Você está na página 1de 213

Produzido por

Produced by
Almir Chediak

c I c o

'
Idealizado, produzido e editado por
Created, produced and edited by
Almir Chediak

c H I c o

• 56 músicas contendo melodia, letra e harmonia


(acordes cifrados) para violão e guitarra.
. • 56 songs containing melody, lyrics and harmony
(numbered chords) for acoustic and electric guitar.
• Todos os acordes cifrados estão representados
graficamente para violão e guitarra.
• All numbered chords are represented graphically
for acousüc and e!etric guitar.

Volume 2

~
LU MIAR
EDITORA
Songbook O Chico Bu:uque
v
Volume 1 Volume 2 v
Chico Buarque·: o mestre ~a canção I Chico Buarque: tlte master. Chico Buarque: o mestre da canção I Chico Buarque: the master
of so11g Almir Chediak ........ ; ...••.........•...... .O of so11g Almir Chediak •..•.. . ..•...... ,. .....•........ 6
O craque Chico I All-star Chico Sérgio Cabral ............O O artista e o tempo I The artist alld time José Miguel Wis11ik &
Guilherme Wisnik .••...........................•.••. 8

MÚSI CAS SONGS MÚSICAS SONGS


A banda ............•............•................O Acorda amor ..•......•........••.•.............•..35
Acalanto para Helena .....•....•••.............•.... .O A mais bonita .....................................38
A foto da capa ...•........ ·........................ .O Amando sobre os jornais ...............••.......•.•..41
Agora falando sério .................................O Anos dourados .....•.•.. .• .................. ... .... .43
Almanaque ....................... : . ............•. .O A permuta dos santos •••••.....•......•............. .46
Ano Novo . ; ..................•................... .O - Aquela mulher ...............•......•.........•....54 ·
A noiva da cidade ....................•......•...••• .O - A Rita .....••.••..••....•..•..••.......... , ...•..50
A ostra e o vento .....•................•.........•. .O As minhas meninas ................•.•............•.52
Apesar de você ....•..................•............ .O Assentamento ................................•..• .51
A Rosa •... ·...................•.................. .O ePAs vitrines ...........•......•.......•....•.•.••.•.61
Até pensei .......•...... : .•.....................• .O A televisão . . ............•.............•.••..•... .64
Bancarrota blues ..•...........••••........ . •......• .O Bárbara •................•..•••.•..••....•••...•..67
Benvinda ....•......•..•...•......•.............. .O Biscate ..........•••....•....•...........•..•....70
Bom conselho .••...•..•.•..••...•..•.•....•.....• .O Bom tempo ......•...••••.....••.......•.....•....74
Cala a boca, Bárbara .••. , .....•..........·... ·....... .O Caçada .........••••......•••..•.•.•.•...•.•••••.78
Cantando no toró . ; •.•..••...•.•.................•... .O - cálice ........•............•.•••......•.....••••.82
Deixe a menina ........•...... .- .... ·•............•.• .O Cara a cara .. . ......•..•.••.•.••.......•......••..86
Desalento ......•.••.•. , ..................•..•.... .O ,. Cecflia ..... . ........••........................•..92
De volta ao samba ......•. ; ........... . ......•..... .O Ciranda da bailarina .••••.. . •.•...•...•..•......•. ·•. 89
Ela e sua janela . ..•..••.......•.....• : ............. .O Cobra de vidro .....•.••...•..•.•....•..•••.••..••..96
Estação derradeira ..•..........•••••...•• : . ...••..• .O Como um sa.mba de adeus ..•..•..••..•.•...•••..••.•.98
Fantasia .....•...•.•..............••........•••.• .O Desencontro .....•.....•.•....•••.••...•.••.•••• .1 O1
Geni e o zepelim ..•....•.• : . ....••••..•.•.••....... .O Dueto .•.•.. . .•.•.•..•......••.....••••..•••.••. 104
Grande hotel .. ••...••. : ....•..••..... . .......• . .. .O - Feijoada completa .•••.. , •• .. ..•..••..•.•.•...•.•.. 109
Hino de Dumn . •........ , ...•........... .. ...... . • .O Folhetim . ... . . •.••.••.•.••. . •.•.••....•..•..•••• 114
l imo. Sr. Ciro Monteiro •.. ; ...•..•.........•.•... .- .. .O Fortaleza ...•...•..•.•• . .....•....••••........••. 112
Imagina ......•....•........ . ••..••..........•..• .O ~njuriado ...• . .•.•...••.••....••...••••••.•.•.••• 117
Já passou •.....•..•..•..•..••••. ,. ..•.....••...••.. .O ..,.Iracema voou .•.....•••..•.•..•••..•.•••..••••.•.. 120
Leve ..•....•..•....•............... . •.......•... .O , Januária •..•.......••..•.•..••..••••••••••••.••.• 122
Logo eu? ..•.••.......•.•....•.•..•...•. . . ·· .• ···.O LoJa •.•..•.. . .... . ••••..• .. •••.•.•.••..•••..••.• 124
Mambembe ...•.......•.....•.•....••.........•.. .O Meu refrão ..•. . ..••••••••.•••. . .•.•.•............ 127
Mar e lua .•...•.....•................ . , . . .. . ..... .O ,Mil perdões .. . . ...•..•.•• . • . .•.•.•....•..•.....•. 131
Meninos, eu vi .......•.......•.••........•.......• .O Moto-contfnuo ...•..••••..••..•••.••.....••..•..•. 135
Não existe pecado ao sul do equador : . ................. .O Novo amor ..........•..• ; • . ...•.••.....•..•.•.•• 139
Não sonho mais ....•...•... ·.••..•... • •.....•..•... .O O circo mfstico ..•...•.....•..•...•••.......••..•• 145
O cio da terra ...•.........•..· .•.•. , ...•......•.....O ' O meu amor .....•....••...•.•.............•..••. 149·
O futebol ..•...•.....•.•..••...•..............•.. .O · O último blues ......•.•.......•••.........•...••.. 142
Onde é que você estava ..•...........• : . .........•.. .O Palavra de mulher ••. •.•....•••.•..••.•............. 152
Outra noite .....••... .. ............•.••..........•. .O Partido alto . . . . . . ...••.... ... ·.. •................. I 54
O Velho Francisco : .•...•. .• ...•... • ..•...•........• .O Passaredo ......•....•..•.....••....•...•..•...•. 161
Pedaço de mim ....•..•...•..............•......... .O Pelas tabelas ..........••...•...••••..•....•••.••• 158
Pedro pedreiro •. , ·..•..•....•.....•......•.... : .... .O Quando o carnaval chegar ..... • .•.......•...•...•.•. 164
Realejo ... ·..... ; .•.•..••....•.................... .O Romance •.........•.•••.....••••...••••.•..•..•. 166
Retrato em branco e preto .......... ·, ...•............ .O · Rosa-dos-ventos .......•........•.............•... 169
Rio42 .•..•........•........••.................. .0 .. s abiá ••.....•••••.••••••.•. •. • . •..•.•••......••. 172
Samba e amor .........•. . ......•................. .O .-s~mba de Orly . .. .••.. . ...•......•.......... . • , •.. 176
Sem açúcar .. ·..........•...............•.........• .O Sem fantasia : .. : •....•........•.....•......•..... 178
Será que Cristina volta? .........••................. , .O Sentimental ... . ........•......•.•...•....•.••.••• 182
Sonhos sonhos são ..••.••..•.•..•.•..•.........••.. .O . Sob medida .........•......•.......•.•.....•.•.•. 185
Tango do covil .................•..•..•.....••..... .O Tanto amar ..•...•..•..•••.• . ...•.•. ·.•...•....•.. 188
Tem mais samba ...........•..••................. ·.. .O , Teresinha .•..........•..•.••............•.... . ... 194
Trapaças ....•.......•.•.............•.•....•.. ~ .. .0 Todo o sentimento .....•.... ; ...................... 191
Uma canção desnaturada ... ·.•.....................•. .O Uma menina ... : ........••... . ....•............•.196
Valsinha ......... . .. ·...• : ....•..•.... : ........... .o ;Vai passar ... . .... . . . . . ..... ... ........ . .........202
Vence na vida quem diz sim ..... : .......•... . ..... ; .. .O . Valsa rancho . . ...•......•.... . •..••... . •.•..•.••.207
Vida ..............••..••..•••..•...•.. ·........•. . .o Viver do amor . .. . .•..........•..•...•.••.•...••.. 199
Discografia Discography . . .. •.. .. ... . ... ; . ... . ...... .O Discografia Discography ...........•••..•.....•...••.212

·.
Songbook o Chico Buarque

Volume 3 Volume 4
. .
Chico Buarque: o mestre da canção I Chico Buarque: the master· Chico Buarque: o mestre da canção I Chico iJuarque: the master
of song Almir Chediak ·...•.•....•.....•...••.•....•. O of song Almir Chediak ..•.••....••••.....••...•••••..O
Chico Buarque: criador e revehidor de sentidos I Chico Buarque: Entrevista- Fala, Chico Buarque I lnterview- Talk to me, ·
creator and revelator ofmeanings Adélia Bezerra de Meneses .. O · Chico Buarque .....••.••....••••..•.•. , •••..• , ••••• ~O

MÚSICAS SONGS MÚSICAS SONGS


Ai, se eles me pegam agora .....•..••.•..•...•..•.... .O A História de Lily Braun ..••.•.• ~ ..•.••.•••.•.• .- •.•. .O
Amanhã, ninguém sabe •..•.•.•.•.•..•...•.•..•.•.... .O A mulher de cada porto ..•.......••••. : ......•_..•... .O
Amor barato ....•••.••.••...........••••.......... ·..O Atrás da porta·..................•...•..• -•.•..•••...• .O
Ana de Amsterdam •....•..••....•••.•.• ·• ." .••••.•..• .O A volta do malandro •• ..••..••.•• ••••••...•••••...•• .O
Angélica ......•••...••••..•••..•.•.•.••..•.•..... .O A voz do dono ·e o dono da voz ...••.•••••••.•••••..•. .O
Até o fim' ••..•••..•••••••••...•••..•••.••..••.••• .O Baioque .••••.•••••.••..•••••...••.••• : •••..••••• .O
Até segunda-feira .•••••...•.•• .- •...•••••••.•.•..... .O Bastidores .•...•• : •.••....•.•.••..••.•...•.... : . . ·.o
A violeiro ........•....••••...•...•.••..• ·, •...... , .O f .. ..........
Be~triz ....•••••.•. ,., .......••. : •• •.• . .O .
Basta um dia .•....•.•...•.•.........••..••....... .O B01 voador não pode ·• , ....•..•....•.•.•.••.•.•....• .O
Baticum ..•...... •.•.•••...........••.... .. ; ..... .O Bye bye, Brasil ...•••_..•..••.....••. ~ .•.•••.••••••. .O
Bem-querer ..••••..•...••..••.•.•...••..••..... .. .O Carolina ..••.•.••••...•.....•••••.....•..•••••..•• .O
Brejo da Cruz ..•••.•••••••...••••••.••....••...... .O Choro bandido •..•.••..•...•.••••.•....•.••••.••••• .O
Cadê você? ••.•••..•.•••••...........•...•.•.•.•.• .O Com açúcar, com afeto •.•......••...•....•.•.••..••. .O
Carioca .•••..•.••.•••••...•••.•.•.•••..•••.•....• .O Construção ••..•• : •. ~ • ·•..•...•••.•..•.••••.•••••.• .O
Chão de esmeraldas •....•.••. .'.•.•.•...••..••••...• .O Corrente ..•••••••.•.•..••...•••.• ••.••••..••••••• .O
Cordão ..• •..• ·.•••••.••.•••....•...••• : . •.•....... .O Deus lhe pague ..•..•...•.•••.•.....•..•..••..• -•• •• .O
Cotidiano ••....••......•••••....•....••••.• ; •...• .O Ela é dançarina •••.....••••...•••...••••..••••••. -; • .O
De todas as maneiras .••...••.•..•••....• : . ••••.•.•• .O Essa moça tá diferente : . ....••••••••.••..• •••••.•.•• .O
Doze anos ••...•••.•..•••.••••..••.••...•••..•••• .O Fado tropical •••••......••••••••••.•• -. .••...•••••• .O
Ela desatinou •••••.•••.•••.•••.. . ·..•.'. : • •.••.•.•.. .O Fica ..•.... ••••••. ........•.••..••.••••..••••••• .O
Eu te amo ....•••..••..•.......•.•.•.•••••. ~ ..•... .O Futuros amantes •........ : ••..•..•..••.••..••••.••• .o·
Flor da idade •...•••...••.•.•..••.••..•••.••....•. .O Gente humilde ..•.• . ~ ..••.....• ...•.•••••••••...•• .O
Homenagem ao malandro ••..•••.....•....••. , ..•...• .O Gota d'água • ; ••.. ·...•..••.....•••..•.. ••..•••••.• .O
Joana francesa .•••••.••••.•.•.••••.•••.•••..••.... .O João e Maria .•..••......•.• .•. .•.•••.•..•••.••••.•. .O
Juca .••••....•••..•••••.••••...•... ·••.••..•••....O · Léo ............................................ .0
Las muchachas de Copacabana .•..•..•... : • ..•••.•..•. .O Levantados do chão .•. ; ...•..••.••••..••.•••.•...•• .O
Ludo real ••..•.•••...••.••••..•.•••...••••..••. ~ . .O Lua cheia ....•.•••.•.••.•.....•••.••..••••••••••• .O
Mano a mano ....• : • ...••...••..•. .' .•••..••....•.• .O Madalena foi pro mar ..••..••..•.•.•••...••.....•••• n
Meia-noite ...•••...•••• : ••..•......•••.••.•.•...• .O Maninha ..• .... .....•.•••....••••.•••.•..•••••..• .O
Meu caro amigo •••....••.......•. ·...••..•.•• : ..... .O Morena dos olhos d'água .. : . ..••.......••..••••.••••·.O
Morena de Angola ••....... ........ ....•... ; .•.... .. .• .O Morro Dois Irmãos ..•••....• ·......•.•...•••.•.•..•• .O
Não fala de Maria •..•••.... : . •.....•....•• ; ....... .O Mulher, vou dizer quanto te amo ••. : . .• ..•.•..•.•• ·.••• .O
Nego maluco .••••••.•..•...•• , ..•.•..•...•... ·. ; .. .O Mulheres de Atenas ••.....•....•••.•...•••••••....• .O
Noite dos mascarados •...•.....•...•...•...••...•..• .O Na carreira ...•..•..•...•..••..•..•...•.•••...••.•. .O
Nosso bolero •.•.••.•..•.••••.••••.•...•..•..• : ... .O Nicanor .....•••......•.•.•.•.•...•.••••..••••••• .O
O malandro •..•.•••.•.•••...••••.•••.•..••......• .O O casamento dos pequenos burgueses •••....•••••••••••. .O
O meu guri ....••••...· .•..•••..••.••..••••......... .O Olê, olá ...• .••....•......•••••.•.•..•.••••..••..• .O
Piano na Mangueira ...•••.••.........•..•...• ·•..... .O Olha Maria ..••...... .•.............•..•..•.•....•. .O
Pois é ...••...•.•..........••..•... ·············· .O Olhos nos olhos , ..•...•..•....•..•..•........•••.. .O
?rimeiro de maio •..•.•.•.•..... .......•...••...... .O O que será -Abertura I À flor da pele I À flor da term ••••. .O
Qualquer canção .•....••........•..•..•....•.....•. .O O velho •••....... , .••.•...••••......•.•.••.•..•• .O
Roda viva. ·•.•...•..•....•.•.......•.•.•..•...•... .O Paratodos •...•.•......•....••.••... ·....• ; •.•...•• .O
Samba para Vinicius ...............• ; ·........... .' ... .O Pivete .....•.•.•..............•.••.....•••.... ···.O
Se eu fosse o teu patrão ..••.......•..•.....•........ .O Quem te viu, quem te vê •.......•........•.......... .O
Sobre todas as coisas ...... ...•...•. ... ............. .O Samba do grande amor .........•........••...•...... .O
Suburbano coração ••...••........•.......... ·....... .O Soneto . ~ ......•••............•...... : ...•••..... .O
Tanto mar .....•....••...............• ·····•······ .O Sonho de um carnaval ..•...........•..•........•... .O
Tempo e artista ......•................•.....•...... .O Tanta saudade ....•..•..........•...•. ·...•..•..••. -• .O
Tira as mãos de mim ......•........................ .O Tantas palavras •..... : ..•.......•..•.....••.•••...• .O
T_rocando em miúdos . ............. ·....... .•..•. • ..... .O Tatuagem ..•.•...... ...........•••......•.....•.•• .O
. m chorinho .•••........••..... : . ..•..............O Uma palavra ...........•.......•..•.. : . .•......... .O
Umas e outras .• ." ...................... : ...........O Vai trabalhar vagabundo ...........•..•......•....••...O
Vai levando •......•...•......... , ................ ·. .O Você vai me seguir ........•....•.•......... .- ....... .O
Valsa brasileira .........•.... : . ..•.... : . ........... .O Você, você •• : .........••. : .•.•....•......•••..•.. .O
Você não ouviu .•. ~ ••.. r • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • .O Xote de navegação .•.................•· ............. .O

Discografia Discography ...............•... · · .. · · · · · .O Discogratia.Discography .•..........• ·...•..........• .O

·.
Songbook O Chico ·auarque
Songboolr. O aüco Buarque

o Coordenação de o Assistentes de Produção


Produçãoi~Toduction deste Songbookl
mdicados no Coordination: Songbook ~Toduction
música Ana Dias Assistants :
Music are found at O VersãoiEnglish o Revisão MusicaV Brenda Ramos I Anna Paula
the end of each song Translation: Music Revision: Lemos
Cláudia Guimarães Almir Chediak I Chico
O Edito! ResponsáveVChief Buarque I Cristovão Bastos I o Direitos de Edição para o
Editor: O Revisão de Ian Guest I Ricardo Gilly BrasiV Publishing rights f or
Textos/Proofreading:
Almir Chediak Nerval Gonçalves I Raquel Brazil:
Zampil . o Composição Gráfica das Lumiar Editora- R. Elvira
G Projeto GráticoiGraphic Partituras/Music type-setter: . Machado, 15
Project: · O Revisão de letras/Lyrics Júlio César Pereira de CEP 22280-060 - Rio de
Almir Chediak Revision: Oliveira Janeiro, RJ
Fátima Pereira dos Santos Tel: (021) 541-4045 I 541-9149
O Capa e diagramação
O Thanscrição de
O Composição Gráfica Fax:275-1386
ICover and Graphic Lay out: partitur_as( Music das Letras/ Graphic Home page: lumiar.com.br
Bruno Liberati e Chris Transcnptton: Composition of Lyrics : E-mail:
Magalhães Fred Martins I Ricardo Gilly Letícia Dobbin lumiarbr@uol.com.br
Soagbook O Chico Buarque

Chico Buarque: -o mestre da canção


inha admiração por Chico Buar- sia e poUtica em Chico Buarque; José Miguel Wis-
que vem desde os anos 60, quan- nik, professor de Literatura Brasileira da USP, com-
do ouvi suas primeiras músicas no ·positor e músico; e seu filho, Guilherme Wisnik, ar-
rádio. Lembro-me de ter ficado quiteto e músico, colaboraram na elaboração dos tex-
emocionado ouvindo canções co- tos deste Songbook.
mo Tem mais samba, Sonlw de um Os oito CDs do Songbook Chico Buarque lan-
carnaval, Olê, olá, Pedro pedrei- çados pela Lumiar Discos contaram com a partici-
ro, A Rita, Quem te viu, quem te vê e A banda. Essas pação de mais de 100 artistas da MPB , interpretan-
músicas me I;Ilarcaram muito, senti uma identificação - do ·as 119 canções escolhidas para este projeto, tor-
imediata, havia um estilo bem definido de compor. Th- nando-o assim o maior songbook realizado na mú-
do era muito bem-acabado, música e letra se encaixan- sica popular brasileira. ·
do, isto é, o som da palavra em integração absoluta com Agradeço a todos aqueles que colaboraram direta
a música, uma característica marcante na obra de Chi- ou indiretamente para a realização deste trabalho.
co Buarque. Por ser um compositor essencialmente can-
cionista, talvez a melhor maneira de ouvi-lo seja em Almir Chediak
forma de canção: música e letra sempre juntas. Além
de ser um mestre em unir esses dois elementos fun-
damentais na música popular, Chico é também primo-
r<?so em harmonizar suas canções, habilidade que ele
foi desenvolvendo com o passar dos anos.
Nessa época eu começava a dar as fi1:Ínhas primei-
ras aulas de violão e havia criado uma espécie de song-
book particular para poder ensinar aos alunos. Chico
Buarque era o compositor que tinha o maior número
de músicas, o que já demonstrava a minha enorme ad-
miração por ele.
Sempre comprei todos os seus discos. Aliás, é de se
observar que muitos deles lançados nos anos 60 e 70
tinham cinco ou seis músicas executadas nas rádios, tor-
nando-o um dos compositores com o maior número de
sucessos nestes últimos trinta anos. E todos esses su-
cessos aconteceram principalmente em função dã qua-
lidade de sua~ músicas, que vão ao encontro do gosto
popular. Chioo é um dos compositores mais queridos e
respeitados em todas as classes sociais, uma conquista
que se deve não só ao seu talento e carisma, mas, tam-
bém, aos seus atos como cidadão.
Na série Songbook, este é o que contém o maior
número de músicas. São 222 canções divididas em qua-
tro volumes, todas escritas exclusivamente para este
trabalho e r~visadas por Chico Buarque ou por seus
parceiros, fazendo com que este Songbook seja o mais
fiel possível ao que Chico gostaria.
Sérgio Cabral, escritor e jornalista; Adélia Bezer-
ra de Menezes, professora de Teoria Literária da USP
e da Unicamp e autora do livro Desenho mágico. Poe- Chico e Almir, 1999

6
Soog'book O Chico ÜIWque

Chico Buarque : the master of song


've greatly admired Chico Buarque since the music, always together. Resides being a master at
60's, when I heard his very first songs on joining these two crucial elements of popular mu-
the radio. I remember feeling quite moved sic, Chico also excels in harmonizing his songs, abi-
upon hearing songs such as Tem mais sam- lity he's developed throughout the years.
ba, Sonho de um carnaval, Olê, olá, Pedro I was beginning to give guitar lessons at the ti-
pedreiro, A Rita, Quem te viu, quem te vê me and had created a sort ofprivate songbookfor
andA banda They left their mark in me. The my students. Chico Buarque was the composer with .
identification was immediate; there was a very de- the greatest number of songs, which already sho-
fini re way of composing. Everything was very well wed my great deference toward him. t'
shed, music and words fitted perfectly into one I've always bought ali of his records. In fact, ma-
wwther, which isto say, the sound ofthe words was ny of the ones released in the 60's and 70's had
completely integrated with the music, a remarkable five or six of their songs aired on the radio, ma-
characteristic in Chico Buarque. Since he is essen- king him one ofthe composers with the greatest num-
tially a songwriter, perhaps the best way of listening ber of hits in the past thirty years. These songs we-
to him is precisely in the form of song: words and re big mainly due to their quality; they satisfy the
public's taste. Chico is one ofthe dearest and most
respected composers in ali social classes, a suc-
cess that can be attributed not only to his talent
and charisma but also to his actions as a citizen.
In the Songbook series, this one contains the grea-
test number of songs. There are 222 of them divided
among four volumes, ali of them transcribed exclusi-
vely for this project and revised by Chico Buarque o r
by his partners, making this songbook as close as pos-
sible to Chico 's wish.
Writer and journalist Sérgio Cabral; Adélia Be-
zerra de Menezes, professor of Literary Theory at
USP (University of São Paulo) and Unicamp (U-
niversity of Campinas) and author of the book De-
senho mágico. Poesia e política em Chico Buarque
[Magical design. Poetry and Politics in Chico Buar-
que]; José Miguel Wisnik, professor of Brazilian
Literature at USP, composer and musician; and his
son, Guilherme Wisnik, architect and musician, par-
ticipated in the elaboration of the texts included
in this songbook.
The eight CDs ofthe Songbook Chico Buarque
released by Lumiar Discos had the participation
of over 100 Brazilian artists, performing the 119
songs included in this project-which makes it the_
biggest songbook ever produced in Brazilian pó-
pular music.
I thank ali of those who participated directly o r
indirectly in this project.

With Almir Chediak, 1999 Almir Chediak

7
Songbook O Chico Buarque
AJB/Franço

Chico (D) à frente da Passeata dos Cem Mil com Edu Lobo, Nelson Motta, entre outros (a primeira manifestação histórica -...
de repúdio ao regime militar, 1968. Na página ao lado, uma visão panor~mica desse movimento

O artista e o tempo
ão é difícil perceber que, . em parceria com Gil) um mosaico você (1970), Cálice ( 1973, com Gil-

N às vezes, Chico Buarque


faz como se virasse, com
uma canção, a página da
história. Pode-se dizer que À flor da
terra - O que será (1976) vislum-
lúdico do merchandising generali-
zado e da onipresença da mídia, e
Sonhos sonlws são ( 1998) o pesa-
delo do nervosismo dos "mercados"
e do vôo cego da "globalização".
berto Gil) ou Vai passar (1984). Mas .....
muitas delas compõem, e isso é o
que propriamente as define, além
de uma "agenda" da nossa história
contemporânea, uma agenda afeti-
"""
._

brou o hori~onte que iria da ditado- Não estou falando de Sabiá va e pessoal que surpreende e ins- ._
r~ às diretas, ao mesmo tempo que (1 %8, em parceria com Tom Jobim), creve, em cada instância coletiva, -
exprimia a pulsação erótica da po- que adivinhava sem saber, na turbu- a marca de uma experiência verti- ._
lítica. Que Bye bye, Brasil (1979) viu lência dos festivais da canção, o~ anos cal irredutível, ainda que acompa- ...
as novas caras do país que os anos do exHio que se seguiriam, nem de nhada sempre da sensação de ser
do "milagre econômico" ao mesmo Cotidiano (1971) ou Acorda amor compartilhada. Assim, as canções
tempo produziram e esconderam, que (1974), duas versões do dia-a-dia e de Chico Buarque, ao mesmo tem- ......
Bancarrota blues (1985) é a canção do noite-a-noite sufocados sob a di- po que assinalam acontecimentos. ""'
da dívida externa insaldável pairan- tadura, nem da emergência lenta e da vida brasileira nas últimas dé- ._
do sobre a visão colonial do paraí- gradual dos pivetes (Pivete, 1978, O cadas, são elas próprias aconteci-
'-
so, Estação derradeira (1987) o alar- meu guri, 1981, Brejo da Cruz, 1984). mentos marcantes que se vão for-
me profético da convulsão social no Nem todas se tomaram (ou qui- mulando para nós "em tempo real, .__..
morro e na cidade, Baticum (1989, seram ser) hinos como Apesar de e em tempo simbólico. Nesse sen- . . . .
---------------------------------------------------------------------------------
8
'-
'Songbook O Chico Buarque

tido, elas não só muitas vezes mar- za aos olhos do homem o poder de se insensivelmente na vida de todo
caram época, assinalando um mo- um gozo subtraído à sua posse. Se mundo e que tipifi.cam na verdade al-•..J
mento histórico e trazendo-o à to- colocamos Olhos nos olhos ao la- terações profundas no modo de se te... ..J
na de uma consciência clarificada do de Com açúcar, com afeto (por cerem, no cotidiano, os encontros e
pela poesia, mas também marcam sinal, outra expressão que se inte- desgarramentos dos sujeitos). ...,.~
a época na nossa memória emocio- grou ao uso cotidiano, 1966), Atrás Em Bye bye, Brasil alguém liga ...,.~
nal com o timbre de uma experiên- da porta (1972), Tatuagem (1972- para casa e dá notícias, não só de ...J
cia inconfundível. 73) e Trocando em miúdos (esta, por si, mas também, sem querer, de um .._,
Isso só é possível porque letras sua vez, uma antiga expressão co- país que se transformou sem que nin- _,
e melodias formam um nó lumi- loquial aplicada pela canção ao rom- guém visse, sob a máscara faraôni-
noso e inextrincável em que se con- pimento amoroso, quando a vida em ca da chamada "modernização con- -'
densam certas situações inter- comum se reduz e traduz dolorosa- servadora". Essa visão cheia de in- ...J
subjetivas, intensificadas num mente em peq_uenas posses desgar- dícios disparatados, aquarela do Bra- _,
momento determinado, mas dis- radas e litigiosas, 1978), temos, não sil que virou quebra-cabeça, pende _..,
seminando vestígios narrativos propriamente um panorama, mas o pelo fio da última ficha telefônica
que concentram, no breve instan- mosaico das transformações conju- de uma ligação que vai acabar. Os ._,
te da canção, vivências de longo gais que se deram num curto e in- conteúdos correspondem até certo ....,
cu~so, porções inteiras de vida, tenso petiodo, compondo as vicis- ponto àqueles que o movimento tro- --
muitas vezes captadas numa ex- situdes, achados e desencontros de picalista anunciava doze anos antes: ....
pressão comum, imantada por um um repertório existencial em movi- misturas de arcaico e moderno, fli-
novo sentido. (A propósito da dic- mento. Além de constituírem, cada perama em Macau, fudio e calça Lee,
ção particular da "canção-vivên- uma e todas, fragmentos densos de Tabariz e Bee Gees junto com "sau- -
narrativas concentradas em canções.
Assim, podemos desmanchar um
letras e melodias ... a grande história vem
primeiro equívoco: aquele que en-
formam um só nó gendra a querela do compositor po- sempre repassada pelas
luminoso e inextrincável lítico ou não-político, culpado de pequenas experiências ...
sê-lo ou de não sê-lo. Essa não é a
cia" em Chico Buarque, ver O can- sua questão. As canções de Chico dades de roça e sertão", idioma in-
cionista - composição de canções Buarque vêm pontuando décadas de glês e "japonês trás de mim". Mas ~
no Brasil, de Luiz Tatit, publicado história, mas de um modo diferen- aqui, além de se acrescentarem os ....
pela Edusp em 1996). te daquele que se atribui muitas ve- índices específicos da década de 70
A expressão "olhos nos olhos", zes a ele. Nelas, a grande história (usina no mar, bauxita no Ceará, tran-
por exemplo, sedimentou-se de tal vem sempre repassada pelas peque- samazonismo), o ponto .de vista tam-
modo no uso coletivo que nem sa- nas experiências, estas por sua vez bém é distinto: a mercadoria inter-
bemos mais se existia antes da can- reveladoras da vida coletiva de um nacionalizada e os choques de cul-
ção.de 197p (Olhos nos olhos). O modo inesperado. turas são dados de urna realidade ren-
fato é que ela tomou-se desde en- Tomemos três exemplos espaça- te ao sujeito, que ele experimenta
tão um quase-sinônimo para a sin- dos em três décadas: Bye bye, Bra- na fila do orelhão, ao mesmo tem-
ceridade plena, ao mesmo tempo que sil (1979), Anos dourados (1986) e po que viajando pelo Norte doBra-
a senha de um salto na educação sen- Iracema voou (1998). Nas três can- sil ou vendo tevê.
timental daqueles que ouviram a voz ções despontam aqueles detalhes de Podemos dizer que a profecia tro-
da mulher colocar o homem no lu- época através do quais Chico Buar- picalista desce, em Bye bye, Brasil,
gar devido em que ela agora o com- que, mestre em flagrá-los, capta sin- aos níveis de realidade mais chãos,
preende em vez de ser compreen- tomas dos tempos: a ficha telefôni- porque agora·se generalizou e está
dida pelo território dele, em que os ca e o DDD em Bye bye, Brasil, a se- em toda parte, inclusive na psicolo-
papéis se desnudam sem destruir ne- cretária eletrônica em Anos dourados, gia do homem comum, que é onde
cessariamente o afeto, e em que, ex- a chamada internacional a cobrar em Chico Buarque a toma para si. O bra-
pondo a fragilidade e a força, ela go- Iracema voou (fudices que entram qua- sileiro trabalhador, explorando a fren-

10
ongbook Q Chico Buarque
A&mirSiNa

Cemi do filme Bye bye, Brasil de Cacd Diegues, 1980

te de oportunidades que parece se volta de um mote enigmático ("o sol jogo aqui, de um modo tenso e di-
abrir no Norte-Nordeste, manda no- nunca mais vai se pôr") circula pe- fuso entre a cultura, a política e as
tkias para casa, num tom familiar. la bela melodia recorrente de Rober- mudanças socioeconômicas.
~las os sinais entrecortados do to Menescal num movimento que es- O tropicalismo denunciou a crise
Brasil não formam uma grande ca- tá entre a casualidade da conversa- do populismo, as mudanças flagran-
S.."l- ou uma casa-grande-, nem mes- ção, os repentes da afetividade e a tes e as renitências líricas, caricatas
mo sob "a bênção do meu orixá" ou obsessão de um circuito que volta ou sinistras do velho Brasil, fázendo
''de Nosso Senhor", embaralhando continuamente sobre si mesmo, uma aposta aberta no processo pelo
~~ mensagem como se interferissem prestes a desaparecer. qual o país fica mais parecido consi-
no próprio contato telefônico, que Que Brasil desaparece? O dopo- go mesmo quanto mais diferente se
... ,t,1 a ponto de se romper. Dados de pulisrno, o da cultura de bases na- tomar, assumindo como libertadoras
um país mudado, retalhos de con- cionais, o do projeto de moderni- as conseqüências desconhecidas da
lissoes ou declarações de amor, pe- zação conduzido por intelectuais pro- mudança. P.or isso, não transparece
ripécias e percalços, pequenas e gran- gressistas? De certo modo todos es- nele o gesto irônico-melancólico im-
des . expectativas desniveladas, notí- ses, embora essas expressões sejam plícito em Bye bye, Brasil.
ctas corriqueiras, restos e promes- mais enviesadas do que alma bra- Em Chico Buarque temos, dife-
'as de desejos, tudo misturado e à sileira e povo, que também estão em rentemente, um acompanhamento das

11
S~ng&ook r;::J Chico Bu~

transformações sociais, culturais e ra na mesma melodia que narra a pular em Paratodos, e o de Benja- ._)
psicológicas do mundo popular nas sua dissipação (assim como, de ou- mim ao frescor ambivalentemente J

quais se inclui o processo de desa- tro modo, na batucada da Manguei- sedutor de Carioca (1998), mesmo ._..~
gregação que vai levar, no extremo, ra, em Estação derradeira). que este se reencontre de algum mo- ~

ao romance Estorvo (que não dei- Curiosamente, podemos ver es- do com o pesadelo cantado de So-
xa de ser um aprofundamento e um se processo correr em duas pistas, nhos sonhos são ( 1998).
acirramento de Bye bye, Brasil). Po- a das canções e a dos romances. Nas Pode-se dizer que o escritor e o _,
de-se dizer que o processo acusa, ao canções, que de todo modo se ligam compositor, atestando o grau de in- .......
longo das canções e romances, não sempre às formas sedimentadas da terpenetração que literatura e músi-
só ou propriamente a desaparição de tradição popular brasileira, e que dão ca popular alcançaram no Brasil, se
'-'
mpa forma de relação política (opa- às palavras expansões afetivas, de- complementam em Chico Buarque,
ternalismo populista), mas o obscu- senhos rítmicos e inflexões entoa- captando nessa dualidade o Brasil co- -
recimento de uma entidade concre- tivas que intensificam a fala cotidia- mo dilema e potência, força e dissi-
ta e historicamente formada (o po- na em suas emoções transparentes pação, simultâneo remédio e veneno.
vo). De todo modo, o mundo de Chi- ou secretas, a música permanece, a É ocioso dizer, por outro lado, o quan-
co Buarque não é o de cortes súbi- despeito de tudo, como testemunho to essa tensão/resolução de canção e
tos, rupturas radicais ou intervençõesinsistente de uma experiência insubs- romance se realiza nele em alto ní- -
programáticas. Em vez disso, ele cap- tituível, de uma memória inerente vel, em oposição àquela suspeição re- -
ta sinais sutis de mudanças quase im- ao Brasi!_ que pulsa. corrente de que o cancionista é neces-
perceptíveis que de repente se con- Porque a música popular, na tra- sariamente um artista menor ligado
densam numa imagem ou numa si- dição chico-buarquiana, é o meio e ao ramo do entretenimento, que só por
tuação, já catalisada embora recém- a mensagem do país, que fala por seu equívoco se envolve com literatura.
corpo. Nos romances Estorvo (1991)
e Benjamim (1995), por sua vez, a
a .lírica de Chico Buarque faz do passado alguma
narrativa desmelodizada e destituí-
amadurece uma espécie da da expressão musical deixa a nu coisa ambivalente
de trabalho de luto um mundo de observações obsedan- próxima e distante
tes e corrosivas, cujo giro vicioso pa-
percebida na sua nova forma, que rece engolfar toda inocência social Em Anos dourados alguém re-
guarda ainda os sinais controversos perdida, toda evanescência lírica e vive ao telefone, num surto afeti-
de estágios anteriores. toda chance de identificação cole- vo desencontrado, a paixão datada
O sentimento forte e difuso de tiva, empurrando-as parà um hori- de um Brasil quase-Brasília, deixan-
algo que se perde, em Bye bye, Bra- zonte sem saída e sem salvação. do, para um interlocutor ausente,
sil, não se confunde, assim e ape- Gêmeos idênticos e alterados, o confusas "confissões no grava-
sar de tudo, com passadisrno ou pa- cancionista e o romancista tiram con- dor" em que se mesclam o desejo
ralisia nostálgica Desde o início ab- seqüências aparentemente opostas inesperadamente reaceso e o sen-
sorvida pelo~onfronto entre inocên- de suas linguagens, que correspon- timento do irremediavelmente per-
cia e os choques da experiência, a dern no entanto aos dados contra- dido. Sentimentos aflorantes, ao
lírica de Chico Buarque amadure- ditórios do mesmo problema (isto mesmo tempo imperativos, denega-
ce uma espécie de trabalho de lu- é, os avatares do Brasil e sua de- dos, buscados na fotografia moder-
to que a faz decantar as promessas sordem-em-progresso, vistos tanto na e já antiga, projetados sobre o
que se dissipam, as ilusões que se na aparição corno na força do seu vazio do outro, compõem na cena
revelam corno tais, os reveses que vácuo). De outro modo, pode-se di- breve e intensa um sismógrafo emo-
se impõem, num entrelugar em que zer que romance e canção se reme- cional sutil em que os signos de épo-
a vida perdida não anula a que fi- tem e se contaminam reciprocamen- ca transparecem a posteriori, flagra-
ca em suspenso. Em outros termos, te num balanceio objetivamente in- dos na·contraluz lírica como ilusão
a formação de um país desejado, concluso, em que o pesadelo de Es- e saudade. As refrações dessa to-
sempre latente, embora abalada por torvo pode se contrapor à apologia nalidade nostálgica, cuja aura faz
golpes surdos ou brutais, reverbe- · da força regeneradora da música po- do passado alguma coisa ambiva-

12
Sobgbook O Chico Buarque

Clrico dança com a irmã Piif(Maria do Carmo) nafesta da suaformatura no Colégio Santa Cruz, 1962

13
Songbook O Chico Buarque

lentemente proxtma e distante, sílaba, da inflexão entoativa, do ar- Note-se, antes de mais nada, a ter-
transparecem por sua vez nos resí- co da frase verbal em sintonia com nura infinita e o humor que acom-
duos de boleros guardados ou des- o da frase melódico-harmônica, fa- panham a cada passo o destino da
cobertos na melodia de Tom Jobim zem com que a letra se embeba nas personagem, a partir do cromatismo
("parece dezembro I de um ano dou- conotações da música ao mesmo melódico que acompanha milime-
rado I parece bolero I te quero, te tempo que evidencie os perfis des- tricamente o abrir-se do seu vôo-via-
quero I dizer que não quero I teus ta e os transforme quase como se gem, amparado pelo desenho regu-
beijos nunca mais"). os recompusesse. A "palavra dócil lar e em círculo do violão. O com-
A atmosfera subitamente re- I(... ) que se acomoda em balde, em positor premia e consola a sua per-
criada pela memória involuntária, em verso, em mágoa", assim como em sonagem (sabemos que é uma ques-
sua revisitação dos anos 50-60, não música, é a criatura criadora que im- tão de cumplicidade profunda) com
se esgota, no entanto, na mera nos- prime à música a sua marca, trazen- meias rimas perfeitas e aliterações
talgia e na fetichização dos clichês do à tona algo "anterior ao enten- singelamente preciosas, como o
de época (à moda das modas retrô). dimento" (Uma palavra, 1989). O luxo, ainda que poético, de lavar
O centro da canção é o abismo em que acontece também em outras par- "chão numa casa de chá". Sentimos
que çai o eu entre o tempo e o tem- cerias marcantes como Retrato em também que ele confia plenamente
po, estranhando tanto a si quanto ao branco e preto (1968, com Tom) e em que ela, que "leva roupa de lã I
outro, ante o enigma do seu dese- Beatriz (1982, com Edu Lobo). e anda lépida", se vira bem (apesar
jo. Abismo sobre o qual se voa quan- Já em Iracema voou a emigran- de não dominar "o idioma inglês"
do a melodia recorrente e algo co- te cearense nos Estados Unidos, e só ver um filme "de quando em
loquializada do começo ("parece que acompanhando a leva de subempre- vez"), baseada na força que vai por-
dizes, I te amo, Maria") se abre e
1
gados brasileiros que joga sua sor- tando numa bagagem invisível. O
te no mundo, equilibra a sua con-
dição precária com pequenas espe-
é a criatura criadora ranças e provisoriedades, certa al-
O compositor premia
que imprime à música tivez entre resignada e esperta, e a sua personagem com
a sua marca inocência inconsciente de que seu meias rimas perfeitas
nome (inventado por José de Alen-
se expande em "meus olhos molha- car para a índia-mãe da dor do Bra- mesmo dom da ilusão compartilha-
dos I insanos, dezembros I mas quan- sil) contém a cifra secreta de um an~­ da e cúmplice vale para os sinais at-
do me lembro I são anos dourados". grama, que ela diz ao telefone sem mosféricos algo demodés do mími-
A compatibilidade profunda en- saber: "- É Iracema da América". co ao luar e do canto lírico que ela
tre a letra e a música, as afinidades Novamente, a história social impli- "ambiciona estudar" enquanto bur-
conotativas que elas despertam e po- cada aí está decantada numa expe- la a lei para permanecer onde está.
tencializam, trabalhando sobre a sen- riência ao mesmo tempo exemplar, Comove que a frase "tem sau-
sação do tempo datado e do tempo intransferível e inesperada. dades do Ceará", encaixada na me-
sem data, recriain a sensação de uma Já se disse dessa canção que ela lodia com um máximo de resolu-
idade de ouro dos afetos, saudade sem confirmaria a tendência a uma me- ção emocional, seja logo em segui-
tempo e sem lugar (embora coada pe- lancolia crescente na obra de Chico da coloquialmente relativizada,
los signos de classe e de época), te- Buarque, em especial no último dis- quase de surpresa, em ''mas não mui-
souro emocional cujo melhor con- co, As cidades, apontando para um ta" (já que nada resvala para o sen-
tinente não deixam de ser as canções. universo cada vez mais soturno e tris- timentalismo, embora seja sempre
É preciso assinalar que, não obs- tonho. É importante frisar, no entan- delicado o chão emocional em que
tante a música dessa canção não ser to, que insistir no abatimento melan- pisa aquela que vive sem lugar e
de Chico Buarque mas de Tom Jo- cólico como chave explicativa é, de guarda em si, mais do que sabe, uma
bim (assim como a de Bye bye, Bra- saída, um erro de tom que achata as terra originária). .
sil é de Menescal), o instinto e o sen- nuances onde moram tanto o segre- Nos seus telefonemas afoitos Ira-
so cancional do letrista, que con- do do encanto quanto os dados de rea- cema acaba por dizer, sem saber, al-
sistem na noção exata do peso da lidade que a canção pontua. go que o narrador da canção, seu

14
S.ongboolt Q Chico Buru:quc

N'ontogem sobre foto do


AJB/Femondo Mayrtnk

. .r ··locutor virtual, talvez saiba sem mático que propunha), vemos que pesadelo não lê mais o rumo da his-
lllt.cr. deixando-nos suspensos nes- a canção puxa um fio tênue mas tória, assim como não pode ler o des-
se sutilíssimo entrelugar lírico e irô- muito poderoso, não sem ironia mas tino na palma sem linhas da mão
nico: onde quer que ela esteja, in- com uma leveza incrível, unindo o de uma mulher que lhe morde o om-
clusive na "América" que ela ten- fortuito, a história social, a poesia, bro em meio a um vôo turbulento
ta .. fazer", a América é ela, emba- a cultura, sem perder em nenhum ("na verdade não me queres mais
mlhada nas letras de seu nome, não momento a naturalidade coloquial. I aliás, nunca na vida foste minha")
" 'r alegoria, mas pelo acaso infe- Iracema voou condensa, assim, (Sonhos sonhos são,l998). Enquan-
J " ..: feliz que guarda a pérola se- uma questão que tínhamos aponta- to isso, numa notação ao mesmo
LT~ta do anagrama nas curvas de seu do acima: a do transe ambivalente tempo onírica e cruel, "a legião de
<.lcstino improvável, entre as perdas em que o Brasil, na obra de Chico famintos" se engalfinha pelas pé-
c promessas da memória ancestral Buarque, se dissipa e não se dissi- rolas que ele atira do alto de algu-
c do seu ostracismo. pa, insistindo como memória, pro- ma varanda colonial, numa outra es-
Se pensarmos que Iracema é aí jeto, presença ou resíduo, ali mes- quina desse sonho às cegas que pas-
" nnme singular de uma pessoa-per- mo onde parece extinguir-se de vez. sa por Lisboa, Lima, Calcutá, Ma-
ao mesmo tempo que o nome Ali: o mundo do capital dessarrai- cau, Maputo, Meca, Bogotá.
~:olt:livo e popular, criado por um gado e do trabalho pulverizado, de- Fugindo de qualquer alegoris-
escritor (Alencar) empenhado na for- vorando com suas forças avassala- mo compulsório, no entanto, entre
mação da literatura brasileira e na doras e avassaladas as histórias pes- as graças e as desgraças de que es-
fonnulação simbólica do Brasil (não soais, cidades, povos, Estados-Na- tá cheia, a cidade do Rio de Janei-
sabemos se, ele mesmo, conscien- ções, e onde o poeta ex-profeta so- ro ("és minha") continua linda e ar-
te ou inconsciente do jogo anagra- nhador de um pesadelo dentro do rombando a retina de quem vê "o

15
Songbook O Chico Buarque
Mório luiz Thompson
poente na espinha/ das (suas) mon-
tanhas" (Carioca, 1998). Decanta-
da como num pregão por onde pas-
sam os infinitos sinais da paixão pe-
la vida concreta que ela desperta,
a cidade desfila por uma melodia
encantadoramente sinuosa e irregu-
lar que voa junto com "o homem
da Gávea" e a "vadia gaivota", suin-
ga com o "baile funk" e o "samba
no Flamengo", soletra com "o re-
verendo num palanque I( •••) o Apo-
calipse", flutua que nem "muam-
ba I nas ondas do mar", como o pró-
prio "povaréu" ambulante, e aca-
ricia as "meninas I peitinhos d~ pi-
tomba I vendendo por Copacaba-
na I as suas bugigangas".
A sintaxe dúbia e as rimas in-
ternas propõem elos flutuantes
que, por sua vez, interligam vaga-
mente os elementos, contaminan-
do-os e unindo-os como o faz a me-
lodia. As retinas arrombadas pelo
poente são as mesmas que vêem,
numa fusão projetiva, as meninas
do comércio noturno espalhadas a
prêmio por Copacabana, associadas
por sua vez à tapioca "gostosa /
quentinha" do pregão que reinicia
o ciclo. Ondas, sons, palavras, cor-
pos, mercadorias, lugares, paisagens,
trocas lícitas e ilícitas, festa, reli-
gião, trabalho, sexo, tráfico, prazer,
tudo se interliga num tecido de vi-
da à flor da pele diante do qual a
consciência suspende a demarcação
moral dos lirriites entre o trauma e
a maravilha, a violência e a singe-
leza, a inocência e os choques da
experiência. No corpo da cidade e
dessa canção, entre todas as desme-
didas e excessos, os da beleza e da
graça ainda falam mais alto. Ou, por
outra, a vida concreta tem o poder
de reembaralhar as cartas, devolven-
do os jogos a uma espécie de pon-
to zero (de onde eles terão sempre
Show Viva a MPB, década de 70 que, de algum modo, partir).

