Você está na página 1de 9

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

PRINCÍPIOS GERAIS

Artigo 1.º
(Definição)

1. O presente Regulamento define os princípios que devem ser conhecidos e


respeitados por todos os utilizadores da Biblioteca do Agrupamento de Escolas de
Castro Marim, doravante designada como BE/CRE (Biblioteca Escolar / Centro de
Recursos Educativos)

2. A BE/CRE constitui um importante centro de recursos educativos multimédia, um


centro de formação, de informação e de dinamização.

3. A BE/CRE está aberta a qualquer iniciativa de carácter cultural, desde que se


obtenha autorização prévia do Conselho Executivo.

Artigo 2.º
(Objectivos)

1- São objectivos fundamentais da BE/CRE de Castro Marim:

a) Desenvolver o gosto pelo livro e pela leitura;


b) Ser um centro de informação e formação válido, com capacidade de respostas
adequadas ao público-alvo;
c) Despertar o interesse pela escrita e por outras formas de expressão;
d) Facilitar o acesso à informação e cultura;
e) Desenvolver o espírito crítico e a imaginação dos alunos;
f) Organizar actividades que permitam ocupar e encorajar a participação dos seus
utentes, de forma proveitosa;
g) Divulgar informação proveniente de diferentes fontes de cultura.

Artigo 3.º
(Actividades)

1- Com vista à consecução dos objectivos definidos no artigo anterior, a BE/CRE de


Castro Marim desenvolverá diversas actividades, designadamente:

a) Divulgação e exposição de trabalhos realizados por alunos, professores,


auxiliares da acção educativa, ou pessoas do meio (ser “eco” dos acontecimentos
actuais);
b) Promoção e organização de actividades subordinadas a temas sugeridos e
dinamizados pela BE/CRE;
c) Divulgação de diversos concursos;
d) Realização da Feira do Livro;
e) Elaboração de dossiês temáticos;

1
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

Artigo 4º
(Horário de Funcionamento)

1 - O horário de funcionamento é decidido anualmente pelo Conselho Executivo em


colaboração com o coordenador da BE/CRE;

2 - O horário deve estar afixado na porta e placards de acesso à BE/CRE;

Artigo 5.º
(Direitos dos Utilizadores)

1- Todos os alunos, funcionários e professores do Agrupamento da Escola E. B. 2,3 de


Castro Marim têm o direito de:

a) Frequentar a Biblioteca e dispor dos seus recursos nas condições mais adequadas,
salvaguardando as normas e horários estabelecidos;
b) Participar nas actividades de animação;
c) Apresentar, por escrito e em documento próprio, críticas, sugestões, reclamações
e propostas;
d) Conhecer o regulamento de utilização da BE/CRE.

Artigo 6.º
(Normas Gerais)

1- Todos os alunos, funcionários e professores do Agrupamento de Escolas de Castro


Marim têm o direito de frequentar a biblioteca, desde que portadores do respectivo
cartão de utilizador.

2- A aquisição do cartão deverá ser feita mediante requisição apresentada ao


funcionário da BE/CRE. Quaisquer outras pessoas, que não as mencionadas no
ponto anterior e que pretendam frequentar a biblioteca, deverão obter uma prévia
autorização do Conselho Executivo.

3- Ao entrarem, os alunos devem deixar as mochilas/sacos no espaço destinado para o


efeito. Todos os utilizadores deverão registar a sua presença em documento próprio
na zona de acolhimento.

4- Para a utilização do espaço multimédia, espaço áudio e audiovisual, requisição de


documentos e utilização dos jogos didácticos, é obrigatória a entrega do cartão de
utilizador ao funcionário.

5- A entrada, permanência e saída da biblioteca devem fazer-se respeitando os outros


utilizadores, mantendo o necessário silêncio e disciplina exigidos neste espaço.

6- Não é permitido comer ou beber na BE/CRE.

7- O utilizador deverá contribuir para que o espaço da biblioteca fique limpo e


arrumado.

2
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

8- Os livros retirados das estantes para consulta na biblioteca não devem ser arrumados
pelos utentes, mas entregues na zona de acolhimento ao funcionário de serviço.
Dever-se-á verificar o mesmo procedimento no caso dos documentos devolvidos
provenientes de uma requisição.

9- Os utentes não podem mover as mesas e devem evitar arrastar as cadeiras.

10- Os materiais existentes nas diversas zonas devem permanecer nos seus lugares só
podendo ser consultados noutra zona mediante justificação do utente e respectiva
autorização do funcionário.

