Você está na página 1de 13

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

CAMPUS ARACRUZ

Relatório – Ensaio dos materiais.


Professor: Warlen Alves
Turma: 6º Período de Engenharia Mecânica

Arthur Ferraz
Jéssica Sales Pereira dos Santos
João Pedro Avancini Dias
Thais Freitas Loureiro

ENSAIOS DE TRAÇÃO, COMPRESSÃO E FLEXÃO

ARACRUZ
2017
Resumo
O seguinte relatório técnico tem como finalidade mostrar como foram feitos os ensaios
de tração, compressão e flexão, em diferentes corpos de prova e a partir desses ensaios,
descobrir algumas propriedades mecânicas dos materiais ensaiados.
Sumário
1 – Introdução................................................................................................................ 04
2 – Materiais e Métodos................................................................................................. 05
3 – Resultados................................................................................................................ 11
4 – Conclusão ............................................................................................................... 12
5 – Referências ............................................................................................................. 13
1. INTRODUÇÃO:
Ensaio de tração consiste na aplicação de carga de tração uniaxial crescente em um
corpo de prova específico até a ruptura, onde mede-se a variação no comprimento (L)
como função da carga aplicada (P), e após o tratamento adequado dos resultados obtém-
se uma curva tensão (σ) versus a deformação (ε) do corpo de prova. É um ensaio
amplamente utilizado na indústria de componentes mecânicos, devido à vantagem de
fornecer dados quantitativos das características mecânicas dos materiais.
O ensaio de compressão consiste na aplicação de carga de compressão uniaxial
crescente em um corpo de prova específico. A deformação linear, obtida pela medida da
distância entre as placas que comprimem o corpo versus a carga de compressão,
consiste na resposta desse tipo de ensaio, basicamente utilizado na indústria de
construção civil e na indústria de materiais cerâmicos.
O ensaio de flexão consiste na aplicação de uma carga crescente em determinados
pontos de uma barra de geometria padronizada, a qual pode estar na condição biapoiada
ou engastada em uma das extremidades. Mede-se o valor da carga versus a deformação
máxima, ou a flecha (υ), deslocamento dos pontos de aplicação de carga, atingida na
flexão. É um ensaio muito utilizado na indústria de cerâmicos, em concreto e madeira,
metais duros, como ferro fundido, aço ferramenta e aço rápido, devido ao fato de
fornecer dados quantitativos da deformação que esses materiais podem sofrer quando
sujeitos a cargas de flexão.
2. MATERIAIS E MÉTODOS:
 2 corpos de prova com seção retangular, aço 1020 – Ensaio de tração;
 2 corpo de prova cilíndrico alumínio recozido – Ensaio de compressão;
 1 Corpo de prova de seção retangular, aço 1020 – Ensaio de flexão;
 Máquina de ensaio mecânico EMIC – 600KN.
 Extensômetro EMIC – CCE 100KN.

Foram utilizados a máquina EMIC 23-600 da marca INSTRON/EMIC, o software


TESC, o servidor VIRMAQ, além do extensômetro EMIC – CCE 100KN, que
apresenta dados mais precisos do ensaio, por ser um dispositivo com uma maior
percepção para identificar a deformação.
Corpo de prova com seção retangular – Aço 1020
- Comprimento: 61 mm;
- Altura: 13,15 mm;
- Espessura: 3,2 mm.
Corpo de prova cilíndrico 1:
- Diâmetro: 19,8 mm;
- Altura: 60 mm.
Corpo de prova cilíndrico 2:
- Diâmetro: 29,7 mm;
- Altura: 25,1 mm.
Corpo de prova seção retangular para o ensaio de flexão.
- Comprimento: 122,5 mm;
- Altura: 8,5 mm;
- Espessura: 8,05 mm.
Figura 1: Corpos de prova – Ensaio de tração.

Figura 2: Corpo de prova 2 – Alumínio recozido.


Figura 3: Corpo de prova 1 – Alumínio recozido.

Figura 4: Corpo de prova 2 – Alumínio recozido.

Figura 5: Extensômetro.