16
&>ngbook O Chico Buarque

\ ; , · • ••• .1/orm Dois Irmãos

Carioca (onde pulula a vida do envolvendo a sua relação com o tem- vuca), rompido em Maninha, do
Rio ) poderia nos levar diretamen- po. O tema da dissipação da ino- mesmo ano, pela presença de uma
te. aqui. a Morro Dois Irmãos (on- cência, levada pelo tempo e mun- figura ameaçadora e enigmática: "se
de a cidade se ouve, dentro da noi- do destruidores, que carregam a vi- lembra quando toda modinha I fa-
r · ·:~sso da música radical- da em O velho Francisco (1987), lava de amor? I pois nunca mais can-
....:lOsa, 1989). Mas é pre- por exemplo, já estava em A ban- tei, 6 maninha I depois que ele che-
~;w ~onsiderar ainda antes a ques- da (1966), em Roda viva (1967), na gou I (...) se lembra do jardim, 6 ma-
•610 do choque entre a inocência e janela de Carolina (1968) e em mui- ninha I coberto de flor? I pois ho-
a .ex periência (como que transcen- tas das canções dos primeiros dis- je só dá erva daninha I no chão que
dido em Carioca), que é talvez o nú- cos de Chico, assim como mais tar- ele pisou".
c~co temático mais antigo e matri- de no paraíso incestuoso da infân- Quem é ele? A canção não diz,
Cial das canções de Chico Buarque, cia em João e Maria (1977, com Si- mas aponta por isso mesmo para

17
Songbook O Chico Buarque

aquele clima difuso de pesadelo, ne do engajamento, estava no au- ticipação do sujeito. Sintomatica-
aquela espécie de surto esquizo-pa- ge do intimismo e da introversão, mente, nesse momento é o roman-
ranóide que, mais tarde ainda, to- intimismo e introversão que não ce, gênero mais interiorizado que
mará forma no Estorvo, onde "e- deixam de conter no entanto, co- o teatro, que vem fazer contrapon- _,
le", o outro ameaçado-ameaçador, mo mostra Sabiá, uma indire~a for- to às canções. E é justamente en- -
chega de toda parte e a toda hora, ma de intuição política. tão que algumas canções, a partir _
de dentro e de fora, emblematizan- O disco Construção ( 1971) da segunda metade dos anos 80, co-
do, entre outras coisas, o estilhaça- marca uma reviravolta construtiva, meçam a fazer do tempo "a gran-
mente de uma espécie de inocên- do ponto de vista formal e de in- de estrela" (como dirá em 1994 a
cia social, ou de um certo senso de tervenção social, além do novo âni- canção Tempo e artista): o tempo -
dignidade da pobreza - estilhaça- mo que o inspira. Foi então que se como acontecimento que se despren- -..
mente que o romance eleva em be- constituiu, em Chico, o viés simul- de da ordem linear das coisas e que ...
la prosa às raias do absurdo. taneísta dos versos permutáveis com vaga por si mesmo, para além de-
De qualquer modo, esse am- que narra a tragédia do operário em las e para dentro delas, modelan-
biente de modinhas que se dissol- Construção (1 ~71 ), o tom ativamen- do-as, transcendendo-as, destruin- -
vem, de jardins paradisíacos e in- te participante e às vezes cáustico do-as e dando-lhes a quintessência, -
violáveis que se perderam no com que contracenou com a dita- projetando-as na vertigem do tini- _
tempo (Até pensei, 1968), de ro- dura (Deus lhe pague, 1971), sem to e do infinito.
sas que murcharam e do doce que perder o humor, às vezes estrate- O movimento originário dessa in-
"acabou-se" (Você não ouviu, gicamente sibilino (Corrente, 1976) clinação metafísica (da qual os ro- -
1966), de Carolina e Januária nas e o senso, já citado, da verticalida- mances oferecem o contraponto psi- -
suas janelas, por um lado, e de Ri- de singular com que surpreende as cológico e histórico-social) está nu-
situações, mesmo as de denúncia
(Acorda amor). A década de 70 foi
Construção marca um período de engajamento tam- acirra-se um retorno à
uma reviravolta bém em vários projetos de teatro especificidade lírica '"
e cinema, que supõem uma relação
ta e Madalena deixando homens mais combativa com o tempo, a ma reversão do tempo que, andan-
a ver navios, por outro, e onde "seu constrastar com a ciranda lírica de- do literalmente de trás para dian-
padre toca o sino", "o delegado é clinante de A banda e de Roda vi- te, vem deslocar e sublimar seu tra-
bamba na delegacia" e "a roda da va (que não obstante desencadeou, vo destrutivo, tratando a melancolia
saia, a mulata não quer mais ro- esta última, um dos espetáculos mais (essa velha conhecida) a contrape-
dar não senhor", em suma, esse candentemente aguerridos e guer- lo: na canção Lo/a ( 1987), por exem-
mundo de uma ingenuidade algo reados de 68, a peça Roda viva, de plo, alguém chega "arrancando
construída, com precoce maestria, Chico, dirigida por Zé Celso Mar- páginas dentro de mim I desde o pri-
e já oferecido à sua dissolução, tinez Corrêa). meiro dia" (revirando a agenda?), -
marcou a primeira fase da obra de Quando passa o arco principal "me apagando filmes geniais I re-
Chico Buar4ue, que se encaminha da onda de extroversão participan- bobinando o século I meus velhos
rápida e também precocemente pa- te, estimulada e exigida pelos tem- carnavais I minha melancolia". Na
ra um sentimento de exaustão me- pos, e à qual se ligam as peças Ca- Valsa brasileira (1988, com Edu Lo-
lancólica, como se pode ver em labar (1972-73), Gota d'água bo), é o sujeito lírico que parte nu-
Realejo ( 1967), b velho ( 1968) e (1977), Ópera do malandm (1979), ma busca que retrocede no tempo,
na lindíssima e já citada Retrato O corsário do rei (1985), acirra-se cancelando os dias desse estado pro-
em branco e preto. Como se vê tam- um retomo à (de todo modo jamais visório - o presente -, "como de um
bém, e por uma ironia que contra- abandonada) especificidade lírica, filme I a ação que não valeu", ro-
diz todo esquematismo explicati- que supõe um novo acerto de con- dando as horas para trás até chegar
vo, no auge da efervescência ge- tas com o tempo, num tempo ago- "pela porta de trás I da casa vazia/ "
ral de 68 o compositor Chico Buar- ra de abordagem mais difícil pois ( ...)mil dias antes de te conhecer".
que, mais tarde tomado como íco- parece escapar ao alcance da par- Em Uma canção desnaturada
\
18
Songbook. O Chico Buarque
&;L:i 'i t

: .,
Cma da peça Ópera do malandro, 1978

feita para a peça Ópera do


1 Jl)('.tl •. desfez" (Todo o sentimento, 1987, zer, a cada passada: "Never, for ever!
nwltu:dm. a mãe já destilava seu com Cristovão Bastos). -For ever, never!").
ódio pela filha numa imaginária re- Ao que tudo indica, esse lugar No fadístico Xote de navegação
,·ersão do tempo em que a "curo- crucial está à beira do enigma, mar- (1998, com Dominguinhos), um tra-
minha.. acaba por se recolher de no- cante em algumas músicas, de um balhador vê o rio a atravessar "seu
vo e ..pra sempre I à escuridão do tempo que flutua (ou "pendula") vilarejo", e larga o "afazer" para na-
\ entre L..) I de onde não (deveria) num vai-e-vem indecidível entre a vegar em sonho pelo barco "Paciên-
I nunca ter saído". ida e a volta, a finitude e a infini- cia", que "(pendula) como o tempo"
.-\ bdo e em contraste comes- tude, o movimento e a parada. Di- e tem "igual destinação", passando
h: último exemplo, que é bem es- gamos que esse mesmo enigma do sem que o tempo passe (''passam pai-
pecífico da situação teatral em que tempo, vivido como transporte lí- sagens furta-cor I passa e repassa o
se insere (e onde se revertem bons rico intenso no X o te de navegação mesmo cais I num mesmo instante
sentimentos numa extraordinaria- ou em Morro Dois Irmãos, não se eu vejo a flor I que desabrocha e se
mente crua e cristalina expressão do impede de ser vivido como pesa- desfaz"). Contr~ o grito do "impa-
ódio fundamental), parece-nos que delo e inferno em Estorvo e em Ben- ciente capataz", que soa impotente
'"" rc\.c~"-ões do tempo buscam cons- jamim (onde o tempo avança cor- de uma ribanceira que navega "pra
ru·~ ..•. la espécie de sublimação da roendo e regredindo à sua petição trás", o sujeito da canção, eternamen-
~lan.colia, ao mesmo tempo assu- de princípio, em flashbacks circu- te velho e moço, vai "sombrio I ca-
mida e superada pelo trabalho do lares e automatizados que anulam beleira de rapaz I pela água do rio
luto. através do qual as perdas guar- mas não cancelam o existente, pró- I que é sem fim I e é nunca mais"
dam seus golpes sem desertificar o ximos daquele relógio de pêndulo (como que embalado pelo "Never,
m~ndo. entre o vislumbre e o alcan- em um conto de Machado de As- for ever! - For ever, never!" do con-
ce de·· um tempo que refaz 9 que
sis - "O espelho" - que parece di- to machadiano, mas tendo no hori-

19
Songbook =Chico Buarque

Cena da peça Gota d'água, 1976

. zonte, que está no começo e no fim, ceiras opostas de classes sociais con- Uma pequena palavra sobre O
a aceitação da plenitude e do nada). vulsionadas, ou, ainda, de classes e futebol ( 1989) como poética: o
São imagens provindas daquela desclassificados (sob o signo con- compositor diz que não mas tira
"ampulheta do tempo (que) disparou" traditório da irmandade), e aquela da canção "efeito igual ao joga-
(Almanaque, 1981) em sentido inver- aos pés da qual "yão-se encostar os dor", na "firula exata" qual pin-
so e paradoxal. Elas acabam tendo instrumentos" silenciosos e resso- tura sem pinacoteca de uma arte
sempre como objeto de eleição a ci- nantes na noite que se cala. Ela é a sem moldura, na melodia "chu-
dade do Rio de Janeiro, em múltiplas contígua e incomensurável extensão te a gol I com precisão I de fle-
transformações, como a sua remissão de tudo que vibra na canção como cha e folha-seca", na fração de se-
a uma remota e futura cidade submer- impossibilidade e latência. A melo- gundo em que simula o drible que
sa que guarda/'vestígios de estranha dia se eleva em movimentos suc.es- se dá no reverso do verso ("para
civilização" (Futuros amantes, 1994), sivos, como se quisesse remontar à avisar a finta enfim I quando não
ou na sua condensação no movimen- "prumada" muda que se alteia, e de- é I sim I no contrapé I para avan-
to estático de uma pedra, "rocha di- pois descende no movimento ao mes- çar na vaga geometria do impos-
latada" em que se dá uma "concen- mo tempo abrupto e estirado em que sível"), compositor-jogador dri-
tração de tempos I(...) como se o rit- uma nota longa, atravessada pela len- blando o tempo com o tempo e
mo do nada/fosse, sim, todos os rit- ta transformação harmônica, resis- surpreendendo "fundo I no cora-
mos por dentro" (Morro Dois Innãos). te somente pela força que nela se ção do pensamento", pela pala-
É de se notar que essa pedra re- condensa, antes de se entregar, "to- vra-música, "a emoção da idéia
ferida e dúplice, geminada, a mes- dos os ritmos por dentro". ao repou- quando ginga".
ma sobre a qual, de certo ângulo, se so merecido e, ainda uma vez, in-
vê o poente decantado em Cario- cessante: "música parada I sobre uma José Miguel Wisnik
ca, é aquela que se divide em riban- montanha em movimento". Guilherme Wisnik

20
The artist and time
sar de você (1970), Cálice (1973, with fore the 1976 song (Olhos nos olhos).
It's not difficult to see that so-
metimes Chico Buarque appears Gilberto Gil) or Vai passar ( 1984). Fact is that, since then, the expres-
to turn a page of history with But many constitute-an.d this is exac- sion has become a quasi-synonymfor
a song. One could say that À tly what defines them- a ·~ diary" of complete sincerity, at the same time ...
flor da terra- O que será (1976)fo- ou r contemporary history as well as that it served as the passwordfor a '-
resaw the future spanning from the an emotional and personal one that leap in the sentimental education of
military dictatorship to direct elec- astounds and inscribes, in each co[- those who heard the wonum 's voice
tions at the same time that it expres- lective instance, the mark ofan unyiel- put the man in his due place-a pia-
sed the erotic pulse ofpolitics. That ding, vertical experience, even if it ce in which she now encampasses
Bye bye, Brasil (1979) saw the coun- is always followed by a feeling that him, instead of being encompassed
try'f new faces, simultaneously it is shared. Thus, at the same time by it; a place where roles are bared
produced and hidden by the years that they highlight events of Brazi- without necessarily destroying affec-
ofthe "economic miracle "; that Ban- lianlife in the last few decades, Chi- tion, and where, exposingfragility and
carrota blues (1985) is the song of co Buarque's songs are remarkable strength, she experiences pleasure be-
the unpayable foreign debt, hovering events that express themselves to us fore his eyes, a pleasure subtracted
above a colonial vision of paradi- in "real time" and in symbolic time. from his possession.lf we place Olhos
se; that Estação derradeira (1987) In this sense, they sometimes did mo- nos olhos si.de by si.de with Com açú-
is a prophetic alann ofthe social con- re than underline a historical nwment car, com afeto (inci.dentally another
vulsion of the favelas and of the ci- an.d make it surface in a conscien- expression that has come to inte-
ty; that Baticum (1989, written with ce clarified by poeny: they also mar- grate everyday use, 1966), Atrás
Gil) is a playful mosaic of genera- ked their period in our emotional me- da porta (1972), Tatuagem (1972-73)
mory with the timbre of an unmis-
'-
takable experience.
... this is exactly what ... because lyrics and ....
This was only possible because
defines them -a diary of
11 11
lyrics and melodies forma luminous melodis form a luminous
ou r cotemporary history ... an.d inextricable knot in which cer- and inextricable knot .. .
tain intersubjective situations are con-
lized mercliàndising and ofmedia's densed Intensijied in a given nwment, and Trocando em miúdos (this one,
om:nipresence; and that Sonhos they nonetheless disseminare narra- on the other hand, is an old colloquial
sonhos' são ( 1998) represents
.
the tive traces that concentrare, in the brief expression applied, in the song, to a
nightmare of excitable. "markets" duration ofa song, long life experien- break-up, to an instance in which li-
and "globalization 's" blind flight. ces, entire portions oflife, often cap- fe in comnwn is reduced and trans-
I'm not talking about Sabiá (1968, tured with a perfectly ordinary ex- lated painfully into small, loose, li-
a partnership with Tom Jobim) that pression and magnetized by a new tigious possessions, 1978), we have
divined, unknowingly, amid the tur- meaning. (With relation to the par- something that is not exactly a pa-
bulence ofthe songfestivals, the years ticular diction ofthe "song-experien- norama but a mosaic of connubial
ofexile thatwouldfollow. Neitheram ce" in Chico Bum·que, see O cancio- transfonnations that take place in a \,
I talking about Cotidiano (1971) or nista - composição de canções no short but intense period, composing
Acorda amor (1974), two versions of Brasil [The chansonnier - compo- the vicissitudes, discoveries and di-
day-to-day or night-to-night life sti- sition ofsongs in Brazil], by Luiz Ta- sagreements of an existential reper-
jled under the dictatorship, nor ofthe tit, published by Edusp in 1996). toire in motion. Not to mention that
slow and gradual emergence of un- The expression "olhos nos ollws" each and every one of them consti-
derage thieves (Pivete, 1978; O meu ["eyes in the eyes", meaning "face tüte dense narrative fragments con- ....
guri, 1981; Brejo da Cruz, 1984). to face"], for instance, settled into centrated in songs.
.....
Not all of them became (o r wan- collective use in such a manner that The first misunderstanding is
ted to become) anthems, like Ape- we no longer know if it existed be- thus cleared: that ofthe quarrel bet-

22
--;.. ~· ......
Politi,· .. lty ··Diretas Já"

wecn the polirical and the non-poli- distance direct dialing in Bye bye, disconnected. The contents corres-
tical composer; guilty of being o r of Brasil, the answering machine in pond, somewhat, to those announ-
not be;,,g polirical. This is not his is- Anos dourados, the intemational ced by the tropicalist movement twel-
511<'. Chico Buarque's songs have been collect call in Iracema voou ( inde- ve years before: mixtures ofthe ar-
1111dalining decades of history, xes that enter everyone's lives al- chaic and the modem, an arcade in
thou'.!h iu a manner differentfrom the most imperceptibly and that actual- Macão, an Indian and Lee jeans, Ta-
ont· '"< ,. tlllribttted to him. In them, ly typify deep changes in the way bariz and Bee Gees along with "sau-
rlrt· hig picwre is revealed through subjects weave encounters and se- dades de roça e sertão" [missing the
.mu11/ experiences, wlzich, in tum, re- parations in day-to-day life). country and the backwoods], the En-
n·al col/ecti\·e life inunexpected ways. In Bye bye, Brasil someone calls glish language and· ''japonês trás
Ler us rake rhree examples that home with news of himself and al- de mim " [a Japanese behind me].
.r~an rhree decades: Bye bye, Bra- so, unintentionally, ofa country that But here, besides the addition ofspe-
stl f/979}. Anos dourados (1986) has undergone unnoticed transfor- cific 70 's indexes (a power plant on
and f r· ,·..:ma voou (1998). In ali th- mations under the Pharaonic mask the ocean, bauxite in Ceará, the
11.<, •flae is tire emergence of da- ofthe so-called "conservative mo- Transamazonic highway), the point
tc•d detclils through which Chico demization". This vision ofnonsen- ofview is also distinct: intematio-
Buarque - a master in capturing sical indexes- the Brazilian water- nalized merchandise and culture
tirem as they happen - illustrates color tumedjigsaw puzzle- hangs shocks are data of a reality that is
'"Yillptoms ofthe specific times they by the thread of the last telephone close to the subject, that he expe-
reprt'wmr: tlte phone token and long- token ofa phone call about to be riments as he stands in line waiting

23
So:ágbook O ChicQ Buarque

to use the public phone at the sa- by progressive intellectuals? In a up with nostalgia o r paralysis. From
me time that he travels through nor- certa in sense, ali of these, though the start, Chico Buarque 's lyric has
them Brazil or watches rv. these expressions are more skewed been absorbed with the confronta-
We could say that the tropicalist than the Brazilian soul and people, tion between innocence and the
prophecy descends to its most groun- also at play here-in a tense and dif- shocks of experience. It has, since,
ded levei ofreality in Bye bye, Brasil, fuse manner-between culture, po- matured into a type ofmouming t! :tt
where it's everywhere to be fowul-in- litics and socioeconomic changes. makes it sing dissipating promislS,
cluding the common man 's psyche, Tropicalism denounced the crisis bared illusions and setbacks, in an
from where Chico Bum·que makes it in populism, the jlagrant changes and in-between locus where the life lost
his own. The hardworking Brazilian, the lyrical stubbomness, caricatured does not cancel out the one suspen-
emhracing the new opp011wtities that o r sinister, of the old Brazil. It pla- ded. In other words, the formation
arise in north and n011heastem ced an open bet in a process through of a desired nation, always latent,
Brazil, sends_ home news in a fami- wlzich tlze country came to resemhle though shook up by dull or bruto[
liar tone. But the interrupted signals itselfmore and nwre as it got increa- blows, reverberares in the same m -
ofBrazil do notfonn a big home-01· singly different, assuming the unk- lody that narrates its dissipation (li-
a main house-not even l'.-'ith "a bên- nol-Wl consequences ofchange to be ke Mangueira samba school 's ...,
ção do meu orixá" [the blessings of libe11arian. For this reason, the iro- drumming, though in a differentfas- ...,
my orixá, anAfrican entity that ser- nic-melanclwly gesture implicit in Bye hion, in Estação derradeira).
ves as spiritual guide)" or "de Nos- bye, Brasil is itot evident. Interestingly enough, we can
so Senhor" [our Lord's]; they seem In Chico Buarque, we have the watch this process go down two paths:
to mix up the message as ifthey we- distinctive accompaniment ofsocial, the path ofsong and the path ofno· -
re interfering with the teleplwnic con- cultural andpsychological transfor- veZ. In song - always linked to th<
mations uizdergone by the popular
world, including the disaggregation
Which Brazil is it process that will, in an extreme, lead
... music is the country' s
that disapears? to the 1wvel Estorvo (which may ve- means and message
ry well be deemed an intensification, sepeaking through his body
tact itself, which is about to be dis- an exacerbation ofBye bye, Brasil).
connected. Data ofa changed nation, We could say that the process de- sedimentary fonns of the Brazilian
bits and pieces ofconfessions o r de- nounces- through songs and noveis popúlar tradition, giving words an
clarations oflove, adventures or draw- - not only, o r not exactly, the disap- emotional expansion, rhythmic de-
backs, uneven expectations-big and pearance of a type of political re- signs and sung injlections that inten- '
small-, trivial annoWtCements, lefto- l.ationship.(populist patemalism), but sify everyday speech 's transparent or -
vers and promised wishes, a/l ofthis the clouding ofa concrete and his- secretfeelings- music remains, des- ,
blended and revolving arowui an torically fonned entity (the people). pite all, as an insistent testimony of
enigmatic motto ("o sol nunca mais AnyhoHl, tlze world of Chico Buar- an irrepl.aceable experience, ofa me-
vai se pôr" {the sun is never gonna que is not composed ofsudden cuts, mory inhere,nt to a pulsating Brazil. '
setagain]), circling Robe110 Menes- ofradical ruptures or ofprogram- In the Chico-buarquean tradition, -
cal's beautiful, recurring melody in matic interventions. Instead, he popular music is the country's means ,
a movement that is someH:here bet- captures subtle, almost impercep- and message speaking through his bo-
ween the casualness of a conversa- tible signs of change that sudden- dy. On the other hand, in the noveis
tion, bursts of affection and the ob- ly condense themselves into an ima- Estorvo(l99l)andBenjamim(l995), '
session ofa circuit that retums, con- ge ora situation; already catalyzed the narrative, demelodized and de- -
tinuously, to itself, on the verge ofdi- tlwugh newly-perceived in their new prived of musical expression, bares _
sappearance. fonn, they still save the controver- a world of obsessive, corrosive ob- ,
Which Brazil is it . that disap- sial signs ofprevious stages. servations whose vicious circle seems
pears? One of populism, of a cul- Thus, mui in spite ofeverything, to swallow alllost social innocence,
ture with national foundations, of the strong, diffuse feeling of loss in- - ali lyrical evanescence and the '
a modemiza.tion process conducted Bye bye, Brasil does not get mixed chance for collective identijication,

24
- - -7"... - - . - · ·· -
Mario Luiz 1hompson

.With l\1ilton Nascimento


·àt ,tbe inauguration of
· ~~~~essia Square in Três
Pontas, Minas ·Gerais,
the.70's
Songbook O Chico Buarque
.....,
pushing tirem toward a fu-ture whe- emotional outbreak leads someone sanos, dezentbros I mas quando me
re there is no exit and no salvation. to relive a dated passion of an al- lembro I são anos dourados" [my wet-....J
Identical, altered nvins, songw- most-Brasata Brazil on the phone, eyes I insane, Decembers I but when --'
riter and novelist derive apparently leaving confusing "confessions on I rememberltheyare goldenyears]. '---'
opposite consequencesfrom their lan- the tape-player" that mix a desire 1he deep compatibility between
guage, which corresponds nonethe- unexpectedly rekindled and the fee- lyrics and music, the connotative af- ~
less to contradictory data on the sa- ling of the irremediably lost for an finities they awaken and potentiate, ......
me issue (which is to say, the ava- absent interlocutor. Emerging fee- working on the feeling ofdated and'-'
tars ofBrazil and its disorder-in-pro- lings, at the same time imperative, undated time, recreare a golden age ~
gress, seen both in the powerofits denied and sought in a modem al- ofaffections, a yeaming suspended
appearance and ofits void). In ano- beit old plwtograph, projected in the from time and space (thoughfiltered
ther sense, we could say that novel emptiness ofthe other, compose- in by the signs ofclass and oftime pe- . . . .
and song refer to and contaminare the briefand in tense scene- a sub- riod), an emotional treasure whose
each other in an objectively incon- tie emotional seismograph in which best vessel are, still, its songs.
clusive balance so that the nightma- the signs oftime show themselves a lt must be noted that though the .....
re from Estorvo can counterpose the posterio ri, cauglu in the counJer-light music was written by Tom Jobim and
defense'()fpopular music's regene- as i/lusion and yeaming. 1he refrac- not by Chico Buarque (in the same -
ratingforce in Paratodos, and tire one tions ofthis nostalgic tonality, who- way that Bye bye, Brasil was writ-
from Benjamim the anwivalently se- se aura tums the past into something ten by Menescal), the lyricist's ins- -
ductivefreshness ojCarioca ( 1998) ambivalently dose and distant, ma- tinct and sense ofsong- which con- _
- even ifthe latter, somelww, encoun- ke themselves evident in the residues sist ofthe exact notion of each syl-
ofboleros saved o r discovered in the
melody written by Tom Jobim ( "pa-
... turns the past into ... is the creating creature
rece dezembro I de um ano doura-
something ambivalently do I parece bolero I te quero, te que- that imprints its mark
dose and distant... ro I dizer que.não quero I teus bei- on music ...
jos nunca mais" [it seems like De-
ters the sung nightmare from Sonhos cember I ofa golden year I it seems lable's weight, ofthe pitched infle- -
sonhos são (1998) again. like a bolero I I want you, I want I xion, of the arch of the verbal ph- -
Considering the levei of inter- to tell you I don 't want I your kis- rase tuned in with the melodic-har-
penetration that literature and po- ses, ever again]). monic phrase- induce words to soak
pular music have attained in Bra- The atnwsphere suddenly recrea- in the music 's connotations at the
zil, we could say that writer and ted by tlze involuntary recollection, in same time that these projiles are evi-
composer complement one another its revisitation ofthe 50's and 60's, denced and transformed, almost as
in Chico Buarque and that this dua- doesn 't wear itselfout, however, in the ifrecomposed. The "palavra dócil
lity captures Brazil simultaneous- nrere nostalgia and in the fetishizing I(... ) que se acomoda em balde, em
ly as dilem1,Íta and power, strength of the era 's clichés (as is often the ca- verso, em mágoa" [docile wordl(... )
and dissipation, remedy and venom. se with retro fads). 1he song's core that lodges itself in bucket, in ver-
On the other hand, it would be su- is the abyss in which the "/"falls bet- se, in woe], as well as in song, is
perjluous to state how much this ten- ween time and time, feeling odd to- the creating creature that imprints
sion/resolution of song and novel wards oneself and toward the other; its mark on music, bringing forth so-
works itselfout through him at such infacing the enigma ofdesirr!. An abyss mething that "precedes understan-
a high levei, in opposition to that over which we soar when tire recur- ding" (Uma palavra, 1989). 1his al-
recurring suspicion that the songw- ring and somewhat "colloquiali- so happens in other noteworthy part-
riter is necessarily a minor artist, zed" melody from the beginning nerships such as Retrato em bran-
belonging to the entertainment ("parece que dizes, I te amo, Maria" co e preto ( I968, with Tom Jobim)
business and who would only get [it seems like you're saying I I love an4 Beatriz (I 982, with Edu Lobo).
involved with literature by accident. you, Maria]) opens and expands ir- Yet, in Iracema voou the emigrant
In Anos dourados, a nonsensical se/f in "meus olho_s molhados I in- from Ceará who is in the United Sta-

26
..... -·- - -
Songbook O Chico Buarque

Osico :and Tom with Cynara and Cybele singing the song Sabiá at the 3r11 Intemational Music Festival
.AJB

- 27
Songboo~ O Chico Buarque

tes, following the lot of Brazilian chão numa casa de chá" [thejloor sona at the same time that it is a _
underemployed who tried their in a tealwuse]. Based on the strength collective and popular name crea.
luck all over the planet, balances she lugs around in an invisible lug- ted by a writer (Alencar) striving
out her precarious conditión witlz gage, we also get thefeeling that he to develop a Brazilian literature and -
smalllwpes and "temporarinesses", trusts that she, who "leva roupa de tofonnulate a symbolic Brazil (we -
a certain haughtiness that fies la I e anda lépida [takes her wool don 't know if he was aware o r una- -
between resigned and crafty and the clothes I and walks swiftly], does okay ware ofthe anagrammatic p lay he _
unconscious innocence that her na- (tlwugh she hasn 't mastered the En- was proposing), we see that the song
me (made up by writer José de Alen- glish language and only watches nw- pulls on a tenuous but poweiful th-
car for the Indian-mother of Bra- vies "every once in a while " ). The read that, in spite of irony but witlz -
zi/'s pain) contains the secret co- same gift of shared and accompli- incredible lightness, connects the for- -
de ofan anagram that she states on ce illusion is valid for the somew- tuitous, social history, poetry and
the phone, unknowingly: "É Irace- hat outmoded atmospheric signs of culture, without ever losing collo-
ma da América " [This is Iracema, the mime under the moonlight and quial unaffectedness.
fromAmerica]. Once again, the so- ofthe opera singing she "longs to Iracema voou thus condenses cu •
cial history suggested here is sung . study" while she cheats the law in issue we alluded to earlier: that of -
in an experience that is exemplar; order to stay where she is. the ambivalent trance with which Bra- _
untransferable and unexpected. The phrase "tem saudades do zil, as it is presented in Chico Suar-
. It has already been said that this Ceará" [she misses Ceará], imbed- que 's works, dissipares and doesn 't
song confirms a growing melancho- ded in the melody with enormous dissipare itself, insistirig as memo- -
ly in Chico Buarque 's work, particu- emotional resolution, is almost ry, as project, as presence o r residue. -
larly in his last a/hum, As cidades, . immediately put in a colloquial con- in the same spot where it seerns tL
text, almost by surprise, with "mas
não muita" [but not much] (since
The composer rewards ... she is America, mixed
nothing here skids on sentimenta-
and comforts his character lism, in spite ofthe delicacy ofthe into the letters that make
with perfect half rhymes ... enwtional soil treaded by those who up her nome .. .
live without a place and who pre-
pointing to an increasingly gloomy serve their native land in themsel- extinguish itselffor good There it is:
and dejected universe. It is impor- ves more than they know). the world ofloose capital and ofpul-
tant to note, however, that this insis- During her bold phone calls, Ira- verized work, devouring with overw- -
tence on melancholy despondency as cema states, unlawwingly, something helming and overwhelmed strength, ,
the key to un.derstanding is an envr that the song 's narrator, her virtual personal histories, cities, nation-s- ,
in tone thatjlattens out nuances which interlocutor, probably hwws witlwut tates; where the ex-prophet poet who
hold both the secret ofthe spell and saying, leaving us suspended in an drewns up a nightmare inside a night-
the bits of reality the song points to. extremely subtle middle ground bet- nwre no longer reads the course of -
Let us nçte, first of ali, the inji.- ween the lyrical and the ironic: whe- history, in the same way he cannot -
nite kindness and hunwr that esco11s rever she may be, even in the "A- read fate in the palm with no fines ,
the character'sfate eve1y step ofthe merica" she tries to "make ", she of a wonwn who bites his shoulder
way, beginning with the melodic ch- is America, mixed into the letters during a turbulent jlight ("na ver-
romaticism that opens herjlight-jour- that make up her name, not through dade não me queres mais I aliás, nun- ~
ney millimetrically, supported by the allegory but by the unlucky and luc- ca na vida foste minha " [actually, -
guitar's regular, circular design. The ky chance that lwlds the secret pearl you no longer want me I in fact, you 've -
composer rewards and comforts his of the anagram in the turns of her never been mine]) (Sonhos sonhos
character (we klww it is a case of improbable fate, between the los- são, 1998). In the meantime, in an
deep complicity) with peifect halfrh)·- ses and the promises of an ances- observation that is both dreamlike and ~
mes and simple but precious allite- tral memory and of her ostracism. cruel, "a legion ofstarvelings" grap- -
rations, such as the luxury, even if Ifwe think that Iracema is, he- ple with one another for the pearls
a merely poetic one, ofwashing "o re, the unique name ofa person-per- he throws from the top of some co - _

28
Songbook :J Chic:o Buarque

Frederico Mendes

29
Songbook O Chico Buarque

lonial balcony, at another comer of fusion, the girls of the ;dghtly com- ticfigure: "se lembra quando toda
this blind dream that travels through merce, spread throughout Copaca- modinha I falava de amor? I pois
Lisbon, Lima, Calcutta, Macão, bana for the taking, each of them as- nunca mais cantei, ó m.a ninha I de-
Maputo, Mecca, Bogota. sociated to t/U! "gostosa I quentinha" pois que ele chegou I( ... ) se lembra
Escaping any compulsory alle- [delicious I wann] tapioca cakes from do jardim, ó maninha I coberto de
gory, however, between the graces the street vendor's cry that restarts flor? /pois hoje só dá erva daninha
and disgraces that fill it, the city of the cycle. Waves, sounds, ~ords, bo- I no chão que ele pisou" [remem-
Rio de Janeiro ("és minha" [you're dies, nU!rchandise, places, views, law- ber when every tune I spoke of lo-
mine]) is still beautiful andcracks ful and unlawful exchanges, party, ve? I well, I never sang again, sis-
opeh the retina ofwhoever sees "o religion, work, sex, drug trafficking, ter I after he arrived I( ... ) remem-
poente na espinha I das (suas) mOIÍ- pleasure, everything is intercon- ber the garden, sister I covered with
tanhas" {the setting swz on the spi- nected in afabric oflife that is at the flowers? l well, only weeds grow now
ne I of(your) mountains] (Carioca, suiface, and before which are sus- I on the ground he walked on].
1998). Its praises sung as if in a street pended the morallimits between trau- Who is he? The song doesn 't say,
vendor's sales pitch that parades the ma and marvel, violence and anless- ali the more reason for it to point
in.finite signs of a passion for con- ness, innocence and the shocks ofex- to that diffuse, nightmarish atmos-
crete life it awakens, the city mar- perience. In the city's and in this phere, that type of schizo-paranoid
ches through an enclumtingly sinuous song's body, amid all excesses, tho- eruption that will, much [ater, ta-
and irregular melody thatflies side se ofbeauty and ofgrace still speak kefonn in Estorvo, where "he", ano-
by side with "o homem da Gávea " louder. Or, on the other hand, con- ther threatening-threatened being,
[the 1nanjrom Gávea] and "vadia crete life has the powerofreshu.ffling comes in from ali directions and at
the cards, dealing hands back to a
type ofground zero (jrom which they
Waves,sounds, words, will always have to depart, somehow).
The theme of dissipation
bodies, merchandise ... Carioca (where Rio's life boils) of innocence, taken away
could take us directly to Morro Dois by a destructive ti me
gaivota" [vagrant seagull], that Irmãos (where the city listens to it-
swings with the "baile funk" [funk self, in the night,from the reverse of all times,from the inside to the out-
party] and the "samba no Flamen- tire radically silent music, 1989). But, side, symbolizing, among other
go" üamba in Flamengo], that spells before we do this, we must consider things, the shattering of a type of ""
with "o reverendo num palanque I the issue ofshock between innocen- social innocence, or ofa certain sen-
(... ) o Apocalipse" [ the reverend on ce and experience (which seems to se of dignity in poverty-a shatte-
· aplatfonnl(... ) theApocalypse], that have been transcended in Carioca), ring that the novel elevares to ut-
floats like "muamba/nas ondas do perhaps the oldest, the original the- most absurdity in beautiful prose.
11Jllr" [ smuggled stuff I on the wa- matic nucleus in Chico Bua1·que 's At any rate, this atmosphere ofdis-
ves of the sea], like the street-ven- songs, and its relationship with ti- solving tunes, ofparadisiacal and in-
dingfolks themselves, and caresses me. The theme of dissipation of in- violable gardens that lose themsel-
"meninas I peitinhos de pitomba I nocence, taken away by a destruc- ves in time (Até pensei, 1968), of ro-
vendendo por Copacabana/ as suas tive time and world, that carry life ses that wilt and ofC(lndy we run out
bugigangas" [girls I tits like pitom- away in O velho Francisco (1987), of(Você não ouviu, 1966), o/Caro-
ba fruir I selling their trinkets for instance, was already present in fina and Januária at their windows,
around Copacabana].· . A banda (1966), in Roda viva on tire one hand, and ofRita and Ma- l.
The dubious syntax and internai ( 1967), in Carolina's window (1968) dalena leaving men to stare aimless-
rhymes propose floatin..g links that in- and in many of the songs from Chi- ly at the sea, on the other hand; whe-
terconnect elements vaguely, conta- co 's first albums, and in the !ater in- re "seu padre toca o sino" [the priest
minating and joining them just like cestuous paradise of João e Maria rings the bells], "o delegado é bam-
the melody does. The retinas crac- ( 1977, with Sivuca), ruptilred in Ma- ba na delegacia" [the chief ofpoli-
ked open by the setting sun are the ninha, from the saJne year, by the pre- ce is tough at the police station] and
same ones that see, in a projective sence ofa threatening and enigma- "a roda da saia, a mulata não quer

