Você está na página 1de 4

SWING, O ADULTÉRIO CONSENTIDO

PROBLEMA:

As perguntas que moveram a referida pesquisa foram:

O swing cria um novo modelo de casamento? Ou reforça os modelos já


existentes?

A proposta passou por uma análise de diferentes aspectos que aparecem


relacionados no discurso sobre o prazer dos adeptos da troca de casais: fantasia;
desejo; satisfação e transgressão; intensidade e controle. Para, dessa forma,
procurar entender qual a concepção dos pesquisados sobre infidelidade e de que
maneira o swing também pode ser pensado como uma tentativa de “prevenção”
ou controle do problema nos relacionamentos afetivo-sexuais.

OBJETIVO:

Discutir questões referentes às relações afetivo-sexuais entre homens e


mulheres na sociedade atual a partir da experiência de casais adeptos da prática
do swing.

Compreender as concepções nativas sobre casamento, sexualidade, infidelidade


e as regras de uma relação swinger e a forma como se articulam amor, sexo e
prazer nesse relacionamento.

Compreender as mudanças e as permanências nos ideais conjugais presentes na


cultura contemporânea.

Refletir sobre como a oposição entre sexo e amor se mostra central para a
construção e a preservação de seus relacionamentos e como, em seus discursos,
aparece uma lógica da intimidade e da cumplicidade em contraste, ao mesmo
tempo articulada a uma lógica da satisfação dos desejos sexuais.

Entender as formas “alternativas” conjugais que podem ser verificadas em


nossa sociedade, procurando pensar de que maneira a prática do swing
contribui para uma discussão mais ampla sobre infidelidade, casamento e
sexualidade nos relacionamentos atuais.
REFERENCIAL

BAUMAN (2004) – Chama atenção para o avanço do isolamento do sexo em


relação a outros domínios da vida. Acredita que a “purificação do sexo permite
que a prática sexual seja adaptada aos avançados padrões de compra/locação
da lógica do consumo. Pergunta se seria possível encontrar em um clube de
swing intimidade, alegria, ternura, afeição e amor, questionando se o sexo em si
é tão importante como parece ser para esses casais.

GIDDENS (1992) – Compreende as transformações sofridas pelos


relacionamentos afetivos em sociedades modernas.

BAUMAN (2004) – “A separação entre sexo e amor permitiria sustentar a


estabilidade e a permanência de uma relação conjugal, através do ideal de uma
exclusividade amorosa, e, ao mesmo tempo, trazer para dentro do
relacionamento a diversificação das relações sexuais.

DUARTE (2004) – Afirma a respeito dos valores românticos e de sua


permanência, sob a forma de um neorromantismo, em nossa cultura.

PARKER (1991) – Como todo imaginário erótico, o enfoque da fantasia será a


satisfação dos desejos.

CAMPBELL (1995) – Determinado estímulo, se não se transforma, rapidamente


deixa de ser estimulante e, como consequência, perde sua possibilidade de
gerar prazer. Um dos aspectos fundamentais que caracterizam o hedonismo
(dedicação ao prazer) moderno seria a fantasia ou devaneio.

SIMMEL (2005) – Destaca a indiferença como uma consequência da atitude


blasé, uma defesa contra os excessos de estímulos e a velocidade dos
acontecimentos na metrópole.

CAMPBELL (1995) – Indica que, após a sensação de frustração advinda da


concretização da fantasia, o devaneio será levado adiante e será associado a um
novo objeto de desejo de forma que os prazeres ilusórios possam ser mais uma
vez reexperimentados.

VARGAS (1998) – Revela um processo de “analgesia coletiva” na sociedade


contemporânea. De acordo com ele em “sociedades analgésicas” há um
aumento da demanda por estímulos cada vez mais poderosos para as pessoas
terem a impressão de que estão vivas.

[Escolha a data] Página 2


BATAILLE (1980) – Argumenta que o erotismo implica uma dissolução das formas
constituídas, das formas da vida social regular. Revela que a proibição rejeita,
mas o fascínio introduz a transgressão.

