Você está na página 1de 20

Milagres do Cinto Sagrado

Grande e Santo Mosteiro de Vatopedi, Grécia - 2008

Prólogo
As obras de Deus e de Seus santos, que não podem ser racionalmente explicadas, são
chamadas de milagres. Deus realiza milagres infinitamente. Isto é revelado por nosso
Senhor Jesus Cristo, que diz: "Meu pai está trabalhando até agora" (João 5, 17). Por suas
energias incriadas, Deus provê, preserva e controla todo o universo, toda a criação. Isto é,
Deus preserva a criação na condição original que Ele criou. Ele conserva e protege por sua
consideração divina. Portanto, as energias incriadas de Deus estão constantemente e
incessantemente sendo reveladas no mundo físico e causam resultados naturais e físicos.
Portanto, estamos vivendo um milagre constante. Todas as nossas habilidades estão sendo
postas em movimento pela vontade de Deus. Se Deus retira Sua energia de uma de nossas
habilidades, nós vamos perdê-la. Agora eu posso ver. Eu posso ver porque Deus permite
isso. Se Deus retira sua energia, ficarei cego.
De acordo com os ensinamentos dos Padres da Igreja, não há leis físicas (pelas quais a
natureza está sendo governada), mas apenas leis espirituais ou incriadas. A criação
permanece na existência porque participa da energia criada e vivificante de Deus. Deus,
que criou o mundo a partir do nada, não o abandonou, mas governa por suas energias. Às
vezes somos capazes de perceber certa estabilidade no modo como Suas energias
incriadas estão sendo expressas e reveladas. É assim que Deus quer agir. O homem
explora essa estabilidade, reconhece e chama de "leis naturais" em seu esforço para dar
sentido ao mundo físico. É por isso que quando as pessoas percebem a realização de
milagres, elas explicam isso como a intervenção de Deus na operação das leis físicas.
Contudo, o milagre não é o resultado da intervenção de Deus na operação das leis físicas,
mas é o resultado de Sua graça incriada em Sua criação: "Abris a mão, e se fartam de bens.
Se desviais o rosto, eles se perturbam." (Salmo 103, 28,29).
Somente Deus tem a capacidade, por sua própria natureza, de realizar milagres. Os santos
realizam milagres por causa da graça que receberam dele. A energia com a qual eles
realizam os milagres não é deles, mas a energia de Deus. Portanto, a Santíssima Mãe de
Deus, como o mais sagrado dos santos, realiza milagres mais do que qualquer outra
pessoa, e não apenas isso. Todas as virtudes espirituais estão sendo transmitidas por ela
tanto para os anjos quanto para as pessoas. Ela vem em segundo lugar depois da
Santíssima Trindade. Depois da honra à Santíssima Trindade, a honra é atribuída à
Santíssima Senhora como sendo “mais venerável que os querubins e incomparavelmente
mais gloriosa que os serafins”. Uma vez que a ela foi concedido o segundo lugar após a
Trindade, ela pode obter o que ela quiser. Como diz o hino à nossa Santíssima Senhora:
“vós tendes a capacidade de conseguir o que quereis”.
Nossa Santíssima Mãe, além de seu amor e bondade, tem também uma capacidade infinita
para nos ajudar. Por quê? São Nicodemos Agiorita, que é considerado um amigo amoroso
da Mãe de Deus, explica a razão disso em sua obra “Eortodromio”.

1
A 9ª Ode do Canon de Pentecostes diz: “A Virgem Mãe de Deus, que engravidou sem que
sua virgindade fosse corrompida e emprestou sua carne ao Verbo de Deus, o Criador de
tudo”. Explicando esse hino, o Santo se refere àquilo que a Mãe de Deus emprestou ao seu
Filho, que O deixou para sempre em dívida com ela.
“Observe que o escritor de hinos não disse que a Virgem 'deu' ou 'forneceu' ou qualquer
outra palavra similar, mas que ela 'emprestou' sua carne ao verbo Criador do Pai, para
mostrar que a Mãe de Deus deixou o Filho de Deus em dívida com ela por causa do
empréstimo dela. Porque ele tomou emprestado dela - não um empréstimo monetário
externo, ou um empréstimo de imóveis, que pode ser devolvido, mas uma parte intrínseca
de sua própria existência; de seu sangue físico e mais puro. Portanto, como um empréstimo
físico, é eterno. Assim, o Filho de Deus está eternamente em dívida para com sua mãe. O
que podemos deduzir disso? Visto que o Filho de Deus está para sempre em dívida para
com Sua Mãe, acima de tudo e necessariamente Ele deve glorificá-la com toda a glória e
honra divinas, que Ele nunca concedeu a nenhum outro ser. Em segundo lugar, Ele deve
aceitar seus pedidos e súplicas ... Você entendeu, meu querido amigo, a glória da Virgem?
Você entendeu seu esplendor?
No presente livro, citamos os milagres que a Santíssima Mãe de Deus realizou por seu
Cinto Sagrado, que é cheio de graça. Todos os milagres estão sendo descritos por aqueles
que foram abençoados por eles, em cartas que enviaram ao nosso Santo Mosteiro. Essas
pessoas não escondem a graça, elas confessam a benção. Algumas outras pessoas
testemunharam verbalmente sobre as curas que receberam, quando transportamos o Cinto
Sagrado para as várias regiões para que as pessoas o venerassem, mas não as colocaram
por escrito. Um grande número de cartas que possuímos traz os nomes, os endereços e
até os números de telefone dos remetentes. Quando possuímos tais detalhes pessoais, nós
os modificamos. De todo o conteúdo das cartas, apenas publicamos a parte referente aos
milagres.
As Sagradas Escrituras usam um termo melhor para descrever o milagre: o termo "sinal".
O sinal revela, aponta para alguém. Isso revela Deus. O milagre é bom não porque alguém
está sendo curado, mas simplesmente porque revela Deus às pessoas. Este é o elemento
mais essencial. Normalmente prestamos atenção ao primeiro elemento, a cura, que é algo
menos significativo e não vemos a revelação da glória de Deus, que é a parte mais
importante.
É essa experiência pessoal da presença de Deus em suas vidas, que os cristãos, que
receberam as energias benéficas da Santíssima Senhora, estão confessando. O resultado
mais benéfico do milagre foi a maravilha de seu retorno e seu arrependimento, assim como
a revelação de Deus. Alguns dos beneficiários tinham enfraquecido ou perdido sua ligação
com a Igreja. Após o milagre, eles choraram, percebendo seu erro e sua pobreza espiritual.
Eles agora vivem em arrependimento e estão lutando.
Ilias Miniatis disse algo muito tocante com relação à proteção oferecida por Nossa Senhora
aos fiéis, especialmente àqueles que sofrem e são afligidos.
“Vocês, órfãos, que foram privados de seus pais; pais que foram privados de seus filhos;
cônjuges que perderam seus parceiros; estrangeiros que perderam seu país; aflitos, que
estão com dor; vocês, que são tristes, escravizados e pecadores, não são mais tristes. Você
2
tem uma mãe; a Mãe de Deus: Uma Mãe que te guia na sua perda; que te consola em sua
tristeza; que cura suas paixões; que perdoa seus pecados. Não se desespere. Você tem
uma mãe, a mãe da dor; a mãe de Deus. Vocês, cristãos, jovens ou idosos, sacerdotes e
leigos, idosos, homens, mulheres e enfermos, todos vocês, que adoram seu Filho
Crucificado, devem apresentar seu apelo a ela. Para que ela amoleça sua dor e você poderá
carregar sua cruz, sua dor e sua tristeza.
Rezamos para que a publicação do presente livro pelo nosso Santíssimo Mosteiro fortaleça
aqueles que estão vacilantes em sua fé e tragam alegria aos fiéis, aumentando seu amor
para com a mais celebrada Mãe de Deus.

