Você está na página 1de 10

1

Artigo apresentado na disciplina Engenharia de Automação de Processos


Industriais II do Curso de Engenharia de Produção da Universidade do Estado
de Minas - Campus Divinópolis

MEDIÇÃO DE VAZÃO: CONCEITOS E MÉTODOS DE MEDIDAS

Alessandro Felipe Araújo1


Antônio Márcio de Sousa Júnior2
Indianara Luzia Silva3
Jussara Alves da Silva4
Renata Fonseca Honório5
RonaraLenoir Rodrigues6
Thiago Nunes Lemos7

RESUMO
Este artigo tem a finalidade de descrever os conceitos, métodos e medidas do sistema de
medição de vazão convencionais e especiais. As aplicações são inúmeras, indo desde
aplicações simples como a medição de vazão de água em estações de tratamento e residências,
até medição de gases industriais e combustíveis, passando por medições mais complexas. As
aplicações bem como a escolha correta de um determinado instrumento para medição de
vazão dependem de vários fatores, os quais aqui serão apresentados.

Palavras-chave: Medição, Vazão.

FLOW MEASUREMENT: CONCEPTS AND MEASURES METHODS

ABSTRACT
This article has the purpose to describe the concepts, methods and measures of conventional
and special flow measurement system. The applications are numerous, ranging from simple
applications like the measurement of water flow in treatment stations and residences, up to
industrial measurement and combustible gases, passing through more complex measurements.
Applications and the correct choice of a particular instrument for flow measurement depends
on various factors, which will be presented here.

Keywords: Measurement, Flow rate.

¹ Graduando em Engenharia de Produção - Universidade do Estado de Minas Gerais. alessandro2107@hotmail.com


² Graduando em Engenharia de Produção - Universidade do Estado de Minas Gerais. juninhodjsousa@hotmail.com
³ Graduanda em Engenharia de Produção - Universidade do Estado de Minas Gerais. indianara.09@hotmaiol.com
4Graduanda em Engenharia de Produção - Universidade do Estado de Minas Gerais. ajussara42@yahoo.com.br
5 Graduanda em Engenharia de Produção - Universidade do Estado de Minas Gerais. renatafonsecahonorio@yahoo.com.br
6 Graduanda em Engenharia de Produção - Universidade do Estado de Minas Gerais. ronara.lenoir@hotmail.com
7Graduando em Engenharia de Produção - Universidade do Estado de Minas Gerais. nunes_lemos@hotmail.com
2

Introdução

A vazão é a terceira grandeza mais medida nos processos industriais. Nas operações
realizadas é muito importante efetuar a medição e o controle da quantidade de fluxo de
líquidos, gases e até sólidos granulados, não só para fins contábeis, como também para a
verificação do rendimento do processo.
Estão disponíveis no mercado diversas tecnologias de medição de vazão cada uma
com sua aplicação adequada conforme a realidade imposta pelo processo.
A escolha correta de um determinado instrumento para medição de vazão depende de
vários fatores. Dentre estes, destaca-se:
 A exatidão desejada para a medição;
 O conhecimento do tipo de fluido (líquido, gás, vapor) e suas propriedades,
bem como as características de escoamento;
 A condutividade elétrica, transparência, etc.;
 As condições termodinâmicas: por exemplo, níveis de pressão e temperatura
nos quais o medidor deve atuar;
 O espaço físico disponível;
 O custo.

1Definição de vazão

A medição de vazão de fluidos sempre esteve presente em nosso dia a dia, como
exemplo o hidrômetro das residências, o marcador de uma bomba de combustível nos
veículos, etc. Os medidores de vazão são fundamentais estratégica e economicamente nos
processos industriais, pois, sãoutilizados para o controle do processo, análise e garantia de
qualidade, produtividade; segurança; análise de eficiência,perdas e rendimento; balanço de
massa, balanço de energia; transações comerciais, medições contábeis, etc.
A vazão pode ser definida como sendo a quantidade volumétrica ou mássica de um
fluido que escoa através de uma seção de uma tubulação ou canal por unidade de tempo.

