Você está na página 1de 27

COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO

METODOLOGIA DE LEITURA, ESTUDO E PRODUÇÃO DE TRABALHO ESCOLAR

NITERÓI

2017

Sumário

Metodologia para os alunos que desejam estudar de verdade

2

Organização do tempo de estudo

2

1. Aula

2

2. Estudo em casa

 

2

3. Aula

3

Estratégias de leitura, análise e interpretação de texto

4

1. Ler é atribuir significado àquilo que é lido

4

2. Qual a finalidade da leitura?

4

2.1 Fases da leitura informativa ou de estudo

4

3.

Como garantir um bom resultado durante a leitura de um texto?

5

Regras Básicas

6

Regras Básicas para realização de provas e testes

6

Regras

Básicas

para

a entrega de trabalho

6

Regras Básicas para realização de trabalho em grupo

6

A organização do

grupo

6

A elaboração do trabalho

 

6

Apresentação do trabalho (Seminário)

7

Regras Básicas para apresentação de trabalhos em cartazes

7

Normas básicas para formatação de t rabalho

8

Trabalhos digitados

8

Estrutura de apresentação

9

1. Elementos pré-textuais - capa

9

Modelo de capa e folha

de rosto

. 10

Sumário

11

2. Elementos textuais

11

3. Elementos pós-textuais

12

Regras para entrega de trabalhos manuscritos

13

Anexos sugestões de modelos de fichas e projeto Ficha de avaliação de trabalho

14

Ficha de apresentação de projeto Feira Integrada

16

Modelo de projeto de pesquisa

17

METODOLOGIA PARA OS ALUNOS QUE DESEJAM ESTUDAR DE VERDADE Roberto Gonçalves da Silva

ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE ESTUDO Quando for iniciar seu estudo - isto é, seu trabalho intelectual - marque as etapas. É bom até escrevê-las para não se desviar delas.

É o que se chama de MÉTODO DE ESTUDO.

a) faça um quadro com o horário de todas as suas atividades da semana (aulas, trabalhos, lazer, etc.);

b) reserve um horário extra;

c) verifique os horários livres;

d) reserve um tempo maior para as disciplinas que você tem mais dificuldade;

e) ao estudar, procure um lugar cômodo e adequado, sem ruídos e barulhos;

f) evite estar com sono, fome ou sede;

g) reúna todos os elementos e

(dicionários, enciclopédias, etc.);

h) comece pelas coisas mais simples para depois enfrentar as mais difíceis;

i) alterne as várias fases de estudo com leituras, gráficos, resumos, esquemas, exercícios, etc.

j) evite utilizar redes sociais enquanto estiver estudando.

instrumentos

necessários para tal tarefa, mantendo-os à mão

Um esquema adequado à criação do hábito de estudo, pode ser o seguinte:

1. AULA

criação do hábito de estudo, pode ser o seguinte: 1. AULA 2. ESTUDO EM CASA 3.

2. ESTUDO EM CASA

de estudo, pode ser o seguinte: 1. AULA 2. ESTUDO EM CASA 3. AULA 1. AULA

3. AULA

1. AULA - O aluno deve ir à aula pa ra participar e tirar dela o melhor proveito. Ao professor caberá

orientá - lo quanto o aproveitamento do conteúdo. Em sala de aula:

• é indispensável a frequência;

• esteja atento e disposto;

• participe interrogando e solicitando esclarecimentos quando necessário;

• anote somente o principal;

• organize as suas anotações para não ser objeto, mas sujeito;

• se houver debate durante as aulas, faz-se necessária também a preparação prévia.

2. ESTUDO EM CASA - P ara o estudo em casa devemos ressaltar a importância de três momentos:

2.1. Ambiente adequado - Procure um lugar apropriado. Levante apenas o material para estudo daquele dia.

2.2. Revisão da aula - Reveja a matéria exposta em aula. Confronte e complete com outros textos as

suas anotações de aulas. Prepare as próximas aulas, lendo e anotando no texto as dúvidas e problemas encontrados. É fundamental esta revisão, pois, através desta etapa é possível perceber se houve a compreensão da matéria estudada e caso haja dúvidas, estas deverão ser anotadas para esclarecimentos

na aula seguinte.

É neste momento que recorremos a outros instrumentos de pesquisa, complementando nossa

tarefa com a documentação das informações necessárias. Esta documentação facilitará o terceiro momento.

A revisão da matéria vista em classe deve ser adaptada às outras situações criadas no caso da

participação em trabalhos de grupo, da preparação do seminário e da elaboração do trabalho de pesquisa.

2.3. Preparação da aula seguinte - Você deve rever relendo e reestudando a documentação da

matéria organizada em casa, e não se esquecer de anotar as dúvidas encontradas. Em seguida, você deve iniciar a leitura da unidade seguinte, podendo desta forma, participar ativamente da próxima aula.