O abade do Grande Mosteiro Sagrado de Vatopedi, Grécia,


Monsenhor Efrem.

3
Introdução
A Igreja Católica venera as relíquias sagradas, sejam elas derivadas dos corpos dos santos,
ou itens pertencentes a eles. Uma dessas relíquias, a única que foi encontrada até hoje que
pertenceu à Santíssima Mãe de Deus, é seu Cinto Sagrado. Constitui um tesouro precioso
e a mais sagrada relíquia que o Grande Mosteiro Sagrado de Vatopedi possui. A Graça do
Espírito Santo continua a agir através das relíquias sagradas. Como diz São Crisóstomo:
“Jesus Cristo, honrando suas lutas, o sangue que derramaram e o martírio dos santos,
salvaguardou suas almas no céu. Mas Ele deixou na terra seus corpos e suas relíquias
sagradas para ajudar na nossa salvação”.
A graça do Espírito Santo realiza os milagres através das relíquias sagradas. Existem
numerosos exemplos no Velho e no Novo Testamento. Moisés, o profeta, realiza grandes
e espantosas maravilhas com seu bastão (atravessando o Mar Vermelho, a água vertida na
rocha, depois de tocá-la com o bastão, etc.). Profeta Elias, pouco antes de subir com seu
corpo ao céu no final de sua vida na Terra, que por si mesmo constituiu um incrível milagre,
realizou seu último milagre. Ele bateu o manto de pele de ovelha nas águas do rio Jordão,
abriu o caminho e atravessou a margem oposta do rio com seu discípulo, Eliseu. “Então
Elias pegou o seu manto, enrolou-o e feriu a água, e a água se abriu para um lado e para o
outro, até que os dois pudessem passar a seco” (2 Reis, 2, 8) Profeta Eliseu herda a capa
junto com o espírito de seu professor e repete o mesmo milagre no rio Jordão apelando a
Deus. O livro do Antigo Testamento diz que, assim que os outros profetas viram os milagres
da divisão das águas, disseram: “O espírito de Elias repousa sobre Eliseu” (2 Reis, 2, 15).
O manto, a capa cobrindo o corpo sagrado do profeta Elias, tornou-se santificado. Ele
estava encobrindo o corpo do profeta e estava transbordando com o milagre realizando a
graça. O manto recebeu honra da honra do profeta, bênção de sua bênção, santidade de
sua santidade, Graça de sua graça, apesar de ter sido desgastado e humilde. Mesmo “o rio
Jordão a respeitou” porque “nas vestes sem vida” o “profeta estava presente em sua
ausência”.
Nós vemos o mesmo fenômeno continuando no Novo Testamento. Temos o caso da mulher
que sofria de hemorragia há 12 anos (Marcos 5,25-34). Ela fez tudo o que era humanamente
possível, gastou todo o seu dinheiro em médicos e várias curas sem qualquer melhoria.
Pelo contrário, ela piorou. Quando ela tinha ouvido falar de Jesus, ela veio no meio da
multidão e tocou Sua vestimenta pelas costas. Ela pensou: "Mesmo que eu toque apenas
em suas vestes, eu serei curada". Ela percebeu que tinha sido curada imediatamente. A
força que foi emitida de Jesus, através de suas vestes, realizou a cura. É por isso que Ele
perguntou: “Quem tocou minhas vestes?” As vestimentas santificadas transferem a força
que existe em nosso Poderoso Senhor.
Nos Atos, diz-se que até mesmo a “sombra” de São Pedro realizou milagres. “Assim,
levaram os doentes às ruas e os deitaram em colchões e esteiras, de modo que, quando
Pedro chegou, pelo menos sua sombra poderia cair sobre alguns deles. O povo também se
reuniu das cidades ao redor de Jerusalém trazendo os doentes e os aflitos com os espíritos
imundos e todos eles foram curados ”(Atos, 5, 15-16).
O mesmo acontece com São Paulo. Deus estava realizando milagres incomuns com as
mãos de Paulo. As pessoas pegavam até seus lenços de cabeça ou os aventais que ele
4
usava e os colocavam nos doentes. Os enfermos então seriam curados e os espíritos
imundos sairiam deles. “E Deus estava fazendo extraordinários milagres pelas mãos de
Paulo, de modo que até lenços ou aventais que haviam tocado sua pele foram levados aos
enfermos, e suas doenças os deixaram e os maus espíritos saíram deles” (Atos 19, 11). -
12).
Os Santos Apóstolos tornaram-se os vasos da Graça do Espírito Santo. Milagres são
eventos além da natureza, que usam e energizam coisas materiais (lenços e aventais)
cheios de graça. Nossa Igreja Católica celebra a veneração das “correntes” de São Pedro
em janeiro. Quando ele foi preso por Herodes em Jerusalém, suas mãos foram
acorrentadas. Um anjo enviado pelo Senhor o libertou. Os cristãos preservaram as
correntes e as honram e veneram em benefício de suas almas. As correntes receberam
“graça eterna” e se tornaram “a cura das doenças, o consolo dos aflitos, o porto para os
angustiados”. Em um hino do cânon da festa está escrito: "Pedro, afaste as perturbações
demoníacas, pacifique a tempestade do pecado e erradique todas as doenças, perigos e
aflições, bem como os assaltos dos bárbaros de todos aqueles que reverenciam as tuas
correntes".
Em seu relato da história dos três jovens resgatados da fornalha, Hipólito (235 dC) observa:
“O fogo queimou imediatamente as cordas com as quais o rei os havia amarrado, mas não
tocou em suas vestes, de modo que isso também demonstraria o poder do Senhor. É
porque as vestes tocavam seus corpos que se haviam santificado e não queimavam no fogo
”. O fogo respeitava as roupas dos jovens porque haviam sido santificadas desde que
tocaram seus corpos.
Atanásio o Grande diz que quando Santo Antão, o Grande, entrasse em Alexandria, os
cristãos e os idólatras “tentariam, se possível, tocar o Ancião, acreditando que eles obteriam
algum benefício”. Da mesma forma, São João Crisóstomo se refere à forma como as
pessoas expressaram sua reverência ao ver o bispo de Antioquia, Meletios, retornando do
exílio. Quando chegou à cidade, “alguns deles se aproximavam dele e tocavam seus pés e
beijavam suas mãos e ouviam sua voz”. Aqueles que não puderam se aproximar dele,
acharam que era suficiente “apenas vê-lo para ser abençoado”.
O diácono Pontios, que escreveu a biografia do mártir, bispo São Cipriano, refere-se ao fato
de que um soldado cristão que estava presente na época do martírio, ofereceu-lhe novas
vestes para vestir, uma vez que ele queria tirar as roupas do mártir que foram encharcadas
no suor de sua agonia.
Todas as coisas materiais que estão de alguma forma relacionadas com os santos
"portadores do espírito" são santificadas. Posteriormente, elas santificam aqueles que
entram em contato com elas. Estes não são apenas preservados como simples
recordações, mas como relíquias “sagradas”, dignas de adoração e veneração. Como São
Gregório de Nissa diz: “aqueles que tocaram o caixão onde o corpo do mártir Teodoro foi
colocado, estavam recebendo bênção e consagração. Desde então, não é apenas o corpo
que possui qualidades sobrenaturais, mas também as paredes do caixão que o cercam, até
mesmo "a poeira" que se acumula nelas ". O poder do santo, segundo São Crisóstomo,
passa da “alma ao corpo, do corpo às vestes, das vestes aos sapatos e dos sapatos às
sombras”.
5
Devemos enfatizar aqui que, de acordo com nossa tradição eclesiástica, as relíquias
sagradas emitem uma fragrância, um perfume agradável particular, devido à presença da
Graça divina. O Cinto Sagrado estava amarrado em torno do ventre da Mãe de Deus,
enquanto Cristo como um embrião residia nele e recebia a graça da cura. Aqueles que o
veneram recebem ampla graça e consolação. Todos aqueles que estão no fundo da
vastidão da doença, permitam-lhes recorrer à vastidão da misericórdia concedida pela
Nossa Senhora Mais Imaculada. O livro profético ‘Cântico dos Cânticos’ do Antigo
Testamento escreve sobre as vestes de Nossa Senhora: “a fragrância de suas vestes é
como a fragrância do Líbano” (Cântico dos Cânticos 4, 10-11).
Em nosso mosteiro sagrado, mantemos a tradição de distribuir aos devotos, quando pedem,
pedaços de fita que foram abençoados pelo Santo Cinto da Santíssima Mãe de Deus. Com
a bênção do Cinto Sagrado, inúmeros milagres estão sendo realizados. O Cinto Sagrado
ajuda principalmente casais que desejam ter filhos e curar câncer e outras doenças
incuráveis.
No entanto, para um milagre acontecer, existem algumas pré-condições básicas. Uma é a
vida virtuosa da pessoa a quem o milagre está sendo concedido. A graça divina não está
se revela nem reside em uma alma cheia de paixões e maldade. Somente uma pessoa que
tenha um coração limpo pode se tornar o vaso da graça. Deve ser purificado de “toda
contaminação de carne e espírito” de acordo com o Apóstolo Paulo (2 Coríntios 7, 1). Como
foi demonstrado pelos incontáveis milagres que ocorreram, não é apenas a pessoa que
pede por ela ou foi-lhe concedido o favor que deve ser livre de palavras, pensamentos e
atos que são contrários à vontade de Deus, mas também sua família próxima. No entanto,
se ele está sendo sobrecarregado por algo, ele deve primeiro ser limpo pelo mistério do
arrependimento e da confissão honesta. É só então que ele pode apelar para a graça divina.
Uma segunda pré-condição para qualquer milagre acontecer é a fé. Isto é o que São João,
o Sírio de Damasco escreve: “Um 'Cristão' significa fé. Todo aquele que tem fé ganhará
muito. Ao contrário, quem tem dúvidas se parece com as ondas do mar que são movidas
pelo vento aqui e ali, e ele não receberá nada . Ele quer dizer o tipo de fé que é manifestada
por toda a sua vida e da qual Deus gosta - não a fé mostrada apenas em palavras. Se em
nossa vida cotidiana não podemos provar que amamos a Deus, então nos assemelhamos
ao povo no tempo de nosso Senhor, a quem Ele descreveu como "hipócritas" e por quem
Ele havia dito: "Essas pessoas me honram com seus lábios, mas o seu coração está longe
de mim” (Mateus 15, 8).
Portanto, o que é necessário é o tipo de fé que é absoluta, sem reservas, inabalável, total
e estável. Quem possui tal fé depende inteiramente de Deus. Ele coloca sua confiança em
Sua Força e Sua Graça. A fé existe ou não existe. Se estamos falando sobre o tipo de fé
que é cheia de perguntas, hesitação, ambivalência, pré-condições e altos e baixos, então
essa fé é inexistente. Tal, assim chamada, "fé" não pode atrair a graça e o poder divinos e
não pode tornar possível "o que é impossível aos humanos". Quanto mais forte a fé do
homem fica, mais capaz é a graça divina descer e se aproximar dele. Quando a fé vacila, a
Graça se retira. Quando a fé do homem atinge o grau mais forte possível para que se torne
total e sem reservas, a Graça divina vem encontrá-lo e no ponto de encontro a centelha do
milagre acende. Então o devoto recebe imediatamente o que ele pediu.

