Você está na página 1de 4

GLOSSÁRIO

Antecipação de Tutela: A tutela antecipada consiste na antecipação dos efeitos da


sentença condenatória. É uma técnica processual usada para quando há algum
requerimento da parte que não pode esperar a execução de sentença, pois deve a justiça
proporcionar ao titular do direito lesado a possibilidade de cumprimento com urgência de
determinada decisão judicial.
Autarquia: O conceito da autarquia é previsto no artigo 5º, I, do Decreto-Lei n. 200:
“serviço autônomo, criado por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e receita
próprios, para executar atividades típicas da Administração pública, que requeiram, para
seu melhor funcionamento, gestão administrativa e financeira descentralizada”.
Decisão Liminar: Uma liminar é apenas uma decisão temporária, válida somente
enquanto não se estabeleceu uma decisão permanente, que é proferida na sentença de
um processo. De forma geral, uma liminar é concedida quanto surgem dois casos: fumus
boni iuris, ou fumaça do bom direito, e periculum in mora, ou perigo na demora. Isso
significa que quem pede a liminar, aparentemente, tem direito ao que está pleiteando, ou
que, caso não concedida a liminar, podem ocorrer danos.
Direitos Coletivos: Refere-se aos direitos de natureza indivisível de que seja titular grupo,
categoria ou classe de pessoas ligadas entre si por uma relação jurídica. Os titulares do
direito, embora tratados coletivamente, são determináveis ou passíveis de identificação,
pois possuem vínculo jurídico. Como exemplo, há os direitos de determinadas categorias
sindicais que podem, inclusive, agir por meio de seus sindicatos.
Direitos Difusos: Direitos difusos são aqueles que não conseguimos identificar e
quantificar exatamente os beneficiários, mas que sabemos, com certeza, que eles existem.
Direitos Fundamentais: Podemos definir os Direitos Fundamentais como aqueles
direitos que proporcionam o necessário para uma existência digna e justa. O objetivo
principal dos direitos fundamentais é de limitar o poder estatal ante a sociedade, evitando
que o Estado venha a exercer o poder de forma excessiva e desumana. Estes direitos
buscam a prevalência da liberdade individual. Entre alguns dos direitos fundamentais da
Constituição Brasileira está: à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança, à educação, à
saúde, à moradia, ao trabalho, ao lazer, à assistência aos desamparados, ao transporte,
ao voto, entre outras.
Direitos Individuais: Os direitos individuais são aqueles que reconhecem a autonomia
aos particulares, garantindo a iniciativa e independência aos indivíduos diante dos demais
membros da sociedade política e do próprio Estado.
Eficácia das Normas: A efetividade, ou eficácia social da norma, diz respeito ao
cumprimento do direito por parte de uma sociedade, ao reconhecimento do direito pela
comunidade ou, mais particularizadamente, aos efeitos que uma regra suscita através do
seu cumprimento.
Empresa Pública: Empresa pública é Pessoa Jurídica de Direito Privado, constituída por
capital exclusivamente público, aliás, sua denominação decorre justamente da origem de
seu capital, isto é, público, e poderá ser constituída em qualquer uma das modalidades
empresariais.
Norma Jurídica: Podemos definir norma jurídica como um conjunto de normas que
compõem o ordenamento jurídico, é responsável por regular a conduta do indivíduo, uma
regra de conduta imposta, é a proposição normativa inserida em uma fórmula jurídica (lei,
regulamento), garantida pelo Poder Público (Direito Interno) ou pelas organizações
internacionais (Direito Internacional). Compõe-se, em sua maioria, de preceito e sanção.
Sua principal função é coagir os sujeitos a se comportarem da forma por ela esperada.
Tem por objetivo principal a ordem e a paz social e internacional. Desempenha várias
funções, que não devem ser confundidas com as finalidades ideais da norma (justiça,
segurança, etc.).
Ordenamento Jurídico: É o conjunto de normas jurídicas. Uma norma que pertence ao
ordenamento é considerada válida e, portanto, pode ser qualificada de jurídica; uma
norma que não pertence ao ordenamento, por outro lado, é considerada inválida e não-
jurídica. Perguntar, sob o ponto de vista do direito, se uma norma é válida, corresponde,
portanto, a perguntar se ela pertence ao ordenamento jurídico.
Pessoa Física: É todo ser humano, que é sujeito de direitos e obrigações. Assim
