Você está na página 1de 20

D I S C I P L I N A Didática

Didática: o que é?
Para que serve?

Autores

André Ferrer Pinto Martins

Iran Abreu Mendes

aula

01
Governo Federal Revisoras de Língua Portuguesa
Presidente da República Janaina Tomaz Capistrano
Luiz Inácio Lula da Silva Sandra Cristinne Xavier da Câmara

Ministro da Educação Ilustradora


Fernando Haddad Carolina Costa
Secretário de Educação a Distância – SEED Editoração de Imagens
Ronaldo Motta
Adauto Harley
Carolina Costa
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Diagramadores
Reitor
Mariana Araújo Brito
José Ivonildo do Rêgo
Vice-Reitor Adaptação para Módulo Matemático
Nilsen Carvalho Fernandes de Oliveira Filho Thaisa Maria Simplício Lemos

Secretária de Educação a Distância Imagens Utilizadas


Vera Lúcia do Amaral Banco de Imagens Sedis (Secretaria de Educação a Distância) - UFRN
Fotografias - Adauto Harley
Secretaria de Educação a Distância- SEDIS MasterClips IMSI MasterClips Collection, 1895 Francisco Blvd,
Coordenadora da Produção dos Materiais East, San Rafael, CA 94901,USA.
Célia Maria de Araújo MasterFile – www.masterfile.com
MorgueFile – www.morguefile.com
Coordenador de Edição
Ary Sergio Braga Olinisky Pixel Perfect Digital – www.pixelperfectdigital.com
FreeImages – www.freeimages.co.uk
Projeto Gráfico
FreeFoto.com – www.freefoto.com
Ivana Lima
Free Pictures Photos – www.free-pictures-photos.com
Revisores de Estrutura e Linguagem BigFoto – www.bigfoto.com
Eugenio Tavares Borges FreeStockPhotos.com – www.freestockphotos.com
Marcos Aurélio Felipe OneOddDude.net – www.oneodddude.net
Pedro Daniel Meirelles Ferreira Stock.XCHG - www.sxc.hu

Divisão de Serviços Técnicos


Catalogação da publicação na Fonte. UFRN/Biblioteca Central “Zila Mamede”

Mendes, Iran Abreu


Didática / Iran Abreu Mendes, André Ferrer Pinto Martins – Natal (RN) : EDUFRN – Editora da UFRN, 2006.

264 p.

ISBN 85-7273-279-9

1. Ensino. 2. Aprendizagem. 3. Planejamento. I. Martins, André Ferrer Pinto. II. Título.

CDU 37
RN/UFR/BCZM 2006/17 CDD 370

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização
expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Apresentação

V
ocê está começando o estudo da disciplina Didática. Mas o que é, afinal de contas,
“Didática”? São “receitas”, ou um conjunto de técnicas para ensinar? Por que o
conhecimento dessa disciplina é importante para a formação de professores? De
que forma ela pode contribuir para o ensino das Ciências Naturais e da Matemática?
Pretendemos que este curso lhe dê subsídios para responder a essas e outras questões.
Para tanto, caracterizaremos o pensamento didático, situando-o no terreno mais amplo da
Pedagogia e abordando aspectos de sua evolução histórica. A seguir, trataremos de temas
e assuntos relacionados às recentes reformas educacionais e aos resultados das pesquisas
das áreas de ensino de Ciências e Matemática. Por fim, discutiremos aspectos da organização
do trabalho dos professores.
Esperamos que a Didática possa contribuir significativamente em sua formação,
ajudando a promover uma reflexão constante sobre o fazer docente.
Além da leitura das aulas e da realização das atividades presentes em cada uma delas,
você também deverá executar certas “Práticas” (assim identificadas ao longo das aulas)
previstas na carga horária total da disciplina.

Objetivos
O principal objeto desta aula é oferecer a você uma visão preliminar
e abrangente sobre a Didática enquanto disciplina pedagógica,
com objeto e temas de estudo próprios. Esperamos, ainda, que
você conheça aspectos da origem histórica do pensamento
didático e seja capaz de perceber a importância dessa disciplina
para a sua formação como professor.