6
Assim, o paciente, se ele purifica sua vida, para que ele prove sua fé total, ele está
recebendo o milagre e ele é instantaneamente e totalmente curado de uma vez por todas.
Este foi o método de cura usado também por nosso Senhor. Ele primeiro limpou a alma e a
vida do paciente, perdoando-lhe seus pecados. Então, para aqueles que estavam pedindo
por Sua Graça, Ele faria perguntas para ajudá-los a perceber que eles possuem fé dentro
deles e confessam que eles realmente acreditam Nele. O terceiro estágio após a absolvição
dos pecados e a confissão de fé foi sua completa cura. Ele completaria o círculo completo
de seu método de cura com a admoestação: “Veja, você está bem! Não peques mais, para
que nada pior te aconteça.” (João 5, 14).
Pelo que dissemos até agora, é entendido que a graça do Senhor é sempre a principal
causa de todo milagre. No entanto, para um milagre acontecer, o poder de uma fé viva é
necessário. Com esse tipo de fé, os fiéis salvaguardam a aceitação da graça divina. Em
todo caso, não se pode estipular uma receita pela qual um milagre é realizado, mesmo com
a presença da fé mais fervorosa. Os apóstolos de Cristo, apesar de sua fé, não puderam
curar o jovem epiléptico (Mateus 17, 15-21). A resposta do Senhor à sua pergunta de por
que eles não puderam curar o jovem mostra que uma comunhão e um acordo pessoal mais
caloroso deve existir entre aqueles que estão pedindo por um milagre e a Mais Sagrada
Vontade do único Deus Verdadeiro.

