Você está na página 1de 7

MADEIRA EMIGRANTE

- Serviço de Notícias Regionais -

Dia da Região e das Comunidades comemorado um pouco por todo o Mundo Têm início já neste sábado as comemorações do Dia da Região e das Comunidades, que

se celebra a 1 de Julho, com diversas actividades marcadas um pouco por toda a ilha e em

muitos países de acolhimento das comunidades de emigrantes madeirenses. Este ano, a sessão solene comemorativa do Dia da Região terá lugar na freguesia da Ilha,

no Concelho de Santana, seguindo-se depois na Avenida do Mar e das Comunidades

Madeirenses, já no Funchal, uma deposição de flores no Monumento à Autonomia, onde

o hino da Região será interpretado pelo coro infantil do Gabinete Coordenador de

Educação Artística, acompanhado pela Banda Municipal do Funchal. No salão nobre do Governo, à Avenida Zarco, terá lugar a cerimónia de imposição das insígnias honoríficas madeirenses a personalidades com obra relevante na vida política, social, empresarial, laboral, no ensino e na cultura da Madeira. Por fim, já ao final da tarde, realizar-se-á na Sé Catedral do Funchal a missa Te-Deum, com a participação da Orquestra Clássica da Madeira e do Coro de Câmara. Especial, encerrando-se o programa comemorativo com um concerto da Orquestra Clássica da Madeira, acompanhada pelo Coro do Conservatório – Escola das Artes e de solistas convidados, no Parque de Santa Catarina. Este ano, os emigrantes residentes na Venezuela vão receber a visita de Alberto João Jardim e Brazão de Castro, enquanto que os madeirenses emigrados na África do Sul e no Brasil vão receber, respectivamente, os governantes Francisco Jardim Ramos e Ventura Garcês. Entretanto, a Secretaria dos Recursos Humanos, através do Centro das Comunidades

Madeirenses e da Direcção Regional de Junventude, voltam a promover o programa “Conhece as tuas origens”, que já vai na sua quinta edição e permite que as novas gerações das comunidades madeirenses visitem a terra dos seus ascendentes. Este ano, desloca-se à Madeira um grupo de 10 jovens provenientes da África do Sul, Austrália, Brasil, Canadá, EUA, França, Reino Unido, Namíbia e Venezuela.

Bienal Internacional de Arte distingue jornalista do JM e Madeira Emigrante Paula Abreu, jornalista do Jornal da Madeira e colaboradora deste serviço de notícias Madeira Emigrante, foi esta semana distinguida com o Certificado de Jornalismo da Bienal Internacional de Arte da Madeira — MIAB, que é parceira da Bienal Internacional

de Arte de Malta, pela cobertura jornalística que fez à primeira edição deste evento,

decorrida de em Setembro de 2005. Após ter analisado os diversos trabalhos jornalísticos produzidos sobre este evento, o júri

do MIAB deliberou prestar reconhecimento ao Jornal da Madeira.

Governo Regional disponibiliza-se para melhorar Código do Trabalho

O Governo Regional declarou esta semana total disponibilidade, dentro das suas

competências, para em conjunto com os parceiros sociais tentar encontrar melhores

soluções para aquilo que vier a ser estatuído em termos de Código do Trabalho.

O

secretário regional dos Recursos Humanos, que foi o porta-voz da reunião do Conselho

de

Governo, manifestou a preocupação do Governo “pelas consequências sociais que este

código pode provocar na população, nos reflexos políticos-sociais e na estabilidade que sempre se viveu na Região”, pelo que assim se disponibiliza para debater o assunto com

os parceiros sociais e a encontrar soluções para uma sua melhor aplicabilidade.

Por outro lado, o Conselho de Governo decidiu autorizar a empresa Investimentos Habitacionais da Madeira a abrir concurso público, pelo valor base de 3 milhões de euros,

para a 1.ª fase de reabilitação integral do Bairro Municipal de São Gonçalo, no Funchal, mediante a construção de 37 fogos de apartamentos, estacionamentos cobertos, jardins, espaços destinados a fins sócio-culturais, e com a construção mais 33 novas habitações

no mesmo local.