Aula 01 Didática 
Caracterizando a Didática

Atividade 1

Leia os dois pequenos diálogos (fictícios) abaixo. O primeiro, entre dois


estudantes de graduação em História.

− Ei, você já “pagou” a disciplina de “História Moderna e Contemporânea I”?


− Não, ainda não... Vai ser oferecida este semestre?
− Vai, sim. Por aquele professor do departamento... não lembro o nome! Acho que é
Manoel.
− Ih... então não vou “pagar” este semestre, não. Dizem que ele é um ótimo historiador,
mas não tem didática.
E o segundo, entre um pesquisador e um aluno do Ensino Médio:
− Estamos fazendo uma pesquisa sobre a qualidade das aulas do Ensino Médio. Você
pode responder a algumas perguntas?
− Claro...
− Quais as matérias de que você mais gosta, e por quê?
− História, Geografia e Ciências. Acho que gosto de ler, saber do passado, do que
aconteceu... Geografia também é legal, a gente aprende sobre os diferentes lugares, as
regiões... Ciências eu gosto porque o professor é legal! Ele ensina bem...
− O que tem que ter um professor pra “ensinar bem”?
− Sei lá... acho que tem que entender a matéria, ser legal com os alunos, ter paciência.
E tem que ter didática, né? Tem gente que não tem “jeito” pra dar aula, não...

E agora, procure responder às questões abaixo.

Que visão sobre a “didática” é passada pelos diálogos? O que parece


1 significar, para os personagens, “ter didática”?

2 Você já presenciou diálogos como esses? Em que situações?

Você concorda com a visão apresentada nos diálogos? Qual a sua


3 visão pessoal sobre a didática?

 Aula 01 Didática
Prática
Faça uma breve entrevista informal (munido apenas de um bloco de notas e
uma caneta), com três pessoas diferentes, acerca do significado da palavra
‘didática’. Sugestão: escolha pessoas com vivências e idades diferenciadas,
como, por exemplo, alguém mais velho da família (pai, mãe etc.), um professor
de uma escola pública da sua região e um aluno do Ensino Médio.
Como produto, produza um texto comparando as visões entre si, estabelecendo
semelhanças e diferenças entre elas.

É comum, como vimos nos diálogos da Atividade 1, e como você deve ter percebido
nas entrevistas da Prática, associarmos a palavra ‘didática’ ao ensino, mas quase sempre
como algo (provavelmente, um conjunto de “técnicas”...) que o indivíduo (professor) deve
“possuir”, “ter”. Assim, o bom professor é visto como alguém que “tem didática”, o que
normalmente parece ser uma espécie de “dom natural” ou uma “arte”.
Por outro lado, sabe-se que a disciplina Didática faz parte dos currículos dos cursos
de Pedagogia e das Licenciaturas, sendo, portanto, um conjunto de saberes aparentemente
constituído e sistematizado. Será, então, que ao cursar tal disciplina, o futuro profissional
do ensino passa a “ter didática”, mesmo que não tivesse o “dom”? O que se estuda em tal
disciplina? Qual o seu objeto?
Os pedagogos e teóricos da educação não concordam plenamente entre si quanto a uma
definição de ‘didática’. Mas, isso não é um problema, porque, ao invés de uma “definição”,
busca-se entender a Didática como um corpo de conhecimentos que evoluiu histórica e
socialmente, e que comporta hoje múltiplas compreensões, embora com importantes pontos
em comum.
Vejamos a seguir dois pequenos trechos, de autoria de dois importantes educadores
da área de Didática.