3. AULA - Você estará preparado, através do estudo em casa, para participar ativamente da aula seguinte, envolvendo-se com maior facilidade nas exposições, discussões e debates. É um momento importante para o esclarecimento de dúvidas quanto ao conteúdo programático. Portanto, o estudo deverá ser contínuo:

Aula

Portanto, o estudo deverá ser contínuo: Aula Estudo em casa Aula Estudo em casa AULA ESTUDO

Estudo em casa

o estudo deverá ser contínuo: Aula Estudo em casa Aula Estudo em casa AULA ESTUDO EM

Aula

o estudo deverá ser contínuo: Aula Estudo em casa Aula Estudo em casa AULA ESTUDO EM

Estudo em casa

AULA

ESTUDO EM CASA

AULA

Participação

Revisão Reorganização Documentação Leitura complementar Nova unidade Fichamento ou Relatório Preparação Releitura

Participação Retomada da unidade anterior Exposição e Discussão Debate Anotações

Discussão

Debate

Novas tarefas

Anotações

ESTRATÉGIAS DE LEITURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

1. Ler é atribuir significado àquilo que é lido

A leitura é um ato que envolve mais de um sujeito: na leitura, os sujeitos se encontram. É

através dela que entendemos o mundo e interagimos com o outro, seja nos estudos, na nossa comunicação, na forma de nos expressarmos, nos conhecimentos que ela nos proporciona. A necessidade de leitura e o domínio da linguagem escrita em nossa sociedade são cada vez mais intensos.

Ler não é decifrar, como num jogo de adivinhações, o sentido de um texto. É a partir do texto, ser capaz de atribuir - lhe significado, conseguir relacioná - lo a todos os outros textos significativos para cada um, rec onhecer nele o tipo de leitura que seu autor pretendia e, dono da própria vontade, entregar-se a esta leitura, ou rebelar- se contra ela, propondo outra não prevista. (LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 1982, p. 59)

Assim, a leitura é um processo de interlocução entre leitor e autor, mediado pelo texto. É uma espécie de encontro com o autor, que está fisicamente ausente, mas se faz presente pela palavra escrita.

2. Qual a finalidade da leitura?

As finalidades da leitura estão relacionadas com as diversas modalidades de leitura. Em alguns momentos, lemos com o objetivo de adquirir conhecimentos, noutros momentos buscamos simplesmente lazer ou entretenimento. Por isso que, da forma que lemos um jornal ou uma revista, em que a leitura pode ter como finalidade a informação, sobre fatos ou notícias, não lemos um romance, cuja finalidade, geralmente, é a distração, o entretenimento.

Os diferentes tipos de leitura podem ser assim sintetizados: 1) leitura de entretenimento ou recreativa; 2) leitura técnica; 3) leitura de informação; e 4) leitura de estudo.

A leitura de estudo visa à coleta de informações para determinado propósito, aquisição e

ampliação de conhecimentos. De todos esses tipos de leitura, interessa-nos aprender como realizar a

leitura informativa ou de estudo , já que, a todo o momento, no âmbito escolar nos deparamos com textos técnicos, teóricos, de cunho filosófico-científico.

2.1. Fases da leitura informativa ou de estudo

A leitura informativa ou leitura de estudos tem como objetivo adquirir e ampliar nossos

conhecimentos, coletar dados e informações que serão utilizados na elaboração de um trabalho científico ou para responder questões específicas, sendo muito utilizada nas escolas, faculdades ou quando nos interessamos em conhecer algo novo. Por isso, além de conhecermos os aspectos para uma leitura proveitosa, é muito importante que conheçamos as fases da leitura informativa ou de estudo.

i) leitura de reconhecimento: também conhecida como leitura prévia ou de contato, tem como finalidade dar uma visão global do assunto, ao mesmo tempo em que permite ao leitor verificar a existência ou não de informações úteis para o seu objetivo específico; trata - se de uma leitura rápida, “por alto”, apenas para permitir um primeiro contato com o texto;

ii) leitura seletiva: o objetivo é a seleção de informações mais importantes e que interessam à

elaboração do trabalho em perspectiva;

iii) leitura crítica ou reflexiva : leitura de análise e avaliação das informações e das intenções do autor.

A reflexão se dá por meio da análise, comparação e julgamento das ideias contidas no texto;

iv) leitura interpretativa: é a mais completa, é o estudo aprofundado das ideias principais, onde se

procura saber o que realmente o autor afirma, quais os dados e informações ele oferece, além de

correlacionar as afirmações do autor com os problemas em questão.

Feita a análise e o julgamento daquilo que foi lido, o leitor está apto agora para fazer a síntese de tudo o que leu, a integrar os dados descobertos durante a leitura ao seu cabedal de conhecimentos.

