Você está na página 1de 13

Curso completo

Professora Sílvia Gelpke


Literatura
Renascimento (Classicismo)
Contexto histórico
No final do século XV, os navegantes europeus chegaram ao Oriente pelo mar, unindo
duas pontas do hemisfério. O mundo ficou perplexo: comprovara-se que a Terra era
redonda, e o mar não possuía abismos nem monstros. Cidades cresciam assustadoramente,
o comércio expandia-se, o protestantismo dividia a Igreja. A ciência questionava os dogmas
religiosos, sendo constantemente ameaçada pela Inquisição.
Todo esse processo de mudanças, que se estenderá até o final do século XVI, é
chamado de Renascimento e marca um momento decisivo na história da humanidade: o
fim da Idade Média e a transição para a Idade Moderna.
Inaugurou-se, assim, uma época de libertação do pensamento, por meio do emprego
do exercício da crítica e do livre exame de todas as questões. E o princípio clássico da razão,
considerada fonte de equilíbrio e harmonia, foi base para o notável avanço científico do
período.

Características do Classicismo
Quanto à forma:
-- Emprego da medida nova (versos decassílabos) e gosto pelo soneto.
-- Cultivo de outras formas de composição clássica:
Ode – poema de exaltação a determinada pessoa.
Écloga – poema pastoril dialogado.
Elegia – poema de fundo melancólico etc.

Quanto ao conteúdo:
-- Cultivo dos valores greco-latinos = imitação das obras de arte da Antiguidade greco-
latina e difusão das ideias dos grandes artistas.
-- Antropocentrismo = valorização das capacidades físicas e espirituais do homem, seus
feitos heroicos, sua habilidade e competência para dominar e transformar o mundo.
-- Racionalismo = Tenta-se explicar os fatos pela razão, por meio do raciocínio. Essa
mentalidade substitui a maneira de pensar medieval, em que a fé explicava ou justificava os
acontecimentos.
-- Universalismo = Os temas de caráter universal (as verdades absolutas) ficam em primeiro
lugar; os de caráter individual, em segundo plano.
Equilíbrio, clareza e linearidade = arte mais linear e clara, com correção de linguagem,
evitando construções rebuscadas, complexas e raciocínio tortuoso, indireto.
-- Valorização da beleza – Assim como no período greco-latino, esse movimento privilegia
o belo.

O Classicismo em Portugal
O Classicismo chega a Portugal em 1527, quando o poeta Sá de Miranda regressa
da Itália trazendo novas ideias literárias, dentre elas o soneto e o verso de medida nova –
os decassílabos.
Apesar da importância de Sá de Miranda para a literatura portuguesa e da existência
de manifestações literárias em prosa nesse período, merece destaque a poesia de Luís Vaz
de Camões.

O grande poeta português

Luís Vaz de Camões (1525? – 1580)


O maior é mais representativo dos autores clássicos de Portugal é Luís Vaz de
Camões.
Lisboa e Coimbra disputam a glória de ter sido o lugar de seu nascimento. Mas é certo
que Camões morreu em Lisboa, em 1580. Teve vida aventureira e difícil. Depois de estudos
na Universidade de Coimbra, esteve na África, nas Índias e no Extremo Oriente. Fidalgo,
embora empobrecido, viveu intensamente a época da expansão portuguesa. As
experiências dessas viagens foram decisivas na criação de sua obra-prima, o poema épico
Os Lusíadas. Camões foi também grande poeta lírico e autor de obras dramáticas.
Camões lírico
Em sua lírica, além de sonetos, Camões escreveu redondilhas, odes e oitavas
(estrofes de oito versos em que o sétimo rima com o último) etc.
Texto para análise

Transforma-se o amador na coisa amada,


por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.

Se nela está minha alma transformada,


que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
pois consigo tal alma está liada. (ligada)

Mas esta linda e pura semideia, (semideusa)


que, como o acidente em seu sujeito,
assim com a alma minha se conforma,

Está no pensamento como ideia;


e o vivo e puro amor de que sou feito,
como matéria simples busca a forma.

