Você está na página 1de 4

Dicas para as Celebrações da Semana Santa

Semana Santa - Este é um momento importante da nossa vivência cristã; é o momento de


aprofundarmos nossa fé e nossa praxe comunitária e espiritual. Não podemos fazer da Semana
Santa um momento de simples atividades, onde somos chamados a “fazermos algo” e nos tornamos
prestadores de serviços. Servir a comunidade, mas imbuídos do Espírito de Jesus Cristo, que doou-
se a nós por amor, foi obediente ao Pai, até o fim.
A diferença entre aquele que “faz” como atividade e aquele que “serve” como doação, é o
espírito que está na pessoa. O primeiro quer cumprir uma obrigação, esta ali para fazer algo, não
interage com o momento, a sua preocupação é realizar a atividade; o segundo quer participar,
alegrar-se, viver o momento, ver os frutos de sua doação, o serviço não é uma atividade, mas uma
participação mais efetiva.
Para que esse momento se torne realmente um momento celebrativo para todos – servidores
e servidos - é necessário que as celebrações sejam preparadas antecipadamente. Ninguém faz uma
festa de casamento da noite para o dia, é necessária uma dedicada e cuidadosa preparação.
Assim, reunimos alguns cuidados que aconselhamos sejam observados:

1. Celebrações: a) Domingo de Ramos; b) Quinta-feira Santa (Missa do Crisma, lava-pés e


transladação da reserva eucarística); c) Sexta-feira Santa (leitura da Paixão, adoração da Cruz,
comunhão eucarística); d) Vigília Pascal (celebração do fogo, da luz, bênção do Círio Pascal,
Liturgia da Palavra, renovação do batismo, da eucaristia); e) Domingo de Páscoa.
2. Para o Domingo de Ramos, quem providenciará os ramos? a quantidade? O povo foi avisado
para trazer ramos? Onde se iniciará: na rua, no salão, terá procissão? Se na rua haverá
sonorização e iluminação?
3. Na Quinta-feira na missa do Crisma, quem irá representando a comunidade? À noite, quem
serão os 12 apóstolos para o lava-pés, onde eles ficarão? Quem irá preparar bacia, água, toalha –
para o lava-pés; água, sabonete e toalha para o presidente lavar as mãos depois? Quem prepara o
local para receber a Eucaristia que será transladada? As velas para a transladação?
4. Vigília Pascal: Círio, fogueira, velas, som, lanterna, turíbulo, incenso, instrumento para pegar as
brasas, água para benzer.
5. Se houver confraternização após a Vigília, quem irá cuidar dos preparativos?

As equipes devem preparar cuidadosamente e com antecedência a celebração pela qual


ficaram responsáveis:

1. Ver a estrutura da celebração no Missal Romano, as várias partes e o sentido de cada parte;
2. Estudar e meditar os textos bíblicos no Lecionário, os prefácios, cantos e orações propostos,
para captar bem o sentido da celebração;
3. Trazer para dentro da celebração a realidade da comunidade. Pensar de quê forma a equipe
poderá ajudar a comunidade a celebrar, fazê-los vivenciar e sentir esse momento;
4. Lembrar de como foi realizada a celebração em anos anteriores, e o que deve ser melhorado,
modificado, repetido... Elaborar um novo roteiro da celebração, indicando os cantos, as ações
simbólicas, os gestos e movimentos. O que se fará com as crianças, os idosos?
5. Repartir as funções: comentaristas, leitoras/es, cantoras/es, equipe de acolhida, ministros,
coroinhas, pessoas para a procissão das ofertas;
6. Depois de todas as tarefas divididas e de cada membro ter rezado e estudado sua função,
fazer um pequeno ensaio no local da celebração. Preocupando-se sempre com a comunicação.
Não basta ler o que está escrito, é preciso fazer com que as pessoas possam ouvir, prestar
atenção, ser atingidas pela Palavra de Deus e pelos comentários. Mais que falar, os leitores
devem proclamar.
7. Equipe da música: escolher e ensaiar antecipadamente as músicas; ter os cantos nos livros
ou multiplicados para que todos possam acompanhar cantando. Não fazer improvisação, cuidar
para que as músicas estejam de acordo com a celebração, testar os equipamentos, ter microfones
de reserva. No dia da celebração chegar antecipadamente e ir ensaiando com os que vão
chegando.
8. Equipe de acolhida: saber para onde encaminhar as pessoas que estão chegando, acomodar
os idosos e as grávidas; verificar os banheiros, distribuir as folhas de canto. Tudo fazer com um
grande sorriso, dar bom dia, boa tarde ou boa noite, fazer uma verdadeira acolhida – alegre e
calorosa.
9. Comentaristas e leitores: imprescindível tomar conhecimento antecipadamente do quê será
lido. Buscar compreender e assimilar, para poder dar a devida entonação e expressão de voz,
não deixando a leitura morta.
10. Rezar e criar interiormente uma espiritualidade da celebração, participar de forma efetiva e
afetiva.
Não é momento de ensinarmos ninguém, nem colocarmos pessoas que não participam, ou
aumentarmos o número de pessoas envolvidas, exemplo: mais coroinhas do que o necessário. As
celebrações da Semana Santa são complexas e exigem o máximo de atenção, dedicação e empenho.
Assim, devemos evitar criar maiores complicações. Ter o maior número de pessoas que já
conhecem, que já participam é fundamental e necessário para a boa realização da celebração.

