Você está na página 1de 5

Artigo Original

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E IMAGEM CORPORAL DE


MULHERES ADULTAS

VIEIRA, Andressa Amorim; SOARES, Priscilla Kálisy Duarte; FINELLI, Leonardo Augusto Couto; JONES, Kimberly Marie,
SOARES, Fernando Bryan Duarte; SOARES, Wellington Danilo

RESUMO INTRODUÇÃO

As alterações do estado nutricional são relacionadas O excesso de peso se tornou um grave


com sérios agravos para a saúde. Este estudo teve problema de saúde pública, pois serve como fator
como foco principal analisar o estado nutricional e
imagem corporal de mulheres adultas. Foi realizada motivador para doenças crônicas degenerativas. Seu
uma pesquisa descritiva, quantitativa e transversal. A aumento gradativo tem relação direta com o
amostra foi constituída de 50 mulheres, na faixa etária
aumento da idade cronológica e diminuição das
de 20 a 50 anos, inscritas e frequentes no programa de
emagrecimento de uma clínica de estética da cidade capacidades físicas, ocasionando um processo
de Bocaiúva – MG. Para avaliação nutricional foi epidêmico (AMER; MARCON; SANTANA,
utilizado um aparelho de bioimpedância e para
2010). Existe um forte apelo divulgado pelas mídias
mensuração da imagem corporal foi utilizado a
Escala de Silhueta com figuras contendo imagens que tem levado as pessoas a uma desenfreada busca
corporais. Foi realizada uma análise descritiva dos pelo corpo perfeito, preocupação com a imagem e
dados. Os resultados mostraram que as mulheres
pesquisadas apresentaram médias de IMC e peso corporal nos últimos tempos.
percentual de gordura com classificação de Pode-se conceituar a imagem corporal como o
sobrepeso. Com relação a imagem corporal as conjunto de percepções, pensamentos e sentimentos
silhuetas mais apontadas como atual foram a 2 e 3, já a
escolhida como silhueta ideal foi a número 1. de um indivíduo sobre o seu próprio corpo, e essa
Conclui-se que a amostra foi composta por mulheres forma de perceber o próprio corpo pode influenciar a
com sobrepeso refletindo no alto nível de insatisfação forma como percebemos o ambiente à nossa volta,
com a imagem corporal, que parece se agravar com o
passar do tempo às mulheres, no qual vão inclusive modificando nossas relações com outras
envelhecendo, otimizando o processo de pessoas. (REZENDE, 2011).
sedentarismo, aumento do peso e gordura corporal A insatisfação com a imagem corporal,
resultando em baixa autoestima.
entendida como um sentimento negativo, afeta o
PALAVRAS-CHAVE: Avaliação nutricional. estado psicológico do indivíduo, influencia a
Autoestima. Índice de massa corporal. Imagem relação com seu peso e à sua forma corporal, é um
corporal. Estado Nutricional. aspecto importante para o diagnóstico de alguns
transtornos alimentares, como a anorexia e a bulimia
32 Revista Multidisciplinar das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, ano 15, n. 25, 1º semestre de 2017
Artigo Original
nervosas. Essa insatisfação com o corpo está corporal e desordem da imagem corporal, dentre
associada a fatores prejudiciais à saúde, como baixa outras. (DUARTE et.al., 2007).
autoestima, depressão, estados de ansiedade social e, O método de autoavaliação da imagem
principalmente, a atitudes inadequadas de controle do corporal consiste na apresentação de uma
peso, como o abuso de laxantes, usa de substâncias determinada série de figuras que, geralmente vai de
anorexígenas e esteroides anabólicos, e figuras eutróficas até as obesas, onde a avaliada
comportamentos alimentares inadequados deverá escolher a figura que representa seu corpo
(CARVALHO, 2013). atual e o desejado. Essas avaliações são úteis não só
A mídia cada vez expõe mais mulheres com para pessoas com preocupação com a estética, mas
corpos musculosos e tonificados que influenciam para reconhecer casos de pessoas com distúrbios
mulheres a insatisfações consigo mesma, e com isso alimentares como a (anorexia e a bulimia).
aumenta mais as buscas por todos os tipos de métodos (ALMEIDA, 2005).
existentes de emagrecimento que levam a procura, A avaliação do Índice de Massa Corporal
por exemplo, por procura por cirurgias plásticas, (IMC) tem se mostrado uma importante ferramenta
programas de exercícios físicos, entre outros de diagnóstico de desnutrição e obesidade,
métodos. Mulheres desejam cada dia mais estarem (Desnutrição IMC < 17), (Sobrepeso IMC ≥25) e
magras e pensam que esse é o padrão tido como ideal (obesidade IMC≥30). O peso e estatura são duas
(RIBEIRO, 2009). medidas antropométricas usuais na prática clínica e
A imagem corporal é uma construção nas pesquisas. Estas medidas são obtidas com
multidimensional por meio da qual os indivíduos equipamentos específicos e amplamente
descrevem as representações internas da estrutura disponíveis É um método de baixo custo e que aplica
corporal e da aparência física, em relação a si próprio grandes grupos, é uma alternativa para se monitorar
e aos outros. Vários fatores podem influenciar o e controlar o ganho de peso (THOMAZ, 2013).