11- Os professores poderão requisitar a BE/CRE para leccionação ou para actividades


de acompanhamento aos alunos, mas nunca em regime de exclusividade uma vez
que este espaço está aberto a toda a comunidade escolar. Para qualquer destas
actividades é necessária a entrega ao coordenador da BE/CRE da respectiva
planificação, em documento próprio, com quarenta e oito horas de antecedência.

12- A utilização do espaço da BE/CRE implica a aceitação e o cumprimento do


presente regulamento.

13- A decisão acerca da interdição do espaço da BE/CRE a qualquer utilizador, docente


ou discente, por incumprimento deste regulamento, será tomada pelo Conselho
Executivo por proposta do coordenador da BE/CRE ou por acumulação de
ocorrências ou participações disciplinares, apresentadas pelos responsáveis da
BE/CRE. A duração desta interdição será de acordo com a gravidade do acto.

Artigo 7.º
(Competência dos responsáveis)

1- Entenda-se como responsáveis do espaço BE/CRE a equipa da BE/CRE, os


colaboradores e os funcionários da acção educativa que prestam serviço nesse espaço.

2 - Equipa da BE/CRE:

a) A equipa da BE/CRE é composta pelo coordenador e pelo máximo de três


professores.
b) O coordenador é designado pelo Conselho Executivo e as suas funções estão
determinadas no Despacho Interno Conjunto nº 3 - I / SEAE / SEE / 2002 de 15
de Março, com as alterações introduzidas pelo Despacho nº 17 387/2005 de 12
de Agosto.
c) Os restantes professores da equipa serão designados pelo Conselho Executivo
devendo tentar garantir o mais possível a continuidade dos seus elementos.
d) Estes professores serão prioritariamente:
. do quadro com nomeação definitiva, da própria escola e se possível designados
por períodos mínimos de dois anos visando viabilizar projectos sequenciais;
. os que apresentem preferencialmente formação especializada em comunicação
educacional e gestão da informação, cursos de especialização em ciências
documentais, cursos de formação contínua na área das BE/CRE e/ou experiência
na organização e gestão de bibliotecas e centros de recursos educativos.

3
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

e) A equipa da BE/CRE deve gerir, organizar e dinamizar a BE/CRE e


elaborar/executar o plano de actividades próprio, no quadro do projecto
educativo da escola, em articulação com os departamentos curriculares e com o
Órgão de Gestão.

4 - Colaboradores da BE/CRE:

a) Conjunto de professores que surge como um reforço do núcleo da equipa da


BE/CRE. Estes professores são designados pelo Órgão Executivo do
Agrupamento, de acordo com as necessidades específicas da biblioteca e da
escola.
b) Cabe aos colaboradores:
. o atendimento e o apoio regular e informal junto dos utilizadores;
. o apoio à organização do fundo documental;
. a recolha e a organização de artigos de interesse integrados em publicações
periódicas;
. organização da informação com vista à sua divulgação;
. a produção de materiais educativos;
. a colaboração com os núcleos/clubes que por ventura funcionem no contexto
da BE/CRE.

4 - Funcionários da BE/CRE:

a) Serão designados pelo Conselho Executivo, ouvido o coordenador da BE/CRE,


devendo sempre que possível haver uma continuidade dos elementos que
permita uma coerência na construção do trabalho específico deste espaço.
b) Os funcionários da BE/CRE deverão preferencialmente ter formação contínua na
área de bibliotecas escolares.
c) Cabe aos funcionários da acção educativa destacados para a BE/CRE:
. proceder à abertura e fecho da BE/CRE;
. controlar a utilização do espaço da BE/CRE;
. exercer as funções que lhes cabe nos espaços adequados;
. receber os utilizadores e encaminhá-los para os espaços pretendidos;
. zelar para que sejam feitas as requisições e as entregas devidas;
. zelar pela manutenção e bom funcionamento de todo o material;
. manter um ambiente calmo, propício ao trabalho e à convivência harmoniosa;
. fazer cumprir o regulamento interno da BE/CRE;
. limpar e manter limpo os espaços que lhes pertencem;
. executar outros serviços atribuídos pelo Chefe de Pessoal Auxiliar da Acção
Educativa ou pelo Conselho Executivo.