3. Como garantir um bom resultado durante a leitura de um texto?

Para que possamos, enquanto leitores de um texto, coletar informações, verificando a validade de tais informações, comparando-as ao seu conjunto de referências, procurando argumentos ou outras informações para sustentar nossas posições, é preciso que estabeleçamos alguns passos a serem dados no alcance desse nível desejável de leitura. 1º PASSO : Delimitar a unidade de leitura (seleção) - O primeiro passo a ser tomado pelo leitor é o estabelecimento da unidade de leitura, que é a parte do texto que forma uma totalidade de sentido. Podemos considerar um capítulo, uma seção ou qualquer outra subdivisão. Ou seja, o leitor se atém apenas à parte do conteúdo que lhe interessa. 2º PASSO: Identificar o tema do texto - Esse passo nos indica que precisamos fazer as seguintes perguntas ao texto: do que trata o texto? Qual seria o seu foco principal (assunto em torno do qual as informações se organizam)? 3º PASSO : Localizar o texto no tempo e no espaço - Nesse passo, devemos perguntar ao texto: quem é o seu autor? Quando o escreveu? Em que contexto produziu sua obra? Quais as principais características de seu pensamento? Quais as influências que recebeu e também exerceu? 4º PASSO: Elaborar uma síntese do texto - Nesse passo, será exigido que o leitor faça uma seleção e uma organização dos elementos mais importantes do texto, estabelecendo um critério de relevância (O que é mais importante? O que é menos importante?) 5º PASSO: Organizar as próprias ideias com relação aos elementos relevantes - Nesse ponto, é preciso um posicionamento do leitor , que decorrerá da avaliação do que foi dito com base nos critérios que se resolveu adotar para a elaboração da síntese. É importante verificar os conhecimentos prévios que se já possui sobre o tema. Com base nesses conhecimentos, adota -se uma posição em relação às novas informações: concorda com elas? Discorda delas? Por quê? 6º PASSO: Demonstrar capacidade para interpretar dados e fatos apresentados - Agora, a partir das relações estabelecidas, o leitor deverá construir uma resposta para a seguinte pergunta: que sentido faz o que eu acabei de ler? 7º PASSO: Elaborar hipóteses explicativas para fundamentar sua análise das questões tematizadas no texto - A elaboração das hipóteses explicativas para o conjunto de informações obtidas pela leitura do texto vai além do que foi dito pelo autor e permite que se construa um novo conhecimento acerca da questão tematizada. Estamos, pois, diante da conclusão do processo de leitura e construção de sentido do texto, isto é, a apropriação do texto lido pelo leitor. Todos esses passos, sugeridos para a garantia de uma boa leitura, podem ser sintetizados nos cinco elementos que todo leitor deve identificar num texto. Ei-los:

TEMA ideia central ou assunto tratado pelo autor, o fenômeno que se discute no decorrer do texto

PROBLEMA – aquilo que “provocou” o autor, isto é, aquilo que pode ser visto como o questionamento de motivação do autor

TESE a opinião, o posicionamento do autor a respeito do assunto. O que o autor fala sobre esse tema? Que posição assume, que ideia defende? O que quer demonstrar? OBJETIVO a finalidade que o autor busca atingir. O objetivo pode estar implícito ou explícito no texto IDEIAS CENTRAIS ideias principais do texto. A cada parágrafo podemos selecionar ideias centrais ou secundárias

Adaptado de FILHO, Urbano Cavalcanti. Estratégias de leitura, análise e interpretação de textos na universidade: da decodificação à leitura crítica. In: Cadernos do CNLF, Vol. XV, Nº 5, t. 2. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2011.

REGRAS BÁSICAS

REGRAS BÁSICAS PARA A REALIZAÇÃO DE PROVAS E TESTES

1. Questões de múltipla escolha não podem ser rasuradas de forma alguma;

2. Provas discursivas devem conter letra legível;

3. Não podem ser feitos a lápis, somente à caneta de tinta azul ou preta;

4. Devem conter o nome completo do aluno, sem abreviações, número equivalente ao mesmo no diário e número da turma a que pertence o aluno, podendo, na falta dessas informações ou erro das mesmas, implicar no aluno ficar sem nota.

REGRAS BÁSICAS PARA A ENTREGA DE TRABALHO

1. Os textos coletados na internet, livros, revistas, jornais e outras fontes deve m ser lidos e feito um resumo, uma síntese ou análise utilizando as palavras daquele que irá assinar o trabalho, ou seja, o aluno. Não será aceito cópia, somente citações entre aspas, seguida da indicação da fonte entre parênteses. Plágio é assinar ou apresentar de forma integral ou parcial uma obra (escrita, fotográfica, musical etc.) sem dar créditos ao autor. No Código Penal Brasileiro é considerado crime segundo o art. 184.

2. Deverá ser entregue na data marcada. Ficará a critério do professor receber ou não o mesmo fora da data combinada, podendo o trabalho receber nota inferior ao estabelecido, caso o professor concorde com a entrega fora do prazo.

3. A forma de apresentação do trabalho, digitado ou manuscrito, ficará a critério do professor.

REGRAS BÁSICAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHO EM GRUPO

A organização do grupo

1. O grupo deve ser composto pela quantidade de componentes determinada pelo professor;

2. Todos os componentes do grupo devem ter igual disposição para a realização do trabalho coletivo;

3. Reconhecendo o princípio democrático, todos devem ac atar a opinião da maioria dos colegas nas decisões tomadas pelo grupo.