processo de autoavaliação, dentre eles o gênero, a Em geral, a aplicação de Avaliação de
idade, os meios de comunicação, além da relação do Bioimpedância tem sido associada a medidas
corpo com os processos cognitivos como crença, objetivas que avaliam o estado nutricional. Nesse
valores e atitudes inseridos em uma cultura (CASH, aspecto, o índice de massa corporal (IMC) é a
2005). medida mais prática e de fácil reprodução para
Dados de diversos estudos têm demonstrado determinar o estado nutricional pela análise dos
que há uma tendência, principalmente entre as artigos revistos, contatamos que existe um consenso
mulheres, na escolha de figura mais tonificada, sobre temática, pois os estudos apontam para a
portanto, uma clara necessidade em expandir o existência de relações entre o exercício físico a
entendimento em relação com a autoavaliação da depressão e entre o IMC (DRAGAN, 2007).
imagem corporal e a autoestima (KAKESHITA, Dentro deste contexto, o presente estudo
2009). buscou avaliar o estado nutricional e imagem
Segundo Thompson et.al.(2013), a utilização corporal de mulheres adultas frequentadoras de uma
do termo imagem corporal seria uma maneira de clínica particular da cidade de Bocaiúva– MG. Além
padronizar os diferentes componentes que integram a disso, tal reflexão poderá evidenciar uma ligação
imagem corporal. Dentre eles tem-se: satisfação com íntima entre moda e corpo feminino, o que a torna
o peso, o diagnóstico da percepção do tamanho, atual e importante ao aprofundamento da temática,
satisfação corporal, avaliação da aparência, ainda pouco explorada.
estimativa, padronização do corpo ideal, distorção
Revista Multidisciplinar das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, ano 15, n. 25, 1º semestre de 2017 33
Artigo Original
MÉTODO obesidade foram propostas pela Organização
Mundial de Saúde (WHO, 2000).
Essa pesquisa foi submetida e aprovada pelo Para coleta dos dados foi feito inicialmente
Comitê de Ética em Pesquisa da Associação um contato com a clínica de estética e foi
Educativa do Brasil (SOEBRAS) sob o parecer nº apresentado o objetivo e a metodologia da pesquisa
1.145.831/2015. Trata-se de um estudo descritivo, e sua justificativa. Após a autorização, foram
com abordagem quantitativa e transversal. agendados dias e horários para recolha dos dados.
Participaram do estudo 50 mulheres, na faixa Todos os dados foram coletados em uma sala
etária de 20 a 50 anos (31,5 ± 9,2 anos) todas reservada para esse fim.
submetidas a um programa de emagrecimento em A partir dos dados coletados feito uma análise
uma clínica estética da cidade de Bocaiúva – MG. descritiva dos mesmos. O programa estatístico
Foram incluídas as mulheres que aceitaram a utilizado será o StatisticalPackage for the Social
participar da pesquisa de forma voluntaria ter entre 20 Sciences(SPSS) 22.0 para Windows.
a 50 anos de idade, não está sobre uso de
medicamentos antidepressivos. Foram excluídas as RESULTADOS
mulheres que não aceitam a assinar o termo de
TABELA 1 - Dados descritivos do grupo amostral (n=50).
consentimento livre e esclarecido, não ter entre 20 a VARIÁVEL MINIMO MÁXIMO MÉDIA E DP
50 anos de idade, e está sobre uso de medicamentos Tempo 1 36 7,4 ± 0,9
Peso 50,1 106,0 69,8 ± 13,6
antidepressivos.
Estatura 144 176 160,9 ± 5,2
Para avaliação da imagem corporal foi IMC 20,0 41,0 27,0 ± 4,9
%G 8,0 51,2 32,2 ± 7,4
utilizado a escala de silhueta proposta por
Massa magra 33,5 55,3 44,1 ± 4,8
(STUNKARD, 1983), que contém figuras que % Água 36,6 68,2 50,2 ±5,2
TMB 196 1781 1396 ± 231,6
representa diversos tipos de imagens, as avaliadas
devem ao final responder duas perguntas após avaliar %G – Percentual de gordura/ % Água – Percentual de água/
TMB – Taxa de metabolismo basal.
as imagens propostas: em qual das imagens você se
encaixa e qual delas gostaria que estivesse. Através dos dados apresentados na tabela 1
Na mensuração do estado nutricional foi usada referente ao IMC e percentual de gordura foi
uma balança de bioimpedância que se caracteriza possível verificar que a amostra pesquisada
como uma alternativa na avaliação da composição encontra-se na classificação de sobrepeso segundo
corporal, que dá o diagnóstico completo do estado os padrões de referência da organização mundial de
nutricional, taxas de gordura, massa magra, água. saúde (WHO, 2000; JACKSON; POLLACK,
Possibilita trabalhar com equipamento portátil, de 1978). O grupo amostral apresentou um tempo
fácil manuseio, e viável para a prática clínica e para médio no programa de emagrecimento de sete
estudos epidemiológicos. Sua utilização determina o meses.
fracionamento da composição corporal e é uma Também os valores de massa magra,
técnica capaz de superar dificuldades encontradas em percentual de água no corpo e a taxa de metabolismo
outros métodos. basal se encontraram dentro dos padrões de
Para utilização da bioimpedância foi normalidade de acordo com valores de referência
necessário os dados da estatura, para avaliação internacionais ((GALLAGHER et.al, 2000).