Comentário

Uma das características líricas de Camões é o neoplatonismo, sistema filosófico


surgido no século III, que reinterpreta o pensamento de Platão de uma ótica mista. Segundo
Platão, para obter a felicidade, o sábio deve ser capaz de transformar o amor carnal em
afeição contemplativa. No século XV, ao neoplatonismo se mistura o pensamento
aristotélico.
Nas duas quadras do soneto acima, identifica-se o conceito de amor platônico. Nos
tercetos aparece a ideia aristotélica de forma, como princípio organizador da matéria. Assim,
se o amador não consegue tirar de si a imagem da mulher amada, não haveria mais por que
a desejar. Mas, ainda que se transforme na coisa amada, ele não é parte essencial dela. Ela
permanece sendo ideia. Então ele continua a desejá-la, como a matéria bruta busca a forma.
Em Camões é frequente a dualidade entre a idealização da mulher e o desejo sensual.

Outra característica presente na poesia lírica camoniana é o desconcerto do mundo: o


mundo sensível, de acordo com o neoplatonismo, é um mundo de aparências enganosas,
que trazem desilusões e confundem a razão.
Camões épico

Os Lusíadas, poema épico com 1102 estrofes de versos decassílabos em oitava-rima,


distribuídas em dez cantos, foi publicado em 1572. Narra o descobrimento do novo caminho
para as Índias por Vasco da Gama. Por meio de hábeis artifícios, o poeta inclui a história de
Portugal, desde a formação da nacionalidade, e uma descrição do sistema do mundo, tal
como concebido na época. Obra ao mesmo tempo tradicional e inovadora, mistura o
maravilhoso cristão com o maravilhoso pagão (mitologia grega).
O nome Os lusíadas significa literalmente “os filhos de Luso”, ou seja, “os
portugueses”. Pelo realismo e beleza das descrições, pela vastidão dos conhecimentos que
exibem e por terem sido decisivos para a consolidação do idioma, Os lusíadas, que Camões
dedicou ao rei D. Sebastião, se constituíram na obra mais importante da literatura em língua
portuguesa.

Divisão da obra

Os Lusíadas se organizam tradicionalmente em cinco partes:

1. Proposição (Canto I - Estrofes de 1 a 3)

Apresentação da matéria a ser cantada: os feitos dos navegadores portugueses, em


especial os da esquadra de Vasco da Gama e a história do povo português.

2. Invocação (Canto I - Estrofes 4 e 5)


O poeta invoca o auxílio das musas do rio Tejo, as Tágides, que irão inspirá-lo na
composição da obra.

3. Dedicatória (Canto I - Estrofes 6 a 18)


O poema é dedicado ao rei Dom Sebastião, visto como a esperança de propagação
da fé católica e continuação das grandes conquistas portuguesas por todo o mundo.

4. Narração (Canto I - Estrofe 19 a Canto X - Estrofe 144)


A matéria do poema em si. A viagem de Vasco da Gama e as glórias da história
heroica portuguesa.

5. Epílogo (Canto X - Estrofes 145 a 156)


Grande lamento do poeta, que reclama o fato de sua "voz rouca" não ser ouvida com
mais atenção.
Episódios líricos marcantes:
Episódio de Inês de Castro [canto III].
Episódio do Velho do Restelo [canto IV].
Episódio do Gigante Adamastor [canto V].
Episódio da Ilha dos Amores [cantos IX e X].
Leitura do episódio que narra a morte de Inês de Castro:
Tu, só tu, puro amor, com força crua,
Que os corações humanos tanto obriga,
Deste causa à molesta morte sua,
Como se fora pérfida inimiga.
Se dizem, fero Amor, que a sede tua
Nem com lágrimas tristes se mitiga,
É porque queres, áspero e tirano,
Tuas aras banhar em sangue humano. altares

Estavas, linda Inês, posta em sossego,


De teus anos colhendo doce fruito, fruto
Naquele engano da alma, ledo e cego, alegre
Que a Fortuna não deixa durar muito,
Nos saudosos campos do Mondego, rio de Portugal
De teus fermosos olhos nunca enxuito, enxuto
Aos montes insinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas.

