Você está na página 1de 14

Astrologia

Paula Falcão

A autora deste capítulo é diretora da KDP-Kepler Consultoria em Desenvolvimento de


Potencial, em São Paulo, atuando como consultora empresarial e educacional em
desenvolvimento de cursos, palestras e programas de treinamento.
Formada em Informática pelo ITA, é Professora Titular do curso de Pós-graduação em
Jogos Cooperativos da Unimonte (Santos) e introdutora no Brasil dos Jogos de
Autodescoberta de Findhorn (Escócia).
Desde 1991 é Astróloga, aplicando técnicas de enfoque sistêmico no desenvolvimento
do ser humano. É membro da ISBN - International Society for Business Astrologers, da
ISAR - International Society for Astrological Research e da AAGB - Astrological
Association of Great Britain.
É co-autora do livro Brasil, Corpo e Alma - Reconhecendo o Brasil pela Astrologia,
Editora TRIOM, 2001 e conferencista internacional com trabalhos apresentados em
diversos congressos tais como CONARH, COPARH, CBTD e CIACYD.
Fone: (11) 3814-7280 / 9248-4455
E-mail: paulafalcao@terra.com.br

Objetivo do Capítulo

Este capítulo tem por objetivo:

 Mostrar o que realmente é e como funcionam os princípios básicos da Astrologia.


 Esclarecer como a Astrologia pode ser utilizada para ajudar na gestão e
desenvolvimento de talentos.
 Demonstrar a eficácia da Astrologia como ferramenta para formação e gestão de
equipes.
 Mostrar como a Astrologia pode ajudar no alinhamento das visões da organização,
do time e da pessoa.

1. Apresentação

1.1 O que é e como funciona a Astrologia

Astrologia é uma linguagem simbólica que correlaciona a posição dos corpos


celestes em um determinado momento com as características deste momento em um
determinado local aqui na Terra. Com isso, podemos saber que tipos de energias estão
mais atuantes em um determinado fato, desde um nascimento até um fato histórico,
econômico, etc.
Podemos com isto analisar tendências e características deste determinado fato, o
que vai nos ajudar a lidar com o mesmo da melhor maneira. Por exemplo: se sabemos
de antemão as principais tendências de personalidade de uma criança que acabou de
nascer, podemos orientar sua educação para que ela se torne um adulto mais realizado
e feliz. Por outro lado, se sabemos as características de uma empresa, e do indivíduo
que nela vai trabalhar, podemos dar-lhe a função que ofereça tanto a ele quanto à
empresa maior realização e produtividade.
Astrologia estuda os ciclos de vida, as "voltas que a vida dá". Não é ciência nem
arte, porque é mais que as duas. Através da Astrologia, podemos ter a síntese de um
determinado tempo e lugar e, se bem interpretada pelo astrólogo, como este momento
e local se refletirão na realidade à sua volta.
A Astrologia se divide em vários ramos de estudo, mas no nosso caso o que
vamos utilizar é a chamada Astrologia Empresarial, que também tem várias
subdivisões:
• Na administração em geral, podemos utilizar a Astrologia para auxiliar no
planejamento estratégico (tanto no estudo de cenários quanto nos plano estratégico
e tático), em marketing (determinando necessidades de mercado, estratégias e
datas de lançamento de produtos), na análise de sociedades e parcerias, no estudo
de viabilidade para abertura de novos negócios e na organização funcional da
empresa.
• Em finanças, no planejamento econômico/financeiro e viabilidade de investimentos
e aplicações.
• Em praticamente todas as áreas de Recursos Humanos, pois se o maior capital das
organizações são as pessoas, a Astrologia é um recurso prático e eficiente para
conhecer, analisar e desenvolver talentos humanos.

