Você está na página 1de 7

Lei 6404, de 15 de novembro de 1976.

A Contabilidade é regida pela Lei 6.404/76 “Dispõe sobre as Sociedades por Ações”, pelos
Princípios Fundamentais da Contabilidade e pelas Normas Brasileiras de Contabilidade. Portanto,
há fundamentação legal.

Características
Art. 1º A companhia ou sociedade anônima terá o capital dividido em ações, e a
responsabilidade dos sócios ou acionistas será limitada ao preço de emissão das ações subscritas
ou adquiridas.
As ações são a menor unidade em que o capital social é dividido, todas as ações possuem o
mesmo valor nominal , é um título que é adiquirido e formado após a formação da companhia;
as ações subscritas são as formadoras do capital social pelo subscritor.

Objeto Social
Art. 2º Pode ser objeto da companhia qualquer empresa de fim lucrativo, não contrário à lei, à
ordem pública e aos bons costumes.
§ 3º A companhia pode ter por objeto participar de outras sociedades; ainda que não prevista no
estatuto, a participação é facultada como meio de realizar o objeto social, ou para beneficiar-se
de incentivos fiscais.

Denominação
Art. 3º A sociedade será designada por denominação acompanhada das expressões
"companhia" ou "sociedade anônima", expressas por extenso ou abreviadamente mas vedada a
utilização da primeira ao final.

As espécies da sociedade anônima:


Capital aberto: As sociedades de capital aberto emitem títulos e os vendem ou na bolsa ou no
mercado de balcão , ou seja, para ser assim considerada (capital aberto) a lei exige que esteja
admitida à negociação em bolsa ou em mercado de balcão, devidamente registrados pela
comissão de valores de mercado(cvm).
As de capital fechado: São as que não se enquadram nos requisitos das sociedades abertas. São
normalmente sociedades pequenas com pequeno número de acionistas, com patrimônio
interior ao estabelecimento pela cvm para as S/A de capital aberto.

Companhia Aberta e Fechada


Art. 4o Para os efeitos desta Lei, a companhia é aberta ou fechada conforme os valores
mobiliários de sua emissão estejam ou não admitidos à negociação no mercado de valores
mobiliários.

Mercado de valores mobiliários Primário são negociados apenas as ações em subscrição de uma
AS em constituição, e há a atuação apenas no mercado de balcão.
Os Secundário são negociados valores mobiliários de uma SA já constituída, com atuação, tanto
no mercado de balcão quanto das bolsas de valores.
Os valores mobiliários são títulos emitidos pelas sociedades anônimas para a captação de
recursos financeiros.

Número e valor nominal - Ações com e sem valor nominal


Art. 11. O estatuto fixará o número das ações em que se divide o capital social e estabelecerá se
as ações terão, ou não, valor nominal.
Art. 12. O número e o valor nominal das ações somente poderão ser alterados nos casos de
modificação do valor do capital social ou da sua expressão monetária, de desdobramento ou
grupamento de ações, ou de cancelamento de ações autorizado nesta Lei.
Art. 13. É vedada a emissão de ações por preço inferior ao seu valor nominal.
Art. 14. O preço de emissão das ações sem valor nominal será fixado, na constituição da
companhia, pelos fundadores, e no aumento de capital, pela assembléia-geral ou pelo conselho
de administração (artigos 166 e 170, § 2º).

Toda ação possui um valor nominal, as ações sem valor nominal são aquelas que o valor nominal
não constam no estatuto. Para descobrir o valor nominal desta, o capital social deve ser dividido
pelo numero de ações emitidas, por todas as ações possuem o mesmo valor.

Espécies e Classes
Art. 15. As ações, conforme a natureza dos direitos ou vantagens que confiram a seus titulares,
são ordinárias, preferenciais, ou de fruição.

Ações ordinárias e preferênciais


Art. 16. As ações ordinárias de companhia fechada poderão ser de classes diversas.
I - conversibilidade em ações preferenciais;
II - exigência de nacionalidade brasileira do acionista; ou
III - direito de voto em separado para o preenchimento de determinados cargos de órgãos
administrativos.
Art. 17. As preferências ou vantagens das ações preferenciais podem consistir:
I - em prioridade na distribuição de dividendo, fixo ou mínimo;
II - em prioridade no reembolso do capital, com prêmio ou sem ele; ou
III - na acumulação das preferências e vantagens de que tratam os incisos I e II.

Não há ações ordinárias sem direito de voto; as ações ordinárias fechadas podem emitir ações
de fruição de conversibilidade em ações preferenciais, exigência de nacionalidade brasileira do
acionista, direito de voto em separado para o preenchimento de determinados cargos de órgãos
administrativos.
A companhia aberta não pode emitir classes de ações ordinárias. As espécies de ações
preferenciais : prioridade na distribuição do dividendo, fixo ou mínimo, em prioridade no
reembolso do capital, e na acumulação das preferenciais e vantagens de que tratam as
anteriores.