determina o Art. 1º do Código Civil:
 Art. 1º Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil.
Ou seja, é necessário apenas “existir” para ser capaz de direitos e obrigações na ordem
civil. Em regra, todos tem capacidade para figurar em numa relação jurídica.
Pessoa Jurídica: É a unidade de pessoas naturais ou de patrimônio, que visa à
consecução de certos fins, reconhecida pela ordem jurídica como sujeito de direitos e
obrigações; são 3 os seus requisitos: organização de pessoas ou de bens; lícitude de
seus propósitos ou fins; capacidade jurídica reconhecida por norma.
Petição: A petição é o instrumento pelo qual o advogado transmitirá as pretensões de
seus clientes ao órgão competente para apreciação, narrando os fatos, os seus
fundamentos legais e também o pedido, ou seja, aquilo que se espera efetivamente.
Princípio Jurídico: São diretrizes gerais do ordenamento jurídico, que servem para
fundamentar e interpretar as demais normas. Os princípios têm origem nos aspectos
políticos, econômicos e sociais vivenciados na sociedade, assim como nas demais fontes
do ordenamento.
Regra Jurídica: Regras jurídicas são normas que obrigam, permitem ou proíbem algo,
sendo que sua aplicação depende da subsunção do fato ao que nela está descrito. Assim,
ou o fato corresponde à conduta descrita na regra e ela será aplicada e sua consequência
aceita, portanto válida, ou a regra não tem validade.
Remédios Constitucionais: São garantias instrumentais destinadas à proteção dos
direitos fundamentais previstos na Constituição Federal. Servem como instrumentos à
disposição das pessoas para reclamarem, em juízo, uma proteção a seus direitos, motivo
pelo qual são também conhecidos como ações constitucionais.
Sociedade de Economia Mista: Sociedade de Economia Mista é Pessoa Jurídica de
Direito Privado, constituída por capital público e privado, por isso ser denominada como
mista. A parte do capital público deve ser maior, pois a maioria das ações devem estar
sob o controle do Poder Público. Somente poderá ser constituída na forma de S/A.
Vigência: A vigência é a possibilidade, em tese, de ela produzir efeitos, limitando
comportamentos e sendo utilizada pelos tribunais. Como regra, uma vez que a norma
jurídica se torna válida ela passa a ter vigência (pode produzir efeitos). No caso das leis,
há uma exigência especial derivada da Lei Complementar n. 95/98, em seu artigo 8º: toda
lei deve indicar, de modo expresso, o início de sua vigência.
Vigor: É quando a norma jurídica pode obrigar as pessoas e as autoridades, impondo
comportamentos. Quando a norma válida se torna vigente, ela ganha vigor ou força para
obrigar. Todavia, em algumas situações, mesmo que a norma perca sua vigência e sua
validade, ela ainda pode continuar a ter vigor.
Validade: Significa, apenas, que a norma está integrada ao ordenamento jurídico, ou seja,
pertence ao conjunto das normas jurídicas. Essa integração deve ser formal (ou
condicional) e material (ou finalística).
Fontes:
https://psilva7.jusbrasil.com.br/artigos/112142373/tutela-antecipada
https://juridicocerto.com/p/andrearnaldopereira/artigos/quando-um-juiz-concede-
uma-liminar-3187
https://alencardemesquitaadv.jusbrasil.com.br/artigos/476581796/direito-civil-
pessoa-fisica-capacidade
https://www.centraljuridica.com/doutrina/57/direito_civil/pessoa_juridica.html
https://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/1042265/qual-o-conceito-e-a-finalidade-de-
empresa-publica-e-sociedade-de-economia-mista
http://direito.folha.uol.com.br/blog/direitos-difusos
http://www.tjdft.jus.br/acesso-rapido/informacoes/vocabulario-juridico/entendendo-
o-judiciario/direito-coletivo
https://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=18678
http://conhecimentosjuridicos.blogspot.com/2012/07/dos-direitos-e-deveres-
individuais-e.html
http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,remedios-constitucionais,51970.html
http://introducaoaodireito.info/wp/?p=494
http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,os-principios-e-as-regras-
juridicas,28490.html
https://vanessascarnavini.jusbrasil.com.br/artigos/145193902/normas-juridicas
https://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/147091/validade-vigencia-e-eficacia-das-normas
https://portalied.jusbrasil.com.br/artigos/262440228/o-que-sao-principios-regras-e-
valores
http://introducaoaodireito.info/wp/?p=464