“Didática para nós é uma reflexão sistemática sobre o processo de ensino-aprendizagem


que acontece na escola e na aula, buscando alternativas para os problemas da prática
pedagógica.” (Masetto, 1997, p. 13)

“A Didática é o principal ramo de estudos da Pedagogia. Ela investiga os fundamentos,


condições e modos de realização da instrução e do ensino. A ela cabe converter objetivos
sócio-políticos e pedagógicos em objetivos de ensino, selecionar conteúdos e métodos
em função desses objetivos, estabelecer os vínculos entre ensino e aprendizagem,
tendo em vista o desenvolvimento das capacidades mentais dos alunos.” (Libâneo,
1994, p. 25-26)

Aula 01 Didática 
É importante que não tomemos esses trechos como definições! Os autores citados
procuram caracterizar a Didática ao longo de suas obras, e não apenas com esses trechos!
Ainda assim, é possível caracterizar o “fenômeno ensino” como o objeto de estudo da
Didática enquanto disciplina. Note que isso abre um leque muito grande de temas, assuntos
e conhecimentos específicos que passam a fazer parte do campo da Didática.
Vejamos o porquê.
O ensino é um fenômeno complexo. Ocorre na escola, mas não apenas nela. É uma prática
social, portanto, condicionada por fatores históricos, políticos e econômicos. Considerar o
ensino como objeto de estudo significa, então, em princípio, trazer para o debate todos os
potenciais e reais fatores que podem influenciá-lo e determiná-lo. Desse modo, passa a ser
relevante para a Didática conhecimentos oriundos da Filosofia, da Antropologia, da Sociologia,
da Política, da Psicologia, entre outras áreas. Mais especificamente, podemos pensar em
“sub-áreas” – como Psicologia da Educação ou História da Educação – que contemplam
saberes de interesse para a Didática. Também estão aí incluídas as metodologias específicas
das disciplinas, por exemplo.
Vemos, assim, que o campo da Didática é muito amplo, no sentido de que essa disciplina
faz uso de uma gama significativamente grande de outros saberes para tentar constituir sua
especificidade. A Didática pode ser vista, nesse sentido, como uma espécie de “disciplina
integradora”, como a Figura 1, a seguir, tenta mostrar.

Psicologia

Sociologia

Psicologia da
Educação
Sociologia da
Educação

DIDÁTICA Metodologia do
Ensino de Ciências

História da
Educação
Filosofia da
Educação

Figura 1 – A Didática como disciplina integradora de diversos saberes

 Aula 01 Didática
A Figura 1 é, obviamente, uma aproximação. Além de não esgotar as diversas áreas que
compõem o terreno da Didática, a figura não explicita outros vínculos, como os existentes
entre Sociologia e Psicologia, ou entre essa última e a Filosofia da Educação, por exemplo.
Até aqui vimos que o objeto de estudo da Didática é o ensino, em sua totalidade, e que ela
faz uso de saberes de diversas áreas do conhecimento humano. Poderíamos, então, perguntar:
mais especificamente, o que a Didática vai estudar? Que temas são do seu interesse?
Como “teoria do ensino”, a Didática acaba por preocupar-se com diversos temas e
problemas relacionados ao ensino, por exemplo:
1. o currículo escolar;

2. aspectos psicológicos do processo ensino-aprendizagem;

3. organização do trabalho pedagógico na escola;

4. motivação dos alunos para aprender;

5. ensino em espaços não-formais;

6. objetivos e fins do processo educativo;

7. planejamento do ensino;

8. relacionamento interpessoal na escola;

9. uso de novas tecnologias no ensino;

10. entre outros.

Tomemos como exemplo os itens 3 e 7, “organização do trabalho pedagógico na escola”


e “planejamento do ensino”.
A escola tem um papel fundamental na sociedade, no que diz respeito à conquista da
cidadania por todos. O acesso dos sujeitos ao conhecimento sistematizado e à promoção
do desenvolvimento individual em diversas áreas (motora, afetiva, social, cognitiva etc.)
são princípios da ação pedagógica. Para que esses princípios concretizem-se, é necessário
organizar o trabalho pedagógico na escola.
Para isso, é preciso, dentre outras coisas, conhecer as leis e normas que regem a
educação nacional, ter clareza dos fins e propósitos do processo educativo, estabelecer metas
e objetivos adequados à realidade local, envolver a comunidade nas ações da escola, mobilizar
recursos materiais e humanos para promover as ações desejadas. Assim, a “organização do
trabalho pedagógico na escola” surge como condição para o bom andamento do processo
de ensino que ocorre no espaço escolar. É, portanto, um tema (ou assunto) para a Didática,
enquanto disciplina pedagógica.