Art. 175. O exercício social terá duração de 1 (um) ano e a data do término será fixada no
estatuto.
Ou seja, o exercício social inicia-se em 1 de janeiro e termina em 31 de dezembro do mesmo
ano, mas podem-se fixar quaisquer outros marcos desde que respeitado um ano civil (Ex: início
do exercício em 7 de junho de um ano e término em 7 de junho do ano seguinte).

Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a diretoria fará elaborar, com base na escrituração
mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com
clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício:
I - balanço patrimonial;
II - demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados;
III - demonstração do resultado do exercício;
IV - demonstração das origens e aplicações de recursos.
IV - demonstração dos fluxos de caixa; e (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007)
V - se companhia aberta, demonstração do valor adicionado.

Sempre ao final do exercício social, a diretoria terá que elaborar demonstrações financeiras
baseadas nas escriturações mercantis da companhia; demosntrações estas obrigadas a revelar
de foma clara e prescisa a situação do patrimônio da companhia e as mudanças que ocorreram
ao longo daquele exercício.

Art. 177. A escrituração da companhia será mantida em registros permanentes, com obediência
aos preceitos da legislação comercial e desta Lei e aos princípios de contabilidade geralmente
aceitos, devendo observar métodos ou critérios contábeis uniformes no tempo e registrar as
mutações patrimoniais segundo o regime de competência.
Todas as movimentações econômicas advindas da atividade exercida pelas sociedades devem ser
descritas e controladas através de escrituração específica a cada fim, o que normalmente é feito
pelos registros contábeis, aos quais são obrigatórios para empresários e sociedades empresárias.

Art. 182. A conta do capital social discriminará o montante subscrito e, por dedução, a parcela
ainda não realizada.

O que mudou com a Lei 6.404/76


Demonstrações Financeiras - Balanço Patrimonial, Demonstração dos Lucros ou Prejuízos
Acumulados, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração das Origens e Aplicações
de Recursos e Notas explicativas. Demonstrações consolidadas e comparativas.
Classificação quanto às contas do Balanço Patrimonial - Ativo: contas são dispostas conforme a
ordem decrescente de liquidez. Passivo: contas são dispostas pela ordem decrescente de
exigibilidade. Patrimônio Líquido: representa a diferença entre passivo e ativo.
Correção Monetária - Correção do permanente e do patrimônio líquido.
Escrituração - Separação de Contabilidade Comercial (ou a Contabilidade “contábil”) da Fiscal: a
escrituração deverá ser feita de acordo com a nova lei e os princípios de contabilidade
geralmente aceitos.
Critérios de avaliação dos ativos e de registro do passivo - A provisão para devedores
duvidosos contabilizada pelo valor necessário e suficiente para cobrir as perdas prováveis. As
depreciações buscam refletir o desgaste ou obsoletismo do imobilizado. Reavaliação tem como
objetivo aproximar as demonstrações da realidade. Equivalência patrimonial permite que as
companhias reconheçam os resultados de seus investimentos no momento em que tais
resultados são gerados.
Reservas de Lucros a Realizar - A finalidade é evidenciar os lucros ainda não realizados
financeiramente pela companhia e não distribuir dividendos obrigatórios.

Uma das mudanças significativas com a nova Lei das S/A foi a introdução de novas
demonstrações que se tornaram obrigatórias para publicação. A Lei nº 2.627/1940 obrigava a
publicação do Balanço Geral e da Demonstração de Lucros e Perdas.

Modelo da demonstração do resultado do exercício (DRE) a partir da lei 6.404/76

FATURAMENTO BRUTO (venda de produtos, quando empresa industrial)


(-) IPI
= RECEITA de VENDAS BRUTA

(-) Impostos e Contribuições Incidentes sobre Mercadorias e Serviços (ISS, ICMS, PIS/COFINS)
(-) Descontos INCONDICIONAIS Condedidos
(-) Devoluções de Vendas
(+) Reversão dos Impostos Sobre Devoluções de Vendas
(-) Abatimentos sobre Vendas (SEM REVERSÂO dos impostos sobre a parte abatida)
= RECEITA DE VENDAS LÍQUIDA

(-) Custo dos Produtos Vendidos (CPV, inclui frete/seguros sobre compras de insumos)
(-) Custo das Mercadorias Vendidas (CMV, inclui frete/seguros sobre compras de mercadorias)
(-) Custo dos Serviços Prestados (CSP)
= RESULTADO OPERACIONAL BRUTO

