ar inalado (condicionamento)

  • epitélio ciliado com produção de muco (filtração)

  • tonsilas faríngea, palatinas e linguais (defesa)

Vias Aéreas Inferiores

  • traquéia

  • brônquios e bronquíolos

  • parênquima pulmonar

Sistema Respiratório Vias Aéreas Superiores  nariz e cavidade nasal  faringe  laringe  aquecimento
  • vias de condução: até

bronquíolos terminais

  • zonas de troca gasosa: a partir de bronquíolo respiratório (hematose)

VIAS RESPIRATÓRIAS

VIAS RESPIRATÓRIAS As vias respiratórias são: Fossas nasais Faringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos Fossas nasais Laringe
VIAS RESPIRATÓRIAS As vias respiratórias são: Fossas nasais Faringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos Fossas nasais Laringe

As vias respiratórias são:

  • Fossas nasais

  • Faringe

  • Laringe

  • Traqueia

  • Brônquios

  • Bronquíolos

VIAS RESPIRATÓRIAS As vias respiratórias são: Fossas nasais Faringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos Fossas nasais Laringe

Fossas nasais

VIAS RESPIRATÓRIAS As vias respiratórias são: Fossas nasais Faringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos Fossas nasais Laringe

Laringe e

Faringe

VIAS RESPIRATÓRIAS As vias respiratórias são: Fossas nasais Faringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos Fossas nasais Laringe

Brônquios

VIAS RESPIRATÓRIAS As vias respiratórias são: Fossas nasais Faringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos Fossas nasais Laringe

Traqueia

VIAS RESPIRATÓRIAS As vias respiratórias são: Fossas nasais Faringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos Fossas nasais Laringe

Bronquíolos

Conduzem, aquecem, filtram e umedecem o ar inspirado.

VIAS RESPIRATÓRIAS

Fossas nasais

VIAS RESPIRATÓRIAS Fossas nasais São a cavidade por onde o ar entra. São revestidas por uma
  • São a cavidade

por onde o ar

entra.

  • São revestidas por uma mucosa com cílios e produzem uma substância viscosa que humedece a cavidade e

retém as partículas.

Receptores Olfativos

Receptores Olfativos

VIAS RESPIRATÓRIAS

Faringe

VIAS RESPIRATÓRIAS Faringe Impede a passagem dos alimentos para a laringe. Órgão comum ao sistema digestivo.

Impede a passagem dos alimentos para a laringe.

VIAS RESPIRATÓRIAS Faringe Impede a passagem dos alimentos para a laringe. Órgão comum ao sistema digestivo.

Órgão comum ao sistema digestivo.

VIAS RESPIRATÓRIAS Faringe Impede a passagem dos alimentos para a laringe. Órgão comum ao sistema digestivo.

Permite a passagem do ar e do bolo alimentar.

VIAS RESPIRATÓRIAS Faringe Impede a passagem dos alimentos para a laringe. Órgão comum ao sistema digestivo.
VIAS RESPIRATÓRIAS Faringe Impede a passagem dos alimentos para a laringe. Órgão comum ao sistema digestivo.
VIAS RESPIRATÓRIAS Faringe Impede a passagem dos alimentos para a laringe. Órgão comum ao sistema digestivo.

Epiglote

VIAS RESPIRATÓRIAS

Laringe

VIAS RESPIRATÓRIAS Laringe Canal aéreo situado entre a faringe e a traqueia. É aqui que se
VIAS RESPIRATÓRIAS Laringe Canal aéreo situado entre a faringe e a traqueia. É aqui que se

Canal aéreo

situado entre a

faringe

e a traqueia.

VIAS RESPIRATÓRIAS Laringe Canal aéreo situado entre a faringe e a traqueia. É aqui que se

É aqui que se encontram as cordas vocais que vibram, produzindo sons.

VIAS RESPIRATÓRIAS

Traqueia

VIAS RESPIRATÓRIAS Traqueia Canal constituído por anéis cartilagíneos em forma de «C». É revestido por uma
VIAS RESPIRATÓRIAS Traqueia Canal constituído por anéis cartilagíneos em forma de «C». É revestido por uma
VIAS RESPIRATÓRIAS Traqueia Canal constituído por anéis cartilagíneos em forma de «C». É revestido por uma
VIAS RESPIRATÓRIAS Traqueia Canal constituído por anéis cartilagíneos em forma de «C». É revestido por uma

Canal constituído

por anéis cartilagíneos em forma de «C».

