Você está na página 1de 7

RELATÓRIO DE ENSAIOS MECÂNICOS

TESTE DO ANEL
DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATRITO
Introdução

O atrito é um fator importante na composição da força de deformação


plástica, e no forjamento conforme a equação simplificada para peças com
simetria axial, segundo Schaeffer [1] na equação 1 pode-se perceber que a
influência do atrito é na razão do quadrática de seu valor.
2
h2 r0 .h h2
F = 2 . k f . (42 . e h .r0 − − ) Equação 1
2 42

Portanto para um correto preenchimento da forma a ser conformada deve-


se trabalhar corretamente na superfície de contato minimizando a rugosidade e
fazendo o uso de lubrificante adequado à tensão, material e temperatura
aplicada no forjamento.
Uma maneira simples de avaliar o atrito entre as superfícies está descrita
em Schaeffer [1] como o teste do anel, onde um anel é deformado em diversas
razões de deformação de sua altura, conforme figura 1.

Øf = Diâmetro Interno Figura 1


h = Altura

Øe = Diâmetro Externo

Neste ensaio o anel deformado tem seu diâmetro interno alterado na


medida em que o atrito varia, para cada razão de deformação
Procedimento/metodologia

A metodologia aplicada, consiste em deformar plasticamente o anel na


sua altura com reduções aproximadas em 20, 40 e 60%.
Em cada redução é mensurado o diâmetro interno do anel e pontuado no
gráfico onde são comparados com as curvas de calibração.
O procedimento de ensaio consiste:
1- Limpeza do anel e dos batentes da prensa, onde será realizada a
prensagem;
2- Aplicação ou não do lubrificante;
3- Introdução do calço para determinação da razão de deformação;
4- Acionamento da prensa para execução da prensagem;
5- Alívio da pressão de prensagem, retorno dos batentes;
6- Retirada e limpeza do anel deformado;
7- Anotação das medidas de deformação da altura e do diâmetro interno
do anel;
8- Apontamento dos dados em uma planilha;
9- Comparação dos resultados de cada lubrificante em confronto com as
curvas de simulação;
10- Avaliação dos resultados para determinação da faixa do coeficiente de
atrito para cada lubrificante.
Resultados

Os resultados obtidos são:

Ensaio de compressão do anel AA6351 em matriz plana


hf |Δh| øif Δøi
h0 hf médio [%] øi0 øif médio [%]
Sem Lubrificante – Pontos Verdes
Redução baixa (20%) 8,03 6,33 6,35 6,34 21 11,99 11,30 11,24 11,27 -6,0
Redução média (40%) 8,04 4,96 4,94 4,95 38 11,97 9,36 9,78 9,57 -20,1
Redução alta (60%) 8,03 4,04 4,13 4,09 49 12,06 7,66 7,42 7,54 -37,5
Lubrificante M1 – Pontos Azuis
Redução baixa (20%) 8,03 6,39 6,39 6,39 20 11,98 11,58 11,52 11,55 -3,6
Redução média (40%) 8,03 4,98 4,94 4,96 38 11,89 10,44 10,81 10,63 -10,6
Redução alta (60%) 8,03 3,97 3,84 3,91 51 11,98 8,68 8,47 8,58 -28,4
Lubrificante WD-40 com PTFE – Pontos Vermelhos
Redução baixa (20%) 8,04 6,31 6,34 6,33 21 11,98 11,77 11,60 11,69 -2,5
Redução média (40%) 8,13 4,94 4,96 4,95 39 11,99 10,39 10,51 10,45 -12,8
Redução alta (60%) 8,03 4,16 4,10 4,13 49 12,02 8,03 8,35 8,19 -31,9

E estão apresentados no gráfico abaixo em pontos

60
μ=0

μ=0,005
40

μ=0,01
20
μ=0,05
Δø Interno [%]

0 μ=0,1
0 10 20 30 40 50 60
μ=0,15
-20

μ=0,2

-40
μ=0,3

-60 μ=0,4

μ=0,5
-80
Δh [%]
Podemos concluir que o resultado apontado no gráfico representa as seguintes
faixas de aproximação:
Condição do Teste Cor dos Pontos Faixa de atrito
Sem Lubrificante Verde >0,5
Lubrificante M1 Azuis 0,2 – 0,4
Lubrificante WD-40 com PTFE Vermelhos 0,3 – 0,5
Discussão

Conclui-se que o atrito do alumínio sem lubrificação tem um atrito superior à


última faixa que é 0,5, que é uma faixa alta para contato de forjamento.
Também concluímos que dentre os dois lubrificantes o que melhor se destaca é
o Lubrificante M1, que fica com o atrito ligeiramente inferior ao Lubrificante WD-
40 com PTFE.
Referências Bibliográficas

[1] Schaeffer, Lírio, Forjamento (introdução ao processo), Imprensa Livre, 2006.

Você também pode gostar