30
Songbook ::: Q,i.•.h Huarque

tmis mdm: niio senhor" [mulatto wo- Construção (1971) marks a comple- like tunes of A banda and of Roda
tn('ll·s skirts don 't want to swirl no te constntctive reversal, besides the viva (though the latter unchained one
mtJrr, sirj . .) 1 1?1/Wriâng, this world new disposition that impired it. Thus of 1968's mostjierily courageous and
of a IUlin·ré somewhat constructed was constituted, in Chico, the "simul- waged against shows: Chico's play
14illr_precodous ski/1 already offered tanealist" bias of exchangeable ver- Roda viva, directed by Zé Celso Mar-
ltJ its áissolwion. marked the first pha- ses with which he narrates the tra- tinez Corrêa).
~ of Chico Buarque 's work, making gedy of the constntction worker in Afier crossing the main arch of[Xlr-
iu Mll)" quickly and also precocious- Construção ( 1971 ); the actively ticipating extroversion, stimu/ated and
ly lo a feding ofmelancho/y exhaus- participating and sometimes caus- required by the times and to which
IIOt. as wc 1 111 see in Realejo (1967), tic tone v.:hich he used against the dic- are linked the plays Calabar (1972-
O \dhot I VI:) 8J and in the beautiful, tatorship (Deus lhe pague, 1971 ), 73), Gota d'água (1977), Ópera do
Clntipmious(,·menrioned, Retrato em without ever losing a sense of hu- malandro (1979), O corsário do rei
br.lnco c preto. As we can also see mor at times strategically sibylli- ( 1985), there is an exacerbation of
't\iJit em inmy that contradicts ali ex~ ne (Corrente, 1976); and the afo- a retum (which was actually never
p/anarory sc-hematism, at the height rementioned sense ofsingu/ar ver- abandoned) to lyrical specijicity, which
of tlze general e.ffervescence of 68, ticality with which he catches situa- presupposes settling accounts with ti-
~pn~rr Chico Buarque -/ater on tions unawares, even tlwse of accu- me, at a time more difficult to ap-
·nkll '"r ' IC<>Il of política[ invol- sation (Acorda amor). The 70's we- proach,for it seems to escape the reach
h'mnu-11·us ar the height of inward- re also a period of involvement in ofthe subject's participation. Symp-
lk"ss cJtzd imroversion. that contain, many theatrical and cinematogra- tomatically, in this moment it is the
nt»r_etheless, as Sabiá demonstrares phic projects, something that presup- novel, a more interiorized genre than
mz uf '
~- trectfonn ofpolitical intuition. posed a more combatÍI'e relations- theatre, that makes a counterpoint to
mm the points of view ofform hip with time, in contra.\·t with the de- the songs. And that's precisely when

-
and ofsocial intervention, the album clining lyric of the nUJ:\·ery rhyme- some songs, afier the second half of

31
Son&book O Chico Buarque

the 80's, start to tum time into "the fore I met you]. In Uma canção des- Assis- "O espelho " [The mirror]
great star" (as the 1994 song Tem- naturada (1979), writtenfor the mu- - that seems to say at each step:
po e artista will state): time as an sical Ópera do malandro, the mo- "Never,forever! -Forever, never!").
evellt that unfastens itselffrom the ther expresses hatredfor her daugh- In the fado-like Xote de navega-
linear order ofthings and that drifts ter in an imaginaJy reversal of ti- ção (1998, with Dominguinhos), a
on its own, away fivm ihings and in- me in which the "curuminha" [Tu- worker looks at the river that cros-
to things, shaping, transcending, des- pi-Guarani for child] withdraws back ses "his town" and leaves his
troying and giving them quintessen- and "pra sempre I à escuridão do "tasks" in order to sail, in a dream,
ce, projecting them in the vertigo of ventre(... ) I de onde não (deveria) in the boat "Paciência" [Patience],
the finite and of the infinite. I nunca ter saído" [Jorever I into the that "(pendula) como o tempo" {(pen-
T11e 01iginalnwvement ofthis me- darkness of the womb ( ... ) I from dulates) like time] and that has "i-
taphysical inclination (to which his which she (should) never I have left]. gual destinação" [ tlze same destina-
1wvels offer a psychological and his- Next to and in contrast with this tion], passing by ldthout the passa-
torical-social counterpoint) fies in last example, which is very specifiç ge oftime ("passam paisagens fur-
a reversal oftime that, literally mo- of the theatrical situation in which ta-cor I passa e repassa o 1nesnw cais
vingfivm back to.front, comes to dis- it is inserted (and in which goodfee- I num mesmo instante eu vejo à flor
locate and sublimare its destructi- lings revert themselves in an extraor- I que desabrocha e se desfaz" [pas-
ve aftertaste, treating melancholy dinarily crude and crystalline expres- sing iridescent landscapes I passing
(this oldfriend) against the grain. sion ofbasic hatred), it seems to us 'ilnd passing again by the same dock
An example is the song Lola ( 1987), that the reversals of time seek to cons- /in the same instant I see theflower
in which so1neone c01nes "an-ancan- truct a type ofsublimation ofmelan- lthat blooms and dissolves). Against
choly, simultaneously undertaken and
overcome by the mourning process,
.. this crucial locus is at They are images that
through which losses save their blows
the edge of an .enigma, without turning the world into a de- come from that sandglass
remakable in some songs sert, between the glimpse and the that has da rted by .. .
reach of "um tempo que refaz o que
do páginas dentro de mim I desde desfez" [a time that redoes what it's the scream ofthe "impaciente capa-
o prbneiro dia" [tearfng pagesfrom undone] (Todo o sentimento, 1987, taz" [impatientforeman], that sounds
inside ofme I from the very first day] with Cristovão Bastos). impotentfrom a cliffthat navigates
(tuming a diary inside out?), "me It seems as if this crucial locus "backwards", the song's subject, eter-
apagando filmes geniais I rebobi- is at the edge of an enigma, remar- nally young and old, goes "sombrio
nando o século I meus velhos car- kable in some songs, of a time that I cabeleira de rapaz I pela água do
navais I minha melancolia" {era- floats (or "pendulates") in an un- rio I que é sem fim I e é nunca mais"
sing brilliant nwvies I ret·vinding the decided to-and-fiv between coming [somberly I yow1g man 's lzead ofhair
century /my old Carniva IsImy me- and going, finitude and infinitude, I on the river's warer I that is endless
lancholy]. Itl Valsa brasileira (1988, nwvement and pause. Let's say that I and that is never more] (as if lul-
with Edu Lobo), the poetic subject this same enigma of time, lived as led by "Never,foret·er!- Forever, ne- '-
departs in a search that goes back an intense lyrical transport in Xo- ver!" ofMaclwdo 's story, but lwving
in time, canceling the days of this te de navegação or in Morro Dois the acceptance of plenitude and of
temporary state- the present -, "co- Irmãos, doesn 't keep itselffrom be- nothingness in the horizon,found in
mo de um filme I a ação que não ing lived as nightmare and hell in the beginning and in the end).
valeu" {like in afilm/where the ac- Estorvo andBenjamim (in which ti- They are images that come from
tion wasn 'tfor real], the hours go- me moves f01ward as it convdes and that "ampulheta do tempo (que) dis-
ing backwards until he arrives regresses its appeal as a principie, parou" [sandglass that has darted
"pela porta de trás I da câsa vazia/ in circular, automatedjlashbacks that by] (Almanaque, 1981) in an inver-
(... )mil dias antes de te conh~cer" nullify but do not cancel the exis- se and paradoxical sense. They al-
[through the back door I ofthe emp- ting, similar to the pendulum clock ways have, as chosen object, the ci- '-'
ty house I(... ) a thousand days be- from ·a short story by Machado de ty ofRio de Janeiro that undergoes

32
V.'ida Sihio Rodrigues, 1986

.-Iripl~ transfonnations, as is the willlean on] on the night that qui- ke a painting with no picture gal-
m.issiotz to a remote andfuture un- ets. It is a contiguous and immea- lery, like art with no frame, in the
tlrnnuu ci· ''!at keeps "vestígios surable extension ofali that pulses melody "chute a gol I com preci-
~Mmrwzh . .:-açclo " [traces of in the song as imp ossibility and la- são I de flecha e folha seca" [kick
11 nmngt·· cn·ili::ation] (Futuros tency. The melody elevates itselfin to goal I with the precision I of an
laWUes, 199-1 ). o r in the conden- successive movements, as if it wis- arrow, of a dry leaf], in the frac-
lellion of tire staric movement of a hed to retum to the vertical mute tion ofa second, in which he simu-
..ac:tw. Mrocha dilatada [dilated stone that rises and then falls in a lares the dribble, that takes place
I in wlriclz occurs a "concen- movement that is at the same time in the reverse of the verse ("para
~ d~ tempos I( ... ) como se o abrupt and elongated where a avisar a finta enfim I quando não
tu.o do lltz .- 'SW', sim. todos os long note, crossed by a slow har- é I sim I no conttapé I para avan-
tm.os /'(Jr •·• ,;:ro .. I concentration monic transformation, resists sole- çar na vaga geometria do impos-
• lila(.J/( •.. ) as iftlze rlzythm ofno- ly by the strength that condenses it- sível" [to reveál pretense I when it
~lwefl!a/ltlze rhythmsfrom self in it before surrendering- "to- is not I though it is I to come and
~~ide-f (Morro Dois Irmãos). dos os ritmos por dentro" [all the go I to advance in the vague geo-
Mê- A:now tirar this rock, rwojold rhythms inside]- to the deserved metry ofthe impossible]), compo-
• JOninared. tire same one on rest and, once again, incessant "mú- ser-player dribbles time with time
h.fro,, · rtain angle, we see sica parada I sobre uma montanha and surprises "fundo I no coração
~llin ~ in Carioca, is em movimento" [static music I over do pensamento" [deep I in the heart
,"' 01'1<' di •_Wt.'ll imo opposing cliffs a mountain in motion]. ofthought], by the word-music, "a
idsmg social classes or,fur- One last word on the subject of emoção da idéia quando ginga" [the
~'hllillr.e, 01 classes and ofdéclas- O futebol (1989) as poetics: the emotion of idea when it swings].
~r tire comradictoJy sign of composer says he can no longer ma-
-· ood}. and ar whosefeet si- Ice "efeito igual ao jogador" [an ef-
D11d Tt ma:ing ''vclo-se encos- fect like the player's], in the ''firo- José Miguel Wisnik
,. \ ·· finstruments la exata " [ exact excesses] just li- Guilherm e Wisnik

33
Songbook O Chico Buarque

Acorda amor
LEONEL PAIVA E JULINHO DA ADELAIDE

G6 C#m7(b5) F#7(b13) Dm7 Dm/F E7 Am7

D7(9) Dm7 G7(#5) Cm7


111 Cm6 E7(9) A7(9)

G7 Em7 Al (9) Am7(b5) Ab7(#11) F7(9)

G6 I C#m7(b5) F#7(b13) Bm7 I Dm/F E7 Am7 I D7(9) I


Acorda amor Eu tive um pesadelo agora Sonhei que tinha gente lá fora Batendo no

Dm7 I G1(#5) I Cm1 I Cm6 I Bm7 I E1(9) I A7(9) I


portão. que aflição Era a dura, numa muito escura viatura Minha nossa santa criatura

D7(9) I G1 I G7(#5) I C#m7(b5) I F#7(b13) I


Chame, chame, chame lá Chame, chame o ladrão, chame o ladrão Acorda amor Não é

Bm7 IDio/F E7 Am7 I D7(9) I Dm7 I G7(#5) I Cm1


mais pesadelo nada Tem gente já no vão de escada Fazendo confusão, que aflição São

I Cm6 I Bm7 I E7(9) I .. A7(9) I D7(9)


os homens E eu aqui parado de pijama Eu não gosto de passar vexame Chame, chame,

I G1 I· G7(#5) I C#m7(b5) I F#7(bl3) I Bm7 I Dm/F E7


chame lá Chame o ladrão, chame o ladrão Se eu demorar uns me-ses Convém,

Am7 I D7(9) I Dm1 I G7(#5) I Cm1 I Cm6 I Bm7 l Em1


às ve-zes, você sofrer Mas depois de um ano eu não vin-do Ponha a roupa

I A~ (9) I A7(9) I Am7(b5) I Ab7(#11) I G6 I C#m7{b5) F#7(b13)


domin go E po---de me es--quecer Acorda amor Que o bicho

é Bm7 I Dm/F E7 Am7 . I D7(9) I Dm1 I G1(#5) I Cm1


brabo e não sossega Se você corre o bicho pega Se fica, não sei não Atenção Não

I Cm6 I Bm7 I E1(9) I A7(9) I D7(9)


demora Dia desses chega a sua hora Não discuta à toa, não reclame Clame, chame lá,
...
35
Songbook O Chico Buarque

I G1 I G7(#5) I C#m7(b5) I F#7(b13) I Bm7 I Dm/F E7 Am7 I


clam~. chame Chame o ladrão, chame o ladrão, chame o ladrão

D7(9) I Dm7 .~ ~ ~ Cm7 I F7(9) I Bm7 I Em7 I A7(9) I D7(9) I G6 I I I


· (Não esqueça a escova, o sabonete e o violão)

Acorda amor

% G6 C#m7(~5) F#7(~13) Bm7 Dm/F E7

J~ .J ;
11 J~ I
·c Y,; J
A - cor- da,_a- mor Eu ti- ve_um pe- sa de-lo_a- go-ra So- nhei que ti - nha
de- lo na- da Tem gen - te já no
cor- da,_a- mor Que_o bi- cho_é bra- bo_e não sos- se-ga ·Se vo - cê cor- re_o

Am7 D7(9) Dm7 G 7(#5) Cm7

I ~ I ~
qJ ; J .J
Ba-ten-do no por - tão, que_a- fli - ção E - ra_a du - ra,
Fa-zen-do con- fu - são, que_a- fli - ção São os ho- mens
Se fi - ca. não sei não A-ten-ção Não de - mo - ra

Cm6 Bm7 E7(9) A 7(9)

J JJjiJ1;]q;
nu- ma mui-to_es- cu- ra vi-a-tu-ra Mi-nha nos- sa san- ta cri a- tu- ra- Cha-me,
E_eu a - qui pa - ra - do de pi-ja-ma Eu não gos- to de pas - sar ve-xa- me Cha-me,
Di - a des - ses che- ga_a su-a ho-ra Não dis- cu- ta_à to- a, não re- ela- me Cla-me,

D7(9) G7 C#m7(1,5)

I~~~
•J
,. j J •i J J I J J J ~ . - s;;z
3

-gg
cba~ me, cha-me. lá Cha-me, . .cha- me_o Ia- drão, cha- me_o la - drão. A- cor- da,_a- mor
cha 1 ine, cha-me Já Cha-me, cha- me_o Ia- drão, cha- me_o la-

F#7(~13) w· G1as) C#m7(~5 ) F#7(~13)

i'; I ·c i
Não
J
é
3 Jp • r
mais pe-sa- drão *
11 * j J 3IJ
3

Se_eu de - mo - rar
; 3
uns me-

Bm7 Dm/F E7 Am7 D7(9)

22~ f qJ) l}jl ;J 1....___..,I J...._____......; 3


'=!f f
'1 •
J J j
"--" -
ses Con- vém, às ve zes, vo - cê so - frer

36
Songbook O Chico Buarque

Dm7 G7(#5) Cm7 Cm6 Bm7

-
~ v.

E m7 A~ (9) A 7(9) A m7(~5) A~7(#11)

~- j BJJJJ)_fJ p ljj J J ~Jf I~ j" )lll~·~


rou-pa de do- min - go_E p~ de me_es- que - cer A-
-$- D 7(9) G7 G7(#5) 3

i Jj r
3

~~ J J J J J J J J IJ 3 J ]J f J j s;;z
1 J
cha-me lá, ela- ·me lá, cha-me Cha-me_o la- drão, cha-me_o la - drão, cha- me_o .l a-drão

C#m7(b5) 3 F#7(b13) Bm7 Dm!F E7 Am7 D7(9)


,....--..._
r r r I r Erjfft c F
/""'o.

~I
~"f· !.1

r rf l'It c F J• I F---J3
?
D '
.. , ,·
ou
I
~
J I
tJ instrumental

Dm7 ~ Cm7 F7(9)

I ,-..~ . • . ll"h s
~~ y 'O [f :t I ,r g:r í=1
b ,..--..,_
J J J
E

. ;J J J J 19J J J ] J I7
instrumental
Não_es- que- ça_a_es- co - va,_o sa - bo - ne- te_e_o vi - o- lão

Bm7 Em7 A 7(9) D~ G6


,..--.._
l~D
~ t)
1 ~-~
I
,....--..._
I F cf f I F ( f i I
,..--.._
r CC J• I r li

Copyright 1974 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa, 74 - São Paulo. SP - BrasiL Todos os direitos reservados.

- 37
Songbook O Chico Buarque

A mais bonita
CHICO BUARQUE

Bb7M(9) Db7(9) Ebm6 Ab7(13) Am6 G7 Gm7

Gm6 Bbm6 A7(b13) G7(bl3) G7(13) Eb(add9)/nb Eb7M(9)/nb

A7 Db(add9)/ Ab Db7M(9)/ Ab Ab7M Ab7(#11) Am7 Db6

Dm7(b5) Ebm7(9) Ab~ (9) Db7M(9) Cm7(9) Ab7

F7(b13) Em7(b5) D7/F# Eb7M(9) F7(b9) Gb7M/Db Db7M/ Ab Abm6 Gb7M

~~- ~~~~
Bb~ Bb/ Àb Eb6/G · Ebm6/Gb
m;Nm nm fi Dm7 C7(9) F~
~~
Bb~ /F

1m~mm1mm1
Bb7M(9) I Bb7(9) I Ebm6 I Ab7(13) I Am6 I I I Fm6/Ab I G~ G7 Gm7 I Gm6 I Bbm6 I
Não, solidão, hoje não quer~ me retocar Nes- se salão de triste - -za

A7(b13) I Dm7/ A I I I Fm6/ Ab I G7(b13) G7(13) Eb(add9)/nb I Eb7M(9)/nb I I I


onde as outras penteiam mágoas Dei xo que as á guas invadam

Al A7 Dm7/ A I I I Db(add9)/ Ab Db7M(9)/ Ab I G7 Eb/G / G7(b13) I Ab7M I


meu ros- to Gosto de me ver chorar Finjo que estão me ven--do

. Ab7(#11) I Am7 I Ab7M I Ab7(#11) I F7/A I Bb6 I Dm7(b5) I Ebm7(9) I Abl {9)
Eu preci- so me mostrar Bonita Pra que os olhos do meu

38
Songbook O Chico Buarque

1 Db7M(9) I Db/Cb I Gb6/Bb IA0 I Fm6/ Ab I G7 I Crri7(9) I Ab7 I Db7M(9) I


bem Não olhem mais ninguém Quando eu me revelar

G7(bl3) I Cm7(9) I F7(bl3) I Em7(b5) I D1/F# I Eb7M(9) I F7(b9) j Gm6 I Am6 / Gb7M/Bb
Da forma mais bonita Pra saber como levar to-dos Os

I Ab7(13) I Db7M/ Ab I Abm6 I Gb7M I F7(b13) I Bb~ I Bb/Ab I Eb6/G I Ebm6/Gb I


desejos que ele tem Ao me ver passar Bonita Hoje eu arrasei

D7/F# I G7 I Cm7(9) I . Ebm6 I Dm7 I Gm7 I C7(9) I F~ I Bb~ I


Na casa de espelhos Espalho os meus rostos E finjo que finjo que fin-jo Que não sei

n b7M(9) nb7(9) · Ab7(13) A m6 Fm6/A~ I G~ G7



f rrf o· 1f'_ orrrr 1r - -
Não, so- li- dão, ho-je não que-ro me re- to - car

Gm7 Gm6 nbm6 A7(~13) Dm7/A Fm6/Ab I G7(~13) G7(13)


-i I ~3~
~ k' r rr r tr ªr o 1 F r 9r r rJ]
1[
Nes- se sa-lão de tris - te-za_on-de_as ou-tras pen - tei- am má-goas

Eb7M(9)!Bb A~ A7 D m7/A

F r r F •
I r EJ• f y rrf f rr
Dei - xo que_as á - guas in - va - dam meu ros - to Gos-to de me ver cho -

nb(add9)/Ab nb7M(9)/Ab I G7 Eb/G G 7(~13) Ab7.M Ab7(§11)

=~~S'b r : I rrF F r IF E1 r
rar

Am7 Ab7(~11) F 7/A


' Fin - jo que_es - tão

nb6 D m7(b5)
me ven - do_Eu pre - ci

E bm7(9)
_F'
- so

,,---..... ,--.
~ ~ ~
J) o f 11 f * I &c F DF} lJ' f I
me mos-trar Do - ni - ta Pra que_os o-lhos do meu bem
ral/ _ _____________ ._____________ . a tempo

Db7M(9) nbtd G7 Cm7(9)

~'1 "'
I
.
: r:~ F
Não o-lhem mais nin-guém Quan-do_eu me re- ve-lar

39
Songbook O Chico Buarque

E~7M(9) F7(~9)
D ~ 7M(9) G 7(~1 3) Cm7(9) F7(~13)


I . -
DIP f"U
r---.
E m7(~5 )

~
D71F#

I J1 f r F~J ~
Da for- ma mais bo- ni ta Pra sa-ber co- mo le -

G~ 7MJB~ A~7(13) D~7M/A~ A~ m6 F 7(~13)

I''
Gm6 Am6

~r r ~lr rir -
~b r r
var
r I c E
to - dos Os de - se- jos que_e- Ie tem Ao me ver pas - sar Bo-

B~~ BbtAb E~ 6/G E~ m6/G~ D 71F# G7 Cm7(9) Ebm6


~ ~ ~3 ~ .--3-----, ~3---,
j~' ~I· DF "'r ~ 1r c r r r 1r rr -

r r q?J 1r r &J r r r1
ni- ta H~e_eu ar - ra - sei Na ca - sa de_es- pe - lhos Es - pa-lho_os meus ros - tos E
r.\
D m7 Gm7 C7(9) dm6/G b B~~
I q.--- 3 ---.
@~-· =r r r r rf
3~
1
.---3

1 r - - - li
fin - jo que fin - jo que fin - jo Que não sei

Copyright 1989 by MAROLA EDIÇCES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 13511506- Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

40
Son4book O Chico Buarque

Ani.ando sobre os jornais


CHICO BUARQUE

WE IVIt wtl wm TIII vtl mm


B/DI G7(9) Flhn7(b5) B7(b9) Em7 A7 Dm7(9)

GI (9) C7M Clhn7(b5) F#7(bl3) Bm7(9) F7(9)

E7 Am7(9) Eb6 D7 Cm6 G(add9)

I A/C# I B/D# I G7(9) I I I


Aman-do noites afo----i'a Fazen--do a ca-ma sobre os jornais Um pou-<:o joga--dos

F#m7(b5) I B7(b9) I Em1 I A1 I Dm7(9) I Gl (9) G7(9) C7M I I I C#m7(b5) I F#7(b13) I


fo ra Um pou-co sábios demais Éspar-ramados no mundo Molhamos

Bm7(9) I F7(9) I El I E1 I Am7(9) I I I Eb6 I D1 I A/C# I Cm6 I G(add9) I I I


o mun--do com delí-cias As nossas peles retin-tas De notí--cias

Gnl I G/F I I · A/c# I B/D# I G7(9) I I I


Aman-do noites a f i - o Traman--do · coi-sas sobre os jornais Fazen--do entornar um

~#m7(b5) I B7(b9) I Em1 I A1 I Dm7(9) I Gl (9) G7(9) C7M I I I C#m7(b5) I F#7(b13) I


' 0 --Q E arder os cana-viais Das pá-ginas fla--geladas Sorrimos, mãos

Bm7(9) I F7(9) I El I E7 I Am7(9) I I I Eb6 I D1 I A/ C# I Cm6 I G(add9) I I I


~as e, i--nocentes Lavamos os nos--sos se-xos Nas enchen-tes

Gnl I G/F I C/E I CmJEb I E/G# j G#O I A/C# I B/D# I G7(9) I I I F#m7(b5) I
AmafHlo noites a fun-do Tendo jornais co-mo co--bertor Poden-do abalar o mun--do
B7(b9) 1 Em7 I A1 .I · Dm7(9) I Gl (9) G7(9) C7M I I I C#m7(b5) I F#7(b13) I
No emba-lo do nos-so amor No ardor de tantos abraços Caíram

Bm7(9) I F7(9) I E~ I E1 I Am7(9) I I I Eb6 I D7 I A/ C# I Cm6 I G(add9)


pal~ios Ruiu um impé- rio Os nossos olhos vidra-dos De misté----i"io

41
Songbook O Chico Buarque

Amando sobre os jornais


G7M G/F C!E Cm!Eb EIG#
r-- 3-----, . - - - 3 ___,

e )1 1 F F F F F I F rrr FI r
A man-do noi-tes a - fo - ra Fa - zen- do_a ca - ma so- bre_os jor - nais Um
A man-do noi-tes a fi - o Tra-man-do coi - sas so- bre_os jor - nais Fa-
A man-do noi-tes a fun- do Ten- do jor - nais co - mo co - ber - tor Po-

G7(9) F#m7(~5) n 7(~9) Em7 A7 Dm7(9) I G~(9) G7(9)


~3___:__,

J
p I J J J J J I F' "I )> I "-

pou - co jo - ga - dos fo - ra Um pou- co sá-bios de mais- Es -


zen- do_en- tor- nar um ri - o ·E_ar - der os ca - na - vi ais- Das
den - do_a - ba - lar o mun - do No_em- ba - lo do nos-so_a- mor No_ar-

C7M C#m7(~5)
.---3--,
F#7(~13) ~ n m7(9) F7(9) E~ E7
..---3----. ,___3----,

r r r
,.---3----,

I·~~ F F F ~r F I
par - ra - ma- dos no mun- do
F F ~r I #F
Mo - lha - mos o mun- do
r I r 9r I r r·
com de lí - cias
'-

pá - gi - nas fla - ge la - das Sor - ri - mos, mãos da - das e,_i- no - cen - tes
dor de tan - tos a - bra- ços Ca - í - ram pa-

Am7(9) G (add9)

As nos-sas pe - les re - tin - tas De no - tí - cias


La- va-mos os nos- sos se - xos Nas en - chen - tes

~ Bm7(9) F7(9) E~ E7 Am7(9) D7


.---3----, ~3 ___..
1 r Ir
1'@ «r F yfiJJJ J 1
'F F r f I
lá - ·cios Ruiu um
~
im - pé - rio Os nos-sos o - lhos vi - dra - dos De mis-
(";"\.
AIC# Cm6 G(add9)

I·~· ~ [ - li
té - rio

Copyright 1979 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA .


. Rua Lisboa. 74 - São Paulo, SP- Brasil. Todos os direitos reservados.

42
Songbook O Chico Buarque

Anos dourados
ANTONIO CARLOS JOBIM E CHICO BUARQUE

A7M Flfm7 Bm7 E7(b9} Al (9} A7(tJ) D7M Dlfm7

I fi 1t I ml "I I 11
Glf7(b9} Clfm7 Glf7(b13} D#7 Clf7(13) ~1(9} Clf7(b9)

Dm6/F B7(13) B7(b13) E1 (9) Flf7(b9) A6 Glhn7(bS) E1 (b9)

I E 111 llll!! IVtl ti I


Gm7(9) C7(13) F7M Bb7M E7(13) Em7(bl3)

A7M I F#m1 I Bm7 I E7(b9) I A1M I F#m1 I Bm7 I E7(b9) I A1M I F#m1 I Bm7 I
Parece que dizes Te amo, Maria Na foto---grafia Estamos

E7(b9) I A1 (9) I I I A7nD I I I D1M I I I D#m1 I G#7(b9) I C#m1 I I I D#m1 I


felizes Te ligo a-fobada E deixo confissões no .grava-dor Vai

G#7(bl3) I C#m1 I I I D#1 I G#7(b9) I C#1(13) I F#1<:~) I Bm7 I E7(b9) I A7M I


ser en--graçado Se tens um no---vo amor Me vejo a teu lado

F#m7 I Bm7 I E7(b9) I A7M I F#m7 I Bm7 I E7(b9) I A7M I F#m7 I Bm7 I E7(b9) I
Te amo? Não lembro Parece .dezembro De um ano

Al {9) I I I A7nD I I I D1M I I I C#~ (9) I C#7(b9) I F#m7 I I I Dm6/F I I I


dourado Parece · bolero Te quero, te que--ro Dizer que não

A7M I F#m1 I B7(13) B7(b13) El (9) E7(b9) C#7(13) I F#7(b9) I ~7(13) B7(b13) El (9) E7(b9) A6 I I I
que-ro Teus bei--jos nun--ca mais Teus bei---jos nun----ca mais

E7(b9) I I I A7M I F#m7 I Bm7 I E7(b9) I A7M I F#m7 I Bm7 I E7(b9) I A7M I
Não sei se eu ainda Te esqueço de fato No nosso retrato

F#m7 I Bm7 I E7(b9) I Al (9) I I I A7(m I I I D7M I I I D#m7 I G#7(b9) I C#m7 I I I


Pareço tão linda l:e ligo o--fegante E digo confusões no grava-dor

43
Songbook O Chico Buarque

D#m7 I G#7(bl3) I C#m1 I I I D#7 I G#7(b9) I C#7(13) I F#1( :l3 ) I Bm7 I E7(b9) I A7M I
É descon---certante Rever o gran--de amor Meus olhos molhados

F#m7 .I Bm7 I E7(b9) I A7M I F#m1 I Bm7 I E7(b9) I A7M I F#m1 I Bm7 . I E7(b9) I
Insanos, dezembros Mas quando me lembro São anos

Al (9) I I I A1(m I I I D7M I I I G#m7(b5) I C#7(b9) I F#m7 I I I Dm6/F I


dourados Ainda te quero Bolero, nossos ver---sos são ba----r~ ais Mas

I / A7M I F#m1 I B7(13) B7(b13) El (9) E7(b9) C#7(13) I F#7(b9) I B7(13) B7(b13) El (9) El (b9)
como eu espe--m Teus bei--jos nun--ca mais Teus bei--jos nun--ca

Gm7(9) I C7(13) I F7M I Bb7M I E7(1J) I Em7(b13) I At /E


mais

Anos dourados

-~ A7M F#m7 B m7 E 7(~9) A7M F#m7

~Jd J
Pa-re- ce que di- zes Te a- mo, Ma - ri - a
la- do Te a- mo? Não !em- bro
in- da Te_es - que - ço de fa - to
lha- dos In - sa- nos, de - zem- bros

Bm7 E 7(~9) A 7M F#m7 Bm7 E7(~9)


~ ...---3--.,

7 J1 J J J I J) J. J. J I )> J. •·I J I J1 J.'-.-/t ~

Na fo - to - ~ - '---""
gra - fi - a - Es ta- mos fe li - zes -- "'
Pa - re - ce de - zem- bro De_um a - no Dou - ra - do
No nos - so re - tra - to Pa - re- ço tão !in - da
Mas quan - do · me !em- bro São a- nos dou ra - dos

,....-- 3 ------.
-$- D7M C#m7

p F J J J> J.,___). 11

Te li- go_a- fo - ba- da E dei- xo con- tis- sões no gra- va- dor
Pa-re - ce bo - le - ro Te
Te li- go_o- fe - gan- te E di- go con-fu-sões no gra- va- dor
A- in- da te

Vai ser en- gra - ça- do Se tens um no- vo_a- mor Me ve-jo_a teu
É des-con-cer- tan- te Re- ver o gran-de_a- mor Meus o- lhos mo-

44
Sonabook O Chico Buarque

F#m7 Dm6/F A7M F#m7

4t) I * p F J 9J I F
,..--3--,
- J
r
I'
y
t
que - ro Te que ro Di-zer que não que - ro Teus

B 7(13) B7(~13) El(9) E7(~9) C#7(13) F#7(~9) B 7(13) B7(~13) El(!1> E7(~9)

I·~p
• ij F r J F I r· 'f p IF r J
F
bei - jos nun - ca mais Teus bei - jos nun· -
t
ca

A6 E 7(~9)

mais Não sei se_eu a-

r~.,~
•p r D7M
-====-
r p IF J EJ
~~m7(~5) Cl7(~9)

r· p IF J
F#m7 3

r r
I'
'

que - ro Bo - le - ro, nos- sos ver sos são ba - nais

Dm6/F A7M . F~m7 B7(13) B7(~13) El(9) E 7(~9) C#7(13) F#7(~9)

il~il~
,.....--3----,
- "J I
' * p r J
y qJ I F rr F
I' ~

r J
F I r· y pI
Mas co- mo_eu es - pe- ro Teus bei - jos nun - ca mais Teus

B 7(13) B7(~13) El(9) El(~9) G m7(9) C 7(13) F7M B~7M E7(13) Em7(~13) A~
.•
,\\
~# J -
F
bei -
r
jos nun
p
ca mais
.._
I)
L,.. li

Copyright 1986 by JOBIM MUSIC LTDA.


Rua Visconde de Pirajá, 41411320- Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.
Copyright 1986 by MAROLA EDIÇOES MUSICAIS LTDA. •
Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 - ~io de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

45 .
SongJ>ook O Chico_Buarque

A permuta dos santos


EDU LOBO E CHICO BUARQUE

C#7 F#l F#7

[ ... } Outro recurso muito eficaz. o mais eficaz de todos eles, consiste em "contrariar" os santos. [ ... } levava-se para ali o S.
Sebastião da igreja local, trazendo-se, em troca, [... }a imagem do Senhor do Bonfim, tudo processionalmente, com rezas e cdnticos.
Enquanto niio chovia, os santos não voltavam para seus lugares.
Dicionário do Folclore Brasileiro, de Luis da Cdmara Cascudo

A7
São José de porce--lana vai morar Na matriz da Imacu--lada Concei-ção

46
Songbook O Chico Buarque

A7
O bom José desalo---jado Pode agora despertar E acudir os seus fiéis

sem terra, sem trabalho e pão Vai a Virgem de alabastro

A7 G#7/A G7/A A7 D7
Concei-ção Na charola para a igreja do Bonfim A Conceição

D~ E7
incomo--dada Vai ouvir nossa oração Nos livrar da seca, da enxurrada ~ da estação

B7
ru-im Bom Jesus de luz neon sai do Bonfim

A#7/B A7/B · A#7/B B7 A#7/B A7/B A#7/B B7 A#7/B A7/n B7 E7 D#7/E D7/E
Pra capela de São Carlos Borro--meu o bom Jesus contrari--ado

D#7/E E7 El E7(#11) Bm/E C#7/E# B/D# C#7 C#/B F#/A# E/G# F#~ F#7 C#7
Deve se lembrar enfim De mandar o tempo de fartura que nos pro-me-teu

Borro---meu pedra--sabão vai pro altar

C#7 F#7 . E#7/F# E7/F#


Perten--cente à estrela---mãe de Naza- -ré A Naza-ré vai de jumento

E#7/F# F#7 F#l F#7(#11) C#m/F# D#7/Fx C#/E# D#7 D#/C# G#/B# F#/ A# G#7 I A
Pro mosteiro de São João E o Evange-lista pra basíli-ca de São Jo--5é

~J
G A
n---J n---J
GA G A
(slmlle)
G A G A G A G A G A G GA
A
Mas se a vida mesmo assim não melhorar Os beatos vão largar a bo-a-fé

GA G A D7 m
D7 I I m
D7(#11) Am/D B7/D# A/C# B7
E as pa-t"óquias com seus santos Tudo fora de lugar Santo que quiser voltar pra casa

n---J ·n---J n---J


t ~ ~ A G A G A G A
Só se for a pé

47
Songbook O Chico Buarque

A permuta dos santos


intro
(viiJlão) A7 G#71A G7/A G #71A

I ~ 11D e 1d -~ q~~ #us

A7 G#71A G7/A G#71A :/.

j~ liD. -
* c:J I r r r r lJ D• I r
São Jo - sé de por - ce - la - na vai mo - rar Na ma-
Vai a Vir- gem de_a - la - bas - tro Con - cei - ção Na cha-

A 7 G#71A G7/A A7 . D7 C#11D C 7/D C# 71D

r r· f r
triz da_I- ma- cu - la- da Con- cei - ção O bom Jo - sé de - sa - lo - ja - do Po- de_a-
ro - la pa- ra_a_i- gre- ja do Bon - fim A Con - cei - ~ão in - co - mo - da - da Vai ou -

D7 D~ D 7(#11) A miD B 71D# AIC# B7 B/A EIG# DIF# E7

I cr Du •r r r r I r~
;;J tl F r
go- ra des-per-tar E_a - cu - dir os seus fi - éis sem ter - ra, sem tra - ba - Jho_e
vir nos- sa_o- ra- ção Nos li- vrar da se- ca, da_en- xur - ra- da_e da_es - ta- ção ru-

1. 2
A7 G.#71A G7/A G #11A 1 ·A·7 I B7 A#71B A 7/B A#71B
13ft --» I+ -& . \ e- I I

r
pão im

B7 A#71B A 7/B A#71B

l;t
# ~~
I ~ # ~# - EJ!I
Bom Je - sus de luz ne - on sai do Bon - fim Pra ca-

:/. B7 A#71B A 7/B B7 E7 D#71E D 7/E D# 71E

~~ IIDII E rrr B a Ir Y p t1 I E E E E1Q 1A I


pe- la de São Car-los Bor-ro - meu O bom Je - sus con-tra- ri - a - do De- ve
E7 · E 7(#11) B m/E E IG# F#~

rl A f
se lem-brar en- fim De man-dar o tem-po de far - tu - ra que nos pro - me -

" 48
Songbook O Chico Buarque

C#7 B#71C# B 71C# B#71C# C#7 B#71C# B 7!CJ B#71C# :/.

~ •»«s1 ti! ·d 9sd d lluD«s 1Bs - ~ cJ 1F F r r 0 cJ 1


teu Bor-ro - meu pe-dra- sa- blio vai pro al -

:/. B71C# C#7

J c:i I r F "f
p c:J I
tar Per- ten - cen- te_à_es- tre - la- mãe de Na- za - ré A Na - za -

E#71F# E71F# E#71F# F#7 F#~ F#7(#11) ~· C#mJF#

F r F se :J• 9
c:::J
• !F r Es sr
ré vai de ju - men - to Pro mos - tei - ro de São JoAo
D#71Fx C#IE# D#7 G#7

F "F F r r r r 1
Ê f
E_o E - van - ge - lis - ta pra ba - sf - li - ca de São Jo

,_±
A G A G A G A

r;~~~
e-
n -
I • 1 r rr r F J•
rsé ~u~ "f
u'---/ Mas se_a vi - da mes- mo_as- sim não me - lho -

:/.

~~~~ r J IF F F f r Ir ~ I
rar Os
c:J be - a - tos vão lar - gar
1
a
c:J
bo- - a fé
c:J
E_as pa-

D7 D~ D7 I D7 D~ D 7(#11) A miD B71D# A/Cf B7 B/A

~~~
' # r r F r 9CZJ J
,..~
IF F Eti 9p I uBu•r r F F I
r6- quias com seus. san- tos Tu- do fo - ra de lu - gar San-to que qui- ser vol-tar pra

....
EIG#
~ 9~ A G A G A G A G A

ij ~ F r tj F r
..-.J
~
r=;)
z. .
~-

e-
'
t.J

ca - sa Só se for a
r

~u0 "f
u~
Fade out

Copyright 1988 by LOBO MUSIC PRODUÇÕES ARTISTICAS LTDA.


Avenida Rui B&Jbosn. 300/1501 - Rio de Janeiro, RJ - Bmsil. Todos os direitos reservados.
Copyright 1988 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.
Avenida Ataulfo de Paivn. 135/1506- Rio de Janeiro, RJ - Bmsil. Todos os direitos reservados.

49
Songbook O Chico Buarque

A Rita
CHICO BUARQUE

Bm7 E7(9) A7M A6 Em7 A7 07M

11 I vfl wl I I I 06 Dm7 Dm6 C#m7 F#7 Bl (9)

lllwl fi 1mB7(9) El (9) C#m6 F#7(bl3) B7

I 1 11 9 E
111

~
Bm7 I E7(9) I A7M I A6 I Em7 I
A Rita levou meu sorriso No sorriso de--la Meu assunto Levou junto com~ o que me é de
'1 C(
A7 I D7M I D6 I Dm7 I Dm6 I
direito Arrancou-me do pei--to E tem mais Levou seu retra--to, seu tra-po, seu pra-to Que

C#m7 I F#7 I Bl (9) I B7(9) I EI (9) I E7(9) I Bm7


papel! Uma imagem de São Francis----co E um bom disco de Noel A Rita matou
7
I E7(9) I A7M I A6 I Em7 I A7
nosso amor De vingan~a Nem heran---ça deixou Não levou um tostão Porque não tinha não

I D1M
')'> I D6
' I Dm7 I Dm6 I C#m6
Mas causou perdas e danos Levou os meus pla--nos Meus po--bres enga--nos Os meus vinte a---nos

I F#7(b13) I ~f _B~l. ~~ E:r/ ' A6 I I


O meu coração E além de tu-do Me deixou mu--do Um violão
f

Bm7 E7(9) A7M


,....--..._

p c f ri
A Ri - ta Je- vou
11 cr:; r r
meu sor- ri - so No sor-ri- so de la Meu as- sun - to

A7 D7M
,--...._

r 9[ cr r i 9
r r b f r f I l] F F• d•,->J
I

1 J
Le- vou jun- to com e - la_E_o que me é de di- reito Ar-ran-cou- me do pei - to_E tem mais

50
Songbook O Chico Bunrque

D6 ·om7 Dm6 C#m7


,.---....
p f 9r ~c
~ /""'.,

f f 1
9r ~c f f r ç f I Qr· iUrlr '~UI
Le- vou seu re - tra to, seu tra - po, seu pra to Que pa - pel! U- ma_i-

r • I•
I r(r
ma- gem de São Fran - eis co E_um bom dis - co de No- el

E7(9) Bm7 E7(9) A7M


!!!:'

JJ J
~ ~ ,...----..__

~crrflfr c f r r r f u· v c 1 I

A Ri- ta ma-tou nos- so_a- mor De vin- gan ça Nem he- ran ça dei-xou

D7M

r .r ~
rJ•
3
Não le- vou um tos- tão Por- que não ti- nha não Mas cau-sou per- das e da - nos

D6 Dm7 Dm6 ,-.,p#m6

~W;lw~
t)
;·V pnr (jpr Ir ((L crífr.r h rt.E,UfJ.{'uEfi
Le-vou os meus pia - nos Meus po - bres en- ga - nos Os meus vin- te a - nos O meu co-ra-ção

E_a-lém de tu do Me dei-xou mu do Um vi- o - lão

Copyright 1966 by EDITORA MUSICAL ARLEQUIM LTOA.