Do teu Príncipe ali te respondiam


As lembranças que na alma lhe moravam,
Que sempre ante seus olhos te traziam,
Quando dos teus fermosos se apartavam;
De noite, em doces sonhos que mentiam,
De dia, em pensamentos que voavam;
E quanto, enfim, cuidava e quanto via
Eram tudo memórias de alegria.
.................................................
O velho pai sisudo, que respeita
O murmurar do povo e a fantasia
Do filho, que casar-se não queria,

Tirar Inês ao mundo determina,


Por lhe tirar o filho que tem preso,
Crendo co'o sangue só da morte indina indigna
Matar do firme amor o fogo aceso.
Que furor consentiu que a espada fina
Que pôde sustentar o grande peso
Do furor mauro, fosse alevantada mouro
Contra uma fraca dama delicada?"
.............................................................
Os Lusíadas, Camões.
Desenvolvendo Competências

1. (UFSCar) A questão seguinte baseia-se no poema épico Os Lusíadas, de Luís Vaz de


Camões, do qual se reproduzem, a seguir, três estrofes.

Mas um velho, de aspeito venerando, (= aspecto)


Que ficava nas praias, entre a gente,
Postos em nós os olhos, meneando
Três vezes a cabeça, descontente,
A voz pesada um pouco alevantando,
Que nós no mar ouvimos claramente,
C’um saber só de experiências feito,
Tais palavras tirou do experto peito:
“Ó glória de mandar, ó vã cobiça
Desta vaidade a quem chamamos Fama!
Ó fraudulento gosto, que se atiça
C’uma aura popular, que honra se chama!
Que castigo tamanho e que justiça
Fazes no peito vão que muito te ama!
Que mortes, que perigos, que tormentas,
Que crueldades neles experimentas!

Dura inquietação d’alma e da vida


Fonte de desamparos e adultérios,
Sagaz consumidora conhecida
De fazendas, de reinos e de impérios!
Chamam-te ilustre, chamam-te subida,
Sendo digna de infames vitupérios;
Chamam-te Fama e Glória soberana,
Nomes com quem se o povo néscio engana.”
Os versos de Camões foram retirados da passagem conhecida como O Velho do
Restelo. Nela, o velho
a) abençoa os marinheiros portugueses que vão atravessar os mares à procura de uma vida
melhor.
b) critica as navegações portuguesas por considerar que elas se baseiam na cobiça e busca
de fama.
c) emociona-se com a saída dos portugueses que vão atravessar os mares até chegar às
Índias.
d) destrata os marinheiros por não o terem convidado a participar de tão importante empresa.
e) adverte os marinheiros portugueses dos perigos que eles podem encontrar para buscar
fama em outras terras.

2. No Brasil, o Classicismo é mais conhecido como Quinhentismo, abrangendo toda


produção literária da fase Renascentista no século XVI. Toda literatura desse período foi
escrita por portugueses e resume-se à:
a) Literatura de catequese, cuja principal função era doutrinar os indígenas segundo os
preceitos cristãos. São escritos, principalmente, dos padres Antônio Vieira e José de
Anchieta.
b) Literatura de informação, com documentos sobre as terras descobertas, suas belezas e
habitantes, e também a Literatura indígena que foi posteriormente traduzida para o
português.
c) Literatura de informação, representada principalmente pela Carta de Pero Vaz de
Caminha, cuja finalidade era a de relatar as características da terra descoberta, e a Literatura
jesuíta, que produziu textos simples com a finalidade de catequizar os índios.
d) Literatura de protesto, produzida para denunciar o extermínio da população indígena e os
desmandos da coroa portuguesa no Brasil. Essa literatura foi representada por nomes como
Gonçalves Dias e Padre José de Anchieta.

3. (FMTM) Leia
Endechas à escrava Bárbara
Aquela cativa
Que me tem cativo,
Porque nela vivo
Já não quer que viva.
Eu nunca vi rosa
Em suaves molhos,
Que para meus olhos
Fosse mais formosa.

Nem no campo flores,


Nem no céu estrelas
Me parecem belas
Como os meus amores.
Rosto singular,
Olhos sossegados,
Pretos e cansados,
Mas não de matar.