  • É revestido por uma mucosa e por cílios

e conduz o ar até

aos pulmões.

VIAS RESPIRATÓRIAS

Brônquios

VIAS RESPIRATÓRIAS Brônquios Duas estruturas tubulares que resultam da divisão da traqueia. Os brônquios ramificam-se e

Duas estruturas tubulares que resultam da divisão da traqueia.

Os brônquios ramificam-se e formam os bronquíolos.

Brônquios

VIAS RESPIRATÓRIAS

Bronquíolos e Alvéolos Pulmonares

VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e Alvéolos Pulmonares Bronquíolos Estruturas em forma de saco, rodeadas de numerosos capilares.

Bronquíolos

VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e Alvéolos Pulmonares Bronquíolos Estruturas em forma de saco, rodeadas de numerosos capilares.

Estruturas em forma

de saco, rodeadas de numerosos capilares.

VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e Alvéolos Pulmonares Bronquíolos Estruturas em forma de saco, rodeadas de numerosos capilares.
VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e Alvéolos Pulmonares Bronquíolos Estruturas em forma de saco, rodeadas de numerosos capilares.

Trocas gasosas

Os bronquíolos

terminam em

alvéolos

pulmonares.

VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e Alvéolos Pulmonares Bronquíolos Estruturas em forma de saco, rodeadas de numerosos capilares.
VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e Alvéolos Pulmonares Bronquíolos Estruturas em forma de saco, rodeadas de numerosos capilares.

Alvéolos Pulmonares

VIAS RESPIRATÓRIAS

VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e alvéolos pulmonares

Árvore brônquica

VIAS RESPIRATÓRIAS Bronquíolos e alvéolos pulmonares

Bronquíolos e alvéolos pulmonares

Pulmões

Dois órgãos esponjosos

situados na caixa torácica.

Pulmões Dois órgãos esponjosos situados na caixa torácica. Pulmões O pulmão do lado direito é maior
Pulmões Dois órgãos esponjosos situados na caixa torácica. Pulmões O pulmão do lado direito é maior
Pulmões
Pulmões

O pulmão do lado direito é maior e divide-se em três lobos.

O pulmão do lado esquerdo, devido ao espaço ocupado pelo coração, é mais pequeno e divide-se em dois lobos.

Pulmões

Possuem uma

membrana:

Pulmões Possuem uma membrana: a pleura constituída por dois folhetos: um ligado aos pulmões e outro

a pleura

Pulmões Possuem uma membrana: a pleura constituída por dois folhetos: um ligado aos pulmões e outro

constituída por dois folhetos: um ligado aos pulmões e outro à caixa torácica.

A compressão e distensão dos pulmões é devida ao diafragma

Pulmões Possuem uma membrana: a pleura constituída por dois folhetos: um ligado aos pulmões e outro
Pulmões Possuem uma membrana: a pleura constituída por dois folhetos: um ligado aos pulmões e outro

Músculo que divide

a cavidade

abdominal da torácica.

Pulmões Possuem uma membrana: a pleura constituída por dois folhetos: um ligado aos pulmões e outro
Pulmões Possuem uma membrana: a pleura constituída por dois folhetos: um ligado aos pulmões e outro

Local onde se dão as trocas gasosas alvéolos pulmonares

Pulmões

Pulmões

Como funciona o sistema respiratório

A ventilação pulmonar

Como funciona o sistema respiratório A ventilação pulmonar permite as trocas gasosas nos alvéolos pulmonares. Hematose

permite

as trocas gasosas nos alvéolos pulmonares.

Como funciona o sistema respiratório A ventilação pulmonar permite as trocas gasosas nos alvéolos pulmonares. Hematose

Hematose pulmonar

Como funciona o sistema respiratório A ventilação pulmonar permite as trocas gasosas nos alvéolos pulmonares. Hematose

O dióxido de carbono do sangue passa para os alvéolos.

O oxigênio dos alvéolos passa para a corrente sanguínea.

O sangue passa de venoso a arterial.

Hematose Pulmonar

Quando o O2 chega aos alvéolos ocorre de fato a respiração.