Rua Lisbon, 74 - São Paulo,_SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

51
Songbook O Chico Buarque

As minhas meninas
CHICO BUARQUE

Em7(b5) A7(b13) Dm7 E7/G# Am{ll) Am(\1) 87/D#

1111"1 ml I
B7(b13) E6/Gf Dm6/F B7M/F# G#m7 Bm7 E7(9)

li R I -1 D 1t 11
A7M/C# F7M/C Bm6 Bb7{,r1) C7M/G C7/G

"ti I I I 1J mrn F7M Fm6 Gm6/Bb A7 G7(13) Am(M

t1 I I I mm 1 111

Em7(b5) I I A7(b13) I I Dm1 I I E1/ G# I I Am(ll) I I Am{tl) I I B7/D# I I


Olha as mi--nhas me-ni-nas As mi-nhas me--ni--nas Pra onde é que elas vão

B7(b13) I I E6/G# I I Dm6/F I I B?M/F# I I G#m7 I I Bm7 I I E1(9) I I A1M/c# I I


Se já sa m so-zi--nhas · As no-tas da minha canção Vão as

F7M/c I I Bm6 I I Bb7(,r1 ) I I C1M/G I I C1/G I I F1M I I Fm6 I I Gm6/Bb I


mi-- nhas me- ni-nas Le-van~o des-ti-- nos Tão i--lumi- na-dos de sim Pas-
· -sam

I A1 I t I Dm1 I I G7{13) I I Em7(b5) I I A7(bl3) I I Dm1 I I E1/G# I I


por mim E emba--J"a-çam as li--nhas Da mi-- nha mão As meni---nas são mi-ilhas Só

Am(ll) I I Am(tl) I I B7/D# I I B7(b13) I I E6/G# I I Dm6/F I I B7M/F# I I G#m1 I I


mi---nhas na mi- nha ilu- são Na canção crista-Ii.- - -na Da mi--na da

Bm7 I I E7(9) I I A1~c# I I F7M/c I I Bm6 · I I Bb7{,r.) I I C7M/G I I


ima-gina-ção \
Pode o tem-po Mar-car seus ca-mi--nhos Nas fa es Com as
\
C7/ G I I F1M I I Fm6 I I Gm6/Bb 11 A1 I I Dm1 I I G7{13) I I Em7(b5) I I
li- nhas Das noi-tes de não E a soli-dão Maltra- tar as me--ni-- nas As mi- -nhas não

A7(b13) I I . Dm7 I I ...E1/G# I I Am(ll) I I Am(~) I I Am{.'1) I I Am(tl) I I Am{ll) I I


As meni- nas são mi- nhas Só mi- nhas As mi-nhas me-ni- -nas Do meu cora-ção

Am{~) I I Am{.'1 ) I f"Am(rf) I I Am(ll)

· 52
Songbook O Chico Buarque

Em7(~5) A 7(~13) Dm7 E71G# Am(ll)

~;-o I J
~2 J J IJ J J I J J J IJ J J
0-lha_as mi - nhas me - ni - nas As mi - nhas me - ni - nas Pra_on -
A m(~1~) B71D# B7(h3) E 61G# D m6/F

~ J J J I J. - ~- ,J 1 hr J ,J 1

de_é que_e - las vão Se já sa - em so -


Na can - çilo cris - ta -

B7MIF# G#m7 Bm7 E 7(9) A 7M/G.#

~ r - BJ
zi nhas
nJ
As
l tJ nJ J
-no tas da
I qJ
mi - nha
J #J
can -
I
ção
J
Vão as
li - na Da mi - na da_i ma - gi - na ção Po·- de_o

F7M/C Bm6 B~7(J ft) C 7M/G C7/G

I·~ J j J I J uJ J I J #J J I J qJ J IJ J J
mi- nhas me ni - nas Le van do- des ti - nos Tão i - lu - mi -
tem - po Mar - c ar seus ca mi - nhos Nas fa - ces Com_as li - nhas Das

F7M Fm6 Gm6/B~ A7 ." D m7


~ j
na - dos
J f1
de sim
lj
'---"
~ I J j J
Pas - sam por
I #J
mim
J
E_em - ba
j IJ
ra -
j
çam
J
as
noi - tes de não E_a so - li dão Mal tra- tar as me -
G7(13) Em7~5) A 7(~13) Dm7 E71G#

f4 J J J IJ L~
~~ J - J J IJ J j I J J J
li - nhas Da mi - nha mão As me - ni - nas são mi- nhas Só
ni - nas As mi - nhas não As me - ni - nas são mi - nhas Só

Am(ll) 11. Am(~~~ ) B 71D# B 7(~13) 11:&' ~(~~)


"~ J J
t€] IJ J J I J. - ~J J J
mi nhas na mi- nha_i - lu são mi - nhas me -
mi - nhas As
I":\
A m( 1~) Am(~1~) Am(ll) A m(~1~) A m(t~) Am(~1~) Am(ll)

~ J J J I J J J I J. - - - li
ni- nas -
Do meu co- ra ção

Copyright 1987 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 -·Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

53
Songbook O Chico Buarque

Aquela mulher
CHICO BUARQUE

Bm7 E7(\1) A6 F7/A Bb7M E7 A7M

ITR IIVtiiiiiJ~Ivlv!rn

CI(#IS) F#(add9)/ A# G#m7 F#I7M E#7 A#m7

IJIIIIIJE
D#m7 Dlm/CI# Bl#m7(b5) Bm6 A# Bm/ A E7/G#f

~~ I I l 'vl I 11
Em7(9)/B A7 Fl#7/ A# B7(9) E7(t\) Em7(9) A7(13)

I I'VIJ lVI I I I
D#m7(b5) G#7/DI# CO 87 D(add9)/ A Dm# /A A(add9)

ITiml1111111
Bm7 E7( tn A6 F7/A Bb7M E7 A7M A6 G#7(b13)
n
Se você quer mesmo saber Por que que ela ficou comi--go Eu digo que não sei Se ela

C#m7 Am6/c Em7/B A#O Dm7/A Dm6/A C#7/ G# C#(#S)


ainda ·tem seu endereço Ou se lembra de você Confesso que não perguntei As

,r-;)
F#(add9)/ A# G#m7 F#7M E#7 A#m7 D#m7 D#m/C# B#m7(b5)
nossas noites são Feito oração na catedral Não cuidamos do mun-do Um segundo

54
Songbook O Chico Buarque

Bm6 A~ I Em7(9)/B A7
sequer Que noites de alucinação Passo dentro daque - - -la mulher Com outros homens,

I B7(9) I E7{f3 ) I Em7(9) A7(13) D#rn7(b5)


ela só me diz Que sempre se exibiu E até fingiu sentir prazer Mas nunca soube, antes de

G#7/D# C#rn7 co B7 E7(m A~ F7/A D(add9)/ A Dm3/ A A(add9) I I


mim Que o amor vai longe assim Não foi você quem quis saber?

~ n m7 E 7(~D

~ #1i ; 6
r !t 11 E ~, r rA
Se vo- cê quer mes-mo sa-ber Por que que_e-la fi-cou co- mi - go_Eu di - go que não sei

A 7M A6 G~7(~13) C~ m7 Am6/C Em7/B A(


!!"'~"'

r r 9I· #r
3
J 3
~ #i "I• ~ f
3

r c I L !t I ~J
Se_e-la_ain - da tem seu en - de - re - ço_Ou se lem- bra de vo - cê

Dm71A D m6/A C~ 7/G~ C~(#S) F~(add 9)1A# G#m7

;_ ( •c 1; 1" r!f"---1 r r r
Con - fes - so que não per - gun - tei As nos-sas noi- tes são Fei- to_o- ra -

A#m7 D~m7 D# miC~ B #m7(~5) Bm6


6

ção na ca - te - dral
Iv b ~r »r rt c cJ
Não cui- da- mos do mun- do_Um se
~

-
I #p
gun - do
r r f
se- quer

A~ C#71G~ Bm/A E71G#

I• F r ~b r F I If cr I• r I c1· f
..........---..
I• f
~

I
Qu~ noi- tes de_a- lu - ci - na - ção Pas- so den- tro da- que la mu-lher

Em7(9)/B A 7 B7(9)

F 9•I I•
J I cr I• 1 •·
I !
Com ou-tros ho-mens, e - la só "me diz Que sem-pre se_e- xi- biu E_a-

E7({J) Em7(9) A 7(13) D#m7(~5) G~71D#

~# ~

c· ~
~1 r
#•I
t;
f r F1 Ê I y ~, r I F #•I F ~r

té fin- giu sen- tir pra- zer Mas nun- ca sou- be,_an- tes de mim Que_o_a-

55
sOngbook O Chico Buarque

..

C#m7 co B7 E7(~;}-$- A6
17'\
, ,
I'~H
ft 9[ r f ~

J
t
mor vai lon- ge_as- sim
r
Não
F
1j I E j [ 1 I F
foi vo - cê quem quis sa - ber? Se vo-cê
f.'l
F7/A D (add9)/A D m~A A(add9) A (add9)

- -
ber?

Copyright 1985 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.


.
Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 ·Rio de Janeiro, RI - Brasil. Todos os direitos reservados .

56
Songbook O Chico Buarque

Assentamento
CHICO BUARQUE (''Tôo"- Apud GUIMARÃES ROSA)

I ml I I l ·m m~IJ
Drn6 J>#O Grn6/D Drn/C G7(lt5)/B Grn6/Bb G#"(bl3) C7M

l1 V
w
Bb7 Bbm6/Db Gm6 Fltrn7(b5) Frn7 Bb7M Arn7 C7M/G

~g mE 9 I ti I I 9
Drn7(b5) G7/B C/Bb Arn7(b5) Gb7(1tll) F6 Bb/ Ab

111·vm 9 I t1
Am I Fm/Ab I c/GI Gb7(,~1 ) I F1M I A7/E I Dm1 I A1/c# I Dm6
Quando eu morrer, que me enter-rem na beira do chapadão
I D#O I Gm6/D I A7/c# I Dm/c I G7(#S)/n I Gm6/Bb I
-contente com minha ter ra Cansado de · tanta guer--ra Crescido de coração
G#O(b13) I C1M I Cl (9) I C1M I Cm7 I C1M I Bb6 I F7M/A F6/A
Zanza daqui Zanza pra a--colá Fim de feira,
Fm6/Ab I Em/G I E7/G# I Am6 I Bb7 I C7M I
periferi-a afora · A cidade não mora mais em mim Francis--co, Serafirn Vamos embo--ra
q(9) I C1M I Cm7 I C1M I Bbm6/Db I C1M I Bb6 I
Embo-ra Ver o capim Ver o ba--<Jbá Vamos ver a cam-pina quando
6
F/ A E7/G# Gm6 I F#m7(b5) I Fm1 I C1M I Cm7 I
flo-_ra A pica cema, rios contravim Binho, Bel, Bia, Quim Vamos embo--ra

57
Songbook O Chico Buarque

C7M I Bb7M I Am1 1 Fm6/ Ab 1 c1M/G 1 Gb7( ,r, > 1 F1M I


Quando eu morrer Cansa-do de guer ra Morro de

I Dm7 I Dm7(b5) I C1M I I I


bem Com a minha ter·---ra: Cana, caqui Inhame, abó--bora Onde só vento

Am7(b5) Fm6/ Ab C7M/G I Gb7(#11) I F6 I Bb/ Ab


se semeava outrora Amplidão, nação, sertão sem fim Oh, Manuel, Miguilim

I C7M I Cm1 I C7M I CI (9) I C1M I Bb6 I


Vamos embo-ra Zanza daqui Zanza pra a--.<olá Fim de feira,

I Am6 I Bb7 I C7M I


periferi--a afora A cidade não mora mais em mim Francis--.<o, Serafim Vamos embo-ra

Cl (9) I C7M I Cm1 I C7M I Bbm6/Db I C7M I Bb6 I


Embo-ra Ver o capim Ver o ba---obá Vamos ver a cam- pina quando ...
Gm6 I F#m7(b5) I Fm1 I C7M I Cm1 I
flo--ra A pira cema, rios contravim Binho, Bel, Bia, Quim Vamos embo-ra

C7M I Bb7M I Am7 I Fm6/ Ab I C7M/ G I Gb7(,r,> I F7M I


Quando eu morrer Cansa-do de guer ra Morro de

I Dm7 I Dm7(b5) I C1M I I I


bem Com a minha ter'----ra: Cana, caqui . Inhame, abó--bora Onde só vento

Am7(b5) Fm6/ Ab C7M/G I Gb7(#11) I F6 I Bb/ Ab


se semeava outrora Amplidão, nação, sertão sem fim Oh, Manuel, Miguilim

I C7M I Cm1 I C1M I Bb6 I Am I Fm/Ab I


Vamos embo - ra Quando eu morrer, que me enter-rem na

A7/E I Dm1 I A1/C# I Dm6 I D#O


beira do chapadão -contente com minha ter----,ra Cansado de tanta guer---ra

. I G7(#5)/ B I Gm6/Bb I G#O(bl3) I C7M/G IIII


Crescido de coração

Assentamento
Am F m/A~ C/G F7M A7!E
3

J J I; J - I * J11 1J :fl l
Quan-do_eu mor - rer, que me_en - ter - rem Na bei- ra do cha - pa -

D m7 A 71C# D m6 DIÍ G m6/D A 71C#

1!
I~ ;J -
3

I * F F F I EJ FJj[J J J ~LJ I EJ fJj


3

dão Con- ten - te com mi- nha ter ra Can - sa - do de tan - ta guer -

D m/C G 7(ft5)/B G m6/B~ C 7M C~(9) C7M Cm7


a tempo (toada)

I·~ JJJfi i JJFJ IJ


3 .
- 11 I - - - 11

. 58
Songbook (J Chico.Bwuque

C7M F7M/A F6/A Fm6/Ab

~l g-4) J J IJJ j:JJJ


...........
j jj JJJJJjl
'-../
t) .

r Zan ~ za da- qut Zan- za pra_a - co - lá Fim de fei- ra, pe - ri - fe - ri - a_a- fo- ra

EmiG E71Gf Am6

~i J j J J J I i J
t)
r5J
........._., ~ l vJ a JJJJ I J J J........._.,; J j' - -
'-._./
A ci- da- de não mo-ra mais em mim Fran - eis - co, Se- ra - fim va- mos em - bo -

C7M C7M

- -
Em- bo - ra Ver o ca-pim Ver o ba - o- bá

C7M F6/A E71Gf Gm6

tLl J ~ J s 4J) J J cn a j a a a ~J 1 o~
Va- mos ver a cam - pi - na quan-do fio ra_A pi - ra - ce - ma, ri - os con - tra- vim

Cm7 C7M nb7M

- - - li
Bi- nho, Bel, Bi- a, Quim Va-mos em- bo - ra v

F7M

Mor-ro de bem

A7/E Dm7 Dm7(~5) C7M G7/B

J 4JJJ?] J I J lvfJ"LnJIJ J 3n J I
Com a mi - nha ter ra: Ca-na, ca- qui Inha- me,_a- b6 - bo- ra

A m7(~5) Fm6/Ab C7M/G

;: 3 j J
On- de só ven-to se se- me - a- va_ou - tro- ra_Am - pli - dão, na-ção, ser- tão sem fim a'
"--"

F6 l\~7M Cm7 C7M .I


~ J ti J J J I 1 ; O........._.,;tJ J'--""I J. J 1
Oh, Ma-nuel, Mi- gui - lim Va-mos em- bo - ra
'--../
- - ~
59
Songbook O Chico Buarque

l2
c7M Cm7 C7M Am F miA~

I'~v J. j J - -
rall--- - ·- ------------------------
- 11
rubato
~
....
J J 3 IJ
3

'-.-/
ra Quan-do_eu mor - rer, que me_en.

C/G G~7(~~~) F7M A 7/E Dm7 A 7/C#

r)
3

I'~ J J I~ CJJ
• IJ Ij - ~
ter - rem Na hei- ra do cha-pa dão

Dm6 D#o Gm6/D A11C# Dm/C


3 3 3

I'~ ~ r r r I FJ F J:±P J J &[J I FJ f 8....___.....I J J •~ FJ ] '-

Con-ten- te com mi- nha ter ra Can-sa- do de ta11 - ta guer ra Cres-ci - do

G7(#5)/B Gm6/B~ G# (~13)


0
C7M/G

fJ I J - - - - li
de co • ra - ção

Copyright 1997 by MAROLA EDIÇÚES MUSICAIS LIDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 13S/1 506 - Rio de Janeiro, RJ- Brasil. Todos os direitos reservados.

60
Songbook O Chico Buarque

As vitrines
ClflCO BUARQUE

D7(~)

we
Gm7 D7/.Ft Eb6/G Bbm7 Bbm6 Am7(11) D7/A

D7(b9)
~~I
Cm7 F7
tlwlvl1mflml
Bb7M A7(13) A7(b13) Am7(bS)

G7(b13) Ebm6/Gb Bb7 . Eb6 C7/E

D7(~) I I I Gm7 I I I D7/F# I I I Eb6/G li I Bbm7 I Bbm6 I


Eu te ve-jo sumir por ar Te avisei que a cida--de o---ra um vão -Dá

Am7(11) I I I D7/A I I I Gm7 I I I D7(b9) I I I Gm7 li


tua mão -Olha pra mim -Não faz assim -Não vai lá não Os letreiros a te

I 07/F# I I I Eb6/G li I Cm7 I F1 I Bb7M I I I A7(13) I A7(b13)


co---lorir Embaraçam a mi-nha visão Eu te vi suspirar de a-flição

I Am7(b5) I I I D7/A I F1/A I Bb/D I I I G7/D 111


E sair da sessão, frouxa de rir ·
I Já te vejo brincan-do, gostando de ser

Eb7M/Bb I I I
Tua

Dm7(b5) I I I G7/D I I I Cm7(9) I I I A~ (b9) I A7(b9)


sombra a se mul-ti-plicar Nos teu olhos também posso ver As vitrines

I Am7(b5) I D7(b9) I Gm1 I I I D7/F# I I I Eb6/G I I I Ab6 I


te vendo passar Na galeria Cada clarão É como um dia depois de outro dia

G7(bl3) I Cm7(9) 1 I I Ebm6/Gb I F7 I Bb7M I Bb7 I Eb6 I C7/E I


Abrindo um salão Passas em expo---sição Passas sem ver teu
[o
I Eb6 I Cm6/G 1 D1/F# I Gm7 I I I Gm('~)
\'igia Catando a poesia Que entornas no chão

61
Songbook O Chico Buarque

As vitrines
Gm7 D71F#

:F1 li f :F1 f
Eu te ve - jo su - mir por a - f Te_a- vi •

B~m7 B~m6 Am7(11)


3 3

I
sei que_a ci - da de_e- ra_um vão
~
-Dá
Et:f Ir tu - a mão * E t:f ~
-O- lha pra \,

D7/A Gm7 D7(b9)


_ 3 ___ 3__..
....

LJ J I F 'f [
c f IF ~ 'f[J l
\,

mim -Não faz as - sim -Não vai lá não Os le -

Gm7 D71F#

IF
.J
tre1- ros a te co - Io - rir Em- ba - ra- çam a mi nha vi -

Cm7 F7 B~7M A 7(13) A 7(bl3)


....--3---. 3 ~3 ---,

~~~I· F i cJ r r f f f f f
1

são * Eu te vi sus - pi - rar de_a - fli - ção E sa - ir da ses -

A m7(b5) D7/A F7/A B~ID

C1 r r r f r I r r f f
~3~ .....---...: 6

I@ ~I· r $ r t f IJ * "f 11 I \..

são, ! frou-xa de rir Já te ve- jo brin- can do, gos- tan- do de

G7/D G71D

~~~~h F I ~F ~ r f
ser * Th - a som-bra_a se mui ti - pli car Nos teus

Cm7(9) E~7MIB~ A 7(b9)


~ ,.....---..... . . - - - - 6 -- ----.,

r*~~· f r F f f r Ff I r * i i r 9r r r 1

o - lhos tam- bém pos- so ver As vi - tri - nes te ven-do pas -

62 - - -
Songbook O Chico Buarque

A m7(~5) D7(~9) Gm7 D7JF#

r r ,._
3

cf
• 11*"
f&~,, '1 ur IV F' C: -=' I ur '1 c I J
tJ
sar Na ga - Ie ri - a * Ca-da ela - rão É CO·!llO_Um

..i 6
Ab6 G7(~13)
6
Cm7(9)
-···
'1 '1 ~c I• Fr Ip f '1 '1
F f F F Ir -
di - a de- pois de_ou-tro di - a A - brin- do_um sa - lão

F7 nb7M nb7
.---3----.
c r _.
3

;j
,.....---3------.

F F F IF -
3

(FJ F J F
Pas-sas em ex - po - si - ção Pas-sas sem ver teu vi -
Cm6/G D71F# Gm7 cm('r)
6
6

'1 '1 f J J JI o li
gi - a Ca- tan- do_a poe - si - a Que_en- tor- nas no chão
"-

Copyright 1981 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva. 135/1506- Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

63
Songbook O Chico Buaique

A televisão
CHICO BUARQUE

D7 G7/B G7 E7/B E7 Dm7 G7{13) Em7

l i a III!Dm I
C6 I C7 I I I I I
O homem da ru-a Fica só por tei-mosi--a Não encontra com-panhi--a Mas pra casa não vai

I I C6 Am7
não Em ca--sa a r~a Já mudou, que a mo--<la mu-da A ro---da é tris--te, ..,

A7 I I I D7 C6 G7/B G7 C6 I C7 I
a roda é mu-<la Em volta lá da televisão No céu a lu-a Surge grande e mui--to pro--sa

E7/B E7 Am7 I I I 111 I Dm7 I G7(13) I Em7 I


Dá uma volta gra-cio---sa Pra chamar as atenções O homem da ru---a Que da lua está distan--te

A7 1 I Dm7 I G7(13) I C6 G6/B Am7 Am/G C6 I


Por ser nego bem-falan--te Fala só com seus botões O homem da ru-a Com seu

C7 I I Fm/c 1 I I C6 G6/B Am7 .


tamborim cala--do Já pode esperar senta---do Sua escola não vem não A su-·--a

I C6 Am7 I I I
gen--te Está aprenden--<Jo humil--<lemen-te Um batu--que di---feren-te Que vem Já da televisão

G7 C6 I C7 I I E7/B E7 Am7
No céu a lu-a Que não estava no progra--ma Cheia e nua, che-ga e cha--ma Pra

I I I 111 I Dm7 I G7(13) I Em7 I A7 I Dm7


mostrar evoluções O homem da ru-a Não percebe o seu chame-go E por falta dou-tro ne-go

I G7(13) I C6 G6/B Am7 Am/G C6 I C7 I


Samba só com seus botões Os namora--dos Já dispensam seu namo--ro Quem quer

.. I I I I I C6 G6/B Am7 Am/G F/c I


riso, quem quer cho----:-ro Não faz mais esfor~o não E a pró---pria vi--da Ainda vai

I C6 Am7 Am/G . A7 I I I D7 C6 G7/B


sentar senti-da Ven--do a vi--da mais vivi-da Que vem lá da televisão

64
Songbook O Chico Buarque

G7 C6 I C7 I Am7 I I I
o homem da ru-a Por ser nego con--forma--do Deixa a lua ali de la--do E vai ligar os seus

111 I Dm7 I E7 I Am7 I A7 I Dm7 I


botões No c~u a lu-a Enca-bula-da e já minguan--do Numa nuvem se o-<:ultan--do Vai de

G7(13) I C6 I I I
. volta · pros sertões

~C6 C7 F/C

J • ~~i J J.....__.,I • J.
F

J) j J ) ...___.....
11 i

J. i{ J j I c;;
I'"
i{ J 3I
O_ho- mem da ru a Fi - ca só por .tei mo - si a Não en-
a Com seu tam - bo- rim ca - la do Já . po-
dos Já dis - pen - sam seu na ·- mo ro Quem quer

Fm/C C6 G6/B

J J : J ' ;,; ;;J J


""-./
con - tra com pa - nhi a Mas pra ca - sa não vai não
de_es - pe - rar sen - ta do Su - a_es - co - la não vem não
ri - so, quem quer cho ro Não faz mais .es- for - ' ÇO não

Am7 Am/G F/C Fm/C C6 . G6/B

a 1:J · J l·tr::r JT1 J J J j


."----'
Em ca - sa_a ro da Já mu - dou, que_a mo - da mu da_A ro - da_é tns -
A su a gen - te_Es - tá_a- pren - den d~_hu - mil - de ~ men te Um ba - tu-
E_a pró - pria vi da_A - in - da vai .sen - tar sen - ti da Ven - do.:_a · vi -
Am7 Am/G A7 D7 C6

J .J
I'"

=:=!~ te,
j.
a
I
ro- da_é
I
J Il
mu da_Em vol - ta lá da te - le - vi - são
que di fe ren te Que vem lá da te - le - vi - são
da mais vi vi da . Que vem lá da te - le - vi - são
G7/B G7 C6 C7 F/C

~~~-~t'~i~J~1~J±I3;~·J~.~'~J~J~IJ~_Jê:~0'-./~t~Wª!~J/~R~.~,~Fl~l
No céu a lu a Sur - ge gran - de_e mui to pro sa Dá_u- ma
No céu a lu a Que não_es - ta - va no pro - gm ma Chei- à_e
O_ho-mem da ru :. a Por ser ne - go con for - ma do Dei- xa_a

65
Songbook O Chico Buarque

E7/D E7 Am7
~

..t V] 4Jt EJ [JffiD FJ lU i


JliJ~
vol - ta gra - ci - o sa Pra cha - mar as a- ten- ções O_ho- ruem da ru.
nu - a, che - ga_e cha ma Pra mos - trar e - vo - lu - ções O_ho- mem da ru.
lu - a_a- li de la - do_E vai li - gar os seus bo - tões No céu a lu-
Dm7 G7(13) Em7 A7

j , ,.
r=~ J Jij
'-../
'-.....
a Que da lu - a_es - tá'-" dis - tan te Por ser ne - go bem - fa - lan.
a Não per - ce - be_o seu cha - me go E por fal - ta dou - tro ne • \._

Dm7 G7(13) C6 G6/D Am7 Am/G


Ao% \._

j I; i
J) J
;:--J ) 112 vezes
'--"' e-$-
\._

\._

te Fa- la só com seus bo - tões O_ho- mem da ru-


go Sam-ba só com seus bo - tões Os na- mo - ra-

-$-nm7 E7 Am7 A7

J J
a_En - ca - bu - la da_e já min- guan do Nu - ma nu - vem se_o cul - tan -

Dm7 G7(13) C6

l'~ ,;fQ .
v
q J~~ I f J ~
---1"
J J j....____.....I J IJ * li "-
- '--"'
do Vai de vol ta pros ser - tões

Copyright 1967 by EDITORA MUSICAL ARLEQUIM LTDA.


Rua Lisboa, 74 • Silo Paulo, SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

66
Songbook O Chico Buarque

Bárbara
CHICO BUARQUE E RUY GUERRA

C7(b9) F7M Bl (9) B7(13) Bm6 E7(i5)

11119111
A7M A6 G#m7(b5) Ci7(b9) Fim7(9) B7(b9)

Em7(9) E7(13) E7(bl3) A7(13) A7(b13) Am7(9)

lllllvl
Am('~1 ) I I Amt I I Am('r) I I Am~ I I F7M(#ll)/ A I I Dm7 I I Bm7(11) I I E1(:f1) I I
Bár ba-ra, Bár ba-ra Nun a é tar~e. nunca é de-mais

Gm7(9) I I C7(b9) I I F1M I I Dm7 I I Bl (9) I I B7(13) I I Bm6 I I E7(#5) I I A7M I


On de estou, on--de estás Meu a-mor, vem me bu~ar O meu destino é

I A6 I I G#m7(b5) I I C#7(b9) I I F#m7(9) I I I I I B7(b9) I I I I I


caminhar assim Desespe-- rada e nu-a Sabendo que no fim da noi--te serei tu--a

Em7(9) I I I I I B7(b9) I I I I I E7(13) I I E7(b13) I I A7(13) I


Deixa · eu te proteger do mal, dos medos e da chuva Acumu-lando de praze--res teu leito de

••I A7(b13) I I Am('M)


9 I I Am~ I I Am('M)
9 I I Am~ I I F7M(#ll)/ A I I Dm7 I I Bm7(11) I
vau-va Bár ba-ra, Bár--ba-ra Nun a é tar~e. nunca é

I E1(,'71) I I Gm7(9) I I C7(b9) I I F1M I i


Dm7 I I Bl (9) I I B7(13) I I Bm6 I I E7(#5) I I A7M
de-mais On de estou, on--de estás Meu a-mor, vem me bus-car Vamos

I I A6 I I . G#m7(b5) I I C#7(b9) I I F#m7(9) I I I I I


ceder enfim à tentação Das nossas bocas cru-as E mergu-lhar no poço escu--ro de nós

B7(b9) I I I I I Em7(9) I I_ I I I B7(b9) I I I I I E7(13) I I E7(b13) I I


du-as Vamos viver agonizan--do uma paixão vadi-a Maravi-lhosa e transbordan--te,

67
Songbook O Chico Buarque

A7(13) I I A7(b13) I I Am(~ 1 ) I I Am3 I I Am('r) I I Am3 I I F7M(#ll)/ A I I Dm7 I


feito uma hemorragi-a Bár ba-ra, Bár ba-ra Nun a é tar-de,

I Bm7(11) I I E7(,'f1) I I Gm7(9) I I C7(b9) I I F7M I I Dm7 I I Bl (9) I I B7(13) I I Bm6 1


nunca é de-mais On de estou, on--de estás Meu a-mor, vem me

I E7(#5) I I Am('r) Am7(9) Am3 I I I F7M(#ll)/ A


buscar Bár---ba---ra

. Bárbara

Am('J'f) Am3 Am('J'f) Am3 F7M(#11)/A

I ~ ~~~ 9 J
...
~J Ij I J ~J Ij I qJ J ~
Bár ba ra, * Bár ba ra * Nun ca_é

Dm7 B m7(11) E7(/:.) Gm7(9) C7(~9)

i~ -~~ J ~J. J I J ~J I j Ij &J I ~J *


- tar de, nun - ca_é de mais * On de_es tou,

I·~o
I ~J
F7M

#J lqJ
D m7

I
B ~(9)

J #J I #J
B 7(13)

J
Bm6

I ;J qJ
• I
on de_es tás * Meu a mor, vem me bus
~

E 7(#5) A7M "A 6 G# m7(~ 5 ) C#7(~9)

I·~o
I J ) li f1 J~~ !1 I J1 r· DI
f) J I J -
car
'o meu des - ti- no_é ca- mi - nhar as- sim
E2J
De - ses- pe- ra- da_e nu - a
' DI
Sa-
Va - mos ce-der en- fim à ten:- ta- ção Das nos-sas bo-cas cru . - as E

B 7(~9)

J? J I J. J~ #J J I ~J j ) I "'
ben - do que no fim da noi - te se - rei tu - a
' Dei -
mer - gu - lhar no po- ço_es cu ro de nós du - as Va -

E m7(9) B 7(~9)

I'~HI J J i@ JJ 4 ;f1 I iJl F~J J I J ) I


xa_eu te pro - te - ger do mal, dos me - dos e da chu va
' A -
....

mos vi - ver a - go - ni - zan do_u - ma pai - xão va - di a Ma-

68
Songbook O Chico Buarque

A 7(~13)

5~~~
~
29!~li!#$ªE~~~~~§~$~-l§§v.c.
~ f Id * ll!v;es
cu -: mu - lan - do de pra - ze - res teu · lei - to de vi - ú - va
ra - vi - lho- sa_e trans- bor - dan- te, fei - to_u- ma_he- mor - ra - gi - a

~

'~li J
B
E 7(J5)

IJ
A m<'r > A m7(9)

hJ
Am~

tJ --IJ I ~J
17\
F 7M(JU)IA

li
car * Bár ba ra

·'

.
4

Copyright 1972 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.
Rua Lisboa, 74 - São Paulo, SP - Brasil. Todos os direitos reservados.
..

69
Songbook O Chico Buarque

Biscate
CHICO BUARQUE

vnm VIl ~. VIII xm nl !Xll


Bm7 E7(b9) F7M/C D7/F# Dm7 E7/G# Ab7M/Eb

!Vm 1 1 "I [[;; v;; !Vm


. Ab7 Am7 E7/B Am/C A7/C# Dm7* Dm6

mE mE ~~11 mE I !I I
Bbm6/Db . C7. F#m7(b5) Fm6 C/E A7/E D7

C6 Ab(add9)/Eb C7(b13)/E Fm7

Bbm/Db Fm7/c B0 Bbm6 G7 G#O

mil lima
Introdução: Bm7 E7(b9) F7M/C D7/F# Dm7 E7/G# Ab7M/Eb Ab7

Dm7* Dm6 Bbm6/Db C7 F#m7(b5) Fm6


Vivo de bisca--te e que--res que eu te sus--ten te Se eu ganhar algum

e/E A7/E . D7 Dm6 C6 C7 Bm7 E7(b9) F7M/ C D7/F#


venden---do ma--te Dou-te uns badulaques de repen-te Andas de pareô, eu si-- -go
......
Dm7 E7/G# Ab(add9)/Eb Ab7 Am7 E7/n Am/c A7/C# Dm7* Dm6
ina-<limplen--te Chamo você pra sam--bar Levo você pra

Bbm6/Db C7 F#m7(b5) Fm6 A7/E D7 Dm6 C6 C7


ben zer Fui pegar uma cor . a
na pra1- ' E só faltou me bater, é

Bm7 E7(b9) D7/F# Dm7 Ab(add9)/Eb Ab7 Am7


Basta ver . um rabo---ide-sai--a Pro bobo se derre----7""""-ter Vives na

70
Songbook O Chico Buarque

Dm7* Dm6 Bbm6/Db C7 F#m7(b5) Fm6


gandai-____.,a e espe--ras que eu te res-pei.----te Quem que te mandou tomar

D7 Dm6 C6 C7 Bm7 E7(b9) . F7M/c D7/F#


conha---que Com o tíquete que te dei pro lei-te Quieta que eu quero ouvir Flamen-go

Dm7 E7/G# Ab(add9)/Eb Ab7 Am7 Anyc A7/C# Dm7* Dm6


e Ri--ver Pia--te Faço lelê de fu--bá Faço pitu no

Bbm6/Db C7 F#m7(b5) Fm6 C/E A7/E D7 Dm6 C6 C7 Bm7 E7(b9)


den dê Sirvo seu pitéu na ca--ma E nada dele comer, ai Telefo--ne, é

Dm7 E7/G# Ab7M/Eb C7(b13)/E Fm7 . · C7/E • Ab7/Eb


voz de da-.--ma Se penteia pra aten der Vamos ao ~ine ma,

Bb7/D Fm7 Bb7/o Fm7


ba by Vamos nos mandar daqui Vamos nos casar na igre ja

Bbm/Db no Bbm6 Fm7 Bb7/D Fm7


Che----ga de barraco Chega de piti Vamos pra Ba---~hia; den~-:go Vamos

Bb7/D Fm7
ver o sol nascer Vamos sair na ba.---teri~a Dei---xe de chilique

G7 G#O Am7 E7/B


Deixe de siricotico (ELE) Vivo de bis---cate.. .
(ELA) Chamo você pra sam---bar.. .

Bm7 E7(~9) F7M/C D 7/F# D m7 E 71G# ~A~7MIE~ Ab7

r f flt F DF fi I r''r rj ' F


Am7 E7/B Am/C Dm7 Dm6 B~m6/D~ C7

~ .. l21 J J j :b
'-.../
i
7 Vi-vo de bis - ca te_e que - res que_eu te su~ ten te
Vi - ves na gan - dai a_e_es - pe - ras que_eu te res - pei te
F#m7(~5) Fm6 C !E A7/E D7 Dm6 C6 C7

~ J J J J ,~J J
Se_eu ga-nhar ai - gum ven- den do ma te Dou- te_uns ba - du - la- ques de re - pen - te
Quem que te man-dou to- _mar co - nha - que Com o tí -. que - te que te dei pro lei - te
Bm7 E7(~9) F7M/C D71F# Dm7 E71G# Ab(add9)/Eb A~7

ê@ ~ g;J J J J l)ffJ l:tJl~ 11

An - das de pa - re - Ó, eu si - go_i - na dim- plen te


Quie - ta que_eu que- ro_ou - vir Fia - men- go_e Ri ver Pia te

71
Songbook O Chico Buarque

I*
Am7 E7/B A m/C A 7/C# D m7 D m6 B~m6/D~ C7 F#m7(~S) Fm6

1 ~'1
ELA

r r r +tr;;r:r
~

rju· ~ 11 r r r #~ ~ rju· ~ I k 'r F r i§


Cha-mo vo- cê pra sam - bar Le- vo vo - cê pra ben - zer Fui pe - gar uma cor
Fa - ço !e - lê de fu . - bá Fa- ço pi - tu no den - · dê Si r- vo seu pi - téu

C/E A 7/E D7 Dm6 C6 C7 Bm7 E7(~9)

r r r f r .c~r:·
lt d• rE
~

1' 1 c ~zc F f ;f] ~


na prai a E só fal - tou me ba - ter, é Bas - ta ver_um ra - bo -
na ca - ma E na - da de - le co- mer, ai Te - le - fo - ne,_é voz

F7M/C D71F# Dm7 E71G#


,,...,.l.-A-~(-a_d_d9-)-/E-~-A-~-7----.~l·A~7MJEb C 7(~13)/E

11 r r r #b ~
,---...
! I b +t[
ai ,.....--.....,.
~
'""'
• bR[ F
' ....--.-.
~
de - sai a Pro bo - bo se der - re ter der
de da - ma Se pen - tei - a pra_a - ten-

~ Fm7 C7/E A~7/E~ B~7/D . Fm7 C7/E A~7/Eb Bb7/D '1


,.~-·~ ~~ ~
,.----3----. .. j
I '~ lz· tJ1 tJ;FiJ 31).
~
"f
EJ1t &J bJ <::: l:fbJ J.....__,J
Va-mos ao ci - ne ma, ba - by Va-mos nos man - dar da - qui

Fm7 C7/E A~7/E~ Bb71D B~m/D~ Fm71C Bo Bbm6


....--.-3----.

I~~ 'f ( j &i,,J Hztli,J J •~ J I J1,J J j


'---"'
J~~ Jj I •i ,,J J* I-
Va-mos nos ca - sar na_i • gre - ja Che ga de bar-ra· co Che-ga de pi. ti

Fm7 C7/E Ab7!Eb Bb7/D Fm7 C7/E Ab7!Eb Bb7/D


. - -3 ----. .---3---.

I'~ &J ,J tLJiJ ).......__,lJ . ~i,.J ttliJ j J I-
i
tJJ
Va-mos pra Ba - hi a, den . go
i
E1t
Va-mos ver o sol nas - cer
~

Fm7 C7/E Ab7!Eb Bb7/D B~m!Db Fm7/C G7 G(

I·~ I{ r F r &i,,J 'cJ;tJ J J J.....__,]tJ JJ I J J j }iJ J j J1 '~


I I 11

Va-mos sa- ir na ba te • ri - a Dei ~ xe de chi - li - que Dei- xe de si - ri - co • ti • co

46/\ ELA
Am7
1*- 1*- 1*- ~.
E7/B
• 6.~
Am/C
.. A 71C# Dm7
1*- 1*- 1*- ~•
Dm6
• h.~••.
B~m6/Db C7

~
Cha-mo vo-cê pra sam - bar Le-VO vo - cê pra ben zer
ELE -
~
Vi vo de bis - ca te_e que - res que_eu
- .,
te
-,J
su~
-,J
ten
.._____...... '-...../
te

72
Songbook O Chico Buarque

-
C7
50 I I
Fm6

C !E A7/E

-
D7
..
Dm6
.. #
,.---.....C6
#'
• ~
~

~
Fui pe - gar uma cor
---= na prai - a E só fal- tou me ba-ter, é

I -
r-
--
~

t)
Se_eu ga-nhar ·ai- gum ven- den
- do ma

"--""
- te Dou- te_uns ba- du - la- ques
v
• ..J:
d~ re -
~ • lf•'--""•
pen - te

E7(~9)
S~ h
Bm7
I .. -
F7MJC

-
D7JF# Dm7
# # #
E71GI
lf .. .. ~.. lf .. .

~
Bas- ta ver_um ra - bo - -- de- sai
.,
- a Pro bo-bo se der- re - ter
r I • -
t)
An - das
H•
de pa - re - O, eu si - go_i - na
- dim - plen te
r

B~ m6/D~ C7
58 11
Am7
# # #
E7/B
~ .. .. Am/C
h ..~.. ... A7!CI Dm7
# # #
Dm6
!f . . . h~... .

t)
Fa-ço le - lê de fu - há Fa-ço pi - tu no den - dê

11

t)
Vi - ves na gan - dai a_e_es - pe - ras que_eu
-- •
te
... ...
re~ pei
....___.....
te
'-../

,...._C7
62_/1 I
Fm6
• -
C!E A7/E

-
D7
..
Dm6
.. #
,....--.....C6
# ' IIIIÍ

-
:
l t) ~

-
-
Sir- vo seu pi- téu na ca ma E na- da de- le co- me r, ai
I r- """""!!!! -
t)

Quem que te man-dou to- mar


- co- nha - que Com
:;j
o t{- que- te
--.
que te
• -... • H• '-../--. '1
de1":-----" pro le1. - te

-
Bm7 E 7(~9) F7MJC D7JF# D m7 E71GI
Y•-ll.
-i!
I
• ....--.. # # # ~- .. .~. lf .. :-----..
~
t)

-l'l.
Te-le - fo - ne,_é voz
"'!
- -..
r
de
I
da
I
- ma Se pen- tei - a pra_a- ten
- .
- der

_.;,.
"'
~
t)
H~
Quie-ta que_eu que- ro_ou- vir Fia- men - go_e ·Ri
- ver Pia te
I

. Copyright 1993 by MAROLA EDIÇÚES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 - Rio de Jáneiro, RJ- Brasil. Todos os direitos reservados.

73
Song!>ook O Chico ~uarque

Bom tempo
CHICO BUARQUE

D# B7(b9) C#m7(b5) F#7(bl3) Bm7(9) E7(9) Em7(9)

~~
Eb7(9)
I D7M(9)
~I
Am7
9 1111
D7(9) G7M G7 F#7M

F#7 Fttm7(b5) Gm6 A7(b9) A7(13) G6 C7(9)

Em/B AliO G0 87(#9) Em7 Bm7 A7(#15)

I I IJ I I E VIl
D# I B7(b9) I C#m7(b5) I F#7(b13) I Bm7(9) I E7(9) I
Um mari- nheiro me contou Que a boa brisa lhe soprou Que vem aí bom

Em7(9) I Eb7(9) I D7M(9) I B7(b9) I C#m7(b5) I F#7(b13) I Bm7(9) I ...


tem po O pescador me con-firmou Que o passarinho . lhe cantou

E7(9) I Am7 I D7(9) I G7M I G7 I F#7M I F#7 I F#m7(b5)


Que vem af bom tem-- -po Dou duro toda sema--na Senão pergunte à Joa:--- 1na -

I B7(b9) I E7(9) I I I Em7(9) I Gm6 I Dt I D7(b9) I E7(9)


Que não me deixa mentir Mas, finalmente é domin-go Na-turalmente, me vin-go

I A7(b9) I D# l i A7(13) I I I I I I
Eu vou me espalhar por aí No compas--so do samba Eu disfarço o cansa-ço Joana debaixo

A7(13) I I I
do bra--ço Carregadinha de amor
D~
Vou que vou
t t Pelat estra--da
A7(13) I I I Dt
que dá numa praia doura-da Que

I I
· dá num tal de fa-
I A7(13) I I I
zer na--da Como a natureza mandou
D#
Vou
t ~ Satisfei-
~ A7(13)
-to,
I
a alegria batendo
I I
no
.
D# I I
pei- to O radinho contando
I A7(13) I I I m ~ ~ ~ A7(13)
direi--to A vitória do meu tricolor Vou que vou Lá no al--to O sol

74
Sontbook O Chico Buarque

I I I D~ I I I A7(13) I I I D~ I D7(b9)
quente me leva num sal-to Pro lado contrário do asfal--to Pro lado contrário da dor Um marinheiro

1 C#m7(b5) I F#7(b13) I Dm7(9) I E1(9) I· Em7(9) I Eb7(9) I


me contou Que a boa brisa lhe soprou Que vem aí bom tem po

D7M(9) I B7(b9) I C#m7(b5) I F#7(b13) I Dm7(9) I E7(9) I


O pescador me con-firmou Que o passarinho lhe cantou Que vem a( bom

Am7 I D7(9) I G6 I I I C#m7(b5) I C1(9) I C#m7(b5) A#O


rem po Ando cansado da li da Preocupa--da, corri,-----.da, surrada, batida Dos

F#m7(b5) I B7(#9) i Em1 I Gm6 I m I Bm7 I Em7{9) I


dias meus Mas uma vez na vi--da Eu vou viver a vi---1--da Que eu

A7(#5) I D~ I I A7(13) I I I D~ I I I A7(13)


pedi a Deus No compas--so do samba Eu disfarço o cansa-ço Joana debaixo do bra--ço

I I I D~ ~ A7(13) I I I D~ I I
Carregadinha de amor Vou que vou Pela estra---da que dá numa praia doura--da Que dá num tal de

I A7(13) I I I D~ ~ ~ ~ A7(13) I I I D~ I
fa-zer na--da Como a natureza mandou Vou Satisfei--to, a alegria batendo no pei-to O radinho

I I A 7(13) I I I D~ ~ ~ A7(13) I I I
contando direi--to A vitória do meu tricolor Vou que vou Lá no al--to O sol quente me leva

D~ I I I A7(13) I I I Dt
num sal-to Pro lado contrário do asfal--to Pro lado contrário da dor

B 7(~9) Cfm7(~5)

JJ JlfJj;J
...._, j I
Um ma- ri - nhei - ro me con - tou Que_a bo - a bri - sa lhe so- prou
n m7(9) E7(9) Em7(9) . Eb7(9) D7M(9)

~
a~ a iJ'fJI
Que vem a- f bom te in---"' po O pes- ca -

n 7(~9) Bm7(9)

dor me con - fir - mou can - tou


E7(9) Am7 D7(9) G7M

.~
_~~~~Eê~~~~~~~~
- ·~ ~= J
~t) ~ i J J I·
r ~ j .r== •a q)~J ·h
il ··
I 11

Que vem a - f bom tem po Dou du - ro

75
Songbook O Chico Buarque

G7 F# 7M F#7 F#m7(~5)

I~ ~
~~!ti
~
;. '--! J u4J/F J 1JiJ o I uJ. 1a......,1 J 9"]{: J
se- ma na Se- não per - gun - te_à Jo - a na
.,~
F!""

Que não
~
me "'
to - da
....
B 7(~9) E7(9) Em7(9)

2*-I
'~ J. {jJJ j I ;J - IJ I"
tJ J J~
dei - xa men - tir Mas, fi - nal -

Gm6 D~ B 7(~9) E7(9)

A 7(~9) D~ o3 ~ A 7(13)

~ #J ~J~=i • J j
i'"

'-/ ........_, ll g
Jhar por a - í No com - pas so do sam- ba_Eu dis - ~

to,_a_a - Je - gri a - ba -
D~ A 7(13)

J ( ___,LJ ] I{Q 1 =-
rJ j I O_,og ]I;J J !" 3 ] I · '-../ .
far - ço_o can - s~ ço Jo- a- na de - bai- xo do bra - ço Car- re - ga -
ten - do no pei - to_O ra- di- nho con - tan- do di - rei - to_A vi - tó - ria do
,]) "t

D~ -.- A 7(13)

I'~I I
-i
di -
J
nha
J~
]
de_a- mor
I7 J)
Vou que vou
:J
~,
. ~#JI(~iJÍ
Pe- Ja_es - tra - da que dá nu - ma
meu tri - co - lor Vou que vou Lá no ai to_O sol quen - te me

o3 A 7(13)

f ()fJ ] I [Q 1 LJ ] I
prai - a dou - r~ da Que dá num tal de
O_!J ] I=i J 1 f
fa - zer n~ da Co- mo_a na - tu -
3 J 1'
Ie - va num sal to Pro la- do con - trá - rio do_as- fal to Pro Ia - do con-

,1)6 "t ~
Dg
--- 112.A 7(13) D#

J f 1 7 J J) #g qg li
7

.v
' J J fl
re - za man - dou Vou Sa - tis - fe1- trá - rio da dor

76
Songbook O Chico Buarque

D~ B 7(~9) C#m7(~5) F#7(~13)

j J j li JjJJ j I '\../ "-.,.,


Um ma - ri - nhei - ro me con - tou Que_a bo - a bri - sa lhe so - prou

Bm7(9) E7(9) Em7(9)

I ~Fi J j =-
J J J IJ
Que vem a - f bom ten=t---' po

D7M(9) B 7(~9) C# m7(~5) F# 7(~13)


- t
58~# @J
k[ # 7 j)'
I f UPsJJ ~m i J j l fJjJJ j l
t.l '\../ "-.,.,
O pes - ca - dor me con - fir - mou Que_o pas - sa - ri - nho lhe can - tou

B m7(9) E7(9) Am7 D 7(9)

i'-----"I;
qtem
lj
Que vem a - f bom po

G6 C#m7(~5) C7(9)

; J j I J. Jt±i J j JJ
'-..../
j2l
An - do can - sa - do da li da Pre-o-cu-pa da, cor - ri -
C# m7(~5 ) Em/B A( Go F# m7(~5)

~ -# •
J j J J j I J= J o ~J J ~
:t [d
tJ

7~~ #
v
J

Em7
da, sur- ra - da, ba - ti - da

Gm6
Dos di - as

D~
"
meus
' .('

Bm7

W» !f '
J~ J-:J J I J..____...,J= J j I ,. J J IJ j ] lJ
tJ
Mas
"-../
u-ma vez na
"---"
vi
•J J da_Eu \'OU vi - ve'?--" "----"' a vi -
.,
A 7(9) D~

Copyright 1968 by EDITORA MUSICAL ARLEQUIM LTDA.


Rua Lisboa, 74- Silo Pau~o. SP- Brasil. Todos os direitos reservados.

77
Sonçbook p Chico Buarque

--------------~------~~~~~~----~--~-----------
1
1

Caçada
CHICO BUARQUE

E A/E A D/A Am

.1 11 'l i
E7 F#m7 E/Gf F#7 B7

1 tllllllltl e
n_n (slmile)
E A/E E I A I D/ A A I Am I E
Não co-nhe---ço seu nome ou para--dei-ro Adi-:vi,---nho seu rastro e cheiro
.....
E fA/E E I A fD/A A IAm fD/A Am I E I A/E E I A/E
Vou ar-ma--do de dentes e co-ra--gem Vou mor--der sua carne selva-gem

E IA/E E /. A I D/ A A IAm I D/ A Am I E IA/E E I A/E E


Varo a noi--te sem cochilar, a-fli--to Ama-nhe ço imitando o seu gri-to Me

I A I D/ A A IAm I D/ A Am I E I A/E E I I I
apro-xi--mo rondando a sua to--ca E ao me ver você me provoca Você

I A I D/ A A I Am I D/ A Am I E I A/E E I I I A/E E I
can--ta a sua agonia lou---ca Água me borbulha na boca Minha pre--sa rugindo

A I D/ A A IAm fD/AAm I E fA/EE7/A/ Am I F#m71E/G#/


sua ra----ça Pernas se debatendo e o seu fer-vor Hoje é o dia da gra~a

F#7 / B7 I E1 I I I A I Am I F#m1 I E/G# I F#1 I B7


Hoje é o di-·-a da caça e do caçador Hoje é o dia da gra--ça Hoje é o di---a da caça

I E I A/E E I A/E E I A/E E I A/E E /Á/E E I A I D/ A A I


e do caçador Eu me es-pi--eho no espaço feito um ga--to

Am fD/A Am I E I A/E E I I fA/E E I A fD/A A IAm I


Pra pe-gar você, bicho-do-ma-to Saci-ar a sua avidez mes-ti---ça Que ao me

I E I A/E E I I I A I D/A A IAm I


ver se encolhe e me ·atiça Que num mes--mo· impulso me expulsa e abra--ça Nossas

D/ A Am I E I A/E E7 I A I Am I F#m1 I E/ G# I F#1 I B7


po les grudando de su-or Hoje é o dia da gra---ça Hoje e o di---a da caça e

78
Songbook O Chico Buarque

I E1 I I I A I Am I F#m1 I E/G# I F#1 ·I B7 I E I A/E E I


do caçador Hoje é o dia da gra---ça Hoje é o di--a da caça e do caçador

A/E E I A/E E I A/E E I A/E E I A I D/ A A I Am I D/ A


Am I E I
De to---<:ai--a fico a espreitar a fe--ra Logo dou--lhe o bote certeiro

A/E E I I I A/E E I A I D/ A A , IAm I D/ A Am I E I A/E E I


Já co--nhe---ço seu dorso de ga-ze-la Cavalo bra bo montado em pêlo

I I A/E E I A I D/ A A IAm I D/A Am I E I A/E E7 I A I Am


Domi-nan--te, não se desemba-ra-ça Ofe-gan--te, é dona do seu se-nhor Hoje é

I F#m1 IE/G# IF#1 I B7 I E1 I I I A I Am I Ffm7 IE/G# I


o dia da gra---ça Hoje é o di-a da caça e do caçador Hoje é o dia da gra---ça

F#7 I B7 I E1 I I I A I Am I F#m7 I E/ G# I F#1 I B7


Hoje é o di-a da caça e do caçador Hoje é o dia da gra----ça Hoje é o di-a da caça

I E1 /I I
e do caçador

J. j_;-l ~ J. t_)---:J ~
E AlE E A DIA A

~ tig#l i f
1
J j
'\...../
J.......___....,Jj J J J I r Jj J '\...../
I j ~
Não co nhe ço seu no- me_ou pa - ra dei - ro
Vou ar ma do de den - tes e co ra - gem

(ritmo simile)
Am DIA Am E AlE :/.
~ ift#l F. ] j
A -
'\....,/
di vi
-
J.....____,I J J
nho
) J J
seu ras - tro_e
If
chei
j j
"'--"
ro
J ~
Vou mor - der su - a car - ne sei va gem

E AlE E A DIA A

f&~~#· r: ) j J......___.,.I J• J ) J J I F Jj
~ '\....,/
'\...../
Va - ro_a noi te sem co - chi lar, a fli - to

Am DIA Am E AlE

t:Hill
t.)
F. ) J J.....____,I i J
'\....,/
) J J I r: ) j
"'--"
J li
A - ma - nhe ço_i - mi - tlln - do_o seu gri to

I 79
Songbook O Chico Buarque

E A/E E A D/A A

I@~~~~ ~ f· j J J I .J. J ) J J
Me_a
Eu
De
- pro
me_es
to
"-.../
xi
pi
cai
"-.-/
mo
cho
a
ron- dan - do a
no_es- pa - ço
fi- co_a_es - prei
su - a
fei - to_um
tar a
to
ga
fe
-
-
ca
to
ra
* ª '-

'-

Am D/A Am E A/E E '-

I,~ I ft ~~ F. ) ....._,J J I ;J J J J I p ) ....._,J J - .....

E_ao
Pra
'-----""'
me
pe
ver
gar
vo - cê me pro
vo - cê, bi - cho
-
-
VO
do -
ca
ma to
ª
Lo - go dou lhe_o bo - te cer - tei ro
.....

E A/E E A DIA A

·I"*I #D1 í J....._,J J I;J J J J J J J IJ


Vo - cê can ta_a su- a_a - go - ni
'-..._./

a Iou - ca
*
Sa ci ar a su- a_a -vi - dez mes ti ça .....
Já co nhe ço seu dor - so de ga ze - la

Am DIA Am E A/E E

1
I"*I #D r: J J J I .J
.. J aJ J If J ~
\,../ "---""
Á - gua me bor - bu - lha na bo - ca
Que_ao me ver se_en - co-Ihe_e me_a - ti - ça
Ca - va-lo bra bo mon - ta - do_em pê - lo

E A/E E A DIA A

I'@I ft ~~ f J J J "-.../ "-.-/


..
I i •i J J J I ••r ) J J IJ
\,../
~
Mi - nha pre sa ru - gin -do su -
a ra - ça ...
Que num mes mo_im - pul - so me_ex - pul - sa_e_a - bra - ça
...
Do mi nan te, não se de - sem -
ba - ra - ça
f
Am D/A Am E A/E E7

·I,~I ft ~~ r ) J J Ii J
"-.../
J J J I fE Jv J J li
Per - nas se de - ba - ten - do_e_o seu fer - vor
Nos - sas pe Jes gru - dan - do de su or
o fe gan te,_é do - na do seu se - nhor

A Am F#m7 E/GI F#7

j~ üBDI ~ [J ) I J IJ .. )~ft1 I
Ho-je é_o di - a da gra ça
J
Ho-je_é_o
J di - a da

80
Songbook O Chico Buarque

B7 E7 A

