Você está na página 1de 22

O Dever de

Meditação

Por John Angell James (1785-1859)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Jun/2018
J27
James, John Angell – 1785 -1859
O Dever de Meditação / John Angell James.
Tradução , adaptação e edição por Silvio Dutra – Rio de
Janeiro, 2018.
22p.; 14,8 x 21cm

1. Teologia. 2. Vida Cristã 2. Graça 3. Fé. 4. Alves,


Silvio Dutra I. Título
CDD 230

2
Em sua autobiografia, Spurgeon escreveu:
"Em uma primeira parte de meu ministério,
enquanto era apenas um menino, fui tomado
por um intenso desejo de ouvir o Sr. John
Angell James, e, apesar de minhas finanças
serem um pouco escassas, realizei uma
peregrinação a Birmingham apenas com esse
objetivo em vista. Eu o ouvi proferir uma
palestra à noite, em sua grande sacristia, sobre
aquele precioso texto, "Estais perfeitos nEle." O
aroma daquele sermão muito doce permanece
comigo até hoje, e nunca vou ler a passagem
sem associar com ela os enunciados tranquilos
e sinceros daquele eminente homem de Deus ."

3
O assunto que eu chamo agora à consideração é o
dever e os benefícios da MEDITAÇÃO. Isto é
frequentemente aludido, ou ordenado nas
Escrituras.

Ao descrever o bom homem, Davi observa que "o seu


prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita dia e
noite", Salmos 1: 2.

Ao dar suas instruções a Josué, Jeová assim se dirigiu


a ele: “Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes,
medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de
fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então,
farás prosperar o teu caminho e serás bem-
sucedido.”. Josué 1: 8. O que era o dever de Josué é
nosso: a própria posse das Escrituras implica uma
obrigação, não apenas de lê-las, mas de meditar
sobre elas.

Meditação significa um pensamento próximo e


contínuo sobre algum assunto selecionado. É o
mesmo que contemplação, reflexão ou o que, em
linguagem popular, é chamado de inculcar um
assunto em nossa mente. A meditação piedosa,
então, é uma devoção que pondera sobre algum
assunto religioso. Isso, deve ser confessado e
lamentado de uma só vez, isto é, que no exercício da
religião, para o qual, por mais importante que seja,
poucos se aplicam.
4
E é uma causa muito grande da aridez e expiração da
devoção dos homens, porque nossas almas são tão
pouco renovadas com as águas e o orvalho santo da
meditação. Nós vamos para nossas orações por
acaso, ou por obrigação, ou pela determinação de
ocorrências acidentais e nós as recitamos, lemos um
livro, e às vezes somos sensíveis ao dever, e um
lampejo de luz celestial deixa a sala iluminada - mas
nossas orações terminam, e a luz se foi, e
continuamos tão escuros quanto antes. Tiramos
nossa água de poços estagnados, que nunca são
cheios, senão com chuvas repentinas e, portanto,
secam com tanta frequência, mas se tiramos água das
fontes de nosso Salvador e as derivamos através do
canal de meditações diligentes e prudentes nossa
devoção seria uma corrente contínua e segura contra
a esterilidade das secas frequentes.

A meditação pode ser considerada ocasional,


habitual ou deliberada. Por OCASIONAL, quero me
referir àquela aplicação da mente em tópicos
religiosos, e indulgência de reflexão piedosa, que é
despertada por algum assunto que produziu
impressão incomum na mente. Mesmo isso, embora
raramente seja tolerado, é melhor do que a absoluta
falta de pensamentos, como pode terminar, e
termina em alguns casos, em permanente atenção às
realidades eternas. É de lamentar que muitos
professantes de religião tenham pouco mais que
5
esses raros e infrequentes períodos de santa
contemplação.