7
A história do cinto sagrado
O Cinto Sagrado da Mãe de Deus, dividido nestes dias em três partes, é a única relíquia ou
resto que perdurou de sua vida na terra e está sendo salvaguardada no Santo e Grande
Monastério de Vatopedi. De acordo com a tradição, o cinto foi feito de pelo de camelo pela
própria Mãe de Deus, e após seu repouso, enquanto ela subia ao céu, entregou-o ao
apóstolo Tomé. O hino da festa para a deposição do Santo Cinto da Mãe de Deus diz:
“Enquanto subia para a glória vindoura, vós destes o seu cinto mais venerável ao apóstolo
Tomé”.
Em Jerusalém, duas mulheres pobres mas devotas assumiram a responsabilidade de
manter o Cinto Sagrado em segurança. A Santíssima Senhora pediu ao apóstolo João que
também dividisse entre essas mulheres seus dois vestidos. Uma virgem devota pertencente
a essa família assumiu a mesma responsabilidade de geração em geração.
Durante o reinado do imperador Arcadius, filho de Teodósio o Grande, o cinto sagrado foi
transferido para a gloriosa capital do Império Bizantino, Constantinopla. Ele colocou em um
precioso relicário, que ele chamou de “Santa Caixa”. A deposição ocorreu no dia 31 de
agosto. A santa relíquia protegeria, a partir de então, a capital do império e seus cidadãos
dos ataques inimigos, calamidades e ataques demoníacos.
Alguns anos mais tarde, a filha de Arcadius, a imperatriz Poulheria, erigiu a deslumbrante
igreja de Halkoprateion e depositou o cinto sagrado no seu interior. A própria imperatriz
bordou-o com uma capa de ouro e encontra-se nesta condição até hoje no Santo e Grande
Mosteiro de Vatopedi.
No século seguinte, não sabemos exatamente quando ou como, o Cinto Sagrado foi levado
para Zela de Capadócia, ao sul de Amassia. Foi devolvido a Constantinopla novamente
durante o reinado do Imperador Justiniano A (527-565), o proprietário da Catedral de Santa
Sofia. Seu sucessor Justiniano II, com sua esposa Sofia, renovou a Igreja de Halkoprateion
e construiu a capela em homenagem ao Cinto Sagrado. O cinto sagrado foi então colocado
no altar.
O cinto sagrado realizou inúmeros milagres em Constantinopla. Ele curou a imperatriz Zoe
Zaoutsi, esposa de Leão, o Sábio (886-912), que havia sido possuída por um espírito
demoníaco. Assim que o Patriarca colocou o Cinto Sagrado sobre ela, ela foi imediatamente
libertada.
O Patriarca de Constantinopla, Germanos A (715-730) oferece a bela observação de que o
Cinto Sagrado preserva a fragrância divina de suas curas para toda a eternidade,
concedendo alegria a todos aqueles que se aproximam dele com fé e devoção. José, o
escritor de hinos (aprox. 816-866) escreveu hinos para a relíquia sagrada, pois pela Graça
da Santíssima Senhora concede bênçãos aos fiéis que se aproximam para oferecer
veneração, eleva-os além da corrupção e liberta-os de doenças e enfermidades.
Por volta do ano 1150, o Cinto Sagrado foi depositado no Grande Palácio de Constantinopla
na igreja de São Miguel Arcanjo. Deve ter sido provavelmente cortado em pedaços que
foram colocados em várias igrejas.

8
Durante o século XII, quando Emmanuel, o Imperador Komnos, era imperador, (1143-1180),
uma festa para a veneração do Cinto Sagrado foi estabelecida em 31 de agosto, enquanto
antes era celebrada juntamente com a festa das vestes da Mãe de Deus no dia 2 de julho.
Após a captura de Constantinopla pelos cruzados durante a 4ª Cruzada em 1204, alguns
pedaços foram saqueados pelos bárbaros e transferidas para o ocidente. Felizmente nem
todas as peças foram perdidas. É certo que uma única peça permaneceu em
Constantinopla, mesmo depois de sua recaptura pelo imperador Miguel VIII, o paleólogo,
em 1261 e estava sendo mantido na igreja de Vlahernas. Um anônimo pilgamento russo
deu o último testemunho disponível sobre a presença do Cinto Sagrado na capital bizantina.
Não se sabe o que aconteceu com o Cinto depois da captura de Constantinopla pelos turcos
em 1453. O maior pedaço está sendo guardado até hoje em nosso mosteiro. No entanto,
chegou aqui de uma forma aventureira.
Constantino, o Grande, construiu uma cruz, que ele carregava com ele durante todas as
suas campanhas de combate por sua própria proteção e por seu exército. No meio da cruz,
um pedaço da Santa Cruz foi colocado. Havia também alguns espaços onde estavam
relíquias dos mártires mais conhecidos e uma parte do cinto sagrado. Todos os imperadores
carregavam essa cruz em suas campanhas. Durante uma campanha contra os búlgaros, o
imperador Isaakios II, o Anjo (1185-1195), foi derrotado por seu governante, Assan. Um
padre jogou a cruz no rio para protegê-la de ser levada pelo inimigo. No entanto, os búlgaros
encontraram e entregaram a seu governante Assan.
Os búlgaros não tinham boas relações com os sérvios e estas estavam constantemente
piorando. Por volta de 1330, o exército búlgaro foi derrotado em batalha pelo governante
sérvio, o grande mártir Laxarus (+1389). A cruz do rei passou para as mãos dos sérvios.
Quarenta anos depois, Lázaro deu a cruz de Constantino, o Grande, ao mosteiro de
Vatopedi como um presente, juntamente com a peça da Santa Cruz, a parte do Cinto
Sagrado e outros restos sagrados. Na parte de trás da cruz está escrito em sérvio: “Eu,
Lázaro, Knezis da Sérvia e Rei da Grécia em Cristo, concedemos esta poderosa arma com
o imaculado cinto da Nossa Senhora, ao mosteiro do meu reino, Vatopedi”. Desde então,
está sendo mantido no altar de Katholikon, que é a principal igreja do mosteiro.
Vamos também nos referir a outra tradição que está sendo preservada em nosso mosteiro.
De acordo com isto, o Cinto Sagrado foi presenteado a Vatopedi pelo imperador João XXVI
Kantakouzinos, (1341-1353), depois de ter descido do arremesso e se tornado um monge,
chamado Iosaphat, em nosso mosteiro.
Durante os anos da ocupação turca da Grécia, os monges do monastério realizavam
ladainhas com o Cinto em lugares como Creta, Macedônia, Trácia, Constantinopla e Ásia
Menor, para que os gregos escravizados recebessem sua bênção e fossem libertados de
epidemias.