A elaboração do trabalho

1. Estabelecer o tema do trabalho, caso este não tenha sido proposto pelo professor;

2. Levantar e definir a bibliografia referente ao tema;

3. Distribuir equitativamente as tarefas;

4. Planejar a elaboração do trabalho;

5. Discutir em conjunto os resultados obtidos individualmente por cada um dos componentes do grupo;

6. Realizar quantas reuniões forem necessárias para elaborar o trabalho e realizar a sua versão definitiva.

Apresentação do trabalho (Seminário)

1. Todos os componentes do grupo devem participar da apresentação;

2. Deve-se elaborar fichas com os tópicos a serem abordados;

3. Deve-se evitar a leitura na apresentação;

4. Não é permitido o uso do telefone celular na apresentação;

5. Planejar o tempo de apresentação de acordo com o conteúdo a ser desenvolvido;

6. Todos os alunos devem dominar o assunto do seminário, uma vez que é trabalho em grupo.

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS EM CARTAZES

1. Em folha de papel 40 kg ou banner (90x100 cm);

2. Não pode estar amassado;

3. Não pode ser enfeitado com babados de papel crepom ou outros;

4. Deve-se respeitar as margens (direita e esquerda, superior e inferior) de 1,5 cm;

5. O trabalho deve apresentar além de texto resumido, figuras ilustrativas e pertinentes ao tema abordado;

6. As figuras devem ter legendas relacionando-as com o texto que ilustra;

7. O título, o texto e as legendas não devem apresentar rasuras;

8. A letra do texto e das legendas deve ser legível e bastante visível a certa distância;

9. O título do trabalho deve se encontrar centralizado na parte superior do cartaz e apresentar tamanho de letras que o destaque;

10. As informações contidas no cartaz devem ser objetivas e não ultrapassar cinco linhas .

11. Cartazes elaborados em folha de papel 40 kg devem apresentar título, corpo de textos e legendas digitados;

12. A s fontes de pesquisas (bib liografia) devem ser citadas na parte inferior do cartaz

13. A identificação do aluno ou grupo (nomes completos e a turma) deverá vir no canto direito inferior.

completos e a turma) deverá vir no canto direito inferior. Adaptado de: Regras básicas para a

Adaptado de: Regras básicas para a realização de um trabalho de Geografia com o Prof° Rolf. Silva, Roberto Gonçalves da. Metodologia para os alunos que desejam estudar de verdade. Florianópolis, 2002.

http://marlivieira.blogspot.com.br/2009/02/normas-basicas-de-apresentacao-de.html

NORMAS BÁSICAS PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS

Estas normas objetivam fornecer parâmetros para a organização dos trabalhos escolares, pois a boa estruturação de trabalhos contribui para a melhor aprendizagem do conteúdo organizado. Apresentam-se os principais elementos que compõem as normas de apresentação de trabalhos acadêmicos, fundamentados nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

TRABALHOS DIGITADOS

Papel Deve-se utilizar papel tamanho A4 (21cm x 29,7cm).

Margens Esquerda 3 cm Superior 3 cm Direita 2 cm Inferior 2 cm

Espaçamento entre linhas Deve-se utilizar espaçamento 1,5 entre linhas.

Fonte Deve-se utilizar fonte Arial ou Times New Roman, tamanho 12 em todo o trabalho, exceto para citações em parágrafo especial e notas de rodapé. Citações em parágrafo especial: Fonte Times New Roman 11 ou Arial 11. Notas de Rodapé: Fonte Times New Roman 10 ou Arial 10.

Parágrafo Deve estar recuado 3 cm da margem esquerda.

Citações Quando no corpo do texto, podem ter até três linhas e devem estar entre aspas; em parágrafos especiais devem estar a 6 cm da margem.

Ilustrações Quando forem inseridas no trabalho, devem ter legendas relacionando-as com o texto que ilustra;

Paginação Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas sequencialmente . A numeração é colocada, a partir da primeira folha da parte textual, em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2 cm da borda superior, ficando o último alga rismo a 2 cm da borda direita da folha. Havendo apêndice e anexo, as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar seguimento a do texto principal.

Capa Deve ser de papel consistente ou simples, sem ilustração ou “embelezamento", composta de:

a) Cabeçalho: nome do colégio e curso.

Deve ser centralizado à margem superior, com letras maiúsculas, tamanho 16 ou 18, espaçamento entre linhas simples;

b) Nome do (s) aluno (s): abaixo do nome da instituição 5 cm, centralizado, letra s maiúsculas,

tamanho 16 ou 18; turma;

c) Título do trabalho: no centro da folha, negrito, centralizado, tamanho 16 ou 18, letras maiúsculas.