1.2 Elementos básicos da Astrologia

A linguagem astrológica funciona através de vários símbolos que mostram desde


uma visão geral da situação até o grau de particularidade que o usuário estiver
interessado. Estes elementos básicos do simbolismo astrológico são:

a) Signos

Se observarmos o caminho que o Sol traça no céu desde a hora em que nasce
até a hora em que se põe, durante todo o ano, podemos ver que, dentro de uma certa
variação da inclinação do Sol, que este caminho é sempre o mesmo. Neste pedaço de
céu existem 12 constelações com estrelas que auxiliavam os navegadores da
antigüidade. É a chamada faixa zodiacal ou zodíaco.
Se pegarmos os 360 graus desta faixa de céu e dividirmos em 12 pedaços de 30
graus cada um, começando no ponto onde o Sol cruza o equador na entrada da
primavera do hemisfério norte (em março), teremos os 12 signos do zodíaco. É
importante perceber que signos e constelações são coisas absolutamente
diferentes apesar de terem o mesmo nome. Constelações são grupos de estrelas com
tamanhos variáveis e signos são divisões fixas do zodíaco, com tamanho determinado
matematicamente. Nem sempre constelações e signos de mesmo nome ocupam o
mesmo lugar no espaço.
Os 12 signos representam 12 tipos de consciência, 12 visões diferentes da Terra.
Portanto, vão significar características e visões diferentes de todo e qualquer assunto.
Peter Drucker já tem falado bastante sobre o a importância da administração da
diversidade no desenvolvimento de lideranças. Os 12 signos representam exatamente
isto: 12 pontos de vista diferentes que juntos compõem um todo!
Os 12 signos são classificados de várias maneiras, mas as duas classificações
principais são natureza e modalidade.
Quanto à natureza, temos os 4 elementos: fogo, ar, terra e água,
correspondentes exatamente à tipologia junguiana. Os signos de fogo são voltados
para a intuição e a criatividade (e também muita ação). Os signos de ar são voltados
para o pensamento e a comunicação, os signos de água para a emoção e a
sensibilidade e os signos de terra para o concreto e a sensação.
Já quanto à modalidade, levamos em conta 3 atitudes principais: os signos
cardeais, que são altamente pró-ativos; os fixos, altamente estáveis e os mutáveis,
altamente flexíveis.
Portanto, para o leigo, uma boa maneira de ver os signos sem obrigatoriamente
decorar seus significado é pensando no foco para o qual este signo está voltado e para
a atitude principal que gera:

Atitude
Foco Cardeal Fixo Mutável
(Próatividade) (Estabilidade) (Flexibilidade)
Fogo
Intuição/Criatividade Áries Leão Sagitário
Ar
Pensamento/Comunicação Libra Aquário Gêmeos
Água
Emoção/Sensibilidade Câncer Escorpião Peixes
Terra
Concretização/Sensação Capricórnio Touro Virgem

b) Casas

As Casas Astrológicas mostram as áreas da vida de uma pessoa, de uma


organização ou de um país. Elas se distribuem pela faixa zodiacal a partir do signo que
estava no horizonte no local e momento do evento, seja este o nascimento de uma
pessoa, a fundação de uma empresa, um fato histórico, natural, etc...
Seu significado para pessoas e organizações é o seguinte:

Casa Pessoa Organização


1 (Ascendente) auto-imagem imagem
aparência pessoal ética
vitalidade pessoas (acionistas e
atitude geral trabalhadores)
atitude geral
fornecedores
2 valores ativos
situação financeira lucros
posses investimentos
capacidade de ganhar área financeira
dinheiro
administração financeira
3 raciocínio relações públicas
comunicação transportes
educação básica comunicações
viagens curtas tecnologia da informação
irmãos marketing
amigos íntimos
memória
modo de falar
4 base personalidade campo de atividade
(Fundo do família imóveis
Céu) casa matéria prima
assuntos domésticos matriz
a mãe tradições
estoque
5 criatividade cultura organizacional
lazer riscos assumidos
esportes áreas de desenvolvimento
namoros novos produtos
filhos
6 rotina trabalhadores
saúde prestadores de serviço
alimentação greves
animais de estimação área operacional
empregados domésticos máquinas e equipamentos
rotina de trabalho
7 casamentos clientes
(Descendente) sociedades contratos
parcerias concorrentes
inimigos declarados área de vendas
relacionamentos
8 perdas bancos
sofrimentos prejuízos
mortes impostos
heranças reestruturações
sexo estratégia
segredos área de planejamento
transformações
9 idéias propaganda
grandes viagens importações e exportações
educação superior desenvolvimento de talentos
ideais consultoria
religião coaching
área jurídica
10 vida profissional presidente
(Meio do Céu) reputação missão, visão e valores
carreira credibilidade
o pai metas
11 vida social organizações parceiras
amigos política social
trabalhos voluntários política ecológica
esperanças
atividades em grupo
12 inconsciente ameaças
eventos sobre os quais não limitações
temos controle sindicatos
doenças crônicas fundações
limitações
c)Astros