O CO2 produzido por todas as células do corpo chegam aos capilares que envolvem esses alvéolos.

Através de um processo de difusão ocorre uma permuta gasosa, no qual o O2 inspirado entra na circulação e é levado para os tecidos do

corpo, e o CO2 entra nos alvéolos e é expirado para fora do

organismo

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Hematose Pulmonar

Ventilação Pulmonar

Processo pelo qual o ar entra e sai dos pulmões.

Inspiração

+

Expiração

Ventilação Pulmonar Processo pelo qual o ar entra e sai dos pulmões. Inspiração + Expiração

Ventilação Pulmonar

Inspiração

Ventilação Pulmonar Inspiração  O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo.  Os músculos intercostais contraem-se,
  • O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo.

  • Os músculos intercostais contraem-se, afastando as costelas umas das outras.

  • O peito desloca-se para a frente,

aumentando o volume da caixa torácica.

Ventilação Pulmonar Inspiração  O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo.  Os músculos intercostais contraem-se,

A pressão no interior diminui.

Ventilação Pulmonar Inspiração  O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo.  Os músculos intercostais contraem-se,

O ar rico em oxigênio entra nos pulmões.

Ventilação Pulmonar

Ventilação Pulmonar
Ventilação Pulmonar

Ventilação Pulmonar

Ventilação Pulmonar Expiração  Os músculos intercostais relaxam.  O peito recua, diminuindo o volume da

Expiração

  • Os músculos intercostais relaxam.

  • O peito recua, diminuindo o volume da caixa torácica.

  • O diafragma desloca-se para cima no sentido dos pulmões.

Ventilação Pulmonar Expiração  Os músculos intercostais relaxam.  O peito recua, diminuindo o volume da

A pressão no interior aumenta.

Ventilação Pulmonar Expiração  Os músculos intercostais relaxam.  O peito recua, diminuindo o volume da

O ar pobre em oxigênio e rico em dióxido

de carbono sai pelas vias respiratórias.

Estrutura Musculo-Esquelética

Respiração Baixa:

m. diafragma(IN) e mm. abdominais (EX)

Respiração Média:

m. diafragma e mm. intercostais

Respiração Alta:

M. diafragma e mm. escalenos

Respiração Completa:

todos os músculos respiratórios são utilizados

Estrutura Musculo-Esquelética • Respiração Baixa: – m. diafragma(IN) e mm. abdominais (EX) • Respiração Média: –

Músculos Respiratórios

Diafragma
Diafragma

Principal músculo da respiração

Responsável pelas mudanças no formato das cavidades torácica e abdominal.

Divide o tronco nas duas cavidades

Esse formato é criado pelos órgãos que ele envolve e sustenta

Músculos Respiratórios Diafragma • Principal músculo da respiração • Responsável pelas mudanças no formato das cavidades

Músculos Respiratórios

Músculos Respiratórios

Músculos Respiratórios

Intercostais
Intercostais

Regulam os espaços intercostais nas atividades

dinâmicas e na respiração

Ambos ativos tanto na inspiração quanto na

expiração (regulação do

volume pulmonar e do espaço intercostal)

Músculos Respiratórios Intercostais • Regulam os espaços intercostais nas atividades dinâmicas e na respiração • Ambos

Músculos Respiratórios

Escalenos
Escalenos

Elevação da 1ª e 2ª costelas na inspiração em repouso e

durante o esforço

Estabiliza tórax superior e impede distorção sinergismo com diafragma

Músculos Respiratórios Escalenos • Elevação da 1ª e 2ª costelas na inspiração em repouso e durante

Músculos da Respiração

Músculos da Respiração

Funções Musculares

INSPIRATÓRIOS

estabilizar caixa torácica

abrir e elevar a caixa torácica em repouso

elevar a caixa torácica durante o esforço

facilitar a ação do diafragma

EXPIRATÓRIOS

deprimir a caixa torácica na expiração forçada

ação direta para tossir, espirrar e pigarrear

facilitar a ação do diafragma (função inspiratória dos abdominais)