Se houver subtítulo, colocar logo abaixo do título, com tamanho de fonte menor, sem negrito, somente

iniciais maiúsculas.

d)

Local e ano: centralizado na borda inferior e as primeiras letras maiúsculas, tamanho 14.

Folha de rosto

A Folha de Rosto apresenta os mesmos elementos gráficos apresentados na capa, apenas acrescenta -se

a 3 cm abaixo do título a justificativa da elaboração do trabalho e nome do (s) professor(s). A

justificativa deve-ser alinhada à margem direita a partir do meio da página. Utiliza -se fonte Times New Roman ou Arial 12 em letras minúsculas.

ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO

ESTRUTURA

ELEMENTO

PRÉ-TEXTUAIS

CAPA FOLHA DE ROSTO RESUMO SUMÁRIO

TEXTUAIS

INTRODUÇÃO

DESENVOLVIMENTO

CONCLUSÃO

PÓS-TEXTUAIS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Os elementos pré-textuais antecedem o texto com informações que ajudam na identificação e utilização do trabalho.

Capa Elemento obrigatório para proteção externa do trabalho. Deve conter os elementos necessários à sua identificação na seguinte ordem:

a) nome da instituição;

b) nome completo do autor;

c) título do trabalho;

d) subtítulo, se houver;

e) local (nome da cidade da instituição onde deve ser apresentado);

f) ano de entrega.

3cm 2cm 3cm COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO Fonte 16. NOME DO ALUNO Letra maiúscula, negrito,
3cm
2cm
3cm
COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO
Fonte 16.
NOME DO ALUNO
Letra maiúscula, negrito,
TURMA
centralizado.
Fonte 20
TÍTULO DO TRABALHO
Letra maiúscula, negrito,
centralizado.
NITERÓI
2017
2cm

Fonte 14.

Letra maiúscula, negrito,

centralizado

Folha de rosto Elemento obrigatório que contém os elementos essenciais à identificação do trabalho. Deve incluir os elementos constantes da capa e a natureza do trabalho com exceção do nome da instituição:

a) autor;

b) título: subtítulo (se houver);

c) natureza (trabalho, resumo, fichamento) e objetivo (disciplina, grau pretendido) e a instituição;

d) nome do professor;

e) local (cidade);

f) ano de entrega.

Fonte 16.

Letra maiúscula, negrito,

centralizado.

Fonte 20.

Letra maiúscula, negrito,

centralizado.

NOME DO ALUNO TÍTULO DO TRABALHO Trabalho apresentado à disciplina xxxxxxxxxxxxx para obtenção da nota
NOME DO ALUNO
TÍTULO DO TRABALHO
Trabalho
apresentado
à
disciplina
xxxxxxxxxxxxx
para
obtenção
da
nota
bimestral.
Profº xxxxxxxxxxxxxxxxx
NITERÓI
2017
nota bimestral. Profº xxxxxxxxxxxxxxxxx NITERÓI 2017 Fonte 12; alinhamento justificado, a partir do meio da
nota bimestral. Profº xxxxxxxxxxxxxxxxx NITERÓI 2017 Fonte 12; alinhamento justificado, a partir do meio da
nota bimestral. Profº xxxxxxxxxxxxxxxxx NITERÓI 2017 Fonte 12; alinhamento justificado, a partir do meio da

Fonte

12;

alinhamento

justificado, a partir do meio da

página, espaçamento simples.

Fonte 16.

Letra maiúscula, negrito,

centralizado

justificado, a partir do meio da página, espaçamento simples. Fonte 16. Letra maiúscula, negrito, centralizado 10

Sumário

O sumário consiste na enumeração das principais divisões e outras partes do trabalho na mesma ordem e grafia que se sucedem no texto acompanhado do número da página.

. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 4 2. CAPÍTULO 9 2.2. SUBCAPITULO 13 2.1.1. Subcapítulo 14 2.1.1.2.
.
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
4
2. CAPÍTULO
9
2.2. SUBCAPITULO
13
2.1.1. Subcapítulo
14
2.1.1.2. Subcapítulo
15
2.1.1.2.1. Subcapítulo
16
3. CONCLUSÃO
19
REFERÊNCIAS
21

2. ELEMENTOS TEXTUAIS

Introdução Parte inicial do trabalho tem como finalidade de dar uma visão clara e simples o tema do trabalho. A introdução deve informar:

a) natureza e importância do trabalho;

b) justificativa da escolha do tema;

c) objetivo do estudo e/ou pesquisa;

d) organização e distribuição do trabalho em seções.

Desenvolvimento Parte principal do texto, contendo a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Divide -se em seções e subseções, variando de acordo com a natureza do estudo, a abordagem do tema e o método utilizado, ficando a critério do autor retratar o conteúdo desenvolvido, destacando os pontos mais relevantes do trabalho.

Conclusão Parte final do texto na qual apresenta-se a conclusão correspondente aos objetivos previamente estabelecidos.

3. ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Os elementos pós-textuais complementam o trabalho e possuem forma própria de apresentação.

