Você está na página 1de 12

Renascença e Reforma

Protestante
Aluno : Anísio Renato de Andrade

Professor : João Silva

Período : Sétimo - Curso : Bacharel em Teologia Ministerial

Data : 26 de maio de 1997 - Local : Belo Horizonte - MG

INTRODUÇÃO

A SITUAÇÃO NA EUROPA NO SÉCULO XIV

A partir do século XIV é que podemos perceber a desagregação do mundo medieval. Essa
progressiva desagregação é demonstrada nos diferentes níveis da realidade social.

No plano econômico, assistimos à derrocada da economia feudal e ao renascimento do


comércio, que culminará com as grandes navegações do século XVI.

No plano social, temos o desenvolvimento de uma camada de mercadores e o progressivo


declínio da nobreza feudal.

No plano político, ocorre progressivamente uma centralização do poder nas mãos dos reis.
As soberanias feudais locais vão desaparecendo. O rei, aliado aos mercadores, vai
sujeitando à sua autoridade o poder da nobreza feudal e da igreja.

No plano religioso, assistimos ao declínio da igreja, com o surgimento de uma série de


movimentos que irão culminar com a Reforma Protestante.

No plano cultural, temos o Renascimento cultural ou Renascença.

Todas essas transformações que ocorrem na Europa Ocidental, a partir do século XIV, estão
intrinsecamente ligadas entre si e atuando umas sobre as outras.
O RENASCIMENTO, OU RENASCENÇA

Até os fins da Baixa Idade Média, a igreja monopolizava a educação e a cultura na Europa
Ocidental.

A cultura era teocêntrica, isto é, o pensamento e as artes ocupavam-se somente com o


estudo de Deus e da vida sobrenatural.

Com o surgimento de novas condições de vida em sociedade, uma nova cultura começou a
aparecer. Essa nova cultura tinha um caráter humanista (valorização do homem e suas
obras), leigo e antropocêntrico (colocação do homem como centro do universo).

É ao surgimento e desenvolvimento dessa cultura leiga, humanista e antropocêntrica que


atribuímos o nome de Renascimento Cultural.

AS CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO CULTURAL

O Renascimento Cultural ou Renascença, como já vimos, foi o surgimento de uma cultura


antropocêntrica em oposição ao teocentrismo medieval. Outra característica da Renascença
foi o individualismo em oposição ao coletivismo da Idade Média. Cada renascentista
julgava-se o elemento mais importante do mundo. Isso pode ser facilmente explicado:
enquanto na Idade Média o homem só se via fazendo parte de um todo ( o cristão só se
entendia como parte da igreja, o servo como elemento de um feudo, o artesão como
elemento de uma corporação), na época renascentista, com o estabelecimento da sociedade
competitiva, cada indivíduo procurava se sobrepor aos demais, buscando a satisfação de
seus impulsos e desejos.

No Renascimento, notamos também uma forte inclinação para o Naturalismo. O homem


renascentista valorizava a natureza, fundamentalmente a natureza humana.

No plano do conhecimento, as características fundamentais do Renascimento Cultural


foram:

- O racionalismo - todo conhecimento tem que ser demonstrado pela razão humana.

- O experimentalismo - o conhecimento deve ser demonstrado através de experiências.


FATORES QUE LEVARAM AO RENASCIMENTO

O Renascimento Cultural foi um produto das transformações ocorridas na Europa Ocidental


a partir da Baixa Idade Média. Essas transformações foram:

- O Renascimento Comercial, ou seja, a generalização do comércio pela Europa Ocidental.

- O Renascimento Urbano, que implicou um crescimento e surgimento de novas funções


para as cidades. A cultura renascentista foi uma cultura eminentemente urbana.

- O surgimento e ascensão de uma camada de mercadores. Os ideais elaborados pelo


Renascimento correspondiam, de um modo geral , aos interesses desse grupo. Foram os
mercadores os principais elaboradores e financiadores da cultura renascentista.

- A centralização do poder nas mãos dos reis. Na medida em que foram centralizando o
poder em suas mãos, os reis foram submetendo a igreja a sua autoridade. Esta submissão
possibilitou a ascensão dos mercadores e o surgimento de uma cultura renascentista.

- O declínio da igreja que monopolizava a cultura medieval. Com o declínio da igreja,


foram surgindo novos centros de saber na Europa Ocidental - as Universidades - que se
desenvolveram a partir do século XI, financiadas pelos mercadores. Retoma-se o estudo de
toda a cultura clássica e especificamente do direito comercial romano.