~~~~- f J j f J ] I~ :t E2J I
ca ~ ça_e ca - ça - dor Ho - je

Am F#m7 EIG# F#7

[J ) I ;J Ij i J j
6_o di- a da gra ça Ho- je_i_o di a da

B7 E AlE y.

~~~~- i • J y·
........
J J j Ij .......... tJ - 3 .., .. J
ca-ça_e do ca - ça - dor

Copyright 1972 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa, 74 - São Paulo, SP - Bmsil. Todos os direitos reservados.

81
Songbook O Chico Buarque

Cálice
GILBERTO GIL E CHICO BUARQUE

E(add9) G#7 A7 F#7/A# E(add9)/8 81 (9)

Il ··m ·m NR 1 ·m
87(9) C#m C#m(7M) C#m7 C#m6 C#m(b6)

87(13) C#m(add9) Cltm(add9)/8# Cltm(add9)/8 A#m7(b5) A7M

111111·1
E(add9) I I I I I I I G#1 I I I I I I I A1 I I I F#1/ A# I I
Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de mim esse

. I E(add9)/B I I I B~ (9) I B7(9) I E(add9) I I I I I I IG#1 I I I I I


cálice De vi-nho tinto de san-gue Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de mim

I I A1 I I I F#1/A# I I I E(add9)/B I I I Bl (9) I B7(9) I E(add9) I I I C#m


esse cálice Pai, afasta de mim esse cálice De vi-nho tinto de san-gue Como beber

I I I C#m(1M) I I I . C#m7 I I I C#m6 I I I C#m(b6) I I I


dessa bebida amarga Tragar a dor, engolir a labuta Mesmo calada a boca, resta o peito

C#m6 I I I B7(13) I I I E(add9) I I I C#m I I I C#m(7M) I I I


Silêncio na cidade não se escuta De que me vale ser filho da santa Melhor ;...

C#m7 I . ~ I I C#m6 I I I C#m(b6) I I I C#m6 I I I B7(13) I I I


seria ser filho da outra Outra reali--dade menos morta Tanta mentira, tanta força bruta
\,
E(add9) I I I I I I IG#1 I li I I I I A1 I l i F#7/A# I I
Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de mim esse
"-
I E(add9)/B I I I Bl (9) I
B7(9) I E(add9) l i I C#m(add9) I I I C#m(add9)/B# 1 1
cálice De vi-nho tinto de san--gue Como é difícil acordar calado

1
C#m(add9)/B I I I A#m7(b5) I I I A1M I I I A#m7(b5) I I
Se na calada da noite eu me dano Quero lançar um grito desumano Que é

IB7(13) I I I . E(add9) I I I C#m(add9) I I 1 C#m(add9)/B# 11 1 C#m(add9)/B


uma maneira de ser escutado · Esse silêncio todo me atordoa Atordoado

82
Songbook O Chico Bunrque

I I I A#m7(b5) II I A1M I I I A#m7(b5) I I I B7(13) I.


eu permaneço atento Na arquibancada pra a qualquer momento Ver emergir o monstro

I I E(add9) I I I I I I IG#7 I I I I I I .I A1 I I I F#7/A# I


da lagoa Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de

1 1 E(add9)/n 111 B1 (9) I B7(9) I E(add9) I I I C#m(add9) I I I


mim esse cálice De vi-nho tinto de san--gue De muito gorda a porca já não anda

C#m(add9)/B# 11 · I C#m(add9)/B I I I A#m7(b5) I I I A7M I I I


De muito usada a faca já não corta Como é difícil, · pai, abrir a porta

A#m7(b5) II I B7(13) I I I E(add9) I I I C#m(add9) I I 1 C#m(add9)/B# 11


Essa palavra presa na garganta Esse pileque homérico no mundo

1
C#m(add9)/B 1 . 1 I A#m7(b5) I I I A1M I I I A#m7(b5) I I
De que adianta ter boa vontade Mesmo calado o peito, resta a cuca Dos

I B7(13) I I I E(add9) I I I I I I IG#7 I I I I I I I A1 I


bêbados do centro da cidade Pai, afasta de mim esse cálice Pai, afasta de mim esse cálice

I I F#7/A# I I I E(add9)/B I I I m
(9) I B7(9) I E(add9) I I I C#m(add9) I
Pai, afasta de mim esse cálice De vi-nho tinto de san--gue Talvez o mundo não

I 1 C#m(add9)/B# 1j I C#m(add9)/B I I I A#m7(b5) I I I A7M I


seja pequeno Nem seja a vida um fato consumado Quero inventar o meu

I I A#m7(b5) I I I B7(13) I I I E(add9) I I I C#m(add9) I I


próprio pecado Quero morrer do meu próprio veneno Quero perder de vez tua

1 C#m(add9)/B# 1 1 1 C#m(add9)/B 1 I I A#m7(b5) II I A7M I I I .


cabeça Minha cabeça perder teu juízo Quero cheirar fumaça de óleo diesel

A#m7(b5) I I IB7(13) I I I E(add9)


Me embriagar até que alguém me esqueça

E (add9) E(add9) G~7 Á7

J HJl~ fJJ J J] JJI J J J)11R 3J 3 J3 J I d


Pai, a - fas- ta de mim es-se cá-li - ce .
Pat, #a . es-se cá - 1·t - ce
- f as-. ta de mtm Pai, a-

F~7/A~ E(add9)/B B~(9) B7(9) 1·· E(add9) 112. E(add9) .

JJftJ J n JJ1 r
fas- ta de mim es-se cá-li - ce
~ · Jll J fJJJ J I ; ; J
De vi- nho tin - to de san-gue Pai, a-
JJ' ; ; J J J1
san-gue
'i
Co- mo be-

83
Songbook O Chico Buarque

C#m C#m(7M) C#m7 C#m6

~~ ~i 1 • É:J j JJ :J j J ID d J J I :J JjJ JJ JJld 7 J


ber des-sa be-bi- da_a- mar- ga Tra- gar a dor, en-go-lir a la-bu-ta Mes-mo ca .
va - le ser fi- lho da san • ta Me-lhor se - ri - a ser fi-lho da ou-tra Ou· tra re.

'>-

1
1
C#m(~6) C#m6 B 7(13) l iHadd9)

~~ IIDI g Jj JJ J J Jj) ' J J J I JF~ JJ J j J Jl 7 j J J~


la- da_a bo-ca, res-ta_o pei- to Si-lên-cio na ci-da-de não se_es- cu- ta De que me
a - li - da- de me- nos mor- ta Tan- ta men - ti- ra, tan- ta for - ça bru-ta

%E(add9) G#7

, ;I kJ 3 J J J J 3 I J :J. ;IIJ J 3 3 J J 3J I
Pai, a - fas - ta de mim es - se cá - li ce Pai, #a - fas --ta de mim es - se cá - li ·

A7 F#71A# E(add9)/B B~(9) B7(9)

ce
J J 1r J 1J J
Pai, a_ - fas - ta
r J J J 1r
de mim es - se cá - li - ce
*. ;I J
De
n'-/a J
vi - nho tin - to de

E (add9) C#m(add9) C#m(add9)1B#

~~ -~~~ :J :J ~ :J J J É :J
Co-mo_é di
.
ff-cil
JJ a-
J j •I J J I - 7 j J J
san - gue cor- dar ca - la - do Se na ca -
lên - cio to - do me_a - tor - do - a A -
tor - do -
De mui- to gor- da_a por- ca já não an - da De mui- to_u-
Ie- que_ho- mé - ri -
co no mun-do De que_a- di -
Tal- vez o mun- do não se -
ja pe- que- no Nem se - ja_a

C#m(add9)/B A#m7(~5) A7M

~~ -~#· ;J
la • da
J JJ jda noi- te_eu me da- no
J J J 1- •i
Que - ro
J J IJ
lan
J J J J 3 J Jl
- çar um gri • to de - su - ma - no
a - do_eu per- ma - ne • ço_a- ten- to Na_ar- qui - ban - ca - da pra_a qual- quer mo- men- to
sa- da_a fa • ca já não cor- ta Co • mo_é di ff - cil, pai, a - brir a por - ta
an ·ta ter bo • a von-ta-de Mes - mo ca - la- do_o pei • to, res - ta_a cu - ca
vi- da_um fa- to con • su • ma- do Que - ro_in- ven - tar o meu pró - prio pe - ca - do

84
- -· ... ---· - , -- ..
Soog~k OCidco Buarque

A#m7(~S) B 7(13) -$-I 1·E(add9)


I
33~ 1ft ª~. -
tt J J J J J J J J JJJ
J
I
i

'
• ...,.I
I
i
~
Que_é_u-ma ma - nei - ra de ser es - cu - ta - do Es-se si-
Ver e - mer - gir o mons-tro da la - go - a Es-se pi-
Es -
sa pa - la - vra pre - sa na gar- gan - ta
Dos bê ba - dos do cen- tro da ci - da- de
Que - ro mor - rer

I~~~~~
.-
do meu pró-prio

E(add9)
ve - ne - no

C#m(add9)
í

i J J JiJjjJJJJJI
Pai, a- Que-ro per - der de vez tu- a ca-be-ça

C#m(add9)JB# C#m(add9)/B

[é;##~-
tJ
- i J
Mi-nha
J J IJ
ca be - ça
JJ J J JJ J
per - der teu ju - f - zo
- i J JJ
Que - r? chei -

A7M B 7(13) E(add9)

~ iq~l .CJ j J J J3 J 1 iJ J JlijJ J J 3 J Jl li


rar fu-ma-ça de_ó-leo die-sel Me_em-bri - a - gar a- té que_al- guém me_es- que- ça

Copyrighi 1973 by GEG~ PRODUÇÕES ARTfSTICAS L TDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 517/cobertura 1 • Rio de Janeiro, RJ- Brasil. Todos os direitos reservados.
. Copyright 1973 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.
Rua Lisboa, 74- São Paulo, SP.-:- Brasil, Todos os ~!Oi R&eCVado$•

. ..... ,...,.._ ---. 85


· Songbook O Chico Buarque

Cara a cara
CHICO BUARQUE

Fm7 F7(bl3) Bb7M(9) A7(9) 07(9) G7

m m 1 1[[1 ··m m
Bm7 Bbm6 D7(b9) G7(13) G7(bl3) ci (9)

F7M C7(9) Al (13) A7(bl3) Dm7(9) F6 Gb6

m 1·1·1mm I 1J
Fm7 I
n
Bb/F Fm7 I
(ritmo símile)
Bb/F Fm7 I Bb/F F7(b13) I Bb7M(9) I A7(9) \..,
Tenho um pei-to de lata E um nó de gra--vata No cora--ção Tenho uma vida sensata
I D7(9) I I I G1 I Bbm7 I F6/A I Bbm6 I F6/A I
Sem emoção Tenho ·uma pressa danada Não paro pra nada Não presto atenção Nos versos des--u
D7(b9) I G7(13) G7(b13) C~ (9) I F7M I Bb/F F7l\f ./ G7
canção Int1--til Tira a pedra do caminho Serve mais um vi nho Bota vento no moinho
I C7(9) I Al (13) A7(b13) Dm7(9) f. G7 I
Bota pra correr Bota força nessa coisa Que se a coisa pá---ra A gente fica cara a cara Cara a cara
C7(9) I F7M I Bb/F F7M I G7 I C7(9) I
cara B.ota lenha na fornalha Põe fogo na pa Iha Bota fogo na batalha Bota pra ferver Bota força
Al (13) A7(b13) . ·Dm7(9)
nessa coisa Que se a coisa
I G7 I C7(9) ~ F6 I Gb6 I F6 I -
pá--ra A gente fica cara a cara Cara a cara cara

Gb6 I Fm1 I Bb/F Fm7 I Bb/F Fm7 I Bb/F F7(b13) I Bb7M(9)


Tenho um me-tro qua-drado Um o--lho vi--drado E a te-levi--são urn
Tenho '-
I A7(9) I D7(9) I I I G1 I Bbm7 I F6/A I Bbm6 I
sorriso comprado A prestação Tenho uma pressa danada Não paro pra nada Não presto atenção Nas
F6/ A I D7(b9) I G7(13) G7(b13) C~ (9) I F7M I Bb/F F7M
cordas des-se violão Inú- -til Tira a pedra do caminho Serve mais um vi nho BotJ
I G7 I C7(9) I A~ (13) A7(b13) Dm7(9) I
vento no moinho Bota pra correr Bota força nessa coisa Que se a coisa pá---ra A gente fica cara 8 ....

86
Songbook O Chico Buarque

G7 I C7(9) I F7M I I . G7 I
cara Cara a cara cara Bota lenha na fornalha Põe fogo na pa,----Iha Bota fogo na batalha Bota pra

C7(9) I Al(13) A7(b13) Dm7(9) I G1 I


ferver Bota força nessa coisa Que se a coisa pá--ra A gente fica cara a cara Cara a cara cara

C7(9) ~ F6 I Gb6 I F6 I Gb6 I Fm7 I


Bb/F Fm7 I Bb/F Fm7 I Bb/F F7(b13) I
Tenho o pas--so mar--cado O ru-mo tra--çado sem discus--são

Bb7M(9) I A7(9) I D7(9) I I I G7 I Bbm7 I


Tenho um encontro marcado Com a so)idão Tenho uma pressa danada Não moro do lado Não me

I Bbm6 I F6/ A I D7(b9) I G7(13) G7(b13) C~ (9) I .F7M


chamo João Não gosto, nem digo que não É inú--til Tira a pedra do daminho Serve

I I G7 I C7(9) I Al (13) A7(b13)


mais um vi.--- - nho Bota vento no moinho Bota pra correr Bota força· nessa coisa Que se a coisa.

Dm7(9) I G7 I C7(9) I F7M I Bb/F F7M


pá-~ A gente fica cara a cara Cara a cara cara Vou correndo, vou-me embora Faço um bota-fo---ra

I G7 I C7(9) I. Al(13) A7(b13) Dm7(9)


Pega um lenço agita e chora Cumpre o seu dever Bota força nessa coisa Que se a coisa pá---ra

I G7 I C7(9) F6 I Gb6 I F6 I Gb6 I F6 I Gb6 I


A gente fica cara a cara Cara a cara cara Com o que não quer ver

Te- nho_um pei - to de la - ta_E_um nó de gra - va - ta No co - ra - ção


Te- nho_um me - tro qua - dra- do_Um o - lho vi - dra- do_E_a te - le - vi - são
Te - nho_o pas - so mar - ca - do_O ru - mo tra - ça - do sem dis- cus - são

D~7M(9) A 7(9) D 7(9) G7

t&t i n c,; E1 r: ç;
u
1 1 r
Te - nho_u - ma vi - da sen - sa - ta Sem e • mo • ção Te- nho_u- ma pres-sa da-
Te- nho_um sor- ri - so com - pra-do A pres • ta • ção Te- nho-'u- ma pres-sa da-
Te- nho_um en-con-tro mar - ca- do Com_a so- li • dão Te- nho_u- ma pres-sa da-

D~m7 F6/A B~m6 F6/A

~~c~~ cj ~ F r F I
~

I•
:d f c FI E ç f F i

na · da Não pa - ro pra na - da Não pres - to_a- ten - ção Nos ver - sos des ta can •
na - da Não pa - ro pra na - da Não pres - to_a- ten - ção Nas cor - das des se vio ·
na · da Não mo - ro do lado Não me cha - mo Jo - ão Não gos - to, nem di • go que

87
Songbook O Chico Buarque

D 7(~9) G 7(13) G 7(b13) C~(9) F7M Bb!F

II~ & r· up ( f t UEEEf 1 tr *;r r f~


ção I nú til TI- ra_a pe- dra do ca - mi- nho Ser- ve mais um vi
lão I nú til
não É_i - nú til

F7M G7 C7(9) A ~(13) A 7(b13)


A

tr ~
f'-
I~~ & Er r~
d g r r:l I t r Eil 6J 1 I '~ U ( ~ eJ I ç r r :4

nho Bo-ta ven-to no mo - i- nho Bo-ta pra cor-rer Bo-ta for-ça nes-sa coi-sa Que se_a coi-sa pá.

Dm7(9) G7 C7(9) F7M

1'~ ~ l e rt [EIV 1 nqJ ô çr f! 1 f Êf f E Ê 1F r: E; 'I

ra_A gen-te fi-ca ca- ra_a ca-ra Ca- ra_a ca-ra ca-ra Bo- ta Ie- nha na for - na-lha Põe fo - go na pa ·
(3"vez) Vou cor-ren-do, vou-me_em- bo- ra Fa-ço_um bo-ta-fo.

F7M G7 C7(9) A ~(13) A 7(~13)


A
r ~ ç rr r
Cq 6t e I r r
~ f'-
I,~ & ~
d d
~

611 I ybf (5 r' d• I I


E
d
tt Fj
lha Bo - ta fo - go na ba - ta- lha Bo - ta pra fer-ver Bo-ta for-ça nes-sa. coi-sa Que se_a coi-sa pá-
ra Pe- ga_um len-ço_a- gi-ta_e cho-ra Cum-pre_o seu de- ver
,/) ., ~

D m7(9) G7 -(j}- C 7(9) F6

r~~f!&~,l~r~~rJ~-g~-!~C~J~-lªf~j~~;ªj~'~r~f~F~I~-~U~~ª-~~ª-~~-~ ,:~;.
ra_A gen-te fi_- ca ca-ra_a ca-ra Ca- ra_a ca-ra ca-ra

,/) ., ~
-$- C~(9) F6 G~6 F6 G~6
....

I'~ ~ q F
~
J € r I r If ~ - - ~
Fadeout
Com_o que não quer ver

Copyright 1970 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa, 74- São Paulo, SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

88
Songbook O Chico BWilQue

Ciranda ·da bailarina


EDU LOBO E CHICO BUARQUE

F# E Alm AI/Cx Atn CI/EI

w;; D;; IJ I mm 11
c I F Eb C I F Eb C I F Eb C I G/B I C . /F Eb c I
Procurando bem Todo mundo tem pere-ba Marca de bexi-ga ou vaci-na E tem piriri, tem lombriga, tem

F Eb C I Am!IIDm I A/C# I Dm I A/C# I Dm I


ame-ba Só a bailarina que não tem E não tem cocei--ra Berruga .nem friei--ra Nem falta de

F Eb C I F Eb c
maneira Ela não tem Futucando bem Todo mundo tem pio-lho Ou tem cheiro de creo-li--na

c I F Eb C I F Eb C I G/B I Am I I I Dm I A/C# I
Todo mundo tem um irmão meio zaro-lho Só a bailarina que não tem Nem unha encardi--da Nem

Dm I Dm I A/C# A7 I F Eb C I
dente com comi--da Nem casca de ferida Ela não tem Não livra ninguém Todo mundo tem

F Eb C I F Eb C IG/B I C I F Eb C I F Eb C i: G/B I
reme-Ia Quando acorda às seis da mati-na Teve escarlati-na Ou tem febre amare-la Só a bailarina que

Am I I I Dm I Dm I A/C# I Dm I A/C# A7
não tem Medo de subir, gente Medo de cair, gente Medo de vertigem Quem não tem

I F# E C# I F# E C# I F# E ·
Confessando bem Todo mundo faz peca-do Logo assim que a mis-sa

C# I G#/B# I C# I F# E C# I F# E C# I G#/B# I A#m I I /D#m I


tenni-na Todo mundo tem um primeiro namora--do Só a bailarina que não tem Sujo atrás

A#/Cx I D#m I A#/Cx I D#m I A#/Cx A#7 G#/B# C# D#m C#/E# C# I


da ore-lha Bigode de grose---lha Calcinha um pouco velha Ela não tem O padre

89
Songbook O Chico Buarque

F# E C# I F# E C# I F# E C# I G#/B# I C# I F# E C# I
também Pode até ficar vermHho Se o vento levan-ta a bati--na Reparando bem, todo mundo tem

I G#/B# I A#m IIID#m I A#/Cx I D#m I A#/Cx I D#m I


F# E C#
pente-lho Só a bailarina que não tem Sala sem mobí--lia Goteira na vasi--lha Problema na

A#/Cx A#7 G#/B# C# D#m C#/E# C# I F# E C# I


famflia Quem não tem Procurando bem Todo mundo tem ...

Ciranda da bailarina

c I F E~ c I F E~ c I F E~

11 1;7] f] •I J I J----] i] J J J j
Pro - cu - ran - do bem To - do mun - do tem pe - re ba Mar-ca de be- xi - ga_ou va -
Fu - tu - can - do bem To - do mun- do tem pi - o lho Ou tem chei-ro de cre- o -
Não li - vra nin-guém To - do mun - do tem re - me la Quarrdo_a- cor-da_às seis da ma-

c GID c I F E~ c I F E~

i~ J CJ
I J----g f J J J 1 IÊ J i J
j J
ci na E tem pi -
ri - ri, tem Iom - bri - ga, tem a - me ba
li na To- do mun- do tem um ir - mão mei - o za - ro lho
ti na Te - ve_es- car - la - ti na Ou tem fe - bre_a - ma - re la

c GID Am Dm AIC#

l~pJ f] p3 !] I J - IJ
p1 r J
J ~
F

J


a
a
bai - la - ri - na
bai - la - ri' - na
que não
que não
tem
tem
E não tem co - cei
Nem u- nha_en-car - di
-
-
ra Ber -
da Nem
Só , a bai - la - ri - na que não tem Me- do de su - bir, gen - te

Dm ' AIC# Dm I AIC# A7 GID C Dm C/E


~
FJ ____ ,
II~ J4 PJ J JF"J I JrJ - ~ J ~ f ] lj
ru- ga nem fri - ei - ra Nem fal - ta de ma - nei - ra_E - la não tem
den- te com co-mi - da Nem cas - ca de fe - ri - da_E - la não tem
Me- do de ca- ir, gen- te Me- do de ver - ti - gem Quem não tem

D#m G# F~A# G#IB# C# I F# E C# I F# E

- ~ J7~ i?J J 11 IP~ f J j J


Con- fes - san - do bem To - do mun - do faz pe - ca - do
O ·pa - dre tam- bém Po- de_a - té fi - car ver - me - lho
Pro - cu - ran - do bem To - do mun - do tem...

90
Songbook O Chico BllllJl)ue

C# I F# E C# GIIJB# C# I F# E

~ -~~-~~~ jóí?J f ] J J J lj CJ I :fJ t') J J J


Lo- go_as-sim que_a mis - sa ter - mi na To- do mun-do tem um pri -
Se_o ven - to le - van - ta_a ba - ti na Re - pa - ran - do bem, to - do

C# I F# E C# Glf/B# A#m
~~In
# #I• Jóí?J iJ J J I j óí?J i] Jóí?J
mei- ro na - mo- ra - do Só a bai - la - ri - na que não
i7J IJ
tem
mun- do tem pen - te - lho Só a bai - la - ri - na que não tem ~

D#m A#JCx D#m A#JCx


~ ~~~~~~~ f J j J
F

J I •E ) F ) J F

J J
Su - jo_a - tráS da_o - re lha Bi go - de de . gro - se lha Cal -
Sa - la sem mo - bf lia Go te i - ra na va - si lha · pro -

D#m I' A#JCx A#7 GIIJB# C# D#m C!!tE#


~ -~~~ ~
,.-
BII J 1 F ) EJ i J lj Fade out
ci- nha_um pou - co ve - lha_E - la não tem
ble ma- na fa mf -lia Quem não tem

Copyright1986 by LOBO MUSIC PRODUÇÕES ARTÍSTICAS LTDA.


Avenida Rui Barbosa, 300/1501 -Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.
Copyright 1986 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.
Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

91
Songbook O Chico Buarque

Cecília \,

CHICO BUARQUE

- \,

"I i i mi "Í Ivi i i Fll7 F#m6 E7(m A7M Am6 G7M(9)


~
"

.a m m.1 vm IV;m 1
GfO

~
....
Em7 A7(\'J) D7M/F# G/F A/E Gll7(#11) Cll7(b9)

ml I I 1 ·1 mg [I ;
..Nrl E e lt I ml I .
F#m7 CII7/E# Fim/E D#m7(b5) Em/D C#l" Bm7{f1)

Dm6 A7M/CI F#m6/C# c- G7(#11)/B F#l (9) F#7

. NIJ "E 1t e 1 1 m , ~
87(9) Bm7(9) Bm7(9)/E E7(13) E7(bl3) A7M(9)/E F"

I 1111 VIII ~ Dm6/F A6/E E7( 1/ ) C#m7(~) G6 Bm7 E7(9) ~

1 1 1 Nl m m li ~
· wm I I I I a wl ~
A6 A E7 Em6/B A#" B7 A# ""'

92
-. - - - ~ -~ - -
Songbook O Chico Buarque

A7M(9) I I I Bm6 I I I
Gm6/Bb I I I Al (9) I I A7(b9) D7M(9)/ A I
Quantos artistas Entoam baladás . Pras suas amadas Com grandes orques-tras Como os

D6/ A I G7(#11) I I l G#O I F#7 I F#m6 / E7(m I A1M I I I Am6 I


inve--jo Como os admi-ro Eu, que te vejo E nem quase respi--ro Quantos poetas Românticos,

I I G7M(9) I I I Em7 1 AI (9) A7(m D7M/F# 1 I I G7(#11) I G/F I


prosas Exaltam suas musas Com todas as le--tras Eu te murmu-ro Eu te suspi---f"o

I I I G#7(#11) I C#7(b9) I F#m7 I I I C#7/E#I I I li


Eu, que soletro Teu nome no escuro Me escu-tas, Cecí--lia? Mas eu t te chamava

D#m7(b5) I II Em/D II I C#O I I I Bm7{f1 ) I I I Dm6 I I I A7M/C# I


em silên.- --<cio Na tu--a presen-ça Palavras são bru-tas Pode ser que, entreabertos

I I · F#m6/C# I co I G7(#11)/B I G7(#11) I F#l (9) I F#7 I F#m6 I 11


~eus lábios de leve Tremessem por ti Mas nem as sutis me---lodi-as

F#m7 I B7(9) I Bm7(9) I I I Bm7(9)/E I E7(13) E7(b13) A7M(9)/E I I I F0 I


Merecem, Cecflia, teu nome Es-palhar por aí Como tantos poe-tas Tantos

I I F#m6 I I I I E7(~) I C#m7(~) I G6 F#7


cantores Tantas Cecílias Com mil re-fletores Eu, que não digo Mas ardo de dese-jo Te

B7(9) I I I Bm7 I E1(9) I A6 I E7(m I A I C#7(b9) I F#m7 I I I C#7/E# I I I


olho Te guardo Te sigo Te vejo dormir Me escu-tas, Cecí--lia? · Mas

D#m7(bS) I
li I I Em/D I I I C#O I I I Bm7{f1) I I I Dm6 I I I
eu te chamava em silênt-----<cio Na t u - -
·a presen-ça Palavras são bru-tas Pode ser que,

A7M/C# I I I I G7(#11)/B I G7(#11) I F#l (9) I F#7 I


entreabertos Meus lábios de leve Tremessem por ti Mas nem as

F#m6 I I I F#m7 I B7(9) I Bm7(9) I I I Bm7(9)/E I E7(13) E7(b13) A7M(9)/E I


sutis me---lodi-as Merecem, Cecília, teu nome Es-palhar por aí Como tantos

I I Fo I I I F#m6 I I I I E7('/) I C#m7(~) I


poe-tas Tantos cantores Tantas. · Cecflias Com mil re-fletores Eu, que não digo Mas ardo de

G6 F#7 B7(9) I I I Bm7 I E1 I G7(#11)/B I I I Em6/B I A#O I B7 I I I


dese-jo Te olho Te guardo Te sigo Te vejo Te olho ·Te guardo

Bm7 I E7(9) I A~ I 111


Te sigo Te VeJO
. dormir

93
Songbook O Chico Buarque

Cecília
A 7M(9) B m6 f G m6/Bb A ~(9) I I A 7(b9)
.--3----. ,....-3----. ;_....:..3 ____, .--3 ___, .--3 ___, ,--3 ___, ,....--3----.

J J J J J J I J J J J J J I J J J J J J I"J J J J J ~
Quan-tos ar- tis- tas En - to- am ba - la- das Pras su - as a - ma- das Com gran-des or-ques-tras

D7M(9)/A D6/A G7(111) GMO FM7 FUm6 E7<~n


,..---3---. .--3---. ..---3----. ..---3----. \..,

I@~~~ J I J I J IJ J J J J IJ
.------3--.

J •
I
J J J I; J I

JJ J ~ "'
• • "
Co- mo_os in - ve - jo Co- mo_os ad - mi - ro Eu, que te ve-jo_E nem qua-se -
res- pi ro

A7M Am6 G7M(9) Em7 I A~(9) A 7(~n


9 ~ # ,.....;__:3----. ,...:..-3 ____..:, ..--3 ____, ,--3---. ,--3----. ~3---. ....----3---.

I@ T J J J J J J I J J J J J J I J J J J J J I"J J J J J ~
Quan-tos po-e-tas Ro-mân-ti-cos, pro-sas E- xal-tamsuas mu-sas Com to- das as le- tras

D7M!FU G7(#11) G/f AlE GU7(#11) CM7(~9)


17\
I·~HB J J •I J J I; J J J J IJ J J J J J IJ g J
,--3---. ..-3----. .--3 ----, .------3----.,

n
.---3----.

l ;11
Eu te mur-mu - ro Eu te sus- pi - ro Eu, que so - e - tro Teu no - me no_es- cu- ro Me_es- I
ra/1 - - - - - - - - - - -
CU71E# · DMm7(bS)

a tempo
'1
)) I J J
'1
t)
• I J f) J f) IJ J J Ji l
cu - tas, Ce - cí - lia? Mas eu te cha- ma- va_em si lên - cio Na ...

Em!D C#o B m7(fi) . Dm6


,....:.._ 3----,

~~ u11 J J '1 J1 I J j J ;) I J J J J J I~ -.FJ J J J I


tu ~ ·- a pre - sen - ça Pa - la- vras são bru - tas Po-de ser que,_en- trea -

0
A 7MJCU F#m61C# C G7(#11)/B G7(#11) F#7
25-!. ~ # ,--3---. ,--3---. ,--3----., r - - 3----, .---3-----.

%JB J J J J J J I J J J J J J IJ - ) JJ J 1
ber- tos Meus lá- bios de le - ve Tre-mes- sem por ti Mas nem as su -

F#m7 B7(9) B m7(9)


....--3--. ..-----3--. ....---3--.

J Ir
....
J $J J •I I; J J J J J
tis me - lo - di - as Me- re- cem, Ce - cf - lia, - teu no- me_Es- pa

.. -94
__....- .. .,; -
Songbook O Chico BWU'Que

Bm7(9)/E E 7(13) E 7(~13) A 7M(9)/E F° F#m6


...---3---, ...---3---, .---3---, ...---3---, .

J IJJJJ J 1JJJJJJ1
lhar por a- í Co-mo tan-tos po- e - tas Tan-tos can- to - res Tan- tas Ce - c f- lias Com

Dm6/F A6/E
,..---3---. ,.-----3---,

~- 1#
.--3---.

~ F -J r J
F F I J J J J J I J ~J J p ~J J J
mil re - tle - to - res Eu, que não di - go Mas ar- do de de- se- jo Te

B7(9) -$-nm7 E7(9) A6 E7<~n A C#7~9)


A%
~-~~ #J'1 J j) j) J ;I J) J j) )> J JIJ ~· ) lle
0

o- lho Te guar-do Te si-go Te ve-jo dor- mir Me_es


..
• Bm7

ij -~~ ;) J
E7

) )> J ) I ~J
G7{111)/B
.--3---. ,....--3------.

J J J J J I #J J J J J
Em6/B
...-----3-----,
A#o
.--3---.

si - go Te ve - jo Te

B7 Bm7 E7(9) A~

~-~~ ) J ) j) J j) I j) J J )) J J I -&
I
J ~ - 11
o- lho Te guar-do Te si- go Te ve-jo dor - mi

Copyright 1998 by LUIZ CLÁUDIO RAMOS. Todos os direitos reservados.


Copyright 1998 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.
Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506- Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

95
Son~book O Chico Buarque

·Cobra de vidro
CHICO BUARQUE E RUY GUERRA

Cm7 Bb7(b9) Bb7(9) Bb7(#9)

vEwmlwiJmiTimE I I I
Dm7 G7(9) G7(b9) G7

Bb7 Eb Eb/Bb E7M(9) A7M A7 A6 A(IIS)

IJE9111111
Dm7 I G7(9) I G7(b9) I G1 I Cm1 I 8b7(b9) I
Aos quatro cantos o seu corpo Partido Banido Aos quatro ventos os seus quartos Seus

Bb7(9) I 8b7(#9) I 8b7 I Eb Eb/8b 87 E7M(9) A7M I A1 I A6 I


cacos De vidro o seu veneno incomodando A tua honra O teu verão Presta atenção
"'
\,
I Dm1 I G7(9) I G7(b9) I G7 I Cm1 I 8b7(b9) I
A(#IS) I
Aos quatro cantos suas tripas De graça De sobra Aos quatro ventos os seus quartos
\,

8b7(9) I 8b7(#9) I Bb7 I


Eb Eb/Bb 87 E7M(9) A7M I A1 I A6 I \,

· Seus cacos De cobra O seu veneno arruinando A tua filha A planta-ção Presta atenção

A(#S) I Dm1 I G7(9) I G7(b9) I G1 I Cm1 I 8~7(b9) I


Aos quatro çantos seus ganidos Seu grito Medonho Aos quatro ventos os seus quartos

8b7(9) I Bb7(#9) I Bb7 I


Eb Eb/Bb 87 E7M(9) A7M I A1 I A6 I
Seus cacos De sonho O seu veneno temperando A tua veia O teu feijão Presta atenção

A(#S) I A6 I A1M I A1 I A6 I A(#S) I A6 I A7M I A1 I A6 I A(#S) I A6 I


Presta atenção Presta atenção Presta atenção

Dm7 G7(9) G7(~9) G7

I' i
l{
JJJJ
Aos qua- tro
Aos qua- tro
Aos qua - tro
J J J I J? J
can- tos
can- tos
can- tos
o seu
su - as
seus ga -
cor- po
tri - pas
ni - dos
·r
w'-
Par
De
Seu
f J
ti - do
gra- ça
gri -. to
"f'
w' ;: J
Ba - ni - do
De so - bra
Me - do - nho
' ~

. 96
..J . -
Songbook O Chico Buarque

Cm7 B~7(b9) B~7(9) B~7(l9)

~ 'I J J
Aos qua- tro
J J JJ J If
ven- tos os seus
)
quar- tos
7'
~j) I f J
Seus ca- cos
7'
b]J I J J
De vi - dro
J
Aos qua- tro ven- tos os seus quar- tos Seus ca- cos De co - bra
Aos qua- tro ven- tos os seus quar- tos Seus ca- cos De so - nho

B~7 E~ B7 E7M(9) A7M

~j~ J
o seu