Aula 01 Didática 
A organização do trabalho pedagógico implica planejamento. O ato de planejar deve
ser compreendido como uma forma de organizar as ações, e não como uma atividade
burocrática. Precisa envolver todos os atores do processo educativo (diretores, professores,
alunos, comunidade escolar) e ser pensado para diferentes níveis e propósitos (planejamento
da escola como um todo, das diferentes séries, das disciplinas etc.). A qualidade e eficiência
do ensino dependem, portanto, de uma boa organização das ações, ou seja, de um bom
planejamento. Daí que o “planejamento do ensino” seja também um tema (ou assunto) da
disciplina Didática.

Atividade 2
Escolha outro item da nossa breve lista de “temas” da Didática (excetuando-
se o 3o e o 7o), justificando por que ele deve ser objeto de preocupação
dessa disciplina. Para tanto, use suas palavras, levando em consideração a
caracterização feita até agora sobre a Didática.

Atividade 3

Realize uma pequena pesquisa sobre “didática” em livros da área de


1 educação que tratem do tema. Veja o que dizem os autores sobre
essa disciplina, como (e se) a definem, e que temas associam a ela
(sugestão: vá a uma biblioteca e procure – em “título” ou “assunto”
– pela palavra ‘didática’).
Quais as principais semelhanças e diferenças entre as visões que
você obteve e aquela apresentada aqui? Escreva um pequeno texto
a esse respeito.

Retome o item 1, mas, agora, pesquisando no espaço virtual da


2 Internet (sugestão: coloque a palavra ‘didática’ num site de busca).

 Aula 01 Didática
Atividade 4

Na ação pedagógica que ocorre nas escolas, há certamente características que


são compartilhadas nacionalmente, enquanto outras são regionais ou mesmo
locais. Pensando em uma escola da sua comunidade, apresente aspectos
didáticos de dois tipos:

a) aqueles que você considera que sejam compartilhados, em maior ou menor


grau, nacionalmente;

b) e aqueles que você considera que sejam exclusivamente locais.

Você deve ter percebido, pela nossa caracterização da Didática, que o rol de conhecimentos
abarcado por essa disciplina pedagógica é muito grande. Isso é muito importante para ser
assinalado, pois é preciso ter consciência que o estudo da Didática não pode se esgotar
apenas num semestre letivo, no conjunto de umas poucas aulas. Ao contrário, o profissional
da educação deve estar em contínuo e constante processo de formação, incluídos aí os
conteúdos dessa disciplina.
Em função disso, o que privilegiar?
Neste curso, especificamente, faremos um recorte particular da Didática. Iniciando
com elementos da história do pensamento didático, privilegiaremos tópicos relacionados
ao ensino na atual conjuntura de reformas educacionais no Brasil. Dada a característica
primordial deste curso – de formação inicial de professores de Ciências da Natureza e
Matemática –, abordaremos, também, tópicos particulares das áreas de Ensino de Ciências
e Ensino de Matemática (aliás, essas áreas detêm conhecimentos específicos dentro da
Didática, a ponto de podermos falar em Didática das Ciências ou Didática da Matemática
como sub-áreas). Mais adiante, trataremos de alguns aspectos do que se costuma chamar
de “Didática instrumental” ou “técnica”.

Aula 01 Didática 
Mercantilismo

Doutrina econômica, em
voga no século XVII, que
enfatizava a importância

Origens históricas da Didática


do comércio exterior
para a economia de um
país. Defendia a ação

como disciplina
do Estado em favor da
expansão das exportações
e de seu monopólio
por companhias de
comércio, e da restrição
às importações (Dicionário O ensino e a aprendizagem, como processos sociais, são certamente tão antigos
Aurélio Eletrônico, versão quanto as primeiras sociedades humanas. Na realidade, é possível identificarmos, inclusive,
3.0, Novembro de 1999,
verbete ‘mercantilismo’).
aspectos desses processos em outras espécies animais, além do Homo sapiens.