A meditação HABITUAL significa uma disposição


predominante e duradoura para aproveitar todas as
ocasiões, aproveitar todas as oportunidades e
empregar todos os meios para manter na mente uma
série de pensamentos e emoções piedosos. Nesta
visão, há uma afinidade próxima com a
espiritualidade da mente. É uma arte abençoada,
portanto, usar a alma como um armazém mental, e
por uma espécie de química espiritual, extrair o
espírito de devoção de tudo o que encontramos em
nossa experiência diária.

Nosso Senhor, quando veio à Terra, espiritualizou


quase tudo o que veio diante dele e fundou a maioria
de suas parábolas e discursos sobre a passagem de
ocorrências e cenas circunvizinhas. É a marca de uma
mente renovada ver Deus em tudo e traçar tudo para
Deus. As cenas da natureza podem, assim, tornar-se,
e devem tornar-se, a ocasião da reflexão frequente e
devota. Quem pode olhar “os céus”, ou esta terra
variada, sem se sentir convidado a praticar a
meditação, a sabedoria, o poder e a bondade de
Deus? Foi em referência a estes que Davi exclamou:
"Ó Senhor, quão múltiplas são as tuas obras! Em
sabedoria fizeste todas elas; a terra está cheia das
tuas riquezas. A minha meditação contigo será doce".
6
Devemos olhar para o tecido maravilhoso da criação,
não apenas com o olhar de um poeta ou filósofo - mas
de um cristão. E enquanto contemplamos as cenas da
criação, devemos adorar a Deus no templo da
natureza. Meditem, meus amigos, em suas glórias,
até que nas profundas e quentes reflexões de seus
pensamentos, o fogo da devoção acenda, e seu amor
e adoração subam como um fluxo de incenso diante
de seu trono. Que todo passeio pelo país seja uma
caminhada com Deus, uma ordenança de religião,
um meio de graça e um auxílio à piedade. Cada
excursão em meio às cenas da natureza, se assim
fosse, começaria com admiração, continuaria com
deleite e terminaria com louvor.

(Nota do tradutor: O crente que está avivado pelo


Espírito Santo, experimentando santas e renovadas
aplicações da graça de Jesus ao seu coração, exulta
na Palavra de Deus e em todas as coisas espirituais
relativas à grande obra de Jesus e o modo pelo qual
convém que andemos em Sua presença. É
importante observar que a quase totalidade dos
escritos do Novo Testamento foram produzidos sob a
forma de epístolas, e algumas delas pessoais, pelo
que se pode inferir que o que havia comumente no
pensamento dos seus escritores inspirados, eram as
coisas relativas ao Reino de Deus, as quais
compartilhavam entre si, falando movidos pelo
Espírito Santo. A boca falava daquilo que o coração
estava cheio, a saber, da Palavra de Deus, e não de
7
meras coisas comezinhas desta vida. O mesmo ocorre
com todo aquele cujo coração está inteiramente nas
mãos do Senhor,)

As dispensações da Providência são outro assunto


apropriado da meditação habitual, estejam elas
relacionadas ao governo do universo em geral, à
história de nosso globo, aos destinos de nossa nação
ou a nossas próprias preocupações individuais. Que
tudo o que lemos, ouvimos, pensamos ou
observamos nos caminhos de Deus para o homem -
leva à reflexão piedosa. Vamos ouvir a voz, observar
a mão, seguir os passos, esperar pelas decisões e
admirar os planos do Todo-Poderoso Governador
das nações. Existe providência em tudo. Na leitura de
jornais, ouvindo reportagens, observando as
ocorrências que estão perpetuamente acontecendo
no grande palco do nosso país ou dos assuntos do
mundo, não seja como meramente político, para ver
quem será o mais importante na luta dos partidos;
nem como comerciante, para ver como a maré do
comércio flui; nem como filósofo, para marcar o
progresso da ciência; mas como cristão, que sabe que
Cristo é o cabeça de todas as coisas para a sua igreja,
e que está assistindo ao desenvolvimento de todas as
cenas do poderoso drama da história moral da Terra.
Cristãos, sejam homens meditativos. Vejam, repito,
Deus em tudo. Ouça as vozes celestiais e as lições
divinas. Em meio ao clamor das ruas, a luta de
línguas, a confusão de paixões conflitantes, muitas
8
vezes se retiram da arena para a solidão e se dedicam
à meditação silenciosa. Pondere todas estas coisas
em seu coração. Que o ouvido da contemplação ouça
a voz mansa e delicada que fala do céu.