- O desaparecimento dos ideais de vida da Idade Média, que possibilitou o surgimento de


um novo homem - o humanista. Entre esses ideais, que desapareceram, podemos citar : a
cavalaria - que, além de arma de guerra era o código de honra da nobreza feudal, passou,
com o renascimento, a ser tratada com desprezo e até mesmo a ser ridicularizada; a
escolástica - que buscava a conciliação da fé com a razão, passou a ser desdenhada.

Como vimos, o Renascimento Cultural é um produto das transformações européias no


alvorecer da Idade Moderna.

É preciso lembrar, no entanto, que a Europa não é um todo monolítico. Enquanto na Itália e
Países Baixos já temos no século XIV um significativo desenvolvimento da produção
capitalista e o domínio político de uma burguesia nascente, em outros países europeus
temos, ao contrário, o fortalecimento das relações feudais, e, conseqüentemente, da nobreza
feudal.
Portanto, o Renascimento Cultural terá certas variações nacionais e seu engendramento
dever-se-á a condições histórica específicas de cada país.

A REFORMA PROTESTANTE

A Situação da Europa na Época da Reforma Protestante

Durante todo o per[iodo feudal, o predomínio cultural pertenceu à Igreja católica, que
monopolizava a educação e a cultura. A igreja era a única instituição centralizada de toda a
Europa feudal e sua força era superior à dos reis.

O homem medieval era profundamente religioso.

A Igreja pregava o amor ao próximo e a humildade. Contudo, havia uma grande


contradição entre o que ela pregava e o que praticava.

Nos séculos XIV e XV, a degeneração da igreja atingiu um grau monstruoso. O alto clero
vivia num ambiente de luxo. Moitas pessoas se convenciam então de que a igreja se
afastara da doutrina original de Cristo, sendo necessário fazê-la retornar ao ponto de
partida.

Com o surgimento da Universidades, muitos eruditos, passaram a ler a Bíblia


independentemente das interpretações da igreja, difundindo a doutrina original de Cristo.

Esse eruditos, tal como Erasmo de Rotterdam, propunham uma reforma no interior da
própria igreja.

Também os camponeses e artesãos medievais, explorados pelos senhores leigos e


eclesiásticos, moviam contra a igreja violentas lutas armadas. Essas lutas contra os abusos
do poder da igreja assumiam um caráter de heresia.

O primeiro grande movimento dessa natureza foi o movimento husita (devido ao seu líder
John Hus), que irrompeu na segunda década do século XV no reino de Boêmia. A igreja
viu-se obrigada a fazer sérias concessões aos rebeldes ante a derrota das tropas dos
cruzados e mercenários por ela contratados. A igreja, pela primeira vez em sua história, teve
que tratar publicamente com os hereges, aceitando suas petições.

Outro movimento popular herético foi o movimento liderado por Wycliffe na Inglaterra. Os
camponeses queriam a abolição da servidão e da cobrança dos dízimos pela igreja. Wycliffe
pregou até o confisco dos bens dos mosteiros, tendo sido apoiado nessa reivindicação pela
nobreza inglesa, interessada nas terras da igreja. As suas propostas teológicas eram
revolucionárias, marcadas por um caráter anti-clerical, antifeudal e democrático. Para
Wycliffe, qualquer homem estava tão próximo de Deus quanto os padres, tendo, portanto, o
direito íntimo de juízo em matéria de religião. Os sacramentos tinham pouca importância
em comparação com a pregação e estudo da Bíblia. O homem era mais importante sendo
ativo no mundo do que trancado num mosteiro.

Erasmo, ao nível da crítica intelectual, e John Hus e Wycliffe, ao nível dos movimentos
populares, podem ser considerados os precursores da Reforma.

OS FATORES QUE GERARAM A REFORMA PROTESTANTE

- A expansão marítima e comercial que fortaleceu a burguesia européia, interessada na


reforma religiosa. Tal interesse se devia tanto à moral econômica católica do "preço justo",
elaborada por Tomás de Aquino, que constituía um obstáculo ao desenvolvimento do
comércio, como também ao alto custo do clero para a burguesia nascente.

- A formação das monarquias nacionais: com o surgimento dos Estados centralizados, o


poder real e a igreja entraram em conflito na medida em que esta última constituía um
empecilho ao fortalecimento do poder real. Por outro lado, os dízimos, a venda das
indulgências e de relíquias sagradas retiravam dos Estados Nacionais uma boa parte da
renda que era transferida para o papado na Itália.

- O Renascimento Cultural. Na medida em que desenvolveu uma cultura antropocêntrica,


um espírito de crítica, o individualismo levou ao declínio da escolástica e contribuiu para a
Reforma Protestante.