Se os signos representam a visão da pessoa ou da organização e as casas as


áreas onde esta visão ocorre, os astros representam os princípios e qualidades que
movem as ações da pessoa ou organização. Todo astro tem um princípio, que leva a
anseios e necessidades, como segue:

Planeta Princípio Anseio Necessidade


Sol Vitalidade Ser Ser reconhecido
Individualidade Criar Se expressar
Criatividade
Essência
Lua Reação Segurança Pertencer
Condicionamento
Auto-imagem
Mercúrio Comunicação Expressar Relacionamentos
Raciocínio percepções Aprender
Mostrar a
habilidade
Vênus Valores Social Intimidade
Partilha Expressar afeições Conforto
Prazer Harmonia
Expressar
emoções
Marte Desejo Auto-afirmação Conquista
Ação Agressividade Excitação
Iniciativa Decisão Vitória
Energia física
Júpiter Expansão Se ligar a algo Fé
Graça maior Confiança
Abundância Buscar ideais Aperfeiçoamento
Justiça
Saturno Esforço Estruturar Aprovação social
Controle Prática Auto-suficiência
Limite Segurança Organização
Defesa
Urano Liberdade Diferenciação Mudança
Igualdade Originalidade Novidade
Fraternidade Independência Liberdade
Netuno Libertação Fuga Sentir o todo
Transcendência Sonho
Unificação
Plutão Transformação Renascimento Refinamento do eu
Eliminação Profundidade Renovação
Transmutação

Dependendo do posicionamento deste astro, estes direcionamentos podem se


expressar com maior ou menor grau de excelência.
d) Aspectos

Aspectos são ângulos que os astros fazem uns com os outros tendo como ponto
de referência a Terra. Dependendo do ângulo, as energias de ação destes astros irão se
combinar com maior ou menor harmonia e,portanto, fazer diferentes efeitos na vida da
pessoa, organização ou país estudado.

1.3 O Mapa Astrológico

Tudo o que foi dito anteriormente sobre signos, casas, astros e aspectos pode
ser sintetizado no mapa astrológico. O mapa astrológico nada mais é do que um
"retrato" do céu no momento e lugar em que ocorreu algum fato, seja ele o nascimento
de uma pessoa, o lançamento de uma empresa ou produto, a independência de um
país, a contratação de alguém, a abertura de uma filial, etc.
No mapa astrológico temos o posicionamento dos astros nos signos, os aspectos
que estes astros estão formando entre si e em que casas, ou áreas da vida, eles se
localizam.
Por exemplo: Gandhi em seu mapa astral tem Urano na Casa 10 em Câncer.
Como vimos anteriormente, a casa 10 representa a vida profissional e a carreira da
pessoa. Ghandi tinha esta casa no signo de Câncer, um signo de água, que trabalha
com emoção e sensibilidade e cardeal, um signo bastante pró-ativo. Então podemos
dizer que Ghandi tinha uma visão bastante emotiva e sensível de sua carreia, e não
ficava sentado esperando as coisas acontecerem. Mas, como ele agia? Ele agia de
acordo com o astro que lá estava, Urano, o planeta da liberdade, igualdade e
fraternidade, que davam a Ghandi a necessidade de mudanças e de liberdade.
Este é um exemplo simplificado de interpretação astrológica, mas dá para
perceber o nível de profundidade que podemos chegar examinando 12 casas, 12
signos, 10 astros e pelo menos 7 aspectos? A quantidade infinita de combinações
existentes?
Por outro lado, temos que levar em conta que a simples análise de um mapa
astrológico leva em conta apenas o potencial da pessoa ou organização. É preciso levar
em conta o ambiente econômico, social e cultural para saber como este potencial pode
se desenvolver. Por exemplo, duas pessoas nascidas no mesmo dia, na mesma hora e
na mesma cidade, porém um com uma família estruturada moral, cultural e
financeiramente e outro não, irão se desenvolver de maneira diferente. E em geral, só
conseguimos obter este tipo de informação após uma entrevista.