5 - Cabe aos responsáveis:

a) Manter o necessário silêncio e disciplina exigidos neste espaço, propiciando um


ambiente de estudo e de trabalho, bem como uma convivência harmoniosa.
b) Em situação de aula/actividades de acompanhamento dos alunos, cabe ao
professor responsável pela turma garantir o cumprimento deste regulamento.
Caso isso não se verifique, é da competência dos responsáveis da BE/CRE
advertir o professor da turma e comunicar a ocorrência ao Órgão Executivo que
agirá de acordo com a gravidade do sucedido.

4
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

c) Em situação de utilização individual ou em grupo da BE/CRE, excluindo a


situação descrita na alínea b), não se verificando o cumprimento deste
regulamento, deverão os responsáveis pela BE/CRE sancionar o(s) aluno(s)
fazendo-o(s) sair deste espaço e registando a ocorrência no documento de
participação disciplinar, que será encaminhado para o(s) Director(es) de Turma
respectivo(s).
Artigo 8.º
(Áreas Funcionais)

1- A BE/CRE de Castro Marim dispõe das seguintes áreas funcionais:

a) Zona de acolhimento;
b) Zona de leitura informal;
c) Zona de trabalho de grupo;
d) Zona de actividades de grupo;
e) Zona de trabalho individual;
f) Zona de exposições;
g) Espaço multimédia;
h) Espaço áudio/audiovisual.

Artigo 9.º
(Normas específicas das diferentes zonas)

1- Zona de acolhimento

a) Localizada junto à entrada onde os utentes deverão depositar as mochilas/sacos e


apresentar o seu cartão de utilizador, que ficará na posse do funcionário de
serviço, enquanto permanecerem na BE/CRE.
b) É uma área de organização técnica de uso exclusivo do funcionário de serviço na
BE/CRE.

2- Zona de leitura informal

a) Destina-se à leitura de publicações periódicas (jornais e revistas) e de banda


desenhada, sendo a sua consulta livre. O utente deverá retirar e voltar a colocar
no lugar os respectivos materiais.
b) Estas publicações poderão ser utilizadas fora do espaço da BE/CRE mediante
requisição, estando as condições de empréstimo regulamentadas pelo artigo 10º
do presente documento.

3- Zona de trabalho de grupo

a) Nesta zona as mesas encontram-se dispostas de forma a permitir a realização de


trabalhos de grupo e a consulta de documentação por mais do que uma pessoa.
b) Os documentos impressos constantes deste espaço estão arrumados de acordo
com a classificação decimal universal (CDU) cujo quadro resumo, afixado na
BE/CRE, deve ser consultado para uma mais fácil procura das áreas de interesse.
c) As condições de empréstimo da documentação e material que se encontram
nesta zona estão regulamentadas no artigo 10º do presente documento.

5
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

d) A reprodução dos documentos que se encontram na BE/CRE deve ser solicitada


à funcionária. O preço das fotocópias será o mesmo do praticado na reprografia
da escola.

4- Zona de actividades de grupo

a) Esta zona é composta por mesas redondas que permitem a realização de diversas
actividades de grupo e a prática de jogos didácticos.
b) Os jogos deverão ser solicitados ao funcionário pelo utilizador que se
responsabilizará pelo mesmo.
c) Os jogos utilizados não devem ser arrumados pelos utentes mas entregues na
zona de acolhimento ao funcionário.

5- Zona de trabalho individual

a) É uma zona dedicada ao estudo e ao trabalho de pesquisa individual, pelo que o


utente dispõe de mesas também individuais e de um ambiente propício à
concentração.
b) Neste espaço não deve trabalhar em cada mesa mais do que uma pessoa.
c) A consulta do material impresso processa-se da mesma forma que na zona de
trabalho de grupo e encontra-se regulamentado pelo artigo 6º (normas gerais).
d) As condições de empréstimo da documentação e material que se encontram
nesta zona estão regulamentadas no artigo 10º do presente documento.

6- Zona de exposições

a) É constituída por um espaço (placard), onde poderão ser expostos os trabalhos


produzidos pelos alunos em contexto lectivo e extra-lectivo.
b) A realização de exposições neste local é proposta pelos professores responsáveis
ao coordenador da BE/CRE. Será da responsabilidade deste último a decisão da
realização das exposições propostas bem como das suas datas e duração.
c) A divulgação das exposições será da competência do coordenador da BE/CRE
que a fará do modo que considerar mais adequado.
d) A montagem e desmontagem das exposições serão da competência dos
professores responsáveis.

