Você está na página 1de 8

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CORPORATIVOS

Prof ª Iara Rangel

O que é Departamentalização?

Introdução

Quando uma empresa é pequena, com número reduzido de


funcionários, não existe a necessidade de um arranjo específico para uma
definição e agrupamento de suas atividades, pois a especialização não é
necessária para a distinção das atividades de uma pessoa em relação aos
demais. Porém, à medida que a empresa cresce e começa a desenvolver
atividades mais diversificadas, torná-se necessário dividir as tarefas,
agrupando recursos humanos para desenvolvê-las transformando-as em
responsabilidades agrupadas de acordo com as funções desempenhadas.
Com essa atitude, a empresa cria grupos de trabalho envolvidos com
tarefas específicas, lideradas por funcionários designados. A esses grupos
chamamos de departamentos.
Então, departamento é uma área, divisão ou segmento distinto de uma
empresa sobre o qual um administrador (diretor, gerente, chefe,
supervisor...) tem autoridade para o desempenho de atividades específicas.
(Chiavenato,2000)
Um departamento pode estar voltado para as mais diversas áreas de
atuação empresarial, seja ela de produção, ou financeira, ou
mercadológica, ou contábil, ou de pesquisa & desenvolvimento, entre
outras. A partir do surgimento dos departamentos, aplica-se o “desenho
departamental” que pode simplesmente ser chamado de
departamentalização.
Podemos, então definir departamentalização como o “agrupamento, de
acordo com critério específico de homogeneidade, das atividades e
correspondentes recursos (humanos, materiais, financeiros e tecnológicos)
em unidades organizacionais”. Então, a “Departamentalização” está
diretamente relacionada ao tamanho das organizações e à complexidade das
operações. Através dela, obtém-se a homogeneidade de tarefas de cada
órgão empresarial, que só pode ser alcançada quando estão reunidos na
mesma unidade todos aqueles que estiverem executando o mesmo trabalho,
pelo mesmo processo, para a mesma clientela e no mesmo local. Isso ocorre
por causa da diferenciação de atividades dentro da empresa que ocasionará
a especialização ou funções especializadas, fator essencial para
departamentalizar. Em algumas empresas essa terminologia indica relações
hierárquicas bem definidas, tais como um superintendente cuidando de uma
divisão, um gerente de um departamento, um chefe de uma seção e um
supervisor de um setor.Isso implica em “divisão de trabalho” que é a
distribuição das tarefas entre as pessoas, “hierarquia” que é a distribuição
das pessoas em posições distintas e “especialização” que é a capacidade
de realizar as atividades de forma mais direcionada e específica. Ao se referir
a esta última definição podemos afirmar que dois tipos distintos de
especialização podem ser conceituadas pelas empresas: a “especialização
vertical” que divide o trabalho em turmas de autoridade e responsabilidade
e a “especialização horizontal” que divide o trabalho em termos da
diferenciação entre os diversos tipos de tarefas executadas. Os dois tipos se
complementam, sendo que a primeira surge do aumento dos níveis
hierárquicos, onde acaba havendo um desdobramento da autoridade, pois há
um aumento de níveis hierárquicos. Já o segundo tipo refere-se à
departamentalização, pois o crescimento horizontal da empresa implica em
surgimento de departamentos, à medida que a empresa cresce.
Podemos então concluir, que departamentalização é o nome dado a
especialização horizontal na organização através da criação de
departamentos para cuidar das atividades organizacionais, que ocorre em
qualquer nível hierárquico da organização e é decorrente da divisão do
trabalho e da homogeneização das atividades.

Tipos de Departamentalização

Existe uma variedade de tipos de departamentalização, sendo que os


principais são:
FUNCIONAL – Organização feita com base em funções que requerem atividades
similares; são agrupadas juntas e identificadas de acordo com alguma classificação
funcional – depto financeiro, depto de recursos humanos,etc. Indicada para
circunstâncias estáveis e de pouca mudança e que requeiram desempenho constante de
tarefas rotineiras. É aconselhada para empresas que tenham poucas linhas de produtos
ou de serviços, e que permaneçam inalterados por longo tempo. Esse tipo de
departamentalização encoraja a especialização pois estabelece carreiras para os
especialistas dentro de suas áreas de atuação. Permite agrupar várias tarefas sob o
comando de uma única chefia;Utiliza o máximo as habilidades técnicas atualizadas das
pessoas;Permite uma economia pela utilização máxima de pessoas, máquinas e
produção em massa; Concentra as competências das pessoas de maneira eficaz
;Simplifica o treinamento; Tende a reduzir a cooperação interdepartamental;Mostra-se
inadequada quando a tecnologia e as circunstâncias externas são mutáveis ou
imprevisíveis;Dificulta a adaptação e a flexibilidade frente a mudanças externas;Tende a
fazer com que as pessoas focalizem seus esforços sobre suas próprias especialidades em
detrimento do objetivo global da empresa. A estrutura funcional é mais indicada para
circunstâncias estáveis e de pouca mudança e que requeiram desempenho constante de
tarefas rotineiras. É aconselhada para empresas que tenham poucas linhas de produtos
ou de serviços e que permaneçam inalterados por longo tempo. Ela reflete um dos mais
altos níveis de auto-orientação e de introversão administrativa demonstrando a
preocupação da empresa com a sua própria estrutura interna.