o seu
o seu

A7 A6 A6

IJ nJ J J - ção _ _ _ __
Pres- ta_a- ten - ção= - - - - - - Pres- ta_a- ten

A7M A7 A6 A(IS) A6 A7M

- y #J J J # ______
v
Pres- ta_a- ten - ção

A7 A6 A(#S) A6 A7M A6

~J '~nJ J J I1t I; ~ - - IJ '~nJ J 3~


v
Pres- ta_a- ten - ção -- Pres- ta_a- ten-
Fadeout

Copyright 1973 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa. 74 - S1io Paulo, SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

97
Songbook O Chico Buarque

Como um samba de adeus


CAETANO VELOSO E CHICO BUARQUE

G7M Om7 G7<m C7M CitO Cm7(9) F7


\,

Bb7M Bb6 Am7(9) 07(9) G6 E7(#9) 07( f3 )

e 1·1~·1
Eb0 (bl3) C#m7(b5) Ft7(13)
m 1m Nl B7M B7M(9)

B# Fm7 Bb7(13) Eb7M(9) Eb7(9)

G7M I I I Dm1 I G1(m /"C7M I I I C#O I I I Cm7(9) I I I F7 I I I Bb7M I I I


Quan--to tem--po Mi na d'á-gua · do meu can to

Bb6 I I I Am7(9) I I I D7(9) I I I G6 I I I E7(#9) I I I Am7(9) I I I D7( f,) I I I


Man--so Pi--ano e voz Ven--to

G# I I I Eb0 (b13) I I I G7M I I I Dm7 I G7nD I C7M I I I C#O I I I Cm7(9) I I I F7 I


Cam--po Den--tro An-tro On---de ro--si----<Je -

o
I I .Bb7M I I I Bb6 I I I Am7(9) I I I D7(9) I I I G6 I I I E7(#9) I I I Am7(9) I I I "'
la-men to Pre--to Da minha . voz Tan--to

D7(l3 ) I I I Gt I I I I I I I C#m7(b5) II I F#7(13) I I I B7M I I I B7M(9) I B~ I "'


Tem-po C mo nun----ca mais, eu pen so

Fm7 I I I Bb7(13) I I I Eb7M(9) I I I Eb# I I I Am7(9) I I I D7(9) I I I


Co--mo um sam---ba de a---deus Com que jei o a--<:enar

G# I I I E7(#9) I I I Eb7(9) I I I I I I I D7(9) I I I I I I I G1M I I I Dm1 I G7nD I C1M I I I '-


o meu len--ço Bran---co Quan--to tem-po

C#O I I I Cm7(9) I I· I F7 I I I Bb7M I I I Bb6 I I I Am7(9) I I I D7(9) I I I G6 -


Po de du- rar um es- pan to On de lan-çar

I I I E7(#9) I I I Am7(9) I I I D7{l3 ) I I I G# I I I I I FI


a voz Tem- -po Tan--to
Songbook O Chico Bunrque

G7(~n
G7M Dm7 C7M
.-..... .....----...._c( Cm7(9)

1 r- P r r 1
Quan - to tem - po Mi - na d'á - gua
Den - tro An - tro On - de re - si -

F7 A m7(9) D 7(9)

do meu can to Man - so Pi -


de_o la - men to Pre - to Da

G6 Am7(9) G: ,--.....
- - I F" p r
n- no_e voz Ven - to Cam - po
mi-nha voz Tan - to Tem - po
C#m7(~5) F#7(13) B7M

- ~-
,..-...... ,.....---..
o r oDr
Co
1

mo nun
•m r - ca mais, eu pen-

B7M(9) n: n b7(13) Eb7M(9)

qu,y.
~ _i_ •kiJ
p~

I
o
-
so Co - mo um sam - ba de_a- deus

Am7(9) D7(9) G: E 7(19) Eb7(9)


.............._
~~ ~ ~

~ft J F" F cr IF DF PTr J F DI


li

~~r ~tr 1
Com que jei to_a-ce - na r o meu len - ço

D7(9) G7M om7 G7(~n

~ T If J?±A I) -
Bran - co Quan - to

tem - po Po - de du - rar um es - pan to

99
Songbook O Chico Buarque

B~6 Am7(9) D7(9) G6 E7(#9)

I rr r
.....

·~-
I - D
~...----.....

r 1r !J. I~ ~ () §
On · - de Ian çar a voz

Am7(9) D7(!J) G~
~

I·~ I r· pf1~ Tt I F' D r ~


....
....
Tem po Tan to

Copyright 1995 by MAROLA EDIÇÚES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 13511506- Rio de Janeiro, RI - Brasil. Todos os direitos reservados.
Copyright 1995 by UNS PRODUÇÚES ARTISTICAS LTDA
(Administrada por NATASHA PRODUÇÚES E DISCOS LTDA.)
Avenida Ataulfo de Paiva, 527n02- Rio de Janeiro, RI - Brasil. Todos os direitos reservados.

100
Son&book O Chico Buarque

Desencontro
TOQUINHO E CHICO BUARQUE

A7M F#7(bl3) Bm7(11) E7(9) Em7(9) A7(9) Glm7(bS)

I fi I I 1 1 11
C#7 Fl#m7 B7(9) El (9) D7M
11

Dm6 C/17/ Gl

11111111 Bm7(9) E7(13) E7(b9) A6 D7(9) CII7M(9)

A7M I I I F#7(bl3) I I I Bm7(11) III E7(9) II I Em7(9) II I A7(9) I I I G#m7(b5) II


A sua lembran-ça me dói tan1----tto Eu can---to pra ver Se espan1-----1to

I C#1 I I I F#m7 I I I B7(9) I I I EI{9) I I I A7(9) I I I D7M I I I Dm6 I


es---5e mal Mas só sei dizer Um verso banal Fala em voe! . Canta

I I G#m7(b5) I I I C#1 I I I F#m1 I./ I F#7(bt3) I I I Bm7(11) I II E7(9) I I I


você É sem--pre igual So-brou des--se nos-s- -so de--sencon,----:tro Um

Em7(9) II I A7(9) I I I G#m7(bS) II I C#1 I I I F#m1 I I I B7(9) I I I El{9) I I I


conr--to de amor Sem pon1---1to final Retrato sem cor Jogado aos

A7(9) I I I D1M I II Dm6 I I I G#m7(b5) II I C#1 I I I F#m1 I I I F#7(b13) I


meus pés E sauda---des fúteis Sauda-des frágeis M, e - - - -rós papéis Não sei se você

I I Bm7(11) III E7(9) I I I Em7(9) I I I A1(9) I I I C#1 I I I C#7/G# I I I


ainda é a mes.----ma · Ou se cortou os cabe-los Ras-gou o que é meu Se

Flhn7 I I I cth I I I Bm7(9) I I I E7(13) I I I A1M I I I F#7(bl3) I I I Bm7(9) I


ainda tem sau---da---des E so1----fre co--mo eu Ou tu-do já pas-sou Já tem

I I E7(b9) I I I A6 I I I D7(9) I I I A6 I I I D7(9) I I I c#'iM(~) I I I I I I I


um no--vo amor Já me es--queceu

101
Songbook O Chico Buarque

Desencontro
A7M F#7(~13) n m7(11} E7(9)

I* «~1
~~
r
A
.---3-----.

r •r r ~ r r
su - a Iem - bran
nos
-
-
,..--3----.

ça
so
F F
me dói
de - sen -
li

tan
con
Ir
to
tro
~ F§
Eu
Um

'*
ID=
ü~
Em7(9)

F
__________,
F r7f
A 7(9)

F 1
G#m7(~5)

r
c-==-----r---3----,

t r •r lj

can to pra ver Se_es - pan to_es - se mal


con to de_a - mor Sem pon to fi - nal

i* «~ *
F#m7 n 7(9) A 7(9)
.----3------. .----3 _____,
1 J J J I)
I~ J J J J
j
Mas só sei di - zer Um ver - so ba nal
Re - tra - to sem cor Jo - ga - do_aos meus pés E

D7M Dm6 G#m7(~5)


,___3----., .---3----,

J J J JF r J J J Jr r
Ir rI ..
Fa - Ia_em vo - ca Can - ta vo - cê É sem- pre_i - gual So -
sau - da - des fú - teis Sau - da - des frá-geis Me ros pa - péis Não

Fjm7 F#7(~13) n m7(11) E7(9)


~J ~
~~ ~D~ ( r •f?l
,_

mr f?F F
I)

Ir i r rFI
brou des - se cê ain- da_é a mes ma Ou se cor-
sei se vo-

E m7(9) A 7(9) C#7

il~~~ft#ªr~~gr~Fl~l~r$r~Jê~r~l~#r~~r~tl~~~r~~~~r~l ·
tou os ca - be - los Ras - gou o que_é meu Se_a -

Ffm7 n m7(9) E 7(13)

·r
.---3---,

~~ ~D~ aF F ~ r Ir •I J J IF ~ F
in - da tem sau • · da des E so - fre co- mo eu Ou

102
Songbook O Chico Buarque

A7M F~7(~13) Bm7(9) E7(~9)


,....--3----.

~-~~ r - r •r F Ir ~ J IF j J j IE
tu do já pas - sou Já tem um no- vo_a - mor Já me_es - que -

I":\
A6 D7(9) A6 D7(9) C~7M(9) C#7M(9)

r;-~~ I)
..... l...n - - - - - li
ceu

Copyright 1967 by EDITORA MUSICAL ARLEQUIM LTOA.


Rua Lisboa, 74- Silo Pau!o, SP - BrPSil. Todos os direitos reservados.
Songbook O Chico Buarque

Dueto
CHICO BUARQUE

F6 F#l" Gm6 Gil" Am7(b5) Ebm6/Gb Em7(b5)

I tiJJ1J 9 11 wm fi I
A7(13) A7(bl3) Dm7 G7 Cm7 F7 Bb7M

111 9 ml! ri IJ

J. J.
lntl"odução: Ab6/c I I G7/B I I Ab6/c I I G7/B I I Ab7M I I G7(b13) I I Cl (9) I I Cl (9) C7(b9) ~ ~ ~

E7/ G# I I F6 I I F#O I I Gm6 I I G#O I I


(ELA) Cons-ta nos as--tros Nos sig--nos Nos bú--zios Eu li num a-núncio Eu vi no es-pe-lho

J. J.
Am7(b5) I I Ebm6/Gb I I Em7(b5) I I A7(13) A7(bl3) Dm7/ I G1 I I Cl (9) I
Tá lá no evan-ge lho Garan--tem os orixás Serás o meu amor Serás a

J. J.
ICl(9) C7(b9) F6/A I I E7/G# I I F6/A I I E1/G# I I F6 I I F#O I I
minha paz (ELE) Cons-ta nos au--tos Nas bu-las Nos dog-mas Eu fiz uma to--se Eu

J. J.
Gm6 I I G#O I I Am7(b5) I I Ebm6/Gb I I Em7(b5) I I A7(13) A7(b13) Dm7 I I G1 I I
li num tra-ta-do Está · . compu-ta1- --do Nos da~os oficiais Serás o meu amor

· Cm7 I I F7 I I Bb7M I I I I l~m7(b5) I I E7(b9) I I Am I I Am(7M) I


Serás a minha paz (ELA) Mas se a ci-ência pr~var o con-trá--rio (ELE) E se o calen-dá--rio
...
104
. ...
~-- . ...... . -- -~-- ... '\

Songbook O Chico Buarque

I Am1 I I Am6 I I G7(13) I I I I I G7(b13) I I G1 I I Cl(9) I I I I 1F6/ A I I


nos con-trari-ar (OS DOIS) Mas se o destino insis-tir Em nos separar Da-nem-se

I I I I li
(ELA) Os astros (ELE) Os autos (ELA) Os signos (ELE) Os dogmas (ELA) Os búzios (ELE) As bulas

F6 I I F#'> II Gm6 I I G#'> ·


(ELA) Anúncios (ELE) Tratados (ELA) Ciganas (ELE) Projetos (ELA) Profetas (ELE) Sinopses (ELA) Espelhos

J. J.
I I Am7(b5) I I Ebm6/Gb I I Em7(b5) I I A7(13) A7{b13) Dm7 I
(ELE) Conselhos (OS DOIS) Se da--ne o evan-ge-e- -.lho E to--dos os orixás Serás o

J. J. _t
I G1 I I Cl (9) I I Cl {9) C7(b9) Ab6/c I I G1/B I I Ab6/c I I G1/B I I Ab7M I I G7{b13) I I
meu amor Serás, amor, a mi-nha paz

CH9> I I I I I ~~~ F6/A I I E1/G# I I E7/G# I I F6 I


(ELE) Cons-ta na pau-ta (ELA) No Kar-ma (ELE) Na car--ne (ELA) Passou na

I F#'> I I Gm6 I I G#'> I I Am7(b5) I I Ebm6/Gb I I Em7{b5) I I


no-ve-la (ELE) Está no se-gu-f'o (ELA) Pixa--ram no mu ro (ELE) Mandei fazer um

J. J.
A7(13) A7(b13) Dm7 I I G7 I I Cm1 I I F1 I I Bb7M I I I I
cartaz (OS DOIS) Serás o meu amor Serás . a minha paz (ELE) Mas se a ci-ência

I Bm7(b5) I I E7(b9) I I Am I I Am(7M) I I Am7 I I Am6 I I G7(13) I


pro-var o con-trá--rio (ELA) E se o calen-dá-rio nos con-trari-itr (OS DOIS) Mas se o

III I G7(b13) I I G1 I I CH9) I I I I I F6/ A I I E7/G# I I


destino insis-tir Em nos separar Da-nem-se (ELE) Os astros (ELA) Os autos (ELE) Os

F6/A I I E1/G# I I F6 I I F#'>


signos (ELA) Os · dogmas (ELE) Os búzios (ELA) As bulas (ELE) Anúncios (ELA) Tratados (ELE) Ciganas

li Gm6 I I I I Am7(b5) I
(ELA) Projetos (ELE) Profetas (ELA) Sinopses (ELE) Espelhos (ELA) Conselhos (OS DOIS) Se da ne o

J. J. J. J.
I Ebm6/ Gb I I Em7{b5) I I A7(13) A7(b13) Dm7 I I G1 I I Cl (9) I I Cl (9) C7(b9)
evan-gc-c- - l h o E to--dos os orixás Serás o meu amor Serás, amor, a mi-nha

Ab6/c I I G7/B I I Ab6/c /I G/B I I Ab7M I I G7(b13) I I Cl (9) I I I I I~ ~ ~ Ab6/c I I


paz (ELE) Cons-ta nos
7
G /B I I Ab6/c I I G7/B I I Ab7M I I G7(b13) I I CH9) I I I I I ~ ~ ~
llla--pas (ELA) Nos lá--bios (ELE) No 1~-pis

Ab6/c I I G7/B I I Ab6/c I I G1/B I I Ab7M I I G7(b13) I I


<ELA) Cons-ta nos Ov-nis (ELE) No Prav-da (ELA) Na vod-----ca

C1(9) 11111 ~ ~ t Ab6/c I I"G7/B I I Ab6/c l i G7/B I I Ab7M l i G7(bl3) l i Cl(9) 11111
10'5
Songbook O Chico Buarque

Dueto

G7/B G7/B G7(h3) C~(9)

J.
C~(9)
J.
C7(~9) --- % F6/A E71G# F6/A

- 1Rnn-r ELA: Cons - ta


r nos as - tros Nos sig -
r
nos Nos
J~
ELE: Cons - ta /lOS au - tos Nas bu las Nos
Cons- ta na pau - ta No Kar - ma Na

E71G# F6 FIO Gm6

~~p F r uP I F F F I •r r D I r r ijr IF
bú - ·zios Eu li num a nún - cio Eu vi no es pe - lho Tá
dog - mas Eu fir. ll - ma te -
se Eu li IIUnt tra ta - do Es -
car - ne Pas - sou na no ve -
la Es - tá no se gu - ro Pi -

Am7(~5) E m7(~5)
J. J.
A 7(13) A 7(~13) D m7

I·~ & r o1F Ut; 1r


lá no_e - van - ge - lho Ga - ran - tem os o - ri - xás Se - rás o meu a-
tá com - pu ta • do Nos da • dos o - fi - ci - ais Se rás o meu a -
xa - ram no mu .. ro Man - dei fa • zer um car - tar. os DOIS: Se - rás o meu a -

28

t)
ELA: Mas se_a ci - ên - c ia pro - var o con - trá - rio

tJ ....
ELE: E se_o ca - len -

106
Songbook O Chico Buarque

G7(~13)
33 1\
Am(7M) Am7 Am6
. ..
G7(13)
.. .. rJ•

-t)
Mas se_o des · - ti - no_in - sis - ti r

1\

t) ... * • •
dá - rio nos con - tra - ri • ar Mas se_o des - ti - no_in - sis - tir

G7 F6/A E71G# .
391\ n. n. I.
t

t)
Em nos se- pa . rar Da- nem - se_Os as - tros Os

1\

t)
. • • .. -:;}.' t~ ' • •
Em nos se - pa • rar Da - nem • se #os au - tos

F6/A E71G# F6 Gm6


.WI\ l

t) . r r
sig - nos Os bú - zios A- nún - cios Ci ga - nas Pro - fe - tas Es-

1\

'
t) ~I • • r~ ' • • ~I • • * H• • 9•
Os dog ·mas #As bu - las Tra-ta - dos Pro- je - tos Si- n6p- ses

A m7(~5) Em7(~5)
J. J.
A 7(13) A 7(~13)
~9..fJ._ .. .. ~
Ebm6/Gb ·
I'- !'-' #. "f- I'- "f- I'- f!' ..
t)

pe - lhos Se da - ne_o_e - van - ge - lho E to - dos os o - ri - xás Se -

 l
,...._ I

..ft:
t) TI I I I ~ •
Con- se-lhos Se da - ne_o_e - van ge • lho E to - dos os o - ri - xás Se -

107
Songbook O Chico Buarque

C~(9) G7/B
54 1
Dm7
• _._
G7
• • • --------- -
~
rás o meu a - mor Se rás, a- mor, a mi - nha paz

~
rds o meu a - mor Se - rás, a- mor;
'----"
a mi - nha paz
....__
--
(.'\,
G7/B G7(~13) C~(9) C~(9)

- - - -

-
G7/B
67 I .JI r--, .
~
........., I"
ELA: Nos lá - bios
ELE: No Prav - da
11

~ "\ ... ...


ELE: Cons - ta nos ma - pas No
ELA: Cons - ta nos Ov - nis Na
f.'\
G7/B G 7(~13) C~(9)
11 1 _\,.

~ f
r
lá - pis
vod - ca

Copyright 1980 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LIDA.


Rua Lisboa. 74- Silo Paulo, SP- Brasil. Todos os direitos reservados.

108
""-.·--- .. ~ ..
Songbook O Chico Buarque

·Feijoada completa
CHICO BUARQUE

A7M A6 C#17 F#l7 F#l7(1tS) B7(9) Dm6/F E7

·mm Nm 1 m n 1 1 1 A/G A7(1t5) D7 DI#" F#l7(bl3) D6 Dm6

m·m·e·m 111-1
Introdução: A7:M I A6 I A7M I C#1 I

F#7 I F#1(#5) I B7(9) I I I Dm6/F I E1 I A6


Mulher Você vai gos--tar Tô levando uns a-migos pra con-versar

I A7(#5) I D7 I I I F#1 I F#7(#5) I B7(9) I


Eles vão com uma fome que nem me con--tem Eles vão com uma sede de an--teon--tem

E7 I A6 I A7(#5) I D7 I DW' I A6 F#7(bl3) D6 Dm6 A6 I


Sal-ta cerveja estu-pidamen--te gela-da prum batalhão E vamos botar água no feijão

C#7 I F#1 I F#1(#5) I B7(9) I I I Dm6/F I E7 I


Mulher Não vá se afo--bar Não tem que pôr a mesa, nem dá

A6 I A7(#5) I D7 I I I F#1 I F#7(#5) I


lugar Ponha os pratos no chão, e o chão tá pos-to E prepare as lingUiças pro

B7(9) I E7 I A6 I A7(#5) I D1 I DW' I A6 F#7(b13) D6 Dm6 A6 I


tira--gos-to U--<:a, açú--ear, cumbuca de gelo, limão E vamos botar água no feijão

C#7 I F#1 I F#1(#5) I B7(9) I 1 1Dm6/F I E1 I A6 111


Mulher Você vai fri--tar Um montão de tor-resmo pra acom-panhar

I A7(#5) I . D7 . I I I F#1 I F#1(#5) I B7(9) I E7 I A6


Arroz branco, farofa e a ma-lague-ta A Iaranja-bahia ou da sele- ta Jo-ga o

I A7(#5) I D1 I D#0 I A6 F#7(b13) D6 Dm6 A6 I C#1 I F#1 I


pai--<>, carne seca, toucinho no caldeirão E vamos botar água no feijão Mulher

F#7(#5) I B7(9) I I I Dm6/F I E1 I A6


Depois de sal-gar Faça um bom refo-gado, que é pra en-grossar

I A7(#5) I D1 I I I F#1 I F#7(#5) I B7(9) I E1 I A6


Aproveite a gordura da fri-gidei----ra Pra melhor temperar a couve minei----ra Diz que

I A7(#5) I D1 I DW' I A6 F#7(b13) D6 Dm6 A6


tá dura, pendu-ra a fatu-ra no nosso irmão E vamos botar água no feijão

109
Songbook O Chico Buarque

Feijoada completa
A7M A6 A7M Cf7 Fft7
~

I~ :tE :~ r
Mu-lher Vo-cê
Não vá
Vo- cê
B7(9) D m6/F E7 A6 De- pois

~ ~~~ ,_{] )J J
~

I IqF J
~

E c d I rr •
r r tl{ r / f~
vai gos - tar Tô Ie van-do_uns a mi- -
gos pra con ver- sar
se_a- fo - bar Não tem que pôr a me- sa, nem dá lu - gar
vai fri - ta r Um mon - tão de to r - res- mo pra_a- com -
pa- nhar
de sal - gar Fa- ça_um bom re - fo - ga- do, que_é pra_en - gros - sar

A/G

I q9E J
• •
I r 1 r
E - Jes vão com_u-ma fo - me que nem me con tem
Po-nha_os pra - tos no chão, e_o chão tá pos to
Ar- roz bran - co, fa - ro - fa e_a · ma - la- gue ta
A - pro - vei - te_a gor - du - ra da fri gi- dei ra

F~7(#5) n 7(9) E7
/"""'

'1 ~ # • r j ~
.,. pI
'~ ~ v r
J
J
. E Jes vão com_u-ma se - de de an te - on tem Sal-
E pre-pa- re_as Jín - güi - ças pro ti ra- gos to U-
A la- ran ja - ba- - hi - a ou da se - Ie ta Jo-
Pra me-lhor tem- pe - rar a cou - ve mi- nei ra Diz

A 7(~5) ,......__
~ ~

rf frr f f f ; (c
1

. ta cer- ve- ja_es- tu pi- da- men - te ge-la - da prum ba- ta-lhão E va-
4

F~7(b 13) ,.---....D 6 D m6 ,..--...._A 6 C#7

,r ...I f f
f f oJ
~ ~
J ,r I~ vE
mos bo - ta r á gua no fei - jão Mu- lher

D#o

q r -----
I J
~
A 7(#5)

r #·I ~

j F rr I
D7

t~
J
(;r I~ qr
~
J
,.---

~
,

ca, a - çú c ar, cum - bu - ca de ge - lo, . li - mão E va -

110
-· -
Songbook O Chico Buarque

F#7(~13) Dm6

r r r r
mos bo - tar á. gua no fei - jão Mu- Jher

~~/f r
A 7(J5) D7 Dlo
~
1
r .r- I
/'""""'

j
1*-
f-··
y "f CJr f j f I f Ff gr f I 1
1*-

ga_o pai - O, car- ne se - ca, tou - ci - nho no cal- dei - rão * E va-

A6 F#7(~13) ,.---.._,D6 Dm6 ,.---.._,A6

~~~~
r'\

rr r r 1*-
J ,r r r f 1*-
J ,r I~
mos bo- tar á gua no fei - jão Mu- lher

A 7(J5) ,--..D7

1
r r c r,; r r 1

que tá du - ra, pen - du - ra_a fa - tu ra no nos - so_ir- mão E va-

A6 F~7(~13) D6 Dm6 ,.---.._,A6

~~~~
r'\

rr f f .r-
1*-
~

,r r f f .r-
1*-
,r li
mos bo - tar á gua _no fei - jão

Copyright 1977 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa. 74 - São Paulo, SP- Brasil. Todos os direitos reservados.
. I
• I
111
Songbook O Chico Buarque

Fortaleza
CIDCO BUARQUE E RUY GUERRA

Em7(9) C#m7(b5) Eb7M Em7(b5) A7 D7M

11111111
D7 Gm Gm(add9)/F Eb7 D~ B7(b9)

I miJmiJ ;; I I
Em7(9) I C#m7(b5) I Eb7M I Em7(b5) I A7 I
A minha tristeza não é feita de angústias A minha tristeza não é feita de angústias A minha

D7M I D1 I Gm I Gm(add9VF I Eb7 I Dl D7 A7


surpresa A minha surpresa é só feita de fatos De sangue nos olhos e lama nos sapatos

I D7M I D1 I Gm I Gm(add9)/F I Eb7 I Dl D7


Minha fortaleza Minha fortaleza é de um silêncio infame Bastando a si mesma, retendo o

C#m7(b5) / B7(b9) ..
derrame A minha represa

I':'\
Em7(9) C#m7(b5) Em7(b5)

A mi - nha tris - te - za não_é fei - ta de_an - gús - tias A mi - nha tris - te - za não_é fei - ta de_an-

A7 D7M D7 Gm

I'~ J j 5 J j 5 I ) #J. - !f• :b J j J~


gús - tias A mi - nha sur - pre - sa A mi - nha sur-

Gm(add9)/F E~7 D~ D7 A7

I·~ J ~J J r il I J J J J J 5 I J ;1w~ J J J j I J J J J J Jj
!!!

pre- sa_é só fei - ta de fa - tos De san - gue nos o - lhos e la- ma nos sa - pa - tos Mi-nha for- ta-

112
.... _...... - . _. . . . . ...
Songbook O Chico Buarque

D7M D7 Gm Gm(add9)/F
3

~l)e -
uJ
za
- I
*
J J J J IJ
Mi-nha for- ta - le -
9J J f J 3
za_é de_um si - lên- cio_in
I':\
E~7 D~ D7 C#m7(~5) B 7(~9)

~ J. J J J J J I J ,J J f
fa - me Bas- tan - do_a si mes - ma,
~=~

re - ten - do_o der -


IJ J J J J J I :J5
ra - me A mi- nha re - pre
#J.
- sa
li

Copyright 1973 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa. 74 - S!io Paulo, SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

113
Songbook O Chico Buarque
.. f

Folhetim
CHICO BUARQUE

G6 G#" Dm6/F B7/F# C7M B7 Em7 Em/G

11 ll I I I 1J ti Ilfl
Db7(9) q Bm7(b5) E7(b9) Am7 F#m7(b5) B7(b9)

IIDIImm
Em7(9) Em/D G7M F#7/CI F#7 B7M Dm7(9)

I I DllliiiB lllll
Introdução: C6I A1/C# I G6/D I B7/D# I E7(9) I D7(9) I Gl ( 1~) I G1(r!} I C6 I A1/c# I G6/D I
B7/D# I E7(9) I D7(9) I
<;~
G6 I . G#O I Dm6/F I~# I C1M I A1/C# I G6/D I ~I Em7 I Em/G
Se acaso me quiseres · Sou dessas mulheres Que só di-zem sim IJT'f Por uma

Db7(9) c~ .I A7/C# I Bm7(b5) I E7(b9) I Am7 I D7(9) I G6 I G#O I Dm6/F 1


~4- à toa! Uma noita--da boa Um cinema, um botequim E, se tiveres renda
1,

~I C7M I A7/C# I G 6/D I B7 I Em1 I Em/G Db7(9) C~ I A7/C# I


Acei--to uma prenda Qualquer coi-sa assim Como uma pedra fal-sa Um sonho

Bm7(b5) I E7(b9) I Am1 I D7(9) I F#m7(b5) I B7(b9) I Em7(9) I Em/D I


de valsa Ou um corte de cetim E eu te farei as vontades Direi meias ...
C7M I D7(9) I G1M I G6 I B7 I B7/D# I Em7(9) I I I F#1/C# I F#7 I B7M
verdades Sempre à meia luz E te farei, vaidoso, supor Que és o maior e que
~)-
I D7(9) I G6 I G#O I Dm6/F I B(;-F# I C1M I G6/D I B7 I
me possuis Mas na manhã seguinte Não conta a--té vinte Te afasta de mim

114
, ........ .,... --
Songbook·O Chico Buarque

Em71 Db7(9) c~ 1 A7/C# I Bm7(b5) I E7(b9) I Am1 I 07(9) I Dm7(9) I


Pois já não vales na--da És pági-na virada Descartada do meu folhetim

Db7(9) I C6 I A 1/C# I G6/D I B 7/D# I E7(9) I 07(9) I Gl Ct~) I G1(m I C6 I A1/C# I G6/D I B1/D# I

• t E7(9) I D7(9) I G6

, C6 A 7/Cj G 6/D B 7/Dj E 7(9) D 7(9) G ~ {f3) G 7(~;}

m 'r cJTr
3

~ rD~r
3

~~ e
*
J JJ )J tflê
t
C6 A71Cj G 6/D B 71D# E 7(9) D 7(9) G6 G(
3 3 3

I~ ffl 1r
1..

JjJJ)j. tJTF !P1r Qu Fim


7 p CJ (J 11

Se_a- ca - so me qui -

Dm6/F B7/Fj C7M A 7!CI · G6/D B7


,----3--.

~~~D r· r 1 EJ I j) J ]> J J J Ir -
se - res Sou des - sas mu lhe - res Que só di -
zem sim
ren - da A . cei - to_u - ma pren- da Qual- quer coi - sa_as - sim

Em7 Em/G 0~7(9) c~ A 7/CI . n m7(~5) E7~9)

p EJ• : br Ir f
~ ,...__3---,

!;i
3
( ~1' r r r r I
* lJ
~
I J ID
)
* Por u- ma
Co-mo_u-ma
coi- sa_à
pe- dra
to - a
fal
U-ma noi - ta
sa Um 50 - nho
- da
de
bo- a
vai- sa
Um ci -
Ou um

I'G Am7 D7(9) 1\;6 G( 112.FI m7(~5) B7(~9)


a

F
I ti r J C1
t.l
i! j I* 7
p CJ tJ ,, p o J fJ 11

-
ne- ma,_um bo
cor - te de
te- quim
ce - tim
E, se ti - ve- res E_eu te fa - rei as von -

# Em7(9) Em/D C7M D7(9) G7M G6 B7 B7/Dj

~# J)
l
,..-3---.

7 j J
=-§
~J ID
3

r· lJ lJ IF pD ~~ r· pI
I t.l
"'
1eia: ta- des Di- rei mei-as ver- da- des Sem- pre_à mei - a luz E te fa-rei, vai-

Em7(9) F#71C# B7M D7(9) G6

IJ7
~ o r· o r- , Jl«C)
tJ
r 11 *
do-so, su-por Que_és o mai - or e que me pos- suis Mas na ma-nhã se -

'115
Songbook O Chico Buarque

Dm6/F B71F# C7M A 7/C# G6/D B7 E m7 E m/G Db7(9)

I; , ~ U t~~
~3-..

'! i p f
,.---3---,

I pF f •I I )J ] JJJ
guin-te Não con- ta_a- té vin-te Te_a- fas - ta de
I
mim
r Pois já não va- les

C~ A 71C# B m7(~5) E 7 (b9) A m7 D 7(9) D m7(9) D~7(9)

1
3~
:~
#
~
r·t: m
~
~ (L
CJ êJ I Df" ~ (j I EJ cJ--t ;p
~
IJ li~~~
na- da_És pá-gi-na vi - ra- da Des- car - ta - da do meu fo- lhe - tim

Copyright 1978 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa, 74 - Silo Paulo, SP- Brasil. Todos os direitos reservados.
/ él ...

"116
Songbook O Chico Buarque

Injuriado
CHICO BUARQUE

E7M(9) I G#1/D# I C#m1 I Bm6 I Em# /B I


Se cu só lhe fizesse o bem Talvez fosse um vício a mais Você me teria

Em7(9)/n 1 G#7/B# I G#7(#5)/B# I I C#1 I


.cfcspre zo, por fim Porém, não fui tão imprudente E ago---ra não

I Am6/c 1 E7M(9)/B I Bb7(#11) I A1M I B7(b9) I E7M(9) I


hi francamente Moti-----vo pra você me inju----;riar assim Dinhei--ro não lhe

G#7/D# I C#m7 I Bm6 I Eme/B I Em7(9)/B 1 G#7/B# I


emprestei Favo--res nun--ca lhe fiz Não alimen-tei o seu gê nio ruim

CI7(#5)/B# I Bm6/D I C#7 I A7M/C# I Am6 I


Você nada está me devendo Por is O, meu bem, não enten--do Por que

FI/A# I F#m/A I E/G# I I I E7M(9) I G#7/D# I C#m7


anda agora falando de mim Se eu só lhe fizesse o bem Talvez fosse

I Bm6 I Em3/B I Em7(9)/B 1 G#7/B# I G#7(#5)/B# I Bm6/D I


om \'Ício a mais Você me teria despre zo, por fim Porém, não fui tão

C#7 I A7M/C# I Am6/c I E7M(9)/B I Bm61 A7M I


imprudente E ago ra não há francamente Mo ti vo pra você me inju--riar assim

B7<b9) I E7M(9) I G#1/D# I C#m1 I Bm6 I Em~/B I , Em7(9)/B I


Dinhei-ro não lhe emprestei Favo--res nun--<:a lhe fiz Não alimen-tei o seu gê nio

G#7/B# I G#7(#5)/B# I I C#1 I I


ruim Você nada está me devendo Por is so, meu bem, não

117
Songbook O Chico Buarque

Am6 I I F#m/A I A#m7(bS)


enten--do Por que anda agora falando Por que anda agora falando Por que

I Am6 I E/G# I I I I
anda agora falando de mim

Injuriado
LE} E7M(9) G#11D# C#m7

f! luDq f utJi ;J Se_eu só lhe


j J J
fi - zes - se_o bem
•I
Tal - vez fos - se_um vf - cio_a

Bm6 Em~ E m7(9)/D

i~ luDu . ~J J a J=~ J I hJ J
i J 1]/J
"""'
•f
mais Vo - cê me te-ri-a des ~ pre - ZO, por fim

G#7(#5)1D# Bm6/D C#7 .

~~~ti· i j .±±.
J ~ J j J ,J J I J. j i J
til
* Po rém, não fui tão im .- pru den te E_a - go -
....

A 7MIC# Am6/C E7M(9)/B

~ luDu vJ J ~ J 3 I J. ) i J j IJ j JJ J jjj
•I
ra não há fran - ca - men - te Mo - ti vo pra vo - cê me_in- ju -
2" e 3" vez: B m6
B~ 7(#11) A7M B 7(~9)

I'$1ADI §L ;:-
.J j J JjJ
;:::>
,;
•I
"----""'
I ~• J ~ * i 3
ri - ar as - sim Di - nhei -

IID E7M(9) G#11D# C#m7

~lu DI d J v
j J I J i ~J j I J• J j ,; j Eg

3
~ "---""
ro não lhe_em - pres te i Fa - vo res nun - ca lhe

Bm6 Em~ Em7(9)/D

•F J
fiz Não a li - men- tei o seu gê - nio ru - im

118
............ ~ -- .- -
-· GI7(#S)IB# B m6/D
Son&book O Chico Buarque ,.

CJ7

I '''' * lf: j
Vo -
ll{r
cê na - da_es - tá
J J
me
3 Ip
de - ven - do Por is -

f& ~D#~ ,)
A 7MIC#

J J J J
Am6

IJ j v J
,....
IJJ•J
Fji/A#

J j ! J j
•I
so, meu bem, não en - ten do Por que an - da_a- go - ra fa -

F# miA EIG# t

~~~#D~#~~J~~j~~~7~J~j~I~J~~~II~~~~q~T
t.l '--"' lJ.
~~J~~j=~ :~~®
'---" e•
lan do de mim Se_eu só

• Flrn!A cjlln

~ #D## J. j i J )jjji J t
1:
J O I J. tJ
'-.-/
lan do Por que an - da_a- go - ra fa - lan do Por que

Alm7(~5) Am6 E/GI

~ #D#~ i J j i J j I J. j ; J j IJ
'-.-/
'---" ---------
an - da_a - go - ra fa - lan do de mim
I':\
E/GI

- 11
t.l v-------

Copyright I998 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 ~ Rio de Janeiro, RJ- Brasil. Todos os direitos reservados.