Para o ensaio de tração a velocidade de aplicação de carga foi de 2 mm/min para os dois
corpos de prova. Para o ensaio de compressão a velocidade para o corpo de prova 1 foi
de 0,5 mm/min, e para o corpo de prova 2 de 0,75mm/min. Já no ensaio de flexão, a
velocidade de aplicação de carga foi de 0,5 mm/min.
Ensaio de Tração
No teste 1 através da análise do gráfico tensão x deformação, foi possível encontra um
valor para o módulo de elasticidade de

Gráfico 1: Curva tensão x deformação para o ensaio de tração 1 com estensômetro.


𝐸1 = 149,885 𝐺𝑃𝑎.
Para o segundo teste, usando o extensômetro, foi encontrado através da análise gráfica
um valor para o módulo de elasticidade de:

Gráfico 2: Curva tensão x deformação para o ensaio de tração 2 com estensômetro.

𝐸2 = 93,809 𝐺𝑃𝑎.
Figura 6: Ensaio de tração – Extensômetro.

Ensaio de Compressão
- Corpo de prova 1:

Gráfico 3: Gráfico tensão x deformação para o teste de compressão com o corpo de


prova 1.
𝑙 𝑙 56,65
Deformação convencional: 𝑙 = 𝜀 + 1 → 𝜀 = 𝑙 − 1 → 𝜀 = −1 →
0 0 60
𝑚𝑚
𝜀 = −0,0558
𝑚𝑚
Limite de resistência a compressão, pelo gráfico:
𝑓𝑚𝑎𝑥
→ 𝜎 = 191,4812 𝑀𝑃𝑎.
𝐴𝑜
Dilatação transversal: = 0,0208 𝑚𝑚
Limite de escoamento:
𝜎𝑒 = 170 𝑀𝑃𝑎.
Diâmetro final: 20 mm.
Altura final: 56,65 mm.

- Corpo de prova 2:
Limite de resistência a compressão:
𝜎 = 175,404 𝑀𝑃𝑎.

Ensaio de flexão:

Força x Deformação
3000

2500

2000
Força N

1500

1000

500

0
0 2 4 6 8 10 12 14
-500
Deformação mm

Gráfico 4: Curva força x deformação para o ensaio de flexão.


𝑃𝑚á𝑥 = 2654,6𝑁.
𝑃𝐿
𝑀𝑚á𝑥 = = 81,297𝑁𝑚.
4
𝑉𝑚á𝑥 = 1327,7𝑁.

Módulo de ruptura:
𝑀𝑂𝑅 = 794,273𝑀𝑃𝑎.
Figura 7: Corpo de prova após ensaio de flexão.

Figura 8: Corpo de prova – Flexão.

Figura 9: Ensaio de flexão.


3. RESULTADOS
A partir dos ensaios realizados foi possível chegar nos seguintes resultados:
- Ensaio de tração:
𝐸1 = 149,885 𝐺𝑃𝑎.
𝐸2 = 93,809 𝐺𝑃𝑎.
- Ensaio de compressão:
Corpo de prova 1:
𝑚𝑚
𝜀 = −0,0558
𝑚𝑚
𝜎 = 191,4812 𝑀𝑃𝑎.
Dilatação transversal: = 0,0208 𝑚𝑚
𝜎𝑒 = 170 𝑀𝑃𝑎.
Corpo de prova 2:
𝜎 = 175,404 𝑀𝑃𝑎.

4. CONCLUSÃO:
Através da aula prática com os três ensaios, tração, compressão e flexão, foi possível
compreender a aplicação e as formas de se realizar os ensaios mecânicos que são
usados com alta frequência no meio industrial e acadêmico. Além disso, foi possível
através determinar diversas propriedades mecânicas dos materiais que foram
utilizados nos ensaios, mostrando a importância dos ensaios mecânicos para a
análise de diversos materiais.
REFERÊNCIAS:
GARCIA, Amauri; SPIM, Jaime A.; SANTOS, Carlos A. Ensaios dos Materiais.
2.ed. Aracruz: LTC Editora, 2012.

HIBBELER, R. C. Análise das estruturas/ R. C. Hibbeler ; tradução Jorge Ritter ;


revisão técnica Pedro Vianna. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013. 522 p.

CALLISTER, William D. Ciência e engenharia de materiais: uma introdução. 5. ed.


Rio de Janeiro: LTC- Livros Técnicos e Científicos, 2002. 589 p.