Mas agora dirijo sua atenção para a meditação


DELIBERADA, fixa e solene, como um dever do
quarto de oração - ligado à leitura das Escrituras e
como um ato de meditação e devoção. Os assuntos da
meditação nesta visão são duplos - Primeiro, NÓS
MESMOS. "Comunique-se com o seu próprio
coração na sua cama e fique quieto", Salmo 4: 4.
Além da comunhão com Deus, a comunhão mais
proveitosa é a que é feita conosco mesmos. Muitas
vezes devemos estar sozinhos conosco mesmos,
tornando nosso próprio coração e todo o seu
conteúdo, objeto de nossa séria contemplação. Nossa
história passada, nosso estado atual, nossas
esperanças e perspectivas futuras; nossos pecados,
nossas tentações, nossas aflições, nossas fugas,
nossos perigos - devem todos ser sujeitos a
consideração frequente, fixa e devota. Isto é o que o
homem do mundo não pode suportar: como a fábula
do basilisco do qual é dito morrer, vendo sua imagem
refletida de um copo; tal homem não pode suportar
contemplar sua alma como é vista no espelho da
mente. Seu objetivo não é ver a si mesmo, nem ficar
sozinho consigo mesmo, nem ouvir a voz de sua
própria consciência falando consigo - tudo isso ele
detesta e teme, e, portanto, corre para se esconder,
9
esconder-se de si mesmo. Mas vocês, como cristãos
professos, devem estar muito engajados no negócio
da contemplação. Pois é útil e necessário.

SEGUNDO, Você deve meditar nas Escrituras - e esta


é a principal questão e o assunto de todo o dever. A
meditação é mais do que ler, é ponderar - é um pouco
diferente até mesmo de estudar, pois isso significa
simplesmente saber. Considerando que meditação
significa ponderar o que sabemos, e aplicá-lo aos
propósitos para os quais ele é comunicado; é a
atenção devocional prolongada ao volume sagrado,
seja como lido por nós mesmos ou explicado por
outros.

Devo dizer algo das ocasiões da meditação. É uma


parte dos nossos exercícios no quarto de oração, um
acompanhamento da nossa oração privada. Todo
crente deveria encontrar algum tempo para isso. É
claro que a duração e a frequência desse tempo
dependem em grande medida das circunstâncias.
Quão apropriado é um exercício para aqueles que são
chamados a longos períodos de solidão - como isso
seduziria suas tristes horas, para se fixar em alguma
porção da Sagrada Escritura, e deixar seus
pensamentos habitarem nisso, revirando em suas
mentes, e olhando para ele em todos os aspectos em
que pode ser contemplado. Tais pensamentos,
muitas vezes, se revelam mais instrutivos e talvez
mais agradáveis do que os de companhia. O
10
momento adequado para uma estação são as horas
de vigília da noite. Para repetir a passagem já citada,
"comungue com seu coração em sua cama e fique
quieto". Quando as cortinas da escuridão são
puxadas ao nosso redor; quando o mundo
barulhento ainda é ocupado; e tudo convida à
contemplação, quão proveitosas e solenes podem ser
nossas meditações sobre a Palavra de Deus. Uma
época de doença, quando a dor, ou languidez, não é
tão grande a ponto de distrair e perturbar nossos
pensamentos - é eminentemente apropriada a esse
doce e calmante exercício. Como é delicioso ter o leito
de dor e as horas de aflição solitária, aplaudidas pela
presença e pela música celestial dessa "contemplação
do querubim", como um dos poetas a chama. Por
meio da meditação sagrada, os mártires cavalgaram
sobre a asa deste querubim para o céu e pareciam
soltar suas correntes na terra; ou passearam por suas
masmorras como se fossem os caramanchões do
paraíso. E quantos dos filhos sofredores de Deus,
presos por doenças do mundo exterior dos sentidos,
estão habitando nas regiões de fé e esperança; e
quando privados da sociedade de amigos terrestres,
chegam assim à "inumerável companhia de anjos,
aos espíritos dos justos aperfeiçoados, a Deus, o Juiz
de todos, e a Jesus, o Mediador da nova aliança". Esta
é uma época para este santo exercício; uma ocasião
da qual todo cristão deve se valer avidamente. É isso
que faz com que ele esteja no Espírito no Dia do
Senhor. O domingo é o tipo de céu mais vivo - um
11
breve resumo do descanso eterno que permanece
para o povo de Deus. Agora o trabalho e emprego do
céu, é uma doce mistura de contemplação e louvor.
Imite os abençoados no céu, então, que em silenciosa
adoração contemplam as incomparáveis glórias de
Jeová, e assim dão novo tom aos seus louvores,
quando em hinos corais eles magnificam seu santo
nome; e depois se retiram novamente para desfrutar,
em êxtase solitário, aquilo que viram e ouviram em
companhia ao redor do trono. Quão precioso é o
tempo que o dia de descanso proporciona para a
reflexão piedosa prolongada.