- O declínio da igreja: a venda de indulgências e de cargos religiosos tornou a igreja alvo de


crítica da maior parte de seus fiéis.

Em cada país acrescentou-se a atuação de fatores específicos no surgimento da Reforma


Protestante.

A SITUAÇÃO DA ALEMANHA NA ÉPOCA DA REFORMA

Na Alemanha, o poder real era fraco. O chamado Santo Império Romano Germânico era
formado por uma multiplicidade de principados, nos quais o poder político era exercido
pela grande nobreza. A dinastia dos Habsburgos (imperadores do Sacro Império),
necessitava do apoio do Papa para manter sua frágil hegemonia sobre os principados. Uma
grande quantidade de terras do Sacro Império pertencia às instituições eclesiásticas. O
maior comércio de indulgências era o da Alemanha.

Era nessa região que a igreja obtinha as suas maiores rendas. Apesar das contradições entre
as várias classes sociais, todas elas tinham um inimigo comum - a igreja.

A nobreza feudal tinha interesse em apoderar-se das terras da igreja; a grande burguesia
queria um clero menos custoso e ao mesmo tempo desejava impedir a fuga de capitais para
Roma; os camponeses e os artesãos viam na igreja o seu grande explorador, com a cobrança
dos dízimos, das rendas feudais, etc.

FATORES QUE MOTIVARAM A REFORMA NA ALEMANHA

Um fator primordial foi o ódio voltado por todas as classes sociais à Igreja Católica.

Outro fator foi o desenvolvimento do humanismo na Alemanha, com o aparecimento das


Universidades. Esses humanistas satirizavam a vida dissoluta do clero, a moral religiosa
medieval e as instituições eclesiásticas.

Entretanto, o fator imediato responsável pela deflagração da Reforma na Alemanha foi a


venda de indulgências. O para Leão X, necessitando de dinheiro para a construção da
Basílica de São Pedro, encarregou o monge Tetzel de vender as indulgências na Alemanha.
Este levou ao máximo tal comércio. Lutero, um monge agostiniano, afixou na igreja de
Wittenberg, onde era pregador, as 95 teses, combatendo a venda de indulgências. Em
virtude dessa atitude, Lutero foi ameaçado de excomunhão pelo papa Leão X, caso não
voltasse atrás. Lutero recusou-se a uma retratação, sendo excomungado e convocado a
comparecer frente à Dieta Imperial, que iria se reunir em Worms, para ser julgado. Nessa
Assembléia, pelo fato de muitos príncipes eleitores serem também hostis à Igreja, nada foi
feito contra o monge. Entretanto, o imperador Carlos V fez passar um édito, declarando
Lutero fora da lei. Todavia, passado o perigo da perseguição pelos soldados do rei, Lutero
reiniciou a sua luta e o édito nunca foi posto em execução. A partir daí, a reforma proposta
por ele expandiu-se pela Alemanha.

PRINCÍPIOS E CARACTERÍSTICAS

DA REFORMA LUTERANA

A religião luterana tinha um caráter nacional na medida em que rompeu com o papado e
colocou os pastores dessa igreja sob a direção dos príncipes alemães. A igreja luterana
simplificou os rituais religiosos, tendo excluído todos os sacramentos da igreja católica,
exceto dois - o batismo e a eucaristia - segundo Lutero, instituídos pelo próprio Cristo. A
confissão passava a ser feita diretamente com Deus. Todo homem era considerado capaz de
interpretar livremente a Bíblia. A reforma luterana foi uma reforma moderada que
favoreceu a nobreza feudal e a grande burguesia.

A nobreza feudal foi favorecida tanto pelo fato de que os pastores dessa igreja ficavam sob
a direção dos príncipes, como também pelo fato dela haver se apoderado das terras da
igreja.

A grande burguesia foi favorecida, na medida em que se viu liberada das grandes
obrigações financeira para com a igreja católica, permanecendo tais rendas na Alemanha.

A JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ
O princípio básico da religião luterana é o da justificação pela fé. Através desse princípio,
Lutero dava maior valor à fé do que às boas obras praticadas pelos fiéis como meio de
ganhar a salvação. O fiel, para ganhar o paraíso, não deveria jejuar e sim submeter-se
totalmente à vontade de Deus.