PRESIDENTE

DIRETOR
DIRETOR DIRETOR
DE
DE RECURSOS
FINANCEIRO
PRODUÇÃO HUMANOS

A departamentalização funcional reflete uma diferenciação lógica pelas funções


seguindo o “princípio da especialização ocupacional” do pessoal especializado
em produção, em recursos humanos, em finanças,... O que acaba por
simplificar o treinamento do pessoal.
POR PRODUTOS – Envolve a diferenciação e o agrupamento das atividades
de acordo com os resultados (outputs) da empresa.É utilizada por empresas de
larga escala e com multilinhas de produtos.Esse tipo de departamentalização
surge frequentemente em empresas que adotaram inicialmente a
departamentalização funcional e, por motivo de crescimento a tarefa gerencial
tornou-se complexa, exigindo uma reestruturação. Esta estratégia permite que
a administração de topo delegue autoridade sobre as funções relacionadas
com um dado produto ou uma linha de produtos.
Facilita a coordenação de resultados de cada produto ou serviço; apresenta a
melhor utilização de recursos especializados e a maior flexibilidade (de acordo
com a importância do produto); traz condições favoráveis à inovação e à
criatividade. Por outro lado, Pode haver duplicação de instalações e de
pessoal. Também determinados gerentes podem ficar demasiadamente
poderosos, o que acarretará uma coordenação mais difícil.
DIRETORIA

DIVISÃO DIVISÃO
DIVISÃO QUIMICA
FARMACÊUTICA VETERINÁRIA

ANALGÉSICOS VACINAS INSETICIDAS

ANTIBIÓTICOS MEDICAMENTOS PIGMENTOS

XAROPES

Esta estrutura departamental facilita o emprego da tecnologia, das máquinas,


dos equipamentos e do conhecimento, permitindo uma intensificação de
esforços e de coordenação.Ela enfatiza a coordenação em detrimento da
especialização. (Chiavenato, 2000)
TERRITÓRIO – Este tipo de organização tem como base a localização
geográfica e requer diferenciação e agrupamento das atividades de acordo
com o local de atendimento ao mercado ou localização geográfica da empresa.
A idéia central deste tipo de organização é a de que onde estão localizados os
consumidores, será melhorada a eficiência empresarial se todas as atividades
relacionadas às tarefas forem agrupadas em determinada área geográfica. É
utilizada por empresas que atendem grande área geográfica e possui
mercados extensos. Geralmente as multinacionais utilizam esse tipo de
departamentalização para suas operações nos diversos países em que atuam.
Geralmente são utilizadas para as áreas de produção e de marketing. É um
tipo de organização bem interessante porque permite conhecer melhor as
peculiaridades da região, também permite ação mais imediata. Um melhor
treinamento por atuar no território definido pode ser considerado como
adequado e também, pode obter vantagens econômicas características da
região. Por outro lado, pode acabando por limitar a ação da empresa, como
também pode haver duplicação de instalações e de pessoal. Um outro
problema pode estar voltado para a coordenação que pode ser deixada em
segundo plano, se for dada muita autonomia às unidades.
DIVISÃO DE
OPERAÇÕES

REGIÃO
REGIÃO NORTE REGIÃO SUL
SUDESTE

SÃO PAULO RIO DE JANEIRO RECIFE BELÉM PORTO ALEGRE FLORIANÓPOLIS

Ela é interessante quando as circunstâncias externas indicam que o sucesso


da empresa depende de sua adaptação às condições e necessidades regionais
ou mesmo locais. As empresas varejistas utilizam este tipo com maior
freqüência.

CLIENTES – Este tipo está voltado para o tipo de cliente que a empresa
pretende atingir, por isso características que envolvem o perfil dos clientes
constituem a base para esta estratégia. A ênfase é dada no consumidor e é
indicada quando a empresa atende diferentes tipos de clientes. É interessante
porque permite tirar proveito das condições de grupos definidos (inclusive
mercadologicamente) e auxilia no reconhecimento e atendimento rápido aos
diferentes tipos de clientes.Porém, pode haver dificuldade de coordenação,
pois alguns gerentes, de determinados clientes, podem exigir tratamento
diferenciado. Outras atividades da empresa podem se tornar secundárias por
causa da preocupação excessiva pelo cliente.

PROCESSO – Também conhecida de departamentalização por fases do


processo ou ainda por processamento. É praticamente restrita ao nível
operacional das indústrias e das prestadoras de serviços. A diferenciação e o
agrupamento se dá em termos da sequência do processo produtivo ou
operacional, ou ainda, pelo arranjo físico e disposição do equipamento
utilizado. Processo é uma sequência de atividades estruturada destinadas a um
resultado específico (produto ou serviço), portanto é uma ordenação de ponta a
ponta das atividades de trabalho no tempo e no espaço com atividades de
início e um fim, com as entradas e saídas claramente identificadas. Traz maior
especialização dos recursos alocados e comunicação mais rápida das
informações técnicas. Também pode ser utilizada pela Administração Pública. A
maior preocupação é que pode haver perda da visão global do andamento do
processo e sua flexibilidade é restrita para a realização de ajustes no processo.

