Você está na página 1de 4

PERDAS E DIAGRAMA DE FLUXO DE POTÊNCIA EM MOTORES DE INDUÇÃO

A potência de entrada de um motor de indução 𝑃𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎 é na forma de um sistema


trifásico de tensões e correntes. As primeiras perdas encontradas na máquina são as perdas nos
enrolamentos do estator (perdas no cobre do estator 𝑃𝐶𝐸 ). Além disso, certa quantidade de
potência é perdida como histerese e corrente parasita no estator (𝑃𝑛ú𝑐𝑙𝑒𝑜 ).
A potência restante nesse ponto é transferida ao rotor da máquina através do entreferro
entre o estator e o rotor. Essa potência é denominada potência de entreferro (𝑃𝐸𝐹 ) da máquina.
Após a potência ser transferida ao rotor, uma parte dela é perdida em forma de calor (perdas no
cobre do rotor 𝑃𝐶𝑅 ) e o restante é convertido da forma elétrica para a forma mecânica (𝑃𝑐𝑜𝑛𝑣 ).
Finalmente, depois de subtrair as perdas por atrito e ventilação 𝑃𝐴𝑉 e as perdas
suplementares 𝑃𝑠𝑢𝑝 tem-se a potência de saída do motor 𝑃𝑠𝑎í𝑑𝑎 . O diagrama do fluxo de potência
de um motor de indução é mostrado a seguir.

Exemplo

Solução
POTÊNCIA E CONJUGADO EM UM MOTOR DE INDUÇÃO

As perdas no núcleo nem sempre aparecem no diagrama de fluxo de potência no ponto


mostrado anteriormente. Isso porque as perdas no núcleo de um motor de indução vêm
parcialmente do circuito do estator e parcialmente do circuito do rotor. Assim, muitas vezes as
perdas no núcleo podem ser combinadas com as perdas por atrito, ventilação e suplementares e
denominadas perdas rotacionais.
As equações de potência e conjugado que governam o funcionamento de um motor de
indução podem ser deduzidas a partir da análise do circuito equivalente por fase de um MIT.
Abaixo, seguem as principais equações:

As perdas no cobre do estator nas três fases são dadas por:


𝑃𝐶𝐸 = 3𝑅1 𝐼12
Como já falado, a potência de entreferro por ser encontrada como
𝑃𝐸𝐹 = 𝑃𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎 − 𝑃𝐶𝐸 − 𝑃𝑛ú𝑐𝑙𝑒𝑜
𝑅2
𝑃𝐶𝑅 = 3 𝐼2′2
𝑠
Caso as perdas do núcleo estejam inseridas nas perdas rotacionais, então 𝑃𝑛ú𝑐𝑙𝑒𝑜 = 0 𝑊.
As perdas resistivas no rotor são dadas pela equação
𝑃𝐶𝑅 = 3𝑅2 𝐼2′2
𝑃𝐶𝑅 = 𝑠. 𝑃𝐸𝐹
A potência mecânica desenvolvida, ou potência convertida é dada por
𝑃𝑐𝑜𝑛𝑣 = 𝑃𝐸𝐹 − 𝑃𝐶𝑅
𝑃𝑐𝑜𝑛𝑣 = (1 − 𝑠). 𝑃𝐸𝐹
Finalmente, se as perdas por atrito e ventilação e as perdas suplementares forem conhecidas, a
potência de saída será obtida por:
𝑃𝑠𝑎í𝑑𝑎 = 𝑃𝑐𝑜𝑛𝑣 − 𝑃𝐴𝑉 − 𝑃𝑠𝑢𝑝𝑙
Por outro lado, caso 𝑃𝑛ú𝑐𝑙𝑒𝑜 , 𝑃𝐴𝑉 e 𝑃𝑠𝑢𝑝𝑙 estejam combinadas formando as perdas rotacionais
𝑃𝑟𝑜𝑡 , tem-se que
𝑃𝑠𝑎í𝑑𝑎 = 𝑃𝑐𝑜𝑛𝑣 − 𝑃𝑟𝑜𝑡

O conjugado induzido 𝜏𝑖𝑛𝑑 de uma máquina é definido como o conjugado gerado pela
conversão interna de potência elétrica e mecânica e é dado por
𝑃𝐸𝐹
𝜏𝑖𝑛𝑑 = [𝑁. 𝑚]
𝜔𝑠𝑖𝑛𝑐
2𝜋 𝑟𝑎𝑑
onde 𝜔𝑠𝑖𝑛𝑐 = 𝑛
60 𝑠
[ 𝑠
] é a velocidade angular síncrona.
O conjugado entregue efetivamente à carga é o conjugado de saída, dado por:
𝑃𝑠𝑎í𝑑𝑎
𝜏𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 = [𝑁. 𝑚]
𝜔𝑛
𝑟𝑎𝑑
onde 𝜔𝑛 = (1 − 𝑠)𝜔𝑠𝑖𝑛𝑐 [ 𝑠
] é a velocidade angular do rotor.

SEPARAÇÃO ENTRE PERDAS NO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT

O circuito equivalente por fase do motor de indução pode ser separado conforme as perdas
abordadas anteriormente, conforme mostra o esquema abaixo.

Apresentar parâmetros no circuito e dar valores de corrente no estator e fator de potência no


enunciado: 𝐼1 = 18,88 𝐴 e 𝐹𝑃 = 0,833 atrasado.