1.4 Ciclos Astrológicos: a evolução do Mapa Astrológico

Já dissemos que o mapa astrológico é um "retrato" do céu em um determinado


momento. Da mesma maneira que a vida não é estática, o céu também não é. Os
astros estão sempre em movimento e é este movimento que vai mostrar as
possibilidades de evolução de um mapa astrológico.
Os planetas têm órbitas e conforme avançam por estas órbitas fazem aspectos
com os outros astros e pontos importantes no mapa astrológico. A órbita de um astro e
sua relação com um determinado mapa astrológico mostra o ciclo em que a ação
representada pelo astro se desenvolve.
Citando novamente o mapa de Gandhi, Júpiter, o planeta que pede expansão
tem uma forte ligação com a casa 3, da comunicação, e da casa 8, da transformação.
Em 11/2/1933, quando o Júpiter do momento fazia um trígono, um ângulo de 120o
com a posição em que estava no mapa astrológico de Gandhi, este fundou o jornal
Harijan, sua grande arma de propagação de suas idéias. O trígono é considerado um
aspecto extremamente favorável.
Em outubro de 1940, quando Júpiter no céu estava exatamente na mesma
posição que o Júpiter no mapa astrológico de Gandhi (conjunção), os ingleses fecharam
o jornal por desobediência civil. Como eu disse, além da casa 3 da comunicação, o
Júpiter de Gandhi tinha uma forte ligação com a casa 8, da transformação. Estava na
hora de mudar.
Já em 14/8/1947, data da independência da Índia, Vênus, Saturno, Plutão,
Mercúrio e Lua estavam na casa 10 de Gandhi, a casa da vida profissional, reputação e
carreira. Quanta energia ali naquele momento! Urano, o planeta da liberdade,
igualdade e fraternidade estava na casa 9 de Gandhi, a casa dos ideais. Júpiter, o
planeta da expansão, estava na casa 2, dos valores.
A história mostra que este foi um momento de extrema evidência de Gandhi, que
ao mesmo tempo precisou de todo o seu idealismo, firmeza e solidez de valores para
conseguir lidar com o conflito entre Índia e Paquistão, muçulmanos e hindus.
Temos então os ciclos astrológicos como uma visão do desenvolvimento da
pessoa através do tempo, das crises e oportunidades por que esta pessoa passa. Como
diz o astrólogo Maurício Bernis, este tipo de raciocínio também vale para empresas, e o
estudo dos ciclos astrológicos no mapa da empresa vai mostrar a fase que a empresa
se encontra em seu processo de desenvolvimento. Unindo os dois podemos saber se o
momento da pessoa e da empresa estão ou não em sintonia.

1.5 Sinastria: a comparação entre dois ou mais Mapas Astrológicos

O mapa astrológico mostra o tipo de visão que a pessoa ou empresa vai ter de
cada área de sua vida através dos signos que estão nas casas, o tipo de ação que ela
vai ter em cada uma destas áreas através dos astros e o grau de facilidade ou
dificuldade para estas ações através dos aspectos.
Se compararmos os mapas astrológicos de duas ou mais pessoas, podemos ter
uma idéia da sintonia que existe entre o pensar, o sentir e o agir de todos e perceber
os ajustes que precisam ser feitos para que o relacionamento seja o melhor possível.
Por exemplo, tanto Bill Clinton quanto George W. Bush têm Mercúrio, o planeta
que mostra a maneira como pensamos em Leão, signo que mostra uma atitude estável
e bastante intuição e criatividade. Só que no mapa astrológico de Bill Clinton Mercúrio
está na casa 11, a casa do trabalho social, da visão social do mundo. No mapa de
George W. Bush Mercúrio está na casa 1, da auto-imagem. Ou seja, Clinton tende a
conectar seu modo de pensar com uma visão social das coisas. Bush tende a conectar
seu modo de pensar à preservação da auto-imagem.
Marte, o planeta que nos pede uma ação de conquista e de vitória está em Libra,
no Ascendente do mapa de Clinton. Como Libra dá uma visão de harmonia e
diplomacia, as conquistas e vitórias de Clinton tendem a acontecer através de uma
ação harmônica e voltada a relacionamentos, preservando sua auto-imagem. No mapa
de Bush, Marte está em Virgem na casa 2. As conquistas de Bush estão ligadas a
valores e com foco na concretização, pois Virgem é um signo de terra. Bush tende a
lutar para conquistar valores, enquanto Clinton para conquistar uma imagem.
Este também é um exemplo simplificado de como podemos utilizar a sinastria,
a comparação entre dois mapas astrológicos.
2. Relação com outros Temas