PROJETO - Envolve a diferenciação e o agrupamento das atividades de


acordo com as saídas e os resultados relativos aos projetos da empresa. São
utilizadas por empresas que produzem produtos que envolvem grande
quantidade de recursos e muito tempo para produção, tais como obras de
construção civil, de estaleiros navais ou outras que exigem tecnologia
sofisticada, pessoal altamente especializado e recursos diferentes ao longo do
produto. A organização, nesse caso, deve ser mutável para uma adaptação
mais rápida e sem conseqüências imprevistas para as necessidades
específicas de cada projeto. Portanto, exige alto grau de responsabilidade, pois
as pessoas têm um grande conhecimento do projeto o que acarreta grande
versatilidade e adaptabilidade e melhor cumprimento de prazos e orçamentos.
Por outro lado, existe a preocupação da existência de recursos ociosos ou mal-
empregados; dupla subordinação; geralmente não tem um sistema adequado
de comunicação que apóie a tomada de decisão e o tamanho do grupo pode se
tornar um problema. Ela pode ser considerada como uma departamentalização
temporária por produto, quando este assume dimensões enormes.

MATRICIAL – Existe a sobreposição de dois ou mais tipos de


departamentalização sobre a mesma pessoa. Este é um tipo de fusão entre a
estrutura funcional e a por projetos. Sua principal característica é a
responsabilidade compartilhada e exige um nível de confiança mútua e
capacidade de improvisação na solução de problemas. A organização matricial
proporciona uma hierarquia que responde mais rapidamente às mudanças em
tecnologia. É principalmente encontrada em organizações com orientações
técnicas, como a NASA, a GE. Permite comunicação aberta e coordenação de
atividades entre os especialistas funcionais. Sua estrutura é flexível e responde
rápido à mudanças. Porém, pelo fato de existir dupla subordinação pode haver
choque de prioridades.
DIRETORIA

PROJETOS ENGENHARIA MARKETING

MECÂNICA PESQUISA
PROJETO A
RECURSOS
PROJETO B HUMANOS DESENVOLVIMENTO
E
MATERIAIS
PROJETO C COMERCIALIZAÇÃO

Esse tipo de departamentalização surgiu porque as formas tradicionais de


organizar não eram eficazes para atividades complexas.

MISTAS – É o tipo mais freqüente, pois cada parte da empresa deve ter a
estrutura que mais se adapte à sua realidade organizacional. Empresas de
grande porte utilizam frequentemente esta estrutura. Ela é desenvolvida pela
soma da departamentalização funcional com um ou mais tipos de outras.

DIRETORIA

GERÊNCIA DE GERÊNCIA GERÊNCIA


PROJETOS FINANCEIRA COMERCIAL

PROJETO A
REGIÃO REGIÃO
NORTE SUL
PROJETO B
Em muitos casos, esta estrutura onera o custo para as empresas e pode
dificultar a comunicação empresarial.

Considerações Finais

TIPOS AGRUPAMENTO POR VANTAGENS DESVANTAGENS

FUNCIONAL Atividades ou funções. Maior especialização Pouca cooperação

Divisão do trabalho pela das pessoas e de interdepartamental.

especialização. recursos. Contra indicada para

ambiente imprevisíveis.

PRODUTOS Produtos/Serviços. Impõe responsabilidade Enfraquece a

Divisão do trabalho por produtos, facilita a especialização. Custo

pelos produtos. avaliação de resultados. alto. Enfatiza a

Orientação para Flexibilidade e coordenação em

resultados inovação. detrimento da

especialização.

TERRITÓRIO Localização geográfica. Adaptação às Enfraquece a

Ênfase no território. condições locais. Fixa coordenação da

Orientação para o responsabilidade por organização como um

mercado região, facilita todo. Enfraquece a

avaliação. especialização.

CLIENTES Tipo/Tamanho do Predispõe à satisfação Sacrifica os objetivos da

cliente. Ênfase no dos clientes. Fixa organização e torna

cliente. Orientação para responsabilidade por secundárias as outras

o cliente cliente. atividades.

PROCESSO Fases do processo, Melhor arranjo físico e Pouca flexibilidade e

produto ou operação. disposição de recursos adaptação às

Ênfase na tecnologia. e da tecnologia estável. mudanças e inovação

tecnológica.

PROJETO Saídas/Resultados. Alta concentração de Descontinuidade e

Ênfase no projeto. recursos com prazos imprevisibilidade quanto

Flexibilidade definidos. Orientada à permanência das

organizacional para para resultados pessoas e dos recursos.

ajustar cada projeto. concretos.

(CHIAVENATO, 2000)