9
Milagres do Cinto Sagrado
O cinto sagrado realizou inúmeros milagres ao longo dos anos. Vamos nos referir apenas
a alguns deles aqui.

1. O navio permaneceu parado


Certa vez, os habitantes de Ainos pediram pela presença do cinto sagrado. Os monges que
o acompanhavam recebiam hospitalidade na casa de um padre ortodoxo, cuja esposa
secretamente cortou um pequeno pedaço do cinto. Quando os monges embarcaram no
navio, o navio permaneceu imóvel, embora o mar estivesse calmo. Quando a mulher viu
este evento extraordinário, ela percebeu seu erro e devolveu o pedaço que faltava. O navio
partiu somente depois que o pedaço foi devolvido. Desde então, uma segunda caixa foi
criada para acomodar este pedaço até hoje.

2. As aventuras do cinto sagrado


Durante a revolta de 1821, a pedido do povo de Creta, que foram afligidos pela peste, o
Cinto Sagrado foi transportado para a ilha. Quando os monges se preparavam para partir,
os turcos os prenderam e os levaram para serem enforcados. O Cinto Sagrado foi então
comprado pelo cônsul inglês Dominique Santantonio, que o levou para sua nova casa,
Santorini. A notícia espalhou-se rapidamente por toda a ilha e o bispo informou a irmandade
do mosteiro, que enviou o abade Dionísio a Santorini em 1831. O cônsul exigiu 15.000 libras
para devolver o cinto sagrado, e o povo muito comoventemente conseguiu reunir essa
quantia. Foi assim que o cinto sagrado foi comprado de volta e voltou para o mosteiro de
Vatopedi.
No entanto, a esposa do cônsul fez exatamente a mesma coisa que a esposa do padre
ortodoxo havia feito. Ela também secretamente cortou um pedaço, antes de entregar o Cinto
ao Abade Dionísio. No entanto, em breve, seu marido morreu de repente e sua mãe e sua
irmã ficaram gravemente doentes. Em uma carta ao mosteiro em 1839, ela pediu que
enviassem representantes para recolher a peça.
Todos os anos, desde então, no dia 10 de outubro, o mosteiro celebra a segunda vinda do
Santo Cinto ao nosso mosteiro.

3. O desaparecimento de uma pandemia e ascensão de um homem morto.


Em 1864, o cinto sagrado foi transferido para Constantinopla por causa de um surto de
cólera. Assim que o navio chegou ao porto, a cólera parou e nenhum dos doentes morreu.
Este estranho evento surpreendeu o sultão, que pediu aos monges que lhe trouxessem o
cinto sagrado para que ele pudesse oferecer seus respeitos.
Enquanto o Cinto Sagrado estava em Constantinopla, um residente grego da região das
Galatas, havia solicitado que fosse levado para sua casa desde que seu filho estava muito
doente. No momento em que o cinto sagrado chegou a sua casa, seu filho já havia morrido.
10
Os monges, no entanto, não se desesperaram. Pelo contrário, eles pediram para ver o
corpo. Assim que colocaram o Cinto Sagrado em cima dele, ele se levantou novamente.

4. O ataque de gafanhotos
Em 1894, o cinto sagrado foi convidado para Madyto da Ásia Menor, porque enxames de
gafanhotos estavam destruindo as árvores e a terra. Assim que o navio chegou ao porto, o
céu estava cheio de gafanhotos que caíam no mar em tão grande número que dificultavam
aos marinheiros atracar o navio. Quando os moradores de Madytos viram esse milagre,
começaram a cantar “Kyrie Eleison” (“Senhor, misericórdia”) de onde eles estavam nas
docas.

5. O padre Daniel Katounakiotis foi curado de uma inflamação dos rins.


Em seu livro, “Figuras Contemporâneas da Montanha Sagrada”, vol. 4, o monsenhor
Cherubim descreve como o padre Daniel Katounakiotis foi milagrosamente curado de uma
inflamação aguda dos rins. Citamos o relato: “Assim que chegou a Vatopedi, ele sofreu uma
inflamação aguda dos rins. Este “espinho na carne” o afligiu muito seriamente desta vez e
ele teve que ficar na cama por semanas.
Os padres do mosteiro cuidam dele com muito carinho. Mas ainda mais afeto foi mostrado
pela grande Doutora da Montanha, a Mãe de Deus.
Padre Daniel gostava especialmente de Nossa Senhora, a Mãe de Deus; Ele estava
mostrando a mesma reverência e confiança e honra para ela como todos os santos. Ele
implorara a ela com fervor e lágrimas, e estava certo do resultado. Ele sabia sobre suas
promessas. Era possível que ela não as guardasse? De fato. No dia da festa do cinto
sagrado (31 de agosto), o paciente foi subitamente curado e sua cura foi permanente! Ele
nunca mais foi incomodado por esta terrível doença que o incomodava há dez anos”.

6. A cura do Pe. Filotheos Zervakos.


O abençoado ancião Filotheos Zervakos descreve como foi terrível sua constante
enxaqueca. Aqui está seu relato do milagre. “Chegamos ao mosteiro de Vatopedi no dia 31
de julho. Recebi hospitalidade no alojamento, mas não pude suportar a dor horrível em que
estava. Depois de um curto período, senti tanta dor que estava segurando minha cabeça e
corria aqui e ali. Eu implorei ao chefe do alojamento por alguma ajuda e ele foi ao médico,
que me deu alguns analgésicos. No caminho da farmácia passei pela igreja, que por acaso
estava aberta. Quando entrei, vi que as relíquias sagradas estavam em exposição no
Santuário Sagrado e um diácono de Ikonion estava venerando-as. Entrei e comecei a beijar
com reverência a Cruz primeiro e depois a imagem de Nossa Senhora Vematarissa. Então,
eu beijei o pedaço da Santa Cruz. Eu também beijei o Cinto Sagrado, sentindo ao mesmo
tempo que um pecador como eu estava beijando o Cinto Sagrado com o qual a Santíssima
Mãe de Deus tinha se vestido. Enquanto eu estava beijando com veneração e lágrimas, eu
senti - Oh, o milagre! - que minha doença tinha acabado e eu estava completamente curado!
11
Oh, quão grandes e maravilhosas são suas maravilhas, mais Venerada Senhora! Deixe seu
nome ser mais glorificado e abençoado, porque você não para de curar nossos corpos e
almas ... Eu saí do Santuário e estava em pé no meio da igreja sem palavras e estava
maravilhado com o que estava sentindo antes de entrar e como de repente fiquei
completamente curado”!