1l9
Songbook O Chico Buarquc

Iracema voou
CHICO BUARQUE

A7M F7M(9) Bm7 Bb7(13) Bb7M A#m7 E7(19)

Cm6 C#7 Dltm7(b5) D7(#11) C#7M

C#6 A#7 Gl7(b13) D#m7

E7(1/ ) A7M/E f'O F#m6 Dm6/F A6/E Dm6

I I m!NitN!I ENE E7(#5) C#m7(b5) F#7 C71\1 B7(b5) Bb7(9)

Introdução: A7M I F7M(9) I Bm1 I Bb7(13) I A7M I F7M(9) I Bm7 I Bb7M I


A7M I A#m1 I Bm7 I E7(#9) E7 (~l3)/D A7M/C# I Cm6 I Bm7
Iracema voou Para a América Leva roupa de lã E anda

I C#1 D0 D#m7(b5) I D7(#11) I C#1M C#6 Cm6 I


lépida f ve um filme de quan-do em vez Não domina o idio--ma inglês

I A#1 I F#m6/ A I G#7(b13) I C#1M I A7/E I D#m7 I


Lava chão numa casa de chá Tem saído ao luar Com um mímico

E7( 11i) I A7M/E I fO I F#m6 I Dm6/F I A6/E I Dm6 I A7M/C#


Ambiciona estudar Canto !f--rico Não dá mole pra polícia

I co I Bm7 I E7(#5) I C#m7(b5) I F#1 I D#m7(b5) I


Se puder, vai ficando por lá . Tem saudade do Cea--rá Mas não muita Uns dias,

Dm6 I C1M ·I F7M(9) I B7(b5) I Bb7(9) I A1M I F7M(9) I Bm7 I Bb7(13) I


afoita Me liga a cobrar -É Iracema da Amé---rica

A7M I F1M(9) I Bm7 I Bb7M I A7M

120
Songbook O Chico Buarque

intro A7M F7M(9) Bm7 B~7(13) A7M F7M(9) Bm7 . B~7M


(violão)

~~~~ e r sr hf IF !< \f I f sf ~,
If 91< h f 11

Bm7 I E 7(§9} E 7(~~)/D A 7MICI Cm6

c==:,

.__3__, 3
tJ C1 rq
I- ra- ce-ma vo-ou Pa- ra_a_A- mé- ri- ca Le- va rou-pa de lã
Bm7 I C#7 Do . D~m7(~5) D7(111)
,----... ..---3---,

rrr r r r cr ,----... .t
3 3

~ ~«~ i r #•I [ F J• r "1


E_an - da Jé - pi - da ve um fi) - me de quan do_em vez

C~7~ C#6 . · C m6 I G#m6/B F#m6/A G#7~13)


.--3~
# /"'\
~ ~~~ "r nr rr t Fr D r I re r F r
~
-
Não do-mi-na_o_i- di- o- ma_in - glês La- vachão nu- ma ca- sa de chá

D#m7 E(l:) A7MIE


~3----.

J~
3

tJ
"1 !J#Jij 1 i u r •r r r
Tem sa- C-do_ao lu- ar Com um mf- mi-co Am- bi- cio- na_es-tu- dar
F#m6 D m6/F A 6/E D m6 A 7MIC# C~
~ I.

r r r r rr :~
r-- r--3---, 3 3 r-- ,----... 3 3 .

rt ~# ~ E~u f
~ ~ :t•g&t :1~ E; f Ef EfJ
2
r 1CLI
: - - '

Can-to lf - ri- co Não dá mo-le pra po- lí- c ia Se pu-der, vai fi-can-do por lá
Bm7 E 7(#5) qm7(b5) F#7 Dm6
,.---
~ ....---...,

D Ir : F F~ª
3 1.~

F

f ar I
Tem sau-da-de do Ce - a - rá Mas não mui - ta Uns di - as, a - foi - ta
B 7(b5) B~7(9) A 7M F7M(9)
,...---3--.
3 .......----...
I i ~~· F r F F r I D F" r
Me li - ga_a co- brar -É_I-ra- ce- ma da_A-mé ri - ca
/":'\
Bm7 B~7(13) A7M F7M(9) Bm7 A 7M A7M

Copyrightl997 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

121
Songbook O Chico Bunrque

Januária
CHICO BUARQUE

C7M Em7 A7(fJ) Dm7 Bbm6

CI (9)

wmlrnl1m9 I IVD
Am6 Fm6/ Ab . G7(13) E7(b9) A7(13)

C7M I co C7M I I Em7 I A7(~) I Dm7 I Bbm6 I 1


Toda gente home--nagei--a Januária na jane-la Até o mar faz ma-ré chei--a Pra

Am6 I Fm6/Ab I G7(13) I Cl (9) I E7(b9) I A7(13) I


chegar mais per-to de la o pessoal desce na arei--a E batu--<a por aque la

A7(b13) I Dm7(9) I G1cm I C# I co I C7M I


Que, malvada, se pentei--a E não escu--ta quem ape-la Quem madruga sem--pre encon--tra

Em7 I A7(~) I Dm7 I Bbm6 I Am6 I Fm6/Ab I


Januária na jane----:-4a Mesmo o sol quando despon--ta Lo--go apon--ta os la-dos de la -..

G7(13) I Cl (9) I E7(b9) I A7(13) I A7(b13) I Dm7(9)


Ela faz que não dá con---ta De sua gra--ça tão singe--la o pessoal se desapon ta

I G1nD I c~ I I I A7{f3) I I I Dm7 I G7(13) G7(b13) ct ~ ~ ~ C# I I I A1( ~) I I I


Vai pro mar, levanta ve-la

Dm7 I G7(13) G7(b13) C~ ~ C7M .I


Toda gente home-nagei---a ...

C7M co ~ C7M Em7 A 7(b)

I~ i ~ j:a I F r r=IJ j~ Qf 11 DI a:Arfj 13. 1 E5@


To - da gen- te_ho- me - na- gei .. · - a Ja- nu - á- ria na ja- ne la A - té_o
tra Ja- nu - á- ria na ja - ne la Mes- mo_o

122
....-.-·-···- .,... -~-
Songbook O Chico Buarque

D m7 B~ m6 Am6 Fm6/A~
,-.... ......---..., ,-.... .
,...---.._
-
~r ~ I cr
' ' et J~SFtr · !f J Jl
~
F F ~

t J oJ
[ t ~ IE j
mar faz ma ré chei a Pra che - gar mais per - to de la o pes- -.·
sol quan-do des - pon ta Lo - go_a- pon ta_os la - dos de la E- la

soai des- ce na_a - rei a E ba-tu ca por a - que la t Que, mal -


faz que não dá con ta De sua gra ça tão sin - ge la O pes-

·1
I~
A 7(~13)

r- r-iii,. ç •
r--..

~!
..oF~Elê
· D m7(9)

1 [ t file :1 8: I,B.
va - da, se pen - tei a_E não es . - cu ta quem a - pe la Quem ma-
soai se de sa - pon ta Vai pro mar,

dru -
r
ga sem - pre_en - con- le- van- ta vela

c# ~ ..~
1
Dm7 · G 7(13) G 7(1,13)1

I~ aJ 0 I r EE~RJr· I J3JJf a1

Fim
1 fll
To - da
r r r0/J
gen - te_ho- me na - gei -

Copyright 1967 by EDITORA MUSICAL ARLEQUIM LTDA.


Rua Lisboa, 74 - São Paulo, SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

123
Songbook O Chico Buarque

Lola
CHICO BUARQUE

Bb7M/F Bbm6 E7(bl3) F/C Am/C Cm6 D/C

IDE I I E 1 1 I
11 11

Gm7 Ebm6/Gb Bbm6/Db D7(13) D7(bl3) F

F6/A I Bb6 IG7/B I I I


C1 I I / A7/C# I I I Dm7 I I I F/Eb I I
Sabi--a Gosto de você chegar assim Arrancando pági-nas dentro de mim Desde o

I Bb7M/F I I I Bbm6 I I I F6/ A I Bb6 I G7/B I I I C1 I I I A1/c# I I I


primeiro dia Sabia Me apagando fil-mes geniais Rebobinando

Dm7 I I I I Bb7M/F II IE7(b13) I I I F/c I I IAm/c I I I Cm6


o sécu-lo Meus velhos carnavais Minha melancolia Sabia Que você

I I I D/c I I I Gm1 I I I Ebm6/Gb I I I Bbm7/F I I I Bbm6/Db I I I F/ c


ia trazer seus ins---trumen-tos E invadir minha cabe-ça

I I I Am/c II I D7(13) I II D7(b13) I I I Gm1 I I I III I Bbm6/Db I II


On-de um dia tocava u-ma orques-tra Pra companhi--a dançar

Bbm6 I I I F6/ A I Bb6 I G1/B I I I C1 I I I A1/C# I I I Dm7 I I I


Sabi1- --aa Que ia acontecer você, um dia E claro que já não me valeri--a

I Bb7~/F I I I Bbm6 I I I F6/ A I Bb6 I I I I I F6/ A I Bb6 I I I I I F6/ A I


nada Thdo o que eu sabia Um di--a-

Bbm6 I I I I I I I I I F

124
.... ...... - r-·· • .
Songbook O Chico Buarque

· C7 A11CI

jij 1- fJ}11J JJJJJ 1- Js J]


-- ·I
'-../
Sa - bi - a Gos-to de vo - cê che-gar as- sim Ar-ran-can-do

Dm7 F/E~ B~7M/F


,---3 ___...., .---3

!; ~ ~ J J J fJ I ~J :P J 3 lê 3 I p ( 4
pá - gi - nas den - tro de mim Des- de_o pri - mei - ro di - a Sa-

F6/A G7/B C7 A11C# t


.

bi- a
I- f j J
Me_a- pa- gan - do
J Il
til -
Jl a
mes ge - ni - ais
tz±l :N ;J ;J
Re - bo - bi- nan- do_o

I* -J .rJ r
I~& T
Dm7

~J
sé - cu - lo Meus ve - lhos c ar - na -
tJ I i
FIE~

-j

vais Mi- nha me - lan - co - li - a


1-
E 7(~13)

Sa-

F/C Am/C Cm6 D/C

1-
bi- a Quevo-cê . i-a tra-zer seus ins - tru- men -

Gm7 E~m6/G~ B~m7/F F/C


...---3----. ,....,--3--...,
2}%
~~~~ o I- ~ I~J J Urrl
tos E_in- va - dir mi-nha ca- be - ça On- de_um di - a to -

Am/C D 7(13) D7(h3) Gm7


,....,.....-- 3----.

) F F I F' 1- j ) t1 I
ca va_u- ma_or - ques - tra Pra com- pa -

. B~m6/D~ B~m6 F 6/A B~6 G 7/B


30 ,..---3----.

~~ U Jr 1 ..
nhi a dan - çar Sa - bi - a Que i - a_a- con- te .-

C7 A 7/C# D m7 F/E~
~ ,--3 ~ .---3-----.

~' ' j
cer
J J J J J J I~· J'lp i] I J J J J J J l.&l J :F3 J Jl
vo-cê,
'-../
um di- a E ela- r() que já não me va - le - ri - a na:. da Tu- do_o que_eu sa -

125
Songbook O Chico Buarque
...
...
nbm6

- ,. 1..

J1 I J
F6/A
l
nb6

Jl....._,J
nb6

I
F6/A

-
Bb6

~
Um di a ....
bi- a

F6/A nbm6 nbm6 F

- I - - - ~

..

Copyright 1987 by MAROLA EDIÇOES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506- Rio de Janeiro, RJ- Brasil. Todos os direitos rese~dos.

126
--.·---- ~-
Songbook O Chico Buarque

Meu refrão
CHICO BUARQUE

Àm7 · Dm7 G7 Cl (9) C7(9) F6 Bm7(b5)

IIHIIIII

Arn7 I Dm7 I G1 I Cl (9) I C7(9) I F6 I Bm7(b5) E7 Am7


~m can-ta comigo Canta o meu refrão Meu melhor ami-go É meu vi Jão

~D7{9) Gm7 C7(9) F6 I Dm7(b5) E7 Am7 I c/Bb I F6/A I E7/G# I


Meu melhor ami-go É meu vi lão Já chorei senti---do De desi lusão

Arn/G I Dm6/F 1 Am7/E I B7/D# I E/DI C7(9) I F6 I Bm7(b5)


Hoje estou cresci do Já não cho---ro não Já brinquei de bo-la Já soltei

t7 Am7 I Dm6/F I D7/F# I I I E7 I Am1 I


11el.to Mas ti-ve que fugir da esco---la Pra aprender essa lição Quem can-ta

Dm7 I G1 I Cl (9) I C7(9) I F6 I Dm7(b5) E7 Am7 D7(9) Gm7


tlllmigo Canta o meu refrão Meu melhor ami-go É meu vi lão Meu melhor
t'1{9) Am7 I c/Db I F6/A E7/G# I Am/G I
F6 I Dm7(b5) E7 I
ntni-go É meu vi lão o refrão que eu fa--ço É pra você saber

I C7(9) I F6 I
não vou dar bra ço Pra ninguém torcer Deixa de feiti-ço Que eu não

Am7 I I I I E7 I Am1
Pois eu · sou sem com-promis--so Sem relógio e sem patrão Quem
I Dm7 I G1 Cl (9) I C7(9) I
I F6 I Bm7(b5) E7 Am7 D7(9)
111 Meu melhor
comigo Canta o meu refrão ami-go É meu v i - -- -olão Meu
c
~~~7 C7(9) .F6 I Dm7(b5) E7 Am7 I I
amt-go É meu vi lão Eu nasci sem sor- -te Moro num bar- -raco
..,
_f
127
Songbook O Chico Buarque

r
I I I I C7(9) I F6 I r
Mas meu san.----'tO é for"--'---te E o samba é meu fra---co No meu sam--ba eu di-go o

Bm7(b5) E7 Am7 I F6 I I I E7 I Am1 I


que é de co---]ração Mas quem canta comi--go Canta o meu refrão Quem can-ta

Dm7 I G1 I Cl (9) t t C7(9) I F6 I Bm7(b5) E7 Am7 D7(9) Gm7 C7(9)


r
comigo Canta o meu refrão Meu melhor ami-go É meu vi lão . Meu melhor t"
r
F6 I Bm7(b5) E7 · Am7 D7(9) Gm7 C7(9) F6 I Bm7(b5) E7 Am7 D7(9) Gm7 C7(9)
ami-go É meu vi lão Meu melhor ami-go É meu vi----<llão r
t
F6 I E7 I Am# I I I I
l

Meu refrão
Am7 Dm7 G7

• -'.1
F='

I~ i [ j
I
J ) I J. j
\,._./
J l

Quem can - ta co - mi · - go Can - ta_o meu re - frão Meu me-


1

C7(9} F6 Bm7(~5) E7 Am7 D7(9)

lhor a -
)j[f).
mi go
J J IJ
É meu
.
vi -
!
....______..... J J lg
lf
if o Iãõ---"
i/.
#J
Meu
F
aI
me-

Gm7 C7(9) F6 Bm7(~5) E7 -$- Am7


i="
'rj j ]
•i J lt_JJ#o j J
lhor a- mi go É meu vi - Já cho-
o re -
CIB~! F6/A E71G# Am/G

2 IJ J]J )J) j J j j
rei sen - ti do De de - si lu - são Ho - je_es -
f rão que_eu fa ço_É pra vo - cê sa - ber Que_eu não

Dm6/F Am7/E D71D# E/D


e
J ] I r--- ~j #J
'·~
,~,
fJ•r j..... I~
EJ d
j ;J
r=
tou cres ci do Já não cho ro não
1
ô{
Já brin-
vou dar bra ço Pra nin - guém tor cer Dei - xa

128
~'""'---
Songbook O Chico Buarque

C7(9) F6 B m7(~5) E7 Am7


~

f!
-?

r r j ) I __,. J.
• '-..._../
J J IJ ,J. 4 I/.t J J J tJ
quei de bo la Já sol - tei ba lão Mas ti - ve que
de fei - ti ço Que_eu não mu do não Pois eu sou

Dm6/F B71FI E7
.
J J ttJl. y r-J I i #J ,J J ?df
D.C.
112 llezes
e-$-
fu - gir da_es- co la Pra_a- pren - der es - sa li -
ção
sem com - pro- mis so Sem re -
16- gio_e sem pa - trilo

-$- Am7 CIB~ F6/A E7!GI

J J 11 J'------"""f J ]J2Jjfl~; J
.

J J'------"""i ,J Ju
Eu nas ci sem sor te Mo - ro num bar - ra -

Am/G Dm6/F Am7/E B71D#

gg I • 'a
r
~ :::.,

r !ltJ· L1
.....-- ;s
~-jíj
#J
'
'

co Mas meu san to_6 - for te_E_o sam - ba


'
f" :!
é meu fra -

E/D C7(9) F6 Bm7(~5) E7


F:"
"~ J ]....____..,.• J. 2- I
;r __,.
tt~· E1 IF
?
"::!"
• •~ J IJ ,J.
co No meu sam ba_eu di go o que_é de co ra çllo

Am7 F6 B71FI E7
,..
J J ICtr:JEIB· li
Mas quem can - ta co-mi-go Can- ta_o meu re - frão

Am7 Dm7

f& - ,..- ~ ) I J. j
tJ C: ]' 'M J
'-...../
Quem can - ta co - mi - go Can - ta_o meu re - frão Meu me -

C7(9) F6 Bm7(~5) E7 Am7 D7(9)

;;r lhor a -
lJjfl. J J I J
mi go É meu vi
'------"""
J=-
#Jo -
J
.
lão
'-.__-/
I
J y
#J
Meu
F'
)
me -

129
Songbook O Chico Buarque

Gm7 C7(9) F6 n m7(~5 ) E7 Am7 D7(9) ....


F
I5~ J Ji]j!J. 1,

J J I j...._____....~=- JI J j ~
;r
(
F'

I #Jo ftJ
lh~r a - mi go É meu vi - lã~ Meu me -
n m7(~5)

un
Gm7 C 7(9) F6 E7 Arn7 D7(9)

f! r -J" j J J IJ -.- J
~
J - J lJ ~
lhor a - mi go meu
------· #o
vi - lã~

11

...

Copyright 1966 by EDITORA MUSICAL ARLEQUIM LTDA.


Rua Lisboa, 74 - Sllo Paulo, SP- Brasil. Todos os direitos reservados.

130
..... --·-··
.,..., ~-··------ -
Songbook O Chico Buarque

Mil perdões
CHICO BUARQUE

C#7 C..# FiM/c Fi/c Db7M A7/ctt Gm7 C7(9)

I I E "I HW I
l ii I
l '. !
• I;
I• . I

Clt7(bl3) F#tm7 Clt7(b9} G#t7/BI#

VE
Amõ -c E7M/B D#t7/A#t Clt7 C7l\I E7M

n~
Gm» D7~I D7(9} G7l\I Dm6 Dbm6

..::.l: I A1(~ I D~ I A1(#SJ I D~ I A1(#5) I D~ I A7(#5) I

A - :*5) I Am/c I D/c I G/B I F#/ A# I Bm J


F-::r :::azeres mil pergun--tas Que em vidas que andam juntas Ninguém faz
Dnr A I C#7/G# I F7M/c I F7/c I Bb7M I A7/C# I
~dôo Por pedires perdão Por me amares demais Te

I .Am/ c I D/c IG/B I F#/A# I Bm 1 Gm6/Bb J


Te ~.;35o por liga--res Pra todos os lugares De onde eu vim

.A. • C#7/ t::r#/ mi/c I F7/c I Gm7 I C7(9) I B7 I F#m1/C#


Por ergueres a mão Por bateres em mim Te perdôo

:s- "D# C#7(b13) I F#m7 I C#7(b9) I F#m1/C# I G#7/B# I


~ instan =te de sair E rodar exuberan---te E me perder

131
Songbook O Chico Buarque ·

C#m I Am6/c I C#7 I C1MI


de ti Te perdôo Por quereres me ver Aprenden--do a mentir Te

E7M I Dm6 I I B7 I Gm6 I Gm6/Bb I D7M I F#1/C# I


perdôo Por contares minhas horas Nas minhas demoras por aí - Te

Am6/c I D7(9) I G7M I Gm6 I Bm6 I Bbm6 I mI


perdôo Te perdôo por que choras Quando eu cheiro de rir Te perdôo Por te trair

A7(#5) I Dt I A7(#5) I D~ I A7(#5) I Am/c I D/c I G/B I


Te perdôo Por fazeres mil pergun--tas Que em vidas que andam

Bm I Gm6/Bb I F7/c I Bb7M


juntas Ninguém faz Te perdôo Por pedires perdão Por me

I A1/c# I D~ I A7(#5) I Am/c I D/c I G/B I F#/ A# 1


amares demais Te perdôo Te perdôo por liga--res Pra todos os lugares De

Bm I Gm6/Bb I . F7/c I Gm7 I


onde eu vim Te perdôo Por ergueres a mão Por bateres em

.C7(9) I B7 I F#m1/C# no B7/D# I C#7(bl3) I F#m7 I C#7(b9) I F#m1/C#


mim Te perdôo Quando anseio pelo instan te de sair E rodar

I C#m I Am6/c I. C#7 I


exuberan---·te E me perder de ti Te perdôo Por quereres me ver te

C7M I E7M I Dm6 I I B7 I Gm6 I Gm6/Bb I t


mentir te mentir Te perdôo Por contares minhas horas Nas minhas demoras
f
D7M I F#1/C# I Am6/c 1 D7(9) I G7M I Gm6 1Bm6 I
por aí Te perdôo Te perdôo por que choras Quando eu choro de rir Te perdôo

Bbm6 I ne I A7(#5) .f D3 I A7(#5) I D3 I A7(#5) I D~


Por te trair

Mil perdões
}O D~ A 7(15) D~ A 7(15)

I~ '• 'i - .- - -· ~· Sf JjJ I


Te per-

% D~ A 7(ft5) Am/C D/C

i~ h F §tbl
dô o Por fa - ze - res mil per - gun tas
GIB F#JA# Bm G m6/B~

J j
J>J J
'--"'
J IJ
Que_em vi - das que_an- dam jun - tas Nin-guém faz Te per -

132
;
Songbook O Chico Buarque

D7M/A F7M/C F71C

1 [JJ IJ~ 4 J J 4 ~
J
dô - o'---"' Por pe - di res per - dão

A71C# n3 A 7(15)

J... ~
J J uJ I ijr 9{[). ~·

Por me_a- ma- res de- mais Te per - dô - o Te per -

Am/C D/C GIB F~A#


t
.
'!#
t # f J J J J 1 )'
'----"" '----""
r
r --....

r· 11 H fJJ~J ~) J 3I
dô " o por li - ga - res Pra to- dos os lu - ga - res De_on- de_eu

Bm G m61B~ D7M/A C#71G#

'!i
I B
J
vim
r j

Te
F

~ J IJ
per dô
~. j
(jJ
Por er -
F7M/C F7/C Gm7 C7(9)

I'~i B J $ J J 4- J r·
;> .

~
'
/ /

j
em mim
=€ t F
Te per -
gue - res a mão Por ba - te - res

B7 I F#m7/C# Do B 7/D# C #7(~13)

4[ ). r j
g I E 1F f ~D 94 :J f .J 1J 1J I
dô - o Quan- do_an - sei - o pe- lo_ins - tan te de sa -

F#m7 C#7(~9) F #m71C#

~~ # j t • ~· j

ir E ro - dar e - xu - be - ran te_E me per - der

Am6/C E7MJB

....._.....,
~. J •r f
de ti Te _per - dô - o'---"' Por que -
Bm6/D C#7 C7M B71D#

~r H r?f· 3 r· =J
.......-

E
re - res me ver A pren - den do_a men - tir Te per -
Te men - tir te men - tir Te per -

133
Song_book O Chico Buarque

E7M Dm6 Am6/C B7

i
r ~D J ~
Por con - ta - res mi - nhas ho
qJ·
ras
dô - o
Gm6 Gm6/ll~ D7M F~7/C~

J Jd g J J IJ *. i J
Nas mi - nhas de - mo - . ras'---"' por a - í Te per •

Am6/C D7(9) G7M Gm6


,...
i •I J E r J •1~- i J 1 J J J ~r· ~
dô - o Te per- dô - o por que cho- ras Quan-do_eu cho - ro de rir

Bm6 B~m6 A 7(#5) A 7(#5)

'I 'V J J JqJ.


#li-
J -· -·
Te per- dô- o Por te tra - ir Te per-

-$- n: A 7(15)

i'~~ J. -· li

Copyright 1983 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 135/1506 ·Rio de Janeiro, RI- Brasil. Todos os direitos reservados.

if-----·--
_- ·•'
Songbook O Chico Buarque

Moto-contínuo
EDU LOBO E CHICO BUARQUE

Am6 Gl"(b13) Gb7 E7 _ Ab7M/Eb Dm7{N)

F7M(9) Gl(/3 ) Dm6 Am/c Dm6 Em/G FI~

~~ ~~9vnlln9n9"fl
F#7 Dm# /F El F#m7 D7(b9) Em7 Eb7M

nii I "I
D7M D6 C#m7
~~
C7M
[I vul ~ ~
C6 Dl

Introdução: Am6 I G#O(b13) I C7M/G I Gb7 I Dm/ F I E1 I Ab7M/ Eb I Dm7nf> I F7M(9) I Gl {l3 ) I

Am6 Bm6 Am/ c Bm6 Am6 Bm6 Am/c Bm6 Am6


Um homem pode ir ao fun do do fun-do do fun-do se for por você Um

Bm6 Am/c Bm6 Am6 Bm6 Am/c I Dm6 Am/c


homem pode tapar os bura-cos do mun-do se for por você Pode inventar qualquer

Bm6 Am6 EnyG I F#l F#7 Dm~/F I El E7 Am6


mun--do, como um vagabun--do se for por você Basta sonhar com você

Bm6 Am/c Bm6 Am6 Bm6 Am/c Bm6 Am6 Bm6


Juntar 0 suco dos so nhos e encher um açu-de se for por você A fonte da

Am/c Bm6 Am6 Bm6 Am/c I Dm6 Am/c Bm6


juventu---de corren-do nas bi-cas se for por você Bocas passando saú-de com

135
Songbook O Chico Buarque

Am6 I F#l F#7 F#m7 B7(b9) Em7 I Eb7M I


bei--jos nas bo---cas se for por você Homem também pode amar e abraçar

D7M I D6 I C#m1 I C7M C6 Bl I I I Drn6/F


e afagar seu ofí--cio porque Vai habitar o edifí--cio que faz pra você E no aconchego

I El E7 Cm6/Eb I I I Dl I D7 I
da pele na pele, da carne na carne, entender Que homem foi feito direito, do jeito que é feito

B/D# B/A G#m7 E7(bl3) Am6 Bm6 Bm6 Am6 Brn6


o prazer Homem constrói sete usi--nas usan--do a energi--a que vem

Am/c Bm6 Am6 Bm6 . Bm6 Am6 Bm6 Am/C/


de você Homem conduz a alegri--a que sai das turbi-nas de volta a você

Dm6 Am/ C Bm6 Am6 Em/ G I F#l F#7 F#m7 B7(b9) Em7 I Eb7M I
E cria o moto-contí-nuo da noi--te pro di--a se for por você

D7M I D6 I C#m1 I C7M I Bl 111 Dm6/F I El E7


E quando um homem já está de partida, da curva da vida ele ve

Cm6/Eb I I I Dl I D7 I B/D# B/ A G#m7 E7(b13) Am6


Que o seu caminho não foi um caminho sozinho porque Sabe

Bm6 Am/c Bm6 Am6 Bm6 Am/c Bm6 Am6


que um homem vai fun do e vai fun--do e vai fun--do se for por você Sabe que

Bm6 Bm6 Am6 Bm6 Am/c Bm6


um homem vai fun--_,do e vai fun--do e vai fun--do se for por você

Moto contínuo
G~7
~
Am6 G#~(~13) C7M/G Dm/F
I
I ~E kc!f-ttkr IF
E7 Dm7(~D F7M(9) G~(f3)
3
,r F FJ. IF r J
~ Am6 Bm6 Arn/C Bm6 Am6 Bm6 Arn/C Bm6

'-.-/
'\.../ '--"
Um ho- mem po- de_ir ao fun - do do fun - do do fun - do se for por vo- cê
Jun - tar o su - co dos so - nhos e_en- cher um a - çu - de se for por vo- cê
Ho- mem cons- trói se - te_u - si - nas u - san - do_a_e- ner- gi a que vem de vo- cê

136
""'-.·-- .. ~----
Songbook O Chico Buarque

Am6 Bm6 Am/C Bm6 Am6 Bm6 Am/C

I·~ i{ JJ JJ J J ~IJJJJJ5J j '----""I ;J 3 J J J j I J


'--../ \,.../
'-......./
Um ho - mem po - de ta - par os bu - ra - cos do mun - do se for por vo-cê
A fon - te da ju - ven - tu - de cor- ren - do nas bi cas se for por vo-cê
Ho- mem con - duz a_a - le - gri - a que sai das tur- bi nas de vol- ta_a vo- cê

Dm6 Arn/C Bm6 Am6 Em/G

Dm~ El E7 F7 B7(~9)

2~
3
I== 1 IJ
j....____.... - li
qi 41 J J J
Bas - ta so- nhar com vo - cê
Em7 D7M D6

J
Ho-mem tam-bém po- de_a- mar e_a- bra- çar e_a- fa- gar seu o- fí - cio por- que

C~m7 C7M C6 B~

~ q JJ J J J ; J IJ J
Vai ha - bi : tar o_e- di - fí
'-._.../
w
cio que faz
J"-"r~
pra vo- ce:::-'
I~
E no_a- con -

Dm6/F El E7 Cm6!Eb

t& J J J j J J J J lj
t.J J J JJJ J ~..____.,
IJ -
che-go da pe - le na pe - le, da car- ne na car- ne,_en- ten - der

D~ D7 B/D~ B/A G~m7 E7(~13)

~t)~J~~~~~~~~~~~~~IIAe~
~~ JJJfJ;jiJJJQJ JJJ IJ -v
Que_h~mem foi fei-to di- rei- to, do jei-to que_~ fei- to_o pra- ze~

F~m7 B 7(~9) Em7 D7M

137
Songbook O Chico Buarque

D6 C#m7 C7M
....-3 --. 3 3
4S~
I(2 J 17 BJ JJIJ. j JJ)I J J
E
J ~]§
quan- do_um

Dm6/F E~ E7 Cm6/Eb

56 J ~
J JJ J J o Ij J aI J
,
""
I @.) J J J ~ JJ
:::-----'
ho- mem já_es- tá de par - ti - da, da cur-va da vi- da_e- Je ve

D~ D7 BID# B/A G#m7 E7(~13)

56 -
I @.) J J J JJ
Que_o seu ca- mi- nho não foi
J J J
um
I
J J J JJ J
ca- mi - nho so - zi - nho por-que
-...___...;

Am6 Bm6 Am/C B m6 Am6 Bm6


61 1'1

@.) -.....__ f..-7 - '--"


.. ~ _./ ...... ... .. .. . ~
Sa- be que_um ho- mem vai fun do_e vai fun - do_e vai f~~ - do se for por VO-Cê

" ""
@.)
'----"" '--" '----""
......._, - • ...
'-..,...
....
Sa- be que_um ho- mem vai fun do_e vai fun - do_e vai fun do_e vai fun - do_e vai fun - ""

Am/C B m6 Am6 Bm6 Am/C B m6


64 (\ )

@]v - - -.....__ :.,....-· ~


.. ~
f~;;-:--
Sa - be que_um ho- mem vai fun - do_e vai fun - do_e vai
1'1

@.)
v
...... ... . . .
do se for por vo- cê
~
' ....__
Sa - be que_um ho- mem vai fun -

I
Am6 B m6 Am/C B m6
67 1'1 \

...
do
...•
se
..
for por

do_e vai fun


"--"
do_e vai
• ...'-----""-......do
fun
... .. ..
se for por vo - cê
.. '-1/

Copyright 1981 by LOBO MUSIC PRODUÇÚES ARTÍSTICAS LTDA.


Avenida Rui Barbosa, 30011501- Rio de Janeiro, RJ- Brasil. Todos os direitos reservados.
Copyright 1981 by MAROLA EDIÇÚES MUSICAIS LTDA.
Avenida Ataulfo de Paiva, 13511506- Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

138
Songbook O Chico Buarque

Novo amor
CHICO BUARQUE

Bb7M D7/ A Fm6/ Ab G7(b13) Gm6 Bl (9) Ebm# Bb6

llllllllll fi [I 1··1 I Cm7(9) F7(13) Dm7(9) G7(13) Cm(7M)


Abm6/Cb

Cm7 Cm6 . Cm(b6) Am7(b5) Gm7 Ab6

G7 Ebm6/Gb F7 D7/F# Bb/ Ab Eb7M C7/E

B111Jifltll
Introdução: Bb7M I D7/ A I Fm6/ Ab I G7(b13) I Gm6 I B~ (9) I Bb7M I Ebm~ I

Bb6 I Abm6/Cb 1 Cm7(9) I F7(13) I Bb7M/D 1 A7/C# I Dm7(9)


Eu sei, ai eu sei Que brilha um novo amor nos lhO$ seus

I G7(13) I Cm(7M) I Cm7 I Cm6 ·I Cm(b6) I


O olhar de uma mulher faz pou o até de Deus Mas não engana uma outra

Am7(b5) I D7/A I Gm7 I D7(b9) I Gm7 I I I F7/A I I/


mulher Eu sei, ai eu sei Que esse seu novo amor lhe quer também tão

Ab6 I I I G7(13) I G7(b13) I G7 I I I


bem Que até comove aque--le olhar que um hto----mem tem Quando ele pensa que

Ebm6/Gb 1 F7 I Bb6 I Abm6/Cb 1 Cm7(9) I F7(13) I


sabe 0 que quer Porém, ai porém Visto que a vida gos--ta de uns

I! Bb/Ab I I I Eb7M I I I I
ardis No dia em que ao seu la--do ele sonhar feliz, feliz, feliz assim Feche então

I Fm6/Ab I I/ G7 I I I Gm6 I I I Ebm6/Gb


seus o - -- -lhos, por favor E pode estar certa que o seu no--vo amor

139
Songbook O Chico Buarque

I F7(13) I Bb6 I Abm6/Cb I Cm7(9) I F7(13) I Bb6 I Abm6/ Cb I


Resolveu voltar pra mim Ai de mim Ai de mim Ai Eu sei

Cm7(9) I F7(13) I Bb7M/ D I A7/C# I Dm7(9)


Que brilha um novo . amor nos o----~lhos seus ...

NoYo amor
B~7M D7/A F m6/A~ G 7(~13) Gm6 B ~(9) B~71\1
3 .

1~ ~ ' t J B J I(:-fE jiLi:J OI d,_} J1~J


1
I nJ lj ~

- . I [F([f~
F7(13)

y ( cd
Eu sei, ai eu sei Que bri-lha_um no- vo_a- mor nos ·o -

A 7/C# D m7(9) G7(13) Cm(7M)

lhos seus O_o-lhar

Cm7 Cm6 C m(~6) A m7(~ 5 ) D7/A

l qr ~rc r i
de Deus Mas não en- ga- na_u- ma_ou- tra mu- lhe r Eu

Gm7 D7(~9) Gm7 F7/A


,..---.... ,..----...,_ r
2~ I .....---...,
-I@~ , f t :1 1f tr :12ft
sei, 1
-t r--.. ~

ai eu sei
y ,;== J j I
Que_es- se seu
~ t E
no- vo_a - mor
-
J If [ r j ~
~lhe quer tam-bém
~

G7(13) G7(~13)
,..---.... ,..--..._ ~,..---.... r

F r J r rFf 1 IF rF f~
tão bem · Que_a- té co - mo- ve_a- que- le_o- lhar que_um ho mem tem

E~m6/G~ F7

:t 6 r;
Quan- do_e- !e
1 '
pen-sa
r F f /lf
que sa- be_o que quer Po - rém, ai
r
r-
r
......
~·"":­
Songbook O Chico Buarque

Abm6/Ó Cm7(9) F7(13) D 71F#


/'"\ ,----.... r---..

~~ 1' f tE:11 r 1rfr lbr r r tlf-'M~I:"""''"'J--:14tr


po-rém Vis - to que_a vi - da gos - ta de_uns ar- dis No

j q·~
l ;J I
di- a_em que_ao seu la - do_ele so-nhar fe>liz, fe>liz; fe-liz as- sim Fo-che_en

~ F m6/Ab G7
4~ 1 ,._ ~ r. ~ ~ ·,..---..,..~'~,..--....e ~ ,..---..,.. • ~.

! @~' cf+ Er::t lê QrJIF EF;Tr:( r :; 1 ccJ EF:fl


tão vo-cê seus o lhos, por fa-vor E po-de_es- tar cer-ta que_o .seu no -

Gm6 Ebm6/Gb F 7(13) Bb6

Jj
vo_a- mor *
I
*
c~
;;;J
Re- sol

- veu
É ~nfJ
;:::::{
vol-tar pra
lar
mim

C m7(9)

Ai de mim Ai de mim Ai eu sei

• F7(13) Bb6

!; ~'' pLJ ht li
Ai de mim

Copyright 1982 by MAROLA EDIÇÚES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paivn, 135/1506- Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservndo_s.

141
. Songbook O ChicoBuarque

O último blues
CHICO BUARQUE

G7M F7 Bb7M Bb7 Eb7M Ebm6 Db•

1
Cm7

llle Nl m 1 1 D7(b9) Gm7 Em7

·m~·l
A7 Am7(b5)

·1
D7M

F7('/) D7/FI Gm6 Am6 Bb6 G6 F#m6

m1 a N
a ·m m a
E7(9) Eb7M(9) D7(#9) Bb7(13) D7 F6 F#6

G7M I F7 I Bb7M I Bb7 I Eb7M I Ebm6 I Bb/D I Db0 I


Essa m~ina que você seduz E um dia depois Sem mais nem mais, esquece

Cm7 I D7(b9) I Gm7 I I I Em7 I A7 I Am7(b5) I D7(b9) I G1M I


Ela, no fundo, é u-ma atriz Quando beija a sua boca E nada acontece Essa

F7 I Bb7M I Bb7 I Eb7M I Ebm6 I Bb/D I Db0 I Cm1 I


menina que você seduz Agora é uma atriz Saída de outra peça Chamada

D7(b9) I Gm7 I I I Em7 I A1 I D7M I F1('i) I Bb7M I F7('i) I


"Doces Ardis... " Quando beija a sua boca Ela começa a fraquejar Por onde anda a sua mão

Bb7M I D7/F# I Gm6 I Am61 Bb6IA~ I F#m6 I Em6 I


Você só quer se aproveitar E ela deli- - r a Rodopiando no salão Os dois
F#m6 · 1 G6 I F#m6 I Em6 I D7(#5) I G7M I F'l__ I Bb7M I Bb7 I -'
parecem um casal Mas é menti- - ra Essa menin p~e ir pro Japão Na

142 - --· . -
Songbook O Chico Buarque

Jlf"l I Ebm6 I Db/JJ I Db0 I Cm7 I D7(b9) I Gm7 I I I Em7 I


~yJ6.1 real V"'-.~ é quem enlouquece Apaga a últi- -ma luz E nos cantos do seu

I Dm7 G7(b9) Cm7 .'K-,..'b9) Bb7M Bb° F#O E7(9) Eb7M(9) I D7(b9) I Gm7 I
A figura dela · ,.·~.v--rescc Ao som do últi-mo blues Na Rádio Cabeça Se puder

Jb7(1 3) I Eb7M(9)
meni: _ _ D7 I F6 F#6 G6 t
~ A :,rue você seduz

G 7.\1 F7

Es - sa ~- ni - na que vo- cê se duz E_um


Es- sa vo- cê
""<.! - ni - na que se duz A -
E~nt 0
E~m6 nbm Db

--I•• r "f c~
;J r f r F
di - a de - poi~ Sem mais nem mais, es - que ce
10 - ra_é_u- ma_a - triz Sa - f - da de_ou- tra pe ça
Cm7
Gm7

I
r· *. "f
( !*-
;;;l

E - la, no f~.: ~ _
dCJ,_é_u - ma_a triz Quan- do
Cha - ma - da "L'. _ dis..."
ccs Ar Quan- do

l 1 m7(~S)

~
A7 D 7(~9)
r---. .
vf I* D c9r ;J
,. J f)•
ja_a su -
- ja_;r bo ca E na -·da_a- con - te ce
su - ca
bo

- ·:s)
9 .

E - la
?'-a fra que - jar Por on - de an da_a su - a mão

Gm6 Am6

& J r·
\~- cê
?j
~-a-
E ~ · f,,

pro- vei - tar


<

'r· j J
E_e- la de. - li
7
'
F ~f]
ra

143
. Songbook O Chico Buarque

Am6 G6 F#m6 Em6 F#m6

-· I( f :f I; ~p f~f FjF' 9t r 1r 1t ~P r~r ~


Ro- do- pi- an - do no sa- Hio Os dois pa - re - cem um ca-sal

G6 F#m6 Em6 D7(l5) G7M F7

~~&I' r· sr r J
í"\
~
#r~r
,---..._

D I F' -· li r tdF trj('c- f!~


Mas é men- ti ra Es-sa me~ ni-na po de_ir pro

Bb7M Bb7 Eb7M Ebm6


,---..._ ,.----.._ . ...----
~~ &lz r P r r D IF r F F' F'
*' ~
Ja pão * Na vi - da re - ai

Bb!D Cm7 D 7(~9)

F f F F c r1 e r
Vo-cê é quem_en-lou - que - ce A - pa - ga_a \11 ti ma
r
Gm7 Em7 A7

luz
*' E nos can - tos do seu quar - to
r

0
Dm7 G7(~9) Cm7 F7(~9) Bb7M Bb F#o E7(9)
9 r- r
p Dr. pr p pIJ 9 f º~r pI I
r p Dr D
A fi- gu - ra de - la f os - fo - res - ce_Ao som do úl - ti- mo blues

Eb]M(9) D 7(19) Gm7 Bb7(13)

' ' ~>~. "r lzp ~c r c r 1ff I* lc: rJ E f--t" J


Na Rá- dio Ca- be ça Se pu - der es - que - ça

p J LJ. ~·
Eb7M(9) D7 F6 F#6 G6

i~ l>lz '1 J) F pvr p9r -·


A me- ni - na que vo ~ cê se - duz

Copyright 1985 by MAROLA EDIÇOES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, 13511506- Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

144
Songbook O Chico B~~~~~q~~e

O circo místico
EDU LOBO E CHICO BUARQUE

li "B 1 1 VIl IVm Na 1


FII7M Fl#m7{9) B~ {b9) B7{b9) Dl#m7{b5) G#7{13) G#7{b13) Cl#m/B

Al#m7{b5) Dll7(b9) GII7M G#6 Gm7{b5) C7{b9) F7M

F6 Bm7{9) E7{b9) A7M A7M{9)/E F7M{9)/E E

llll'vlll
Introdução: E7M(9) I I A7M(9) I I E1M(9) I I A7M(9) I I

E7M(9) I I A7M(9) I I E1M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I


Não Não sei se é um tru---<)ue banal Se um invisí--vel cordão Sustenta a vi--da

I C7M(9)/E I I I I I Em/D I I I I I C#0(7M) I I I I I Em7(11) I I


re-ill Cordas de uma orques--tra Sombras de um artis----ta Palcos de um plane---ta

I D7M(9) I I Al (b9) I I D7M(9) I I C#m7(9) I F#7(bl3) Bm7 I


E as dançarinas no grande final Chove tan--ta flor Que, sem re-fle:---tir

Bm/ A G#m7(9) C#7(b9) I F#7M I I F#m7(9) I Bl (b9) E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I
Um ardo-roso espec--tador - Vira coli~ri

E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I


Qual Não sei se é no--va i-lusão Se após o

145
Songbook O Chico Buarquc . A televisão

A7M(9) I I C7M(9)/E I I I I I Em/D I I I I I


A7M(9) I I E7M(9) I I
Existe outra encarna-ção Membros de um elen-eo Malas de um
sal--to mortal

C#"(7M) I I I I I Em7(11) I I A7/E I I Eb7( 1~ 1 ) I I D7M(9) I I Al (b9)


Partes de uma orques---tra Duas meninas no imenso vagão Negro
desti--no

li D7M(9) I I C#m7(9) I F#7(b13) Bm7 I Bm/ A G#m7(9) C#7(b9) I F#7M I I F#m7(9)


re--fletor Flores de organ--di E o grito do homem vo ador Ao

Bl(b9) I I B7(b9) I E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I D#m7(bS) I I


cair em si

G#7(13) I G#7(bl3) C#m7(9) I I C#m/n I I A#m7(b5) I I D#7(b9) I I G#7M I I G#6 I I Gm7(b5) I I

C7(b9) I I F7M I I F6 I I Bm7(9) I I E7(b9) I I A7M I I m(b9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I


Não sei se é vi--da

E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I E7M(9) I I A7M(9) I I I C7M(9)/E I I


real Um invisí--vel cor-dão Após o sal--to mortal

A7M(9)/E I I F7M(9)/E I I E

O circo místico
E 7M(9) A 7M(9) E 7M(9) A 7M(9)
j ~ (violão) _,. _,.

1*-~~ ~ " Jl A U 1". )lU U I~ Jl tJ U 1". )lU U 1


r· r r· r
~ E7M(9) A 7M(9) E7M(9) A 7M(9)

I*~~~~ r J; f9 IF f" D I r· J; J9 I F F" pI


Não Não sei se_é_um tru - que ba - nal Se_um in - vi - sí - vel cor -
o,ual Não sei se_é no - va_i - lu - são Se_a- pós o sal - to mor- r
E7M(9) A 7M(9) C7M(9)/E

i*~~~~ r· )) J9 I F r r I
~~·
I r E j- ~J 3 ~
"
dão Sus - ten - ta_a vi - da re al Cor - das de_u - ma_or -
tal E - xis- te_ou - tra_en - car - na - ção Mem-bros de_um e -

ques - tra
U[j
Som - bras de_um ar tis ta Pai - cos de_um pia -
len - co Ma - las de_um des - ti - no Par - tes de_u - ma_or -

146
Songbook O Chico Buarque

Em7(11) A 7/E E~7(1ft)


..--...... D7M(9)
~

1~ ~~~~ J r 1
r 9
P E2 1 1C J tlr 't 1 I r·
1

ne - ta E_as dan - ça - ri - nas no gran - de fi - nal


ques - tra Du - as me - ni - nas no_i- men - so va - gllo

D7M(9) C#m7(9) F#7(~13) Bm7 Bm/A

I ( j
~
F F I ijr p E~
J
Cho- ve tan - ta flor Que, sem re - fie ti r Um ar - do -
Ne- gro re - fie - tor Fio - res de_or - gan di E·o gri - to
f
G#m7(9) C#7(~9) F#7M -$- F#m7(9) B~(~9) E7M(9) A7M(9)

I fQ- w 91] I { r r I r
f F
ro - so_ex - pec - ta - dor Vi-ra co- li - bri
do_ho- mem vo - a - dor

-$- F#m7(9) n ~(~9) n ~(~9) n 7(~9) I E7M(9) A 7M(9) E7M(9) A 7M(9)

~~ft~. n 9( I'r J I r·-= tr· - - li


Ao ca - ir em si

E7M(9) A 7M(9) D#m7(~5) G#7(13) G#7(~13) C#m7(9)

l*
~ j ft #!~ J. Jl A I J J
C#miB A#m7(~5) D#7(~9) G#7M G#6 G m7(~5)

~ ft 1 J
11
F r IF' lp OI F "F L I #f
10
"df I·r 1F F 11f'
C7(~9) F7M F6 Bm7(9) E7~9)
1
~ 1111 1F 9F 1E I f' 9p lU I 9EJ dr df I #f 6ÚF I E) Ê 1F
147
Songbook O Chico Bunrque

A7M E7M(9) A 7M(9) E7M(9)


.J.
F
11 *' Pu
Não sei se_é
Irvi - da re - ai Um in- vi .

A 7M(9) E7M(9) A 7M(9) ~----A 7M(9)


E7M(9)

p Ir
--- r f
F I r· h fJ I r r· 1

sf - vel cor - dão -


A- pós o sal to mor - tal

Copyright 1983 by LOBO MUSIC PRODUÇÕES ART(STICAS LTDA.


Avenida Rui Barbosa, 300/1501 - Rio de Janeiro, RJ- Brasil. Todos os direitos reservados.
Copyright 1983 by MAROLA EDIÇÓES MUSICAIS LTOA.
Avenida Ataulfo de Paiva. 13511506 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

148
Songbook O Chico BWII'que

O meu amor
CHICO BUARQUE

El(9) E7(9) CII7/Gtl FI7M Bm6/D F#7/CII

111 R lllll
C7(9) Bm7 A7M(6) A7(13) Am6 Gm6

F#m I I I C#7/E# I I I A7/~ I I I D7(9) I I I G7M I I I G6 I I I E7/ G# I I I I I I


O meu a-mor Tem um j e i - -to man--so que é só seu E que

I A1(9) I I I A7(9) I I I F#7/A# I I I A#<' I I 1Bm(b6) I I I


me deixa tou.....-ca Quando me beija a bo ca A minha pele to---da fica arrepia da

Bm6 I I I E~ (9) I I I E1(9) I I I A1(9) I I I C#7/G# I I I F#m I I I


E me beija com cal--ma e fundo Até minh'al-ma se sentir beija-da, ai O

C#7/E# I I I A7/E I I I D1(9) I I I G7M I I I G6 I I I E7/G# 11111 I


meu a-mor Tem um jei--to man-so que é só seu Que rouba os

I Al (9) I I I A1(9) I I I F#7/A# I I I AfiO I I I Bm(b6) I I I


meus senti-dos Viola os meus ouvi dos Com tantos segre--dos lindos e indecen----tes

Bm6 I I I E~ (9) I I I E7(9) I I I A7(9) I I I C#7/G# I I I F#7M I


Depois brinca comi--go Ri do meu umbi--go E me crava os den-tes, ai Eu

I I C#7/E# I I I Bin6/D I I I F#7/C# I C1(9) I Bm7 I E7(9) I A7M(6) I


sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz Meu corpo é testemunha Do

A7(13) I Am6 I Gm6 I F#m I I I C#7/E# I I I A7/E I I I D1(9) I I I G7M I I I G6 I I


bem que ele me faz Meu a-mor Tem um jei o man--so que

149
Songbook O Chico Buarque

1 E7/G# I I I I I I I Al(9) I I I A7(9) I I I F#7/ A# I I 1


é só seu De me deixar malu--ca Quando me roça a nu a E quase rne

A#<' I I I Bm(b6) I I I Bm6 I I I El (9) I I I E7(9) I I


machu--ca com a barba malfei--ta E de pousar as co--xas entre as minhas co--xas Quando

I A1(9)IIIC#7/G#IIIF#miiiC#7/E#IIIA1/EIIID1(9)1 I I G7MIIIG6 I I
ele se dei-ta, ai O meu a-mor Tem um jei---to man-so

I E7/G# I I I I I I I Al(9) I II A7(9) I I I I I


que é só seu De me fazer rodei-os De me beijar os sei--~os Me beijar 0

A#<' I I I Bm(b6) I I I Bm6 I I I El (9) I I I E7(9) I I


ven-tre E me deixar em bra-sa Desfruta do meu cor-- po Como se o meu cor-po fosse a

I
A7(9) I II C#7/G# III F#7M I I I
C#7/E# I I I Bm6/ D I I I
F#7/C# I
sua ca..-.....sa, ai Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz

C7(9) I Bm7 I E7(9) I A7M(6) I A7(13) I Am6 I Gm6 I F#m III


Meu corpo é testemunha Do bem que ele me faz

O meu amor

F#m ~ C#71E# A7/E D 7(9) G7M

I) IJ J Cj
F J J
o meu a mor Tem um jei to

E71G# A~(9) A 7(9)

Cf I F F"
man - so que_é só seu E que me dei - xa lou - ca Quan- do me bei - ja_a
Que rou- ba_os meus sen - ti - dos Vi - o- la_os meus ou -
De me dei - xar ma - lu - ca Quan- do me ro - ça_a
De me fa - zer ro - dei - os De me bei - jar os

B m(b6) D m6

bo- ca_A
F F E]f I
mi - nha pe - le to - da
f" D #c:J
fi · - ca_ar - re - pi - a - da
c:r r r 1

E me bei - ja com
vi - dos Com tan- tos se - gre - dos I in - dos e_in - de - cen - tes De- pois brin- ca co ·
nu - ca_E qua - se me ma - chu - ca com_a bar - ba mal - fei - ta E de pou-sar as
sei - os Me bei-jar o ven- tre_E me dei - xar em bm - sa Des - fru - ta do meu
E7(9) A 7(9) C#11G#

i] I J J IF J li

cal - ma_e fun- do_A - té mi nh'al- ma se sen - tir bei - ja - da, ai


mi - go Ri do meu um bi - go E me em- va_os den - tes, ai
co - xas en- tre_as· mi- nhas co - xas Quan- do_e- le se dei - ta, ai
cor - po Co - mo se_o meu cor - po fos - se_a su - a ca - sa, ai

150
• *'Á- .... -
Songbook O Chico Bunrque

F# 7M C#71EI B m6/D F#71C# C7(9)

~~H
B r J#J1 BD • I lp r· r I ~· q J~ J71 (J I ftu
Eu sou su - a me - ni-na, viu? E_e-le_é o meu ra - paz

Bm7 E7(9) A 7M(6) A 7(13) Am6 Gm6 F#m

"'H
,.---3 ----,

t B ~. p E;J~ [J I r rr F ~F I
J ~J I)

Meu cor- po_é tes - te - mu- nha Do bem que_e Ie me faz

- li

Copyright 1978 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Run Lisboa, 74 - Silo Paulo.• SP- Brnsil. Todos os direitos reservados.

151
Songbook O Chico Buarque

Palavra de mulher
CHICO BUARQUE

Em(add9) Em(add9)/D# C7M/E G7M/D F#7/ A# Am7(9) B/ A

I I 11 I IV. VI I
Em(add9) /. I I I I I I Em(add9)/D# I I I I I I I C1M/E I
Vou voltar Haja o que houver, eu vou voltar Já te deixei juran...;,_,____<fo nun1----ca

I I ·I I IF_#1/A# I I li I I I Am7(9) I I I I I I I B/A


mais olhar pra trás Pala vra de mulher, eu vou voltar Pos--so até Sair de bar em bar

I I I I I ·I I C7M/G I 111 I I I Am6/c 1 I IB7


em bar em bar, falar bestei-ra E me enganar Com qualquer um deitar A noi--te intei-ra

I I I Em(add9) I I I I I I I Em(add9)/D# 1 111 I I I


Eu VOU te amar Vou chegar A qualquer hora ao meu lugar E se uma ou--tra

C7M/E 1 G1M/D I I I I I F#1/A# I I I I I I I Am7(9) I I I I


pre--tendi1- - - : a um di-a te roubar Dispen sa essa vadi-a Eu vou voltar Vou subir A

I I I I li I I I C7M/G I I I I li I
nossa esca--da, a esca--da, a esca--da, a esca--da Meu amor, eu vou partir De novo e sem-pre,

Am6/c I I IB1 I I I Em(add9) I I I I I I I Em(add9)/D# I li/


fei--to vi-cia--da Eu vou voltar Po de ser Que a nossa histó-ria S ja mais

I I I li I I I c/Bb I I I I I I I
uma quime-ra E ~e o nos;---so te-to, a La--pa, o Ri-o de--sabar Pode ser Que pas--se o

I I /I I I Am7(9) I I I A1 I I I Am/c I I I B7 I I I Em(add9) I I I II II


nos-so tempo Como qualquer primave--ra Espe--ra Me espera Eu vou voltar

Em(add9) E m(add9)1D#

~~· e J. h J Vou vol-tar


'I
l J J J.
Ha- ja_o que_hou- ver,
)J
eu
I J. J) J
VOU vol-tar Já te dei-xei ju -
Vou che-gar A qual - quer ho - ra_ao meu lu-gar E se_u - ma ou - tra

l
162

.'"'ir~ ..... -.~ ,......... ~ .-----
'
Songbook O Chico Buarque

C7M/E G7MID G7MID

f]f) J I J1 J Jl J !1J)iJ J ] J. I 7 #l J l ••I


ran - do nun· - ca mais o- lhar pra trás Pa - la vra de mu-lher, eu vou vol-tar
pre- ten - di - a_um di - a te rou-bar Dis- pen - sa_es- sa va- di a_Eu vou vol-tar

Am7(9) B/A

~~ j ,ra_A
Pos- so_a- tê Sa - ir de bar em bar em bar em bar, fa- lar bes- tei- ra_E
Vou su- bir A nos- sa_es- ca- da,_a_es - ca- da,_a_es-ca- da,_a_es- ca da Meu •a- mor, eu
1
C7M/G Am6/C B7

)W; ~
~ .J ~J J era
.........
me_en- ga- nar Com qual - quer um dei - tar A noi - te_in- tei ra_Eu vou te_a- mar
VOU par-tir De no - vo_e sem- pre, fei - to vi - ci - a da_Eu vou vol - tar

Em(add9) E m(add9)1D#

';i J J1,)
I '-"
Po- de ser
' l J l J
Que_a nos - sa_his- tó - ria
fTJ
Se - ja mais u- ma qui- m_e - ra_E

C7M/E G7MID G7M/D CIB~

.fT[) J J1jjjfJ J.
po - de_o nos - so te - to,_a La - pa,_o Ri - o de sa- bar Po - de ser . Que

E71G# Am7(9) A7

pas - se_o nos so tem - po Co- mo qual - quer pri-ma- ve Es-

Am/C B7 E m(add9) "'


Em(add9)

J J. J'" I J J J. liJ. j) J.....____..,o li


pe - ra Me_es - pe - ra Eu vou vol- tar

Copyright 1985 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.


Avenida Ataulfo de Paiva, I 35/1506- Ri~ .de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reservados.

153
Songbook O Chico Buarque
, , I

Partido alto
CHICO BUARQUE

A A#" C#7 F#7 87

lllltll r-
E I I I r
Diz que Deus diz que deu Diz que Deus dará Não vou duvidar, ô nega E se

I A/C# I G#1 I A I r
Deus não dá Como é que vai ficar, ô nega Diz que Deus diz que dá E se r
I A/C# IG#1 I A I
Deus negar, ô nega Eu vou me indignar e chega Deus dará, Deus dará Diz que deu, diz

,..
I I I A/C# I G#1 1

que deu Diz que Deus dará Não vou duvidar, ô nega E se Deus não dá

I A I I I
Como é que vai ficar, ô nega Diz que Deus diz que dá E se Deus negar, ô nega i
I
G#7 I A I E I I I
Eu vou me indignar e chega Deus dará, Deus dará Deus é um cara gozador, adora brincadeira

I I I A#<' I
I
Pois pra me jogar no mundo, tinha o mundo inteiro Mas achou muito engraçado me botar cabreiro

C#7 F#7 B7 E I I
Na barriga da miséria, eu nasci brasileiro Eu sou do Rio de Janeiro Diz que Deus dará Não vou

I I A/C# I G#1 I A
duvidar, ô nega E se Deus não dá Como é que vai ficar, ô nega Diz que

I I I G#1 I A T
Deus diz que dá E se Deus negar, ô nega Eu vou me indignar e chega Deus

I I E I I I I
dará, Deus dará Jesus Cristo inda me paga, um dia inda me explica Como é que pôs no mundo esta pouca

154
r- -• ...
Songbook O Chico Buarque

I I C#7 F#7 B7
titica Vou correr o mundo a fora, dar uma canjica Que é pra ver se alguém se embala ao ronco da

E· I I I
cuíca E aquele abraço pra quem fica Diz que Deus dará Não vou duvidar, ô nega

I A/c# I G#1 I A I
E se Deus não dá Como é que vai ficar, ô nega Diz que Deus diz que dá E

I I G#1 I A I I
se Deus negar, ô nega Eu vou me indignar e chega Deus dará, Deus dará Deus me fez

E I I I I I A#O
um cara fraco, desdentado e feio Pele e osso simplesmente, quase sem recheio Mas se alguém me desafia

I C#7 F#7 B7 E I
e bota a mãe no meio Dou pernada a três por quatro e nem me despenteio Que eu já tô de saco cheio

I I I A/C# I G#1
Diz que Deus dará Não vou duvidar, ô nega E se Deus não dá Como

I A I I I G#1
é que vai ficar, ô nega Diz que Deus diz que dá E se Deus negar, ô nega Eu

I A I I E I I
vou me indignar e chega Deus dará, Deus dará Deus me deu mão de veludo pra fazer carícia

I I I I
Deus me deu muitas saudades e muita preguiça Deus me deu perna comprida e muita malícia Pra

C#7 F#7 B7 E 'I I


correr atrás de bola e fugir da polícia Um dia ainda sou notícia Diz que Deus dará Não vou

I I A/C# I G#1 I A
duvidar, ô nega E se Deus não dá Como é que vai ficar, ô nega Diz que

I I I G#1 I A
Deus diz que dá E se Deus negar, ô nega Eu vou me indignar e chega Deus

I I I I
dará, Deus dará Diz que Deus diz que deu Diz que Deus dará Não vou duvidar, ô

I . A/'C# I G#1 I A I
nega E se Deus não dá Como é que vai ficar, ô nega Diz que Deus diz que

I I G#1 I A
E se Deus negar, ô nega Eu vou me indignar e chega Deus dará, Deus dará

I E/D
Diz que Deus dh que deu ...

155
Songbook O Chico Buarque ·

Partido alto

E E/D % AIC# Am/C