GIDDENS (1992) – A experiência do vício se expressa através de um


comportamento compulsivo, envolvendo características como hábito, êxtase e
dependência.

ELIAS E DUNNING (1992) – Nas sociedades industriais mais avançadas tanto as


situações sociais de crise da humanidade quanto as paixões foram sendo
submetidas a um controle rigoroso. Nas atividades miméticas, as emoções – ou
os sentimentos desencadeados por elas – estão relacionados às emoções que se
experimentam em situações de vida real, transpostas e combinadas por uma
espécie de prazer.

BATAILLE (1980) – Demonstra o quanto a transgressão de algo “proibido” está


tão sujeita a regras quanto a própria proibição.

FOUCAULT (2005) – Busca revelar o regime de poder-saber-prazer que sustenta o


discurso sobre a sexualidade. Afirma sobre a construção da sexualidade como
verdade do sujeito e a centralidade da confissão nesse processo, é possível
pensar a ideia de infidelidade para os praticantes de swing.

GOLDENBERG (2000) – Sugere que liberdade e reciprocidade são as categorias


que representam melhor as intensas transformações que originaram os atuais
arranjos afetivo-sexuais. Homens e mulheres, em vez de reproduzirem modelos
sociais, procuram “inventar” suas formas de parcerias amorosas.

BÉJIN (1987) – Os casais praticantes de swing encaram a possibilidade de uma


traição como uma atitude inadmissível.

COMPRAZER (2008) – A prática do swing é uma forma de experimentar novas


sensações sem apelar para a traição, pode-se notar que o swing representa para
os seus praticantes uma espécie de proteção contra a infidelidade conjugal.

BAUMAN (2004) - A infidelidade é desafiada e subvertida pelos praticantes de


swing, desde que a prática ocorra dentro de uma série de regras e restrições
que controlam o que é ou não permitido ou consentido pelo casal.

OBJETO:

Os entrevistados foram constituídos por moradores de bairros da Zona Sul do Rio


de Janeiro, como Botafogo, Copacabana, São
[Escolha a data] Conrado.
Página 3 Mas, também, moradores
da Zona Norte – como Abolição, Tijuca, Grajaú – e ainda Zona Oeste – Barra,
Recreio. Entre as profissões, encontram-se engenheiros, funcionários públicos,
analistas de sistemas, jornalistas. E, ainda enfermeiras, militares, secretárias,
autônomos, gerentes de lojas, comerciários. A faixa etária foi variada, ao todo 11
casais com pessoas de diferentes idades. Dentre eles a grande maioria já passou
por divórcio, muitos já viveram outros relacionamentos, mas também tem casais
que se encontram no primeiro casamento conjugal.

RESPOSTA / RESULTADO

Apesar de estarem dispostas a viver em maior liberdade sexual em seus


relacionamentos, os pesquisados pretendem manter uma fidelidade amorosa.

A separação entre sexo e amor parece ser um dos princípios fundamentais para
aqueles que aderem à prática. Os limites entre o sexual e o afetivo nem sempre
são claros e o que pode e o que não pode é parte de uma negociação de cada
casal.

Os casais swings procuram satisfazer as suas fantasias sexuais transgredindo,


dentro de um limite determinado, certas convenções sociais sobre o sexo e o
casamento. No entanto, por meio da separação entre sexo e amor e sob o
domínio do consentimento, o swing pode acabar reafirmando as convenções
existentes.

Com o passar do tempo, para certos casais, o swing deixa de ser um estímulo,
não é mais tão excitante, e novas fantasias são criadas e buscadas. A lógica do
desejo, da fantasia, do consumo, da frustação e de novos desejos, presentes na
sociedade de consumo, aparece aqui associada à esfera da sexualidade.

Acredita-se que as contradições que aparecem ao tentar entender a prática do


swing – nas oposições entre tradicional X vanguarda, controle X liberdade,
conservadorismo X subversão – são também expressões da forma conflituosa
como se vive a sexualidade, o casamento, a infidelidade e a própria identidade
de gênero nos dias atuais.

[Escolha a data] Página 4