2Vazão Volumétrica

É definida como sendo a quantidade em volume que escoa através de uma seção em
um intervalo de tempo considerado. É representado pela letra Q, ou por Qv, e expressa pela
seguinte equação:

Onde:
V = volume
t = tempo

As unidades de vazão volumétricas mais utilizadas são: m³/s, m³/h, l/h, l/min, GPM
(galão por minuto).
Na medição de vazão volumétrica é importante referenciar as condições básicas de
pressão e temperatura, principalmente para gases e vapor, pois o volume de uma substância
depende da pressão e da temperatura a que está submetido.

3Vazão Mássica

É definida como sendo a quantidade em massa de um fluido que atravessa a seção de


uma tubulação por unidade de tempo. É representada pela letra Qm e expressa pela seguinte
3

equação:

Onde:
m = massa
t = tempo

As unidades de vazão mássicas mais utilizadas são: kg/s, kg/h, T/h e Lb/h.

4 Conceitos físicos básicos para medição de vazão

 Calor Específico
Define-se calor específico como o quociente da quantidade infinitesimal de calor
fornecido a uma unidade de massa de uma substância pela variação infinitesimal de
temperatura resultante deste aquecimento.

 Viscosidade
É definida como sendo a resistência ao escoamento de um fluido em um duto
qualquer. Esta resistência provocará uma perda de carga adicional que deverá ser considerada
na medição de vazão.

 Número de Reynolds
Número adimensional utilizado para determinar se o escoamento se processa em
regime laminar ou turbulento. Sua determinação é importante como parâmetro modificador do
coeficiente de descarga e representado por Re.Se Re > 2.320, o fluxo é turbulento, caso
contrário é sempre laminar. Nas medições de vazão na indústria, o regime de escoamento é na
maioria dos casos turbulento com Re > 5.000.

Onde:
v = velocidade (m/s)
D = diâmetro do duto (m)
ν = viscosidade cinemática (m²/s)

 Distribuição de velocidade em um duto


Em regime de escoamento no interior de um duto, a velocidade não será a mesma em
todos os pontos. Será máxima no ponto central do duto e mínima na parede do duto.

 Tipos de Escoamento
▬ Regime Laminar: se caracteriza por um escoamento em camadas planas ou
concêntricas, dependendo da forma do duto, sem passagens das partículas do fluido de
uma camada para outra e sem variação de velocidade, para determinada vazão.
▬ Regime Turbulento: se caracteriza por uma mistura intensa do líquido e oscilações de
velocidade e pressão. O movimento das partículas é desordenado e sem trajetória
definida.

5 Tipos de medidores de vazão

Existem três tipos fundamentais de medidores de vazão: indiretos, diretos e especiais,


como podem ser visto na Figura 1. Neste artigo vamos abordar especificamente o medidor de
vazão indireto de placa de orifício,o medidor direto do tipo turbina e alguns medidores
especiais: o vortex, o ultrassônico e o coriolis.
4

Figura 1. Classificação dos tipos de medidores de vazão.

6Medidor de vazão por placa de orifício

Atualmente, há inúmeras tecnologias para medição de vazão no mercado, mas sem


dúvida, o “medidor com placa de orifício” ainda é o mais usado pelo seu baixo custo
associado ao grande conhecimento acumulado de décadas de aplicação. Isso significa, entre
outras coisas, que todo profissional de Automação ligado ao Controle de Processos pode
eventualmente se deparar com um medidor desse tipo. É então conveniente conhecer seus
princípios básicos de funcionamento. Além disso, ao longo de várias décadas o medidor com
placa de orifício vem sendo aperfeiçoado para melhorar seu range, precisão e robustez.
A placa de Orifício é um trecho de tubulação com uma restrição que cria uma queda
de pressão no fluido sendo escoado. Um bocal ou tubo de Venturi também são exemplos de
restrições que podem ser usadas. Entretanto, a placa fina com orifício central é o tipo de
restrição mais empregado. Para usar qualquer tipo de restrição é necessário primeiro calibrá-la
empiricamente. Isso significa que é preciso montar diferentes tipos de placas, passar por elas
um volume conhecido e verificar qual a leitura do medidor, de forma a ajustar o medidor de
acordo com sua geometria e também com as características do produto medido (gás, líquido
ou vapor). A seguir, na Figura 2, os tipos mais comuns encontrados.