~~~ai 1 7 J J J .J JI J J J J J J-~
Diz que Deus diz que deu Diz que Deus da- rá Não vou du-vi-dar,

EIB E/D AIC#

7
JJ J JJI I1 J J ;
ô ne-ga E se Deus não dá Co- mo_é que vai fi- car,

A Am/C EIB E/D

~~~~#I ,_fj J J * 7
J J J J J I J> 7 7 J
ô ne-ga Diz que D~us diz que dá * E

A .Am/C

r r1 * 7 J J J JJ j
ô ne-ga Eu vou me_in- di-g -nar e che-ga Deus da- rá, Deus da -

EJD " lll.E/B


J J J J J IJ J J J J J ~t~ jF f J j j I
rá · Diz que deu, diz que deu Diz que Deus da- rá rá Deus é_um ca - ra go - za -
rá Je - sus Cris- to_in- da me
rá Deus me fez um ca - ra
rá Deus me deu mão de ve -

E E/D

lH1 c r r r
I ft
~
,; J J Ôl 7
l1
J
E!

J J JI =J J
~J
3 ,; J JJ
o~
dor, a - do- ra brin - ca - dei- ra Pois pra me jo- gar no mun-do, ti- nha_o mun-do_in- tei- ro
pa- ga,_um di- a_in- da me_ex-pli- ca Co- mo é que pôs no mun- do_es- ta pou- ca ti ti- ca -
fra- co, des- den- ta - do_e fei-o Pe- Ie_e os- so sim- pies - men- te, qua- se sem re-chei-o
lu - do pra fa- zer ca - rí-cia Deus me deu mui- tas sau - da - des e mui - ta pre- gui- ça

At EIB C#7

J •i J J I qJ J J J J J .J 3I 7 E1 r r r ri
Mas a - chou mui- to_en- gra - ça- do me bo - tar ca- brei- ro Na bar - ri - ga da mi -
r
Vou cor - rer o mun- do_a - fo- ra, dat u - ma can - ji - ca Que_é pra ver se_al- guém se_em- r-
Mas se_al- guém me de - sa
Deus me deu per - nas com
-
-
fi - a_e bo- ta_a mãe
pri- das e mui - ta
no mei - o
ma - Ií- cia
Dou
Pra
per- na- da_a três por
cor- rer a - trás de r
I
156 r
. "" ....... ~
Songbook O Chico Buarque

B7 E E/D
26 1\ ~ H

~ ... .... ... ... Ao~


sé - ria, nas-ci bra- si- lei- ro Eu sou do Ri- o de Ja ~i - to 4 vezes
ba- la_ao ron-co da cu-í-ca E_a- que- le_a-bra-ço pra quem fi- ca direto à
' qua- tro_e nem me des- pen- tei- o Que_eu já tô de sa- co chei-o casa2
bo- la_e fu-gir da . pa- Ií- cia di - a_a- in- da sou no tf- cia
1\ l.l H

~
Diz que Deus diz que deu Diz que Deus da-rá
t

Copyright 1972 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa, 74- São Paulo,·SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

157
Songbook O Chico Buarque

Pelas tabelas
CHICO BUARQUE

E7 Am Am/G Am/F# Am/E D

111111
I I Jlltl VIl WlliV[I
D7/D# D7/F# G6 G/B F#/A# D7/F#

Introdução: G B7 Em E/D Am7 E7/B Am/c E7 Am Am/G Am/F# Am/E . D B7/D# Em D7/F#
G6 I I I I I I I I I I I

I I I I I I B7/F# I I I
Ando com minha cabeça já pelas tabe--las Claro que ninguém se toca com minha atli~ão

! I E7 I Al (9) I A7(9) I Am7(11) I D7(9) I


Quando vi todo mundo t:~a rua de blusa amarela Eu achei que era ela puxando um

G/B I I I F#/ A# I I IG/B I I I B7/F# I / I


cordão (Dão) oito horas e danço de blusa amare--la Minha cabeça talvez faça as pazes as---sim
......

Dm6/F I E7 I Al (9) I A7(9) I Am7(11) I D7(9) I


Quando ouvi a cidade de noite ba--tendo as panelas Eu pensei que era ela voltando pra .,.I

G/B I I I F#/ A# I I I G/B I I I B7/F# I I I Dm6/F


Minha cabeça de noite batendo pane---las Provavelmente não deixa a cidade dor--mir ......
.......
I E7 I
Al (9) I A7(9) I Am7{11) I D7(9) I
Quando vi um bocado de gente des-cendo as favelas Eu achei que era o povo que vinha

158
Songbook O Chico Buarque

I I I I I I B7/F# I I I
pedir A cabeça de um homem que olhava as fa--velas Minha cabeça rolando no Maraca--nã

E7 I· A~ (9) I A7(9) I Am7(11) I D7(9) I


Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas Eu jurei que era ela que vinha

I I . I I I
B7/F# I I I I
chegando Com minha cabeça já pelas ta--belas Claro que ninguém se toca com minha afli--ção

E7 I I A~ (9) I A7(9) I Am7(11) I D7(9) I


Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela Eu achei que era ela puxando um
'
I I I I I B7/F# I I II
cordão (Dão) oito horas e danço de blusa ama--rela Minha cabeça talvez faça as pazes as---sim

E7 I I Al (9) I A7(9) I Am7(11) I


D7(9) I
Quando ouvi a cidade de noite ba-tendo as panelas Eu pensei que era ela voltando

I I I I I I 111
pra Minha cabeça de noite batendo pa--nelas Provavelmente não deixa a cidade dor--mir

I E7 I Al (9) I A7(9) I Am7(11) I D7(9)


Quando vi um bocado de gente des-cendo as favelas Eu achei que era o povo que

I I I I I I I B7/F# I I I
vinha pedir A cabeça dum homem que olhava as fa--velas Minha cabeça rolando no Maraca-nã

I E7 I AI{9) I A7(9) I Am7(11) I D7(9) I


Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas Eu jurei que era ela que vinha

I I I I I
B7/F# I I I I
chegando Com minha cabeça já numa bai--xela Claro que ninguém se toca com minha aflii---(ção

E7 I I Al (9) I A7(9) I Am7(11) I D7(9) I


Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela Eu achei que era ela puxando um

G/n I
cordão ...

G B7 Em E/D Am7 E7ill Am/C E7 Am A m/G A mJF# A miE D B71D#

- - - - w
- -
Em D71F# G6

F IF r F

I IF f F li
159
Songbook O Chico Buarque

..
em F#IA# em
.J
;--
rJ J •fJ Q I !J j fJlliJ jJ I - =-
1rJJ f J®
An-do com mi-nhas ca - be- ças já pe - las ta - be- las Cla-ro que nin-guém se
dão oi - to ho- ras e dan- ço de blu- sa_a- ma - re - la Mi-nha ca-be- ça tal-
Mi-nha ca- be- ça de noi - te ba - ten - do pa - ne- las Pro-va- vel-men- te não
di r A ca- be- ça de_um ho- mem que_o-lha- va_as fa - ve- las Mi-nha ca - be - ça ro.
gan- do Com mi-nha ca - be - ça já pe - las ta - be- las Cla-ro que nin-guém se
dão oi - to ho- ras e dan- ço de blu- sa_a- ma -re - la Mi-nha ca- be - ça tal-
Mi-nha ca- be- ça de noi - te ba - ten - do pa ne- las Pro-va- vel-men- te não
di r A ca- be- ça de_um ho- mem que_o-lha-va_as fa - ve- las Mi-nha ca- be - ça ro-
gan- do Com mi-nha ca - be - ça já nu - ma bai - xe-la...

B71F# D m6/F E7

.- ~~~~~~r~-Jej~~~
- ~J~1±~$~~~r. ~~~~~'~EJ§~~mm-~1~c~rg~~
- ~c~r~t1
to- ca com mi- nha_a- fli ção Quan- do vi to- do mun-do na ru- a de
vez fa- ça_as pa - zes as sim Quan- do_ou- vi a ci - da- de de noi- te ba- r
dei-xa_a ci- da - de dor mir Quan- do vi um bo - ca- do de gen-te des- ~
lan- do no Ma- ra - ca nã Quan- do vi a ga - !e - ra_a- plau- din- do de
to- ca com mi- nha_a- fli ção Quan- do vi to- do mun-do na ru- a de I
vez fa- ça_as pa .- zes as sim Quan- do_ou- vi a ci - da- de de noi-te ba-
dei-xa_a ci - da - de dor - mir Quan- do vi um bo - ca- do de gen-te des- .
lan- do no Ma- ra - ca nã Quan- do vi a ga - !e- ra_a- plau- din- do de

A~(9) A 7(9) A m7(11) D 7(9) r

I2~ ~ o~• ~ ~
blu - sa_a-
ten - do_as
cen- do_as
pé as
ma -
pa -
fa-
ta •
i J
re
ne
ve
be
-
-
-
-
I
#Jla
las
las
las
I 'f E1 c F
Eu
Eu
Eu
Eu
a - chei
pen- sei
a - chei
ju - rei
~
J
que_e - ra
que_e - ra
que_e - ra_o
que_e - ra
Ic
e - la
e - la
po-vo
e • la
F ~
J
pu -
vol-
que
que
c F
tan - do
vi • nha
vi - nha
J
~

xan- do_um cor-


pra
pe-
che-
• r
.,.
blu - sa_a- ma- re - la Eu a - chei que_e - ra e • la pu- xan- do_um cor-
r
ten- do_as pa- ne - las Eu pen- sei que_e - ra e - la vol- tan - do pra
cen- do_as fa- ve - las Eu a - chei que_e - ra_o po- vo que vi - nha pe-
pé as ta - be las Eti ju - rei que_e - ra e - la que vi - nha che-

l
Copyright 1987 by MAROLA EDIÇÕES MUSICAIS LTDA.
Avenida Ataulfo de Paiva, 13511506 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil. Todos os direitos reSerVados. '1

160
'
·-~~- -.'.,.,_.,<..,. . ...,
Songbook O Chico 811111'QUC

Passaredo
FRANCIS HIME E CHICO BUARQUE

87M Em6/B D7M . C7M B7M(4) Em7(9)/B Bl (9)

I 111 111·
11

E6/B Cll7/E## Ctm6/E B7M/D## Cll7(##9) Cll7

11111111 '

Introdução: B7M I I I I I I I Em6/B I I I I I I I D7M I I I I I I I C1M I I I I I I I B7M I I I


Em6/ B I I I B7M I I I Em6/ B I I I B7M I II I I I I Em6/ B I I I I I I I D7M I I I I I I
C7M I I I I I I I B7M I I I Em6/ B I I I B7M I I I Em6/B I I I

B7M I B7M(4) B7M Em6/B I Em7(9) Em6/B B7M I B7M(4) B7M Em6/B I I I B7M
1
Ei, pin-tassil--go Oi, pin- tarro---xo Melro, uira1- - - pu-ru Ai,

I B7M(4) B7M Em6/B I Em7(9) Em6/B B7M I B7M(4) B7M Em6/B I I I B7M I I I
che--ga-e-vi--ra Engo---le-ven---to Saí-ra, ----lnham-bu Foge, a--sa branca

n~
' Vai,
(9) I I I E6/B I I I Em6/B I I I B7M I B7M(4) B7M C#7/E# I C#m6/E 1 B7M/ D#
pa--tativa Tordo, tuju, tu--im Xô, ti--é-san--gue Xô, ti--é-fo go Xô,

I C#7(#9) C#7 F#~ I F#1 I D7M I D~ (9) D7(9) E/D I Gm6(7M)/D Gm6/D D7M I
I rou-xinol sem fim Some, colei--ro Anda, triguei ro Te escon---de,

(9) D7(9) E/D 1 Gm6/D I Am6/c I


D~ I I B~ I Ao I E7/G# I I I Gm6 I I I B7M I
C<>--Ji--bri Voa, macu-<:o Voa, viú-va Utia- -riti Bico

ll7M(4) B7M Em6/n I Em7(9)/B Em6/B B7M I B7M(4) B7M Em6/B I I I B7M I
cala---<Jo Toma cuida · .. do· Que . o ho-mem vem a---í O ho--mem

161
Songbook O Chico Buarque

B7M(4) B7M Em6/n I I I B7M. I B7M(4) B7M Em6/n I I I I I I I I I I I I I I I B7M I I!


vem a--f O ho-mem vem a--í Ei, que--ro-quero

BI(9) I I I E6/n I I I Em6/n I I I B7M I B7M(4) B7M C#7/E# I C#m6/E 1


<;>i, ti---co-tico Anum, pardal, cha-pim Xô, co-tovi----1a Xô, a-ve-fri.---a

I C#7(#9) C#7 F#~ I F#7 I D7M I 03 (9) D7(9) E/D 1 Gm6(7M)/D Gm6/D D7M
Xô, pes---cador--mar-tim Some, roli--nha Anda, an--dori1------,.-:nha Te

I03(9) D7(9) E/DI Gm6/D I Am6/c I I I n~ I A0 I E1/ G# I I I Gm6 I I I


escon--de, bem-te-vi Voa, bicudo Voa, sanhaço Vai, ju---riti

B7M / B7M(4) B7M Em6/n / Em7(9)/n Em6/n B7M I B7M(4) B7M Em6/n I I I B7M
Bico cala1--do Muito cuida1-----.do Que o ho--mem vem a--f o
I B7M(4) B7M Em6/n I I I B7M I B7M(4) B7M Em6/n I I I I I I I
ho--mem vem a--í O ho--mem vem a--í

Passaredo L
B7M Em6/B

I* ~D~Ii g fkfij gtg I Ufij g g Iafkfe;r g g" IafClCJ g" g I

nm em
1-
r
1$~~~~D ai 4c;r g g I[a@ Q{ g g 9 9
I ( êPij I.,a .,a I ( EPij 9.,a J1 I
Em6/B B7M Em6/B
...
1r J)
~-
. n 7M n 7M(4) B7M Em6/B n 7M(4) n 71\:1 E m6/B j·
lii~###~~B~
- ~J~J~J~j~j~~~~
J~ J ~J~~J~J~~~~~~~
I J#J J j j I
~J
,-
Ei, pin - tas- si I - go Oi, pin - tar - ro - xo Mel-ro, ui- ra - pu - ru
Ai, che- ga_e vi ra En- go - Ie - ven - to Sa- f - ra, i - nham - bu
...
B7M E6/B Em6/B

!'i 11111. 1J 3I •J
J JI
J
<==J
JJ J IJ
Fo- ge,_a - sa bran - ca Vai, pa - ta - ti - va Tor-do, tu - ju, tu - im
Ei, que - ro - que - ro Oi, ti - co - ti - co A- num, par-dal, cha - pim

162
Songbook O Chico Buarque

B7M B7M(4) B7M C#71E# C#m61E B7MJD# C#7(#9) C#7 FII F#7

I •J ,:-3
! . JJ 3 J f
J IJ J ] J J Ij
Xô, ti - é- san - gue Xô, ti - é f o - go Xô, rou - ca-
xi - no! sem fim
Xô, co - to - vi a Xô, a - ve - fri - a Xô, pes - dor - mar - tim

D7M DI(9) D7(9) E/D G m (7f.t)/D G m6/D D 7M DI (9) D 7(9) E/D G m6/D

21; i #I! j j ) I
'~ JgJ J 3 I~i J j J J I J 93 J
110

ft !tft J
So-me,
So-me,
co- lei
ro- li
-
-
ro
nha
An- da, tri- guei
An- da_an- do - ri
ro
nha
Te_es- con - de, co
Te_es- con - de, bem
-
-
li
te
- bri
- tv• ..
Am6/C B~ Ao E7!GI Gm6

~H1
~ D ft JgJ J ~ I
--to J
t9 J9( ~
j I ~J J j ti__l) 11

Vo-a, ma- cu - co Vo-a, vi - ú - va U- tia - ri - ti


Vo-a, bi- cu - do Vo-a, sa-nha - ço Vai, ju - ri - ti

B7M B7M(4)B7M Em6/B E m7(9)/B E m6/B B 7M B7M(4) B7M Em6/B

lHa
~ ft ft
JJ J J
...ca- 3 I =t• J g~J J I J #J J J J lgq
Bi-co la - do ~- ma cui-da - do Que_o ho-mem vem a - f
Bi-co ca- la - do Mui-to cui-da - do

B7M(4) B7M Em6/B B7M(4) B7M Em6/B

JJ J J Ig Ig
O ho- mem vem a O ho - mem vem a

2
11 ·B7M B7M(4) B7M Em6/B
r.'\
- ~ J J J J J Ig Ig Ig 11
O ho - mem vem a q(...______...- ---------
rall - - - - - - - - - - - - - - - -

Copyríght 1975 by TREVO EDITORA MUSICAL LTDA.


Rua Lisboa, 74 • Silo Paulo, SP - Brasil. Todos os direitos reservados.

163
Songbook O Chico Buarque

Quando o carnaval chegar


CHICO BUARQUE

Am6 G7M Gil" Gm6 Db7M Db6

!Vm m m m·1 11 1
D D/C# D/C G7/B Bb7 E7{9)/n A7

IEIJIIIJI
Am6 I l
G7M I G#O I I Gm6 I
Quem me vê sempre parado, distante Garante que eu não sei sambar Tou me guardando pra

I Bb7M I Bb6 I Am6 I I I G71\1


quan--do o carnaval chegar Eu tô só vendo, sabendo, sentindo, escutando E não posso

I G#O I Gm6 I I I
r
I Bb7M Bb6 D I I
falar Tou me guardando pra quan--do o carnaval chegar Eu vejo as pernas
r-
I I I I G7/B I Bb7 I r
de louça da moça que passa e não posso pegar Tou me guardando pra quan--do o carnaval

)'
E7(9)/B I A7 I D I D/C# I D/c I I I G7/B
chegar Há quanto tempo desejo seu beijo Molhado de maracujá Tou me r
r
I Bb7 I E7(9)/B I A1 I Am6 I I.
guardando pra quan--do o carnaval chegar E quem me ofende, humilhando, pisando,
i
r
I G7M I G#O I Gm6 I . I Bb7M 1 Bb6 I r
pensando Que eu vou aturar Tou me guardando pra quan-do o carnaval chegar

Am6 I I I G7M I G#O I Gm6 I r


E quem me vê apanhando da vida duvida que eu vá revidar Tou me guardando pra
i
T
I Bb7M I Bb6 I D I I
quan--do o carnaval chegar Eu vejo a barra do dia surgindo, pedindo pra gente T
l
I I I G7/B I Bb7 I E7(9)/B I A7 I D I
cantar Tou me guardando pra quan--do o carnaval chegar Eu tenho tanta T
l
I I I I G7/B I Bb7 I 1
alegria, adiada, abafada, quem dera gritar Tou me ' guardando pra quan--do o carnaval chegar
)

E7(9)/B I A7 I '1

·~
.
164
-~"'" ~· -····· ----·
1

·'
Songbook O Chico Buarque

Am6 G7M G(
A 9 I z_ H
z
~~UI i r r
~

y j f j f f f j f f
fi f r d
I [bf FI
Quem me vê sem-pre pa-ra- do, dis-tan-te Ga-ran-te que_eu não sei sam-bar
E quem me_o- fen- de,_hu-mi-lhan- do, pi-san-do, pen-san-do Que_eu vou a- tu- rar

Gm6 A/G

r~ *n !{ r r r r r r rr]'f I• L r E r t?It
Tou me guar- dail - do pra quan do_o car- na- vai che-gar
Tou me guar- dan - do pra quan do_o car- na- vai che-gar
Am6 G7M

j' f r rr r •
I f f fi f
r~
d
I [r rJ)
Eu tô s6 ven-do, sa- ben - do, sen- tin-do,_es- cu- tan- do_E não pos-so fa- lar
E quem me vê a- pa- nhan - do da vi - da du- vi - da que_eu vá re-vi- dar

Gm6 AIG nb7M

I~~- B j r j' r rrr Fr]'r L r r E li


Tou me gtiar- dan - do pra quan do_o car- na- vai che-gar
Tou me guar- dan - do pra quan do_o car- na- vai che-gar

D D/C~ D/C
~

II~ ~ B '1 r r r r
~

IbF j
'
r r j' r f J d
-
Eu ve- jo_as per- nas de I ou - ça da mo-ça que pas- sa_e não pos - so pe - gar
Eu ve-jo_a bar-ra do di - a sur-gin-do, pe-din-do pra gen - te can - tar
G7/B nb7 E7(9)1B A7

~-~ c j' c c j c r?Tc c c r E Er ----r -


' Tou me guar- dan - do
Tou me guar- dan - do
pra quan
pra quan
do_o car- na- vai
do_o car- na- vai
che-gar
che-gar
1

D DIC# D/C

f r c r r ri çr r:J i r r .: I [\r rjl I


Há quan- to tem- po de- se - jo seu bei - jo Mo-lha- do de ma - ra- cu - já
Eu te - nho tan- ta_a- Ie- gri - a,_a- di - a - da,_a- ba - fa- da, quem de- ra gri-tar
G7/B nb1 E7(9)/B A7

f& ~#
t.)
y f j' f j' f f f f[? f f r E El
,.---._

IF ~
Tou me guar- dan- do pra quan - do_o car - na - vai che-gar
Tou me guar- dan- do pra quan - do_o car - na- vai che - gar

Copyright 1972 by CARA NOVA EDITORA MUSICAL LTOA.


Rua Lisboa, 74 - São Paulo, SP- Brasil. Todos os direitos reservados.

165
Songbook O Chico Buarque

Romance
CHICO BUARQUE

IX e m 1 ~~g 111· 1
Em~ /B

IVm
D(add9)/F# F"' Dm6 A7M/C# C"(bl3) F#7/ A#

F#7 Gl (9) G7(9) F#m7(bS) Fm6

RWIIIBI
I I IV;m ~~~;m ~~ IVI wl
E7(bl3) Dm7 A(add9)/C# C#(add9)/E# E7(9) E/D C#m7 •

T
Am/c E7M/B Am6 El (9) B7/F# G(add9) D6(#11)/F#

11

1 I IV. I I I I
Dm6/F D6/FI F7M E7(b"6) F#(add9)/ A# Bm7(11) E7( 1 f1)
T

1 1 11 1 rum 1 VIl 1
l

D(add9)/F# 1 11 I A7M/C# I C0 (b13) 1Em~/B I F#1/A# F#7


.,
I Dm6
Te seqüestrei Vou te reter pra sempre Na minha idéi a

I G1(9) I G7{9) I F#m7(b5) I Fm6 E7(b13) Dm7 I A(add9)/C# I


No teu lugar, talvez Fique alguma tonta, uma dublê Uma mulher alheia

D(add9)/F# I F0I I I Dm6 I A1M/C# I C0 {bl3) I Em~/B I F#1/ A# F#7 Em/G .. 1


Na minha idéi-a Vives plenamente És a pesso a
l
I D/F# I GI (9) I G7(9) I F#m7(b5) I Fm6 E7(b13)
Com todas as canções Os momentos bons e as horas más Que a memó ria

Dm7 I A(add9)/C# C#(add9)/E# 1 E7(9) E/D C#m7 1 Am/c I E7M/B I Am6 1 El (9) I
co----a Nas horas à to---a Às vezes an--do a cismar

B7/F# I G(add9) I 06(#11)/F# 1 I Dm6 I A7M/C# I C0 {b13) I Em# /B I


Serei eu mes;----mo Es;---te cantor confuso Que te rodei a
.,
166 1
- -~.:.._._.,_._ ---··· ...... -- -
Songbook O Chico Buarque

1Gl(9) . I G1(9) I F1M I


Ou estarei feliz Sendo eternamen-te o que já fui Dentro da t u - - : a idéi--a

A(add9)/C# I F#(add9)/ A# I Bm7(11) I E7(,~1 )

0
D (add9)1F# F Dm6 A 7MJC#

~-D~ i~· orJ () ffl[ "J


I.

j ,P • J
Te se- qUes- trei Vou te re - ter pra sem - pre Na mi-nha_i-déi -

E m~ Em/G DIF# G~(9) G7(9)

~ -~~ J -· 3 9J ijJ J J~ J7J J l I


4

a No teu lu-gar. tal- vez Fi- que_al- gu- ma ton- ta, u- ma du- blê

F#m7(~5) Fm6 E7(~13) Dm7 A (add9)1C# D (add9)1F#

I' ~-~~ ~· -· LJ rf7t p 1

U- ma mu-lher a - lhei - a Na mi- nha_i- déi a

Fo Dm6 A 71\1/C; c 0
(~13) Em~ I F#11A# F#7

~-~~
I.
J)
,
r oJ F wrr· I r ...F J J J I J. -·
Vi- ves pie - na- men - te És a pes - so a
I
r
Em/G DIFI G~(9) G7(9) F#m7(~5) Fm6 E7(1.13)
r
~ü ~ J - -