Você está na página 1de 5

Tubarão megalodon

Você já deve ter ouvido falar no megalogon, um tubarão pré-histórico gigante


que apavorava os mares com seus mais de 15 metros de comprimento e
mandíbulas repletas de “dentinhos” medindo entre 8 e 18 centímetros
aproximadamente. Essas criaturas monstruosas habitaram o nosso planeta há
cerca de 28 e 1,5 milhões de anos atrás e desapareceram durante o
Pleistoceno.

Contudo, não faltam pessoas que acreditam na possibilidade de que esses


animais ainda estejam por aí, escondidos em algum ponto remoto do fundo do
mar. Afinal, como você sabe, os oceanos são territórios bem pouco explorados
pelos seres humanos, e sabe-se muito pouco sobre as espécies que habitam
suas profundezas. Portanto, será que existe a possibilidade, mesmo que
remota, de que algum exemplar de megalodon tenha sobrevivido à extinção?

Tudo indica que...


De acordo com Justine Alford, do IFLScience!, por mais que de vez em quando
apareçam carcaças bizarras pelas praias ou vídeos mostrando supostas
criaturas sinistras, não há qualquer evidência direta que sugira que os
megalodontes ainda existem. Justine não nega que ao longo dos anos várias
testemunhas disseram ter avistado tubarões gigantes, e que inclusive existem
ilustrações e fotografias mostrando esses monstros marinhos.
Conforme explicou, até onde se sabe, todas essas “provas” revelaram não ser
reais. Na maioria dos casos, as ilustrações mostram impressões exageradas
das testemunhas, e inclusive existe uma foto polêmica da década de 40 (que
você pode conferir acima) que inclusive virou tema de um documentário —
totalmente fictício, com atores e tudo — criado pelo Discovery Channel.

Com respeito aos relatos de testemunhas, não se esqueça de que nem sempre
é fácil reconhecer carcaças em decomposição e, para quem não é especialista,
até a identificação de animais vivos pode ser complicada e provocar muita
confusão.

Talvez?

Latimeria chalumnae
Segundo Justine, a descoberta de dois animais marinhos reavivou a ideia de
que algum megalodon possa ter sobrevivido também. Um desses animais são
os celacantos do gênero Latimeria, que eram tidos como extintos desde o
período cretáceo — há cerca de 65 milhões de anos —, mas que foram
“redescobertos” no final da década de 30. Desde então, vários exemplares
foram vistos, embora esses peixes tipicamente vivam em grandes
profundidades.

A outra espécie descoberta foram os tubarões-boca-grande (Megachasma


pelagios) em 1976, que podem ultrapassar os 4 metros de comprimento e se
alimentam de plâncton. No entanto, apesar de esses dois animais terem
passado despercebidos por tanto tempo, ainda assim, continuamos sem ter
qualquer evidência de que os megalodontes tenham feito o mesmo.

Modelo de um tubarão-boca-grande (Megachasma pelagios)

Os fósseis sugerem que esses animais tinham preferência por águas mais
cálidas, que não estavam adaptados para viver em grandes profundidades e
que habitavam locais onde havia abundância de alimento. Além disso, os
megalodontes costumavam usar as áreas costeiras para cuidar das crias, e
uma das teorias sobre o que provocou sua extinção foi o fato de suas presas
naturais terem se deslocado para regiões mais profundas, restringindo a
disponibilidade de comida.
Finalizando a discussão

Os pesquisadores sabem que a grande maioria das espécies habita os


primeiros metros do oceano, até onde a luz solar consegue penetrar. Já os
animais que vivem em locais mais profundos precisam ser incrivelmente
especializados para sobreviver, e é muito raro encontrar uma espécie de
grande porte. Então, como é que um peixão do tamanho do megalodon
conseguiria sobreviver se alimentando basicamente de criaturinhas
pequeninas?
Justine também aponta que os tubarões trocam os dentes com frequência, e
todos os dentões de megalodon que já foram encontrados são fósseis. Além
disso, mesmo que esses animais tivessem se adaptado para sobreviver a
grandes profundidades, já teríamos encontrado algum tipo vestígio de sua
existência, seja na forma de carcaças — deles ou de animais devorados por
eles —, membros em decomposição ou de cicatrizes provocadas por ataques
frustrados, por exemplo.

E mais: apesar de os megalodontes serem — sem sombra de dúvidas —


animais extraordinários, você realmente gostaria de cruzar o caminho com um
desses gigantes enquanto dá um mergulho na praia?

Interesses relacionados