7. Os gafanhotos caíram no mar


No livro: “Palestras do Ancião Paisios Ayioritis”, Volume 1, intitulado “Com dor e amor pelo
homem de hoje”, há um milagre realizado pelo Cinto Sagrado na p.113.
- “Você jogou o veneno contra as larvas?
- Sim, madre.
- Há tantas freiras nesse convento e você não pode exterminar uma única larva! Durante a
ocupação alemã da Grécia, enxames de gafanhotos apareceram em Halkidiki e trouxeram
o Cinto Sagrado de Vatopedi. Os gafanhotos, em nuvens, caíam no mar”.

8. A pandemia foi parada.


Em setembro de 1818, os padres de Vatopedi levaram o cinto sagrado a Galatsi na
Romênia, junto com um pedaço da Santa Cruz e a cabeça de São Gregório, o teólogo. Em
uma carta, o Arcebiso da Moldávia, Benjamin, diz entre outras coisas: "Assim que cada um
de nós consumiu a água benta, a epidemia mais dolorosa parou".

9. A peste mortal foi parada


22 de agosto de 1827. O Padre Savvas escreve: “Em Enos, a praga mortal parou no dia 15
de junho com a graça do Cinto Sagrado”. De Enos, o Cinto Sagrado foi transportado para
Didimotichon. Em outra carta, datada de 12 de setembro, o mesmo sacerdote escreve:
“Aqui, a praga mortal parou como em Enos, com a graça do Cinto Sagrado”.

10. Nós fomos libertados do ataque de gafanhotos.


O padre Kosmas Chrysoulas, numa carta ao mosteiro, escreve: “Em 1915, convidamos o
Cinto Sagrado do mosteiro de Vatopedi para nossa aldeia, Neochori, Kallipoleos, porque
tivemos um ataque de gafanhotos. Quando o Cinto Sagrado chegou e o bênção da Água
Benta terminou, flocos de pássaros negros apareceram no céu e devoraram os gafanhotos.
Estamos, portanto, livres dessa calamidade”.

11. O Cinto Sagrado em Ítaca


A sra. Eythymia Sofianou, da Vathy em Ítaca, guardava um pedaço do cinto sagrado em
sua casa. Foi dado a sua avó materna, Maria Molfesi-Sofianou por São Joaquim. Esta
12
relíquia sagrada era um cinto, de castanho claro e foi bordado com um fio de ouro. Ele
estava sendo mantido no altar da família e foi entregue a virgens, que o amarravam em
torno de suas cabeças ou barrigas durante a cerimônia de casamento como a chamada
"prova da virgindade". Isso foi considerado uma grande bênção. Depois, o cinto sagrado foi
devolvido à família Sofianos. A última vez foi dada a uma família de refugiados foi em 1935.
A família costumava benzer as crianças com o cinto quando estavam doentes. Infelizmente
este pedaço do cinto sagrado foi perdido durante o terremoto de 1953.

12. A ilha de Tasos foi salva da seca


Em 1957, alguns moradores de Tasos chegaram ao mosteiro. Eles estavam implorando
para que o Cinto Sagrado fosse levado para a ilha, já que não chovia há anos e a seca
estava ameaçando despovoá-la. Os padres concordaram e decidiram partir para Tasos
alguns dias depois.
De acordo com a tradição do mosteiro, quando o Cinto Sagrado deixa o mosteiro, uma
cerimônia de louvor à Nossa Senhora é realizada. Os padres acompanham o Cinto Sagrado
em uma gloriosa procissão até o pequeno porto, os arsanas, segurando flâmulas e incenso,
enquanto os sinos da igreja tocam. No caminho para o mar, o hino a Nossa Senhora é
cantado.
A mesma coisa aconteceu naquele dia e os padres embarcaram no pequeno barco para
Thasos, que fica a 2 ou 3 horas de distância. O tempo estava bom e não havia sinais de
que qualquer chuva fosse iminente. Quando chegaram ao porto de Tasos, a chuva torrencial
já caía na ilha. Tal foi a inundação que eles não puderam deixar o barco. Eles imediatamente
retornaram ao mosteiro, oferecendo louvor à Santíssima Mãe de Deus, que interveio e
salvou o povo devoto da ilha, vendo suas boas intenções e aderindo ao seu apelo.

13
Milagres contemporâneos
Os milagres referidos neste capítulo ocorreram de maio de 1992 a julho de 2007 e foram
selecionados dos arquivos do mosteiro.

1. Dificuldade em ter filhos


O padre ortodoxo Theotimos vem do Congo. Ele estudou teologia na Grécia. Ele queria
muito ter filhos, mas tinha um problema. Ele pediu ao mosteiro uma fita abençoada no cinto
sagrado. Ele descreve o resultado.
3.12.1995 - Methonis 23, Atenas
“O nome do Deus-Homem Cristo deve sempre ser glorificado e o nome da Santíssima
Senhora, a Mãe de Deus, deve ser honrado.
Recebemos a fita abençoada no Cinto Sagrado em março de 1992. Em maio de 1992,
minha esposa ficou grávida e tivemos um filho pequeno pesando 2.900gr. Ele nasceu com
uma cesariana e nós o batizamos com o nome Mário, para homenagear o nome da
Santíssima Senhora. Os médicos haviam verificado anteriormente que teria sido difícil para
nós ter filhos.
Em abril de 1993, minha esposa estava grávida de oito meses e teve um problema. Ela teve
que fazer outra cesárea antes do final do período de gestação. Minha esposa usou o cordão
abençoado no cinto sagrado por dois dias antes da operação. O bebê, uma menina que
pesava apenas 1400 gramas, nasceu dobrando seu peso”.
Pe. Theotimos e Evangelia Tsala.

2. O tempo que ansiamos, chegou


Atenas
“Eu gostaria de mencionar um milagre que aconteceu a minha esposa, quando ela usava a
fita abençoada no cinto sagrado da Santíssima Mãe de Deus, que um sacerdote de seu
mosteiro nos deu em agosto de 1992, quando eu visitei a Montanha Sagrada.
Mas antes de entrar nisso, gostaria de me referir a outro milagre que aconteceu a nós dois
e nos fez mudar completamente a maneira como vivemos. Nossa vida era definitivamente
mundana. Estávamos no fundo do lodo de mentiras e pecados que nossa sociedade provê
em abundância. Nós tínhamos andado por um caminho que supostamente nos levava à
felicidade e alegria, mas basicamente causava definhamento e finalmente morte espiritual
eterna.
O Deus Todo Misericordioso mostrou misericórdia de nós. Ele nos deu um presente que
inicialmente pensamos que era insuportável. Minha esposa foi diagnosticada com neurose
compulsiva. Ela foi prescrito doze comprimidos por dia para lidar com depressão, tristeza e
tendências suicidas. Ela estava tendo ataques e chorava o dia todo. Visitamos muitos

14
médicos até encontrarmos nosso orientador espiritual, o padre E. Tudo mudou desde então.
Nós nos viramos para o caminho certo.
Mesmo que o problema de minha esposa não tenha desaparecido completamente, o
psiquiatra, dr. S, em cooperação com nosso orientador espiritual, nos aconselhou a ter um
filho. No entanto, por causa do problema da minha esposa, foi difícil para ela engravidar.
Nós estávamos esperando ajuda do alto.
E agora vou me referir ao segundo milagre.
Durante nossa adoração de relíquias sagradas, o padre falou sobre os milagres que nossa
Santíssima Senhora realiza em mulheres sem filhos com as fitas abençoadas no cinto
sagrado. Todos aqueles que os usavam e viviam com arrependimento, engravidam. Então
eu estava lutando contra o pensamento de conseguir um para nós, mas eu estava
envergonhado. Eu estava pronto para sair, mas algo me empurrou e eu consegui um.
Minha esposa estava usando a fita o tempo todo. Nós estávamos orando e esperando. Em
novembro do mesmo ano, chegou o momento pelo qual ansiamos. Agora que estou
escrevendo isso, temos uma filha que tem 9,5 meses e se chama Erini.
Com respeito,
Vasilis e Panayiota Aslanides.