AS CONSEQÜÊNCIAS DA REFORMA LUTERANA

- A Revolta dos Cavaleiros (1522-1523) : Os cavaleiros pertenciam à pequena nobreza que


estava sendo empobrecida com a concentração da terra nas mão dos grandes príncipes
leigos e eclesiásticos. Imbuídos da doutrina luterana, que pregava uma igreja nacional e a
subordinação do poder espiritual ao temporal, os cavaleiros levantaram-se contra os
príncipes católicos. Essa revolta liderada por Ulrich Von Wutten e Francis Von Sickingen
foi rapidamente dominada pela grande nobreza.

- A Guerra Camponesa de 1523-1525 ( a Revolta Camponesa de Thomas Münzer): entre os


seguidores de Lutero, os mais radicais eram os anabatistas. Em matéria de religião, eram
extremamente individualistas, rejeitando qualquer sacerdócio e acreditando que Deus
continuava a se comunicar diretamente com os eleitos. Do ponto de vista social, a seita
anabatista era composta por camponeses empobrecidos, por aprendizes de tecelão, ou seja,
pelas camadas mais baixas da sociedade alemã. Seu principal líder era Thomas Münzer, que
pregava o desaparecimento da propriedade privada. Os camponeses e os aprendizes das
cidades revoltaram-se contra o domínio da grande e pequena nobreza, dos sacerdotes e dos
cidadãos ricos das cidades.

Os camponeses revoltosos queriam que lhes fossem devolvidas as terras comunais,


usurpadas pelos senhores e a diminuição do tributo em espécie e em trabalho. Na Alemanha
Central, o movimento tornou-se tipicamente revolucionário, com os camponeses exigindo a
abolição da servidão e a posse comunitária da terra. Em toda a Alemanha eram queimados
os conventos e os castelos da nobreza feudal. Em algumas regiões, as cidades auxiliaram o
movimento camponês.

A falta de união e organização nas forças camponesas facilitou o seu esmagamento pela
grande nobreza, aliada aos cavaleiros, aos burgueses, à igreja luterana e à igreja católica. O
próprio Lutero incentivou o esmagamento dos camponeses. Mais de 100 mil foram mortos
e Münzer foi decapitado.

A Paz Religiosa em Augsburgo: as terras clericais passaram para a mão da grande nobreza.
Mesmo alguns bispos abandonaram a igreja católica e se tornaram senhores dos principados
eclesiásticos.
A igreja católica, vendo-se enfraquecida, permitiu que alguns príncipes católicos ficassem
com as suas terras. Mas, no período compreendido entre 1530-1540, houve um aumento do
número de príncipes protestantes.

Carlos V, imperador do Santo Império, era católico. Temendo perder a coroa para algum
príncipe protestante, pois o imperador era eleito pelos príncipes, Carlos V voltou-se contra
os príncipes protestantes. Os principados, vendo na ação do imperador uma tentativa de
fortalecimento do seu poder, agitaram-se. Alguns príncipes católicos se aliaram aos
príncipes protestantes, que também recebiam ajuda dos reis de França, e derrotaram Carlos
V. Assumiu o poder Fernando I que, em 1555, assinou a paz religiosa de Augsburgo, onde
ficou estabelecido que a religião do príncipe seria a religião do principado (cujus regio ejus
religio). Assim sendo, o norte da Alemanha tornou-se protestante e o sul, católico.

A Reforma Luterana, pelo fato de favorecer a nobreza feudal, expandiu-se pelos países
dominados por essa nobreza, tais como Suécia, Dinamarca e Noruega.

A Reforma Protestante foi um movimento predominantemente de transformação religiosa,


iniciado fora da própria igreja e em oposição a ela.

Seria um erro considerar a Reforma como puramente um movimento religioso, pois este
movimento teve implicações econômicas, políticas e sociais na medida em que refletiu as
lutas de classe entre nobreza, burguesia, artesãos e camponeses do início da Idade Moderna.

Na Suíça, os responsáveis pela Reforma foram Ulrich Zwinglio e João Calvino.

BIBLIOGRAFIA HISTÓRIA GERAL - Antônio Pedro e Florival Cáceres - Ed.Moderna.

ESBOÇO DE ESTUDO SOBRE REFORMA PROTESTANTE


FATOS PRECEDENTES
HISTÓRIA DA IGREJA ATÉ A IDADE MÉDIA (476 a 1453)
Transformação da igreja apostólica em Igreja Romana. Primeiro fora da bíblia.
Depois contra a bíblia. As heresias da ICAR:
304 - Papa
310 – reza pelos mortos.
320 – uso de velas.
381 – nome “católica”.
394 – missa.
416 – batismo de crianças.
431 – culto a Maria.
503 – purgatório.
787 – culto às imagens.
830 – ramos e água benta.
933 – canonização de “santos”.
1184 – inquisição. (A igreja antes perseguida torna-se perseguidora).
1190 – indulgências.
1200 – hóstia.
1215 – transubstanciação.
1216 – confissão auricular.
1476 – missas pagas.
???? - celibato, terço, rezas

Após a idade média:


1854 – Imaculada conceição.
1870 – Infalibilidade papal.
1950 – Assunção de Maria.