Respiração de Repouso

Inspiração

ativa

contração física: diafragma, intercostais, escalenos

superar resistências

Expiração

passiva

relaxamento da musculatura inspiratória

recolhimento elástico

Dinâmica da Respiração

ativação neural promove contração da musculatura inspiratória

variação nos diâmetros da caixa torácica gera gradiente de pressão pleural

gradiente de pressão alveolar gera fluxo de ar e hematose

ritmo respiratório mantido automaticamente, podendo ser modulado

Regulação da Respiração

Centro Respiratório

grupos de neurônios com alças de conexões que determinam disparos repetitivos

Mecanorreceptores (pulmões, caixa torácica)

Quimiorreceptores (H+, CO2 e O2)

Ativação conjunta no exercício físico (córtex ativa musculatura participante e também o CR)

Modulação cortical (emoções, meditação)

Regulação da Respiração

Concentração de O2 e CO2 - Bulbo

O movimento respiratório é controlado por um centro nervoso localizado na medula espinhal (bulbo).

Em condições normais esse mecanismo é controlado pela concentração de O2 e CO2.

Aumento do CO2

Diminuição do O2

Regulação da Respiração Concentração de O2 e CO2 - Bulbo O movimento respiratório é controlado por
Regulação da Respiração Concentração de O2 e CO2 - Bulbo O movimento respiratório é controlado por
Expiração
Expiração
Inpiração
Inpiração

Regulação da Respiração

Concentração de O2 e CO2

Regulação da Respiração Concentração de O2 e CO2

Regulação da Respiração

Regulação da Respiração

Regulação da Respiração

Regulação da Respiração Receptores periféricos Receptores centrais

Receptores periféricos

Regulação da Respiração Receptores periféricos Receptores centrais

Receptores centrais

Regulação da Respiração

Relação Volume-Pressão

O aumento do volume torácico faz com que a pressão interna seja menor do que a pressão do ar

Entrada do Ar
Entrada do Ar

A diminuição do volume torácico aumenta a pressão interna em relação ao meio externo

Saída do Ar
Saída do Ar

Regulação da Respiração

Regulação da Respiração

Revisando ...

Revisando ...
Tipos de Respiração

Tipos de

Respiração

RESPIRAÇÃO ABDOMINAL / BAIXA / ADHAMA

Sente-se com a coluna ereta ou deite-se.

Inspire (ar para dentro) para fora.

Expire (ar para fora) e o abdome é projetado para dentro.

Durante o exercício não “estufe” o abdome, deixe-o relaxada.

RESPIRAÇÃO ABDOMINAL / BAIXA / ADHAMA

Permite um maior fluxo de ar e exige o mínimo de esforço fisiológico.

Equivale a aproximadamente 60% do volume total de ar que pode ser assimilado em uma inalação.

Fazemos esta respiração diafragmática durante o sono, em estados de descanso, relaxamento ou meditação.

RESPIRAÇÃO ABDOMINAL / BAIXA / ADHAMA

A respiração baixa vitaliza os órgãos abdominais, melhorando o seu funcionamento.

Elimina a ansiedade e predispõe a uma atitude mais aberta e receptiva.

Psicologicamente, corresponde a estados de harmonia, paz, realização pessoal, expansão do ser. A pessoa relaxa e tende a aceitar a realidade tal como é.

RESPIRAÇÃO INTERCOSTAL/ MÉDIA / MADHYAMA

Este movimento deve ser feito com as costelas.

Coloque as mãos nas costelas para que você perceba o movimento lateral das mesmas.

Inspire e movimente as costelas como uma sanfona distendendo.

Expire, tentando perceber as costelas fechando.

RESPIRAÇÃO INTERCOSTAL/ MÉDIA / MADHYAMA

Nesta respiração, a estrutura ósseo-muscular do tórax expande-se lateralmente, com o trabalho do diafragma.

Equivale a cerca de 30 % do volume de ar que pode ser inspirado de uma só vez.

Está sempre relacionada à respiração alta ou baixa.

Efeitos: de modo geral, podemos afirmar que esta maneira de respirar aumenta a força de vontade, a concentração e a vivacidade

mental.

RESPIRAÇÃO ALTA / SUBCLAVICULAR / UTTAMA

Coloque as mãos na parte superior do peito, logo abaixo das clavículas.

Ao inspirar, sinta essa região se expandir.

Ao expirar, perceba como o esterno desce.

Torne o ritmo tão lento como puder.

Ao inspirar, os ombros se elevam naturalmente. Esse movimento não deve ser forçado.