A alternância de serviços de público para privado, e


de volta para o público, prepara-nos para este
exercício e auxilia-nos no seu desempenho; o
santuário fornece tópicos para reflexão nos sermões
que são pregados e o quarto dá oportunidade de
lembrar, revisá-los e aplicá-los pela meditação.

Oh, que nem as porções fragmentadas do dia sagrado


sejam perdidas, mas que tudo seja recolhido e
apropriado para essa ocupação. Que toda parte desta
temporada consagrada, que não seja dada ao culto
público da casa de Deus, seja dedicada à meditação
privada sobre sua Palavra. Não desperdice as horas
solenes, preciosas e importantes durante o sono, nas
conversas mundanas ou nos prazeres da mesa de
jantar.
12
Vou agora estabelecer algumas REGRAS para sua
direção no desempenho deste dever. Algumas coisas
são necessárias para permitir que você se engaje nele.

Mantenha uma boa consciência - uma consciência


livre da culpa do pecado. Estar em paz com Deus,
pela fé no sangue de Cristo. "Se nosso coração não
nos condena, temos confiança em Deus". Se não
tivermos o testemunho de nossa consciência a nosso
favor, a meditação não será um prazer. Eles nos
dizem que quando o elefante chega à água para
beber, ele enlameia o riacho, para que ele não veja
sua própria imagem refletida - assim é com as
consciências culpadas, elas não podem suportar
olhar nas águas claras da meditação, para que não
devam ver sua própria forma nativa refletida.
Trabalhe então por uma grande pureza de coração.
Não somente procure manter a consciência clara da
culpa do pecado, mas também o coração limpo de sua
contaminação. "Um espelho sujo não produz uma
representação clara das coisas - então, quando o
coração está poluído com a imundície do pecado, não
está apto para este dever." É a alma santa, que adora
conversar com um Deus santo, por meio de sua
Palavra sagrada; e quanto mais santa for essa alma,
mais doces serão suas reflexões sobre os tópicos da
verdade divina. O pecado corrompe o gosto e produz
um apetite viciado. De modo que a Palavra, embora
mais doce do que o mel e o destilar dos favos, para a
mente pura; é enjoativo e repugnante para o paladar
13
corrompido - e tal paladar ama não refletir em
silêncio sobre a verdade sagrada. Aumente em sua
mente um bom estoque de verdades espirituais.
Coloque muita Escritura na memória. Tenha a Bíblia
em sua mente, assim como em sua mão - isso ajudará
suas meditações.