Referências Elemento obrigatório, constituído de uma lista de referências de todas as fontes utilizadas no trabalho pelo (s) autor (es). As referências vêm em página independente. A palavra REFERÊNCIA vem grafada e em caixa alta, de forma centralizada. Na Referência, os elementos essenciais devem seguir a seguinte ordem:

AUTOR. Título. x. ed. Local: Editora, ano. x p.

AUTOR. Título: subtítulo. 2. ed. Local: Editora, ano. x p. Os elementos que foram retirados da internet (meio eletrônico como bases de dados, sites, programas, mensagens eletrônicas devem conter os elementos essenciais citados anteriormente, e acrescentar o endereço do site onde foi disponibilizada a informação (Disponível em:

http://www.sbpspsistemas.com.br/biblioteca/Normas_Trabalhos.pdf) e o dia do acesso (Acesso em: 30 jan. 2017).

Exemplos de modelos de referências:

Documento on-line BRASIL. Presidência da República. Disponível em:

<http:www.planalto.gov.Br/publi-04/coleção/pladi.htm>. Acesso em: 25 fev. 1999.

Livro impresso ECO, Umberto. Como se faz uma tese . 14 ed. São Paulo: Perspectivas, 1998. 126

p. Revista DILÙ, Mello. A boneca que regeu uma orquestra. Revista Carioca. Rio de Janeiro, n. 13, v. 3, n. 44, jan./abr. 1990.

CD -ROM MARTINS, Suzana Matte Silveira. Administração de empresas . Porto alegre:

EDPUCRS, 1997. 1 CD-ROM. Dicionário ROCHA, Ruth. Minidicionário enciclopédico escolar: português. São Paulo: Scipione, 1996. 747 p.

. REFERÊNCIAS BRASIL. Presidência da República. Disponível em:
.
REFERÊNCIAS
BRASIL.
Presidência
da
República.
Disponível
em:
<http:www.planalto.gov.Br/publi-04/coleção/pladi.htm>.
Acesso em: 25 fev. 1999.
DILÙ, Mello. A
boneca que regeu uma orquestra. Revista
Carioca . Rio de Janeiro, n. 13, v. 3, n. 44, jan./abr. 1990.
ECO, Umberto. Como se faz tese. 14 ed. São Paulo:
Perspectivas, 1998. 126 p.
MARTINS,
Suzana
Matte
Silveira.
Administração
de
empresas. Porto alegre: EDPUCRS, 1997. 1 CD-ROM.
ROCHA,
Ruth.
Minidicionário
enciclopédico
escolar:
português. São Paulo: Scipione, 1996. 747 p

Fonte: apmf-cpm.com.br/portal/images/stories/pdf/normas-trabalhos.pdf

http://www.ldapolivalente.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudodo=84

Obs.: Adaptado - Polícia Militar. Diretoria de Ensino.Colégio da Polícia Militar “Cel. PM Felippe de Sousa Miranda”. Estado do Paraná. 2009 - Colégio Estadual Polivalente Ensino Fundamental Médio e Profissional. Londrina PR.

REGRAS PARA ENTREGA DE TRABALHOS MANUSCRITOS

Trabalhos manuscritos

Usar papel almaço pautado, letra legível, sem rasura de espécie alguma, em caneta azul ou pre ta;

Verificar se a folha de papel almaço tem a marcação da margem à direita, caso não tenha, dar um espaço de 2 cm.

Parágrafo deve estar recuado 2 cm da margem esquerda.

Capa, Folha de rosto, Resumo e Sumário, seguir os modelos utilizados na formataçã o de trabalhos digitados. Ficará a critério do professor a utilização de folha de papel almaço sem pauta para a elaboração da capa.

Elementos textuais e pós-textuais deverão seguir a formatação utilizada em trabalhos digitados.

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO NOTA: DISCIPLINA: PROF.: SÉRIE: 2ª ENSINO

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO

NOTA:

DISCIPLINA:

PROF.:

SÉRIE: 2ª ENSINO MÉDIO

TURMA:

TEMA:

OBJETO DO TRABALHO:

ALUNOS :

1

2

3

4

5

CONCEITUAÇÃO:

FFAATTOORREESS DDEE AAVVAALLIIAAÇÇÃÃOO

AAVVAALLIIAAÇÇÃÃOO ((DDEE 11 AA 55))

CCoonnssiissttêênncciiaa ee ddoo CCoonntteeúúddoo

 

CCllaarreezzaa ee SSeeqquuêênncciiaa nnaa AApprreesseennttaaççããoo

 

OObbjjeettiivviiddaaddee nnaa AAbboorrddaaggeemm ddoo TTeemmaa

 

QQuuaalliiddaaddee ddoo MMaatteerriiaall ddee AApprreesseennttaaççããoo

 

CCuummpprriimmeennttoo ddaass rreeggrraass ddoo ttrraabbaallhhoo

 

AAddeeqquuaaççããoo ddoo tteemmppoo

 

TTOOTTAALL

 

TABELA DE CONCEITUAÇÃO FINAL:

TToottaall ddee ppoonnttooss

CCoonncceeiittuuaaççããoo

DDee 00 aa 55

IInnssuuffiicciieennttee ((00%%))

DDee 66 aa 99

FFrraaccoo ((3300%%))

DDee 1100 aa 2200

RRaazzooáávveell ((5500%%))

DDee 2211 aa 2255

BBoomm ((7755%%))

DDEE 2266 aa 3300

EExxcceelleennttee ((110000%%))

NITERÓI, 21 DE NOVEMBRO DE 2016.