2.1 Astrologia e Gestão de Talentos

Para que qualquer pessoa se sinta feliz e realizada, é necessário que esteja
desenvolvendo e aplicando seus talentos. Isto é conseguido quando a pessoa coloca em
prática os seus valores essenciais. Quando consegue, em sua atividade diária, colocar
seus valores mais básicos a serviço de uma meta.
A realização é obtida quando a pessoa consegue alinhar a sua dimensão do "ser"
com o "ter", podendo assim desenvolver um trabalho e um estilo de vida que possa lhe
trazer satisfação tanto no nível prático da vida quanto em seus anseios e necessidades
mais profundos.
Os anseios e necessidades mais profundos estão ligados aos valores essenciais, à
dimensão do "ser" na vida da pessoa e, no trabalho, profundamente ligados à pessoa
estar ou não exercendo funções relacionadas com a sua vocação.
A satisfação no nível prático da vida está ligada à dimensão do "ter": ter a
satisfação de executar seu trabalho com competência e receber a devida recompensa
por isto.
TRIÂNGULO DA REALIZAÇÃO

REALIZAÇÃO

ATIVIDADE DIÁRIA

METAS

Curto, médio e
COMPETÊNCIA longo prazos TER

VOCAÇÃO VALORES ESSENCIAIS SER

Em trabalho realizado para o primeiro Seminário Brasil Corpo e Alma -


Integrando Astrologia e Recursos Humanos, eu e o astrólogo Maurício Bernis
elaboramos a seguinte definição de talento:

"Talento é a vocação aplicada plenamente por meio das competências."

Portanto, entendemos que gerir talentos é justamente conseguir unir as


dimensões do "ser" e do "ter" no ambiente de trabalho, propiciando funções e planos
de desenvolvimento que permitam a realização das pessoas e seu alinhamento com
times de trabalho e com a missão da empresa.
A astrologia pode ajudar na gestão de pessoas em vários níveis:
a) Diagnóstico de Potencial - Astrologia Vocacional

Quando tratamos do diagnóstico de potencial de uma pessoa, temos que levar


em conta dois fatores principais: vocação e habilidades latentes.
Todo indivíduo nasce com um conjunto de habilidades, mas elas podem ou não
estar ligadas à sua vocação.
A palavra vocação vem do latim "vocare", chamamento. Aqui nos referimos
justamente ao chamamento interior. A vocação está diretamente ligada à necessidade
de exprimir na prática os valores essenciais do indivíduo. Como vimos no Triângulo da
Realização, os valores essenciais são a base de onde partimos para desenvolver nossos
talentos.
É claro que nem sempre a vocação precisa estar ligada à vida profissional, mas
se conseguirmos que pelo menos uma parte deste chamamento interno possa ser
usado no trabalho, estamos dando o primeiro passo para maximizar a capacidade de
realização da pessoa.
O mapa astrológico mostra tanto a vocação quanto as habilidades latentes no
indivíduo, deixando claro o que e quando utilizar. Habilidades podem e devem ser
aproveitadas e a vocação normalmente é ampla o suficiente para ser aproveitada na
organização.
Por exemplo: um profissional de vendas precisa ter a vocação para se relacionar
com as pessoas, comunicar e trocar. Precisa também ter a habilidade de negociação.
Mas quantas outras funções existem na organização que atendem a estas
necessidades? Inúmeras. Claro que isto é apenas um exemplo simples, mas alguém
com estas características poderia ser um bom profissional em todas elas!

b) Desenvolvimento de Competências

Para podermos falar em desenvolvimento de competências, primeiro precisamos


definir competência.

Competência é o diferencial que faz com que uma pessoa, equipe ou


organização consiga unir o conhecimento e as habilidades necessárias para
executar uma ação com a atitude adequada ao executá-la e a visão sistêmica
necessária para perceber o contexto e as conseqüências desta ação.