Adquira visões teológicas corretas da verdade divina;


pois, como diz Bates, "as verdades na alma são como
o ouro no minério; a meditação cunha o ouro e o traz
em discursos santos e ações piedosas. Enquanto que,
onde não há minas espirituais na alma, não é de
admirar que os pensamentos contenham escória e
vaidade." Mantenha a mentalidade mundana, e esse
poder absorvente do mundo tomaria todo o seu
tempo de devoção - para dá-lo aos negócios. Se você
der todo o seu coração e todo o seu dia para o mundo,
é óbvio, que não pode haver mais nada para a
meditação.

Cultive a espiritualidade habitual da mente; este é o


pai do qual a meditação é a prole. Esforce-se para
adquirir um maior controle e comando sobre seus
pensamentos. A dificuldade que muitos encontram
para consertar seus pensamentos pode ser diminuída
pela prática. Dessa forma, prepare-se para o
abençoado exercício da meditação. E, então, siga as
instruções a seguir para o desempenho real da
meditação - Quanto ao objetivo da meditação, deixe
que isso seja sempre prático. Não estou
14
recomendando um mero devaneio religioso.
Algumas mentes têm o prazer de deixar seus
pensamentos fluírem, sem serem controlados, sem
ordem e sem coerência, e se satisfazem com essa
música selvagem da fantasia. Não é isso que quero
dizer - há muito tempo desperdiçado pelos cristãos,
em uma reflexão tão vaga, desconexa e desconexa
sobre as coisas divinas. Nem quero dizer a mera
leitura das Escrituras, a fim de conhecer o seu
significado. Isso eu permito é o dever, e também
importante, mas não é o dever que agora ordeno.
Estudamos para encontrar uma verdade
desconhecida; e meditação, é refletir sobre o que já é
conhecido. O propósito final do estudo é informação.
O fim da meditação é sentir ou praticar. O estudo,
como o sol de inverno, dá luz, mas pouco calor; a
meditação é como acender o fogo, quando não
queremos o fogo simplesmente, mas o calor. Em
estudo, adquirimos riqueza espiritual; na meditação,
desfrutamos de seus benefícios. Nem quero dizer
aquele estado de espírito entusiasta, que alguns
místicos chamam de contemplação; significando
assim algo distinto de pensar em Deus e em Cristo,
santidade e céu, como eles são revelados nas
Escrituras - um tipo de visão ou intuição, diante, uma
entrada imediata no orbe de Deus, que é levado a
êxtases, arrebatamentos, suspensões, elevações e
abstrações. Foi, portanto, um excelente desejo de
Bernard, que era tão provável quanto qualquer um de
ter tais altitudes de especulações fantásticas, se Deus
15
realmente as dispensasse às pessoas - "Eu oro a Deus
para que me conceda paz de espírito, alegria no
Espírito Santo, compadecer-me dos outros no meio
da alegria, ser caridosos na simplicidade, regozijar-
me com os que se alegram e chorar com os que
choram, e com estes ficarei contente - outras
exaltações de devoções deixo aos apóstolos e
apostólicos. Os altos montes são para os cervos e as
cabras trepadeiras, as rochas pedregosas e os
recessos da terra para as ovelhas. É mais saudável e
nutritivo cavar a terra e comer dos seus frutos, do que
olhar para as glórias dos céus e viver sobre os raios
do Sol. Coisas tão insatisfatórias são arrebatamento
e transporte para a alma - muitas vezes distrai as
faculdades, mas raramente beneficia a piedade, e
está cheio de perigos no maior de seu brilho. Que o
homem seja mais apaixonado por Deus por tais
instrumentos, ou dê mais valor à virtude, ou seja
mais severo e vigilante em seu arrependimento - é
um excelente dom e graça de Deus; mas então isso
não é nada além das alegrias e confortos da
meditação comum - aquelas coisas extraordinárias,
quando não têm sentido nelas, então não fingem ser
instrumentos de virtude, mas são como as flechas de
Jônatas, disparadas além dela, para significar o
perigo que o homem está em quem essas flechas são
disparadas. Mas se a pessoa se tornar inquieta,
inconstante, orgulhosa, arrogante, de alta opinião, e
confiante em julgamentos incertos - é certo que são
tentações e ilusões. De modo que, como nosso dever
16
consiste no caminho do arrependimento e na
aquisição da virtude, também resta a nossa
segurança e, consequentemente, nossas alegrias
sólidas; e isso é o efeito de meditações comuns,
piedosas e regulares."