RESPIRAÇÃO ALTA / SUBCLAVICULAR / UTTAMA

Se utilizada exclusivamente, seria a pior maneira de respirar.

Deve ser utilizada combinada com as outras fases.

Deve-se evitar tensionar os ombros e a musculatura do pescoço.

É equivalente a 10 % do volume total de ar inalado.

Psiquicamente, se relaciona a quadros de nervosismo e angústia, na maioria das vezes somatizada em forma de tensão muscular no abdome e no tronco.

RESPIRAÇÃO COMPLETA/ YOGUICA/ PRANA KRIYA

Unir as três fases da respiração: “abdome, costelas e peito”

A inspiração começa enchendo a parte baixa, logo a região intercostal e finalmente a parte alta dos pulmões.

A expiração se faz de forma oposta: você solta o ar da parte alta, depois da parte média e por fim da região abdominal.

RESPIRAÇÃO COMPLETA/ YOGUICA/ PRANA KRIYA

Promove o aumento da capacidade pulmonar, da resistência e do tônus geral do organismo, desintoxicação e oxigenação celular, rejuvenescimento e tonificação.

No aspecto psíquico, manifesta-se numa atitude aberta em relação ao mundo, expansão total de si, concentração, entrega, felicidade.

Aumentando a elasticidade da estrutura ósseo-muscular, esta forma de respirar dissolve tensões somatizadas na região abdominal, nos ombros e no pescoço.

CARACTERÍSTICAS DA RESPIRAÇÃO YOGUICA

1) Profunda,

2) Completa,

3) Consciente,

4) Ritmada,

5) Controlada,

6) Uniforme,

7) Lenta,

8)

Silenciosa (exceções: bhastrika, bhramari e ujjayi)

9)

Nasal (exceções: shitali e sítkari)

10) Com a mínima projeção do ar.

Sistema Circulatório

Sistema

Circulatório

Sistema Circulatório

Sistema circulatório
Sistema circulatório

GENERALIDADES:

  • - Sistema fechado de tubos Vasos sanguíneos Vasos linfáticos

  • - Por onde circulam humores Sangue Linfa

  • - Impulsionados por uma “bomba central”

Coração

Sistema Circulatório

Sistema circulatório
Sistema circulatório

Sistema Sanguíneo

  • - Vasos Sanguíneos

  • - Coração

  • - Sangue

Sistema Linfático

Sistema Sanguíneo

Coração
Coração
Sistema Sanguíneo Coração Vasos Sanguíneos onde circula Sangue
Sistema Sanguíneo Coração Vasos Sanguíneos onde circula Sangue
Sistema Sanguíneo Coração Vasos Sanguíneos onde circula Sangue
Vasos Sanguíneos
Vasos Sanguíneos

onde circula

Sistema Sanguíneo Coração Vasos Sanguíneos onde circula Sangue

Sangue

Sangue

Sangue

Sangue

Plasma

É o componente líquido e não celular do sangue.

É constituído essencialmente por água (90%) e também por proteínas, lípidos, sais minerais,

gases e produtos tóxicos resultantes do metabolismo.

FUNÇÃO: Transporte de Nutrientes e Substâncias Tóxicas

Sangue

Plaquetas

São fragmentos celulares originados na medula vermelha dos ossos.

FUNÇÃO: São fundamentais na coagulação do sangue.

Sangue

Glóbulos Vermelhos/ Eritrócitos / Hemácias

São células muito pequenas com forma bicôncava

São anucleadas e são formadas na medula vermelha dos ossos .

Contêm um pigmento vermelho a hemoglobina.

FUNÇÃO: Fazem o transporte do oxigênio dos pulmões aos tecidos.

Sangue

Glóbulos Brancos / Leucócitos

São células maiores do que as hemácias.

Possuem um núcleo bem visível.

Têm origem na medula vermelha dos ossos, mas podem formar- se no baço e nos gânglios

FUNÇÃO: São responsáveis pela defesa do organismo.