Portanto, para definir como esta competência pode ser desenvolvida, temos
quatro componentes envolvidos:
• Conhecimento
• Habilidade
• Atitude
• Visão Sistêmica
O mapa astrológico mostra o potencial da pessoa: sua melhor maneira de
aprender, suas habilidades latentes, seu perfil emocional e comportamental e a sua
amplitude de visão.
O ciclos astrológicos determinam a evolução desta pessoa ao longo do tempo: os
melhores momentos para aprender, para praticar habilidades, para trabalhar suas
atitudes e aqueles momentos especiais em que uma crise leva à insights e abertura de
visão.
Portanto, o estudo do mapa astrológico juntamente com os ciclos astrológicos
determina quais competências desenvolver e quando estarão plenamente
desenvolvidas.
Finalizando este assunto de potencial, vocação e competência, podemos ainda
lembrar que dependendo do estágio de desenvolvimento de cada um destes
componentes, podemos situar a pessoa ou time (entendido aqui pela soma das
vocações e competências de todos os integrantes) em um dos quatro grupos do gráfico
do talento:

Gráfico do Talento

Vocação
(Mapa Inadequação Realização
Astrológico)

Frustração Sobrevivência

Competência
: (Mapa + Ciclos)

Quando a vocação não está sendo utilizada, nem a competência está


desenvolvida, o resultado é frustração geral. É momento de parar, conversar, fazer
uma análise do desempenho anterior da pessoa, se realmente vale a pena sua
permanência na empresa e verificar se existe alguma outra função que necessite de
outras competências onde o colaborador possa ser melhor aproveitado. Se toda uma
equipe estiver neste quadrante é momento de verificar se as metas para esta equipe
estão claras e se está composta pelas pessoas ideais.
Uma outra situação é quando a vocação não está sendo utilizada mas o grau de
competência é alto. É a típica situação em que apenas a dimensão do "ter" está
contemplada e se trabalha apenas para sobrevivência! Também é o caso de mudança
de função. Um grande desafio pode fazer brotar todo o talento adormecido. O mapa
astrológico vocacional pode indicar o tipo de desafio ideal.
A terceira situação é aquela em que a vocação está sendo seguida, mas ainda
não se desenvolveram competências necessárias no momento. Por mais que esteja
fazendo o que nasceu para fazer, a pessoa se sente inadequada. É o momento de
montar um plano de desenvolvimento para este colaborador, que pode ser baseado no
estudo de seus ciclos astrológicos para que os melhores momentos e condições possam
ser aproveitados.
A quarta situação, a ideal, é aquela em que a vocação está sendo seguida e as
competências para o assunto estão plenamente desenvolvidas. É o quadrante da
realização, da alta performance! A questão aqui é: até quando vai a motivação desta
pessoa ou desta equipe? Para continuar motivada, tem que estar continuamente se
desenvolvendo. O estudo dos ciclos astrológicos pode mostrar os momentos de crise,
em que precisa acontecer um novo desafio para que o talento possa continuar
crescendo, como no exemplo do fechamento do jornal de Gandhi, que passou a contar
com pessoas que transmitiam as notícias umas às outras!
c) Ciclos profissionais

Ciclos astrológicos ocorrem levando-se em conta um ou dois astros. Quando


levamos em conta apenas um astro, o ciclo é a própria órbita deste astro. Podemos
citar como exemplo o ciclo da Lua, que dá uma órbita completa ao redor da Terra a
cada 28 dias.
Quando levamos em conta dois astros, ou um astro e um ponto importante de
um mapa natal, este ciclo se inicia no momento em que estes dois pontos estão juntos
no mapa astrológico (não quer dizer que estejam juntos no espaço) e dura enquanto o
astro mais rápido dá toda a volta até se encontrar novamente com o outro, em outro
ponto do mapa natal.
Mas, de qualquer maneira, ciclos astrológicos têm uma estrutura sempre similar,
apesar do conteúdo depender dos planetas envolvidos e do meio ambiente do
momento. Esta estrutura é a seguinte:
1. O ciclo começa como resultado de uma crise. A palavra crise significa reorientação
em grego. É o ponto em que lançamos a semente de um novo empreendimento.
2. Começamos então a fazer um impulso fertilizar a terra e fazer nossa semente
brotar. Vamos planejar a nossa ação. Crescemos em substância, mesmo que isto
ainda não possa ser notado.
3. Quando adquirimos experiência suficiente nesta nova maneira de encarar as coisas,
passamos pela crise da quadratura crescente (ângulo de 90o entre os planetas):
como vamos agir agora para que o empreendimento comece a aparecer? É o
primeiro grande teste.
4. Passamos então a agir buscando transformar nosso empreendimento em uma
realidade concreta. Crescemos em capacidade, preparamos nossa estrutura e o
trabalho começa a surgir.
5. Se realmente nos preparamos, aqui nosso trabalho começa a aparecer: a crise da
oposição (ângulo de 180o). É o momento em que temos que nos reestruturar, fazer
correções no planejamento, etc...
6. Agora a realidade que criamos está operando totalmente. Crescemos em
funcionamento e o trabalho dá frutos.
7. Passamos então pela crise da quadratura minguante (ângulo de 270o): nosso
empreendimento começa a ficar obsoleto e precisamos fazer um balanço da
experiência. Aqui é o momento da maior crise profissional, pois se o colaborador
não estiver preparado para se reciclar começa a se sentir inadequado.
8. Agora estamos colhendo os frutos de nossa ação. Crescemos em influência mas
precisamos ter a visão de que algo novo precisa chegar.
9. Percebemos então que já vivemos aquela experiência, e partimos para um novo
ciclo.
A ESTRUTURA DE UM CICLO
90o - Ação