Reforma No entanto, desde as épocas mais remotas, a ação pedagógica de “ensinar” esteve
Protestante vinculada às tradições de cada povo ou comunidade, à religião e aos rituais, às necessidades
Movimento religioso
práticas, de uma forma mais ou menos espontânea. Desse modo, a “didática” como uma
do começo do séc. atividade planejada e intencional é algo relativamente recente na História. Os teóricos da área
XVI que rompeu com a costumam concordar em situar o “surgimento” da Didática como disciplina no século XVII.
Igreja Católica Romana,
originando numerosas
Vejamos o que diz, por exemplo, Libâneo:
igrejas cristãs dissidentes
(Dicionário Aurélio Na chamada Antigüidade Clássica (gregos e romanos) e no período medieval também se
Eletrônico, versão 3.0, desenvolvem formas de ação pedagógica, em escolas, mosteiros, igrejas, universidades.
Novembro de 1999, Entretanto, até meados do século XVII não podemos falar de Didática como teoria do
verbete ‘reforma’).
ensino, que sistematize o pensamento didático e o estudo científico das formas de
Heliocentrismo ensinar. (Libâneo, op.cit., p. 57)

Sistema cosmológico Qual o “marco” dessa época para a Didática?


proposto por Nicolau
Copérnico, mas que tem
O século XVII representa um período de profundas transformações políticas, sociais,
suas raízes na Antigüidade científicas, filosóficas, religiosas e econômicas, no mundo ocidental. O mercantilismo e a
(com Aristarco de Samos), expansão marítima européia, a formação dos Estados Nacionais, a reforma protestante,
e que postula ser o Sol o
centro do Universo, com
a proposta heliocêntrica são diferentes aspectos dessas transformações. É nessa época
os demais astros (planetas que João Amós Comenius (1592-1670) escreveu a primeira obra clássica sobre Didática: a
e estrelas) girando ao seu Didática Magna, publicada em 1657.
redor.

 Aula 01 Didática
Comenius era um “homem do século XVII”, sintonizado parcialmente com os ideais da
Modernidade que estavam por surgir. Pastor protestante, natural da Boêmia (atual República
Tcheca), considerava a educação como um caminho para a salvação, uma formação para a
vida eterna. “Ser homem” era, para ele, conhecer as coisas do mundo, e não apenas uma
pequena área do saber. Disso decorre a importância do processo educativo tanto para a
criação da identidade individual quanto para a socialização do indivíduo. A educação teria Comenius
como uma de suas finalidades a transformação do indivíduo e da sociedade. Para falar desse autor,
adotaremos como
Em sua Didática Magna, que tinha a pretensão de apresentar a “arte de ensinar tudo a
referência principal o
todos”, ele propõe uma série de princípios e regras que deveriam nortear a educação. Entre trabalho de Kulesza
outras coisas, Comenius defende uma escola para todos, ou seja, a universalização do ensino (1992).

