Você está na página 1de 3

LIÇÃO 1- MÉTODO DEVOCIONAL

INTRODUÇÃO
A meta final de todo estudo da Bíblia é a aplicação e não a interpretação. Considerando que Deus quer mudar
nossa vida por sua Palavra, é importante aprender a aplicar a Escritura em nossa vida antes de aprender outro
método de estudo da Bíblia.
DEFINIÇÃO
O método devocional envolve tomar uma passagem da Bíblia, grande ou pequena, e meditar nela com devoção
até que o Espírito Santo lhe mostre um meio de aplicar a verdade na sua vida de modo que seja pessoal,
prático, possível e mensurável. A meta é você levar a sério a Palavra de Deus e ser "praticante" do que ela diz
(Tgl.22).
POR QUE A APLICAÇÃO É IMPORTANTE?
A Bíblia é um livro prático, porque se interessa pela vida religiosa prática. O estudo da Bíblia sem a aplicação
pessoal é apenas um exercício acadêmico sem valor espiritual. A Bíblia foi escrita para ser aplicada na nossa
vida. De modo sucinto, Howard Hendricks disse: "Interpretação sem aplicação é aborto!". Desejamos deixar
claro que a aplicação é necessária para nossa vida cristã, que é trabalho árduo e que boas aplicações são
possíveis se seguirmos alguns princípios básicos.
A APLICAÇÃO É NECESSÁRIA PARA NOSSA VIDA
O estudo da Palavra de Deus deve conduzir à sua aplicação em nossa vida, com a conseqüência de que as
Escrituras nos mudam para nos conformar mais com a vontade de Deus.
1. Não há como conhecer mais a Palavra de Deus a menos que você a aplique na sua vida. Durante seu
ministério, Jesus teve vários encontros com os líderes religiosos daqueles dias. Estes eram principalmente
os fariseus, os reconhecidos estudiosos daqueles tempos; os escribas, peritos legais e religiosos da lei
judaica; e os saduceus, o elemento liberalizante da sociedade judaica na época de Jesus. Em certa ocasião,
os saduceus, que não criam na ressurreição, fizeram uma pergunta tencionada a enganar a Jesus. Sua resposta
é realmente interessante. Ele lhes disse: "Vocês estão enganados porque não conhecem as Escrituras nem o
poder de Deus" (Mt 22.29). Os saduceus tinham um conhecimento intelectual dos fatos das Escrituras judaicas
(o nosso Antigo Testamento), mas eles não aplicavam estes princípios de modo pessoal. Você pode ser uma
enciclopédia bíblica ambulante, com a cabeça abarrotada de conhecimento bíblico, mas isso não lhe fará bem
algum se diariamente você não aplicar na prática o que sabe na teoria. Se você estuda a Palavra de Deus e não
a aplica na sua vida, você não é melhor que os fariseus e saduceus dos dias de Jesus. Você não conhece as
Escrituras até que as ponha em prática.
2. Estudar a Palavra de Deus pode ser perigoso se você a estuda sem,aplicá-la. O estudo da Bíblia sem
aplicação pode ser perigoso, porque o conhecimento incha. O apóstolo Paulo declarou: "O conhecimento traz
orgulho, mas o amor edifica" (lCo 8.1). A palavra grega traduzida por "traz orgulho" encerra em si a idéia de ser
inflado com orgulho, o que, por sua vez, leva à arrogância. A Bíblia nos diz que o diabo conhece a Palavra
intelectualmente (v. a tentação de Jesus; Mt 4.1-11), e também sabemos que ele é inflado com orgulho e é
arrogante. Quando você aplica a Palavra de Deus corretamente à sua vida, você elimina o perigo de ser inflado
com orgulho. O estudo da Bíblia sem aplicação pode ser perigoso, porque conhecimento requer ação. O que a
pessoa sabe deve achar expressão no que ela faz. Tiago declarou: "Sejam praticantes da palavra, e não apenas
ouvintes, enganando-se a si mesmos" (Tg 1.22). Os mandamentos de Deus não são opcionais. Ele não diz: "Por
favor, não quer considerar fazer isto?". Ele ordena: "Faça!". E espera que obedeçamos. No Sermão do Monte,
Jesus comparou o discípulo obediente a um homem prudente: "Portanto, quem ouve estas minhas palavras e
as pratica [põe em ação] é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha" (Mt 7.24).
Quando as adversidades da vida vieram, a vida do homem prudente estava firme, ao passo que a vida do
homem insensato — que não praticou o que sabia — caiu com grande estrondo (Mt 7.25-27).O estudo da Bíblia
sem aplicação pode ser perigoso, porque o conhecimento aumenta a responsabilidade.
ETAPAS PARA A APLICAÇÃO PRÁTICA
Quando fizer um estudo devocional da Bíblia, siga estas 3 etapas simples. Tais etapas podem ser resumidas nas
palavras ore, medite e aplique
Etapa um — Ore em busca de compreensões intuitivas sobre como aplicar a passagem. Peça a Deus que o ajude
a aplicar a Escritura que você está estudando e lhe mostre especificamente o que ele quer que você faça. Você
já sabe que Deus quer que faça duas coisas: obedecer à Palavra e dividi-la com os outros. Na oração, diga a
Deus que você está pronto para obedecer ao que ele lhe mostrar e disposto a dividir a aplicação com os outros.
