Você está na página 1de 4

Tecnologia para remoção de material particulado

A eficiência requerida para a remoção do material particulado depende do uso final do


gás. Dentre as tecnologias existentes para a remoção de material particulado destacam-
se:
 Ciclones
 Filtros
 Filtros Eletrostáticos
 Lavadores de gases.

Ciclones:
Equipamentos utilizados para separar e coletar partículas do ar ou para limpeza de gases
de processo por meio de ação da força centrifuga que age sobre as partículas carregadas
pelo fluxo de gás, empurrando-as na direção das paredes e retirando-as do fluxo gasoso.
Esta força pode variar de 5 a 2500 vezes seu peso.
Por serem equipamentos estacionários não oferecem dificuldades para operação em
altas temperaturas e elevadas pressões.
Vantagens:
Baixo custo, baixa perda de carga, resistência a corrosão e temperatura.
Desvantagens:
Baixa eficiências para partículas menores que 5 micrometros, excessivo desgaste por
abrasão, possibilidade por entupimento.

Imagem
Animação

Filtros:

Os filtros são constituídos de elementos porosos, tais como leitos granulados, materiais
cerâmicos e placas metálicas que permitem a passagem de gases, mas impedem a de material
particulado.

Filtro de mangas são empregados para coleta de material particulado via seca, com
altíssimas eficiências de retenção. Os filtros caracterizam-se por manter praticamente
constante a concentração de particulado nos gases tratados a despeito das variações nas
condições de entrada.
Imagem
A filtragem nos filtros de manga é realizada pela passagem do ar carregado de partículas
através de mangas onde partículas ficam retidas na superfície e nos poros dos fios,
formando um bolo que atua também como meio filtrante. Para reduzir a resistência ao
fluxo do ar o bolo deve ser periodicamente desalojado.
Animação
Os filtros de manga podem operar sob pressões positivas ou negativas. A maioria dos
filtros de manga operam sob pressão negativa o que impõe um dimensionamento
exigente para o corpo que enclausura as mangas, principalmente no que se refere a
vedação.
Vantagens:
Alta eficiência (99,9%), perda de carga não excessiva, baixa corrosão.
Desvantagens: Alto custo, baixa resistência a baixas temperaturas, possibilidade de
entupimento.

Filtros Eletrostáticos:
Imagem
As micropartículas “poluentes” (sólidas ou em forma de névoas) são compostas por
milhares de moléculas que possuem naturalmente dois polos magnéticos (norte / sul).
Ao passar pelo 1° campo IONIZADOR; cerca de 80% delas adquirem carga positiva
enquanto 20% adquirem carga negativa. Depois de magnetizados eletrostaticamente os
poluentes passam para a 2° unidade, COLETORA, formada por placas metálicas
positivas e negativas, que os atraem e separam do fluxo de gases, filtrando assim o ar.
Vantagens: Tratar grandes vazões altas temperaturas, alta eficiência para coleta de
partículas pequenas, baixo custo de operação e manutenção.
Desvantagem: Custo inicial elevado, requer grande espaço físico.
O Filtro Eletrostático remove partículas de até 0,000003 milímetros, sendo este número
comparável somente aos Filtros Absolutos.

Lavadores de gás:
Lavador de gases é um equipamento cujo objetivo é a remoção do material particulado
de um fluxo de gás, pela colisão destas partículas com gotas de um meio de lavagem
(geralmente água).
Imagem

Princípio de funcionamento: O gás é forçado através de uma aspersão de gotas, que


colidem com o material particulado, aglomerando as partículas e tornando a coleta
facilitada (gravitacional ou inercial)
Imagem
As partículas umidificadas, pelo aumento de sua massa e pela tendência a aglutinar,
podem ser removidas por meios mecânicos simples (eliminador de gotas).
Eficiência na remoção é proporcional a queda de pressão. Para pressões entre 2,5 e 25
KPa, podem remover 99,9% das partículas maiores que 2micrometros ou até 95-99%
das partículas maiores que 1 micrometro.
Vantagens: pode coletar partículas e gases ao mesmo tempo, baixo custo inicial.
Desvantagens: grande consumo de agua, geração de resíduos, baixa eficiência para
partículas menores que 1 micrometro
Imagem

Tecnologia para remoção de alcatrão


A tecnologia empregada para remoção do alcatrão é função principalmente do uso final
do gás, já que para algumas aplicações o gás precisa ser intensamente resfriado, como
em máquinas térmicas (até 40 °C) e turbinas a gás (temperaturas próximas a 100 °C).
Para aplicações de síntese, normalmente preferem-se tratamentos catalíticos ou
térmicos, pois permite uma melhor integração energética da planta e também porque os
requerimentos de qualidade são mais restritos.
Existem várias propostas para se retirar o alcatrão do gás, sendo as duas
formas mais usadas:

Primaria:

Através da seleção das condições de processo de gaseificação, isto é, tipo de reator e


condições operacionais, ou seja, a otimização do processo.
Secundaria:
Ciclones, adsorventes, filtros, leitos de adsorção, torres de lavagem, precipitadores
eletrostático e remoção catalítica.
A literatura mostra os seguintes dados de eficiência de remoção de alcatrão usando
diversos sistemas (limpeza de gás a seco):

1- Precipitadores eletrostáticos (RSP) e filtros de manga: 30-70% e 0-50%,


respectivamente;

2- Filtro cerâmico: 77-97%;

3- Filtro catalítico: dados coletados sugerem elevada eficiência em temperaturas


superiores a 800 °C, no entanto, a tecnologia encontra-se em desenvolvimento e
ainda apresenta elevado custo operacional.
Além dos métodos citados anteriormente, o alcatrão pode ser removido
através de processos de remoção a quente (Craqueamento Térmico)