(princípio da igualdade). Além disso, considerava a escola como espaço (locus) privilegiado
Tábula rasa
da educação, e a figura do professor como a do profissional específico e qualificado para a
‘Tábula rasa’ é uma
ação de educar. Preocupou-se em estabelecer princípios para o ensino das ciências e um
expressão muito usada em
planejamento escolar com vários “graus” de ensino vinculados aos graus de desenvolvimento Educação que simboliza
do indivíduo. um estado de vazio
completo da mente. Para
Para Comenius, o conhecimento vem dos sentidos, é trabalhado pela razão e iluminado Comenius, a mente não
pela fé. Em função disso, considera que o conhecimento verdadeiro provém de uma estaria nesse estado de
vazio absoluto antes de
“observação correta” das coisas. Daí que o seu método de ensino – que ele pretendia “claro qualquer experiência, mas
e único” – fosse baseado na observação da natureza e dos fenômenos, no olhar das próprias teria a potencialidade de
coisas e não na consulta aos livros. É por meio dos sentidos que se estabelece o contato moldar-se, ajustar-se às
experiências sensíveis.
entre a natureza e a mente. Esta, por sua vez, não é uma “tábula rasa”, mas “moldável”.
Vemos, assim, que a epistemologia subjacente à proposta comeniana apresenta uma forte Indução
ênfase empirista e sensorialista (nesse terreno, Comenius foi influenciado pelo pensamento Francis Bacon (1561-
de Francis Bacon e pela idéia de “indução”). 1626) procurou, no
alvorecer da ciência
Ainda que várias de suas idéias tenham sido superadas, principalmente no que se refere moderna, estabelecer um
à compreensão psicológica do processo de ensino e aprendizagem, Comenius foi realmente método de investigação
da natureza baseado na
avançado para a época, podendo ser considerado o precursor da Didática como disciplina indução experimental.
pedagógica. Num período em que o catolicismo dominava e a educação católica voltava-se à Para ele, deveria se
formação das classes dirigentes, com privilégio do latim, Comenius propôs a educação para partir da experimentação
para se chegar às
todos e o uso do vernáculo. hipóteses que, testadas,
levariam à formulação
Apesar da Didática Magna só ter sido traduzida para o português em 1954, a obra de
de leis e princípios
Comenius chegou a exercer certa influência no Brasil, ainda no início da República. Autores gerais. Sinteticamente,
como Rui Barbosa e Fernando de Azevedo interessaram-se por suas idéias que, identificadas o método baconiano
iria da experiência para
com o “método ativo e intuitivo”, foram em parte adotadas pela chamada Escola Nova e
a racionalização, e do
bastante utilizadas no ensino de Ciências. particular para o geral.

Na aula seguinte, teremos a oportunidade de analisar algumas das principais correntes


do pensamento didático ao longo da História. Veremos que as teorias do ensino oscilaram
entre privilegiar a atividade do professor, a atividade do aluno e o método de ensino.

Aula 01 Didática 
Atividade 5
A partir do que foi apresentado sobre Comenius, tente apontar alguma de suas
idéias e propostas que permanecem atuais, e outras que pareçam superadas.
Justifique sua resposta.
sua resposta

10 Aula 01 Didática
Leituras Complementares
Para que você possa aprofundar seus conhecimentos sobre o tema apresentado nesta
aula, indicamos as referências a seguir.

Candau, V. M. (org.). A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1986.


Esse conjunto de textos, organizados por Vera Candau, é um marco na história
recente da Didática no Brasil. Resultado de um seminário realizado na PUC-SP em 1982,
no qual se discutiu e se refletiu sobre os novos rumos da Didática a partir do processo de
redemocratização do país, essa publicação contém artigos dos principais autores nacionais
do campo da Didática, e tornou-se um dos trabalhos mais citados nos anos que se seguiram.
Ganhou, recentemente, uma nova edição.

Libâneo, J. C. Educação: pedagogia e didática – o campo investigativo da pedagogia e da


didática no Brasil: esboço histórico e buscas de identidade epistemológia e profissional. In:
Pimenta, S. G. (org.). Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no
Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 1997.
O autor inicia abordando a problemática da identidade no campo do conhecimento
pedagógico, defendendo que a Pedagogia seja uma das “ciências da educação” que busca
integrar e dar coerência a todas elas, sendo o seu objeto o fenômeno educativo em seu
conjunto. A seguir, Libâneo faz uma retrospectiva histórica dos estudos teóricos da Pedagogia
no Brasil, dos jesuítas à década de noventa do século passado. Aponta a necessidade de se
buscar uma identidade epistemológica para esse campo e procura diferenciar o “pedagógico”
do “didático”, caracterizando-os.

Oliveira, M. R. N. S. Elementos teórico-metodológicos no processo de construção e


reconstrução da didática (por uma nova teoria da prática pedagógica escolar). In: Oliveira,
M. R. N. S. (org.). Didática: ruptura, compromisso e pesquisa. Campinas: Papirus, 1995.
Partindo de uma concepção dialético-materialista do ensino, Maria Rita Oliveira
defende que a Didática rompa com o tecnicismo e volte-se a uma prática educativa
transformadora da realidade social. A autora pensa o ensino na perspectiva da prática
social, como uma “totalidade concreta”. As diversas dimensões do fenômeno ensino
(histórica, ideológica, antropológica e epistemológica) delineariam os elementos teórico-
metodológicos do campo da Didática.