Planejamento

0o - Início  -
 Preparação

Reestruturação o
 180 - Realização
Operação



270o - Colheita
Em nossa vida profissional dois ciclos têm especial importância: Júpiter, que tem
a ver com os movimentos de expansão e Saturno, que tem a ver com movimentos de
estruturação.
Sabendo os momentos das diversas fases do ciclo de expansão e do ciclo de
estruturação em que está um colaborador fica fácil planejar o desenvolvimento de seus
talentos e retê-los. Quando o que se deseja de um colaborador não está em sintonia
com as experiências profissionais que este colaborador quer e necessita viver no
momento, fica difícil conseguir sucesso e realização, mas se a liderança sabe desta
necessidade pode aproveitá-la ao máximo.
Lee Iacocca, por exemplo, começou sua carreira na Ford quando Júpiter, o
planeta da expansão, estava em conjunção com seu Sol, o planeta da individualidade.
Seu primeiro cargo executivo, o de Gerente Geral da Divisão Ford, aconteceu com tanto
Júpiter quanto Saturno na casa 10, do sucesso profissional. Iacocca juntou neste
momento expansão e estrutura para obter reconhecimento e sucesso e segundo suas
próprias palavras foi a época mais feliz de sua vida. Em 1970, com Júpiter em
conjunção com seu Saturno natal tornou-se presidente da Ford e foi demitido quando
este mesmo Júpiter, da expansão, estava em oposição à sua casa 10, ou seja,
atrapalhando sua vida profissional. Ao se tornar presidente da Chrysler em 1979 Júpiter
estava em conjunção com seu Sol progredido (um tipo especial de ciclo astrológico).

d) Coaching

Quando pensamos em coaching, sempre surge a questão da sintonia entre o


colaborador e seu coach. Que tipo de soluções podem surgir desta interação? Quem
deve ser o coach ideal para aquela pessoa? Aquele que tem maior experiência na
função? Seu líder direto? Alguém que seja detentor do conhecimento do negócio e não
tanto da função?
A análise do tipo de mecanismo cognitivo de ambos, coach e colaborador pode
ajudar a decidir a parceria ideal. Isto é facilmente obtido através da análise do signo,
posição e aspectos de Mercúrio no mapa de ambos. Vamos dar um exemplo usando
apenas os 4 elementos, mas podemos obter análises muito mais profundas!

Mercúrio Mercúrio do Colaborador


do Fogo Ar Água Terra
Coach
Fogo Motivação Organização de Motivação Crescimento
idéias
Ar Inovação Muita teoria Falta de Falta de
Pouca prática sintonia criatividade
Água Incompreensã Falta de Grande Frustração
o Sintonia amizade
Terra Desilusão Desenvolvimen Incompreens Concretizaçã
to ão o

É claro que a tabela acima não deve ser levada ao pé da letra, pois não estamos
analisando signos, casas, aspectos, etc... É mais para se ter uma idéia do que pode ser
feito.