Vasos Sanguíneos

Vasos Sanguíneos

Artéria

Vaso sanguíneo que sai do coração

Quanto mais se aproxima das células vão ficando cada vez mais finas:

Arteríolas Capilares arteriais

Artéria

Artéria As artérias possuem paredes grossas e flexíveis o que lhes permite resistir à pressão do
Artéria As artérias possuem paredes grossas e flexíveis o que lhes permite resistir à pressão do

As artérias possuem

paredes grossas e flexíveis

Artéria As artérias possuem paredes grossas e flexíveis o que lhes permite resistir à pressão do

o que lhes permite

Artéria As artérias possuem paredes grossas e flexíveis o que lhes permite resistir à pressão do

resistir à pressão do sangue.

Veia

Vaso sanguíneo que chega ao coração

Quanto mais se aproxima das células ficam com calibre menor:

Vênulas Capilares venosos

Veia

Veia Impedem o refluxo do sangue. As veias possuem paredes mais finas e rígidas. possuem
Veia Impedem o refluxo do sangue. As veias possuem paredes mais finas e rígidas. possuem

Impedem o refluxo do sangue.

Veia Impedem o refluxo do sangue. As veias possuem paredes mais finas e rígidas. possuem

As veias possuem paredes mais finas e rígidas.

Veia Impedem o refluxo do sangue. As veias possuem paredes mais finas e rígidas. possuem

possuem

Veia Impedem o refluxo do sangue. As veias possuem paredes mais finas e rígidas. possuem
Veia Impedem o refluxo do sangue. As veias possuem paredes mais finas e rígidas. possuem

Veia

Como funciona a válvula venosa?

Veia Como funciona a válvula venosa?

Coração

Órgão muscular oco

Bomba

Propulsora Contrátil

Coração • Órgão muscular oco • Bomba – Propulsora – Contrátil

Tórax

Mediastino

Coração

Situação

• Tórax • Mediastino Coração Situação

Mediastino

Situação

Coração

• Mediastino Situação Coração

Base

Ápice

AA. Coronárias

Coração

Morfologia Externa

• Base • Ápice • AA. Coronárias Coração Morfologia Externa

Átrios

D e E

Ventrículos

D e E

Morfologia Interna Cavidades do Coração

Coração

• Átrios – D e E • Ventrículos – D e E Morfologia Interna Cavidades do

Morfologia Interna

Coração

Septo Interatrial

Septo Atrioventricular

Septo Interventricular

Morfologia Interna Coração • Septo Interatrial • Septo Atrioventricular • Septo Interventricular

Morfologia Interna

Coração

Valva Atrioventricular D

Tricúspide

Valva Atrioventricular E

Bicúspide ou Mitral

Morfologia Interna Coração • Valva Atrioventricular D – Tricúspide • Valva Atrioventricular E – Bicúspide ou

Morfologia Interna

Coração

Morfologia Interna

Vasos da Base

Artéria Aorta

Artéria Tronco Pulmonar

Veias Pulmonares

Veias Cavas

Vasos da Base • Artéria Aorta • Artéria Tronco Pulmonar • Veias Pulmonares • Veias Cavas

Como funciona o coração

Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma

rítmica e involuntária

Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica

Ciclo Cardíaco

Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica
Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica

duas sístoles

uma diástole

Como funciona o coração

Sístole

Sístole Auricular

Sístole Ventricular

Como funciona o coração Sístole Sístole Auricular Sístole Ventricular As aurículas contraem-se, as válvulas auriculoventriculares abrem-se

As aurículas contraem-se,

as válvulas

auriculoventriculares abrem-se e o sangue

é enviado para os

ventrículos.

Como funciona o coração Sístole Sístole Auricular Sístole Ventricular As aurículas contraem-se, as válvulas auriculoventriculares abrem-se
Como funciona o coração Sístole Sístole Auricular Sístole Ventricular As aurículas contraem-se, as válvulas auriculoventriculares abrem-se

Os ventrículos contraem-se, as válvulas semilunares

abrem-se e o sangue é

enviado para todo o corpo.

Como funciona o coração Sístole Sístole Auricular Sístole Ventricular As aurículas contraem-se, as válvulas auriculoventriculares abrem-se

Como funciona o coração

Diástole

Diástole Geral

Como funciona o coração Diástole Diástole Geral As aurículas e os ventrículos relaxam, as válvulas semilunares

As aurículas e os ventrículos relaxam, as válvulas semilunares estão fechadas e as

válvulas auriculoventriculares estão abertas,

permitindo que o sangue entre nas aurículas e saia destas para os ventrículos.