 Funcionamento
À medida que o fluido se aproxima da placa há um ligeiro aumento na pressão, e
depois há uma súbita queda após a passagem pelo orifício. A pressão continua a cair até
5

Figura 3. Tipos de placa de orifício mais comuns.

atingir um ponto de pressão mínimo chamado “vena contracta”. É quando a pressão começa a
subir novamente até atingir a pressão máxima após a placa. Essa pressão será sempre menor
que a pressão antes da placa. A diferença entre elas é chamada de “perda de carga” e é
importante para dimensionar bombas e outros elementos da tubulação, o que também significa
energia perdida devido à restrição imposta na linha pela placa.
Quando passa pelo orifício, a redução da pressão é resultado do aumento em sua
velocidade passando pela área reduzida. O fluido escoando através da área da tubulação tende
a querer passar pelo orifício que possui área menor. Dessa forma o fluido é “acelerado”, o que
causa a queda de pressão.

Figura 2. Perfil genérico de pressão em trecho de medição com placa de orifício.

7 Medidor de vazão tipo turbina

O medidor de vazão tipo turbina possui hoje uma tecnologia consagrada nas diversas
aplicações para medição de vazão para líquidos e gases, principalmente onde são requeridos
precisão, confiabilidade e robustez, como também a melhor relação custo benefício. As
6

características principais são: utilização em processos industriais, laboratórios, exatidão


melhor do que 0,5% para líquidos e 1% para gases, vazões de 0,08 a 2.800 m /h para líquidos
e de 0,5 a 20.000 m /h para gases. Conexões para processo tipo flangeadas, rosqueadas ou
sanitárias, tempo de resposta baixo.

 Funcionamento
O medidor de vazão tipo turbina consiste basicamente de um rotor, montado entre
buchas em um eixo, que gira a uma velocidade proporcional à velocidade do fluido dentro do
corpo do medidor. Um sensor eletromagnético (pick-up) detecta a velocidade de giro do rotor
gerando um trem de pulsos que serão transmitidos para um indicador eletrônico que fornecerá
uma leitura em vazão instantânea e totalização nas unidades de engenharia ou transmitindo
um sinal analógico de 4 a 20 mA.

 Aplicabilidade
Bateladas em processos industriais, processos de mistura de líquidos ou gases,
automatização em processos e envasamento, medição de consumo de combustíveis líquidos
ou gasosos.Nas indústrias químicas, petroquímicas, farmacêuticas, refinarias, papeleiras,
saneamento básico, tratamento e distribuição de água, alimentícia, geradoras de energia
elétrica, distribuidoras de combustíveis, postos de abastecimentos de gás veicular, etc.

 Seleção do mancal
O mancal é uma escolha importante, quando tratar de gás o mancal tipo rolamento é o
indicado. O material de fabricação do rolamento é o aço inox 440C. Para líquidos, a escolha
deve ser baseada levando-se em consideração a precisão necessária, a durabilidade, a
compatibilidade química e o custo. Para líquidos não lubrificantes o tipo bucha é o mais
indicado. O material empregado para fabricação da bucha é normalmente carbeto de
tungstênio, que apresenta uma durabilidade e compatibilidade a corrosão excelente para
maioria dos produtos. Para líquidos lubrificantes a escolha certa é o tipo rolamento, pois além
de serem mais econômicos, são também mais precisos.