Isso é tão verdadeiro quanto belo, e o estado de


espírito assim causado é totalmente diferente do que
eu estou recomendando agora, o que significa nada
mais do que o exercício do entendimento sobre as
verdades divinas, como são reveladas nas Escrituras,
e com o propósito expresso de ter o coração
impressionado, a vontade subjugada e a vida
governada por eles - em suma, de ser santificado por
eles.

Cada parte da verdade divina é revelada para nos


tornar santos. Não há nada puramente especulativo,
ou meramente científico na Bíblia - tudo é concedido
para produzir em nós os frutos da justiça, que são
através de Cristo para a glória de Deus.

Devemos meditar na verdade divina, não como um


viajante que está passando por um belo país que
contemplaria sua esplêndida paisagem, apenas para
deleitar seus olhos e gratificar seu gosto, mas como
um artista que, além disso, para o prazer que ele
encontra em examinar a perspectiva, é empregado
para fazer uma pintura do todo. Ao meditar sobre as
glórias de Deus, devemos procurar ser
17
transformados em sua imagem. Ao meditar sobre a
obra de Cristo, devemos acreditar, confiar e amá-lo.
Ao meditar sobre o mal de nós mesmos, devemos
odiá-lo. Ao meditar sobre as belezas da santidade,
devemos adquiri-las. Ao meditar no céu, devemos
nos preparar para isso. Ao meditar sobre as
promessas, devemos acreditar nelas. Ao meditar
sobre convites, devemos aceitá-los. Ao meditar sobre
ameaças, devemos tremer sobre elas. Ao meditar
sobre os consolos, devemos recebê-los. Ao meditar
nos comandos, devemos obedecê-los. Meras
admirações, por mais extasiadas que sejam; ou mero
conhecimento, por mais claro que seja; ou meras
subidas, embora elevadas - não são suficientes - há
algo a ser feito.

"A meditação é o buscador de todos os instrumentos


para uma vida santa, uma consideração devota deles,
e uma produção dessas afeições, que estão em uma
ordem direta para o amor de Deus, e uma conversa
piedosa. É para todos, aquele grande instrumento de
religião, por meio do qual é feito prudente, razoável,
ordenado e perpétuo."

Quanto aos assuntos de sua meditação, que estejam


todos em conformidade com esse desígnio. Deixe
seus pensamentos se dedicarem ao que é simples e
prático - e não ao que é sublime, difícil e especulativo.
Não tente subir nas nuvens ou mergulhar no oceano.
Uma disposição para escalar as inacessíveis alturas
18
da verdade, manifesta antes os estímulos da
curiosidade, do que os impulsos da piedade. As
verdades mais simples do evangelho, como a comida
mais simples para o corpo, são as mais digestíveis e
as mais nutritivas. Altas especulações sobre as coisas
divinas, se assemelham aos cedros do Líbano e suas
alturas rochosas, que são elevadas, mas infrutíferas;
enquanto os fundamentos do cristianismo são férteis
como os vales cobertos pelo grão humilde e a videira
rasteira. É por isso que muitos cristãos pobres e
simples prosperam mais em santidade do que alguns
de mais educação; o primeiro sendo conduzido para
meditar sobre assuntos que são mais rentáveis para
a prática, enquanto o último tem a intenção sobre
aqueles que servem apenas para fins de especulação.