3. Os médicos desenganaram as duas


20.11.94 - Livadia Larnaca, Chipre
Em 1993, assisti a celebração da Anunciação de Nossa Senhora no Mosteiro da Montanha
Sagrada. Além da minha necessidade pessoal de oração, pedi aos padres que orassem por
duas irmãs espirituais que não tiveram a alegria de se tornarem mães. Os médicos
desenganaram as duas.
No final da oração feita para B. e G, peguei as fitas, depois que elas foram abençoadas pelo
Cinto Sagrado. Quando voltei para Chipre, convidei as duas a receber as bênçãos que eu
lhes trouxera. B, veio, beijou as imagens do altar, mas não pegou a fita naquele dia, ela
pegou mais tarde. Nesse meio tempo, ela ficou grávida.
Demorou mais tempo para receber a bênção porque ela estava longe. Ela adotou um filho.
Quando nos conhecemos, ela pegou a fita e, alguns dias depois, o médico confirmou que
ela estava grávida.
Ambas me visitaram para anunciar suas boas novas. Todos juntos demos glória à
Santíssima Senhora, Mãe de Deus.
Lenos Skitinis

4. Eu fui casado por sete anos e não tive um filho


M.Bogdou 18, Xanthi - 2.6.1995
15
“Eu estava casada há sete anos e não tinha um filho. Meu marido e eu havíamos tentado
muitas vezes ter um filho e visitado vários médicos em Atenas e Tessalônica. Finalmente,
no final de nossa peregrinação, você me enviou uma fita abençoada pelo Cinto Sagrado da
Mãe de Deus. Eu engravidei e dei à luz um menino saudável no dia 31 de agosto de 1993,
no dia da festa do Cinto Sagrado.
Eu certamente não posso expressar minha gratidão suficiente e minha adoração e
reverência por nosso Criador, que faz grandes e maravilhosas coisas e continua a abençoar
sua inútil serva. Estou grávida de novo e o médico me disse que são gêmeos. Por favor,
escreva o nome do meu filho, na lista dos milagres da nossa Santíssima Senhora ...
Com muito respeito e carinho, Servos de Deus, Demitrios e Maria

5. Três curas
Tessalónica - 6-5-1995
Sentimos a necessidade de expressar nossa gratidão pela grande honra que você
demonstrou ao trazer a fita do Cinto Sagrado ao nosso lar. Seria uma grande omissão não
nos referirmos aos milagres que vimos sendo realizados. Referimo-nos a alguns deles,
percebendo plenamente a magnitude do que estamos prestes a escrever.
Um juiz militar, que tinha sérios problemas nas costas e estava caminhando com
dificuldade, ficou bem assim que saiu de casa.
Uma criança de quinze anos, que nunca conseguia ficar em pé por causa de um problema
congênito, começou a andar assim que entrou na casa. É importante dizer que seus pais
beijaram o cinto sagrado quando você já entrou no carro e se preparava para ir embora.
Eles nos falaram sobre o milagre alguns dias depois, porque eles estavam com medo!
Um colega do meu marido, logo que ele colocou um pouco de água benta em um abcesso
que de repente estava crescendo e o deixando ansioso, desapareceu imediatamente! Essa
pessoa não veio a nossa casa para adorar o cinto sagrado e o milagre foi realizado apenas
pela água benta no cinto sagrado”.
Que possamos ter sua bênção!
Paul e Fotini Papoulidou

6. Nos foram dados dois meninos saudáveis


Arco. Chrysostomos 1, Pafos, Chipre - 6.7.95
“Estou escrevendo esta carta como uma indicação de nossa gratidão à nossa Santíssima
Mãe de Deus e Sempre Virgem Maria, que demonstrou sua magnanimidade em relação
aos servos pecadores e humildes de nosso Senhor, mais uma vez.
Ela realizou um milagre em nós, dando-nos dois meninos saudáveis, depois de sete anos
de casamento. Quando visitei seu mosteiro em 1993, orei diante de sua imagem milagrosa

16
e peguei a fita de seu abençoado Cinto Sagrado. Um ano depois, o milagre aconteceu.
Minha esposa ficou grávida de gêmeos.
Eu também estendo meus agradecimentos a você porque você me ajudou a encontrar o
verdadeiro caminho de Deus que leva à vida eterna. Por favor, rezem a Nossa Senhora que
ela conceda saúde às crianças, o que ela nos deu milagrosamente”.
Com o amor de Cristo
Stelios e Eleni Kalli

7. dor nas costas parou


Themistokleous 31, Atenas - 20.9.1995
“Durante a minha visita ao Grande e Santo Mosteiro de Vatopedi, em 25.8.95, depois das
Vésperas, o sacerdote tirou os restos mortais dos santos e o Cinto Sagrado da Santíssima
Mãe de Deus para os visitantes os venerarem. Quando isso terminou, pedi ao padre que
fizesse algumas orações por mim na presença do cinto sagrado. Ele colocou sua estola e
o Cinto da Santíssima Senhora e começou a fazer uma oração. Enquanto ele estava lendo,
comecei a sentir que eu estava segurando uma carga grande e muito pesada nas minhas
costas, que estava diminuindo enquanto a leitura estava progredindo. Quando a oração
terminou, senti que o peso havia desaparecido. A partir daquele momento, minha dor nas
costas, que me causou tantos problemas por tanto tempo, desapareceu.
Eu gostaria de expressar minha infinita gratidão à nossa Santíssima Senhora pelo milagre
que ela realizou em mim, curando completamente minha dor nas costas.
Com infinito agradecimento,
V. Papachristopoulos