Figura 4. Modelo de medidor de vazão tipo Figura 5. Imagem interna do medidor de


turbina. vazão tipo turbina.

8Medidor de vortex

O medidor vortex tem se destacado frente a outras tecnologias tradicionais como uma
solução para diversas aplicações industriais. Medição confiável, alarmes e diagnósticos e
robustez na operação elevam as informações e facilita a tomada de decisão para operação,
manutenção e otimização do controle do processo e produção.
7

Os avanços tecnológicos em instrumentação e a importância da confiabilidade


metrológica, somados à necessidade de garantia da eficiência das instalações industriais para
atender às crescentes necessidades do usuário final, estão mudando rapidamente o
posicionamento do medidor vortex. A medição de vazão de utilidades como água, álcool,
entre outros líquidos; ar comprimido, nitrogênio, oxigênio, gás natural, vapor, e outros
insumos industriais para fins de balanço material e/ou energético, controle do processo e
produção, justifica a crescente aplicação deste medidor, que tem como grandes vantagens a
exatidão, alta precisão, medição de vazão linear de líquidos com baixa viscosidade, gases e
vapor. Aplicações com temperaturas entre - 196 °C e + 450 °C; preço competitivo de
aquisição/instalação, operação e manutenção; substituição de medidores tradicionais com
melhor custo/benefício e desempenho complementam os diferenciais deste medidor.

 Funcionamento
Quando um fluido passa por um obstáculo são formadas camadas limítrofes de fluido
lento ao longo das superfícies externas do corpo. Se o obstáculo possui cantos vivos, a vazão
não pode seguir os seus contornos no lado a jusante e o fluido se separa em camadas,
formando vórtices na área de baixa pressão atrás do obstáculo. Os vórtices alternados são
formados nos lados do corpo como mostra a figura
abaixo. A freqüência dos vórtices é diretamente
proporcional à velocidade do fluido, assim fornecendo a
base de funcionamento do medidor. Exaustivas
experiências têm demonstrado que o número de Strouhal
(St) é constante para uma ampla faixa de número de
Reynolds (Re), particularmente para a seção transversal Figura 6. Geração de vórtices num
trapeizodal de 75° de acordo com a Figura 2. obstáculo de formato trapezoidal.
Os medidores vórtex têm um obstáculo que se
opõe ao avanço do fluido. As técnicas utilizadas para
determinação da freqüência dos vórtices são as do
anemômetro de fio quente, do ultrassom, da variação da
pressão local, dos transdutores piezoelétricos, entre
outros. Ao lado, na Figura 3, apresentamos o medidor
vortex com sensores tipo piezoelétricos, e o obstáculo
(schedder bar) posicionado dentro do tubo
perpendicularmente ao sentido de escoamento do fluido.
O medidor consiste basicamente de dois
sensores, neste caso, piezoelétricos. O fluido quando
atinge o obstáculo se divide formando os vórtices de
Figura 7. Vista interna do medidor.
forma alternada conforme abaixo. Os vórtices
alternadamente criam um diferencial de pressão na barra, onde os sensores piezoelétricos irão
gerar um sinal elétrico proporcionalmente ao esforço mecânico alternado que os vórtices
impõem ao obstáculo. O obstáculo com os sensores sofrem influência da região de alta
pressão antes da formação dos vórtices e da região de baixa pressão logo após a formação dos
vórtices. A barra possui um pequeno grau de liberdade de movimento, permitindo assim o
micro deslocamento, transmitindo o movimento para os sensores através dos esforços
mecânicos impostos aos mesmos.
Os sensores convertem o stress mecânico em pulsos elétricos para quantificar a
frequência dos vórtices. Independente da técnica utilizada, vibrações na tubulação ou ruídos
gerados pelo próprio fluido em escoamento podem afetar de forma imprevisível o sinal gerado
pelos sensores, o que obriga serem previstos meios de eliminação ou minimização de tais
ruídos e vibrações através de técnicas sofisticadas de processamento de sinal. Através do
8