Como funciona o coração Diástole Diástole Geral As aurículas e os ventrículos relaxam, as válvulas semilunares

Como funciona o coração

Como funciona o coração • Para cada ciclo cardíaco completo conta-se uma pulsação . • O

Para cada ciclo cardíaco completo conta-se uma pulsação.

O número de pulsações por minuto determina o ritmo cardíaco.

Como funciona o coração

Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica e involuntária:

Sístole ventricular

Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica

Quando o sangue é

bombeado, a pressão que exerce sobre as artérias é máxima.

Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica

Pressão arterial

Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica

durante

Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica

Ciclo cardíaco

Como funciona o coração Para bombear o sangue, o coração contrai-se e relaxa de forma rítmica

Como circula o sangue

O sangue, ao sair do coração, percorre dois trajetos diferentes:

Como circula o sangue O sangue, ao sair do coração, percorre dois trajetos diferentes: Circulação sistémica
Como circula o sangue O sangue, ao sair do coração, percorre dois trajetos diferentes: Circulação sistémica

Circulação sistémica

Como circula o sangue O sangue, ao sair do coração, percorre dois trajetos diferentes: Circulação sistémica

Assegura a distribuição de nutrientes e de oxigênio a

todas as células do corpo e recebe os produtos de

excreção.

Como circula o sangue O sangue, ao sair do coração, percorre dois trajetos diferentes: Circulação sistémica

O sangue passa de arterial

a venoso.

Circulação pulmonar

Como circula o sangue O sangue, ao sair do coração, percorre dois trajetos diferentes: Circulação sistémica

Passa pelos pulmões, onde se dá a hematose pulmonar, o oxigénio passa para o sangue e o dióxido de carbono passa

para

os pulmões.

Como circula o sangue O sangue, ao sair do coração, percorre dois trajetos diferentes: Circulação sistémica

O sangue passa de venoso

a arterial.

Tipos de Circulação

Pequena Circulação

Coração

VD

CO2 Tronco
CO2
Tronco

Pulmonar

Pulmão O2 (Troca Gasosa) Vv. Pulmonares
Pulmão
O2
(Troca
Gasosa)
Vv. Pulmonares

Coração

AE

Tipos de Circulação

Grande Circulação

Coração

O2

Tipos de Circulação Grande Circulação Coração O 2 VE Aorta Organismo CO 2 Vv. Cavas Coração

VE

Aorta

Organismo

CO2

Tipos de Circulação Grande Circulação Coração O 2 VE Aorta Organismo CO 2 Vv. Cavas Coração

Vv. Cavas

Coração

AD

Regulação do Bombeamento Cardíaco

Regulação Intrínseca - Lei de Frank-Starling

Regulação Nervosa Sistema Nervoso Autônomo

Regulação Química Hormônios, gases, íons

Regulação Física Temperatura

Regulação do Bombeamento Cardíaco

Regulação Intrínseca - Lei de Frank-Starling

Quanto maior o retorno venoso,

maior será a capacidade do coração

de bombear o sangue

Regulação do Bombeamento Cardíaco Regulação Intrínseca - Lei de Frank-Starling • Quanto maior o retorno venoso,

Regulação do Bombeamento Cardíaco

Regulação Nervosa Sistema Nervoso Autônomo

O SNA exerce influência no corpo de forma automática e independendo de nossa vontade consciente

Um predomínio da atividade simpática do SNA provoca no coração:

Aumento na frequência cardíaca Aumento na força de contração Aumento no débito cardíaco.

Um predomínio da atividade parassimpática do SNA, provoca no coração:

redução na frequência cardíaca redução na força de contração redução considerável no débito cardíaco.

Yoga e Sistema Cardiorrespiratório

Yoga e

Sistema

Cardiorrespiratório

Yoga e o Sistema Cardiorrespiratório

Por mais lindamente que você consiga fazer um ásana,

por mais flexível que o seu corpo seja,

se você não conquista a integração entre corpo, respiração e mente,

não dá para dizer que você esteja fazendo Yoga.

- O Coração do Yoga,

T.K.V Desikachar -

Namastê! yoga.quiro@gmail.com
Namastê! yoga.quiro@gmail.com

Namastê!

yoga.quiro@gmail.com