QUADRO MUNDIAL NA IDADE MÉDIA


Igreja + estado
Idade das trevas. Responsável: igreja.
A corrupção moral da ICAR: (devido ao celibato), escândalos sexuais, bebedeiras.
Controle da educação. Exclusividade da interpretação da bíblia. Uso do latim para
conservar o povo na ignorância.
Comércio da icar – simonia – relíquias sagradas (panos, espinhos) - 1190 – indulgências -
resultado – a icar possuía terras em toda parte. Pregava a simplicidade e vivia no luxo às
custas do povo.
Centralização conceitual e prático na Idade Média – terra x universo – Europa x mundo –
icar x humanidade
Grupos insatisfeitos eram perseguidos e dizimados – petrobusianos, albigenses, valdenses,
anabatistas, etc.
PERÍODO DE REVOLUÇÕES – Início séc. 14
Motivo primordial, historicamente falando – econômico.
Cresce comércio, surge a burguesia, torna-se classe poderosa, ameaça a nobreza, crescem
os reis.
A igreja é vista como exploradora, manipuladora.
Queda das centralizações. A burguesia busca novos mercados. Grandes navegações,
grandes descobrimentos, grandes idéias - renascimento – busca da literatura antiga da era
pré-icar, inclusive a bíblia. Universidades e Erasmo de Roterdã.
Para alcançar novos mercados, a burguesia precisava conhecer mais o mundo. Isso estimula
o conhecimento científico (Leonardo da Vinci, Nicolau Copérnico, Kepler).
1456 – Gutemberg imprime a bíblia.

A REFORMA PROTESTANTE
Motivo imediato – indulgências (p/ basílica).
Diversos grupos viram nela a solução de seus problemas. Interesses políticos, econômicos e
sociais.
SEUS PRECURSORES
John Huss – Boêmia (1420).
Wycliffe – Inglaterra. Suas idéias: Todo homem está perto de Deus. Pregação e estudo da
bíblia é mais importante que sacramentos. Contra mosteiros e propriedades eclesiásticas.

SUAS FRENTES:
Martinho Lutero – Alemanha
Ulrick Zuinglio - Suiça
John Calvino e John Knox – Suiça (depois Ing)– predestinação – os burgueses eram vistos
como os eleitos –
Organização republicana para a igreja. Consistório (presbitério) – hereges eram queimados

calvinistas – presbiterianos – puritanos.
Henrique VIII – Reforma doméstica (divórcio) – Igreja anglicana - daí vieram os puritanos,
batistas e metodistas muito tempo depois. (Aviv.séc.XVIII).

MARTINHO LUTERO – Alemanha - 95 teses em Wittenberg –


ameaçado, protegido, excomungado – igreja luterana - luteranos anabatistas -
ITENS - justificação pela fé (rm)
Rompeu com o papado.
Eliminou sacramentos (-2)
Confissão direta a Deus.
Interpretação individual da bíblia

ORIGEM DO NOME “PROTESTANTE” – 1529 – Papa Clemente VII tentou proibir a


pregação do evangelho em alguns estados da Alemanha – Os cristãos não católicos
promoveram um protesto público contra o papa.

CONTRA REFORMA (iniciativa católica)


1546 – Inclusão dos livros apócrifos na “bíblia católica”.
Missões jesuítas.
Organização e moralização da ICAR.

ANALOGIA – Judaísmo x cristianismo - catolicismo x protestantismo – Deus não tem


compromisso com um nome ou uma empresa registrada em cartório. Um tabernáculo sem
arca. Uma empresa x “2 ou 3 reunidos em meu nome”.

DENOMINAÇÕES – (divisões por motivos doutrinários e outros. Os avivamentos


normalmente trazem divisão).
Históricas
Batista
Luterana
Presbiteriana
Metodista (daí veio a Igreja do Nazareno)

Pentecostais (início século XX)


Assembléia
Cristã do Brasil
Deus é Amor
Brasil Para Cristo
Quadrangular

Renovados (início no final dos anos 50)


Batista, presbiteriana, metodista congregacional,

Outros
Adventistas, testemunhas de Jeová, universal, inúmeras outras.

anisiora@mg.trt.gov.br

Você também pode gostar