dessas, foi utilizado um estadiômetro da marca Seca Na tabela 2 demonstram a distribuição da
com capacidade de precisão de 2,2 metros e precisão amostra em relação à SA e SI. Percebe-se a
de 0,1 centímetros. As definições de sobrepeso e tendência, identificada pela moda, da maioria das
34 Revista Multidisciplinar das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, ano 15, n. 25, 1º semestre de 2017
Artigo Original
mulheres escolheram a silhueta 2 e 3, como sendo a normalidade e as escolhas das imagens foram de
SA. A silhueta 1apontada como ideal a ser atingido figuras magras, o que caracteriza insatisfação.
pela maioria. Estudo de Ferrando et.al(2002) de 57% das
Colaborando com nossos achados, estudos que avaliadas, 56% relataram satisfação com a imagem
relacionam o IMC e a satisfação com a imagem corporal, independente do estado nutricional. Em
corporal indicam que o ideal de corpo magro, o baixo contrapartida nossos resultados demonstraram um
conceito, a baixa autoestima e a percepção negativa fato preocupante, pois das 50 avaliadas apenas 7
do corpo têm maior influência na insatisfação relataram satisfação com a imagem corporal,
corporal que o próprio peso ou IMC (CANPOLAT, independente do estado nutricional, evidenciando
2005). uma alta prevalência das mulheres pesquisadas com
insatisfação com a imagem corporal e baixa da
DISCUSSÃO autoestima.
A busca da saúde e da qualidade de vida não
Podemos perceber que os fatores subjetivos se parece ser o principal motivo que determina a
sobrepõem aos aspectos objetivos relacionados à escolha da atividade física ou o exercício
satisfação com a imagem corporal. sistematizado, existe quase em sua totalidade uma
Segundo Adami et. al (2005) o processo de preocupação exacerbada com a aparência estética,
construção e desenvolvimento da imagem corporal geralmente imposta pela mídia. Cobra-se das
está associado a todas as fases da existência humana, pessoas um padrão de corpo inatingível e desta
compreensão determinantes da sociedade e cultura. forma, aumenta-se também o número de pessoas
Portanto o significado do que é beleza varia de acordo insatisfeitas com sua autoimagem.
com a idade, nível socioeconômico, etnia, históricos Conclui-se que a amostra avaliada foi
pessoais, ou seja, é importante relevar as condições composta por mulheres com sobrepeso refletindo no
individuais. De acordo com que vão passando os anos alto nível de insatisfação com a imagem corporal,
as mulheres vão ganhando peso, massa gorda, que parece se agravar com o passar do tempo, no
diminuindo a estatura, e ficando mais insatisfeitas qual as mulheres vão envelhecendo, otimizando o
com sua imagem corporal. processo de sedentarismo, aumento do peso e
O estudo de Saur e Pasian (2008) investigando gordura corporal resultando em baixa autoestima.
o nível de satisfação corporal e possível influência do O estudo apresenta as limitações típicas de
sexo e idade em indivíduos com diferentes pesos, uma pesquisa transversal na impossibilidade de uma
concluíram que a satisfação com a imagem corporal inferência causal.
não se mostrou associada ao sexo e à idade. Recomendamos a realização de novas
Diferentemente desse estudo nossos achados pesquisas sobre a temática proposta para poderem
mostraram que parece que com o passar do tempo as embasar ou não os resultados aqui encontrados.
mulheres vão ficando mais sedentárias e ganhando
mais peso e massa gorda. REFERÊNCIAS
O estudo de Kakeshita e Almeida (2006)
obteve resultados de mulheres com IMC abaixo da ADAMI, F.F.; TONY, F.D., FERNANDO, O.
Aspectos da construção e desenvolvimento da
normalidade e as escolhas das figuras foram de imagem corporal e implicações na educação física.
imagens hipertróficas, o que caracteriza insatisfação Revista Digital, n. 83, 2005.
da imagem corporal. Já o nosso estudo obteve
ALMEIDA, G.A. N; SANTOS, J.E; PASIAN, S.R.
resultados de mulheres com IMC acima da Percepção de tamanho e forma corporal de
Revista Multidisciplinar das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, ano 15, n. 25, 1º semestre de 2017 35
Artigo Original
mulheres: estudo exploratório. Psicol. Estud. v.10, índice de massa corporal e a percepção da auto-
p.27-35, 2005. imagem em universitários. Rev. Saúde Pública;
v.40, n.3, p.497-504, 2006.
AMER, N.M.; MARCON, S.S.; SANTANA, R.G.
Índice de massa corporal e hipertensão arterial em REZENDE, F. F. .Percepção da imagem corporal,
indivíduos adultos no centro-oeste do Brasil. Arq resiliência e estratégias de coping em pacientes
Bras Cardiol. v.96, n.1, p.47-53, 2011. submetidos à cirurgia bariátrica(Dissertação de
Mestrado). Universidade de São Paulo, Ribeirão
CANPOLAT, B.; ORSEL, S.; AKDEMIR, A. Preto, 2011.
OZBAY, M.; The relationship between dieting and
body image, self-perception, and body mass index in RIBEIRO, R.G; KRUSE, M.H.L. O corpo ideal: a
Turkish adolescents. International Journal of pedagogia da mídia. Rev. GaúchaEnferm.v.30,
Eating Disorders.v.37, n.2, p.150-155, 2005. n.1, p.71-76, 2009.