8. O Cinto Sagrado me deu milagrosamente 12 crianças


Patra - 18.10.1995,
“Eu tenho uma família de 14 membros: eu, Pe. Nicholaos, minha esposa Anthi e doze filhos.
Um grande e crucial milagre do cinto sagrado é ter doze filhos.
Quando minha esposa estava grávida do nosso primeiro filho, ela tinha sérios problemas
de saúde. Ela estava se aproximando da hora do parto, mas não tinha contrações. Os
médicos disseram que o bebê estava morto e que ela teria que abortar, caso contrário sua
vida estava em perigo. No entanto, ela depositou sua fé em Deus, e começou a rezar o
rosário. Nosso filho no final nasceu vivo e saudável sob as seguintes circunstâncias
miraculosas.
Uma mulher devota, quando ouviu falar do nosso problema, deu-me uma fita do cinto
sagrado. Ela me disse para dizer a minha esposa para usá-lo e tudo ficaria bem. Minha
esposa fez o que lhe foi dito e depois de um tempo ela deu à luz uma menininha graciosa
e abençoada.
17
As outras gravidezes da minha esposa também foram problemáticas, mas com a graça do
Cinto Sagrado, conseguimos ter doze filhos, seis meninos e seis meninas.
E aqui está outra coisa, que também é importante. Minha esposa tinha veias varicosas nas
pernas e os médicos a aconselharam a não ter outro filho, uma vez que ela colocaria em
risco a vida da criança e também dela durante o parto. Porque ela depositou sua confiança
na Mãe de todas as pessoas, nunca foi colocada em perigo”.
Com respeito e amor em Cristo
Padre Nicholaos, teólogo e professor

9. Ela teve um parto natural


Demitri Tirimou 3, Larnaca. Chipre - 11/1/1995
“A irmã da minha esposa teve alguns problemas com a gravidez e o médico a aconselhou
a ficar na clínica e dar à luz por uma cesariana. Ela estava grávida de 8,5 meses. Depois
de alguns testes, o médico diagnosticou que o bebê teria alguns problemas com o coração
e teve que ser induzido. Assim que me disseram, sem pensar duas vezes, dei-lhe a fita do
cinto sagrado. Ela já havia jejuado para tomar a Santa Comunhão e foi para a clínica neste
estado espiritual da mente. Eles colocaram-na no gotejamento para iniciar o trabalho de
parto e depois de uma a duas horas e meia ela deu à luz naturalmente a um menino
saudável.
Com infinito agradecimento,
Andreas Ioannou

10. Eu tenho o cinto sagrado em minhas mãos nos últimos 42 anos


Na província. - 9.11.1995
“Estou paralisado desde 1926. O cinto sagrado está em minhas mãos há 42 anos. Os
milagres que foram realizados são numerosos. Eu não mantive, no entanto, os nomes
daqueles que foram curados, e porque agora estou velho não consigo me lembrar de todos
eles. Os milagres foram realizados para mulheres que não podiam dar à luz facilmente e
estavam arriscando a morte. Todas usaram a fita abençoada. A Graça da Senhora, Mãe de
Deus, mudaria o difícil trabalho para um fácil e assim, tanto as mães como os filhos foram
salvos! Estou escrevendo os nomes das pessoas que ainda me lembro”. (Uma lista de 12
nomes é dada)
Beijo sua mão direita
Georgia Karamouzi

11. Durante a noite inteira não encontraria descanso.


Laskou 26, Paleo Psychiko, Atenas - 11.12.1995
18
A graça que brota do miraculoso cinto da Mãe de Deus me libertou de um grande infortúnio.
Depois de uma operação nos intestinos que eu fizera anos atrás, fiquei com uma dor
ocasional no abdômen que me dava muitos problemas. Depois de alguns cuidados
médicos, a dor foi um pouco aliviada.
Durante este verão, durante três meses consecutivos, as dores foram uma ocorrência diária.
Nenhum remédio podia me ajudar. Pois noite após noite não encontrava descanso. Até os
dias estavam cheios de dor e tormento.
Pela providência de Deus, estive em Tessalônica quando o cinto cheio de graças de Nossa
Senhora Santíssima foi trazido da Montanha Sagrada. Cheia de esperança, corri para
adorá-lo. Peguei a fita abençoada e coloquei em mim. Eu fervorosamente orei a nossa
Santíssima Senhora para me ajudar. Eu tinha certeza absoluta de que ficaria curada.
Oh as maravilhas milagrosas da Grande Senhora! Grande é a sua graça para seus filhos
problemáticos. As dores pararam imediatamente. Eu estava completamente curada. Eu não
sinto nem a menor dor.
Eu não tinha como agradecer a ela. Eu só podia chorar e sussurrar: "Minha Senhora, eu te
agradeço ...". Naturalmente não estou disposto a tirar a fita de mim nem por um minuto. Eu
sinto essa confiança, que não é comparada com o melhor enterologista sentado ao meu
lado. Como não posso sentir isso, já que as dores nunca mais apareceram?
Com muito respeito.
Beatrice Kalaitzi

12. Completamente impossível, já que era um defeito congênito.


Nicósia
Eu me casei em 1981 e, quatro anos depois, percebi que era difícil para minha esposa
conceber. Após os testes relevantes, foi-me dito que era completamente impossível
engravidar minha esposa, uma vez que meu problema era congênito. Tudo aconteceu em
1985.
Em 1995, visitei o mosteiro de Vatopedi para celebrar a Semana Santa. Lá, ouvi sobre o
cinto sagrado da mãe de Deus. Depois que eu beijei, o padre colocou em mim e leu uma
oração. Então, ele me deu uma fita abençoada pelo Cinto Sagrado para amarrar em mim,
já que era eu quem tinha o problema.
Em março de 1996, dez meses depois, minha esposa visitou o médico para outra coisa e
ele disse que ela estava grávida de dois meses. Mostramos a ele todos os testes que diziam
que era medicamente impossível que isso acontecesse. Depois de vê-los, o médico disse
apenas: “Não sei dizer nada. Isso é um milagre”.
Dou glória à Santíssima Senhora e ao seu Cinto Sagrado pelo dom divino que ela me deu.
Konstatinos e Eleni Faratzi

19
13. Leve o cinto sagrado com você para protegê-lo
Halkokondyli 32, Peristeri, Atenas - 30. 7. 1996
No ano passado, visitei seu mosteiro e peguei duas fitas do cinto sagrado. Eu dei o melhor
para o meu padrinho que não podia ter filhos e amarrei o outro em mim para me proteger.
Quando visitei A, minha irmã espiritual, senti que tinha que dar minha fita ao marido dela,
K. Ele estava lhe dando problemas diariamente com seu problema de alcolismo, sua recusa
em trabalhar, e por sua vida em Cristo. Marido e mulher eram duas pessoas seguindo
caminhos completamente diferentes.
-K, eu disse a ele, pegue o cinto sagrado da Santíssima Senhora para protegê-lo e tudo se
resolverá lentamente.
Um mês depois, K parou de beber, encontrou um emprego e, com a ajuda de Nossa
Senhora, começou a rezar e a confessar-se.
Que todos vocês sejam abençoados
Christos Apostolakis

20