7- Espaço multimédia

a) Este espaço dispõe de sete computadores, numerados, ligados em rede e com


acesso à Internet.
b) Os computadores estão expressamente destinados a alunos/professores
envolvidos prioritariamente em trabalhos de pesquisa ou trabalhos escolares.
c) Os canais IRC (Mirc, Chat, etc) só poderão ser utilizados sob a orientação de um
professor em contexto de actividade lectiva ou extra-lectiva.
d) A utilização dos computadores deverá ser feita mediante o preenchimento de um
documento próprio.
e) A pesquisa na Internet está limitada a sites de carácter pedagógico ou lúdico, ou
outros conforme indicação dos professores.
f) A utilização dos computadores deverá ser feita de forma cuidada e moderada.
6
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

g) As configurações de base do computador deverão ser mantidas.


h) Sempre que seja necessário imprimir algum documento o utilizador deve obter
autorização da funcionária da biblioteca.
i) Os documentos a imprimir não deverão exceder as cinco páginas a preto e
branco e uma página a cores. Quando tal se tornar necessário deverá ser
devidamente justificado. As impressões que excedam este limite deverão ser
pagas. O preço das impressões estará afixado nesta zona.
j) Todos os documentos deverão ser guardados em suporte amovível, não sendo
permitido a sua gravação no disco rígido.
k) É expressamente proibida a instalação de qualquer tipo de programas ou jogos
nos computadores, sob pena de interdição.
l) Só poderão estar dois utilizadores em cada computador, qualquer que seja a
circunstância.
m) A permanência nos computadores é de trinta minutos. Caso não haja outros
utilizadores em espera, o utente poderá continuar o seu trabalho até surgir outro
utilizador.
n) Todos os cd’s, disquetes e canetas de memória, a serem utilizados, deverão ser
previamente entregues ao funcionário da biblioteca, para que o mesmo os
verifique num programa anti-vírus.
o) Os computadores só deverão ser ligados e desligados pelo funcionário da
biblioteca.
p) Durante o tempo de utilização do material, o utilizador assume total
responsabilidade pelo mesmo e deve, sempre que surgir alguma situação
imprevista, solicitar o apoio do funcionário ou dos professores responsáveis. Em
caso algum deverá tentar resolver sozinho eventuais bloqueios ou desligar o
computador.
q) O utilizador será sancionado pelos danos que eventualmente cause, de acordo
com a gravidade do acto (desde a interdição de utilização até à reposição do
material danificado).
r) A equipa de coordenação da BE/CRE têm autoridade para interditar a utilização
do equipamento informático pelo período de quinze dias. Uma interdição de
maior duração só poderá ser determinada pelo Órgão Executivo, por proposta do
coordenador da BE/CRE.

8- Espaço áudio/audiovisual

a) Neste espaço o utilizador dispõe de dois televisores, um leitor de video, dois


leitores de DVD, dois Diskmans, cd’s de áudio, DVD’s e cassetes de vídeo.
b) A utilização dos equipamentos e do material áudio e audiovisual é efectuada
mediante preenchimento prévio de uma ficha destinada a esse fim.
c) O manuseamento dos aparelhos audiovisuais é da responsabilidade do
funcionário da BE/CRE.
d) Para a utilização do equipamento áudio e audiovisual, os utilizadores devem
colocar sempre os auscultadores. Estes serão dados pelo funcionário aquando da
requisição e deverão ser devolvidos no final.
e) O funcionário verificará os equipamentos no fim da sua utilização. O utilizador
que usufrua do material indevidamente será responsabilizado pelos danos
causados.
f) Durante o tempo de requisição do material, o utilizador assume total
responsabilidade pelo mesmo e deve, sempre que surgir alguma situação
imprevista, solicitar o apoio do funcionário ou dos professores responsáveis.
7
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

g) As condições de empréstimo de material áudio e audiovisual estão


regulamentadas no artigo 11º do presente documento.

Artigo 10.º
(Condições de empréstimo domiciliário do material impresso)

1- Para efeitos de empréstimo, os documentos impressos consideram-se divididos em


duas categorias:
a) As obras de leitura de presença, assinalados na lombada com um círculo
vermelho, constituídas por Enciclopédias Gerais e Específicas, Livros de
Referência, Histórias Gerais, Dicionários e outros classificados como tal pela
BE/CRE, cujo empréstimo domiciliário não está autorizado.
b) Os restantes livros, constituindo uma categoria única, que podem ser
requisitados tanto para leitura de presença como para leitura domiciliária.