Uma graça viva,


Que neles lhe mora,
Pera ser senhora
De quem é cativa.
Pretos os cabelos,
Onde o povo vão
Perde opinião
Que os louros são belos.

Pretidão de Amor,
Tão doce a figura,
Que a neve lhe jura
Que trocara a cor.
Leda mansidão,
Que o siso acompanha;
Bem parece estranha,
Mas bárbara não.

Vocabulário:
Endechas: Versos em redondilha menor (cinco sílabas)
Molhos: feixes Leda: risonha Vão: fútil

Em sua obra, Camões continua a tradição da conduta amorosa das cantigas


medievais. Nela, a mulher amada era considerada
a) responsável pelas contradições e insatisfações do homem.
b) símbolo do amor erótico.
c) incapaz de levar o homem a atingir o Bem.
d) um ser impuro e prejudicial ao homem.
e) uma pessoa superior, fonte de virtudes.

4. (FGV-SP) Assinale a alternativa que completa corretamente a afirmação seguinte:


O movimento desenvolveu-se no apogeu político de Portugal; consiste numa
concepção artística baseada na imitação dos modelos clássicos gregos e latinos. Nele, o
pensamento lógico predomina sobre a emoção, e a estrutura da composição poética
obedece a formas fixas, com a introdução da medida nova, que convive com a medida velha
das formas tradicionais.
Trata-se do:
a) Modernismo.
b) Barroco.
c) Romantismo.
d) Classicismo.
e) Realismo.

5. (Mack) Assinale a alternativa correta sobre Camões.


a) Além de usar metros mais populares, utilizou-se da medida nova, especialmente nas
redondilhas que recriam, poeticamente, um quadro harmônico da vida e do mundo.
b) O tema do desconcerto do mundo é um dos aspectos característicos de sua poesia,
presente, por exemplo, nos sonetos de inspiração petrarquiana.
c) Introduziu o estilo cultista em Portugal, em 1580, explorando antíteses e paradoxos nos
poemas de temática religiosa.
d) Autor mais representativo da poesia medieval portuguesa, produziu, além de sonetos
satíricos, a obra épica Os lusíadas.
e) Influenciado pelo Humanismo português, aderiu ao cânone clássico de composição
poética, afastando-se, porém, das inovações métricas e dos modelos greco-romanos.

6. (Enem)
LXXVIII (Camões, 1525?-1580)

Leda serenidade deleitosa,


Que representa em terra um paraíso;
Entre rubis e perlas doce riso;
Debaixo de ouro e neve cor-de-rosa;

Presença moderada e graciosa,


Onde ensinando estão despejo e siso
Que se pode por arte e por aviso,
Como por natureza, ser fermosa;

Fala de quem a morte e a vida pende,


Rara, suave; enfim, Senhora, vossa;
Repouso nela alegre e comedido:

Estas as armas são com que me rende


E me cativa Amor; mas não que possa
Despojar-me da glória de rendido.
CAMÕES, L. Obra completa. Rio de janeiro: Nova Aguilar, 2008.
SANZIO, R. (1483-1520) A mulher com o unicórnio. Roma, Galeria Borghese.

A pintura e o poema, embora sendo produtos de duas linguagens artísticas diferentes,


participaram do mesmo contexto social e cultural de produção pelo fato de ambos
a) apresentarem um retrato realista, evidenciado pelo unicórnio presente na pintura e pelos
adjetivos usados no poema.
b) valorizarem o excesso de enfeites na apresentação pessoa e na variação de atitudes da
mulher, evidenciadas pelos adjetivos do poema.
c) apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela sobriedade e o equilíbrio,
evidenciados pela postura, expressão e vestimenta da moça e os adjetivos usados no
poema.
d) desprezarem o conceito medieval da idealização da mulher como base da produção
artística, evidenciado pelos adjetivos usados no poema.
e) apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela emotividade e o conflito interior,
evidenciados pela expressão da moça e pelos adjetivos do poema.
Gabarito

1. B
2. C
3. A
4. D
5. B
6. C