Você está na página 1de 4

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO

CECÍLIA MARIA DA SILVA COSTA - PROTOCOLO: 1664611

História Social da Literatura Portuguesa, pp. 49-62 de Abdala Júnior e Paschoalin.

3 Barroco
3.1 Panorama Histórico

Dificuldade na unificação da Península Ibérica:

 Surgimento de línguas;
 Novos padrões culturais;
 Divisão econômica entre os países.

Insistência na criação de laços entre Portugal e Espanha: Casamentos reais

 Ligação intrínseca de dependência entre os reinos de Portugal e Espanha: "o império


Português e sua organização econômica formavam um complemento do império
espanhol." (pg. 49)

Inimigos comuns na navegação: mouros e turcos, pirataria, franceses, ingleses e holandeses.

"Castelhanização de Portugal": Casamentos de D. Manuel com espanholas gera atividade


bilíngue. Ex:. Escritos de Gil Vicente e Camões.

 "[...] numerosas traduções de autores portugueses são conhecidas na Espanha;


diversos autores espanhóis são igualmente bilíngues e escreviam em português." (pg.
50)

Filho de D. João e Joana, D. Sebastião (1554-1578) se torna herdeiro do trono:

 Regência de D. Catarina, avó;


 Regência de D. Henrique, tio-avô.
 Fortalecimento da ação religiosa em regência e no reinado.

Breve histórico de D. Sebastião:

 Assumiu o governo aos 14 anos de idade, sendo doente físico e mental.


 Conquista e expansão da fé = foco em Marrocos.

(1578), D. Sebastião invade


território de Marrocos e é
derrotado e morto .

Consequências: Fim da aristocracia Portuguesa + dívidas = Assume D. Henrique, mas morre


logo em seguida.
1580 a 1640: Portugal cai sobre domínio Espanhol, comandado por Filipe II, em subsequência
por Filipe III e IV.

 Governo Espanhol torna-se impopular: impostos aumentados, Casa da índia e finanças


portuguesas fiscalizadas.
 Holanda e Inglaterra viram-se contra Portugal pela união com Espanha, que perseguia
os protestantes.

Desenvolvimento do Sebastianismo
Devido a situação de Portugal, cria-se o mito do retorno
de D. Sebastião para recuperar o trono. Representação
de mudanças políticas e evolução para o patriotismo.

Piora na situação econômica:

 "Navios holandeses e ingleses chegavam à Europa com especiarias, ouro africano e


outros produtos. Os ataques estrangeiros ao Brasil, às Índias Ocidentais, à costa
ocidental africana e às rotas de navegação diminuíram o tráfico de escravos, açúcar e
tabaco." (pg. 51)

1640: Conspiração aristocrata torna Duque de Bragança D. João IV.

 Guerra da Restauração: mobilização de esforços e soma de dinheiro.


 1656: Morre D. João IV e quem assume é Afonso VI, que lutava pela restauração de
Portugal.
 Afonso Vi tem casamento com D. Maria anulado, e está fica com D. Pedro.
 1668: Tratado de Lisboa, Espanha reconhece a independência de Portugal.

Santa Inquisição intensifica os acontecimentos políticos: perseguiam as ideias que se opunham


e/ou feriam seus preceitos.

Igreja Católica: Aliada das monarquias nacionais para compensar a fraqueza na Europa
protestante. Objetivo: evangelizar, espalhar a fé católica.

1693-1695: Descoberta do ouro no Brasil, levado para metrópole para pagar as dividas
contraídas com o exterior.

 "É nesse clima confuso e inseguro, de lutas e atuação do Santo Ofício, de domínio
espanhol e independência, de crise e riqueza, que se desenvolveu o Barroco
português" (pg. 51 )

3.2 Barroco

Reação da Contrarreforma aos pensamentos Renascentistas (o homem no centro do mundo).

Influência da Igreja e da Inquisição para reencontrar a


tradição cristã = Retomada do homem medieval.
Tentativa de reconectar o homem com o Divino -> Retomada do terror terreno e ânsia de
eternidade.

Homem Medieval Homem Renascentista


 Poder absoluto dos reis e da  Burguesia
nobreza;  Valores não aprovados pela
 Apoio da Igreja. Igreja.

Contrarreforma recupera a "energia" religiosa.

Espanha: berço do Barroco, onde a contrarreforma se irradia.

Literatura = duelo entre valores

-> Preceitos medievais não podem ignorar os avanços renascentistas

 Característica do Barroco: dualismo -> oposição, contradição e tensão.

Tendências de conciliar as visões opostas

Espírito setecentista é coberto de antítese -> espírito x carne; sensualismo x misticismo;


religiosidade x erotismo; realismo x idealismo; céu x Terra; Fé x Razão.

Nas artes visuais: exagero nos relevos e choque no contraste das cores.

Antítese, paradoxo, assíndeto,


Artifícios da Linguagem como metáfora , simbolismos
artifício para confusão e sensuais, sinestesia, hipérboles
exagero e catacrases.

Cultismo ou Gongorismo (de Gôngora): Estilo trabalhado com trocadilhos, forma perfeita e
ostentatoria. -> Procura de uma nova linguagem para explicar um novo sentido para o mundo.

Etimologia da palavra "barroco": pérola de superfície irregular.

2° momento da Renascença em Portugal: Camões, desengano, melancolia, representação do


mundo através da antítese.

Barroco é desenvolvido de um encadeamento de antíteses ao Renascimento.

1580: Marca o início do Barroco.


1756: Marca o final do Barroco com a fundação da Arcada Lusitana.