(-) Despesas Comerciais (inclui publicidade e propaganda, depreciação de veículos de


vendas/entregas, fretes/seguros sobre vendas, salários de vendedores, despesa de provisão para
devedores duvidosos et cetera)
(-) Despesas Gerais e Administrativas (inclui impostos e aluguéis sobre prédios administrativos,
depreciações em geral, salários de executivos, honorários de diretoria et cetera)
(-) Outras Despesas Operacionais
(+) Outras Receitas
(-) Despesas Financeiras
(+) Receitas Financeiras (inclui variações monetárias ATIVAS, descontos CONDICIONAIS OBTIDOS
etc)
(-) Outras DESPESAS (inclui custo de venda de ativo imobilizado etc)
(+) Outras RECEITAS (inclui receita de venda de ativo imobilizado etc)
(=) RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO
SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO

(-) Despesa com Provisão de Imposto de Renda


(-) Despesa com Provisão de Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido
(=) RESULTADO LÍQUIDO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES

OBS: BASE DE CÁLCULO DAS PARTICIPAÇÕES = RESULTADO LÍQUIDO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES -
PREJUÍZO ACUMULADO DE EXERCÍCIOS ANTERIORES.

(-) Debêntures (dedutível do Imposto de Renda)


(-) Empregados (dedutível do Imposto de Renda)
(-) Administradores
(-) Partes Beneficiárias
(-) Fundos de Assistência e Previdência para Empregados
(=) RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

Ainda com respeito às demonstrações contábeis, a lei 6.404/76 estabelece o modelo de como as
contas devem ser classificadas e posicionadas no Balanço Patrimonial, buscando maior clareza e
aproximação com a realidade da situação patrimonial da empresa, diferente do que se tinha
antes. No ativo as contas são dispostas conforme a ordem decrescente de liquidez e no passivo
pela ordem de decrescente de prioridade de pagamento, ou seja, cuja exigibilidade ocorre antes,
há, ainda, a separação do patrimônio líquido que representa a diferença entre passivo e ativo –
valor líquido da empresa.

Balanço Patrimonial
Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e
quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira da Entidade. No
balanço patrimonial, as contas deverão ser classificadas segundo os elementos do patrimônio
que registrem e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira
da empresa.
De acordo com o § 1º do artigo 176 da Lei 6.404/76, as demonstrações de cada exercício serão
publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício
anterior, para fins de comparação; após reformulação dada pela lei 11.638/07 juntamente com a
MP 449/08, a princípio introduziram um novo conceito globalizado para este demonstrativo.
Ocorre que atualmente (2008 em diante) neste demonstrativo deve ser evidenciado tanto para o
ativo quanto para o passivo a parcela que corresponde ao "circulante" da empresa e ao "não-
circulante.

·0 O balanço patrimonial é dividido por três grandes categorias:

- Ativos: Aqui é onde é registrado tudo que no que a empresa possui, como bens, produtos em
estoque, recursos aplicados, investimentos financeiros. Enfim, tudo que pode gerar benefícios
econômicos no futuro.
- Passivos: compreendem as dívidas e obrigações financeiras da empresa. Seja com terceiros
(prestadores de serviços, fornecedores etc.), governo ou mesmo com seus funcionários.
- Patrimônio Líquido: é a diferença entre os ativos e os passivos, ou seja, o capital que a
empresa possui em caixa. O ideal é que a empresa tenha ativos sempre maiores que os passivos,
bem como este montante cresça positivamente a cada mês, ou seja, acumulando e
incrementando o patrimônio da organização.

·1 Também podemos dividir o Ativo e o Passivo da seguinte forma:

- Ativo circulante: são os bens e recursos aplicados da empresa, que podem ser convertidos
facilmente em dinheiro em curto período de tempo.
- Ativo não circulante: são os recursos de permanência duradoura, como por exemplo, cotas
societárias.
- Realizável a longo prazo: similar ao ativo circulante, porem entra nessa categoria os recursos
que demoram mais um ano contábil para serem convertidos em dinheiro.
- Ativo fixo: são os bens necessários para a empresa realizar suas atividades, tais como
máquinas, edifícios, terrenos, etc.
- Passivo circulante: são as obrigações que a empresa tem que pagar durante o ano contábil, tais
como salários dos funcionários, fornecedores, impostos etc.
- Exigível a longo prazo: semelhante ao passivo circulante porem a empresa só vai pagar no ano
contábil seguinte.

Para validar se o seu Balanço Patrimonial está correto, uma dica é começar conferindo os totais.
O total dos Ativos em uma empresa sempre deve ser igual ao total dos Passivos.
O ordenamento contábil trazido a partir da promulgação da Lei n.º 11.638/2007 incorporou
diversas inovações à contabilidade brasileira com o intuito de produzir demonstrações contábeis
mais úteis aos investidores e aos demais usuários externos em seus processos de alocação de
recursos.