Um velho escritor tem esta observação: "Que uma


mulher velha e simples, se ela ama a Jesus Cristo,
pode ser maior do que Bonaventura, que foi um dos
mais instruídos dos escolásticos, e foi chamado de
“Doutor Seráfico”." Deixe sua meditação ser
adequada às suas circunstâncias no momento.
Quando você separa qualquer época especial para o
propósito da contemplação, isso deve ser sempre
lembrado e, de fato, deve ser em geral. Se você está
em apuros, medite sobre aqueles tópicos abundantes
de consolação que são apresentados na Palavra de
Deus. Se sobrecarregado com um sentimento de
culpa, medite no trabalho mediador de Cristo. Se
regozijando na certeza da esperança, medite nas
19
advertências contra o orgulho espiritual. Se em
prosperidade e riqueza, medite sobre a natureza
insatisfatória e incerta das riquezas. Se for tentado,
medite sobre o mal do pecado e as consequências de
cometê-lo, e também sobre a intercessão, poder e
graça de Cristo. Se tem medo da morte, medite sobre
a promessa de Cristo de encontrá-lo no vale escuro.
Sempre será proveitoso deixar suas meditações,
assim, rodarem nos canais de sua condição.

E como um motivo para esse dever, pense em suas


VANTAGENS. De nenhum outro modo poderíamos
descobrir as belezas escondidas, saborear a doçura
ou extrair o alimento da santa Palavra de Deus. Há
algumas pessoas cujas mentes voam sobre este
jardim do Senhor, como os pássaros do ar, e não são
de forma alguma melhores pelo que contém.
Enquanto outros pausam e refletem sobre o que
leem, e são como a abelha industriosa, que extrai o
néctar de cada flor. É assim que todas as graças são
nutridas.

A fé é magra e fraca a menos que seja alimentada pela


meditação sobre as promessas. O amor é morno, a
menos que seja estimulado pela meditação sobre a
misericórdia divina. A esperança é monótona e sem
vida, até que ela suba pela meditação até o topo do
monte Pisga para examinar a terra prometida. A
paciência se torna cansada, a menos que, pela
meditação sobre o poder de Deus, e os benefícios da
20
aflição, ela seja fortalecida. A alegria pode afundar, a
menos que seja revigorada pela meditação sobre
Cristo. É provável que o medo filial se torne
descuidado, a menos que seja estimulado pela
meditação sobre as ameaças de Deus. O zelo se torna
indolente, a menos que seja despertado pela
meditação sobre os mandamentos divinos. Mas todas
essas graças são ajudadas e fortalecidas pela santa
contemplação. E isso, que melhora nossas graças,
confere poder e influência a todas as ordenanças da
religião.

Sem meditação, a leitura da Palavra provavelmente


será infrutífera, e a audição dela não é proveitosa. Por
que os professantes são tão frios, errantes e
ineficazes em suas orações - senão porque não se
exercitam em pensamentos santos? Davi associa a
oração e este exercício sagrado, sim, parece quase
torná-los idênticos, quando ele diz: "Dá ouvidos às
minhas palavras, ó Senhor, considere minha
meditação", Salmo 5: 1. "Que as palavras da minha
boca e a meditação do meu coração sejam aceitáveis
à tua vista", Salmo 19:14; implicando evidentemente
que a oração é apenas a expressão da meditação
anterior.

A ceia do Senhor é preeminentemente uma ocasião


de meditação, pois muito do seu tempo é gasto em
pensamentos silenciosos. E oh! Que meditações
solenes e impressionantes são favorecidas, enquanto
21
assim reunidas ao redor da mesa do Senhor.
Apliquem-se então, meus queridos amigos, a este
deleitável exercício. Não permita que política ou
negócios, indolência ou facilidade, companhia ou
recreação, desviem sua atenção dele. Lembre-se de
como uma parte importante do dever cristão é a
correta ordenação dos pensamentos e o emprego do
entendimento. Não permita que a dificuldade do
dever o impeça. Todas as coisas se tornam fáceis pela
prática - e esta da meditação entre as demais.

22

Interesses relacionados