tratamento digital dos pulsos elétricos dos sensores, determina-se a frequência dos vórtices e
infere-se a velocidade. Uma vez obtida à velocidade pela correlação do NSt, multiplica-se
pela área do tubo medidor para se obter a vazão volumétrica.
Para garantir melhor exatidão e estabilidade, elimina-se ruídos de vazão utilizando
processamento de sinal digital que permite através de filtragens de bandas e circuito
comparador incorporado (schimitt trigger), tratar o sinal dos sensores e obter a real medição
de vazão livre de ruídos. Com recursos de diagnósticos avançados, o medidor vórtex
possibilita obter informações da vibração da tubulação e fazer uma avaliação sobre ruídos de
vazão anormais. Estas indicações preliminares com alarmes e diagnósticos tornam mais fácil
o trabalho e as tomadas de decisão para fins de manutenção.

Figura 9. Sensores do medidor Vórtex. Figura 8. Filtragem do sinal.

9Medidores de vazão ultrassônicos

Os medidores de vazão ultrassônicos utilizam a velocidade do som como meio auxiliar


de medição existe dois principais tipos, o medidor de vazão de tempo de trânsito e o medidor
de vazão a efeito de Doppler.
Medidor de vazão de tempo de trânsito é um instrumento ideal para medir a vazão de
fluídos relativamente limpos, seu principio de funcionamento é através de um sinal acústico
(ultrassom) que é transmitido de um sensor a outro, no tempo que a onda mecânica leva para
ir de um cristal ao outro, este outro cristal pode ser colocado no mesmo lado do tubo ou do
outro lado recebendo um sinal após uma reflexão na parede oposta como mostra na Figura 10.
Este pode ser tanto na direção do fluxo, quanto contrário ao fluxo.

Figura 10. Visão interna do medidor ultrassônico de tempo de trânsito, sensor não-invasivo.
9

Medidor de vazão Doppler ultrassônico


(não invasivos) mede vazão volumétrica que
exige particulado ou bolhas na vazão. São ideais
para aplicações em águas residuais ou em
líquido poluído que seja condutivo ou apresente
água como base e também para aplicações em
que baixa queda de pressão, compatibilidade
química e pouca necessidade de manutenção
sejam exigidas, como mostra a Figura 11.
O efeito Doppler é aparente variação de
frequência produzida pelo movimento relativo Figura 11. Visão interna do medidor
ultrassônico de efeito Doppler.
de um emissor e de um receptor de frequência,
no caso variação de frequência ocorre quando as ondas são refletidas pelas partículas móveis
do fluído. Os transdutores emissores projetam um feixe contínuo de ultrassom na faixa das
centenas de kHz, os ultrassons refletidos por partículas veiculadas pelo fluído tem sua
frequência alterada proporcionalmente ao componente da velocidade das partículas na direção
do feixe, são instrumentos capazes de medir a vazão de fluídos que possuem partículas
capazes de refletir ondas acústicas. O sensor ultrassônico é um sensor não invasivo como
mostra na Figura 7, localizado na parte externa da tubulação e sem contato com o fluido. Este
medidor propaga ondas sonoras no interior do fluido através das paredes da tubulação assim
as ondas sonoras são refletidas por partículas em movimento, a frequência é deslocada devido
ao fenômeno conhecido como efeito Doppler.
A emissão de ondas sonoras originadas por um oscilado rum dispositivo que envia um
pulso de corrente através do cristal piezoelétrico. O pulso faz com que o dispositivo piezo
vibre fisicamente e mover as ondas sonoras e assim passar através do fluido. Suas aplicações
mais comuns nas indústrias são na medição de gases tóxicos, inflamáveis, altamente
corrosivos, isso pela segurança da instalação externa á tubulação, isso evita pontos de
vazamento.
Entretanto como vantagem do medidor ultrassônico pode destacar o fato de poder
medir de forma não intrusiva, ter alta durabilidade, pois não possui partes móveis, além disso,
apresenta boa rangeabilidade não é necessária parada para manutenção se houver necessidade
de troca de sensores, tendo como desvantagem o custo relativamente alto e requerer longos
trechos retos.

