Você está na página 1de 4

Tema 36

Busca e Acharás

ESE: XXV - 1a11, VI -3a 8

LE: 909 a 912

Pedi e se vos dará; buscai e achareis; batei à porta e se vos abrirá; porquanto, quem pede
recebe e quem procura acha e, àquele que bata à porta, abrir-se-á. (MATEUS, cap. VII, vv. 7 e
8).

Ajuda-te a ti mesmo, que o céu te ajudará. É o princípio da lei do trabalho e, por conseguinte,
da lei do progresso, porquanto o progresso é filho do trabalho, visto que este põe em ação as
forças da inteligência. …

Na infância da Humanidade, o homem só aplicava a inteligência à cata do alimento, dos meios


de se preservar das intempéries e de se defender dos animais.

Pelas suas pesquisas, a inteligência se lhe engrandece, o moral se lhe depura. As


necessidades do corpo sucedem as do espírito: depois do alimento material, precisa ele do
alimento espiritual. E assim que o homem passa da selvageria à civilização.

Mas, bem pouca coisa é imperceptível mesmo, em grande número deles, o progresso que cada
um realiza individualmente no curso da vida. …

Se Deus houvesse isentado do trabalho do corpo o homem, seus membros se teriam atrofiado;
se o houvesse isentado do trabalho da inteligência, seu espírito teria permanecido na infância,
no estado de instinto animal.

Por isso é que lhe fez do trabalho uma necessidade e lhe disse: Procura e acharás; trabalha e
produzirás. Dessa maneira será filho das tuas obras, terás delas o mérito e serás
recompensado de acordo com o que hajas feito. …

Em virtude desse princípio é que os Espíritos não acorrem a poupar o homem ao trabalho das
pesquisas, trazendo-lhe, já feitas e prontas a ser utilizadas, descobertas e invenções, de modo
a não ter ele mais do que tomar o que lhe ponham nas mãos, sem o incômodo, sequer, de
abaixar-se para apanhar, nem mesmo o de pensar. …

Com essas palavras, Jesus exortou à oração e à confiança em Deus, na certeza de que Ele
não deixará, jamais, de atender às nossas necessidades, sejam elas materiais ou espirituais,
desde que façamos a nossa parte, procurando o bom caminho para obtê-las.

Pedi, buscai, batei…

O Mestre repete-a, afirmando, categoricamente, que “todos os que pedem, recebem; os que
buscam, acham; e a quem bate se abre”.
Muitos homens supõem que, sendo Deus onisciente, sabe perfeitamente o de que carecemos
e tudo fará por nós sem precisar pedir-Lhe nada, nem dar-nos a qualquer incômodo.

Primeiramente, a razão do “pedir” não é informar a Deus do que nos falta, nem lembrá-Lo de
algo que, porventura, tenha esquecido, porque, de fato, Ele sabe de tudo a nosso respeito e
não é de Sua natureza fazer-se rogado para derramar-nos as Suas bênçãos. …

Com o “pedir“, confessamos nossa indigência, nossa fraqueza, e, com esse ato de humildade e
de fé, teríamos aquelas condições de receptividade indispensáveis para que a graça divina
possa atuar sobre nós, fortalecendo-nos o ânimo, de modo a levarmos o bom termo os nossos
empreendimentos, inspirando-nos soluções adequadas aos problemas que nos aflijam, assim
como infundindo-nos paciência e resignação, quando se trate de vencermos uma prova difícil.

Não basta, porém, pedir. É preciso, em complemento, “procurar” e “bater“, isto é, que nos
mexamos, que trabalhemos persistentemente, até atingirmos o objetivo colimado. …

O trabalho não é castigo, Deus nos deu a inteligência para podermos desenvolver com
dignidade uma função de onde proveremos nossa alimentação e conforto material necessário
para nossa evolução espiritual.

Assim, quer almejemos a conquista de uma situação mais confortável quer desejemos
vencer nossas inferioridades morais a fim de formarmos um caráter reto, seja o benefício que
for os esforços próprios são absolutamente necessários.

Há outra classe de homens que, igualmente, nada pedem a Deus. É a dos


autossuficientes, que, confiando apenas em si mesmos, julgam tudo poderem conseguir só
com os recursos de sua inteligência e operosidade.

A esses, Deus não castiga, como erroneamente se afirma por aí, mas abandona-o às
próprias forças. As quedas e frustrações que, na certa, virá a sofrer, vendo abater-lhes o
orgulho, fazendo que reconheça suas limitações e se volte para o Alto, isso sim é a coisa mais
certa que poderá acontecer.