Lembretes:

Lembrar os fiéis com antecedência que para o Domingo de Ramos devem trazer os ramos; para
a Vigília, no sábado santo, trazer velas e um frasco para levar água benta para casa.
1 - Domingo de Ramos: a cor é a vermelha (não roxa); a bênção dos ramos se faz antes da
procissão; no local, do início da procissão, deve se ter água benta, cruz procissional ornamentada
com ramos, velas e a oração da bênção. Preparar cantos de hosana ao Cristo Rei.
Caso não haja procissão pela rua, pode-se fazer a bênção dos ramos na porta da igreja ou dentro
dela. Lembrando: se for dentro, deve-se evitar fazer os ritos iniciais no presbitério. A equipe de
liturgia deve ficar em outra parte da igreja, à vista de todos. Estrutura da Celebração:
1. Canto, saudação, oração sobre os ramos;
2. Leitura do evangelho;
3. Homilia;
4. Procissão;
5. Oração da Coleta (dentro da igreja) – se a celebração se iniciar na porta, a procissão será a
do povo entrando na igreja; se for dentro da igreja, sem procissão, a equipe, após a homilia, se
dirige ao presbitério e o presidente faz a Oração da Coleta e a celebração transcorre como de
costume.
6. Liturgia da Palavra. No Evangelho: inicia-se sem fazer saudação, não se faz o sinal da cruz
sobre si ou sobre o livro; não se diz “O Senhor esteja convosco...”, não se diz “Palavra da
Salvação”, não se beija a Palavra.
7. SEGUE COMO DE COSTUME
2 - Quinta-feira Santa: cor branca; canta-se o hino de louvor (“glória”); não se diz o Creio;
após a “Oração depois da Comunhão”, se faz o translado da reserva eucarística; não há os ritos
finais. O povo é convidado a fazer uma adoração ao Santíssimo. Após a celebração, se retiram
as cruzes, imagens, flores, toalhas do altar e dos ambões, velas, sinos. Escolher as lideranças,
idosos (e não só homens) para serem os 12 apóstolos do lava-pés; ter preparado uma bacia,
sabonete e toalha para o presidente lavar as mãos após o lava-pés.

3 - Sexta-feira Santa: cor litúrgica: vermelho. Entrada: comentário inicial, procissão de


entrada em silêncio, prostração do presidente diante do altar (totalmente despojado); Liturgia da
Palavra. No Evangelho: inicia-se sem fazer saudação, não se faz o sinal da cruz sobre si ou sobre o
Lecionário; não se diz “O Senhor esteja convosco...”, não se diz “Palavra da Salvação”, não se beija
a Palavra. Pode se cantar uma aclamação ao Evangelho ou pode ser lido em forma de jogral; breve
homilia; Oração Universal é motivada pelo presidente e já está estabelecida no Rito. Adoração da
Cruz; Rito da Comunhão: toalha sobre o altar, buscar a Eucaristia com velas, reza-se o Pai-Nosso e
o Livrai-nos... (não há oração pela paz, nem abraço da paz, nem a oração Cordeiro de Deus),
Comunhão; Oração depois da Comunhão, Oração sobre o Povo e encerra-se, não se diz “Ide em
paz..”. A Cruz pode ficar em local preparado para adoração.