10 Medidor de vazão por coriolis

Esses medidores exploram o efeito da força de Coriolis, que é uma força inercial que
atua sobre um corpo em movimento em um referencial não-inercial rotativo.
O medidor por coriolis mede a vazão por meio da medição da oscilação (vibração) de
um tubo interno ao medidor por meio da aplicação do princípio de Coriólis, que é uma técnica
direta ou dinâmica que gera um sinal proporcional à vazão mássica, e praticamente
independente das propriedades do material, tais como condutividade, pressão, viscosidade ou
temperatura. Podendo ainda ser utilizado para determinar a densidade do produto circulante.

 Funcionamento
Este medidor de vazão utiliza um fenômeno físico que envolve a inércia e a aceleração
centrípeta. A vazão de uma tubulação é dividida por dois tubos paralelos que possuem forma
de “U”, e ao fim destes tubos a vazão volta a ser conduzida por um único tubo. Próximo da
parte inferior de cada “U“ existe eletroímãs que fazem os dois tubos oscilarem em suas
frequências naturais de vibração e cuja amplitude não ultrapassa alguns milímetros. Com a
10

passagem de fluido pelos tubos, em função


desta oscilação, surge uma torção nos tubos
cuja defasagem permite a medição da
vazão mássica. Esta defasagem é medida
por sensores magnéticos instalados nas
partes retas dos tubos. Este tipo de medidor
pode ser utilizado para medições de fluxos
de líquidos e gases, com ou sem sólidos em
suspensão.

 Aplicabilidade
É um instrumento com grande
aplicabilidade, atendendo a especificação
dos mais variados processos, na medição
de líquidos e gases de indústrias
Petroquímicas, Químicas, Petrolíferas,
Farmacêuticas, Alimentícias e outros
segmentos.
Podem medir líquidos, inclusive os
com gás entranhado, líquidos com sólidos,
líquidos de alta e baixa viscosidade,
suspensões e emulsões contendo partículas Figura 12. Medidor de vazão por coriolis.
sólidas em suspensão e gases. Não
dependendo do estado físico desses elementos, desde que a densidade do fluido seja
suficientemente elevada para operar corretamente o medidor sem a necessidade de
compensação de pressão, temperatura, densidade ou viscosidade.

Considerações finais

Com o aumento dos processos industriais, a grande dificuldade em encontrar um sistema de


medição perfeito juntamente com a necessidade de medir os fluxos de vazão da matéria, foi
preciso desenvolver um sistema que medisse com maior precisão e que gerasse mais
produtividade e qualidade em todos os processos. Foi ai que surgiram os medidores de vazão
ou medidores de fluxo dos mais variados tipos, como por exemplo, o hidrômetro das
residências que estão presentes no nosso cotidiano. Concluímos que o medidor de vazão foi
uma evolução indispensável em termos estratégicos e econômicos, pois geram análise e
garantia de segurança e eficiência e se tornaram fundamentais para todos os processos,
principalmente os industriais.

Referências

DELMEÉ G., Jean.Manual de medição de vazão. 3ª Edição – 2003; Editora Edgard


Blücher Ltda.
RIBEIRO M. Antônio.Medição de vazão. 6ª Edição – 2004.
SOLAINY, Matias. et al. Medidor de vazão coriólis. Disponível em:
<http://vidadestutante.blogspot.com.br/2012/10/medidor-de-vazao-coriolis.html>. Acesso em:
26 ago. 2015.
CASSIOLATO, César; ORELLANA, Evaristo. Medição de vazão. Artigo disponível
em: <http://www.smar.com/newsletter/marketing/index40.html>. Acesso em: 20 ago. 2015.