Não sejamos, portanto, nem dos que se mantêm apáticos, inertes, esperando que
Deuspreveja e proveja tudo para eles; nem destes outros, arrogantes, presunçosos, que
acreditam poderem prescindir do auxílio de Deus. …

Vamos pedir em prece, confiantes, e trabalhando perseverantes; assim procedendo,


sempre acharemos quem nos estenda mãos amigas, e todas as portas abrir-se-nos-ão, pois
não há obstáculos que não sejam removidos ante o empenho de uma vontade inquebrantável,
aliada a uma fé viva e

Disse Jesus: “Meu Pai até hoje trabalha”.


Sua mensagem é bem clara a respeito do trabalho, sendo que o mesmo só vem a engrandecer
o espírito em sua evolução, nos ensinado a viver em comunidade e ajudando nosso irmão de
caminhada, na caridade e no amor. …

Todos nós sabemos, é só lermos os jornais, ouvir ou assistir pelos meios de comunicação, que
a maioria dos crimes, desavenças, acidentes automobilísticos, bebedeiras e violências são
praticados muitas vezes em domingos e feriados, quando as pessoas não trabalham.

Estando sem trabalhar as pessoas deveriam ocupar o seu tempo para o lazer, descansar,
meditar, praticar um esporte, caminhar, ajudar os irmãos necessitados, praticar o bem ao invés
de ficar só pensando ou fazendo coisas improdutivas, brigando com os vizinhos, se
embebedando, usando drogas e cometendo atos de violência. …

“Buscai e Achareis” encerra em seu princípio a lei do trabalho e do progresso, e


entendamos trabalho como algo muito mais abrangente do que apenas nossas atividades
profissionais.

LE – 675 – Por trabalho só se devem entender as ocupações materiais?

Não, Trabalho, como ensina a espiritualidade, é toda ocupação útil. A leitura edificante, o
auxílio em obras sociais, o estudo e pesquisa, o cuidado que dedicamos ao corpo físico, à
conversa fraterna e edificante, a prece, enfim, quando bem empregamos o tempo estamos
trabalhando, melhorando e, consequentemente, evoluindo moral e espiritual. …

Com o avançar das ideias humanas o “Buscar e Achareis”, contido no Evangelho, que
podemos definir também como procura pelos nossos objetivos, pode ser mais bem direcionado
se bem utilizarmos a ferramenta da organização.

Sim, sermos mais organizados em nossa existência, definindo metas e buscando-as,


porquanto, quando definimos o ponto onde queremos chegar, nosso empenho será mais bem
direcionado, e as energias empregadas terão rumo certo, menos tempo desperdiçado e, com
isso, aumentam as chances de sucesso nos empreendimentos que formos realizar em todos os
campos de atuação que estivermos inseridos. …

O que buscamos? Esta pergunta, devemos nos fazer sempre, em qualquer segmento em
que estejamos inseridos, seja na religião, nos relacionamentos afetivos ou interpessoais, na
família, no trabalho, na cultura, etc.

Devemos gerenciar sempre nossas ações e pensamentos com muito equilíbrio para não
sentirmos mais tarde, desconfortos criados por nós mesmos.

Não vamos ficar esperando que Deus faça por nós as tarefas que competem a nós fazer,
ele pode nos ajudar, mas antes disso temos que colocar nossas forças e nunca desistir dos
nossos objetivos. …
Sabemos que não existe receita de como transformar nossos desejos, sentimentos,
pensamentos e ações. Mas, existe, sim, um Modelo a seguir (Cristo) e, seguindo Seus passos,
alcançaremos a Luz Maior, que a tudo rege e governa.

Do ponto de vista moral, essas palavras de Jesus significam: Pedi à luz que vos clareie o
caminho e ela vos será dada; pedi forças para resistirdes ao mal e as tereis; pedi a assistência
dos bons Espíritos e eles virão acompanhar-vos, pedi bons conselhos e eles não vos serão
jamais recusados; mas, pedir sinceramente, com fé, confiança e fervor; apresentai-vos com
humildade e não com arrogância, pedi saúde, paz, paciência, simplicidade e muito amor. Tal o
sentido das palavras: buscai e achareis;

O homem é o que pensa.

Se você insistir em pensar no mal, na dor, na doença, você os atrairá para si.

Cada dia, nova etapa de trabalho é iniciada!

Lembre-se de agradecer ao Pai o ensejo do repouso que lhe concedeu forças para executar as
tarefas, de que está encarregado, com alegria e boa vontade.

Agradeça, também, o trabalho que lhe proporciona o pão de cada dia, e procure executá-lo
da melhor forma de que for capaz.

O trabalho bem executado traz-nos a alegria do dever cumprido.

Seja otimista em tudo e permaneça ligado ao Pai Celestial, através do estudo e da prece.

Afirme sempre que é feliz, que as dores passam que a saúde se consolida cada vez mais,
e a felicidade baterá à sua porta.

“Perdão e tolerância são alavancas de sustentação da nossa paz íntima”.

Emmanuel

Boas reflexões.

Com meu carinho e fraterno abraço - Paschoal Romano - Dir. Ass. Espiritual