4 - Vigília Pascal: cor branca; grande fogueira acessa antes de iniciar a celebração para haver
brasas, não fazer fogo com carvão, mas com lenha; Material: lenha para a fogueira; Círio Pascal, 5
grãos de cera vermelha para as 5 chagas, canivete ou prego grande – para marcar o Círio; lanterna
(caso esteja muito escuro) – para o presidente poder ler; velas para o povo, caldeira de água benta,
turíbulo e naveta com incenso, pegador de brasas, cruz procissional, pedestal para o Círio, toalha e
vela para o altar – que serão colocados depois; um deposito com água; material para Celebração
Eucarística como de costume. Cuidar para que tenha sonorização e que a fogueira possa ser vista
por todos. As Cinzas e as brasas (apagadas) da fogueira benta podem ser levados pelas pessoas.

Estrutura da celebração:
1. Liturgia da luz: fogueira, Círio
2. Procissão: proclama-se EIS A LUZ DE CRISTO! (Povo responde) DEMOS GRAÇAS A
DEUS; acende-se as velas no Círio, e no final, acende-se as luzes da igreja;
3. Incensação do Lecionário e do Círio Pascal; Proclamação da Páscoa: o Exultet. A
Proclamação da Páscoa é um momento muito forte e se possível o Exultet seja cantado, ou
proclamado com muita força, em alto som, pelo presidente da celebração.
4. Liturgia da Palavra: são 7 leituras do AT e duas do NT. Do AT, podem ser feita apenas 3
leituras; mas, É OBRIGATÓRIA A LEITURA DE Êx 14, 15-15,1 – o Cântico de Moisés.
5. Glória: cantado com muita força; badalar os sinos.
6. Oração da coleta.
7. Leitura da Carta aos Romanos
8. Aleluia e o responsório
9. Proclamação do Evangelho
10. Homilia
11. Liturgia da água
12. Liturgia Eucarística

Qual é a data correta da PÁSCOA?


A PÁSCOA acontece exatamente no primeiro domingo após a LUA CHEIA, depois do
EQUINÓCIO de março.
Durante o ano, acontecem dois EQUINÓCIOS, ou sejam:
- O primeiro acontece em no dia 21 de Março e o segundo no dia 23 de Setembro, e são os dois
únicos dias do ano nos quais o DIA tem exatamente a mesma duração, em horas, minutos e
segundos, que a NOITE.
Então, como dá prá perceber, é um dia especial, de recomeço ou de finalmente.
Para quem pergunta: Por que a Páscoa é tão cedo este ano?
A Páscoa é sempre o primeiro Domingo depois da primeira lua cheia depois do equinócio de
Primavera (20 de Março). Esta datação da Páscoa baseia-se no calendário lunar que o povo hebreu
usava para identificar a Páscoa judaica, razão pela qual a Páscoa é uma festa móvel no calendário
romano.
Este ano a Páscoa acontece mais cedo do que qualquer um de nós irá ver alguma vez na sua vida! E
só os mais velhos da nossa população viram alguma vez uma Páscoa tão temporã (mais velhos do
que 95 anos!).
1) A próxima vez que a Páscoa vai ser tão cedo como este ano (23 de Março 2008) será no ano 2228
(daqui a 220 anos). A última vez que a Páscoa foi assim cedo foi em 1913.
2) Na próxima vez que a Páscoa for um dia mais cedo, 22 de Março, será no ano 2285 (daqui a 277
anos). A última vez que foi em 22 de Março foi em 1818. Por isso, ninguém que esteja vivo hoje,
viu ou irá ver uma Páscoa mais cedo do que a deste ano.
Por isso, então, recomendo-lhe que nesta PÁSCOA, na hora que colocar aquele primeiro pedacinho
de CHOCOLATE em sua boca, saboreie bastante, feche os olhos, volte para dentro de seu interior,
faça uma reflexão, lembre-se do Ressuscitado e transforme esse dia num grande dia, de recomeço
para dias melhores ou de se pisar definitivamente em cima de mazelas ou seqüelas de um passado
que nunca mais voltará.