2- As condições de empréstimo domiciliário de documentos impressos são as


seguintes:
a) Após receber um livro de empréstimo, o seu utilizador assume,
automaticamente, a sua responsabilidade por qualquer dano que este venha a
sofrer.
b) Considera-se dano de um documento: escrever, riscar, desenhar, sublinhar, sujar,
molhar, cortar dobrar ou rasgar folhas ou capas, retirar dos mesmos qualquer
carimbo ou etiqueta, bem como quaisquer outras marcas nos documentos
utilizados.
c) Compete à equipa da biblioteca deliberar se os danos causados a um
determinado documento são ou não passíveis de indemnização.
d) O utilizador pode requisitar até um máximo de três documentos.
e) O requisitante assume o compromisso de devolver o(s) documentos(s) no prazo
máximo de oito dias.
f) Quando o último dia do prazo de devolução coincidir com um dia não útil,
transitará para o dia útil imediatamente a seguir.
g) O utilizador pode requisitar obras para leitura domiciliária durante as férias do
primeiro e segundo períodos, tendo que devolver o material requisitado no 1º dia
do período seguinte.
h) Os livros requisitados durante o terceiro período deverão ser devolvidos até
quinze dias antes do terminus do mesmo.
i) O incumprimento das alíneas e), f), g) e h) implica imediatamente:
. a interdição de requisitar outros livros até à devolução do material requisitado.
. o pagamento de uma multa de 50 cêntimos por cada dia de atraso na devolução
de cada uma das obras requisitadas;
. que a biblioteca notifique, através dos meios de que dispõe, o utilizador, que
deverá apresentar a(s) obra(s) em causa, no prazo máximo de cinco dias;
. o pagamento do valor da obra não devolvida, ao preço actual do mercado
livreiro, no fim do período lectivo a que respeita a requisição.
j) A requisição de empréstimo pode ser renovada, desde que não haja outros
leitores inscritos a pretenderem a mesma obra.

Artigo 11.º
(Condições de empréstimo domiciliário do material áudio e audiovisual)
8
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO MARIM REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

1. Dos empréstimos do material áudio e audiovisual podem beneficiar exclusivamente


os docentes que poderão ter dela necessidade para a preparação de uma actividade
lectiva ou extra-lectiva.
2. As condições de empréstimo domiciliário de documentos áudio e audiovisual são as
seguintes:

a) O utilizador pode requisitar um máximo de dois documentos (cd’s áudio, vídeo,


dvd’s, cd-rom’s educativos).
b) O requisitante assume o compromisso de devolver o material requisitado num
prazo máximo de três dias.
c) Quando o último dia do prazo de devolução coincidir com dia não útil, transitará
para o dia útil imediatamente a seguir.
d) O incumprimento da alínea anterior implica o pagamento de uma multa de 50
cêntimos por cada dia de atraso na devolução dos documentos, bem como a
interdição de proceder a novas requisições para empréstimo domiciliário até à
devolução do material.
e) A requisição de empréstimo pode ser renovada desde que não haja outro
interessado no mesmo material. No entanto, deve ser feita sempre no último dia
do tempo limite a que se refere a primeira requisição.
f) Sempre que um documento for considerado, por um docente, impróprio para
determinada idade, embora a sua classificação dê outra indicação, deve ser
alertado o Coordenador da BE/CRE, mediante um registo/justificação em ficha
de sugestões que será entregue ao funcionário.
g) O utilizador será sancionado pelos danos que eventualmente cause, de acordo
com a gravidade do acto (desde a interdição a novas requisições domiciliárias
até à reposição do material danificado ou o pagamento do valor praticado no
mercado).

Artigo 12.º
(Disposições finais)

1. Será vedada, temporária ou definitivamente, a utilização dos serviços da BE/CRE


aos utilizadores que se recusarem a acatar o disposto neste regulamento.
2. O presente Regulamento deverá ser considerado como um documento aberto, sujeito
a alterações, sempre que elas digam respeito a uma adequação legal ou à
necessidade de clarificar situações e contextos.
3. Os casos omissos serão resolvidos pontualmente pelo Coordenador da BE/CRE em
consenso com o Conselho Executivo.
4. O presente Regulamento entra em vigor após a sua aprovação pelos órgãos
competentes.

Castro Marim, 4 de Dezembro de 2006


A Equipa da BE/CRE de Castro Marim

(Carla de Fátima Leiria Sabino Viegas)


9

Interesses relacionados