PROFESSOR AVALIADOR:

Regras do trabalho:

1. Todos os componentes do grupo de vem apresentar o trabalho e conhecê -lo como um todo.

2. O objeto de trabalho (o assunto escolhido) deve estar relacionado ao tema proposto.

3. Entregar trabalho escrito sobre o tema e assuntos trabalhados na apresentação.

4. O cartaz deve ter relação com o tema e o assunto trabalhado. 4.1. O cartaz deve ter um título desenvolvido pelo grupo conforme o assunto trabalhado. 4.2.O cartaz deve conter imagem. 4.3. As informações contidas no cartaz devem ser objetivas e não ultrapassar cinco linhas. E deve apresentar fonte de pesquisa para os interessados em continuar pesquisando sobre o assunto (link de sites, bibliografia etc.). 4.4. A formatação do cartaz conter margens definidas, letras legíveis para leitura à distância, e distribuição harmônica de título, imagem e texto.

Observações feitas pelo avaliador:

COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO FICHA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO – FEIRA INTEGRADA Turma: Tema: Objeto

COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO FICHA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO FEIRA INTEGRADA

Turma:

Tema:

Objeto do trabalho:

Introdução

Justificativa

Objetivo

Metodologia

COLÉGIO ESTADUAL DAVID CAPISTRANO

NOME

TURMA

TÍTULO (MODELO DE APRESNTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA)

LOCAL

MÊS /ANO

SUMÁRIO

1- INTRODUÇÃO

3

2-

OBJETIVOS

4

3- JUSTIFICATIVA

5

4-

REVISÃO TEÓRICA

6

5-

METODOLOGIA

7

6-

CRONOGRAMA

8

7-

BIBLIOGRAFIA

9

8- ANEXOS

10

1-INTRODUÇÃO

(O QUE É O TEMA?)

Na introdução o pesquisador deverá explicar o assunto que deseja

desenvolver.

Desenvolver genericamente o tema

Anunciar a ideia básica

Delimitar o foco da pesquisa

Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho

Descrever as motivações que levaram à escolha do tema

Definir o objeto de análise: O QUÊ SERÁ ESTUDADO?

2- OBJETIVOS

( VAI BUSCAR O QUÊ?)

Aqui o pesquisador deverá descrever o objetivo concreto da pesquisa

que irá desenvolver: o que se vai procurar.

A apresentação dos objetivos varia em função da natureza do projeto.

Nos objetivos da pesquisa cabe identificar claramente o problema e apresentar

sua delimitação. Apresentam-se os objetivos de forma geral e específica.

O objetivo geral define o que o pesquisador pretende atingir com sua

investigação.

Os objetivos específicos definem etapas do trabalho a serem realizadas

para que se alcance o objetivo geral. Podem ser: exploratórios, descritivos e

explicativos. Utilizar verbos para iniciar os objetivos:

Exploratórios (conhecer, identificar, levantar, descobrir)

Descritivos (caracterizar, descrever, traçar, determinar)

Explicativos (analisar, avaliar, verificar, explicar)

5

3- JUSTIFICATIVA

(POR QUE FAZER?)

Consiste na apresentação, de forma clara, objetiva e rica em detalhes,

das razões de ordem teórica ou prática que justificam a realização da

pesquisa ou o tema proposto para avaliação inicial. No caso de pesquisa de

natureza científica ou acadêmica, a justificativa deve indicar:

A relevância social do problema a ser investigado.

As

contribuições

que

proporcionar

respostas

a

pesquisa

pode

aos

problemas

trazer,

propostos

formulações teóricas a esse respeito.

no

ou

sentido

de

ampliaras

O estágio de desenvolvimento dos conhecimentos referentes ao tema.

A

possibilidade

de

sugerir

proposta pelo tema.

modificações

no

âmbito

da

realidade

6

4- REVISÃO TEÓRICA

(O QUE JÁ FOI ESCRITO SOBRE O TEMA?)

Pesquisa

alguma

parte

hoje

da

estaca

zero.

Mesmo

que

exploratória, isto é, de avaliação de uma situação concreta desconhecida

em um dado local, alguém ou um grupo, em algum lugar, já deve ter feito

pesquisas iguais ou semelhantes, ou mesmo complementares de certos

aspectos

da

pesquisa

pretendida.