“O conjunto a edificar deverá substituir as habitações degradadas existentes, permitindo

realojar os actuais residentes num novo espaço urbano e habitacional de qualidade capaz de contribuir para a sustentabilidade social, urbana e paisagística na freguesia de São Gonçalo”, salientou Brazão de Castro.

Ponta do Sol apresenta

novas obras para o Concelho

O presidente da Câmara Municipal da Ponta do Sol, Rui Marques, anunciou esta semana

a construção de uma nova ligação rodoviária entre a Freguesia dos Canhas e o centro da localidade.

Segundo Rui Marques, apesar de não estar prevista no programa do Governo, a obra vai arrancar já no próximo ano e representará um investimento de 45 milhões de euros.

O anuncio foi feito após uma visita do grupo parlamentar do PSD ao Concelho da Ponta

do Sol, onde o líder da bancada “laranja” na Assembleia Legislativa, Jaime Ramos, elogiou o trabalho que a equipa de Rui Marques tem vindo a desenvolver, sobretudo no âmbito social, onde, por exemplo, já atribui bolsas de estudo a mais de uma centena de estudantes universitários do concelho. Em jeito de balanço, o autarca lembrou outras obras que já estão em execução, como a expansão da vila da Ponta do Sol para norte, o Centro Psicopedagógico, na antiga Escola das Terças, e a escola básica do 1.º Ciclo no Carvalhal e Carreira.

“Governo da República faz tudo

para piorar a vida dos madeirenses”

O presidente do Governo Regional, que nos últimos dias esteve no Porto Santo, onde

gozou um curto período de férias, declarou ser tempo é tempo de exigir e negociar com o Governo da República medidas que resolvam eficazmente o problema das ligações aéreas

com a Madeira e, também, com o Porto Santo. Em declarações ao Jornal da Madeira, Alberto João Jardim, disse que o Porto Santo já fez

o mais difícil que foi “sair do zero e conseguir integrar o mapa turístico europeu, pelo que agora “ uma questão de se acertar nos transportes”. Com a TAP a anunciar a possibilidade de reduzir a frequência de voos para a “ilha Dourada” no período de Inverno, o que levou o presidente da câmara Roberto Silva a pedir a Jardim que interceda na resolução do problema, o Chefe do Executivo madeirense responde em jeito de aviso que “interceder era no tempo do Estado Novo. Agora, trata-se

de exigir e de negociar”.

Para Alberto João Jardim o problema agudiza-se quando se está perante um governo liderado por José Sócrates, em que “este Governo da República faz tudo o que estiver ao seu alcance para piorar a vida dos madeirenses”. “Como eu já disse, há um fenómeno perigosamente obsessivo do primeiro-ministro contra a Madeira”, rematou.

Desemprego na Madeira “está estabilizado”

O secretário regional dos Recursos Humanos garantiu esta semana na Assembleia

Legislativa que o desemprego na Madeira “está estabilizado”, com um volume actual de 8.637 desempregados. O debate foi suscitado pelo Bloco de Esquerda, com Roberto Almada a denunciar que os números do desemprego na Madeira “são superiores aos publicitados pelo Governo

Regional”, e defendendo existir “desempregados fantasma” que, se contabilizados, eleva

o desemprego na Região para os 10%, ou seja, cerca de 15 mil madeirenses.

Roberto Almada disse ainda que a Madeira é uma das raras excepções do país onde o desemprego subiu no último ano.

Rebatendo as acusações do deputado do BE, Brazão de Castro frisou que o Executivo

Regional tem vindo a promover medidas que têm contribuído para a criação de novos

postos de trabalho, comprovados pelos dados do Instituto Nacional de Estatística

relativos ao 1º trimestre de 2008, que revelam que o volume total da população com

emprego na Região cifrava-se em 116.900 activos, dos quais 94.500 são trabalhadores

por conta de outrem.

Destes trabalhadores – acrescentou o governante – 15,3% vivem uma situação de

precariedade laboral em termos de contrato de trabalho, representando menos 3% do que

aqueles em igual situação no resto do país.

Na Madeira, e ainda segundo Brazão de Castro, 82% dos trabalhadores “têm uma ligação

permanente ao seu posto de trabalho”.

“Não há nada a esconder e não temos qualquer problema em assumir que a realidade do

desemprego, hoje, é diferente da que tínhamos há meia dúzia de anos”, afirmou o

secretário regional.