Etapa dois — Medite no versículo (ou versículos) que escolheu estudar. A meditação é a chave para descobrir
como aplicar a Escritura na sua vida. Meditação é essencialmente digestão de pensamento. Você toma um
pensamento que Deus lhe deu, coloca-o na mente e pensa inúmeras vezes nele. Meditação é comparada à
ruminação; é o que a vaca faz quando mastiga o bolo alimentar. Ela come o pasto e o envia para o primeiro
estômago; depois se deita, traz de volta à boca o que enviou para o primeiro estômago, mastiga e engole
novamente. Este processo de digestão é repetido três vezes. Meditação bíblica é ler uma passagem da Bíblia e
concentrar-se nela de modos diferentes. Eis diversos modos práticos de meditar numa passagem da Escritura:
Visualize na mente a cena da narrativa. Coloque-se na situação bíblica e imagine-se como participante ativo.
Se estiver lendo os livros históricos do Antigo Testamento, os Evangelhos ou o Livro de Atos, idealize-se nesse
contexto histórico. Pergunte-se como você se sentiria se estivesse envolvido naquela situação. O que diria? O
que faria? Se estiver estudando João 4, por exemplo, visualize-se estando junto com Jesus, a mulher
samaritana, os discípulos e os habitantes de Siquém. Como você se sentiria se Jesus tivesse pedido a você que
lhe desse água do poço perto de Sicar? Quais seriam seus sentimentos se você fosse um dos discípulos que
testemunhou o incidente?
Enfatize as palavras da passagem sob estudo. Leia um versículo em voz alta e por várias vezes, cada vez
enfatizando uma palavra diferente, e repare no desenvolvimento de novos significados. Por exemplo, se
você está meditando em Filipenses 4.13, enfatize as palavras assim: TUDO posso naquele que me fortalece. Tudo
POSSO naquele que me fortalece. Tudo posso NAQUELE que me fortalece. Tudo posso naquele QUE me fortalece.
Tudo posso naquele que ME fortalece. Tudo posso naquele que me FORTALECE.
Parafraseie a passagem sob estudo. Reformule o versículo ou passagem com palavras suas. Enquanto pensa,
use palavras e frases contemporâneas para expressar as verdades bíblicas infinitas. A Bíblia Viva e a Nova
Tradução na Linguagem de Hoje são exemplos de paráfrases da Escritura.
Personalize a passagem sob estudo. Faça pondo seu nome no lugar dos pronomes ou substantivos usados na
Escritura. Por exemplo, João 3.16 ficaria assim: "Pois Deus amou tanto Roni que deu o seu Filho Unigênito para
que Roni que crê nele não pereça, mas tenha a vida eterna".
Etapa três — Escreva uma aplicação. Escreva uma aplicação das compreensões intuitivas que você teve na
meditação. Escrever a aplicação no papel o ajuda a ser específico. Se você não escrever o que pensou, logo
esquecerá. Isso é particularmente necessário quando se está lidando com verdades espirituais. Se você não
consegue pôr no papel, significa que não fez reflexão completa. Já se comprovou que se você escrever algo,
lembrará por mais tempo e poderá expressar aos outros o que aprendeu. Você precisa se lembrar de quatro
fatores ao escrever uma boa aplicação:
1. A aplicação deve ser pessoal— escreva-a na primeira pessoa do singular. Quando escrever uma aplicação,
use os pronomes pessoais da primeira pessoa do singular ("eu", "mim", "meu, minha, meus, minhas").
2. A aplicação deve ser prática — algo que você possa fazer. Planeje um curso definido de ação. Faça
um projeto pessoal que o incentive a ser "praticante da Palavra". Torne as aplicações tão específicas
quanto possíveis. Generalidades podem lhe fazer sentir sem forças e produzir pouca ação.
3. A aplicação deve ser possível— algo que você sabe que pode realizar; caso contrário, desanimará.
4. A aplicação deve ser provável— você tem de estabelecer um tipo de acompanhamento para inspecionar o
sucesso. Tem de ser mensurável para que você saiba que conseguiu. Significa que você deve fixar um tipo de
prazo para a aplicação. O exemplo desses quatro fatores é tirado de Eclesiastes 6.7, que diz: "Todo o esforço do
homem é feito para a sua boca; contudo, o seu apetite jamais se satisfaz". Os quatro fatores na aplicação
escrita seriam mais ou menos assim:
1. Pessoal. "Eu tenho de...".
2. Prático-, "Eu tenho de perder peso".
3. Possível: "Eu tenho de perder três quilos".
4. Provável: "Eu tenho de perder três quilos em um mês".
Para ajudá-lo a cumprir esse tipo de aplicação, conte-a a um amigo ou membro da família que ocasionalmente
inspecione seu progresso de modo encorajador.
EXEMPLO PARA ESTUDO DEVOCIONAL
• Data: 30 de junho
• Passagem: Lucas 12.22-26
1. Oração
[X] (assinale depois de ter orado)
2. Meditação
Esta é minha paráfrase personalizada: Tenho de parar de me preocupar tanto. Deus cuidará de todas as minhas
necessidades. Considerando que Deus me deu a vida, com certeza posso confiar que ele a sustentará. Aprendo
com o exemplo dos pássaros, pois eles não se preocupam com o futuro. Mas Deus cuida deles diariamente. E se
Deus cuida dos pássaros, claro que ele cuidará de mim! Além do mais, ficar me preocupando nunca faz bem.
Nunca muda a situação. Então, por que me preocupar? Qual o proveito em me preocupar? Nenhum.
3. Aplicação
Tenho de aplicar esta lição na área financeira de minha família. Durante este próximo mês (tomarei um mês de
cada vez) toda vez que o diabo me tentar a ficar preocupado com minhas contas, eu resistirei o pensamento
citando em voz alta Lucas 12.24.
FORMULÁRIO PARA ESTUDO DEVOCIONAL (Para ser preenchido)
1.Data
2.Passagem
3.Oração
4.Meditação
5.Aplicação