Uma

procura

de

tais

fontes,

documentais ou bibliográficas, torna-se imprescindível para que não haja

duplicação de esforços.

A citação das principais conclusões a que outros autores chegaram permite

salientar a contribuição da pesquisa realizada, demonstrar contradições ou reafirmar

comportamentos e atitudes.

A literatura indicada deverá ser condizente com o problema em estudo.

Citar literatura relevante e atual sobre o assunto a ser estudado.

Apontar alguns dos autores que serão consultados.

Demonstrar entendimento da literatura existente sobre o tema.

As citações literais deverão aparecer sempre entre aspas ou caracteres em

itálico, indicando a obra consultada. CUIDADO COM O PLÁGIO!

As citações devem especificar a fonte (AUTOR, ANO, PÁGINA)

As citações e paráfrases deverão ser feitas de acordo com as regras da ABNT

6023, de2002.

Citações literais, utilizar fonte nº 11.

7

5- METODOLOGIA

(COMO FAZER?)

Descrever sucintamente o tipo de pesquisa a ser abordada (bibliográfica,

documental, de campo, etc. )

Delimitação

e

descrição

(se

necessário)

dos

instrumentos

e

fontes

escolhidos para a coleta de dados: entrevistas, formulários, questionários,

legislação doutrina, jurisprudência, etc.

Indicar o procedimento para a coleta de dados, que deverá acompanhar o

tipo de pesquisa selecionado, isto é:

a) para pesquisa bibliográfica: indicar proposta de seleção das leituras

(seletiva, crítica ou reflexiva, analítica);

b) para pesquisa experimental; indicar o procedimento de testagem;

c) para a pesquisa descritiva: indicar o procedimento da observação:

entrevista, questionário, análise documental, entre outros.

Listar bibliotecas visitadas até o momento do projeto e outras a serem

visitadas durante a elaboração do trabalho final.

Indicar outros recursos: jornais, periódicos, Internet.

6- CRONOGRAMA

8

(EM QUANTO TEMPO FAZER?)

A elaboração do cronograma responde à pergunta

quando? A

pesquisa deve ser dividida em partes, fazendo-se a previsão do tempo

necessário para passar de uma fase a outra. Não esquecer que

determinadas

partes

que

podem

ser

executadas

simultaneamente

enquanto outras dependem das fases anteriores. Distribuir o tempo total

disponível para a realização da pesquisa, incluindo nesta divisão a sua

apresentação gráfica.

MES/ETAPAS

Mês/ano

Mês

Mês

Mês

Mês

Mês

Mês

Mês

Mês

Mês

Mês

Escolha do tema

X

                   

Levantamento

 

X

X

X

             

bibliográfico

Elaboração do

   

X

               

anteprojeto

Apresentação

       

X

           

do projeto

Coleta de dados

   

X

X

X

X

         

Análise dos

       

X

X

X

       

dados

Organização do roteiro/partes

           

X

       

Redação do

           

X

X

     

trabalho

Revisão e

               

X

   

redação final

Entrega da

                 

X

 

monografia

Defesa da

                   

X

monografia

 

24

9

7-BIBLIOGRAFIA

(QUAL O MATERIAL BIBLIOGRÁFICO UTILIZADO?)

A bibliografia utilizada no desenvolvimento do projeto de pesquisa ( pode incluir

aqueles que ainda serão consultados para sua pesquisa).

A bibliografia básica (todo material coletado sobre o tema: livros, artigos,

monografias, material da internet, etc.)

As referências bibliográficas deverão ser feitas de acordo com as regras da

ABNT NBR 6023/2002. Atenção para a ordem alfabética.

Na bibliografia final listar em ordem alfabética todas as fontes consultadas,

independente de serem de tipos diferentes. Apenas a título de exemplo, a

seguir, veja como citar alguns dos tipos de fontes mais comuns :

Livros:

GIL, Antonio Carlos . Como elaborar projetos de pesquisa. 2. ed. SP: Atlas, 1991.

LAKATOS, Eva e Marconi, Marina. Metodologia do Trabalho Científico. SP :

Atlas, 1992.

RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica: guia para eficiência nos estudos. 4. ed. SP: Atlas, 1996.

Artigos de revistas:

AS 500 maiores empresas do Brasil. Conjuntura Econômica. Rio de Janeiro. v.38, n. 9, set.1984. Edição Especial.

TOURINHO NETO, F. C. Dano ambiental. Consulex. Brasília, DF, ano 1, n. 1, p. 18-23, fev. 1997.

Material da Internet

SÃO PAULO. (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Tratados e organizações ambientais em matéria de meio ambiente. In: Entendendo o meio ambiente.

São Paulo,1999. v. 1. Disponível em:

SILVA, M.M.L. Crimes da era digital. NET, Rio de Janeiro, nov.1998.Seção Ponto de Vista. Disponível em <http://www.brasilnet.com.br/contexts/brasilrevistas.htm> Acesso em: 28

nov.1998.