Madeira propõe subsídio de insularidade

a funcionários públicos e agentes de segurança

A proposta de lei que estipula a atribuição de um subsídio de insularidade aos

funcionários públicos e aos elementos das forças de segurança em funções na

Madeira é discutida quarta-feira na Assembleia da República. Trata-se de uma iniciativa apresentada pelo PSD/Madeira na mesa do parlamento madeirense em Setembro de 2007, que foi discutida e aprovada em sessão plenária a 18 de Outubro e posteriormente remetida à Assembleia da República. Em Dezembro de 2007, a comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias da Assembleia da República considerou que esta proposta reunia as condições para ser discutida e votada no parlamento nacional.

A proposta teve o parecer favorável da Assembleia Legislativa dos Açores. O

diploma considera da "mais elementar justiça social atribuir aos funcionários públicos e aos elementos das forças de segurança a exercerem funções nesta

região um subsídio de insularidade que se traduza num acréscimo de

remuneração de 10 por cento sobre o seu vencimento base", que deve ser pago

de uma só vez, em Março de cada ano.

Determina que este subsídio seja suportado através do Orçamento de Estado, "na medida em que não deverão ser os madeirenses a suportar os custos da sua insularidade". Abrange os funcionários e agentes em efectividade da administração pública regional e local da Madeira e os elementos da Polícia de Segurança Pública (PSP), Guarda nacional Republicana (GNR), Serviços de Informações de

Segurança (SIS), Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e pessoal do corpo

de Guarda Prisional colocados na região.

Também têm direito a auferir deste subsídio os funcionários em situação de desligado do serviço que aguardam a aposentação ou reforma. Excluídos ficam os membros do Governo Regional, o Representante da República, os autarcas, os deputados e outros titulares de cargos equiparados.

Crianças em Risco: Segurança Social acompanha 1.164 crianças e jovens

O Governo Regional da Madeira, através dos seus serviços da Segurança

Social, acompanha actualmente 1.164 crianças e jovens que vivem em situações de risco, anunciou o secretário regional dos Assuntos Sociais, Francisco Jardim Ramos.

O governante, que falava durante a abertura do VII Fórum da Criança/"Crianças

e Jovens com Problemas de Comportamento - Reflexões e Estratégias",

adiantou que, daquele número de crianças acompanhadas, cerca de 40 por cento são vítimas de negligência familiar. "Sendo a negligência familiar, o alcoolismo e os comportamentos de risco indigentes os principais motivos que estão na origem da intervenção dos serviços da Segurança Social, é necessário, em mais de 50 por cento dos casos, prestar-se o apoio junto dos pais", disse o responsável. Francisco Jardim Ramos anunciou que o executivo madeirense está a preparar um Plano Estratégico para a Infância e a Juventude. Por outro lado, criticou as variadas propostas vindas da oposição sobre a matéria na Assembleia Regional, acusando os partidos de "não saberem do assunto ou fazerem de conta de que não sabem o que está sendo feito".

Governo Regional vai reabilitar um

dos bairros mais antigos e degradados do Funchal

O Governo da Madeira decidiu abrir um concurso público para a primeira fase da

obra de reabilitação de um dos bairros municipais mais antigos e degradados do Funchal, o de São Gonçalo, um conjunto habitacional construído em 1940. Este

projecto visa edificar um total de 70 novos fogos, que substituirão as habitações degradadas existentes naquela zona Este da capital madeirense. Servirão para realojar os actuais residentes num novo espaço urbano e habitacional de qualidade, contribuindo para a sustentabilidade social, urbana e paisagística daquela freguesia.

A decisão foi tomada na reunião semanal do conselho do Governo Regional, e a

primeira fase do projecto prevê a construção de 37 fogos de várias tipologias, ficando os seus inquilinos temporariamente realojados noutros locais durante o período de duração das obras. Dentro de um ano, estão previstas mais 33 habitações. Este projecto de reabilitação do bairro de São Gonçalo é uma reivindicação antiga dos moradores de várias habitações degradas e será desenvolvido através de uma parceria entre a Investimentos Habitacionais da Madera, a Câmara Municipal do Funchal e o Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana.

MADEIRA EMIGRANTE *** 28 DE JUNHO DE 2008 *** FIM