Penin, S. T. S. O Ensino como “Acontecimento”. Cadernos de Pesquisa, no 98, pp. 14-23, 1996.
Nesse artigo, Sônia Penin analisa o “objeto” da Didática, defendendo que ele seja o
“acontecimento ensino”, em toda a sua extensão e profundidade. Discute as características
da Didática como área do conhecimento em processo de epistemologização. Nessa direção,
defende um rompimento com a epistemologia dominante (oriunda das Ciências Naturais),
pois os parâmetros clássicos da investigação científica não esgotariam o estudo dos eventos
presentes no ensino.

Aula 01 Didática 11
Pimenta, S. G. Para uma re-significação da didática – ciências da educação, pedagogia e
didática (uma revisão conceitual e síntese provisória). In: Pimenta, S. G. (org.). Didática
e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo:
Cortez, 1997.
A autora propõe re-significar a Didática partindo da própria prática docente, rompendo com o
triângulo professor-aluno-conhecimento. Aponta a importância da discussão epistemológica
para a realização dessa tarefa, mas pensada a partir da prática, e não do ponto de vista
teórico. Discute o objeto e o campo de atuação da Pedagogia e da Didática. No caso da
última, defende que sua tarefa seja a de tomar o ensino como prática social e compreender o
seu funcionamento enquanto tal, sua função social e suas implicações estruturais.

Resumo
Nesta aula, você percebeu que a Didática, enquanto disciplina pedagógica, tem
como objeto de estudo o “fenômeno ensino”. Ela não é – como se costuma
pensar – um “conjunto de técnicas para ensinar”, mas constitui-se em um
corpo de conhecimentos amplo e complexo, que abraça saberes de diversas
outras áreas. Por isso, os temas e assuntos que lhe dizem respeito são também
variados e em grande número. Embora o ensino seja algo tão antigo quanto
as primeiras sociedades humanas, a Didática configura-se como disciplina no
século XVII, a partir da obra de João Amós Comenius.

Auto-avaliação
Com base na leitura do texto e nas atividades desenvolvidas por você, faça uma
reflexão sobre o que aprendeu e analise os principais aspectos mencionados
nesta aula, considerando os seguintes itens:

n   a visão adquirida sobre a Didática enquanto disciplina pedagógica;

n   a origem e as características do pensamento didático;

n   a importância dessa disciplina para a sua formação como professor.

12 Aula 01 Didática
Referências
Candau, V. M. (Org.). A Didática em Questão. Petrópolis: Vozes, 1986.

Kulesza, W. A. Comenius – a persistência da utopia em educação. Campinas: Editora da


UNICAMP, 1992.

Libâneo, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

Libâneo, J. C. Educação: pedagogia e didática – o campo investigativo da pedagogia e da


didática no Brasil: esboço histórico e buscas de identidade epistemológia e profissional. In:
Pimenta, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no
Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 1997.

Masetto, M. T. Didática – a aula como centro. São Paulo: FTD, 4.ed.,1997.

Oliveira, M. R. N. S. Elementos teórico-metodológicos no processo de construção e


reconstrução da didática (por uma nova teoria da prática pedagógica escolar). In: Oliveira,
M. R. N. S. (Org.). Didática: ruptura, compromisso e pesquisa. Campinas: Papirus, 1995.

Penin, S. T. S. O Ensino como “Acontecimento”. Cadernos de Pesquisa, no 98, p. 14-23, 1996.

Pimenta, S. G. Para uma re-significação da didática – ciências da educação, pedagogia e


didática (uma revisão conceitual e síntese provisória). In: Pimenta, S. G (Org.). Didática
e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo:
Cortez, 1997.

Aula 01 Didática 13
Anotações

14 Aula 01 Didática
Aula 01 Didática 15
16 Aula 01 Didática