CARVALHO, P.H.B. et al. FILGUEIRAS, J.F., SAUR, A.M; PASIAN, S.R. Satisfação com a
NEVES, C.M, COELHO, F.D., FERREIRA, imagem corporal em adultos de diferentes pesos
M.E.C.Checagem corporal, atitude alimentar corporais.Ava. psicol. v.7 n.2, 2008.
inadequada e insatisfação com a imagem corporal de
jovens universitários. Brás Psiquiatr. v. 62, n.2, S T U N K A R D , A . J . , S O R E N S O N , T. ,
p.108-14, 2013. SCHLUSINGER, F. Use of the Danish Adoption
Registerfor the study of obesity and thinness. In:
CASH, T.F; GRASSO, K. As normas e estabilidade Kety SS, Rowland LP, Sidman RL, Matthysse SW,
de novas medidas da construção editors. The geneticsofneurologicaland
multidimensional imagem corporal. v.2, p.199- psychiatricdisorders.p.115-20, 1983.
203, 2005.
THOMAZ, P.M.D.etal.Validade de peso, altura e
DUARTE, A.C.G. Avaliação nutricional: aspectos índice de Massa corporal autor referidos na
clínicos e laboratoriais. São Paulo: Atheneu, 2007. p o p u l a ç ã o a d u l t a d e B r a s í l i a . R e v.
BrasEpidemiol.v.16, n.1, p.157-69, 2013.
DRAGAN, A.A; DANESH, N. Relação ente índice
de massa corporal e depressão: uma abordagem de W H O , W O R L D H E A L T H
modelagem de equações estruturais. ORGANIZATION.Report of a WHO consultation
MedicalResearchMetodologia. v.17, n.7, p.1- on obesity.In: Obesity – preventing and managing
8,2007. the global epidemic. v.265, 2000.

FERRANDO, D.B.; BLANCO, M.G.; MASÓ, J.P.;


G U R N É S , C . S . ; AV E L L I , M . F.
–Actitudesalimentarias y satisfacción corporal en
adolescentes: unestudio de prevalência.
ActasEspPsiquiatr, v.30, p.207-212, 2002.

GALLAGHER, D. et al. Healthy percentage body fat


ranges: an approach for developing guidelines based
on body mass index. The American journal of
clinical nutrition, v. 72, n. 3, p. 694-701, 2000.

JACKSON, A.S; POLLOCK, M.L. Generalized


equations for predicting body density of men. Br J
Nutr, v.40, p.497-504, 1978.

KAKESHITA, I.S; SILVA, A.I.P; ZANATTA, D.P;


ALMEIDA, S.S. Construção e fidedignidade teste-
reateste de escala de silhuetas brasileiras para adultos
e crianças.Psicol. Teor Pesqui, v.25, p.263-270, 2009.

KAKESHITA, I.S; ALMEIDA, S.S; Relação entre

36 Revista Multidisciplinar das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, ano 15, n. 25, 1º semestre de 2017