2.2 Astrologia, Formação e Gestão de Equipes

Neste caso, a Astrologia pode fornecer uma análise completa dos


relacionamentos interpessoais entre as pessoas. A técnica é a sinastria entre os mapas
astrológicos de todos os envolvidos. Para obter este diagnóstico da equipe, o astrólogo
e consultor Maurício Bernis recomenda que se siga a seguinte estrutura:
• Análise básica dos mapas individuais de cada integrante da equipe, para saber sua
vocação e potenciais.
• Análise detalhada dos estilos de relacionamento de cada colaborador (obtida no
mapa astrológico) para podermos ter uma idéia das forças e desafios de
relacionamento da equipe.
• Análise dos ciclos astrológicos de cada integrante, para saber o momento que todos
estão vivendo, ou se um deles está em processo de mudança, etc..
• Análise dos astros de cada integrante no mapa astrológico dos outros e seus inter-
aspectos, para saber o tipo de reação que um causa no outro.
• Análise dos ciclos astrológicos de cada integrante sobre o mapa astrológico dos
outros, para saber que influência o processo pessoal de cada um vai ter sobre o
outro.
• Análise do mapa composto - que tipo de personalidade vai ter esta equipe?
• Análise dos mapas individuais sobre o mapa da equipe - será que cada colaborador
está em sintonia com a equipe? Se não, o que pode ser feito?

2.3 Alinhamento de Visão: Empresa, Equipe, Pessoa

Para existir sucesso e realização, tanto por parte da organização quanto das
pessoas, a visão de ambas deve estar voltada para o mesmo lado. Muitas vezes um
pequeno ajuste pode providenciar isto, outras vezes isto fica muito difícil. Mas o
diagnóstico e possíveis ajustes desta situação podem ser obtidos através da sinastria
entre o mapa astrológico da empresa e do colaborador, através dos seguintes passos:
• Análise básica do mapa da organização, para saber sua missão, potencial e estilo de
trabalho.
• Análise básica do mapa do colaborador, para saber sua vocação e potenciais.
• Análise dos ciclos astrológicos do colaborador e da organização, para saber o
momento que estão vivendo, as crises e fases de expansão à vista, etc..
• Análise dos astros do mapa da empresa no mapa do colaborador e vice-versa (e
seus inter-aspectos), para saber o tipo de atuação de um sobre o outro.
• Análise dos ciclos astrológicos da empresa sobre o mapa do colaborador e vice-
versa, para saber que influência o processo um vai ter sobre o outro.
• Análise do mapa composto - qual é a "substância" formada pela interação entre os
dois? Está em sintonia? O que pode ser feito para melhorar esta sintonia?

3. Conclusão

Cada vez mais o mercado exige profissionais e empresas altamente preparados e


competitivos. É muito mais fácil atender a essas exigências do mercado se levarmos
em conta os fatos a seguir:
• Pessoas que estão utilizando e tendo reconhecidos os seus talentos trabalham
mais felizes e realizadas.
• Equipes coesas e em alta sintonia são mais eficazes.
• Quando o profissional compreende e atende às necessidades da organização e
a organização faz a mesma coisa com o colaborador, surge a excelência.
• Todo e qualquer programa de T&D é mais eficaz e barato quando aplicado no
momento ideal, a partir de uma necessidade específica.
• Sabendo-se os pontos comuns entre as pessoas, é mais fácil suavizar as
diferenças.
A Astrologia é uma ferramenta de imensa profundidade e potencial, que pode ser
aplicada em cada um destes pontos conforme vimos anteriormente. Gerir pessoas e
equipes requer uma boa dose de conhecimento do ser humano e a Astrologia pode e
deve ajudar nesta tarefa.
4. Bibliografia e Sites

Abramo, B.
No Céu da Pátria Neste Instante
São Paulo, Terragraph, 1996

Arroyo, S.
Astrologia, Psicologia e os Quatro Elementos
São Paulo, Pensamento, 1997

Bernis, M.
Astrologia Empresarial, Vols., I a V
Apostila de Curso, 1999 e 2000

Bernis, M.
Astrologia Vocacional
São Paulo, Editora Roca, 2001

Bernis, M.
O Brasil Astrológico
São Paulo, AstroBrasil, 2001

de Vore, Nicholas
Encyclopedia of Astrology
Totowa, New Jersey, Littlefield, Adams & Co, 1976

Gramigna, Maria Rita


Modelo de Competências e Gestão de Talentos
Makron Books, São Paulo, 2002

Hesselben, F. & Cohen, P.M.


De Líder para Líder
São Paulo, Editora Futura, 1999

Iacocca, Lee
Uma Autobiografia
Livraria Cultura Editora, São Paulo, 1985

ISBA - International Society for Business Astrologers


www.businessastrologers.com